RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº ª PARTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 201108736 2ª PARTE"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº ª PARTE 1 - DESENVOLV EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA 1.1 SUBÁREA - FUNCIONAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS INFORMAÇÃO: (011) Informação do Programa/Ação 1062/2992. O Programa 1062 Desenvolvimento da Educação Profissional e Tecnológica, principal programa executado pelo IFGoiano durante o exercício de 2010, tem por objetivo ampliar a oferta da educação profissional nos cursos de níveis técnico e tecnológico, com melhoria da qualidade. Esse programa representou 86% do orçamento autorizado para 2010 do Instituto, tendo sido empenhados R$ ,91 e liquidados R$ ,78 no exercício. Sua principal Ação é a Funcionamento da Educação Profissional, que tem por finalidade garantir a manutenção e custeio das instituições da rede federal de educação profissional, visando assegurar o desempenho da sua finalidade precípua, proporcionando melhor aproveitamento do aluno e melhoria contínua de qualidade do ensino. A Ação visa a manutenção das instituições, por meio da sua gestão administrativa, financeira e técnica, incluindo participação em órgãos colegiados que congreguem o conjunto dessas instituições, bem como manutenção de infraestrutura física por meio de obras de pequeno vulto que envolvam ampliação/reforma/adaptação e aquisição e/ou reposição de materiais, inclusive aqueles inerentes às pequenas obras, observados os limites da legislação vigente. Essa ação é implementada diretamente pelas unidades responsáveis por manter o adequado funcionamento das instituições de ensino. Seu produto é aluno matriculado. As despesas empenhadas na Ação 2992 representaram 70% do programa 1062 e 60% do total empenhado em todos os programas constantes do Orçamento/2010 do IFG ASSUNTO - AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS INFORMAÇÃO: (012) Execução física-financeira da Ação de 38

2 A dotação orçamentária autorizada para 2010, referente à Ação 2992, para o IFGoiano, foi de R$ ,00, sendo a execução financeira de 99,5%. A meta física prevista na LOA foi de alunos matriculados, sendo que a meta executada foi de alunos, correspondente a 108%. Ao efetuarmos, por amostragem, conferência do número de alunos matriculados para parte dos cursos do IFGoiano, constatamos que os dados constantes do Relatório de Gestão conferem com os dados do sistema SIG utilizado como fonte para os mesmos. O acompanhamento da Ação 2992 nesta auditoria, se deu por meio de testes nos pagamentos de pessoal ativo e inativo, análises das contratações de serviços de limpeza e conservação, aquisições de materiais e insumos diversos e serviços típicos dos campi vinculados ao Instituto. Considerando o valor liquidado na Ação 2992, excluídas as despesas com folha de pagamentos de pessoal, os processos licitatórios analisados representaram 17,22% do total gasto na ação. Das análises efetuadas, verificamos que os gastos estão condizentes com a finalidade precípua do Programa/Ação que é a de garantir a manutenção e custeio dessas instituições, proporcionando melhor aproveitamento do aluno e melhoria de qualidade do ensino. As ressalvas ocorridas dizem respeito a falhas na condução dos processos licitatórios e dispensas de licitação ASSUNTO - CONTROLES INTERNOS INFORMAÇÃO: (031) Planejamento Estratégico de Tecnologia de Informação. Em seu Relatório de Gestão, o IFGoiano apresentou informações relativas à gestão de TI que, no que concerne ao planejamento, identificou: a) Há planejamento institucional em vigor ou existe área que faz o planejamento da UJ como um todo afirmativa parcialmente válida; b) Há Planejamento Estratégico para a área de TI em vigor - afirmativa parcialmente válida; e c) Há comitê que decida sobre a priorização das ações e investimentos de TI para a UJ afirmativa parcialmente inválida. Verificamos que o Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI do IFGoiano, aprovado em junho de 2009, orienta o planejamento da instituição para o período de 2009 a Não identificamos no planejamento institucional metas relacionadas à elaboração e aprovação do Plano Diretor de Tecnologia da Informação - PDTI. Segundo as informações prestadas pelo IFGoiano, o PDTI ainda não foi aprovado. Em 16/05/2011, por meio da Portaria nº 98/2011, foi criado o Comitê de Tecnologia da Informação e Comunicação - 2 de 38

3 CTIC, que será responsável pela aprovação do PDTI. Está em processo de aprovação a proposta de regimento do CTIC. Verificamos que essa proposta atribui ao Comitê o alinhamento das ações de TI ao disposto no PDI institucional. Essa proposta também estabelece a composição do Comitê incluindo o Diretor de Gestão de TI, o Coordenador de Sistemas de Informação, o Coordenador de Redes e Infraestrutura, um representante de cada Pró-Reitoria e um representante da coordenação de TI de cada campus. A proposta define as atribuições e o funcionamento do Comitê, o qual terá natureza consultiva e deliberativa. Quanto às políticas de aquisição e contratação foi informado que o IFGoiano, por estar em reforma, está adquirindo o estritamente necessário para o funcionamento e que as demandas consideradas urgentes estão passando por um estudo de viabilidade técnica antes de serem enviadas para o departamento de licitações. A unidade destacou ainda que a aparente inércia na gestão de TI é proveniente da nova complexidade da instituição. Afirmou também que em 2011 irá executar uma dinâmica gestão de TI. Diante do exposto, constatamos que a unidade não dispõe de Planejamento Estratégico para a área de TI. Orientamos a unidade que elabore, aprove e faça uso do PDTI pois é por meio desse plano que as organizações conseguem identificar e alocar corretamente os recursos da área de TI de acordo com as prioridades institucionais e com os resultados esperados INFORMAÇÃO: (032) Política de Segurança da Informação. Em seu Relatório de Gestão, o IFGoiano apresentou informações relativas à gestão de TI que, no que concerne à segurança da informação, identificou: a) Existe uma área específica, com responsabilidades definidas, para lidar estrategicamente com segurança da informação afirmativa parcialmente inválida. b) Existe Política de Segurança da Informação (PSI) em vigor que tenha sido instituída mediante documento específico afirmativa parcialmente válida. O IFGoiano ainda não possui regimento interno que defina a sua estrutura. Em seu estatuto foi estabelecido, de forma geral, que as diretorias sistêmicas são órgãos responsáveis por planejar, coordenar, executar e avaliar os projetos e atividades na sua área de atuação, no âmbito de todo o Instituto. Verificamos por meio dos documentos apresentados pela unidade que há em sua estrutura uma Diretoria de TI, vinculada à Reitoria e Gerências de TI nos campi. As competências inerentes à gestão de TI da unidade estão sendo executadas por essas divisões. A unidade não possui documento intitulado "Política de Segurança da Informação". Porém verificamos que foram elaborados e encontram-se em vigor três normas associadas à segurança da informação, conforme detalhamos a seguir. 3 de 38

4 A Norma para Utilização dos Recursos de TI e Comunicação serviu de base para a edição das outras duas. Ela define quais são os serviços oferecidos, tais como endereço de e serviço de impressão, qual é a sua utilização e estabelece que todo serviço deverá ser acompanhado de sua política de uso. A Norma de Segurança de Utilização de Laboratórios de TI estabelece diretrizes e condutas para a utilização de recursos de TI disponibilizados nos laboratórios do IFGoiano bem como define regras de controle de acesso aos ambientes. A Política de Utilização de Correio Eletrônico regula o uso do serviço de correio eletrônico fornecido pelo IF Goiano, definindo regras de privacidade das mensagens eletrônicas e segurança das senhas. A divulgação dos referidos documentos aos usuários é feita por meio do site da unidade. Dessa forma, consideramos que a política de segurança da informação na Unidade está sendo implantada, havendo ainda serviços que precisam ser regulamentados INFORMAÇÃO: (033) Recursos Humanos de TI. Em seu Relatório de Gestão, o IFGoiano apresentou informações relativas à gestão de TI que, no que concerne aos recursos humanos da área, identificou: a) Quantitativo de servidores e de terceirizados atuando na área de TI: 16. b) Há carreiras específicas para a área de TI no plano de cargos do Órgão/Entidade afirmativa parcialmente válida. Visando verificar como se dá a distribuição da força de trabalho relacionada com a Tecnologia da Informação, solicitamos ao IFGoiano a relação dos servidores da área de TI do quadro próprio e os terceirizados. Em resposta, o IFGoiano identificou 19 servidores que trabalham na área de TI, distribuídos conforme a seguir: - 9 Analistas de Tecnologia da Informação; - 6 Técnicos de Tecnologia da Informação; - 3 Assistentes em Administração; e - 1 Auxiliar de Biblioteca. Desses, 3 estão lotados na Reitoria, 2 no Campus de Ceres, 6 em Rio Verde, 4 em Urutaí, 3 em Morrinhos e 1 em Iporá. 4 de 38

5 Questionamos sobre a diferença entre a quantidade de servidores informada no Relatório de Gestão (16) e a informada em resposta à solicitação de auditoria (19). A Unidade informou que após a elaboração do citado relatório, dois servidores tomaram posse e 1 servidor foi alocado para a área de TI, o que ocasionou o aumento de três servidores. O IFGoiano informou que não possui terceirizados na área de TI. Quanto à formação, tem-se tecnólogos em sistemas de informação e em processamento de dados, bacharéis em ciências da computação e em engenharia da computação, técnicos em eletrônica, dentre outros. Verificamos que a Lei nº /2005, alterada pela Lei nº /2008, dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao MEC. Esse plano inclui o cargo de Técnico de Tecnologia da Informação, com formação médio profissionalizante ou médio completo, mais curso técnico em eletrônica, com ênfase em sistemas computacionais. E também inclui o cargo de Analista de Tecnologia da Informação exigindo curso superior na área. Do exposto, identificamos que existe estrutura de pessoal de TI na Unidade, com perfil e formação próprios, não havendo terceirizados e que há carreira específica para a área de TI no plano de cargos da Unidade INFORMAÇÃO: (034) Desenvolvimento e Produção de Sistemas. Em seu Relatório de Gestão, o IFGoiano apresentou informações relativas à gestão de TI que, no que concerne ao desenvolvimento de sistemas, indicou: a) É efetuada avaliação para verificar se os recursos de TI são compatíveis com as necessidades da UJ afirmação parcialmente válida. b) O desenvolvimento de sistemas quando feito na UJ segue metodologia definida afirmação parcialmente inválida. c) É efetuada a gestão de acordos de níveis de serviço das soluções de TI do Órgão/Entidade oferecidas aos seus clientes afirmação parcialmente válida. d) Nos contratos celebrados pela UJ é exigido acordo de nível de serviço afirmação parcialmente válida. Solicitamos ao IFGoiano, por meio da Solicitação de Auditoria nº 002, caso haja desenvolvimento e produção de sistemas no Instituto, a apresentação dos seguintes documentos: a) Documentação contendo estudos/avaliações de verificação de rotina sobre a compatibilidade entre os recursos de TI e as necessidades do órgão/entidade; b) Descrição detalhada do Processo de Desenvolvimento de Sistemas utilizado no Instituto, mostrando quem são os responsáveis, os setores envolvidos e as empresas terceirizadas colaboradoras (se houver); c) Documentação contendo a gestão de acordos de níveis de serviço das soluções de TI do Instituto oferecidas aos demandantes do serviço; e 5 de 38

6 d) Documentação comprovando a exigência de acordos de nível de serviço nos contratos celebrados pela UJ com terceiros. Em sua resposta, por meio do Ofício nº 02/2011- Auditoria Anual de Contas, a Unidade informou que não existe desenvolvimento de sistemas no Instituto e que, atualmente, está em fase de implantação o sistema Gestão Livre de Parque de Informática - GLPI, solução gratuita utilizada para controle de chamados técnicos, e o Sistema Integrado de Gestão Acadêmica- SIGA em suas duas vertentes - SIGA-EDU e o SIGA-ADM. O SIGA é um sistema integrado de gestão acadêmica desenvolvido com tecnologias livres e de forma colaborativa por várias instituições federais do Brasil. Esse projeto tem o apoio do MEC, através da Secretaria da Educação Profissional e Tecnológica - SETEC. O SIGA automatiza a gestão dos processos institucionais acadêmicos através do SIGA-EDU (Ensino, Pesquisa e Extensão) e administrativos (Protocolo, Recursos Humanos, Almoxarifado, Compras, Patrimônio etc.) através do SIGA-ADM. Diante da resposta apresentada, verificamos que não é aplicável à unidade a avaliação da gestão de TI no que concerne ao desenvolvimento de sistemas INFORMAÇÃO: (035) Contratações e gestão de aquisições de TI. Em seu Relatório de Gestão, o IFGoiano apresentou informações relativas à gestão de TI que, no que concerne à contratação e gestão de bens e serviços, identificou: a) Nível de participação de terceirização de bens e serviços de TI em relação ao desenvolvimento interno da própria UJ - 0%. b) Na elaboração do projeto básico das contratações de TI são explicitados os benefícios da contratação em termos de resultado para UJ e não somente em termos de TI afirmação parcialmente válida. c) O Órgão/Entidade adota processo de trabalho formalizado ou possui área específica de gestão de contratos de bens e serviços de TI afirmação parcialmente válida. d) Há transferência de conhecimento para servidores do Órgão/Entidade referente a produtos e serviços de TI terceirizados afirmação parcialmente válida. Com o objetivo de avaliar a contratação e gestão de bens e serviços de TI, solicitamos ao IFGoiano, por meio da Solicitação de Auditoria nº 002, as seguintes informações: a) Relação das Soluções de TI existentes, informando o respectivo gestor responsável da Unidade, se elas foram desenvolvidas internamente ou por terceiros e se são mantidas internamente ou por terceiros; b) Documentação contendo processo de trabalho formalizado para contratação de bens e serviços 6 de 38

7 de TI, conforme descreve o artigo 7º da IN/SLTI nº 04/2008, contendo as três fases fundamentais: planejamento da contratação, seleção do fornecedor e gerenciamento do contrato; e c) Relação dos processos licitatórios e contratos vigentes para aquisição de bens e serviços de TI. Em resposta, a unidade apresentou uma lista com 5 soluções de TI das quais 4 são mantidas pela equipe interna do IFGoiano. Tratam-se de soluções de software livre desenvolvidas externamente e implantadas pela equipe do IFGoiano. A outra solução apresentada, utilizada para gerenciamento de impressão e cópias, é mantida pelo IFGoiano em conjunto com equipe terceirizada. Segundo as informações prestadas, não existem ainda procedimentos formais para a contratação de bens e serviços de TI no IFGoiano. Sobre a existência de área específica de gestão de contratos de bens e serviços de TI, foi informado que a Pró-Reitoria de Administração é a responsável pela gestão dos contratos. Em relação aos processos licitatórios e contratos vigentes para aquisição de bens e serviços de TI, da relação apresentada verificamos que a entidade tem utilizado o sistema de registro de preços nas aquisições de bens. Em relação à contratação de serviços, foram apresentadas 8, das quais selecionamos uma para análise, conforme descrevemos a seguir. A Dispensa de Licitação nº 93/2010, no valor de R$ 7.900,00, foi realizada para contratar o serviço de elaboração do projeto de Data Center e Circuito Fechado de Televisão - CFTV da nova sede da Reitoria do IFGoiano. Durante o exercício de 2010 as contratações de serviços de TI no âmbito do SISP foram disciplinadas pela IN/SLTI nº 04/2008. O art. 7º da referida IN define que as contratações de TI deverão contemplar três fases fundamentais: Planejamento da Contratação, Seleção do Fornecedor e Gerenciamento do Contrato. Como não foi assinado um contrato com a empresa prestadora de serviço, o escopo da nossa análise limitou-se às duas fases iniciais: Em relação ao que deve ser realizado em cada fase, a IN dispõe o seguinte: Art. 9º A fase de Planejamento da Contrataçãoconsiste nas seguintes etapas: I - Análise de Viabilidade da Contratação; II - Plano de Sustentação; III - Estratégia de Contratação; e IV - Análise de Riscos. ( ) Art. 19. A fase de Seleção do Fornecedor observará as normas pertinentes, incluindo o disposto 7 de 38

8 na Lei nº8.666, de 1993, na Lei nº , de 2002, no Decreto nº 2.271, de 1997, no Decreto nº 3.555, de 2000,no Decreto nº 3.931, de 2001, e no Decreto nº 5.450, de Da análise da documentação apresentada, verificamos que na fase de planejamento não houve a realização das etapas definidas no citado artigo 9º, bem como a execução das tarefas relacionadas a cada uma delas, tais como, avaliação da necessidade, explicitação da motivação da contratação e requisitos do serviço. Já na fase de seleção do fornecedor, em atendimento ao disposto na IN, foram feitos 3 orçamentos e a empresa selecionada, Kernel Informática, CNPJ / , foi a que apresentou o menor preço. Em que pese não ter sido assinado um contrato, entendemos que a entrega do produto final deveria passar por uma avaliação com base em critérios previamente definidos no momento da contratação. No processo em exame havia apenas a nota fiscal com carimbo de atesto informando que os serviços foram prestados. Diante do exposto, verificamos que há fragilidades na fase de planejamento e no recebimento dos produtos entregues. Esse fato aumenta o risco de realização de aquisições desnecessárias, com baixa qualidade ou que não estejam alinhadas às necessidades do negócio a médio e longo prazo. Orientamos à unidade que nas próximas aquisições defina um processo de trabalho formalizado na contratação de bens e serviços de TI, atendendo aos dispositivos da IN/SLTI nº 04, de 12/11/2010, que revogou a IN/SLTI nº 04/2008, em 02/01/ ASSUNTO - RECURSOS EXIGÍVEIS CONSTATAÇÃO: (009) Inscrições em restos a pagar não processados, sem justificativa da real necessidade. Verificamos que no exercício de 2010 o IFGoiano inscreveu os seguintes valores em restos a pagar: - R$ ,03, como restos a pagar processados; e - R$ ,65, como restos a pagar não processados. Os valores mais relevantes referem-se às obras, serviços de terceiros e aquisição de equipamentos e materiais permanentes. Das 5 Unidades Gestoras vinculadas ao IFGoiano, que realizam despesas, os Campi de Urutaí e Rio Verde/GO concentraram 73% das inscrições. Dessa forma, nossa amostra selecionou essas duas unidades e as naturezas de despesa referentes às obras e serviços. Foram analisados 14% dos restos a pagar processados e 28% dos não processados, 8 de 38

9 no intuito de avaliar a conformidade das inscrições. Analisamos os processos referentes às seguintes inscrições: Restos a pagar processados: Nota de Empenho 2009NE UG Valor Natureza da Despesa Programa/Ação Campus de Urutaí/GO ,52 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS-PESSOA JURÍDICA 1062/6380 Buscamos identificar as razões para o não pagamento dessa despesa dentro do exercício de 2010 e verificamos que o pagamento ocorreu em janeiro/2011, por se tratarem de recursos descentralizados pela SETEC, que somente os repassa após a liquidação da despesa, não havendo inconsistências na inscrição. Restos a pagar não processados: Item Nota de Empenho UG Valor NE NE NE NE NE NE Campus de Rio Verde/GO , Campus de Rio Verde/GO , Campus de Rio Verde/GO , Campus de Rio Verde/GO , Campus de Rio Verde/GO , Campus de Rio Verde/GO ,09 Natureza da Despesa Programa/Ação OBRAS E INSTALAÇÕES 1062/8650 OBRAS E INSTALAÇÕES 1062/8650 OBRAS E INSTALAÇÕES 1062/1H10 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS- PESSOA JURÍDICA 1062/2992 OBRAS E INSTALAÇÕES 1062/8650 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS- PESSOA JURÍDICA 1062/ de 38

10 7 2010NE NE NE Campus de Rio Verde/GO , Campus de Urutaí/GO , Campus de Urutaí/GO ,79 TOTAL ,36 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS- PESSOA JURÍDICA 1062/2992 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS- PESSOA JURÍDICA 1062/8650 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS- PESSOA JURÍDICA 1062/1H10 Diante da documentação comprobatória das inscrições, confirmamos que os empenhos referidos nos itens 1 a 6 da tabela anterior, enquadram-se no inciso I do art. 35 do Decreto nº /86, ou seja, estava vigente o prazo para cumprimento da obrigação assumida pelo credor. Verificamos que os contratos estavam vigentes sendo que parte das licitações foram finalizadas em dezembro, tratando-se de trâmite normal, decorrente do programa de expansão da rede federal tecnológica. No que se refere ao item 7, solicitamos ao IFGoiano demonstrar, apresentando documentação comprobatória, a necessidade de inscrição em restos a pagar não processados desse empenho que tem como credor a CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. Em resposta, a Direção de Administração e Planejamento do Campus de Rio Verde/GO informou que a inscrição como restos a pagar não processados, do saldo desse empenho teve como finalidade garantir recursos para pagamento das faturas não liquidadas até 31/12/2010. Apresentou as faturas pagas no mês de janeiro/2011 que abrangiam medições de consumo relativas ao exercício de Contudo, as faturas apresentadas somaram R$ ,87 e o valor inscrito foi de R$ ,65 como restos a pagar não processados, além de R$ ,73 como restos a pagar processados. Em consulta ao SIAFI/2011 em 23/05/2011, verificamos que o referido empenho encontra-se com saldo de R$ ,74 a liquidar, R$ 944,66 liquidado a pagar e R$ ,25 pagos. Dessa forma, não há justificativa para o valor de R$ ,78 ter sido incluído na inscrição, pois as faturas apresentadas não o incluem e ainda não foram utilizados R$ ,74, não estando 10 de 38

11 demonstrada sua necessidade. Da mesma forma, para os itens 8 e 9 que também têm como credor a CELG DISTRIBUIÇÃO S.A., a direção do Campus de Urutaí justificou que esses empenhos inscritos em restos a pagar não processados referem-se às despesas com consumo de energia do mês de dezembro/2010, não faturadas antes do encerramento do exercício. Como se trata de valor estimado, optou-se pela inscrição para não se ter que utilizar o orçamento de 2011 para pagamento de despesas do exercício de As faturas apresentadas somam R$ ,04 valor inferior ao somatório dos empenhos inscritos. Em consulta ao SIAFI/2011, verificamos que o empenho 2010NE foi integralmente pago. Já para o empenho 2010NE900313, o valor pago foi de R$ ,93, restando saldo de R$ ,33 a liquidar em 23/05/2011, o que denota que as faturas apresentadas não justificam integralmente a inscrição desse valor que ainda não foi utilizado. Assim, as justificativas não embasam completamente essas inscrições. CAUSA: Os Diretores dos Campi Rio Verde e Urutaí não efetuaram a revisão dos saldos dos empenhos inscritos automaticamente pelo sistema SIAFI. MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA: Após o envio do Relatório Preliminar desta auditoria, o IFGoiano justificou que: Acatamos as recomendações de revisar os valores inscritos em restos a pagar não processados com vistas a cancelar o saldo excedente não justificado e que as despesas do exercício de 2011 devem ser pagas com os recursos do orçamento do presente exercício. Após questionado, o Campus Rio Verde admitiu o lapso da falta de revisão do saldo do empenho estimativo do processo analisado e determinou o imediato cancelamento do saldo inscrito. O Campus Urutaí, demonstrou no quadro a seguir o efetivo pagamento das faturas do exercício de 2010 com os empenhos que foram inscritos, evidenciando a regularidade. O saldo restante, juntamente com outros ainda a liquidar estão sendo cancelados oportunamente. Credor Mês Liquidação SIAFI Valor / Setembro NS , / Outubro NS , / Novembro NS ,49 De forma concreta, a Reitoria como órgão central, admite a fragilidade em não garantir que este 11 de 38

12 procedimento de revisão seja estritamente observado. Será exigido de cada unidade, justificativa pontual e tácita de cada empenho que estiver na iminência de inscrição em restos a pagar. ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO: As providências indicadas de revisar os valores inscritos em restos a pagar e cancelar os saldos não utilizados bem como de realizar os pagamentos do exercício de 2011 com o orçamento específico, sanam a questão, restando pendente ainda a sua implementação. Apenas ressaltamos que as Notas de Sistema - NS listadas pelo Campus de Urutaí não estão vinculadas aos empenhos citados, embora tenhamos confirmado que a inscrição e pagamentos efetuados para a Nota de Empenho 2010NE estão corretos, restando apenas saldo não utilizado quanto ao empenho 2010NE RECOMENDAÇÃO : Recomendação 1: Uma vez que o SIAFI inscreve automaticamente o saldo dos empenhos ao final do exercício, recomendamos ao IFGoiano revisar os valores inscritos em restos a pagar não processados com vistas a cancelar o saldo excedente não justificado. Recomendação 2: Recomendamos, ainda, que as despesas do exercício de 2011 devem ser pagas com recursos do orçamento do presente exercício ASSUNTO - BENS IMOBILIÁRIOS INFORMAÇÃO: (050) Falta de inserção e de atualização das informações sobre os imóveis do IFGoiano no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União SPIUnet. A gestão do patrimônio imobiliário de responsabilidade do IFGoiano é realizada de forma descentralizada pelos campi do Instituto, os quais atualmente estão responsáveis pela conservação e manutenção desses bens e da atualização e inserção das informações no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União SPIUnet. Conforme consulta ao referido sistema, verificamos que alguns imóveis do Instituto (Reitoria e Campus Iporá) não estavam registrados, bem como os campi não estavam providenciando a avaliação dos imóveis que se encontravam com os prazos vencidos, em desacordo com o que estabelece o normativo da Secretaria de Patrimônio da União. Questionada sobre o vencimento das avaliações dos imóveis, a Entidade informou que para essa atualização eram necessárias pessoas qualificadas para o mister e que em seu quadro de servidores, atualmente, existem três engenheiros civis aptos a realizar a atividade. Em relação a não inserção de registros de imóveis, o IFGoiano informou que devido ao trâmite processual na Prefeitura de Goiânia em relação à imunidade tributária do bem imóvel da Reitoria, ainda não tinha sido possível o registro no Cartório, fato esse que impede a inclusão no sistema. 12 de 38

13 Quanto aos imóveis do Campus de Iporá, informou também que estaria efetuando o registro, assim que estivesse regularizado os registros cartoriais. Após o envio do Relatório Preliminar desta auditoria, o IFGoiano acrescentou que: O Instituto Federal Goiano acata a recomendação e providenciará a inserção e atualização dos dados dos imóveis da entidade, além de cumprir o disposto na Orientação Normativa GEADE- 004/2003, item 4.6.2, que estabelece o prazo de validade de 24 meses para as avaliações elaboradas para fins cadastrais e contábeis. Para que seja possível efetuar as avaliações dos imóveis e o devido registro dos mesmos no Sistema de Gerenciamento dos Imóveis de Uso Especial da União-SPIUnet, entendemos ser necessário a convocação dos engenheiros pertencentes ao quadro de pessoal, bem como dos responsáveis pelos Departamentos de Administração dos campi deste Instituto Federal Goiano, para que conjuntamente executem a tarefa. A contratação de terceiros para execução das tarefas supra, sem dúvida alguma importaria em valores vultuosos, impactando significativamente o reduzido orçamento de custeio deste órgão. As providências indicadas são satisfatórias ASSUNTO - MOVIMENTAÇÃO INFORMAÇÃO: (017) Quantitativo de Pessoal. Com o objetivo de medir a força de trabalho existente na Unidade, efetuamos o levantamento do quantitativo de pessoal, conforme consta nos Relatórios de Gestão, referente aos exercícios de 2008, 2009 e O resultado da consulta foi a seguinte: Ano Estatutários (inclusive os cedidos, com ônus) Celetistas (inclusive os cedidos com ônus) Cargo em comissão ou de Natureza Especial (sem vínculo) Requisitados Fonte: Relatório de Gestão dos respectivos anos Analisando os dados acima, verificamos que a quantidade de servidores celetistas, referentes às contratações temporárias de professores substitutos, praticamente se manteve em relação ao ano anterior, e que a quantidade de servidores estatutários tem aumentado a cada ano. De acordo com análise crítica da Unidade, constante do Relatório de Gestão 2010, ainda é considerada insuficiente a força de trabalho para atender às demandas de pessoal dentro da Instituição. Considerando a 13 de 38

14 reestruturação porque passa o Ensino Técnico e Tecnológico no país, refletindo em um aumento considerável de alunos matriculados nessas instituições, é evidente a necessidade de incremento no número de servidores para melhor atender os usuários da Instituição. No ano de 2010 houve realização de 02 (dois) concursos públicos pelo Instituto. Quanto à política da Unidade na realização de atos de requisição e cessão, observa-se que o IFGoiano não tem utilizado do instituto da requisição para aumentar sua força de trabalho. Atualmente, a contratação de professores substitutos, regidos pela CLT, tem sido a opção para suprir a demanda existente. No caso das cessões, há 08 (oito) servidores que se encontram nessa situação. Com base nas informações constantes do Relatório de Gestão 2010, a Unidade conta com 80% dos servidores na faixa etária abaixo dos 50 anos, o que demonstra que a força de trabalho do Instituto é relativamente jovem, o que se deve as contratações feitas nos últimos anos ASSUNTO - REMUNERAÇÃO, BENEFÍCIOS E VANTAGENS CONSTATAÇÃO: (010) Pendências na implementação de medidas corretivas para as situações de acumulação indevida de cargos e ressarcimento ao erário para servidores que descumpriram o regime Dedicação Exclusiva, detectadas por meio do cruzamento RAIS 2007 x SIAPE Por meio do Ofício Nº 10500/2010/DIMPI-CGU-Regional/Goiás foi encaminhado ao IFGoiano o resultado do cruzamento entre a Relação Anual de Informações Sociais RAIS, referente ao exercício de 2007 e o sistema SIAPE Foram detectados servidores pertencentes ao regime Dedicação Exclusiva possuindo outros vínculos e servidores que, de acordo com as cargas horárias dessas duas bases de dados, exerciam 80 horas semanais ou mais. Foi solicitado ao Instituto que apurasse a situação de cada servidor, tomando as medidas corretivas caso necessárias. Por meio do Ofício Nº 173/2010/AI/IF Goiano, de 07/06/2010, foram apresentadas pelo IFGoiano as providências a serem adotadas sobre as situações identificadas a partir das apurações realizadas pela Auditoria Interna sobre o assunto. Foi informado, para os servidores em situação irregular, que de fato descumpriram o regime Dedicação Exclusiva, que a Diretoria de Gestão de Pessoas seria instada a fazer os cálculos dos valores recebidos indevidamente para ressarcimento ao erário. Os servidores identificados a seguir, pertencem ao regime DE e, de acordo com as apurações realizadas pela Unidade de Auditoria Interna do IFGoiano, descumpriram esse regime. Não identificamos no SIAPE, até 03/11/2010, nenhum desconto na remuneração desses servidores. - Servidor matrícula SIAPE concluiu-se pela necessidade de ressarcimento ao erário em relação ao período de 01/09/2006 a 28/05/2007 em que foi constatado descumprimento ao regime DE. Em relação ao período de 08/05/2007 a 31/08/2007 seriam solicitados maiores esclarecimentos da servidora. - Servidor matrícula SIAPE ficou registrado que, caso não fossem apresentados documentos que comprovassem a colaboração esporádica, o servidor deveria ressarcir a parcela referente à DE do período de janeiro a dezembro/2007 bem como regularizar sua situação. 14 de 38

15 - Servidor matrícula SIAPE ficou registrado que, caso não fossem apresentados documentos que comprovassem a colaboração esporádica, o servidor deveria ressarcir a parcela referente à DE do período de janeiro a dezembro/2007 bem como regularizar sua situação. - Servidor matrícula SIAPE ficou registrado que, caso não fossem apresentados documentos que comprovassem a colaboração esporádica, o servidor deveria ressarcir a parcela referente à DE do período de janeiro a dezembro/2007 bem como regularizar sua situação. Para os servidores identificados a seguir, ficou configurada a acumulação ilegal de cargos públicos ou pendência na apresentação de documentação: - Servidor matrícula SIAPE possui um vínculo no IFGoiano (Assistente Social) e outro na Fundação Municipal de Assistência Social Altair Coelho de Lima. - Servidor matrícula SIAPE possui três vínculos em órgãos públicos distintos. A Constituição Federal somente permite a acumulação de dois cargos públicos, desde que abrangidos pelo inciso XVI do art Servidor matrícula SIAPE Elaine Alves de Faria de acordo com o cruzamento RAIS x SIAPE, a servidora possui 4 vínculos distintos, onde 2 são públicos e 2 privados. Não ficou esclarecida a situação da servidora. - Servidor matrícula SIAPE pendências na documentação apresentada pela servidora para comprovação de sua situação.os servidores relacionados a seguir, não possuem vínculo com o IFGoiano atualmente, tendo sido informado que seriam encaminhados ofícios aos dirigentes das Instituições para as quais foram redistribuídos para providências: - Servidor matrícula SIAPE ; - Servidor matrícula SIAPE ; - Servidor matrícula SIAPE ; - Servidor matrícula SIAPE ; e - Servidor matrícula SIAPE O servidor matrícula SIAPE , pertencente ao regime DE, teve sua situação identificada como regular por ter rescindido contrato com outra instituição em 02/10/2006. Contudo, de acordo com os dados da RAIS 2007, o servidor recebeu remuneração neste outro vínculo de janeiro a dezembro de Assim, sua situação não está esclarecida. Diante dessas situações, foi recomendado ao IFGoiano, em 04/11/2010, por meio da Nota de Auditoria Nº /001: 15 de 38

16 a) providenciar o ressarcimento da parcela referente à DE para os servidores que, comprovadamente, descumpriram esse regime, conforme indicado no Ofício Nº 173/2010 /AI/IFGoiano; b) demonstrar a regularização da situação dos servidores que acumulam ilegalmente cargos públicos, os quais devem apresentar sua opção, de acordo com o art. 133 da Lei nº 8.112/1990; c) encaminhar ofícios aos dirigentes das Instituições para as quais foram redistribuídos os servidores que tiveram comprovado o descumprimento ao regime DE ou de acumulação ilegal de cargos; e d) esclarecer a situação do servidor matrícula SIAPE quanto à data real do seu desligamento na outra Instituição. Para comprovação do desligamento, deve ser apresentada rescisão de contrato ou carteira de trabalho e não somente declaração apresentada pela outra instituição. Foi indicado como prazo de atendimento 22/11/2010, sendo que o IFGoiano informou à época que as providências pontuais e imediatas recomendadas pela NA /001 seriam tomadas nos próximos dias. Segundo informações, a Reitoria havia determinado a execução das providências, porém o acúmulo de expediente interno somou atrasos na execução; incluiria as demandas listadas no Plano de Providências Permanente, balizando futuras ações da Auditoria Interna do Instituto e demais setores competentes; e apresentaria um Relatório de Auditoria Interna evidenciando o cumprimento das recomendações. Em 05/05/2011, o processo nº / contendo as apurações sobre as situações questionadas foi despachado pelo Diretor de Gestão de Pessoas ao Chefe da CGU-Regional/GO para nova análise das justificativas apresentadas pelos servidores, tecendo as seguintes considerações: É ilegal acumulação dos cargos quando o servidor tenha feito opção pelo regime de Dedicação Exclusiva, porém entendemos que o reconhecimento da ilegalidade da acumulação da referida vantagem não determina, automaticamente, a restituição ao erário dos valores recebidos, salvo se comprovada a má-fé do servidor, o que não foi demonstrado nos autos. (...) O julgamento pela ilegalidade das acumulações dos cargos de professores de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico não implicam por si só a obrigatoriedade da reposição das importâncias já recebidas de boa fé conforme Súmula 106 expedida pelo Tribunal de Contas da União. Especificamente, quanto ao caso da servidora matrícula SIAPE , foi justificado que: - a servidora alega ter prestado serviços de natureza esporádica, no período de 01/09/2006 a 31/05/2007; e - a regulamentação sobre prestação de colaboração esporádica por professores em regime DE do 16 de 38

17 então CEFET/Urutaí/GO é de maio/2007. Sobre os demais servidores e as outras recomendações efetuadas, nada mais foi esclarecido e realmente providenciado. CAUSA: O Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional não adotou providências efetivas para os fatos já apurados pela Auditoria Interna e corroborados pela CGU no que se refere ao ressarcimento da parcela referente à DE para professores que descumpriram o regime e esclarecimento das acumulações indevidas de cargos públicos. MANIFESTAÇÃO DA UNIDADE EXAMINADA: Por meio do Ofício nº 103/2011/GAB/Reitoria/IF Goiano, de 05/05/2011, a Unidade apresentou novas justificativas para a situação de uma servidora sem se manifestar quanto aos demais citados na Nota de Auditoria Nº /001. Após o envio do Relatório Preliminar desta auditoria, o IFGoiano acrescentou: Conhecemos a constatação, reafirmando o compromisso com a mais urgente providência. Tal demanda já encontrava-se planificada em nosso Plano Permanente de Providências (Processo / ) com situação Registrada. A Auditoria Geral já havia alertado à Administração sobre as pendentes providências. Só não foram tomadas ainda devido o trâmite principalmente de algumas devoluções ao erário estarem sendo conduzidas com elevada cautela, onde foi garantido ao servidor a ampla defesa e o contraditório. Será determinado a urgente celeridade e assim que a diretoria sistêmica responsável apresentar um relatório de atendimento das demandas, este será encaminhado. ANÁLISE DO CONTROLE INTERNO: Mantemos nosso entendimento de que quando comprovado o descumprimento ao regime DE é necessário o ressarcimento. A acumulação de cargos por professores em regime de DE é considerada prejuízo ao erário, já que a União remunerou uma prestação de serviços que não foi cumprida. Portanto, o entendimento é o de que deve ser recomendada a devolução ao erário da parcela da remuneração correspondente à DE. A devolução da parcela referente à DE é considerada fundamental para regularizar a situação. Assim corroboram os Acórdãos do TCU nº 1.832/2004 Plenário, nº 1.864/2005 Primeira Câmara, nº 368/2010 2ª Câmara, nº 3.074/2010 1ª Câmara e nº 2.388/2006 Plenário, destacando-se deste último o seguinte: (...) O regime de dedicação exclusiva é um pacto feito entre a Administração e o servidor, cabendo à primeira o pagamento da remuneração nessa condição e ao professor, a renúncia ao exercício de qualquer cargo ou emprego, de natureza pública ou privada. Nos presentes casos, afere-se que a obrigação da União está sendo satisfeita, posto que os servidores estão sendo devidamente pagos. Entretanto, estes estão flagrantemente descumprindo a disposição legal, pois, por livre e espontânea vontade, passaram a ocupar outro cargo ou emprego público. 11. Dessa forma, não há dúvidas quanto à determinação de ser o Erário ressarcido de todos os 17 de 38

18 valores pagos a título de dedicação exclusiva por esses professores. Não se está levantando a hipótese de má-fé, que deve ser comprovada. Entretanto, a partir do momento em que o servidor, por culpa ou dolo, exerce outro encargo, quebrando a dedicação exclusiva, exonera o Poder Público de lhe recompensar por isso. Configura-se aí o enriquecimento ilícito por parte do servidor que deixou de comunicar ao órgão de sua investidura em novo cargo. 12. Além disso, não cabe sustentar a dispensa do ressarcimento pela prestação dos serviços. O que está se propondo é a devolução do percentual de 55% sobre o vencimento básico e os seus reflexos sobre as demais gratificações. O restante da remuneração do servidor é calculada com base na carga horária de 40 horas semanais e sobre essa não se cogita ressarcimento. O servidor merece receber essa parte da remuneração, pois prestou serviços, tanto que lhe sobrou tempo suficiente para abarcar outro cargo ou emprego. Porém, o plus relativo à dedicação exclusiva é indevido sob qualquer aspecto, razão pela qual deverão os valores ser devolvidos na forma do art. 46 da Lei nº 8.112/90. (grifamos) No caso da colaboração esporádica, a mesma deve, segundo o Decreto nº /1987, ser devidamente autorizada pela instituição, de acordo com as normas aprovadas pelo conselho superior competente. O fato de se ter normatizado o assunto após o período em que a servidora exerceu a alegada colaboração esporádica, não se constitui em autorização para fazê-lo. E ainda, não ficou demonstrado que a atividade de ensino exercida era esporádica. Quanto às demais recomendações, tratadas nos itens b, c, e d da Nota de Auditoria Nº /001, citados anteriormente, o IFGoiano não demonstrou seu atendimento, permanecendo a pendência. RECOMENDAÇÃO : Recomendação 1: Reiteramos as recomendações danota de Auditoria Nº /001, de: a) providenciar o ressarcimento da parcela referente à DE para os servidores que, comprovadamente, descumpriram esse regime, conforme indicado no Ofício Nº 173/2010/AI/IF Goiano; b) demonstrar a regularização da situação dos servidores que acumulam ilegalmente cargos públicos, os quais devem apresentar sua opção, de acordo com o art. 133 da Lei nº 8.112/90; c) encaminhar ofícios aos dirigentes das Instituições para as quais foram redistribuídos os servidores que tiveram comprovado descumprimento ao regime DE ou de acumulação ilegal de cargos; e d) esclarecer a situação do servidor matrícula SIAPE quanto à data real do seu desligamento na outra Instituição. Para comprovação do desligamento deve ser apresentado contrato/carteira de trabalho e não somente declaração apresentada pela outra instituição. Recomendação 3: Recomendamos à Auditoria Interna do Instituto, acompanhar a implementação das recomendações ora reiteradas INFORMAÇÃO: (018) Servidores ativos, aposentados e instituidores de pensão investidos em outros vínculos. 18 de 38

19 Foram identificadas 5 (cinco) ocorrências relativas a servidores na situação funcional de ativo com mais de um vínculo e 3 (três) ocorrências de servidores na situação funcional de aposentado com mais de um vínculo. Os casos foram analisados, observando-se que não houve acumulação de cargos, tampouco ilegalidade em nenhuma das situações. Quanto aos servidores na situação funcional de aposentados e que também estão na situação de ativo permanente, constatou-se que as 03 (três) ocorrências estão respaldadas pela legislação vigente INFORMAÇÃO: (019) Servidores que percebem a vantagem prevista no art. 192 da Lei nº 8.112/90. Foi identificada 1 (uma) ocorrência relativa a servidor que percebe a vantagem prevista no art. 192 da Lei nº 8.112/90. Na realização do trabalho de campo foi disponibilizado o processo nº / , no qual consta a concessão de aposentadoria ao servidor. Após análise dos autos, observa-se que o pagamento da referida vantagem está sendo efetuado com base na legislação aplicável à época, e consoante entendimento do TCU INFORMAÇÃO: (020) Servidores que percebem os adicionais de periculosidade e insalubridade. Foi selecionada amostra de 41 (quarenta e um) casos de servidores que percebem o adicional de insalubridade e mais 19 (dezenove) casos de servidores que percebem o adicional de periculosidade. Portanto, de um total de 127 (cento e vinte sete), foram analisadas 60 (sessenta) ocorrências. Por meio de Solicitação de Auditoria nº 001, foram solicitados à Unidade a disponibilização dos laudos de avaliação ambiental, que caracterizam a insalubridade ou periculosidade do local de trabalho, bem como as portarias de localização dos servidores, que percebem tais adicionais. Todos os campi do IF Goiano atenderam a solicitação, encaminhando a documentação necessária para a referida análise. Tanto os 41 (quarenta e um) casos selecionados para verificação sobre o pagamento do adicional de insalubridade, quanto os 19 (dezenove) casos relativos ao pagamento de adicional de periculosidade, possuíam portaria de localização que coincidiam com áreas consideradas insalubres e/ou perigosas, conforme Laudos Técnicos apresentados. Dessa forma, considera-se que as concessões dos adicionais estão amparadas pela legislação vigente, sendo pagos aos servidores que estão alocados em áreas assim caracterizadas pelos Laudos de Avaliação Ambiental INFORMAÇÃO: (021) Servidores que recebem auxílio transporte em valor superior a R$ 500,00. Foi identificada 01 (uma) ocorrência de servidor que recebeu auxílio transporte em valor superior a R$ 500,00 (quinhentos reais). Após análise, conclui-se que o pagamento dessa rubrica está em conformidade com os normativos vigentes, não havendo qualquer impropriedade no caso em tela. 19 de 38

20 INFORMAÇÃO: (022) Servidores que recebem o abono de permanência. Foi realizada análise do recebimento do abono de permanência de 21 (vinte e um) servidores da Unidade, concluindo-se que os processos analisados estão instruídos de forma satisfatória, de acordo com a legislação vigente, sendo aplicadas as disposições do 19 do art. 40 da CF/88, 5º do Art. 2º da EC 41/03 e 1º do art. 3º da EC 41/ INFORMAÇÃO: (023) Servidores aposentados após 18/01/1995 que percebem opção de função. Foram detectadas 04 (quatro) ocorrências, dentre as quais somente uma não foi objeto de análise, haja vista que o respectivo ato de concessão de aposentadoria já havia sido julgado pelo TCU, conforme consulta ao sistema SISACNet. Os demais casos ensejaram a solicitação dos processos de concessão de aposentadoria para análise in loco. Com base na análise dos processos de concessão de aposentadoria, verificou-se que em todos os casos os servidores faziam jus ao recebimento da vantagem opção de função, haja vista que preencheram os requisitos contidos no art. 193 da Lei nº 8.112/90 até a data de 18/01/95. Diante disso, não foram encontradas impropriedades no pagamento INFORMAÇÃO: (024) Servidores cedidos e requisitados. Foram verificadas 10 (dez) ocorrências, sendo 09 (nove) relativas a servidores cedidos e 01 (uma) a servidor requisitado de outro órgão. Com base nos processos disponibilizados pela Unidade, observamos que as cessões/requisições estão de acordo com o disposto no Decreto n 4.050, de 12/12/2001, e suas alterações, não sendo verificada irregularidades na aplicação do ônus da remuneração. Especificamente quanto aos servidores cedidos, os processos de prorrogação das cessões têm sido instruídos anualmente, com exceção do processo de uma servidora, no qual não foram adotadas as providências cabíveis para a prorrogação da cessão da servidora, a partir de 03/08/2008, sendo sanada a questão somente em janeiro de Dos 09 (nove) casos de cessão de servidores do IF Goiano, 05 (cinco) tratam de cessões no âmbito do Poder Executivo Federal, e as outras 04 (quatro) referem-se a cessões para o Tribunal Regional do Trabalho TRT 18ª Região. Já a requisição, trata-se de servidor que tem como órgão de origem o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG, e foi cedido ao IF Goiano para exercer o cargo comissionado de Diretor de Planejamento Institucional INFORMAÇÃO: (026) Servidores admitidos, aposentados e instituidores de pensão. A fim de verificar o cumprimento da IN/TCU nº 55/2007, no que diz respeito ao registro dos atos de admissão e concessórios de aposentadoria e pensão no sistema SISACNet do Tribunal de Contas da União, foi realizada consulta ao citado sistema, com base nos dados disponíveis da UJ, relativos aos 20 de 38

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO fl. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 10 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº :201108660 UNIDADE AUDITADA :110008 - MINISTERIO DA PESCA E

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. Institui o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO :05.g UNIDADE GESTORA : Consulado-Geral do Brasil em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25351.072087/2007-42 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23040.000699/2007-11 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23117.000076/2007-16 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV)

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) I. Informações Iniciais I.I Este manual abrange os projetos financiados

Leia mais

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Certificado: 201203352 Unidade Auditada: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 19 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO SUBSECRETARIA DE AUDITORIA PROCESSO : 03b UNIDADE GESTORA : Embaixada em Buenos Aires OBJETIVO DA AUDITORIA : Tomada de Contas Anual EXERCÍCIO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS AUDITORIA INTERNA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE PAINT 2013 1 INDÍCE 1. Apresentação...3 2. Auditoria Interna...3 3. Fatores Considerados Para Elaboração do PAINT...3 4. Unidades que compõem o PAINT...4 5. Recursos Humanos a serem empregados...4

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará

Universidade Federal do Oeste do Pará Universidade Federal do Oeste do Pará UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ Boletim de Serviço ANO V Nº 55 (ADITIVO III) SEXTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2014 O Boletim de Serviço da Universidade Federal

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 04972.000579/2007-59 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAINT

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA 1 de 5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CERTIFICADO DE AUDITORIA CERTIFICADO Nº : 201109414 UNIDADE AUDITADA :225001 - CIA.DE ENTREPOSTOS E ARMAZENS

Leia mais

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO 2 ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INTRODUÇÃO Considerando os prazos fixados em lei para encerramento do exercício e a regulamentação que determina as datas para entrega dos BALANÇOS ORÇAMENTÁRIOS FINANCEIRO E PATRIMONIAL

Leia mais

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-...

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-... Página 1 de 7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIAGERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições vem, nos termos do inciso XI do art. 26 do Regimento Geral da UNIFAL-MG e do art. 119

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 O Programa Institucional de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 71000.010766/2007-25

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS NOTA TÉCNICA Nº 04/2010-DIGPE Natal, 12 de novembro de 2010. Estabelece a sistemática geral de administração de pessoal relativa aos professores substitutos, no âmbito do IFRN. O DIRETOR DE GESTÃO DE PESSOAS

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 12/06/2014 13:58:56 Endereço IP: 200.252.42.196 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

Domínio E: Celeridade e Tempestividade

Domínio E: Celeridade e Tempestividade Domínio E: Celeridade e Tempestividade 10 Agilidade no julgamento de processos e gerenciamento de prazos pelos Tribunais de Contas (4 domínios) 11 Controle externo concomitante (preventivo) (4 domínios)

Leia mais

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011.

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. Regulamenta o art. 54 da Lei Complementar nº 392, de 17/12/2008, Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Uberaba e dá outras providências.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ INTERESSADO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR ASSUNTO:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. Estabelece orientações acerca do registro eletrônico de frequência dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2011 Contratos de Terceirização

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2011 Contratos de Terceirização RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2011 Contratos de Terceirização 1. INTRODUÇÃO Em atenção ao preceituado no item nº 08 do PAINT/2011, devidamente aprovado ad referendum pelo Reitor da UNIFAL-MG, em 27/12/2010

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO 1 1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS 1 de 12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU

PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU ANEXO I PEÇAS INTEGRANTES DO PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DA ANA CONFORME IN/TCU nº 47, de 2004, DN/TCU nº 81, de 2006, e NE/CGU nº 03, de 2006, instituída pela Portaria CGU nº 555, de 2006 Discriminação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Brastra.gif (4376 bytes) Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.961, DE 20 DE JANEIRO DE 2004. Regulamenta o art. 45 da Lei n o 8.112, de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2013 Gestão de Pessoas

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2013 Gestão de Pessoas RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 02/2013 Gestão de Pessoas 1. INTRODUÇÃO Em atenção ao preceituado no item nº 06 do PAINT/2013, devidamente aprovado pelo Conselho Universitário da UNIFAL-MG, em 29/05/2013, por

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE

CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE CONHEÇA MELHOR SEU CONTRACHEQUE DIPES/PROGP 2013 Para esclarecer dúvidas sobre seu pagamento, procure imediatamente sua unidade pagadora. COMPROVANTE DE RENDIMENTOS - FOLHA NORMAL FUND. UNIVERSIDADE DE

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 Art. 1º LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 O Prefeito Municipal de São José dos Campos faz saber que a Câmara Municipal aprova e ele sanciona e promulga a seguinte

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23066.006011/07-66 UNIDADE AUDITADA :

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Unidade Auditada: INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.DO NORTE DE MG Município - UF: Montes Claros - MG Relatório

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DOS INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DAS ENTIDADES VINCULADAS AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO TOMADA DE CONTAS ESPECIAL GT - 8 O QUE É De acordo com o art. 3º da Instrução

Leia mais