INFORMATION SYSTEM FOR FLIGHT TEST CAMPAIGN INTO A RESEARCH INTITUTION

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATION SYSTEM FOR FLIGHT TEST CAMPAIGN INTO A RESEARCH INTITUTION"

Transcrição

1 INFORMATION SYSTEM FOR FLIGHT TEST CAMPAIGN INTO A RESEARCH INTITUTION Paulo César Ribeiro Quintairos (Universidade de Taubaté, SP, Brasil) Fátima Aparecida Pedro (Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo, SP, Brasil) The management information to maintain the efficiency of services is essential in an organization. The flight test activity requires managing a large volume of information. The test flight is executed with manned aircrafts. To maintain the safety of the crew is necessary to minimize the risk factors during the execution of flights. Thus the development of an information management strategy is vital to the safety of this activity. Due to the large volume of data the Management Information Systems (MIS) for this activity are complex. This article presents a proposal of a model of a MIS for the Flight Test Campaign. This research is a case study with exploratory design. It was executed into a Science and Technology Institution (STI) of research in the aerospace sector. A document analysis through qualitative approach was developed to analyze the Experimental Flight Test Campaign Executive Process (PECEV) of STI. The proposed model was obtained through the PDCA problem solving methods to an effective management of PECEV. Keywords: Management, Planning, Management Information System, Flight Test. SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CAMPANHAS DE ENSAIOS EM VOO EM UMA INSTITUIÇÃO DE PESQUISAS A gestão de informações para manter a eficiência dos serviços é primordial nas empresas. A atividade de ensaios em voo requer a gestão de um grande volume de informações. Os voos de ensaios são realizados com aeronaves tripuladas. Para manter a segurança da tripulação é necessário minimizar os fatores de risco durante a execução dos voos. Sendo assim o desenvolvimento de uma estratégia de gestão de informações é vital para a segurança da atividade. Devido ao grande volume de dados dos voos os Sistemas de Informações Gerenciais (SIGs) para essa atividade são complexos. Esse artigo apresenta uma proposta de um modelo de SIG para Campanhas de Ensaios em Voo. Essa pesquisa é um estudo de caso com delineamento exploratório. Foi desenvolvida em uma Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) de pesquisa do setor aeroespacial. Uma análise documental por meio de abordagem qualitativa foi realizada para identificar o Processo de Execução de Ensaios em Voo (PECEV) da ICT. O modelo proposto foi obtido através dos métodos de solução de problemas PDCA visando a gestão eficaz do PECEV. Palavras-chave: Gestão, Planejamento, Sistemas de Informações Gerenciais, Ensaios em Voo. 4597

2 1. INTRODUÇÃO A gestão e o controle das informações em uma organização são processos considerados essenciais para a sua administração. Um Sistema de Informação Gerencial (SIG) informatizado é uma importante ferramenta de Tecnologia da Informação (TI) de apoio. A eficiência e a eficácia de um SIG podem atender às necessidades de gestão de informações em uma empresa. Um modelo de SIG é obtido a partir da análise dos processos da empresa, seguido do planejamento das ações e objetivos (Rezende, 2013). O modelo deve comtemplar elementos da empresa integrantes do processo e elementos que serão inseridos para viabilizar o desenvolvimento eficaz desse processo Esses elementos são considerados recursos importantes para a composição do plano do SIG. Nesse contexto, englobam-se as informações, os recursos humanos e os recursos tecnológicos. Para atender aos objetivos para o qual o SIG foi planejado é necessário que as competências e as funcionalidades de cada elemento sejam identificadas. Essa pesquisa apresenta uma proposta de modelo teórico de SIG, cujo objetivo é viabilizar a gestão eficaz das informações do Processo de Execução de Campanhas de Ensaios em Voo (PECEV) de uma Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT), responsável por atividades de ensaios em voo. O PEVEV é um processo vital para a atividade de ensaios em voo. Porém as informações e os elementos desse processo necessitam de um gerenciamento eficaz para garantir a segurança da tripulação e da aeronave. Ensaios em voo é uma atividade de elevado custo, que por sua própria natureza atrai níveis de risco mais elevados do que as operações normais (Cooke & Fitzpatrick, 2002). Em Brasil (2013), descrito no Regimento Interno do Instituto de Pesquisa e Ensaios em Voo (RICA) 21-99_2013, ensaios em voo é atividade com o propósito de obter conhecimentos referentes às qualidades de voo e ao desempenho de aeronaves, bem como os relacionados ao desempenho e características de armamentos aéreos e sistemas embarcados em geral. A atividade de ensaios em voo no Brasil deu seus primeiros passos com os estudos e ensaios realizados por Alberto Santos Dumont. Ele realizou voos experimentais com diversos modelos de sua própria criação (Musa, Mourão, & Tikian, 2001). Em 1958, o protótipo brasileiro, o helicóptero BF-1 - Beija-Flor, foi a primeira aeronave a realizar o primeiro ensaio em voo oficial no Brasil (IPEV, 2015). A ICT, em estudo, realiza atividades operacionais e técnicas de aeronáutica para ensaios em voo, atividades básicas voltadas à gestão de pessoal, gestão de recursos financeiros e materiais, atividades administrativas de gestão pública e atividades de capacitação de pessoal especializado em ensaios em voo (Pedro, Kamimura, & Quintairos, 2013). Os níveis de risco dessa atividade devem ser considerados. Os voos de ensaio são realizados em aeronaves tripuladas. Conclui-se que a gestão eficiente dos processos dessa atividade é primordial para assegurar a integridade física dos tripulantes e da aeronave. 2. REVISÃO DA LITERATURA Nas organizações, as atividades a serem realizadas exigem planejamento em algum grau. Quanto mais complexa a tarefa, mais importante será planejá-la detalhadamente (Foina, 2009). Segundo Albertin (2009, p. 54), as principais características demonstram que o planejamento é: 4598

3 Um processo permanente e contínuo; Um processo voltado para o futuro; A garantia de racionalidade da tomada de decisão; A seleção de um curso de ação entre as várias alternativas; Sistêmico; Interativo; Uma técnica de alocação de recurso; Uma técnica cíclica; Uma função administrativa que interage com as demais; Uma técnica de coordenação; e Uma técnica de mudança e coordenação. O planejamento estratégico define a missão, a visão e estabelece as metas para direcionar, verificar e controlar para que os objetivos sejam atingidos (Trentim, 2011). O planejamento estratégico faz-se necessário e é importante em toda empresa, para demonstrar como a empresa atingirá suas prioridades, seus objetivos e como competirá de maneira bem sucedida em um ambiente que se caracteriza pela velocidade das mudanças (Camargo, 2006 e Trentim, 2011). Para Zaccarelli (2003), o que se aproveita do planejamento estratégico é o fato de dedicar tempo à análise de quatro fatores: As ameaças: o que pode incomodar a vida da empresa e são oriundas do mercado, da tecnologia, dos concorrentes; As oportunidades: quais as oportunidades para que mudanças na atuação da empresa atinjam aos objetivos; Os pontos fracos: quais as fraquezas ou partes vulneráveis da empresa e quais os fatores limitantes; e Os pontos fortes: qual é a força da empresa, em que a empresa é imbatível e quais são seus fatores de sucesso. Daft (2010) e Oliveira (2004) definem, a partir dos grandes níveis hierárquicos da organização, três tipos de planejamento: Planejamento estratégico: é um processo administrativo que proporciona sustentação metodológica para se estabelecer a melhor direção a ser seguida. Visa a um otimizado grau de interação com o ambiente e à atuação de forma inovadora. É de responsabilidade dos níveis mais altos da empresa; Planejamento tático: tem por objetivo melhorar determinada área de resultado e não a empresa como um todo. É desenvolvido em níveis organizacionais inferiores. Tem como principal finalidade a utilização eficiente dos recursos disponíveis para a consecução dos objetivos fixados; e Planejamento operacional: é o formalizador de documentos escritos, das metodologias de desenvolvimento e implantação. Deve conter, com detalhes, os recursos necessários para o seu desenvolvimento e sua implantação, os procedimentos básicos a serem adotados, os resultados finais esperados, os prazos estabelecidos e os responsáveis por sua execução e implantação. Daft (2010) apresenta os níveis das metas e dos planos da organização. A Figura 1 ilustra os níveis das metas e dos planos e sua importância. 4599

4 Figura 1 Níveis das metas e dos planos Fonte: Daft (2010) Segundo Foina (2009), a gestão de uma área sensível e estratégica na organização não se faz sem um forte suporte de planejamento. Para Rezende e Abreu (2013), gestão é o ato de agir, gerenciar, administrar, mediar uma empresa ou uma unidade departamental. Envolve pessoas (recursos humanos), processos (atividades ou funções) e recursos diversos. Valeriano (2005), define que para o estabelecimento de uma boa estratégia e sua correta implementação, a colaboração de todos os membros da organização representa um aspecto essencial para uma efetiva e competente gerência estratégica. Uma visão ampla do gerenciamento estratégico, sua implementação e controle são ilustrados na Figura 2. Figura 2 - Gerenciamento estratégico e a implementação dos planos Fonte: Valeriano (2005, p. 59) 4600

5 Conforme Valeriano (2005), o gerenciamento estratégico e a implementação dos planos iniciam-se com a organização e em seguida seguem com o estudo do ambiente (com suas oportunidades e ameaças); com o estabelecimento do plano estratégico (com os objetivos em longo prazo e as estratégias que visam obtê-los); com o plano operacional (determinando os objetivos de curto prazo e/ou decorrentes dos de longo prazo); com a implementação por meio de projetos e de operações correntes, que se reciclam com as avaliações constantes e a retroalimentação. As organizações são sistemas que operam em ambientes turbulentos, globalizados, competitivos e complexos. As organizações enfrentam muitas exigências no âmbito comercial, econômico, financeiro, fiscal, social, político e de clientes (Rezende, 2007). Os SIs são elementos vitais para a maioria dos processos de uma missão ou de um negócio na empresa. Sendo os recursos de SI essenciais para o sucesso da organização, é fundamental que os serviços fornecidos por esses sistemas sejam capazes de operar de forma eficaz sem nenhuma interrupção (Swanson et al., 2010). Rezende e Abreu (2013) descrevem que as características dos SIs da seguinte maneira: Grande volume de dados e informações; Complexidade de processamento; Grande envolvimento de clientes e/ou usuários; Diversas técnicas e tecnologias interligadas; Suporte à tomada de decisões empresariais; e Auxílio na qualidade, produtividade e competitividade organizacional. O'Brien (2006) descreve que, para executar atividades de entrada, processamento, produção, armazenamento e controle que convertem os recursos de dados em produtos de informação, um SI depende de recursos humanos, de equipamentos, de aplicativos, de dados e de redes. A Figura 3 apresenta os recursos de um SI. Figura 3 Recursos de um SI Fonte: O'Brien (2006, p. 10) Segundo Laudon e Laudon (2010) os SIs possuem três dimensões: pessoas, organizações e tecnologia. A compreensão dessas dimensões torna o uso do SI mais eficiente. A Figura 4 apresenta as dimensões de um SI. 4601

6 Figura 4 Dimensões de um SI Fonte: Laudon e Laudon (2010, p. 14) Albertin (2009) considera que o principal objetivo dos SIs é atender às necessidades de obtenção, armazenamento, tratamento, comunicação e disponibilização de informação da organização. Isso abrange os diversos níveis hierárquicos, áreas funcionais e integração interna e externa. Segundo Rezende e Abreu (2013), as empresas procuram obter os seguintes benefícios dos SIs: Suporte à tomada de decisão profícua; Valor agregado aos bens e serviços; Melhores serviços e vantagens competitivas; Produtos de melhor qualidade; Oportunidades de negócios e aumento da rentabilidade; Maior segurança nas informações, menos erros e mais exatidão; Aperfeiçoamento nos sistemas, na eficiência, na eficácia e na produtividade; Redução na carga de trabalho; Custos e desperdícios reduzidos; e Controle das operações. As empresas enfrentam desafios e problemas que podem ser solucionados por meio dos SIs. Os problemas envolvem uma série de fatores. Um modelo para a solução de problemas está embasado em um processo de quatro passos (Laudon & Laudon, 2010). A Figura 5 apresenta o modelo de solução de problemas. Figura 5 - Modelo de solução de problemas Fonte: Laudon e Laudon (2010, p. 19) 4602

7 As organizações são compostas por diferentes sistemas de apoio às necessidades de tomada de decisão e às atividades de diferentes níveis. Alguns sistemas apoiam partes, outros a organização inteira e outros grupos da organização (Laudon & Laudon, 2010 e Turban, Rainer Jr., & Porter, 2007). Segundo Bazzoti e Garcia (2003), os SIGs proporcionam um panorama seguro da organização e uma boa alocação de investimentos. Isso constitui um grande diferencial para a empresa. Também possibilitam acompanhar as rotinas econômico-financeiras. Garantem também o gerenciamento das informações para geração de relatórios rápidos e exatos, agilizando o processo de tomada de decisões. Para Oliveira (2011), independente dos propósitos, o SIG deve conter as seguintes características: Ser composto de um conjunto de subsistemas que recebem dados das operações da organização; Coletar dados externos sobre o ambiente; Dar suporte ao processo de gestão, interagindo com os processos de planejamento e controle estratégicos, táticos e operacionais; Tratar da natureza dos dados passados e dos dados futuros; Incorporar conceitos da teoria da informação, decisão e mensuração; e Ter, preferencialmente, o suporte de um sistema de processamento que seja manual, mecânico ou eletrônico. Os Sistemas de Processamento de Transações (SPTs) são usados para monitorar as transações e as atividades básicas da organização. Fornecem as entradas para os SIGs. Registram as transações necessárias ao funcionamento organizacional (Laudon & Laudon, 2010 e Daft, 2005). A Figura 6 ilustra a relação dos SIGs para aquisição de dados dos SPT. Figura 6 Relação dos SPTs com os SIGs Fonte: Laudon e Laudon (2010, p. 44) Segundo Mendonça (2011), um único acesso danoso em um SI pode comprometer todo o funcionamento do sistema. Daft (2005, p. 498) descreve que as organizações dependem de informações de alta qualidade para desenvolver planos estratégicos, identificar problemas e interagir com outras organizações. 4603

8 Conforme Oliveira (2011), a informação é um recurso vital da organização e integra, as funções das diversas unidades organizacionais da empresa. Segundo Moraes (2007), a falta de informações pode causar dificuldades administrativas e causar a paralisação de atividades essenciais. As organizações, cada vez mais, têm feito uso intensivo e amplo da Tecnologia da Informação (TI) como uma ferramenta importante. O papel da TI nas organizações não é restrito somente ao suporte, mas também tem papel estratégico e até de direcionador da estratégia (Mattos & Laurindo, 2011). Segundo Quintairos, Oliveira e Mendonça (2011), a TI proporciona diversas mudanças, desde uma simples automatização de processos até uma alteração na maneira como os negócios são conduzidos. Rezende e Abreu (2013) descrevem que o planejamento empresarial deve manter um alinhamento entre as estratégias empresariais e as estratégias da TI, com integração e sinergia entre si. Segundo Campos (2004), a utilização do ciclo PDCA para melhorias constitui o método de solução de problemas. O autor enfatiza que esse método deveria ser dominado por todas as pessoas em uma organização. No ciclo PDCA, é definido o planejamento das tarefas a serem executadas. Após, é realizado o planejamento propriamente dito. Em seguida, é necessário que continuamente sejam verificados os resultados obtidos no processo, comparando-os com os métodos que foram estabelecidos, para verificar se estão sendo executados conforme o planejamento. Por fim, são adotadas as ações corretivas ou de melhoria aplicáveis (Campos, 2004). A Figura 7 apresenta o diagrama do método de solução de problemas. Figura 7 Método de solução de problemas Fonte: Campos (2004, p. 239) 4604

9 Conforme Brassard (2000), na fase de planejamento toda ação deve ser planejada de maneira participativa, de tal modo que o plano seja um comprometimento de todos. Fontes (2011) considera que a política de segurança de informação está associada ao modelo PDCA. Encontra-se na etapa de Planejamento, quando da sua elaboração, e na etapa de Execução, quando da sua implantação. Para Campos (2004), relacionado à gestão da segurança da informação, em termos do PDCA, as fases são assim definidas: Planejar: compreende as atividades que têm o objetivo de definir as arquiteturas, as ações, as atividades de continuidade e os critérios que abrangem todo o ciclo de vida da informação; Implementar: compreende as atividades que aplicam os mecanismos de controle nos ativos físicos, tecnológicos e humanos. Nesta fase são materializadas as ações consideradas como necessárias no diagnóstico e organizadas pelo planejamento; Analisar: compreende as atividades que geram um diagnóstico de segurança, a partir do mapeamento e da identificação de particularidades físicas, tecnológicas e humanas da organização; e Agir: compreende as atividades que visam gerir o nível de segurança e utilizam dispositivos que monitoram índices e indicadores. É a fase que representa o elo com as demais fases. Definido por Valeriano (2001, p. 264), risco é a possibilidade de ocorrência de um resultado indesejável, como consequência de um evento qualquer. O autor ainda define que o riso tem duas dimensões: a probabilidade para a sua ocorrência e o impacto sobre o projeto. Guimarães (2003, p. 50), define risco como a percepção ou avaliação das possibilidades da efetiva ocorrência de um evento indesejável. Segundo Trentim (2011), risco é um evento ou uma condição incerta, que, ocorrendo, tem um efeito em pelo menos um dos objetivos do projeto. O autor explica que o risco pode ter uma ou mais causas, tais como: um requisito, uma premissa, uma restrição ou uma condição que gera a possibilidade de resultados positivos ou negativos. E que os riscos são maiores nas fases iniciais do projeto, devido a não definição do escopo e planejamento. Conforme Keeling (2008), a administração do risco ao longo da vida de um projeto é um processo demorado. Inicia pelo estágio da viabilidade quando os riscos previsíveis são identificados, classificados e avaliados e incluem as seguintes fases: identificação do risco, avaliação de risco e análise do risco. Vose (2008) descreve que o propósito de análise de risco é ajudar os gestores a compreender melhor os riscos (e oportunidades) que enfrentam e avaliar as opções disponíveis para o seu controle. Considera-se como a prática de gestão de riscos de incidentes que impliquem no comprometimento de três principais conceitos de segurança, segundo Sêmola (2003), Fontes; Balloni e Laudon (2007) e ABNT (2006): Confidencialidade: toda informação deve estar protegida de acordo com o grau de sigilo de seu conteúdo. Possibilita que o acesso à informação seja limitado e seu uso limitado somente pelas pessoas para as quais é destinada; Integridade: toda informação deve estar na mesma condição que foi disponibilizada pelo seu proprietário. Desse modo ela está protegida contra alterações indevidas, sejam intencionais ou acidentais; e Disponibilidade: toda informação deve estar disponível aos usuários no momento que seja necessário e para qualquer finalidade. A obtenção da segurança da informação é obtida por meio da implementação de um conjunto de controles apropriados, que incluam: as políticas, os processos, os procedimentos, 4605

10 as estruturas organizacionais e as funcionalidades dos aplicativos e dos equipamentos. (ABNT, 2006). 3. MÉTODO A realização deste estudo ocorreu por meio de pesquisa bibliográfica e documental. A pesquisa bibliográfica teve como objetivo obter conhecimento de conceitos e teorias sobre sistemas de informações e métodos de obtenção de resultados. A análise documental foi realizada por meio de documentos internos da organização e por meio de documentos disponíveis em sítios e em publicações disponíveis na internet. O objetivo dessa análise foi identificar e analisar os elementos envolvidos no PECEV da ICT. O processo para a obtenção dos resultados fundamentou-se em três etapas: análise do processo, identificação dos elementos do processo e modelagem do SIG. A Figura 8 apresenta o fluxo das três etapas. Figura 8 Fluxo das três etapas para obtenção dos resultados As etapas de trabalho para obtenção resultados foram realizadas da seguinte maneira: Etapa 1: Foi realizada uma análise do PECEV. Dessa análise foram identificadas as funcionalidades do processo. Observou-se que o processo é composto por quatro fases: planejamento, preparação, execução e análise. Também foram identificados os processos de execução de uma Ordem de Serviço (OS) e do fluxo de eventos do PECEV; Etapa 2: Foram identificados os elementos, como: setores, documentação, informações, ferramentas de apoio e pessoal envolvido. Elementos peculiares de cada setor para a execução das tarefas correlatas às Campanhas de Ensaio. Também foi identificada a interação existente entre os setores durante a execução do PECEV; e Etapa 3: Foi realizada a modelagem do SIG proposto. O modelo foi planejado e estruturado respeitando a estrutura organizacional e as funcionalidades da ICT, que seguem normas e procedimentos preestabelecidos. Foram utilizados os conceitos de solução de problemas do modelo PDCA da fase P. Esta pesquisa classifica-se como uma abordagem qualitativa. Segundo Richardson (1999, p. 80), os estudos que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, compreender e classificar processos dinâmicos vividos por grupos sociais. O tipo da pesquisa é um estudo de caso. Segundo Yin (2010, p. 24), o estudo de caso é usado em muitas situações, para contribuir ao nosso conhecimento dos fenômenos individuais, grupais, organizacionais, sociais, políticos e relacionados. Ainda segundo o autor o estudo de caso permite que os investigadores mantenham as características holísticas e significativas dos eventos da vida real. 4606

11 4. RESULTADOS O modelo do SIG foi elaborado a partir do estudo de três etapas: 4.1 ETAPA 1: Análise do PECEV O PECEV é composto por quatro fases: planejamento, preparação, execução e análise. Durante o processo são planejadas, gerenciadas e executadas tarefas para a realização de uma Campanha de Ensaios em Voo. O PECEV também contempla uma Ordem do serviço solicitada por um Cliente e a elaboração de um Relatório de Ensaio com resultados. A Figura 9 apresenta o ciclo de desenvolvimento do PECEV. Figura 9 - Ciclo de desenvolvimento do PECEV O ciclo de desenvolvimento do PECEV é composto das seguintes fases e dos seguintes elementos: Cliente: é o solicitante de uma Campanha de Ensaio. O PECEV inicia-se com uma solicitação de um cliente; Ordem de serviço: é uma solicitação formal. Os serviços que envolvem ensaios em voo ou assessoria técnica devem ser solicitados através da abertura de uma Ordem de Serviço (OS). A OS é o documento formal que contém um número, um título, uma descrição do serviço e o objetivo desse serviço; Planejar: é a fase de planejamento do ensaio solicitado. Nesta fase é estabelecido o projeto para a confecção do Programa de Ensaio (PE). O PE é um documento onde constam todos os requisitos técnicos e operacionais e o cronograma de execução da campanha de ensaio; 4607

12 Preparar: é a fase de preparação da aeronave que realizará os voos de ensaio. Os procedimentos da preparação foram definidos no PE. Além disso, é a fase em que são preparados os meios para aquisição e processamento de dados e quando são realizados ensaios de testes. A aeronave é liberada para os ensaios requisitados após a realização de todos os testes com sucesso; Executar: é a fase da execução dos voos de ensaios. Os procedimentos dessa fase são definidos no documento Ordem de Ensaio (OE). Os voos são acompanhados por meio de uma estação de telemetria. Os dados são visualizados, gravados e analisados por engenheiros de ensaios; Analisar: é a fase de análise dos dados adquiridos durante a fase de execução. É realizada uma análise minuciosa e confeccionado o Relatório de Ensaio (RE) com os resultados finais do ensaio; Relatório de ensaio: o RE é o documento final onde estão descritos os resultados do ensaio solicitado; e Procedimentos: são todos os procedimentos técnicos, operacionais e administrativos realizados durante todo o PECEV Execução de uma OS Nessa etapa, também foi identificado o fluxo das atividades para a abertura e conclusão de uma OS. As atividades técnicas e operacionais do PECEV iniciam-se com a abertura de uma OS. Uma OS é um documento formal onde estão descritos os objetivos e os procedimentos para a execução do ensaio. A Figura 10 apresenta o fluxo para a execução de uma OS. Figura 10 Fluxo para a execução de uma OS Fonte: Brasil (2011) A solicitação pode ser de um solicitante externo, que é encaminhada à Direção do Instituto. O Diretor avalia se a solicitação é viável. Caso afirmativo, repassa a solicitação ao Vice-Diretor. Solicitações internas são encaminhadas diretamente para a análise do Vice- Diretor. Em seguida, a OS é encaminhada à Divisão de Ensaios em Voo, que designa os responsáveis para sua coordenação e execução: um Engenheiro de Prova (EP) e um Piloto de Prova (PP). Uma Solicitação de Ensaio (SE) é preenchida pelo solicitante com apoio dos 4608

13 responsáveis. A SE é um documento formal onde estão discriminados os detalhes da Campanha de Ensaio e os resultados pretendidos. Os responsáveis analisam os serviços a serem realizados e a estimativa da carga de trabalho. Com parecer favorável da OS, iniciam-se os procedimentos para a execução dos ensaios. Caso não seja possível atender à solicitação, o solicitante é informado, novas condições são combinadas, novo SE é preenchido e nova análise é realizada. Permanecendo inviável a realização da OS, o Vice-Diretor deve concluir a OS informando ao cliente sobre a inviabilidade. A execução somente se inicia após serem acordados quais produtos devem ser entregues e os prazos a serem obedecidos Fluxo de Eventos do PECEV Foi identificada uma sequência de eventos que devem ser executados para o funcionamento completo do PECEV. A Figura 11 ilustra a sequência de eventos que ocorrem durante a execução de uma Campanha de Ensaio. Figura 11 - Fluxo de eventos para a execução de uma Campanha de Ensaio Fonte: Brasil (2011) A descrição do fluxo de eventos é: 1. SE: o PECEV somente é realizado após a aprovação da SE; 2. Carga de trabalho, produtos e prazos: são estimados os tempos necessários para a execução dos ensaios, os tipos de ensaios a serem executados e os prazos para atender à solicitação; 3. PE: o PE é um documento que contém a descrição das atividades a serem realizadas, visando à execução dos voos de uma determinada Campanha de Ensaio; 4. OE: são definidos os detalhes dos pontos de ensaios a serem realizados; 5. CV: o Cartão de Voo (CV) é o documento que descreve a sequência dos pontos de 4609

14 ensaios a serem realizados; 6. SST: a Solicitação de Suporte Técnico (SST) contém todas as informações para a execução de um projeto de instrumentação da aeronave que vai realizar os voos de ensaio; 7. Instrumentação: trabalho de instalação de instrumentos necessários para preparar uma aeronave para os ensaios e para transmitir e gravar dados durante os voos; 8. Adaptação dos tripulantes: equipe que realiza os voos (um piloto de ensaio e um engenheiro de ensaio) que realiza os voos instruídos sobre os procedimentos a serem executados durante os ensaios; 9. Execução dos voos de ensaio: é a atividade fundamental de uma Campanha de Ensaio. Execução dos voos planejados e para aquisição de dados para a obtenção de resultados; 10. RDD: chamada de fase de Redução de Dados (RDD). São analisados os valores dos dados das aeronaves adquiridos durante o ensaio. Os resultados obtidos dessa análise são inclusos no RE; 11. RE: é elaborado um relatório contendo todos os resultados obtidos durante a execução de uma Campanha de Ensaios. Esse item é opcional; 12. Dossiê: é o arquivamento de todo material de uma Campanha de Ensaio e que não consta em relatórios ou documentos formais; 13. Desinstrumentação: remoção dos instrumentos na aeronave que realizou os ensaios. Disponibiliza a aeronave para outros fins; e 14. Conclusão formal da OS: finalização das atividades de uma Campanha de Ensaio. 4.2 ETAPA 2: Identificação dos elementos envolvidos Foram identificados os elementos que estão envolvidos no PECEV: setores, documentação, informações, ferramentas de apoio e pessoal envolvido Setores Os setores da organização recebem a denominação de Divisão. O organograma da estrutura básica da organização é composto por seis setores: Divisão Administrativa (EAD), Divisão de Suprimento e Manutenção (ESM), Divisão de Suporte Técnico (EST), Divisão de Ensaios em Voo (EEV), Divisão de Formação de Ensaios em Voo (EFEV) e Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento (EPD). Para a execução de suas funcionalidades durante uma Campanha de Ensaio, as divisões interagem gerando informações entre si. A partir da identificação dos setores, foram também identificadas as competências de cada um deles. O Quadro 1 demonstra as divisões que participam do PECEV. FASE DIVISÃO Planejamento Divisão de Ensaios em Voo (EEV) Divisão de Suporte Técnico (EST) Preparação Divisão de Suprimento e Manutenção (ESM) Divisão de Ensaios em Voo (EEV) Execução Divisão de Suporte Técnico (EST) Divisão de Suprimento e Manutenção (ESM) Divisão de Ensaios em Voo (EEV) Análise Divisão de Suporte Técnico (EST) Quadro 1: Divisões que participam do PECEV 4610

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS

COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS O gerenciamento do sistem,a COMUNICAÇÃO INTERNA DESAFIOS E ÊXITOS Dandare Manuelle Pereira (1) Historiadora formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Trabalha desde 2012 na SANASA no cargo

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 10/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações Inventário e Mapeamento de Ativos de Informação nos

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim

Segurança e Auditoria de Sistemas. Profº.: Daniel Gondim Segurança e Auditoria de Sistemas Profº.: Daniel Gondim Roteiro Auditoria de Sistemas Conceitos; Tipos de Auditorias; Objetivos e Importância; Etapas; Segurança da Informação Conceitos; Ameaças; Algumas

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

Modelo de Gestão por Processos da Anatel

Modelo de Gestão por Processos da Anatel Modelo de Gestão por Processos da Anatel 1º Evento de Intercâmbio em Planejamento & Gestão das Agências Reguladoras 03 de abril de 2009 Superintendência de Administração-Geral - SAD Gerência-Geral de Talentos

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG Segurança da Informação Prof. Walter Cunha Rede LFG Prof. Walter Cunha Contatos: E-mail: falecomigo@waltercunha.com timasters@yahoogoups.com Atividades: http://www.waltercunha.com/blog/ http://twitter.com/timasters/

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações 1 - Há milhões e milhões de anos

Leia mais

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM GESTÃO DE CONTINUIDADE DOS

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

DESENVOLVER SISTEMAS 1 OBJETIVO

DESENVOLVER SISTEMAS 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe Departamento de s de Informação (DESIS) DESENVOLVER SISTEMAS Analisado por: Departamento de s de Informação (DESIS) Aprovado por: Diretor-Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais