A IMPORTÂNCIA DA LUBRIFICAÇÃO EM SISTEMAS TRIBOLÓGICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA LUBRIFICAÇÃO EM SISTEMAS TRIBOLÓGICOS"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA LUBRIFICAÇÃO EM SISTEMAS TRIBOLÓGICOS JOSÉ SOBRAL 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 1

2 AGENDA INTRODUÇÃO TRIBOLOGIA SISTEMAS TRIBOLÓGICOS TIPOS DE LUBRIFICAÇÃO IMPORTÂNCIA DA LUBRIFICAÇÃO REFLEXÃO José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 2

3 INTRODUÇÃO A TENTATIVA DE PROMOVER OU FACILITAR O MOVIMENTO ENTRE DOIS CORPOS NÃO É RECENTE. JÁ OS EGÍPCIOS EM 2400 A.C. TINHAM PERCEBIDO A IMPORTÂNCIA DE INTERPÔR ALGO (ÁGUA?) ENTRE DUAS SUPERFÍCIES EM MOVIMENTO RELATIVO. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 3

4 A GRANDE MAIORIA DOS SISTEMAS INDUSTRIAIS POSSUI ÓRGÃOS EM MOVIMENTO. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 4

5 NO SENTIDO DE MELHORAR O DESEMPENHO DOS SISTEMAS, DIMINUIR O ATRITO, DIMINUIR A TEMPERATURA, REDUZIR O RUÍDO E FUNDAMENTALMENTE AUMENTAR A LONGEVIDADE DOS ÓRGÃOS, A SOLUÇÃO É INTERPÔR ALGO ENTRE AS SUPERFÍCIES EM MOVIMENTO RELATIVO (PAR CINEMÁTICO). LUBRIFICANTE MAS, QUAL A LIGAÇÃO ENTRE LUBRIFICANTES, LUBRIFICAÇÃO E TRIBOLOGIA? José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 5

6 TRIBOLOGIA O ELEVADO NÚMERO DE AVARIAS POR DESGASTE REGISTADO EM MÁQUINAS NAS DÉCADAS DE 50 E 60 LEVOU A QUE SE EFECTUASSEM ESTUDOS SOBRE ESTA MATÉRIA. ESTIMAVA-SE QUE COM A IMPLEMENTAÇÃO DE NOVAS MEDIDAS SE POUPASSE CERCA DE 500 MILHÕES DE LIBRAS POR ANO (NESSA ÉPOCA). SURGE ENTÃO A TRIBOLOGIA José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 6

7 TRIBOLOGIA - A CIÊNCIA E TECNOLOGIA DAS SUPERFÍCIES INTERACTUANTES E EM MOVIMENTO RELATIVO, E DAS MATÉRIAS E MÉTODOS COM ELAS RELACIONADOS (NORMA DIN 50323). O CONTROLO DE CONDIÇÃO OS MATERIAIS TIPO DE CONTACTO TRIBOLOGIA CONTROLO DO ATRITO E DO DESGASTE OS ESTADO GEOMÉTRICO E METALURGICO DAS SUPERFÍCIES OS LUBRIFICANTES OS TIPOS E MÉTODOS DE LUBRIFICAÇÃO José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 7

8 SISTEMAS TRIBOLÓGICOS PERCEBE-SE ASSIM A IMPORTÂNCIA DAS PROPRIEDADES DOS DOIS CORPOS INTERACTUANTES (SUAS SUPERFÍCIES DE CONTACTO) E DO LUBRIFICANTE, QUE AGINDO ENTRE SI PODERÃO CONTRIBUIR PARA A OBTENÇÃO DE UM DADO COMPORTAMENTO TRIBOLÓGICO. UM QUARTO ELEMENTO, O AMBIENTE CIRCUNDANTE À LIGAÇÃO, PODERÁ DE CERTA FORMA CONDICIONAR E CARACTERIZAR O CONJUNTO. TRIBOLOGIA ATRITO FIABILIDADE DESEMPENHO EFICIÊNCIA DESGASTE ESTE MODELO DESIGNA-SE POR SISTEMA TRIBOLÓGICO (OU TRIBOSISTEMA). LUBRIFICAÇÃO OPTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MECÂNICOS José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 8

9 PARA CARACTERIZAR COMPLETAMENTE A ESTRUTURA DE UM SISTEMA TRIBOLÓGICO HÁ QUE INDICAR AS PROPRIEDADES DOS ELEMENTOS QUE O CONSTITUEM, ASSIM COMO AS SUAS INTER-RELAÇÕES: A COMPOSIÇÃO QUÍMICA, MICROESTRUTURA METALÚRGICA E GEOMETRIA DOS CORPOS; AS PROPRIEDADES FISICO-QUÍMICAS DO LUBRIFICANTE E SEUS ADITIVOS; A TEMPERATURA E A AGRESSIVIDADE QUÍMICA DO MEIO AMBIENTE; O TIPO DE CONTACTO E MODO DE LUBRIFICAÇÃO RESULTANTE; A REACÇÃO QUÍMICA ENTRE AS SUPERFÍCIES DE CONTACTO E CERTOS ADITIVOS. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 9

10 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 10 José Sobral

11 A RUGOSIDADE É UM DOS DEFEITOS CARACTERÍSTICOS DA IRREGULARIDADE SUPERFICIAL, SENDO UM FACTOR QUE INFLUÊNCIA O COMPORTAMENTO TRIBOLÓGICO DE UMA LIGAÇÃO FUNCIONAL, INFLUENCIANDO O VALOR DO COEFICIENTE DE ATRITO EM CONTACTO SECO OU A EFICÁCIA DE UMA PELÍCULA LUBRIFICANTE EM CONTACTO LUBRIFICADO. QUALIDADE PRETENDIDA PARA A GEOMETRIA DAS SUPERFÍCIES PROCESSO DE FABRICO José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 11

12 A RUGOSIDADE VAI INFLUENCIAR DE CERTA FORMA O MODO COMO SE PODE CRIAR E MANTER UMA PELÍCULA LUBRIFICANTE (TIPO DE LUBRIFICAÇÃO), E COMO SE CONSEGUE FAZER CHEGAR DE UMA FORMA EFICAZ O LUBRIFICANTE AOS PONTOS DE LUBRIFICAÇÃO (MÉTODO DE LUBRIFICAÇÃO). QUANTO MAIOR FOR A ÁREA REAL DE CONTACTO DO PAR CINEMÁTICO (SOMATÓRIO DE TODAS AS PEQUENAS ÁREAS DE INTERACTUAÇÃO DAS ASPERIDADES DAS DUAS SUPERFÍCIES) MENOR SERÁ O VALOR DA PRESSÃO LOCAL EFECTIVA NESSAS PEQUENAS ZONAS REAIS DE CONTACTO; A ESPESSURA DA PELÍCULA LUBRIFICANTE QUE SE CRIA E MANTEM ENTRE AS SUPERFÍCIES INTERACTUANTES DEVE EXCEDER A ALTURA MÉDIA DAS ASPERIDADES, DE FORMA A QUE AS SUPERFÍCIES NÃO ENTREM FISICAMENTE EM CONTACTO. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 12

13 UM CRITÉRIO USADO PARA CARACTERIZAR E CLASSIFICAR O REGIME OU TIPO DE LUBRIFICAÇÃO É O FACTOR DE ESPESSURA RELATIVA DE PELÍCULA - FACTOR. ESTE FACTOR RELACIONA A ESPESSURA DA PELÍCULA LUBRIFICANTE CARACTERÍSTICA DE UM DETERMINADO SISTEMA TRIBOLÓGICO COM A RUGOSIDADE MÉDIA DAS SUAS SUPERFÍCIES INTERACTUANTES E PODE SER DEFINIDO POR: h R ONDE : h ESPESSURADA PELÍCULA LUBRIFICANTE R RUGOSIDADECOMPOSTADO PAR CINEMÁTICO R 2 R 1 R 2 2 José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 13

14 REGIME DE LUBRIFICAÇÃO POR PELÍCULA ESPESSA ( 10) OBTIDO, POR EXEMPLO, COM O TIPO DE LUBRIFICAÇÃO HIDRODINÂMICA. REGIME DE LUBRIFICAÇÃO POR PELÍCULA FINA ( 4), CORRESPONDENDO A UMA CONDIÇÃO DE LUBRIFICAÇÃO MISTA. REGIME DE LUBRIFICAÇÃO EM CAMADA LIMITE ( 1), CORRESPONDENDO AO TIPO DE LUBRIFICAÇÃO LIMITE. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 14

15 NUM SISTEMA TRIBOLÓGICO COM EXISTÊNCIA DE PELÍCULA LUBRIFICANTE (EX. >10) ENTRE AS DUAS SUPERFICIES DE CONTACTO NÃO FAZ MUITO SENTIDO FALAR DE COEFICIENTE DE ATRITO (SÓLIDO). NO ENTANTO, CONTINUA A HAVER ATRITO, DESIGNADO POR ATRITO FLUIDO (RESISTÊNCIA AO CORTE VISCOSIDADE). ENTÃO A ESCOLHA DO LUBRIFICANTE É MUITO IMPORTANTE! José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 15

16 OBSERVEMOS DUAS TENDÊNCIAS: PRETENDE-SE UM REGIME DE LUBRIF. POR PELÍCULA ESPESSA (OU MISTA) VELOCIDADE ELEVADA LUBRIFICANTE DE BAIXA VISCOSIDADE (DIMINUI A PRODUÇÃO DE CALOR DE ATRITO) PRETENDE-SE UM REGIME DE LUBRIF. POR PELÍCULA ESPESSA (OU MISTA) CARGA ELEVADA LUBRIFICANTE DE ALTA VISCOSIDADE (MAIOR RESISTÊNCIA À EXPULSÃO DA ZONA DE CONTACTO, SEPARAÇÃO MAIS EFICAZ DAS SUPERFÍCIES) 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 16

17 TIPOS DE LUBRIFICAÇÃO QUANTO AOS TIPOS DE LUBRIFICAÇÃO, PODEM-SE CONSIDERAR OS SEGUINTES DISTINTOS E INDEPENDENTES CINCO MECANISMOS OU TIPOS DE LUBRIFICAÇÃO: LUBRIFICAÇÃO HIDRODINÂMICA (LHD) LUBRIFICAÇÃO LIMITE (LL) LUBRIFICAÇÃO HIDROSTÁTICA (LHE) LUBRIFICAÇÃO ELASTOHIDRODINÂMICA (LEHD) LUBRIFICAÇÃO SÓLIDA (LS) 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 17

18 A LUBRIFICAÇÃO HIDRODINÂMICA (LHD) - ENTRE AS SUPERFÍCIES DE CONTACTO DO SISTEMA TRIBOLÓGICO É AUTO- GERADA UMA PELÍCULA RELATIVAMENTE ESPESSA DE LUBRIFICANTE COM A CAPACIDADE DE GARANTIR UMA SEPARAÇÃO EFICAZ ENTRE ESSAS MESMAS SUPERFÍCIES, EVITANDO O CONTACTO SÓLIDO. GEOMETRIA DOS CORPOS CARGA APLICADA VELOCIDADE RELATIVA VISCOSIDADE DO LUBRIFICANTE (FUNDAMENTAL) PROMOÇÃO DO EFEITO DE BOMBAGEM DO LUBRIFICANTE PARA A ZONA DE CONTACTO CRIANDO A MONTANTE UMA GRANDE ELEVAÇÃO DE PRESSÃO SUFICIENTE PARA PROVOCAR A SEPARAÇÃO EFICAZ DAS DUAS SUPERFÍCIES 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 18

19 A LUBRIFICAÇÃO LIMITE É CONSIDERADA COMO UMA FORMA DE LUBRIFICAÇÃO IMPERFEITA POIS OCORRE QUANDO NÃO SE CONSEGUEM CRIAR AS CONDIÇÕES PARA ESTABELECER UMA PELÍCULA ESPESSA DE LUBRIFICANTE. DIZ-SE LUBRIFICAÇÃO LIMITE OU EM CAMADA LIMITE POIS O FENÓMENO DE LUBRIFICAÇÃO, EMBORA EXISTENTE, É REALIZADO COM UM CONTACTO FRANCO ENTRE AS MICRO-ASPERIDADES DAS SUPERFÍCIES QUE INTERACTUAM. ADERÊNCIA (UNTUOSIDADE) BAIXA TENSÃO SUPERFICIAL (PODER MOLHANTE) HABILITAÇÃO À FORMAÇÃO DE ÓXIDOS E OUTROS COMPOSTOS 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 19

20 A LUBRIFICAÇÃO HIDROSTÁTICA (LHE) DIZ RESPEITO ÁS SITUAÇÕES ONDE EXISTE TAMBÉM UMA PELÍCULA ESPESSA DE LUBRIFICANTE, MAS AO CONTRÁRIO DO PROCESSO HIDRODINÂMICO A PRESSÃO NECESSÁRIA PARA CRIAR E MANTER ESSA PELÍCULA É RESULTANTE DE UMA FONTE DE ALIMENTAÇÃO EXTERIOR AO TRIBOSISTEMA (BOMBA HIDRÁULICA). 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 20

21 O QUARTO TIPO DE LUBRIFICAÇÃO DESIGNA-SE POR LUBRIFICAÇÃO ELASTOHIDRODINÂMICA (LEHD). TRATA-SE DE UM TIPO DE LUBRIFICAÇÃO HIDRODINÂMICA ONDE A NECESSÁRIA ADEQUADA GEOMETRIA FORMA-SE DEVIDO À MÚTUA DEFORMAÇÃO ELÁSTICA DAS PEQUENISSIMAS ÁREAS DE CONTACTO CAUSADAS PELA ACÇÃO DAS RESPECTIVAS PRESSÕES DE HERTZ ELEVADAS NOS CONTACTOS PONTUAIS OU LINEARES (PARES CINEMÁTICOS SUPERIORES) ENGRENAGENS E CHUMACEIRAS DE ROLAMENTO. 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 21

22 FACTOR REGIME DE LUBRIFICAÇÃO FACTOR CHAVE 10 Lubrificação Hidrodinâmica Viscosidade 1 Lubrificação Limite Propriedades físico-químicas da interacção lubrificante-superfícies 1 < < 10 Lubrificação Mista > 4-5 Lubrificação Elastohidrodinâmica Viscosidade (limitada) Propriedades físico-químicas (compromisso) Rugosidade (compromisso) Viscosidade Pressão concentrada Deformação elástica 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 22

23 O ÚLTIMO TIPO DE LUBRIFICAÇÃO É OBTIDO PELA INTERPOSIÇÃO DE LUBRIFICANTES SÓLIDOS ENTRE AS SUPERFICIES DE CONTACTO, DESIGNANDO-SE NATURALMENTE POR LUBRIFICAÇÃO SÓLIDA (LS). FENÓMENO DE ADERÊNCIA DO LUBRIFICANTE SÓLIDO ÀS SUPERFICIES DE CONTACTO SUFICIENTE PARA RESISTIR À PENETRAÇÃO DAS ASPERIDADES SUPERFICIAIS INTERACTUANTES POR COMPRESSÃO. BOA ADERÊNCIA ÀS SUPERFÍCIES INTERACTUANTES ELEVADA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO (PENETRAÇÃO) FRACA RESISTÊNCIA AO CORTE 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 23

24 À MEDIDA QUE A VISCOSIDADE, A VELOCIDADE E CARGA UNITÁRIA VARIAM, PODERÃO CONDICIONAR A FORMAÇÃO DE PELÍCULA ESPESSA. OBSERVA-SE QUE QUANDO SE OBTÉM UMA PELÍCULA HIDRODINÂMICA DE ESPESSURA MÍNIMA, ESSE PONTO CORRESPONDERÁ AO VALOR MÍNIMO DO COEFICIENTE DE ATRITO. À MEDIDA QUE AS ASPERIDADES SE COMEÇAM A TOCAR COM MAIS FREQUÊNCIA, AUMENTARÁ O COEFICIENTE DE ATRITO, ATÉ UM PONTO QUE SE ATINGE UMA PELÍCULA FINA DE LUBRIFICAÇÃO LIMITE, ESTABILIZANDO O VALOR DO COEFICIENTE DE ATRITO. 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 24

25 IMPORTÂNCIA DA LUBRIFICAÇÃO A LUBRIFICAÇÃO ASSUME UM PAPEL FUNDAMENTAL EM SISTEMAS TRIBOLÓGICOS. POR EXEMPLO, EM CHUMACEIRAS DE ESCORREGAMENTO, A IMPORTÂNCIA DESTE FACTOR PODE SER ANALISADA EM DIFERENTES FASES DO CICLO DE VIDA. PROJECTO DA CHUMACEIRA, DETERMINANDO AS SUAS CARACTERÍSTICAS DIMENSIONAIS E ADEQUADO GRAU DE VISCOSIDADE DO LUBRIFICANTE. É UM PROCESSO ITERATIVO, CUJA EXTENSÃO DEPENDE DO GRAU DE OPTIMIZAÇÃO PRETENDIDO; VERIFICAÇÃO DE UMA CHUMACEIRA EM SERVIÇO QUANTO AO SEU DESEMPENHO EM REGIME HIDRODINÂMICO; ANÁLISE DE FALHA, DETERMINANDO A SUA CAUSA (OU CAUSAS). José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 25

26 Minimum film thickness variable, h0/c (dimensionless) 1,0 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 Mín. f Máx. W l/d= l/d=1 l/d=1/2 l/d=1/4 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 Eccentricity ratio, Ɛ (dimensionless) Absolute viscosity [mpa.s] ou [cp] SAE 70 SAE 60 SAE 50 SAE 40 SAE 30 SAE 20 SAE 10 0,1 0,9 5 0,0 1,0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, Bearing characteristic number Temperature [ C] José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 26

27 Absolute viscosity [mpa.s] ou [cp] W50 20W40 10W30 5W20 20W 10W Coefficient of friction variable, r/c.f (dimensionless) l/d=1/4 l/d=1/2 l/d=1 l/d= ,0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, Temperature [ C] Bearing characteristic number 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 27

28 6 l/d=1/4 l/d=1/2 1,0 0,9 l/d=1/4 0 0,1 0,8 l/d=1/2 0,2 Flow variable, Q/rCNl (dimensionless) l/d=1 l/d=1,5 l/d=2 l/d= Flow ratio, QS/Q 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 l/d=2 l/d=1,5 l/d=1 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 Eccentricity ratio, Ɛ (dimensionless) 0,1 0,9 l/d= 1 0,0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, ,0 Bearing characteristic number 0,0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, Bearing characteristic number 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 28

29 1, ,9 90 l/d= Maximum film pressure ratio, P/Pmax 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 l/d=2 l/d=1,5 l/d=1 l/d=1/2 l/d=1/4 Position of minimum film thickness, f, deg l/d= l/d=1 l/d=1/2 l/d=1/4 N W 0,2 20 0,1 0,0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, ,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, O O Bearing characteristic number Bearing characteristic number 100 l/d= l/d=1 l/d=1/2 25 h 0 90 l/d=1/ Terminating position of film, qp0, deg l/d=1/2 l/d=1/ Position of maximum film pressure, qpmáx, deg q p0 f q pmáx Film pressure, p 10 l/d= l/d=1 p máx 0 0,0 0,01 0,02 0,04 0,06 0,08 0,1 0,2 0,4 0,6 0, qpe Bearing characteristic number qpmáx 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 29

30 TAMBÉM NO CASO DA ANÁLISE E SELECÇÃO DE CHUMACEIRAS DE ROLAMENTO A LUBRIFICAÇÃO TEM UM IMPORTANTE PAPEL. QUANDO AS CHUMACEIRAS DE ROLAMENTO SE ENCONTRAM DEVIDAMENTE INSTALADAS, LUBRIFICADAS E A OPERAR EM CONDIÇÕES PRÓPRIAS DE LIMPEZA E TEMPERATURA, OS PRINCIPAIS MODOS DE FALHA SÃO FUNDAMENTALMENTE DE DOIS TIPOS: DEFORMAÇÃO PLÁSTICA DEVIDO À COMPRESSÃO DOS CORPOS ROLANTES NAS PISTAS, NOS PONTOS DE CONTACTO, CONTROLADA PELA PROPRIEDADE DENOMINADA CAPACIDADE DE CARGA ESTÁTICA ISO 76:2006 ROLLING BEARINGS STATIC LOAD RATINGS PICAGEM DEVIDO AO FENÓMENO DE FADIGA DE CONTACTO, AO FIM DE UM DETERMINADO NÚMERO DE CICLOS, CONTROLADA PELA PROPRIEDADE DENOMINADA CAPACIDADE DE CARGA DINÂMICA ISO 281:2007 ROLLING BEARINGS DYNAMIC LOAD RATINGS AND RATING LIFE 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 30

31 L a 10 2,3 f Ln a. a. a (lubrificaçãoe limpeza do lubrificante) Condição LIMPEZA EXTREMA Tamanho das partículas da ordem da espessura da película do lubrificante. Condições de laboratório ALTA LIMPEZA Óleo filtrado por meio de filtro fino. Condições típicas de rolamentos com massa permanentemente e vedados. Factor 1) C dm < 100 mm dm 100 mm 1 1 0,8 0,6 0,9 0,8 LIMPEZA: P U C. P LIMPEZA NORMAL Óleo filtrado por meio de filtro fino. Condições típicas de rolamentos com massa permanentemente e com placas de protecção. LEVE CONTAMINAÇÃO Leve contaminação no lubrificante. CONTAMINAÇÃO TÍPICA Condições típicas de rolamentos sem vedantes integrados, filtragem grosseira, partículas de desgaste e ingresso das regiões adjacentes. 0,6 0,5 0,8 0,6 0,5 0,3 0,6 0,4 0,3 0,1 0,4 0,2 LUBRIFICAÇÃO: 1 Viscosidade operacional (real) Viscosidade requerida GRAVE CONTAMINAÇÃO Ambiente do rolamento gravemente contaminado e arranjo do rolamento com vedação inadequada. CONTAMINAÇÃO MUITO GRAVE (Em contaminação extrema, os valores de C podem estar fora da escala, resultando em uma redução mais drástica de vida do que o previsto pela equação para L nm ). 0,1 0 0, DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 31

32 Viscosidade operacional (real) Viscosidade requerida 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 32

33 REFLEXÃO EXISTE UMA GRANDE VARIEDADE E QUANTIDADE DE SISTEMAS TRIBOLÓGICOS NA INDÚSTRIA; A TRIBOLOGIA APRESENTA-SE COMO A CIÊNCIA E TECNOLOGIA DAS SUPERFÍCIES INTERACTUANTES E EM MOVIMENTO RELATIVO, E DAS MATÉRIAS E MÉTODOS COM ELAS RELACIONADOS; AS PROPRIEDADES DO LUBRIFICANTE SÃO UM DOS FACTORES A TER EM CONSIDERAÇÃO NUM SISTEMA TRIBOLÓGICO; O FACTOR DE ESPESSURA RELATIVA DA PELÍCULA DEFINE O TIPO DE LUBRIFICAÇÃO OBTIDO; EXISTEM VÁRIOS TIPOS OU MECANISMOS DE LUBRIFICAÇÃO (LHD, LL, LHE, LEHD, LS); A LUBRIFICAÇÃO APRESENTA-SE COMO UM FACTOR IMPORTANTE NO DIMENSIONAMENTO, SELECÇÃO E ANÁLISE DOS PRINCIPAIS ÓRGÃOS DE MÁQUINAS COM MOVIMENTO RELATIVO. José Sobral 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 33

34 OBRIGADO PELA ATENÇÃO JOSÉ SOBRAL 25 DE MARÇO DE 2015 SEMINÁRIO LUBRIFICAÇÃO O ESTADO DA ARTE 34

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Mecânica Elementos de Máquinas II Elementos de Apoio F T O = 0 Óleo e.sen O F h máx e Eixo Mancal L Óleo F d n h min d Q máx F pmáx p O

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação

BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação BALINIT resultados magníficos em puncionamento e conformação A fórmula de sucesso para garantir a eficácia em puncionamento e conformação Os revestimentos extra-duros BALINIT possuem apenas algumas milésimas

Leia mais

Seminário Lubrificação O Estado da Arte

Seminário Lubrificação O Estado da Arte Seminário Lubrificação O Estado da Arte Ordem dos Engenheiros Monitorização e Manutenção de Sistemas de Lubrificação em Grupos Turbina e Alternador Lisboa, 25 de Março de 2015 Autores: Humberto Paula Marcos

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

MANCAIS DE DESLIZAMENTO. Prof. Dr. Julio Cézar de Almeida

MANCAIS DE DESLIZAMENTO. Prof. Dr. Julio Cézar de Almeida MANCAIS DE DESLIZAMENTO Prof. Dr. Julio Cézar de Almeida 1 ATRITO EM VELOCIDADES ELEVADAS Rolamento Deslizamento Rolamento e deslizamento Prof. Julio Almeida Deslizamento 2 ATRITO EM VELOCIDADES ELEVADAS

Leia mais

Simulação Numérica e Experimental do Processo de Forjamento de Componentes Industriais

Simulação Numérica e Experimental do Processo de Forjamento de Componentes Industriais Simulação Numérica e Experimental do Processo de Componentes Industriais Mestre M. Leopoldina Alves Seminários de Engenharia Mecânica 4 Dezembro 00 Simulação Numérica e Experimental do Processo de Componentes

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA

MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA MEMÓRIA DESCRITIVA PÓRTICO METÁLICO COM PONTE GRUA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA! "# $&%(')*&,+ -.,/!0 1 2 23 Índice: 1- Informações gerais sobre o projecto e cálculo...1 2- Tipologia estrutural...2

Leia mais

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL

SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL B055 SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL SISTEMA DE PERFIS DE ALUMÍNIO TERMICAMENTE MELHORADOS Instruções de manutenção e limpeza SÉRIE DE CORRER B055 (RPT) EXTRUSAL Instruções de manutenção e limpeza

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia

MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS. Bibliografia MÓDULO 03 - PROPRIEDADES DO FLUIDOS Bibliografia 1) Estática dos Fluidos Professor Dr. Paulo Sergio Catálise Editora, São Paulo, 2011 CDD-620.106 2) Introdução à Mecânica dos Fluidos Robert W. Fox & Alan

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Embreagens são elementos que

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

Tecnologias e processos

Tecnologias e processos Tecnologias e processos Ancorensis Cooperativa de Ensino Trabalho sobre Pneumática e Hidráulica Professor: Celestino Ribeiro Trabalho realizado por: João Codeço 10ºR Neste pequeno trabalho vou falar um

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

TESTE DE ESTANQUEIDADE

TESTE DE ESTANQUEIDADE TESTE DE ESTANQUEIDADE Mais do que encontrar vazamentos... por: Mauricio Oliveira Costa Consumidores (e clientes) não querem produtos que vazem. De fato, eles estão cada vez mais, exigindo melhorias no

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

PARA QUE SERVEM OS SULCOS DOS PNEUS?

PARA QUE SERVEM OS SULCOS DOS PNEUS? PARA QUE SERVEM OS SULCOS DOS PNEUS? Provavelmente já se terá interrogado sobre a função dos sulcos dos pneus. E também terá questionado o facto dos pneus usados nos carros de Fórmula 1 não terem sulcos,

Leia mais

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS

CD18R00 GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS GAMA SANICOL CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS ÍNDICE 1. Generalidades... 3 2. Características Gerais da Tubagem... 3 3. Características Hidráulicas... 4 4. Características Geométricas... 4 5. Transporte e Armazenamento...

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Mancais e Rolamentos BRM

Mancais e Rolamentos BRM 7 - Seleção de Rolamentos O tamanho do rolamento a ser utilizado em uma determinada aplicação é selecionado a princípio com base em sua capacidade de carga em relação às cargas a serem aplicadas e as necessidades

Leia mais

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação

Lubrificação III. Após a visita de um vendedor de lubrificante. Outros dispositivos de lubrificação A U A UL LA Lubrificação III Introdução Após a visita de um vendedor de lubrificante ao setor de manutenção de uma indústria, o pessoal da empresa constatou que ainda não conhecia todos os dispositivos

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

O impacto da difusão de ar na QAI

O impacto da difusão de ar na QAI www.decflex.com 2 Dec. Lei 79/2006 - Artigo 4º Requisitos exigenciais Enquadramento legal 1 Os requisitos exigenciais de conforto térmico de referência para cálculo das necessidades energéticas, no âmbito

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

EVERYWHERE YOU TURN TM

EVERYWHERE YOU TURN TM EVERYWHERE YOU TURN Proposta de valor Vida útil prolongada* Lubrificação em áreas múltiplas Recurso dinâmico de alinhamento Livre de manutenção sem necessidade de relubrificação diária Economize tempo

Leia mais

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO

POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 POROSIMETRIA AO MERCÚRIO 1 - INTRODUÇÃO A característica que determina a utilização em engenharia de muitos materiais é a sua porosidade. A forma, o tamanho e o volume de poros que um material apresenta

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

Extrusão Princípios de Funcionamento

Extrusão Princípios de Funcionamento 1) Taxa de Compressão (RC) -Descrição da rosca de acordo com a taxa de compressão (baixa ou alta taxa de compressão). RC = h i / h f RC = 2 corresponde a baixa taxa de compressão RC = 4 corresponde a alta

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br

Mancais. TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas. Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Mancais TECNÓLOGO EM MECATRÔNICA Elementos de Máquinas Professor: André Kühl andre.kuhl@ifsc.edu.br Introdução à Mancais O mancal pode ser definido como suporte ou guia em que se apóia o eixo; No ponto

Leia mais

Folha de dados do produto

Folha de dados do produto Folha de dados do produto GRAXA PARA LAMINADOR TIMKEN (Classe NLGI 1) Graxa lubrificante Números de peça GR180G GR180P GR180K GR180D GR180B Balde de 11 lb (5 kg) Balde de 35,3 lb (16 kg) Barril de 121,3

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento.

A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica dos Fluidos baseada nas características físicas observáveis dos campos de escoamento. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br A seguir será dada uma classificação ampla da Mecânica

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118]

Materiais para preenchimento de fissuras no concreto: B. Hillemeier [118] EXEMPLO N o 150 : TIPO DE ESTRUTUR : Estrutura de concreto armado ou de concreto protendido. INJEÇÃO EM FISSURS : Materiais para de fissuras no concreto Materiais para preenchimento de fissuras no concreto:.

Leia mais

GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO. www.construlink.com. Copyright 2003 - Construlink.com - Todos os direitos reservados.

GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO. www.construlink.com. Copyright 2003 - Construlink.com - Todos os direitos reservados. GUIÃO TÉCNICO COMPACTADORES DE ASFALTO FICHA TÉCNICA STET Nº 10 Nº de pág.s: 5 8 de Agosto de 2003 www.construlink.com COMPACTADORES DE ASFALTO CB-214D, CB-224D, CB-225D, CB-334D e CB-335D A família de

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

13/09/2011 DCBR/SLE Bosch Rexroth AG 2011. All rights reserved, also regarding any disposal, exploitation, reproduction, editing, distribution, as

13/09/2011 DCBR/SLE Bosch Rexroth AG 2011. All rights reserved, also regarding any disposal, exploitation, reproduction, editing, distribution, as Sistemas de Filtragem para Redutores 1 Importancia da Filtragem Mais de 2/3 ( aprox 80% ) de todos os problemas em máquinas hidráulicas e de lubrificação estão relacionados às condições do óleo hidráulico

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

Aula 23 Trocadores de Calor

Aula 23 Trocadores de Calor Aula 23 Trocadores de Calor UFJF/Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Prof. Dr. Washington Orlando Irrazabal Bohorquez Definição: Trocadores de Calor Os equipamentos usados para implementar

Leia mais

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF Uma solução inovadora para as transmissões por correias É sabido

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Bombeamento. ~ Melhorando a Confiabilidade da Bomba ~ ~ Utilizando Selo Mecânico~ Palestra GEMEA, Goiais. 11 th March 2011

Bombeamento. ~ Melhorando a Confiabilidade da Bomba ~ ~ Utilizando Selo Mecânico~ Palestra GEMEA, Goiais. 11 th March 2011 Bombeamento ~ Melhorando a Confiabilidade da Bomba ~ ~ Utilizando Selo Mecânico~ Palestra GEMEA, Goiais. 11 th March 2011 Introdução Selos Mecânicos: Provem vedação efetiva para o equipamento Rotativo,

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

Elementos de Fixação uma nova visão. Roberto Garcia 11 Agôsto 2011

Elementos de Fixação uma nova visão. Roberto Garcia 11 Agôsto 2011 Roberto Garcia 11 Agôsto 2011 A N A L O G I A S U M Á R I O CLASSIFICAÇÃO DO ELEMENTO DE FIXAÇÃO CAPACIDADE ( Força Tensora ) DO ELEMENTO DE FIXAÇÃO FORÇA DE UNIÃO T O R Q U E PROCESSO DE TORQUE C O N

Leia mais

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna Sistemas auxiliares dos motores SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação tem como função distribuir o óleo lubrificante entre partes móveis

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Guia de projecto Geotêxteis Fibertex

Guia de projecto Geotêxteis Fibertex C O N S T R U C T I O N 200.02 Guia de projecto Geotêxteis Fibertex C O N S T R Geotêxteis Fibertex Geotêxteis Fibertex São não tecidos fabricados a partir de fibras de polipropileno ligadas por agulhamento.

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC

Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Série TLC, FLC, EFLC, ECOCIRC Circuladores com rotor imerso para sistemas de aquecimento, refrigeração e sanitários 50 Hz SÉRIE TLC - FLC - EFLC CAMPO DE PRESTAÇÕES HIDRÁULICAS A 50 Hz SÉRIE EA - EV -

Leia mais

Engenharia de Máquinas Marítimas

Engenharia de Máquinas Marítimas ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS Engenharia de Máquinas Marítimas ORGÃOS DE MÁQUINAS Ligações aparafusadas Victor Franco Correia (Professor Adjunto) 2005 1 Ligações

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação EN 303 para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação Características dos agregados grossos e finos Granulometria (análise granulométrica) Resistência

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios

A Fundição Injectada de Alumínio. Princípios e Desafios A Fundição Injectada de Alumínio Princípios e Desafios O Passado... Os primeiros exemplos de fundição por injecção (em oposição à fundição por gravidade) ocorrem em meios do século XIX (1800). A patente

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892

www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 www.dumaxcomercial.com (53) 3228-9891 3028-9892 Index - Anéis O rings - Gaxetas - Raspadores - Reparos - Retentores - Placas - Rolamentos para Bombas - Rotativos - Bombas - Peças Especiais - Dumax Comercial

Leia mais

Técnicas de Lubrificação

Técnicas de Lubrificação Técnicas de Lubrificação ROLAMENTOS Pág1 de 19 ÍNDICE Lubrificação com Graxa -------------------------------------------------------------------------------- Pág 04 - Lubrificação com graxa Graxas lubrificantes

Leia mais

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO

LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS CONCEPÇÃO E PORMENORIZAÇÃO SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE LIGAÇÕES ESTRUTURAIS REFORÇO DE ESTRUTURAS E ESTRUTURAS MISTAS LIGAÇÕES ENTRE DIFERENTES MATERIAS ESTRUTURAIS LIGAÇÕES DE PEÇAS METÁLICAS AO BETÃO COM BUCHAS ENG. TIAGO ABECASIS

Leia mais

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone

Processamento de materiais cerâmicos + H 2 O. Ivone + H 2 O Ivone Umidade (%) Colagem 100 Líquido Plástico Semi-Sólido Índice de Plasticidade - IP Limite de Liquidez - LL Limite de Plasticidade - LP COLAGEM EXTRUSÃO Sólido Limite de Contração - LC PRENSAGEM

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Verde e amarelo: uma marca resistente. Filtros para máquinas agrícolas

Verde e amarelo: uma marca resistente. Filtros para máquinas agrícolas Verde e amarelo: uma marca resistente Filtros para máquinas agrícolas Rendimento elevado como no primeiro dia de trabalho. A gama de produtos MANN-FILTER para máquinas agrícolas: Filtros de ar Filtros

Leia mais

A fórmula que faz esta correção é o Nm³/h ou SCFM, que é dada pelos seguintes fatores:

A fórmula que faz esta correção é o Nm³/h ou SCFM, que é dada pelos seguintes fatores: Ar comprimido. O ar comprimido em muitas empresas é a energia que move a maioria dos equipamentos, pois o consumo de energia elétrica necessária para mover individualmente cada um dos equipamentos, se

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

Baixa densidade Produto económico

Baixa densidade Produto económico R PN 0 PK 0 PA 0 EFINIÇÃO: Paineis semi-rígidos (0 kg/m ) de espessura uniforme, constituídos de fibras de lã de rocha aglutinadas com resina sintética termo-endurecida, - PN 0 sem revestimento. - PK 0

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias

Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias Catálogo de Gaxetas, Raspadores e Guias CIAGN 1021 (2011) AGN Vedações Hidráulica, Pneumática e Serviços Ltda. Índice página 1. Introdução 3 2. Compostos das Gaxetas 3 3. Dimensões das Gaxetas 3 3.1 Gaxeta

Leia mais

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR

w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR w w w. h e n f e l. c o m. b r HIDROVARIADOR CH-0509-BR Introdução Fundada em 1981, a HENFEL Indústria Metalúrgica Ltda. é uma tradicional empresa do setor mecânico / metalúrgico, fornecedora de Caixas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Aula 2 Revisão: Análise de alhas Aula 2 Análise de alhas Instituto ederal de Brasília Sumário Sistemas de orças Resistência dos Materiais lambagem alhas Estáticas alhas Dinâmicas

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 3 CONDUÇÃO DE ÁGUA 3.1 CONDUTOS LIVRES OU CANAIS Denominam-se condutos

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001

Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane. Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Gaxetas e Anéis Raspadores de Molythane Catálogo PPD 3800 BR Outubro 2001 Pense em Qualidade, Pense Parker Para nós da Parker, a qualidade é alcançada quando suas expectativas são atendidas, tanto em relação

Leia mais

O tubo de Bourdon é um medidor de pressão.

O tubo de Bourdon é um medidor de pressão. O tubo de Bourdon é um medidor de pressão. A medição da pressão assume grande importância na indústria sendo o manómetro de Bourdon uma das soluções mais frequentemente utilizadas. A patente original deste

Leia mais