A liberalização do sector da energia, o MIBEL (Mercado Ibérico de Electricidade) e o OMIP (Operador do Mercado Ibérico de Energia - pólo português)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A liberalização do sector da energia, o MIBEL (Mercado Ibérico de Electricidade) e o OMIP (Operador do Mercado Ibérico de Energia - pólo português)"

Transcrição

1 Luís Braga da Cruz Presidente do OMIP Operador do Mercado Ibérico de Energia/pólo português A liberalização do sector da energia, o MIBEL (Mercado Ibérico de Electricidade) e o OMIP (Operador do Mercado Ibérico de Energia - pólo português) 83 A liberalização chegou ao sector eléctrico apenas há três dezenas de anos. Compreendendo a sua importância para o ordenamento económico europeu, a União Europeia tomou a iniciativa de promover medidas que harmonizassem procedimentos e generalizassem práticas comuns, traduzidas nas directivas de 1996 e de Era recomendada a separação de actividades de produção, transporte, distribuição e comercialização, distinguindo o que se deve manter como monopólio natural (o transporte) do que ganha em ser submetido ao regime de concorrência (produção e venda a clientes finais). Após estas primeiras iniciativas, havia a convicção de que o Mercado Único de Energia não seria tarefa fácil, dada a grande variedade de soluções existentes nos diferentes Estados-Membros. Preferiu-se aproveitar as experiências dos mercados regionais existentes ou em formação, para, a partir deles, se ir construindo o Mercado Único Europeu de Energia. Foi neste sentido que o Governo português propôs ao Governo espanhol, em 2000, a criação de um novo mercado regional de electricidade para a Península Ibérica o MIBEL. Relata-se a experiência da sua criação e como se organizou o Pólo Português do Operador de Mercado o OMIP. Faz-se um primeiro balanço do seu ano e meio de actividade e discorre-se sobre as recentes medidas assumidas pelos Governos dos dois países para aprofundar o MIBEL.

2 84 Liberalization has only reached the electrical sector three decades ago. Understanding its importance for the European economical order, the European Union took the initiative of promoting measures that would harmonize procedures and generalize common practices, translated into the 1996 and 2003 directives. The separation of the activities of production, transport, distribution and marketing was recommended, thereby differentiating that which should be maintained as a natural monopoly (the transportation) from that which benefits from being submitted to the regime of competition (production and sales to end-clients). Subsequent to these initiatives, there was a conviction that the Single Energy Market would not be an easy task, given the huge variety of existing solutions in the different Member-States. It was preferred to take advantage of the experience of regional markets already existing or under formation, in order to begin the building of the Single Energy Market from them. It was in this sense that the Portuguese Government, in 2000, made the proposition to the Spanish Government of the creation of a new regional market of electricity for the Iberian Peninsula the MIBEL. This article tells of the experience of its creation and of how the Portuguese Pole of the Market Operator the OMIP has been organized. This is a preliminary evaluation of its year and a half of activity and a reflection upon the recent measures adopted by the two countries in order to further advance the MIBEL.

3 1. A liberalização do sector eléctrico Os mercados de electricidade são uma realidade recente. Antes, as empresas do sector eléctrico produziam, transportavam e distribuíam a energia eléctrica sem concorrência, numa dada área geográfica. A única concorrência que poderia existir era de ordem interna a cada empresa. Os desafios colocados com a liberalização do sector eléctrico são sempre os mesmos: abolir barreiras e desmantelar os velhos monopólios, conceber uma nova arquitectura para a organização do sector e melhorar a afectação de recursos para concretizar um óptimo económico. Nos EUA, a concorrência nas indústrias de redes inicia-se nos anos 70 com o transporte aéreo, as telecomunicações e o gás natural. Em 1978, o Public Utility Regulatory Policy Act aceitou a produção eléctrica independente para aumentar a concorrência. A UE também acreditou no mérito da concorrência para o Mercado Interno Europeu. O relatório Checchini chegou a quantificar os chamados custos da «não Europa». Por essa altura foi aberta a polémica sobre a legitimidade de se estabelecer a concorrência nos chamados Serviços de Interesse Geral. No sector da energia foi aceite o princípio da decomposição das actividades verticalizadas nos diferentes segmentos da sua cadeia de valor, onde se salientavam três medidas essenciais: a dissociação de actividades (unbundling), o estímulo no acesso de terceiros à rede e a criação de autoridades reguladoras independentes. A aplicação dos princípios da liberalização ao sector da energia iniciou-se pelo Reino Unido nos anos 90. Portugal foi dos primeiros Estados-Membros a compreender as vantagens desta evolução. O unbundling era a medida mais emblemática e consistia na separação dos monopólios naturais que deveriam manter-se fora do âmbito da concorrência, das actividades contestáveis, as quais seriam submetidas ao regime de concorrência. Havia a noção que diversos graus de unbundling seriam possíveis: meramente contabilístico (accounting undundling), com independência de gestão (management undbundling), societário (legal undbundling) e accionista (property undbundling), os quais se admitia que poderiam ser alcançados de forma progressiva. O sistema foi testado pela primeira vez no Reino Unido com a desagregação da British Gas, em várias companhias independentes. Também foi introduzido o conceito de TSO Transmission System Operators, com a criação dos Operadores de rede. 2. A Construção do Mercado Único Europeu de Energia Em 1996, a Comissão Europeia fez aprovar uma primeira Directiva Europeia (Directiva 96/ /92/CE) para o sector da energia, dando corpo à vontade de liberalizar as suas actividades à luz dos princípios acima referidos. Definiram-se as condições de acesso de terceiros às redes, sendo resolvida a questão do reconhecimento dos custos pelos direitos de uso das infra-estruturas de transportes. Foram ainda definidas regras comuns para a produção, o transporte e a distribuição. Quanto à produção o espírito de concorrência garantia o direito de escolha de fornecedor e estabelecia que a nova capacidade deveria ser atribuída mediante autorização ou ser adjudicada por concurso. Quanto ao transporte é acolhida a figura do TSO, definidas as condições de acesso de terceiros à rede como actividade negociada, regulada ou de comprador único. A actividade de transporte passa a ser independente face às actividades de produção e comercialização, pelo menos no plano da gestão. Quanto à distribuição é recomendada a constituição de Operador de Rede de Distribuição e a separação contabilística desta actividade. Numa segunda iteração, em 1998, é aprovada uma nova directiva (Directiva 2003/54/CE) que, em relação à anterior, evoluiu nas regras comuns para produção, transporte, distribuição e comercialização de electricidade. No que respeita à produção, a nova capacidade deve ser estabelecida mediante procedimento de autorização ou por concurso, quando estiver em causa a garantia de abastecimento. No transporte e distribuição deve passar a haver independência jurídica na organização e 85

4 86 na tomada de decisão, nos casos em que a integração vertical ainda subsistir. O acesso de terceiros às redes passa a ser baseado em tarifas publicadas, aplicadas objectivamente e sem discriminação a todos os utilizadores das redes. Cria-se a possibilidade de negação desse acesso nos casos de insuficiência de capacidade, quando devidamente fundamentados. No final dos anos 90 havia a convicção de que o Mercado Único de Energia não seria tarefa fácil, dada a grande variedade de soluções existentes nos diferentes Estados-Membros e pelos distintos graus de liberalização já experimentados. Além disso, a geografia europeia também apresenta especificidades que não facilitam a interligação das redes. É constituída por um núcleo central (França, Alemanha e Benelux) e por periferias (Reino Unido e Irlanda, Escandinávia, Península Italiana e Península Ibérica, hoje acrescidas pela Europa de Leste). Ponderadas estas razões, preferiu-se aproveitar as experiências dos mercados regionais existentes ou em formação, para, a partir deles, se ir construindo o Mercado Único Europeu de Energia. Foi neste sentido que o Governo português propôs ao Governo espanhol, em 2000, a criação de um novo mercado regional de electricidade o MIBEL. 3. O MIBEL Em termos da dimensão relativa do seu consumo, o MIBEL não é muito diferente dos outros mercados regionais europeus, como provam a figura e o quadro comparativo dos consumos anuais, em TWh, referidos ao ano Quadro 1 - Consumos relativos dos mercados regionais europeus, em % 100% 101% 116% 117% 148% 176% NL Iberia Italy UK Nordpool France Germany Figura 1 Consumos dos mercados regionais europeus, em 2005 (TWh) Poder-se-ia afirmar que, em termos regionais, para Portugal e também para Espanha, o MI- BEL não era apenas uma simples opção política em linha com a orientação europeia, mas uma real oportunidade para os agentes dos dois países e suas economias. De facto, por razões geográficas e também de escala, Portugal não tinha condições para desenvolver um mercado eléctrico isolado (Quadro 2). Por outro lado, a evolução recente das trocas comerciais globais entre os dois países confirma que o processo de integração económica de mercados já está em curso. Tudo convergia no sentido de privilegiar a acção, em vez de simplesmente reagir aos acontecimentos. A partir de 2000 foi definido um modelo, consideradas as restrições mais importantes que poderiam condicionar o processo e definido um calendário tentativo para a implementação do MIBEL. Como objectivos principais, o MIBEL visava: beneficiar os consumidores de electricidade dos dois países; estruturar o funcionamento do mercado liberalizado; construir um preço de referência único para toda a Península Ibérica; facultar o livre acesso ao mercado, em condições de igualdade, transparência e objectividade; favorecer a eficiência económica das empresas do sector eléctrico; promover a livre concorrência entre as mesmas.

5 Quadro 2 Dimensão relativa dos sistemas eléctricos português e espanhol Consumidores (Milhões) Potência Instalada (MW) Ponta Máxima (MW) Consumo Anual (Twh) Dimensão Relativa Espanha Portugal ,8 50,5 84% 16% Total ,3 5,1:1 O MIBEL como conceito multifacetado representa uma tentativa de convergência a três dimensões principais: física, económica, legal e regulatória. Em termos físicos, visa a melhor coordenação de procedimentos a nível da operação dos dois TSO, bem como o desenvolvimento e o reforço da capacidade de interligação das redes. A nível económico, o que estava em causa era a definição do modelo de mercado e o seu funcionamento. Tal implicava definir as condições de remuneração e os encargos dos agentes, implicações dos CTC (custo de transição para a concorrência, em Espanha), dos CMEC (custos para a manutenção do equilíbrio contratual, em Portugal), da retribuição da garantia de potência, etc. Também eram ponderadas as condições de acesso à interligação, bem como as formas de coordenação entre os operadores e os agentes de Mercado. Quanto à dimensão legal e regulatória tratava-se de garantir a harmonização da legislação, das regras de operação dos sistemas e da desejável convergência tarifária. Para isso cometeram-se funções de supervisão e regulação a um órgão consultivo misto o Conselho de Reguladores com representação simétrica dos reguladores de energia e financeiros. Como processo eminentemente político, o MIBEL exprime a vontade de dois Estados, mas é condicionado pelos calendários dos dois Governos. Vicissitudes várias, embora perfeitamente compreensíveis, acabaram por atrasar o arranque formal do MIBEL, em relação às metas inicialmente estabelecidas. Apesar de tudo, o conceito foi-se desenvolvendo tendo sido alcançados diversos entendimentos. Nomeadamente, em Outubro de 2002 foi concebido o Operador do Mercado Ibérico (OMI), com dois pólos: um pólo com o mercado à vista (spot market), a partir do operador já existente em Madrid o OMEL, e um pólo em Portugal, orientado para o novo mercado a prazo OMIP, de acordo com o seguinte esquema: 87 Quadro 3 Esquema organizativo do Operador de Mercado Ibérico

6 88 Na Cimeira Ibérica de Santiago de Compostela, a 30 de Junho de 2005, foi celebrado um convénio, mais tarde consagrado em Tratado Internacional, ratificado nos Parlamentos dos dois países. Na Cimeira Ibérica de Évora, em 18/19 de Novembro de 2005, foi fixado o arranque comercial do OMIP para o início de Julho de 2006, o que veio de facto a acontecer. 4. A organização do Mercado O objectivo da bolsa de derivados do OMIP é o de contribuir activamente para a constituição de um Mercado Ibérico, tanto pela formação de preços de referência ibéricos de forma transparente e eficiente, como para dotar o mercado de ferramentas eficientes para a gestão de risco. Uma das missões do OMIP é a de contribuir para a eliminação do chamado risco de contraparte, próprio das operações a prazo, e também ultrapassar as limitações que existem nos negócios bilaterais (OTC over the count). Numa primeira fase o OMIP arrancou com produtos futuros de base semanas, meses, trimestres e anos bem como a compensação de contratos OTC. Com o tempo, pensa evoluir para produtos mais sofisticados produtos para períodos de ponta (peakload futures), restos de mês (balance of the month), opções, derivados que tenham outras formas de energia como subjacente, etc. O OMIP está organizado com uma unidade de negociação que é responsável pela organização dos leilões e pela actividade de negociação em contínuo. Possui também, com autonomia social, uma câmara de compensação a OMIClear que funciona como contraparte central e é responsável pela gestão das garantias e liquidações. Os contratos negociados no OMIP quando entram em fase de liquidação podem ser liquidados fisicamente no OMEL ou ser objecto de uma liquidação financeira junto do Banco de Portugal. Os membros do Mercado podem ser de negociação ou de compensação. Neste momento o OMIP já tem 33 membros com a seguinte distribuição geográfica: Figura 2 - Distribuição geográfica dos membros do Mercado do OMIP

7 5. A actividade do OMIP A performance de uma bolsa mede-se pela sua profundidade (o número de ofertas disponíveis diariamente por parte dos agentes do mercado) e pela sua liquidez (o volume de negociação verificado). O quadro seguinte representa a evolução dos volumes de energia negociada desde o arranque do OMIP. A actividade acumulada nesse mesmo perío- do é resumida no quadro 6. Nele se faz a distinção do volume que resultou dos leilões periódicos de energia, da actividade em regime contínuo e ainda a compensação de contratos OTC. Costumamos fazer um paralelo entre o start up do OMIP, como operador do Mercado de Derivados do MIBEL, com outros operadores similares de mercado europeus comparáveis, nomeadamente o francês (Powernex) e o alemão (EEX). Quadro 5 Evolução dos volumes de energia negociada no OMIP (MWh) 89 Quadro 6 Resumo de Actividade do OMIP como mercado a prazo de 3.Jul.07 a 23.Jan.08 Volumes negociados (GWh) e valores (M ) De uma forma geral o desempenho do OMIP não é muito diferente daqueles dois congéneres, embora a EEX já tenha mais liquidez e os preços da Powernex sejam mais voláteis. Entretanto o OMIP aceitou novos desafios. Teve a responsabilidade, a partir de 2007, na operacionalização e na gestão, para a REN Trading, dos leilões dos VPP (virtual power plants), em Portugal e de fazer a gestão de parte das garantias, e dos leilões CESUR (contratos de energia para subministro de último recurso) que se realizaram em Espanha e que envolvem também o comercializador português.

8 Quadro 7 - Comparação do arranque do OMIP com outras bolsas congéneres Europeias: Powernex (França) e EEX (Alemanha) Conclusões O que se verificou a partir da última Cimeira Luso-espanhola (Badajoz, 24/25 de Novembro de 2006) foi uma clara manifestação de vontade política de acelerar o processo de construção do MIBEL. É exemplo disso o grande conjunto de medidas entretanto assumidas pelos dois países e que estão bem traduzidas no compromisso assinado pelos dois ministros da Economia em Lisboa, a 8 de Março de 2007, o chamado «Plano de Convergência Regulatória» e no esforço por fazer cumprir essas decisões no terreno. A recente Cimeira de Braga, 18 e 19 de Janeiro de 2008, veio reafirmá-lo, aprovando alterações ao Tratado de Santiago, o qual carece agora de ser ratificado nos dois parlamentos. A integração dos dois pólos no futuro OMI Operador Único do Mercado Ibérico foi consagrada e deve acontecer nos três meses seguintes à sua entrada em vigor. É esse o próximo desafio do OMIP. É legítimo interrogarmo-nos sobre o futuro do mercado ibérico da energia eléctrica. Entendemos que tal virá a resultar da forma como encaramos a liberalização do sector eléctrico e da harmonização regulatória e normativa e, em última análise, da convergência tarifária. Também dependerá da capacidade da União Europeia levar à prática as medidas que podem acelerar este processo e que incorporam as propostas apresentadas na reunião dos ministros da Energia de 19 de Setembro de 2007 o terceiro pacote para o sector energético. Mas pode também consolidar se associar a electricidade ao gás natural, dando origem à criação de um mercado ibérico para o Gás Natural o Mibgás. Em resumo, vale a pena explorar as vantagens de consagrar a Península Ibérica como espaço de inovação organizativa e regulatória nos sectores energéticos, a nível europeu, na medida em que isso se traduzir num benefício para agentes do sector e consumidores finais.

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético

Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Plano de Compatibilização entre Portugal e Espanha no sector energético Sumário No sentido de aprofundar o MIBEL - Mercado Ibérico de Electricidade, e em linha com o Acordo de Santiago de Compostela e

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade

O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O Conselho de Reguladores do MIBEL publica o primeiro estudo descritivo do funcionamento do Mercado Ibérico de Electricidade O estudo analisa a evolução do Mercado Ibérico de Electricidade desde a sua

Leia mais

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007).

(in CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE, Novembro de 2007). COMENTÁRIOS REN CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGÁS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE A. INTRODUÇÃO Na sequência do compromisso assumido, a CNE e a ERSE

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO IBÉRICO DA ENERGIA ELÉCTRICA.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O REINO DE ESPANHA PARA A CONSTITUIÇÃO DE UM MERCADO IBÉRICO DA ENERGIA ELÉCTRICA. Resolução da Assembleia da República n.º 33-A/2004 Acordo entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Constituição de Um Mercado Ibérico da Energia Eléctrica, assinado em Lisboa em 20 de Janeiro

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Directiva n.º 5/2011. Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de PRE Diário da República, 2.ª série N.º 226 24 de Novembro de 2011 46437 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Directiva n.º 5/2011 Termos e Condições de realização de Leilões de Colocação de

Leia mais

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal

Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Evolução de alguns indicadores de desempenho das redes eléctricas em Portugal Jorge Esteves, XI Reunião Ibero-Americana de Reguladores de Energia Madrid, 18 de Junho de 2007 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

Integração da Electricidade Renovável em Mercado. José Carvalho Netto - OMIP

Integração da Electricidade Renovável em Mercado. José Carvalho Netto - OMIP Integração da Electricidade Renovável em Mercado José Carvalho Netto - OMIP 1. HÁ UMA VONTADE POLÍTICA DA UE PARA ATINGIR A META DE 20% ATÉ 2020... MAS EXISTEM DIFERENTES MECANISMOS DE APOIO. 2. O CASO

Leia mais

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade

Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Comisión Nacional de Energía Modelo de Organização do Mercado Ibérico de Electricidade Março 2002 Comisión Nacional de Energía Comisión Nacional de Energía c/ Marqués del Duero, 4 28001 Madrid Tel: 91

Leia mais

Perspectiva dos Operadores

Perspectiva dos Operadores OS NOVOS DESAFIOS DO MIBEL Perspectiva dos Operadores Rui Cartaxo 1 de Junho de 2010 Rede Eléctrica Nacional, S.A. A especialização geográfica dos perfis de produção faz sentido mas implica mais e melhores

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA»

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Comunicado de Imprensa PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL «MAIOR FLEXIBILIDADE TARIFÁRIA» Nesta data submete-se a Consulta Pública (28.ª Consulta Pública da ERSE) proposta

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉCTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2009 E PARÂMETROS PARA O PERÍODO DE REGULAÇÃO 2009-2011 Dezembro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 2014. Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL NOVEMBRO DE 214 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Novembro de 214 O preço médio aritmético durante o mês foi de 46,8 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 2015. Conselho de Reguladores

INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 2015. Conselho de Reguladores INFORMAÇÃO MENSAL DO MIBEL FEVEREIRO 215 Conselho de Reguladores DESTAQUES DO MÊS Fevereiro de 215 O preço médio aritmético durante o mês foi de 42,57 /MWh na zona espanhola enquanto na zona portuguesa

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 318XII/1ª RECOMENDA AO GOVERNO A ADOÇÃO DE MEDIDAS PARA BAIXAR A FATURA DA ELETRICIDADE E DO GÁS E AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DA ECONOMIA As políticas energéticas assumem, no contexto

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL COMENTÁRIOS DA FENACOOP PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR As cooperativas de consumo são, nos termos da Constituição e da Lei, entidades legítimas de representação dos interesses e direitos dos

Leia mais

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa

Mercado da Energia Eléctrica, a. Actualidade e o Futuro. Paulo Moisés Almeida da Costa Actualidade e o Futuro 2 4 M A I O 2 0 0 0 Paulo Moisés Almeida da Costa Departamento de Engenharia Electrotecnia Escola Superior de Tecnologia de Viseu Paulomoises@elect.estv.ipv.pt http://www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/paulomoises/

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007

MANUAL DE PROCEDIMENTOS AGENTE COMERCIAL. Junho 2007 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO AGENTE COMERCIAL Junho 2007 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS...1 1.1. Disposições gerais... 1 1.1.1. Objecto... 1 1.1.2. Prazos de aplicação e modificações... 1 1.1.3.

Leia mais

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu

Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Seminário Evolução do Mercado Interno de Energia Sessão II O Mercado Nacional e o Mercado Interno Europeu Mercado e Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Minhas Senhoras e Meus

Leia mais

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação

Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação Resultados principais Novembro de 2014 Liberalização do mercado de electricidade Ponto de situação 1 22 Após décadas de preços de electricidade

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE

CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DO MIBGAS ELABORADA PELA CNE E PELA ERSE 13 de Novembro de 2007 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...1 2 PROPOSTA DE ORGANIZAÇÃO E PRINCÍPIOS

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003

Jornal Oficial da União Europeia DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. de 26 de Junho de 2003 15.7.2003 L 176/37 DIRECTIVA 2003/54/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Junho de 2003 que estabelece regras comuns para o mercado interno da electricidade e que revoga a Directiva 96/92/CE

Leia mais

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015

Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema. Julho/ 2015 Rede Eléctrica Nacional Gestão do Sistema Julho/ 2015 1 Indice Organização da REN Organização da Gestão do Sistema Sistema Elétrico Nacional Função Segurança e Operação da RNT Função Equilíbrio Produção

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização

Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização Energias renováveis e o Mercado Ibérico Desafios de harmonização Eduardo Teixeira ERSE 1 de junho de 2012 Agenda 1. A experiência do MIBEL 2. Renováveis e PRE 3. MIBEL, Renováveis e PRE 4. Os desafios

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 05.09.2005 COM(2005) 408 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Desenvolvimento de uma política comunitária de aviação civil em relação à Austrália 1. INTRODUÇÃO 1.1

Leia mais

Iniciativas Legislativas

Iniciativas Legislativas 2015 Iniciativas Legislativas Este documento enumera as iniciativas legislativas que envolvem o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros () ou que podem implicar o parecer do, ainda que incidam sobre

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2015/2108(INI) 12.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre alcançar o objetivo de 10% de interligação elétrica - preparar a rede

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim

Versão Pública. DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim DECISÃO DE INAPLICABILIDADE DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent.22/2007 Dendrite / Cegedim I. INTRODUÇÃO 1. Em 19 de Março de 2007, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS. Recomendação n.º 1/2008

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS. Recomendação n.º 1/2008 ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA (ART.º 196.º DO RRC) PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS Recomendação n.º 1/2008 Março 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos

Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Alternativas eficientes de atração e proteção de investimentos Bolsa de Mercadorias & Futuros Félix Schouchana São Paulo 5 de Outubro de 2007 Comercialização de energia elétrica não é oportunismo de curto

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES Setembro de 2008 COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISIÓN NACIONAL DE ENERGÍA COMISIÓN NACIONAL DEL MERCADO DE

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL

OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL OPERADOR DOMINANTE METODOLOGIA E APLICAÇÕES PROPOSTA DO CONSELHO DE REGULADORES DO MIBEL ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BREVE CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO REGULAMENTAR ACTUAL... 7 2.1 Situação em Portugal...

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Mercado Ibérico de Electricidade Simulação de um Modelo em Concorrência Perfeita

Mercado Ibérico de Electricidade Simulação de um Modelo em Concorrência Perfeita Mercado Ibérico de Electricidade Simulação de um Modelo em Concorrência Perfeita André Moreira Martins Licenciado em Engenharia Electrotécnica e Computadores Ramo de Energia pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MESTRADO EM DIREITO E GESTÃO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MESTRADO EM DIREITO E GESTÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa - Escola de Lisboa Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais - Lisbon School of Business and Economics DISSERTAÇÃO

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Vital Moreira. Coimbra, 5 de Abril de 2001

Vital Moreira. Coimbra, 5 de Abril de 2001 A regulação do gás natural Vital Moreira Coimbra, 5 de Abril de 2001 A directiva comunitária do gás natural Directiva 98/30/CE, de 22-07-1998 Regras comuns para o mercado do gás natural Objectivos: - implementar

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Lei Nº 26/2000 de 23 de Agosto Aprova a organização e ordenamento do ensino superior A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161º da Constituição, para valer como lei geral

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO

GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO GUIA DO CONSUMIDOR DE ELECTRICIDADE NO MERCADO LIBERALIZADO RESPOSTA ÀS QUESTÕES MAIS FREQUENTES Agosto 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

Decisão da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/28/2003-DENDRITE INTERNATIONAL INC./SYNAVANT INC.

Decisão da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/28/2003-DENDRITE INTERNATIONAL INC./SYNAVANT INC. Decisão da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/28/2003-DENDRITE INTERNATIONAL INC./SYNAVANT INC. I INTRODUÇÃO 1. Em de 16 de Junho de 2003, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A.

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 36/2005 ENDESA GENERACÍON, S.A. / FINERGE-GESTÃO DE PROJECTOS ENERGÉTICOS, S.A. I INTRODUÇÃO 1. Em 16 de Maio de 2005, a Autoridade da Concorrência

Leia mais

Análise Estatística dos Resultados do Mercado Ibérico de Eletricidade no ano de 2011

Análise Estatística dos Resultados do Mercado Ibérico de Eletricidade no ano de 2011 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Análise Estatística dos Resultados do Mercado Ibérico de Eletricidade no ano de 2011 Pedro José Marques Gonçalves VERSÃO PROVISÓRIA Dissertação realizada

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 Info-Day Nacional de Energia Oportunidades de financiamento no âmbito do tema ENERGIA do Horizonte 2020, Concursos 2014&2015 António Messias, Inovgrid, EDP DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Mercado do gás. José Penedos

Mercado do gás. José Penedos José Penedos Presidente da REN, Redes Eléctricas Nacionais Mercado do gás 97 O mercado do gás é diferente do mercado da electricidade, em termos de rigidez estrutural e de tendência para a cartelização,

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade

Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade Reflexão sobre a Evolução e Redesenho do Mercado Interno de Electricidade Eduardo Catroga Presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP Agradeço o convite que me foi dirigido por tão distinto Fórum.

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA

RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA RELATÓRIO ANUAL PARA A COMISSÃO EUROPEIA Julho 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email: erse@erse.pt

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 21.6.2012 2012/2038(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o relatório sobre a aplicação e os efeitos da Diretiva relativa ao direito de sequência

Leia mais

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização

Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português. Proposta de Reorganização Recomendações Estratégicas para o Sector Energético Português Proposta de Reorganização 3 de Abril de 2003 Política Energética Governamental: uma política para o Futuro A reorganização proposta pelo Governo

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008

ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008 ESTRATÉGIA E PLANO DE ACTIVIDADES 2005-2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Agosto 2004 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Telefone: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 Email:

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central

Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central BUSINESS PERFORMANCE SERVICES Estudo sobre práticas de compra de serviços de telecomunicações pela Administração Pública Central Principais conclusões e recomendações Janeiro de 2010 ADVISORY Objectivo

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO Junho de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER

MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER MERCADO LIBERALIZADO GALP POWER Braga, 26 de Outubro de 2012 Luis Alexandre Silva Porquê a presença no Mercado Elétrico? Expansão de Negócios Estratégia de diversificação (novos mercados) Crescimento nos

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O mercado de gás natural: Desafios e oportunidades para a Europa e para Portugal

O mercado de gás natural: Desafios e oportunidades para a Europa e para Portugal Manuel Ferreira de Oliveira* Presidente da Comissão Executiva da GALP Energia O mercado de gás natural: Desafios e oportunidades para a Europa e para Portugal 91 É num cenário de crescimento global da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l *

A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * A C o o p e r a ç ã o E s t r u t u r a d a P e r m a n e n t e : D e s a f i o s e O p ç õ e s p a r a P o r t u g a l * Luís Faro Ramos Director Geral de Política de Defesa Nacional do Ministério da

Leia mais

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES

DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO II AS PARTES DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT. 56/2005: NQF ENERGIA/ NQF GÁS I INTRODUÇÃO 1. Em 14 de Setembro de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

Disponível em: http://ec.europa.eu/internal_market/publicprocurement/docs/sme_code_of_best_practices_pt.pdf. 4

Disponível em: http://ec.europa.eu/internal_market/publicprocurement/docs/sme_code_of_best_practices_pt.pdf. 4 Pronúncia da Autoridade da Concorrência à audição pública promovida pela ESPAP, relativa à Contratação Pública de serviços de comunicação de voz e dados I. Enquadramento prévio 1. A espap submeteu a consulta

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário

Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário IP/97/133 Bruxelas, 26 de Novembro de 1997 Legislar melhor : os Estados -membros devem empenhar-se em aplicar efectivamente o direito comunitário A Comissão Europeia adoptou o seu relatório anual sobre

Leia mais

V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP

V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP V CONFERÊNCIA ANUAL DA RELOP Novos Instrumentos para Aprofundamento dos Mercados [Novos Desafios para a Regulação da Energia] Lisboa, 31.Mai.2012 Agenda 1. Porquê Modelos de Mercado? 2. Modelos de Leilão

Leia mais