SIMULAÇÃO APLICADA AO ENSINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULAÇÃO APLICADA AO ENSINO"

Transcrição

1 SIMULAÇÃO APLICADA AO ENSINO Prof.Dr.José de Souza Rodrigues, Departamento de Engenharia de Produção, FE, UNESP - Bauru Prof.Dr.Dorival Ferreira, Departamento de Engenharia de Produção, FE, UNESP - Bauru Resumo: O uso de jogos de empresas como método de apoio ao ensino de administração em curso de engenharia proporciona uma nova maneira de aprendizado, onde a forma tradicional de empurrar conteúdo é substituída por outra, baseada no puxar. Espera-se estimular o aprendizado através do uso de novos recursos técnicos e tecnológicos e a habilidade de trabalhar em equipe e tomar decisão. Estas habilidades são fundamentais porque a automatização tende a ocupar parte considerável das tarefas braçais, restando aquelas em que a base de apoio é a capacidade de analisar cenários e tomar decisão. Palavras-chave: educação, simulação, jogos de empresas. Abstract: The use of games of companies as support method to the management teaching in engineering course provides a new learning way, where the traditional form of to push content is substituted for other, based on the to pull. It hopes to stimulate the learning through the use of new technical and technological resources and the ability of to work in team and to make decision. These abilities are fundamental because the automation tends to occupy considerable part of the manual tasks, remaining those in that the support base is the capacity to analyze sceneries and to make decision. Keywords: education, simulation, business games. Introdução A administração é uma ciência complexa e abrangente, seu ensino é desafiante e exige do professor formação eclética e conhecimento que o habilite a abordar mais os conceitos do que as técnicas. Isto porque, como ciência, a administração tem como foco principal as organizações. Por tratar-se de uma ciência das organizações enfrenta constantemente o desafio de lidar com organismos vivos e, portanto, nem sempre é recomendável e possível a aplicação de modelos. O conhecimento da área de administração, em parte, é gerado com base em análises prospectivas e de eventos passados. Dependente que fica do conhecimento gerado em várias áreas do conhecimento, esta ciência acaba por tornar-se um verdadeiro esforço de síntese. Embora nem sempre apareça na linha de frente das discussões, em seu limite a ciência das organizações é escatológica, estuda as organizações enquanto sistemas construídos para dar suporte à existência humana, a qual necessita ser justificada, pelo

2 menos dentro do existir de cada ser humano. Não se vive para simplesmente negar a morte, mas para dar significado ao estar vivo! Aqui reside um dos pontos centrais da ciência administrativa, trazer a discussão da finalidade humana para o seu interior, sendo o conhecimento aplicado às organizações um subproduto dela. Desta forma, a organização do trabalho, a racionalização, o lucro, a relação organizações, estado e sociedade, a solução para os desafios organizacionais ultrapassam a mera lógica de mercado. Esta mudança de postura implica em uma abordagem sistêmica dos desafios organizacionais, visando reduzir os efeitos colaterais que o modelo vigente proporciona. Hoje, equivocadamente, o principal esforço das organizações consiste em otimizar, apenas seus recursos internos em detrimento dos recursos externos. É sintoma dessa mudança a crescente importância que as organizações estão dando à gestão do conhecimento e melhoria da qualidade de vida no trabalho. Estas áreas de pesquisa implicam em uma consideração a respeito da finalidade humana, mesmo que do ponto de vista mercadológico as organizações tendam a privilegiar a discussão de como o homem interfere em seus negócios. Toffler (1992) e De Masi (2000) apontam também o aumento da importância do ser humano nas organizações em decorrência do surgimento de novas tecnologias. As possibilidades que as novas tecnologias proporcionam como: flexibilidade, descentralização, junção espaço/tempo, implicam em pessoas polivalentes, dispostas a aprender continuamente e capazes de reunir trabalho e lazer. Essas transformações representam, principalmente para os sistemas de ensino, novos desafios, ou seja, como ampliar condições de aprendizado autônomo, descentralizar e flexibilizar o processo de ensino, criar oportunidades de trabalho em equipe e como recomenda De Masi (2000), preparar as gerações vindouras para o lazer. É evidente que o mundo que privilegia a competição tenderá a pressionar o uso do tempo ocioso com atividades ligadas ao trabalho, e ao contrário do que pressupõe De Masi (2000), as pessoas poderão ocupar todo o tempo de que dispõem com o trabalho e atividades a ele relacionadas. Origens da Idéia A configuração atual desta proposta decorre de iniciativas tomadas em 1989 com o auxílio do Prof. Miguel de Simone (COPPE/UFRJ). A questão básica era como unir o aprendizado teórico ao prático. Inicialmente pensou-se em roteiros de trabalhos que levassem os alunos a compreender os conceitos e suas aplicações. Dessa iniciativa surgiu um roteiro de trabalho que unia parte de conceitos da área de projeto, concepção, projeto e especificação de materiais. A tarefa proposta aos alunos era reproduzir ou criar um produto, atendo-se a: a) quais as suas funções básicas? b) quais perigos podem oferecer ao homem? c) quais perigos podem oferecer ao meio durante a produção, o cons umo e o descarte-? d) quais os seus subsistemas? e) Componentes? f) materiais? g) processos? h) índice de aproveitamento dos materiais? Com este roteiro básico era possível levar o aluno a refletir sobre as variáveis envolvidas na confecção do produto, as conseqüências da produção de um bem ou serviço e o descarte. O detalhamento das características do produto também permitiu outro tipo de reflexão, desta vez associada às questões mercadológicas. A definição do local da planta industrial envolve a análise de: a) políticas locais, regionais e nacionais de impostos, e; b) características físicas, sociais e mercadológicas das regiões que poderiam acolher o empreendimento.

3 Esta metodologia mostrou-se particularmente interessante em Vassouras, onde boa parte dos alunos era oriunda das empresas instaladas na região. Na cidade de Bauru, Sp, porém, isso não foi possível, pois os cursos exigem dedicação integral, a maioria dos alunos não está inserida nas empresas ou tem um conhecimento insuficiente e pouca experiência em relação às organizações empresariais e seus ambientes. Desta forma, a construção dos produtos representou para eles duplo desafio, ou seja, aprender processos industriais e projeto do produto. Além disso, a tarefa foi prejudicada pela excessiva carga horária exigida pelo Curso. Apesar de todas essas dificuldades, foi possível se obter alguns bons trabalhos. A procura de meios e de estratégias capazes de mobilizar os alunos continuou até iniciarmos a inserção destes nos cursos de graduação e matriculados nas disciplinas de economia, administração, controle da qualidade, matemática financeira e engenharia econômica, através de um processo de competição on line e denominado de jogos de empresas. Na oportunidade foi possível compreender o quanto se pode mobilizar de energia dos alunos combinando-se o virtual e o presencial. A partir daí surgiu à idéia de se criar um jogo de empresas visando explorar as referidas possibilidades. A adoção da simulação visa mudar a direção do estímulo do aprendizado, situação semelhante à encontrada em ambientes produtivos, onde se substitui o conceito do empurrar pelo de puxar. Enquanto que as estratégias de aula expositiva empurra m conteúdos, a simulação poderia ser adotada para incentivar os alunos a buscarem os conteúdos que os ajudariam a solucionarem as questões propostas. Outra possibilidade interessante da simulação seria a descontinuidade do processo, ou seja, como uma quantidade significativa de variáveis estão envolvidas na tomada de decisões, as formas seqüenciais de abordagem dos conteúdos precisam ser superadas, pois isso cria um ambiente de necessidades e que resultariam em ações flexíveis de ensino. Desta forma, o aluno é auto-estimulado e passa a compreender e valorizar o relacionamento e a interação com os demais colegas. (fortalecendo o espírito de relacionamento, hoje considerado um dos fatores críticos de sucesso, De Masi (2000) e Covey (2000), ainda que as equipes deles sejam concorrentes entre si. Para elaborar uma estratégia bem sucedida em um jogo de empresas se entende que uma equipe precisa de vários conhecimentos e que sejam simultâneos. Nesse sentido, recomendar-se-ia que o aluno faça uma leitura introdutória sobre o funcionamento do jogo e da forma como operá-lo vislumbrando um amplo campo de conhecimento a ser explorado. Aqui, abre-se uma outra perspectiva de ensino, ou seja, aquele decorrente do aprendizado do grupo e em grupo. Em face da estratégia adotada, o jogo torna-se mais difícil à medida que os competidores aprendem e, assim, novas estratégias e novas formas de abordar o problema precisam ser concebidas para os desafios surgidos. Este tipo de ocorrência ficou evidente nas competições realizadas pela Spenilli & Associados, denominada Copa Universitário. Cada edição do jogo tem sido mais difícil porque o aprendizado das etapas anteriores serviu de base para as seguintes. Deve ser mencionado que o referido jogo apresenta uma idéia interessante e que deve ser explorada por aqueles que desejam desenvolver sistemas equivalentes, a figura do orientador. No caso do Departamento de Engenharia de Produção da UNESP de Bauru, isto resultou num aprendizado significativo para os docentes orientadores, que podem fazer uma espécie de etapa de preparação, onde os alunos podem aprender conteúdos, ainda por eles desconhecidos. Este tipo de iniciativa não se restringe a uma mera preparação dos alunos para a competição, mas uma espécie de curso de curta duração sobre princípios básicos de gestão de empresas. Durante estes eventos surgiram discussões sobre mercado acionário, contabilidade, capacidade produtiva, aspectos legais de remuneração do trabalho, entre

4 outras. Aqui pode ser percebido o quanto a figura de um tutor de aprendizado (que pode ser o professor, um técnico de laboratório ou especialistas da área) é importante, mesmo em iniciativas de ensino a distância. Neste último caso, fica evidente que se por um lado o ensino a distância permite maior audiência (flexibilidade, desconcentração, etc.), por outro, exige uma infra-estrutura que dificilmente pode restringir-se ao professor, pois a demanda por atendimento está diretamente relacionada com o índice de audiência obtido. Caberia aqui uma discussão adicional sobre tecnologia e ensino. A tecnologia apenas altera as condições e as oportunidades de aprendizado, ela não substitui, por exemplo, o professor ou o detentor de um conhecimento, ela amplia as possibilidades de ensino do mesmo. Para que o conhecimento possa ser sistematizado e estruturado de forma a tornar possível o aprendizado, ele precisa antes ser apreendido por alguém. Outro aspecto importante da tecnologia, diz respeito a ela em si. Considerando a abordagem de McLuhan, fica evidente que enquanto meio a tecnologia pressupõe mudanças na concepção de realidade, naquilo que é apreendido e assimilado pelas pessoas em sua interação com o ambiente. A concepção e estruturação de artefatos ou modelos aplicados ao ensino devem levar em consideração isso. Os jogos de empresas estruturados para serem operados por redes de computadores tornam-se acessíveis apenas àquelas pessoas que detêm o aprendizado de lidar com sistemas computacionais. Ter o artefato aqui torna-se uma questão menor. Entretanto, a idéia (o jogo enquanto concepção) serviria para ensinar uma comunidade de pescadores ou bordadeiras, mas a forma em que está estruturada não permitiria este tipo de aplicação, dado que normalmente estas comunidades não dispõem do artefato nem do conhecimento necessário para operá-lo. Entretanto, a mesma idéia com o uso de recursos do teatro, por exemplo, poderia perfeitamente tornar possível o seu uso. As unidades de produção poderiam ser os barcos e os recursos hídricos, a mão-de-obra os pescadores, o mercado os compradores de peixe e assim por diante. Neste caso particular seria facilmente discutida a questão ambiental capacidade produtiva x capacidade de renovação ambiental-, disponibilidade de recursos naturais que produtos podem ser desenvolvidos a partir dos recursos existentes, etc.. Pressupostos Básicos Ao contrário de jogos já existentes, em que o tamanho inicial das empresas simuladas são pré-definidos, partiu-se da hipótese de que o aluno deve dispor de uma quantia inicial, e de linhas de créditos para montar sua empresa, dispondo para isso de um manual de instruções que fornece dados dos produtos, demanda média, possibilidade de crescimento do mercado, comportamento médio em termos de vendas por empresa, necessidades de investimento em marketing, pesquisa e desenvolvimento, propaganda e marketing. Esta tarefa inicial irá exigir conhecimentos na área de análise de investimentos, avaliação de dados de mercado, noções de captação de recursos e determinação de capacidade produtiva. Dimensionada a empresa (calculadas as quantidades de equipamentos por modalidade, área construída, pessoal, total do investimento, etc.), o aluno deverá montar uma estratégia de produção e venda, tendo como base salário, preços dos produtos, investimentos em qualidade, P&D, marketing e propaganda. Submetida a decisão ao mercado, os dados são processados e retornados aos alunos, onde podem ser trabalhados os conteúdos de finanças (incluindo contabilidade, métodos de custeio, métodos de avaliação de estoques e rentabilidade ROI).

5 A elaboração do jogo de empresas exigiu algumas etapas que podem ser assim sintetizadas: 01) Definir os conteúdos que seriam abordados no jogo. As experiências de lecionar as disciplinas Administração, Matemática Financeira, Controle da Qualidade, Engenharia do Produto, Engenharia Econômica e Economia para cursos de Engenharia foram fundamentais para a definição do campo de abrangência do jogo. De matemática financeira e engenharia econômica derivaram as idéias relacionadas ao financiamento da empresa e análise de investimentos. Desta maneira o primeiro objetivo do modelo seria tornar possível ao jogador decidir o tamanho da sua empresa e o grau de endividamento. Para atender a este requisito foi disponibilizado um volume de capital capaz de produzir as quantidades médias de cada produto, desde que fosse adotado o uso de horas-extras. A tabela 1 mostra os tempos de processamento de cada etapa produtiva por produto e equipamento. Produto Máquina 1 Máquina 2 Máquina 3 Máquina 4 Máquina 5 Máquina 6 Máquina 7 Montagem P1 14,2 19,3 17,4 14, P2 20,1 15,8 19,5 25, P3 23,6 19,4 18, P4 15,4 22,4 25,3 9, Tabela 1: Tempos de processamento dos produtos nas estações de trabalho Considerou-se também que a jornada de trabalho seria de 44 horas semanais e o custo de construção civil de $ 5.000,00 o m 2. Com estes da dos e outras informações disponíveis no manual do jogo as equipes devem adotar uma estratégia para o tamanho da empresa e o volume de capital necessário. Para exemplificar, façamos a suposição de que uma equipe decida produzir 5000 unidades do produto 1, 3000, do 2, 1000 do 3 e 900 do 4, seriam necessários os cálculos abaixo: Unidades Máquina 1 TEMPO TOTAL DE PROCESSAMENTO (minutos) Máquina Máquina Máquina Máquina Máquina Máquina Montagem Totais Tabela 2: Tempo total de processamento

6 10560 Cálculo do Número de Equipamentos Necessários Para Atender à Média de Produção Obtida Produto Máquina 1 Máquina 2 Máquina 3 Máquina 4 Máquina 5 Máquina 6 Máquina 7 Montagem P1 6,7 9,1 8,2 6,7 0,0 0,0 0,0 11,8 P2 5,7 4,5 5,5 7,2 5,1 0,0 0,0 10,8 P3 2,2 1,8 1,8 0,0 2,5 5,2 5,5 4,8 P4 1,3 1,9 2,2 0,8 2,7 3,8 5,1 6,8 Totais Tabela 3: Número de Equipamentos Necessários Cálculo do Volume de Investimento Necessário Para Equipamentos e Número de Funcionários Máquina 1 Máquina 2 Máquina 3 Máquina 4 Máquina 5 Máquina 6 Máquina 7 Montagem Valor , , , , , , , ,00 Total , , , , , , , , ,00 Eq.Auxil , , , , , , , , ,00 Inv.Tot.Equp , , , , , , , , ,00 Depreciação , , , , , , , , ,13 Operários Administrati Total Demais serviços (oper.+demais func) Decisão Tabela 4: Cálculo dos Investimentos em Equipamentos e Número de Funcionários Cálculo da Folha e Encargos Sociais Número Salário Méd Sal Bruto FGTS INSS Sal.Líquido Número de Operários , , , , ,00 Montagem , , , , ,00 Demais serviços , , , , ,00 Administrativo , , , , ,00 Totais , , , , ,00 Tabela 5: Cálculo da Folha e Encargos Sociais Cálculo da Área Ocupada Máquina 1 Máquina 2 Máquina 3 Máquina 4 Máquina 5 Máquina 6 Máquina 7 Montagem Área (m 2 ) ,6 Máquinas ,6 4389,6 Administração , ,88 Serviços ,92 877,92 Total ,4 6584,4 Tabela 6: Cálculo da Área Total 5000 Cálculo do Investimento em Área Construída Máquinas , , , , , , , , ,00 Administrativo , , , , , , , , ,00 Serviços , , , , , , , , ,00 Total , , , , , , , , ,00 Depreciação 7.500, , , , , , , , ,50 Depr. Total , , , , , , , , ,63 Tabela 7: Cálculo do Investimento em Construção

7 Ao final desses cálculos a equipe chegaria ao valor $ ,00 + $ ,00=$ ,00. Isto implicaria na decisão de tomar emprestados $ ,00, uma vez que cada equipe dispõe de $ ,00 para fazer seus investimentos ou reduzir o tamanho da empresa e usar horas-extras até o limite permitido. A decisão final dependeria das habilidades de análise de investimentos, matemática financeira e construção e avaliação de cenários. Para viabilizar cálculos, foi adotado o método americano de empréstimo, onde a cada rodada as equipes pagam o serviço da dívida, ficando por conta delas decidir quando e como abater o principal. 02) Identificar os conhecimentos e habilidades necessárias para o seu desenvolvimento. Definido o conceito de empresa, mercado, passou-se à formulação do modelo propriamente. Neste momento, chegou-se às seguintes necessidades: Conhecimentos aplicados à formulação do modelo: Matemática, economia, finanças, contabilidade, qualidade, marketing, Administração da Produção, propaganda e pesquisa e desenvolvimento. Conhecimentos aplicados à construção do modelo: Redes computacionais, segurança de rede, banco de dados, comunicação visual, construção de home pages e aplicativos. 03) Construir o modelo básico. A construção do modelo partiu da seguinte questão: quais são os elementos básicos de uma organização industrial? A partir dela, foram selecionados os seguintes: recursos financeiros, humanos, gerenciais, técnicos e mercadológicos. O principal objetivo do modelo elaborado é proporcionar aos jogadores a experiência de dimensionar um negócio e administrá-lo. Para atingir a este objetivo não foi entregue aos jogadores uma empresa com determinadas características, mas um mercado a ser explorado. O modelo todo é composto de: a) Manual b) Funções matemáticas. c) Relatórios contábeis. d) Estrutura de custos e avaliação de estoques. e) Metodologia de avaliação das equipes. f) Aplicativos para processamento dos dados. g) Página de Internet voltada para a coleta de dados 04) Desenvolver as funções do modelo. Foram desenvolvidas funções para: mercado, preço, salário, qualidade, propaganda, marketing, pesquisa e desenvolvimento. 05) Desenvolver aplicativos. A modelagem inicial foi feita com o auxílio de planilhas do MS Excel. 06) Iniciar os testes.

8 Neste semestre foram feitos os primeiros testes com o auxílio de planilhas e trabalho dirigido em sala de aula. 07) Fazer correções e adaptações. Ainda em desenvolvimento. 08) Avaliar resultados. Ainda em desenvolvimento. 09) Fazer melhorias. Ainda em desenvolvimento. Objetivos do Jogo 01) Colocar o aluno frente ao desafio de dimensionar um negócio. 02) Levá-lo a compreender que as técnicas são instrumentos que permitem avaliar cenários, mas não são tão determinísticas quanto se pretende. Os mercados reais são complexos e dinâmicos. 03) Propiciar a integração de conhecimentos. 04) Estimular o trabalho em equipe e colaborativo. 05) Desenvolver a visão sistêmica. As Primeiras Experiências Embora o projeto esteja em sua fase experimental, alguns resultados já podem ser considerados. O uso do jogo em sala de aula partiu de uma etapa preparatória baseada na técnica da caixa preta. Assim foi feita apenas uma introdução abordando administração em termos de princípios, objetivos e funções. A partir de então, foi iniciado um processo de reflexão sobre uma empresa que processava apenas um produto em etapa única. Matériaprima Máquina Produto Acabado Figura 8: Fluxo de Produção A primeira questão apresentada referia-se à produção máxima para uma jornada diária de 8 horas e tempo de processamento total de 6 minutos. A resposta era rápida e fácil. Bastava dividir o tempo disponível 480 minutos pelo tempo unitário de processamento para se chegar 80 unidades/dia trabalhado. Porém, o que ocorreria se este tempo fosse probabilístico e não determinístico? Mais importante do que calcular a probabilidade de atingir este o aquele nível de produção é identificar as variáveis que poderiam intervir no processo e possíveis soluções.

9 Desenvolvia-se algumas reflexões sobre operador, equipamento, processo e administração de empresa. O passo seguinte consistia em focar o fornecimento colocando duas dificuldades: a) atraso e antecipação do fornecimento; b) quantidades fornecidas em cada solicitação. Caso a empresa pudesse receber diariamente exatamente a quantidade processada e com perda nula e fosse capaz de vender a vista toda a produção do dia, ela operaria no nível de menor necessidade de capital de giro. Neste momento tornava-se possível ao aluno compreender as diversas variáveis envolvidas na gestão da empresa e a necessidade de conhecimentos de outras áreas, como contabilidade, formação de preço, capacidade produtiva, recursos humanos, relações de poder entre fornecedores e clientes, entre outros. Porém, o que ocorreria se o fornecimento fosse feito em volumes fixos? Como ficaria o estoque de matéria-prima? Que quantidade de capital adicionar seria necessário? E se além desse fator, o fornecedor falhasse antecipando ou retardando a entrega? Esse tipo de exercício pode consumir de 2 a 12 horas de aula, dependendo da classe e do professor. Não foi utilizado nenhum exercício exemplo antes. Todo o desenvolvimento foi feito durante a aula, passo-a-passo. Nesse primeiro instante o objetivo era introduzir o aluno no mundo da administração de um negócio. A partir de então o modelo foi sendo sofisticado com a inclusão de mais um produto. Neste momento acrescentou-se mais um nível de decisão para os alunos, supondo que o segundo produto tinha tempo de processamento e margem de contribuição diferente do primeiro. Determinou-se também que o mercado dos mesmos apresentava um grau de influência recíproca, de tal forma que não era interessante fabricar apenas um deles. Ficou evidente nesse caso a importância da pesquisa operacional. Em seguida acrescentou-se mais uma máquina. Feito este trabalho introdutório, os alunos passaram a explorar o manual do jogo, onde a complexidade e o número de decisões eram maiores. Cada grupo estruturou sua empresa e definiu uma jogada. Processados os dados, foram trabalhados em laboratório, com o auxílio do Excel, a demonstração de resultados, o fluxo de caixa, e os conceitos de custeio (integral, direto e por absorção). A metodologia de custeio ABC exigiria dados adicionais e por isso foi apenas apresentada. Conclusão Aspectos Positivos: a) Ainda que restrito e pequeno o conhecimento do aluno sobre administração empresarial, o jogo o estimula a refletir sobre as variáveis apresentadas. Em termos ideais pode-se dizer que boa parte do conhecimento de administração e engenharia podem ser desenvolvidos a partir do bom senso e senso comum. b) O jogo permite trabalhar conceitos de forma simultânea, os quais, nas grades dos cursos de graduação, normalmente aparecem estruturados segundo o conceito de aprendizado seqüencial. Exemplificando: em economia os alunos vêem teoria da firma, elasticidade, lei da oferta e procura, curva de possibilidade de produção (que na realidade trata da mobilidade e flexibilidade dos fatores de produção); já em engenharia econômica estudam matemática financeira, análise de viabilidade econômica de investimentos; em administração, teoria geral da administração, contabilidade, finanças, marketing, planejamento e controle da produção; em pesquisa operacional, formulação e resolução de

10 problemas com restrições; em qualidade; custos da qualidade e ferramentas da qualidade. Durante todo o desenvolvimento do jogo todos estes conceitos precisam ser exercitados e permite ao aluno observar como eles estão articulados. c) É um projeto multidisciplinar e permite o envolvimento de docentes com várias especialidades, inclusive produzindo modelos para as suas áreas específicas. d) Permite combinar aula presencial com ensino à distância, tendo inclusive a opção de optar por somente um deles. e) Possibilidade de integrar várias tecnologias disponíveis no mercado para solucionar diversos desafios apresentados pelo jogo, ou idealizados pelo professor com o objetivo de ensinar determinado conteúdo. Aspectos Negativos ou que exigem cuidados: a) Quando os competidores são alunos de uma mesma turma existe a possibilidade de alguns alunos jogarem sem nenhuma reflexão, simplesmente copiando a decisão dos colegas. Neste particular acredito que o melhor seria realizar esforços para ampliar o universo de jogadores abrindo para a comunidade a participação no jogo. b) O problema é muito complexo e exigirá um tempo razoavelmente longo avaliando as funções matemáticas e o comportamento do modelo, ou seja, a sua estabilidade. c) É necessário haver uma estrutura razoavelmente boa, para atender a número grande de jogadores. Em nossa experiência particular, foi consumido um tempo considerável transferindo a decisão dos alunos para planilhas, processando e distribuindo os resultados. d) A experiência com orientação de alunos na Copa Universitário e Desafio SEBRAE mostra a necessidade de desenvolver mecanismos que estimulem a participação da equipe, não ficando o desafio para um dos componentes. Uma possível solução seria o envio dos dados para os alunos segundo a função dos mesmos na empresa. Dados financeiros para o gerente financeiro, dados de produção para o gerente de PCP, etc.. Bibliografia ARENDT, H.; A Condição Humana, Tradução de Roberto Raposo, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1989,. CHIAVENATO, I.; Administração teoria, processo e prática, 3ª. Edição, São Paulo, Makron Books, CONSOLARO, A.; O Ser Professor arte e ciência no ensinar e aprender, 2ª. Edição, Editora Dental Press, Maringá, 2000.

11 COVEY, S.R. Os 7 Hábitos das Famílias Altamente Eficazes, 3ª. Ed., São Paulo, Editora Best Seller, De MASI, D.; O Ócio Criativo, 2ª. Edição, Rio de Janeiro, Editora Sextante, DRUCKER, P.F.; Prática da Administração de Empresas, Tradução de Carlos ª Malferrari, São Paulo, Editora Pioneira, 1998., Introdução à Administração, 3ª. Edição, São Paulo, Editora Pioneira, FREYER, H. Teoria da Época Atual, tradução de F.Guimarães do original alemão Theorie des Gegenwärtingen Zeitalters, Rio de Janeiro, Zahar Editores,1965. HABERKORN, E.; Teoria do ERP Enterprise Resourcing Planning; São Paulo, Makron Books, KUPFER, M.C.; Educação Para o Futuro: Psicanálise e educação, São Paulo, Editora Escuta, LEONE, G.S.G.; Custos Planejamento, Implantação e Controle, São Paulo, Editora Atlas, MORIN, E.; Os sete saberes necessários à educação do futuro, São Paulo, RIES; A.; As 22 Consagradas Leis do Marketing, Tradução de Bárbara Theoto Lambert, São Paulo, Makron Books, VICENTE, P.; Jogos de Empresas a fronteira do conhecimento em administração de empresas de negócios, São Paulo, Makron Books, Internet Dados Biográficos dos Autores Prof.Dr. José de Souza Rodrigues, professor desde 1995 do Departamento de Engenharia da Faculdade de Engenharia de Bauru, UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, desenvolve pesquisas na área de ensino de engenharia, tendo como objetivo o uso de novas tecnologias. Prof.Dr. Dorival Ferreira, professor do Departamento de Engenharia da Faculdade de Engenharia de Bauru, UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, desenvolve pesquisas na área de ensino de engenharia.

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Identificação Disciplina: TEORIA ECONÔMICA I Corpo Docente: ÁLVARO EDUARDO

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Faculdade Sumaré Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 4º. Semestre PROJETO PROFISSIONAL INTERDISCIPLINAR IV Tema: Gestão de Remuneração Objetiva desenvolver o tema proposto abrangendo:

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

MODELAGEM DE UM JOGO DE EMPRESAS PARA O ENSINO DE CUSTOS NA GRADUAÇÃO

MODELAGEM DE UM JOGO DE EMPRESAS PARA O ENSINO DE CUSTOS NA GRADUAÇÃO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& MODELAGEM DE UM JOGO DE EMPRESAS PARA O ENSINO DE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: Sem certificação técnica. Componente Curricular: Planejamento Financeiro e Orçamentário

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: Sem certificação técnica. Componente Curricular: Planejamento Financeiro e Orçamentário Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística Qualificação: Sem certificação

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica

Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Modelos de Jogos: representando uma situação de interação estratégica Para se aplicar a Teoria dos Jogos em situações reais, é preciso em primeiro lugar saber como modelar esses processos e como analisá-los,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 002/2009 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MBA em Gestão do Entretenimento

MBA em Gestão do Entretenimento MBA em Gestão do Entretenimento Entertainment Business Management Início em 25 de setembro de 2015 Aulas as quarta e sexta, das 7h às 9h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento Pós Graduação em Gestão do Entertainment Business Management Público - alvo Indicado para profissionais e empreendedores que necessitam de habilidades e ferramentas para a atuação no setor de gestão, nas

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Logística Missão Formar profissionais de visão crítica e com conhecimentos e habilidades relativas às atividades logísticas, dotados de base para a atualização profissional

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital.

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital. MBA em Marketing Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 09 --> A globalização e os avanços tecnológicos estão abrindo oportunidades de negócios, novas formas de comercialização e despertando

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS 1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS SUMÁRIO INTERATIVO ENTENDENDO SOBRE O PROGRAMA TELECURSO TEC... 3 ÁREAS DE ESTUDO DO TELECURSO

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21

Sumário Capítulo l - Introdução l Capítulo 2 - Engenharia Industrial 11 Capítulo 3 - Economia 21 Sumário Capítulo l - Introdução 1.1. Objetivos 3 1.1.1. Objetivos amplos 3 1.1.2. Objetivos específicos 3 1.2. Mapa cognitivo 4 1.3. Engenharia industrial (Materiais e processos) 5 1.4. Custos e preços

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 MBA em Gestão de Negócios 1 Apresentação O MBA em Gestão de Negócios visa preparar empresários e profissionais do Mato Grosso

Leia mais

MBA em Gestão Integrada de Marketing, Operações e Logística

MBA em Gestão Integrada de Marketing, Operações e Logística MBA em Gestão Integrada de Marketing, Operações e Logística Público - alvo Indicado para profissionais que atuam nas áreas de operações, logística e marketing e que precisem desenvolver atuação integrada

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SET / 2013. INTRODUÇÃO O presente documento visa proporcionar ao aluno inscrito no Estágio Supervisionado do Curso

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR

COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR COMO TORNAR-SE UM FRANQUEADOR O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Empresários de pequeno, médio e grande

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo Código: CTB-251 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

MBA CONTABILIDADE ESTRATÉGICA E GESTÃO DE NEGÓCIOS

MBA CONTABILIDADE ESTRATÉGICA E GESTÃO DE NEGÓCIOS MBA CONTABILIDADE ESTRATÉGICA E GESTÃO DE NEGÓCIOS Apresentação MBA desenvolvido por uma das mais reconhecidas e respeitadas Universidades do país UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro, com tradição

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CONTABILIDADE. Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO

CONTABILIDADE. Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CONTABILIDADE Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 30 de novembro de 2006 Número do plano: 108 Área do plano: Gestão Plano de curso para:

Leia mais

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L

M B A P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L depto. mkt. IBS FGV management CONVENIADA RESOLUÇÃO DO MEC Os cursos MBA Pós-Graduação Especialização da Fundação Getulio Vargas atendem aos requisitos da Resolução CNE / CES nº 01, de 08/06/07. Ascensão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40 Página 1 de 5 Nome do Curso: CBO: Modalidade: Carga Horária Total: Nível de Qualificação: Área Tecnológica: Eixo Tecnológico: Técnico em Administração 3513050000 Ocupação: Habilitação Técnica 1000 3 -

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empreendedora

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empreendedora Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empreendedora - TGE 2005-2 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empreendedora 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela

Leia mais

Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários de Maracaju, MS

Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários de Maracaju, MS Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Cursos, Assessoria e Consultoria na Área de Administração de Empresas, para Micros e Pequenos Empresários

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP

A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP A OTIMIZAÇÃO DAS EMPRESAS E SUAS TÉCNICAS PARA UMA MELHOR GESTÃO APLICADA NO SETOR DE AUTOMOBILISMO NA CIDADE DE MARÍLIA SP GOES, JULIANA. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

MBA em Logística e Operações

MBA em Logística e Operações MBA em Logística e Operações Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 07 --> - *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas, em outras turmas que

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Características. Carga horária Carga horária de 30 horas presenciais.

Características. Carga horária Carga horária de 30 horas presenciais. 1 Características Sobre o curso O curso Business Dynamics aborda uma nova metodologia de gestão em ambientes de complexidade dinâmica. Os executivos serão instigados a pensar sistemicamente e dinamicamente

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Executiva Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Administração Duração: 4 anos Carga Horária Total: 3.040 horas/aula Este

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais