2.Fundamentos da Universidade Empreendedora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.Fundamentos da Universidade Empreendedora"

Transcrição

1 Universidade Empreendedora La incorporación de la formación de emprendedores en la oferta académica de las universidades Emanuel Leite Universidade Católica de Pernambuco Departamento de Economia e Administração Brasil Rua Sansão Ribeiro n.o 120 apto 502 CEP Recife Pernambuco Telefono: RESUMO Uma das maiores conquistas da humanidade é a liberdade religiosa e de expressão. A liberdade de empreender também deveria ser uma delas, pois gente mais conhecimento é igual a geração de riquezas. A capacidade de empreender é fundamental para a prosperidade da humanidade. Não é a cobiça que move as sociedades bem-sucedidas. Comece, em vez disso, com a idéia de que cada empreendedor possui talentos concedidos por Deus. Os empreendedores têm muita probabilidade de se tornar criadores de riquezas e contribuir para a sociedade quando são livres para desenvolver esse dom capacidade de empreender. Por que então é tão difícil defender esse belo conceito? O argumento de que os empreendedores são os geradores de riquezas faz sentido e perfeitamente racional. Por isso, é necessário instituir-se mecanismos de apoio, financiamentos aos projetos. É preciso propiciar as condições para transformar os devaneios em algo concreto passa pela existência de uma estratégia de comunicação eficiente e eficaz. Agindo assim teremos prosperidade, mas também é preciso que exista a liberdade para perseguir o sonho de ser empreendedor. 1. Introdução Este trabalho enquadra-se no âmbito da reflexão feita pelo autor com vistas a contribuir no debate sobre como tornar universidade empreendedora, em um processo onde a comunicação tem um papel fundamental.

2 2 Pretende-se que este texto venha a contribuir para a consolidação da universidade como empreendedora, capaz de dar resposta, em tempo hábil, às legitimas aspirações da sociedade moderna. O empreendedorismo não é uma receita, mas uma necessidade do mercado. As universidades precisam formar empreendedores. A sociedade necessita de empreendedores A sociedade de serviços está substituindo a sociedade industrial, a economia é cambiante e as especializações desaparecem. Por isso, a universidade não pode mais ser vetora de produtos acabados e sim formar empreendedores capazes de encontrar os nichos de oportunidades nessa nova sociedade. O modelo organizacional em que assenta hoje o ensino universitário brasileiro está, em nossa opinião, esgotado. É preciso (re)institucionalizar e (re)inventar o ensino superior brasileiro, baseado no empreendedorismo. 2.Fundamentos da Universidade Empreendedora Banalizou-se a formação universitária. Hoje, há uma crise violenta de diplomas do ensino superior. Há milhares de desempregados licenciados no Brasil. O problema está em saber se a universidade é capaz de construir respostas educativas adaptadas às diferentes expectativas, necessidades, características pessoais, projetos de vida dos nossos jovens. Isso é tão importante quanto o diploma de nível superior O mundo mudou, e mudou muito. A realidade hoje está a mudar a um ritmo vertiginoso. Ao nível do trabalho, das profissões, das empresas. Essas mudanças são tão rápidas, que estão a questionar aquilo que é o contributo de cada pessoa para a sociedade, o que é ter um trabalho, o que é um emprego, o que é o lazer, e até o que é momento de estudo ao longo da vida. Nunca os sistemas educativos conseguem andar a par e ao mesmo ritmo das transformações sociais. É necessário preparar as novas gerações para adaptação a um mercado de trabalho e a uma economia impregnada de grande incerteza, caracterizada pela inovação técnica, flexibilidade laboral e a globalização econômica. Ao sistema de ensino superior pede-se que seja capaz de preparar os futuros empreendedores para uma maior mobilidade profissional, para uma maior

3 3 rotatividade entre as várias opções de negócios, para as alternâncias criar- falir empreendimentos, face à incerteza e à imprevisibilidade do mundo atual. Da Universidade Tradicional à Universidade Empreendedor Universidade Tradicional UNIVERSIDADE ENSINO PESQUISA EXTENSÃO CONHECIMENTOS ESPECIALISTAS Figura 1- Universidade Tradicional Universidade Empreendedora UNIVERSIDADE ENSINO PESQUISA EXTENSÃO CIÊNCIA CONHECIMENTO INOVAÇÃO TECNOLOGIA CRIATIVIDADE INCUBADORA DE EMPRESAS ESPECIALISTAS EMPREENDEDORES Figura 2 Universidade Empreendedora Na universidade tradicional, as atividades fim de ensino, pesquisa e extensão estão voltadas prioritariamente para a produção de conhecimentos e a formação de especialistas. No modelo de universidade empreendedora, agregam-se ao tradicional os aspectos da tecnologia (geração, adoção e transferência) e da formação de empreendedores, em resposta às demandas da sociedade, em permanente estado de transformação. 3. Transferência de Tecnologia

4 4 UNIVERSIDADE EMPREENDEDORA CIÊNCIA CONHECIMENTO TECNOLOGIA CRIATIVIDADE INOVAÇÃO ESPECIALISTAS EMPREENDEDORES SOCIEDADE MERCADO CRIAÇÃO DE EMPRESAS INCUBADORAS DE EMPRESAS GERAÇÃO DE RIQUEZAS Figura 3 Mecanismo de Transferência de Tecnologia As universidades vêm desenvolvendo o processo de transferência de tecnologia, em todas as suas unidades. Contudo, faz-se necessário que esta sistemática seja, cada vez mais, incentivada em todas as suas unidades. As principais experiências das universidades podem ser sintetizadas em: cursos de graduação, cursos de pós-graduação, cursos de extensão, pesquisa - informação tecnológica, hospitais universitários, empresas de consultoria formadas por docentes, empresas de consultoria júnior, estágio integrado, dentre outras. Futuramente, uma perspectiva de uma universidade empreendedora pode ser: parque tecnológico, centro de alta tecnologia, escola de empreendedores, incubadora de empresas, dentre outras. Três Modelos de Universidade 1. Burocracia Governo Universidade Indústria 2. Escravidão Governo Universidade Indústria 3. Independência (modelo empreendedor)

5 5 Governo Universidade Indústria Figura 4 Três Modelos de Universidade A universidade, sociedade e as empresas são parceiros porque: a universidade precisa de recursos para atingir seus objetivos e ser útil à sociedade a empresa necessita de conhecimento para ser competitiva a sociedade necessita de ambas para gerar bem-estar e manter ambas. 4.A dinamização da Capacidade Empreendedora e o papel dos meios de comunicação Sugere-se a utilização do termo empreendedor, em vez do termo empresário, por se revelar mais abrangente e aplicando-se inclusive no processo de criação de empresas. A utilização deste termo poderá ser feita no quadro de uma valorização social do que, tendo maior espírito de iniciativa e sabendo medir o risco, cria riqueza através do desenvolvimento de uma idéia, transformando-a num empreendimento. Neste contexto, o ideal que anima os empreendedores poder-se-á chamar espírito empreendedor. Para apoiar os empreendedores a criarem os seus empreendimentos, existe no Brasil uma série de agentes que se revestem de diversas naturezas (pública, privada). Sente-se a necessidade do lançamento de campanhas de promoção e de valorização social do papel do empreendedor, nas universidades. A sociedade contemporânea evidencia três características únicas em toda a história da Humanidade, com implicações profundas na organização da sociedade, cuja extensão e profundidade ainda não se conhecem na totalidade, mas em que é inequívoca uma importante valorização do capital humano. A primeira é o ritmo de mudança que se verifica no contexto econômico e social. O encurtamento do ciclo de vida dos produtos, o volume de descobertas científicas e a volatilidade dos mercados adquiriram uma dimensão sem precedentes, que obriga os indivíduos e as organizações a adaptarem-se e alterarem os seus comportamentos, por forma a acompanhar as exigências da envolvente ambiental.

6 6 A segunda característica é a importância do intangível na economia mundial, onde, entre outras manifestações, se aponta o peso crescente dos ativos intangíveis nos investimentos das organizações. A terceira é a comunicação em tempo real que vem transformando com sua rapidez e qualidade. Neste contexto, a capacidade de inovação reflete o modo como a empresa, através dos indivíduos que a compõem, combina a base de conhecimentos existentes sob novas formas, o que envolve busca, descobertas e processos cumulativos de aprendizagem. Assim, o comportamento das pessoas, quer isoladamente, quer em grupo, é o aspecto fundamental da dinamização da capacidade empreendedora/espírito empreendedor. Esse comportamento (empreendedorismo) deve ser visto, por um lado, no quadro empresarial, onde devem existir indivíduos capazes de criar e desenvolver idéias que se materializam em novos processos e produtos, i.e., em inovações, mas também no espaço acadêmico, através da valorização do potencial científico, nomeadamente ao nível de criação de novos negócios (spin-off de tecnologia). O papel do empreendedor surge a partir desta nova realidade. É a existência de indivíduos com capacidade de aprenderem, combinarem de novas formas o conhecimento, e o materializarem em inovações, que vai garantir a sobrevivência e o desenvolvimento das organizações e dos países. Sendo inequívoco o papel a ser desempenhado por indivíduos que evidenciam atitudes e capacidades empreendedoras, é importante compreender quais são as suas características e qual o processo pelo qual surgem e se desenvolvem. 5 O empreendedorismo e universidade empreendedora O empreendedor é qualquer indivíduo com as seguintes características comunicação; capacidade de iniciativa; poder de persuasão; correr risco calculado; flexível; criativo:

7 7 inovador; independente/autônomo; alta necessidade de realização; capacidade de resolver problemas; imaginação; pretende controlar seu próprio destino; trabalha duro e liderança Podemos sintetizar essa visão da seguinte forma Faculdades Características Pessoais Imaginação Determinação Comunicador Feedback Criação e Execução de Planos(Inovador) Otimismo Negociação Independência Liderança Coragem para gerar desafios Comportamento Empreendedor Vontade para correr riscos Figura 5 Os Aspectos do Comportamento Empreendedor Vários estudos internacionais têm avaliado os principais aspectos característicos do indivíduo empreendedor. As conclusões sumariadas na figura 5, apontam para se considerar a capacidade empreendedora de um determinado indivíduo como sendo fruto de um conjunto de faculdades e características pessoais que interagem entre si, potencializando o seu comportamento singular. A parte significativa destas características dos indivíduos resultará, entre outros aspectos, do ambiente familiar, da educação, das experiências de vida, das formas de pensar do ambiente em que se está inserido. Deste modo, a questão que se coloca é a de saber quais as formas de intervir das universidades para estimular o comportamento empreendedor, formando ou desenvolvendo indivíduos com estas características. De fato, um processo de dinamização da capacidade empreendedora dos docentes, discentes e funcionários das universidades evidencia detalhes importantes, que é difícil incorporar nos conceitos e métodos mais tradicionais de

8 8 formação de recursos humanos. Por um lado, exige intervenção continuada, sendo a vontade e o esforço dos próprios indivíduos de uma importância fundamental. Por outro lado, as faculdades e características exigidas obtêm-se normalmente por via experimental e não através da educação convencional em sala, por forma que abranja a globalidade do indivíduo que deverá sentir, de forma real, a aceitação do risco e / ou do desafio; a necessidade de determinação, etc. O desenvolvimento da capacidade empreendedora nos indivíduos, através de mecanismos educativos, que leve em consideração as particularidades apontadas, baseia-se na percepção dos vetores que suportam esta capacidade. De fato, a atitude empreendedora está diretamente relacionada com a dinâmica de valorização do indivíduo como agente que interage com a sociedade, ao longo dos ciclos virtuosos do tipo apresentado na figura seguinte. Figura 6 A dinâmica de valorização dos indivíduos e a comunicação O ensino formal, apesar das importantes limitações ao desenvolvimento das características empreendedoras dos indivíduos, tem um papel importante e até basilar. É através dele que se faz a transformação da informação em conhecimento o aprender. Este processo de aprendizagem é aquele que normalmente encontramos associado à formação dos indivíduos, desde a escola primária à universidade, mas também através da leitura ou nas ações de formação dirigidas, ao longo da vida. A segunda etapa está associada à aquisição de competências por integração dos conhecimentos adquiridos o aprender. A apreensão envolve a aplicação dos conhecimentos em novas situações, normalmente associada a interações com a envolvente ambiental, onde se obtém feedback que permite estabelecer um saber - fazer.

9 9 O terceiro estado o empreender corresponde à transformação das competências em capacidades, isto é, o fazer com - saber. De fato, o indivíduo empreendedor manifesta-se através daquilo que faz acontecer, evidenciando combinações únicas de competências (que envolvem determinadas faculdades e características, nomeadamente as apontadas na figura.5), que se materializam em capacidades singulares ou distintivas. Este processo não linear envolve fortes fluxos e refluxos, ao longo dos três ciclos. Por exemplo, é de esperar que a manifestação das capacidades leve à identificação de competências em falta, que induzam novos processos de aprendizagem; ou que o ciclo de aquisição de competências evidencie sucessivos conhecimentos que é necessário incorporar para a sua sedimentação. Assim, o empreendedor é o indivíduo capaz de atuar segundo esta dinâmica, assimilando a informação, integrando os conhecimentos e transformando as competências em capacidades (capacidade empreendedora). São eles que suportam as organizações e as sociedades, protagonizando os comportamentos inovadores que permitem o seu desenvolvimento e afirmação. É a comunicação exercendo o seu papel. 6. Universidade Empreendedora e a dinâmica das comunicações Universidade e o Meio Ambiente UNIVERSIDADE ORGANIZAÇÕES EMPRESAS Figura 7- Universidade Empreendedora e processo de comunicação 6.1 Missão da Universidade Empreendedora

10 10 Possibilitar a criação de novos empreendimentos, a partir de know-how gerado nos programas de ensino, extensão e pesquisa das universidades, com o fim de aumentar a competitividade do Brasil. 6.2 Objetivos da Universidade Empreendedora Objetivo Geral Aumentar a geração de novos empreendimentos através da interligação, coordenação entre a capacidade de ensino e pesquisa das universidades com as necessidades da Sociedade e das Empresas Objetivos Específicos Usar a comunicação para difundir a cultura empreendedora Disseminar o pensamento empreendedor. Aumentar a competitividade das universidades. Aumentar a geração de empregos no Brasil. Promoção de empreendimentos que sirvam de modelo para outros empreendedores. Fortalecer e enriquecer a educação superior, através do ensino, pesquisa, e extensão voltados para a realidade regional. Transformar inovações tecnológicas em oportunidades de negócios 7. Programas da Universidade Empreendedora.7.1. Disseminação do Pensamento Empreendedor Universidade Empreendedora Clube do Empreendedor Treinamento de Empreendedores Desenvolvimento de Spin-off Formação de Formadores de Empreendedores A execução destes programas é fundamentada na figura 8

11 11 Figura 8 Universidade Empreendedora em Ação 8. Os Intervenientes no processo de dinamização da Capacidade Empreendedora na Universidade Considera-se, para efeito de sistematização de conceitos, que a dinamização da capacidade empreendedora é o processo que se inicia na idéia / projeto pelo empreendedor e que se baseia no desenvolvimento e expansão da empresa. Desse processo fazem parte, entre outras ações: A formação do empreendedor; O financiamento e procura de investidores para o projeto; A exploração e antecipação das oportunidades de investimento; A valorização da propriedade intelectual; A intervenção dos sinais do mercado. Os agentes intervenientes no processo de dinamização da capacidade empreendedora nas universidades são nomeadamente: O Estado, a dois níveis: instrumentos dinamizadores das atuais políticas de desenvolvimento agentes dinamizadores das atuais políticas (organismos da Administração Pública) as unidades e os centros de saber da Universidade as empresas de consultoria formadas por docentes as empresas de consultoria júnior formadas por alunos os parques de ciência e tecnologia, pólos tecnológicos e centros de incubação as associações empresariais as entidades de desenvolvimento regional. Face a esta diversidade, o empreendedorismo ( o empreendedor o projeto empresa) vem questionar o papel dos vários agentes, relativamente à forma de intervenção, tanto ao nível operacional como estratégico. Ao nível operacional e considerando o objetivo da intervenção (o empreendedor o projeto a empresa) nenhum dos agentes referidos detém competência para poder atuar horizontalmente ao longo do processo de dinamização da capacidade empreendedora, uma vez que não reúne portifólio de

12 12 competências necessárias para o efeito, tendo, portanto, uma abordagem pulverizada e casuística, em função da envolvente. Do ponto de vista estratégico, a fraca interação entre os agentes leva à não existência de um sistema estruturado e estruturante da dinamização da capacidade empreendedora, de uma forma sinergética e otimizada. Assim, pode-se concluir que não está em causa a não existência de agentes intervenientes com competência, mas sim de um sistema que permita uma ação estruturada, promovendo a otimização das complementariedades existentes, minimizando custos de sobreposição, permitindo atingir níveis de maior especialização. 9. A Rede de Competências e a Tipologia dos Intervenientes A criação de um sistema de apoio à dinamização da capacidade empreendedora, enquanto rede de competências, deverá promover a complementariedade e a interação de cada um dos intervenientes, de acordo com a sua tipologia de atuação, no apoio estruturado ao empreendedor. Assim, torna-se necessário caracterizar cada um dos intervenientes, em função da sua tipologia, a atuação, de forma a encontrar as complementariedades necessárias para otimização do processo que visa a maximização da atividade da rede (dinamização da capacidade empreendedora) em função dos recursos (competências) disponibilizados pelos intervenientes. 10. Organizações Envolvidas Universidades Governo Federal Governos Estaduais Governos Municipais Sistema de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Federação das Indústrias Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES Conselho Nacional de Pesquisas CNPq Financiadora Nacional de Estudos e Pesquisas FINEP

13 13 Órgãos de comunicação social 11. Fatores Estratégicos de Sucesso da Universidade Empreendedora Criatividade Inovação - Pólos de Conhecimento. Incubação de Empresas. Recursos Humanos Recursos Financeiros Criação de uma Rede de Teletrabalho. Formação de Formadores de Empreendedores 12. Os desafios da universidade empreendedora A título de síntese deste capítulo, apresentam-se algumas recomendações, umas para ações de curto prazo, em função das necessidades explicitamente referidas pelos diversos agentes, outras cuja pertinência se julga na dinâmica que o assunto exige: a) Para ações de curto prazo: 1) Recomenda-se a elaboração de um estudo sobre os obstáculos mais importantes que limitam ou condicionam o processo da criação de empresas pelos docentes, discentes e funcionários das universidades brasileiras. 2) Recomenda-se a elaboração de um estudo sobre as práticas de formação em confronto com as necessidades sentidas pelos protagonistas do processo de criação de empresas (os novos empreendedores). 3) É necessário e muito útil aprofundar o debate, agora iniciado, de reflexão sobre as temáticas de universidade empreendedora, da criação de empresas. b) De ordem geral: 1) A prestação de um serviço de incubação de empresas pressupõe: Mais do que um simples projeto para alugar salas; Rigorosos critérios de seleção; Garantias razoáveis de preparação e de estruturação das empresas, no momento da saída das incubadoras; Período de rotação pré-determinado; Serviços mínimos de interesse comum; Níveis mínimos de rentabilidade da própria incubadora.

14 14 2) As principais dificuldades encontradas no processo de criação de empresas residem, de um modo geral ( quer para as Empresas de Base Tecnológica, quer para outras), na falta de: bom conhecimento do mercado, capacidade de gestão e marketing, formação específica em criação de empresas e ação empresarial, financiamento suficiente e facilmente disponível, incentivos fiscais e sistema burocrático leve. 3) A promoção de atividades de transferência de tecnologia poderá ser uma forma de estimular o processo de criação de empresas, por via da produção de spin-off das Universidades. c) De ordem promocional Sente-se necessidade do lançamento de campanhas de promoção e valorização social do papel do Empreendedor e de reconhecimento do seu mérito. A corrente do empreendedorismo sintetizar o elo existente entre a criatividade, inovação e empreendedorismo. Criatividade Pensar Novas coisas Inovação Fazer Criar novas coisas Figura 09 Corrente do empreendedorismo Empreendedorismo Criar Valor no mercado A transformação de uma idéia em realidade é sintetizada na figura seguinte. Criatividade Inovação Empreendedorismo Choque da Realidade Sonho Processo de Transformação Realidade Figura 10 da idéia à realidade 13. Conclusão

15 15 Este trabalho descreve uma metodologia para o desenvolvimento da universidade empreendedora, onde os meios de comunicação têm um papel fundamental, cuja construção e fundamentos permitem a disseminação, em larga escala, deste tipo de comportamento, maneira de se estar, forma de enfrentar a realidade universitária no seu cotidiano. São apresentadas propostas de projetos que utilizem tal metodologia em diferentes unidades que compõem a universidade. É difícil avaliar o valor das idéias: se dou uma idéia, não fico sem ela, duas ou mais pessoas ficam com ela, diferentemente do que acontece quando dou um item concreto. O comportamento empreendedor implica em disseminar idéias. A universidade empreendedora não aposenta a tradicional, ela funciona como uma fina camada que a recobre, dando-lhe uma nova feição. Nunca podemos esquecer que a percepção de universidade empreendedora tornou-se inseparável das idéias de formação, reflexão, criação e crítica. O ensino superior, da forma que é oferecido hoje, está longe de atender as expectativas de uma sociedade empreendedora. É preciso ir além do desenvolvimento de competências essenciais para o mundo do trabalho, faz-se necessário desenvolver competências essenciais para o sucesso do empreendedorismo. A aprendizagem baseada em sólida formação conceitual e universal deve ser reforçada pela aprendizagem voltada para a prática dos negócios, o sistema educacional formal tem que se valer de uma sistema do desenvolvimento pautado pela gestão por competências, além de desenvolver a cultura acadêmica também incentivar a cultura voltada para o empreendedorismo. O papel da universidade tradicional é formar cidadãos competentes para gerar o sucesso das instituições e da comunidade. A universidade empreendedora vai mais além quando se propõe a formar cidadãos competentes que absorvam todos os ensinamentos da universidade tradicional prepare cidadãos competentes para gerar o sucesso de empresas e fomentem o empreendedorismo, pois gente + conhecimento = criação de riquezas. Sem empreendedores, não há novos negócios, não há emprego. E, com desemprego, os políticos perdem seus cargos. Assim, é necessário que se crie um ambiente mais amistoso para o surgimento de novos empreendimentos. Para reduzir a diferença de desenvolvimento econômico e de nível de vida da sociedade brasileira relativamente aos países mais desenvolvidos, é preciso vencer o desafio que se coloca atualmente o de evoluirmos rapidamente para termos

16 16 uma sociedade da informação, onde o desenvolvimento científico e tecnológico seja baseado no primado do ser humano, na ética e no respeito aos direitos humanos. Uma das competências mais críticas para garantir o desenvolvimento duma sociedade é o de saber gerar, recolher, analisar, tratar e comunicar informação de forma eficiente, eficaz e inovadora. Tal objetivo deverá traduzir-se em aumentos significativos de produtividade das organizações e na melhoria da qualidade de vida. Ao criador de empresas de base tecnológica cabe o desafio de transformar idéias em produtos e serviços. Para vencer esse desafio ele terá que descobrir algo que diferencie o seu negócio dos restantes e saber comunicar isso aos seus clientes. A confluência dos poderes do conhecimento, das tecnologias da informação e das comunicações se manifesta em sua melhor forma na Internet. A Internet tornou-se uma ferramenta para grandes e pequenos negócios, não esquecendo do potencial que a intranet já vem demonstrando E aí há um ponto muito importante: nesta Era da Informação, a capacidade da empresa de atingir os consumidores através da Internet é essencial, porque quando o comércio eletrônico passar a ser realidade, não será mais preciso estar no mercado para alcançar os clientes. Vivemos a era do poder da informação, dos negócios on-line, das forças das idéias audaciosas, da sorte. As idéias são a nova moeda do mundo empresarial. São as idéias de negócios com I maiúsculo. Quer queiramos, quer não, já estamos para lá do ponto crítico da era da informação, pelo que jamais voltaremos atrás. Para o provar, basta pensarmos o que seria de nós, sem os computadores, faxes, telefones, modems e televisões indispensáveis à nossa vida quotidiana. A evolução foi de tal forma progressiva que quase não se deu por ela, mas as diferenças com o passado são profundas e irreversíveis. A capacidade de enxergar as oportunidades é uma das características do comportamento empreendedor. Muitos empreendedores estão a todo tempo a converter suas visões, idéias em oportunidades de negócio. Para conseguir obter sucesso, é sugerido um processo composto de quatro etapas. A primeira é transformar a visão - clarificar a visão e ganhar consenso.

17 17 A segunda está relacionada com a comunicação e ligação - implantar um sistema de comunicação e educação contínua, determinação e fixação de objetivos e vincular as recompensas a uma sistemática que envolva avaliação de desempenho de todos os membros da empresa. A terceira é a elaboração do plano de negócio - fixar objetivos, elaborar as estratégias de negócio, determinar a melhor forma de distribuição dos recursos disponíveis, estabelecer as perspectivas atuais e futuras do empreendimento Bibliografia DRUCKER, Peter F. Innovation and Entrepreneurship: Practices and Principles. New York: Harper & Row, DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípos. Tradução Carlos Malferrari. Pioneira, São Paulo, DRUCKER, Peter F. Inovação e gestão. Tradução de Júlio Soares Pereira. Lisboa: Presença, DRUCKER, Peter F. The Pratice of Management. New York: Harper & Row, DRUCKER, Peter F. The Effective Executive- New York Harper & Row,: DRUCKER, Peter F. Introdução a Administração. Tradução de Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Pioneira, DRUCKER Peter F. Management: Task, Responsabilities and Pratices. New York: Harpe & Row, DRUCKER, Peter F. 50 casos reais de administração. Tradução de Carlos Afonso Malferrari. Malferrari. São Paulo: Pioneira, DRUCKER, Peter F. The Pratice of Management. New York: Harper & Row, 1954 DRUCKER, Peter F. Administração em Tempos Turbulentos. Tradução de Carlos São Paulo: Pioneira, DRUCKER, Peter F. A Nova Era da Administração. 3. ed. Tradução de Nickelsen Pellegrini. São Paulo: Pioneira, DRUCKER, Peter F. Administrando para o futuro: os anos 90 e a virada do século. Tradução de Nivaldo Montingelli. São Paulo: Pioneira. DRUCKER, Peter F. Managing for Results. Harper & Row, New York, DRUCKER, Peter F. The New Society, Harper & Row, new York, DRUCKER, Peter F. The Landmarks of Tomorrow, Harper & Row, New York, pp

18 18 DRUCKER, Peter F. Management and Society, Harper & Row, New York pp DRUCKER, Peter F. The Executive in action: 3 classic works on management. New York: HarperBusiness, DRUCKER, Peter F. Factor Humano e Desempenho: O Melhor de Peter F. Drucker Sobre Administração. Tradução de Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Pioneira, DRUCKER, Peter F. Managing the non profit organization: Practices and principles. London: Butterworth-Heineman, pp DRUCKER, Peter F. The Age of Discontinuity. Harper & Row, New York 1969.pp DRUCKER, Peter F. Post-Capitalist Society.Harper & Row, New York, pp DRUCKER, Peter F. Administrando Em Tempos de Grandes Mudanças. Tradução Nivaldo Montingrlli Jr. Pioneira, São Paulo, 1995 pp DRUCKER, Peter F. The Coming of the New Organization. Harvard Business Review, 70(2):60-65, Janaury/February DRUCKER, Peter F. Dois profetas de nossa época. Tradução de Salvyano Cavalcanti de Paiva. Diálogo,!2 (2): 61-79, Março/Maio DRUCKER, Peter F. The Discipline of Innovation. Harvard Business Review, 58(2):67-72, May/June, DRUCKER, Peter F. Information executive trully need. Harvard Business Review, 74(3): 54-62, January/February LEITE, Emanuel Ferreira. O Fenômeno do Empreendedorismo Criando Riquezas, Recife, Bagaço, 3ª edição, 2002, 557 páginas. LEITE, Emanuel Ferreira. Formação de Empreendedores e o Papel das Incubadoras, 1º Encontro Nacional de Empreendedorismo, Anais, Florianópolis, Sc, LEITE, Emanuel Ferreira. O Processo de Criação de Empresas de Base Tecnológica, Via Incubadora: O Perfil do Empreendedor do Norte de Portugal e do Brasil. Tese de Doutoramento em Ciências de Engenharia, Universidade do Porto, Portugal: não publicada, LEITE, Emanuel Ferreira. O Processo de Criação de Empresas do Setor de Transformação da Cidade do Recife: Um Estudo do Perfil do Empreendedor sob a

19 19 óptica de McClelland. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa: não publicada, LEONE, Nilda Guerra. Les Dirigeants de Petities et Moyennes entrepreses industrielles se l Etat de Paraíba (Brésil): identification de leurs caracteristiques socio-economiques et de luers valuer et attitudes. Tese de Doutoramento em Administração. École Superieure des Affaires. Université des Sciences Sociales de Grenoble, França, não publicada LEONE, Nilda Guerra & LE BERRE, Michel Pequenas e Médias Empresa Industriais: Características Sócio-Econômicas, Valores e Atitudes do Dirigente do Estado da Paraíba. Rio de Janeiro: SENAI/DN/DT/DPEA, McCLELLAND, David C. Achievement motivation can be developed. Harvard Business Review. 39(2): 1-8, Sept./October McCLELLAND David C. Toward a theory of motive aquisition. American Psychologist. 20(2): , July McCLELLAND, DAvid C. Power is the great motivator. Harvard Business Review. 45(6): , March/april McCLELLAND, David C. The Achieving Society. New York: D. Van Nostrand Company, pp McCLELLAND, David C. That urge to achieve. Think Magazine. 23(4): 78-86, November/december McCLELLAND, David C. Human Motivation. Cambridge: Cambridge University Press, PENZIAS, Arno. Liderando Organizações em Ambientes High-Tech. Tradução Cecília Gouvêa Dourado, Amana-key Editora, São Paulo,1990. PENZIAS, Arno. Harmony: Business, Technology and Life After. New York: Harper & Row, p. PORTER, Michael. The state of strategic thinking. The Economist, (302): 21-8 May 23, PORTER, Michael. Competitive Strategy Techiniques for Analysing Industries and Competitor. New York: Free Press, 1990.pp PORTER, Michael. Competitive Advantage of Nations. London: The Macmilliam Press, QUINN, James Brain. Managing innovation: controlled chaos. Harvard Business Review, September/October 1982, pp

20 20 QUINN, James Brain. Empresas muito mais inteligentes. Tradução Marisa Paro. São Paulo: Makron Books, RIFKIN, Jeremy. O fim dos empregos: O declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da força de trabalho. Tradução Ruth Bahr. Markron Books, São Paulo, SANTOS, Sílvio A. Criação de Empresas de Alta Tecnologia: Capital de Risco e os Bancos de Investimentos. São Paulo: Pioneira, SANTOS, Sílvio A. A criação de empresas industriais de tecnologia avançada: a experiência européia e as perspectivas brasileiras. Revista de Administração, 20(3):10-6, Julho/Setembro SANTOS, Sílvio A. Aglomerado de empresas de alta tecnologia: uma experiência de entrepreneurship. Revista de Administração, São Paulo 24(1): 67-75, Janeiro/Março SCHEREIBER, Jean-Louis. Profissão Patrão. Tradução de Eduardo Brandão São Paulo: Cultura Editores Associados, 1990.pp SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Nova Cultura, SCHUMPETER, Joseph Alois. Economic Doctrine and Method. London: George Allen & Unwin, SCHUMPETER, Joseph Alois. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Tradução Carla Santos. Zahar Editores, Rio de janeiro, pp SCHUMPETER, Joseph Alois. Entrepreneurial Profit. Success, 202(10): 13-14, July/august SEXTON, D.A. L. & BOWMANUPTON, Nancy. Validation of an innovative teaching approach for entrepreneurship courses. American Journal of Small Business, 12(3): 11-21, Winter SEXTON, D. L. & BOWMAN, N. B. Entrepreneurshiop education: suggestions for incrreasing effectiveness. Journal of Small Business Management, 22(2): 18.25, April SEXTON, D.L. & VAN AUKEN, P.M. eds. Entrepreneurship education. Waco: Baylor University Press, SEXTON, D. L. & VAN AUKEN, Philip M. Experiences in entrepreneurshio and small business management. Englewood Cliffs: Prentice -Hall, 1982.

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR

O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR O ADMINISTRADOR EMPREENDEDOR Luis Antônio Tichs 1. RESUMO Neste trabalho aborda-se a importância do empreendedorismo e as características do empreendedor. Evidenciam-se ações estimuladoras do espírito

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br

Empreendedorismo. José Dornelas, Ph.D. Copyright 2003 Dornelas - Plano de Negócios Ltda. www.planodenegocios.com.br Empreendedorismo José Dornelas, Ph.D. A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20 (Timmons,

Leia mais

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução)

Empreendedorismo, transformando idéias em negócios. (Introdução) Empreendedorismo, transformando idéias em negócios (Introdução) Prof. Jose Carlos Alves Roberto, Msc. Baseado no Livro do Dr. José Dornelas, sobre Empreendedorismo Origem do Termo O termo empreendedor

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Som e Imagem Ramo de Vídeo e ramo de som Carácter: Obrigatória

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial

BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK. ege. Programa de Especialização em Gestão Empresarial BE POSITIVE LEAVE YOUR MARK ege Programa de Especialização em Gestão Empresarial Edição Centro 2014 É melhor ter muitas ideias e algumas estarem erradas do que nunca errar por falta de ideias. Edward de

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Cooperação Universidade Empresa

Cooperação Universidade Empresa INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CERIMÓNIA DE ABERTURA DO ANO LECTIVO 2010/2011, DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, SOB O TEMA «CONTRIBUIÇÃO DO ENSINO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO.

EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. EMPREENDEDORISMO: UMA FERRAMENTA PARA A PRÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO E SUA UTILIZAÇÃO EM DISCENTES DOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. MICHEL, Murillo Docente do Curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Questões e Reflexões sobre o Empreendedor. Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br

Questões e Reflexões sobre o Empreendedor. Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br Questões e Reflexões sobre o Empreendedor Prof. João R. Barroso, Ph.D. Diretor da Unisa Business School Jbarroso@unisa.br Herói que trilhou seu próprio caminho, o empreendedor desfila nas capas de revistas,

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMPREENDEDORISMO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA A revolução do empreendedorismo O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Área Científica Gestão Ciclo de Estudos Licenciatura em Design de Ambientes Carácter: Obrigatória Semestre

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master

em - Corporate Reporting (1.ª Edição) Executive Master www. indeg. iscte-iul. pt EXPERIÊNCIA DE IMERSÃO AVANÇADA NO STATE OF THE ART E NAS ALTERAÇÕES MAIS RECENTES NAS TEMÁTICAS, NORMATIVAS E MÉTODOS DE REPORTE INTEGRADO DAS ORGANIZAÇÕES VISANDO UM DESEMPENHO

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR O EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Regina Arns da Rocha 1 Prof. Dr. Victor Meyer Jr 2 Resumo. O objetivo deste trabalho é examinar a importância da prática do empreendedorismo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGP*11/02 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ 5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ O papel do Sistema FIRJAN/IEL no desenvolvimento da cultura empreendedora nas universidades e empresas 29 de outubro de 2013 Daniela Balog - Empreendedorismo

Leia mais

gestão do conhecimento e inovação no setor público

gestão do conhecimento e inovação no setor público fonte da ilustração: www.huffingtonpost.com gestão do conhecimento e inovação no setor público são paulo, cepam março 2015 missão 2 fornecer ao aluno um panorama dos principais desafios que pautarão a

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR Conceitos EMPREENDEDOR É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR É AQUELE QUE ASSUME RISCOS E COMEÇA ALGO NOVO 1 Onde empreender Criar

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Abril/2012 1. Conceituação O desempenho institucional refere-se tanto ao valor agregado às partes interessadas pela instituição (e.g

Leia mais

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade

Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Empreendedorismo: a importância de se planejar o negócio antes de torná-lo realidade Prof. MSc. Afrânio Maia Miglioli (REGES) afraniomm@uol.com.br Prof. Dr. Antônio Fernando Traina (UNAERP) atraina@unaerp.br

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA.

EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. EMPRESA JÚRIOR E O SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DO NOVO PROFISSIONAL O CASO DA FLUXO CONSULTORIA. Alessandro A. da Silveira fluxo@bol.com.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Engenharia

Leia mais

Motivações e Competências Pessoais

Motivações e Competências Pessoais O PERFIL EMPREENDEDOR Motivações e Competências Pessoais A criação e a consolidação de empresas bem sucedidas num mercado competitivo depende de um conjunto de factores que não podem ser reduzidos à personalidade

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO. SUAS PERCEPÇÕES, DIMENSÃO E DESENVOLVIMENTO NO BRASIL JARDEL JAVARINI BONELI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo objetiva apresentar

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA

POLÍTICA DE PESQUISA POLÍTICA DE PESQUISA Apresentação Este documento trata da política de pesquisa e de iniciação científica do UNISAL, que deve guiar toda e qualquer iniciativa de investigação e geração de conhecimento institucionais.

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional

Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Empreendedorismo: Fator Chave para o Êxito Profissional Adm. Alvaro Mello alvaro@teletrabalho.info Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 -

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você.

Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Universidade Anhembi Morumbi On-line. Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. Tudo a um clique de você. Educação a Distância Anhembi Morumbi Agora você pode estudar em uma universidade internacional

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015

MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS SGS. Duração 112 Horas / 3 meses. Edição 1ª Edição. Calendário outubro dezembro 2015 Edição 1ª Edição Calendário outubro dezembro 2015 Duração 112 Horas / 3 meses Regime Pós-laboral e ao sábado MASTER INNOVATION MANAGEMENT SYSTEMS Em parceria com: SGS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS COORDENAÇÃO

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 14.4.2015 2015/2006(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a promoção do empreendedorismo jovem através da educação e da formação (2015/2006(INI))

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE

ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE ASPECTOS PRINCIPAIS SOBRE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo A Administração da revolução O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Ordem dos Engenheiros 25 de novembro de 2015 Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Citação For a truly innovative Europe to compete successfully

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS.

TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. TIPOS DE RECRUTAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA PARA UMA GESTÃO ADEQUADA DE PESSOAS APLICADAS A EMPRESAS. MICHEL, Murillo Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias murillo@faef.br RESUMO O presente

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas.

Empreendedorismo. Colégio São José projetando Empreendedores COLÉGIO SÂO JOSÉ PROJETANDO EMPREENDEDORES. Copyright 2008 www.josedornelas. Empreendedorismo Colégio São José projetando Empreendedores Empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos Empreendedorismo é uma livre tradução da palavra entrepreneurship. Designa uma área

Leia mais

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação

Desafios no. Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Desafios no Desenvolvimento da Liderança reinventando o processo de formação Julho 2015 Apoio: O termo crise de liderança é cada vez mais usado em diversos setores sociais: políticos, executivos e até

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

INaudax incubação 360

INaudax incubação 360 INaudax incubação 360 Incubação Necessidades, Conceitos INaudax Valores, Orientações Etapas, Soluções INCUBAÇÃO necessidades, conceitos Portugal necessita de plataformas para a inovação baseadas no empreendedorismo.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS Sumário 1. Objetivo...7 2. Entidades...9 2.1. Missão... 10 2.2. Visão... 11 2.3. Valores e Princípios... 12 3. Abrangência... 15 3.1 Aplicação...

Leia mais