NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. Tradução: Sérgio Tellaroli. São Paulo : Companhia das Letras, 1995.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. Tradução: Sérgio Tellaroli. São Paulo : Companhia das Letras, 1995."

Transcrição

1 NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. Tradução: Sérgio Tellaroli. São Paulo : Companhia das Letras, O livro, escrito em 1995, apresenta a visão de Nicholas Negroponte, pesquisador do MIT, sobre as perspectivas de futuro no que se refere ao desenvolvimento da tecnologia digital, apontando, não apenas a tecnologia em si, mas também prevendo modificações nos hábitos pessoais e sociais decorrentes da apropriação desses recursos pela humanidade. Dessas, observamos que muitas podem ser evidenciadas atualmente, algumas se encontram ainda em fase embrionária, enquanto outras foram superadas. O livro foi organizado em três partes. A primeira apresenta algumas questões conceituais de tecnologia, destacando as diferenças entre organizar, distribuir e lidar com a informação em formato de átomos e em formato de bits. A segunda parte é dedicada para a interface. O autor discute questões como a representação do mundo na forma de bits, a persona gráfica, a preocupação de tornar a interface mais amigável ao ser humano e propõe uma mudança no foco das pesquisas: em vez de tornar a interface mais amigável, investir no desenvolvimento de interfaces e agentes inteligentes, que conseguem comunicar-se entre si, de reconhecer o usuário humano e com ele estabelecer uma forma de interação mais personalizada. E a terceira parte enfoca a vida digital, refletindo sobre as mudanças nos modos de viver e de compreender a sociedade. A passagem de uma lógica de pensamento analógica para uma lógica de pensar digital. Ao longo de todo o livro, Negroponte aponta que, apesar de vivermos em um mundo repleto de bits, ainda vivemos e pensamos de acordo com uma lógica de átomos. Um dos exemplos para argumentar sua tese é a lógica dos meios de comunicação, discutida nos últimos capítulos. O autor afirma que os meios de comunicação ainda buscam aprofundar a tecnologia tendo em vista a qualidade da imagem, pouco investindo na ampliação da interatividade possibilitada pelos bits. Em decorrência, ainda prevalece a transmissão de informações a partir da premissa das mídias de massa. Encaminhar uma mesma informação de forma massificada, para que atinja o maior número possível de usuários ao mesmo tempo. Propõe que, em vez disso, a lógica dos bits enfatiza a possibilidade de personalização da informação, de acordo com os interesses de cada ser humano. Outro aspecto destacado pelo autor diz respeito à lógica de pensar do modelo econômico capitalista, que tem impedido, em alguns aspectos, o avanço da tecnologia. Ainda na última parte, Negroponte dedica um capítulo para discutir a educação, que, segundo a mesma lógica analógica, aposta num formato em que todos precisam aprender as mesmas coisas. Discorrendo rapidamente sobre a proposta de Papert, aponta que a nova lógica de pensamento que se apresenta requer que a educação se volte mais para a valorização das diferenças, da criatividade, e do desenvolvimento da autonomia frente a construção do conhecimento. Seguem algumas ideias do livro em forma de fichamento. A vida digital

2 Introdução Ao longo da introdução o autor apresenta dados sobre a expansão dos computadores e demais suportes eletrônicos que permitem a digitalização das informações, sendo que a primeira versão da obra data do ano de Aponta, também, um cenário para o início do novo milênio, no que tange as formas de armazenamento e transmissão de informação e de relacionamento social, provocando a leitura da obra. A informática não tem mais nada a ver com computadores. Tem a ver com a vida das pessoas. (Negroponte, 2002, p. 12) A multimídia interativa deixa muito pouco espaço para a imaginação. Tal e qual um filme de Hollywood, a narrativa multimídia inclui representações tão específicas que deixa cada vez menos espaço para a fantasia. A palavra escrita, ao contrário, estimula a formação de imagens e evoca metáforas cujo significado depende sobretudo do leitor. Quando lemos um romance, muito da cor, do som e do movimento provém de nós mesmos. Eu acredito que esse mesmo tipo de expansão pessoal faz-se necessário para sentir e compreender o significado da vida digital para cada um de nós. (Negroponte, 2002, p. 13) 1 capítulo: O DNA da informação Vida atual A maioria da informação chega em átomos (revista, jornal, livros,...) Vida digital A maioria da informação chega em formato de bits (internet) Os bits tem valor muito superior aos átomos que os armazenam.

3 O que é um bit, afinal Definição de bit para Negroponte: BIT Transportados a velocidade da luz. Menor parte possível para compor uma informação. Canal de transmissão. Largura de banda Quantidade de BITS transmitidos por segundo. Quando todos os meios de comunicação forem bits. Sinal com correção de dados Informação digital Maior qualidade final Compressão de dados 4 sinais digitais x 1 sinal analógico Multimídia = mistura de áudio, vídeo e dados. Bits cabeçalhos = contêm informações sobre os bits que os sucedem. Espécie de índice ou descrição de dados. Permitem transitar mais facilmente pela informação.

4 Multimídia e bits cabeçalhos permitiram a emergência do conceito de vídeo-ondemand. Onde mora a inteligência TV = inteligência no ponto de origem (transmissor). Jornal = produzido tendo a inteligência no transmissor, contudo a manipulação do jornal varia conforme o receptor. Comunicação digital = possibilita inteligência do lado do receptor. Futuro = ambas as coisas 2º capítulo: Desmascarando a largura de banda Do pingo à chuvarada Largura de banda é a capacidade de enviar informação por um determinado canal. (Negroponte, 2002, p. 27) Condutores de bits Fio telefônico de cobre = baixa largura de banda. Modem = modulador demodulador» bits para ondas e vice-versa Fibra ótica Ondas de rádio O autor defende que, na medida do possível se use mais a transmissão de informação por fibra ótica do que por ondas de rádio. Fibra: o caminho da natureza Critica a ansiedade provocada pelas propostas capitalistas de tornar obsoleto o que ainda nem foi aproveitado de forma adequada. Mais é menos Transformando 100 mil bits em 1 bit A transmissão da maior parte dos bits nada terá a ver com a taxa com que nós, como seres humanos, os consumimos. (Negroponte, 2002, p. 41) 3º Capítulo: Transmitindo Bits 1972 início das pesquisas para uma HDTV analógica. O autor inicia o capítulo criticando a busca por uma melhor qualidade da imagem analógica em vez da preocupação em desenvolver tecnologia para atender melhor o público no que se refere a programação.

5 1991 proposição da TV digital General Instrument Corporation Vai procurando demonstrar, ao longo de seu discurso, como os interesses econômicos e políticos interferem no desenvolvimento tecnológico. A tecnologia certa para os problemas errados 4º Capítulo: A polícia dos bits O autor critica a utilização da lógica da comunicação analógica para regulamentar a comunicação na era digital como as concessões de direitos de transmissão de informação, do direito autoral. Este último permanece totalmente defasado e com discussão ainda embrionária atualmente. 5º Capítulo: os bits misturados Discute a multimídia e suas tendências. 6º Capítulo: o negócio dos bits Destaca a velocidade das mudanças e considera mais impactantes as que se referem à computação móvel e à rede. Hoje, as grandes mudanças nos computadores e nas telecomunicações emanam dos aplicativos, das necessidades humanas básicas, muito mais do que das ciências materiais básicas. (Negroponte, 2002, p. 77) Transportando bits Propõe que se repense a forma de cobrar pelo transporte de bits. Em vez de pagar pela banda, que no posicionamento do autor, deveria ser gratuito, pagar-se-ia pelo tipo de conteúdo da transmissão. Ex.: filme, monitoramento médico. Pelo valor dos dados transmitidos. Parte 2 Interface 7º Capítulo: onde as pessoas e os bits se encontram Neste capítulo o autor trata do desenvolvimento/ evolução da interface na perspectiva de facilitar a comunicação homem-máquina surgimento da interface gráfica, para computadores macintosh. É nisso que reside o segredo do projeto de uma interface: faze-la desaparecer. (Negroponte, 2002, p. 93) 1960 início do desenho de interfaces para computadores.

6 Raster scan monitores de varredura por rastreamento. Substituíram os monitores que trabalhavam por meio de linhas. Time-sharing possibilidade de dividir o processamento em atividades paralelas (tempo compartilhado). Processamento stand-alone processamento autônomo. A interface multimodo A redundância é em geral considerada um mau sintoma, implicando verborragia desnecessária ou repetição descuidada. Nos primórdios do projeto de interfaces humanas, as pessoas estudavam técnicas de interação e tentavam selecionar cuidadosamente uma ferramenta ou outra, para este ou aquele conjunto de circunstâncias. Uma caneta óptica era melhor do que a mesa digitalizadora? Essa mentalidade ou uma ou outra era determinada pela falsa crença de que havia uma solução melhor e universal para um dada situação qualquer; ela é falsa porque as pessoas são diferentes, as situações mudam e as circunstâncias de uma interação específica podem muito bem variar de acordo com o canal disponível. Não há solução melhor no desenho de interfaces. (Negroponte, 2002, p. 96 e 97) A facilidade de uso tem constituído uma meta tão obrigatória que, às vezes, nos esquecemos de que muitas pessoas simplesmente não querem usar a máquina: querem que ela desempenhe uma tarefa. (Negroponte, 2002, p. 100) 8º capítulo: Persona Gráfica Pixel Picture Element Elemento molecular dos gráficos. Impressiona-me sempre a maneira inteligente pela qual o nome dado a um produto é capaz de conquistar o mercado, deixando o consumidor com impressões bastante falsas. Quando a IBM decidiu chamar seu computador pessoal de PC, foi uma tacada de gênio. A despeito de a Apple ter chegado ao mercado mais de quatro anos antes, o nome PC tornou-se sinônimo de computador pessoal. Do mesmo modo, quando a Microsoft optou por dar a seu sistema operacional de segunda geração o nome Windows, o produto brilhantemente apoderou-se do termo para sempre, a despeito de a Apple ter começado a utilizar janelas (melhores) mais de cinco anos antes e de vários fabricantes de estações de trabalho já as terem utilizado amplamente. (Negroponte, 2002, p. 109) 9º Capítulo: Oxímoro ou Pleonasma A realidade virtual pode tornar o artificial tão realista quanto o real, ou mais ainda. (Negroponte, 2002, p. 114) Como isso impacta sobre a vida das pessoas?

7 No simulador, um piloto pode ser submetido a todo tipo de situações raras, o que seria impossível no mundo real, pois poderia demandar mais do que o susto de uma quase colisão ou partir ao meio um avião de verdade. (Negroponte, 2002, p. 114) A idéia da realidade virtual é proporcional a sensação do estar lá e, mais importante do que isso, fazendo com que a imagem mude instantaneamente de acordo com o ponto de vista. Nossa percepção da realidade espacial é determinada por várias informações visuais tais como o tamanho relativo, o brilho e o movimento angular. Uma das mais importantes é a perspectiva, poderosa sobretudo por sua forma binocular, em que cada olho vê uma imagem diferente. A fusão dessas imagens numa outra, em três dimensões, é a base da estereovisão. (Negroponte, 2002, p. 115) 1968 início da realidade virtual - Ivan Sutherland sistema de visores holografia Dennis Gabor 10º Capítulo: Vendo e sentindo O autor inicia o capítulo propondo que se estude maneiras de prover os computadores de sensores que os permitam perceber seus interlocutores sejam humanos ou não Douglas Englebart criou o mouse Ivan Sutherland caneta ótica - Computação pelo toque O autor considera que a tela sensível ao toque pode e deve ser estudada enquanto uma forma de comunicação com a máquina. 11º Capítulo: Podemos falar sobre isso? Negroponte argumenta que a fala ainda é um campo pouco explorado na comunicação homem-máquina, sendo que as pesquisas pouco avançaram em relação a questões como o reconhecimento do tom de voz. - Elementos paraverbais Um dos problemas do reconhecimento por voz está nos elementos paraverbais, próprios de cada ser humano. O uso de canais paralelos (gesto, olhar e fala) constitui a essência da comunicação humana. Os homens gravitam com naturalidade por meios concomitantes de expressão. Se você tem um conhecimento modesto de italiano, você terá muita dificuldade em falar com italianos ao telefone. Mas quando chegar a um hotel na Itália e descobrir que não tem sabonete no quarto, você não vai usar o telefone: vai descer até a portaria e usar seu melhor italiano da Berlitz para pedir sabonete. E pode até fazer alguns gestos de quem está tomando banho. (Negroponte, 2002, p. 139)

8 O que vai fazer com que essa ubiqüidade da fala ande mais rápido hoje do que antigamente é a miniaturização. Os computadores estão se tornando cada vez menores. É de esperar que você venha a carregar no pulso amanhã aquilo que hoje você tem em cima da mesa e que, ainda ontem, ocupava uma sala inteira. (Negroponte, 2002, p. 141) O autor afirma que um dos limites para a miniaturização dos recursos tecnológicos é a capacidade humana em lidar com os mesmos. Acredita também que no futuro a interface gráfica será dispensável. O canal de voz carrega não apenas o sinal, mas também todas as características que o acompanham, conferindo-lhe os traços da compreensão, da intencionalidade, da compaixão ou do perdão. Dizemos que alguém soa honesto, que um argumento soa suspeito ou que algo não soa próprio de fulano de tal. Embutido no som, encontram-se informações acerta dos sentimentos. (Negroponte, 2002, p. 143) 12º Capítulo: Menos é mais Se você tem alguém que lhe conhece bem e compartilha da maioria das informações de que você dispõe, essa pessoa pode agir em seu nome com bastante eficiência. Se sua secretária adoece, não faria a menor diferença a agência de empregos mandar Albert Einstein para substituí-la. O que importa aqui não é o QI, mas o conhecimento compartilhado e a prática de utiliza-lo de acordo com seu interesse. (Negroponte, 2002, p. 145) O autor propõe que é possível desenvolver computadores ou agentes de interface inteligentes, capazes de compartilhar informações e reconhecer/conhecer o ser humano com quem interage. Os agentes de interface precisam aprender a evoluir ao longo do tempo, como nossos amigos e assistentes humanos. (Negroponte, 2002, p. 149) Terceira parte: A vida digital 13º Capítulo: A Era da Pós-modernidade A era industrial, fundamentalmente uma era dos átomos, deu-nos o conceito de produção em massa e, com ele, economias que empregam operários uniformizados e métodos repetitivos na fabricação de um produto num determinado espaço ou tempo. A era da informação e dos computadores mostrou-nos as mesmas economias de escala, mas menos preocupada com o espaço e o tempo. A confecção de bits poderia se dar em qualquer lugar e a qualquer tempo, movendo-se por exemplo, entre as bolsas de valores de Nova York, Londres e Tóquio, como se tais mercados fossem três máquinasferramentas adjacentes. (...) Na era da pós-informação, o público que se tem é, com frequencia, composto de uma única pessoa. Tudo é feito por encomenda, e a informação é extremamente personalizada. (Negroponte, 2002, p. 157 e 158)

9 Do mesmo modo, como o hipertexto remove as barreiras da página impressa, a era da pós-informação vai remover as barreiras da geografia. A vida digital exigirá cada vez menos que você esteja num determinado lugar em determinada hora, e a transmissão do próprio lugar é que vai começar a se tornar realidade. (Negroponte, 2002, p. 159) Negrfoponte afirma que a transmissão em tempo real não será a tônica da vida digital, possibilitando maior personalização do acesso à informação e ao entretenimento. Broadcatching termo cunhado por Stewart Brant 1987 irradiação de séries de bits, muito provavelmente uma série contendo uma vasta quantidade de informação, pelo éter ou por fibra; na ponta receptora, um computador acompanha [catch] os bits, os examina e os descarta em sua maior parte, retendo apenas aqueles poucos que ele julga que você desejará consumir mais tarde. (Negroponte, 2002, p. 163) O autor acredita que o modelo econômico de comunicação das mídias de massa mudará na medida em que o usuário optar por pagar por uma informação mais personalizada e com dispensa de publicidade. Um modelo baseado na encomenda da informação. 14º Capítulo: Horário nobre é o meu Alguns dos mais altos executivos de empresas telefônicas recitam o jingle qualquer coisa, a qualquer hora, em qualquer lugar como se fosse um poema à mobilidade moderna. Minha meta, porém (e suspeito que a sua também), é não ter nada, nunca e em lugar nenhum, a não ser que se trate de algo oportuno, importante, divertido, relevante ou capaz de cativar minha imaginação. (Negroponte, 2002, p ) Destaca a possibilidade de a internet abrir espaço para as pequenas produções de informação ao lado das mega produções de empresas especializadas. Afirma outrossim, que esta lógica da TV vai ser superada e que agentes inteligentes poderão selecionar informações de acordo com as orientações do usuário, disponibilizando apenas aquelas que por este forem consideradas relevantes, no horário mais conveniente. 15 º Capítulo: Boas conexões - Ser digital não é o bastante Existem muitas formas de representar um dado no formato digital e encontrar a melhor forma para cada tipo de dado deve ser um dos objetivos/focos constantes de pesquisa. Para Negroponte (2002), nem sempre o investimento em pesquisas tem sido voltado para o foco mais adequado, produzindo, às vezes, tecnologias que retardam o avanço da própria tecnologia. Cita como exemplo, o fax. Hoje, no entanto, com a onipresença do computador, as vantagens do são avassaladoras, conforme evidencia seu uso vertiginoso. Além dos benefícios digitais, o

10 correio eletrônico é um meio mais dialógico, Se não chega a ser um diálogo falado, decerto está bem mais próximo da fala do que da escrita. (Negroponte, 2002, p. 181) Esse novo veículo quase dialógico é, de fato, muito diferente de escrever cartas. É muito mais que um correio rápido, Com o correr do tempo, as pessoas encontrarão diferentes estilos na sua utilização. (Negroponte, 2002, p. 082) - Netiqueta Discute o uso indevido das ferramentas de comunicação em virtude das inexperiências. Exemplifica s enviados para listas. O é um estilo de vida que causa grande impacto na maneira como trabalhamos e pensamos. Uma consequência bastante específica disso é a mudança no ritmo do trabalho e do lazer. 16º Capítulo: Diversão da pesada - Incapacidade para ensinar Neste capítulo o autor tece uma crítica ao sistema formal de educação, que procura unificar as aprendizagens de grupos de pessoas. Talvez nossa sociedade tenha muito menos crianças incapazes de aprender e muito mais ambientes incapazes de ensinar do que hoje percebemos. (Negroponte, 2002, p. 189) O autor acredita que o computador pode contribuir para mudar esta realidade educacional. Para tanto, destaca a proposta de Papert, na década de 1960). Na década de 1960, grande parte dos pioneiros no emprego dos computadores na educação defendia o infeliz binômio exercício/prática, utilizando computadores para, numa base de um para um e em seu próprio ritmo, ensinar com maior eficácia os malditos fatos de sempre às crianças. Hoje, com a coqueluche da multimídia, temos fanáticos do binômio exercício/prática que pensam que podem colonizar a energia de um videogame para esguichar ainda mais informação na cabeça das crianças, com uma maior como dizem produtividade. Em 11 de abril de 1970, Papert comandou um simpósio no MIT intitulado Ensinando crianças a pensar, na qual propunha a utilização dos computadores como mecanismos que as crianças ensinariam e, ensinando, aprenderiam. (Negroponte, 2002, p. 189) - Moleques de rua da superestrada da informação Hoje, as crianças estão tendo a oportunidade de exercitar essa esperteza de rua na internet, onde elas não são vistas, mas ouvidas. Por ironia, a leitura e a escrita vão se beneficiar disso. Na internet elas vão ler e escrever para se comunicar, e não apenas para completar algum exercício abstrato e artificial. (Negroponte, 2002, p. 192)

11 17º Capítulo: Fábulas e Fraquezas digitais De acordo com o autor a vida digital muda a essência dos padrões no que se refere à comunicação máquina-máquina. (Negroponte, 2002, p. 196) Mídias para vestir. O autor aposta na miniaturização da tecnologia a ponto de podermos carregá-la como acessórios da roupa, favorecendo a onipresença da computação. A onipresença do computador de cada um será determinada pelos vários processos computacionais independentes presentes em nossa vida atual (o sistema de reserva de passagens aéreas, os dados sobre locais de venda de produtos, a utilização de serviços on-line, os medidores e os sistemas de mensagens). Estes irão interconectar-se cada vez mais. Se eu vôo para Dallas que parte de manhã cedo estiver atrasado, seu despertador poderá tocar um pouco mais tarde, e o serviço de táxi será notificado de acordo com as condições de tráfego previstas. (Negroponte, 2002, p. 202) Destaca, enfim, que em um futuro próximo, os equipamentos eletrônicos estarão conectados e poderão comunicar-se mutuamente agindo de forma inteligente e tomando, inclusive, algumas decisões por seu dono. 18º capítulo: Os novos Ex-pressionistas O autor discute neste capítulo que também a arte e as demais formas de expressão serão reconfiguradas neste novo contexto social.

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia

PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC. Multimídia PROJETO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC Multimídia Prof.ª Sylvia Augusta Catharina Fernandes Correia de Lima Floresta - PE 2013 CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA - FIC 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario

LABORATORIOS DE INFORMÁTICA. prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario LABORATORIOS DE INFORMÁTICA prof. André Aparecido da Silva Disponível em: www.oxnar.com.br/2015/profuncionario 1 O conhecimento da humanidade só evoluiu em virtude da incessante busca do ser humano em

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Principais Estilo de. Fabricio de Sousa

Principais Estilo de. Fabricio de Sousa Principais Estilo de Interação Fabricio de Sousa Principais Estilos de Interação Termo genérico que inclui todas as formas usadas pelos usuários para comunicarem ou interagirem com sistemas computacionais

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Agilizando o compartilhamento de imagens médicas com uso de tecnologia baseada na nuvem

Agilizando o compartilhamento de imagens médicas com uso de tecnologia baseada na nuvem DG DICOM GRID BRASIL www.dicomgrid.com.br Agilizando o compartilhamento de imagens médicas com uso de tecnologia baseada na nuvem A DICOM GRID BRASIL TEM UMA SOLUÇÃO EM UMA SÓ PLATAFORMA PARA SUAS NECESSIDADES

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede:

Uma LAN proporciona: Topologias. Tipos de rede: Tipos de rede: Estritamente falando, uma rede local ou LAN (Local Area Network) é um grupo de computadores que estão conectados entre si dentro de uma certa área. As LANs variam grandemente em tamanho.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

Interatividade e Interação

Interatividade e Interação Faculdade Boa Viagem Interatividade e Interação Linguagem III Rodrigo Duguay Várias frentes para uma invenção Por mais que coloquemos Tim Berners Lee como o marco referencial da invenção da Internet com

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou!

em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou! A UU L AL A Software Se alguém adormecesse em 1960 e acordasse em meados dos anos 1990, ao olhar o parque industrial, levaria um grande susto. Quanta coisa mudou! Um problema O que mais impressiona são

Leia mais

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por:

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por: Projeto DOSVOX O que é o DOSVOX O DOSVOX é um sistema para microcomputadores que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais,

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

A Vida Digital Nicholas Negroponte

A Vida Digital Nicholas Negroponte UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS INFORMÁTICA ANÁLISE DE SISTEMAS Computador na Sociedade e na Empresa A Vida Digital Nicholas Negroponte Vinicius De Gasperi

Leia mais

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar).

Projeto Blogs! Paraná. Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Projeto Blogs! Paraná Autor: Rodrigo Asturian Jornalista da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar). Introdução Enquanto a tecnologia avança vertiginosamente, o problema da exclusão digital persiste

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel.

Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Aplicações Atuais e Futuras para Internet Móvel Este tutorial apresenta uma visão das aplicações atuais e futuras para Internet Móvel. Michel Castaldelli Michel Castaldelli é diretor do Ericsson Mobility

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II)

Multimídia. Conceitos Básicos (Parte II) Universidade do Estado de Minas Gerais Campus de Frutal Sistemas de Informação 7º Período Multimídia Conceitos Básicos (Parte II) Prof. Sérgio Carlos Portari Jr profsergio@frutalhost.com.br Carga Horária:

Leia mais

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013

ATÓRIO OBSERV. mcf*(penso) julho/agosto 2013 OBSERV ATÓRIO Outro dia, por mais uma vez, decidi que freqüentaria a uma academia. Como acabei de me mudar de casa, busquei no Google maps do meu celular por Academia e de imediato diversos pontinhos vermelhos

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Nesta aula vamos ver o conceito de informática e comunicação de dados, conhecer noções teleprocessamento e de rede de computadores e obter

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTRODUÇÃO/HISTÓRIA - Séc. XVIII Grandes Sistemas Mecânicos - Séc. XIX Máquinas à vapor

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso.

RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF. Case de Sucesso. outubro/2012 Case de Sucesso RECEITA FEDERAL DO BRASIL GANHA AGILIDADE E EFICIÊNCIA AO IMPLANTAR O PROJETO COMUNICAÇÃO UNIFICADA NA RBF Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail

Leia mais

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR

Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea OTAR P25 Fase 1 Requisitos Gerais Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido Microsoft PowerPoint 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS INTRODUÇÃO A imagem e o áudio têm ocupado cada vez mais espaço na constituição e expressão do conhecimento humano, seja no âmbito da informação, do entretenimento

Leia mais

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - LED LCD LM6400 (55 / 47 / 42 ) Diferenciais LG - - - - - - - - - - - - - - - - - - Smart TV: é o que há de mais avançado em Smart TV. Fácil de usar, possui a maior loja de aplicativos do mercado, com inúmeros

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina / Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento EGC/UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina / Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento EGC/UFSC A Vida Digital Nicholas Negroponte Carlos André caze@riseup.net t Denise da Luz denise.luz@gmal.com m Marcos Carlson marcos.carlson@ijuris.org Marli Machado marlimachado@univali.br r Nasceu em 1943, em

Leia mais

Interação Homem-Computador: As Interfaces

Interação Homem-Computador: As Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Interação Homem-Computador: As Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Características do jornalismo on-line

Características do jornalismo on-line Fragmentos do artigo de José Antonio Meira da Rocha professor de Jornalismo Gráfico no CESNORS/Universidade Federal de Santa Maria. Instantaneidade O grau de instantaneidade a capacidade de transmitir

Leia mais

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Tipos de Computadores Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 Introdução Objetivo Apresentar a Lei de Moore e mostrar os vários tipos de computadores 2 a) Lei de Moore Processadores (maioria) são um conjunto

Leia mais

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2

MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 MODULO SERVIDOR DE GERENCIAMENTO DE CHAVES DE ENCRIPTAÇÃO AÉREA OTAR P25, FASE 2 Servidor de Gerenciamento de Chaves de Encriptação Aérea (Criptofonia) OTAR (Over The Air Rekeying), para emprego na rede

Leia mais

Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição

Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição Direto do CMO: Perspectivas de marketing de uma indústria em transição Informações sobre a mudança dos modelos centralizados em voz para centralizados em dados Autor: Marcel Noordman, Mobile Broadband

Leia mais

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Áudio - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Design - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - LED LCD LM6700 (55 / 47 / 42 ) Diferenciais LG - - - - - - - - - - - - - - - - - - Smart TV: é o que há de mais avançado em Smart TV. Fácil de usar, possui a maior loja de aplicativos do mercado, com inúmeros

Leia mais

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br

Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Princípios de Tecnologia e Sistemas de Informação (PTSI) Eduardo Ribeiro Felipe erfelipe@yahoo.com.br Hardware Processo Informação Codificação Armazenamento Decodificação Informação Modelo computacional

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais