O MARKETING INTERNO E A MUDANÇA ORGANIZACIONAL. PAIXÃO, Márcia Valéria. Departamento de Administração, Faculdade Estácio de Sá, Ourinhos, SP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MARKETING INTERNO E A MUDANÇA ORGANIZACIONAL. PAIXÃO, Márcia Valéria. Departamento de Administração, Faculdade Estácio de Sá, Ourinhos, SP."

Transcrição

1 O MARKETING INTERNO E A MUDANÇA ORGANIZACIONAL PAIXÃO, Márcia Valéria. Departamento de Administração, Faculdade Estácio de Sá, Ourinhos, SP.

2 RESUMO Este estudo teve por objetivo, através da metodologia de revisão bibliográfica, identificar estratégias de marketing interno que possam ser utilizadas em empresas privatizadas no sentido de auxiliar nas mudanças que o processo de privatização causa no ambiente organizacional. Profundas alterações dos sistemas de trabalho são promovidas pelos novos controladores. É preciso encontrar maneiras para motivar as pessoas a entender e trabalhar dentro da nova estrutura organizacional advinda da privatização e o Marketing Interno tem por objetivo manter os colaboradores informados sobre as filosofias, políticas e objetivos da empresa, integrando-os e desenvolvendo esforços para buscar seu comprometimento, colaborando com a organização. Palavras-chave: Marketing Interno, mudança, privatização, ambiente organizacional ABSTRACT This study had for objective, through the methodology of bibliographical revision, to identify strategies of internal marketing to be used in companies privatized in the sense of aiding in the changes that the privatization process causes in the organizational atmosphere. Deep alterations of the work systems are promoted by the new controllers. It is necessary to find ways to motivate the people to understand and to work inside of the new structure organizational originating from the privatization and the Internal Marketing has for objective to maintain the informed collaborators on the philosophies, politics and objectives of the company, integrating them and developing efforts to look for his/her compromising, collaborating with the organization. Words-key: Internal marketing, change, privatization, organizational atmosphere

3 O Marketing Interno e a Mudança Organizacional A sociedade contemporânea caracteriza-se pela velocidade e amplitude com que as mudanças ocorrem no ambiente, fazendo com que o estudo da cultura organizacional venha, crescentemente, interessando os analistas organizacionais. A inserção dentro de um contexto social, político, econômico e cultural leva as organizações a fazerem modificações na sua estrutura visando tanto interferir nestes contextos como adaptar-se a eles. Para tal, interpretam os contextos internos e externos de modo a assegurar sua competitividade e sobrevivência. Nos últimos vinte anos, a cultura organizacional vem sendo crescentemente analisada, à medida que se procuram melhores caminhos para aumentar a adaptabilidade das empresas (REVENAUGH, 1992). Como refere Kovács (1992), o trabalho e a empresa começam a ser vistos não apenas como espaços de produção de bens e de serviços mas também como espaços de produção social e cultural. As organizações, para Morgan (1996), são consideradas como minissociedades que têm os seus próprios padrões distintos de cultura e subcultura, podendo ser vistas como um grupo bem integrado ou uma família que acredita no trabalho conjunto. Assim, a organização é o produto da integração dos membros que a compõem, pois o resultado das mais diversas personalidades que nela interagem com os seus valores e crenças, possibilita à empresa constituir uma identidade própria. Morgan (1996) coloca as organizações como organismos quando diz que: As organizações são concebidas como sistemas vivos, que existem em um ambiente mais amplo do qual dependem em termos de satisfação das suas várias necessidades. Na medida em que se olha à volta do mundo da organização, percebe-se que é possível identificar diferentes tipos de organizações em diferentes tipos de ambientes. As organizações estabelecem as suas culturas e subculturas considerando a sua natureza institucional, o momento histórico da sua criação, bem como os elementos que a irão constituir. Esse grupo de componentes se articulam entre si de forma a consolidar a cultura organizacional. Segundo Cohen (2000), a cultura é um conjunto de crenças e de valores compartilhado pelos grupos e um componente de um sistema social maior que se manifesta no comportamento e no produto final deste comportamento. Para Schein (1994, p.29), cultura organizacional é um conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou, descobriu ou desenvolveu, lidando com problemas, buscando a adaptação externa e integração interna, e que funcionou bem o suficiente para ser considerado válido, ensinado a novos membros como forma correta de perceber, pensar e sentir, em relação a esses problemas. A cultura para Scheffcyzyk (1986) é a totalidade dos sistemas de significação através dos quais o ser humano ou um grupo humano particular mantém sua coesão (seus valores e identidade e sua interação com o mundo. Scheffcyzyk (1986) que afirma ser o caráter comunicativo o ponto central da cultura. A concepção de cultura como comunicação também está presente nos estudos antropológicos de Edmund Leach (1978) que conclui que nenhuma cultura se estabelece, se sustenta e se amplia sem comunicação, e G. Bateson (1986) que defende a tese de que toda cultura é comunicação. (IASBECK, 2000). Assim, a comunicação é essencial à sobrevivência e à continuidade de uma organização. A comunicação organizacional abrange todas as formas de comunicação utilizadas pela organização para relacionar-se e interagir com seus públicos. Para Riel (1995) comunicação organizacional engloba relações públicas, estratégias organizacionais (public affairs), marketing corporativo, propaganda corporativa, comunicação interna e externa, enfim um grupo

4 heterogêneo de atividades de comunicação, voltadas fundamentalmente para os públicos ou segmentos com os quais a organização se relaciona e depende. A vantagem competitiva obtida através das pessoas passa a ser um diferencial, por isso, a tendência em se acreditar que os principais clientes das organizações são os próprios funcionários. Daí o surgimento do Marketing Interno, cujo objetivo é manter os colaboradores informados sobre as filosofias, políticas e objetivos da empresa, integrá-los através de programas amplos e abrangentes, assisti-los convenientemente em suas necessidades e aspirações e desenvolver esforços para que as pessoas sintam-se orgulhosas, comprometidas por pertencer e colaborar com a organização através de dinâmicas relações de parcerias. Brum (1998) orienta que o Marketing Interno serve para disciplinar a direção da empresa para determinadas atitudes de aproximação com o funcionário. As empresas buscam uma comunicação efetiva com seus funcionários como recurso fundamental para a eficiência da organização e explorar o empenho, o entusiasmo e as idéias. A comunicação é a essência em Marketing Interno. Os aperfeiçoamentos dos meios de comunicação têm contribuído para a difusão do conhecimento e da informação em ritmo acelerado. Os modernos meios de comunicação informam a todos, sobre tudo o que ocorre no planeta, contribuindo para a formação da opinião pública e para o encurtamento do tempo entre a descoberta do conhecimento e sua utilização. Constantemente, os indivíduos são informados sobre os novos hábitos sociais, novos estilos de vida e novas descobertas, despertando necessidades e desejos não só sobre produtos e serviços, mas também sobre qualidade de vida e idéias de participação, igualdade e autonomia, tanto na sociedade quanto no trabalho. Para Bartolomé (1999, p.7) a comunicação significa manter os subordinados informados, oferecendo feedbacks adequados, explicando decisões e políticas, sendo franco quanto aos próprios problemas e resistindo à tentação de reter informações para usá-las como ferramenta ou recompensa. O conteúdo da comunicação interna é a informação e Marketing Interno trabalha essas informações de maneira que contribuam para que objetivos e metas globais da empresa sejam alcançadas com a participação dos funcionários permitindo que os empregados compreendam e aceitem a missão, as estratégias e as táticas do negócio assim como os produtos e serviços e as campanhas de marketing da empresa. Enquanto o domínio do marketing foi visto como aquele pertencente ao exterior da organização não havia lugar para o marketing interno ou endomarketing nas empresas. O aumento da concorrência pela manutenção e conquista de novos mercados têm feito com que o marketing volte-se também para dentro da organização e permeie as operações da empresa. O empowerment dos recursos humanos das organizações é uma das iniciativas que vêm surgindo como solução ao Marketing Interno e requer o desenvolvimento de uma cultura única que una o patrimônio humano da empresa em torno de um conjunto de crenças e valores propício ao negócio e que reflita as crenças dos acionistas, dos clientes e dos funcionários da organização. Segundo Kotler (1999), Endomarketing ou Marketing Interno é o marketing voltado para dentro da organização. É o conjunto de ações de marketing patrocinado pelo empresário e executado para os colaboradores de uma organização específica e que partilham um conjunto de crenças e valores e ainda, segundo Las Casas (1997), visando a satisfação dos funcionários e à harmonia organizacional. O Marketing Interno tem como objetivo comunicar, ou seja, tornar comum entre os funcionários de uma mesma empresa as crenças, os valores, os objetivos e os resultados obtidos pela organização como um todo e de cada unidade de negócio em particular, com o objetivo de motivar esses funcionários. Para Brum (1998), existem muitas formas de se motivar funcionários: reconhecer publicamente um trabalho bem-feito; verificar se o funcionário possui ferramentas

5 adequadas na realização de trabalho; utilizar o desempenho como base para uma promoção; enfatizar o compromisso da empresa com a manutenção do emprego; proporcionar a participação nos lucros; remunerar pessoas de forma competitiva, ou seja, em função do talento de cada uma. O termo Endomarketing, segundo Grönroos (1995), foi cunhado para abranger uma variedade de atividades internas, não novas em si, mas com uma abordagem voltada ao desenvolvimento de uma orientação para serviços gerando um interesse por clientes e por marketing entre os funcionários da empresa. Desde os anos 90, o que impera no mundo organizacional é a visão focada no cliente e, se as organizações, segundo Lãs Casas (2001), necessitam cada vez mais de estratégias com diferenciais competitivos a fim de manter clientes satisfeitos por mais tempo, consequentemente, Marketing Interno passou a ser motivo de investigações pelo meio acadêmico, como uma nova área na ciência da administração que busca adaptar estrategicamente os elementos de marketing tradicional. Endomarketing ou Marketing Interno para Grönroos (1995, p. 280, 281), é: o mercado interno constituído de empregados. Motiva-se mais para a consciência dos serviços e o desempenho orientado para o cliente se houver uma abordagem ativa de marketing, onde uma variedade de atividades são usadas internamente de forma coordenada, e ativa. O conceito inovou um gerenciamento mais eficaz e de uma variedade de atividades interfuncionais e bem estabelecidas, como parte de um programa geral voltado para um objetivo comum. Entretanto, para Grönroos (1995), Marketing Interno fica conceituado como uma estratégia de gerenciamento e seu foco é desenvolver nos funcionários uma consciência do cliente. A maior dificuldade com que os empresários se deparam ao tentar implantar um modelo de gestão que privilegie a eficiência é a resistência dos próprios funcionários aos novos conceitos e técnicas, isto é, a mudança. É imprescindível que o público interno esteja plenamente informado, motivado e alinhado às novas diretrizes e tecnologias empresariais que são incorporadas durante a adoção de um novo modelo de gestão. Surge a importância à comunicação interna para o desenvolvimento dos negócios e para a transformação de cada um dos recursos humanos da empresa em um agente de marketing do próprio negócio. Pode-se afirmar que este comprometimento e alinhamento das tarefas à missão empresarial podem ser atingidos através da implantação de planos e programas de ação em todos os níveis da organização. Existe uma correlação direta entre a motivação dos funcionários e o sucesso nos negócios obtidos pela organização. O segredo reside no fato de que as empresas de sucesso atingem e motivam os seus funcionários de forma mais eficiente que as demais. Na empresa compromissada com as inovações impostas pela globalização e pelas tecnologias da informação, as pessoas estão constantemente preocupadas com o fator mudança e com as conseqüências que ela traz para os seus empregos. Portanto, é importante que estas empresas dinâmicas sejam capazes de comunicarem-se com seus funcionários através de um sistema de comunicação integrado a fim de mantê-los informados sobre os verdadeiros objetos da mudança. Ao estabelecer um sistema de comunicação integrado que utilize as ferramentas do endomarketing, a empresa passa a trabalhar com uma administração calcada na verdade e na transparência administrativa. Neste ambiente colaborativo em sua essência os questionamentos oriundos dos funcionários são vistos como merecedores de atenção e de uma resposta coerente. Assim, toda a organização passa a desenvolver esforços para manter-se bem informada, podendo dessa forma direcionar o seu foco para a qualidade e para o cliente. A comunicação clara e compreensiva ajuda os empregados a se posicionarem criticamente em relação ao seu trabalho e à

6 empresa como um todo, e mais importante os faz sentir responsáveis pelo futuro da organização a qual pertencem. O Marketing Interno envolve esforços para desenvolver na organização uma visão e um vocabulário compartilhado por todos e que torne o trabalho mais eficiente e, portanto, prazeroso. Sua tarefa é desenvolver e consolidar uma cultura empresarial. O Endomarketing engloba processos que dependem de uma sustentação motivacional e do comprometimento dos funcionários com a organização e suas funções e ainda a priorização, pela administração, do desenvolvimento de uma força de trabalho forte e competitiva engajada na criação e manutenção de um bom ambiente de trabalho para seus recursos humanos. Funcionários devem ser encarados como um dos mais preciosos ativos de uma empresa, devendo essa colaborar em seu desenvolvimento pessoal e profissional, através de treinamentos, incentivos, oportunidades, promoções, salários justos e respeito à liberdade de iniciativa individual. O relacionamento entre as pessoas que compõem as áreas funcionais, o grau de envolvimento e a comunicação entre elas, refletirá diretamente no comportamento de todos aqueles interessados no desenvolvimento do organismo empresarial, criando um comprometimento que se estenderá como um leque em todos os stakeholders sócios, funcionários, consumidores, fornecedores, distribuidores, assim definido por Kotler (2000), de maneira a maximizar o relacionamento com clientes internos (os funcionários) e, consequentemente, externos, para que se torne um instrumento em busca do sucesso. Investir em um bom clima organizacional aumenta a produtividade, agiliza as decisões e baixa a rotatitividade de pessoal. Completa Brum (1998) que Endomarketing é fazer com que as pessoas sejam felizes no seu ambiente de trabalho, auxiliando o realinhamento da cultura organizacional. O sucesso será visível para todas empresas que conseguirem mobilizar pessoas, capital e tecnologia e operar processos eficazes de mudança. As organizações que estão aptas para competitividade atual são as que nelas imperam o comprometimento e interação entre funcionário e organização. Mas a administração ainda está fracassando na tentativa de inovar em relação ao lado humano da empresa. A dificuldade é que ainda não aprendemos como organizar e dirigir os recursos humanos. Afirma Mcgregor (1992) que, devido à inadequação da teoria convencional, a organização é baseada em pressuposições falsas e limitada acerca do comportamento humano, ficando claro que a capacidade de criatividade, de crescimento, de colaboração, de produtividade do ser humano comum é muito maior do que se reconhece. No Brasil existe uma reflexão quanto aos modelos seguidos por nossas organizações, que foi constada na pesquisa feita com a intenção de conhecer os efeitos do estilo liderança no comprometimento organizacional. Conduzida por Sá e Lemoine (1998) apud Bandeira, Marques e Veiga (2000) foram constatados dois modelos básicos: o modelo taylorista, que apoiado na burocracia, padroniza a conduta individual dos empregados, a previsibilidade de ações provocando influências negativas nas interações pessoais, e o modelo gerencial, que valoriza e estimula a simplicidade das relações humanas e a confiança entre os membros, motivando a cooperação, a participação e a iniciativa dos subordinados, o que corresponde à identificação positiva e construtiva, entre funcionário e empresa. É importante salientar que o modelo taylorista ainda é base da maioria de nossas organizações, assim, a utilização das atividades de Endomarketing como ferramenta nesse contexto, alerta Cerqueira (1999), depende da inclusão na cultura e estratégia empresarial de três valores básicos e essenciais: a afetividade, a empatia e a auto-estima para que a sinergia do comprometimento possa ser desenvolvida. As tendências atuais indicam novas atitudes no mundo organizacional que visam, principalmente, as mudanças ou o realinhamento cultural que recoloca o homem como

7 contribuinte direto na vantagem competitiva organizacional, influenciando, assim, novas perspectivas nos tratamentos da relação capital e trabalho. As organizações bem-sucedidas do amanhã serão mais horizontalizadas do que as atuais. Há forças que impulsionam essas mudanças crescentes como a predominância de trabalhadores de conhecimento, indivíduos capazes de exercer sua influência bem além dos predefinidos pelo organograma. Os novos contratos serão baseados não só nas disposições legais, mas na confiança e respeito entre empresários, executivos e funcionários no desafio de se tornarem parceiros derrubando muitos paradigmas organizações, prevalecendo o trabalho em equipes e que todas áreas, asseguram Horton e Reid (1993). Também Collins (2000) vai além, dizendo que a organização do futuro prenuncia uma combinação de estreita ligação psicológica e extraordinária autonomia operacional, na qual a organização e seu pessoal se conectam ao espírito de parceria e de liberdade, não de propriedade e de controle. Aquelas em que os muros que tradicionalmente definiam as fronteiras organizacionais: o que possui, o que controla, quem emprega, onde trabalham, deixarão de ter importância no significado. A linha limítrofe será uma membrana permeável definida por valores, propósitos e metas. Serão organizações unidas por mecanismos de conectividade e de compromisso fundados na liberdade de escolha, em vez, de sistemas de coerção e controle. Conforme De Masi (1999), a preferência do capitalismo mundial é a exacerbação à corrida rumo a eficácia tecnológica e organizacional, até extinguir o trabalho manufaturado pelo ser humano, tão necessário à produção e que somente restará intacto ao homem, o monopólio das atividades criativas e a necessidade da disposição de pessoas altamente motivadas nas realizações de tarefas criativas, e qualificadas dentro e fora do mundo organizacional. O alto nível de qualidade exigido pelos consumidores é uma das razões pelas quais, cada vez mais, o trabalhador deixa de ser considerado apenas capital humano, passando a ser visto como um dos mais importantes ativos da empresa, e esta deverá promover a valorização da pessoa e da promoção profissional em busca do aperfeiçoamento dos funcionários por meio de treinamentos para o desenvolvimento pessoal e profissional. Na visão de Drucker (1993), muito pouco se avançou na formulação de uma teoria econômica que leve em consideração o conhecimento como principal recurso para a produção de produtos e serviços. Para que o conhecimento produza vantagem competitiva sustentável, conforme Myers (1996), as empresas precisam gerenciá-lo de forma pró-ativa, tornando-o independente de qualquer funcionário. Isto só acontece, de fato, no momento em que as organizações são capazes de capturá-lo através de seus sistemas, processos, produtos, regras e cultura. A gestão da inovação e do conhecimento assume, pois, um elevado grau de importância e relevância para as empresas de todos os setores da economia. A conseqüência para as empresas e países deste novo ambiente competitivo, segundo Thurow (1997), é que quem quiser ser competitivo terá que desenvolver capacidades e habilidades para participar destas indústrias de poder "cerebral". Isto significa montar um sistema de P&D que coloque o país na vanguarda tecnológica, ter uma estratégia educacional muito ampla e que leve em consideração que a contribuição dos níveis mais baixos da organização, mesmo nas indústrias de ponta, é fundamental. O desafio envolve um aumento expressivo nos investimentos em P&D, educação, treinamento ou tecnologia de informação. Para Thurow (1997), as empresas "mais avançadas" são aquelas que estão derrubando as paredes funcionais e criando uma "teia impecável" entre invenção, projeto, fabricação, vendas, logística e serviços, e permitindo que as decisões sejam tomadas nos níveis mais baixos da organização. Tofler (1985) e Zarifian (1996), argumentam que as demandas de maior participação e cooperação forte não fluem do ideológico para a política, mas sim do reconhecimento de que os sistemas atuais caracterizados por estruturas verticais

8 rígidas, não podem reagir eficientemente ao meio em rápida transformação. A aceleração da transformação é cada vez maior, enquanto a complexidade e o número de variáveis técnicas, econômicas, sociais, políticas e culturais que afetam a vida da empresa, fazem com que, para serem eficazes, as decisões devam ser tomadas em níveis cada vez mais baixos da organização. A despeito destas ressalvas e desafios, fica evidente que a teoria organizacional e as necessidades impostas pelo ambiente têm evoluído no sentido de promover uma crescente participação da contribuição intelectual dos trabalhadores e uma gestão pró-ativa da criatividade, da aprendizagem e do conhecimento. Para Senge (1990) o real aprendizado está intrinsecamente associado ao ser humano e à capacidade de participar do "processo gerador da vida" expandindo a capacidade da empresa de criar e recriar seus respectivos futuros. Argumenta Senge (1990) que a transferência do aprendizado individual para o organizacional é eficaz, na medida em que os membros da organização conseguem tornar explícitos e transferíveis os seus modelos mentais. O conhecimento deve ser o resultado do processamento de informações e do aproveitamento dos insights subjetivos e das intuições de todos os funcionários e deve ser amplamente comunicado, através da utilização de estratégias de Marketing Interno, implicando no ponto de partida do processo de inovação. Existe uma correlação direta entre a motivação dos funcionários e o sucesso nos negócios obtidos pela organização. A comunicação clara e compreensiva ajuda os empregados a se posicionarem criticamente em relação ao seu trabalho e à empresa como um todo e, mais importante, faz com que se sintam responsáveis pelo futuro da organização a qual pertencem. O Marketing Interno envolve uma visão e um vocabulário compartilhado por todos tornando o trabalho mais eficiente e prazeroso. A tarefa do Marketing Interno é desenvolver e consolidar uma cultura empresarial. Quando implantado eficientemente, o sistema de comunicação de uma organização construirá, de dentro para fora, uma empresa profissional e humana. Pelo seu caráter educativo e formador da cultura empresarial, o Marketing Interno é um importante aliado dos modelos de gestão orientados para a qualidade total, focados no cliente e implementados em empresas descentralizadas. O Marketing Interno permite às empresas obter maiores resultados e atingir a missão empresarial. A mudança organizacional consiste essencialmente em um processo cultural de alterar valores, quebrar paradigmas. Sem esquecer que, quando valores fundamentais são feridos, as pessoas reagem e tentam resistir à mudança. No caso de empresas estatais privatizadas, o novo controlador deverá traçar planos de ação que minimizem as causas de insatisfação e a resistência à mudança dos funcionários, através da criação e implantação de projetos de Marketing Interno. Quando as pessoas estão envolvidas com velhos paradigmas, apresentam forte tendência de mantê-los indefinidamente. Conhecer as percepções de seus colaboradores em relação à organização que afetam o nível de motivação dos mesmos e estabelecer um canal confiável de comunicação e relacionamento poderá reforçar os níveis de adesão e comprometimento dos colaboradores em relação aos resultados da empresa. Um programa de privatização consiste numa profunda mudança social. Muitas pessoas da estatal não estão sensibilizadas o suficiente para participar espontaneamente de um evento relacionado com a privatização: a mudança de valores. Funcionários de empresas estatais sentemse estabilizados. São, conforme Bardwick (1998) as zonas de conforto, também chamadas de acomodação. O ser humano deseja lidar com aquilo que lhe é familiar e mudança significa sair de um estado emocional de segurança para outro ainda desconhecido. As pessoas resistem às situações de mudança porque têm medo do desconhecido e também porque se acomodam. Alterações contínuas na tecnologia, novos processos de trabalho e obsolescência profissional e organizacional são situações cada vez mais comuns.

9 Quando uma empresa opera de forma estável, sua cultura incorpora e socializa as soluções que deram certo. Essas soluções são padronizadas, em nível consciente, na forma de políticas, padrões e procedimentos instalam-se no inconsciente dos colaboradores como crenças. Há poucas dúvidas e todos os problemas têm soluções aceitas. O nível de tensão das pessoas é baixo. A força com que a zona de conforto se enraiza está na razão direta do sucesso da empresa. Uma das conseqüências culturais do sucesso corporativo é a arrogância que desconsidera a tudo e a todos que se situam fora dos limites da empresa. Os desafios dos mercados são ignorados ou negados. Todos os esforços se concentram na manutenção do status quo. A implantação de um programa de Marketing Interno auxilia a incorporação da nova cultura. O apego a velhas estruturas de pensamento e antigos paradigmas é uma das mais fortes barreiras à mudança e está diretamente ligado à palavra não ; é o receio do insucesso, da crítica, do novo. Estamos diante de um contexto onde empresas e profissionais que se apegam a paradigmas obsoletos e não renovam suas práticas, têm menores chances de sobrevivência. As mudanças se mostram urgentes. Na era da competitividade faz-se importante destruir e reconstruir paradigmas. O rompimento de padrões obsoletos, permitindo-nos enxergar o lado positivo da renovação. Alterações do sistema da empresa para promover agilização em procedimentos, melhorar os resultados e reduzir custos, quando promovidas tratam-se de processos traumáticos que por vezes frustram as expectativas dos trabalhadores. Muitos empregados e colaboradores se servem do conceito de direito adquirido para resistir e boicotar qualquer tentativa de mudança estrutural que agilize a organização. Contudo, a empresa há que ver os métodos utilizados. A falta de informação e treinamento pode disseminar pânico entre os funcionários. Tais métodos para alcançar mudanças são um extremo errado pela busca de estruturação em termos imediatistas. A estagnação nunca é favorável, mas a atividade humana foi estruturada de tal forma que inevitavelmente produz insegurança e temores. Os indivíduos tendem a priorizar a sua própria proteção, passando tudo o mais para plano secundário, inclusive a execução do trabalho. A mudança afeta profundamente as idéias que as pessoas têm de suas carreiras, conseqüentemente, gerando insatisfação e medo. A ausência de políticas e práticas de desenvolvimento humano, com a fomentação de ambientes em que fossem bem recebidas todas essas mudanças e a ausência, também, de um canal de comunicação através do qual os colaboradores pudessem receber todo o apoio necessário, teve como conseqüência natural a dificuldade de os funcionários se reposicionarem. Esta falta de visão da natureza humana gera uma desconexão entre os colaboradores e a organização, trazendo implicações profundas. Considerações Finais Não existem limites para os instrumentos de Marketing Interno que podem ser usados pelas organizações. A empresa pode utilizar vários instrumentos como jornais internos, boletins, hous organs, slogans, criação de personagens, quadros de aviso, cartas aos funcionários, etc. É preciso fazer com que os funcionários oriundos da aquisição creiam realmente nos benefícios da mudança. E um programa de Comunicação Interna bem feito é capaz de encorajar idéias, diálogos, parcerias e envolvimento emocional; é capaz de estabelecer relacionamentos integrados entre os trabalhadores, utilizando programas participativos capazes de gerar o comprometimento do público interno. A falta de compreensão das estratégias da empresa e o desconhecimento de seus objetivos, missão e processos de trabalho deixa os funcionários incapazes de prover soluções para

10 os clientes e inseguros quanto aos seus postos. O treinamento, em forma de programas internos ou externos, é um componente básico necessário a um programa de marketing interno. O treinamento unido à comunicação interna constitui a ferramenta predominante do gerenciamento do Marketing Interno. O apego a velhas estruturas de pensamento e antigos paradigmas é uma das mais fortes barreiras à mudança e está diretamente ligado ao receio do novo. Conforme Bardwick (1998) estamos diante de um contexto onde empresas e profissionais que se apegam a paradigmas obsoletos e não renovam suas práticas, têm menores chances de sobrevivência. São pessoas que acreditam não ser imprescindível acompanhar as transformações que se sucedem a cada dia em um mercado cada vez mais globalizado. Na era da competitividade faz-se importante destruir e reconstruir paradigmas permitindonos enxergar o lado positivo da renovação. Mas esas transformações tratam-se de um processo traumático e, de acordo com Bardwick (1998), muitos empregados e colaboradores se servem do conceito de direito adquirido para resistir e boicotar qualquer tentativa de mudança que agilize a organização. A estagnação nunca é favorável. O movimento contínuo é sempre positivo, mas a atividade humana foi estruturada de tal forma que inevitavelmente produz insegurança e temores, e os indivíduos tendem a priorizar a sua própria proteção, passando tudo o mais para plano secundário, inclusive a execução do trabalho e o tipo de relacionamento com colegas, chefes e subalternos, tudo obedecendo a paralisante lógica da autodefesa, em permanente conflito de interesses. A ausência de políticas e práticas de desenvolvimento humano que estimulem o recebimento de todas essas mudanças tem como conseqüência natural a dificuldade dos colaboradores de se reposicionarem pessoal e profissionalmente. Assim, o reconhecimento da importância da participação das pessoas no processo de mudança é fator decisivo para o sucesso do novo modelo de gestão, e a necessidade de um esforço significativo por parte da organização no sentido de fazer com que a mudança seja desejada. Por isso, a fase de descongelamento é crítica por ser o momento onde surgirão as resistências às mudanças. É natural o indivíduo se opor à aceitação de inovações, pois, ele terá que abandonar uma situação de inércia e encarar uma situação, a princípio, desconhecida e que exigirá dele um esforço muito grande de adaptação. Não existe uma lista exclusiva de atividades que devam pertencer a um programa de marketing interno. Uma atividade que tenha impacto, de uma forma ou de outra, sobre a consciência para clientes pode ser nele incluída. Para ser efetivo, o marketing interno tem de se tornar parte da filosofia da gestão empresarial. Algumas atividades podem ser utilizadas pelos novos controladores das estatais a fim de maximizar o clima organizacional instalado na empresa privatizada, deixando-se como sugestão o Treinamento e Comunicação Interna. Referências Bibliográficas BANDEIRA, Mariana Lima; MARQUES, Antônio Luiz; VEIGA, Ricardo Teixeira. As Dimensões Múltiplas do Comprometimento Organizacional: um estudo na ECT/MG. Artigo: RAC - Revista de Administração Contemporânea v.4, n.2, p , mai/ago BARDWICK, Judith M. Perigo na Zona de Conforto. São Paulo: Pioneira, 1998.

11 BARTOLOMÉ, Fernando. Ninguém confia plenamente no chefe e daí? In: HARVARD BUSSINESS REVIEW. Comunicação eficaz na empresa: como melhorar o fluxo de informações para tomar decisões corretas. Chris Argyres e outros. Rio de Janeiro: Campus, BRUM, Analisa de Medeiros. Endomarketing. Porto Alegre: L&PM, CERQUEIRA, Wilson. Endomarketing: educação e cultura para a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, DRUCKER, Peter. Post-Capitalist Society. New York: Harper Business, 1993 GRÖNROOS, Christian. Marketing: gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. Tradução de Cristina Bazán. Rio de Janeiro: Campus, HERZBERG, Frederick. Mais uma vez: como motivar seus funcionários. In: VROOM, Victor H. Gestão de pessoas, não de pessoal; tradução de Ana Beatriz Rodrigues, Priscila Martins Celeste. Rio de Janeiro: Campus, HORTON, Thomas R.; REID, Peter C. Endomarketing: empresários x executivos, em busca de uma nova parceria; tradução Reinaldo Castello; revisão técnica Francisco Alberto Madia de Souza. São Paulo: Makron Books, IDERIKA, C. A. Como implantar o Endomarketing. (apostila) São Paulo, KOTLER, Philip. Administração de Marketing. 10. ed. São Paulo: Printice Hall, KOVÁCS, Ilona, Novas tecnologias, recursos humanos, organização e competitividade. In: Sistemas Flexíveis de Produção e Reorganização do Trabalho, edição CESO I&D, Investigação e Desenvolvimento & PEDIP, Programa Específico de Desenvolvimento da Indústria Portuguesa, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Novos Rumos do Marketing. São Paulo: Atlas, MCGREGOR, Douglas. O lado humano da empresa, tradução Margarida Maria C. Olival. São Paulo: Martins Fontes, MOTTA, Paulo Roberto; Gestão Contemporânea: A ciência e a arte de ser dirigente. Editora Record, MYERS, P. S. Knowledge Management and Organization design: An Introduction, in: Knowledge Management and Organization design, Myers, P.S. (ed.) Butterworth-Heinemann, POPCORN, F.. Do Casulo às 99 Vidas. Entrevista de Mercedes Reincke e Andrea Cajaraville. Revista HSM Management. Ano 2, n. 10 de Setembro-Outubro/98. São Paulo: Savana, 1998.

12 REVENAUGH, D. Lance, Information systems architecture implementation: the impact of corporate culture and the strategic importance of information, edit. por UMI Dissertation Services, SENGE, Peter. The Fifth Discipline: The Art and Practice of the Learning Organization, edit. Por Currency Doubleday, TANAAMI, Kei Marcos (Coord.). O Grande Confisco/ O confisco é o problema. In: Exame O melhor dos anos 90. São Paulo: Abril Multimídia. 21 mar Edição Especial, CD-ROM Exame THUROW, L. C. O futuro do capitalismo: Como as forças econômicas de hoje moldam o mundo de amanhã, tradução de Nivaldo Montigelli, Jr., Rio de Janeiro: Rocco, 1997 TOFLER, A. A Empresa Flexível. Tradução A.B. Pinheiro Lemos - Rio de Janeiro, Record, Leis BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de Publicada no Diário Oficial da União n.º 191-A, de 5 de outubro de Atualizada até a Emenda Constitucional n.º 9 de

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE

ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE 1 ENDOMARKETING UM RECURSO ESTRATÉGICO NA MELHORIA DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE EXTERNO ENDOMARKETING A STRATEGIC RESOURCE IN THE IMPROVEMENT OF THE RELATIONSHIP WITH THE EXTERNAL CUSTOMER Marciana

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

APLICANDO O CONCEITO DE ENDOMARKETING COM OBJETIVO DE CRIAR VALOR NO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO JULIANA KOGA

APLICANDO O CONCEITO DE ENDOMARKETING COM OBJETIVO DE CRIAR VALOR NO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO JULIANA KOGA APLICANDO O CONCEITO DE ENDOMARKETING COM OBJETIVO DE CRIAR VALOR NO COOPERATIVISMO DE CRÉDITO JULIANA KOGA ARTIGO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EXECUTIVO GESTÃO DE COOPERATIVAS DE CRÉDITO APROVADO POR RESUMO

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Aula 04 Modelos Organizacionais

Aula 04 Modelos Organizacionais Aula 04 Modelos Organizacionais Objetivos da aula: Compreender os modelos organizacionais, e os estudos referentes às suas questões como: Especialização do trabalho; Departamentalização; Cadeia de comando;

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional (Renato Casagrande) O interesse pelo estudo da cultura organizacional não é recente, embora esse tema só tenha começado a ter mais importância nas duas

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas

GESTÃO DE PESSOAS. Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas FACULDADE MACHADO DE ASSIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GESTÃO DE PESSOAS Como Atrair e Reter Talentos Humanos nas Empresas Rio de Janeiro 2003 1 COMO ATRAIR E RETER TALENTOS HUMANOS NAS EMPRESAS

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Sobre o IBIE Instituto Brasileiro de Intra-Empreendedorismo POWERED BY UFRJ/NCE

Sobre o IBIE Instituto Brasileiro de Intra-Empreendedorismo POWERED BY UFRJ/NCE www.ibie.com.br IBIE Sobre o IBIE www.ibie.com.br 1 Parceiros & Apoio Parceiros Apoio www.ibie.com.br Sobre o IBIE O * IBIE é primeira entidade brasileira dedicada ao estudo, aplicação e disseminação dos

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por

CollaborativeBook. número 1. Gestão. Processos. por CollaborativeBook número 1 Gestão por Processos Gestão por Processos 2 www.apoenarh.com.br Transformar conhecimento em ação e resultado com o desenvolvimento e aplicação de soluções de aprendizagem diferenciadas

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA. O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus profissionais. O funcionário público não trabalha???

ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA. O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus profissionais. O funcionário público não trabalha??? ESCOLA DE GOVERNO - MARAVILHA PALESTRA: A GESTÃO DE PESSOAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTRANTE: Prof. ADEMAR DUTRA, Dr. VERDADES OU MENTIRAS??? O sucesso de qualquer empresa depende da qualidade de seus

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS COMUNICAÇÃO SOCIAL RELAÇÕES PÚBLICAS SEMINÁRIO AVANÇADO EM RELAÇÕES PÚBLICAS. Ana Paula do Amaral Silva

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS COMUNICAÇÃO SOCIAL RELAÇÕES PÚBLICAS SEMINÁRIO AVANÇADO EM RELAÇÕES PÚBLICAS. Ana Paula do Amaral Silva UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS COMUNICAÇÃO SOCIAL RELAÇÕES PÚBLICAS SEMINÁRIO AVANÇADO EM RELAÇÕES PÚBLICAS Ana Paula do Amaral Silva RESENHA DO ARTIGO CIENTÍFICO Marketing Interno: Uma

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

A gestão da mudança como fator de sustentabilidade nas organizações: um estudo de caso numa empresa alimentícia

A gestão da mudança como fator de sustentabilidade nas organizações: um estudo de caso numa empresa alimentícia A gestão da mudança como fator de sustentabilidade nas organizações: um estudo de caso numa empresa alimentícia Edilma Lechmann Maravieski (UTFPR/CESCAGE) edilmalechmann@yahoo.com.br Antonio Carlos de

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS

GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS GESTÃO DE PESSOAS: O NOVO DESAFIO DO GERENTE DE PROJETOS Carolina Kellen Drummond Salgado * Bacharel em Relações Internacionais (PUC-MG), funcionária da GRD Minproc. Pós-Graduada em Administração de Compras

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

AULA 16 Marketing de Serviços

AULA 16 Marketing de Serviços AULA 16 Marketing de Serviços A cadeia de lucro de serviço Ligações da cadeia de lucro de serviço Fidelidade do cliente estimula lucratividade e crescimento. Satisfação do cliente estimula sua fidelidade.

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado.

claro que o emprego existe enquanto houver trabalho para cada empregado. Automotivação Antes de abordarmos a importância da motivação dentro do universo corporativo, vale a pena iniciarmos esta série de artigos com uma definição sobre esta palavra tão em voga nos dias atuais.

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI

O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 1 O FATOR HUMANO EM PROJETOS DE TI 2 INTRODUÇÃO O FATOR HUMANO E OS FATORES QUE IMPACTAM PROCESSOS EM PROJETOS DE TI Mudança de paradigma: humano é o ponto central fator humano Processos Normas Normas

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME O PLANEJAMENTO ESTRATÉGIO EM RECURSOS HUMANOS: Um Estudo de Caso das Melhores Empresas para se Trabalhar segundo o Guia VOCÊ S/A EXAME Felipe Barbetta Soares da Silva 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais