Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Brasil: seus discursos e práticas na Reforma Administrativa do Plano "Brasil Novo".

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Brasil: seus discursos e práticas na Reforma Administrativa do Plano "Brasil Novo"."

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA T/EBAP G633p Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Brasil: seus discursos e práticas na Reforma Administrativa do Plano "Brasil Novo". DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Luciana de Oliveira Miranda Gomes Rio de Janeiro 1996

2 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no Brasil: seus discursos e práticas na Reforma Administrativa do Plano "Brasil Novo". DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA POR Luciana de Oliveira Miranda Gomes E APROV ADA EM 26/08/96 PELA COMISSÃO EXAMINADORA VALÉRIA DE SOUZA ( MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA uns CÉSAR ~AL VES DE ARAÚJO DOUTOR EM ADMINISTRAÇÃO PAULdROBERTOMOTTA DOUTOR EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, PhD 2

3 AGRADECIMENTOS Nada como finalizar um trabalho de pesquisa e olhar ao seu redor, observando quantos que precisamos, antes de mais nada, pedir perdão pela ausência necessária: aos meus pais, irmã e cunhado, que souberam compreender o nervosismo dos últimos temos; aos colegas do Mestrado, sempre dispostos a discutir temas que muitas vezes, pouco ou nada se interessavam; aos amigos da vida, que se resignaram em ficar observando, de longe, por três longos anos. Gostaria de agradecer também a gentileza da professora Valéria de Souza, por me acolher no seu imenso rol de orientandos, sempre com o carinho e a firmeza necessários, e aos membros da banca, professores Luis César Gonçalves de Araújo e Paulo Roberto Motta, mestres para toda a vida. Mas esta fase a vida acadêmica não teria graça sem o meu maior companheiro: Ricardo - amigo de mestrado e amor para a vida inteira. A todos, meu muito obrigada. 3

4 RESUMO Este trabalho busca avaliar o impacto de uma política pública, no caso, a política de desenvolvimento de recursos humanos da reforma administrativa promovida pelo governo do presidente Fernando Collor de Mello ( ) em seu público-alvo - os funcionários públicos civis da União. Para tanto, resgatamos as experiências de reforma que o setor federal atravessou desde a proclamação da República, descrevendo suas estratégias e limitações, e utilizamos dois instrumentos de análise próprios das Ciências Sociais, a Análise de Conteúdo e a Análise do Discurso, a fim de exercitar uma metodologia qualitativa de pesquisa para a ciência da Administração. 4

5 ABSTRACT This text evaluates the impact of public policy on the development of human resources, promoted by the administrative reform of the Fernando Collor de Mello short govemment ( ). Brazilian public administration experiences are also studied since 1889 (Republic Proclamation) describing its strategies and results. Furthermore, two Social Sciences instruments are used: Content Analysis and Speech Analysis. 5

6 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 3 RESUMO... 4 ABSTRACT... 5 APRESENTAÇÃO... 8 INTRODUÇAO Análise de Conteúdo Análise do Discurso Dificuldades e Limitações da Pesquisa CAPITULO I POLlTICAS PÚBLICAS, REFORMA ADMINISTRATIVA E RECURSOS HUMANOS: ALGUMAS ASSERTIVAS TEÓRICAS Conceituação de Políticas Públicas Fonnulação de Políticas Públicas Gerência de Políticas Públicas Reforma Administrativa Polfticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos CAPíTULO 11 EVOlUÇÃO HISTÓRICA DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NO BRASIL Antecedentes Históricos Processos de Reforma Administrativa no Brasil, e suas implicações para os Recursos Humanos do Setor Público Dos Primórdios a 11 República Da 111 República à Nova República O Governo Collor de Mello

7 CAPíTULO IV ANÁLISE DA política DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS NA REFORMA ADMINISTRATIVA DO GOVERNO COllOR DE MEllO Decomposição da Política O Discurso Elaborado Avaliação da Política de Desenvolvimento de Recursos Humanos na Reforma Collor CAPíTULO V CONSIDERAÇÕES FINAIS A Dimensão Estratégica do Desenvolvimento de Recursos Humanos no Setor Público BIBLIOGRAFIA

8 APRESENTAÇÃO o estudo em questão é o resultado de reflexões acerca da administração pública brasileira, ao longo de dois anos de mestrado. Durante este período, três temas relevantes foram estimulando nosso interesse: Reforma Administrativa, Políticas Públicas e Administração de Recursos Humanos. Meses antes da data final da apresentação do projeto de dissertação, utilizávamos horas preciosas de estudo com o objetivo de optar por um desses temas, sem sucesso. Então, resolvemos propor um tema de dissertação que abarcasse os três interesses, sendo o projeto aprovado em outubro de Desta forma, apresentamos o resultado de nossas conclusões que, menos preocupadas em propor soluções de curto prazo, tem como finalidade somar esforços para contribuir para o desenvolvimento da administração pública no Brasil. 8

9 INTRODUÇÃO Podemos sugerir que o estudo proposto é revestido de dois níveis de relevância: uma histórica e outra metodológica. A relevância metodológica deve-se ao exercício apresentado. Longe de pretender uma inovação de grande porte, pensamos que, a partir de instrumentos próprios das Ciências Sociais, também é possível refletir a cerca de reformas administrativas, principalmente no que concerne à administração de recursos humanos no setor público, através de análise qualitativa de uma política pública. A relevância histórica é demonstrada quando o objeto de estudo é produto de acontecimentos históricos muito recentes, e ao mesmo tempo, importantes para o cenário que hoje temos, onde o presidente eleito em outubro de 1994 enfrenta problemas na Administração Pública Federal" que também são reflexos e conseqüências do movimento de reforma da gestão de Fernando Collor de Mello. I Num artigo de 09 de fevereiro de 1995, publicado no Jornal do Brasil, intitulado "Estabilidade dos Funcionários", Luiz Pinguelli Rosa alerta para o equívoco que será se a proposta do Ministro da Administração Federal e Reforma do Estado, Luiz Carlos Bresser Pereira, de acabar com a estabilidade dos funcionários públicos federais, for a frente. O autor defende a idéia de que não é a estabilidade que provoca a ineficiência, mas sim a falta de uma carreira planejada, de um plano de cargos e salários, de critérios de avaliação mais democráticos e eficazes. Adicionaremos a este discurso de Pinguelli a falta de um plano para treinamento e desenvolvimento realmente relacionado com outros instrumentos próprios da administração de recursos humanos. 9

10 A partir de algumas tentativas de reforma administrativa analisadas na nossa história, podemos inferir que "investir em recursos humanos" na - e para a - administração pública jamais foi uma preocupação relevante. o governo de Fernando Collor de Mello foi caracterizado pela busca de um caminho neoliberal de administração que, segundo seus dirigentes, seria a saída para a crise que o país atravessava, naquele momento. Com isto, paralelo ao plano econômico denominado "Brasil Novo", foi instituída uma reforma administrativa que, não precedida de estudos e análises de experiências anteriores, foi concebida e detalhada por um grupo restrito de assessores da equipe do governo, e implementada através de medidas provisórias e atos administrativos internos 2 Temos então como objetivo, a modernização do Estado e a melhoria da eficiência da máquina governamental. 3 Uma das políticas propostas para alcançar este intento é particularmente interessante para o presente estudo: a Política de Administração de Recursos Humanos. Esta política pode ser caracterizada como tendente a um exclusivo "enxugamento da máquina" administrativa. Com este propósito, o governo dedicou-se principalmente a demissões e disponibilidades de funcionários públicos, com uma total falta de seletividade quanto aos setores prioritários que 2 Citado em CASTANHAR, José Cezar. Cem Dias de Governo Collor: Avaliação da Reforma Administrativa. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, Fundação Getulio Vargas, 25(1): 35-81, novo 1990/jan idem. 10

11 deveriam ser preservados, e, ainda, pela desconsideração pela questão do mérito. Apenas em agosto de 1992, através de três decretos 4, é que percebemos uma preocupação com o funcionário público, em relação a treinamento e desenvolvimento. Nesta data, foi instituído: o Programa Nacional de Treinamento do Servidor Público (PNTS); a Comissão lnterministerial para realização de diagnóstico de Recursos Humanos; e a Comissão Especial para revisar e propor alteração em instrumentos legais, normativos e organizacionais relativos à administração de pessoal. Com estes fatos, o objetivo do estudo está na seguinte indagação: até que ponto houve uma correspondência entre o discurso e a prática das políticas de desenvolvimento de recursos humanos aplicadas ao longo da reforma administrativa do governo Col/or? A proposta de pesquisa feita por ocasião da aprovação deste projeto demonstrou nossa predileção pela pesquisa qualitativa. Desta forma, apresentaremos agora os dois métodos eleitos como instrumentos principais para a interpretação dos dados coletados ao longo da pesquisa bibliográfica e documental. 4Decretos de 18 de agosto de Ver: Coleção de Leis da República Federativa do Brasil 184(8): , Brasília, agosto de

12 1. ANÁLISE DE CONTEÚDO Do processo da Comunicação fazem parte, necessariamente, o emissor, a mensagem e o receptor. Instrumento de análise originário desta ciência, a análise de conteúdo tem como objeto exclusivo as mensagens 5, e particularmente a descrição objetiva e sistemática do conteúdo manifesto da comunicação 6. No entanto, este método também pode ser exercitado em outros campos das Ciências Sociais, como a Ciência Política, a Psicologia, a Literatura e a Sociologia. Assim, a análise do discurso político; a investigação de personalidade dos autores através de seus textos; a pesquisa de traços característicos do estilo de autores; e o estudo da evolução das idéias e a melhor compreensão da diversidade das mentalidades nacionais, comportamentos e atividades são exemplos de aplicação deste instrumento. Existem várias formas de exercitá-lo, a partir das seguintes focos de análise: tratamento dos materiais de emissão; análise, através da mensagem, do emissor desta; análise do discurso e do conteúdo da mensagem; percepção e análise dos gostos do receptor. S Ver KIENTZ, Albert. Comunicação de massa - análise de conteúdo. Trad. de Álvaro Cabral, de Pour analyser les media - l'analyse de contenu. Rio de Janeiro, Eldorado, Ver BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Trad. de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro, de L'analyse de contenu. Lisboa, Edições 70,

13 Para que a análise de conteúdo propriamente dita se inicie, seguiremos descrevendo suas principais características: a legibilidade e as estruturas. A legibilidade de um conteúdo pode ser explicitado através do seguinte questionamento: "(..) Quais são os fatores concretos que fazem com que um texto seja mais ou menos fácil de ler e compreender? (..),,7. Já as estruturas vão identificar, "(..) sob a diversidade dos conteúdos particulares, as características constantes, para fazer surgir a estrutura que as especifica" 8. Encontramos então um duplo aspecto da comunicação. Ela é ao mesmo tempo "representacional", pois exprime a personalidade, os estados afetivos e a ideologia do seu autor; e "instrumental", já que serve de instrumento para agir sobre o receptor, revelando as estratégias empregadas para esse objetivo ser alcançad0 9 Segundo Kientz lo, algumas regras para construção da análise de conteúdo devem ser observadas: ser objetivo, ou seja, definir sempre com clareza e precisão os critérios a serem adotados; ser sistemático, já que a análise deve levar em consideração tudo o que, no conteúdo, decorre do problema estudado e analisá-lo em função de todas as categorias retidas para 7 KIENTZ, Albert. op. cit. 8 idem. 9 ibidem. 10 ibidem. 13

14 fins de pesquisa; abordar apenas o conteúdo manifesto, sendo que as extrapolações em direção dos conteúdos latentes devem apoiar-se nos conteúdos efetivamente observados; e quantificar. o exercício de quantificar os dados na análise de conteúdo se diferencia da reflexão qualitativa nos seguintes aspectos: na análise quantitativa, o que extraímos como "informação" é a freqüência com que surgem certas características do conteúdo. Já na reflexão qualitativa, é a presença ou a ausência de uma dada característica de conteúdo (ou de um conjunto de características num determinado fragmento de mensagem), que é tomado em 'd ~ 11 consl eraçao. Resta-nos, então, descrever as etapas principais deste exercício metodológico. São elas: definir os objetivos da pesquisa, descrevendo o tipo de material a ser analisado, e o que se visa através dessa análise; constituir um corpus, ou seja, reunir o material sobre o qual vai incidir a análise; decompor o corpus em unidades ou itens, como por exemplo, palavras, símbolos, temas, personagens, unidades espaço-temporais; 11 BARDIN, Laurence. op. cit. 14

15 reagrupar as unidades e categorias, observando que estas devem ter classificação exaustiva, serem mutuamente exclusivas, e terem sido definidas através de critérios precisos, e serem pertinentes com os objetivos da pesquisa; tratar quantitativamente os dados, através da análise de freqüência e a análise associativa, também denominada análise de contingência I2 Assim, definiremos a análise de conteúdo como um instrumento de pesquisa que visa "(..)estabelecer uma correspondência entre as estruturas semânticas ou lingüísticas e as estruturas psicológicas ou sociológicas(..)"13, como por exemplo condutas, ideologias e atitudes, dos enunciados eleitos como objeto de reflexão. 2. ANÁLISE DO DISCURSO A análise do discurso entende que as palavras classificadas como "chave", são portadores de uma história e uma ideologia. Desta forma, faz-se necessário situar sempre o texto no seu contexto presente e passado. Este método de trabalho e pesquisa é originário da Biblioteconomia e Arquivologia, 12 A análise de freqüência baseia-se no cálculo de percentagens de que uma dada categoria ou unidade aparece no corpus, elaborando medidas de intensidade e de importância. A análise associativa, ou análise de contingência, consiste em comparar as associações efetivamente observadas com aquelas que um cálculo elementar de probabilidades deixa prever. Além disto, somente as associações cuja freqüência observada é sensivelmente superior ou inferior à freqüência previsível são entendidas como significativas. Veja KIENTZ, Albert. op. cito 13 idem. 15

16 onde as variáveis discurso, linguagem e ideologia participam do processo de análise e obtenção do produto, ou seja, o texto classificado. A análise do discurso também é um instrumento de entendimento do discurso científico. Mas como definir o discurso científico em ciências humanas? A proposta da análise do discurso é identificar a cientificidade do discurso através de alguns procedimentos próprios, ou seja, refletir como procedeu o autor para isolar o seu objeto; como passou de um conjunto de observações dadas à sua interpretação; se contribuiu ou não para a ciência em discussão no dado documento/texto. Evidentemente, a interpretação de um dado texto não é neutra. A ideologia do analista influenciará decisivamente a interpretação do documento/texto. Além disso, é importante salientar que a própria ideologia do texto reflete o pensamento da sociedade em que se integra, principalmente da classe dominante. Esta tende a conferir "(...) ao signo ideológico, um caráter intangível e acima das diferenças de classe, a fim de abafar ou ocultar a luta dos índices sociais de valor que ai se trava, a fim de tornar o signo monovalente". 14 Assim, o documento/texto impõe o discurso como verdade, e este acaba sendo percebido como verdade universal. 14 Ver CUNHA, Isabel Maria Ribeiro Ferin. Do mito à análise documentária. São Paulo, EDUSP,

17 o método da análise do discurso impõe também algumas questões relevantes 15 que auxiliam o desenvolvimento da nossa reflexão. Por exemplo: até que ponto a ideologia que permeia um dado discurso é reflexo de uma linguagem de classe ou grupo? Como identificar, através da análise do discurso, a ideologia do Estado e de seus aparelhos? Em que grau a função descritiva se impõe em detrimento da função informativa, e quais as suas conseqüências para a informação? Estas dúvidas serão, na medida do possível, respondidas através das conclusões obtidas pela pesquisa em andamento. As etapas deste método são descritas a seguir: 1. identificação da organização metodológica do discurso do autor através da segmentação do texto; 2. isolamento de conceitos/palavras-chaves tradutoras do conteúdo desses segmentos; 3. elaboração de cortes no corpus do autor, delimitando-o, analisando, desta forma, não a obra como um todo, mas partes consideradas pelo analista significativas, através de critérios determinados em função dos sistemas em que é realizada a análise. 15 idem. 17

18 A segmentação discurso citada no item 1 (um) acima subdivide-se em quatro fases, a saber: 1 a fase: identificação dos traços descritivos que servem de arcabouço ao discurso, descartando argumentos e referências diretas a conhecimentos do autor do texto analisado. O objetivo nessa fase é pinçar segmentos do texto detectados como premissas apresentadas pelo autor, a partir das quais desenvolve seu raciocínio. A esses traços atribui-se conceitos-síntese dessas informações; 2 a fase: separação e identificação dos argumentos em função dos traços descritos isolados. Atribui-se a cada um código de referência como, História, Política, Religião, Direito, e outros; 3 a fase: esquematização e ordenação dos traços descritivos e respectivos argumentos; 4 a fase: identificação das organizações lógico-semânticas, como forma de desmontar o discurso e chegar a algumas hipóteses de leitura. Os dois instrumentos de pesquisa apresentados acima têm aparentemente, o mesmo objeto: a linguagem. Na verdade, existem diferenças sutis de objetivo e percepção, que enriquecem a pesquisa, quando exercitados paralelamente, para um mesmo corpus elaborado. 18

19 Enquanto a intenção da análise do discurso é a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção ou, mais recentemente, também da recepção do texto, inferência esta que recorre a indicadores quantitativos e/ou qualitativos, a análise do conteúdo tem um objetivo quase que puramente lingüístico, onde há a formulação de regras de encadeamento das frases ou textos eleitos como objetos de pesquisa, que procuram descrever as unidades e a sua distribuição Descrito originalmente em BARDIN, Laurence. op. cit. 19

20 3. DIFICULDADES E LIMITAÇÕES DA PESQUISA Ao longo do projeto original foi proposto que o universo da pesquisa abarcaria a Administração Direta Federal, a partir de uma amostra intencional não aleatória, sublinhando assim, nossa opção por uma metodologia de pesquisa qualitativa. Infelizmente, por dificuldade de deslocamento, não foi possível investigar órgãos federais em Brasília. Desta forma, a pesquisa concentrou-se nos seguintes órgãos federais com sede no Rio de Janeiro: Legião Brasileira de Assistência (LBA); Instituto de Proteção do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN). A seleção de sujeitos enumerados no projeto como importantes para o bom desenvolvimento da pesquisa sofreu uma reformulação ao longo do seu desenvolvimento, a partir da seguinte razão: as duas Comissões acima citadas funcionaram em apenas três ocasiões, sendo que foram dissolvidas quando o então presidente Fernando Collor sofreu um processo de impeachment e renunciou ao cargo, em setembro de Desta forma, os sujeitos entrevistados são os servidores que chefiaram ou assessoravam o departamento de Recursos Humanos de seus respectivos órgãos, durante a Reforma Administrativa do Governo Collor. 20

21 CAPITULO I POLITICAS PÚBLICAS, REFORMA ADMINISTRATIVA E RECURSOS HUMANOS: ALGUMAS ASSERTIVAS TEÓRICAS 21

22 1. CONCEITUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS A palavra política refere-se comumente, à descrição de uma ação - existente ou pretendida - concebida e selecionada após uma análise de possíveis alternativas, já adotadas ou não, onde são incluídos valores e práticas do Estado e da Sociedade. Ao associar-se ao conceito de pública, observamos que estas atividades são caracterizadas de formas específicas, mas de variadas dimensões, como: área substantiva (isto é, social, urbana, saúde); tipo de parâmetro manipulado pelos policy-maker 17 (monetária, cambial, fiscal); jurisdição políticoadministrativa (federal, regional, estadual, municipal); e clientela (assalariados, exportadores de café, aposentados, servidores públicos). Estas são apenas dimensões arbitrárias, que não podem ser consideradas como um conteúdo analítico, apenas mais uma visão "impressionística" 18. A dicotomia Estado/Sociedade privilegia, entre outros assuntos, o estudo da formação, análise e gerência das políticas públicas. Assim, desenvolver um estudo de política pública não é tarefa fácil, dado o imenso rol de transações de poder e informação que cerca este tema. Em primeiro lugar, faz-se necessário um exercício de conceituação do que é política pública, para que, num segundo momento, podermos nos concentrar na 17 policy-maker é o agente por excelência da ação exercida pelo Estado (política pública) na Sociedade. 18 ConfIra MONTEIRO, Jorge Vianna. Fundamentos da Política Pública. Rio de Janeiro, IPENINPES,

23 análise de uma certa política pública. Definimos então, que política pública refere-se à ação do Estado, intervindo na Sociedade, a partir de uma demanda identificada, ou ainda, como uma resposta a demandas sociais, sendo que esta resposta deve ter uma continuidade planejada. Pedone 19 apresenta uma questionamento interessante a esse respeito: "(..) por que as questões entre indivíduos e grupos podem ultrapassar a esfera privada de resolução de conflitos para tornarem-se questões que mereçam tratamento na esfera do público?" Quando estas questões alcançam um nível tal de conflito, faz-se necessário elaborar políticas que, interferindo na sociedade, os ajustam e auxiliam a manutenção do controle das diferentes forças políticas. As diferentes formas de entrada de uma questão na agenda política podem ser descritas assim: 20 Políticas de cunho imediatista, ou seja, respostas do governo estruturadas em "ações de emergência", caracterizadas por aspectos administrativofinanceiros conhecidos como "tapa-buraco". Através do processo político, onde grupos de interesse 21 "tomam a iniciativa de levantar questões nas quais podem visualizar algum ganho político(..) ". 19 PEDONE, Luiz. Formulação, implementação e avaliação de políticas públicas. Brasília, FUNCEP, idem, p. 13 a grupos de interesse, ou ainda, grupos de pressão, podem ser definidos como "qualquer agrupamento de pessoas, unido por objetivos e atitudes comuns, que tenta por todos os meios à sua disposição, mas sobretudo mediante o acesso à máquina governamental, obter decisões favoráveis aos seus interesses." (ver Dicionário de Ciências Sociais, Fundação Getulio Vargas, MEC, 2 3 edição, 1987). 23

24 Políticas desenvolvidas pelo processo de eventos seqüenciados em algum dos Poderes constituídos, nos três níveis de administração pública. Pode-se observar aí, a ocorrência de acontecimentos que vão formulando um "clima de necessidade de intervenção e de formulação de políticas que tratem das demandas Ir. Através da antecipação de problemas e conflitos latentes percebidos na sociedade 22 Desta forma, os assuntos políticos influenciam a formulação de políticas públicas com características pró-ativas e antecipatórias, e não apenas como resposta a crises surgidas na sociedade. Descreveremos agora dois momentos distintos da política pública: a formulação e a gerência. 1.1 Formulação de Políticas Públicas A formulação de políticas públicas é um processo muito complexo e dinâmico, com vários componentes contribuindo de maneiras diferentes. Implica, inicialmente, na tomada de decisão a respeito do problema a ser resolvido, ou como descrito antes, na prevenção de alguma situação latente. Com a determinação do problema de forma clara e precisa, existirão alternativas a serem pesquisadas e avaliadas, a partir da análise de custo versus beneficio. Nesta fase, também serão eleitas as prioridades das políticas. 22 Infelizmente, em países considerados subdesenvolvidos, não existe a prática de mapeamento de demandas, com vistas a prevenção. 24

25 Com a escolha de alguma alternativa, ou seja, com a decisão política 23 feita, o processo de formulação de políticas públicas inicia-se. Atrelado à decisão política, temos a escolha da forma jurídici 4 que será adotada para a implementação da política. Esta fase de decisão política e ordenamento jurídico engloba, dentre outros fatores autorização orçamentária, pessoal capacitado, material a ser utilizado, divisão de responsabilidades. 1.2 Gerência de Políticas Públicas Com estes fatores descritos plenamente definidos, entramos na fase da gerência (acompanhamento) das políticas públicas. Para efeitos de simplificação, esta fase pode ser subdividida em três: implementação, execução e avaliação. o processo de implementação de políticas públicas definirá os planos, projetos, programas e atividades, além dos cronogramas fisico e financeiro. Monteir0 25, analisando este processo, propõe uma hierarquia de ações deste, 23 Por decisão política podemos considerar aquela que, feita pelos detentores do poder, não estará sujeita a quaisquer limitações além daquelas derivadas de considerações tais como prudência ou moral. (ver Dicionário de Ciências Sociais, Fundação Getulio Vargas, MEC, 2 3 edição, 1987). 24 Defmimos "fonna jurídica" como o fonnato de apresentação da política pública em questão: decreto; lei; decreto-lei; ato nonnativo; etc. Este fonnato definirá o impulso que a política pública terá, assim como a maneira pela qual serão cumpridos seus objetivos. 25 MONTEIRO, Jorge Vianna. op. cito 25

26 que, a partir de sua decomposição, será mais facilmente interpretado. O modelo sugerido pode ser apresentado da seguinte forma: missão; objetivos; políticas; estratégias; programas; sendo que cada um desses termos são caracterizados assim: missão é o propósito da política, a razão de sua existência; objetivos são resultados a alcançar, são desdobramentos da missão; políticas são grandes linhas de ação para viabilização dos objetivos; estratégias são mecanismos específicos para viabilização das políticas; programas são o conjunto de ações que operacionalizam as estratégias. Este modelo compreende ainda: identificação da rede organizacional; as vinculações específicas de cada organização aos objetivos, às estratégias e aos programas que permitem ou permitirão o cumprimento da missão da política; as articulações da rede, segundo indicadores definidos. Esta rede deve ser entendida como a totalidade de organizações que estejam conectadas por algum tipo de relacionamento com a política em questão. Devemos observar que, uma vez estabelecida uma política, nem sempre esta será implementada, a despeito de suas formulações e estudos. A premissa equivocada de que toda e qualquer política estabelecida terá uma conclusão positiva é responsável pela negligência do processo de implementação de 26

27 políticas nos modelos construídos, a fim de explicar o seu desenvolvimento ou para instruir seus formuladores em como melhor desenvolvê-los. Quando as políticas públicas são estabelecidas para induzir mudanças em uma sociedade subdesenvolvida, as discrepâncias desta fase podem perfazer estilos de "comunicação" política com instituições, que serão catalisadores para novas e poderosas tensões, as quais podem ser de apoio (ou não) aos novos padrões de relações. Estes padrões podem ainda, causar modificações adicionais em suas estruturas ou processos. Desta forma, observamos que os países denominados de "Primeiro Mundo", utilizam-se freqüentemente políticas de natureza incrementaf6, não enfrentando os problemas decorrentes da interação dentro e entre os componentes do sistema que envolve certa política pública. A fase de execução de políticas públicas propriamente dita é caracterizada pelo processo de concretização do ideário elaborado na fase anterior (implementação). Deverá a política, nesta ocasião, ultrapassar a burocracia existente na organização responsável, e contar também, com o pessoal capacitado para sua formalização. É necessário o acompanhamento constante deste processo, com vias de verificação (e se for o caso restruturação) 26 A política incrementai pode ser entendida como uma continuação das atividades do governo anterior, com apenas algumas modificações, de características de atualização, apenas. É o modelo aconselhável do ponto de vista político, pois não provoca tantos conflitos na sociedade. Por outro lado, sua essência é basicamente conservadora, pois aceita a legitimidade das políticas anteriores, devido à incerteza com relação às conseqüências de políticas completamente novas ou diferentes. 27

28 do movimento em questão, adequando a política às novas circunstâncias que não estavam presentes no movimento de sua elaboração. A avaliação de políticas públicas pode ser definida como: a mensuração do impacto da política pública na sociedade ( ou no setor elegido para tanto, se for ocaso); e a gerência propriamente dita da política, através de ajustes resultantes de cada avaliação. Desta forma, alguns itens deverão ser observados, em primeiro lugar: adequação da política pública à realidade que se apresenta; a sucessão de políticas públicas semelhantes e/ou com a mesma missão anteriormente implementadas, e com sucesso duvidoso; possíveis influências de políticas externas, onde o relacionamento com outros países poderia provocar mudanças de enfoque e/ou intensidade de uma ou mais características da política. 28

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à gestão, recrutamento e seleção de pessoas, julgue os itens a seguir. 51 A gestão de pessoas recebeu forte influência dos estudos de Hawthrone, especialmente

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7

1 - Apresentação... 3. 2 - Objetivos... 6. 3 - Público Alvo... 7. 4 - Metas e Resultados Esperados... 7 1 Presidente Paulo Marchiori Buss Vice Presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Paulo Ernani Gadelha Vieira Diretora de Recursos Humanos Leila de Mello Yañez Nogueira Departamento

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein

Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Classe trabalhadora no Brasil sob a luz da teoria de Bárbara Weinstein Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br Ferdinando Vinicius Domenes Zapparoli. UEL Ferdinando@uel.br Introdução

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

COMENTÁRIOS QUESTÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONCURSO MCTI ANALISTA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA PROFESSOR: MARCELO CAMACHO

COMENTÁRIOS QUESTÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CONCURSO MCTI ANALISTA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA PROFESSOR: MARCELO CAMACHO Pessoal, Estou inaugurando meus artigos no site do ponto postando comentários sobre as questões de Administração Pública da prova Específica de Analista de gestão Administrativa do MCTI. Não vislumbro

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA

PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA PROJETO DE ASSESSORIA TÉCNICA DA UERJ PARA A FUNDAÇÃO PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA - FIA OBJETIVOS Elaboração de diagnóstico da situação presente da Fundação; definição de metas institucionais de curto,

Leia mais

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA

Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA Concurso de Auditor da Receita Análise da Prova ADMINISTRAÇÃO GERAL E PÚBLICA I. A liderança, a direção e a gerência são um mesmo papel que necessariamente deve ser desempenhado pelo administrador. II.

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral 1 II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Luisa Rocha Cabral Graduada em Administração Pública pela Escola de Governo Professor Paulo Neves

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

Olá, pessoal. Prontos? Então vamos!

Olá, pessoal. Prontos? Então vamos! 1 Olá, pessoal. Meu nome é Claudenir Brito Pereira, sou Analista de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União, atualmente lotado na assessoria do Secretário Federal de Controle Interno, em Brasília.

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II DATA:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Curso Técnico em Gestão Pública Módulo INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Prof. Dr. Fernando de S. COELHO fernandocoelho@usp.br São Paulo, 13 de maio de 2015 Onde estamos no curso? Disciplina Periodo Local Data

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR

O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR O CONTADOR E O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO TERCEIRO SETOR RESUMO A informação é a mais poderosa ferramenta de gestão das organizações. Diante dessa constatação, o objetivo deste artigo é demonstrar a importância

Leia mais

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional

A Importância do Gestor Público no Processo Decisório. Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional A Importância do Gestor Público no Processo Decisório Coordenação-Geral de Desenvolvimento Institucional Secretaria do Tesouro Nacional Contexto A administração pública brasileira sofreu transformações

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Análise do Conteúdo e a Análise Documental

Análise do Conteúdo e a Análise Documental Análise do Conteúdo e a Análise Documental P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conceito

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

O que discutimos neste módulo

O que discutimos neste módulo Marketing Governamental Antonio Roberto Bono Olenscki São Paulo, 14 de junho de 2011 O que discutimos neste módulo Marketing de serviços públicos; foco no cidadão, dimensões da qualidade em serviços públicos;

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais