Outras contas a pagar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Outras contas a pagar 43.627 16.425 49.524 14.705"

Transcrição

1 ELEVA ALIMENTOS S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de Reais) Controladora Consolidado Controladora Consolidado ATIVO Nota PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Nota (Reclassificado) (Reclassificado) CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e bancos Empréstimos e financiamentos Contas a receber de clientes Fornecedores Títulos e valores mobiliários Impostos a pagar Estoques - líquido Provisão para imposto de renda e contribuição social Impostos a recuperar Salários e encargos sociais a pagar Dividendos a receber Dívidas com partes relacionadas Adiantamentos diversos Adiantamentos de clientes no exterior Outras contas a receber Fornecedores de imobilizado Total do ativo circulante Dividendos a pagar Outras contas a pagar NÃO CIRCULANTE Total do passivo circulante Realizável a longo prazo - Depósitos judiciais NÃO CIRCULANTE Impostos a recuperar Exigível a longo prazo - Valores a receber de cooperativas Empréstimos e financiamentos Imposto de renda e contribuição social diferidos Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas Créditos com controladas Imposto de renda e contribuição social diferidos Créditos com outras partes relacionadas Adiantamentos de clientes no exterior - controladas Outras contas a receber Adiantamentos de clientes no exterior Total do realizável a longo prazo Fornecedores de imobilizado Impostos parcelados PERMANENTE Outras contas a pagar Investimentos Total do passivo não circulante Em controladas Outros RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS Imobilizado líquido PARTICIPAÇÃO DOS MINORITÁRIOS Intangível líquido Diferido líquido PATRIMÔNIO LÍQUIDO 16 Total do permanente Capital social Reservas de capital Total do ativo não circulante Reserva de reavaliação Prejuízos acumulados ( ) ( ) ( ) ( ) Total do patrimônio líquido TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 19

2 ELEVA ALIMENTOS S.A. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de Reais, exceto para o lucro (prejuízo) líquido por lote de mil ações apresentado em Reais) Nota Controladora Consolidado RECEITA BRUTA DE VENDAS Mercado interno Mercado externo Total da receita bruta de vendas Impostos sobre vendas e devoluções ( ) ( ) ( ) ( ) RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS Custo dos produtos vendidos ( ) ( ) ( ) ( ) LUCRO BRUTO RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Com vendas ( ) ( ) ( ) ( ) Gerais e administrativas ( ) (67.054) ( ) (74.369) Honorários dos administradores 24 (4.297) (1.542) (4.710) (1.860) Resultado da equivalência patrimonial (7.058) - - Receitas financeiras Despesas financeiras 19 ( ) ( ) ( ) ( ) Outras despesas operacionais - líquidas 20 (30.857) (7.917) (36.262) (14.320) Total das despesas operacionais líquidas ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO OPERACIONAL (86.539) (81.863) Resultado não operacional 26 (2.625) (2.085) LUCRO (PREJUÍZO) ANTES DA PROVISÃO PARA IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL E PARTICIPAÇÃO DOS (81.733) (74.779) MINORITÁRIOS Provisão para imposto de renda e contribuição social Corrente 14 (38.663) (2.964) (44.588) (6.227) Diferido PARTICIPAÇÃO DOS MINORITÁRIOS - - (1.147) (4.214) LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (62.073) (62.073) Número de ações - mil Lucro (Prejuízo) líquido por lote de mil ações do capital social - R$ 77,79756 (0,95748) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 20

3 ELEVA ALIMENTOS S.A. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de Reais) Reserva de reavaliação Capital Reservas De De Prejuízos Nota social de capital controlada ativos próprios acumulados Total SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) Realização da reserva de reavaliação (23.181) Ajuste no saldo de IRPJ e CSLL diferidos sobre reserva de reavaliação (301) - (301) Prejuízo líquido do exercício (62.073) (62.073) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) Realização da reserva de reavaliação - - (1.649) (18.062) Reversão de reserva de reavaliação por venda de unidade descontinuada e bens desativados (12.971) - (12.971) Lucro líquido do exercício SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 21

4 ELEVA ALIMENTOS S.A. DEMONSTRAÇÕES DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de Reais) Nota Controladora Consolidado ORIGENS DOS RECURSOS Das operações Lucro (Prejuízo) líquido do exercício (62.073) (62.073) Despesas (receitas) que não afetam o capital circulante líquido: Valor residual do ativo permanente baixado Depreciações e amortizações Valor residual do imobilizado vendido (matrizes) Variação do resultado de exercícios futuros - (107) (77) Imposto de renda e contribuição social diferidos 14 (19.652) (22.624) (14.695) (23.147) Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas Provisão para perda em investimento em controlada Encargos líquidos sobre ativos e passivos de longo prazo (12.966) (14.159) Resultado de equivalência patrimonial 10 (13.467) Participação de minoritários Total de recursos originados das operações De terceiros Aumento de empréstimos e financiamentos a longo prazo Redução do realizável a longo prazo Juros sobre capital e dividendos recebidos Total das origens dos recursos APLICAÇÕES DOS RECURSOS Aumento do realizável a longo prazo Redução de exigível a longo prazo Ágio na aquisição de investimento em controlada Em investimentos No imobilizado e no intangível No diferido Distribuição de juros sobre capital próprio a minoritários, por controlada Redução nas demais contas de controlada vendida Total das aplicações AUMENTO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO NO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO Capital circulante líquido: No fim do exercício: Ativo circulante Passivo circulante No início do exercício Ativo circulante Passivo circulante AUMENTO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (16.139) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. 22

5 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Valores apresentados em milhares de reais R$ ou, quando de outra forma, conforme indicado) 1 CONTEXTO OPERACIONAL A Eleva Alimentos S.A., anteriormente Avipal S.A. Agricultura e Agropecuária ( Companhia ou Controladora ) e suas controladas têm por objeto principal a avicultura de corte e postura, a suinocultura, a criação de outros animais, o abate, a produção de rações, o comércio, a importação e a exportação desses produtos e seus insumos, a industrialização e a comercialização de leite e seus derivados, compra, venda e esmagamento de grãos e a participação em outras sociedades. Fusão de operações com Perdigão S.A. Em comunicado ao mercado datado de 19 de outubro de 2007, as administrações da Perdigão S.A. ( Perdigão ) e da Companhia informaram, nos termos da Instrução n.º 358, de 3 de janeiro de 2002, da Comissão de Valores Mobiliários, que se encontrava em estudo eventual fusão das operações da Eleva e da Perdigão. A Companhia, seus acionistas controladores e a Perdigão celebraram, em 30 de outubro de 2007, Contrato de Compra e Venda de Ações e outras Avenças ( Contrato de Compra e Venda ) mediante o qual: (a) os acionistas controladores da Companhia se obrigaram a vender a Perdigão ações da Eleva representativas de 46,23% da participação por eles detidas e correspondentes a 35,74% do capital votante e total da Companhia, ao preço de R$ 25, por ação, a ser pago até o dia 02 de janeiro de 2008, sujeito ao cumprimento das condições precedentes previstas no Contrato de Compra e Venda; e (b) mediante incorporação das ações da Eleva pela Perdigão ( Incorporação de Ações ), ficou ajustado que a Perdigão passaria a deter os 53,77% remanescentes da participação dos acionistas controladores, representativas de 41,57% do capital votante e total da Companhia, de tal forma que os acionistas controladores receberiam ações da Perdigão em decorrência da Incorporação de Ações. Com a efetivação dessas transações em 02 de janeiro de 2008, a Perdigão passou a deter o controle acionário da Companhia, passando esta a ser uma subsidiária da Perdigão. Em 09 de novembro de 2007, foi comunicada, através de fato relevante, a desistência ao pedido de registro de distribuição pública primária de ações ordinárias, nominativas, escriturais, sem valor nominal de emissão da Companhia. A Perdigão realizou, em 14 de fevereiro de 2008, oferta pública de aquisição de 46,23% das ações detidas pelos acionistas minoritários da Eleva, nos termos do artigo 254-A da Lei das Sociedades por Ações, pelo mesmo preço e nas mesmas condições de aquisição das demais ações detidas pelos acionistas controladores da Eleva ( Oferta de Tag Along ), ou seja, mediante pagamento em dinheiro dessas ações detidas pelos acionistas minoritários, ao preço de R$ 25, por ação. Pelas demais ações detidas pelos acionistas minoritários, estes receberão ações da Perdigão, na proporção de 1 nova ação ordinária de emissão da Perdigão para 1, ação ordinária de emissão da Eleva, mediante a Incorporação de Ações. Incentivos fiscais A controlada Avipal Nordeste S.A. é beneficiária de incentivos no âmbito do Programa de Desenvolvimento Industrial e de Integração Econômica do Estado da Bahia (Desenvolve), no qual o valor do ICMS apurado mensalmente é pago em 10% do montante no prazo normal de 23

6 recolhimento, e os restantes 90% são postergados para pagamento com prazo de até 72 meses. O prazo do benefício é de 12 anos a partir de 1º de outubro de O saldo a pagar em 31 de dezembro de 2007 é de R$ 3.516, registrado na rubrica impostos parcelados. A Avipal Nordeste S.A. também se beneficia, sob a forma de crédito outorgado de ICMS, nos Estados de São Paulo, correspondente a 6,7% do total das saídas de leite UHT, e de Goiás, correspondente a alíquotas que variam de 1% a 5% sobre a saída de produtos lácteos, de acordo com os regulamentos do ICMS daqueles Estados. O efeito desses incentivos é registrado como redução de impostos sobre vendas. 2 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Controladora As demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis previstas na Legislação Societária Brasileira (Lei nº , Lei nº ) e disposições complementares da Comissão de Valores Mobiliários - CVM. Para permitir a comparabilidade das informações, o saldo de impostos a recuperar - ICMS a recuperar no Estado do Mato Grosso do Sul registrado em 31 de dezembro de 2006 foi reclassificado do ativo circulante para o realizável a longo prazo, conforme demonstrado na Nota 8. A Companhia constituiu provisão para perda para o saldo existente em 31 de dezembro de 2007, tendo em vista tratar-se de crédito cuja recuperação está sujeita a condições específicas estabelecidas pela legislação daquele Estado, principalmente no que diz respeito à condição de disponibilidade de caixa do Governo para conceder reembolso. A Administração, no entanto, está envidando esforços para viabilizar a recuperação do crédito. A Companhia está apresentando como informações suplementares às demonstrações financeiras básicas, na Nota 28, as demonstrações dos fluxos de caixa, controladora e consolidado, preparadas de acordo com a NPC 20 Demonstração dos fluxos de caixa emitida pelo IBRACON Instituto dos Auditores Independentes do Brasil. Consolidado As demonstrações financeiras consolidadas abrangem as demonstrações financeiras da Companhia e das suas controladas diretas indicadas na Nota 10, nas quais a Companhia tem preponderância nas deliberações sociais, conforme artigo 3º da Instrução CVM 247/96. No processo de consolidação foram eliminados os saldos de contas a receber e a pagar, as receitas e despesas decorrentes de transações entre as sociedades consolidadas, bem como os investimentos da controladora nas controladas. As demonstrações financeiras das controladas no exterior foram convertidas de suas respectivas moedas para reais utilizando-se a cotação da moeda na data do encerramento do balanço. O saldo do deságio na aquisição de ações da Granóleo S.A. e da Unileite Laticínios Ltda., no montante de R$ em 31 de dezembro de 2006, não eliminado na consolidação, foi reclassificado para a rubrica Resultados de Exercícios Futuros, consoante a instrução CVM n. 247/96. 24

7 Incorporação de controladas Conforme AGE realizada em 26 de dezembro de 2007, a Companhia procedeu, com database de 1º de dezembro, à incorporação da controlada Jobás Representações e Transportes Ltda., após a aquisição das quotas remanescentes do sócio quotista minoritário em novembro de 2007, pelo valor de R$ 600. Foi reconhecida perda no montante de R$ 4.158, referente ao patrimônio líquido negativo da Jobás, e mais a amortização de ágio no montante de R$ 600, reconhecidos em resultados não operacionais. Adicionalmente, foram estornadas as provisões constituídas em exercícios anteriores: (i) para perda nesse investimento no montante de R$ e (ii) para perda em adiantamento para aquisição de imobilizado no montante de R$ 1.780, em rubrica própria de outras despesas e receitas operacionais. A controlada Avipal S.A. Alimentos procedeu, com data-base de 1º de dezembro, à incorporação da controlada Unileite Laticínios Ltda., na qual a Companhia mantinha participação direta equivalente a 75,5 % de seu capital. Em decorrência, o investimento da Companhia na Unileite foi transformado em participação no capital social da Avipal S.A. Alimentos. 3 PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Apuração do resultado O resultado das operações é apurado em conformidade com o regime contábil de competência de exercício. A receita de vendas de produtos é reconhecida no resultado no momento da entrega dos produtos, transferência da propriedade e quando cumpridas as seguintes condições: a) o cliente assume os riscos de perda na transferência da propriedade; b) o recebimento das contas a receber é provável; e c) o preço de venda é fixo ou determinável. Os descontos concedidos diretamente nas notas fiscais de vendas por condições comerciais são registrados como deduções da receita bruta. b) Moeda estrangeira Os ativos e passivos monetários denominados em moedas estrangeiras foram convertidos para reais pela taxa de câmbio da data de fechamento do balanço. As diferenças decorrentes de conversão de moeda foram reconhecidas na demonstração do resultado como receitas e despesas financeiras. c) Títulos e valores mobiliários Registrados ao custo, acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço, que não supera o valor de mercado. Adicionalmente, na conta de títulos e valores mobiliários está registrada a parcela a receber dos contratos de troca de moeda swap, cujos ganhos e perdas não realizados são reconhecidos pela diferença entre os valores nominais desses contratos atualizados pela rentabilidade da ponta ativa e aqueles atualizados pela ponta passiva até a data do balanço. d) Provisão para créditos de liquidação duvidosa A provisão para créditos de liquidação duvidosa foi constituída com base na análise individual dos créditos e em montante considerado suficiente pela Administração, para fazer face às eventuais perdas na realização dos créditos. 25

8 e) Estoques Os estoques são avaliados pelo custo médio de aquisição ou produção, reduzidos por provisão para obsolescência e ajuste a valor de mercado, quando necessário. Os estoques de grãos adquiridos na modalidade a fixar são registrados pelo seu valor de mercado na data do balanço, em contrapartida ao respectivo passivo junto ao fornecedor. Os grãos adquiridos na modalidade a fixar que tenham sido consumidos no processo produtivo são valorizados na data do seu uso pelo valor de mercado e eventuais ajustes de preço posteriores à data de uso são contabilizados no resultado financeiro em contrapartida à obrigação junto ao fornecedor. f) Demais ativos - circulante e realizável a longo prazo São apresentados ao valor líquido de realização. g) Permanente Demonstrado ao custo de aquisição, combinado com os seguintes aspectos:. Investimentos em controladas, avaliados pelo método da equivalência patrimonial. A participação da controladora no resultado das controladas é registrada em contrapartida do resultado do período na rubrica resultado de equivalência patrimonial.. Reavaliações do imobilizado, procedidas em dezembro de 1989 e março de 2005 na Companhia e em abril de 1995 através da Elegê Alimentos S.A., a qual foi incorporada ao imobilizado da controladora durante 2004, com base em avaliações efetuadas por empresa especializada, conforme mencionado na Nota 11. A reserva de reavaliação é realizada na proporção da realização dos bens por depreciação ou baixa.. Depreciação do imobilizado e amortização do intangível, calculadas pelo método linear, às taxas anuais mencionadas na Nota 11, que levam em consideração a vida útil-econômica estimada dos bens.. O reflorestamento está sujeito à exaustão calculada com base na extração de madeira.. As aves e suínos reprodutores (avós e matrizes) são registrados pelo seu custo de formação que inclui a alocação de custos de ração, medicamentos e mão de obra. Estes custos são acumulados por aproximadamente 25 semanas, até que as avós e matrizes iniciem o ciclo reprodutivo. A partir deste momento os custos das avós e matrizes passam a ser amortizados pela estimativa da capacidade produtiva de ovos e crias, sendo apropriados ao custo de produção de ovos férteis, juntamente com o custo de depreciação das matrizes. O ciclo reprodutivo é de aproximadamente 14 meses no caso de aves e 30 meses no caso de suínos. As avós e matrizes são abatidas para serem vendidas e o seu custo residual, se houver, é transferido do imobilizado para estoques de produtos acabados em função da redução ou do esgotamento de sua capacidade produtiva ou por necessidade de remanejamento.. Diferido, representado: (a) na controladora, principalmente por gastos relacionados à operação de exploração de bacia leiteira que são amortizados de acordo com o prazo de vigência dos contratos; (b) na controlada Avipal Nordeste S.A., por gastos préoperacionais relacionados à operação de abate, amortizados pelo prazo de cinco anos a partir do início das atividades, e por gastos de implantação do sistema de gestão Oracle EBS, a serem amortizados pelo prazo de cinco anos a partir de janeiro de

9 h) Passivo circulante e exigível a longo prazo São demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e variações monetárias e cambiais incorridas até a data dos balanços. Os juros sobre empréstimos e financiamentos são apropriados em função do prazo decorrido do contrato de financiamento, utilizando-se a taxa de juros contratada. i) Provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas A provisão para riscos tributários, cíveis e trabalhistas foi constituída com base no julgamento da administração da Companhia, auxiliada por seus consultores legais, em montante considerado suficiente para cobrir as perdas em processos em andamento, avaliadas como prováveis. Em atendimento à Deliberação CVM nº , os saldos de provisões para contingências estão sendo apresentados líquidos dos valores depositados judicialmente nos processos correspondentes. j) Imposto de renda e contribuição social O imposto de renda e a contribuição social são calculados com base nas alíquotas estabelecidas pela legislação fiscal e consideram a compensação de prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social, limitada a 30% do lucro real apurado em cada exercício para atividade geral, e 100% para atividade rural. Sobre as diferenças temporárias para fins fiscais, reserva de reavaliação, prejuízos fiscais e base negativa de contribuição social são registrados imposto de renda e contribuição social diferidos, respeitando-se as determinações da Instrução nº 371 da Comissão de Valores Mobiliários CVM (Nota 14). 4 ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA BRASILEIRA, COM VIGÊNCIA A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 Em 28 de dezembro de 2007, foi promulgada a Lei nº /07, que altera, revoga e introduz novos dispositivos à Lei das Sociedades por Ações, notadamente em relação ao capítulo XV, sobre matéria contábil, que entra em vigor a partir do exercício que se inicia em 1º de janeiro de Essa Lei teve, principalmente, o objetivo de atualizar a lei societária brasileira para possibilitar o processo de convergência das práticas contábeis adotadas no Brasil com aquelas constantes das normas internacionais de contabilidade (IFRS) e permitir que novas normas e procedimentos contábeis sejam expedidos pela Comissão de Valores Mobiliários em consonância com os padrões internacionais de contabilidade. As modificações na legislação societária brasileira são aplicáveis para todas as companhias constituídas na forma de sociedades anônimas. Algumas alterações devem ser aplicadas a partir do início do próximo exercício, enquanto outras dependem de regulamentação por parte dos órgãos reguladores. As principais modificações que poderão afetar a Companhia podem ser sumariadas como segue: Inclusão da demonstração do valor adicionado, aplicável para companhias de capital aberto, que demonstra o valor adicionado pela Companhia, bem como a composição da origem e alocação de tais valores. 27

10 Possibilidade de manter separadamente a escrituração das transações para atender à legislação tributária e, na seqüência, os ajustes necessários para adaptação às práticas contábeis. Obrigatoriedade do registro no ativo imobilizado dos direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da Companhia, inclusive os decorrentes de operações que transfiram à Companhia os benefícios, os riscos e o controle dos bens (exemplo: leasing financeiro). Obrigatoriedade de a Companhia analisar, periodicamente, a capacidade de recuperação dos valores registrados no ativo imobilizado, intangível e diferido, com o objetivo de assegurar que: (i) a perda por não-recuperação desses ativos é registrada como resultado de decisões para descontinuar as atividades relativas a referidos ativos ou quando há evidência de que os resultados das operações não serão suficientes para assegurar a realização de referidos ativos; e (ii) o critério utilizado para determinar a estimativa de vida útil remanescente de tais ativos com o objetivo de registrar a depreciação, amortização e exaustão é revisado e ajustado. Requerimentos de que as aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos, sejam registradas: (i) pelo seu valor de mercado ou valor equivalente, quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda; e (ii) pelo valor de custo de aquisição ou valor de emissão, atualizado conforme disposições legais ou contratuais, ajustado ao valor provável de realização, quando este for inferior. Criação de um novo subgrupo de contas, ajustes de avaliação patrimonial, no patrimônio líquido, para permitir o registro de determinadas avaliações de ativos a preços de mercado, principalmente instrumentos financeiros; o registro de variação cambial sobre investimentos societários no exterior avaliados pelo método de equivalência patrimonial (até 31 de dezembro de 2007 essa variação cambial era registrada no resultado do exercício); e os ajustes dos ativos e passivos a valor de mercado, em razão de fusão e incorporação ocorrida entre partes não relacionadas que estiverem vinculadas à efetiva transferência de controle. Eliminação da reserva de reavaliação. Os saldos existentes nas reservas de reavaliação deverão ser mantidos até sua efetiva realização ou estornados até o fim do exercício social em que a Lei entrar em vigor. Requerimento de que os ativos e passivos da Companhia a ser incorporada, decorrentes de transações que envolvam incorporação, fusão ou cisão entre partes independentes e vinculadas à efetiva transferência de controle, sejam contabilizados pelo seu valor de mercado. Em razão de essas alterações terem sido recentemente promulgadas e algumas ainda dependerem de regulamentação dos órgãos reguladores para serem aplicadas, a Administração da Companhia ainda não conseguiu avaliar todos os efeitos que referidas alterações poderiam resultar em suas demonstrações financeiras e nos resultados dos exercícios seguintes. Entretanto, para os casos significativos onde foi possível, até o momento, mensurar o efeito, as seguintes modificações podem ser destacadas: Variação cambial de investimentos no exterior registrada no resultado e passará a ser registrada no patrimônio líquido. Reserva de reavaliação a Administração está analisando a possível reversão da reserva de reavaliação. Os valores envolvidos são: (i) saldo de reavaliação procedida em 2005, no montante de R$ , líquido de impostos diferidos; e (ii) provisão de imposto de renda e contribuição social diferidos sobre a reserva de reavaliação no montante de R$

11 5 TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Remuneração Consolidado Controladora Consolidado Títulos e valores mobiliários Certificado depósito bancário CDB 100,4 % CDI Fundo DI 98,5 % CDI As aplicações em CDB são pós-fixadas e estão vinculadas à variação das taxas dos Certificados de Depósito Interfinanceiro CDI, que em 31 de dezembro de 2007, estava em 11,25% a.a. (13,17% a.a. em ). 6 CONTAS A RECEBER DE CLIENTES Controladora Consolidado Clientes no país Clientes no exterior Controladas Provisão para créditos de liquidação duvidosa (3.801) (3.532) (7.253) (4.478) Total Os prazos de recebimento das contas a receber de clientes estavam distribuídos conforme abaixo: Controladora Consolidado Vencidos Até 30 dias De 31 até 60 dias De 61 até 90 dias Acima de 90 dias A Vencer Até 30 dias De 31 até 60 dias Total A companhia apresentava, em 31 de dezembro de 2007, 2 clientes no exterior e 3 clientes no país representando mais de 5% do saldo de contas a receber. 29

12 7 ESTOQUES Controladora Consolidado Produtos acabados Produtos em processo Matérias primas Embalagens e material secundário Materiais de manutenção Mercadorias para revenda Adiantamentos a fornecedores Adiantamentos a fornecedores - controlada Imóveis a comercializar ( - ) Provisão para perdas em estoques (3.948) (2.141) (3.948) (2.141) IMPOSTOS A RECUPERAR ATIVO CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO A Companhia e suas controladas têm registrado no ativo, impostos a recuperar, conforme segue: a) Ativo circulante Controladora Consolidado (Reclassificado) (Reclassificado) Antecipações de IRPJ e CSSL ICMS a recuperar SP ICMS a recuperar BA ICMS a recuperar outros Estados IPI a recuperar sobre aquisição de insumos PIS/COFINS a recuperar sobre aquisição de insumos PIS/COFINS transitado em julgado Outros ( - ) Provisão para perda IPI (1.989) - (1.989) O ICMS a recuperar nos diversos Estados refere-se a créditos sobre aquisições de insumos utilizados na fabricação de produtos cuja venda está sujeita à base de cálculo reduzida de ICMS, bem como a créditos sobre aquisições de insumos utilizados na fabricação de produtos destinados à exportação. Em relação ao Estado da Bahia, já se iniciaram tratativas para negociar a transferência desses créditos para fornecedores da Companhia, tais como de energia elétrica, estando em processo de homologação. Em relação aos créditos de ICMS acumulados pela controlada Avipal Nordeste S.A, no Estado de São Paulo, serão transferidos para pagamento a fornecedores de embalagem de leite UHT. O PIS e a COFINS a recuperar sobre aquisições de insumos decorrem, basicamente, de créditos sobre compras de matérias-primas utilizadas em produtos exportados, venda de 30

13 produtos tributados a alíquota zero, tais como de leite UHT e pasteurizado e vendas para Zona Franca de Manaus. A realização desses créditos pode ser efetuada através de compensação com outros tributos federais ou pedidos de ressarcimento. A Companhia entrou com medida judicial visando acelerar o processo de análise dos Pedidos de Ressarcimento destas contribuições já protocolados e já obteve a liberação do montante de R$ e encontra-se sob fiscalização para liberação de novos valores. A Administração tem expectativa de que os demais créditos referentes aos períodos remanescentes receberão o mesmo tratamento e serão ressarcidos à Companhia. Baseado na expectativa quanto ao prazo de realização dos créditos a recuperar de PIS e COFINS, o montante de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2006) na Controladora e R$ (R$ em 31 de dezembro de 2006) no consolidado estão sendo apresentados no ativo circulante e R$ na Controladora e consolidado (R$ Controladora e R$ consolidado em 31 de dezembro de 2006) no realizável a longo prazo. Com relação ao PIS e COFINS transitado em julgado, em 9 de novembro de 2005, o Supremo Tribunal Federal declarou, por maioria de votos, a inconstitucionalidade da Lei nº 9.718/98, que alterou a base de cálculo do PIS e da COFINS, incluindo receitas operacionais e financeiras. A Companhia obteve, em 24 de fevereiro de 2006, decisão favorável, transitada em julgado, na ação judicial questionando a majoração da base, reconhecendo no primeiro trimestre de 2006 o crédito de PIS e COFINS a recuperar no montante de R$ , sendo R$ em contrapartida de outras receitas operacionais, e R$ em contrapartida de receita financeira. O montante de R$ foi transferido para a conta PIS/COFINS a recuperar sobre aquisição de insumos por já estarem habilitados para compensação. A Companhia já obteve a habilitação do saldo remanescente desses créditos no montante de R$ 8.573, de acordo com a IN SRF 600, e solicitou o ressarcimento em dinheiro, utilizando também a medida judicial como forma de acelerar o processo de análise dos pedidos e o ressarcimento. A Administração da Companhia vem realizando estudos para o desenvolvimento de planos que permitam a utilização dos demais créditos nas operações e não há expectativa de perdas na sua realização. b) Ativo não circulante Controladora Consolidado (Reclassificado) (Reclassificado) ICMS sobre aquisições de imobilizado ICMS a recuperar RJ ICMS a recuperar RS ICMS a recuperar MS PIS/COFINS a recuperar sobre aquisição de insumos PIS/COFINS sobre aquisições de imobilizado Outros impostos ( - ) Provisão para perda ICMS MS (18.338) - (18.338) A Companhia obteve, em fevereiro de 2007, decisão transitada em julgado no STJ assegurando a manutenção do crédito de ICMS a recuperar no Estado do Rio de Janeiro sobre a diferença de alíquotas, que corresponde ao valor dos créditos já reconhecido nos registros contábeis e, também, o direito à totalidade da correção monetária sobre os 31

14 créditos, cuja melhor estimativa conforme revisão de valores em 31 de dezembro de 2007 é de aproximadamente R$ , não reconhecido nas demonstrações financeiras. As dificuldades de caixa da maioria dos Estados brasileiros dificultam a realização dos créditos, e por essa razão, conservadoramente, a Administração somente irá reconhecer o crédito correspondente à correção monetária mediante a sua efetiva realização. A Administração está em negociação com o Estado do RJ, com apoio dos órgãos de desenvolvimento (CODIN) para a utilização destes valores em um investimento local, conforme legislação existente nesse Estado. Em razão da impossibilidade de determinar com precisão o tempo necessário para o desenrolar destas negociações, os valores estão sendo apresentados no ativo realizável a longo prazo. Em relação ao Estado do Mato Grosso do Sul, o atual Governo do Estado vem condicionando a utilização dos créditos à conclusão dos trabalhos de validação dos créditos e verificação da proporcionalidade do imposto adjudicado com o desfecho de questionamentos judiciais de autos de lançamentos de ICMS lavrados no final de 2006 naquele Estado sobre operações de exportação da Companhia. Conforme mencionado na Nota 15, a probabilidade de desfecho desfavorável à Companhia nestes processos foi avaliada como possível na opinião de seus assessores jurídicos. Embora a Administração da Companhia esteja se reunindo com a Secretaria da Fazenda para esclarecer a improcedência dos autos e os argumentos da defesa, as dificuldades de caixa do Estado dificultam as tratativas para agilizar a liberação dos créditos, motivo pelo qual a Companhia constituiu provisão para perda desses créditos no ativo não circulante. 9 SALDOS E TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS (CONTROLADORA) Os principais saldos e resultados de transações realizadas com as controladas mencionadas na Nota 10 e com diretores e acionistas são, como segue: Receitas e (despesas) Ativos e (passivos) acumuladas no exercício Avipal S.A. Construtora e Incorporadora Sociedades controladas mútuo Despesas financeiras (99) Receitas financeiras Avipal S.A. Alimentos Clientes Empréstimo de estoques (6.028) (6.028) - - Sociedades controladas mútuo Fornecedores (30) (275) - - Compras custo dos produtos vendidos - - (916) (886) Receitas financeiras Avipal Nordeste S.A. Clientes Adiantamentos a fornecedores Sociedades controladas mútuo Fornecedores - (1.760) - - Receita de vendas Compras custo dos produtos vendidos - - ( ) (66.035) Receitas financeiras Despesas financeiras - - (19) (139) 32

15 Receitas e (despesas) Ativos e (passivos) acumuladas no exercício Granóleo S.A. Fornecedores - (952) - - Sociedades controladas mútuo - (64.093) - - Compras custo dos produtos vendidos - - (13.865) (2.170) Receita com alienação de bens do ativo imobilizado (Nota 11) Despesas financeiras - - (2.421) (4.852) Avipal Centro-Oeste S.A. Fornecedores - (92) - - Compras custo dos produtos vendidos (6) Receitas financeiras Lander Trade Receitas financeiras Unileite Laticínios Ltda. Clientes Fornecedores - (24) - - Receita de vendas Compras custo dos produtos vendidos - - (402) - Establecimientos Levino Zaccardi y Cia. S.A. Sociedades controladas mútuo Adiantamentos a fornecedores Fornecedores (32) (1.202) - - Compras custo dos produtos vendidos - - (1.685) (3.946) Receitas financeiras Gran Export Adiantamento de cliente no exterior - (44.864) - - Despesas financeiras - - (1.239) - Receitas financeiras Satélite Corretora de Seguros Sociedades controladas outros (361) (363) - - Acionistas e diretores Créditos com pessoas ligadas - mútuo Obrigações com pessoas ligadas (378) Receitas Financeiras Receita com alienação de participações societárias (Nota 10) Resultado na venda de participações societárias Os adiantamentos a Gran Export eram destinados ao financiamento de aquisição de matériaprima para futuras operações de exportações, estando sujeitos à variação cambial com base no dólar norte-americano, acrescido de juros de 6 % a.a. e vencimento estipulado para até 31 de janeiro de No decorrer de 2007, a Companhia efetuou a amortização antecipada de tais adiantamentos. A Companhia celebrou, no curso normal de seus negócios, contratos de mútuo com partes relacionadas. Esses contratos de mútuo são celebrados por prazo indeterminado, sendo o pagamento efetuado no momento em que o mutuário reunir condições financeiras para tanto. A captação de recursos por meio de contratos de mútuo é realizada com fim específico de financiamento de capital de giro. Os saldos de mútuo ativos e passivos são remunerados à taxa de juros fixa de 9,00% ao ano, exceto o saldo da Establecimientos Levino Zaccardi y 33

16 Cia. S.A. que é remunerado com base na variação do dólar norte-americano, sem a incidência de juros. Os adiantamentos concedidos a Avipal Nordeste S.A. não têm incidência de encargos. Os saldos de clientes e de fornecedores e as receitas de vendas e compras custo dos produtos vendidos são decorrentes de operações de vendas e compras, respectivamente, de produtos e/ou serviços que constituem objeto social das empresas. As operações com a controlada Avipal Nordeste S.A. são praticadas em condições negociadas entre as partes. Os preços praticados com as demais controladas no país são baseados no custo de produção acrescido das despesas variáveis de entrega, no caso de produtos, e nos custos de prestação dos serviços, no caso de serviços. No caso da controlada Levino Zaccardy, situada na Argentina, os preços praticados levam em conta os preços de transferência exigidos pela legislação daquele país, não havendo previsão de margem de lucro nos preços praticados nas operações entre as companhias. O montante líquido de R$ de adiantamento para a controlada Avipal Nordeste S.A. e de R$ para a controlada Establecimientos Levino Zaccardi em 31 de dezembro de 2007, referem-se a valores adiantados por conta de fornecimento de produtos de carnes e laticínios. A Companhia alienou participações societárias (Nota 10) pelo montante de R$ , sendo que o valor do investimento estava avaliado em R$ , apurando ganho de R$ 566, registrado como resultado não operacional. 34

17 10 INVESTIMENTOS EM CONTROLADAS CONTROLADORA Avipal S.A. Construtora Incorp. (*) Avipal S.A. Alimentos (*) Avipal Nordeste S.A Granóleo S.A. Avipal Centro- Oeste S.A. (*) Lander Trade (*) Unileite Laticínios Ltda. Establec. Levino Zaccardi y Cia S.A.(*) Outros Total Total Informações sobre os investimentos Ações ou quotas possuídas Participação no capital social - % Votante Total Ativo total Passivo circulante e longo prazo Patrimônio líquido ajustado Lucro líquido (prejuízo) do exercício (325) (24) - (668) Movimento dos investimentos No início do exercício Adições Ágio (Deságio) na aquisição de Investimento (33) Dividendos e juros sobre capital próprio recebidos (4) (96) (100) (79.306) Constituição de provisão para perda - - (1.213) - (1.213) - Equivalência patrimonial (362) (24) (668) (7.058) Baixa por venda de investimento (34.998) (34.998) (122) Incorporação de investimento (8.927) No fim do exercício Valor patrimonial Ágio/(Deságio) (2.405) (*) Demonstrações financeiras auditadas por outros auditores independentes. 35

18 Conforme mencionado na Nota 2, ocorreram as seguintes movimentações nos investimentos em controladas: (i) a Companhia adquiriu o total das quotas da Jobás Representações e Transportes Ltda., na qual já detinha 50% de participação, e procedeu à incorporação da mesma com data-base de 1º de dezembro, e (ii) a controlada Avipal S.A. Alimentos procedeu, em 1º de dezembro, à incorporação da controlada Unileite Laticínios Ltda., na qual a Companhia detinha 75,5% de participação direta, sendo esse investimento extinto e transformado em participação na Avipal S.A. Alimentos, através de aumento de capital com emissão de novas ações pela incorporadora. A Companhia adquiriu o total das quotas da Satélite Corretora de Seguros Ltda., na qual já detinha 89% de participação, e protocolou em dezembro de 2007, junto à Junta Comercial- RS, o pedido de liquidação da controlada, procedendo à baixa contábil do investimento. A Companhia protocolou em novembro de 2007, através de seus procuradores no Uruguai, pedido de liquidação da Lander Trade S.A. A Companhia detém participação de 99,0 % na empresa Eurofood Alimentos Ltda., a qual não está sendo incluída nas demonstrações financeiras consolidadas devido à irrelevância e intenção da Administração de descontinuar suas operações. Venda de controle acionário de controlada A Companhia vendeu, em 29 de junho de 2007, para o Fundo de Investimento em Participações Tríade FR1 ( FIP Tríade ) pelo valor total de R$ , as ações de emissão da Granóleo S.A. Indústria e Comércio de Sementes Oleaginosas e Derivados (Granóleo) de que era titular, representativas de 39,934% do capital social total da Granóleo. O preço de venda das ações foi determinado com base no valor patrimonial das ações da Granóleo em 31 de dezembro de 2006, ou seja, R$ 418,31 por lote de mil ações. O saldo do investimento na Granóleo S.A., avaliado pelo método da equivalência patrimonial até a data base da sua venda, era R$ , incluindo R$ de deságio, e o ganho apurado na venda foi R$ 566, registrado como resultado não operacional. Nesta mesma data, a Companhia vendeu a Elpaal Participações S.S. Ltda. ( Elpaal ) os bens móveis e imóveis relacionados à fábrica esmagadora de soja denominada Farol, localizada no município de Estrela (RS), pelo valor de R$ (Nota 11), sendo tal valor suportado por laudo de avaliação elaborado por empresa especializada. O pagamento das ações e dos bens alienados acima mencionados foi realizado mediante assunção irrevogável e irretratável, na proporção de R$ pela Elpaal Participações S.S. Ltda. e R$ pelo Fundo de Investimento em Participações Tríade FR1, da dívida da Companhia junto à Granóleo, que totalizava R$ na data da venda, restando um valor a pagar de R$ ao acionista controlador, o qual foi liquidado parcialmente, remanescendo um saldo a pagar de R$ 378 em 31 de dezembro de 2007, registrado na conta dívidas com partes relacionadas do passivo circulante. Tendo em vista que o FIP Tríade não efetuou o pagamento da parcela do preço ao acionista controlador, Senhor Shan Ban Chun, a Companhia e o acionista controlador rescindiram a compra e venda das Ações e dos Ativos celebrada com o FIP Tríade e com a Elpaal em 29 de junho de No intuito de preservar a estrutura do negócio jurídico entabulado com o FIP Tríade e a Elpaal, projetada para resultar na desvinculação societária e creditória entre a Companhia e a Granóleo, subseqüentemente à rescisão do referido negócio com o FIP Tríade e com a Elpaal, (i) a Companhia entregou os ativos para a Granóleo, pelo mesmo valor de R$ , em 36

19 pagamento de parcela da Dívida, (ii) o acionista controlador assumiu a parcela restante da Dívida, no montante de R$ , tendo recebido em contrapartida a totalidade das ações de emissão da Granóleo de que a Companhia era titular, representativas de 39,934% do capital social total da Granóleo, pelo mesmo preço de R$ 418,31 por lote de mil ações no valor de R$ , e o saldo de contas a pagar da Companhia no valor de R$ IMOBILIZADO E INTANGÍVEL Controladora Tx.Depr % aa Imobilizado Custo Deprec. Líquido Custo Deprec. Líquido Terrenos Reavaliação de terrenos Prédios e construções (47.082) (45.109) ,80 Reavaliação - prédios e construções (77.006) (69.012) ,80 Instalações (31.870) (28.229) ,21 Reavaliação instalações (6.708) (5.530) ,21 Máquinas e equipamentos ( ) ( ) ,37 Reavaliação - máquinas e equipamentos ( ) ( ) ,37 Veículos (4.292) (4.948) Móveis e utensílios (3.322) (3.250) Reavaliação móveis e utensílios 623 (556) (564) Equipamentos de Informática (5.993) (5.179) Máquinas e implementos agrícolas (1.177) (1.248) Avós e matrizes (22.854) (18.922) (*) Reflorestamento (1.775) (1.804) (**) Outros (5.240) (5.612) ,17 Reavaliação outros (3.867) (5.105) ,17 Construções em andamento Total do imobilizado ( ) ( ) Intangível Marcas e patentes Sistemas de informática (2.866) (2.600) Direitos de uso de telefone Total do intangível (2.866) (2.600) ( ) ( ) (*) Depreciação calculada pela estimativa da capacidade produtiva de ovos e crias. O ciclo reprodutivo é de aproximadamente 14 meses no caso de aves e 30 meses no caso de suínos. (**) Exaustão calculada com base na extração de madeira. 37

20 IMOBILIZADO E INTANGÍVEL (continuação) Consolidado Tx.Depr % aa Imobilizado Custo Deprec. Líquido Custo Deprec. Líquido Terrenos Reavaliação de terrenos Prédios e construções (54.733) (68.998) ,80 Reavaliação - prédios e construções (77.006) (69.012) ,80 Instalações (33.851) (32.500) ,21 Reavaliação instalações (6.708) (5.530) ,21 Máquinas e equipamentos ( ) ( ) ,37 Reavaliação - máquinas e equipamentos ( ) ( ) ,37 Veículos (4.760) (5.606) Móveis e utensílios (3.952) (4.151) Reavaliação móveis e utensílios 623 (556) (564) Equipamentos de Informática (6.353) (5.561) Máquinas e implementos agrícolas (1.317) (1.439) Avós e matrizes (41.681) (41.990) (*) Reflorestamento (1.775) (1.804) (**) Outros (5.813) (6.058) ,17 Reavaliação outros (3.867) (5.105) ,17 Construções em andamento Total do imobilizado ( ) ( ) Intangível Marcas e patentes Sistemas de informática (2.960) (2.692) Direitos de uso de telefone Total do intangível (2.960) (2.692) ( ) ( ) (*) Depreciação calculada pela estimativa da capacidade produtiva de ovos e crias. O ciclo reprodutivo é de aproximadamente 14 meses no caso de aves e 30 meses no caso de suínos. (**) Exaustão calculada com base na extração de madeira. Venda de unidade industrial Conforme mencionado na Nota 10, em 29 de junho a Companhia vendeu à Elpaal Participações S.S. Ltda. ( Elpaal ), sendo a operação posteriormente desfeita e repassada à Granóleo S/A, os bens móveis e imóveis relacionados à fábrica esmagadora de soja denominada Farol, localizada no município de Estrela (RS), pelo valor de R$ , valor este suportado por laudo de avaliação elaborado por empresa especializada. Na data da venda, o valor residual dos ativos baixados totalizava R$ , incluindo o valor de R$ referente ao saldo de reavaliação registrada anteriormente, a qual foi estornada em contrapartida da reserva de reavaliação registrada no patrimônio líquido, em razão da descontinuidade da unidade, conforme determina a Deliberação CVM nº 165, de 01 de março de Como conseqüência dessa operação, foi reconhecido um ganho de R$ , registrado como resultado não operacional. Existe penhora sobre bens do imobilizado no valor de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2006) decorrente de débitos que estavam em discussões judiciais e referente a 38

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70

RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RODANA RELÓGIOS S/A C.N.P.J. 22.800.833/0001-70 RELATÓRIO DA DIRETORIA Senhores Acionistas: Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. as Demonstrações Contábeis

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.

Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S. Demonstrações contábeis auditadas ACS - Algar Call Center Service S.A. (anteriormente denominada Engeset Engenharia e Serviços de Telemática S.A) com Parecer dos Auditores Independentes DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013

Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 DUDALINA S/A BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO DE 2014 (Valores expressos em milhares de reais) Ativo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Passivo Nota 30/09/2014 31/12/2013 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. - CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E 2006 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES A BDO International é

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Administradores e Acionistas da MARICULTURA NETUNO S.A. Itapissuma-PE

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Administradores e Acionistas da MARICULTURA NETUNO S.A. Itapissuma-PE PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Administradores e Acionistas da MARICULTURA NETUNO S.A. Itapissuma-PE 1. Examinamos o balanço patrimonial da MARICULTURA NETUNO S.A., levantado em 31 de dezembro

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6

127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6 127$6(;3/,&$7,9$6'$$'0,1,675$d 2 6,1)250$d (675,0(675$,6 ( Em milhares de Reais, exceto as quantidades de ações ) &217(;7223(5$&,21$/ A Companhia se dedica ao comércio de varejo de produtos de consumo,

Leia mais

Parecer dos Auditores Independentes

Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 23 de janeiro de 2002. Aos Administradores e Acionistas Lojas Americanas S. A. 1. Examinamos os balanços patrimoniais das Lojas Americanas S. A. e os balanços patrimoniais

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A.

INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A. INPA INDÚSTRIA DE EMBALAGENS SANTANA S.A. DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Acionistas e Administradores

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008

IESA ÓLEO & GÁS S.A. Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras período findo em 30 de setembro de 2009 e 31 de dezembro de 2008 Conteúdo Balanços Patrimoniais

Leia mais

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011

Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Foz de Jeceaba Engenharia Ambiental S.A. Demonstrações financeiras e relatório dos auditores independentes em 31 de dezembro de 2011 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e 2012 KPDS 81169 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações das mutações do patrimônio líquido 7 Demonstrações

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda

Rodobens Locação de Imóveis Ltda Rodobens Locação de Imóveis Ltda Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes

METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A. Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes METROBUS TRANSPORTE COLETIVO S/A Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2010 e 2009 e o relatório dos auditores independentes 1 Informações gerais A Metrobus Transporte Coletivo S.A., constituída

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma. GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Pro Forma GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. com Parecer dos Auditores Independentes DFC-81 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS PRO FORMA Índice Parecer dos Auditores

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

BICICLETAS MONARK S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O

BICICLETAS MONARK S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) A T I V O BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 A T I V O CIRCULANTE 2013 2012 2013 2012 Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 108.366 121.409 154.076 169.588 Investimentos temporários (Nota 7)

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord

PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord PLANO DE CONTAS REFERENCIAL ECD-ECF EMPRESAS EM GERAL (L100A)- CONTAS PATRIMONIAS (Dt.Inicio: 01/01/14) Número Conta Descrição (Nome da Conta) Ord TipoConta SuperiorGrau Nat 1 ATIVO 1 S 1 1 1.01 ATIVO

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 13 Adoção Inicial da Lei n o 11.638/07 e da Medida Provisória n o 449/08 Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 EXERCÍCIOS EXTRAS 1. a. Preencha os balancetes: 1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 S.DEVEDORES (APLICAÇÕES)............ S.CREDORES (ORIGENS)...... t o t a

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2007 e 2006

Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2007 e 2006 Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2007 e 2006 Índice Parecer dos Auditores Independentes... I Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais... II Demonstrações do Resultado... III

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A.

Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Demonstrações Financeiras Empresa Brasileira de Bebidas e Alimentos S.A. Período de sete meses findo em 31 de julho de 2009 e exercício findo em 31 de com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2011 - CIA CAT. DE ÁGUAS E SANEAMENTO - CASAN Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Fluxo de Caixa 6 Demonstração das Mutações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A.

Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. Demonstrações Financeiras Medise Medicina Diagnóstico e Serviços S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório auditores independentes

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda.

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 7) 1.440 1.112 Fornecedores(Nota 14) 3.537 4.353 Contas a receber

Leia mais

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014

MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 MÁXIMA S/A. CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2014 Crowe Horwath Bendoraytes & Cia. Member of Crowe Horwath International Avenida das Américas, 4200 - Bl.4

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais