OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK"

Transcrição

1 OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DE TABELAS EXP PARA REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÃO NO PÁTIO DE FPK

2 RESUMO Este trabalho tem por finalidade desenvolver um aplicativo, em ambiente Excel, que permita o provimento de soluções otimizadas de programação de intervenções de manutenção nas Tabelas EXP, no pátio de FPK, em Conselheiro Lafaiete, para fins de inspeção periódica e/ou recomposição de tabelas mediante substituição de vagões com restrições técnicas, a partir de parâmetros técnicos pré-estabelecidos, visando maximizar o grau de confiabilidade dessas composições com base no conceito de Tabela Ideal. A proposta deste estudo, portanto, é dotar as equipes responsáveis pela seleção das Tabelas EXP que deverão sofrer intervenção no pátio de FPK, com uma ferramenta de otimização, ágil e precisa, que as auxilie na tomada de decisão, não só quanto à agenda diária ideal de paradas de manutenção, mas também quanto à melhor utilização dos vagões disponíveis para substituição.

3 1. INTRODUÇÃO As ferrovias sempre se constituíram num dos principais fatores de modernidade desde seu aparecimento no século XIX, pois, ao encurtar as distâncias e facilitar as comunicações, alteraram profundamente as relações econômicas e sociais entre os povos (Setti, 2008). O modal ferroviário no Brasil se caracteriza pelo transporte de grandes volumes de produtos com baixo valor agregado, de modo que as empresas ferroviárias visam eficiência operacional para alcançar resultados financeiros satisfatórios ao mesmo tempo em que precisam atender às necessidades dos embarcadores (Leal Junior et al., 2010). Quando os gerentes se veem diante de uma situação na qual uma decisão deve ser tomada entre uma série de alternativas conflitantes e concorrentes, duas opções básicas se apresentam: (1) usar apenas a intuição gerencial; e (2) realizar um processo de modelagem da situação e exaustivas simulações dos mais diversos cenários, de maneira a estudar mais profundamente o problema (Lachtermacher, 2009). Como a maior parte da receita da empresa objeto deste trabalho provém dos trens com composição fechada de transporte de minério de ferro para exportação - as Tabelas EXP -, estes geralmente têm prioridade em relação às demais composições. Além disso, como a confiabilidade desses ativos se constitui em um dos principais fatores da produtividade da companhia, cabe aos programadores do PCM (Planejamento e Controle da Manutenção), órgão responsável pela sua manutenção, alocar, às Tabelas EXP, os vagões que apresentem o menor risco de falha, de forma a minimizar paralisações e acidentes. Para manter o grau de confiabilidade das Tabelas EXP que chegam ao pátio de FPK, em Conselheiro Lafaiete, torna-se necessária a substituição dos vagões avariados, ou com alta pontuação (índice que mensura as restrições técnicas de cada vagão), por vagões do pulmão (conjunto de vagões, com pontuação nula, disponível para substituição), para que a tabela possa prosseguir completa. Assim, conhecidas a pontuação de cada vagão, a situação de cada Tabela EXP e a disponibilidade de vagões do pulmão, cabe ao programador do PCM decidir: (a) quais tabelas deverão ser selecionadas para manutenção; e (b) quais vagões deverão ser substituídos. Além disso, como a oficina do pátio de FPK trabalha com foco no reparo de vagões dos tipos que serão necessários às Tabelas EXP, é fundamental que a agenda de chegada de tabelas e de substituição de vagões esteja disponível com o máximo de antecedência possível, para que haja pulmão suficiente para atender à demanda e, assim, garantir o nível de confiabilidade desejado. Com intuito de melhorar o grau de confiabilidade das Tabelas EXP, foi realizado um estudo de engenharia para mapear as principais restrições técnicas que comprometem essas composições e criados relatórios do sistema da manutenção com todas essas informações. É a partir desses relatórios que os programadores do PCM analisam de que forma e em quais tabelas deverão atuar prioritariamente. Portanto, os programadores do PCM precisam dispor de uma ferramenta de trabalho que possibilite não só a visualização clara e precisa das condições técnicas das Tabelas EXP e da respectiva previsão de chegada ao longo do dia, mas também o planejamento, da forma rápida, criteriosa, eficaz e padronizada, do agendamento ótimo de paradas de trens no pátio de FPK para inspeção e/ou substituição de vagões. A Figura 1 a seguir mostra dois trens com vagões de minério.

4 Figura 1: Trens com vagões de minério O escopo deste trabalho é, portanto, a partir das informações disponíveis no sistema da empresa, do conceito de Tabela Ideal adiante apresentado e dos critérios definidos pela engenharia para melhoria da confiabilidade das tabelas, oferecer aos programadores do PCM uma ferramenta que os auxilie na tomada de decisão, de forma antecipada e planejada, quanto à melhor agenda de manutenção para o dia. Este processo funciona conforme ilustrado na Figura 2 abaixo: Figura 2: Entradas e saídas do processo de programação Além disso, a ferramenta deverá possibilitar visualização gráfica de longo prazo dos impactos ocasionados na circulação/operação de trens vazios (sentido carregamento), causados pelas paradas no pátio de FPK, de forma a permitir que, a partir da identificação de possíveis gargalos (falta de pulmão, filas nas linhas de inspeção e de Programação de Atividades de Trens - PAT, congestionamento do pátio), o PCM possa articular com as áreas de Operação (CCO, PPCO e Estações), a oficina e o pátio de FPK, estratégias que minimizem as perdas de produtividade decorrentes dos transtornos causados à circulação de trens nos pontos de carga. 2. A TABELA IDEAL Muitos problemas operacionais, na gestão logística, surgem porque nem todos os impactos de decisões específicas, diretas e indiretas, são levados em consideração ao longo dos sistemas corporativos. É muito comum decisões tomadas em uma área ocasionarem, em outras, resultados não previstos (Christopher, 2007).

5 A Manutenção Centrada em Confiabilidade (MCC) é um processo alternativo de manutenção que é utilizado para definir a abordagem mais efetiva para a manutenção visando aumentar a operacionalidade dos equipamentos, melhorar a segurança e reduzir os custos de manutenção (ReliaSoftBrasil, 2010). A produtividade do trabalhador do conhecimento quase sempre irá exigir que o trabalho em si seja reestruturado e tornado parte de um sistema (Drucker, 2001). Com isso, surgiu o conceito da Tabela Ideal, em julho de 2010, devido à necessidade de se ter composições operando com alto grau de confiabilidade e previsibilidade nos ciclos de carga e descarga, de forma a melhor atender às necessidades dos clientes internos e externos. O processo de implantação do conceito de Tabela Ideal vem sendo disseminado e coordenado pelo PCM (cuja missão é selecionar os melhores vagões para formar e controlar as Tabelas EXP da companhia), em conjunto com as áreas da Operação (PCO, CCO e estações), Oficinas de Manutenção e Engenharia. 2.1 Critérios Utilizados na Formação das Tabelas EXP Ao iniciar a formação de uma Tabela EXP devem ser observados os seguintes critérios: A composição deve possuir 134 vagões (tabelas com vagões GDT exportação); Verificar qual tipo de vagão compõe a tabela (130 toneladas/120 toneladas ou mista); Verificar a disponibilidade do pulmão correto para a tabela (vagão ideal); Verificar a pontuação global da tabela. A pontuação global de cada tabela é avaliada a partir da soma dos pontos atribuídos a cada um de seus vagões, conforme os critérios definidos pela engenharia apresentados a seguir: Agenda de Manutenção (Preventiva): somar 6 pontos para agenda vencida, mais 0,01 ponto/vagão, por dia de atraso; Agenda de Manutenção (Inspeção): somar 1 ponto para agenda vencida mais 0,01 ponto/vagão, por dia de atraso; Ocorrências de Tráfego: de acordo com o tipo será atribuído da seguinte forma: Railbam (detector de vibração em caixa de rolamento): somar 15 pontos. Shelling (imperfeições apresentadas na pista de rolamento da roda): somar 10 pontos quando for SEVERO; somar 6 pontos quando for MÉDIO; somar 3 pontos quando for LEVE. Wheel Flat (roda calejada): somar 1 ponto por roda, quando for 1; somar 0,75 ponto por roda, quando for 2 por vagão. Restrição (ocorrência que não impede o vagão de circular, mas restringe sua operação): somar 5 pontos se Isolado; somar 1 ponto para as demais. Reforço de Cauda (aparelhos de choque que sofreram reforço em sua estrutura): somar 5 pontos. Drenos (Saída de água da caixa do vagão posicionados corretamente): somar 8 pontos. HBD2 (Detector preventivo de alarme de tendência de problemas em rolamentos): somar 15 pontos.

6 A Figura 3 a seguir ilustra os critérios acima descritos e sua respectiva pontuação: Figura 3: Sistema para controle de pontuação de tabela As Tabelas EXP são classificadas de acordo com a sua pontuação global (calculada de acordo com os critérios acima definidos), conforme ilustrado no Quadro 1 a seguir: Cor Classificação Pontuação Global Verde Ouro 0 Azul Ideal 1 a 300 Amarelo Quase Ideal 301 a 800 Vermelho Crítica Acima de 800 Quadro 1: Classificação das Tabelas EXP 2.2 Fluxo das Responsabilidades no Processo de Formação das Tabelas EXP Figura 4: Fluxo do processo de formação das Tabelas EXP

7 Um processo pode ser definido, de forma sucinta, como um conjunto de causas que têm como objetivo produzir um determinado efeito, o qual é denominado produto do processo. Um processo pode ser dividido em uma família de causas: insumos, equipamentos, informações do processo ou medidas, condições ambientais, pessoas e métodos ou procedimentos (Werkema, 2006). Com base nos conceitos e critérios estudados, foi formulado um fluxo de processo de forma a estabelecer claramente as atribuições de cada área, conforme ilustrado na Figura 4 acima. 3. O ATUAL PROCESSO DE PROGRAMAÇÃO DE PARADAS DAS TABELAS EXP A cada dia, um programador do PCM fica responsável por verificar a situação dos trens que estão a retornar vazios, com o objetivo de selecionar e cadenciar as tabelas que deverão sofrer parada no pátio de FPK para inspeção periódica e/ou substituições de vagões com restrições técnicas. Para tanto, no começo de cada dia, o programador PCM importa e analisa planilhas do Sistema de Logística da empresa - Sislog, totalizando cerca de linhas de dados detalhados, contendo número de identificação, prefixo, localização, posição, pontuação, quantidade vagões etc., de cada uma das tabelas que passarão pelo pátio de FPK. De posse desses dados, o programador procura por oportunidades de troca de vagões entre as tabelas e o pulmão do pátio de FPK, com os objetivos de retirar de circulação vagões avariados, ou com restrição de isolamento elevada e de diminuir ao máximo a pontuação global das tabelas, com o mínimo possível de impacto na circulação de trens nos pontos de carga. Durante o dia de trabalho, o programador PCM precisa acessar periodicamente o Sislog e importar novas planilhas para verificar, trem a trem, se houve alguma alteração de situação ou dos horários previstos de chegada, que justifique rever o agendamento de paradas programado. Esse processo, porém, além de moroso e de restringir o conhecimento apenas aos indivíduos que nele atuam, é realizado de forma não padronizada, isto é, situações análogas ou semelhantes produzem ações diferenciadas, de acordo com a percepção de cada programador. 3.1 Melhoria no Processo Através da aplicação descrita no item 4 a seguir, os programadores terão à disposição uma ferramenta capaz de tratar rapidamente a massa de informações oriunda do Sislog, e calcular, de forma padronizada e de acordo com critérios pré-definidos, a solução ideal (otimizada) de quais Tabelas EXP deverão ter a parada para manutenção em FPK negociadas com o CCO. 4. A APLICAÇÃO Os cálculos estatísticos, já facilitados pelas calculadoras, ficaram ainda mais simples com a popularização dos computadores pessoais, que também permitem o armazenamento e o transporte dos resultados, em forma impressa ou não. Surgiram vários aplicativos específicos para se lidar com a estatística, mas um software destinado especificamente para este fim, a planilha eletrônica Excel, revelou-se um aplicativo computacional poderoso que permite cálculos estatísticos relativamente complexos (Lopes, 1999). O aplicativo objeto deste trabalho, criado no Microsoft Office Excel 2010, tem por finalidade auxiliar os programadores do PCM na tomada de decisões, a partir de critérios extraídos do conceito de Tabela Ideal e tendo como base de dados planilhas importadas dos sistemas EBS Oracle e Sislog. A Figura 5 a seguir ilustra uma das planilhas que compões essa base de dados, com mais de linhas de registros, gerada a partir da planilha Pontuação de Vagão na Tabela, importada do Sislog.

8 Figura 5: Tela Controle de Vagões em Tabelas A partir da base de dados gerada, as Tabelas EXP são apresentadas em ordem crescente do horário previsto de chegada em FPK, no período analisado, identificadas pelo número e pela cor de classificação de acordo com a respectiva pontuação global, e com as respectivas restrições técnicas de maior relevância, na forma de painel para facilitar a visualização (Figura 6). À esquerda desse painel (Figura 6), são informados os dados relativos à população de vagões em FPK, por tipo (Pátio, Pulmão, Oficina e Trem), o que permite uma clara visualização da disponibilidade imediata de vagões, bem como da possível evolução do pulmão durante o dia, ou seja, quantos vagões chegam à oficina, quantos entram na produção e quantos poderão vir a estar disponíveis em algum momento do dia. Figura 6: Tela Situação das Tabelas EXP

9 A partir da tela ilustrada na figura anterior, a aplicação gera a tela Agenda Otimizada de Parada de Tabelas EXP (Figura 7), a partir da qual o programador poderá, antecipadamente, negociar com o CCO a melhor decisão quanto às tabelas que deverão ser programadas para parar em FPK. Conforme a conveniência operacional do CCO, o programador poderá recalcular outros cenários através da combinação das funcionalidades Excluir Tabela e Excluir Vagão. Figura 7: Tela Agenda Otimizada de Parada de Tabelas EXP 5. O MODELO MATEMÁTICO A seguir é apresentado o algoritmo de análise de pontuação de tabelas e de vagões desenvolvido para servir de suporte à aplicação objeto do presente trabalho. 5.1 Objetivo Observadas as restrições operacionais e os critérios de decisão adiante formulados, o aperfeiçoamento procurado deverá resultar na minimização da quantidade de vagões selecionados para substituição, isto é, do agendamento de paradas de tabelas em FPK. 5.2 Atributos Especificados no Quadros 2 a seguir, representam as características técnicas, em ordem decrescente de relevância, para a avaliação da conveniência e/ou necessidade de se programar a parada de uma determinada Tabela EXP para substituição e/ou inspeção de um ou mais vagões. Atributos de Tabelas Atributos de Vagões Atributo Descrição Atributo Descrição Pontuação Avariado Condição de Avariado Pontuação % Isolado Pontuação de Restrição Pontuação global Pontuação global Pontuação % Agenda Vencida Pontuação Agenda Vencida Quadro 2: Atributos de Tabelas e de Vagões 5.3 Critérios de Decisão Relacionados no Quadro 3 a seguir, especificam as condições necessárias e suficientes para que a parada de uma Tabela EXP seja programada, bem como as respectivas ações a serem tomadas.

10 Critérios de Decisão Critério Descrição Requisito Ação 1 Tabela EXP com Parada obrigatória. Substituir todos os vagões na condição de "Avariado". 2 Tabela EXP com (% Substituir todos os vagões com Parada obrigatória. Isolado de referência) pontuação de "Restrição" = 5. 3 Tabela EXP com Disponibilidade de Substituir os vagões com maior (Pontuação limite de referência) vagões. pontuação até que. 4 Tabela EXP com (% Conveniência Executar conserva de inspeção de Agenda Vencida de referência) operacional. periódica. Quadro 3: Critérios de Decisão 5.4 Variáveis de Decisão Considerando como a i-ésima tabela do conjunto de Tabelas EXP a ser analisado, as variáveis de decisão e respectivas atribuições de valor são definidas como se segue: Variáveis de Decisão: = j-ésimo vagão de ; Tipo de Variável : binária => ; Atribuições de valor: é ignorada; é selecionada para manutenção. 5.5 Função Objetivo Considerando os objetivos, atributos e variáveis de decisão acima definidos, a Função Objetivo toma a seguinte forma: 5.6 Restrições A seguir formuladas, pressupõem que: (a) as tabelas estão organizadas em ordem crescente de chegada em FPK; e (b) as variáveis de decisão estão organizadas em ordem decrescente dos valores de seus respectivos atributos, isto é, da pontuação global dos vagões no âmbito de cada tabela Atendimento ao Critério de Decisão 1: Tabela EXP com Vagão Avariado A condição de Vagão Avariado é estabelecida pela atribuição de valores binários a se segue:, para vagões na condição de Avariado ;, demais casos. (1), como Como esse critério força a seleção dos vagões se, as inequações necessárias ao atendimento dessa condição, uma para cada vagão, tomam a seguinte forma: onde : valor do atributo referente ao vagão Atendimento ao Critério de Decisão 2: Tabela EXP com o atributo Analogamente à restrição anterior, a identificação dos vagões que deverão ser selecionados também é estabelecida mediante atribuição de valores binários a, como se segue:, para vagões com pontuação de Restrição 5;, demais casos. (2)

11 Como esse critério também força a seleção dos vagões se, as inequações necessárias ao atendimento dessa condição, uma para cada vagão, tomam a seguinte forma: onde : valor do atributo referente ao vagão Atendimento ao Critério de Decisão 3: Tabela EXP com o atributo Neste caso, é necessário combinar o atendimento simultâneo às seguintes condições: (a) substituir os vagões com pontuação > 0 até que ; e (b) dentre os vagões com pontuação > 0, selecionar aqueles com maior pontuação. As inequações para atendimento à condição (a), uma para cada tabela forma: onde : pontuação global do vagão ; : pontuação global da tabela. : pontuação de referência; (3), tomam a seguinte Considerando a ordenação decrescente dos valores de e a necessidade de introdução de um fator que anule conflitos com as inequações (2) e (3), as inequações para atendimento da condição (b), uma para cada par de vagões,, tomam a seguinte forma: onde : pontuação global do vagão ; : pontuação global do vagão ; : valor do atributo referente ao vagão. : valor do atributo referente ao vagão Atendimento ao Critério de Decisão 4: Tabela EXP com o atributo Neste caso, como não há a necessidade de previsão de substituição de vagões, isto é, de comprometimento do pulmão de FPK, o modelo não requer tratamento matemático específico. A aplicação apenas alerta o programador do PCM quanto às tabelas elegíveis para inspeção periódica, cabendo ao CCO a determinação final da conveniência, ou não, da parada em FPK Restrição de Disponibilidade de Vagões Neste caso, a quantidade máxima de vagões selecionados por quaisquer critérios, deve ser limitada à quantidade de vagões disponíveis para substituição no pátio de FPK. Como decorrência, a inequação para atendimento desta condição toma a seguinte forma: onde : quantidade de vagões disponíveis para substituição (pulmão) em FPK. Caso a demanda máxima esperada de vagões seja >, as inequações (4) são anuladas, em ordem decrescente do horário de chegada das tabelas, até que a inequação (6) seja satisfeita, e o programador é alertado de que o pulmão de FPK não é suficiente para atender à demanda (Ver Apêndice Simulação do Modelo Matemático, ao final do trabalho). (4) (5) (6)

12 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir do presente estudo, verifica-se que a utilização das técnicas de Manutenção Centrada em Confiabilidade definidas pela engenharia para aplicação no processo, aliadas às técnicas de otimização, permite considerável melhoria das condições de confiabilidade das Tabelas EXP. Também em relação a custos haverá expressivo retorno para a empresa, na medida em que a otimização e a padronização do processo de agendamento reduzirá o índice de parada de tabelas e, por extensão, de interferências danosas à circulação das composições, oferecendo resultados mais consistentes com o trabalho executado pelos programadores PCM. Apesar de ainda pouco disseminado no setor ferroviário, observa-se que aplicativos desenvolvidos em ferramentas acessíveis aos usuários podem, a baixo custo, trazer resultados satisfatórios para a empresa, bem como servir de base para o desenvolvimento de soluções amigáveis para processos complexos. Apesar de suas limitações, o Microsoft Excel 2010 demonstrou ter as condições necessárias e suficientes para gerar os resultados esperados. Além de universalmente conhecida e acessível a todos os envolvidos no processo, é uma ferramenta que permite a criação e a manutenção, forma ágil, de aplicações totalmente integradas com os demais recursos da plataforma Office. Embora ainda em fase de desenvolvimento, o protótipo da ferramenta já apresenta resultados satisfatórios no tratamento do processo estudado. Quando concluída, espera-se que seja amplamente utilizada no processo de programação de parada de trens. Finalizando, embora este trabalho represente um estudo de caso, acredita-se que a metodologia de otimização aqui proposta possa ser utilizada em qualquer processo semelhante de programação de paradas de manutenção de ativos rodantes ferroviários. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Christopher, Martin (2007). Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (2 a ed.). Thomson Learning, São Paulo. Drucker, P. (2001). Desafios Gerenciais para o Século XXI. Pioneira Thomson Learning, São Paulo. Lachtermacher, Gerson (2009). Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Pearson Prentice Hall, São Paulo. Leal, J, I.; Garcia, P. e Teodoro, P. Avaliação do desempenho das ferrovias brasileiras sob a ótica do embarcador e do operador. Anais do XXIV Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes, ANPET, Salvador. Lopes, P. A (1999). Probabilidades e Estatística. Reichmann & Affonso Editores, Rio de Janeiro. McFedries, P. (2005). Fórmulas e Funções com o Microsoft Excel. Editora Ciência Moderna Ltda, Rio de Janeiro. ReliaSoftBrasil (2010). Treinamento: Manutenção Centrada em Confiabilidade. Rio de Janeiro. Tavares, L. A. (1996). Excelência na Manutenção: Estratégias, Otimização e Gerenciamento (2 a ed.). Casa da Qualidade, Salvador. Werkema, M. C. C. (2006) Ferramentas Estatísticas Básicas para o gerenciamento de processos (1 a ed.). Werkema, Minas Gerais.

13 Apêndice - Simulação do Modelo Matemático Dada a limitação de espaço, a seguir são apresentadas apenas as telas mais representativas dos resultados de uma simulação, em escala, do modelo matemático formulado no item 5, calculado através da ferramenta Solver, para uma situação de 3 tabelas, com 10 vagões cada uma: 1. Tela de Parâmetros do Solver (Figura 8) Figura 8: Tela de Parâmetros do Solver 2. Variáveis de Decisão e Parâmetros de Restrição (Figura 9) Figura 9: Variáveis de Decisão e Parâmetros de Restrição

14 3. Critério de Decisão 1: Tabela EXP com Vagão Avariado (Figura 10) Figura 10: Critério de Decisão 1: Tabela EXP com Vagão Avariado 4. Critério de Decisão 3: Tabelas com Pontuação Global Elevada (Figura 11) Figura 11: Critério de Decisão 3: Tabelas com Pontuação Global Elevada A desvantagem da programação linear e da não linear é que a solução manual de um problema simples é complicada, antiga e gastadora de tempo nos negócios. Em outras palavras, é um trabalho perfeito para ser dado a um computador. O Solver é um programa de otimização sofisticado, que permite encontrar as soluções de problemas complexos que, de outra forma, exigiriam uma análise matemática de alto nível (McFedries, 2005).... o...

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE TABELA IDEAL PARA OTIMIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE TRENS

APLICAÇÃO DO CONCEITO DE TABELA IDEAL PARA OTIMIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE TRENS APLICAÇÃO DO CONCEITO DE TABELA IDEAL PARA OTIMIZAÇÃO DA CIRCULAÇÃO DE TRENS RESUMO Atualmente, todas as organizações estão focadas na minimização dos custos peracionais e na ferrovia não é diferente.

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA

A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA A UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NO ENSINO DA DISCIPLINA DE ENGENHARIA ECONÔMICA Álvaro Gehlen de Leão Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento

Leia mais

Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox

Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox ARTIGO Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox Robson de Abreu Sirtoli, Carlos Magno Carvalho de Souza*, Jacqueline Ângela Gobbo Sossai Departamento

Leia mais

Sistema de Gestão de Vagões

Sistema de Gestão de Vagões Sistema de Gestão de Vagões 2 Resumo Para os profissionais da área de programação, gerenciar a manutenção em mais de 3000 vagões por mês, não é tarefa fácil. O desafio é sistematizar cada informação a

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Pesquisa Operacional na tomada de decisão Referencia LACHTERMACHER, Gerson. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões: modelagem em Excel. 2ªed. Elsevier. 2004 Problemas

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Parametrização de Alarmes Hot Wheel

Parametrização de Alarmes Hot Wheel Parametrização de Alarmes Hot Wheel 1º Fellipe Castro Barbosa Costa*, 2ºNilton de Freitas Gerencia de Engenharia de Material Rodante, Avenida Brasil, 2001 36060-010 Juiz de Fora - MG e-mail: 1º fellipe.castro@mrs.com.br

Leia mais

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos

Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Aspectos Teóricos e Computacionais do Problema de Alocação de Berços em Portos Marítmos Flávia Barbosa Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) flaflabarbosa0@gmail.com Antônio Carlos Moretti Universidade

Leia mais

Alarme de Tendência Hot Wheel

Alarme de Tendência Hot Wheel Alarme de Tendência Hot Wheel 1º Nilton de Freitas 1 *, º Eduardo Campolina Martins Siano 1, 3º Fellipe Castro Barbosa Costa 1 1 Gerencia de Engenharia de Material Rodante, Avenida Brasil, 1 366-1 Juiz

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS Márcio José Camargo Rosalia Naomi Oyakawa 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS Categoria 3

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS

OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS OTIMIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA USINAGEM DE RODEIROS DE LOCOMOTIVAS RESUMO Atualmente, a preocupação com custos é fundamental em todos os processos, e na ferrovia, um dos principais está relacionado

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária OBJETIVO Este artigo tem como objetivo apresentar uma metodologia para o cálculo da capacidade de um trecho

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Lista 2 - Modelos determinísticos

Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 A Companhia Ferroviária do Brasil (CFB) está planejando a alocação de vagões a 5 regiões do país para

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Microsoft Project 2003

Microsoft Project 2003 Microsoft Project 2003 1 [Módulo 4] Microsoft Project 2003 2 Definindo durações Inter-relacionamentorelacionamento Caminho crítico Microsoft Project 2003 3 1 Duração das Atividades Microsoft Project 2003

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios.

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios. DESCRITIVO DE SERVIÇOS Serviço Advantage O Serviço Advantage é uma oferta de suporte que proporciona assistência técnica telefônica prioritária 24x7 para clientes de porte médio e corporativos que tenham

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR

O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR O USO DA FERRAMENTA SOLVER DO EXCEL NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO LINEAR João Batista de Jesus FATEC-JAHU Célio Favoni 2 FATEC-JAHU Resumo Este trabalho expõe de maneira sintetizada as funcionalidades

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO

INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO INTEGRAÇÃO DE DADOS PARA CONTROLE DA FISCALIZAÇÃO DE MERCADORIAS EM TRÂNSITO Authors: LEONARDO OLIVEIRA MENESES Auditor Fiscal da Receita Estadual Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás Realization:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução

SP 01/07/92 NT 149/92. Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO. Introdução SP 01/07/92 NT 149/92 Gerenciamento de Eventos Não Programados: Sala de Estratégias. Eng.º Edélcio Meggiolaro - GCO Introdução Em 1991, a CET através das Gerências de Engenharia de Tráfego operou 400 Km

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes ICOL Versão 12.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Escopo...2 2. Implementações...2 CR3085 Restrição de Ambientes...3 CR3091 Restrição de Intervalos...9 CR3096 Períodos...10 CR3111 Curvas Histórico...11

Leia mais

SisDEA Home Windows Versão 1

SisDEA Home Windows Versão 1 ROTEIRO PARA CRIAÇÃO E ANÁLISE MODELO REGRESSÃO 1. COMO CRIAR UM MODELO NO SISDEA Ao iniciar o SisDEA Home, será apresentada a tela inicial de Bem Vindo ao SisDEA Windows. Selecione a opção Criar Novo

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Seminário Negócio nos Trilhos 2009 - São Paulo - 11.nov.2009

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Análise da dinâmica do transporte ferroviário de minério visando a eficiência da programação de trens: o caso da MRS Logística S.A.

Análise da dinâmica do transporte ferroviário de minério visando a eficiência da programação de trens: o caso da MRS Logística S.A. XXVI ENEGEP - Fortaleza, E, Brasil, 9 a de Outubro de 6 Análise da dinâmica do transporte ferroviário de minério visando a eficiência da programação de trens: o caso da MRS Logística S.A. Fernando Marques

Leia mais

VentiSilva Corporation Integração e Automação dos Sistemas de Compras e Vendas

VentiSilva Corporation Integração e Automação dos Sistemas de Compras e Vendas VentiSilva Corporation Integração e Automação dos Sistemas de Compras e Vendas Case elaborado por: Andreia Yuka Isoda Fernando C. Rabelo Tavares Flávio Morelli Esper José Roberto dos Santos Maria Cássia

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO

CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO 3.1 PLANO DE MANUTENÇÃO CAPÍTULO 3 PLANO DE MANUTENÇÃO O Plano de Manutenção é composto pelas oito ferramentas abaixo representadas. É feito via web, pelo software Leankeep. 3.2 SOFTWARE O software, a

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO PARA A REDE LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO PARA A REDE LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO PARA A REDE LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE PETRÓLEO E SEUS DERIVADOS Introdução Aluno: Ivan Campello Lopes Orientador: Silvio Hamacher A rede logística brasileira

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais