CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011"

Transcrição

1 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA (Caso exista):

2 CONTRIBUIÇÕES RECEBIDAS IMPORTANTE: Os comentários e sugestões referentes às contribuições deverão ser fundamentados e justificados, mencionando-se os artigos, parágrafos e incisos a que se referem, devendo ser acompanhados de textos alternativos e substitutivos quando envolverem sugestões de inclusão ou alteração, parcial ou total, de qualquer dispositivo. TEXTO/ANEEL Garantias Financeiras Linha de Comando 7 7. O Total de Lastro Físico do agente é obtido, por submercado, pela soma do Lastro Físico Ajustado de suas usinas, para o mês de referência, de acordo com a seguinte expressão: TEXTO/INSTITUIÇÃO Garantias Financeiras Linha de Comando 7 7. O Total de Lastro Físico do agente é obtido, por submercado, pela soma do Lastro Físico Ajustado de suas usinas, para o mês de referência, de acordo com a seguinte expressão: JUSTIFICATIVA / INSTITUIÇÃO TLFIS_CG a,s,m,mg é o Total de Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para o mês de referência mg LFIS_CG_AD p,m,mg é o Lastro Físico ajustado para Cálculo da Garantia Financeira, com base na programação de despacho do ONS para operação do sistema da parcela de usina p no mês de apuração m para cada mês de referência mg. mg é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês TLFIS_CG a,s,m,mg é o Total de Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para o mês de referência mg LFIS_CG_AD p,m,mg é o Lastro Físico ajustado para Cálculo da Garantia Financeira, com base na programação de despacho do ONS para operação do sistema da parcela de usina p no mês de apuração m para cada mês de referência mg. mg é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês Aplicar ao agente comercializador da energia de Itaipu e do Proinfa mesmo tratamento adotado para as Distribuidoras, ou seja, a garantia financeira para o agente ACEI e ACEP somente será calculada para os meses m-1 e m. Importante: O lastro físico para cálculo da garantia financeira do mês de referência de m+1 a m+4 não se aplica ao Agente Comercializador da Energia de Itaipu, nem ao Agente Comercializador da Energia do Proinfa, tendo em vista que estes não aportam garantias financeiras para esses meses. 2

3 Garantias Financeiras Linha de Comando A posição líquida de contratos equivale à diferença entre os contratos de venda e de compra registrados e validados para cada agente e por tipo de contrato, sendo que os valores positivos indicam posição deficitária (mais venda que compra) e valores negativos indicam posição superavitária (mais compra que venda) A posição líquida de contratos por agente em cada submercado no período de comercialização será determinada para cada tipo de contrato, a partir das expressões que seguem: Garantias Financeiras Linha de Comando A posição líquida de contratos equivale à diferença entre os contratos de venda e de compra registrados e validados para cada agente e por tipo de contrato, sendo que os valores positivos indicam posição deficitária (mais venda que compra) e valores negativos indicam posição superavitária (mais compra que venda) A posição líquida de contratos por agente em cada submercado no período de comercialização será determinada para cada tipo de contrato, a partir das expressões que seguem: Aplicar ao agente comercializador da energia de Itaipu e do Proinfa mesmo tratamento adotado para as Distribuidoras, ou seja, a garantia financeira para o agente ACEI e ACEP somente será calculada para os meses m-1 e m. PCL_CCEAL_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos CCEAL por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência 3G QM_CCEAL_CG e,m,3g é a Quantidade Mensal do CCEAL para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e no mês de apuração m para cada mês de referência 3G PCL_CCEAR_CG a,s,m,3g é a Posição Contratual Líquida dos CCEARs por perfil de agente a, por submercado s, para o mês de apuração m, para cada mês de referência 3G PCL_CCEAL_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos CCEAL por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência mg QM_CCEAL_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do CCEAL para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e no mês de apuração m para cada mês de referência mg PCL_CCEAR_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos CCEARs por perfil de agente a, por submercado s, para o mês de apuração m, para cada mês de referência mg 3

4 QM_CCEAR_CG e,m,4g é a Quantidade Mensal do CCEAR para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência 4G PCL_IT_CG a,s,m,4g é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de Itaipu por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência 4G QM_IT_CG e,m,4g é a Quantidade Mensal do Contrato de Itaipu para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para cada mês de referência 4G PCL_PFA_CG a,s,m,4g é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de PROINFA por agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência 4G QM_PFA_CG e,m,4g é a Quantidade Mensal do Contrato de PROINFA para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e no mês de apuração m para cada mês de referência 4G PCL_CLA_CG a,s,m,4g é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de Leilão de Ajuste por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência 4G QM_CLA_CG e,m,4g é a Quantidade Mensal do Contrato de Leilão de Ajuste para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência 4G PCL_CER_CG a,s,m,4g é a Posição Contratual Líquida dos CERs por perfil de agente a, por submercado s, para o mês de apuração m, para cada mês de referência 4G QM_CER_CG e,m,4g é a Quantidade Mensal do CER para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência 4G 4G é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês EVSA é o Conjunto de Contratos de Venda do perfil de agente a no submercado s ECSA é o Conjunto de Contratos de Compra do perfil de agente a no submercado s QM_CCEAR_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do CCEAR para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência mg PCL_IT_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de Itaipu por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência mg QM_IT_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do Contrato de Itaipu para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para cada mês de referência mg PCL_PFA_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de PROINFA por agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência mg QM_PFA_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do Contrato de PROINFA para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e no mês de apuração m para cada mês de referência mg PCL_CLA_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos Contratos de Leilão de Ajuste por perfil de agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência mg QM_CLA_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do Contrato de Leilão de Ajuste para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência mg PCL_CER_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida dos CERs por perfil de agente a, por submercado s, para o mês de apuração m, para cada mês de referência mg QM_CER_CG e,m,mg é a Quantidade Mensal do CER para o Cálculo da Garantia Financeira do contrato e do mês de apuração m para o mês de referência mg mg é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês EVSA é o Conjunto de Contratos de Venda do perfil de agente a no submercado s ECSA é o Conjunto de Contratos de Compra do perfil de agente a no submercado s 4

5 Importante: A posição líquida contratual para os meses de referência de m+1 a m+4 não se aplica às Concessionárias de Distribuição, tendo em vista que estes agentes não aportam garantias financeiras para esses meses. Importante: A posição líquida contratual para os meses de referência de m+1 a m+4 não se aplicam às Concessionárias de Distribuição, nem ao Agente Comercializador da Energia de Itaipu nem ao Agente Comercializador da Energia do Proinfa, tendo em vista que estes agentes não aportam garantias financeiras para esses meses. Garantias Financeiras Linha de Comando O Balanço Energético (Figura 4) para fins de cálculo de garantia financeira do agente corresponde ao total de lastro físico abatido do requisito físico e da posição contratual líquida total, no qual os valores positivos indicam posição superavitária (maior lastro que requisito) e valores negativos indicam posição deficitária (maior requisito que lastro), passível de aporte de garantia financeira O Balanço Energético calculado por agente, para cada mês de referência, com exceção das distribuidoras que será determinado apenas para o mês de apuração, será dado pela expressão que segue: Garantias Financeiras Linha de Comando O Balanço Energético (Figura 4) para fins de cálculo de garantia financeira do agente corresponde ao total de lastro físico abatido do requisito físico e da posição contratual líquida total, no qual os valores positivos indicam posição superavitária (maior lastro que requisito) e valores negativos indicam posição deficitária (maior requisito que lastro), passível de aporte de garantia financeira O Balanço Energético calculado por agente, para cada mês de referência, com exceção das distribuidoras que será determinado apenas para o mês de apuração, será dado pela expressão que segue: Aplicar ao agente comercializador da energia de Itaipu e do Proinfa mesmo tratamento adotado para as Distribuidoras, ou seja, a garantia financeira para o agente ACEI e ACEP somente será calculada para os meses m-1 e m. BAL_CG a,s,m,mg é o Balanço Energético para Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para cada mês de referência mg TLFIS_CG a,s,m,mg é o Total de Lastro Físico do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para cada mês de referência mg REQFIS_CG a,s,m,mg é o Requisito Físico para o Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, no submercado s do mês de apuração m para cada mês de referência mg PCLF_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida Final para Cálculo da Garantia Financeira por agente a, por submercado s, no mês de BAL_CG a,s,m,mg é o Balanço Energético para Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para cada mês de referência mg TLFIS_CG a,s,m,mg é o Total de Lastro Físico do perfil de agente a, por submercado s no mês de apuração m para cada mês de referência mg REQFIS_CG a,s,m,mg é o Requisito Físico para o Cálculo da Garantia Financeira do perfil de agente a, no submercado s do mês de apuração m para cada mês de referência mg PCLF_CG a,s,m,mg é a Posição Contratual Líquida Final para Cálculo da 5

6 apuração m, para cada mês de referência mg mg é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês Garantia Financeira por agente a, por submercado s, no mês de apuração m, para cada mês de referência mg mg é o mês de referência para cálculo da garantia financeira cujo valor inicial é igual ao mês de apuração m e valor final é igual ao mês m+4, com incremento de um mês Representação Gráfica Horizonte de Garantia (6 meses) M -1 M M +1 M +2 M + 3 M + 4 JAN FEV MAR ABR MAI JUN Representação Gráfica Horizonte de Garantia (6 meses) M -1 M M +1 M +2 M + 3 M + 4 JAN FEV MAR ABR MAI JUN Mês de Apuração (m) Mês de Referência (mg) Figura 1 - Representação gráfica do horizonte de varredura do mês de referência Importante: O balanço energético para o cálculo da garantia financeira para os meses de referência m+1 a m+4 não se aplica às Concessionárias de Distribuição, tendo em vista que estes agentes não aportam garantias financeiras para esses meses. Mês de Apuração (m) Mês de Referência (mg) Figura 2 - Representação gráfica do horizonte de varredura do mês de referência Importante: O balanço energético para o cálculo da garantia financeira para os meses de referência m+1 a m+4 não se aplica às Concessionárias de Distribuição, ao Agente Comercializador da Energia de Itaipu nem ao Agente Comercializador da Energia do Proinfa, tendo em vista que estes agentes não aportam garantias financeiras para esses meses. Garantias Financeiras Linha de Comando Para as usinas hidráulicas com modalidade de despacho do tipo II e III e usinas não hidráulicas com modalidades de despacho IB, IIB ou III, que não possuam garantia física definida, as diferenças entre a geração verificada e a geração declarada pelo agente, Garantias Financeiras Linha de Comando Para as usinas hidráulicas com modalidade de despacho do tipo II e III e usinas não hidráulicas com modalidades de despacho IB, IIB ou III, que não possuam garantia física definida, as diferenças entre a geração verificada e a geração declarada pelo Aplicar ao agente comercializador da energia de Itaipu e do Proinfa mesmo tratamento adotado para as Distribuidoras, ou seja, a garantia financeira para o 6

7 para cada mês do horizonte de apuração da garantia ( M até M+4 ), serão valoradas de acordo com a seguinte expressão: agente, para cada mês do horizonte de apuração da garantia ( M até M+4 ), serão valoradas de acordo com a seguinte expressão: agente ACEI e ACEP somente será calculada para os meses m-1 e m. GVDIF_5 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no quinto mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_4 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no quarto mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o GVDIF_5 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no quinto mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_4 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no quarto mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para 7

8 mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_3 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no terceiro mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração m-1. GVDIF_2 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no segundo mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_1 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no primeiro mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. LFIS_CG p,m-5,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no quinto mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-4,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no quarto mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-3,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no terceiro mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-2,m1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no segundo mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-1,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no primeiro mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., G p,j é a Geração Final da parcela de usina p por período de comercialização j F_AJU_DIF m é o Fator de Ajuste das Diferenças para o mês de apuração m PLD_MED_CG s,m,m-1 é Preço de Liquidação de Diferenças Médio para cálculo da Garantia Financeira do submercado s, calculado no mês de apuração m para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., determinado no ANEXO II - Determinação do Preço de Liquidação das Diferenças para Cálculo da Garantia Financeira. o mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_3 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no terceiro mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração m-1. GVDIF_2 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no segundo mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. GVDIF_1 a,s,m é o Valor do Pagamento Adicional da Diferença entre a Geração Declarada no primeiro mês anterior ao mês de apuração m, e a Geração Verificada para o perfil de agente a, por submercado s, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1. LFIS_CG p,m-5,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no quinto mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-4,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no quarto mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-3,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no terceiro mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-2,m1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no segundo mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., LFIS_CG p,m-1,m-1 é o Lastro Físico para Cálculo da Garantia Financeira da parcela de usina p calculado no primeiro mês anterior ao mês de apuração m, para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., G p,j é a Geração Final da parcela de usina p por período de comercialização j F_AJU_DIF m é o Fator de Ajuste das Diferenças para o mês de apuração m PLD_MED_CG s,m,m-1 é Preço de Liquidação de Diferenças Médio para cálculo da Garantia Financeira do submercado s, calculado no mês de apuração m para o mês anterior ao mês de apuração, m-1., determinado no ANEXO II - Determinação do Preço de Liquidação das Diferenças para Cálculo da Garantia Financeira. 8

9 Meses Declarados Meses Declarados Representação Gráfica Representação Gráfica Meses de Apuração da Garantia Financeira Meses de Apuração da Garantia Financeira M -5 M -4 M -3 M -2 M -1 M M +1 M +2 M + 3 M + 4 M -5 M -4 M -3 M -2 M -1 M M +1 M +2 M + 3 M + 4 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT JAN Jan Jan Jan Jan Jan Horizonte de Cálculo da Garantia (6 meses) JAN Jan Jan Jan Jan Jan Horizonte de Cálculo da Garantia (6 meses) FEV Fev Fev Fev Fev Fev FEV Fev Fev Fev Fev Fev MAR Mar Mar Mar Mar Mar MAR Mar Mar Mar Mar Mar ABR Abr Abr Abr Abr Abr ABR Abr Abr Abr Abr Abr MAI Mai Mai Mai Mai Mai MAI Mai Mai Mai Mai Mai JUN Geração Ver. Jun Jun Jun Jun Jun JUN Geração Ver. Jun Jun Jun Jun Jun Mês de Referência Mês de Apuração Figura 3 Representação gráfica da apuração de diferenças nas declarações de geração Mês de Referência Mês de Apuração Figura 4 Representação gráfica da apuração de diferenças nas declarações de geração Importante: A apuração de diferenças entre a geração declarada e a verificada para cálculo da garantia financeira do mês de referência de m+1 a m+4 não se aplica ao Agente Comercializador da Energia de Itaipu nem ao Agente Comercializador da Energia do Proinfa, tendo em vista que estes não aportam garantias financeiras para esses meses. Energia de Reserva Linha de Comando 13 Energia de Reserva Linha de Comando Os Preços de Venda estabelecidos para os empreendimentos comprometidos com CER do 3º Leilão de Reserva serão reajustados anualmente pela variação do IPCA do mês anterior ao mês de reajuste fixado no contrato de cada usina, respeitado o período mínimo de 12 meses contados da realização do leilão, conforme a expressão que segue: Se o mês de referência do Encargo de Energia de Reserva m, corresponder ao mês de reajuste do preço de venda da usina: 13. Os Preços de Venda estabelecidos para os empreendimentos comprometidos com CER do 3º Leilão de Reserva serão reajustados anualmente pela variação do IPCA do mês anterior ao mês de reajuste fixado no contrato de cada usina, respeitado o período mínimo de 12 meses contados da realização do leilão, conforme a expressão que segue: Se o mês de referência do Encargo de Energia de Reserva m, corresponder ao mês de reajuste do preço de venda da usina: Corrigir a data base no índice NIPCA, do mês de realização do leilão para o mês de maio de 2010, a ser utilizado no reajuste do Preço de Venda. 9

10 Caso Contrário: Caso Contrário: PVA_CER p,t,l, m é o Preço de Venda Atualizado do CER da parcela de usina, p, comprometida com CER, para cada produto, t, do leilão, l, no mês de referência do Encargo de Energia de Reserva m PV_CER p,t,l, é o Preço de Venda de Referência estabelecido no CER para remuneração da parcela de usina, p, para cada produto t, do leilão, l, NIPCA m é o Valor Absoluto do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo IPCA no mês de apuração m ml refere-se ao mês de realização do leilão de energia de reserva l em que a parcela de usina p está comprometida. PVA_CER p,t,l, m é o Preço de Venda Atualizado do CER da parcela de usina, p, comprometida com CER, para cada produto, t, do leilão, l, no mês de referência do Encargo de Energia de Reserva m PV_CER p,t,l, é o Preço de Venda de Referência estabelecido no CER para remuneração da parcela de usina, p, para cada produto t, do leilão, l, NIPCA m é o Valor Absoluto do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo IPCA no mês de apuração m ml refere-se ao mês de maio de Energia de Reserva Linha de Comando 29 Energia de Reserva Linha de Comando O saldo de energia acumulado na Conta de Energia ao final de cada ano contratual, denominado de Saldo da Conta de Energia Preliminar, é estabelecido em função do maior valor entre (i) o mínimo entre o montante de energia para verificação da faixa de tolerância e o montante de energia equivalente à margem superior do contrato, e (ii) o montante de energia equivalente à margem inferior do contrato, conforme expressão que segue: 30. O saldo de energia acumulado na Conta de Energia ao final de cada ano contratual, denominado de Saldo da Conta de Energia Preliminar, é estabelecido em função do maior valor entre (i) o mínimo entre o montante de energia para verificação da faixa de tolerância e o montante de energia equivalente à margem superior do contrato, e (ii) o montante de energia equivalente à margem inferior do contrato, conforme expressão que segue: Corrigir descrição da definição do M_INF. SCEP CER p,t,l,f é o Saldo da Conta de Energia Preliminar de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER SCEP p,t,l,f CER é o Saldo da Conta de Energia Preliminar de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER MEF p,t,l,f CER é o Montante de Energia para verificação da Faixa de Tolerância MEF p,t,l,f CER é o Montante de Energia para verificação da Faixa de 10

11 do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER M_SUPp,t,l,fCER é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer M_INFp,t,l,fCER é Margem Inferior do Contrato é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer Tolerância do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER M_SUPp,t,l,fCER é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer M_INFp,t,l,fCER é Margem Inferior do Contrato é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer Energia de Reserva Linha de Comando 34 Energia de Reserva Linha de Comando A Receita Variável corresponderá ao pagamento associado à: (i) Energia Gerada nos meses que antecedem ao início do período de entrega da energia contratada definida no CER, quando a usina entrar em operação comercial antes de 1º de Julho de (ii) Energia referente à parcela de saldo acumulado da Conta de Energia que extrapolar o limite superior da Faixa de Tolerância, conforme apuração realizada ao final de cada ano contratual. (iii) Energia referente à parcela do saldo acumulado da Conta de Energia, contida na Faixa de Tolerância e proveniente de desvios positivos de geração, que não foi objeto de repasse e/ou cessão, conforme apuração realizada ao final de cada quadriênio. 34. A Receita Variável corresponderá ao pagamento associado à: (i) Energia Gerada nos meses que antecedem ao início do período de entrega da energia contratada definida no CER, quando a usina entrar em operação comercial antes de 1º de Julho de (ii) Energia referente à parcela de saldo acumulado da Conta de Energia que extrapolar o limite superior da Faixa de Tolerância, conforme apuração realizada ao final de cada ano contratual. (iii) Energia referente à parcela do saldo acumulado da Conta de Energia, contida na Faixa de Tolerância e proveniente de desvios positivos de geração, que não foi objeto de repasse e/ou cessão, conforme apuração realizada ao final de cada quadriênio. Corrigir a data de referência para tratamento da antecipação de usinas. Energia de Reserva Linha de Comando 34.2 Energia de Reserva Linha de Comando 34.2 Corrigir quadro 11

12 34.2 A Receita Variável por Geração Excedente, ou seja, devido ao saldo acumulado da Conta de Energia acima do limite superior da Faixa de Tolerância, é obtida em função da aplicação do Preço de Venda Atualizado, ajustado por um fator estabelecido no CER, sobre a diferença positiva entre (i) o montante de energia calculado para verificação da faixa de tolerância e (ii) o montante de energia correspondente à margem superior da faixa de tolerância, conforme a seguinte expressão: 34.2 A Receita Variável por Geração Excedente, ou seja, devido ao saldo acumulado da Conta de Energia acima do limite superior da Faixa de Tolerância, é obtida em função da aplicação do Preço de Venda Atualizado, ajustado por um fator estabelecido no CER, sobre a diferença positiva entre (i) o montante de energia calculado para verificação da faixa de tolerância e (ii) o montante de energia correspondente à margem superior da faixa de tolerância, conforme a seguinte expressão: importante quanto ao esclarecimento do momento de cálculo da receita variável. RVA_Ep,t,l,m é a Receita Variável de Excedente de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m MEFp,t,l,fCER é o Montante de Energia para verificação da faixa de tolerância do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer M_SUPp,t,l,fCER é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer PVA_CERp,t,l,m é o Preço de Venda Atualizado de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m fcer refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. RVA_Ep,t,l,m é a Receita Variável de Excedente de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m MEFp,t,l,fCER é o Montante de Energia para verificação da faixa de tolerância do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer M_SUPp,t,l,fCER é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER fcer PVA_CERp,t,l,m é o Preço de Venda Atualizado de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m fcer refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. 12

13 Importante: Receita Variável por Geração Excedente é calculada no primeiro mês de cada ano contratual, a partir do segundo quadriêncio, e será paga em 12 (doze) parcelas mensais uniformes ao longo do ano contratual vigente. Importante: Receita Variável por Geração Excedente é calculada no primeiro mês de cada ano contratual, a partir do segundo ano contratual quadriênio, e será paga em 12 (doze) parcelas mensais uniformes ao longo do ano contratual vigente. Energia de Reserva Linha de Comando Após a entrada em operação comercial do empreendimento de geração comprometido com o CER, a liberação da retenção da Receita Fixa será realizada da seguinte forma: Se o mês de apuração m após julho de 2012 e apresentar valor de receita fixa retida: Energia de Reserva Linha de Comando Após a entrada em operação comercial do empreendimento de geração comprometido com o CER, a liberação da retenção da Receita Fixa será realizada da seguinte forma: Se o mês de apuração m for posterior à após julho de 2012 e apresentar valor de receita fixa retida: Caso contrário: Caso contrário: Corrigir texto. RET_TP p,t,l,m é a Receita Total retida por conta de atraso na operação comercial de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m RET p,t,l,m é a Receita fixa retida por conta de atraso na operação comercial de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m qa é o conjunto de quadriênios decorridos, incluindo o quadriênio atual, assume valores de 1 a q f CER refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. RET_TP p,t,l,m é a Receita Total retida por conta de atraso na operação comercial de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m RET p,t,l,m é a Receita fixa retida por conta de atraso na operação comercial de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m qa é o conjunto de quadriênios decorridos, incluindo o quadriênio atual, assume valores de 1 a q f CER refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. 13

14 m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. Energia de Reserva Linha de Comando 41 Energia de Reserva Linha de Comando Para os empreendimentos de geração comprometidos com CER, em que ao final do ano contratual for verificado que o Saldo da Conta de Energia Preliminar situa-se abaixo da margem inferior da faixa de tolerância, o valor do ressarcimento devido pelo Agente Vendedor será estabelecido pela seguinte expressão: 42. Para os empreendimentos de geração comprometidos com CER, em que ao final do ano contratual for verificado que o Saldo da Conta de Energia Preliminar situa-se abaixo da margem inferior da faixa de tolerância, o valor do ressarcimento devido pelo Agente Vendedor será estabelecido pela seguinte expressão: RESS_GI p,t,l,m é a o Ressarcimento devido à geração inferior ao limite de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m MEF p,t,l,f CER é o Montante de Energia para verificação da faixa de tolerância do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER M_INF CER p,t,l,f é Margem Inferior do Contrato é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER PVA_CER p,t,l,m é o Preço de Venda Atualizado de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m ENF_DT p,t,l,f CER é a Energia não fornecida por conta do atraso da entrada em operação comercial das instalações de transmissão/distribuição de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER f CER refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. RESS_GI p,t,l,m é a o Ressarcimento devido à geração inferior ao limite de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m MEF p,t,l,f CER é o Montante de Energia para verificação da faixa de tolerância do contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER M_INF CER p,t,l,f é Margem Inferior do Contrato é a Margem Superior do Contrato de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER PVA_CER p,t,l,m é o Preço de Venda Atualizado de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no mês de apuração m ENF_DT CER p,t,l,f é a Energia não fornecida por conta do atraso da entrada em operação comercial das instalações de transmissão/distribuição de cada parcela de usina p, referente ao produto t, do leilão l, no período de apuração da entrega da energia ao CER f CER f CER refere-se ao período de apuração da entrega da energia contratada definida no CER para cada ano contratual do período de suprimento. m refere-se ao mês de Referência do Encargo de Energia de Reserva. Corrigir descrição da definição do M_INF. 14

15 Desconto TUSD/TUST Linha de Comando Para as demais usinas, a garantia física para fins de desconto na TUSD/TUST é a própria garantia física apurada, dada pela expressão de igualdade: Desconto TUST_TUSD Linha de Comando Para as demais usinas, a garantia física para fins de desconto na TUSD/TUST é a própria garantia física apurada, dada pela expressão de igualdade: GFIS_DT p,m é a Garantia Física para Fins de Desconto na TUSD/TUST da parcela de usina p, no mês de apuração m GFIS p,j é a Garantia Física Apurada da parcela de usina p por período de comercialização j PCGF_PROD p,t,l,m é o Percentual de Comprometimento da Garantia Física com Produtos da parcela de usina, p, para cada produto, t, do leilão, l, no mês de apuração, m GFIS_DT p,m é a Garantia Física para Fins de Desconto na TUSD/TUST da parcela de usina p, no mês de apuração m GFIS p,j é a Garantia Física Apurada da parcela de usina p por período de comercialização j PCGF_PROD p,t,l,m é o Percentual de Comprometimento da Garantia Física com Produtos da parcela de usina, p, para cada produto, t, do leilão, l, no mês de apuração, m TLPLER é o conjunto dos produtos t, em que a parcela da usina p, está comprometida com o leilão de energia de reserva l LPLER é o conjunto de leilões de energia de reserva l, em que cada parcela de usina p está comprometida Corrigir a equação de apuração da garantia física para fins de desconto na TUSD/TUST, considerando o comprometimento da usina com contratos de energia de reserva. Desconto TUSD/TUST Linha de Comando Para as usinas de geração incentivada especial, ou de cogeração qualificada, o sinalizador mensal de ultrapassagem do limite de potência injetada de 30MW, é determinado para cada mês de apuração a partir da verificação de ultrapassagem horária do limite de potência estabelecido, conforme a seguinte expressão: Se, então: Desconto TUSD/TUST Linha de Comando Para as usinas não hidráulicas de geração incentivada especial, ou de cogeração qualificada, o sinalizador mensal de ultrapassagem do limite de potência injetada de 30MW, é determinado para cada mês de apuração a partir da verificação de ultrapassagem horária do limite de potência estabelecido, conforme a seguinte expressão: Se, então: Atendimento ao disposto no item III parágrafo 112 e 113, da Nota Técnica nº 070/2011- SEM/ANEEL de 22/06/2011. Caso Contrário Caso Contrário 15

16 ULPI_30 p,m é o Sinalizador Mensal de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 30 MWmédios da parcela de usina p por período de comercialização j UPI_30 p,j é o Sinalizador Horário de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 30 MWmédios da parcela de usina p, por período de comercialização j Desconto TUSD/TUST Linha de Comando Para as usinas de geração incentivada especial ou convencional especial o sinalizador mensal de ultrapassagem do limite de potência injetada de 50MW, para cada mês de apuração, é determinado de acordo com a seguinte expressão: Se Caso Contrário, então: ULPI_30 p,m é o Sinalizador Mensal de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 30 MWmédios da parcela de usina p por período de comercialização j UPI_30 p,j é o Sinalizador Horário de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 30 MWmédios da parcela de usina p, por período de comercialização j Desconto TUSD/TUST Linha de Comando Para as usinas de geração incentivada especial ou convencional especial o sinalizador mensal de ultrapassagem do limite de potência injetada de 50MW, para cada mês de apuração, é determinado de acordo com a seguinte expressão: Se Caso Contrário, então: Atendimento ao disposto no item III parágrafo 115 e 116, da Nota Técnica nº 070/2011- SEM/ANEEL de 22/06/2011. ULPI_50 p,m é o Sinalizador Mensal de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 50 MWmédios da parcela de usina p no mês de apuração m UPI_50 p,j é o Sinalizador Horário de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 50 MWmédios da parcela de usina p por período de comercialização j Desconto TUSD/TUST Linha de Comando 3 3. Para os agentes vendedores de energia incentivada especial, é obtido o percentual de complementação de geração em função da relação entre (i) o total de contratos de compra de energia, excluídos (a) os contratos de comercialização de energia incentivada especial, (b) os contratos de comercialização de energia convencional especial e (c) aqueles considerados como lastro de venda para energia indisponível da usina ULPI_50 p,m é o Sinalizador Mensal de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 50 MWmédios da parcela de usina p no mês de apuração m UPI_50 p,j é o Sinalizador Horário de Ultrapassagem da Potência Injetada acima de 50 MWmédios da parcela de usina p por período de comercialização j Desconto TUSD/TUST Linha de Comando 3 3. Para os agentes vendedores de energia incentivada especial, é obtido o percentual de complementação de geração em função da relação entre (i) o total de contratos de compra de energia, excluídos (a) os contratos de comercialização de energia incentivada especial, (b) os contratos de comercialização de energia convencional especial e (c) aqueles considerados como lastro de venda para energia indisponível da usina Atendimento ao disposto nos ofícios nº133/2011- SEM/ANELL e 144/2011-SEM/ANEEL, e divulgado ao mercado por meio do Comunicado CCEE SUP 099/11. 16

17 (Contratos de Lastro para Ambiente Regulado, CLAR), e (ii) o total de garantia física calculada para fins de desconto na TUST/TUSD, conforme expressão que segue: (Contratos de Lastro para Ambiente Regulado, CLAR), e (ii) o total de garantia física calculada para fins de desconto na TUST/TUSD, conforme expressão que segue: PCG a,m é o Percentual de Complementação de Geração do perfil de agente a no mês de apuração m CQ e,j é a Quantidade Contratada do contrato e, no período de comercialização j GFIS_DT p,m é a Garantia Física para Fins de Desconto na TUSD/TUST da parcela de usina p, no mês de apuração m ECA é o conjunto de contratos de compra do perfil de agente a ECIE é o conjunto de contratos de comercialização de energia incentivada especial ECCE é o conjunto de contratos de comercialização de energia convencional especial ELAR é o conjunto de Contratos de Lastro para Ambiente Regulado (CLAR) PCG a,m é o Percentual de Complementação de Geração do perfil de agente a no mês de apuração m CQ e,j é a Quantidade Contratada do contrato e, no período de comercialização j TCV_PNL_CCEARa,m é o Total de Contratos de Venda em Ambiente de Comercialização Regulado para Apuração de Penalidade do perfil de agente a, no mês de apuração m TGFIS_PNL_CCEARa,m é o Total da Garantia Física Comprometida com o CCEAR do perfil de agente a, no mês de apuração m GFIS_DT p,m é a Garantia Física para Fins de Desconto na TUSD/TUST da parcela de usina p, no mês de apuração m Desconto TUSD/TUST Linha de Comando 6 6. Para os agentes que atuam na comercialização de ECA é o conjunto de contratos de compra do perfil de agente a ECIE é o conjunto de contratos de comercialização de energia incentivada especial ECCE é o conjunto de contratos de comercialização de energia convencional especial ELAR é o conjunto de Contratos de Lastro para Ambiente Regulado (CLAR) Desconto TUSD/TUST Linha de Comando 6 6. Para os agentes que atuam na comercialização de Substituição do acrônimo TADDC_CCEI_DC, total 17

18 energia incentivada, é determinado o sinalizador de participação na comercialização de energia incentivada para cada mês de cálculo do desconto a ser aplicado a TUSD/TUST, de acordo com as seguintes regras: Se e Então: energia incentivada, é determinado o sinalizador de participação na comercialização de energia incentivada para cada mês de cálculo do desconto a ser aplicado a TUSD/TUST, de acordo com as seguintes regras: Se e Então: de ajustes do Cad, pelo somatório dos ajustes do Cad deliberados para o agente de comercialização de energia incentivada pertencente a um dos elementos da matriz ij. Alteração necessária para simplificação do sistema. Caso Contrário Caso Contrário Onde PCEIa,m é o Sinalizador de Participação na Comercialização de Energia Incentivada do perfil de agente a no mês de apuração m DP_MCEIa,m é o Valor da Diagonal Principal da Matriz de Comercialização de Energia Incentivada do perfil de agente a no mês de apuração m CQe,j é a Quantidade Contratada do contrato e, no período de comercialização j ECI é o conjunto de contratos de comercialização de energia incentivada ECA é o conjunto de contratos de compra do perfil de agente a EVA é o conjunto de contratos de venda do perfil de agente a TADDC_CCEI_DCij,m é o Total de Ajustes Decorrente de Deliberação do CAd, relativo aos Contratos de Comercialização de Energia Incentivada, compra ou venda, para Apuração do Desconto, onde o perfil de agente a, no mês de apuração m Onde PCEIa,m é o Sinalizador de Participação na Comercialização de Energia Incentivada do perfil de agente a no mês de apuração m DP_MCEIa,m é o Valor da Diagonal Principal da Matriz de Comercialização de Energia Incentivada do perfil de agente a no mês de apuração m CQe,j é a Quantidade Contratada do contrato e, no período de comercialização j ECI é o conjunto de contratos de comercialização de energia incentivada ECA é o conjunto de contratos de compra do perfil de agente a EVA é o conjunto de contratos de venda do perfil de agente a EMCIA é o conjunto de elementos da Matriz de Comercialização de Energia Incentivada, correspondentes ao perfil de agente a ADDC_CCEI_DCij,m é o Ajuste Decorrente de Deliberação do CAd, relativo aos Contratos de Comercialização de Energia Incentivada, compra ou venda, para Apuração do Desconto, onde o perfil de agente a, correspondente a linha i, é a parte compradora, e o perfil de agente a, correspondente à coluna j, é a parte vendedora, no mês de apuração m 18

19 Sobrecontratação 103% Item III.10.1 e III.10.2 Alteração no cálculo do requisito regulatório e na apuração dos contratos bilaterais, onde deve ser incluído o montante de geração embutida. Sobrecontratação 103% Linha de Comando 13 Sobrecontratação 103% Item III.10.1 e III.10.2 Para aplicação das alterações solicitadas na referida NT, a Aneel deverá encaminhar à CCEE o montante de contratos do Proinfa atribuídos às distribuidoras supridas, assim como manter o envio do montante relativo à geração Embutida, não modeladas na CCEE. Sobrecontratação 103% Linha de Comando 13 Os contratos do Proinfa atribuídos às distribuidoras supridas não são registrados na CCEE, portanto não temos como obter a informação para o cálculo do requisito regulatório. E como as gerações embutidas não são modeladas na CCEE não temos como obter a medição de geração correspondente. 13. O montante de energia sobrecontratada passível de repasse para cada tipo de contrato é determinado em função do Fator de Repasse da Sobrecontratação aplicado ao montante total contratado pelo agente em cada instrumento de compra de energia celebrado, para cada mês do ano anterior ao ano do reajuste em processamento Para os contratos bilaterais, atual CCEAL, e os contratos de geração distribuída oriundos de processo de desverticalização, o montante de energia sobrecontratado passível de repasse pelo agente é determinado pela expressão que segue: 13. O montante de energia sobrecontratada passível de repasse para cada tipo de contrato é determinado em função do Fator de Repasse da Sobrecontratação aplicado ao montante total contratado pelo agente em cada instrumento de compra de energia celebrado, para cada mês do ano anterior ao ano do reajuste em processamento Para os contratos bilaterais, atual CCEAL, e os contratos de geração distribuída oriundos de processo de desverticalização, o montante de energia sobrecontratado passível de repasse pelo agente é determinado pela expressão que segue: Corrigir a equação de apuração do montante de energia sobrecontratado passível de repasse pelo agente. ESC_PRP_CCEALe,m é a Quantidade de Energia Sobrecontratada Passível de Repasse relativa aos CCEAL s, ESC_PRP_CCEALe,m é a Quantidade de Energia 19

20 e, no mês de apuração m FRP_CCEAL_GDDVa,m é o Fator de Repasse da sobrecontratação dos Contratos CCEAL s e Geração Distribuída oriunda de Desverticalização para o perfil de agente a no mês de apuração m CQe,j é a Quantidade Contratada do contrato, e, no período de comercialização, j ECEAL é o conjunto de contratos de comercialização de energia no ambiente livre f é o ano de apuração que antecede o ano do reajuste tarifário em processamento. Sobrecontratada Passível de Repasse relativa aos CCEAL s, e, no mês de apuração m FRP_CCEAL_GDDVa,m é o Fator de Repasse da sobrecontratação dos Contratos CCEAL s e Geração Distribuída oriunda de Desverticalização para o perfil de agente a no mês de apuração m CQe,j é a Quantidade Contratada do contrato, e, no período de comercialização, j ECEAL é o conjunto de contratos de comercialização de energia no ambiente livre f é o ano de apuração que antecede o ano do reajuste tarifário em processamento Para os contratos de geração distribuída oriundos de processo de desverticalização, o montante de energia sobrecontratado passível de repasse pelo agente é determinado pela expressão que segue: Para os contratos de geração distribuída oriundos de processo de desverticalização, o montante de energia sobrecontratado passível de repasse pelo agente é determinado pela expressão que segue: ESC_PRP_CGDDV e,m é a Quantidade de Energia Sobrecontratada Passível de Repasse relativa aos Contratos de Geração Distribuída oriunda da Desverticalização, e, no mês de apuração m FRP_CCEAL_GDDV a,m é o Fator de Repasse da sobrecontratação dos Contratos CCEAL s e Geração Distribuída oriunda de Desverticalização para o perfil de agente a no mês de apuração m CQ e,j é a Quantidade Contratada do contrato, e, no período de comercialização, j EGDDV é o conjunto de contratos de geração distribuída oriundos de desverticalização f é o ano de apuração que antecede o ano do reajuste tarifário em processamento. ESC_PRP_CGDDV e,m é a Quantidade de Energia Sobrecontratada Passível de Repasse relativa aos Contratos de Geração Distribuída oriunda da Desverticalização, e, no mês de apuração m FRP_CCEAL_GDDV a,m é o Fator de Repasse da sobrecontratação dos Contratos CCEAL s e Geração Distribuída oriunda de Desverticalização para o perfil de agente a no mês de apuração m CQ e,j é a Quantidade Contratada do contrato, e, no período de comercialização, j EGDDV é o conjunto de contratos de geração distribuída oriundos de desverticalização f é o ano de apuração que antecede o ano do reajuste tarifário em processamento. 20

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST

Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST Regras de Comercialização Cálculo do Desconto Aplicado à TUSD/TUST 1 versão Versão 1.0 - Minuta 1.0 Índice Cálculo de Descontos TUSD/TUST 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 072/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: F/G AGRO FINANÇAS E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO LTDA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: MINUTA DO

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1

Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV. Versão 1.0.1 Reajuste da Receita de Venda de CCEAR por Disponibilidade - RRV ÍNDICE REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA DE CCEAR POR DISPONIBILIDADE - RRV 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 7 1.2. Conceitos Básicos 8

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: INEE Instituto Nacional de Eficiência Energética AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Portaria n o

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw.

Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. Comercialização de Energia Elétrica: Gerador de Fonte Alternativa X Consumidor ou Conjunto de Consumidores com Carga > 500 kw. AP 033 - Sugestões Proposta da AP 033: Possibilidade de retorno do Consumidor

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva

Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.3 Cessões de energia de reserva Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ABSOLAR AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE

Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE Contribuição ABRADEE AP 046 Garantias Mercado de Curto Prazo CCEE 06 de agosto de 2008 1. Simulações das regras propostas pela Aneel e CCEE Empresa Garantia Metodologia Atual (fev 08) R$ mil Garantia Metodologia

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N 233, DE 29 DE JULHO DE 1999 Estabelece os Valores Normativos que limitam o repasse, para as tarifas de fornecimento, dos preços livremente negociados

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 050/2009 EMENTA: obter subsídios e informações para a elaboração de ato regulamentar a

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL A OFERTA e os procedimentos relativos à Venda de

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: REGISTRO,

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/200X

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda.

NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2012 2ª FASE NOME DA INSTITUIÇÃO: Prime Projetos e Consultoria Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 1 Agentes. Submódulo 1.3 Votos e contribuições Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 1 Agentes Submódulo 1.3 Votos e contribuições 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1

Caderno Algébrico. Cálculo do Desconto. à TUSD/TUST. Versão 1.0.1 Caderno Algébrico Cálculo do Desconto Cálculo Aplicado do Desconto à TUSD/TUST Aplicado à TUSD/TUST Versão 1.0.1 ÍNDICE CÁLCULO DO DESCONTO APLICADO À TUSD/TUST 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas de Cálculo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br Apresentação -PRAVALER Setembro/ 2011 Filme PRAVALER - Produto Crédito Universitário PRAVALER O Crédito Universitário PRAVALER Fundado em 2006, O PRAVALER é hoje o maior programa de crédito universitário

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009

CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRADEE CONTRIBUIÇÕES PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 36/2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEZEMBRO 2013 Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Demonstrações Financeiras Regulatórias Balanços Patrimoniais

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

Consulta Publica CP005/2003

Consulta Publica CP005/2003 Prezados Senhores, Segue contribuição da Guaraniana Comercio e Serviço - GCS ENERGIA para a Consulta Pública CP005/2003. tendo em vista contribuir para o aprimoramento e aprovação do Procedimento de Mercado

Leia mais

VPAR/762/2008 ANEXO III COMPANHIA FORÇA E LUZ DO OESTE - CFLO Manifestação Formal à NT 356/2008-SRE/ANEEL Consulta Pública 018/2008 DETERMINAÇÃO DO VALOR DA PARCELA A PERDAS Guarapuava, Dezembro de 2.008.

Leia mais

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007

4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 4º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico - ENASE 2007 O Papel da Hidreletricidade no Equilíbrio da Oferta com a Demanda, no Horizonte do Plano Decenal Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014

MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014 MEMORANDO AOS CLIENTES INFRAESTRUTURA SETOR ELÉTRICO Julho de 2014 CRITÉRIOS E CONDIÇÕES PARA O REGISTRO DE CONTRATOS DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA E DE CESSÃO DE MONTANTES DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 A LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S. A. concessionária de serviços públicos de distribuição de energia

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE

COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE AGENDA CARACTERISTICAS CONSUMIDOR LIVRE ESPECIAL; CUSTO DE OPORTUNIDADE ENTRE MERCADO LIVRE E MERCADO CATIVO; ESTUDOS DE CASO; HISTÓRICO E VOLATILIDADE DOS PREÇOS

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95

Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Consumidores enquadrados nos arts. 15 e 16 da Lei 9.074/95 Audiência Publica 035/05 Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA l Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1497, de 27 de maio de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições deste EDITAL e seus Anexos. ÍNDICE Capítulo 1 Informações

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.2 CONTRATOS DO AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.2 AMBIENTE REGULADO CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCEE Módulo 3: Contratação de

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre

Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Visão Geral da Comercialização de Energia Elétrica no Brasil 2º Fórum de Bio Energias do Mercado Livre Riomar Merino Jorge 21/11/2011 Agenda Comercialização de Energia no Brasil Adesão à CCEE Sistema de

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

REAJUSTE DAS CONTRAPRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS DE CONTRATOS DE CONTRATAÇÃO COLETIVA OPERADORA: PORTO DIAS SAÚDE CNPJ: 06.145.428/0001-09 REGISTRO ANS: 41.508-1 PERÍODO DE APLICAÇÃO: Maio/2016 a Abril/2017 PERCENTUAL

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CHARTIS BRASIL SEGUROS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: LEILÃO Nº 06/2009,

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais