A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG"

Transcrição

1 A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG Clotilde de Almeida Azevedo MURAKA W A (Faculdade Araraquara) de Ciencias e Letras- UNESP- ABSTRACT: This work shows an analysis of the lexicographic defintions contained in dictionaries of the Portuguese language of different time periods. and the possibilities of such definitions being classified in the Hallig and Wartburg System of Concepts. Em 1.952, saiu publicado pela Akademie Verlag de Berlim, 0 Sistema de Conceitos (sq, "Begriffssystem", elaborado por Rudolf Hallig e Walther yon Wartburg que, como diz 0 titulo do livro, e urn "sistema para servir de base it Lexicografia". Os autores publicaram uma c1assifica~ao conceptual do universo, adotando urn ponto de vista onomasiol6gico, isto e, partindo das no~oes e nao das palavras. Hallig e Wartburg ao elaborarem tal Sistema de Conceitos propuseram uma nova ordem, que nao fosse a alfabetica, para a elabora~ao de urn dicionario cientifico. 0 SC, como pretendiam, seria calcado sobre" 0 estado de lingua contemponineo. 0 esquema proposto e uma constru~ao a priori e e apenas uma das c1assifica~oes possiveis do mundo dos conceitos. Com as inumeras pesquisas feitas durante a elabora~ao do Dictionnaire etymologique du fran~ais, considerado a obra mais completa sobre 0 vocabulario galoromano, Wartburg teve a confirma~ao daquilo que vinha supondo h:i longo tempo: 0 vocabulario de uma lingua e urn todo organizado. Suas ideias encontraram sustenta~ao em do is principios da teoria da lingua gem de Humboldt, que influenciaram a lingoistica do seculo XX: I) 0 principio de que a lingua nao serve apenas a expressao e a comunica~ao, mas que ela cria urn mundo espiritual intermediario que se insere entre 0 ED e 0 mundo exterior, uma "imagem do mundo" que e transmitida a cada representante de urna comunidade lingoistica pelo ensino e e confirmada pelo emprego constante que 0 falante faz da lingua; 2) 0 principio da articula~ao, retomado por Saussure, segundo 0 qual todos os meios de expressao de uma lingua formam urn conjunto, urn sistema no qual cada parte faz corpo com as outras e esta condicionado por elas.. No dominio do vocabulario, a ordem alfabetica e urn obstaculo it realiza~ao desses dois principios: a imagem do mundo e base da lingua e 0 sistema dessa lingua. A ideia de organizar urn vocabulario nao usando a tradicional ordem alfabetica nao e nova. Os trabalhos de F. Dorneseiff, J. Casares, Charles Maquet foram importantes para que Hallig e Wartburg elaborassem 0 seu Sistema de Conceitos. A proposta apresentada por eles para que 0 sistema de c1assifica~ao tivesse urn valor geral e aplic3vel as outras Iinguas e nao apenas ao frances, deveria obedecer algumas etapas: I) c1assifica~ao apenas dos conceitos. 0 vocabulario de uma

2 detenninada lingua deveria estar subordinado ao momento de utiliza~ao do sistema; 2) os conceitos deveriam ser os existentes na lingua antes da introdu~ao da ciencia, ou seja, como as coisas sao concebidas e expressas fora das ciencias; 3) admite-se no sistema uma sele~ao de conceitos: 4) os conceitos escolhidos sao classificados segundo uma visao de conjunto, urn principio diretor e a classifica~ao deveria ser de tal fonna que 0 todo constituisse um conjunto organizado. Como os conceitos provem do uso da lingua fora da ciencia, tem-se, gra~as a eles, depois de classificados, uma imagem do mundo que a lingua reflete. Hallig e Wartburg partiram da palavra, constituida de duas partes insepaniveis, confonne estabeleceu Saussure: conceito e imagem acustica e voltaram a sua aten~ao apenas para 0 conceito, dando a ele 0 valor de significa~ao. No SC fica detenninado que 0 conceito logico geral tern rela~ao com a significa~ao geral. As significa~oes sao flutuantes, nem sempre claramente delimitadas e possuem uma zona de varia~ao; tern sua colora~ao e sao detenninadas pelo ato de pensamento, pelo ato de fala, pela maneira como sao empregadas. Por isso, 0 conceito logico e geral e e primario. A significa~ao, por sua vez, pode ter significa~oes ocasionais que decorrem de atos individuais do falante, e estas significa~oes sao secundarias com rela~ao a significa~ao geral. 0 conceito tern, assim, uma orienta~ao para a generalidade e fixidez. E uma unidade de pensamento construida por abstra~ao a partir de propriedades atribuidas a um objeto ou a uma classe de objeto. Ele reune uma classe de elementos que tern caracteristicas comuns e apresenta caracteristicas de abstra~ao e generaliza~ao. " Assim definidos no SC, significa~ao e conceito se distinguem urn do outro por alguns pontos: a significa~ao e movel, 0 conceito, uma vez adquirido pela nossa consciencia nao muda. Onde quer que apare~a, apresenta-se sempre 0 mesmo, nao dando lugar a urn novo conceito. Por OUtrOlado, a significa~ao e viva e nao pode ser senao parafraseada. 0 conceito conhecido pode ser em principio, a defini~ao. Foi neste ponto que 0 SC chamou a nossa aten~ao. Elaborado com 0 objetivo de servir de orienta~ao para a Lexicografia, vimos nele a possiblidade de classificar unidades lexicais substantivo de acordo com a defini~ao dada a elas em dicionarios da lingua portuguesa de diferentes autores e epocas. Constituindo um corpus de referencia com substantivos extraidos do Vocabulario do Portugues Fundamental, consultamos estas unidades nos seguintes dicionanos, obedecendo a ordem cronologica: 1) Vocabulario Portugues-Latino, do Pe.. Raphael Bluteau (1.712/1.721); 2) Dicionario da Lingua Portuguesa, de Antonio de Morais Silva (edi~ao de e 1.813); 3) Grande Dicionario Portugues ou Tesouro da Lingua Portuguesa, de Frei Domingos Vieira (1.871/1.874); 4) Dicionario da Lingua Portuguesa, de Antenor Nascentes (1.961/1.967); 5) Dicionario da Lingua Portuguesa de Aurelio Buarque de Holanda Ferreira, na versao eletronica de Antes de passannos a analise das unidades e a sua classifica~ao no SC, algumas considera~oes teoricas sobre a defmi~ao lexicognifica se fazem necessarias. A defmi~ao em dicionarios de lingua tern sempre se constituido numa preocupa~ao nao so para aqueles que elaboram dicionarios, mas tambem para aqueles que os analisam. A classica analise aristotelica do conceito do definido pelo "genero proximo" e a "diferen~a especifica'~tern sido de grande utilidade para os lexicografos.

3 A defini~ao lingoistica e sempre uma defini~ao de palavras; ela pretende apenas traduzir 0 que, sobre urn objeto dado, a palavra sugere ao espirito nurn dado momento. Para P. Imbs (1.961: 10): "...a palavra esta, portanto, sempre em referencia a urn objeto, mas ela nao e objetiva; ela e apenas urna visao s6cio- subjetiva sobre urn objeto; feita desta maneira, falando a palavra ou a escrevendo, tem-se de uma vez a sensa~ao de que e de urn objeto e nao de outro que esta se tratando". Aquele que elabora uma defmi~ao propoe uma equa~ao semica com 0 objetivo de que a unidade lexical seja inteira e exclusivamente evocada. 0 sistema semiocultural do falante/ouvinte tem grande importancia para a evoca~ao do conceito. A defini~ao classifica e menciona 0 tra~o semico pertinente ao definido, depois de descartar todos os outros tra~os que pertencem it mesma classe, mas que nilo interessam a cada caso. Segundo A. Rey (1.965: 79): "0 programa da defini~ao se reduz para a pratica lexicogrlifica em fazer corresponder, a uma unidade supostamente conhecida ou mal conhecida, uma pluralidade de unidades pertencentes ao mesmo sistema lingoistico, organizadas segundo as estruturas sintagmaticas deste sistema e que supoe: I) capaz de remeter ao mesmo significado; 2) capaz de determinar para 0 falante ou ouvinte a elabora~ao conceitual deste significado". Com alguns dos pressupostos te6ricos acima, buscamos verificar como as defmi~oes sao operacionalizadas nos dicionarios e que varia~ao sofrem atraves do tempo. Observamos que toda defini~ao esta constituida de urn conteudo semantico blisico invariavel e de urn outro que pode ou nao sofrer varia~ao. Assim, partindo do pressuposto de que a parte invariavel esta ligada ao conceito, classificamos as unidades do corpus de acordo com 0 SC de Hallig e Wartburg. Como 0 SC esta dividido em 3 grandes partes, a saber: A- 0 UNIVERSO; B- o HOMEM; e C- 0 HOMEM E 0 UNlVERSO e como a nossa pesquisa ainda nilo chegou ao fmal, escolhemos para esta sessilo apresentar apenas os resultados obtidos com os substantivos classificados na primeira parte - 0 UNIVERSO -, nurn total de 216 unidades. Estas unidades foram classificadas em subdivisoes, quais sejam: I - 0 ceu e a atmosfera: 26 unidades; II - A terra: 31 unidades; III - As plantas: 93 unidades; e IV-Os animais: 66 unidades. Cada um desses quatro grupos apresenta outros conceitos que encabe~am subdivisoes, sempre estabelecendo urna rela~ao entre os conceitos. Por exemplo: unidades classificadas em I - 0 ceu e a atmosfera, como: ceu, lua, sol, mundo, estrela, etc., estilo relacionados a "0 ceu e os corpos celestes"; e unidades como: clima, tempo, trovao, vento, calor, chuva, etc., estao relacionados a "0 tempo e os ventos"; e assim por diante. Com este procedimento todo 0 SC esta organizado. Selecionamos, a seguir, algumas defini~oes contidas nos dicionarios analisados e classificadas unidades em 0 UNIVERSO. Devemos, neste ponto, salientar que consideramos sempre a primeira defini~ao dada em cada dicionario para fms de nossa classifica~ao. CEU= Bluteau- Na sua mais ampla significa~ao compreende esta palavra todos os corpos celestes que hoje segundo a mais comurn opiniao silo 12. Morais- A regiao eterea.

4 Vieira- Espa~o que vemos em forma de abobada estendido por cima de nossas cabe~as c circunscrito pelo horizontc. Nascentes- Espa~o ilimitado sobre a terra. Aurelio- Espa~o ilimitado e indefinido onde se movem os astros. SC- I - 0 ceu e a atmosfera! 0 ceu e os corpos celestes. CHUVEIRO= Bluteau- Chuva grande e impetuosa que de ordimirio vem com trovoada e dura pouco. Morais- Grande pancada de chuva. Vieira- Chuva fortissima que dura pouco. Nascentes- Chuva grossa passageira. Aurelio- Chuva repentina c abundante, mas passageira. SC- I - 0 ceu e a atmosfera/ 0 tempo e os ventos. MONTE= Bluteau- Terra ou penedia muito mais alta que 0 nivel ordimirio da terra. Morais- Por~ao ou parte da terra notavelmente levantada. Vieira- Grande massa de terra elevada acima do terreno que a cerca. Nascentes- Massa grande de terra elevada acima do terreno. Aurelio- Eleva~ao notavel de terra acima do solo que a cerca. SC- 11-A terral A configura~ao e 0 aspecto. RIO= Bluteau- Rio e corrente caudalosa de muitas aguas juntas que vao desembocar no mar. Morais- Agua corrente por entre margens e em grande copia. Vieira;. Fragua, corrente por entre margens, em grande copia. Nascentes- Corrente de agua mais OU menos caudalosa e extensa a qual desemboca em outro rio, no mar, lago ou lagoa. Aurelio- Curso deagua natural, de extensao mais ou menos varia vel que se desloca de umnivel mais alto para outro mais baixo. SC- II - A terral As aguas SEMENTE= Bluteau- E 0 grao, OU pequeno corpo coberto com suas mnicas que a planta produz. depois da flor e que deitado na terra produz outra planta da me sma especie. Morais- 0 grao de que se desenvolve e abrolha a planta na terra. Vieira- Corpo vegetal produzido pela germina~ao que depois de fecundada sc desenvolve. Nascentes- Parte do fruto proprio para reprodu~ao vegetal. Aurelio- Estrutura de fanerogamos que conduz 0 embriiio. SC- III - As plantas/ A vida vegetal em geral. FIGO= Bluteau- Fruto da figueira, do tamanho e quase da figura de uma pera mea. Morais- Fruto amendoado com fei~iio de funil com que se vem adelga~ando ate 0 pexinho.

5 Vieira- Fruto da figueira de polpa mole e a~ucarada. Nascentes- Receptaculo carnudo de flores da figueira. Aurelio- Infrutescencia do tipo siconio, produzido pela figueira. SC- III- As plantas! As arvores frutiferas. POMBO= Bluteau- Ave domestica conhecida, querida de todas as na~oes porque e branda, nobre c rendosa aos que a criam. Morais- Ave domestica vulgar. Vieira- Ave domestica vulgar. Nascentes- Nome comum as aves Columbiformes da familia columbida. Aurelio- 0 macho da pomba SC- IV-Os animais/ As aves/ Os passaros de patio e galinheiro. POLVO= Bluteau- Marisco da fei~ao da ciba. Morais- Peixe de muitas pernas com umas excrescencias. Vieira- Peixe de muitas pernas com umas excrescencias redondas. Nascentes- Molusco da familia Oct6pidas Aurelio- Designa~ao comum aos moluscos cefal6podes, oct6podes caracterizados por oito tentaculos. SC- IV-Os animais/ Os moluscos. BOI= Bluteau- Animal quadrupede, cornigero. E 0 touro capado, para engordar e servir no arado. Morais- Macho da especie vacum. Vieira- Touro castrado, servindo principalmente ao trabalho dos campos e a alimenta~ao dohomem. Nascentes- Touro castrado destinado aos servi~os de lavoura ou de carga ou a alimenta~ao do homem. Aurelio- Animal mamifero, artiodactilo, ruminante da familia bovideos, pertencente ao genero Bos. SC - IV-Os animais/ Os animais domesticos. Da analise que fizemos das defini~oes e a considerar os exemplos acima, podemos chegar a algumas conclusoes: I) as defmi~oes dadas apresentam sempre urn conteudo semantico invariavel que permite classifica-ias no SC; 2) as defini~oes dadas apresentam um conteudo que sofre varia~ao de dicionario para dicionario e, portanto, de epoca para epoca. Basta verificar os exemplos acima: FIGO, SEMENTE, POMBO e POL VO, sobre os quais uma classifica~ao cientifica e dada como defini~ao nos dicionarios do seculo XX, evidenciando a presen~a do progresso cientifico. Em FIGO, os dicionarios de Bluteau, Morais e Vieira registram "fruto da figueira" e mais uma descri~ao da forma ou sabor da fruta; em Aurelio, encontramos a defini~ao cientifica, nao aparecendo 0 conceito "fruto"; 0 mesmo acontecendo em

6 Nascentes. Em SEMENTE, Aurelio novamente registra uma defini'yao cientifica que nao permite chegar ao significado da palavra; ja nos outros dicionarios encontramos defini'yoes lingiiisticas, onde a "vida vegetal" aparece lingiiisticamente identificada por "grao", "corpo vegetal", "reprodu'yao vegetal". Em POMBO, apenas Nascentes da uma defmi'yao cientifica. Interessante, entretanto, e a defini'yao de Bluteau que, na sua visao pessoal, mostra 0 pensamento da epoca. 0 exemplo de POL VO e dos mais curiosos. A confusao quanto it classifica'yao do molusco mostra bem a ausencia de urn conhecimento cientifico mais preciso na epoca. Bluteau, Morais e Vieira registram "marisco" ou "peixe" como hiper6nimos na defini'yao. Finalmente, a unidade BOI e definida apenas em Aurelio de acordo com a classifica'yao cientifica do animal. Os demais dicionarios, ao lado do conceito, registram a fun'yao que 0 animal tern nos trabalhos do campo. Apesar de nossa pesquisa nao estar ainda concluida, pois outros dois grandes conceitos precisam ser analisados, podemos ter confrrmados alguns pontos de nossa hip6tese de trabalho: parte da defini'yao lexicografica sofre varia'yao de acordo com a cultura da epoca, mas 0 tra'yosemantico de base permanece invariavel. RESUMO: Este trabalho apresenta urna analise das defini'yoes lexicograficas em dicionarios da lingua portuguesa de diferentes epocas e a possibilidade de essas defini'yoes serem classificadas no Sistema de Conceitos de Hallig e Wartburg. HALLIG, R. e WARTBURG, W. Systeme raisonne de concepts pour servir de base a la Lexicographie. 2" ed. Berlin: Akademie Verlag, IMBS, P. Au seuil de la lexicographie. Cahiers de Lexicologie, Paris, v.2, p. 3-17, REY, A. A propos de la definition lexicographique. Cahiers de Lexicologie, Paris, v. 6, p ,

BAILLY, Danielle. Elements de didactique des langues. Paris: Les langues Modernes, 1984. BESSE, Henri & PORQUIER, Remy. Grammaires et didactique des

BAILLY, Danielle. Elements de didactique des langues. Paris: Les langues Modernes, 1984. BESSE, Henri & PORQUIER, Remy. Grammaires et didactique des ABSTRACT: The objective of this paper is to discuss the way linguistic knowledge should be transmitted to language teachers, pointing to the necessary modifications and to the difficulties found in this

Leia mais

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn "parser

o objetivo deste projeto 6 propor a analise e implementacao de urn parser PARSER: UM ANALISADOR SINTATICO E SEMANTICO PARA SENTEN«;AS DO PORTUGlltS Joao Luis Garcia ROSA (PUCCAMP) ABSTRACT: This work aims at the analysis and implementation 0/ a semantic parser for oral portuguese

Leia mais

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis

Leia mais

A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas.

A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas. A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas. Campo Lexical N.º 1 [Árvore] Folha Flor Madeira Cortiça

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever

- A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. latina. Nossos primeiros gramaticos optam por descrever CLAUDI 0 PUC/Sp CAMPOS - A palavra isolada - morfologia - A palavra combinada em ora~ao(oes) - sintaxe. - Considera~oes Nossa gramatica originou-se da gramatica latina. Nossos primeiros gramaticos optam

Leia mais

466 AS PERSONAGENS NO CONTO "A ESTRUTURA DA BOLHA DE. de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria

466 AS PERSONAGENS NO CONTO A ESTRUTURA DA BOLHA DE. de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria 466 AS PERSONAGENS NO CONTO "A ESTRUTURA DA BOLHA DE SABAO" - DE LYGIA FAGUNDES TELLES. o presente trabalho e fruto de estudos em sala J de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria

Leia mais

o PROCESSO DE CONSTRU~AO DA LEITURA E ESCRITA COMO MEDIADOR PARA A DESCONSTRU~AO DA "DEFICIENCIA"

o PROCESSO DE CONSTRU~AO DA LEITURA E ESCRITA COMO MEDIADOR PARA A DESCONSTRU~AO DA DEFICIENCIA o PROCESSO DE CONSTRU~AO DA LEITURA E ESCRITA COMO MEDIADOR PARA A DESCONSTRU~AO DA "DEFICIENCIA" ABSTRACT: The aim of this research is to verify the strategies used by a student considered "deficient"during

Leia mais

O DISCURSO DO DICIONÁRIO CONTEMPORÂNEO DA LÍNGUA PORTUGUESA, DE CALDAS AULETE:

O DISCURSO DO DICIONÁRIO CONTEMPORÂNEO DA LÍNGUA PORTUGUESA, DE CALDAS AULETE: GIACOMINI, Giovana Iliada. O discurso do Dicionário contemporâneo da língua portuguesa, de Caldas Aulete: de 1881 até a atualidade. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006.

Leia mais

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin A evolução das espécies A UU L AL A Chegamos à aula! Durante as aulas do telecurso, você viu vários temas relacionados com a Biologia: genética, botânica, zoologia, fisiologia, ecologia entre outros. Finalizaremos

Leia mais

Cantigas e parlendas

Cantigas e parlendas Cantigas e parlendas Professora Carolina Nome: 1 Alfabetário 2 A vela Isabel Cristina O pato viu a vela e ficou com medo do fogo. O gato viu a vela e gostou do fogo. A foca viu a vela e ficou com medo

Leia mais

EscoLa Secund~das de VizeLa

EscoLa Secund~das de VizeLa EscoLa Secund~das de VizeLa Avalia-;ao Externa da Escola Contradit6rio Introdu~ao: Sem desmerecer 0 trabalho da Equipa de Avalia~ao Externa da Escola Secundaria de Caldas de Vizela e nao esquecendo que,

Leia mais

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder entender o mundo atual - Génesis 1 e 2 (Citações da A

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes)

Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes) Humberto Harvelino MARONEZE (UEUbolsista - Capes) ABSTRACT: Through the analysis of the "Bizz", a magazine specialized in music, we can observe a north american influence~this paper shows that this influence

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 Antigo Testamento_vale.indd 8 I. HISTÓRIA DAS ORIGENS 1 Criação do mundo 1 No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, 2 a terra era informe e vazia, as trevas

Leia mais

o PORTUGU S FUNDA'1ENTAL: Uli VOCABULARIO BAsICO DA LINGUA

o PORTUGU S FUNDA'1ENTAL: Uli VOCABULARIO BAsICO DA LINGUA o PORTUGU S FUNDA'1ENTAL: Uli VOCABULARIO BAsICO DA LINGUA Maria Tereza C.Biderman,UNESP,Araraquara A metodologia para a recolha dos materiais do PORTU- GU S FUNDMiENTAL (PF) e a analise dos dados basearam-se

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

O resumo Se procurares num dicionário o verbo resumir encontrarás uma definição semelhante a esta: dizer em poucas palavras o que se disse ou escreveu mais extensivamente; condensar. Sendo uma forma de

Leia mais

UNNERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012. Composition N TITLE OF PAPER INSTRUCTIONS: Answer all questions.

UNNERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012. Composition N TITLE OF PAPER INSTRUCTIONS: Answer all questions. UNNERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012 TITLE OF PAPER COURSE NUMBER TIME ALLOWED Composition N IDE-PT208 3 HOURS INSTRUCTIONS: Answer all questions. Do not write any answer on the examination paper.

Leia mais

Aula 52 Conteúdos: Artigo: definido e indefinido. Expressão numérica com adição, subtração e multiplicação. Corpos celestes. LINGUAGENS MAT., C. HUM.

Aula 52 Conteúdos: Artigo: definido e indefinido. Expressão numérica com adição, subtração e multiplicação. Corpos celestes. LINGUAGENS MAT., C. HUM. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 52 Conteúdos: Artigo: definido e indefinido. Expressão numérica com adição, subtração e multiplicação. Corpos

Leia mais

A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP)

A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP) LEXICOLOGIA/LEXICOGRAFIA II Dia 29 - Local: CL 13-14:00-18:00 Coordenador(a): Arioni di Felippo A SINONiMIANOS TEXTOS ESPECIALlZADOS: UM ESTUDO EM UM CORPUS DE ECONOMIA Marifmgela de Araujo (USP) Embora.

Leia mais

em que urn conceito toma forma em outro corpo, 0 que ele passa a querer dizer? Quais

em que urn conceito toma forma em outro corpo, 0 que ele passa a querer dizer? Quais ABSTRACT: This study examines the concept of signifier for the psychoanalytic theory. The Saussurean concept of signifier is assumed as a preceding notion to its Lacanian counterpart, which is approached

Leia mais

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 Doutrinas Filosóficas Propõe-se a responder às questões transcendentais: Quem somos? De onde

Leia mais

27/09/2012. Por que as coisas têm o nome que têm? Motorista Chauffeur Driver. pato PATO pato pato. pato PATO pato pato. Ronaldo Martins. ['pa.

27/09/2012. Por que as coisas têm o nome que têm? Motorista Chauffeur Driver. pato PATO pato pato. pato PATO pato pato. Ronaldo Martins. ['pa. discurso texto... texto... texto sentença... sentença Ronaldo Martins palavra... palavra morfema... morfema fonema... fonema som som som Por que as coisas têm o nome que têm? Motorista Chauffeur Driver

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.:

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== De acordo com as dicas, responda: 01- Foi

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012 TITLE OF PAPER. Composition III COURSE NUMBER IDE-PT207 TIME ALLOWED 3 HOURS INSTRUCTIONS:

UNIVERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012 TITLE OF PAPER. Composition III COURSE NUMBER IDE-PT207 TIME ALLOWED 3 HOURS INSTRUCTIONS: UNIVERSITY OF SWAZILAND FINAL EXAMINATION 2012 TITLE OF PAPER COURSE NUMBER TIME ALLOWED Composition III IDE-PT207 3 HOURS INSTRUCTIONS: Answer all questions. Do not write any answer on the examination

Leia mais

Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes

Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes Rio Navegável e não navegável Carlos A. Arantes Muitas dúvidas existem em trabalhos de Georreferenciamento principalmente no tocante ao entendimento dos divisores de um imóvel rural, em especial quando

Leia mais

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE AULA DE HOJE A PARÁBOLA DO GRÃO DE MOSTARDA A GÊNESE Segundo o Gênesis Deus criou o mundo em 6

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

Branco é, galinha o põe

Branco é, galinha o põe Teixeira, José, 1996, "Branco é, galinha o põe" (Entradas lexicais e Significado de Comunidade), Actas do XI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, II vol., Associação Portuguesa de

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Compreender a importância de uma alimentação equilibrada e segura Nutrientes - o que são Funções dos nutrientes ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE Apresentar

Leia mais

Colégio Internato dos Carvalhos

Colégio Internato dos Carvalhos Grupo Disciplinar de Línguas Românicas aøväxé wé XÇá ÇÉ fxvâçwöü É Matriz do Teste Intermédio de Português do 12.º ano Ano letivo 2014-2015 Objeto de avaliação INFORMAÇÃO-TESTE de Português 12.º ano (a

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 20 ECOLOGIA Como pode cair no enem (ENEM) Várias estratégias estão sendo consideradas para a recuperação da diversidade biológica de um ambiente degradado, dentre elas, a criação

Leia mais

Clique para abrir 0 Artigo Completo/Click to open the paper

Clique para abrir 0 Artigo Completo/Click to open the paper l1-sessao POSTER 01 25/09/2012 17:30-18:30 CAMAROTE A/B Clique para abrir 0 Artigo Completo/Click to open the paper VEGETAL VARIABILIDADE GENETICA PARA 0 FLORESCIMENTO E CARACTERERS RELACIONADOS A ARQUITETURA

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0/2,0) 3º e 4º Bimestres A - Introdução Neste semestre, fizemos um estudo sobre os invertebrados e sua ampla

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão 1 No início, Deus criou os céus e a terra. A terra era vazia e sem forma. Trevas pairavam na superfície do abismo, e o espírito de Deus movia-se sobre as águas.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor CELESTE: PRODUÇÃO DO UNIVERSO 1. Componentes básicos do Universo matéria e energia: - Matéria e energia dos astros luminosos e iluminados; - Sol:

Leia mais

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario

PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario PREDICADOS SECUNDARIOS E A NATUREZA ASPECTUAL 00 PREDICAOO prlmario ABSTRACT: This paper argues that stative predicates cannot occur with subject oriented secondary predicates. We are assuming a view that

Leia mais

Lógica para Computação Prof. Celso Antônio Alves Kaestner, D.E.E. celsokaestner (at) utfpr (dot) edu (dot) br Introdução Lógica para Computação (IF61B) Três citações extraídas de Logique: Méthodes pour

Leia mais

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom

Baleia. Aranha. Iuri. Malcom Aranha Baleia A aranha é um aracnídeo. O habitat das aranhas é nas florestas ou em casas. Mas ela mora em uma teia que ela mesma faz. Depressa ela se pendura na teia e enrola insetos nessa teia para se

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO

MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO 03 DE JULHO DE 2009 ÍTENS DA ETAPA MARROM 1. TOMAR PARTE, DE PREFERÊNCIA EM UM GRUPO, EM DOIS PROJETOS, TAIS COMO: Limpar um arroio, valo ou

Leia mais

primeiro plano, segundo plano,

primeiro plano, segundo plano, ABSTRACT: The relation photo-charge appears in a meaningful way in the newspaper. The headline-photo in thefirst page, is published next day as a charge. Both of them act as a intertext, dialoging with

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS Janine Soares de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina Markus Johannes Weininger Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

scola Secundaria de Fafe

scola Secundaria de Fafe GOVERNODE PORTUGAl MINISTtRIO OA EDUCAt;.lO ( CltNCtA scola Secundaria de Fafe Dire~ao Ex. mo Senhor Inspetor Jose Fernando Pinho Silva Inspe~ao-Geral da Educa~ao e Ciencia - Area Territorial do Norte

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens

As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens Débora da Silva Pereira Universidade Federal de Goiás Debbora.sp@hotmail.com As dimensões da linguagem na Geografia: primeiras abordagens INTRODUÇÃO O objetivo central deste texto é veicular algumas abordagens

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 O LÉXICO DO PORTUGUÊS DO BRASIL EM DICIONÁRIOS ELETRÔNICOS DO SÉCULO XXI Rosinalda Pereira Batista rosikmf@gmail.com Alexandra Feldekircher Müller alexandra.f.m@gmail.com INTRODUÇÃO Este trabalho tem por

Leia mais

o neologismo alogen~tico consiste do

o neologismo alogen~tico consiste do DlPRUTIMOSINCLESESNA IMPRENSABRASILBlRAB NA PORTUCUESA 1- IntroducAo Entre os estudos ja realizados sobre emprestimos lingiiisticos estrangeiros,.encontramse os trabalhos de lexicologia de BARBOSA(1981).

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS

UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 LANGUAGE & LINGUISTIC IV IDE-PT202 THREE (3) HOURS UNIVERSITY OF SWAZILAND SUPPLEMENTARY EXAMINATION, 2012 TITLE OF PAPER LANGUAGE & LINGUISTIC IV COURSE NUMBER IDE-PT202 TIME ALLOWED THREE (3) HOURS INSTRUCTIONS 1. ANSWER ALL QUESTIONS. 2. DO NOT WRITE

Leia mais

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver: Caracterização do

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES LINGUfSTICO-PEDAG6GICAS NA ELABORAC;AO DE MATERIAL DIDATICO

SUPERANDO DIFICULDADES LINGUfSTICO-PEDAG6GICAS NA ELABORAC;AO DE MATERIAL DIDATICO SUPERANDO DIFICULDADES LINGUfSTICO-PEDAG6GICAS NA ELABORAC;AO DE MATERIAL DIDATICO Denise Martins de ABREU-E-LIMA (Universidade Federal de Silo Carlos) Dirce Charara MONTEIRO(Universidade Estadual Paulista)

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Renata Queiroz Dividino RA993183, Ariadne Faigle RA001380 1. Introdução A memória humana é capaz de realizar uma rica variedade de operações.

Leia mais

PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL

PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL PADROES ENTONACIONAIS DO PORTUGU~S E DO ESPANHOL: ESTUDO CONTRASTIVO E INSTRUMENTAL ABSTRACT: This paper presents an instrumental analysis of some Portuguese intonation patterns contrasting them with their

Leia mais

Quadro de conteúdos CIÊNCIAS

Quadro de conteúdos CIÊNCIAS Quadro de conteúdos CIÊNCIAS 1 6 o ano UNIDADE CAPÍTULO CONTEÚDO 1 Ecologia: seres vivos e ambiente 2 Água: substância vital 3 O ar e a atmosfera 1 O mundo dos seres vivos 2 Os seres vivos e as suas interações

Leia mais

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca.

A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. 12 EMA CUXIÚ 1 A ema vive no cerrado onde existem muitos arbustos e capim. O terreno é plano com pequenas ondulações. Há longos períodos de seca. Este macaco é com certeza muito engraçado. A cauda mais

Leia mais

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL);

A) NO CASO DE NÃO-INCLUSÃO DE ARTIGO(S) PUBLICADO(S) E/OU MANUSCRITO(S) SUBMETIDO(S) OU ACEITOS PARA PUBLICAÇÃO APRESENTAÇÃO DA MANEIRA FORMAL); SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ NÚCLEO DE PESQUISAS EM ONCOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA E CIÊNCIAS MÉDICAS NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO, TESES

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA IMAGEM DO DESERTO

LÍNGUA PORTUGUESA IMAGEM DO DESERTO LÍNGUA PORTUGUESA IMAGEM DO DESERTO Aqui não há mais pássaros. Todos foram embora, em busca de novas florestas para reconstruir seus ninhos. Aqui não há mais chuvas. Na terra gretada a fome avança como

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas

Língua portuguesa: ultrapassar fronteiras, juntar culturas Reflexões sobre a metalinguagem de aquisição, aprendizagem e ensino do português para falantes de outras línguas Maria Francisca XAVIER 1 Maria José GROSSO 2 Katia de Abreu CHULATA 3 RESUMO O estudo da

Leia mais

Planificação Anual da Sala dos 5anos

Planificação Anual da Sala dos 5anos Nome do Aluno: Janine Colaço Reis Planificação Anual da Sala dos 5anos Calendarizaçã o (mês) Áreas de conteúdo/ Conteúdos Curriculares Competências Situações de aprendizagem/ Estratégias Recursos Humanos/

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA

ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ANDAM GOLFINHOS NA COSTA ESCOLA DE MAR INVESTIGAÇÃO, PROJECTOS E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE E ARTES Delphinus delphis Toninha, assim se chama o mais comum dos golfinhos em Portugal. O golfinho-comum (Delphinus

Leia mais

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA

CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA CENTRO DE ENSINO MÉDIO 02 DE CEILÂNDIA Normas Técnicas para Apresentação de Trabalhos Escritos 1 Os trabalhos escritos serão apresentados aos professores de todos os componentes curriculares desta escola

Leia mais

Assinale a alternativa correta. a) De acordo com o texto, algumas civilizações e cidades desapareceram: ( ) pelo excesso de água.

Assinale a alternativa correta. a) De acordo com o texto, algumas civilizações e cidades desapareceram: ( ) pelo excesso de água. Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Prova bimestral 4 o Bimestre 4 o ano Língua portuguesa Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia um trecho do texto jornalístico,

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 1) Observe esta figura e identifique as partes do vegetal representadas nela. Posteriormente, associe as regiões identificadas às funções

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS 1) A partir das informações dadas, enumere as informações, em ordem sequencial, de acordo com as etapas do método científico: ( ) Conclusões ( ) Possíveis respostas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

o PROBLEMA DA GRANDEZA LINGUISTICA NO VAKYAPADIYA, DE BHARTRHARI'

o PROBLEMA DA GRANDEZA LINGUISTICA NO VAKYAPADIYA, DE BHARTRHARI' o PROBLEMA DA GRANDEZA LINGUISTICA NO VAKYAPADIYA, DE BHARTRHARI' MA.RIO FERREIRA (USP) ABSTRACT: The aim 0/ this paper is to analyse the problem of linguistic entity, according to the Bhartrhari's Vakyapadiya.

Leia mais

PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas)

PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas) PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas) Professora: Juceli Pola Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Leitura; oralidade; memória; raciocínio; ritmo; dramatização. * Proporcionar

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA

A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA A QUESTÃO DA TAXONOMIA NUM CORPUS COLABORATIVO PARA CONSTRUÇÃO DE UM VOCABULÁRIO NA ÁREA DE LINGUÍSTICA Guilherme FROMM Universidade Federal de Uberlândia guifromm@ileel.ufu.br Resumo: pretendemos descrever

Leia mais

ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS

ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS O setor de provas e avaliação da SEPROD reuniu-se junto com a equipe de professores, para analisar os recursos administrativos

Leia mais