A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG"

Transcrição

1 A DEFINI<;AO LEXICOGRA.FICA NO SISTEMA DE CONCEITOS DE HALLIG E WARTBURG Clotilde de Almeida Azevedo MURAKA W A (Faculdade Araraquara) de Ciencias e Letras- UNESP- ABSTRACT: This work shows an analysis of the lexicographic defintions contained in dictionaries of the Portuguese language of different time periods. and the possibilities of such definitions being classified in the Hallig and Wartburg System of Concepts. Em 1.952, saiu publicado pela Akademie Verlag de Berlim, 0 Sistema de Conceitos (sq, "Begriffssystem", elaborado por Rudolf Hallig e Walther yon Wartburg que, como diz 0 titulo do livro, e urn "sistema para servir de base it Lexicografia". Os autores publicaram uma c1assifica~ao conceptual do universo, adotando urn ponto de vista onomasiol6gico, isto e, partindo das no~oes e nao das palavras. Hallig e Wartburg ao elaborarem tal Sistema de Conceitos propuseram uma nova ordem, que nao fosse a alfabetica, para a elabora~ao de urn dicionario cientifico. 0 SC, como pretendiam, seria calcado sobre" 0 estado de lingua contemponineo. 0 esquema proposto e uma constru~ao a priori e e apenas uma das c1assifica~oes possiveis do mundo dos conceitos. Com as inumeras pesquisas feitas durante a elabora~ao do Dictionnaire etymologique du fran~ais, considerado a obra mais completa sobre 0 vocabulario galoromano, Wartburg teve a confirma~ao daquilo que vinha supondo h:i longo tempo: 0 vocabulario de uma lingua e urn todo organizado. Suas ideias encontraram sustenta~ao em do is principios da teoria da lingua gem de Humboldt, que influenciaram a lingoistica do seculo XX: I) 0 principio de que a lingua nao serve apenas a expressao e a comunica~ao, mas que ela cria urn mundo espiritual intermediario que se insere entre 0 ED e 0 mundo exterior, uma "imagem do mundo" que e transmitida a cada representante de urna comunidade lingoistica pelo ensino e e confirmada pelo emprego constante que 0 falante faz da lingua; 2) 0 principio da articula~ao, retomado por Saussure, segundo 0 qual todos os meios de expressao de uma lingua formam urn conjunto, urn sistema no qual cada parte faz corpo com as outras e esta condicionado por elas.. No dominio do vocabulario, a ordem alfabetica e urn obstaculo it realiza~ao desses dois principios: a imagem do mundo e base da lingua e 0 sistema dessa lingua. A ideia de organizar urn vocabulario nao usando a tradicional ordem alfabetica nao e nova. Os trabalhos de F. Dorneseiff, J. Casares, Charles Maquet foram importantes para que Hallig e Wartburg elaborassem 0 seu Sistema de Conceitos. A proposta apresentada por eles para que 0 sistema de c1assifica~ao tivesse urn valor geral e aplic3vel as outras Iinguas e nao apenas ao frances, deveria obedecer algumas etapas: I) c1assifica~ao apenas dos conceitos. 0 vocabulario de uma

2 detenninada lingua deveria estar subordinado ao momento de utiliza~ao do sistema; 2) os conceitos deveriam ser os existentes na lingua antes da introdu~ao da ciencia, ou seja, como as coisas sao concebidas e expressas fora das ciencias; 3) admite-se no sistema uma sele~ao de conceitos: 4) os conceitos escolhidos sao classificados segundo uma visao de conjunto, urn principio diretor e a classifica~ao deveria ser de tal fonna que 0 todo constituisse um conjunto organizado. Como os conceitos provem do uso da lingua fora da ciencia, tem-se, gra~as a eles, depois de classificados, uma imagem do mundo que a lingua reflete. Hallig e Wartburg partiram da palavra, constituida de duas partes insepaniveis, confonne estabeleceu Saussure: conceito e imagem acustica e voltaram a sua aten~ao apenas para 0 conceito, dando a ele 0 valor de significa~ao. No SC fica detenninado que 0 conceito logico geral tern rela~ao com a significa~ao geral. As significa~oes sao flutuantes, nem sempre claramente delimitadas e possuem uma zona de varia~ao; tern sua colora~ao e sao detenninadas pelo ato de pensamento, pelo ato de fala, pela maneira como sao empregadas. Por isso, 0 conceito logico e geral e e primario. A significa~ao, por sua vez, pode ter significa~oes ocasionais que decorrem de atos individuais do falante, e estas significa~oes sao secundarias com rela~ao a significa~ao geral. 0 conceito tern, assim, uma orienta~ao para a generalidade e fixidez. E uma unidade de pensamento construida por abstra~ao a partir de propriedades atribuidas a um objeto ou a uma classe de objeto. Ele reune uma classe de elementos que tern caracteristicas comuns e apresenta caracteristicas de abstra~ao e generaliza~ao. " Assim definidos no SC, significa~ao e conceito se distinguem urn do outro por alguns pontos: a significa~ao e movel, 0 conceito, uma vez adquirido pela nossa consciencia nao muda. Onde quer que apare~a, apresenta-se sempre 0 mesmo, nao dando lugar a urn novo conceito. Por OUtrOlado, a significa~ao e viva e nao pode ser senao parafraseada. 0 conceito conhecido pode ser em principio, a defini~ao. Foi neste ponto que 0 SC chamou a nossa aten~ao. Elaborado com 0 objetivo de servir de orienta~ao para a Lexicografia, vimos nele a possiblidade de classificar unidades lexicais substantivo de acordo com a defini~ao dada a elas em dicionarios da lingua portuguesa de diferentes autores e epocas. Constituindo um corpus de referencia com substantivos extraidos do Vocabulario do Portugues Fundamental, consultamos estas unidades nos seguintes dicionanos, obedecendo a ordem cronologica: 1) Vocabulario Portugues-Latino, do Pe.. Raphael Bluteau (1.712/1.721); 2) Dicionario da Lingua Portuguesa, de Antonio de Morais Silva (edi~ao de e 1.813); 3) Grande Dicionario Portugues ou Tesouro da Lingua Portuguesa, de Frei Domingos Vieira (1.871/1.874); 4) Dicionario da Lingua Portuguesa, de Antenor Nascentes (1.961/1.967); 5) Dicionario da Lingua Portuguesa de Aurelio Buarque de Holanda Ferreira, na versao eletronica de Antes de passannos a analise das unidades e a sua classifica~ao no SC, algumas considera~oes teoricas sobre a defmi~ao lexicognifica se fazem necessarias. A defmi~ao em dicionarios de lingua tern sempre se constituido numa preocupa~ao nao so para aqueles que elaboram dicionarios, mas tambem para aqueles que os analisam. A classica analise aristotelica do conceito do definido pelo "genero proximo" e a "diferen~a especifica'~tern sido de grande utilidade para os lexicografos.

3 A defini~ao lingoistica e sempre uma defini~ao de palavras; ela pretende apenas traduzir 0 que, sobre urn objeto dado, a palavra sugere ao espirito nurn dado momento. Para P. Imbs (1.961: 10): "...a palavra esta, portanto, sempre em referencia a urn objeto, mas ela nao e objetiva; ela e apenas urna visao s6cio- subjetiva sobre urn objeto; feita desta maneira, falando a palavra ou a escrevendo, tem-se de uma vez a sensa~ao de que e de urn objeto e nao de outro que esta se tratando". Aquele que elabora uma defmi~ao propoe uma equa~ao semica com 0 objetivo de que a unidade lexical seja inteira e exclusivamente evocada. 0 sistema semiocultural do falante/ouvinte tem grande importancia para a evoca~ao do conceito. A defini~ao classifica e menciona 0 tra~o semico pertinente ao definido, depois de descartar todos os outros tra~os que pertencem it mesma classe, mas que nilo interessam a cada caso. Segundo A. Rey (1.965: 79): "0 programa da defini~ao se reduz para a pratica lexicogrlifica em fazer corresponder, a uma unidade supostamente conhecida ou mal conhecida, uma pluralidade de unidades pertencentes ao mesmo sistema lingoistico, organizadas segundo as estruturas sintagmaticas deste sistema e que supoe: I) capaz de remeter ao mesmo significado; 2) capaz de determinar para 0 falante ou ouvinte a elabora~ao conceitual deste significado". Com alguns dos pressupostos te6ricos acima, buscamos verificar como as defmi~oes sao operacionalizadas nos dicionarios e que varia~ao sofrem atraves do tempo. Observamos que toda defini~ao esta constituida de urn conteudo semantico blisico invariavel e de urn outro que pode ou nao sofrer varia~ao. Assim, partindo do pressuposto de que a parte invariavel esta ligada ao conceito, classificamos as unidades do corpus de acordo com 0 SC de Hallig e Wartburg. Como 0 SC esta dividido em 3 grandes partes, a saber: A- 0 UNIVERSO; B- o HOMEM; e C- 0 HOMEM E 0 UNlVERSO e como a nossa pesquisa ainda nilo chegou ao fmal, escolhemos para esta sessilo apresentar apenas os resultados obtidos com os substantivos classificados na primeira parte - 0 UNIVERSO -, nurn total de 216 unidades. Estas unidades foram classificadas em subdivisoes, quais sejam: I - 0 ceu e a atmosfera: 26 unidades; II - A terra: 31 unidades; III - As plantas: 93 unidades; e IV-Os animais: 66 unidades. Cada um desses quatro grupos apresenta outros conceitos que encabe~am subdivisoes, sempre estabelecendo urna rela~ao entre os conceitos. Por exemplo: unidades classificadas em I - 0 ceu e a atmosfera, como: ceu, lua, sol, mundo, estrela, etc., estilo relacionados a "0 ceu e os corpos celestes"; e unidades como: clima, tempo, trovao, vento, calor, chuva, etc., estao relacionados a "0 tempo e os ventos"; e assim por diante. Com este procedimento todo 0 SC esta organizado. Selecionamos, a seguir, algumas defini~oes contidas nos dicionarios analisados e classificadas unidades em 0 UNIVERSO. Devemos, neste ponto, salientar que consideramos sempre a primeira defini~ao dada em cada dicionario para fms de nossa classifica~ao. CEU= Bluteau- Na sua mais ampla significa~ao compreende esta palavra todos os corpos celestes que hoje segundo a mais comurn opiniao silo 12. Morais- A regiao eterea.

4 Vieira- Espa~o que vemos em forma de abobada estendido por cima de nossas cabe~as c circunscrito pelo horizontc. Nascentes- Espa~o ilimitado sobre a terra. Aurelio- Espa~o ilimitado e indefinido onde se movem os astros. SC- I - 0 ceu e a atmosfera! 0 ceu e os corpos celestes. CHUVEIRO= Bluteau- Chuva grande e impetuosa que de ordimirio vem com trovoada e dura pouco. Morais- Grande pancada de chuva. Vieira- Chuva fortissima que dura pouco. Nascentes- Chuva grossa passageira. Aurelio- Chuva repentina c abundante, mas passageira. SC- I - 0 ceu e a atmosfera/ 0 tempo e os ventos. MONTE= Bluteau- Terra ou penedia muito mais alta que 0 nivel ordimirio da terra. Morais- Por~ao ou parte da terra notavelmente levantada. Vieira- Grande massa de terra elevada acima do terreno que a cerca. Nascentes- Massa grande de terra elevada acima do terreno. Aurelio- Eleva~ao notavel de terra acima do solo que a cerca. SC- 11-A terral A configura~ao e 0 aspecto. RIO= Bluteau- Rio e corrente caudalosa de muitas aguas juntas que vao desembocar no mar. Morais- Agua corrente por entre margens e em grande copia. Vieira;. Fragua, corrente por entre margens, em grande copia. Nascentes- Corrente de agua mais OU menos caudalosa e extensa a qual desemboca em outro rio, no mar, lago ou lagoa. Aurelio- Curso deagua natural, de extensao mais ou menos varia vel que se desloca de umnivel mais alto para outro mais baixo. SC- II - A terral As aguas SEMENTE= Bluteau- E 0 grao, OU pequeno corpo coberto com suas mnicas que a planta produz. depois da flor e que deitado na terra produz outra planta da me sma especie. Morais- 0 grao de que se desenvolve e abrolha a planta na terra. Vieira- Corpo vegetal produzido pela germina~ao que depois de fecundada sc desenvolve. Nascentes- Parte do fruto proprio para reprodu~ao vegetal. Aurelio- Estrutura de fanerogamos que conduz 0 embriiio. SC- III - As plantas/ A vida vegetal em geral. FIGO= Bluteau- Fruto da figueira, do tamanho e quase da figura de uma pera mea. Morais- Fruto amendoado com fei~iio de funil com que se vem adelga~ando ate 0 pexinho.

5 Vieira- Fruto da figueira de polpa mole e a~ucarada. Nascentes- Receptaculo carnudo de flores da figueira. Aurelio- Infrutescencia do tipo siconio, produzido pela figueira. SC- III- As plantas! As arvores frutiferas. POMBO= Bluteau- Ave domestica conhecida, querida de todas as na~oes porque e branda, nobre c rendosa aos que a criam. Morais- Ave domestica vulgar. Vieira- Ave domestica vulgar. Nascentes- Nome comum as aves Columbiformes da familia columbida. Aurelio- 0 macho da pomba SC- IV-Os animais/ As aves/ Os passaros de patio e galinheiro. POLVO= Bluteau- Marisco da fei~ao da ciba. Morais- Peixe de muitas pernas com umas excrescencias. Vieira- Peixe de muitas pernas com umas excrescencias redondas. Nascentes- Molusco da familia Oct6pidas Aurelio- Designa~ao comum aos moluscos cefal6podes, oct6podes caracterizados por oito tentaculos. SC- IV-Os animais/ Os moluscos. BOI= Bluteau- Animal quadrupede, cornigero. E 0 touro capado, para engordar e servir no arado. Morais- Macho da especie vacum. Vieira- Touro castrado, servindo principalmente ao trabalho dos campos e a alimenta~ao dohomem. Nascentes- Touro castrado destinado aos servi~os de lavoura ou de carga ou a alimenta~ao do homem. Aurelio- Animal mamifero, artiodactilo, ruminante da familia bovideos, pertencente ao genero Bos. SC - IV-Os animais/ Os animais domesticos. Da analise que fizemos das defini~oes e a considerar os exemplos acima, podemos chegar a algumas conclusoes: I) as defmi~oes dadas apresentam sempre urn conteudo semantico invariavel que permite classifica-ias no SC; 2) as defini~oes dadas apresentam um conteudo que sofre varia~ao de dicionario para dicionario e, portanto, de epoca para epoca. Basta verificar os exemplos acima: FIGO, SEMENTE, POMBO e POL VO, sobre os quais uma classifica~ao cientifica e dada como defini~ao nos dicionarios do seculo XX, evidenciando a presen~a do progresso cientifico. Em FIGO, os dicionarios de Bluteau, Morais e Vieira registram "fruto da figueira" e mais uma descri~ao da forma ou sabor da fruta; em Aurelio, encontramos a defini~ao cientifica, nao aparecendo 0 conceito "fruto"; 0 mesmo acontecendo em

6 Nascentes. Em SEMENTE, Aurelio novamente registra uma defini'yao cientifica que nao permite chegar ao significado da palavra; ja nos outros dicionarios encontramos defini'yoes lingiiisticas, onde a "vida vegetal" aparece lingiiisticamente identificada por "grao", "corpo vegetal", "reprodu'yao vegetal". Em POMBO, apenas Nascentes da uma defmi'yao cientifica. Interessante, entretanto, e a defini'yao de Bluteau que, na sua visao pessoal, mostra 0 pensamento da epoca. 0 exemplo de POL VO e dos mais curiosos. A confusao quanto it classifica'yao do molusco mostra bem a ausencia de urn conhecimento cientifico mais preciso na epoca. Bluteau, Morais e Vieira registram "marisco" ou "peixe" como hiper6nimos na defini'yao. Finalmente, a unidade BOI e definida apenas em Aurelio de acordo com a classifica'yao cientifica do animal. Os demais dicionarios, ao lado do conceito, registram a fun'yao que 0 animal tern nos trabalhos do campo. Apesar de nossa pesquisa nao estar ainda concluida, pois outros dois grandes conceitos precisam ser analisados, podemos ter confrrmados alguns pontos de nossa hip6tese de trabalho: parte da defini'yao lexicografica sofre varia'yao de acordo com a cultura da epoca, mas 0 tra'yosemantico de base permanece invariavel. RESUMO: Este trabalho apresenta urna analise das defini'yoes lexicograficas em dicionarios da lingua portuguesa de diferentes epocas e a possibilidade de essas defini'yoes serem classificadas no Sistema de Conceitos de Hallig e Wartburg. HALLIG, R. e WARTBURG, W. Systeme raisonne de concepts pour servir de base a la Lexicographie. 2" ed. Berlin: Akademie Verlag, IMBS, P. Au seuil de la lexicographie. Cahiers de Lexicologie, Paris, v.2, p. 3-17, REY, A. A propos de la definition lexicographique. Cahiers de Lexicologie, Paris, v. 6, p ,

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM

Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 11/5/13 4:37 PM Génesis Antigo Testamento_vale.indd 7 Antigo Testamento_vale.indd 8 I. HISTÓRIA DAS ORIGENS 1 Criação do mundo 1 No princípio, quando Deus criou os céus e a terra, 2 a terra era informe e vazia, as trevas

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder

A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder A criação do Homem e a sua relação com Deus segundo as narrativas de Génesis 1 e 2 - A importância da compreensão dos textos antigos, para se poder entender o mundo atual - Génesis 1 e 2 (Citações da A

Leia mais

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor.

(1) Ha muita cadeira na sala. (2) Tres cafes por favor. ABSTRACT: Following the tradition of English grammar, some authors have distinguished between count and non-count nouns in Portuguese. The present paper resumes this discussion and develops the hypothesis

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0/2,0) 3º e 4º Bimestres A - Introdução Neste semestre, fizemos um estudo sobre os invertebrados e sua ampla

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.:

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== De acordo com as dicas, responda: 01- Foi

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor PLANO DE TRABALHO DOCENTE CIÊNCIAS 3º ANO Professor Vitor CELESTE: PRODUÇÃO DO UNIVERSO 1. Componentes básicos do Universo matéria e energia: - Matéria e energia dos astros luminosos e iluminados; - Sol:

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014

3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 3ª Aula Gênese Mosaica e Espírita. Gênese Espiritual (Parte 1) Curso Aprendizes do Evangelho Aula 4 05/03/2014 Doutrinas Filosóficas Propõe-se a responder às questões transcendentais: Quem somos? De onde

Leia mais

O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO?

O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO? Telescópios na Escola 1 O QUE ACONTECEU COM PLUTÃO? Preâmbulo Um dos grandes desafios em ciência é encontrar a semelhança de coisas que são aparentemente diferentes e estabelecer a diferença entre coisas

Leia mais

466 AS PERSONAGENS NO CONTO "A ESTRUTURA DA BOLHA DE. de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria

466 AS PERSONAGENS NO CONTO A ESTRUTURA DA BOLHA DE. de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria 466 AS PERSONAGENS NO CONTO "A ESTRUTURA DA BOLHA DE SABAO" - DE LYGIA FAGUNDES TELLES. o presente trabalho e fruto de estudos em sala J de aula, com alunos de Literatura Contemporanea da Universisecundaria

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE

Uso e Arborização dos Espaços Comuns nas Escolas Municipais de Canhotinho-PE THAMYLLYS MYLLANNY PIMENTEL AZEVEDO(AUTORA) E-mail: thamyllysmyllanny@hotmail.com MARIA BETÂNIA MOREIRA AMADOR (COAUTORA) E-mail: betaniaamador@yahoo.com.br UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO-UPE/CAMPUS GARANHUNS

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes

Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Portfólio fotográfico com o tema Unicamp Caroline Maria Manabe Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Introdução Como foi explicitado no Projeto de Desenvolvimento de Produto, a minha intenção

Leia mais

1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a

1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a 1ª Leitura - Gn 1,20-2,4a Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança. Leitura do Livro do Gênesis 1,20-2,4a 20Deus disse: 'Fervilhem as águas de seres animados de vida e voem pássaros

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas.

A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas. A partir dos campos lexicais e semânticos seguintes, podem desenvolver-se as seguintes actividades: sopas de letras, crucigramas e palavras cruzadas. Campo Lexical N.º 1 [Árvore] Folha Flor Madeira Cortiça

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa

1.0. Transitividade e intransitividade na gramatica tradicional e na gramatica gerativa ABSTRACT: This paper presents a study of arbitrary null objects in Brazilian Portuguese. The main focus of this research is to discuss the relations of verbal transitivity and intransitivity in the subcategorization

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA Autores : Edson KARSTEN; Irene WEHRMEISTER. Identificação autores: Acadêmico do curso Física Licenciatura, IFC-Campus

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO

MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO MATERIAL DE APOIO PARA INSÍGINIA MUNDIAL DE CONSERVACIONISMO 03 DE JULHO DE 2009 ÍTENS DA ETAPA MARROM 1. TOMAR PARTE, DE PREFERÊNCIA EM UM GRUPO, EM DOIS PROJETOS, TAIS COMO: Limpar um arroio, valo ou

Leia mais

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo

Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Distinções entre Memória de Curto Prazo e Memória de Longo Prazo Renata Queiroz Dividino RA993183, Ariadne Faigle RA001380 1. Introdução A memória humana é capaz de realizar uma rica variedade de operações.

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

O futuro da fé, da religião e da ciência

O futuro da fé, da religião e da ciência Aula IV - Ano 2015 O Despertar da Consciência O futuro da fé, da religião e da ciência Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual o futuro? 1. A Fé não tem futuro; 2. A Religião não tem futuro; 3. A Ciência

Leia mais

Os planetas gémeos ...fim

Os planetas gémeos ...fim Os planetas gémeos 21 Era uma vez um par de planetas gémeos que tinham uma forma de olho. Eram quase redondos como a Terra. Apesar da distância que os separava, mexiam-se sempre em simultâneo e faziam

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão

OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão OS TEMPOS ANTIGOS Desde a Criação até Abraão 1 No início, Deus criou os céus e a terra. A terra era vazia e sem forma. Trevas pairavam na superfície do abismo, e o espírito de Deus movia-se sobre as águas.

Leia mais

Importância do ar para os seres vivos

Importância do ar para os seres vivos Importância do ar para os seres vivos A ATMOSFERA A atmosfera éconstituída por várias camadas. Cada camada tem características próprias: TROPOSFERA: Éa camada mais próxima da terra. Éconstituída por uma

Leia mais

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos As atividades exemplificativas foram elaboradas para mostrar alguns tipos de atividades que podem ser feitas usando os ambientes do Comunicar com Símbolos.

Leia mais

QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS

QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS Bíblia para crianças apresenta QUANDO DEUS CRIOU TODAS AS COISAS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: Bob Davies; Tammy S. O texto bíblico desta história é extraído

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

PRÊMIO AMAVI DE EDUCAÇÃO 2011: QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA. PROFESSORA: GILMARA NUSS

PRÊMIO AMAVI DE EDUCAÇÃO 2011: QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA. PROFESSORA: GILMARA NUSS PRÊMIO AMAVI DE EDUCAÇÃO 2011: QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA. PROFESSORA: GILMARA NUSS PROJETO ANIMAIS Projeto elaborado para o 3º ano I e II JOSÉ BOITEUX AGOSTO/2011 ÍNDICE JUSTIFICATIVA...

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número

1 O número concreto. Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Página 1 de 5 1 O número concreto Como surgiu o número? Contando objetos com outros objetos Construindo o conceito de número Como surgiu o número? Alguma vez você parou para pensar nisso? Certamente você

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO

Unidade. 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO I Unidade 6 Coleção IAB de Ciências / 3º ANO UNIDADE I: A VIDA EM NOSSO PLANETA Introdução A ciência se faz com observação da natureza, perguntas e busca de respostas. Você já observou como o Planeta Terra

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta *

DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * DESENVOLVENDO COMPETÊNCIAS MATEMÁTICAS Marineusa Gazzetta * RESUMO: Neste texto apresento algumas considerações sobre as competências e habilidades matemáticas a serem desenvolvidas no Ensino Fundamental,

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar.

O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar. O Programa Educativo Apetece-me chegou ao Pré-Escolar. O Programa Educativo Apetece-me é uma iniciativa da Nestlé Portugal que conta com o apoio da Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos:

Cerrado e caatinga. Compare estas duas fotos: A UU L AL A Cerrado e caatinga Compare estas duas fotos: cerrado caatinga Observando as duas figuras, a característica que mais nos chama a atenção é que os dois ambientes parecem muito secos. Nesta aula,

Leia mais

OBJETIVOS CURRICULARES

OBJETIVOS CURRICULARES OFICINA DE PROJETOS Ciências Naturais 1 Construir noções sobre planeta a partir do planeta Terra; 2 Descrever a estrutura do planeta; 3 Conceituar a litosfera, destacando as rochas, os minérios e o solo

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento.

A probabilidade representa o resultado obtido através do cálculo da intensidade de ocorrência de um determinado evento. Probabilidade A probabilidade estuda o risco e a ocorrência de eventos futuros determinando se existe condição de acontecimento ou não. O olhar da probabilidade iniciou-se em jogos de azar (dados, moedas,

Leia mais

IPS COMÉRCIO Empresa social

IPS COMÉRCIO Empresa social IPS COMÉRCIO Empresa social O que é o IPS COMÉRCIO Empresa social, constituída em 2007, hoje com sede em Atibaia SP, Brasil, com a finalidade de ser mantenedora do Instituto Papel Solidário. Teve início

Leia mais

Eckhart Tolle. Em harmonia com a natureza

Eckhart Tolle. Em harmonia com a natureza Eckhart Tolle Em harmonia com a natureza 3 Prefácio A inspiração e a magia de Eckhart Tolle na comunidade espiritual Findhorn Na primavera de 2004, Eckhart Tolle promoveu um marcante retiro durante um

Leia mais

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo?

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo? Todos os dias medimos coisas, nas mais variadas ocupações e atividades. Afinal, o que é medir? Aqui está uma lista de casos para que você e seu grupo analisem e indiquem o que medimos em cada situação:

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE

CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 4 A GÊNESE AULA DE HOJE A PARÁBOLA DO GRÃO DE MOSTARDA A GÊNESE Segundo o Gênesis Deus criou o mundo em 6

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova

Os animais. Eliseu Tonegawa mora com a família - a. www.interaulaclube.com.br. nova A U A UL LA Os animais Atenção Eliseu Tonegawa mora com a família - a esposa, Marina, e três filhos - num pequeno sítio no interior de São Paulo. Para sobreviver, ele mantém algumas lavouras, principalmente

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 3 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 3 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio mbiente 3 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando, identificando-se

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico SESSÃO DE FORMAÇÃO SEMENTES DE CIÊNCIA NA CIDADE 1. Finalidades e Objectivos 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico 3. A Liberdade do professor e as consequências da Aprendizagem *

Leia mais

1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda.

1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda. Revisão de Geografia 3 Bimestre 2014 6 Ano 1) Explique quais foram os efeitos das inovações tecnológicas industriais sobre a agricultura. 2. A partir do texto e de seus conhecimentos, responda. A paisagem

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

1) A distribuição dos alunos nas 3 turmas de um curso é mostrada na tabela abaixo.

1) A distribuição dos alunos nas 3 turmas de um curso é mostrada na tabela abaixo. 1) A distribuição dos alunos nas 3 turmas de um curso é mostrada na tabela abaixo. A B C Homens 42 36 26 Mulheres 28 24 32 Escolhendo-se uma aluna desse curso, a probabilidade de ela ser da turma A é:

Leia mais

JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA

JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA JARDIM BOTÂNICO DE LISBOA PEDDY PAPER Nome: T: N.º Nome: T: N.º Nome: T: N.º Nome: T: N.º Data: / / Bem vindo(a) ao Jardim botânico de Lisboa Neste espaço, que vão conhecer hoje, encontram-se, além de

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 5. o ANO/EF - 2015 Caro (a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 2013 Jaciara-MT 2013 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO FORMATO Os trabalhos acadêmicos devem ser em conformidade com os apontamentos a seguir. Papel branco, Formato A4 (21

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

CIÊNCIAS DESCRITORES

CIÊNCIAS DESCRITORES CIÊNCIAS DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO Identificar a permeabilidade nos diferentes tipos de solo. Identificar a presença de água no interior do corpo dos seres vivos. Identificar as condições

Leia mais