UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE FUNCIONAL EM BASES DE DADOS ORACLE Ricardo Manuel Batalha Vilhena MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA Arquitectura, Sistemas e Redes de Computadores 2010

2

3 UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO PARA MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE FUNCIONAL EM BASES DE DADOS ORACLE Ricardo Manuel Batalha Vilhena ESTÁGIO Projecto orientado pelo Prof. Dr. Pedro Antunes e co-orientado por Nuno Miguel de Sousa Maria MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA Arquitectura, Sistemas e Rede de Computadores 2010

4

5 Resumo Este documento descreve o projecto realizado no âmbito da disciplina de Projecto em Engenharia Informática, do Mestrado em Engenharia Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e desenvolvido na empresa Truewind Tecnologias de Informação SA. A detecção das causas da degradação do desempenho nos sistemas de informação é complexa. Muitas vezes esta actividade não obtém respostas válidas e relevantes para os problemas encontrados. Prever o impacto e determinar de forma incisiva que operação do processo e que instruções foram responsáveis pelo fraco desempenho de uma funcionalidade, continua a ser uma tarefa muito pouco trivial. Este projecto endereça este problema e teve como objectivo criar uma ferramenta BAM, que permita recolher dados de operações de negócio e relacionar a execução destas operações com o consumo de recursos de hardware. Pretende-se com esta ferramenta estimar e prever os recursos de hardware necessários em cenários de projecção da actividade funcional. O trabalho desenvolvido permitiu identificar conceitos de negócio na base de dados de uma instalação do ERP Oracle e recolher indicadores da sua actividade. Para recolher dados, foram desenvolvidas várias sondas que obtêm os indicadores e os introduzem na base de dados de repositório da BAM. Estas sondas, além dos indicadores das operações de negócio realizadas, recolhem também métricas de utilização e consumo de recursos de hardware. Através da interface Web desenvolvida, a BAM permite a visualização de gráficos e de tabelas que resumem e relacionam os dados recolhidos. Num cliente da Truewind onde foi instalada a BAM, foi recolhida uma amostra de dados significativa. Com base nos indicadores recolhidos, foi possível identificar na base de dados do ERP Oracle, os diferentes tipos de projectos que este cliente desenvolve e qual o impacto que cada tipo de projecto tem na utilização e consumo de recursos de hardware. Esta informação auxilia o gestor da infra-estrutura a planear, em função dos objectivos de negócio, os recursos necessários para garantir níveis de desempenho satisfatórios. PALAVRAS-CHAVE: monitorização de sistemas, indicadores de negócio, consumo de recursos i

6 ii

7 Abstract This document describes the project implemented for the Project in Computer Sciences course of the Master s Degree in Computer Sciences at the Faculty of Sciences of the University of Lisbon developed in Truewind Tecnologias de Informação SA. Today s business applications need to guarantee high performance levels. However, through the years, with the change of business processes, it is common to watch overall systems performance deteriorate. In most cases it is not always clear what triggered the performance decline. It is difficult to identify correctly the process responsible for such behavior, since several conditions may contribute. Not knowing in most cases the cause for poor system performance, it is difficult to foresee the impact of each business operation and plan hardware resources needed. This project addresses this problem. The main goal is to develop an analysis tool BAM, which can collect execution data from business operations and relate this data with resource usage metrics also collected. Major tasks involved the identification of business entities, the development of multiple probes to collect information about business activity and hardware resource usage and a Web interface used to analyze retrieved data with dynamic graphics. BAM was used in a support and maintenance project of Truewind and collected an interesting sample of usage data. First, one of the main business operations was identified in the database. Information about its execution and impact on different structures was retrieved. Second, hardware resource usage metrics were collected in the production environment. BAM provided an interface with graphical elements which allowed the analysis of these two sets of data and the impact that business activity did on the hardware resource usage. This analysis can help IT management to predict future needs according to the company s business plans. KEYWORDS: databases, systems monitoring, business kpi, resource usage iii

8 iv

9 Conteúdo Conteúdo... v Lista de Figuras... viii Lista de Tabelas... xi Capítulo 1 Introdução Motivação Objectivos Gerais Resumo do trabalho desenvolvido Enquadramento institucional Estrutura do relatório... 5 Capítulo 2 Contextualização do Projecto Contexto Objectivos Específicos Metodologia Adoptada Plano de Execução Capítulo 3 Tecnologia e Arquitectura Plataforma de Base Base de dados Oracle Oracle EBS (E-Business Suite) SNMP CMOS v

10 3.2 Tecnologias Utilizadas no Desenvolvimento PHP JavaScript SQL XML Shell Scripts Fusion Charts Arquitectura da BAM Motor de Recolha de Dados Motor de Análise Integração de Sistemas Tecnologia Relacionada Oracle Enterprise Manager OEM Monitor Magic Database Monitoring Quest Database Management Primos Database Monitoring Ignite for Oracle Performance Oracle Business Activity Monitoring Análise Comparativa Capítulo 4 Trabalho Realizado Preparação do Projecto Definição dos Requisitos da BAM Desenho da Solução Implementação da BAM Instalação do Ambiente Repositório de dados Motores de Análise e Recolha vi

11 4.4.4 Criação da interface gráfica Testes Testes realizados aos componentes nucleares da BAM Testes realizados à interface utilizador Resultados Obtidos Capítulo 5 Conclusões Trabalho futuro Bibliografia vii

12 Lista de Figuras Figura 1. Metodologia de desenvolvimento em Espiral Figura 2. Mapa de Gantt com o planeamento executado no projecto Figura 3. Plano inicial do projecto Figura 4. Arquitectura da base de dados Oracle versão 10g [13] Figura 5. Arquitectura da Oracle E-Business Suite Figura 6. Mensagem do protocolo SNMP [18] Figura 7. Arquitectura da Consola de Monitorização com os vários componentes [6] Figura 8. Método de impressão de mensagens de depuração desenvolvido em PHP Figura 9. Método desenvolvido em Javascript para geração de gráficos Figura 10. Interrogação em SQL para obtenção da média diária de consumo de memória virtual sobre o modelo de dados da BAM Figura 11. Conteúdo de um ficheiro XML representativo de um gráfico Figura 12. Arquitectura do Sistema Figura 13. Vista de Administração do OEM [2] Figura 14. Monitor Magic Database Monitoring [3] Figura 15. Spotlight - Quest Software [5] Figura 16. Primos Database Monitoring [28] Figura 17. Ignite for Oracle Performance [29] Figura 18. Interface gráfica Oracle BAM [24] Figura 19. Modelo de Dados viii

13 Figura 20. Sonda da BAM para recolha de dados de carga de processador Figura 21. Fluxo de funcionamento do motor de recolha de dados Figura 22. etrm da Oracle com os meta-dados do modelo de dados do E-Business Suite Figura 23. Excerto do resultado da pesquisa pela tabela PA_PROJECTS_ALL no etrm Figura 24. Quadro consumo de recursos Figura 25. Caixas de selecção para escolha de gráficos Figura 26. Vista Horária Figura 27. Vista Diária Figura 28. Antes da operação de aumento Figura 29. Depois da operação de aumento Figura 30. Consumo de processador, memória e espaço ocupado pela base de dados em função do número de linhas da tabela PA_PROJECTS_ALL Figura 31. Consumo de Processador Figura 32. Evolução do número de linhas da tabela PA_RESOURCE_ASSIGNMENTS ix

14 x

15 Lista de Tabelas Tabela 1. Comparativo de soluções Tabela 2. Tabelas da base de dados e respectiva descrição Tabela 3. Descrição das colunas existentes em cada tabela da base de dados Tabela 4. Descrição das sondas Tabela 5. Número de registos por tabela Tabela 6. Número de linhas e espaço ocupado em média por tipo de projecto em três tabelas xi

16 Lista de Tabelas xii xii

17 Capítulo 1 Introdução Este documento apresenta o projecto de desenvolvimento de uma aplicação para a monitorização da actividade funcional numa base de dados Oracle, Este projecto foi realizado no âmbito do Mestrado em Engenharia Informática (MEI), da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e foi desenvolvido na Truewind Tecnologias de Informação S.A.[1]. 1.1 Motivação Actualmente exigem-se níveis de desempenho elevados e constantes aos sistemas de informação. A responsabilidade pelo desempenho destes sistemas recai, em grande parte, sobre as bases de dados e as aplicações que as utilizam. Logo após a entrada em utilização dos sistemas de informação, por vezes com bases de dados vazias, não são evidentes os problemas de desempenho. Estes surgem após alguns meses de operação. Nessa altura, interessa dispor das ferramentas adequadas para analisar o funcionamento e o desempenho das aplicações no sentido de corrigir situações ineficientes e recuperar os níveis de desempenho exigidos. No entanto, devido à dificuldade de prever convenientemente o impacto da actividade funcional que varia em cada organização (numa empresa de retalho será por exemplo o registo de vendas, já numa empresa industrial será por exemplo o registo e a produção de produtos) nos recursos de hardware disponíveis, adoptamos muitas vezes 1

18 Introdução 2 comportamentos reactivos na resolução do problema. Esta atitude, desprovida muitas vezes, de um plano de acção, é extremamente ineficiente pois implica uma grande perda de tempo e consequentes perdas financeiras. A oferta de soluções comerciais ou directamente pelos fabricantes das bases de dados para a monitorização do desempenho de uma base de dados é vasta. Temos como exemplo o Oracle Enterprise Manager [2], o MonitorMagic Database Monitoring[3] da Tools4ever[4] ou várias aplicações da Quest Software[5]. Contudo, o funcionamento destas aplicações limita-se a avaliar o desempenho das bases de dados ou dos sistemas, não explorando a relação entre as funcionalidades e conceitos de negócio de uma aplicação, com os indicadores do desempenho físico da base de dados. Por outro lado, baseiam-se em rácios tradicionais (rácio de utilização de dados em memória rápida, métricas de velocidade de leitura de dados, entre outros) que apenas nos fornecem informações sobre o estado global do sistema. Prever o impacto e determinar de forma incisiva o processo e as instruções responsáveis pelo fraco desempenho de uma funcionalidade, continua a ser uma tarefa muito pouco trivial. Foi com base neste contexto, que decorreu o projecto aqui descrito e através da sua realização, foi possível criar uma aplicação de monitorização do desempenho funcional de uma base de dados Oracle. 1.2 Objectivos Gerais Este projecto teve como objectivos gerais a formação na tecnologia de base de dados Oracle e o desenvolvimento de uma aplicação para análise e monitorização da actividade funcional numa base de dados Oracle, doravante designada por BAM, que permita: Apresentar através de tabelas e gráficos e resultados obtidos na inspecção ao funcionamento aplicacional de uma base de dados Oracle; Identificar e analisar processos e eventos responsáveis pela degradação de desempenho e obter e relacionar indicadores de negócio com indicadores gerais dos recursos do sistema;

19 Introdução 3 Estimar o impacto da utilização de recursos baseados nos indicadores de negócio; Validar o funcionamento da BAM nos sistemas de informação cuja manutenção é assegurada pela Truewind 1.3 Resumo do trabalho desenvolvido O projecto arrancou com uma fase de aprendizagem na tecnologia Oracle. De seguida foi-me introduzida a CMOS (Consola de Monitorização Operativa de Sistemas) [6], uma aplicação interna do universo de ferramentas utilizada pela Truewind nos projectos de monitorização de recursos. Nesta primeira fase ganhei competências em bases de dados Oracle e nas técnicas de suporte utilizadas pela Truewind nos projectos de administração e suporte de sistemas de informação. Numa segunda fase, iniciou-se o desenvolvimento da BAM com um conjunto de novas funcionalidades para a CMOS, nomeadamente com a resolução de problemas e limitações que a CMOS possuía na apresentação dos indicadores, e na forma como os obtinha, assim, foi alterado o motor interno da CMOS bem como a interface gráfica. A BAM foi dotada de capacidade de apresentação de indicadores normais de desempenho e carga, possibilitando ao mesmo tempo recolher e representar novos indicadores que reflectem actividade em conceitos de negócio. Depois desta fase de desenvolvimento a BAM foi colocada em funcionamento num projecto de administração e suporte a bases de dados Oracle de um cliente da Truewind. Aí foram detectados problemas ao nível da recolha de dados e indicadores que levaram à execução de diversas correcções e melhoramentos. Finalmente, depois de estabilizado o funcionamento da BAM, foram recolhidos dados que permitiram detectar relações de causa-efeito interessantes que foram apresentadas e que poderão auxiliar no planeamento de recursos em futuros projectos de migração.

20 Introdução Enquadramento institucional Este projecto iniciou-se em Setembro de 2008 com uma fase de integração na empresa Truewind Tecnologias de Informação, S.A., que teve como objectivos dar a conhecer a estrutura da empresa, as competências de cada unidade orgânica, bem como os seus métodos de trabalho, as normas internas, a política de qualidade e toda a documentação a ser produzida e utilizada no desenvolvimento de projectos. A Truewind é uma empresa de Sistemas de Informação com fortes competências nas áreas de desenvolvimento de software, formação, administração e suporte de sistemas de informação, planeamento, gestão, acompanhamento e validação da qualidade de projectos de informática. A equipa de Consultores da Truewind é constituída por técnicos qualificados com grande experiência, capazes de analisar a realidade e escolher as melhores opções para as necessidades de cada projecto. O negócio da empresa está organizado em quatro áreas de competência: desenvolvimento e suporte em tecnologia Java, desenvolvimento em tecnologia Microsoft, suporte a tecnologia Oracle e desenvolvimento e suporte em tecnologia OutSystems. De acordo com as políticas de polivalência e relação aberta entre os responsáveis de projecto e os consultores, esta divisão é informal e muitas vezes cruzada para poder oferecer aos clientes uma verdadeira oferta global para as suas necessidades. Actualmente colaboram com a Truewind cerca de 30 consultores nestas diferentes áreas. O desenvolvimento do projecto ocorreu nas instalações da Truewind e nos seus clientes, onde estive inserido numa equipa que presta serviços de suporte a múltiplos ambientes e aplicações em tecnologia Oracle, que incluem: Bases de Dados, o ERP - E-Business Suite, descrito mais adiante, bem como outras aplicações periféricas. O número elevado de aplicações, com várias instâncias, distribuídas por múltiplos servidores e ambientes, forneceu a contextualização ideal à concretização do projecto.

21 Introdução Estrutura do relatório capítulos: O documento, após esta parte introdutória está organizado em quatro grandes Capítulo 2: aprofunda o contexto subjacente ao projecto e apresenta o planeamento do projecto e a metodologia empregue na sua concretização. É também comparado o plano inicial de projecto (apresentado no relatório preliminar) e o plano de execução real obtido, com uma análise aos desvios ocorridos e às suas causas; Capítulo 3: introduz as ferramentas e tecnologias utilizadas e apresenta a arquitectura desenhada para a BAM; Capítulo 4: descreve o trabalho que foi realizado face aos objectivos a nível das funcionalidades, bem como os resultados alcançados com a BAM; Capítulo 5: apresenta as conclusões do trabalho, com um resumo do trabalho realizado, uma análise crítica e uma apresentação de possíveis trabalhos futuros.

22 Introdução 6

23 Capítulo 2 Contextualização do Projecto Neste segundo capítulo é feito um aprofundamento do contexto de execução do projecto e dos objectivos a atingir com a sua execução. É também apresentada a metodologia utilizada no seu desenvolvimento e realizada uma confrontação entre o plano inicial do projecto e o plano real. 2.1 Contexto O projecto iniciou-se com a integração na empresa. Ingressei desde logo na equipa de administração e suporte a sistemas Oracle a qual é responsável por vários projectos em diversas áreas de negócio: retalho alimentar, indústria, administração pública e financeiro. Nesta primeira fase, ganhei competência em operações de gestão e manutenção da tecnologia Oracle e nas técnicas de suporte utilizadas pela Truewind nos projectos de administração e suporte e que incluíram: Instalação e configuração de software Oracle (base de dados e servidor aplicacional); Correcção de erros do software (através da instalação de patches); Monitorização dos sistemas. 7

24 Contextualização do Projecto 8 O projecto onde fui inicialmente inserido desenvolveu uma plataforma de compras electrónicas para a administração pública. Neste projecto e como parte da minha formação inicial, desempenhei tarefas de manutenção, instalação e configuração da infra-estrutura aplicacional e das bases de dados Oracle que lhe dão suporte. Numa segunda fase participei também num outro projecto na área do retalho alimentar, com acções de migração e instalação de software para a solução de suporte ao retalho, baseada no ERP [7] Oracle E-Business Suite [8]. Nesta fase iniciei os trabalhos de instalação e configuração da CMOS [6] para o ambiente tecnológico deste cliente. Com o início dos trabalhos de desenvolvimento da BAM fui integrado num outro projecto num cliente da área da indústria aeronáutica. Aqui, a Truewind é responsável pela gestão das bases de dados que dão suporte ao negócio desta empresa e pelo sistema de salvaguardas. Trata-se de um ambiente tecnológico com oito bases de dados que fazem parte de três ambientes distintos: Ambiente de produção composto por quatro bases de dados; Ambiente de desenvolvimento composto por duas bases de dados; Ambiente de teste composto por duas bases de dados Além das tarefas regulares de manutenção das bases de dados, como são por exemplo as tarefas de: Monitorização do funcionamento; Correcção de erros; Gestão do espaço disponível; Controlo de desempenho; Configuração, gestão e recuperação de salvaguardas; Reposições ou clonagens de bases de dados entre ambientes; Realizei ainda múltiplas actualizações do software base da solução, para versões mais actualizadas.

25 Contextualização do Projecto 9 Nas actividades em que participei, a definição dos recursos de hardware a aplicar é normalmente baseada em dados imediatos que são obtidos a partir do estado actual do sistema, não havendo na maior parte dos casos uma análise ou estudo acerca da natureza dos dados e sua relação com o negócio da organização. Desta forma dificilmente são obtidos dados que suportem a estimação ou a previsão da evolução do desempenho do sistema de uma forma mais precisa e fiável. Um reflexo desta realidade, é o facto de ser habitual o desconhecimento para a equipa de suporte, da causa, em termos de negócio, que explica uma variação ou alteração evidente do padrão de consumo médio dos recursos. Esta ausência de conhecimento e suporte em dados do negócio para os valores de dimensionamento dos recursos de infra-estrutura dos sistemas de informação, pode provocar situações de desequilíbrio, com prejuízos evidentes para a organização. Se por um lado, um dimensionamento superior ao necessário representa um custo adicional muitas vezes pago para garantir a ausência de problemas, por outro lado, o dimensionamento de recursos demasiado curto para a carga imposta pelo sistema, pode dar origem a situações problemáticas de indisponibilidade ou manutenção dispendiosa, com elevados custos para a organização. Justifica-se assim, a criação de uma ferramenta que possibilite relacionar o consumo de recursos da infra-estrutura física de suporte aos sistemas de informação, com os conceitos de negócio. Pretende-se adoptar uma postura preventiva, no sentido de ser possível prever o estado para o qual o sistema avança ou os recursos por ele consumidos, tendo em vista a sua optimização e uma antecipação relativamente a alterações que possam interferir com os níveis de desempenho.

26 Contextualização do Projecto Objectivos Específicos Com base no contexto, requisitos e limitações já referidos, foi concebida a BAM, uma ferramenta de monitorização da actividade funcional de uma base de dados Oracle. A BAM tem por objectivo recolher e disponibilizar dados que permitam relacionar a actividade e o negócio de organização no consumo de recursos e no desempenho das bases de dados dos sistemas de informação. Assumimos que, de facto, existe essa relação de causalidade e pretende-se encontrar relações que permitam evidenciar que, por exemplo, o arranque de um projecto ou aplicação numa empresa tem um impacto mensurável nos recursos que são consumidos pelo sistema. A existência desta relação vai permitir estimar o custo, em termos de recursos, de uma operação de negócio e desta forma prever os requisitos necessários de uma configuração no arranque e na operação do sistema, de forma a manter os níveis de desempenho pretendidos. Assim, os objectivos delineados para o desenvolvimento do projecto foram: Identificar e analisar processos e eventos responsáveis pela degradação de desempenho e consumo de recursos de hardware; Recolher indicadores gerais dos recursos do sistema, utilizando para tal sempre que possível a CMOS e se necessário estender o seu funcionamento; Recolher indicadores de negócio, desenvolvendo estruturas que permitam detectar e recolher o seu volume, crescimento e variação ao longo de tempo; Relacionar estes dois tipos de indicadores, para possibilitar a detecção de correlações entre indicadores; Apresentar de forma fácil e rápida os indicadores recolhidos; Estimar o impacto na utilização de recursos de hardware com variações nos indicadores de negócio; Validar o funcionamento da BAM nos sistemas de informação cuja manutenção é assegurada pela Truewind.

27 Contextualização do Projecto Metodologia Adoptada Para o desenvolvimento da BAM, foi adoptada a metodologia de desenvolvimento em espiral [9] com várias iterações, incluindo um conjunto de actividades que são executadas em ciclo até se atingir o objectivo definido. Esta metodologia foi aplicada no desenvolvimento da BAM para reduzir os riscos inerentes à realização de um projecto com requisitos e obstáculos incertos, através da construção incremental do produto em desenvolvimento. Esta metodologia promove a avaliação do protótipo alcançado, numa fase inicial do ciclo de vida do projecto podendo assim, se necessário, tomarem-se as atitudes adequadas para alterar o rumo do projecto, de forma a evitar o seu fracasso. Cada ciclo desta metodologia é composto por uma fase de Análise, Desenho, Implementação e Teste. A Figura 1 ilustra as fases da metodologia utilizada. Figura 1. Metodologia de desenvolvimento em Espiral

28 Contextualização do Projecto 12 Na fase de especificação de requisitos foi realizada a análise das funcionalidades a implementar na BAM, de forma a identificar os objectivos de cada ciclo de desenvolvimento. Na fase seguinte, e em diferentes iterações, foi efectuado o desenho da aplicação e do modelo de dados que serve de estrutura de suporte à aplicação e que estendeu o modelo de dados da CMOS. Segue-se a fase de codificação onde, em cada iteração, é concretizado o desenho realizado na fase anterior e todos os planos até então projectados. Esta fase correspondeu ainda à concretização do modelo de dados e da implementação concreta das alterações da CMOS para acomodar a BAM, através da criação de novas estruturas de dados, e Scripts. A interface gráfica da CMOS foi remodelada (foram adicionados novos elementos, e reestruturados elementos existentes). Foram criados novos métodos e redesenhado o motor que permite à CMOS obter os dados para os apresentar. Nesta fase foi também realizada a integração da BAM na CMOS. O ciclo termina com uma fase de testes e avaliação de todos os componentes da aplicação desenvolvidos, onde se desenrolaram um conjunto de demonstrações e testes de usabilidade realizados a utilizadores alvo seleccionados. De acordo com a metodologia adoptada pela empresa de acolhimento para o desenvolvimento do projecto, que privilegiava a criação de um protótipo para posterior refinamento, foram feitas duas iterações completas durante o período de desenvolvimento do projecto cujo conteúdo e objectivos definidos são descritos na secção que se segue.

29 Contextualização do Projecto Plano de Execução A execução do projecto decorreu em 4 fases. A Figura 2 apresenta o plano de execução final do projecto, identificando as tarefas e sua duração. Figura 2. Mapa de Gantt com o planeamento executado no projecto De seguida é descrita em detalhe cada uma das fases de execução do projecto identificadas na figura: 1ª Fase: Integração Decorreu entre Setembro de 2008 e o final de Dezembro de 2008 e compreende as actividades realizadas durante a fase inicial do projecto. Teve início logo após a entrada na Truewind, com uma tarefa de integração na empresa onde, para além da adaptação à empresa e aos seus métodos de trabalho, foram definidos os objectivos a atingir com a realização deste projecto. De seguida foram realizadas duas tarefas onde foi realizado um estudo das ferramentas e tecnologias a utilizar na implementação da BAM. Entre estas foi realizado o relatório preliminar do projecto; 2ª Fase: 1ª Iteração de Desenvolvimento da Aplicação Decorreu entre Fevereiro de 2009 e Março de 2009 e compreendeu o desenvolvimento da BAM com a primeira iteração realizada no desenvolvimento num cliente. Incluiu as actividades de análise, desenho, implementação, integração e teste do protótipo desenvolvido; Nesta fase foram criadas as primeiras estruturas dados de recolha e repositório da BAM e feita a primeira integração da BAM na CMOS.

30 Contextualização do Projecto 14 3ª Fase: 2ª Iteração de desenvolvimento da Aplicação Decorreu desde Junho de 2009 até ao final de Agosto de 2009 Esta iteração, já envolvida noutro projecto da Truewind, também envolveu o desenvolvimento da BAM. Tal como a anterior, foi também constituída pelas cinco fases referidas no subcapítulo anterior; Nesta fase foi ajustada a primeira versão do modelo de dados e componentes da arquitectura do protótipo. Foram ainda configuradas mais recolhas de dados. Também foi melhorada a interface gráfica da BAM. 4ª Fase: Conclusão do projecto Decorreu durante o mês de Setembro de 2009 onde foi elaborado o relatório final do projecto. Relativamente à duração e ao conteúdo das duas iterações de desenvolvimento da BAM realizadas, importa aprofundar aspectos que determinaram a configuração temporal obtida. A 2ª fase que correspondeu à 1ª iteração do desenvolvimento da BAM, iniciouse com a definição das funcionalidades a serem suportadas pela BAM, feita com base na análise realizada na 1ª fase do projecto. Seguidamente e entrando nas actividades de desenho e implementação, foram criadas as estruturas de dados que dão suporte à BAM e desenvolvido um conjunto de funcionalidades que permitiram a criação de um protótipo, que forneceu os primeiros resultados. Previamente foi necessário um período de estudo e análise da arquitectura da CMOS, bem como a realização de testes, de forma a concretizar as alterações necessárias quer a nível de interface, quer a nível de funcionamento interno, com o objectivo de integrar a BAM na CMOS. Esta versão da BAM integrada na CMOS foi instalada num cliente da Truewind do ramo do retalho alimentar. A 3ª fase que correspondeu à 2ª iteração do desenvolvimento da BAM surge após um período de interrupção nos trabalhos e teve o seu início com a instalação da BAM num outro cliente, para que, desde logo, fosse possível colocar em marcha os processos de recolha de dados. Após a preparação deste novo ambiente de desenvolvimento, foi então possível dar início à 2ª iteração. Nesta 2ª iteração, a fase de implementação iniciou-se com a criação de novas funcionalidades e melhoramento de outras existentes, adição de novas tabelas à base de dados e criação de mais sondas para recolha de dados.

31 Contextualização do Projecto 15 A interface da CMOS foi alvo de uma reestruturação de modo a apresentar mais informação, mais legível e organizada. O próprio funcionamento interno da CMOS foi igualmente reestruturado. Esta fase termina com os testes do protótipo desenvolvido e com a análise crítica dos resultados obtidos. Relativamente ao planeamento inicial, apresentado na Figura 3, e comparando com o plano executado na Figura 2, há duas situações de desfasamento significativo entre os dois que são evidentes. Figura 3. Plano inicial do projecto Estas duas situações foram em grande parte responsáveis pelo desfasamento relativamente ao planeamento inicial ocorrido. O período de integração e auto-formação foi mais demorado devido ao carácter inovador e não familiar das tecnologias com as quais tive contacto inicialmente. Nesta fase tive a oportunidade de participar num projecto no qual partilhei responsabilidades na construção de uma infra-estrutura para uma plataforma de compras electrónicas para a administração pública. Neste projecto foi adoptada a nova versão do ERP Oracle E-Business Suite, a versão 12 [10], com a qual nenhum dos elementos da equipa de projecto tinha ainda tido contacto. Para a construção desta plataforma foi definida uma arquitectura assente em ambientes virtualizados [11]. Foi um processo bastante demorado, não só, pelo carácter inovador, mas também pela ausência de informação disponível relativamente às tecnologias usadas que obrigou a a várias actividades de pesquisa para a resolução de problemas encontrados. Estas condições e a integração na equipa, conduziram ao atraso do arranque da primeira iteração do desenvolvimento da BAM, implicando que esta tivesse o seu início não em Outubro, como estava previsto, mas apenas em Fevereiro.

32 Contextualização do Projecto 16 A segunda situação ocorre após a conclusão da 1ª iteração, onde por motivos profissionais e de acordo com as responsabilidades assumidas perante a empresa de acolhimento, trabalhei durante cerca de 2 meses num projecto, onde não me foi possível prosseguir o desenvolvimento da BAM fazendo com que o inicio da 2ª iteração apenas fosse concretizado em meados de Junho.

33 Capítulo 3 Tecnologia e Arquitectura Este capítulo apresenta e descreve os sistemas base do projecto, as ferramentas e tecnologias utilizadas durante a sua execução. É também apresentada a arquitectura da solução implementada e uma secção sobre tecnologia relacionada. 3.1 Plataforma de Base Base de dados Oracle A BAM incidiu na recolha de indicadores de funcionamento de sistemas com bases de dados Oracle. Interessa pois, apresentar em maior detalhe este componente base dos sistemas de informação abordados no âmbito da BAM e que esta utiliza também como repositório. A base de dados Oracle [12] consiste num Sistema de Gestão de Base de Dados (SGBD) baseado no modelo relacional. Na Figura 4 é apresentada a arquitectura de uma base de dados Oracle, versão 10g Release 2 (versão utilizada no âmbito deste projecto): 17

34 Tecnologia e Arquitectura 18 Figura 4. Arquitectura da base de dados Oracle versão 10g [13] Uma base de dados Oracle é representada por uma instância - Oracle Instance, composta por um conjunto processos e estruturas que são carregadas em memória quando a base de dados é iniciada. O conjunto destas estruturas denomina-se por System Global Area (SGA). Esta contém um conjunto de dados e informação de controlo acerca de uma instância. A informação armazenada na SGA divide-se em três estruturas de memória [14]: Database buffer cache: Esta componente armazena os blocos de dados que foram utilizados mais recentemente, de forma a optimizar o desempenho através de uma redução nos processos de Input/Output para o disco, onde os dados estão armazenados; Redo log buffer: Esta estrutura regista um conjunto de entradas descritivas das alterações efectuadas na base de dados. Estas entradas são posteriormente escritas num online redo log para, no caso de ser necessário, recuperar informação relativa aos dados armazenados na base de dados;

35 Tecnologia e Arquitectura 19 Shared pool: Esta componente contém conjuntos de memória partilhada, como por exemplo uma área para processar comandos SQL submetidos para a base de dados. Esta área é partilhada por múltiplas aplicações que utilizam funcionalidades idênticas, de forma a optimizar recursos. Outro componente da Oracle Instance são os Oracle background processes [14]. Estes consistem em processos de sistema operativo que operam também ao nível da memória e visam suportar o acesso concorrente de vários utilizadores e aplicações a uma única base de dados. Realizam ainda, operações de Input/Output de forma assíncrona e monitorizam outros processos para um aumento do paralelismo, gerando assim um melhor desempenho e fiabilidade da base de dados. A instância Oracle é responsável por abrir e gerir uma base de dados Oracle Database [15]. Esta possui um conjunto de estruturas físicas que armazenam dados e um conjunto de informação relativa às suas configurações. Entre estas estruturas temos: Datafiles: ficheiros físicos que contêm estruturas de dados, como por exemplo tabelas e índices; Control Files: ficheiros que armazenam um conjunto de informação relativa à configuração de uma instância de base de dados, como por exemplo: o nome da base de dados, localização dos datafiles e redo logs, timestamp de criação da base de dados, números de alteração, entre outros; Redo Log Files: conjunto de ficheiros que protege a informação da base de dados alterada em memória e que ainda não foi escrita nos datafiles; Archive Log Files: ficheiros armazenados em disco, que arquivam a informação contida nos redo logs e que podem ser usados para recuperação de uma base de dados; Password File: ficheiro que permite a um utilizador com privilégios de administrador de base de dados conectar-se remotamente à instância que administra;

36 Tecnologia e Arquitectura 20 Parameter File: ficheiro que contém o conjunto de parâmetros de configuração da instância e base de dados. Estes parâmetros incluem, identificação da base de dados, dimensão em memóra das principais estruturas e configurações específicas que condicionam o funcionamento dos vários componentes da base de dados (dos processos de escrita da base de dados em disco ou do optimizador de interrogações em SQL por exemplo). Numa configuração típica, uma base de dados Oracle terá os seguintes ficheiros: Um Parameter File e um Password File que definem os parâmetros da base de dados; Dois Control Files para garantir a redundância; Três grupos de Redo Log cada um com dois membros para garantir a redundância que quando são preenchidos são copiados para arquivo (Archive Log Files); Múltiplos Datafiles onde são armazenados os dados dos esquemas da base de dados (tipicamente aos pares: dados e índices em separado) Para além destas estruturas físicas, uma base de dados Oracle possui também um conjunto de estruturas lógicas [14]. A separação destas estruturas permite que o armazenamento físico dos dados (nos datafiles) possa ser gerido sem que isto afecte o acesso às estruturas lógicas, representadas pelos objectos de base de dados contidos num tablespace (unidade de armazenamento que agrupa estruturas lógicas relacionadas). É sobre esta unidade lógica que são criados os objectos das aplicações (tabelas, índices, etc.) Oracle EBS (E-Business Suite) O Oracle E-Business Suite [8] consiste numa colecção de aplicações de Planeamento de Recursos Empresariais, Gestão de Relacionamento com Clientes e Gestão de Cadeia de Fornecimento, que proporcionam processos de gestão da informação permitindo conectar e informatizar as organizações.

37 Tecnologia e Arquitectura 21 A arquitectura geral do OEBS (Figura 5) inclui uma base de dados Oracle, um conjunto de funções de negócio implementadas em PL/SQL, uma interface WEB que poderá ser um navegador de internet e uma camada aplicacional constituída por três grandes componentes: Formulários (Forms) que invocam a lógica de negócio no PL/SQL e implementam também lógica aplicacional de controlo; Relatórios (Reports) e programas concorrentes (Concurrent Programs) que, directamente sobre a base de dados ou através da lógica de negócio em PL/SQL, recolhem, apresentam e manipulam informação; Motor de processamento concorrente (Concurrent Processing) que gere as prioridades e execução de relatórios e programas. Figura 5. Arquitectura da Oracle E-Business Suite A base de dados sobre a qual assentam estas aplicações materializa, armazena e gere todos os conceitos de negócio envolvidos nas suas operações. Estes conceitos de negócio envolvem, entre outras, operações de compra, venda, classificação, entrega, contabilização, gestão de inventário entre muitos outros. A interface é a camada que permite a apresentação de informação e através da qual o utilizador interage com o sistema.

38 Tecnologia e Arquitectura 22 Por se tratar de um sistema plenamente integrado, a manipulação de cada conceito de negócio não se resume à alteração de apenas uma ou duas tabelas, existe todo um conjunto de tabelas e estruturas agregadas que são acedidas e alteradas no decorrer de cada operação SNMP O SNMP (Simple Network Management Protocol) [16] é um protocolo, que define um mecanismo de recolha de informação sobre o estado e funcionamento de dispositivos (hardware/software) ligados em rede. Hoje em dia, muitos periféricos e peças de software base de suporte a sistemas de informação (como sistemas operativos ou sistemas de gestão de base de dados) permitem a recolha de indicadores através deste protocolo. Os indicadores suportados estão listados, sob a forma de objectos com um identificador numérico único, em várias MIB (Management Information Base). A MIB pode ser considerada como uma base de dados que lista os indicadores suportados por um determinado dispositivo, seja ele físico (hardware) ou lógico (software), existindo várias MIB, algumas genéricas e outras específicas de um determinado dispositivo ou fabricante. No âmbito deste projecto, a utilização do SNMP é determinante para obter indicadores do funcionamento e consumo de recursos de hardware da infra-estrutura física, como por exemplo o nome de um servidor, ou o nível de carga do processador. A versão inicial deste protocolo é definida no RFC 1157 [17] onde é introduzido o seu funcionamento base que envolve a troca de mensagens entre entidades que inclui um protocol data unit (PDU) e que constitui o próprio pedido e resposta tal como ilustrado na Figura 6 [18]. Novas versões deste protocolo têm sido disponibilizadas, onde foram introduzidas as MIB e onde foram incluídas novas funções de segurança como por exemplo autenticação e cifra de pacotes enviados.

39 Tecnologia e Arquitectura CMOS Figura 6. Mensagem do protocolo SNMP [18] A CMOS [6] é uma consola de monitorização que permite o armazenamento de informação sobre o estado dos sistemas e posterior análise dessa informação sobre a forma de gráficos, possibilitando uma melhor análise do funcionamento dos sistemas e a prevenção de eventuais problemas. A CMOS possui três componentes principais tal como ilustrado pela Figura 7: Figura 7. Arquitectura da Consola de Monitorização com os vários componentes [6] Recolha e Processamento de Dados: a recolha é suportada pelo protocolo SNMP que fornece a informação básica sobre o estado da máquina e por interrogações SQL que permitem obter informação sobre os aspectos de funcionamento de uma base de dados; Armazenamento de Dados: o armazenamento de dados para posterior análise é

40 Tecnologia e Arquitectura 24 conseguido através de uma base de dados na qual é guardada a informação recolhida pelo componente descrito em cima; Interface com o Utilizador: este componente permite aos utilizadores consultarem a informação que está armazenada na base de dados através de uma interface Web. O utilizador para realizar esta consulta selecciona um indicador (utilização de CPU, memória, etc.) e o período no qual pretende realizar a análise. O resultado é exibido através de um gráfico no qual é possível verificar os valores do indicador correspondente à pesquisa realizada. O funcionamento da CMOS baseia-se na recolha de indicadores e na apresentação da sua variação através de gráficos, não sendo possível relacionar a análise da informação dos indicadores facultados com outros indicadores. Pretende-se com a BAM utilizar a CMOS para fornecer indicadores simples que serão depois conjugados com indicadores provenientes de conceitos de negócio preparados pela BAM. Assim será possível identificar e relacionar o motivo pelo qual existem variações na utilização de recursos. A BAM tenta estender a CMOS ao introduzir uma componente relacional, que irá permitir obter informação mais relevante e detalhada sobre o estado do sistema através da análise do desempenho, relacionando-a com operações de negócio realizadas.

41 Tecnologia e Arquitectura Tecnologias Utilizadas no Desenvolvimento PHP A linguagem PHP [19] é uma linguagem de programação indicada para o desenvolvimento em tecnologia Web para produzir páginas HTML dinâmicas. No âmbito deste projecto é utilizada para realizar o processamento de ficheiros XML, executar interrogações à base de dados e construir o ficheiro em XML que representa um gráfico. Na Figura 8 é apresentado um método desenvolvido em PHP para simplificar a impressão de mensagens de depuração. function print_debug($error_string){ } $fh = fopen("/home/oracle/oms/debug/debug.txt",'a'); fwrite($fh,strftime('%c')." - ".$error_string."\n"); fclose($fh); Figura 8. Método de impressão de mensagens de depuração desenvolvido em PHP JavaScript O Javascript [20] é uma linguagem de programação utilizada em páginas Web principalmente para execução de código do lado do cliente. É utilizada na validação de formulários e permite a construção de interfaces gráficas avançadas e Websites dinâmicos. Na BAM o Javascript desempenha um papel fulcral, pois é responsável pela construção dinâmica do formulário de consulta, pela gestão e tratamento dos parâmetros introduzidos pelo utilizador e pela apresentação dos resultados obtidos. Na Figura 9 é apresentado um método desenvolvido em Javascript para geração de gráficos.

42 Tecnologia e Arquitectura 26 function generategraph(data,id,charttype) { } var chart = new FusionCharts("../libs/fusioncharts/"+chartType, "chart1", "850", "600", "0", "0"); chart.setdataurl(data); chart.render(id); Figura 9. Método desenvolvido em Javascript para geração de gráficos SQL O SQL [21] é a linguagem estruturada de pesquisa utilizada para a obtenção e gestão de dados numa base de dados relacional. Esta linguagem está presente na codificação das interrogações desenhadas para obter os indicadores da BAM, sobre o modelo de dados da aplicação. A Figura 10 apresenta uma interrogação em SQL cuja função é a obtenção da média diária de consumo de memória virtual sobre o modelo de dados da BAM. SELECT timestamp,hostname, swap_used FROM (SELECT dados.dia timestamp,dados.hostname hostname,round(avg(swap_used)) swap_used FROM (SELECT to_date(timestamp,'dd-mm-rrrr') dia, hostname,swap_used FROM prx_ind_3 WHERE to_date(timestamp,'dd--mm-yyyy') = to_date(sysdate,'dd-mm-yyyy') ) dados GROUP BY dados.dia,dados.hostname ORDER BY 1 DESC Figura 10. Interrogação em SQL para obtenção da média diária de consumo de memória virtual sobre o modelo de dados da BAM XML O XML [22] consiste numa recomendação da W3C para linguagem de marcação livre, que permite aos seus utilizadores definirem as suas próprias estruturas. Estas podem posteriormente ser lidas por software e integradas com outras linguagens [22]. No âmbito deste projecto o XML foi utilizado para armazenar as interrogações base em SQL e também para a definição de gráficos com os resultados obtidos como é exemplificado na Figura 11 que apresenta o conteúdo de um ficheiro XML utilizado

43 Tecnologia e Arquitectura 27 para a geração de um gráfico que exprime a variação da média diária do nível de carga do processador. <chart caption="load (%)" animation="0" labeldisplay="rotate" labelstep="4" linethickness="2" showvalues="0" yaxisminvalue="0" yaxismaxvalue="100"> <set label='03-sep :00' value='1'/> <set label='04-sep :00' value='1'/> <set label='05-sep :00' value='1'/> </chart> Figura 11. Conteúdo de um ficheiro XML representativo de um gráfico Shell Scripts A linha de comandos do Sistema Operativo Linux (Shell) [23] é uma ferramenta poderosa para o utilizador, que pretende interagir directamente com o sistema para executar comandos, recolher dados e processar de forma automática a informação recolhida. No contexto da BAM, conjuntos de instruções (Shell Scripts) executam comandos para obter dados SNMP e interagir directamente com a base de dados Oracle através de comandos SQL, tendo em vista a recolha e armazenamento de dados de indicadores Fusion Charts A Fusion Charts [26] é uma biblioteca open-source em tecnologia Flash [27] que permite a geração de gráficos dinâmicos e interactivos a partir de uma representação XML dos dados. Na BAM, os ficheiros de XML são construídos a partir dos dados armazenados na base de dados, através de rotinas em PHP. A criação do gráfico é também feita através da invocação de uma rotina PHP (que acompanha a biblioteca de gráficos) com os dados dos ficheiros XML.

44 Tecnologia e Arquitectura Arquitectura da BAM A Figura 12 apresenta um diagrama com a arquitectura da BAM a qual é constituída por dois grandes componentes: Motor de Recolha de Dados Motor de Análise Estes dois componentes interagem com a CMOS para alcançar o objectivo de fornecer uma aplicação de análise e monitorização avançada. Figura 12. Arquitectura do Sistema

45 Tecnologia e Arquitectura Motor de Recolha de Dados Este componente é composto por outros dois sub-componentes, recolha de dados das tabelas e monitorização de operações do negócio: recolha de dados das tabelas, que será baseada em interrogações sucessivas a vistas de dados estatísticos que fornecem informação sobre a actividade das tabelas. O objectivo será determinar quais as tabelas que apresentam maior actividade; monitorização das operações de negócio, que consiste no registo e relacionamento entre as operações de negócio que estão a ser realizadas em cada momento. Os dados aqui recolhidos serão armazenados numa base de dados. O motor de recolha de dados apresenta ainda um conjunto de sondas que permite aos dois sub-componentes concretizarem as operações de recolha através da execução de sondas que realizam interrogações em SQL e pedidos de SNMP. Uma descrição mais detalhada das sondas encontra-se na Figura 21 da página Motor de Análise O componente de análise é responsável pelas operações relacionais sobre os dados recolhidos pelo componente de recolha. Subdivide-se em dois subcomponentes: um componente que trabalha directamente sobre os dados fornecidos pela recolha, relacionando as tabelas que apresentam maior actividade com as operações do negócio realizadas. Tornando assim possível determinar quais as tabelas utilizadas numa operação do negócio. Os dados aqui obtidos são guardados numa base de dados; outro componente, que é responsável por relacionar os dados de indicadores já recolhidos pela CMOS (utilização de processador, espaço ocupado em disco, etc.) com as operações de negócio realizadas. O cruzamento destes dados irá permitir quantificar o custo das operações de

46 Tecnologia e Arquitectura 30 negócio e elaborar relatórios com essa informação. Os resultados aqui obtidos são disponibilizados para consulta através da interface Web. Procurou-se com esta arquitectura modular estender a sua aplicação focando-a na análise de sistemas empresariais baseados em Oracle E-Business Suite. Por se tratar de um sistema genérico, a identificação do conjunto das estruturas de dados que são envolvidas numa operação do negócio da E-Business Suite será transversal a múltiplos clientes da Truewind que utilizem os mesmos módulos. Desta forma, a utilização desta aplicação poderá ser facilmente alargada, com a alteração mínima de alguns parâmetros de configuração. Exemplos destas operações de negócio são, no caso de uma empresa de retalho alimentar, as vendas de produto registadas por cada vendedor. Já no caso de se tratar de uma empresa industrial, a actividade de criação ou manutenção de um bem ou produto e dos registos de entrada e saída de material para a manufactura. No próximo capítulo, que descreve o trabalho realizado, são apresentados os detalhes de implementação desta arquitectura Integração de Sistemas Tal como indicado na Figura 12, a integração da BAM na CMOS é conseguida de duas formas: Através da base de dados da CMOS, preparada para armazenar a informação recolhida directamente pela BAM; Através da camada de acesso a dados, que consiste num conjunto de métodos em Javascript responsáveis por tratar os eventos desencadeados na interface WEB, enviando-os para a CMOS ou para a BAM (motor de análise), de acordo com o tipo de evento. O envio destes pedidos desencadeia por sua vez uma execução de funções PHP que extraem a informação necessária à geração de gráficos (ficheiros XML). A camada de acesso a dados, ao receber as respostas aos

47 Tecnologia e Arquitectura 31 pedidos, encaminha-as para a interface WEB, que exibe os gráficos para consulta. 3.4 Tecnologia Relacionada No universo das aplicações de monitorização, administração e avaliação do desempenho de bases de dados, existe um grande leque de soluções, criadas com o objectivo de auxiliar o administrador da bases de dados na obtenção de configurações cada vez mais adequadas e optimizadas para dotar os sistemas de capacidade para fazer face aos requisitos de desempenho cada vez mais exigentes e determinantes no sentido de garantir o bom funcionamento dos sistemas de informação. Nas próximas secções são apresentadas algumas das soluções que foram avaliadas no âmbito do projecto Oracle Enterprise Manager OEM Comercializado pela Oracle, o Oracle Enterprise Manager [2] é uma aplicação para a gestão/administração/monitorização de bases de dados e respectivas infraestruturas aplicacionais desenvolvida pelo próprio fabricante do sistema gestor de base de dados. O OEM permite uma gestão completa das bases de dados, desde a criação de modelos de dados à monitorização da actividade e dos serviços activos, detecção de potenciais problemas, bem como a definição de tarefas de administração para a resolução dos problemas encontrados. A Figura 13 apresenta o aspecto do ecrã de administração da aplicação para gestão e monitorização da instância de base de dados.

48 Tecnologia e Arquitectura 32 Figura 13. Vista de Administração do OEM [2] Monitor Magic Database Monitoring A ferramenta Database Monitoring [3] é um módulo da ferramenta de gestão e monitorização de sistemas denominada Monitor Magic. O Database Monitoring dedica-se exclusivamente à monitorização e gestão de bases de dados e suporta a criação de alarmes e eventos que são desencadeados com o aparecimento de anomalias (através da análise dos registos), em situações definidas pelo utilizador ou quando limites definidos são ultrapassados (tanto ao nível da base de dados como de recursos de hardware). Através de comandos SNMP recolhe valores de objectos da base de dados para depois exibi-los através de uma interface gráfica. A Figura 14 apresenta a vista de alarmística desta aplicação.

49 Tecnologia e Arquitectura 33 Figura 14. Monitor Magic Database Monitoring [3] Quest Database Management A Quest Software [5], apresenta um vasto leque de opções no que diz respeito a soluções de gestão e administração de bases de dados, com especial foco na gestão e monitorização. Nesta área existem duas aplicações, o Spotlight, que se dedica exclusivamente à detecção e resolução de congestionamentos na base de dados e o Foglight, cujo foco é a monitorização e gestão do desempenho de uma base de dados. A Figura 15 apresenta a vista geral da aplicação Spotlight, que permite visualizar onde estão localizados os problemas de performance.

50 Tecnologia e Arquitectura 34 Figura 15. Spotlight - Quest Software [5] Primos Database Monitoring Apresenta-se como sendo uma ferramenta desenhada para fornecer a informação mais importante para controlar a base de dados o Primos Database Monitoring [28] é mais uma ferramenta para auxiliar o administrador da base de dados nas suas rotinas diárias. Criada por administradores de bases de dados, tenta reunir, numa única ferramenta, as funcionalidades e informação que os seus criadores consideram ser as fundamentais para que a administração das bases de dados possa ser realizada de forma correcta e eficiente. A figura 16 apresenta a interface que mostra as interrogações que foram executadas em maior número.

51 Tecnologia e Arquitectura 35 Figura 16. Primos Database Monitoring [28] Ignite for Oracle Performance O fabricante Ignite direcciona a sua atenção para as questões relacionadas com o desempenho das bases de dados tendo desenvolvido o Oracle Performance [29] cujo objectivo é a procura e resolução, de forma célere dos problemas de desempenho de uma base de dados. Através da análise das interrogações SQL realizadas na base de dados e no tempo que estas levam a executar, esta ferramenta permite identificar e analisar o fragmento de código responsável por uma perda de desempenho. A Figura 17 apresenta a vista de análise de expressões em SQL, a qual permite visualizar quais as expressões e o tempo que esteve envolvido durante a sua execução.

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Ciências Departamento de Informática CMOS Consola de Monitorização Operacional de Sistemas Pedro Catarino Mestrado em Engenharia Informática 2007 i ii UNIVERSIDADE DE

Leia mais

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII

7 Conclusões. 7.1 Retrospectiva do trabalho desenvolvido. Capítulo VII Capítulo VII 7 Conclusões Este capítulo tem como propósito apresentar, por um lado, uma retrospectiva do trabalho desenvolvido e, por outro, perspectivar o trabalho futuro com vista a implementar um conjunto

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch

Relatório Técnico do projecto ARIADNE. Interface de utilizador do NewsSearch Relatório Técnico do projecto ARIADNE Praxis XXI Interface de utilizador do NewsSearch Carlos Correia Norman Noronha Daniel Gomes Junho de 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 MOTIVAÇÃO...3 1.2 PROPOSTO...3

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers

Dynamic Data Center. A infra-estrutura de suporte às SOA. Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers Dynamic Data Center A infra-estrutura de suporte às SOA Francisco Miller Guerra Senior Product Manager Fujitsu Siemens Computers As necessidades do negócio pressionam continuamente as infra-estruturas

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 5000

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004

Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Lisboa, 18 de Janeiro de 2004 Realizado por: o Bruno Martins Nº 17206 o Cátia Chasqueira Nº 17211 o João Almeida Nº 17230 1 Índice 1 Índice de Figuras... 3 2 Versões... 4 3 Introdução... 5 3.1 Finalidade...

Leia mais

Solução BAM Business Activity Monitoring

Solução BAM Business Activity Monitoring Solução BAM Business Activity Monitoring Versão [v1.0] / [Jan-2013] DSI/DIS Arquitetura Aplicacional CONTROLO DE VERSÕES E DISTRIBUIÇÃO Controlo de Versões Versão Data Alteração Responsável 1.0 03-12-2013

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

Wide Scope. Soluções de Optimização

Wide Scope. Soluções de Optimização Wide Scope Soluções de Optimização 2 Wide Scope Scheduler sequenciamento e optimização da produção A oportunidade para passar a agir, em vez de reagir. Maximizar a capacidade produtiva dos recursos quando

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM

As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM As Ferramentas de SCM e o Suporte do CMM Como é que as ferramentas de SCM (Software Configuration Management) podem ajudar na melhoria de processos de acordo com o modelo CMM (Capability Maturity Model)?

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR

Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR Serviços HP Care Pack Dados técnicos O Serviço de Solução de Replicação de Dados HP para Virtual Copy 3PAR fornece implementação do produto

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste)

Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software. (Tipos de Teste) Melhoria de Conhecimentos em Garantia de Qualidade no Software (Tipos de Teste) Av. Conde de Valbom, nº 30 8º 1050-068 Lisboa Telf: +351 213 510 540 Fax: +351 213 510 549 Controlo do Documento Elaborado

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe.

Projecto de Engenharia de Software e Sistemas Distribuídos 2009-10. Requisitos para a 3ª entrega do projecto. FeaRSe. Departamento de Engenharia Informática Engenharia de Software, Sistemas Distribuídos Requisitos para a 3ª entrega do projecto FeaRSe 6 de Maio de 2010 Índice Índice... 1 1 Sumário... 2 2 Requisitos...

Leia mais

Arquitecturas de Sistemas de Informação

Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitecturas de Sistemas de Informação Arquitectura Tecnológica Arquitectura Tecnológica O que é: É a escolha dos tipos de tecnologia que devem ser utilizados para dar suporte a cada um dos sistemas e

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Gestão de Equipamentos PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Instalação e Manutenção de Equipamentos Escolas Proponentes / Autores ETAP

Leia mais

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos

PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos PCCRBE 1 - Manual de procedimentos técnicos para a criação de catálogos colectivos 1. Introdução O objectivo deste documento é a criação de um memorando que sirva de apoio à instalação e manutenção do

Leia mais

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011

Oferta de Estágio. iscriptor. Setembro 2011 Oferta de Estágio iscriptor Setembro 2011 DESCRIÇÃO DO ESTÁGIO Um dos principais desafios das plataformas de informação e de negócio é o acesso e a disponibilidade da sua informação. Em particular e com

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Actualização, cópia de segurança e recuperação de software

Actualização, cópia de segurança e recuperação de software Actualização, cópia de segurança e recuperação de software Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

Iteração 2 Design inicial

Iteração 2 Design inicial Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Engenharia de Software Iteração 2 Design inicial Projecto: FX-Center Grupo: BEDS David Pacheco (nº 32665) Cesário Lucas

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Access 2010 Colecção: Software

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Nagios XI Soluções de Monitorização

Nagios XI Soluções de Monitorização Nagios XI Soluções de Monitorização O Nagios é uma solução líder de mercado na área da monitorização e alarmística, desenvolvido pela software house Norte Americana com o mesmo nome. O Nagios XI é uma

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Solução de Dashboard. Monitorização e Alarmistica IT (Networking e Sistemas) ALL IN ONE SOLUTION SCALABILITY TECHNICAL SUPPORT

Solução de Dashboard. Monitorização e Alarmistica IT (Networking e Sistemas) ALL IN ONE SOLUTION SCALABILITY TECHNICAL SUPPORT ALL IN ONE SOLUTION SCALABILITY TECHNICAL SUPPORT Solução de Dashboard Monitorização e Alarmistica IT (Networking e Sistemas) Copyright 2013 DSSI MZtodos os direitos reservados. Os desafios e limitações

Leia mais

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Introdução à Informática SOFTWARE A parte lógica do Computador Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Conceito de Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

ANEXO SAP STANDARD SUPPORT

ANEXO SAP STANDARD SUPPORT ANEXO SAP STANDARD SUPPORT ( Anexo ) Na eventualidade de alguma ou algumas das disposições do presente Anexo serem tidas como contraditórias face ao disposto no Contrato, seus anexos, apêndices, pedidos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Supervisão das Politicas de Segurança Computação em nuvem Fernando Correia Capitão-de-fragata

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO TERRAMAIS Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO A vantagem na utilização de Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores

SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores SGAV Software de Gestão de Actividade de Vendedores Luís Morgado, Pedro Sousa, Ana Borges, Fernanda Barbosa, Jorge Barbosa Resumo Descreve-se uma aplicação desenvolvida para o controlo, gestão e actividade

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS WHITE PAPER MANUTENÇÃO PRIMAVERA ÍNDICE MANUTENÇÃO PRIMAVERA 4 MÓDULOS CONSTITUINTES 4 CADASTRO 4 Entidades 5 Localizações 8 MATERIAIS 11 Sobresselentes, Consumíveis,

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

VRM Monitor. Ajuda Online

VRM Monitor. Ajuda Online VRM Monitor pt Ajuda Online VRM Monitor Índice pt 3 Índice 1 Introdução 3 2 Vista geral do sistema 3 3 Getting started 4 3.1 Iniciar o VRM Monitor 4 3.2 Iniciar o Configuration Manager 4 4 Configurar

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais