Dalton Francisco Pereira (FAP) Lauro Soares de Freitas (FAP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dalton Francisco Pereira (FAP) dalton.p@gmail.com Lauro Soares de Freitas (FAP) laurof@pitagoras.com.br"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP ORACLE-EBS EM NÍVEL DE INSTÂNCIA GLOBAL EM UMA EMPRESA MULTINACIONAL AMERICANA: UM ESTUDO DE CASO DAS PARTICULARIDADES DA ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Dalton Francisco Pereira (FAP) Lauro Soares de Freitas (FAP) Os Sistemas Integrados de Gestão ERP (Enterprise Resources Planning) constituem-se um diferencial competitivo, na medida que integram o fluxo de informações e eliminam trabalhos redundantes, aumentando, desse modo a eficiência dos processoss organizacionais. Resolveu-se por meio de um estudo de caso analisar o processo de implantação de um sistema ERP em uma empresa multinacional. A partir desse, foi averiguado por meio de questionários e entrevistas com os gestores de projeto e usuários finais, quais foram as dificuldades enfrentadas no projeto culminando na Engenharia de Planejamento, objetivou-se também mostras as melhores práticas adotadas durante e após a concepção do projeto, considerando a implantação ocorrida em nível de instância global. Desta forma a análise prática realizada vem ao encontro do referencial teórico, apontando a integração entre todas as unidades mundiais de negócio da empresa e a segurança da informação como principais resultados. Concluiu-se pelo o estudo de caso que qualquer erro ou qualquer informação que seja inserida pela Engenharia de Planejamento de maneira divergente da realidade irá afetar os cálculos das necessidades de materiais bem como a integridade dos dados salvos no ERP. Palavras-chaves: Sistemas Integrados, Instância Global, Planejamento de Engenharia

2 1. Introdução Os sistemas ERP surgiram a partir da evolução dos sistemas MRPII (Material Resource Planning). Segundo os autores Corrêa, Gianesi & Caon (2001), a finalidade do MRP era o planejamento das necessidades de materiais. Este foi o primeiro módulo, a partir daí foram surgindo outros que passaram a incorporar ao sistema como: programa mestre de produção, cálculo da necessidade de capacidade, controle de fábrica, controle de compras dentre outros, chegando-se assim ao primeiro estágio de evolução do sistema MRP que passou a se chamar MRPII. De acordo com a definição de Corrêa, Gianesi & Caon (2001), o sistema ERP tem por objetivo suportar todas as informações gerenciais necessárias aos tomadores de decisões numa organização. Os autores apontam ainda, como o principal motivo que levou atualmente as diversas empresas a adotar o ERP, como sendo justamente a possibilidade de integração de todas as áreas e setores funcionais da organização, visando o compartilhamento de uma mesma base de dados. Dentro deste contexto, este artigo tem por objetivo relatar as principais etapas de implantação do sistema ERP de forma macro e analisar os impactos causados na Engenharia de Planejamento de uma empresa multinacional. O problema de pesquisa analisado neste artigo ocorreu no período de julho de 2008 a abril de 2009 em uma empresa do setor ferroviário que faz parte de um grupo de empresas de uma multinacional americana e está presente no mercado brasileiro a mais de trinta anos, aqui nomeada Loco SA. Acredita-se que a pesquisa apresentará relevante contribuição para o meio acadêmico e para as empresas que objetivam implementar um sistema de ERP, uma vez que a mesma se deu em uma empresa multinacional onde o ambiente de trabalho se trata de uma instância global. Isto é, todos os dados de entrada devem atender a um padrão pré-estabelecido pela matriz de gerenciamento do sistema ERP localizada nos Estados Unidos. De acordo com as informações levantadas, constatou-se que a empresa obteve um crescimento muito rápido nos últimos 3 anos, demandando maior agilidade no fluxo de dados e integração entre as unidades sucursais em outros países, em decorrência destes fatores, se fez necessária a reestruturação do sistema de gerenciamento de informações optando-se pelo ERP Oracle. O Oracle já vinha sendo utilizado na empresa matriz, nos Estados Unidos, porém não em sua plenitude, verificou-se que a empresa matriz utilizava apenas os módulos de gerenciamento de ordens e compras. Verificou-se também que na cidade de Monterrey, no México havia uma única filial já utilizando o Oracle de uma maneira próxima à ser adotada pela empresa Loco SA. Diante do analisado, notou-se que a Loco SA não optou por utilizar ou não o sistema de ERP Oracle, a aquisição do mesmo já havia sido realizada pela matriz americana ha alguns anos atrás, logo a companhia já possuía servidores de gerenciamento de redes e uma instância global já criada para atender a demanda mundial prevista pela matriz americana em suas filiais em outros países. Contudo, em entrevista com o gerente de TI (Tecnologia da Informação), notou-se um custo de implantação do projeto de ERP estimado em U$ (três milhões de dólares). 2

3 O presente artigo será composto por uma explanação teórica sobre o ERP e suas características relevantes para a sua implantação. A seguir é apresentado o Estudo de Caso que é constituído por embasamentos teóricos e práticos obtidos por meio de entrevistas e pequenos questionários aplicados às pessoas envolvidas diretamente no projeto. Ao final serão apresentadas as considerações relevantes a conclusão do trabalho. 2. Metodologia A metodologia utilizada no presente artigo caracteriza-se como um estudo de caso qualitativo. O estudo de caso qualitativo se desenvolve numa situação natural, é rico em dados descritivos, tem um plano aberto e flexível e focaliza a realidade de forma complexa e contextualizada.(lüdke e ANDRÉ, 2001, p. 19). O estudo de caso em questão iniciou-se em julho de 2008 e estendeu-se até abril de Dentro deste período buscou-se estruturar a pesquisa da seguinte forma: a) Mapeamento da literatura; b) Selecionar as áreas da empresa para análise e as pessoas chaves do projeto a fim de se obter dados relevantes para a pesquisa; c) Explanar o processo de ocorrência dos dados de forma a mostrar como os mesmos se comportaram durante o processo de transição do sistema antigo para o novo; d) Exploração do processo de Engenharia de Planejamento após a ocorrência dos dados. Uma das vantagens observadas na metodologia adotada reside no fato de o leitor contar com uma gama de informações de caráter descritivo e real, o trabalho objetivou priorizar os fatores práticos vivenciados em um processo de implantação de sistema de ERP de forma abrangente nas áreas de manufatura de uma empresa multinacional, porém buscou-se particularizar os dados dentro da área de Engenharia de Planejamento. 3. Estudo do Processo Antes da Implantação do ERP Quando uma organização decide alterar sua estrutura (visando, por exemplo, reduzir sua verticalidade) os velhos sistemas de informação já implantados sofrem grande impacto porque não retratam mais a realidade e as novas necessidades de informação (CONTADOR, 2004). Durante muitos anos a empresa Loco SA operou utilizando um sistema de MRP denominado Symix. Este sistema, embora bem estruturado, não atendia a necessidade de integração global da empresa com as outras unidades de negócios mundiais, fazendo com que a empresa perdesse competitividade devido à baixa agilidade no fluxo de informações. Observou-se que antes da utilização do sistema integrado, o departamento de compras era obrigado a utilizar mais de um sistema para a realização do processo logístico entre empresas do mesmo negócio, este fato tornava o processo mais complexo e moroso. Verificou-se que a área de Planejamento de Engenharia seria uma das áreas mais impactadas com a transição de ERPs, esta área é responsável por inserir todos os dados necessários para a empresa Loco SA operar. É na Engenharia de Planejamento que os projetos de locomotivas e motores de tração são convertidos em informações para o sistema gerar demandas de mão-deobra e compras de mercadorias necessárias à fabricação. Era no sistema Symix que os Planejadores de Engenharia alocavam as BOMs (Bill of Materials) e os roteiros de fabricação das locomotivas, após esta alocação de dados por parte da Engenharia, o departamento de Gerenciamento de Ordens inseria a Ordem de Venda, o MRP calculava as novas necessidades e as ordens de fabricação e compra eram criadas. A necessidade de uma visão abrangente da estrutura e da dinâmica de informação que permita 3

4 satisfazer tanto as necessidades globais quanto as específicas conforme Contador (2004, pag. 98), elucida bem a necessidade da mudança devido à dinâmica de informação entre a empresa matriz americana e a empresa Loco SA dentro deste contexto de Supply Chain. Ao fim de cada mês quando o departamento de finanças deveria informar os fluxos de caixa o que se percebia era uma lacuna de informações entre o sistema antigo Symix e o Oracle já adotado de forma parcial pela matriz nos Estados Unidos, em entrevista com gestor da área financeira, foi verificado que o mesmo possuía dificuldades em atestar a veracidade dos dados copilados do Symix para o Excel. A empresa Loco SA operava sem vínculos de informações integradas com a matriz americana e as demais filiais mundiais, isto tornava o processo analisado desconectado aos demais processos existentes em outras filiais mundiais, o sistema de ERP viria para suprir esta deficiência no fluxo de informação entre a Loco SA e a matriz. 3.1 Impacto Organizacional Embora a utilização de um ERP possa trazer grandes benefícios para a empresa, a implantação de novos sistemas de informação requer mudanças organizacionais. Richard Walton (1994) cita alguns sintomas comuns que evidenciam uma má coordenação da relação entre sistemas de informação e a organização. Todos têm forte relação com as pessoas: a) os empregados ignoram o sistema: ocorre quando o sistema não resolve as necessidades de determinados grupos de usuários ou quando não são desenvolvidos mecanismos organizacionais (treinamento, remodelamento de funções e responsabilidades, etc.) para assegurar o uso do sistema; b) baixo moral entre os empregados: pode ocorrer com aqueles que desenvolveram larga experiência na execução de funções que sofrem mudanças (ou até desaparecem) com a implantação de um novo sistema; e c) resultados desapontadores no uso do sistema, comparados com os esperados quando foi feito o planejamento do sistema. Na empresa Loco SA pode ser observado os 3 aspectos citados pelo autor Richard Walton, quando se falou na mudança alguns empregados pensaram que seriam demitidos pelo fato de não se sentirem aptos para aprender a transacionar em um novo sistema, outros empregados interpretaram o fato como ameaçador, uma vez que já possuíam vasta experiência no sistema antigo. A fim de amenizar o impacto organizacional, a empresa Loco SA traçou um plano de comunicação interna que contemplava: a criação de um nome e um mascote; panfletos contendo jogos de perguntas e respostas; palestras a fim de se esclarecer a necessidade de implantação do projeto; camisas com o nome e o mascote do projeto, etc. Em entrevista com o gerente de TI e também responsável pela gestão do projeto, verificou-se que um dos fatores de grande impacto organizacional nesta implantação foi o change management (mudança dos pré-requisitos dos usuários para a realização de funções antes realizadas no sistema antigo), de acordo com o respondido pelo gerente de TI nesta entrevista, verificou-se que na empresa Loco SA alguns colaboradores antes responsáveis por apenas uma ação no sistema, atualmente precisam ter conhecimento do funcionamento de toda cadeia de suprimentos, uma vez que todos os dados inseridos no ERP tendem a impactar em todas as áreas. 4. Planejamento e Implementação 4

5 Após a decisão da implementação, a empresa em questão utilizou-se inicialmente os passos seguintes: 1º Definir o escopo do projeto e o nome - O escopo de um projeto especifica seu produto principal e respectivos elementos subsidiários, ou seja, as entregas ao longo do projeto. Juntamente com a definição do escopo, cada gerente indicou um BL (Business Leader) e um KU (Key User) para a realização dos testes, onde o BL seria responsável pelas questões táticas e o KU pelas questões operacionais. O nome dado à implantação foi Projeto Pegasus, em questionários respondidos por um grupo amostral de 10 pessoas envolvidas no projeto, verificou-se que a nomenclatura do projeto constituiu fator chave para garantir o sucesso da divulgação do projeto dentro a organização, quando se perguntou qual a grande mudança ocorrida na empresa, 80% dos questionados responderam, projeto Pegasus ; 2º Avaliar o processo níveis 1 e 2 Esta etapa foi responsável por definir os processos que eram essenciais para o sistema possuir classificados como níveis 1 e os processos que eram menos importantes, porém deveriam ser implementados em uma segunda onda (revisão e adequação dos processos ainda não implementados no primeiro momento). Esta fase do projeto se configurou em 4 semanas, onde foram realizados encontros semanais entre os envolvidos no projeto fora da empresa a fim de não se desviar o foco das atividades; 3º Adaptar e redesenhar os processos (to be proccess) Nesta etapa o gestor do projeto de implantação do ERP reuniu as pessoas chaves da Engenharia Industrial e listou todos os processos críticos para o planejamento das Locomotivas e motores de tração no novo sistema, após consolidação destes dados foi feito no Microsoft Power Point a seqüência lógica de cada processo, esta etapa teve duração de 5 dias; 4º Teste Unitário CRP(capacity requirements planning) 1 e 2 O teste unitário serviu para que o usuário de cada área da empresa Loco SA testasse o seu processo de forma individual e também para que este conhecesse as telas e os botões e então começasse a transacionar no novo sistema. O CRP 1 foi o quando o usuário chave teve o seu primeiro contato com o Oracle e o CRP 2 aconteceu na semana seguinte para a confirmação dos resultados obtidos no CRP 1. Juntos e somados, o CRP 1 e 2 tiveram duração de 2 semanas; 5º Teste Integrado Após as definições dos processos de cada área, traçou-se um cronograma de testes de forma a simular o processo de funcionamento da empresa estudada, todos os processos foram dispostos no Microsoft MS Project com as datas de início e término de cada atividade separadas por setores da empresa em estudo, o teste integrado estava previsto para durar uma semana, mas diante das adversidades, como falta de suporte especializado na área de financeiro, por exemplo, o teste durou 4 semanas; 6º Cut Over A etapa denominada Cut Over significou a transição do sistema de MRP antigo para o novo sistema de ERP, a fim de que todas as transações da empresa estudada fossem mantidas e que as novas fossem já desenvolvidas no sistema novo, o time do PCP (Planejamento e Controle da Produção) listou todas as ordens de serviço em aberto e as encaminhou para a Engenharia de Planejamento, esta por sua vez criou BOMs reduzidas apenas para a transferência dos custos dos produtos e dos materiais pendentes com o objetivo de equiparar os dados de entrada e saída de um sistema para o outro, durante aproximadamente 5 meses operou-se no Oracle com ordens de trabalho iniciadas no Symix. Sem esta etapa não seria possível apresentar dados verídicos aos órgãos responsáveis por auditorias tributárias e o custo médio do produto ficaria afetado. Em entrevistas com o time de gestores do projeto, verificou-se que o tempo para o cut over antes previsto para 3 dias estende-se até os dias de atuais, segundo os gestores, esta etapa deve ser realizada por caráter 5

6 de priorização, ou seja primeiro deve-se migrar para o sistema novo apenas os dados a serem utilizados primeiro e depois que passar a fase de implantação migra-se os dados a serem utilizados no futuro; 7º Go Live(dar vida ao sistema na produção) Souza & Zwicker (2000) ressaltam esta etapa como a mais crítica, destacando a importância de checar: funcionalidades e adequação do sistema às particularidades da empresa e o fornecedor da solução. Verificou-se que nas semanas antecessoras ao Go Live foram marcadas por bastante divulgação do projeto, escolheu-se um colaborador do departamento de RH (Recursos Humanos) focada em suportar todas as atividades de divulgação da implantação, agendamento de constantes horas extras por parte da equipe de projetos, estresse em alguns membros do time causados por pressões por prazos, eventos fora da organização para garantir o foco nos testes, organização dos cronogramas e infra-estrutura para os treinamentos dos usuários finais. Para a entrega do sistema na data planejada estabeleceu-se um cronograma de prazos onde todas as áreas trabalhavam de forma integrada com o objetivo de finalizar os testes de forma conjunta. Mesmo seguindo este cronograma, notou-se que o tempo estimado não foi suficiente para a conclusão das atividades. Segundo o gerente de projetos, inicialmente a previsão de entrar em funcionamento o novo sistema de ERP seria em 16 de fevereiro de 2009, no entanto o Go Live se deu em 06 de abril de 2009, apresentando um dia de duração, devido ao pré trabalho listado nas etapas anteriores. 5. Pós Implantação - Resultados do novo ERP Neste trabalho, o termo implementação compreende o processo de adoção do ERP, envolvendo planejamento, implantação, testes e manutenção do sistema, que, segundo Mendes & Escrivão Filho (2000), deve ser planejado, ter passado por uma etapa de análise das funcionalidades da empresa e do sistema e estar de acordo com a orientação estratégica da empresa. Dias anteriores à implantação, o KU e o BL da Engenharia dividiram os dados a serem convertidos do sistema antigo para o novo em 3 grupos: itens, Bill of Materials e Roteiros. Por se tratar de uma implantação em nível de instância global (todas as empresas do mundo compartilham o mesmo banco de dados), todos os itens tiveram que ter a sua descrição traduzida do Português para o Inglês antes do carregamento no Oracle. O carregamento, mais conhecido como Data Conversion pelos times de projeto, foi organizado da seguinte forma: 1- criação e tradução de itens; 2- carregamento dos roteiros de fabricação 3- carregamento das Bill of Materials 4- validação dos dados A empresa Loco SA contou com ferramentas específicas da empresa matriz para o carregamento em massa, foi disponibilizada uma ferramenta para cada tipo de carregamento, onde apenas o time da Engenharia possuía acesso. Á medida que os dados iam sendo carregados e validados o time de Gerenciamento de Ordens ia inserindo no sistema as SOs (Sales Orders), estas ordens de venda durante a rodada do MRP que acontecia todas as noites nos Estados Unidos deveriam gerar WOs (Work orders), no entanto foi neste ponto que começou-se a entender exatamente quais os parâmetros de 6

7 itens que impactavam na criação destas WOs. Para que o item criasse a WO, o mesmo deveria ser parametrizado no módulo de compras como item fabricado e os demais itens da Bill of Material como itens comprados, por exemplo. Como estratégia da organização, o ERP foi dividido em organizações de negócio, onde cada sucursal teria uma ou mais organizações. Segundo Lima et al. (2000), a documentação e contabilização dos processos por intermédio do ERP geram regras de negócios bem definidas e permitem controle mais rígido sobre pontos vulneráveis do negócio. Seguindo esta linha apresentada na citação, notou-se que com a divisão das organizações de negócio, a empresa estudada passou a exercer maior controle de seu inventário físico e em trânsito. 4.1 Boas Práticas desenvolvidas pela Engenharia de Planejamento A implantação do sistema de ERP na empresa estudada contribuiu para que a empresa tenha maior controle sobre os seus processos e suas informações. Na base de dados única e centralizada (Instância Global), os dados são digitados uma só vez e todas as áreas internas e externas da organização podem consultá-los. Isso confere confiabilidade e integridade ao sistema, desde que o dado esteja atualizado e reflita a realidade da empresa. Como exemplo de melhorias na Engenharia Industrial observou-se o processo de criação de itens. A empresa pesquisada atribui o nome de item a todos os códigos utilizados para a fabricação de motores e locomotivas, bem como os códigos de insumos. Notou-se que antes da implantação do Oracle os itens eram criados tendo como informações apenas a descrição e a unidade de medida, isto fazia com que as áreas de fiscal não contabilizassem corretamente alguns impostos específicos de cada produto deixando a empresa estudada vulnerável a multas fiscais. Identificou-se nas avaliações de processos iniciais que esta ação deveria ser melhorada a fim de atender os requisitos legais brasileiros, como tipos de tributação, por exemplo. Os itens eram criados indiscriminadamente pelos usuários, desvinculados a qualquer padronização, então desenhou-se um novo fluxo, onde o processo de criação de itens seria composto por 9 etapas conforme mostra a figura 1, estas etapas foram desenvolvidas para serem realizadas de forma integrada. Onde: Figura 1: Fluxo de Criação de Itens 7

8 a) Criação do item máster: etapa inicial de criação do item no Oracle, este apenas pode ser criado a nível máster, ou seja na instância global acessível a todas as outras unidades da companhia; b) Classificação fiscal: etapa a qual a área de financeiro recebe o item por Work Flow (ferramenta on line desenvolvida para integrar todas as áreas até o processo final da criação do item), cada área envolvida no processo de criação de itens receberá uma ação por onde deverá realizar a ação e dar baixa no work flow; c) Ativação na Organização: o item apenas seria ativado na organização de inventário local depois de parametrizado pela área de financeiro; d) Parâmetros de Custo, Qualidade, Sourcing e Materiais poderiam ser atribuídos ao item de forma paralela à criação da Bill of Material e roteiro de fabricação; e) Ativação do item: esta constitui a etapa final da criação do item, o work flow volta para o criador para que o mesmo atribua ao item no Oracle o parâmetro de item ativo, apenas a partir desta etapa o item ficaria liberado para qualquer tipo de transação comercial. Observou-se que muitos processos bem como os de criação de itens foram melhorados e ao longo da implementação outros processos também apresentaram oportunidades de melhoria e todas as idéias foram analisadas. 6. Conclusões O presente artigo objetivou mostrar quais foram as dificuldades enfrentadas no projeto de implantação de ERP em nível de instância global culminando na Engenharia de Planejamento. O estudo de caso, por meio de uma revisão teórica sobre o tema e uma série de fatores práticos adotados antes e depois da implantação, apresentou pontos relevantes na adoção de um sistema de ERP. Dentre os principais resultados, ficou evidenciado que o sistema facilitou a integração entre as várias áreas da empresa. Os usuários passaram a operar a mesma base de dados e utilizarem a mesma informação, desta forma uma área passou a impactar diretamente na outra. Analisando estes fatores de uma ótica positiva, percebeu-se que após a implantação, aumentou o controle sobre as informações da empresa e melhorou a administração do negócio, pois há mais confiabilidade nas informações armazenadas. Notou-se também que a adoção do sistema refletiu nos recursos humanos da empresa, ou seja, o uso do novo ERP requereu a melhoria da capacitação técnica dos funcionários, pois suas transações passaram a exigir conhecimentos mais amplos sobre o funcionamento das outras áreas da companhia. Por outro lado, o fato de o novo ERP possuir um fluxo de informações integradas também pode acarretar conseqüências desastrosas à organização, em entrevistas com os usuários finais, notou-se que a deficiência de treinamentos e/ou a má capacitação técnica do usuário pode causar a propagação de erros no sistema, um custo de mercadoria ou uma quantidade planejada pela Engenharia inserida de forma incorreta, por exemplo. Pesquisando a área de Engenharia de Planejamento, percebeu-se que os colaboradores foram conduzidos a entender melhor como o roteiro de fabricação impacta nas datas de demanda dos materiais inclusos na Bill of Material, após esta nova percepção, a pesquisa mostrou quais foram as boas práticas criadas para se fazer uma revisão na estrutura de uma Locomotiva ou motor de tração de forma a causar o menor impacto possível às outras áreas envolvidas no processo. Após todo projeto de implantação do ERP Oracle pesquisada neste trabalho ter sido realizada, concluiu-se que a implantação de um projeto de ERP vai depender do total de comprometimento da alta administração, da utilização de treinamento intensivo e continuado 8

9 a todos os níveis, e principalmente aos colaboradores entrantes, uma vez que as pessoas envolvidas no processo serão responsáveis por toda cadeia de informações providas ao sistema a fim de manter a empresa funcionando. Por fim, concluiu-se também que um dos principais fatores de sucesso para este e qualquer projeto de implantação de ERP, é fazer o projeto com os melhores colaboradores de cada área e não com os mais disponíveis, ou seja, o sucesso do projeto não depende apenas da escolha do ERP, mas principalmente da forma a qual as pessoas irão utilizá-lo. 7. Referências CONTADOR, Jose Celso. Gestão de Operações; A Engenharia de Produção a Serviço da Modernização da Empresa. 2 ed. São Paulo: Edgard Blucher, CORRÊA, H.L.; GIANESI, I.G.N.; CAON, M. (2001) - Planejamento Programação e Controle da Produção. Atlas. 1ª Edição. São Paulo. KEELLING, Ralph. Gestão de projetos: uma abordagem global. São Paulo: Saraiva, LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas 6. impr. São Paulo: EPU, MENDES, J. V.; ESCRIVÃO FILHO, E. O sistema integrado de gestão é fator de competitividade para as pequenas e médias empresas? Revista Uniara, n. 8, p , SOUZA, C. A.; ZWICKER, R. Ciclo de vida de sistemas ERP. Caderno de pesquisas em administração, São Paulo. v. 1, n. 11, 1o trim., WALTON, Richard E. Tecnologia de Informação: o uso de TI pelas empresas que obtêm vantagem competitiva. Trad. E. L. Riccio. São Paulo: Atlas,

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning

MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP. MRP Material Requirement Planning. MRP II Manufacturing Resources Planning MRP, MRPII, ERP... Oracle, SAP, Microsiga... MRP MRP II - ERP MRP Material Requirement Planning MRP II Manufacturing Resources Planning ERP Enterprise Resource Planning 1 O MRP é um software que auxilia

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP)

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Um sistema ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) é um pacote de software que tem por finalidade organizar, padronizar e integrar as

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistemas de Informação na Produção

Sistemas de Informação na Produção Sistemas de Informação na Produção ERP. Principais ERPs do mercado. Mitos sobre ERPs. Aula 6 - Questões para Refletir 2/26 Enterprise Resource Planning - ERP Sistemas de gerência que integram todos os

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE PORTE DO RAMO TÊXTIL

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE PORTE DO RAMO TÊXTIL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ERP: CASO EMPRESA DE GRANDE

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE

GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE GESTÃO EMPRESARIAL AO SEU ALCANCE ERP: prioridade número 1 das empresas brasileiras A demanda é clara: os software de gestão empresarial, os ERPs (Enterprise Resources Planning) se mantêm como prioridade

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP

Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Estruturação do sistema de informação contábil no ERP Clóvis Luís Padoveze (UNIMEP) cpadoveze@romi.com.br Resumo A característica gerencial da informação contábil determina que o sistema de informação

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP

De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Artigo 02 De onde vieram e para onde vão os sistemas integrados de gestao ERP Este documento faz parte do material que compõe o livro: Planejamento, Programação e Controle da Produção MRP II / ERP: Conceitos,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Adaptando o sistema ERP ao crescimento organizacional: um estudo de caso propondo as soluções para a mudança

Adaptando o sistema ERP ao crescimento organizacional: um estudo de caso propondo as soluções para a mudança Adaptando o sistema ERP ao crescimento organizacional: um estudo de caso propondo as soluções para a mudança Lindomar Subtil de Oliveira (CEFET-PR) admlinsoli@yahoo.com.br Kazuo Hatakeyama (CEFET-PR) khatakeyama@uol.com.br

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada

Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada Implementação do módulo LES Transportation para fretes de entrada Palestrantes: Carine Antunes (Analista TI) Francisco Sá (Coordenador de Suprimentos) Marcos Rosa (Consultor MM) Data 15/03/2012 Agenda

Leia mais

3 PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARES DE ERP E O ESCRITÓRIO DE GESTÃO DE PROJETOS

3 PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARES DE ERP E O ESCRITÓRIO DE GESTÃO DE PROJETOS 3 PROJETOS DE IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARES DE ERP E O ESCRITÓRIO DE GESTÃO DE PROJETOS Estabelecer quais são os fatores de maior importância e impacto de um projeto de ERP é a forma de obter sucesso na implantação

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão

04/09/2013. Sistemas de Informação. Markoni Heringer. Módulo 7. ERP Sistemas Integrados de Gestão Sistemas de Informação Markoni Heringer 2013 Módulo 7 ERP Sistemas Integrados de Gestão 1 Algumas considerações iniciais Estoque e Gerenciamento de Materiais O gerenciamento de estoques torna-se cada vez

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Estudo dirigido ao Acompanhamento e Controle dos processos de produção e suprimentos de uma empresa Make to Order.

Estudo dirigido ao Acompanhamento e Controle dos processos de produção e suprimentos de uma empresa Make to Order. Estudo dirigido ao Acompanhamento e Controle dos processos de produção e suprimentos de uma empresa Make to Order. Josadak Astorino Marçola (UNIP) jmarcola@uol.com.br Hernane Candido Pereira (UNIARA) hernanepereira@estadao.com.br

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Teoria x Prática Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI Apresentação A tradução dos conceitos de governança e gestão de

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

5.5 Enterprise Resources Planning

5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning Enterprise Resources Planning (ERP), significa Planejamento de Recursos do Empreendimento e abrange todas as necessidades de informação

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 1 Auditando uma implantação de ERP (Enterprise Resource Planning) em empresas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias George Paulus Pereira Dias paulus@proage.com.br 1998: Consultor em projetos na área de logística e planejamento com a utilização de técnicas de

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning

ERP Enterprise Resourse Planning Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas - FACITEC Bacharelado em Sistemas de Informação 2B Fundamentos de Sistemas de Informação Professor: Paulo de Tarso ERP Enterprise Resourse Planning Alexandre

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA

SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE TRANSAÇÕES (SPT) PARADA OBRIGATÓRIA!!! SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) CONTEÚDO DA AULA PROF.ª MARCIA CRISTINA DOS REIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 14/08/2012 Aula 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (SPT, SIG e ERP) PARADA OBRIGATÓRIA!!! LEITURA DO LIVRO DO TURBAN, RAINER JR E POTTER Sistemas SPT p. 212

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning História

ERP Enterprise Resource Planning História ERP (Enterprise Resource Planning, Planejamento (ou planeamento, em Portugal) de Recursos Empresariais) são sistemas de informações transacionais(oltp) cuja função é armazenar, processar e organizar as

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANDRÉ MACHADO DA SILVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANDRÉ MACHADO DA SILVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANDRÉ MACHADO DA SILVA ESTUDO DE CASO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA ERP EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO AUTOMOTIVO

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP)

Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP) Proposição de ações estratégicas para superação das barreiras e efetiva implantação do processo de planejamento integrado (S&OP) Leandro de Freitas Matheus (Axia Consulting) leandro.matheus@axiaconsulting.com.br

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais