A CIVILIZAÇÃO GREGA (HELÊNICA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CIVILIZAÇÃO GREGA (HELÊNICA)"

Transcrição

1 Goiânia, 01 de gosto de 2011 CIVILIZÇÃO GREG (HELÊNIC) Disciplina: História Professor: Norberto CIVILIZÇÃO GREG (HELÊNIC) O POVOMENTO D GRÉCI o final do período Neolítico, a região já era habitada por povos sedentários de língua não grega, chamados Pelasgos ou Pelágios. partir de 2000 a.c., aproximadamente, povos de origem indo-européia começaram a chegar à região. Os primeiros helenos a alcançar a Grécia foram os aqueus (1950 a.c., originários das estepes russas, que, em busca de melhores pastagens para seus rebanhos, espalharam-se por quase toda a Grécia, parte da Ásia Menor e pelo sul da Itália. O contato dos aqueus com os cretenses deu origem à civilização micênica. seguir, chegaram os jônios e os eólios (1500 a.c.), que se estabeleceram na Ática e na Ásia Menor (Península da natólia). última leva foi a dos dórios (1200 a.c., que se estabeleceram no Peloponeso, destruindo parte da civilização micênica. GRÉCI NTIG LOCLIZÇÃO: Grécia Continental fazia limites: ao norte com a Ilíria (atuais: Sérvia, Montenegro, norte da lbânia, Bósnia e Herzegovina e Croácia); a leste com o mar Egeu; a oeste com o mar Jônico; ao sul com o mar Mediterrâneo; a nordeste estão, em sequência, o estreito de Dardanelos, o mar de Mármara, o estreito de Bósforo e, finalmente, o mar Negro; a noroeste está o mar driático. Grécia Peninsular: ao sul da Grécia Continental, ligada pelo Istmo de Corintho, está a Grécia Peninsular constituída pela península do Peloponeso. Grécia Insular: O mar Egeu é um mar interior da bacia do mar Mediterrâneo situado entre a Europa e a Ásia. Estende-se da Grécia, a oeste, até a península da natólia, a leste. o norte, possui uma ligação com o mar de Mármara e o mar Negro através dos estreitos de Dardanelos e do Bósforo. Diversas ilhas estão localizadas no mar Egeu, inclusive Creta, Rodes e Delos. Essas ilhas compõe a Grécia insular. Grécia siática (Ásia Menor ou Península da natólia): Correspondia a costa ocidental da península da natólia ou Ásia menor (atual litoral da Turquia) e algumas ilhas do mar Egeu. ampliação do Território Grego: O território da Grécia européia foi ampliado (a partir do século VII a.c. com a Segunda Diáspora Grega) com a fundação de diversas colônias na orla mediterrânica ocidental, destacando-se o sul da península Itálica que foi denominada Magna Grécia. RELEVO E CLIM: De um modo geral, o relevo das penínsulas e ilhas é montanhoso, entremeado de pequenas e férteis planícies isoladas umas das outras; somente a Magna Grécia (sul da península Itálica), a ilha de Creta e a Tessália, na parte norte da península balcânica, têm planícies de extensão considerável. s montanhas eram recobertas de florestas e o litoral, muito recortado, favoreceu a navegação e as comunicações através do mar. Por outro lado, as características do relevo continental estimularam certo isolamento, o que teria favorecido o caráter autônomo das cidades gregas. Predominavam os verões quentes e secos e os invernos amenos (clima "mediterrâneo"); os rios, caudalosos no inverno, praticamente secavam no verão. O TERMO GRÉCI: Grécia é o nome pelo qual os romanos designavam a Hélade (do grego Hellas), nomenclatura que os habitantes locais davam ao território que habitavam. Com a expansão e o domínio romano sobre o mediterrâneo, a partir do século II a.c. a Hélade passou definitivamente a ser denominada Grécia, do latim Graecia

2 PERIODIZÇÃO D HISTÓRI GREG N NTIGUIDDE: Período Pré-Helênico ou Pré-Homérico (± até a.c.): Este período corresponde àquelas civilizações que antecederam e serviram de base para a formação da Civilização Grega. É didaticamente conveniente que seja subdividido em dois momentos: a) Civilização Cretense ou Egéia ou Minóica (± até a.c.) e b) Civilização Micênica ou Creto-Micênica (± até a.c), marcada pelo domínio dos queus ou Micenos sobre a região. Período Homérico (do século XII ao VIII a.c.): Período de formação dos gregos marcado pela organização dos genos (comunidades patriarcais organizadas em clãs). O nome do período deve-se aos relatos atribuídos ao poeta Homero nas obras Ilíada e Odisséia, escritas provavelmente no período seguinte, o Período rcaico. Período rcaico (do século VIII ao VI a.c.): Período marcado pela consolidação da formação das polis gregas, por intensas agitações sociais e políticas e pelo processo de colonização grega, denominado Segunda Diáspora. Período Clássico (do século VI ao IV a.c.): Período caracterizado pelo auge do desenvolvimento das polis gregas. Destaque para as polis rivais de tenas e Esparta. Ocorrência de grandes guerras como as Guerras Médicas ( a.c.) e a Guerra do Peloponeso ( a.c.). Desenvolvimento da arquitetura, da escultura, do teatro, da filosofia. No campo político destacou-se o desenvolvimento da democracia ateniense. O final do período foi marcado por conflitos internos que enfraqueceram as polis e favoreceram o domínio macedônico. Período Helenístico (do século IV ao II a.c): Período marcado pelo domínio macedônico sobre a Grécia. Os macedônios absorveram profundamente a cultura grega (helênica) e ao expandirem-se para o oriente realizaram o sincretismo dessas culturas dando origem a Cultura Helenística. Esse período chegou ao final com o domínio romano a partir do século II a.c. 1-Civilização Cretense / 2- Civilização Creto-Micênica PERÍODO PRÉ-HELÊNICO OU PRÉ-HOMÉRICO (± até a.c.): 1- Civilização Cretense ou Egéia ou Minóica (± até a.c.) Creta é a maior ilha da Grécia. Está no sul do mar Egeu. Segundo o mito, era nessa ilha que vivia o minotauro. Creta esteve habitada desde o final do Neolítico. No começo da Idade do Bronze, os cretenses criaram, no 3 milénio a.c., uma grande civilização insular. tribui-se a essa civilização a construção de palácios em Cnossos, em Faistos e em Maliá que foram cidades-estados cretenses. partir da primeira metade do 2º milénio a.c. Creta chegou a ser o centro cultural e comercial graças ao domínio que lhe dava a sua frota e às riquezas acumuladas pelo comércio de produtos como o vinho, o azeite, as cerâmicas, os tecidos e a joalharia. Impôs-se no Mar Mediterrâneo quer nos territórios vizinhos quer em locais mais afastados, como a Sicília (organizaram uma TLSSOCRCI). Esse período de apogeu foi marcado pelo domínio da cidade de Cnossos e de de seus reis denominados Minos. O símbolo da ilha era o Taurus (touro), animal admirado por sua força e beleza. lenda do MINOTURO estabelece fortes relações com o domínio que a talassocracia cretense impôs sobre a Grécia e seus primitivos habitantes, os pelasgos ou pelágios. Esses primitivos habitantes da Grécia, não tendo forças para se livrarem do domínio cretense, tinham que pagar tributos e fornecer-lhes tudo o que exigiam. Tal situação, que parecia sem saída, lembra um Labirinto. denominação do lendário Minotauro, certamente deriva do termo Minos, adotado pelos reis de Cnossos, e de Taurus, o touro que simbolizava a força da ilha. Segundo o mito, o Minotauro foi morto pelo herói grego Teseu, com a ajuda da princesa cretense riadne (aranha, em grego, ou seja, aquela que tece a teia, a trama), entrou no labirinto e matou o monstro. Para sair do labirinto Teseu valeu de um novelo de linha cuja outra extremidade riadne ficou segurando do lado de fora, aguardando a volta de seu amado Teseu. Podemos afirmar que a lenda do Minotauro está repleta de elementos simbólicos que marcam os momentos que antecederam a história dos gregos. Quais sejam: O Minotauro: É representação do domínio cretense sobre os primitivos gregos (os pelágios ou pelasgos). Diante da situação de exploração imposta por creta, os pelasgos criaram um mito que representava está condição. O labirinto: É a representação de uma situação para qual não se vê saída, no caso, a dominação dos cretenses sobre os pelasgos que eram incapazes de reagirem com eficiência. Pode também ser a representação do palácio do rei de Cnossos (diferante do conceito tradicional que temos de um palácio real, o de Cnossos, além do salão do trono e dos aposentos da realeza, era uma reunião intrincada de mais de 1000 salões que se interligavam, alguns dos quais serviam como ateliês para artesãos, e centros de processamento de alimentos, como, por exemplo, prensas para a fabricação de vinho. Servia tanto como armazém central quanto como centro religioso e administrativo.). Teseu: É a representação dos queus. Os aqueus eram povos indo-europeus que penetraram na Grécia por volta de a.c., conquistaram os pelasgos ou pelágios e fundaram importantes núcleos populacionais em território helênico, como Micenas, Tirinto e rgos. Por volta de a.c., dominaram os cretenses, mas, assimilaram profundamente sua cultura, dando origem a um período de apogeu e a formação da CIVILIZÇÃO MICÊNIC. ssim sendo, a morte do Minotauro, por Teseu, representa o domínio dos queus sobre a Civilização Cretense. riadne: Representa o que havia de bom na ilha de Creta e que foi amplamente assimilado pelos queus, ou seja, a CULTUR CRETENSE ou MINÓIC. O romance entre Teseu e riadne representa a fusão dos queus com a cultura cretense, base fundamental para os valores da futura civilização grega. CRCTERÍSTICS D CULTUR, SOCIEDDE E POLÍTIC CRETENSE Elementos orientais: s características desta civilização lembram, em suas estruturas, alguns dos elementos estéticos da ntiguidade oriental. Tal fato deve-se, provavelmente, ao contato comercial com o Egito e as cidades-estados fenícias. s formas de escrita: Os cretenses desenvolveram dois tipos básicos de escrita, a Linear e a Linear B, assim convencionadas pelos pesquisadores britânicos, da primeira metade do século XX, rthur Evans, Michael Ventris e John Chadwick. Descobriu-se também uma terceira foma que ficou conhecida como pictográfica ou hieroglífica cretense. s cidades: s cidades cretenses, segundo investigações arqueológicas, apresentavam uma bela arquitetura, com grandes palácios e outras edificações com complexo sistema de saneamento e canalizalção de água

3 singular condição da mulher cretense: presença da mulher em exibições perigosas e de grande habilidade e também nas festas aparece em diversas pinturas em cerâmicas e nos afrescos. Essa valorização da mulher se deve principalmente ao fato de que a divindade maior de Creta é uma mulher, a Deusa-Mãe, ou Grande-Mãe. Dessa forma, podemos concluir que a mulher na sociedade Cretense gozou de uma grande consideração. religião: Os afrescos descobertos pela arqueologia revelam a importância conferida à mulher, as quais eram retratadas exercendo funções religiosas, administrativas e por vezes até políticas. Os cretenses acreditavam que os deuses governavam tudo e a mulher era vista como fundamental para garantir a pacificação social. inda em seu princípio, esculturas de uma Deusa-Mãe tornaram-se frequentes. Também se destacou em importância a imagem do touro, reproduzida em pinturas e em obras arquitetônicas, chifres de pedra assinalavam os locais sagrados, que pode ter sido associado à fertilidade, ou aos frequentes terremotos, como se a terra estivesse presa em seus chifres. Cerimônias religiosas são descritas em pinturas. Santuários foram identificados em cavernas e montanhas, bem como no interior dos próprios palácios, o que pode atribuir aos reis alguma função sacerdotal. O símbolo mais sagrado dos minóicos era o labrys, um machado de dois gumes. Inicialmente os mortos eram sepultados em cavernas, mas com o gradativo desenvolvimento da vida urbana, grandes túmulos e mausoléus tomaram lugar nos ritos fúnebres. arte: cerâmica se destacou por apresentar diversidade de formas e funções, progredindo em termos de variedade, refinamento e acabamento. Eram decorados com pinturas de formas geométricas simples, como triângulos, zigue-zagues e padrões simétricos abstratos. lgumas obras possuíam pequenas imagens do cotidiano, como plantas e animais domésticos. s pinturas em parede ganham destaque. Suas cores vivas puderam ser vistas nas ruínas dos palácios mesmo milhares de anos após sua destruição. Também retratam com bom grau de precisão e detalhamento os animais selvagens e domésticos, sobretudo o touro, figuras humanas em cenas como festas, casamentos, colheitas e cerimônias. maior parte do conhecimento acerca da sociedade minóica ou cretense se deve a essas pinturas. Posteriormente, os trabalhos em metal, sobretudo ouro, e pedras preciosas tornaram-se notáveis em detalhamento e se transformaram em artigos de exportação preciosos, conhecido do o Egito à Pérsia. Foram achados nas escavaçoes de Creta muitas imagens de mulheres, de diferentes posições sociais: sacerdotisas, dançarinas, esportistas e damas da nobreza. Isso significa que na sociedade minoica as mulheres tinham grande função na cidade. 2- Civilização Creto-Micênica (± até 1200 a.c.) Em meados do século XV a.c., os queus, povo indo-europeu, dominaram os cretenses, mas, assimilaram profundamente sua cultura, dando origem a um período de apogeu e a constituição da Civilização Micênica ou Creto-Micênica. O Período micênico ou creto-micênico é uma subdivisão do Período Pré-helênico também conhecido por Período Heládico ou Tempos Pré-homéricos. Refere-se à sofisticada cultura que se desenvolveu no continente grego entre 1600 a.c. e 1050 a.c., aproximadamente. O nome deriva de Micenas, principal cidade fundada pelos aqueus. Os micênios ou aqueus, povo indo-europeu, inicaram a incursão ao território grego conquistando aos pelágios ou pelasgos. tivos comerciantes, os micênios conquistaram a avançada ilha de Creta por volta de 1450 a.c. e, entre 1400 e 1200 a.c., dominaram economicamente e culturalmente quase todos os povos do Mediterrâneo Oriental. Caracterizada por uma aristocracia de guerreiros, falavam uma forma bastante arcaica da língua grega, o dialeto jônico. Escreveram os mais antigos documentos em grego, escritos em um silabário conhecido por escrita linear B e construíram imponentes cidadelas fortificadas em Micenas e Tirinto. Diversas características da cultura micênica sobreviveram nas tradições religiosas e na literatura grega dos períodos rcaico e Clássico, notadamente na Ilíada e na Odisséia. Micenas teve seu auge e foi a cidade mais próspera da Grécia por muitos anos, revolucionando as artes, a engenharia e a arquitetura. invasão dórica é considerada a causa do fim da civilização micênica. O povoamento da Grécia: No Período Pré-homérico ocorreram as invasões dos povos arianos (indo-europeus) que, através da península Balcânica, chegaram à Grécia em sucessivas vagas (ondas) de ocupação. Trata-se dos aqueus, eólios, jônios e dórios. Os aqueus, quando chegaram à Grécia, encontraram um povo de cultura rudimentar denominado Pelasgos, ou Pelágios, que foram assimilados. Em seguida, fundaram algumas cidades, destacando-se Tirinto e Micenas. Logo após, por volta de a.c., dominaram da ilha de Creta, cuja cultura assimilaram. Surgiu assim a civilização creto-micênica. Porém, antes mesmo desse domínio sobre Creta ocorreu, por volta de 1700 a.c., a chegada dos eólios e jônios fato que favoreceu o aumento da população micênica, que iniciou então uma expansão marítima, durante a qual entrou em choque com a supremacia cretense no mar. Cnossos, a principal cidade de Creta, foi destruída. lenda do Minotauro conta esse fato simbolicamente. expansão micênica continuou pelo mar Egeu em direção ao mar Negro, onde Tróia foi destruída, como conta Homero na Ilíada. Homero atribui a Guerra de Tróia ao rapto de Helena, esposa de Menelau, rei de Esparta, por um príncipe troiano (Páris). Na verdade, a destruição de Tróia foi mais um capítulo da expansão micênica que se iniciara com a tomada de Cnossos. Nesse momento máximo da expansão micênica, por volta de a.c., já estavam ocorrendo disputas internas entre os micênicos. O quadro se agravou com a chegada à Grécia do grupo dório, também ariano, de nível cultural inferior, mas possuidor de armas de ferro. Os dórios arrasaram Micenas e provocaram a Primeira Diáspora (dispersão) grega, em direção à Ásia Menor. Dentro da Grécia, então, a população passou a viver isoladamente em grupos clânicos chamados genos. Esse fato assinala o fim do Período Pré-homérico e o início do Período Homérico, assim chamado porque grande parte do que estudamos sobre esse período deve-se as obras Ilíada e Odisséia, poemas cuja autoria é atribuída a Homero. O fim do período pré-homérico foi marcado pelos seguintes fatores: Decadência das cidades micênicas em virtude de rivalidades internas, agravada pela violenta invasão dos dórios. Retrocesso da organização política e socioeconômica. Intensa ruralização e estruturação social em comunidades gentílicas patriarcais. Dispersão dos gregos para as ilhas do mar egeu e para a Ásia Menor, no processo denominado Primeira Diáspora Grega. PERÍODO HOMÉRICO (do século XII ao VIII a.c.) pós o esplendor da civilização creto-micênica e tendo em vista a arrasadora invasão dos dórios, iniciou-se o Período Homérico, período este em que as cidades entraram em decadência, pois foram invadidas e saqueadas. Tal fato favoreceu um quadro de exôdo urbano, um processo regressão da Grécia a uma organização econômica e social primitiva e rudimentar, em que a escrita desapareceu e a organização política e econômica enfraqueceu profundamente, em relação ao período anterior. Desse período que caracterizou a gênese a civilização grega, não se tem registro escrito na época. O conhecimento dessa fase da história grega deve-se aos achados arqueológicos e a tradição oral dos EDOS (artista que cantava as epopeias acompanhando-se de um instrumento musical) e RPSODOS (artista popular ou cantor que recita as epopéias e não é acompanhado de qualquer instrumento) que narrando as EPOPÉIS (uma poesia épica, ou epopeia é uma poesia, uma - 3 -

4 narrativa curta lendária ou mitológica. epopeia eterniza lendas e tradições ancestrais, preservando-as ao longo dos tempos pela tradição oral ou escrita) contribuíram para que no período seguinte, o RCICO, essa tradição oral fosse registrada nos escritos das obras Ilíada e Odisséia, atribuídas ao poeta Homero (pesar de "Homero" ser um nome grego, atestado em regiões de fala eólica, nada de concreto se sabe sobre ele. Entretanto, ricas tradições foram aumentadas, ou foram conservadas, pretendendo dar detalhes de sua terra natal e de sua experiência. Muitas delas são puramente fantasiosas). pós as invasões dos dórios e tendo se efetivado o processo de ruralização das sociedades gregas, os genos passaram a constituir a forma predominante de organização social. ssim podemos afirmar que o período homérico foi a fase da história grega em que predominou a organização social das COMUNIDDES GENTÍLICS PTRIRCIS. O genos constituía a primitiva unidade econômica, social política e religiosa dos gregos. Todo o grupo vivia sob a autoridade do PTER (patriarca) que, ao morrer, era sucedido pelo primogênito, e assim sucessivamente. Era um grupo consangüíneo e a solidariedade entre seus membros era muito grande. Os casamentos eram feitos dentro do clã. Os bens de produção (terras, sementes, instrumentos) e o trabalho eram coletivos. Sendo assim, a produção era distribuída igualmente entre todos os membros da comunidade. Pela teoria marxista caracteriza o MODO DE PRODUÇÃO PRIMITIVO OU COMUNIST. Socialmente, predominava a igualdade, pois não havia diferenças econômicas. Só existiam as diferenças tradicionais, pois os parentes se hierarquizavam em função de sua proximidade para com o pater. O poder político do pater advinha de ser ele o responsável pelo culto dos antepassados que ele realizava todos os dias, antes das refeições comuns. Distribuía justiça costumeira (DIREITO CONSUETUDINÁRIO) e comandava o exército do genos. No final do Período Homérico, essas comunidades começaram a se transformar. população cresceu, mas a produção agrícola não acompanhava o mesmo ritmo. Faltavam terras férteis e as técnicas de produção eram rudimentares. Em vista disso, houve a desintegração das comunidades gentílicas, seus membros, liderados pelo pater, resolveram partilhar as terras coletivas. Os paters favoreceram seus parentes mais próximos, que passaram a ser chamados eupátridas (bem- nascidos), permitindo-lhes ficar com as melhores terras (Pédium, os vales férteis). Os parentes mais afastados herdaram as terras menos férteis da periferia e em áreas de relevo acidentado e pedregoso (Diácria), sendo chamados georgóis (agricultores). Muitos outros, parentes mais distantes, ficaram sem terras, o que lhes valeu o nome de thetas (marginais). Os eupátridas herdaram a tradição dos paters, monopolizando o poder político e constituindo uma aristocracia de base fundiária. Esses aristocratas se agrupavam em frátrias. Um grupo de frátrias, por sua vez, formava uma tribo, que estava submetida a autoridade do Filobasileus (supremo comandante do exército). reunião de várias tribos deu origem aos demos (povoados). s constantes rivalidades e a necessidade de segurança favoreceram a junção dos demos e a formação de pequenos Estados locais, as poleis (cidades-estado). Por volta dessa época, a partir do século X a.c., surgiram na Grécia cerca de 160 cidades independentes umas das outras. Cada uma delas se caracterizava por um templo construído em sua parte mais alta: a crópole. Primitivamente, as poleis eram governadas por um Basileus (rei), cujo poder era limitado pelos eupátridas. Em geral, quando os reis tentaram assumir um controle maior sobre o poder, foram depostos e substituídos por arcontes (magistrados indicados pelo Conselho dos ristocratas que era renovado anualmente). O fim do período homérico foi marcado pelos seguintes aspectos: Crise da sociedade gentílica com a alteração interna dos genos e o desenvolvimento da propriedade privada da terra; formação de uma aristocracia genericamente denominada eupátridas; organização, a partir do século X a.c., das primeiras cidades-estados gregas. PERÍODO RCICO (do século VIII ao VI a.c.) Período marcado pela consolidação da formação das polis gregas, por intensas agitações sociais e políticas e pelo processo de colonização grego denominado Segundo Diáspora. privatização das terras, a dissolução da comunidade gentílica levaram a profundas transformações no interior das sociedades gregas do período arcaico, tais como: Concentração das melhores terras nas mãos de uma elite privilegiada. O crescimento demográfico, tendo em vista a diminuição das invasões e das guerras. escassez de terras férteis, destacadamente, para as camadas sociais menos favorecidas. Escravidão por dívidas. Constantes revoltas sociais. Produção excedente nas propriedades da aristocracia, o que exigia novos mercados para serem comercializadas. Todos esses fatores contribuíram para um processo de exôdo rural e dispersão dos gregos para várias partes do mar mediterrâneo, gerando o chamado Processo de Colonização Grego ou Segunda Diápora Grega, entre os séculos VIII e VI a.c. Os gregos instalaram entrepostos comerciais e colônias, principalmente no sul da península itálica, onde surgiram cidades como Tarento e Siracusa (Magna Grécia) e em torno do mar negro e da Ásia Menor, região conhecida como Ponto Euxino. O comércio entre essas áreas baseava-se nas exportações de azeite, vinho e peças de artesanato gregas e na importação de artigos como trigo, metais preciosos, cobre, ferro e madeira das regiões mediterrânicas. Porém, essas medidas não conseguiram resolver efetivamente os problemas sociais, na maioria das polis gregas. ssim sendo, um dos fenômenos mais importantes do Período rcaico foi o da colonização, que espalhou os gregos por toda a área costeira da bacia do Mar Mediterrâneo e do Mar Negro. colonização grega obedecia a um certo planejamento, que implicava, para além da escolha do local que seria colonizado, a nomeação dos comandantes das expedições (oikistes) que seriam responsáveis pela conquista do território e que governaria a colônia (apoika, "residência distante") como rei ou governador. ntes de partir com a sua expedição, o oikistes consultava o Oráculo de polo em Delfos, que aprovava o local sugerido ou propunha outro. O deus polo encontrou-se assim associado à colonização. Os colonizadores levavam da cidade mãe - a metrópole - o fogo sagrado e os elementos culturais e políticos desta, como o dialeto, o alfabeto, os cultos e o calendário. Por vezes as colônias poderiam fundar por sua vez outras colônias. Na Magna Grécia, sul da Itália, uma das primeiras colonizações data de 775 a.c., tendo sido uma iniciativa de gregos da cidades de Cálcis e Corinto que partem para a ilha de Ischia na baía de Nápoles. Em 730 a.c., estão documentadas as fundações de colônias na Sicília: Naxos e Messina (por Cálcis) e Siracusa (por Corinto). s costas do Mar Negro foram colonizadas essencialmente pela pólis de Mileto. s colônias mais importantes desta região foram Sinope (700 a.c.) e Cízico (675 a.c.). De Megara partem colonos que fundam em 667 a.c. a cidade de Bizâncio

5 No norte da África Cirene foi fundada por colonos da ilha de Tera por volta de 630 a.c.. Na região ocidental do Mediterrâneo, salientem-se colônias como Massalía (a moderna Marselha), Nice (de niké, vitória) e mpúrias (esta última na Península Ibérica). colonização grega deve ser entendida de uma forma diferente da colonização realizada pelos Europeus na Idade Moderna e Contemporânea, na medida em que a colônia não tinha qualquer tipo de dependência política e econômica em relação à metrópole. Entre a metrópole e a colônia existiam laços cordiais (era por exemplo chocante que ocorresse uma guerra entre as duas), mas os gregos que se fixavam permanentemente em uma colônia perdiam a cidadania que detinham na cidade de onde eram oriundos. O desenvolvimento do comércio Uma das consequências da colonização foi o desenvolvimento do comércio, não apenas entre a colônia e a metrópole, mas entre as colônias e outros locais do Mediterrâneo. té então o comércio não era uma atividade econômica própria, mas uma atividade subsidiária da agricultura. lgumas colônias funcionavam essencialmente como locais para a prática do comércio e sem um estatuto político, eram os chamados empórios. O incremento da atividade comercial gera por sua vez o fomento da indústria. Deste setor destaca-se a produção da cerâmica, sendo famosos os vasos de Corinto e de tenas, que se tornaram os principais objetos de exportação. No último quartel do século VII a.c. ocorreu o aparecimento na Lídia da moeda, que se espalhou lentamente por toda a Grécia. Consequências do desenvolvimento do comércio e da indústria artesanal Com o afluxo, a partir das colônias, de quantidades elevadas de cereais e com a importância que a exportação do vinho e do azeite adquiriu, desenvolveu-se entre as classes mais abastadas a tendência para substituir o cultivo do trigo pelo da vinha e da oliveira. Os camponeses com poucos recursos econômicos ficaram impossibilitados de proceder a esta substituição, uma vez a vinha e a oliveira necessitam de algum tempo até oferecerem resultados. Como resultado desta realidade econômica nasce no Período rcaico uma nova classe, a dos plutocratas (demiurgos), cujos membros, oriundos frequentemente das classes inferiores, enriquecem graças às possibilidades oferecidas pelo desenvolvimento do comércio e da indústria artesanal, atividades desdenhadas pela aristocracia. Esta classe possuia ambições políticas, que na época se encontravam relacionadas com a posse de terra. Como tal, os plutocratas procuram comprar terras. Os nobres, não pretendendo ser relegados para segundo plano, entraram também na corrida de compra das terras. s consequências desta competição econômica repercute entre os camponeses de fracos recursos, cujas condições de vida se agravam. Esse quadro leva a constantes conflitos sociais e políticos. Espaço físico das polis gregas pólis grega era formada pela ÁSTEY, basicamente, por uma CRÓPOLE, uma ÁGOR e pela KHOR. acrópole corresponde à parte mais elevada da pólis, onde existiam templos dedicados aos deuses. Ficava ao lado da ágora, que era a parte mais pública da comunidade. Lá existia o mercado e as assembleias do povo. Ágora era a praça principal na constituição da pólis, a cidade grega da ntiguidade clássica. Normalmente era um espaço livre de edificações, configurada pela presença de mercados e feiras livres nos seus limites, assim como por edifícios de carácter público. khora corresponde à parte agrícola, onde moravam os camponeses e onde eram cultivados alimentos que supriam a ástey, que era a "cidade" da pólis, a parte urbana (termos anacrônicos, mas que representam mais proximamente o que era a ástey). No processo de consolidação da formação das polis gregas trataremos dos dois exemplos mais marcantes e importantes: Esparta e tenas. ESPRT Esparta, ou Lacedemônia, localizava-se na península do Peloponeso, na planície da Lacônia, às margens do rio Eurotas. Foi fundada no século IX a.c., pelos dórios. Cercada por montanhas que lhe davam proteção natural e a isolava das regiões vizinhas. No século VII a.c., conquistou a região da Messênia, que a circundava e consolidou seu caráter essencialmente guerreiro, desenvolvendo-se de maneira peculiar em relação às demais polis. O Estado dividia as terras em lotes iguais, chamados de Kleros, que eram divididos entre os cidadãos. O cultivo deste lote de terra cabia aos servos (hilotas) do Estado disponibilizados para trabalharem nas terras dos cidadãos espartanos (esparciatas). Os espartanos dedicavam-se a formação militar e não exerciam nenhuma atividade econômica, consideravam o comércio uma atividade indigna que era relegada aos estrangeiros e marginalizados denominados periecos. Segundo os espartanos, a constituição que regia a cidade-estado, suas regras e os valores foram rigidamente estabelecidos por um legislador mítico, Licurgo. Essa constituição, segundo os espartanos, não podia ser modificada, e com isso perpetuava o regime oligárquicoaristocrático, isto é, manteve ao longo da história espartana o poder dos esparciatas

6 De maneira geral a sociedade espartana foi: patriarcal, agrária ou rural, aristocrática, estratificada, eugênica e militarista. Organização social espartana Os esparciatas formavam a aristocracia de Esparta, e monopolizavam as instituições políticas, militares e religiosas. Eram os tradicionais descendentes dos dórios e os detentores de terras. Eram os únicos que tinham direito à cidadania. Os periecos eram homens livres, não possuíam cidadania, e dedicavam-se principalmente ao comércio e ao artesanato, tarefas desprezadas pelos esparciatas. Eram os habitantes dos arredores da cidade. Os hilotas eram frequentemente definidos como escravos. Na verdade, um conjunto de fatores permite que eles sejam caracterizados mais como servos do que como escravos propriamente ditos. Habitavam as terras conquistadas pelos dórios. Estavam presos à terra, não podiam se transferir, eram propriedade do Estado e executavam as tarefas braçais nas terras distribuídas aos esparciatas. Como compunham a maioria da população de Esparta, eram mantidos sob rígida obediência pelo terror, destacadamente a kriptia (ritual da maioridade, utilizado pelos espartanos em meados do sec. IV a.c, feito quando o jovem completava 16 anos, em seu treinamento militar, consistia na matança de hilotas). Educação espartana gogê: Em seu próprio significado, a palavra que os espartanos aplicavam para a educação já dizia tudo: gogê (agoge), isto é, adestramento, treinamento. Viam-na como um recurso para o adestramento dos seus jovens. O objetivo maior dela era formar soldados educados no rigor para defender a polis. ssim sendo, temos que entendê-la como um serviço militar estendido à infância e à adolescência. Em termos genéricos, podemos ver que a educação desenvolvida em Esparta estava intimamente ligada ao caráter militarista. Desde tenra idade a formação do indivíduo era reconhecida como uma função a ser obrigatoriamente assumida pelo próprio Estado. Os espartanos viam cada novo ser como um soldado em potencial. O caráter era eugênico (controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações seja física ou mentalmente). o nascer, a criança era minuciosamente observada por um grupo de anciãos. Caso ela não apresentasse uma boa saúde ou tivesse algum problema físico, era invariavelmente lançada do cume do monte Taigeto. Se fosse considerada saudável, ela poderia ficar com a sua mãe até os sete anos de idade. Depois disso, passava a ficar sob a tutela do governo espartano para assim receber todo o conhecimento necessário à sua vindoura trajetória militar. Entre os sete e os doze anos a criança recebia os conhecimentos fundamentais para que conhecesse a organização e as tradições de seu povo. Depois disso, era dado início a um rigoroso treinamento militar onde seria colocado em uma série de provações e testes que deveriam aprimorar as habilidades do jovem. Nessa fase, o aprendiz era solto em um campo onde deveria obter o seu próprio sustento por meio da coleta, da caça de animais ou, em alguns casos, por meio do furto. Nessa mesma época, os aprendizes eram colocados para realizarem longas marchas e lutarem uns com os outros. Dessa maneira, aprendiam a combater eficazmente. lém disso, havia uma grande preocupação em expor esse soldado a situações provadoras que atestassem a sua resistência a condições adversas e obediência aos seus superiores. Cada vez que não cumprisse uma determinada missão, esse soldado em treinamento era submetido a terríveis punições físicas. Quando estavam entre dezesseis e dezessete anos de idade, o jovem recruta espartano era submetido a um importante teste final : a kriptia. Funcionando como uma espécie de jogo de esconde-esconde, os jovens espartanos se escondiam de dia em um campo para, ao anoitecer, saírem à caça do maior número de hilotas possível. Quem sobrevivesse a esse processo de seleção já estaria formado para integrar as fileiras do exército e teria direito a um lote de terras. Com relação às mulheres, devemos salientar que essa mesma tutela exercida pelo Estado também era dirigida a elas. De acordo com a cultura espartana, somente uma mulher fisicamente preparada teria condições de gerar filhos que pudessem lutar bravamente pela defesa de sua cidade-estado. lém disso, durante sua vida civil ela poderia adquirir o direto de propriedade e não estava necessariamente sujeita à autoridade de seu marido. Quando alcançava os trinta anos de idade, o soldado espartano poderia galgar a condição de cidadão. partir desse momento, ele participava das decisões e leis a serem discutidas na Ápela, assembleia que poderia vetar a criação de leis e indicava os indivíduos que comporiam a classe política dirigente de Esparta. Quando atingia a idade de sessenta anos, o indivíduo poderia sair do exército e integrar a Gerúsia, o conselho de anciãos responsável pela criação das leis espartanas. Estrutura política espartana Esparta manteve ao longo de sua história basicamente a mesma estrutura política. Os orgãos dessa organização foram: Diarquia: Os reis da cidade-estado de Esparta governavam através de um sistema conhecido como diarquia, no qual dois reis de família diferentes governavam com iguais poderes. origem desta singularidade monárquica não está perfeitamente esclarecida pelos historiadores que aventaram a hipótese de que a instituição foi um compromisso entre duas família poderosas no período de criação do Estado espartano na transição do período homérico para o arcaico. Os diarcas vinham das famílias dos Ágidas e Euripôntidas, sendo o direito de ser rei hereditário para o primeiro filho nascido após a ascensão do pai a realeza. Caso o herdeiro fosse menor assumia a regência um parente próximo até a maioridade do herdeiro. Os dois reis tinham poderes iguais nas atribuições religiosas, políticas, administrativas e judiciárias. Na época clássica seus poderes foram limitados a religião, a julgar determinadas causas privadas em que intervém o direito religioso da família. No período de guerra eram os comandantes supremos do exército e do sacerdócio e enquanto um rei protegia Esparta, o outro ia para o combate. Esse poder de comando era essencialmente militar, estando sujeito ao comando e fiscalização de sua conduta pelos éforos. Os diarcas presidiam a Gerúsia, embora seu poder fosse o mesmo dos outros gerontes. monarquia foi seriamente limitada em seus poderes pelo surgimento do Eforato, formado por cinco éforos eleitos pelos cidadãos, que exigiam o juramento de obediência dos reis e podiam prendê-los e multá-los por comportamento inadequado, além de intervir nas prerogativas reais quando havia discordâncias entre os reis sobre uma decisão. Os diarcas eram muito respeitados e todos se mantinham de pé diante de sua presença, com exceção dos éforos. Tinham as maiores e melhores terras, territórios na área dos periecos e recebiam butim (despojos da guerra) maior que dos outros espartanos. No período helenístico com a decadência de Esparta, houve no século III a.c. revoltas lideradas pelos reis que desestruturaram a organização social e acabaram com a dupla realeza. Gerúsia: (Conselho de nciãos) composta por 28 membros com idade a partir de sessenta anos, denominados gerontes mais os reis da diarquia. Sua criação é atribuída a Licurgo, nas reformas que introduziu no final do século VIII a.c. O título era vitalício. Suas funções eram legislativas e se encarregava de preparar os projetos que deviam ser submetidos à aprovação da pela (assembléia assembleia dos cidadãos). gerúsia também tinha função judiciária e caso os reis que fossem acusados pelos éforos seriam julgados na Gerúsia

7 Ápela: pela ou pelá era uma assembléia formada por cidadãos espartanos a partir dos trinta anos. Elegia os membros da Gerúsia e aprovava ou rejeitava as leis encaminhadas por eles. Todo espartano homem a partir de 30 anos podia participar das reuniões, que, de acordo com Licurgo, aconteciam a cada lua cheia, nas imediações de Esparta. Originalmente aconteciam na Ágora, com a condução dos reis. Mais tarde, passam a ser conduzidas pelos éforos. votação acontecia aos gritos. pela apenas rejeitava ou aceitava as propostas a ela submetidas. Geralmente, a pela deliberava sobre a guerra e a paz. pela também era responsável por eleger os membros da Gerúsia. Os candidatos eram selecionados a partir da aristocracia. Também elegiam os cinco éforos anualmente. Gerúsia sempre tinha poder de veto sobre a pela. Eforato ou Conselho dos éforos: os éforos eram os oficiais da antiga Esparta. Cinco éforos eram eleitos anualmente, sem direito a reeleição. Eles atuavam no papel de fiscais da vida pública, inclusive sobre a atuação dos reis. Segundo Heródoto a instituição foi criada por Licurgo. Eram eleitos pela assembléia dos cidadãos (Ápela). Eles forneciam um equilíbrio para a Diarquia de Esparta, pois os dois reis raramente cooperavam entre eles. Com o tempo éforos substituiram a função da diarquia em presidir as reuniões da Gerúsia, o conselho oligárquico dos anciãos. Dois éforos acompanhavam o exército na batalha e eles podiam prender o rei se esse se portasse em desacordo com o cargo. TENS Situada na península balcânica, na região da Ática, a 5 Km do mar Egeu. presenta uma paisagem montanhosa entremeada por planícies férteis. Cada região recebe uma denominação específica: as regiões de planícies férteis chamavam-se Pédium, regiões montanhosas, irregulares e áridas chamavam-se Diácria, as regiões litorâneas chamavam-se Parália. ocupação inicial da região da Ática foi feita pelos queus, posteriormente chegaram os eólios e os jônios, que foram os responsáveis pela fundação de tenas. Com localização próxima ao mar Egeu e protegida pelas montanhas, tenas não foi vítima da invasão dos dórios. No final do período homérico, por volta do século X a.c., com a desagregação da comunidade gentílica, o desenvolvimento da propriedade privada e a formação do grupo privilegiado dos eupátridas, ocorreu a unificação das quatro tribos ou demos em torno de um centro político, militar e religioso, erigido na parte mais alta (crópole), consolidando a fundação de tenas. Na origem lendária, a região da Ática era disputada entre Poseidon e tena. Dominaria a região aquela divindade que desse aos habitantes o presente mais útil. Poseidon deu então o cavalo. tena o suplantou criando a oliveira. cidade ganhou então seu nome em função dessa deusa. Essa disputa entre os deuses parece estar ligada a uma mudança na população dominante da região em algum momento da sua história antiga. tenas no final do período homérico (séc. X ao VIII a.c.) 1) Economia e sociedade: té o século VIII a.c., a economia ateniense era essencialmente rural, complementada por atividades ainda incipientes de artesãos e pequenos comerciantes. Durante esse período podemos destacar os seguintes grupos sociais: Eupátridas: eram aqueles considerados bem nascidos, ou seja, filhos da elite, das famílias tradicionais que ficaram com as melhores terras (pédium). Constituíam a camada social dominante e formavam a aristocracia governante da pólis, ou seja, somente eles tinham a condição de cidadãos. Eram os proprietários de terras e escravos. Georgóis ou Geomores: formavam uma segunda camada social, composta a princípio por pequenos proprietários rurais que ficaram com as terras menos férteis nas montanhas (diácria). Trabalhavam com seus familiares e produziam para a subsistência. pesar de serem atenienses, como não pertenciam as familias tradicionais, não eram considerados cidadãos, ou seja, não podiam participar da vida política. Thetas: apesar de também serem atenienses, formavam a camada inferior, eram trabalhadores braçais que não possuiam terras. Eram camponeses marginalizados econômica e politicamente, ou seja, também não eram considerados cidadãos. Escravos: durante esse período a escravidão não era a base fundamental da produção. mão-de-obra predominante era familiar ou a dos thetas. Havia poucos escravos, normalmente oriundos de guerras e dívidas. 2) Organização política (final do período homérico - séc. X ao VIII a.c.) O Estado ateniense organizou-se inicialmente como uma monarquia. Sociedade era então organizada em famílias, frátrias e quatro tribos. Cada tribo estava submetida à autoridade do filobasileu, que comandava o exército. reunião das várias tribos ou demos originou a polis, submetida à autoridade do rei, denominado em atenas como basileu. O basileu tinha amplos poderes, mas, deveria consultar um conselho de nove eupátridas denominado arcontado. Com o tempo, o poder autoritário dos basileus, que não estavam respeitando o conselho dos arcontes, levou a aristocracia dos eupátridas a derrubar a monarquia e a estabelecer a oligarquia governada pelos arcontes. Era o início do período arcaico. tenas no período arcaico (séc. VIII ao VI a.c.) 1) Economia e sociedade Esse período foi marcado pela escassez de terras férteis (em virtude da concentração das melhores terras nas mãos dos eupátridas) e pelo aumento populacional que impulsionaram a segunda diáspora grega e o estabelecimento de colônias com fins comerciais e de povoamento em vários pontos do mediterrâneo. O comércio com essas áreas baseava-se nas exportações de azeite, vinho e peças de artesanato. Importavam artigos como trigo, metais preciosos, cobre, ferro e madeira das regiões mediterrânicas. Porém, essas medidas não conseguiram resolver efetivamente os problemas sociais, na maioria das polis gregas. Todos esses fatores contribuíram, também, para um processo de exôdo rural. Em tenas, a aristocracia e as classes ligadas ao comércio, ao mesmo tempo que adquiriam maior poder econômico, procuravam ampliar seu domínio social e político, fato desencadeador de confronto e lutas que ajudaram a moldar a sua nova estrutura

8 Durante esses processos de deslocamento, alguns georgóis e thetas emigraram em expedições colonizadoras e também deslocaram-se da região agrária (khora) para a área urbana da cidade de tenas (ástey). lém dos eupátridas, georgóis e thetas, a partir do século VIII a.c., a sociedade ateniense apresentou novas categorias sociais, tais como: Demiurgos: segmento social oriundo de georgóis e thetas que se deslocaram para a parte urbana de tenas a partir da segunda diáspora grega e que se constituíram em pequenos comerciantes e artesãos. Com o passar do tempo se enriqueceram e passaram a exigir direitos políticos e sociais. Essas reivindicações provocaram agitações sociais que envolveram os georgóis, thetas e até metecos. Tais agitações sociais obrigaram o governo aristocrático dos arcontes a realizar reformas sociais com Drácon e Sólon. Georgóis e Thetas Metecos: segmento social de estrangeiros e marginalizados que se desenvolveu no final do período arcaico e início do período clássico fruto do processo de migração de elementos de outras localidades para a rica e dinâmica economia de tenas. Não formavam um grupo étnico homogêneo, eram constituídos de gregos de outras polis e até de elementos não-gregos como egípcios, trácios, lídios etc. Eram livres, podiam se dedicar a várias atividades econômicas como artesãos e comerciantes. Porém, não tinham e nunca tiveram direitos políticos em tenas. Eram obrigados a prestar o serviço militar quando convocados e tinham que pagar tributos ao Estado ateniense, como por exemplo a metoikia, imposto pago anualmente e que equivalia a um dia de trabalho. Escravos: pesar de existir a escravidão em tenas desde o final do período Homérico, foi no período arcaico que ela foi se intensificando até atingir seu auge no período Clássico. Escravos por dívidas, ou prisioneiros de guerra ou ainda oriundos de um intenso comércio, eram, no final do período homérico e início do arcaico, em número inexpressivo, mas, com as transformações provocadas a partir segunda diáspora grega passaram a se constituir a base da produção. 2) Evolução (transformação) política de tenas Com o tempo, o poder autoritário dos basileus, que não estavam respeitando o conselho dos arcontes, levou a aristocracia dos eupátridas a derrubar a monarquia e a estabelecer a oligarquia governada pelos arcontes. Era o início do período arcaico. s referidas transformações sociais somadas ao governo da aristocracia, que só protegia e privilegiava os interesses dos eupátridas, provocaram o confronto de interesses, conflitos e impasses sociais que marcaram o período arcaico em tenas. Tais conflitos obrigaram o governo dos arcontes a realizar reformas sociais. O quadro a seguir demonstra quais os principais grupos que se agitavam exigindo mudanças: DENOMINÇÃO PRTIDÁRI Pediano Habitantes do Pédium (planície fértil) Paraliano Habitantes da Parália (litoral) Diacriano: Habitantes da Diácria (Montanhas) CMD SOCIL Eupátridas Demiurgos Georgóis e thetas POSICIONMENTO Conservadores: Buscavam manter o monopólio da cidadania ateniense. Moderados: Buscavam a equiparação política com os eupátridas. Radicais: exigiam reformas amplas de ordem política e econômica. O incremento do comércio favoreceria os demiurgos, que se transformaram em um importante grupo na vida econômica de tenas. Gradualmente, o enriquecimento dos comerciantes funcionaria como um estímulo para que passassem a reivindicar uma participação política igual a dos eupátridas. O aumento do número de escravos foi outra importante conseqüência da colonização. expansão foi muitas vezes imposta e desta maneira, acabou fornecendo inúmeros prisioneiros de guerra. O aumento do fluxo de escravos dificultava o aproveitamento da mão-de-obra livre, forçando os thetas a contrair dívidas junto aos cidadãos, de modo que não conseguindo quitar seus empréstimos acabavam escravizados. Os georgóis também foram vitimados por esta situação. Os Reformadores tenienses O ambiente das lutas sociais em tenas acabou por forçar os eupátridas a permitir algumas reformas que promoveriam mudanças internas a partir de propostas elaboradas pelos legisladores, dentre os quais destacamos as duas mais importantes: Reforma de Drácon (621 a.c.) - Nos últimos anos do século VII a.c., o legislador Drácon estabeleceu a primeira tentativa de instituir um direito comum a todos, até aquele momento as leis em tenas ainda assumiam um caráter consuetudinário (baseadas nas tradições orais). Estabeleceu um rigoroso código de leis escritas o que possibilitaria o acesso de toda a população ao conhecimento do código. s leis de Drácon serviram para melhorar a organização judiciária do Estado ateniense, mas, não foi capaz de dar solução ou amenizar os problemas sociais, uma vez que os privilégios dos eupátridas permaneceram inalterados. Um destaque desse código de leis foi o estabelecimento do fim das vendetas (vinganças privadas). s Reformas de Sólon (594 a.c.) - Mesmo com o severo código de Drácon, as desigualdades continuaram ativando o descontentamento, exigindo a atuação de outro reformador. Sólon foi eleito arconte em 594 a.c., era um aristocrata que desde muito cedo se envolvera com as atividades de comércio e com as viagens ao exterior, ficando assim afastado dos eupátridas e bem mais próximo aos demiurgos. Preocupado com as agitações sociais promovidas por georgóis e tetas, insatisfeitos com o conservadorismo do código de Drácon. Sólon proclamou a abolição da escravidão por dívidas (Lei Seisactéia). s leis de Sólon foram além da reforma sobre o endividamento nos campos, o legislador também alterou o conceito de cidadania baseado na origem, característica da tenas aristocrática, passando a adotar uma nova divisão social baseada nos rendimentos anuais, ou seja, divisão social censitária na qual os demiurgos seriam os grandes beneficiados ao se igualarem politicamente aos eupátridas. Propôs a criação da Bulé (ssembleia composta pela eleição de 100 membros eleitos de cada um dos quatro demos, formando o conselho dos 400, cuja função seria elaborar e propor as leis a assembleia dos cidadãos.), a plena atuação da Eclésia (assembléia dos cidadãos, atenienses a partir dos 21 anos e com renda, que votavam as medidas elaboradas e propostas pela Bulé) e a organização da Heléia ou Helieu (tribunal de justiça aberto a todos os cidadãos). Contudo as reformas de Sólon ainda possuíam limitações, pois, desagradaram os aristocratas, que perderam parte de seus privilégios oligárquicos. Os setores populares também não estavam satisfeitos, pois, esperavam medidas mais profundas. O fato de a divisão social ser - 8 -

9 feita, a partir de então, em função da renda e não do nascimento, como anteriormente, revela não apenas uma profunda alteração das mentalidades, mas também a vontade de Sólon de substituir, por novos critérios, os antigos costumes aristocráticos. É certo que, ainda assim, isto não resultou de imediato, senão no fortalecimento do autoritarismo da aristocracia, uma vez que tinha o exercício exclusivo da magistratura, ou seja, somente ela (aristocracia) tinha competência para administrar a justiça. lém do mais, a aristocracia valeu-se de seus poderes para dificultar a organização e atuação das assembleias (Bulé e Eclésia). Diante de tal quadro alguns oradores passaram a fazer fortes criticas em seus discursos na Ágora, ganhando o apoio e aclamação (apoio oral da massa popular). Dessa forma o governo aristocrático do arcontado foi obrigado a nomear tais oradores como governantes de tenas, dando origem à Tirania. Tirania foi uma forma de governo usada em situações excepcionais na Grécia antiga. Nela o chefe governava com poder ilimitado, embora sem perder de vista que só permaneceriam no poder enquanto representassem a vontade popular. tualmente, entre sociedades democráticas ocidentais, o termo tirania tem conotação negativa. lgumas raízes históricas disto, entretanto, podem estar no fato de um dos filhos do grande tirano grego Psístrato, Hípias ter usufruído do espaço público como se fosse privado, sendo assim, banido e morto. Segundo o historiador Perry nderson, na obra Passagens da ntiguidade ao Feudalismo, os tiranos ascenderam ao poder na Grécia no último século da era arcaica, no século VI a. C.. Estes autocratas romperam a dominação das aristocracias ancestrais sobre as cidades: eles representavam proprietários de terra mais novos e riqueza mais recente, acumulada durante o crescimento econômico. Essas tiranias constituíram a transição crucial para a polis clássica. Os tiranos eram a classe de novos ricos, que acumularam grandes riquezas a partir do florescimento do comércio marítimo na zona do Mediterrâneo. Esses comerciantes não pertenciam à nobreza, até então detentora do poder, e ansiavam por mudanças para também participarem das decisões políticas. Segundo as palavras de Perry nderson: Os próprios tiranos em geral eram novos ricos competitivos de considerável fortuna, cujo poder pessoal simbolizava o acesso do grupo social onde eram recrutados às honras e posição na cidade. Sua vitória, no entanto, só era possível geralmente por causa da utilização que faziam dos ressentimentos radiciais dos pobres, e seu mais duradouro empreendimento foram as reformas econômicas, no interesse das classes populares, que tinham de admitir ou tolerar para garantirem o poder. Os tiranos, em conflito com a nobreza tradicional, na realidade bloquearam o monopólio da propriedade agrária, que era a principal tendência de seu poder irrestrito e que estava ameaçando causar um crescente perigo social na Grécia arcaica. OS TIRNOS DO PERÍODO RCICO Psístrato foi um tirano da antiga tenas, governou entre 546 e 527 a.c.. sua família pertencia à aristocracia. Conquistou a fama por ter tomado um porto controlado por Mégara, pólis com a qual tenas travara uma guerra. Segundo Heródoto, Psístrato simulou um ataque, entrando na ágora de tenas com ferimentos que fez em si próprio, mas que ele afirmou terem sido feitas pelos seus inimigos, que o teriam tentado matar. Graças a esta encenação, Psístrato conseguiu convencer os tenienses a conceder-lhe uma guarda pessoal, algo que na época não era permitido, pois alguém que possuisse tal guarda poderia apoderar-se da cidade. inda de acordo com Heródoto, Sólon, então de idade avançada, teria aconselhado os tenienses a não lhe concederem a guarda. Foi com esta guarda pessoal que Psístrato conquistou em 560 a.c. a crópole, instalando a sua tirania. Contudo, o seu governo seria efêmero, dado que em 559 a.c. Psístrato foi derrubado pela aristocracia, tendo abandonado a cidade. Quando Megacles, homem forte da aristocracia se desentendeu com a sua facção política, buscou o apoio de Psístrato, desde que este casasse com a sua filha. De acordo com Heródoto, o regresso de Psístrato a tenas foi conseguido através de um golpe teatral. Psistrato teria se apresentado às portas de tenas acompanhado por um carro sobre o qual se encontrava uma bela mulher vestida como a deusa tena. Os arautos (mensageiro ou porta-voz oficial que fazia as proclamações solenes), que antecediam o carro, anunciaram entre a população que a deusa tena vinha restaurar Psístrato no poder. O povo acreditou e Psístrato conquistou novamente o governo. Seja este fato um relato verídico ou de um boato recolhido pelo historiador, a verdade é que Psitrato governaria por um ano (entre 556 e 555 a.c.), mas quando Megacles e se reconciliou com o partido pediano, expulsaram-no da cidade. Psístrato partiu para o norte da Grécia, onde se envolveu no negócio de exploração da prata. Com a riqueza que adquiriu nesta atividade conseguiu formar um exército de mercenários. Em 546 a.c. este exército partiu para Maratona, onde a família de Psistrato tinha simpatizantes. No caminho para tenas Psistrato e o seu exército derrotaram o exército ateniense. cidade caiu então sob o seu poder. Psístrato governaria tenas nos dezanove anos seguintes, até à sua morte por causa natural em 527 a.c. Principais medidas de Psístrato: tomou uma série de medidas na agricultura, comércio e indústria que em muito contribuíram para a prosperidade de tenas, até então uma cidade de pouca importância quando comparada com Mileto e Éfeso. s leis e as formas moderadas da constituição de Sólon seriam preservadas. ssim, os órgãos de tenas (ssembleia, Bulé e Tribunais da Helieia) mantiveram-se em funcionamento, embora deva ser observado que os cargos foram ocupados por simpatizantes de Psístrato. Como era habitual nos tiranos, Psístrato procura proteger as classes desfavorecidas que o conduziram ao poder, isentando os mais pobres do pagamento de impostos. estes concede igualmente empréstimos e terras. Psístrato incentivou o cultivo da oliveira, que fornecia o azeite, um dos principais produtos de exportações de tenas. No campo artístico e cultural, Psistrato ordenou a construção do propileus (é a porta monumental que serve como a entrada para a acrópole) na crópole de tenas, tendo sido reconstruído o templo de tena. Data também da sua época o início dos trabalhos do templo de Zeus Olímpico, que, contudo só seriam concluídos sete séculos depois, no tempo do imperador romano driano. Durante o seu tempo a cerâmica de figuras negras de tenas atingiu o seu esplendor. tribui-se também a este tirano a compilação da Ilíada e da Odisséia, até então conhecidas através de episódios fragmentados, e a construção de uma biblioteca pública. recitação de poesia seria incluída no festival das Panateneias (eram festas realizadas em homenagem à deusa grega tena). No domínio da religião, colocou o santuário de Deméter em Elêusis sob tutela do Estado ateniense e ordenou a construção do Telesterion (grande salão para a iniciação religiosa a deusa Deméter, deusa grega da agricultura). Instituiu novos festivais como as Grandes e as Pequenas Dionísias (Havia na Grécia ntiga três grandes festivais em homenagem a Dioniso: as Dionisíacas Rurais, que se celebrava o meio do Inverno e que se destinava a solicitar os favores do deus no que toca à fertilidade das terras; o Festival de Lenaea, que ocorria em Janeiro, devotado aos casamentos; e o principal festival para o qual as peças gregas que chegaram aos nossos dias foram escritas: a Grande Dionísia celebrada em tenas e que por volta de 534 a.c., passaram a incluir um concurso de tragédias). Psístrato foi sucedido pelos seus filhos, Híparco e Hípias, que não governaram com a moderação e sabedoria do pai. ssim, em 510 a.c. a tirania seria derrubada em tenas. Hiparco - Como já visto, Psistrato foi o responsável pela introdução da tirania em tenas, tendo governado entre 546 e 527 a.c.. O termo "tirania" não possuía nesta época a conotação negativa que tem hoje, referindo-se apenas ao governo de alguém que tinha tomado o poder pela força do apoio popular. Quando Psístrato faleceu, o poder passou para Hiparco. Este interessava-se mais pelas artes do que pelo governo da pólis ateniense, levando uma vida boêmia. De acordo com o relato do historiador, da ntiguidade grega, Tucídides em sua obra - 9 -

10 História da Guerra do Peloponeso, Hiparco teria por duas vezes feito propostas de carácter sexual a Harmôdio, jovem amante do rico comerciante ateniense ristógiton. Harmôdio rejeitou tais propostas e manteve-se fiel a ristógiton. relação de Harmôdio e ristógiton enquadrava-se no modelo pederástico existente na Grécia ntiga (pederastia designa o relacionamento erótico entre um homem e um jovem, seu protegido. Por extensão de sentido, o termo é modernamente utilizado para designar, além da prática sexual entre um homem e um rapaz mais jovem, também qualquer relação homossexual masculina). Para se vingar da recusa de Harmôdio, Hiparco humilhou publicamente a irmã deste. O ato gerou a fúria dos dois amantes que arquitetaram um plano, junto com outros atenienses descontentes com o governo dos tiranos, para matar Hiparco e Hípias no festival das Panateneias em 514 a.c.. Chegado o momento de executar o plano, Harmôdio e ristógiton agiram de forma precipitada e acabaram por matar apenas Hiparco. No tumulto que se gerou, Harmôdio foi morto pelos guardas. ristógiton seria feito prisioneiro, tendo sido torturado até à morte. pós a morte do irmão, Hípias tomou medidas autoritárias, que geraram descontentamento entre a população. Em certa medida, o ato de Harmôdio e ristógiton levaria ao fim da tirania em tenas, já que em 510 a.c. o rei espartano Cleómenes I invade a cidade e provoca a fuga de Hípias, que acabará por refugiar junto do rei persa Dario I. Harmôdio e ristógiton tornaram-se símbolos da liberdade e da democracia. Os seus parentes teriam recebido vários privilégios, como o direito a refeições gratuitas pagas pela pólis. Foram também os primeiros atenienses a terem um grupo escultórico construído em sua honra, um monumento de autoria de ntenor que se encontrava na ágora, e que foi levado pelos Persas em a.c., quando estes invadiram a Ática, durante as Guerras Médicas. Este grupo escultórico foi susbtituído por nova obra da autoria de Crítios e Nesiotes, que também se perdeu, sobrevivendo apenas em cópias romanas. Os amantes surgem lado a lado; Harmôdio tem o braço levantado acima da cabeça e na mão segura uma espada, enquanto que ristógiton surge de pernas afastadas, com uma espada na sua mão direita e manto a cair do seu braço esquerdo. Harmôdio (à direita) e ristógiton (à esquerda). Cópia romana do século V a partir da estátua grega. Museu rqueológico de Napóles. Hípias foi um tirano da antiga tenas que governou entre 527 e 510 a.c.. Era o filho mais velho de Pisístrato, responsável pela introdução da tirania em tenas, a quem sucedeu depois da sua morte. Hípias teria cerca de 40 anos quando assumiu o poder. Continua a política de engradecimento da pólis ateniense, iniciada pelo pai. Teria sido durante o seu governou que se cunhou a famosa moeda ateniense com uma coruja. O seu irmão mais novo, Hiparco, com o qual teria governado, trouxe para a cidade Simonides e nacreonte, grandes poetas daquele tempo. Hiparco foi assassinado em 514 a.c. por Harmódio e ristogíton, os "Tiranicidas". Hípias, que até então tinha governado de forma moderada, integrando aristocratas de todas as facções no arcontado, passou a adotar uma série de medidas impopulares. Entre estas encontrava-se o aumento dos impostos, necessário para financiar o pagamento dos mercenários contratados para o defender de revoltas. família dos lcmeônidas, exilada desde 514 a.c., procura derrubar Hípias, fundando na Ática uma fortaleza, a partir da qual lançam um ataque que se revelou um fracasso. O fim da carreira de Hípias como tirano chegou quatro anos depois, em 510 a.c., quando o rei espartano Cleômenes ataca Hípias em tenas. Graças a ajuda de atenienses hostis à tirania, Cleômenes cerca Hípias e os seus partidários na crópole. Hípias decide então abdicar, abandonando a cidade. Os lcmeónidas regressam do exílio e o povo de tenas integra no governo um dos seus membros, Clístenes. Hípias refugiou-se primeiro junto do governador persa de Sardes e mais tarde na corte de Dario I. Em 490 a.c., durante as Guerras Médicas, acompanhou a expedição persa que atacou os gregos em Maratona. Os Persas foram derrotados na batalha que ali teve lugar. Hípias teria falecido no regresso à corte persa. queda da tirania abriu caminho para que os dois partidos tradicionais da cidade, o dos ricos, chefiado por Iságoras, e o dos populares, liderado por Clístenes, passassem a disputar o controle de tenas. Iságoras, apoiado pelo rei espartano Cleômenes, conseguiu desterrar Clístenes. Mas o povo se sublevou e conseguiu trazer o líder de volta, dando-lhe plenos poderes para elaborar uma nova constituição. tirania havia perseguido os partidários da aristocracia, enfraquecendo a nobreza urbana, criando-se assim as condições para a implantação de um regime novo. monarquia, por sua vez, já fora abolida há muitos séculos e o título de rei (basileus) era mantido apenas por tradição. O regime oligárquico, por seu lado, também sucumbira à tirania de Psístrato. briam-se as portas, depois da expulsão do descendente do tirano, para uma experiência inédita: o regime governado diretamente pelos cidadãos, a democracia. Clístenes foi um nobre ateniense que, além de liderar uma revolta popular, reformou a constituição da antiga tenas em 508 a.c., sendo considerado, geralmente, o pai da democracia, por tê-la implantado, porém convém lembrar que a instituição do novo modelo político deveu-se ao resgate e ampliação das medidas iniciadas pelo reformador Sólon. Uma das primeiras medidas de Clístenes Foi a redivisão de tenas em dez demos, em lugar das quatro anteriores. divisão era censitária e dessa forma, foi neutralizado o domínio exclusivo do poder pelos eupátridas

11 Reorganizou e ampliou a função dos órgãos públicos criados por Sólon. Bulé passou a contar com quinhentos membros (50 escolhidos em cada demo), os arcontes passaram de nove para dez (1 escolhido por cada demo), a Eclésia, assembleia dos cidadãos, teve seus poderes ampliados, pois, além de votarem as medidas elaboradas e proposta pela Bulé, passavam a fiscalizar a atuação das demais instituições políticas de tenas. Eclésia tinha também o poder de votar o ostracismo (perda temporária de propriedades e direitos políticos por dez anos) contra todos aqueles que de alguma maneira colocassem em perigo as instituições democráticas. pós dez anos o exilado pelo ostracismo poderia ter restituidos o direito político e os bens perdidos. É importante lembrar que a democracia instituida pelas reformas de Clístenes era um sistema político do qual só participavam os atenienses adultos (a partir de 21 anos), filhos de pai e mãe atenienses. Estavam excluídos os escravos, metecos (estrangeiros) e as mulheres, ou seja, a maior parte da população. Daí a afirmação Democracia escravista, pois, o cidadão tinha o ócio, tempo disponível, graças a mão-deobra escrava. PERÍODO CLÁSSICO (do século VI ao IV a.c.) No conjunto das cidades-estado gregas, tenas ocupou um lugar destacado. Para além do seu poderio econômico e militar, a polis ateniense tornou-se um importante centro cultural e político. Um dos aspectos que mais contribuíram para o prestígio da cidade foi a sua original forma de governo, a democracia. Este sistema democrático não se implantou facilmente. Os direitos dos cidadãos eram: insomomia, isocracia e isogoria. a igualdade perante a lei ou INSONOMI. nenhum cidadão são concebidos privilégios baseados na riqueza ou no prestígio da sua família. a igualdade de acesso aos cargos políticos ou ISOCRCI. Todo o cidadão ateniense tinha o direito e o dever de participar no governo da polis. Todos tinham igual direito de voto. o igual direito de todos ao uso da palavra ou ISOGORI. Nas assembleias, nos tribunais ou no exército das magistraturas, todos podiam defender livremente as suas opiniões. DEMOCRCI DIRET Na Grécia não havia partidos políticos nem havia um corpo profissional de juízes ou de altos funcionários do Estado. Cada cidadão atuava os cargos necessários ao bom andamento dos assuntos da cidade. democracia grega era, por isso, uma democracia direta e todo aquele que se desinteressava dos assuntos públicos era malvisto pela polis. Os cidadãos votavam diretamente, em praça pública (ágora) as leis propostas pela Bulé. IMPORTÂNCI D ORTÓRI E OS FILÓSOFOS SOFISTS oratória era o dom da palavra que permitia convencer na política. Todo o cidadão devia estar preparado para apresentar propostas e discuti-las na Eclésia. Os oradores brilhantes desfrutavam de um elevado prestigio, eram os demagogos. Para os filósofos Sofistas o discurso era fundamental, ou seja, o poder da fala e a capacidade para convencer, não importando a veracidade do que era dito. verdade dos discursos não era, necessariamente, o mais importante, pois o bom discurso, o discurso verdadeiro era aquele que conseguia convencer o maior número, ou seja, a capacidade de convencimento das palavras. O mais importante seria convencer ao público que o adversário não tinha razão. Ou convencer o próprio adversário. ssim sendo, esses filósofos eram defensores da forma de governo democrática. OS LIMITES D DEMOCRCI NTIG região da Ática teria, na segunda metade do século V a.c., uma população de cerca de habitantes. Destes, apenas eram cidadãos atenienses. Juntamente com as mulheres e filhos, os atenienses deveriam formar um conjunto de pessoas. Mas as mulheres não participavam politicamente, ou seja, não eram cidadãs. Os metecos atingiam de a habitantes. Os metecos por vezes opinavam na política, mas não eram cidadãos e, consequentemente não podiam votar. Por fim, em maior quantidade, escravos, despojados de todos os direitos e até da sua condição de ser humano. s mulheres dedicavam-se aos trabalhos domésticos e a educação das crianças. Não lhes era reconhecido o direito de autonomia ou de administrar os seus bens. Quando viúvas, ficavam sob a autoridade do filho mais velho, ou, se não tivessem filhos, do parente mais próximo. Nas casas abastadas, as mulheres habitavam numa zona específica, o gineceu (divisão, existente nas casas da antiga Grécia, reservada às mulheres. Já o androceu era, na Grécia antiga, onde os guerreiros da cidade ficavam instalados ou a parte da casa destinada aos homens), onde acompanhadas pelas escravas passavam a maior parte da vida. Com exceção das grandes festas religiosas, em que participavam só muito raramente, saíam a rua. Não iam sequer ao mercado. s compras eram tarefa e privilégio masculino. sua maior virtude era passarem despercebidas. EDUCÇÃO PR O EXERCÍCIO PÚBLICO DO PODER Em tenas, acreditavam na necessidade de converter os jovens em homens cultos, corajosos, sensíveis ao belo e empenhados na vida política da cidade. té os 7 anos, as crianças eram educadas pela mãe no gineceu. partir daí eram orientadas para os papéis que, mais tarde, deveriam assumir na sociedade: as moças ficavam em casa, onde aprendiam todas as tarefas que competiam à mulher. Os rapazes iam à escola e preparavam-se para serem cidadãos. O Estado recomendava que aprendessem a nadar, a ler, a escrever e que praticassem exercícios físicos. O currículo baseava-se na aprendizagem da leitura, da escrita e da aritmética. educação intelectual era completada com a preparação física. Exercitar o corpo era considerado tão necessário quanto exercitar a mente. O cidadão tinha um serviço militar a cumprir, e, por isso deveria estar pronto para defender a sua polis sempre que necessário. preparação física continuava, a partir dos 15 anos, em escolas próprias, os ginásios. Nos ginásios ensinavam-se também matemática e filosofia. No decurso do século V. a.c. correspondendo às necessidades oratórias abertas pela democracia, surgiram os sofistas, professores itinerantes que andavam de cidade em cidade, fazendo conferências e dando aulas remuneradas. PRINCIPIS GOVERNNTES D DEMOCRCI TENIENSE TEMISTOCLES: General grego nascido em tenas, cuja habilidade política e militar transformou tenas na maior potência naval helênica e tornou possível a vitória sobre os invasores persas. Filho de um aristocrata ateniense e de uma concubina estrangeira obteve a

12 cidadania graças a uma lei (508 a. C.) que tornou atenienses todos os homens livres residentes na cidade. O primeiro registro documentado a seu respeito refere-se a sua eleição como arconte, a mais importante autoridade jurídica e administrativa de tenas (493 a. C.). Responsável direto pela estratégia e derrota dos persas de Xerxes I, na batalha naval de Salamina (480 a.c.), foi aclamado como herói nacional. Empenhado na reconstrução de tenas e na fortificação da cidade, a qualquer custo, para enfrentar o poderio de Esparta, foi combatido pela aristocracia e finalmente foi banido pelo conselho de nobres, o reópago (471 a. C.). cusado de peculato (crime de autoridade ou funcionário do Estado contra a administração e os bens públicos). Em virtude de ter sofrido o ostracismo, passou por vários países até obter refúgio na Pérsia, onde, embora tivesse antes sido inimigo, gozava de enorme respeito, tanto que lhe foi confiado o governo da Magnésia, na natólia e lá permaneceu até morrer. PÉRICLES: Péricles ( a.c.) foi um estratego e político ateniense, governou tenas entre 461 e 429 a.c.. Foi a maior personalidade política do século V a.c., caracterizando a Era de Ouro de tenas, e sua presença foi tão marcante que o período compreendido entre o final das Guerras Médicas (448 a.c.) e sua morte (429 a.c.) é chamado o Século de Péricles. Péricles nasceu de uma família da nobreza ateniense, os lcmeônidas, descendente do líder reformista Clístenes, responsável pela introdução da maioria das instituições democráticas, durante a revolução de 510 a.c.. Eleito e reeleito várias vezes como estratego-chefe (strategos-arconte), acumulou a chefia civil e a liderança militar da cidade, fazendo com que tenas alcançasse a maior projeção política, econômica e cultural de toda a sua história. Embora fosse aristocrata de nascença, deu maior amplitude à democracia ateniense, permitindo o ingresso e a participação política de parcelas da população antes excluídas. tenienses de baixa renda, envolvidos no trabalho constante para garantir a sobrevivência, não podiam dedicar-se à política. Entre as reformas polítcas estão a intituição do Misthoy, soldo ou remuneração para os integrantes do exército e também para as funções e cargos públicos exercidos por cidadãos de baixa renda. Foi o responsável por muitos dos projetos de construção que incluem as estruturas sobreviventes da acrópole, tendo encarregado o escultor ateniense Fídias como o supervisor do programa de embelezamento da cidade. ssim, entre as grandes construções realizadas destacaram-se o PRTENON (templo a deusa tena), O ERECTÉION (templo consagrado a tena, Poseidon e Erecteu, mítico rei ateniense.) e a reconstrução das MURLHS DE TENS. O próprio Péricles persuadiu a cidade a construir muralhas de mais de 4 milhas até ao porto de tenas, o Pireu. Reconstruiu tenas, que havia sido destruída nas Guerras Médicas confiscando os recursos da liga de Delos. Sua realização menos notável talvez tenha sido a exploração de outras cidades como forma de subsidiar o florescimento da democracia ateniense, tal prática caracterizou o imperialismo ou hegemonia ateniense. Címon era um político rival de Péricles. Címon ganhou fama e apoiadores entre o povo, ao usar o seu próprio dinheiro para ajudar os atenienses que precisavam de assistência. Para superar Címon, Péricles gastou dinheiro público para construir novos projetos. Péricles procurou fortalecer tenas e melhorar sua infra-estrutura. Entretanto, durante a sua liderança, de aproximadamente trinta anos, foi cauteloso e não fazia avanços sobre os oponentes sem primeiramente pesar as suas opções e medir as suas perdas possíveis. Casou-se spasia e a tratava como igual, algo que não era comum na sociedade ateniense da época, em que as mulheres se submetiam ao controle dos homens. Péricles começou a perder respaldo em tenas apesar de ainda manter o poder. Os espartanos atacaram e forçaram tenas a se preparar para uma batalha. Durante a batalha, um praga espalhou-se atingindo tenas e seus aliados, mas não aos seus inimigos, matando muitos, inclusive Péricles e a maior parte de sua família. Entretanto, depois que Péricles perdeu seu último filho ateniense, os atenienses promoveram uma mudança na lei que fez de seu filho não ateniense um cidadão e um herdeiro legítimo. s informações sobre Péricles são distorcidas por séculos de lendas e mitos. biografia predominante foi escrita por Plutarco, que viveu aproximadamente 500 anos após Péricles. S GUERRS DO PERÍODO CLÁSSICO S GUERRS MÉDICS OU GRECO-PERSICS ( a.c.) No decorrer de quase todo século V a.c. duas grandes civilizações se enfrentaram na região do Mediterrâneo Oriental: a Pérsia e a Grécia. Chamamos esse conflito de Guerras Médicas, Guerras Pérsicas ou Guerras Greco-Persas. principal causa dessas guerras foi a luta pela independência das cidades jônicas, colônias gregas na natólia (região da atual Turquia), que os persas em sua expansão territorial passaram a dominar e que se intensificou a partir do governo do imperador persa Dario I, comprometendo o comércio grego na região. vitória da Grécia garantiu-lhe o controle comercial da região, imortalizou seus heróis e impôs ao mundo o modelo ocidental de se fazer a guerra. maior parte dos historiadores divide os conflitos em duas fases: a 1 ª Guerra Médica, em 490 a.c. e a 2 ª Guerra Médica, entre 480 e 479 a.c.. Mas, como as rivalidades entre gregos e persas só terminaram em 449 a.c., com a Paz de Cálias ou Paz de Címon, alguns estudiosos falam em uma 3 ª etapa das Guerras Médicas. Esta região da Jônia era colonizada pela Grécia, mas durante a expansão persa em direção ao Ocidente, este poderoso império conquistou estas diversas colônias gregas da Ásia Menor, entre elas Mileto. s colônias lideradas por Mileto e contando com a ajuda de tenas, tentaram sem sucesso libertar-se do domínio persa, promovendo uma revolta. Estas revoltas levaram o imperador persa Dario I a lançar seu poderoso exército sobre a Grécia continental, dando início às Guerras Médicas. O que estava em jogo era o controle marítimocomercial na região. pós várias derrotas para os persas, os gregos consiguiram uma primeira e importante reação na Batalha de Maratona. batalha de Maratona ocorreu durante a Primeira Guerra Médica, em setembro de 490 a.c., numa planície a leste de tenas. Milcíades, jovem comandante ateniense, avisado do desembarque persa, incumbiu os atenienses a fazerem frente contra as forças inimigas. Enviaram um soldado mensageiro chamado Feidípides a Esparta para solicitar ajuda, ele teria corrido cerca de 220 quilômetros em menos de um dia a pé. Os espartanos prometeram enviar ajuda, mas argumentaram que, por razões de festejos religiosos, não poderiam fazê-lo antes de seis dias. Milcíades não podia esperar tanto tempo, e se lançou ao ataque contra os persas com os contingentes que dispunha, provavelmente, entre 10 e 15 mil atenienses. s forças persas tinham entre vinte e cem mil homens. Segundo o historiador grego Heródoto, os persas tinham seiscentos barcos. Os gregos cercaram os persas, que responderam com uma chuva de flechas. pesar das adversidades, os gregos avançaram contra o inimigo e adotaram uma estratégia que impediu a ação da cavalaria persa. s tropas persas, derrotadas, regressaram à Ásia, mas isto não significava que o conflito estava solucionado, pois logo ocorreria uma nova guerra. O mensageiro Feidípides, segundo conta a lenda, foi mandado por Milcíades para mais uma missão, correr os 42 quilômetros que separavam a planície de Maratona da polis de tenas para anunciar a vitória grega. pós anunciá-la com a frase "legrai-vos, atenienses, nós vencemos!", teria caido morto devido ao esforço

13 Xerxes (486/465 a.c.), filho de Dario, comandou dez anos depois (480 a.c.) uma invasão à Grécia em grande escala. lgumas cidades gregas, lideradas por tenas e Esparta, formaram uma coalização para enfrentar o invasor. Outras, como Tebas, submeteram-se aos persas. Inicialmente, os persas venceram os gregos na batalha das Termópilas e em rtemision; a seguir, invadiram e saquearam tenas. frota ateniense, porém, comandada por Temístocles (524 a.c./459 a.c.), conseguiu destruir a frota persa na batalha de Salamina e mudou o rumo da guerra. Meses depois, comandada pelo espartano Pausânias (510/467 a.c.), o exército da coalização grega venceu o exército persa na batalha de Platéia e pôs fim à invasão. Os gregos conseguiram, certamente, impedir a presença dos persas em seu território. Eles continuaram, porém, influindo no relacionamento entre as cidades gregas durante todo o Período Clássico. Batalha das Termópilas (480 a.c.): Xerxes mandou construir uma ponte no Helesponto (atual Estreito de Dardanelos), que tinha como "fundação" trirremes (embarcações da época), para possibilitar a passagem de suas tropas. Quando a notícia de tamanha proeza chegou à Grécia, as cidades do norte se renderam e passaram a compor o exército persa. Mas, outras cidades gregas decidiram montar um bloqueio militar ao sul da região da Tessália. Os persas invadiram a Grécia e mantiveram sua rota próxima ao mar, para garantir abastecimento e apoio em combate. Quando chegaram a Termópilas (um estreito desfiladeiro de 15 metros de largura) encontraram uma das mais preparadas forças militares gregas: as falanges de Esparta. Os espartanos, que se lamentavam por não terem participado da grandiosa vitória em Maratona, se comprometeram a defender o restante das cidades gregas e marcharam ao encontro do exército persa. Um dos dois reis espartanos, Leônidas, com sua guarda pessoal composta por 300 homens (os 300 das Termópilas) e com o apoio de mais de 6 mil gregos, aguardava os persas numa situação geográfica que lhes dava certa vantagem: no meio do desfiladeiro de Termópilas o pequeno número de gregos poderia suportar o imenso exército persa. Xerxes esperou quatro dias pela chegada da cavalaria e da infantaria pesada da Pérsia. Nesse meio tempo enviou um mensageiro para convencer o general Leônidas a entregar suas armas. resposta do espartano foi: "Venham buscá-las". No quinto ou sexto dia, Xerxes ordenou o ataque. credita-se que 10 mil soldados da Pérsia morreram no primeiro dia de combate, sem causar danos substanciais aos gregos. té que um traidor grego, Efialtes, ensinou aos persas um caminho através das montanhas que levaria até o outro lado do desfiladeiro. Informado sobre essa manobra, Leônidas ordenou que a maior parte dos gregos voltasse para um lugar seguro, enquanto ele, seus 300 espartanos e mais um grupo selecionado de aliados, totalizando em torno de 2 mil homens, ficaram para enfrentar o exército inimigo. Leônidas teria dito antes de iniciar a batalha final: "lmoçamos aqui, jantaremos no Hades" (Hades é denominação da divindade e da terra dos mortos na cultura grega). batalha de Termópilas (agosto de 480 a.c.) foi a única derrota grega durante as Guerras Médicas, que transformou seus bravos soldados em lenda para toda a história. Os persas exterminaram até o último grego e decapitaram Leônidas. Tal resistência dos espartanos resultou em inúmeros benefícios para a Grécia: Temístocles, arconte ateniense, mobilizou rapidamente a marinha grega e ordenou a evacuação de tenas. Dessa maneira, apesar da derrota, os gregos intensificaram sua reação contra os persas. Batalha de Salamina (480 a.c.): Poucos dias após a derrota em Termópilas, um vendaval afundou um número considerável de embarcações persas, o que possibilitou aos gregos a vitória sobre a marinha inimiga na batalha de rtemisium (agosto de 480 a.c.). Xerxes avançou pela Grécia, tomando e incendiando tenas. Temístocles estava decidido a tentar uma estratégia para reconquistar sua pólis: atrair a marinha persa para um estreito canal, de 2 km de largura, entre a ilha de Salamina e o continente e, assim poder vencer a armada inimiga. Os espartanos resistiram em aceitar tal plano, pois queriam uma fortificação no istmo de Corinto, que defenderia o Peloponeso (sul da Grécia). Por fim Os espartanos foram convencidos e as forças de Xerxes foram atraídas para Salamina. Estima-se que 360 embarcações gregas enfrentaram mais de 600 embarcações persas na batalha de Salamina. armada persa não tinha espaço para se locomover, enquanto os gregos manobravam rapidamente suas trirremes (trata-se de uma embarcação estreita e longa. Mede cerca de 40 metros de comprimento por 5 metros de largura. Possui um mastro e uma vela principais, baixados antes do combate e às vezes substituídos por um mastro e uma vela menores. Levava uma tripulação de 200 homens. Cerca de170 remavam, enquanto os demais ficavam livres para atacar e revezar com os remadores) e atacavam os persas com seus arietes (forte tronco de madeira resistente, com uma testa de ferro ou de bronze). Xerxes acreditava que várias embarcações gregas bateriam em retirada e ordenou que a experiente armada egípcia esperasse ao longe, o que piorou em muito sua situação. Depois de oito horas de combate, o mar estava coberto por destroços de navios e corpos lacerados. Calcula-se que 40 mil homens, 1/3 dos marinheiros persas, morreram. Xerxes, que assistiu sua derrota sentado num trono próximo a água, poucos dias depois voltou a Pérsia, deixando Mardônio responsável pela retirada de suas tropas para a Tessália, para ali se reorganizar e tentar nova investida contra os gregos no ano seguinte. Mardônio se refugiou na Tessália e em poucos meses marchou novamente em direção ao sul, acampando em Platéia, na Boécia, com seus 250 mil homens. Do outro lado, sob a liderança de Pausânias, general espartano, e ristides, general ateniense, 70 mil gregos montaram acampamento próximo aos persas. E por vários dias esperaram o combate. Batalha de Platéia (479 a.c.) : Dessa vez o território era aberto e os gregos não poderiam contar com proteções naturais como tinham feito nas outras batalhas. Mas os persas também estavam em desvantagem, pois, seus melhores homens tinham morrido em Salamina e não poderiam contar com nenhum tipo auxílio, por mar ou por terra. batalha de Platéia (julho de 479 a.c.) iniciou-se quando Mardônio ordenou o ataque, pois acreditou que uma das falanges gregas estava se retirando, quando na realidade estava somente fazendo uma mudança de posição. Pausânias, militar dos mais brilhantes, comandando o maior contingente militar que a Grécia reuniu até aquele momento, aniquilou os inimigos. Os espartanos atacaram impiedosamente os persas, 50 mil homens do exército persa foram mortos no local, inclusive o próprio Mardônio, enquanto o restante bateu em retirada, morrendo outros milhares durante a fuga. Logo em seguida navios gregos partiram em direção a Ásia Menor. Em agosto de 479 a.c., aconteceu a batalha de Mícale, na qual os gregos destruíram a armada persa e libertaram as cidades jônicas, pondo fim a ameaça do Império Persa sobre os gregos. Xerxes desistiu de seus planos imperialistas sobre o Ocidente. O pequeno contingente militar grego venceu o imenso exército formado por vários povos submetidos aos persas. s Guerras Médicas entraram para a história militar exatamente por que a vitória grega parecia impossível. determinação política e militar deu ao exército grego sua unidade e seu motivo para o combate. Mas foi a forma extremamente violenta de os gregos travarem seus combates que lhes rendeu a vitória final. pesar da extrema rivalidade entre as pólis e das muitas discórdias sobre onde e quando se travariam os combates, as falanges gregas, quando decididas, lutavam sob uma voz de comando que unificava todos os homens numa ação coletiva. No decorrer do conflito desenvolveram um objetivo muito claro: a manutenção de sua liberdade, já que durante as Guerras Médicas eram os persas os invasores do solo helênico. Os soldados gregos contavam com o seu general na frente de batalha, o que os estimulava a continuar lutando, enquanto o imperador persa ficava de fora, observando e punindo os que não correspondiam a suas expectativas. Era uma vergonha pra um grego fugir do combate, pois isso significava que ele estaria desistindo do seu bem mais precioso: a posse de suas terras, sua independência e liberdade política. Os

14 espartanos, conhecidos por sua cultura militarista, quando saiam em suas campanhas militares, ouviam de suas mães e esposas: "Volte com seu escudo, ou sobre ele", pois os cadáveres dos gregos tombados em combate eram devolvidos as suas famílias em cima de seus escudos. Liga de Delos e o início da hegemonia ateniense (478 a.c.): Uma das principais conseqüências da guerra entre helenos e persas foi a hegemonia de tenas sobre as demais cidades gregas. Essa preponderância política, econômica e cultural, aparece, sobretudo, no período em que tenas está sob o governo de Péricles. Dois acontecimentos caracterizam a História de tenas imediatamente após a guerra com os persas: a reconstrução da cidade e a criação de seu império marítimo. fortificação do porto do Pireu era um sinal dos novos tempos. Doravante os gregos iriam continuar na ofensiva contra os persas iniciada em Mícale. Nessa ofensiva seria indispensável uma poderosa força marítima. O instrumento da expansão marítima de tenas foi a Liga ou Confederação de Delos. Esta surgiu quando as cidades insulares de Quios, Samos e Lesbos ofereceram aos atenienses o comando de suas esquadras. Coube a ristides a organização da liga, em 476 a.c., na qual logo ingressaram numerosas outras cidades helênicas (principalmente, situadas nas ilhas do mar Egeu) que se tornaram reféns da proteção de tenas. Esparta e suas aliadas do Peloponeso no primeiro momento entraram na liga, mas depois consideraram que a ameaça persa havia passado e abandonaram a liga. s grandes cidades forneceram tropas e navios, enquanto as menores pagaram uma contribuição provisória, para os tempos de guerra (phoros = tributos), ao tesouro de Delos. Depois da vitória contra os persas, tenas forçou as cidades-estado aliadas a continuarem na liga, e transformou a contribuição provisória em permanente, além de passar a dominar as principais rotas comerciais do mar egeu (rotas do trigo, azeite e vinho, que era a base da alimentação dos gregos). Os aliados propunham-se tomar a ofensiva contra o império persa devastando os domínios ao alcance da esquadra confederada e preparar assim o terreno para uma futura Iibertação das cidades gregas ainda sob o jugo inimigo. Como sede da Confederação foi escolhida a pequena ilha de Delos onde existia um importante santuário de polo. O tesouro da liga, produto da contribuição dos aliados, seria também guardado em Delos. Na realidade o Pireu era o verdadeiro centro da Confederação e essa liderança ateniense foi, durante algum tempo, aceita de boa vontade pelos aliados. Sob o comando do filho de Milcíades, Címon, que adquirira um grande prestígio em tenas principalmente após o ostracismo a que fora votado Temístocles e a morte do influente ristides, a liga de Delos obteve uma retumbante vitória sobre a frota persa na desembocadura do rio Eurimedonte em 468 a.c.. partir de então começa um período da História de tenas conhecido como: "Imperialismo rmado" ( ). Durante esse período tenas se lança em guerras de conquista transformando a Confederação de Delos em um instrumento belicoso de suas aspirações de domínio político e econômico. Paz de Címon ou Paz de Cálias: s pretensões de tenas levaram à intensificação das rivalidades com Esparta e suas aliadas. tenas tentou ampliar seu domínio fora da Grécia, atacando o domínio persa no Egito. derrota ateniense no Delta do Nilo ( ) provocou uma grave crise na liga de Delos. tenas endurece ainda mais seu domínio e transfere o tesouro da liga para a crópole de tenas. Tais fatos levam Címon a sofrer ameaça de ostracismo ( ) por seus adversários. Para reverter esse quadro, assume o comando da luta contra os persas, porém morre vítima de enfermidade. Seu sucessor Cálias foi então encarregado de firmar um tratado de paz com o imperador persa taxerxes em 449 a.c. e confirmado por seu sucessor Dario II. Era a Paz de Címon ou Paz de Cálias. O Tratado de Cálias favoreceu o comércio entre tenas e o Oriente. té navios fenícios traziam mercadorias ao Pireu onde passam a falar os idiomas: persa e aramaico. Na época clássica, em circunstâncias particulares, a crópole foi o ponto central de discussões de ordem financeira. O tesouro da Liga de Delos serviu para Péricles financiar os trabalhos de reconstrução e de embelezamento da crópole entre 450 e 430 a.c., aproximadamente. s cidades sob o domínio ateniense tinham que pagar tributos cada vez mais elevados, gerando descontentamentos internos na Liga de Delos e a oposição das demais polis gregas lideradas por Esparta. GUERR DO PELOPONESO ( a.c.) guerra do Peloponeso foi um conflito armado entre tenas (centro político e civilizacional por excelência do mundo do século V a.c.) e Esparta (cidade de tradição militarista e costumes austeros), de 431 a 404 a.c.. história dessas guerras foi detalhadamente registrada pelos historiadores gregos, da ntiguidade, Tucídides e Xenofonte. De acordo com eles, a razão fundamental da guerra foi o crescimento do poder ateniense e o temor que o mesmo despertava entre os espartanos e seus aliados. cidade de Corinto foi especialmente atuante, pressionando Esparta a fim de que esta declarasse guerra contra tenas e a sua Liga de Delos. Diante da postura hegemônica ateniense, Esparta e outras cidades gregas decidiram formar outra confederação militar, conhecida como a Liga do Peloponeso ou Liga Lacedemônica. Essa divisão criou um contexto de tensões que logo viria a desembocar na realização de um conflito maior. gota d água se deu quando a colônia da Córcira, integrante da Liga de Delos, resolveu se voltar contra a cidade de Corinto, membro da Liga do Peloponeso. s cidades de Esparta, Corinto, Tebas e Mégara aliaram-se contra tenas e sua Liga. Tebas, aliada de Esparta na Grécia Central, atacou Platéia, antiga aliada de tenas, dando início à Guerra do Peloponeso, que durou 27 anos e envolveu quase todas as cidades-estados gregas, provocando o enfraquecimento da Grécia. Em sua primeira etapa, a guerra estendeu-se durante dez anos e foi marcada por visível equilíbrio entre as forças lideradas por tenas e Esparta. No ano de 421 a.c., a assinatura da Paz de Nícias estipulava uma trégua de cinquenta anos entre os dois lados do conflito. Contudo, o acordo só foi cumprido em seus oito primeiros anos, quando o líder ateniense, lcebíades, encorajou a realização de novas investidas militares que tomariam Siracusa, região controlada pela Liga do Peloponeso. Nesse retorno, os atenienses foram humilhados com uma terrível derrota, a qual resultou na prisão e escravização de 20 mil soldados atenienses. Nos anos seguintes, os espartanos venceram a grande parte dos conflitos que deram continuidade à Guerra do Peloponeso. Em 404 a.c., na região de Egos-Pótamos, o general espartano, Lisandro, impôs a derrota definitiva aos atenienses. partir de então, a hegemonia dos espartanos viria a imperar sobre grande parte das cidades-estado gregas. pós a derrota na batalha de Egos-Pótamos, tenas foi obrigada a entregar seus navios, demolir suas fortificações e renunciar ao seu domínio territorial. Inicia-se o período de tentativa de hegemonia espartana entre 404 e 393 a.c.. hegemonia espartana não se consolida em virtude da oposição liderada por Tebas. O GOVERNO DOS TRINT TIRNOS OU TIRNI DOS TRINT: Com a derrota para Esparta, o sistema democrático até então vigente em tenas foi substituído por trinta atenienses ligados à aristocracia, denominados os trinta tiranos. lista dos nomes dos trinta tiranos está no livro Helênicas de Xenofonte

15 cidade de Tebas, localizada no estreito de Corinto organizou uma oposição armada contra Esparta sob a liderança dos generais Epaminondas e Pelópidas e foram vitoriosos na batalha de Leutras, em 371 a.c.. partir de então é Tebas quem busca estabelecer uma hegemonia sobre toda a Grécia, gerando novos conflitos. s disputas entre as principais cidades-estado impuseram a consolidação de um grande desgaste em todo o mundo grego. Naturalmente, o envolvimento em tantas batalhas acabou promovendo a ruína econômica de várias cidades outrora consideradas poderosas. proveitando dessa situação, o rei macedônico, Filipe II, promoveu a organização de um grande exército que conquistou os territórios gregos ao longo do século IV a.c.. PERÍODO HELENÍSTICO (do século IV ao II a.c.) Foi o período marcado pelo domínio macedônico e pelo contato entre a cultura helênica (grega) e as culturas orientais. O Período helenístico normalmente é entendido como um momento de transição entre o esplendor da cultura grega e o desenvolvimento da cultura romana. Tal concepção está associada a uma visão eurocêntrica de cultura e portanto torna secundários os elementos de origem oriental, persa e egípcia, apesar de ter esses elementos como formadores da cultura helenística. O fim do período clássico e o início do período helenístico s constantes guerras que envolveram as cidades gregas foram responsáveis por grande mortalidade, gastos e destruição, enfraquecendo o "mundo grego" e conseqüentemente, facilitando as invasões estrangeiras. conquista do território grego pelos macedônios combinou a decadência grega e a ascensão do Reino de Filipe II. Dois anos após a vitória contra os gregos, na Batalha de Queronéia em 338 a.c., Filipe II foi assassinado e seu filho, lexandre III (lexandre o grande ), o sucedeu. Em 336 a.c., lexandre o Grande, tornou-se rei da Macedônia e dois anos depois senhor de toda a Grécia. Durante o seu curto reinado de treze anos (entre 336 e 323 a.c.), lexandre realizou a conquista de territórios mais rápida e espectacular da ntiguidade. pós conquistar a Grécia lexandre empreendeu campanhas objetivando a conquista do Império Persa aquemênida de Dario III, que na época governava praticamente todo o Médio Oriente. Em apenas quatro anos e três batalhas (Granico, Issus e Gaugamela) para derrotou o Império Persa. Os três anos que se seguiram, até 327 a.c., foram dedicados à conquista das satrapias (províncias persas) da Ásia Central. Por volta de 325 a.c. lexandre já se achava no Vale do rio Indo, na Índia. o tudo indica, o lexandre pretendia ir até o território do rio Ganges, mas seus generais recusaram-se a avançar mais, e lexandre foi forçado a ordenar o regresso. lexandre buscou associar as antigas classes do Império quemênida à estrutura de governo do seu império. Pretendia assim criar um grande estado multiétnico, onde a herança grega e macedônia coexistiria com a herança persa e asiática. morte prematura do rei, aos trinta e três anos, levou à fragmentação do seu vasto Império e a divisão entre seus principais generais: Cassandro, Ptolemeu, Lisímaco, Selêuco e ntígono. Os reinos helenísticos acabaram por ser progressivamente dominado pelo Império Romano, a partir do século II a.c. CULTUR N GRÉCI NTIG Os gregos tinham conflitos e diferenças entre si, mas muitos elementos culturais em comum. Falavam a mesma língua (apesar dos diferentes dialetos e sotaques) e tinham religião comum, que se manifestava na crença nos mesmos deuses. Em função disso, reconheciam-se como helenos (gregos) e chamavam de bárbaros os estrangeiros que não falavam sua língua e não tinham seus costumes, ou seja, os povos que não pertenciam ao mundo grego (Hélade). RELIGIÃO OS TITÃS: São 12 seres sobrenaturais que, segundo a mitologia, nasceram no início dos tempos. Eles foram os ancestrais dos futuros deuses olímpicos (como Zeus, frodite, polo...) e também dos próprios mortais. Os titãs nasceram da união entre Urano, que representava o Céu, e Gaia, que seria a Terra. "Os titãs eram seres híbridos, nenhum era humano por completo e todos tinham o poder de se transformar em animais", afirma a historiadora Renata Cardoso Beleboni, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), especialista em mitologia. O poeta grego Hesíodo, que viveu no século VII a.c., foi um dos principais autores da ntiguidade a narrar o mito do surgimento dos titãs, numa obra clássica chamada TEOGONI. Esse e outros textos épicos contam que tais seres mitológicos ajudaram na formação do mundo. Segundo o mito, no início dos tempos, Urano fazia seguidos filhos em Gaia, mas, como não se afastava dela, seus descendentes, entre eles os titãs, permaneciam presos no ventre da mãe. Insatisfeita com a situação, Gaia incentivou um de seus filhos, o titã chamado Crono, a decepar os órgãos genitais de Urano, fazendo com que este se afastasse dela. Essa metáfora mitológica é uma original maneira de explicar a separação entre o Céu e a Terra, que teria permitido o início da vida. Mas não foram só as iniciativas heróicas que marcaram os titãs. pós mutilar e derrotar Urano, Crono reinou e tornou-se um pai terrível para seus filhos. O poder dele e de outros titãs sobre o mundo só acabou após eles terem sido derrotados por Zeus, o futuro chefe dos deuses olímpicos, numa sangrenta guerra chamada TITNOMQUI. O TERRÍVEL CRONO O mais importante titã, e também o mais jovem, costumava ser representado com uma foice na mão, com a qual teria mutilado seu pai, Urano. Crono se uniu a uma de suas irmãs, Réia, com quem teve vários filhos. Como tinha medo de que os descendentes desafiassem seu poder sobre o mundo, ele engolia todos os seus filhos. Mas um deles, Zeus, contou com a ajuda da mãe para escapar desse destino trágico. pós crescer e se tornar forte, Zeus decidiu resgatar seus irmãos, dando uma poção para o pai que fez este vomitar todos os filhos engolidos. Com a ajuda dos irmãos, Zeus derrotou Crono e outros titãs numa grande batalha e passou a ser o grande chefe de todos os deuses gregos. Crono e seus aliados foram presos para sempre no TÁRTRO, o mundo subterrâneo para onde iam os mortos. lém dos 12 titãs, Urano e Gaia tiveram três filhos chamados CICLOPES. Eles eram gigantes, com só um olho na face, que lutaram ao lado de Zeus na guerra contra Crono. Os relâmpagos usados por Zeus na batalha foram forjados por eles. Outro grupo de seres que foi gerado por Urano e Gaia foram os HECTONQUIROS, seres com 100 braços e 50 cabeças. Os textos épicos divergem. Em alguns, eles são aliados de Crono; em outros, de Zeus. OS DEUSES GREGOS Quando Cronos tomou o lugar de Urano, tornou-se tão perverso quanto o pai. Com sua irmã Reia, procriou os primeiros deuses olímpicos (Héstia, Deméter, Hera, Hades, Poseidon e Zeus), mas logo os devorou enquanto nasciam, pelo medo de que um deles o destronasse. Mas Zeus, o filho mais novo, com a ajuda da mãe, conseguiu escapar e travou uma guerra contra seu pai, cujo vencedor ganharia o trono dos deuses. o final, com a força dos Cíclopes, Zeus venceu e condenou Cronos e os outros Titãs na prisão do Tártaro, depois de obrigar o pai a vomitar seus irmãos. Para a mitologia clássica, depois dessa destituição dos Titãs, um novo panteão de deuses e deusas surgiu. Entre os principais deuses gregos estavam os olímpicos- cuja limitação de seu número para doze parece ter sido uma idéia moderna, e não antiga. Os deuses residiam no Olimpo abaixo dos olhos de Zeus. Nesta fase, os olímpicos não eram os únicos deuses que os gregos adoravam: existiam uma variedade de divindades rupestres, como o deus-cabra Pã, as ninfas: Náiades (que moravam nas nascentes), Dríades (espíritos das árvores) e as Nereidas (que habitavam o mar). Sátiros e outras criaturas fantásticas residiam em florestas, bosques e mares. lém dessas

16 criaturas, existiam no imaginário grego seres como as Erínias (ou Fúrias) que habitavam o submundo e cuja função era perseguir os culpados de homicídio, má conduta familiar, heresia ou perjúrio. Os deuses gregos, embora poderosos e dignos de homenagem, eram essencialmente humanos, praticavam violência, tinham ciúme, coléra, ódio e inveja, ou seja, tinham virtudes e vícios humanos, embora fossem donos de corpos físicos ideais. Os deuses da Grécia eram como pessoas, e não abstrações, idéias ou conceitos, independentemente de suas formas humanas, os deuses gregos tinham muitas habilidades fantásticas, sendo as mais importantes eram: ter a condição de ser imúne a doenças, feridas e ao tempo; ter a capacidade de se tornar invisível; viajar longas distâncias instantaneamente e falar através de seres humanos sem estes saberem. a imortalidade, que era assegurada pela alimentação constante de ambrosia (era o manjar dos deuses do Olimpo, era tão poderoso que se um mortal a quem era vetado, a comesse, ganharia a imortalidade) e pela ingestão de néctar. OS PRINCIPIS DEUSES GREGOS: Zeus - deus de todos os deuses, senhor do Céu. Hera - esposa de Zeus era a deusa dos casamentos e da maternidade. frodite - deusa do amor, sexo e beleza. Poseidon - deus dos mares. Hades - deus das almas dos mortos, dos cemitérios e do subterrâneo. polo - deus da luz e das obras de artes. rtemis - deusa da caça. res - divindade da guerra. tena - deusa da sabedoria e da serenidade. Protetora da cidade de tenas. Cronos - deus da agricultura que também simbolizava o tempo. Hermes - divindade que representava o comércio e as comunicações. Hefestos - divindade do fogo e do trabalho. OUTROS SERES MITOLÓGICOS D GRÉCI NTIG ERM: Heróis: seres mortais, filhos de deuses com seres humanos. Exemplos: Herácles ou Hércules e quiles. Ninfas: seres femininos que habitavam os campos e bosques, levando alegria e felicidade. Sátiros: figura com corpo de homem, chifres e patas de bode. Centauros: corpo formado por uma metade de homem e outra de cavalo. Sereias: mulheres com metade do corpo de peixe atraíam os marinheiros com seus cantos sedutores e irresistíveis. Górgonas: mulheres, espécies de monstros, com cabelos de serpentes. Exemplo: Medusa Quimeras: mistura de leão e cabra, soltavam fogo pelas ventas. Hidra: tinha corpo de dragão e nove cabeças de serpente cujo hálito era venenoso que podiam se regenerar (algumas versões falam em sete cabeças e outras em números maiores). O PRÍSO E O INFERNO N MITOLOGI GREG Na mitologia grega, os Campos Elíseos é o paraíso, um lugar do mundo dos mortos governado por Hades, oposto ao Tártaro (lugar de eterno tormento e sofrimento). Nos Campos Elíseos os homens virtuosos repousavam dignamente após a morte, rodeados por paisagens verdes e floridas, dançando e se divertindo. Neste lugar só entram as almas dos heróis, sacerdotes, poetas e deuses. s pessoas que residiam nos Campos Elíseos tinham a oportunidade de regressar ao mundo dos vivos. Em algumas versões é cercado por um muro gigantesco para separá-lo do Tártaro. Lá também havia um vale por onde corria o rio Lete, o rio do esquecimento. O MITO DE PROMETEU Prometeu (em grego: "antevisão") é um personagem da mitologia grega, um titã, filho do também titã Jápeto e de Ásia, também chamada de Clímene. Seu mito foi mencionado por dois dos principais autores gregos, Hesíodo e Ésquilo. Pai de Deucalião, foi o titã que criou os homens, com seu irmão Epimeteu, e que também roubou o fogo dos deuses para presentear às suas criações. Segundo Hesíodo foi dado a Prometeu e a seu irmão Epimeteu a tarefa de criar os homens e todos os animais. Epimeteu encarregouse da obra e Prometeu encarregou-se de supervisioná-la. Na obra, Epimeteu atribuiu a cada animal os dons variados de coragem, força, rapidez, sagacidade; asas a um, garras outro, uma carapaça protegendo um terceiro, e assim por diante. Porém, quando chegou a vez do homem, formou-o do barro. Mas como Epimeteu gastara todos os recursos nos outros animais, recorreu a seu irmão Prometeu. Este então roubou o fogo dos deuses e o deu aos homens. Isto assegurou a superioridade dos homens sobre os outros animais. Todavia o fogo era exclusivo dos deuses. Como castigo a Prometeu, Zeus ordenou a Hefesto (Hefesto ou Hefaísto foi um deus da mitologia grega, filho de Hera e Zeus, conhecido como Vulcano na mitologia romana. Era a divindade do fogo, dos metais e da metalurgia) que o acorrentasse no cume do monte Cáucaso, onde todos os dias uma águia (ou corvo) dilacerava seu fígado que, todos os dias, regenerava-se. Esse castigo devia durar anos. Prometeu foi libertado do seu sofrimento por Hércules que, havendo concluído os seus doze trabalhos dedicou-se a aventuras. No lugar de Prometeu, o centauro Quíron deixou-se acorrentar no Cáucaso, pois a substituição de Prometeu era uma exigência para assegurar a sua libertação. história foi teatralizada pela primeira vez por Ésquilo no século V a.c. com o título de Prometeus desmotes (Prometeu grilhoado/correntado). O MITO DE PNDOR Na mitologia grega, Pandora (do grego: "a que tudo dá" ou "a que possui tudo") foi a primeira mulher, criada por Zeus como punição aos homens pela ousadia do titã Prometeu em roubar dos céus o segredo do fogo. Foi criada por Hefesto e tena, auxiliados por todos os deuses e sob as ordens de Zeus. Cada um lhe deu uma qualidade. Recebeu de um a graça, de outro a beleza, de outros a persuasão, a inteligência, a paciência, a meiguice, a habilidade na dança e nos trabalhos manuais. Hermes, porém pôs no seu coração a traição e a mentira. Feita à semelhança das deusas imortais, Zeus a destinou para a espécie humana, como punição por terem os homens recebido de Prometeu o fogo divino. Foi enviada a Epimeteu, a quem Prometeu recomendara que não

17 recebesse nenhum presente dos deuses. Vendo-lhe a radiante beleza, Epimeteu esqueceu quanto lhe fora dito pelo irmão e a tomou como esposa. Epimeteu tinha em seu poder uma caixa que outrora lhe haviam dado os deuses, que continha todos os males. visou a mulher que não a abrisse. Pandora não resistiu à curiosidade. briu-a e os males escaparam. Por mais depressa que providenciasse fechá-la, somente conservou um único bem, a esperança. E dali em diante, foram os homens afligidos por todos os males. RQUITETUR GREG Um dos templos gregos mais conhecidos é a crópole de tenas, que foi construído no ponto mais alto da cidade, entre os anos de 447 a 438 a.c. lém das funções religiosas, o templo era utilizado também como ponto de observação militar. s colunas deste templo seguiram o estilo arquitetônico dórico (veja as colunas a seguir). arquitetura grega antiga pode ser dividida em três estilos: 1-Dórico: estilo com poucos detalhes, transmitindo uma sensação de firmeza. 2-Jônico: este estilo transmitia leveza, em função dos desenhos apresentados, principalmente nas colunas das construções. Outra característica deste estilo era o uso de base circular. 3-Coríntio: pouco utilizado pelos arquitetos gregos, caracterizava-se pelo excesso de detalhes. Os capitéis das colunas eram, geralmente, decorados com o formato de folhas. Tipos de Capitéis Gregos: Dórico, Jônico e Coríntio PINTUR GREG pintura grega também foi muito importante nas artes da Grécia ntiga. Os pintores gregos representavam cenas cotidianas, batalhas, religião, mitologias e outros aspectos da cultura grega. Os vasos, geralmente de cor preta, eram muito utilizados neste tipo de representação artística. Estes artistas também pintavam em paredes, principalmente de templos e palácios. ESCULTUR GREG estatuária grega representa altos padrões. Teve como principais características: o antropomorfismo (esculturas de formas humanas); o equilíbrio e perfeição das formas; o aspecto de movimento. No Período rcaico os gregos começaram a esculpir em mármores, grandes figuras de homens. Primeiramente aparecem esculturas simétricas, em rigorosa posição frontal, com o peso do corpo igualmente distribuído sobre as duas pernas. Esse tipo de estátua é chamado Kouros (palavra grega: homem jovem). No Período Clássico passou a procurar movimento nas estátuas, para isto, se começou a usar o bronze que era mais resistente do que o mármore, podendo fixar o movimento sem se quebrar. Surge o nu feminino, pois no período arcaico, as figuras de mulher eram esculpidas sempre vestidas. No Período Helenístico podemos observar o crescente naturalismo: os seres humanos não eram representados apenas de acordo com a idade e a personalidade, mas também segundo as emoções e o estado de espírito de um momento. O grande desafio e a grande conquista da escultura do período helenístico foram a representação não de uma figura apenas, mas de grupos de figuras que mantivessem a sugestão de mobilidade e fossem bonitos de todos os ângulos que pudessem ser observados. Os principais mestres da escultura clássica grega são: Praxíteles, celebrado pela graça das suas esculturas, pela lânguida pose em S (Hermes com Dionísio menino), foi o primeiro artista que esculpiu o nu feminino. Policleto, autor de Doríforo - condutor da lança, criou padrões de beleza e equilíbrio através do tamanho das estátuas que deveriam ter sete vezes e meia o tamanho da cabeça. Fídias, talvez o mais famoso de todos, autor de Zeus Olímpico, sua obra-prima, e tenéia. Realizou toda a decoração em baixosrelevos do templo Partenon: as esculturas dos frontões, métopas e frisos. Lisipo, representava os homens tal como se vêem e não como são (verdadeiros retratos). Foi Lisipo que introduziu a proporção ideal do corpo humano com a medida de oito vezes a cabeças. Miron, autor do Discóbolo - homem arremessando o disco. rcaico Clássico Helenístico

18 TETRO GREGO Um dos aspectos mais significativos da cultura grega antiga foi o teatro. Os gregos o desenvolveram de tal forma que até os dias atuais, artistas, dramaturgos e demais envolvidos nas artes cênicas sofrem as suas influências. Diversas peças teatrais criadas na Grécia ntiga são até hoje encenadas. Tal fato se deve ao caráter universalista e existencialista dos temas do teatro grego. Contexto histórico da origem do teatro grego - O teatro grego surgiu a partir da evolução das artes e cerimônias gregas como, por exemplo, a festa em homenagem ao deus Dionísio (deus do vinho e das festas). Nesta festa, os jovens dançavam e cantavam dentro do templo deste deus, oferecendo-lhe vinho. Com o tempo, esta festa começou a ganhar certa organização, sendo representada para diversas pessoas. spectos do teatro grego antigo - Durante o período clássico (século V a.c.) foram estabelecidos os estilos mais conhecidos de teatro: a tragédia e a comédia. Ésquilo e Sófocles são os dramaturgos de maior importância desta época. ação, diversos personagens e temas cotidianos foram representados nos teatros gregos desta época. Nesta época clássica foram construídos diversos teatros ao ar livre. Eram aproveitadas montanhas e colinas de pedra para servirem de suporte para as arquibancadas. acústica (propagação do som) era perfeita, de tal forma que a pessoa sentada na última fileira (parte superior) podia ouvir tão bem a voz dos atores, quanto quem estivesse sentado na primeira fileira. Os atores representavam usando máscaras e túnicas de acordo com o personagem. Muitas vezes, eram montados cenários bem decorados para dar maior realismo à encenação. Mulheres não podiam atuar, os homens representavam os papéis femininos. Os temas mais representados nas peças teatrais gregas eram: tragédias relacionadas a fatos cotidianos, problemas emocionais e psicológicos, lendas e mitos, homenagem aos deuses gregos, fatos heróicos e críticas humorísticas aos políticos. Os atores, além das máscaras, utilizam muito os recursos da mímica. Muitas vezes a peça era acompanhada por músicas reproduzidas por um coral. Ésquilo é reconhecido frequentemente como o pai da tragédia. e é o mais antigo dos três trágicos gregos (os outros são Sófocles e Eurípedes). umentou o número de personagens usados nas peças para permitir conflitos entre eles; anteriormente, os personagens interagiam apenas com o coro. penas sete de um total estimado de setenta a noventa peças feitas pelo autor sobreviveram à modernidade; uma destas, Prometeu correntado, é tida hoje em dia como sendo de autoria de um autor posterior. Pelo menos uma das obras de Ésquilo foi influenciada pela invasão persa da Grécia, ocorrida durante sua vida. Sua peça Os Persas continua sendo uma grande fonte de informação sobre este período da história grega. guerra teve tamanha importância para os gregos e para o próprio Ésquilo que, na ocasião de sua morte, por volta de 456 a.c., seu epitáfio celebrava sua participação na vitória grega em Maratona e não seu sucesso como dramaturgo. ristófanes, (447 a.c.-385 a.c.) é considerado o maior representante da Comédia ntiga. Escreveu mais de quarenta peças, das quais apenas onze são conhecidas. Conservador, revela hostilidade às inovações sociais e políticas e aos deuses e homens responsáveis por elas. Seus heróis defendem o passado de tenas, os valores democráticos tradicionais, as virtudes cívicas e a solidariedade social. Violentamente satírico, critica a pomposidade, a impostura, os desmandos e a corrupção na sociedade em que viveu. FILOSOFI GREG palavra filosofia é de origem grega e significa amor à sabedoria. Ela surge desde o momento em que o homem começou a refletir sobre o funcionamento da vida e do universo, buscando uma solução para as grandes questões da existência humana. Os pensadores, inseridos num contexto histórico de sua época, buscaram diversos temas para reflexão. Grécia ntiga é conhecida como o berço dos pensadores, sendo que os sophos (sábios em grego) buscaram formular, no século VI a.c., explicações racionais para tudo aquilo que era explicado, até então, através da mitologia. pesar de reconhecermos a importância de sábios que viveram no século VI a.c., na China (Confúcio e Lao Tsé), na Índia (o Buda Sidarta Gautama) e na Pérsia (Zoroastro ou Zaratustra), essas doutrinas têm uma profunda vinculação com o caráter místico-religioso, distanciando-se da reflexão racional proposta pela filosofia grega. O milagre grego : No período arcaico surgem os primeiros filósofos gregos, entre os séculos VII e VI a.c.. passagem da mentalidade mítica para o pensamento crítico, racional e filosófico, é denominada por alguns autores como milagre grego. Porém, o desenvolvimento da filosofia grega não é fruto de um salto do milagre realizado por um povo privilegiado, mas, é a culminação do processo gestado através dos tempos e que, portanto, tem sua dívida com o passado mítico. lgumas novidades do período arcaico ajudam a transformar a visão que o mito oferecia sobre o mundo e a existência humana. Essas novidades são a invenção da escrita e da moeda, a lei escrita, a consolidação das polis, todas elas como condição para o surgimento do filósofo. Os Filósofos Pré-Socráticos Escola de Mileto ou Milesiana: foi a escola de pensamento iniciada no Século VI a.c. na vila jônia de Mileto, na costa da natólia, e representada, principalmente, pelos filósofos: Tales de Mileto, naximandro e naxímenes. Podemos afirmar que foi a primeira corrente de pensamento, surgida na Grécia ntiga. Esses pensadores são os fundadores da filosofia no sentido específico, pois lançaram as bases dos problemas filosóficos discutidos até hoje no Ocidente: a verdade, a totalidade, a ética e a política. Os filósofos desta Escola explicavam o mundo como resultante do desenvolvimento cíclico de uma natureza comum a tudo o que existe. creditavam na existência de um princípio, um elemento que é a origem de tudo o que existe. Esse elemento é chamado de arché (seria um princípio que deveria estar presente em todos os momentos da existência de todas as coisas; no início, no desenvolvimento e no fim de tudo. Princípio pelo qual tudo vem a ser). Tales era considerado "o pai da filosofia" por ser o primeiro importante pensador grego. Tales queria descobrir um elemento fisico que fosse constante em todas as coisas, algo que fosse o princípio unificador de todos os seres. Tales concluiu que a água é a substância primordial, a origem única de todas as coisas, para ele somente a água permanece basicamente a mesma, em todas as transformações dos corpos, apesar de assumir diferentes estados como: sólido, líquido e gasoso. O elemento primordial de todas as coisas segundo naximandro era o "apeiron" ("peiron" significa o "indeterminado" ou "ilimitado", sendo sua origem grega, pode ser entendido, também, como o "devir" ou

19 vir a ser). Já para naxímenes o elemento primordial era a "pneuma" (ar). Xenófanes elege a "terra" enquanto cumpridora deste papel e Heráclito, considerava o fogo. dvém dessas concepções a idéia de que a matéria é composta pelos quatro elementos (Água, terra, fogo e ar). Escola Pitagórica: recebe o nome do fundador, Pitágoras. Outros pensadores importantes dessa escola: Filolau, rquitas, lcmeón; a matemática Theano, que foi, possivelmente, casada com Pitágoras. Esses pensadores manifestam ao mesmo tempo tendências místicoreligiosas e tendências científico-racionais. escola teve como ponto de partida a cidade de Crotona, sul da Itália, e difundiu-se vastamente. Trata-se da escola filosófica grega mais influenciada exteriormente pelas religiões orientais, e que por isso mais se aproximou das filosofias dogmáticas regidas pela idéia de autoridade. O pitagorismo influenciou o futuro platonismo, o cristianismo e ainda foi invocado por sociedades secretas que atravessaram o tempo até alcançarem os dias de hoje. O símbolo da Escola Pitagórica era o pentagrama, uma estrela de cinco pontas. Pitagoras ficou conhecido também como o "filósofo feminista", visto que na escola havia muitas mulheres discípulas e mestres, tais como Theano. Suas instruções aos seguidores eram formuladas em duas grandes divisões: a ciência dos números e a teoria da grandeza. ciência dos números incluía dois ramos: a aritmética e a harmonia musical. teoria da grandeza era subdividida também em dois ramos: da grandeza em repouso - a geometria; da grandeza em movimento - a astronomia. s mais notáveis peculiaridades das suas doutrinas estavam relacionadas com as concepções matemáticas, as idéias numéricas e simbolizações sobre as quais se apoiava a sua filosofia. Supunha que os princípios que governavam os Números eram os princípios de todas as Existências Reais. Dessa forma, como os Números são os componentes primários das Grandezas Matemáticas e, ao mesmo tempo, apresentaram muitas analogias com várias realidades, deduzia-se que os elementos dos Números eram os elementos das Realidades. Heráclito (da Escola Jônia) x Parmênides (Escola Eliática): Heráclito procura explicar o mundo pelo desenvolvimento de uma natureza comum a todas as coisas e em eterno movimento. Ele afirma a estrutura contraditória e dinâmica do real. Para ele, tudo está em constante modificação. Daí sua frase "Não nos banhamos duas vezes no mesmo rio", já que nem o rio nem quem nele se banha são os mesmos em dois momentos diferentes da existência. Parmênides, ao contrário, diz que o ser é unidade e imobilidade e que a mutação não passa de aparência. Para Parmênides, o ser é ainda completo, eterno e perfeito. Os tomistas e o tomismo: foi a doutrina filosófica que considerava toda a realidade como matéria constituída por uma combinação fortuita de partículas indivisíveis, chamadas átomos. O atomismo surge na antiga Grécia com Leucipo e Demócrito. Esta teoria atômica (átomo vem de "atomon" = indivisível) foi iniciada por Leucipo em meados do sec.v e foi desenvolvida mais tarde por Demócrito, cerca de 30 anos depois. Estes dois filósofos eram naturais da Ásia Menor. Leucipo foi um dos fundadores da Escola de Eléia. idéia do atomismo teria surgido como reação às idéias de Parmênides. Período Socrático Os séculos V e IV a.c. (período clássico) na Grécia ntiga foram de grande desenvolvimento cultural e científico. O esplendor de cidades como tenas, e seu sistema político democrático, proporcionou o terreno propício para o desenvolvimento do pensamento. É a época dos sofistas e do grande pensador Sócrates. Os Sofistas: foram os primeiros filósofos do período socrático. Os sofistas se opunham à filosofia pré-socrática dizendo que estes ensinavam coisas contraditórias e repletas de erros que não apresentavam utilidade para as polis. Dessa forma, substituíram a natureza que antes era o principal objeto de reflexão pela arte da persuasão e tendo o ser - humano como eixo principal de análise (caráter antropocêntrico). Dentre os sofistas, pode-se destacar: Protágoras, Górgias, Hípias, Isócrates, Pródico, Crítias, ntifonte e Trasímaco, sendo que destes, Protágoras, Górgias e Isócrates foram os mais importantes. Estes, assim como os outros sofistas, prezavam pelo desenvolvimento do espírito crítico e pela capacidade de expressão. Uma conseqüência importante que se fez pelos sofistas foi a abertura da filosofia para todas as pessoas das polis que antes era somente uma seita intelectual fechada formada apenas por aristocratas. Protágoras difundiu a frase: O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são. Por meio dela e de outras, foi acusado de ateísta tendo seus livros queimados em praça pública, o que o fez fugir de tenas e refugiar-se na Sicília. Os sofistas, entre eles Górgias e Leontinos, defendiam uma educação, cujo objetivo máximo seria a formação de um cidadão pleno, preparado para atuar politicamente para o crescimento da cidade. Os sofistas cobravam por seus ensinamentos. Dentro desta proposta pedagógica, os jovens deveriam ser preparados para falar bem (retórica), pensar e manifestar suas qualidades artísticas. Defendiam a DEMOCRCI. firma-se que Sócrates teria se rebelado contra os sofistas dizendo que desrespeitavam a verdade e o amor pela sabedoria e de que eram contraditórios ao afirmarem que não havia verdade absoluta. Os sofistas criaram no meio filosófico o relativismo e o subjetivismo. Os Filósofos Socráticos Nascido em tenas, Sócrates ( a.c.) é tradicionalmente considerado e um marco divisório da história da filosofia grega. Por isso, os filósofos que o antecederam são chamados de pré-socráticos e os que o sucederam, de pós-socráticos. O próprio Sócrates, porém, não deixou nada escrito, e o que se sabe dele e de seu pensamento vem dos textos de seus discípulos e de seus adversários. Conta-se que Sócrates era filho de uma parteira. O estilo de vida de Sócrates assemelhava-se, exteriormente, ao dos sofistas, embora não "vendesse" seus ensinamentos. Desenvolvia o saber filosófico em praças públicas, conversando com os jovens, sempre dando demonstrações de que era preciso unir a vida concreta ao pensamento. Unir o saber ao fazer, a consciência intelectual à consciência prática ou moral. Tanto quanto os sofistas, Sócrates abandonou a preocupação dos filósofos pré-socráticos em explicar a natureza e se concentrou na problemática do homem. No entanto, contrariamente aos sofistas, Sócrates opunha-se, por exemplo, ao relativismo em relação à questão da moralidade e ao uso da retórica para atingir interesses particulares. Embora tenha sido, em sua época, confundido com os sofistas, Sócrates travou uma polêmica profunda com estes, pois procurava um fundamento último para as interrogações humanas (O que é o bem? O que é a virtude? O que é a justiça?), enquanto os sofistas situavam as suas reflexões a partir dos dados empíricos, o sensório imediato, sem se preocupar com a investigação de uma essência da virtude, da justiça, do bem etc., a partir da qual a própria realidade empírica pudesse ser avaliada. pergunta essencial que Sócrates tentava responder era: o que é a essência do homem? Ele respondia dizendo que o homem é a sua alma, entendendo-se "alma", aqui, como a sede da razão, o nosso eu consciente, que inclui a consciência intelectual e a consciência moral, e que, portanto, distingue o ser humano de todos os outros seres da natureza. Por isso, autoconhecimento era um dos pontos fundamentais da filosofia socrática. "Conhece-te a ti mesmo", frase inscrita no Oráculo de Delfos, era a recomendação básica feita por Sócrates a seus discípulos. Sua filosofia era desenvolvida mediante diálogos críticos com seus interlocutores. Esses diálogos podem ser divididos em dois momentos básicos: a IRONI e a MIÊUTIC. IRONI: na linguagem cotidiana, a ironia tem um significado depreciativo, sarcástico ou de zombaria. Mas não é esse o sentido da ironia socrática. No grego, ironia quer dizer "interrogação". De fato, Sócrates interrogava seus interlocutores sobre aquilo que pensavam saber. O que é o bem? O que é a justiça? E a coragem? E a piedade? São exemplos de algumas perguntas feitas por ele. No decorrer do diálogo,

20 atacava de modo implacável as respostas de seus interlocutores. Com habilidade de raciocínio, procurava evidenciar as contradições afirmadas, os novos problemas que surgiam a cada resposta. Seu objetivo inicial era demolir, nos discípulos, o orgulho, a arrogância e a presunção do saber. primeira virtude do sábio é adquirir consciência da própria ignorância. "Sei que nada sei", dizia Sócrates. ironia socrática tinha um caráter purificador porque levava os discípulos a confessarem suas próprias contradições e ignorâncias, onde antes só julgavam possuir certezas e clarividências. Nesta fase do diálogo, a intenção fundamental de Sócrates não era propriamente destruir o conteúdo das respostas dadas pelos interlocutores, mas fazê-los tomar consciência profunda de suas próprias respostas, das consequências que poderiam ser tiradas de suas reflexões, muitas vezes repletas de conceitos vagos e imprecisos. MIÊUTIC: libertos do orgulho e da pretensão de que tudo sabiam, os discípulos podiam então iniciar o caminho da reconstrução de suas próprias idéias. Novamente, Sócrates lhes propunha uma série de questões habilmente colocadas. Nesta segunda fase do diálogo, o objetivo de Sócrates era ajudar seus discípulos a conceberem suas próprias idéias. ssim, transportava para o campo da filosofia o exemplo de sua mãe, Fenareta, que, sendo parteira, ajudava a trazer crianças ao mundo. Por isso, essa fase do diálogo socrático, destinada à concepção de idéias, era chamada de maiêutica, termo grego que significa "arte de trazer à luz". UM CORRUPTOR D JUVENTUDE? Sócrates não dava importância à posição socioeconômica de seus discípulos. Dialogava com ricos e pobres, cidadãos e escravos. O que importava eram as condições interiores, psicológicas de cada pessoa, pois essas condições eram indispensáveis ao processo de autoconhecimento. Para a democracia ateniense, da qual não participava a maioria da população, composta de escravos, estrangeiros e mulheres, Sócrates foi considerado subversivo. Representava uma ameaça social, na medida em que desrespeitava a ordem vigente e dirigia suas atenções para as pessoas sem fazer distinções de classe ou posição social. Interessado tão-somente na prática da virtude e na busca da verdade contrariava os valores dogmáticos da sociedade ateniense. Por isso, recebeu a acusação de ser injusto com os deuses da cidade e de corromper a juventude. No final do processo, por se recusar a negar suas idéias, foi condenado a beber cicuta (veneno extraído de uma planta do mesmo nome). Sócrates buscou pensar e refletir sobre o homem, buscando entender o funcionamento do Universo dentro de uma concepção crítica. Para ele, a verdade está ligada ao bem moral do ser humano. Ele não deixou textos ou outros documentos, desta forma, só podemos conhecer as idéias de Sócrates através dos relatos deixados por seu discípulo Platão. Platão: cujo verdadeiro nome era ristócles, nasceu em tenas, provavelmente em 427 a.c. e morreu em 347 a.c.. Em linhas gerais, Platão desenvolveu a noção de que o homem está em contato permanente com dois tipos de realidade: a inteligível e a sensível. primeira é a realidade imutável, igual a si mesma. segunda são todas as coisas que nos afetam os sentidos, são realidades dependentes, mutáveis e são imagens das realidades inteligíveis. Platão foi discípulo de Sócrates e defendia que as idéias formavam o foco do conhecimento intelectual. Os pensadores teriam a função de entender o mundo da realidade, separando-o das aparências. Platão não deixou uma obra filosófica sistemática, organizada de forma lógica e abstrata. s obras de Platão foram escritas em forma de diálogo, em que diferentes personagens discutem acerca de um determinado tema. liás, o diálogo não é apenas a forma como o filósofo se expressa, mas também o cerne de seu método filosófico de descoberta da verdade. Para Platão, o conhecimento é resultado do convívio entre homens que discutem de forma livre e cordial. ristóteles 384 a.c a.c.: desenvolveu os estudos de Platão e Sócrates. Foi ristóteles quem desenvolveu a lógica dedutiva clássica, como forma de chegar ao conhecimento científico. sistematização e os métodos devem ser desenvolvidos para se chegar ao conhecimento pretendido, partindo sempre dos conceitos gerais para os específicos. Foi discipulo de Platão e professor de lexandre, o Grande, considerado um dos maiores pensadores de todos os tempos. ristóteles prestou contribuições fundantes em diversas áreas do conhecimento humano, destacando-se: ética, política, física, metafísica, lógica, psicologia, poesia, retórica, zoologia, biologia, história natural. Para ristóteles, a Lógica é um instrumento, uma introdução para as ciências e para o conhecimento e baseia-se no silogismo, o raciocínio formalmente estruturado que supõe certas premissas colocadas previamente para que haja uma conclusão necessária. O silogismo é dedutivo, parte do universal para o particular; a indução, ao contrário, parte do particular para o universal. Dessa forma, se forem verdadeiras as premissas, a conclusão, logicamente, também será. Período Pós-Socrático Esta época vai do final do período clássico (320 a.c.) até o começo da Era Cristã, em um contexto histórico que representa o final da hegemonia política e militar da Grécia marcada pelo domínio macedônico. É o período da filosofia helenística. Podemos destacar: CETICISMO: de acordo com os pensadores céticos, a dúvida deve estar sempre presente, pois o ser humano não consegue conhecer nada de forma exata e segura. Seu principal representante foi Pirro. EPICURISMO: os epicuristas, seguidores do pensador Epicuro, defendiam que o bem era originário da prática da virtude. O corpo e a alma não deveriam sofrer para, desta forma, chegar-se ao prazer. Epicuro de Samos, filósofo do século IV a.c., foi seguido por outros filósofos, chamados epicuristas. Epicuro acreditava que o maior bem era a procura de prazeres moderados de forma a atingir um estado de tranquilidade (TRXI) e de libertação do medo, assim como a ausência de sofrimento corporal (PONI) através do conhecimento do funcionamento do mundo e da limitação dos desejos. combinação desses dois estados constituiria a felicidade na sua forma mais elevada. Embora o epicurismo seja doutrina muitas vezes confundida com o HEDONISMO (distorção do epicurismo que declara o prazer como o único valor intrínseco), a sua concepção da ausência de dor como o maior prazer e a sua apologia da vida simples tornam-no diferente do que vulgarmente se chama hedonismo. finalidade da filosofia de Epicuro não era teórica, mas sim prática. Buscava, sobretudo, encontrar a tranquilidade necessária para uma vida feliz e aprazível, na qual os temores perante o destino, os deuses ou a morte estavam definitivamente eliminados. Para isso fundamentava-se em uma teoria do conhecimento empirista, em uma física atomista e na ética. ESTOICISMO: os sábios estóicos como, por exemplo, Zenon de Citium ( a.c), defendia a razão como elemento fundamental. Os fenômenos exteriores a vida deviam ser deixados de lado, como a emoção, o prazer e o sofrimento. verdade só seria alcançada por meio da virtude, do rigor e da disciplina. No pensamento dos estóicos, o fim supremo, o único bem do homem, não é o prazer, a felicidade, mas a virtude; que não é concebida como necessária condição para alcançar a felicidade, e sim como sendo ela própria um bem imediato. Com o desenvolvimento do estoicismo, todavia, a virtude acaba por se tornar meio para a felicidade da tranqüilidade, da serenidade, que nasce da virtude negativa da apatia, da indiferença universal. felicidade do homem virtuoso é a libertação de toda perturbação, a tranqüilidade da alma, a independência interior, a autarquia. Como o bem absoluto e único é a virtude, assim o mal único e absoluto é o vício. E não tanto pelo dano que pode acarretar ao vicioso, quanto pela sua irracionalidade e desordem intrínseca, ainda que se acabe por repudiá-lo como perturbador da indiferença, da serenidade, da

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique Grécia Antiga Profº Paulo Henrique Periodização Período pré-homérico (2800 1100 a.c.): povoamento da Grécia. Período homérico (1100 800 a.c): poemas Ilíada e Odisséia. Período arcaico (800 500 a.c) : formação

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

Grécia Antiga II. Cronologia

Grécia Antiga II. Cronologia Grécia Antiga II Cronologia Grécia - Cronologia Período pré-homérico (séc. XX- XII a.c) Migrações dos povos formadores da Grécia Período Homérico (séc. XII- VIII a.c) Genos (comunidades políticas) se estruturam,

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA

ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA ANTIGUIDADE CLÁSSICA GRÉCIA 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Território acidentado; Desenvolvimento do comércio e navegação; Descentralização política (Cidade-Estado); Modo de produção escravista; Contribuições

Leia mais

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego

De Creta a Micenas. As Origens do Mundo Grego De Creta a Micenas As Origens do Mundo Grego 1 O início da História Entre os séculos XX a.c. e XVI a.c., floresceu em Creta, a maior ilha do Mediterrâneo, uma brilhante civilização, que influenciou a desenvolvida

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora

HISTÓRIA GERAL. Profª. Maria Auxiliadora HISTÓRIA GERAL Profª. Maria Auxiliadora GRÉCIA Península Balcânica Relevo acidentado e recortado Características Gerais Grécia Período Pré-Homérico -séc. XX a.c. XII a. C. Formação do povo grego pelasgos

Leia mais

A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos:

A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos: A história da Grécia é comumente dividida em 5 períodos: Pré-homérico ocupação dos povos formadores. Homérico formação do genos (base familiar) - Ilíada e Odisseia. Arcaico formação da polis. Clássico

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG LOCALIZAÇÃO E POVOAMENTO A Grécia antiga localizava-se em sua maior parte do sudeste da Europa

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br

MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA. http://historiaonline.com.br MUNDO GREGO MODO DE PRODUÇÃO ESCRAVISTA ANTIGUIDADE CLÁSSICA CARACTERÍSTICAS GERAIS (Modo de Produção Escravista) a) Propriedade privada (fim do coletivismo primitivo e da servidão coletiva). b) Cidades

Leia mais

DEFINIÇÃO. Gregos é a palavra latina usada para designar os habitantes da Hélade, que se autodenominavam helenos.

DEFINIÇÃO. Gregos é a palavra latina usada para designar os habitantes da Hélade, que se autodenominavam helenos. DEFINIÇÃO Gregos é a palavra latina usada para designar os habitantes da Hélade, que se autodenominavam helenos. DEFINIÇÃO Hélade é o nome pelo qual se designava quase toda parte continental da Grécia.

Leia mais

ANTIGUIDADE OCIDENTAL PROFESSORA JACK PÓVOAS

ANTIGUIDADE OCIDENTAL PROFESSORA JACK PÓVOAS ANTIGUIDADE OCIDENTAL PROFESSORA JACK PÓVOAS A CIVILIZAÇÃO GREGA Sem Grécia e Roma nós não seríamos o que somos. Michael Grant GRECIA GRÉCIA: a Terra dos Deuses NOME OFICIAL: República Helênica. CAPITAL:

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo.

Localização Geográfica. -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. O Mundo Grego - I Localização Geográfica -Sul da Europa, na Península Balcânica, junto ao mar Mediterrâneo. Povoamento -Arianos ou indo-europeus (aqueus, jônios, eólios e dórios). -Invasão dos Dórios (armas

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Cidadania Democracia Filosofia Geometria Teatro Período Pré-Homérico (2800 1100 a. C.) povoamento da Grécia. Período Homérico (1100 800 a. C.) poemas

Leia mais

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

PROFª TEREZA SODRÉ MOTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA PERIODIZAÇÃO PERÍODO PRÉ- HOMÉRICO Imigração indo-européia Formação da cultura creto-micênica. Primeira Diáspora grega =invasão dórica PERÍODO HOMÉRICO

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA

CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE OCIDENTAL GRÉCIA ROMA Atualmente Grécia = capital ATENAS Idioma = Grego Forma de Governo = República Helênica Península Peni = quase Ínsula = ilha Península é uma porção de

Leia mais

As Cidades Gregas: Atenas e Esparta

As Cidades Gregas: Atenas e Esparta As Cidades Gregas: Atenas e Esparta ESPARTA A PÓLIS OLIGÁRQUICA A cidade de Esparta(ou Lacedemônia) era formada por cinco aldeias localizadas no vale do rio Eurotas, na região do Peloponeso. Surgiu por

Leia mais

Introdução. Localização

Introdução. Localização Introdução A civilização grega surgiu entre os mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo, por volta de 2000 AC. Formou-se após a migração de tribos nómadas de origem indo-europeia, como, por exemplo, aqueus, jônios,

Leia mais

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político Escravismo Antigo Estrutura econômica Escravos produzem maior parte da riqueza Estrutura social Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: à Livres: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar

Leia mais

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso

AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA 14/09/2009 GRÉCIA. Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso AULA DE HISTÓRIA GRÉCIA ANTIGA GRÉCIA Localização Península Balcânica sudeste da Europa Território Relevo Acidentado 80% montanhoso ASPECTOS GEOGRÁFICOS Povos invasores formada por muitas ilhas a maior

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Profª. Flores. Grécia

Profª. Flores. Grécia Profª. Flores Grécia LOCALIZAÇÃO : localiza-se em sua maior parte no sudeste da Europa. Abrangia três importantes regiões: na Grécia Continental: situada ao sul da península Balcânica; na Grécia Insular:

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega.

1. (1,0) APONTE o nome da região em que foi desenvolvida a civilização grega. PARA A VALIDADE DO QiD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA DESAFIO DO DIA. Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Conteúdo: A civilização cretense Os primeiros povos gregos CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA Habilidades: Compreender o processo de formação da civilização grega.

Leia mais

Antiguidade Clássica: Grécia

Antiguidade Clássica: Grécia Antiguidade Clássica: Grécia Localização Localização Localização Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Pinturas no palácio de Cnossos em Micenas Período Creto-Micênico (XX a. C. XII a. C) Escrita

Leia mais

A civilização grega tem grande importância na formação cultural e política do Ocidente. Os gregos foram os primeiros a falar em CIDADANIA E DEMOCRACIA, o governo do povo. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA Concentrou-se

Leia mais

Aulas 08 a 10: Grécia Antiga Prof. Dawison Sampaio

Aulas 08 a 10: Grécia Antiga Prof. Dawison Sampaio Aulas 08 a 10: Grécia Antiga Aulas 08 a 10: Grécia Antiga De Olho No Enem H3 Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos (Jogos Olímpicos). H7 Identificar os significados

Leia mais

A partir da leitura do texto abaixo responda as questões 2 e 3: A SOCIEDADE EGIPCIA

A partir da leitura do texto abaixo responda as questões 2 e 3: A SOCIEDADE EGIPCIA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS SÉRIE/ANO:

Leia mais

As características de cada período serão analisadas a seguir. Período Pré-Homérico. Do povoamento da península Balcânica à Primeira Diáspora.

As características de cada período serão analisadas a seguir. Período Pré-Homérico. Do povoamento da península Balcânica à Primeira Diáspora. O Mundo Grego A história da Grécia, como de outras civilizações, foi fortemente condicionada pelo ambiente geográfico. A península Balcânica e muito recortada e cercada por centenas de ilhas - tanto no

Leia mais

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito *

Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * Grécia Antiga - Questões de Vestibulares Gabarito * 1. (Fatec) "A cidade-estado era um objeto mais digno de devoção do que os deuses do Olimpo, feitos à imagem de bárbaros humanos. A personalidade humana,

Leia mais

Antiguidade Clássica - Grécia. Prof.ª. Maria Auxiliadora

Antiguidade Clássica - Grécia. Prof.ª. Maria Auxiliadora Antiguidade Clássica - Grécia Prof.ª. Maria Auxiliadora Período Arcaico (séc. VIII 800 a.c. a VI 600 a.c.) Formação das pólis na Grécia cada uma com seu próprio universo econômico e político; Na Grécia

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo, Tirreno,

Leia mais

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo,

Leia mais

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA

A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A AUSTERIDADE DE ESPARTA PROFª TEREZA SODRÉ MOTA A cidade-estado de Esparta, situada nas beiras do rio Eurotas, na região do Peloponeso, na Grécia, foi um dos fenômenos mais fascinantes da história em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito.

HISTÓRIA REVISAO 1 REVISAO 2. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Vídeo - Moisés Príncipe do Egito. Os hebreus Foram os primeiros povos monoteístas da história. Seus reis mais famosos foram Davi e Salomão. A Bíblia é uma fonte importante para o conhecimento sobre a história

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 6 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Observe o mapa e responda às questões. A GRÉCIA NO SÉCULO VIII A.C. MAR JÔNICO ILÍRIA ÉPIRO ETÓLIA MACEDÔNIA TESSÁLIA CALCÍDIA

Leia mais

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente.

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL HISTÓRIA 5ª SÉRIE O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. Existem muitas fontes

Leia mais

Esparta: A Sociedade da Guerra

Esparta: A Sociedade da Guerra Esparta: A Sociedade da Guerra Esparta se constituiu como uma pólis guerreira. Seu exército foi um dos mais eficientes do mundo grego 1 Localização» Lendas do século V a.c. relatam que descendentes de

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: 2 FASES DA HISTÓRIA: Território acidentado;

1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: 2 FASES DA HISTÓRIA: Território acidentado; 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Território acidentado; Desenvolvimento do comércio e navegação; Descentralização política (Cidade-Estado); Modo de produção escravista; Contribuições nas artes, ciências e filosofia

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c.

Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c. Civilização Egéia antes de 1600 a.c. Grécia Micênicac. 1600-1200 a.c. Idade das Trevasc. 1200-800 a.c. Grécia Antiga776-323 a.c. Período Helenístico323 a.c.-146 a.c. Período Greco-Romano146 a.c.-330 AD

Leia mais

ANTIGUIDADE CLÁSSICA

ANTIGUIDADE CLÁSSICA ANTIGUIDADE CLÁSSICA PERÍODOS HISTÓRICOS A CRONOLOGIA referente a civilização grega se baseia nos poemas épicos de Homéro Iliada e a Odisséia PERÍODIZAÇÃO Período Pré-Homérico (séc. XX ao XII) Período

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio.

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. HISTÓRIA DE ROMA Localização Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. Primeiros habitantes: Autóctones: nativos do local Sul Sículos Norte Lígures Povoamento Povoamento semelhante ao

Leia mais

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA

ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA ARTE PROTO-GREGA, GREGA E HELENÍSTICA Arte Proto-Grega A arte Proto-Grega também é conhecida como Creto-Micênica. Na Ilha de Creta, no Mar Egeu, desenvolveu-se uma civilização que deixou como principal

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou

1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou 1-Em janeiro de 2011, os jornais noticiaram que os protestos contra o governo do Egito poderiam ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos

Leia mais

MUNDO GREGO. - (tribo + tribo + tribo +...) = Cidade-Estado. surgimento da diferenciação social Cidade-Estado ou Polis * características: (1) (2) (3)

MUNDO GREGO. - (tribo + tribo + tribo +...) = Cidade-Estado. surgimento da diferenciação social Cidade-Estado ou Polis * características: (1) (2) (3) 1 MUNDO GREGO QUADRO NATURAL relevo montanhoso solo pobre clima árido litoral recortado mares calmos e ventos regulares atividade econômica principal * comércio marítimo PERIODIZAÇÃO Período Minoico ou

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com

Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com Profº Alexandre Goicochea goicochea94@gmail.com O aluno terá 3(três)minutos para resolver cada questão referente a Grécia Antiga, retirada de vestibulares; O aluno deverá anotar suas respostas para fazer

Leia mais

1. A FORÇA DE ESPARTA

1. A FORÇA DE ESPARTA Diferenças profundas afastavam as duas principais cidades-estado da Grécia antiga. Esparta se destacava pelo espírito guerreiro e por ser uma sociedade rigidamente estratificada. Em Atenas, ao contrário,

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

Roma. Antiguidade Clássica

Roma. Antiguidade Clássica Roma Antiguidade Clássica Características gerais Península itálica (Lácio); Rio Tibre; Solo fértil desenvolvimento da agricultura; Litoral pouco recortado ausência de portos naturais em abundância; Habitantes

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa da disciplina e metas curriculares 3º CICLO HISTÓRIA 7º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS

Leia mais

História. Caro aluno,

História. Caro aluno, História Atividades Ficha 3 os anos Benê ago/09 Nome: Nº: Turma: Caro aluno, Segue pela presente (estamos formais, não?) um conjunto de atividades propostas para a semana compreendida entre os dias 05

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

RESUMO GRÉCIA ANTIGA DA MITOLOGIA À DEMOCRACIA E O DECLÍNIO DA CIVILIZAÇÃO GREGA

RESUMO GRÉCIA ANTIGA DA MITOLOGIA À DEMOCRACIA E O DECLÍNIO DA CIVILIZAÇÃO GREGA RESUMO GRÉCIA ANTIGA DA MITOLOGIA À DEMOCRACIA E O DECLÍNIO DA CIVILIZAÇÃO GREGA PERIODIZAÇÃO Pré-Homérico (1900-1100 a.c): Período antes da formação do homem grego. Nessa época, estavam se desenvolvendo

Leia mais

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo

A GRÉCIA ANTIGA passo a passo A GRÉCIA ANTIGA passo a passo ÉRIC DARS e ÉRIC TEYSSIER Ilustrações de Vincent Caut Tradução de Julia da Rosa Simões Copyright do texto 2011 by Éric Dars e Éric Teyssier Copyright das ilustrações 2011

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19. PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano

GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19. PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano ESPARTA: UMA PÓLIS GUERREIRA Aulas: 35 PÁGS. 19 PROFª CLEIDIVAINE Disc. História / 6º ano Principal cidade na Grécia continental: Esparta organização militar único exército no mar Egeu. Lendas relatam

Leia mais

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA

ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA FACELI FACULDADE SUPERIOR DE LINHARES DISCIPLINA DE HISTÓRIA DO DIREITO CURSO DE DIREITO / 1º DIREITO B ANÁLISE DO FILME OS 300 & A CIDADE GREGA ESPARTA BARBARA LICIA JAMARA FERREIRA P. ARAUJO JANE SCHULZ

Leia mais

Identifique qual regime descrito acima e qual a cidade-estado da Grécia o adotou. R.:

Identifique qual regime descrito acima e qual a cidade-estado da Grécia o adotou. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- "Com a nova divisão

Leia mais

Material de Revisão Da Pré-História a Roma Antiga

Material de Revisão Da Pré-História a Roma Antiga Material de Revisão Da Pré-História a Roma Antiga Prof. Marcos Machry Paleolítico (do surgimento do homem à 10.000 a.c.) Organização em tribos nômades Propriedade coletiva comunismo primitivo Economia

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

ATENAS E O ESPAÇO MEDITERRÂNEO

ATENAS E O ESPAÇO MEDITERRÂNEO GUIA DE ESTUDO OS GREGOS NO SÉCULO V A.C. 7º ANO ATENAS E O ESPAÇO MEDITERRÂNEO Como se formaram as cidades-estado? 1. Como se chama a península onde se situa a Grécia? Península Balcânica. 2. Como se

Leia mais

Aula 6 A PÓLIS GREGA. Alfredo Julien

Aula 6 A PÓLIS GREGA. Alfredo Julien Aula 6 A PÓLIS GREGA META Apresentar as características básicas da organização da organização da pólis e discutir o processo de formação da pólis. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: listar

Leia mais

Povos seminômades que migraram das regiões da Europa e Ásia

Povos seminômades que migraram das regiões da Europa e Ásia TEXTO BASE: Roma Antiga Monarquia (753 509 a.c.) A história da Roma antiga divide-se politicamente em três fases: Monarquia, República e Império. Tais fases foram permeadas por constantes processos de

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO GREGA - INTRODUÇÃO

A CIVILIZAÇÃO GREGA - INTRODUÇÃO Página1 PREPARAÇÃO PARA O TESTE DE HISTÓRIA A 1º TESTE DE AVALIAÇÃO 1º PERÍODO 10º ANO UNIDADE 1: O MUNDO ATENIENSE A CIVILIZAÇÃO GREGA - INTRODUÇÃO A partir do século VIII a.c, desenvolveu-se, na Península

Leia mais

Capítulo 3 A Mesopotâmia

Capítulo 3 A Mesopotâmia Capítulo 3 A Mesopotâmia Conceitos: sociedade, Estado, trabalho, desigualdade social, urbanização, escravidão, politeísmo e patriarcalismo. Professora: Marcela Guerra Durante o Neolítico: Agricultura e

Leia mais

História Antiga. Prof Davi Ruschel

História Antiga. Prof Davi Ruschel História Antiga Prof Davi Ruschel PRÉ-HISTÓRIA Processo Evolutivo... PALEOLÍTICO (surgimento do Homem 10 mil a.c.) Idade da Pedra Lascada Organizados em tribos nômades Economia Coletora caça, pesca e coleta

Leia mais

Antiguidade Ocidental (Arte Grega)

Antiguidade Ocidental (Arte Grega) Antiguidade Ocidental (Arte Grega) PERÍODOS ARCAÍCO E CLÁSSICO CIVILIZAÇÃO GREGA - SURGIMENTO No séc. XX a.c., os povos indo-europeus dominaram a região de ilhas correspondentes ao território grego ; Como

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo

QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA. O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo QUEM DESEJAR A PAZ, PREPARE-SE PARA A GUERRA O Período republicano, foi marcado pelas conquistas territoriais que tornaram Roma a cidade-mundo EXPANSÃO ROMANA = teve duas fases INTERNA EXTERNA Conquista

Leia mais

CIVILIZAÇÃO ROMANA. Prof. Alexandre Cardoso

CIVILIZAÇÃO ROMANA. Prof. Alexandre Cardoso CIVILIZAÇÃO ROMANA Prof. Alexandre Cardoso Roma A aldeia que virou Império Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas

Leia mais

O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO

O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO Civilização Romana 753 a.c. Origem lendária: A Eneida de Virgílio: Enéias herói da guerra de Tróia, Rômulo e Remo, O rapto das sabinas. Etruscos Latinos (Palatino) e

Leia mais

UNICAMP ANTIGUIDADE CLÁSSICA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP ANTIGUIDADE CLÁSSICA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) "Os deuses, quaisquer que tenham sido as suas origens longínquas, nada mais são do que seres humanos, maiores, mais fortes, mais belos, eternamente jovens; adquiriram não só a forma humana,

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D

ALEXA X NDR D E, E O G RANDE D ALEXANDRE, O GRANDE A Macedônia é um país nos Balcãs, leste da Europa, que faz fronteira com a Grécia, Sérvia,Albânia e Bulgária. Foi anexada à Iugoslávia e no século XX, tornou-se independente LOCALIZAÇÃO

Leia mais

O MUNDO ROMANO. Profª Viviane Jordão

O MUNDO ROMANO. Profª Viviane Jordão O MUNDO ROMANO Profª Viviane Jordão LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO Europa Península Itálica Ásia África Versão Histórica Gregos 2000 a.c. Gauleses Etruscos Península Itálica Italiotas Fundam Roma A civilização

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

pater Segunda Diáspora, Os Éforos A diarquia Assembléia Popular, Ge- rúsia

pater  Segunda Diáspora, Os Éforos A diarquia Assembléia Popular, Ge- rúsia 1. SISTEMA GENTÍLICO No genos, a propriedade era comunal e todos dependiam das ordens do chefe político e religioso chamado pater. Quem integrava o genos tinha para com o pater uma relação de parentesco,

Leia mais

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA Prof.: Otto Terra ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA HISTÓRICO Poder nas mãos dos Patrícios; Sociedade censitária; Significativo aumento do número de escravos; Sociedade Patriarcal; Tensões sociais:

Leia mais