DIREITO DAS COISAS PROF. VOLTAIRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO DAS COISAS PROF. VOLTAIRE"

Transcrição

1 DIREITO DAS COISAS PONTO 1: DIREITOS DAS COISAS PONTO 2: a) SERVIDÃO, USUFRUTO, USO, HABITAÇÃO, ENFITEUSE PONTO 3: b) DIR. REAIS DE GARANTIA, PENHOR, HIPOTECA, ANTICRESE, PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL, ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM GARANTIA, CONCESSÃO DE USO ESPECIAL PARA FINS DE MORADIA E CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO. 1. SERVIDÕES: direitos reais limitados sobre coisa alheia. Pressupõe um prédio dominante e um serviente. Existe taxatividade nos direitos reais. Existem hipóteses para não ser construídos prédios acima de determinado limite. Constitui-se voluntariamente. É um dever imposto pela lei. Art CC. O direito de servidão só se constitui com a transcrição da escritura pública na matrícula do imóvel, no registro de imóveis. Difere-se da passagem forçada (instituto do direito de vizinhança que é obrigatório). _CONTÍNUAS: continuamente há servidão. Ex: de não construir acima de determinada altura, por exemplo. _DESCONTÍNUAS: às vezes se utiliza a servidão. Ex: servidão de passagem. _ APARENTE: consigo perceber visualmente. Não há necessidade de verificar na matrícula do imóvel. Ex: servidão de passagem, por exemplo, onde existe um portão, canteiro e caminho asfaltado. _ NÃO APARENTE: não consigo saber da existência, senão consultando a matrícula do imóvel. Servidão de luz (que impede uma construção para que não bloqueie a entrada de luz). **Servidão poderá ser adquirida por usucapião quando for aparente. Posso comprovar o exercício de posse. As não aparentes não podem ser usucapidas. S STF. Para usucapir a servidão o prazo é de 10 anos, desde que contínuo, de boa-fé e justo título, se não tiver justo título o prazo é de 20 anos. Art CC. 1 Art Os direitos reais sobre imóveis constituídos, ou transmitidos por atos entre vivos, só se adquirem com o registro no Cartório de Registro de Imóveis dos referidos títulos (arts a 1.247), salvo os casos expressos neste Código. 2 SÚM SERVIDÃO DE TRÂNSITO NÃO TITULADA, MAS TORNADA PERMANENTE, SOBRETUDO PELA NATUREZA DAS OBRAS REALIZADAS, CONSIDERA-SE APARENTE, CONFERINDO DIREITO À PROTEÇÃO POSSESSÓRIA. 3 Art O exercício incontestado e contínuo de uma servidão aparente, por dez anos, nos termos do art , autoriza o interessado a registrá-la em seu nome no Registro de Imóveis, valendo-lhe como título a sentença que julgar consumado a usucapião. Parágrafo único. Se o possuidor não tiver título, o prazo da usucapião será de vinte anos.

2 ** A servidão dá para o proprietário do dominante uma comodidade ou conforto, nunca é necessária; a passagem forçada, ao contrário é necessidade. Art CC. A servidão estará sempre onerando, via de regra, extinguindo-se: se o bem for desapropriado será livre de servidão; a reunião da mesma pessoa na titularidade de dois prédios do domínio; não uso por mais de 10 anos; Servidão constituída me dá o direito de exercer a posse ius possidendi (protegido pelas ações possessórias). Com a morte do serviente se transmite a servidão aos herdeiros. 2. USUFRUTO, USO, HABITAÇÃO: são temporários. _USUFRUTO: é um dos institutos da propriedade, mais completos, com relação aos demais. Posso usar, gozar e fruir da coisa móvel ou imóvel. Tem caráter personalíssimo. Não se transmite com a morte do usufrutuário. Temos o nu-proprietário (titular da propriedade, com posse indireta, cuja propriedade é disponível podendo transferi-la para terceiro sem que extinga o usufruto) e o usufrutuário (titular do usufruto, com posse direta, indisponível (a morte do usufrutuário não se transmite aos herdeiros)). O usufrutuário pode alugar o bem, não pode alienar o usufruto que possui. Princípio da elasticidade do direito de propriedade (morte do usufrutuário causa a consolidação da propriedade novamente). Pode ser de parte de um bem ou total, constituído por lei ou não. Ex: patrimônio inteiro: o usufruto dos bens dos filhos, enquanto este for menor, extinguindo-se pela maioridade dos filhos; Tem dois filhotes menores que o usufruto, sendo o uso e a habitação; _ USO: é um usufruto, intransferível; o caráter personalíssimo é mais acentuado, não posso ceder o exercício do uso para outra pessoa, por exemplo, o usuário deve usar, pessoalmente, art CC, diferentemente do usufrutuário. Não posso ceder, não posso fruir o bem. 4 Art O dono do prédio serviente tem direito, pelos meios judiciais, ao cancelamento do registro, embora o dono do prédio dominante lho impugne: I - quando o titular houver renunciado a sua servidão; II - quando tiver cessado, para o prédio dominante, a utilidade ou a comodidade, que determinou a constituição da servidão; III - quando o dono do prédio serviente resgatar a servidão. 5 Art O usuário usará da coisa e perceberá os seus frutos, quanto o exigirem as necessidades suas e de sua família. 1 o Avaliar-se-ão as necessidades pessoais do usuário conforme a sua condição social e o lugar onde viver. 2 o As necessidades da família do usuário compreendem as de seu cônjuge, dos filhos solteiros e das pessoas de seu serviço doméstico.

3 _ HABITAÇÃO: é o menor de todos. É para morar, só para bem imóvel. Motor home é direito real de uso, por ser bem móvel. Por escritura pública ou testamento. Surge por força de lei ou pela vontade das partes. Ex: por lei, o direito de habitação do cônjuge sobrevivente, art CC, a propriedade passa aos herdeiros, mas a habitação fica com o viúvo(a). Protegido por ações possessórias. É disponível. E quanto ao companheiro(a), art. 7º, único 7 Lei 9278 (da união estável), será assegurado o direito de habitação ao companheiro(a), enquanto não constituir união. Se a união não estiver declarada, o companheiro sobrevivente terá de ingressar com ação para ver declarada a união estável e após ingressar com ação possessória. Mais restrita que uso. O habitante deve, especificamente, morar no imóvel. 3. ENFITEUSE E DIREITO DE SUPERFÍCIE: _ENFITEUSE: não está mais no código. Porém, as já existentes permanecem integras e regidas pelo código de É direito real, mais forte que o usufruto, porém não chega a ser uma propriedade. Ainda, subsite sobre os terrenos de marinha. Surge, no séc. III depois de Cristo, originária do Dir. Romano, perpétuo, assim como a propriedade. Era arrendamento de terra urbana ou rural. Semelhante a um arrendamento. Posso cultivar no terreno. É alienável. Personagens: senhorio direto, enfiteuticador (tem a nua propriedade, tem a posse indireta) x enfiteuta ou rendeiro (tem enfiteuse, tem a posse direta). Ambas são disponíveis. Quem tem grandes propriedades e quer que sua terra seja cultivada. Ex: Pelourinho em Salvador, pertence à igreja Católica, sendo a senhoria direta, podendo vender. Imóveis em Petrópolis são enfiteuses. Não é propriedade, pois todo ano é preciso pagar uma prestação ao enfiteuticador chamado foro ou cano. Pago percentual sobre venda, chamado laudêmio e direito de preferência na venda ao enfiteuticador. _ o enfiteuta tem mais disposições que o usuário/usufrutuário, que nestes, respectivamente, não pode alugar, não se transferindo aos herdeiros. Os terrenos de Marinha se submetem ao regime enfitêutico, mas o enfiteuticador é a União Federal, toda vez que venderem, deverão repassar laudêmio a União Federal. Para demarcar deve-se sentir o efeito da maré, contando-se 33 metros entre a maré alta e baixa. 6 Art Ao cônjuge sobrevivente, qualquer que seja o regime de bens, será assegurado, sem prejuízo da participação que lhe caiba na herança, o direito real de habitação relativamente ao imóvel destinado à residência da família, desde que seja o único daquela natureza a inventariar. 7 Art. 7 Dissolvida a união estável por rescisão, a assistência material prevista nesta Lei será prestada por um dos conviventes ao que dela necessitar, a título de alimentos. Parágrafo único. Dissolvida a união estável por morte de um dos conviventes, o sobrevivente terá direito real de habitação, enquanto viver ou não constituir nova união ou casamento, relativamente ao imóvel destinado à residência da família.

4 Após ser extinta a enfiteuse surge o DIREITO DE SUPERFÍCIE: art CC. Acessão que é modo de acoplamento do acessório sobre o bem móvel ou imóvel. Quando construo em terreno denomina-se acessão, constituindo-se uma coisa só. O direito de SUPERFÍCIE é o direito de construir ou plantar em terreno alheio mediante registro no cartório de imóveis, sendo que esta construção não irá se incorporar ao solo, de forma que se terá a nuapropriedade (o terreno continua do proprietário) e a propriedade superficiária (dono da casa, mas não do solo). Ex: o solo do estádio do Grêmio é deste, e a Arena é da OAS, se tornando de propriedade do Grêmio após 20 anos. 2ª FASE 1. DIREITOS REAIS DE GARANTIA: _ REAIS: estabelece vínculo real ou obrigacional. Ex: penhor, hipoteca, anticrese. A garantia real gruda no bem. Se o prestador de garantia real enriquecer ou empobrecer não diminui a garantia do credor. _ FIDEJUSSÓRIAS: vínculo pessoal/ obrigacional. Relação obrigacional: credor x devedor. Exemplo: mútuo (empréstimo) que o Banrisul (mutuante) deu ao João (mutuário). Credor hipotecário e devedor hipotecário. (relação de natureza real e não hipotecário). Credor pignoratício x devedor pignoratício (penhor) Credor anticrético x credor anticrético (anticrese) 2. PENHOR, HIPOTECA, ANTICRESE _ PENHOR: se estabelece por uma garantia móvel. Esse bem móvel fica sobre a posse do credor pignoratício. Só CEF faz operações de penhor. Se não pagar a CEF não fica com o bem, deve vender para satisfazer o crédito e devolver a sobras, se houver, denominado princípio da vedação ao PACTO COMISSÓRIO. Exceção: penhor em que a posse fica com o devedor penhores especiais rural (agrícola ou agropecuário), mercantil ou industrial. Penhor de veículos surgi em 2002 e não foi utilizado. _ HIPOTECA: da o direito de o credor vender o bem para satisfazer seu crédito. Há princípio da vedação ao PACTO COMISSÓRIO. Direito real que se estabelece com relação a bens imóveis. Podem ser hipotecadas (imóveis, domínio direto e útil (aparece na enfiteuse), estradas de ferro, recursos naturais, navios e aeronaves, entre outros). Art CC. 8 Art O proprietário pode conceder a outrem o direito de construir ou de plantar em seu terreno, por tempo determinado, mediante escritura pública devidamente registrada no Cartório de Registro de Imóveis. Parágrafo único. O direito de superfície não autoriza obra no subsolo, salvo se for inerente ao objeto da concessão. 9 Art Podem ser objeto de hipoteca: I - os imóveis e os acessórios dos imóveis conjuntamente com eles; II - o domínio direto;

5 A hipoteca tem dois princípios: publicidade e especialidade. Só existem hipotecas públicas, tornando-se pública no momento em que é colocado na matrícula do imóvel. Princípio da especialidade: contém-se no próprio instrumento constitutivo, pois que dele constam os nomes das partes, o valor e a espécie da dívida garantida, bem como a descrição dos bens hipotecados. Pode resultar da lei. Quando a lei considera que algumas pessoas merecem uma garantia hipotecária. É preciso especialização da hipoteca. Art CC. _PENHOR LEGAL: art CC. Ex: João se hospeda em hotel e não paga, os hospedeiros, estes podem ficar com os bens que estão no hotel e posterior venda para satisfazer crédito. III - o domínio útil; IV - as estradas de ferro; V - os recursos naturais a que se refere o art , independentemente do solo onde se acham; VI - os navios; VII - as aeronaves. VIII - o direito de uso especial para fins de moradia; (Incluído pela Lei nº , de 2007) IX - o direito real de uso; (Incluído pela Lei nº , de 2007) X - a propriedade superficiária. (Incluído pela Lei nº , de 2007) 1 o A hipoteca dos navios e das aeronaves reger-se-á pelo disposto em lei especial. (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº , de 2007) 2 o Os direitos de garantia instituídos nas hipóteses dos incisos IX e X do caput deste artigo ficam limitados à duração da concessão ou direito de superfície, caso tenham sido transferidos por período determinado. (Incluído pela Lei nº , de 2007) 10 Art A lei confere hipoteca: I - às pessoas de direito público interno (art. 41) sobre os imóveis pertencentes aos encarregados da cobrança, guarda ou administração dos respectivos fundos e rendas; II - aos filhos, sobre os imóveis do pai ou da mãe que passar a outras núpcias, antes de fazer o inventário do casal anterior; III - ao ofendido, ou aos seus herdeiros, sobre os imóveis do delinqüente, para satisfação do dano causado pelo delito e pagamento das despesas judiciais; IV - ao co-herdeiro, para garantia do seu quinhão ou torna da partilha, sobre o imóvel adjudicado ao herdeiro reponente; V - ao credor sobre o imóvel arrematado, para garantia do pagamento do restante do preço da arrematação. 11 Art São credores pignoratícios, independentemente de convenção: I - os hospedeiros, ou fornecedores de pousada ou alimento, sobre as bagagens, móveis, jóias ou dinheiro que os seus consumidores ou fregueses tiverem consigo nas respectivas casas ou estabelecimentos, pelas despesas ou consumo que aí tiverem feito;

6 _ANTICRESE: A posse do bem fica com o credor anticrético e este usufrui desse bem ou extrai os frutos desse bem. Os frutos são computados para satisfação do débito. Art CC. Existe o direito de retenção com o credor anticrético. 3. PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL: art CC 13, Art CC 14. DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO: direito de ao final obter a escritura pública do bem imóvel. Como funciona? A promessa de compra e venda será transcrita na matrícula do imóvel. Transcorrido o prazo da obrigação e adimplida totalmente, peço a segunda escritura pública que é a que transfere definitivamente a propriedade. Se for negado, o comprador ajuíza ação em face do vendedor sendo deferida a sentença para que o registro transfira a propriedade do bem imóvel para o comprador. (Art. 466-A, 466-b, 466-C CPC 15 ). Art. 1227CC (quando não são registradas as promessas de compra e venda). O STJ relativizou o registro. S STJ. II - o dono do prédio rústico ou urbano, sobre os bens móveis que o rendeiro ou inquilino tiver guarnecendo o mesmo prédio, pelos aluguéis ou rendas. 12 Art O usufrutuário é obrigado a dar ciência ao dono de qualquer lesão produzida contra a posse da coisa, ou os direitos deste. 13 Art São direitos reais: I - a propriedade; II - a superfície; III - as servidões; IV - o usufruto; V - o uso; VI - a habitação; VII - o direito do promitente comprador do imóvel; VIII - o penhor; IX - a hipoteca; X - a anticrese. XI - a concessão de uso especial para fins de moradia; (Incluído pela Lei nº , de 2007) XII - a concessão de direito real de uso. (Incluído pela Lei nº , de 2007) 14 Art Os direitos reais sobre imóveis constituídos, ou transmitidos por atos entre vivos, só se adquirem com o registro no Cartório de Registro de Imóveis dos referidos títulos (arts a 1.247), salvo os casos expressos neste Código. 15 Art. 466-A. Condenado o devedor a emitir declaração de vontade, a sentença, uma vez transitada em julgado, produzirá todos os efeitos da declaração não emitida.(incluído pela Lei nº , de 2005) Art. 466-B. Se aquele que se comprometeu a concluir um contrato não cumprir a obrigação, a outra parte, sendo isso possível e não excluído pelo título, poderá obter uma sentença que produza o mesmo efeito do contrato a ser firmado. (Incluído pela Lei nº , de 2005) Art. 466-C. Tratando-se de contrato que tenha por objeto a transferência da propriedade de coisa determinada, ou de outro direito, a ação não será acolhida se a parte que a intentou não cumprir a sua prestação, nem a oferecer, nos casos e formas legais, salvo se ainda não exigível. (Incluído pela Lei nº , de 2005) 16 SÚM O direito à adjudicação compulsória não se condiciona ao registro do compromisso de compra e venda no cartório de imóveis.

7 4. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA EM GARANTIA. (propriedade fiduciária) Ex: financiamento de automóvel. No momento em que celebro o contrato de mútuo (financiamento) transfiro para a financeira a propriedade fiduciária. (a financeira tem a posse indireta) o alienante (a posse direta). Essa propriedade é resolúvel que em algum momento se resolverá (extinguirá) por termo ou condição. Art CC. Existe vedação ao pacto comissório. Súmula Vinculante nº: STF. (aplicabilidade do pacto são José da Costa Rica, do qual o Brasil é signatário, prevendo que não há prisão do infiel depositário). Diferença entre alienação fiduciária e penhor de veículo: no segundo a financeira é credor de um direito real; no primeiro a financeira é proprietária do bem, este último é melhor, processualmente, e materialmente podendo buscar o bem onde quer que esteja. 5. CONCESSÃO DE USO ESPECIAL PARA FINS DE MORADIA E CONCESSÃO DE DIREITO REAL DE USO: _ CONCESSÃO DE USO ESPECIAL PARA FINS DE MORADIA: ART. 1225, INC. XI CC. É direito real autônomo. Não previsto no código de forma ampla. Origem? Aparece pela primeira vez no projeto Estatuto das Cidades, mas foi vetado e reintroduzido na ordem jurídica pela MP 2220./01. Os bens públicos não são usucapíveis (5 anos). É semelhante à USUCAPIÃO, mas se adquire o direito de usar apenas, deve ser declarado administrativa ou judicialmente. _ CONCESSÃO DO DIREITO REAL DE USO: ART. 1225, INC. V, CC. Modalidade pela qual a União pode atribuir o uso, por conveniência. Ex: a União tem terreno, e passa o direito de uso a um Município para determinada construção de hospital. 17 Art Resolvida a propriedade pelo implemento da condição ou pelo advento do termo, entendem-se também resolvidos os direitos reais concedidos na sua pendência, e o proprietário, em cujo favor se opera a resolução, pode reivindicar a coisa do poder de quem a possua ou detenha. 18 SÚM. VINC. Nº 25 - É ILÍCITA A PRISÃO CIVIL DE DEPOSITÁRIO INFIEL, QUALQUER QUE SEJA A MODALIDADE DO DEPÓSITO.

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS Conceitos iniciais 1.1 Conceito de direito das coisas. A questão terminológica 1.2 Conceito de direitos reais. Teorias justificadoras e caracteres. Análise preliminar

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das Coisas; Introdução; Conceito e Distinção entre Direitos Reais e Pessoais; Conteúdo; Regime Constitucional dos Direitos

Leia mais

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila

GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila GABARITO DIREITOS REAIS Professora Priscila 01) Assertiva falsa de acordo com o 2º do art. 1420 do CC: Art. 1.420. Só aquele que pode alienar poderá empenhar, hipotecar ou dar em anticrese; só os bens

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002

NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 NOVO CÓDIGO CIVIL LEI NO 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002 Augusto Polese Paulo Hajime Arimori Priscila Negrão Taís Jeane Ortolan CADASTRO TERRITORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso Direitos Reais Rol taxativo previsto no artigo 1225 Direitos reais de gozo ou fruição - Propriedade - - - - - - - - - - - - único sobre coisa PRÓPRIA - Superfície - Servidões - Usufruto - Uso - Habitação

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º

ITBI ITBI ITBI ITBI. Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º ITBI Art. 156, II Constituição Federal e parágrafo 2º DECRETO Nº 27.576, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2006. RITBI ITBI O Código Tributário Nacional - CTN (Lei 5.172, de 25.10.1966), rege o Imposto sobre a Transmissão

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS Rosivaldo Russo D. DAS COISAS a. Condomínio b. D. Reais sem coisa alheia c. D. Reais de garantia CONDOMÍNIO NATUREZA JURÍDICA DO CONDOMÍNIO # É o mesmo que o D. Brasileiro

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL V Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275

12.6.9 Servidão administrativa, requisição e ocupação provisória, 275 1 O universo dos direitos reais, 1 1.1 Relação das pessoas com as coisas, 1 1.2 Direitos reais e direitos pessoais, 4 1.3 Divagações doutrinárias acerca da natureza dos direitos reais, 11 1.4 Situações

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS Art. 2º da Lei 11.795/08: Consórcio é a reunião de pessoas naturais e jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima;

Em regra, todos os créditos podem ser cedidos (art. 286 CC) a) Créditos de natureza personalíssima; Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 11 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: V- Transmissão das Obrigações: 1. Cessão de Crédito. V - Transmissão das Obrigações: 1. CESSÃO

Leia mais

Professor : André Luiz Oliveira Santos. (continuação) Itapetininga SP

Professor : André Luiz Oliveira Santos. (continuação) Itapetininga SP Professor : André Luiz Oliveira Santos (continuação) Itapetininga SP 2015 2 5. GARANTIAS DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Baseiam-se na confiança, isto é, se o devedor não pagar, uma terceira pessoa (que

Leia mais

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver

Leia mais

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

AULA 05 SFN: GARANTIAS REAIS

AULA 05 SFN: GARANTIAS REAIS 1 2 1. Compreender Alienação Fiduciária, Penhor, Hipoteca e Anticrese 2. Conceituar e classificar as Garantias Reais 3. Entender a Alienação Fiduciária; 4. Entender o Penhor; 5. Entender a Hipoteca; 6.

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Aula Ministrada pelo Prof. Durval Salge Jr. 1-) Promessa de Compra e Venda: a) Conceito: São direitos reais de aquisição os adquiridos em favor do compromissário

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível

Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4. Divisível. 5 - Indivisível Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil - Obrigações / Aula 09 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: IV - Modalidades de Obrigação. 2. Não fazer. 3. Dar Coisa Certa e Incerta. 4.

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO

PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO PATRIMÔNIO E INVENTÁRIO Contador José Carlos Garcia de Mello MELLO 1 Controle Patrimonial MELLO 2 PATRIMÔNIO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito Patrimônio Público, segundo Heilio Kohama, "compreende o conjunto

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA

1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA 1º ENCONTRO REGINAL DO CORI/MG EM VARGINHA DAS CÉDULAS DE CRÉDITO HUMBERTO GOMES DO AMARAL RI MUZAMBINHO rimuzambinho@yahoo.com.br Telefone: 035-3571-5041 1- Cédula de Crédito Bancário Alienação Fiduciária

Leia mais

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA

SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Direito Administrativo Aula 06 Professora Giovana Garcia SERVIDÃO ADMINISTRATIVA Definição: é direito real público que autoriza à Administração usar da propriedade imóvel, particular ou pública, limita

Leia mais

Direito Civil. Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias. Prof. Marcio Pereira

Direito Civil. Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias. Prof. Marcio Pereira Direito Civil Dos Direitos Reais Sobre Coisas Alheias Prof. Marcio Pereira DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS (art. 1225 CC) São classificados em: Direitos reais de gozo e fruição :superfície, servidão,

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL

USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL USUCAPIÃO INSTRUÇÕES PARA PETIÇÃO INICIAL PODER JUDICIÁRIO ĬSUMÁRIO I L. A espécie de Usucapião pág 3 II. O(s) autor(es) e seus documentos pág 4 III. O imóvel usucapiendo pág 6 IV. Antecipação de perícia

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 496, DE 19 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre o limite de endividamento de Municípios em operações de crédito destinadas

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

USUFRUTO. 1) Conceito:

USUFRUTO. 1) Conceito: USUFRUTO 1) Conceito: O usufruto é um dos chamados direitos reais sobre coisa alheia. Para Sílvio de Salvo Venosa 1 usufruto é um direito real transitório que concede a seu titular o poder de usar e gozar

Leia mais

Garantia Bancária Parte 02

Garantia Bancária Parte 02 Garantia Bancária Parte 02 Garantias Definição: As garantias tem com objetivo dar reforço a segurança nas operações de crédito. Durante uma operação de crédito as garantias deverão ser examinadas em conjunto

Leia mais

Sumário PALAVRAS PRÉVIAS (À GUISA DE APRESENTAÇÃO DA 10ª EDIÇÃO)... 15 PREFÁCIO... 19 APRESENTAÇÃO... 21 INTRODUÇÃO... 23

Sumário PALAVRAS PRÉVIAS (À GUISA DE APRESENTAÇÃO DA 10ª EDIÇÃO)... 15 PREFÁCIO... 19 APRESENTAÇÃO... 21 INTRODUÇÃO... 23 Sumário PALAVRAS PRÉVIAS (À GUISA DE APRESENTAÇÃO DA 10ª EDIÇÃO)... 15 PREFÁCIO... 19 APRESENTAÇÃO... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo I DIREITOS REAIS... 27 1. Conceito... 27 2. Características Fundamentais

Leia mais

PROJECTO CÓDIGO CIVL

PROJECTO CÓDIGO CIVL PROJECTO CÓDIGO CIVL APRESENTAÇÃO PÚBLICA Novembru 2008 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Direcção Nacional de Assessoria Jurídica e Legislação PROJECTO DE CÓDIGO CIVIL LIVRO I - PARTE GERAL LIVRO II DIREITO DAS OBRIGAÇÕES

Leia mais

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS

TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS TABELA II ATOS DO OFICIAL DO REGISTRO DE IMÓVEIS 1 - Registro, por todos os atos: I - com valor, inclusive certidão: de acordo com o ANEXO 3; II - sem valor (pactos antenupciais, citação, etc.): R$ 21,70

Leia mais

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material.

DOS BENS. BENS CORPÓREOS = Aquele que tem existência: física, material. DOS BENS CONCEITO: Bens são coisas materiais ou concretos, úteis aos homens e de expressão econômica, suscetível de apropriação. COISA É O GÊNERO DO QUAL O BEM É ESPÉCIE. A classificação dos bens é feita

Leia mais

1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS.

1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS. 1. DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS. O proprietário reúne sobre si os atributos de usar, gozar, dispor e reaver a coisa. Alguns entendem que esse direito é ilimitado, em virtude da possibilidade de

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 309, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS O que é a propriedade fiduciária? A propriedade fiduciária decorre de um negócio jurídico, denominado alienação fiduciária,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Compra e venda com reserva de domínio Raquel Abdo El Assad * Através da compra e venda com reserva de domínio, não se transfere a plena propriedade da coisa ao comprador, pois ao

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1)

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1) (I) DO COMPRADOR ( ) Ficha Cadastral do Proponente (Original, preenchida, datada e assinada) ( ) Documento de Identidade de todos os compradores e seus respectivos cônjuges, se for o caso ( ) CPF de todos

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1.

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1. SUMÁRIO RESUMO... 13 PREFÁCIO... 15 INTRODUÇÃO... 19 1 CONTRATOS... 23 1.1 Noções gerais... 23 1.2 Conceito... 25 1.3 Elementos do contrato... 26 1.3.1 Elementos essenciais... 26 1.3.1.1 Agente capaz...

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

LEILÃO. atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7

LEILÃO. atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7 atualizado em 10/11/2015 alterados os itens 1 a 7 2 ÍNDICE 1. CONCEITOS INICIAIS...5 2. FATO GERADOR DO ICMS...5 3. LOCAL DA OPERAÇÃO...5 4. CONTRIBUINTE E RESPONSÁVEL TRIBUTÁRIO...6 4.1. Contribuinte...6

Leia mais

Aqui você vai encontrar esclarecimentos importantes a respeito de seus direitos.

Aqui você vai encontrar esclarecimentos importantes a respeito de seus direitos. ESTIMADO MORADOR, SAUDAÇÕES! ESTA É A CARTILHA QUE A CDHU PREPAROU PARA FALAR DO IMÓVEL QUE VOCÊ ESTÁ ADQUIRINDO, COM INFORMAÇÕES SOBRE O SEU CONTRATO COM A CDHU. Aqui você vai encontrar esclarecimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010:

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Extinção de dívidas do contrato Compra do imóvel com base no art. 12 da Lei nº 11.483/2007 Substituição do beneficiário do contrato de compra e venda ou cessão de direitos Emissão

Leia mais

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante

Leia mais

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário 1 ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário Posição histórica Também conhecido como sisa, até 1988 era da competência dos Estados. A partir da Constituição Federal de 1988, passou

Leia mais

A previsibilidade legal da evicção consiste numa garantia de segurança do adquirente.

A previsibilidade legal da evicção consiste numa garantia de segurança do adquirente. 12 - EVICÇÃO O termo evicção traduz idéia de perda, ser vencido, perder e ocorre quando o adquirente de um bem perde a posse e a propriedade do mesmo em virtude de ato judicial ou administrativo que reconhece

Leia mais

DIREITO REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS

DIREITO REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITO CIVIL VII COISAS Prof. James Siano 09/8/2011 Programa I- Direitos reais sobre coisas alheias - superfície (+ enfiteuse) - servidão predial - usufruto - uso - habitação - compromisso de compra

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011.

Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Rio de Janeiro, 26 de julho de 2011. Ementa: Direito Administrativo e tributário. Desapropriação de imóvel urbano Responsabilidade pelo pagamento da dívida de IPTU e Compensação com o valor a ser recebido

Leia mais

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL ATENDIMENTO JURISDICIONAL DOCUMENTOS PARA O ATENDIMENTO Documento de identificação pessoal (identidade ou certidão de nascimento) Certidão de casamento (se for casado) CPF Comprovante de renda de até 3

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Empresarial - Títulos de crédito em espécie e falência / aula 07 Professor: Wagner Moreira. Conteúdo: Ações Cambiais / Monitoria / Cédulas e Notas de

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel 28 de Outubro de 2011 ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS Alienação fiduciária de bens imóveis - surgiu com a edição da Lei 9.514, de 20 de novembro

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato.

Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. DIREITOS REAIS Posse = corpus = conduta de dono (art.1196 C.C. Teoria Objetiva de Ihering) Propriedade X Posse Propriedade é matéria de direito e posse é matéria de fato. Excepcionalmente um proprietário

Leia mais

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO N, DE DE DE 2012. Regulamenta a aplicação da Convenção da Cidade do Cabo e seu Protocolo Relativo a Questões Específicas ao Equipamento Aeronáutico. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO

Leia mais

3-Considere: 2-Alexandre é agente diplomático do Brasil na Austrália. Citado em

3-Considere: 2-Alexandre é agente diplomático do Brasil na Austrália. Citado em MATERIAL DE REVISÃO DIREITO CIVIL BANCA: FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS A) Bens 1-Considere as seguintes hipóteses: I. Na reforma da residência de Otávio, foi retirada toda a lareira da sala para pintura das paredes

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais