Metodologia de Cálculo da Receita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologia de Cálculo da Receita"

Transcrição

1 Metodologia de Cálculo da Receita A elaboração da presente memória de cálculo destina-se ao esclarecimento da metodologia utilizada para a obtenção dos valores previstos na formação das principais receitas, para o exercício de Realizou-se um levantamento dos valores arrecadados em 2009 e 2010, bem como uma reestimativa para Também serviram de subsídios as informações coletadas junto aos órgãos que compõem o Poder Executivo Municipal (Secretarias e Assessorias), além de estudos técnicos fornecidos pela FAMURS, Secretaria da Fazenda do Estado do RS e Confederação Nacional dos Municípios, bem como, pela observação e análise da conjuntura econômica atual e seus reflexos na arrecadação Municipal. A FAMURS, através da Área de Receitas Municipais, disponibilizou um estudo técnico com subsídios para elaboração do orçamento para o ano de 2012, baseado na Proposta Orçamentária do Estado e em informações da Secretaria do Tesouro Nacional - STN. Também foi publicado e divulgado o índice provisório do retorno do ICMS para o ano de 2012, pelo Departamento Tecnológico de Informações Fiscais DTIF, que, para o nosso Município ficou estabelecido em 0,653886, com queda de 3,5% em relação ao ano anterior. Este índice é utilizado para cálculo dos valores individuais de ICMS, IPI-Exportação, FEX e LC 87/96. Quanto às receitas próprias, foi utilizada a reestimativa para 2011, com um acréscimo de 4,5%, que é o índice previsto de inflação. Salientamos que as receitas previstas no Orçamento de 2012 alteram e atualizam, automaticamente, o Plano Plurianual e a Lei de Diretrizes Orçamentárias 2012.

2 TRANSFERÊNCIAS Cota-parte do ICMS Registra o valor da arrecadação de receita de transferência da participação de municípios na arrecadação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços ICMS, pelo Estado. Sendo a quota municipal geral do Estado prevista em R$ ,00 e tendo o Município de Alegrete o índice de participação de 0,653886, projeta-se uma arrecadação de R$ ,00 para Cota-parte IPI sobre Exportação Registra o valor da arrecadação de receita de transferência da participação de municípios na arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados IPI para exportação. Sendo a quota municipal geral do Estado prevista em R$ ,00e tendo o Município de Alegrete o índice de participação de 0,653886, projeta-se uma arrecadação de R$ ,00 para Transferência Financeira do ICMS Desoneração LC 87/96 Registra o valor total dos recursos de transferências da União aos Estados, Distrito Federal e aos Municípios, atendidos os limites, critérios, prazos e demais condições fixadas no anexo à Lei Complementar nº. 87, de 13/09/96, com base no produto de arrecadação do Imposto Estadual sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transportes Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS. Sendo a quota municipal geral do Estado prevista em R$ ,00 e tendo o Município de Alegrete o índice de participação de 0,653886, projeta-se uma arrecadação de R$ ,00 para Auxílio Financeiro Esforço Exportador (MP 193/04) Registra o valor da transferência recebida da União referente ao auxílio exportador CEX (Registra o valor da arrecadação de receita de transferência da Compensação Financeira), instituída pela Medida Provisória 193.

3 Sendo a quota municipal geral do Estado prevista em R$ ,00 e tendo o Município de Alegrete o índice de participação de 0,653886, projeta-se uma arrecadação de R$ ,00 para Cota-parte do Fundo de Participação dos Municípios FPM Registra o valor total das receitas recebidas através de cota-parte do Fundo de Participação dos Municípios. O Município de Alegrete, conforme divulgado pelo TCU, enquadra-se no coeficiente 2.6, tendo as seguintes previsões para 2012: Coeficiente Valor Bruto R$ Cota-extra (1%) Previsão Total-R$ 2, , , ,00 A cota-extra refere-se ao aumento de 1% (um) ponto percentual no total do Fundo (22,5% para 23,5%), que é repassado anualmente, em cota única, no mês de dezembro. Cota-parte do Imposto sobre Propriedade Territorial Rural ITR Registra o valor das receitas recebidas através de transferências do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural. O Município de Alegrete celebrou convênio com a Receita Federal para a fiscalização, lançamento e cobrança do ITR, habilitando-se a receber 100% da arrecadação, com desconto de 20% para o FUNDEB, projetando-se uma arrecadação de R$ ,00. Cota-parte do IPVA Registra o valor da arrecadação de receita de transferência da participação de municípios na arrecadação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores IPVA, pelo Estado. Considerando os valores orçados pelo Estado para 2012, o crescimento previsto é de 8,86% sobre o reestimado para 2011, projetando-se uma arrecadação de R$ ,00

4 Cota-parte de Contribuição na Intervenção no Domínio Econômico CIDE Registra o valor total das receitas recebidas pelos municípios através de transferências constitucionais da contribuição de intervenção no domínio econômico (Emenda Constitucional nº. 42, de 19/12/2003) CIDE. A CIDE tem coeficiente próprio, divulgado pelo TCU, que para o Município de Alegrete, conforme o número de habitantes fornecido pelo IBGE, enquadra-se em 0, Sendo a quota municipal geral do Estado prevista em R$ ,00 e tendo o Município de Alegrete o índice de participação de 0,605689, projeta-se uma arrecadação de R$ ,00 para Transferência do Salário-Educação Registra o valor dos recursos de transferência da União a título de Salário- Educação, na forma da Lei /03. São considerados todos os alunos da educação básica pública (educação infantil, ensino fundamental e médio regulares, ensino médio integrado, educação especial, EJA presencial, com avaliação no processo). Para encontrar o valor do Município de Alegrete, multiplica-se a quota-aluno preliminar do salário-educação (R$ 206,80) pelo total de alunos da rede municipal de ensino básico (6.120 alunos), obtendo-se o valor estimado de R$ ,00 para Transferência de Recursos do FUNDEB Registra o valor total dos recursos de transferências recebidos diretamente do FUNDEB, independente do valor que foi deduzido do ente para a formação do FUNDEB. Com base nas matrículas da educação básica, consideradas no FUNDEB em 2011, e previsões da quota-aluno preliminares, divulgadas pela FAMURS, obtém-se a previsão de recebimento de recursos a título de transferências do FUNDEB para 2012 (valor da quota-aluno multiplicado pelo número de alunos matriculados na etapa correspondente), no montante de R$ ,00 (arredondado):

5 Etapa Estimativa Quota-aluno R$ Número Alunos Total R$ Creche tempo integral 3.148, ,68 Creche tempo parcial 2.099, ,06 Creche conveniada integral Creche conveniada parcial Pré-escola tempo integral e conveniada Pré-escola tempo parcial e conveniada Séries iniciais fundamental urbano Séries finais fundamental urbano 2.886, , , , , , , , , , , ,94 Tempo integral 3.411, ,52 EJA com avaliação no processo 2.099, ,29 Educação Especial 3.148, ,68 Total ,42 IPTU Registra o valor total da arrecadação de imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana, de competência dos municípios. Tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza ou por acessão física, como definido na lei civil, localizado na zona urbana do Município. De acordo com o valor projetado do IPTU para 2011, acrescido da previsão de inflação (4,5%), estima-se o valor de R$ ,00 para Tendo em vista o comportamento de arrecadação dessa receita nos últimos anos, e a previsão de descontos a serem concedidos por ocasião dos pagamentos em parcela única, previmos uma arrecadação efetiva de R$ ,00, sendo o valor de R$ ,00 lançado nas deduções de receita e R$ ,00 na Reserva de Contingência a título de Riscos Fiscais.

6 As demais receitas que compõem a previsão de receitas para o orçamento de 2012 foram estimadas acrescendo-se 4,5% (previsão da inflação) aos valores reestimados para A presente Metodologia de Cálculo da Receita é composta pelos seguintes demonstrativos: I Demonstrativo das Projeções da Receita; II Demonstrativo das Projeções da Receita por recurso; III Demonstrativo da Previsão da Receita do Poder Legislativo; O Demonstrativo das Projeções da Receita contém a identificação dos totais da receita prevista por categoria econômica e por fontes de receita, bem como os respectivos desdobramentos, com a identificação dos recursos correspondentes. O Demonstrativo das Projeções da Receita por recurso contém a identificação de todos os recursos (código e denominação) a serem utilizados no período para fazer frente às ações propostas. O Demonstrativo da Previsão da Receita do Poder Legislativo apresenta a base de cálculo a ser utilizada, conforme art. 29-A da CF e inciso VI do art. 59 da LC Federal n. 101/2000. Salienta-se que os Demonstrativos elencados acima são os mesmos utilizados na LDO 2012, com a identificação da Perspectiva 8, que diz respeito ao Orçamento, atualizados com os ajustes nos valores das principais receitas, conforme explicitado anteriormente.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159)

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159) Programa 0903 - Operações Especiais: Transferências Constitucionais e as Decorrentes de Legislação Específica Número de Ações 22 0044 - Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal - FPE (CF,

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) Interpretação da Lei 11.

Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) Interpretação da Lei 11. Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) Interpretação da Lei 11.494/2007 FUNDEB Quais os aspectos gerais e parâmetros operacionais

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1.1 O que é o Fundeb? 1.2 Quais os recursos que compõem o Fundeb? 1.3 O Fundeb é Federal, Estadual ou Municipal? 1.4 Qual a vigência do Fundeb?

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CACEQUI Estado do Rio Grande do Sul METODOLOGIA UTILIZADA PARA CÁLCULO DA RECEITA PARA PPA 2014-2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE CACEQUI Estado do Rio Grande do Sul METODOLOGIA UTILIZADA PARA CÁLCULO DA RECEITA PARA PPA 2014-2017 1 METODOLOGIA UTILIZADA PARA CÁLCULO DA RECEITA PARA PPA 2014-2017 IPTU 2014 => Valor corrigido de 2010 somado com o corrigido de 2011 somado com o corrigido 2012 e somado com IPTU 2015 => Valor corrigido

Leia mais

Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo

Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo Teresinha Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo O QUE QUER DIZER A SIGLA FUNDEF? Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) RECEITAS DO ENSINO 1 - RECEITA DE IMPOSTOS 666.027,96 666.027,96 543.552,01 81,61 1.1- Receitas Resultante Imposto s/ Propriedade Predial

Leia mais

Considerações Preliminares - O Papel da STN

Considerações Preliminares - O Papel da STN Secretaria do Tesouro Nacional Transferências Constitucionais de Repartição Tributária FUNDOS DE Fundo INVESTIMENTOS de Participação REGIONAIS do Municípios - FPM Uma contribuição i à Discussão acerca

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 508.511.839,00 508.511.839,00 99.498.308,43 191.352.419,40 37,63 1.1-

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Planejamento da Gestão Pública Planejar é essencial, é o ponto de partida para a administração eficiente e eficaz da máquina pública, pois

Leia mais

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES

R E C E I T A G E R A L RECURSOS DE TODAS AS FONTES TESOURO OUTRAS FONTES T O T A L ----------------------------------------------------------------------------------------------------- CÓDIGO E S P E C I F I C A Ç Ã O RECURSOS OUTROS TOTAL RECURSOS OUTROS

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 12/2014

NOTA TÉCNICA N o 12/2014 NOTA TÉCNICA N o 12/2014 Brasília, 21 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Fundo de Participação dos Municípios (FPM) REFERÊNCIA: Constituição Federal de 1988; Resolução TCU nº242; Lei 5.172/1966,

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 53/2006 FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (FUNDEB) Ary Jorge Advogado

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E.

RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E. RELATÓRIO E PARECER DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO GESTÃO DOS RECURSOS VINCULADOS AO M.D.E. O Órgão de Controle Interno do Município, atendendo ao que determina o art. 113, inciso II, letra b, da Resolução

Leia mais

R$1,60 por imóvel em apenas 3 minutos cada avaliação!

R$1,60 por imóvel em apenas 3 minutos cada avaliação! AVALIAÇÕES DE IMÓVEIS ONLINE PORTIFÓLIO PARA PREFEITURAS MUNICIPAIS A melhor solução para atualização dos valores de IPTU s e ITBI e ITR R$1,60 por imóvel em apenas 3 minutos cada avaliação! Copyright

Leia mais

Daniele Regina dos Santos/2014 2

Daniele Regina dos Santos/2014 2 Daniele Regina dos Santos/2014 2 O ORÇAMENTO Em 1215, a Magna Carta outorgada pelo Rei João Sem- Terra, pôs fim à instituição e cobrança indiscriminadas de impostos na Inglaterra, bem como à destinação

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

ENTENDENDO A PREFEITURA

ENTENDENDO A PREFEITURA EDUCAÇÃO FISCAL Sensibilizar o cidadão para a função socioeconômica do Tributo; Facilitar e estimular o cumprimento da obrigação tributária pelo cidadão; Incentivar a sociedade a acompanhar e fiscalizar

Leia mais

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA

ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA ANEXO PROPOSTA DE REFORMA TRIBUTÁRIA QUADROS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS, PARTILHAS E TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS VIGENTES E PROPOSTAS RESUMO DAS COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS UNIÃO, ESTADOS

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como primeira etapa da educação básica (artigo 29) e delega a ela a finalidade Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade de "desenvolvimento integral da criança até seis anos

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 1 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Objetivo: Atender a Lei 12.546/2011 (Confira as principais alterações legais no fim deste tutorial). Benefícios: Conceder benefícios adicionais para as empresas de setores

Leia mais

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE

Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19. Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Apresentação... 17 Prefácio... 19 Parte I TRIBUTOS EM ESPÉCIE Capítulo I IMPOSTO... 25 1. Imposto... 27 1.1. Sínteses das

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014.

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 004/2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para os registros patrimoniais e orçamentários do Fundo

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 15/2015 ARRECADAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS E VALORES PARTILHADOS COM ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS. Maria Emília Miranda Pureza Núcleo

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Outubro/2011 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Nelson Antônio

Leia mais

Betha Sistemas. Exercício de 2008. Diferenças Para Menos. Títulos Orçada Arrecadada Para mais

Betha Sistemas. Exercício de 2008. Diferenças Para Menos. Títulos Orçada Arrecadada Para mais RECEITAS 7.755.352,00 9.068.424,29 1.699.148,82 386.076,53 RECEITAS CORRENTES 7.046.205,00 7.954.527,74 1.088.160,33 179.837,59 RECEITA TRIBUTARIA 439.958,00 838.479,87 410.757,10 12.235,23 IMPOSTOS 367.368,00

Leia mais

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Fundo Especiais Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Facilitador : Toribio Nogueira de Carvalho Contador, Pós-Graduado em Contabilidade Pública Fundos Especiais Organização e estrutura de mecanismo financeiro,

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo

APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo RECEITA ESTIMADA E DESPESA FIXADA - EDUCAÇÃO APLICAÇÃO NA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ART. 212 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Impostos e Transferências considerados para o Cálculo IPTU 134.000,00 IRRF

Leia mais

Quadro-Resumo da Competência Privativa

Quadro-Resumo da Competência Privativa Quadro-Resumo da Competência Privativa DA UNIÃO SIGLA NOME FATO GERADOR BASE DE CÁLCULO CONTRIBUINTE II importação de produtos estrangeiros Entrada no território nacional A unidade de medida adotada pela

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAFELANDIA AVENIDA JACOB ZUCCHI, 200 - CNPJ:46186375/0001-99

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAFELANDIA AVENIDA JACOB ZUCCHI, 200 - CNPJ:46186375/0001-99 TABELA EXPLICATIVA - LEGISLAÇÃO DA RECEITA Página 1 1000.00.00.00 1100.00.00.00 1110.00.00.00 1112.00.00.00 1112.02.01.00 1112.02.02.00 1112.04.00.00 1112.04.31.00 1112.08.00.00 1113.00.00.00 1113.05.00.00

Leia mais

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1

PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 PARTE GERAL FUNDAMENTOS CONSTITUCIONAIS DO DIREITO TRIBUTÁRIO, 1 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO TRIBUTÁRIO, 3 1.1 Introdução, 3 1.1.1 Sistema jurídico-tributário, 3 1.2 Finalidade do Estado, 5 1.3 Atividade financeira

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL ABRIL/2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

PODER EXECUTIVO Prefeitura Municipal de Santa Tereza do Tocantins

PODER EXECUTIVO Prefeitura Municipal de Santa Tereza do Tocantins Lei nº 208/2008. de 12 de junho de 2008. "Dispõe sobre as Diretrizes Gerais para a elaboração da Lei Orçamentária de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TEREZA DO TOCANTINS, no interesse

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Direito Tributário Professora: Aline Martins Comentários da prova ISS-SJC/SP Prof. Aline Martins 1 de 7 ANÁLISE DAS QUESTÕES DE DIREITO TRIBUTÁRIO ISS-SJC/SP Oi pessoal! Vou comentar abaixo as quatro questões de Direito Tributário da prova do concurso

Leia mais

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI Receita Prevista e Realizada - Balanço Orçamentário (Artigo 2º, Inciso XIV da I.N. nº 028/1999) Admiministração Direta, Indireta e Fundacional Títulos Orçada

Leia mais

Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações FEX

Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações FEX MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações FEX JULHO/2014 1 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL JUNHO/2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 TRIBUTOS Modalidades 1 MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto existem

Leia mais

Imposto Sobre a Propriedade Territorial Rural ITR

Imposto Sobre a Propriedade Territorial Rural ITR MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional STN O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS Imposto Sobre a Propriedade Territorial Rural ITR JULHO/2014 1 APRESENTAÇÃO

Leia mais

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL LEGISLAÇÃO BÁSICA LEI Nº 11.738, DE 16/07/2008 1 Profissionais têm direito ao piso piso. O art. 1º e o 2º do art. 2º definem quais profissionais têm direito

Leia mais

- Imposto com função regulatória, também chamado de imposto aduaneiro de importação.

- Imposto com função regulatória, também chamado de imposto aduaneiro de importação. 1. DIREITO TRIBUTÁRIO 1.5. Imunidade Tributária - Nenhum ente federativo pode criar impostos sobre: a) Patrimônio, renda ou serviços uns dos outros; b) Templos de qualquer culto; c) Partidos políticos,

Leia mais

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA

Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA Governo Municipal de Rondon do Pará ORÇAMENTO PROGRAMA PARA 2014 - Consolidado DEMONSTRATIVO DA LEGISLAÇÃO DA RECEITA MESTRE 1000.00.00.00.00 Receitas Correntes 1100.00.00.00.00 Receita Tributária 1110.00.00.00.00

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012

AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA...para Demonstrar e Avaliar o Cumprimento das Metas Fiscais referentes ao terceiro quadrimestre do exercício de 2012 PREFEITURA DE SÃO JOSÉ SECRETARIA DE FINANÇAS EDITAL DE CONVOCAÇÃO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

Balancete Financeiro - RECEITA

Balancete Financeiro - RECEITA Balancete Financeiro Pagina 1/6 RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 5.554.843,81 55.865.864,51 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 596.903,38 5.277.172,60 1.1.1.0.00.00.00.00

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

TIPO DE DOCUMENTO PRAZO FUNDAMENTO LEGAL. Alvará Permanente **** Atestado Médico/Abono de Falta 10 anos Lei 8.212/91 artigo 46

TIPO DE DOCUMENTO PRAZO FUNDAMENTO LEGAL. Alvará Permanente **** Atestado Médico/Abono de Falta 10 anos Lei 8.212/91 artigo 46 PRAZOS PARA GUARDA DE DOCUMENTOS Importante: Os documentos contidos nessa lista não são exaustivos, o intuito é direcionar e contribuir para organização da empresa. Porém deve- se analisar qualquer particularidade

Leia mais

Acordos de Compensação de Horas 05 anos CF artigo 7º, inciso XXIX. Advertência e Suspensão 05 anos CF artigo 7º, inciso XXIX. Alvará Permanente ****

Acordos de Compensação de Horas 05 anos CF artigo 7º, inciso XXIX. Advertência e Suspensão 05 anos CF artigo 7º, inciso XXIX. Alvará Permanente **** PRAZOS PARA GUARDA DE DOCUMENTOS Importante: Os documentos contidos nessa lista não são exaustivos, o intuito é direcionar e contribuir para organização da empresa. Porém deve-se analisar qualquer particularidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE

O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE Amauri Ramos de Campos 1 Cleiton Fernandes Guimarães 2 Edson Rodrigues da silva 3 MirivanCarneiro Rios 4 RESUMO: O presente

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais

Tributos em espécie. Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais Tributos em espécie Impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais 1 Espécies tributárias Impostos Taxas De polícia De serviço Contribuição de melhoria Empréstimo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014

Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda. Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 Prefeitura Municipal de Marília Secretaria da Fazenda Audiência Pública 3º Quadrimestre de 2014 FUNDAMENTO LEGAL O artigo 9º, parágrafo 4 da Lei Complementar nº 101 de 04/05/2000 (Lei de Responsabilidade

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014 Solicitação de Trabalho nº 253/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS DA FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1. Introdução O presente

Leia mais

3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F.

3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F. 3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F. Dourado - UFG A temática do financiamento da educação tem assumido importante

Leia mais

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22

CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 CAPÍTULO 1 - TRIBUTOS 1.1 CONCEITO DE TRIBUTO...16 1.2 ESPÉCIES DE TRIBUTOS...20 1.3 COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...22 1.3.1 CARACTERÍSTICAS DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA...25 1.3.1.1 INDELEGABILIDADE...25 1.3.1.2

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 3/5-7 Conceituação e classificação de receita pública. 8 Classificação orçamentária de receita pública por categoria econômica no Brasil. 9.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL AGOSTO 2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL

ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL 01452-002 SP ASPECTOS GERAIS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br I) INTRODUÇÃO Para a compreensão do Sistema Tributário Nacional, é preciso recorrer à Constituição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 12.201, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2004. (publicada no DOE nº 248, de 30 de dezembro de 2004) Institui o fator de

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente

Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Alegre esperança, atrai futuro feliz. Sabe or que? Porque você sempre o persegue. O Homem abre o caminho da vida com o poder da mente Do mesmo modo que o escritor elabora o enredo de um romance. E constrói

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS: Instrumentos Legais I Seminário Estadual do SIOPS João Pessoa / PB 07 de maio de 2014 O que é o SIOPS? Sistema de informação que coleta,

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

COORDENADORIA DE CONTROLE EXTERNO ASSESSORIA TÉCNICA CARTILHA DO FUNDEB

COORDENADORIA DE CONTROLE EXTERNO ASSESSORIA TÉCNICA CARTILHA DO FUNDEB COORDENADORIA DE CONTROLE EXTERNO ASSESSORIA TÉCNICA CARTILHA DO FUNDEB FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO - Principais Mudanças em

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 16/2014

NOTA TÉCNICA Nº 16/2014 NOTA TÉCNICA Nº 16/2014 Brasília, 11 de Julho de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Adesão do Imposto Territorial Rural. REFERÊNCIA(S): Portal Receita Federal do Brasil (RFB) Lei nº 11.250, de 27 de dezembro

Leia mais

Detalhamento da Receita

Detalhamento da Receita Detalha da Receita 1.0.0.0.00.00 RECEITAS CORRENTES 7.987.325.00 1.1.0.0.00.00 RECEITA TRIBUTÁRIA 1.1.1.0.00.00 IMPOSTOS 425.500.00 1.1.1.2.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda 1.1.1.2.02.00 Imposto

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais