Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina IMPRESSIONISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina IMPRESSIONISMO"

Transcrição

1 Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina IMPRESSIONISMO CCBB EDUCATIVO 2012

2 MODOS DE VER, DIÁLOGOS EM CONSTRUÇÃO :: :: O RETRATO MODERNO: QUEBRA DOS VALORES ACADÊMICOS O IMPRESSIONISMO E A REVOLUÇÃO DO OLHAR :: :: O INSTANTE MODERNO: MONET E A PAISAGEM REFLEXOS DO INSTANTE: A ÁGUA COMO TEMA :: :: RENOIR E O COTIDIANO: PERSONAGENS EM MOVIMENTO O PÓS-IMPRESSIONISMO: :: 14 CAMPO ABERTO À EXPERIMENTAÇÃO 16 :: CÉZANNE: A COR CONSTRUINDO O MUNDO VAN GOGH: A COR QUE FALA :: :: TOLOUSE-LAUTREC E O MUNDO DO ESPETÁCULO IMPRESSIONISMO NO BRASIL :: :: PROPOSTA DE VIVÊNCIA PARA PROFESSORES: IMPRESSIONISMO

3 São raros os movimentos artísticos que conquistaram o gosto popular de forma tão intensa ao longo da história como aconteceu com o Impressionismo. A combinação de temas de fácil compreensão e de uma forma que atrai o olhar com suas cores e pinceladas vibrantes colaborou para a sua aceitação. Mesmo com seu início conturbado, com críticas negativas em sua primeira aparição em 1874, o Impressionismo logo se tornaria um marco, uma porta aberta para a Arte Moderna. Ao encarar o fazer artístico como parte da ciência, artistas, como Claude Monet, Auguste Renoir, Alfred Sisley e Camile Pissarro, entre outros, estavam antenados com as pesquisas óticas que fervilhavam no século XIX. Para a leitura das obras, esta ligação com os saberes científicos oferece rico material para diálogos, sobretudo no que diz respeito ao entendimento sobre o fenômeno cromático. Assim, este material traz sugestões de leituras e atividades para a melhor aproximação entre alunos e obras. Por trás da aparente simplicidade do fazer impressionista, há uma pesquisa minuciosa da forma de ver o mundo, de como percebemos os fenômenos óticos e de como as cores se comportam quando postas lado a lado. Trata-se, então, de estilo que convida à investigação e à experimentação, material oportuno para a formação dos sentidos. E, pensando no papel da Arte como Educação, são os sentidos que alimentam a percepção e que geram conhecimento.

4 MODOS DE VER, DIÁLOGOS EM CONSTRUÇÃO As características principais do Impressionismo são elementos ricos para propormos diálogos e reflexões com os alunos, visando despertar uma postura de investigação e participação. Consideramos alguns eixos como norteadores de ações que possam criar aproximações. São eles: Aproveitar a experiência e a realidade dos alunos. Cada pessoa traz consigo vivências culturais diferenciadas, o que oferece ricas possibilidades de reações e diálogos a partir das primeiras impressões. Geralmente o primeiro contato se inicia com reações como gostar ou não gostar. Investigar o objeto, a sua forma e aparência. No caso da pintura impressionista, pode-se analisar o modo como o artista trabalha as pinceladas, a combinação de cores, os processos de composição, a dimensão das obras e tudo o que a visão consegue captar. Vale mencionar a pesquisa impressionista de luz e cor e como os artistas captam o instante atmosférico. Explorar o tema e os seus significados. Os artistas impressionistas procuravam apresentar em suas pinturas temas cotidianos, com preocupação com a realidade e o instante. A cidade moderna, a vida burguesa e as paisagens são os principais motivos de suas composições. 02 Apresentar a contextualização histórica. As obras são produtos de seu tempo e, como atividade participante da vida social e cultural, a pesquisa sobre o espaço e a época em que se desenvolveram ajuda a compreendê-las melhor. As biografias dos artistas também oferecem rico material, sobretudo quando mostram a formação e o desenvolvimento do aprendizado artístico. Importante dizer que os eixos não possuem uma ordem específica e que, a cada momento, questões diversificadas podem aparecer, de acordo com os rumos do diálogo. No caso de uma pintura de retrato, por exemplo, a figura humana pode iniciar o processo de mediação. Manet: um precursor do Impressionismo A pintura francesa do século XIX foi marcada pela forte presença da Academia, uma instituição mantida pelo Estado. Os Salões anuais exibiam as obras realizadas a partir de rígidas regras de composição, como o desenho naturalista, o correto emprego das cores e, sobretudo, a narrativa de temas considerados nobres, como cenas históricas e religiosas, personagens da mitologia e retratos de nobres. Mas um pintor chocaria a sociedade parisiense em 1863: Edouard Manet. Rejeitado pelo júri do Salão oficial, participou do Salão dos Recusados, mostrando assuntos e personagens de seu tempo, ao invés de apresentar seres mitológicos tão queridos pela Academia. Proposta de mediação

5 Tocador de Pífaro é uma obra que traz a característica de Manet de buscar referências no passado, neste caso no pintor espanhol Diego Velásquez, e dar uma roupagem atual. As pinceladas livres, que deixam marcas aparentes, e o fundo difuso, sem precisão, anunciam o que os impressionistas iriam desenvolver em seguida. Exercícios de investigação Como a figura do músico ocupa quase a totalidade da composição, as perguntas podem girar em torno da personagem a postura, o semblante, o uniforme, o tipo de música, como seria o som, o lugar em que ele toca, a época. Quem seria o menino? Importante informar que a Academia costumava exibir retratos de pessoas conhecidas. Manet representa alguém desconhecido, um modelo qualquer. Investigação da forma: observar como a simplicidade do fundo não indica o que é chão ou parede claramente. A área negra não apresenta variações de tons, parecendo quase bidimensional. Veja que o vermelho da calça tem poucas referências dos dobrados do tecido. As pinceladas são aparentes, sem o tratamento acadêmico e naturalista. <Pífano> (em português brasileiro) ou pífaro (em português europeu) ou ainda pife é uma pequena flauta transversal aguda similar a um flautim. Os pífanos são originários da Europa medieval e frequentemente usados em bandas militares. O pífano é um instrumento tradicional do Nordeste do Brasil, onde ainda se encontram as "bandas de pífanos" ou "bandas de pife cabaçal". Com sete orifícios, um para soprar e seis para dedilhar, seus tocadores transmitem a cultura do pífano - tanto a confecção, quanto o repertório - pela tradição oral, que, em geral, dispensa a partitura, sendo tocado de ouvido. Edouard Manet Le Fifre (O tocador de pífaro), 1866 Óleo sobre tela, 161 x 97 cm RMN (Musée d'orsay) / Hervé Lewandowski

6 04 Edouard Manet (Paris, França, ) O Artista - Retrato de Marcellin Desboutin, 1875 Óleo sobre tela, 195,5 x 131,5 cm Coleção MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Foto João L. Musa

7 O RETRATO MODERNO: QUEBRA DOS VALORES ACADÊMICOS Manet apresentou a obra O artista: retrato de Marcellin Desboutin ao Salão de 1875 e, como previsto, foi recusado. A tela, de grandes dimensões, retrata o pintor Desboutin, um boêmio do círculo dos impressionistas, em uma cena simples e despojada. Retratos deste formato eram destinados aos nobres e aristocratas, geralmente chamados de retratos de pompa. Aqui, Manet mais uma vez usa referência da arte tradicional, mas colocando em cena um frequentador de bares, gente comum da sociedade. Proposta de mediação Diferente das poses elegantes dos retratos de elite, Desboutin aparece descontraído, segurando um saco com um cachimbo. Atrás dele, um cachorro lambe um copo sem olhar para o espectador. A cena parece estranha quando sabemos da tradição ainda em voga do retrato de elite do século XIX. Exercícios de investigação Trabalho com símbolos: a composição é bem econômica, aparecendo, além do pintor, o cachimbo em sua mão e o cachorro com o copo. Qual seria a relação entre esses elementos? Mostrar que os símbolos pertencem ao seu tempo, como o cachimbo, que estava associado à boemia no final do século XIX. O cão, além de criar um contraste de sua pelagem clara em relação aos tons escuros do quadro, traz também uma sutil ligação com a figura do pintor. Repare que ele bebe em um copo típico de bares, 05 uma clara referência ao personagem principal. Contextualizando O Naturalismo era uma forma de representação que buscava mostrar as coisas do mundo da maneira mais fiel, como os corpos perfeitos, as cores da pele parecendo reais, as texturas dos objetos, o volume, a profundidade e as corretas proporções. Em 1863, aconteceu algo tão estranho que chegou a chocar Napoleão III: os jurados recusaram obras de outros artistas que não atingiram a qualidade desejada pela Academia. Impressionado por essa quantidade, Napoleão III exigiu que essas obras fossem expostas em um salão paralelo, que ficou conhecido como Salão dos Recusados. Manet sempre desejou ser aceito na Academia, buscando no passado modelos da tradição, como Rafael, Ticiano e Velásquez. O que faltava então para o sucesso? Manet causava polêmica por dar um tom atual, cotidiano e corriqueiro aos assuntos, além de desenvolver uma pintura com pinceladas pouco convencionais, consideradas sujas pelos acadêmicos.

8 O IMPRESSIONISMO E A REVOLUÇÃO DO OLHAR O século XIX foi o tempo das pesquisas visuais. Teorias da cor, estudos sobre a retina e o funcionamento do olho, análises sobre a percepção, invenção da fotografia e, mais tarde, do cinema são algumas das contribuições da época para o conhecimento sobre a imagem e a visão. O grupo dos impressionistas acompanhou de perto essas discussões, tratando a pintura como instrumento científico. 06 Os impressionistas queriam mostrar através da pintura que as cores dos objetos dependiam da qualidade da luz. O amanhecer torna as paisagens azuladas, enquanto o meio-dia de verão tende ao branco, por exemplo. As estações do ano possuem cores próprias e isso poderia ser comprovado através de variadas pinturas da mesma paisagem em diferentes épocas. O pintor não precisaria mais misturar as cores na palheta, preferindo usá-las puras na tela. De longe, a retina faria a mistura, dando a sensação do colorido. Para captar o instante, a pintura impressionista deveria ser rápida e ao ar livre, sem os acabamentos e retoques típicos de ateliê. Assim, o desenho prévio não era mais necessário. Os impressionistas perceberam que as sombras não são castanhas ou pretas, mas formadas pelas cores complementares das cores dos objetos. Daí o colorido intenso das paisagens.

9 Edgar Degas Danseuses montant un escalier (Dançarinas subindo uma escada), Óleo sobre tela, 39 x 89,5 cm RMN (Musée d'orsay)/ Hervé Lewandoswski

10 Claude Monet La gare Saint Lazare (Estação de Saint Lazare), 1877 Óleo sobre tela, 75,5 x 104 cm RMN (Musée d'orsay) / Hervé Lewandowski

11 O INSTANTE MODERNO: MONET E A PAISAGEM O quadro A Gare Saint Lazare, de Claude Monet, apresenta as características básicas do Impressionismo. Monet não se preocupou com o desenho, preferindo eliminar os contornos para conseguir o efeito do instantâneo. Proposta de mediação Nesta obra, a vida moderna aparece bem visível na paisagem, como a novidade da locomotiva a vapor. A ligação entre as cidades passou a ser mais rápida e a velocidade começou a ser característica da modernidade. Além disso, Monet compôs quase uma dezena de quadros do mesmo ponto de vista, mostrando que a cada instante as cores mudam de acordo com a luz. Exercícios de investigação Quando estamos bem perto do quadro, por que a imagem fica mais desfocada, com borrões aparentes? Qual seria o motivo de vermos melhor, com maior nitidez, de longe? Quais as cores mais usadas por Monet nesta obra? Quando os alunos perceberem o intenso jogo entre azuis e laranjas, mostre o quanto o uso equilibrado de cores complementares colabora para harmonizar a composição. O contexto do século XIX: como seria a vida das pessoas sem os transportes velozes? Seria interessante aqui exemplificar o tempo gasto para ir a algum lugar usando diferentes meios de locomoção: a pé, de carro, de trem, de avião. 09 Contextualizando A primeira exposição impressionista aconteceu no estúdio de um famoso fotógrafo de Paris, Félix Nadar, em Um crítico, ao ver com decepção aqueles quadros com manchas e borrões, aproveitou o título do quadro Impressão: sol nascente, de Claude Monet e denominou o grupo de impressionistas. Apesar do tom pejorativo, os artistas assumiram o nome para identificá-los como grupo. Para facilitar a rápida mudança de uma tela para outra, com a intenção de não perder o instante, Monet criou um tipo curioso de cavalete: fez uma estrutura horizontal para acomodar várias telas em sequência. Assim, a cada hora do dia, ele podia passar para o lado sem precisar parar para trocar as telas. As pinturas em série ficaram muito famosas e resumem a pesquisa impressionista da relação entre a luz e a cor. O Impressionismo aconteceu em uma época de crise da representação tradicional na arte. A fotografia havia ocupado um lugar de registro mais dinâmico e aparentemente verdadeiro, por necessitar do modelo para existir. A pintura, então, precisava encontrar uma função nova na sociedade industrial, um novo valor de representação.

12 REFLEXOS DO INSTANTE: A ÁGUA COMO TEMA Uma das grandes paixões de Monet era a pintura de paisagens com água, como rios e praias. Cada obra revela um tratamento específico da superfície, uma curiosidade para compararmos algumas telas. Proposta de mediação Várias obras de Monet apresentam a paisagem aquática como motivo de suas pesquisas visuais. Como o artista não seguiu somente uma técnica para compor os reflexos e os efeitos de movimento da água, podemos explorar um conjunto de trabalhos para exemplificar essa diversidade. 10 Claude Monet Régates à Argenteuil (Regatas em Argenteuil), c Óleo sobre tela, 48 x 75,3 cm RMN (Musée d'orsay)/ Hervé Lewandoswski Claude Monet (Paris, França, Giverny, França, 1927) A Canoa Sobre o Epte, c.1890 Óleo sobre tela, 133 x 145 cm Coleção MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Foto João L. Musa

13 Exercícios de investigação Sempre que aparecer uma tela de Monet que represente passagens com rios, lagos e praias, propor uma observação atenta de como ele produz os reflexos. Mostrar as diferenças de pinceladas nas partes da composição, como o tratamento do céu, da terra e da água. É importante manter as referências entre as telas vistas, para sugerir a diversidade de técnicas a partir da comparação. Como reconhecemos as áreas alagadas do restante da composição? Comparar as duas obras acima: a tranquilidade de Regates a Argenteuil e o turbilhão de Canoa sobre o Epte. Mostrar o quanto a segunda obra é ousada em termos de composição, com o corte abrupto da figura do lado esquerdo. Contextualizando Para que as paisagens aquáticas fossem percebidas com maior intensidade, Monet criou um ateliê improvisado em um barco. Assim, ele poderia estar dentro do tema, captando com maior proximidade a essência de cada efeito, de cada impressão atmosférica. O Impressionismo foi considerado um movimento artístico ligado aos progressos científicos do século XIX. Isso aparecia representado nos temas, mas, sobretudo, na forma dos artistas enxergarem o mundo. Todos os efeitos captados por Monet em suas paisagens têm como base as pesquisas sobre contrastes simultâneos, do químico Michel-Eugène Chevreul, entre outros estudos da época. O círculo cromático, exibindo as cores primárias e secundárias, era ferramenta indispensável ao artista impressionista. Com ele, a combinação harmônica entre os contrastes colaborava para criar reflexos, sombras coloridas e misturas entre tons colocados próximos.

14 RENOIR E O COTIDIANO: PERSONAGENS EM MOVIMENTO 12 Enquanto Monet perseguia as sensações de cor e luz na paisagem, fosse da moderna Paris ou das regiões mais afastadas do grande centro, Auguste Renoir preferia o retrato da sociedade de seu tempo, sobretudo, do feminino. Conhecido pelo seu colorido intenso e delicado, Renoir parecia um cronista da burguesia parisiense, mostrando o dia a dia através de cenas comuns. Acreditava que a pintura deveria ser bela sempre. Para ele, o mundo estava repleto de coisas feias e tristes, cabendo à arte o papel de espalhar a beleza. O conjunto de sua vasta obra pode ser resumido em duas palavras: cor e alegria. Renoir trabalhou, quando menino, em uma fábrica de porcelanas como decorador. Estudou os mestres franceses do século XVIII pertencentes ao estilo Rococó, de onde absorveu o uso delicado das cores, a alegria das composições e os efeitos brilhantes de certas pinceladas. Para ele, o preto não era cor, e sim um vazio que deveria ser evitado. Pierre-Auguste Renoir (Limonges, França, Cagnes, França, 1919) Rosa e Azul (As Meninas Cahen d Anvers), 1881 Óleo sobre tela, 119 x 74 cm Coleção MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Foto João L. Musa

15 Exercícios de investigação: Quando a obra enfatiza a figura humana como elemento principal, é comum iniciarmos o diálogo observando as personagens em ação em um ambiente específico. Neste caso, trazer para a discussão como Renoir consegue captar um instante de forma tão natural. Quais sentimentos as duas figuras parecem transmitir? Explorar diferentes possibilidades: ansiedade, descontração, concentração, nervosismo, tranquilidade, desatenção. Sobre a forma: analisar as texturas, sobretudo dos tecidos. Há tapetes, cortinas e os brilhantes vestidos das meninas. Mostrar o quanto a composição do ambiente colabora para o sentido de acolhimento e conforto. Investigar o papel das pinceladas para conseguir tamanha variedade de efeitos. Observar também a delicadeza dos rostos, como se fossem de porcelana. Sobre a composição: falar de plano aberto, como algumas paisagens de Monet, e plano fechado, como esta imagem de Renoir. Importante mencionar a influência da fotografia para o uso de cortes da cena, como forma de mostrar melhor o fragmento de realidade escolhido pelo pintor. Pierre-Auguste Renoir Jeunes filles au piano (Moças ao piano), 1892 Óleo sobre tela, 116 x 90 cm RMN (Musée d'orsay) / Hervé Lewandowski

16 O PÓS-IMPRESSIONISMO: CAMPO ABERTO À EXPERIMENTAÇÃO Se o Impressionismo havia mostrado que a arte poderia seguir um caminho próprio, sem necessariamente estar a serviço do Estado, da Igreja ou de qualquer outra instituição, havia também despertado o interesse pela experimentação. A tela virou um espaço de pesquisas e o Impressionismo acabou sendo apenas uma possibilidade, uma maneira de ver o mundo. No lugar de apenas um estilo dominante, vários ismos se desenvolveram em um curto espaço de tempo <Neo-Impressionismo> Também conhecido como Pontilhismo, buscou aprofundar o que os impressionistas faziam, mas detendo-se nas características da cor. Os artistas estavam interessados pelas descobertas da Física e da Química, aplicando na tela pequenos pontos que deveriam ser misturados diretamente no olho. Georges Seurat e Paul Signac foram os principais representantes do Pontilhismo. <Simbolismo> Toda grande inovação traz consigo movimentos de reação contrária, como foi o Simbolismo em relação ao Impressionismo. Os artistas simbolistas criticavam a filiação do estilo aos saberes científicos. Assim, defendiam uma pintura baseada no mundo dos sonhos e da fantasia, longe do realismo impressionista. <Sintetismo> Este movimento representado pelo pintor Paul Gauguin seguiu os princípios do Simbolismo, mas enfatizando elementos primitivos ou mesmo infantis. A arte deveria ser livre dos moldes da natureza para explorar a simplicidade, muito influenciada pela arte de povos considerados exóticos na época. Van Gogh e Cézanne - Os dois pintores são considerados marcos da Arte Moderna e suas pesquisas individuais dificultam a sua filiação a algum movimento. São precursores de grandes correntes de vanguarda do século XX, como o Expressionismo e o Cubismo.

17 Paul Gauguin Les Alyscamps (Alyscamps), 1888 Óleo sobre tela, 91,5 x 72,5 cm RMN (Musée d'orsay)/ Hervé Lewandoswski 15

18 16 Paul Cézanne Rochers près des grottes audessus de Château-Noir (Rochedos perto das grutas acima de Château-Noir), c Óleo sobre tela, 65 x 54 cm RMN (Musée d'orsay) / Hervé Lewandowski

19 CÉZANNE: A COR CONSTRUINDO O MUNDO Paul Cézanne herdou a maneira de pintar ao ar livre dos impressionistas, mas o seu interesse pela natureza era bem diferente. Ele achava que a pintura poderia ser muito mais que o registro dos fenômenos da natureza, podendo reconstruí-la através de formas simples, como cilindros, cones e esferas. Proposta de mediação A postura de Cézanne diante da natureza era uma novidade e uma ousadia. Se o Impressionismo formava borrões capazes de criar efeitos óticos atmosféricos, de certa forma ainda associado ao Realismo, Cézanne se afastou radicalmente de qualquer aspecto realista. Para a mediação, é fundamental propor a observação da estrutura formal do quadro, como o artista usa a cor para compor a paisagem. Exercícios de investigação Olhar bem de perto os detalhes da paisagem. Verificar os tons, as largas áreas de cor e o efeito quase quadriculado da superfície. A imagem é nítida de perto? Quais elementos aparecem visíveis que possam indicar que se trata de uma paisagem? Cézanne estava preocupado com o instante, com a atmosfera do lugar, conforme os impressionistas trabalhavam? Qual a principal diferença entre as pinceladas de Cézanne e as de Monet ou Renoir? 17 Em relação ao espaço, há a sensação de profundidade? Como os elementos, rochas e árvores, estão organizados? Se conseguirmos ver profundidade, qual seria a técnica de Cézanne, pois não aparece nenhuma noção de perspectiva na composição? Contextualizando Cézanne sempre recebeu críticas negativas de seu trabalho, o que o chateava bastante. Por suas pinceladas grossas e sem aquele efeito ótico dos impressionistas e dos neoimpressionistas, sua obra era ainda mal compreendida. Porém, ele não precisava se preocupar em vender quadros, pois havia recebido uma generosa herança com a morte do pai. Cézanne pouco falava de arte e vivia isolado, imerso em sua pintura. Entretanto, o pouco que falou influenciou toda uma nova geração de artistas modernos, como Pablo Picasso e Henri Matisse. Ambos costumavam dizer que Cézanne era uma espécie de pai. Com Cézanne, a pintura se afasta de vez de qualquer relação de proximidade com a natureza, transformando-se em objetos autônomos e com realidades próprias. A representação em pintura se torna específica, existindo somente no espaço da tela, como se fosse um mundo particular, criado a partir da vontade do artista.

20 VAN GOGH: A COR QUE FALA Solitário como Cézanne, Vincent Van Gogh também trilhou um caminho de análise da cor, dandolhe um significado poético e expressivo. Ele queria uma pintura que pudesse gritar, falar ao próximo, tocar os sentidos e sentimentos. Passou a usar o gesto e as cores fortes para comunicar. Proposta de mediação Van Gogh costumava dar igual valor aos temas e à forma de executar a pintura. Para ele, o tema não era apenas o pretexto para compor o quadro, mas o meio simbólico de usar o conhecimento sobre cores, espaço e luz. Exercícios de investigação Após a análise de obras impressionistas que eliminaram o desenho, ou seja, o contorno das figuras, procure despertar nos alunos a percepção das linhas grossas usadas por Van Gogh. A imagem apresenta um salão de dança em Arles visivelmente lotado de pessoas. Proponha uma observação atenta para identificar alguma personagem que se destaque. Repare que, no lado direito, há uma figura feminina que parece olhar para o espectador, ou seja, o próprio pintor. Trata-se de Madame Roulin, esposa de um carteiro que morava próximo ao artista. 18 Contextualizando O que eu gostaria de descobrir é o efeito de um azul mais intenso no céu. (...) Meu Deus, sim, se pegarmos um punhado de areia seca, se a examinarmos de perto, a água também o ar, vistos desta maneira são todos incolores. Não há azul sem amarelo e sem alaranjado, e se colocarmos o azul, então temos de colocar o amarelo, e o alaranjado também, não é? Ah bem, você dirá que eu só escrevo banalidades. (Carta de Van Gogh ao pintor Emile Bernard, 1888). Ao intensificar o valor da cor, da textura e da linha com as pinceladas gestuais, Van Gogh abriu o caminho para o Expressionismo, movimento moderno que percebeu o quanto a pincelada tem o poder de comunicar. Van Gogh La salle de danse à Arles (Salão de dança em Arles), 1888 Óleo sobre tela, 65 x 81 cm RMN (Musée d'orsay) / Hervé Lewandowski

21

22 20 Henri de Toulouse-Lautrec (Albi, França, Château de Malromé, França, 1901) A Bailarina Loïe Fuller Vista dos Bastidores (A Roda), 1893 Óleo e têmpera sobre cartão, 63 x 47 cm Coleção MASP, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Foto João L. Musa

23 TOLOUSE-LAUTREC E O MUNDO DO ESPETÁCULO Henri de Toulouse-Lautrec viveu intensamente a vida noturna de Paris do fim do século XIX, frequentando cabarés e bares repletos de boêmios. Mas ele não estava por ali apenas para se divertir; pintou cenas inusitadas das personagens da noite, como dançarinas, prostitutas e uma multidão de anônimos em busca de prazer. Proposta de mediação Para captar instantes tão fugidios das cenas noturnas, Toulouse-Lautrec usou técnicas de pintura de feitura mais rápida, como o guache e o pastel. A obra A Roda, por exemplo, substituiu a tela pelo cartão, material fácil de transportar, apesar de o papel ser considerado, naquele tempo, inferior em relação aos meios tradicionais de pintura. Exercícios de investigação A primeira impressão da cena e que mais chama a atenção é a pose da dançarina. Com traços rápidos, como num esboço, Toulouse-Lautrec procura congelar um momento que durou frações de segundo. Instigar o aluno a perceber a cena como um todo, pois a dançarina parece desafiar a lei da gravidade. Mostrar a ousadia do artista ao registrar um instante deselegante, mas verdadeiro enquanto registro. Reparar que, em grandes áreas do quadro, Toulouse-Lautrec aproveitou a cor do próprio cartão, como no piso e na saia da dançarina. Isso, além de economizar tempo, confere uma ideia de velocidade, combinando com a dinâmica da própria dança. Ao mesmo tempo, porém, o artista deixa a obra com uma sensação de inacabado. 21 Toulouse-Lautrec trabalhou como ilustrador de revistas e também criando cartazes para shows, duas atividades diretamente ligadas à circulação cada vez maior da imagem. Mostrar o quanto o seu peculiar modo de pintar está inteiramente ligado ao seu tempo, principalmente ao mundo do espetáculo. Contextualizando A relação próxima entre Toulouse-Lautrec e os espetáculos noturnos de Paris deu ao artista a oportunidade de produzir diversos cartazes promocionais de teatros e cabarés. O seu desenho, que às vezes beira a caricatura, lançou moda na época, revolucionando a publicidade em plena ascensão. Toda a movimentação em torno do mundo do espetáculo aconteceu no período que chamamos de Belle Époque. Foi uma fase de progresso iniciado na França e que depois se espalhou pelo mundo, inclusive no Brasil. Na arte, houve a valorização dos elementos decorativos vindos do movimento Art Nouveau, o qual influenciou bastante a pintura de Toulouse-Lautrec.

24 IMPRESSIONISMO NO BRASIL Paris era o centro cultural do Ocidente no final do século XIX. A moda, a arte e os costumes franceses influenciaram o gosto em quase toda grande cidade. Quando o Impressionismo venceu as críticas negativas das primeiras exposições e se tornou um sucesso na década de 1880, toda a sua pesquisa visual de cor e luz impregnou a mente de jovens pintores de várias nacionalidades. Foi assim também com os artistas brasileiros Eliseu Visconti e Belmiro de Almeida, originários da tradição acadêmica, mas tocados pelas experimentações modernas quando estiveram em Paris. ELISEU VISCONTI: ENTRE A ACADEMIA E O MODERNISMO Formado pela Academia Imperial das Belas Artes, Eliseu Visconti não ficaria restrito aos modelos tradicionais. Ele já possuía aquele espírito moderno da experimentação, da vontade de ver até onde a pintura poderia ir. Proposta de mediação Eliseu Visconti foi um dos primeiros pintores a apresentar o Impressionismo ao público brasileiro. A sua passagem pelo Impressionismo marcou uma fase de cores brilhantes, como observamos na obra Carrinho de criança. 22 Exercícios de investigação Quantos tons de verde o pintor usou? Qual a cor usada para intensificar ainda mais o verde? Mostrar o que os tons avermelhados colaboram para realçar os verdes, em uma pesquisa de cores complementares. Apesar de branco, o vestido da mãe reflete tons variados do ambiente. Bom momento para exercitar o olhar em relação às influências mútuas entre as cores, ou seja, o quanto a combinação interfere na nossa percepção. Contextualizando O Rio de Janeiro importou o clima da Belle Époque parisiense e, com o prefeito Pereira Passos, sofreu mudanças drásticas de urbanização, como a abertura da Avenida Central em plena área tipicamente barroca. O Modernismo havia chegado não apenas na pintura, mas em várias áreas sociais. A luz elétrica transformou os hábitos das pessoas, incluindo a noite como uma extensão do dia. Se antes da eletricidade a noite era apenas para os boêmios e vagabundos, passou a ser momento de diversão, tendo o cinema como principal atração.

25 Eliseu Visconti Carrinho de criança, c.1916 Óleo sobre tela 66 x 81 cm Coleção Museus Castro Maya / Ibram / MinC, RJ Foto Photo Síntese Fotografia 23

26 PROPOSTA DE VIVÊNCIA PARA PROFESSORES: IMPRESSIONISMO Algumas especificidades da pesquisa impressionista são materiais ricos para desdobramentos em sala de aula, com o objetivo de apropriação dos valores do estilo. Pintura ao ar livre, com pinceladas soltas e luminosas, captação do movimento, uso de sombras coloridas e angulação vinda da linguagem fotográfica são algumas possibilidades de exploração. Abaixo, oferecemos algumas atividades para alunos, buscando ampliar o diálogo com as obras após a sua leitura e contextualização. Como exemplo, o professor pode aproveitar recursos disponíveis em sua sala e na própria escola, como: Usar a parte externa da escola pátio, jardim, fachada, paisagem. Preferencialmente locais onde haja luz solar. 24 Em caso de turmas com horários noturnos, o professor pode utilizar as pesquisas de claro e escuro, sombras projetadas, pinturas em tons escuros, sem, no entanto, usar a tinta preta. Alunos que possuam celulares com recurso de câmeras fotográficas podem pesquisar na prática a escolha do recorte, o porquê de determinadas partes ficarem de fora, o enquadramento e a composição. O registro de personagens da própria escola, através de retratos que posteriormente podem ser transformados em telas. O importante nesse momento é estabelecer o diálogo entre o Impressionismo e a Arte Contemporânea, como se dá a abertura para o Modernismo e como os princípios adotados pelo estilo do instante influenciaram e continuam presentes na Arte de hoje. Então, mãos à obra!

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

Impressão: nascer do sol

Impressão: nascer do sol IMPRESSIONISMO França 1860 a 1886. Os impressionistas representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as percepções iniciais registradas

Leia mais

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do Impressionismo Impressionismo O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX; O termo impressionismo foi imprimido

Leia mais

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera Fauvismo 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino Fauve = Fera Fauves (feras) foi a palavra utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles para caracterizar um grupo de jovens pintores que expuseram em

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo 1 Habilidades: Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho de produção dos artistas em seus meios culturais. 2 Romantismo Designa uma tendência

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Impressionismo. Paris e a modernidade. Banco do Brasil apresenta e patrocina CADERNO DE MEDIAÇÃO. Obras-primas Musée d Orsay

Impressionismo. Paris e a modernidade. Banco do Brasil apresenta e patrocina CADERNO DE MEDIAÇÃO. Obras-primas Musée d Orsay Ministério da Cultura apresenta Banco do Brasil apresenta e patrocina CADERNO DE MEDIAÇÃO Impressionismo Paris e a modernidade Obras-primas Musée d Orsay 4 de agosto a 7 de outubro de 2012 CCBB EDUCATIVO

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D I

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Pós - Impressionismo (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Não foi um Movimento Não houve um grupo de artistas que se reuniam para debates acadêmicos. Eram artistas

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL 1) Há algum tempo atrás, os livros, as revistas, os jornais, as fotografias, o cinema e a televisão eram em preto e branco. Hoje as cores fazem

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II 1 Habilidades: Revisar os Conteúdos da Unidade II para realizar avaliação II. 2 Revisão 1 Barroco: expressão, do português homônimo, tem o sentido pérola imperfeita,

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014 Atividades Pedagógicas Dezembro 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO:

ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL II DATA: PERÍODO: Prática Social: VIVÊNCIA do conteúdo: CONTEÚDO: Obra: Gustavo Rosa. Cooper em família. 2003. Óleo sobre tela, 160 x 250 cm. Coleção Particular

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

O retrato através da História da Arte

O retrato através da História da Arte ós na ala de Aula - Arte 6º ao 9º ano - unidade 5 Inicie sua aula observando retratos conhecidos da História da Arte e, em seguida, converse com os alunos sobre os retratos na História. Pergunte a eles

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através

Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através Arte abstrata ou abstracionismo é um estilo artístico moderno em que os objetos ou pessoas são representados, em de pinturas ou esculturas, através de formas irreconhecíveis. O formato tradicional (paisagens

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela Mulher de chapéu, Matisse 1905, Óleo sobre tela O termo Fauvismo deriva de fauve (fera selvagem), exclamação feita pelo crítico de arte Louis Vauxcelles perante a exposição de pintura do Salão de Outono

Leia mais

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90)

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90) Professor Heitor de Assis Jr. CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE heitor_assis@yahoo.com.br Vincent van Gogh (1853-90) Até 27 anos, quando se decidiu pela pintura, ocupou-se principalmente com a pregação evangélica.

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

A MANEIRA MAIS FÁCIL E EFICAZ DE APRENDER A DESENHAR E PINTAR

A MANEIRA MAIS FÁCIL E EFICAZ DE APRENDER A DESENHAR E PINTAR A MANEIRA MAIS FÁCIL E EFICAZ DE APRENDER A DESENHAR E PINTAR PRÓXIMAS ENTREGAS ENTREGA FASCÍCULO DVD CAIXA DE ÓLEO PVP 2 2 2 um tubo e um pincel 4,95 3 3 3 caixa arquivadora 9,95 4 4 paleta 4,95 5 5 4

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

VANGUARDAS EUROPEIAS

VANGUARDAS EUROPEIAS VANGUARDAS EUROPEIAS Impressionismo (1870-1890) Briga com a Academia; Cotidiano comum; Impressão: o que o olho vê, luz natural, jogo de sombras com cores complementares, ausência de contornos. Claude Monet,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Revisão/ 2 Ano/Arte. Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau

Revisão/ 2 Ano/Arte. Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau Revisão/ 2 Ano/Arte Neoclassicismo/ Romantismo/ Realismo/ Impressionismo/Pósimpressionismo/Neoimpressionismo/ Art noveau Neoclassicismo: Novo clássico. Novo resgate do vocabulário e das ideias que surgiram

Leia mais

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial para obtenção

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

A Temperatura de cor - Texto extraído de:

A Temperatura de cor - Texto extraído de: 77 A Temperatura de cor - Texto extraído de: BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL

CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL CHICO PAPELETA E A RECICLAGEM DE PAPEL Nereide Schilaro Santa Rosa ILUSTRAÇÕES: Avelino Guedes SUGESTÕES PEDAGÓGICAS E DE ATIVIDADES Maria Lúcia de Arruda Aranha Eliana Pougy 2 Nereide Schilaro Santa Rosa

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 UM DIA CHUVOSO NA ESCOLA Hoje amanheceu chovendo muito e o vento soprava forte. A nossa sala estava pronta e arrumada para receber as crianças, mas o mau tempo fez com que elas se

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira Profa. Ms. Eliene Silva Disponível em: http://www.mauc.ufc.br/expo/1967/index1.htm http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9205/antoniobandeira Biografia

Leia mais

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS CONSULTORIA PEDAGÓGICA: Prof. Dr. Lutiere Dalla Valle Professor da Universidade Federal de Santa Maria atua na formação de professores de artes visuais e artistas

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

SÉRIE 6: MODOS DE VIDA

SÉRIE 6: MODOS DE VIDA 23 The Bridgeman Art Library SÉRIE 6: MODOS DE VIDA Gustave Caillebotte Esboço para Paris, um dia chuvoso 1877 Óleo sobre tela. 24 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde O Expressionismo de Die Brücke não se restringiu à pintura e à gravura, tendo tido expressão, igualmente na literatura, na música e arquitectura.

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

11, 12, 13, 14. SÉRIE 4: dentro das paisagens. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela.

11, 12, 13, 14. SÉRIE 4: dentro das paisagens. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela. 10 The Bridgeman Art Library SÉRIE 4: dentro das paisagens John Constable Baia Weymouth 1816 Óleo sobre tela. 11, 12, 13, 14 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Silêncio criativo Em Catador de Palavras, o jovem leitor tem a oportunidade de escolher as palavras mais adequadas que o ajudarão a

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

HISTÓRIA DAS ARTES 12º ANO. Curriculo e Avaliação

HISTÓRIA DAS ARTES 12º ANO. Curriculo e Avaliação HISTÓRIA DAS ARTES 12º ANO Curriculo e Avaliação Bloco 1 - A arte, do Impressionismo ao Expressionismo Abstracto - Módulo 1 A Arte Impressionista e Pós-Impressionista. - Módulo 2 Arte, indústria, arquitectura

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: A e B ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO RELAÇÃO DOCONTEÚDO

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares 3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares UNIDADE 1 BICHO E GENTE, CADA UM TEM UM JEITO DIFERENTE! A proposta deste tema é estimular a criança a perceber as diferenças existentes

Leia mais

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada?

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada? Estudo dirigido para o segundo ano do ensino médio, Artes Milton Gomes Coelho A arte do Impressionismo 01. Liste fatos que modificaram o ritmo das cidades no século XIX. Resposta: pág. 223 02. Relacione,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE. Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ. Aluno(a): Turma:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE. Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ. Aluno(a): Turma: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO PROFESSORA ARILENE RODRIGUES ZICHTL ESTUDO DIRIGIDO DE ARTE Ensino Fundamental II - 9º ano MANHÃ Aluno(a): Turma: Caro aluno, Visando aumentar seu conhecimento e em

Leia mais

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Uma análise pessoal sobre obras abstracionistas Obras em observadas: Obra 1 Namorados

Leia mais

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando

Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011. Brincando Aprender... Verónica & Ricardo 29 Outubro 2011 Brincando A Cigana - Caravaggio Vamos colorir??? Reparaste qual o tema do nosso casamento? Estavas desatento? Pois é, hoje falámos de pintura. Que tal fazermos

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

UM PASSO PARA O INFINITO: A INCLUSÃO DA ASTRONOMIA NO SABER CIENTIFICO

UM PASSO PARA O INFINITO: A INCLUSÃO DA ASTRONOMIA NO SABER CIENTIFICO UM PASSO PARA O INFINITO: A INCLUSÃO DA ASTRONOMIA NO SABER CIENTIFICO Autores : Karoline de BORBA, Grasiela VOSS, Lucelia DESTEFANNI, Paulo RAMPELOTTI Identificação autores: Bolsista EXTENSIONISTA EDITAL

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual

Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual Cumprimento das actividades definidas no Plano Curricular Anual Áreas de Conteúdo Actividades planificadas e realizadas Actividades planificadas e não realizadas Actividades não planificadas e realizadas

Leia mais