Essa impertinente forma de arte: rasurar um texto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Essa impertinente forma de arte: rasurar um texto"

Transcrição

1 Essa impertinente forma de arte: rasurar um texto Talins Pires de Souza 1 Estevan de Negreiros Ketzer 2 Tornou-se manifesto que tudo o que diz respeito à arte deixou de ser evidente, tanto em si mesma como na sua relação ao todo, e até mesmo o seu direito à existência. Teoria Estética, de Theodor W. Adorno Uma inquietação filosófica paira sobre os autores desse texto. Um limiar em que a palavra e a expressão artística não se satisfazem com a mera exposição. Expor parecer ser apenas uma forma do trabalho sair da inquietude do mundo interno se relacionar com o mundo externo. Os autores demonstraram com seus trabalhos 3 linhas entre a razão e a sensibilidade diante da visualidade, de onde surgiu a pergunta: qual foi o momento em que as obras possuíam uma liberdade artística antes de caírem na classificação de um sistema de pensamento? Foram assim projéteis que tinham em mira não apenas expressar um pensamento sobre a arte, mas também dirigir a busca por uma arte mais humanizada que não fosse entregue aos meandros das técnicas nem de uma robotização esquizofrênica que a encaixasse muito bem em qualquer disciplina 4. Era imprescindível destituir o parergon 5, as molduras de sua sustentação, de um lugar privilegiado para um vislumbre meramente formal. A arte que chega é a marca de um incômodo 6. Não é clara a consciência desta colonização artística tão reducionista que por vezes abate a sensibilidade do artista. No interior de nossos trabalhos havia algo de profundamente poético. Essa talvez tenha 1 Arquiteto e artista visual, mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS. Tel.: (51) Psicólogo, doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Letras da PUCRS. Tel.: (51) SOUZA, Talins Pires de. Palavras de papel: o dizível e o inominável. 2011, 55 f. Monografia apresentada ao curso de Graduação em de Artes Visuais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.; e KETZER, Estevan de Negreiros Ketzer. Escritura Rasura e Arremesso! Desconstruir a poética em Antonin Artaud e David Nebreda f. Dissertação (Mestrado em Letras) Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Este não é apenas um problema da arte, mas de toda a cultura em geral e, talvez em grau mais alarmante, da própria produção do conhecimento em nível mundial, quando é compreendida como uma paralogia com fins de excelência de desempenho, demonstrada pelo uso de bancos de dados e na formatação de uma pesquisa fechada em sua identidade com o domínio empírico do real. Cf: LYOTARD, Jean-Fraçois. A condição Pós-Moderna. Rio de Janeiro. José Olympio, 2002, p DERRIDA, Jacques. (1978) La Verité em Peinture. Paris: Champs Flammarion, Tal como foi o encontro entre o pensamento de Jacques Derrida e a obra de Antonin Artaud. Cf: DERRIDA, Jacques. (1967) A palavra soprada. In: Escritura e Diferença. São Paulo. Perspectiva, 2009, pp

2 sido a grande diferença diante dos paradigmas de arte como o da Beaux Arts (séculos XVIII e XIX na França) que ainda hoje orienta os espaços legitimadores de arte como os museus. As fontes mais visitadas estão nas artes visuais de Joseph Beuys ( ); Artur Barrio (1945) e Hélio Oiticica ( ); na literatura de Stéphane Mallarmé ( ) e Samuel Beckett ( ), Waly Salomão ( ) e Hilda Hilst ( ). O que há de tão impressionante na escritura poética? Algo nela transborda 7, permite um atravessamento que não se reduz a um sujeito biográfico. É o lírico encontrando o outro em um estranho paradoxo: o sujeito lírico romântico é ao mesmo tempo o eu e o não eu: sujeito clivado de uma enunciação que escapa em grande parte ao valor pessoal 8. Depreende-se desta citação que há algo entre o eu e o outro, uma persistência que não se deixa apanhar facilmente pela conceituação. Desafio do conceito pela falta de compreensão da construção da linguagem que atravessa um texto. No momento em que há a criação de um outro a partir de uma derivação do eu, não haveria aí justamente um novo sentido para a relação? Por um tempo o que advinha desse pretenso lugar do eu parecia interminável, uma perseguição sem fim, ou mesmo inatingível, pois visava uma determinação do mundo de fora, de muitos fatores históricos, sociais e culturais. Algo era latente, perturbava todo o conforto e era justamente essa sensação que foi esfacelada com a instauração de uma formatação disciplinar 9. Portanto, o resultado manifestou-se como inconformidade, um gesto de agressão revolucionário para bater de frente ao latente. Dessa perturbação algo extrapolava era uma deambulação mental e física. Uma inconformidade e ao mesmo tempo uma necessária afirmação, uma nova regra para sua leitura 10. A voz do invisível desafia a natureza aparente das coisas tentando encontrar um acesso ao homem. Em Palavras de papel: o dizível e o inominável era admirável que, em se tratando de uma manifestação artística, grosso modo, as argumentações convergiam à desqualificação da obra por falta de identidade com um ideal de arte. 7 Para citar o exemplo mais conhecido da atividade poética contemporânea, o poema Un coup de dês, de Stéphane Mallarmé, expõe uma liberdade em toda a sua forma, dando margem a diversas interpretações e possibilidades de tradução ainda inexploradas em língua portuguesa, como bem demonstrou o grupo concretista brasileiro. Cf. MALLARMÉ, Stéphane. Um lance de dados. In: CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, VADÉ, Yves. L émergence Du sujet lyrique à l époque romantique. In: RABATÉ, Dominique (Org.). Figures Du sujet lyrique. Paris: PUF, 2001, p apesar da ausência de qualquer disciplina instituída, uma prática discursiva com sua regularidade e consistência era empregada. Cf: FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p Para mostrar o quanto é perturbador estar no limite de uma fala artística e seus paralelos, recorremos aqui ao pensamento judaico contemporâneo, perpassado entre Rosenzweig, Adorno e Derrida: Falar e escutar seguem outras leis Cf: ROSENZWEIG, Franz. (1925) El nuevo pensamiento. Madrid: Visor, 1989, p. 48. Esse aparente mistério na obra de arte é também o seu ocultamento, fechando assim o que ela pode dizer, por não mais poder ser pensada, nem sentida.

3 De fato o universo da arte tem uma economia que frankfurtinianos como Theodor W. Adorno puderam explicitar. Supõe-se que a inerente impertinência da arte a qualquer ordem estabelecida seja a causa de toda a violência por ela acometida. Por ter o princípio de não identidade em seu âmago 11 a arte talvez seja o único e mais perdido líbelo da liberdade humana na contemporaneidade. Esse acinte não é tolerado pela política econômica vigente a qual estamos submetidos. E, provavelmente, seja esse o motivo do obsedante intuito de sumariamente tornar seus efeitos confusos. Como não foi possível o aniquilamento da arte, a saída foi dissuadi-la. É dessa terrível e engenhosa pretensão que nascem os sistemas e dispositivos de dominação à arte. Baseado em Walter Benjamin ( ), o pressuposto de sistema de dominação é o do capitalismo-religioso 12 : há uma clara intenção do capitalismo em domesticar a arte, tornando-a, por sua vez, inofensiva, como o faz um padre que reza para que uma guerra termine. Esse dispositivo de regulação gera um atributo moral para a arte. Ademais, dita que arte é invenção, abstração de um gênio que determina à obra de arte a representação desta abstração, tal automatismo do gesto espontâneo do artista aniquila todo o humano na arte, sua inteligência e seu sentimento mais sublime. A arte não se permite alinhar a uma ordem, nem ser mera imagem e semelhança. Por seu próprio potencial subversivo. Portanto, o viés dominador entende que a arte deva ser premeditadamente violada. Sendo assim, fica evidente que é necessário apontar para um dizer indomável aos tentáculos dessa economia simbólica. As observações e experiências adquiridas na Academia e no Sistema de Artes Visuais consubstanciaram um precioso aporte para pensar a arte que expresse essa sensação de liberdade e conectando-a ao trauma gerado pelas circunstâncias do aparecimento de suas diferentes sensibilidades. Foi notória a falta no mundo acadêmico de uma abordagem debruçada sobre os domínios da ética e da estética alinhavados. O olhar sobre o estético parece estar à deriva de um contato com a ética 13. Essa falta de estímulo é a motivação de fundo para a aproximação a uma perspectiva de arte articulado na relação com a ética, mas uma ética que não se detenha em prescrições de valores, tal como articulou Emmanuel Levinas: A Obra, pensada até o fim, exige uma generosidade radical do movimento que, no Mesmo, vai na direção do Outro. 14 O que lamentavelmente acaba acontecendo com a obra é a proliferação de doutrinas da imagem e da semelhança com novas imagens que podem aderir a um modelo de realidade 11 ADORNO, Theodor W. Teoria estética. São Paulo: Edições 70, 2008, p BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo Editorial, Para demonstrar o quanto esse impacto é possível, trouxemos aqui um exemplo próximo no artigo de: SOUZA, Ricardo Timm. Escrever como ato ético. Letras de Hoje (Online), v. 48, p , Cf. LEVINAS, Emmanuel. Humanismo do outro homem. Petrópolis: Vozes, 1993, p. 51.

4 ideal. A arte nesse nível de interpretação é subjugada, massificada, mesmo por aqueles que possuem as condições de pensá-la, transformá-la e torná-la palatável ao público. Portanto, a relação entre ética e estética é obliterada propositadamente, em grande parte devido ao caráter da dominação humana em sentido evidentemente reducionista. Tendo em mente que quem tem ou pode perceber essa relação é o humano, logo todo o empreendimento da economia capitalista-religiosa é impedir o humano de se manifestar do seu próprio jeito, não mais arraigado a valores morais, mas permitindo que fracasse em sua tentativa de realização. A intenção de aproximar ética e estética, mesmo de forma incipiente, parece tarefa ingrata já que a economia é um adversário monstruoso e extremamente articulado com as veias utilitaristas de nossa sociedade. Grandes artistas, tanto do circuito das artes visuais quanto das artes literárias reuniram em si próprios arte e vida. Alguns exemplos como, por exemplo, o artista alemão Josef Beuys ( ); e brasileiros Hélio Oiticica ( ) e Waly Salomão ( ); e o francês Antonin Artaud ( ), criador do Teatro da Crueldade. Do ponto de vista filosófico, entre tantos que se ocuparam dessa articulação, podemos citar o filósofo italiano Luigi Pareyson ( ), em que a arte era o resultado do artístico e do não-artístico; e o filósofo francês Michel Foucault ( ) ao se deparar nas práticas dos cuidados de si que culminaram no advento da Modernidade europeia. O que fundamenta esse modelo de arte vigente, amplamente dicotomizado, é explicado através de discurso científico travestido de História da Arte, tornando esse discurso insuficiente e reducionista diante do problema. O nome da disciplina envolve já a pretensão de um saber sobre o que seja a arte em um desenvolvimento diacrônico e estável. Qual é o lugar para a experiência da obra de arte na Academia? 15 Como se pode nomear isso que não tem lugar na experiência? Vê-se que o nome, em singular o nome dito próprio, está sempre preso numa cadeia ou num sistema de diferenças. O próprio nome não escapa ao espaçamento, quer seja ligado por sua origem a representações de coisas no espaço ou permaneça preso 15 Em entrevista sobre os excessos de conceitualizações na crítica de arte contemporânea, o escritor Ferreira Gullar faz um importante apontamento: existe uma tese da arte conceitual, da arte feita só por idéias. Isso não tem cabimento. Para refletir, preciso ler filosofia, não vou me ocupar do estilo de pintar do Cildo Meirelles para fazer isso. Ele é um excelente pintor, mas por que ele não pinta em vez de fazer o que está fazendo? Coloca escrito na obra Urinóis cocô artificial com planta natural. É para pensarmos sobre isso? O que vamos pensar sobre cocôs e plantas artificiais? Isso é muito pobre. Assim, a arte parece entrar em um labirinto completamente destituído de sentido emocional, desconectada do sentir. Cf. GULLAR, Ferreira; VINÍCIUS, Marcelo. A arte contemporânea segundo Ferreira Gullar. In: Revista Artes e Ideias, São Paulo, jan Disponível em: Acesso em: 23 de maio de 2014.

5 num sistema de diferenças fônicas ou de classificação social aparentemente desligado do espaço corrente 16. O abatimento do nome pelo caminho da técnica só pode ser reavaliado se os movimentos de extensão e retenção forem considerados. E nesse intervalo surge o que não se deixa amarrar, possuindo a enigmática forma de um rastro. Talvez seja esse rastro o elemento essencial de um limite transformador, anteparo entre as dicotomias irreconciliáveis da ciência. Dois membros do fazer humano, em que um olha e recebe, o outro estende e pega. Nomear é também colocar a questão 17, tentar sair da forma e do conteúdo impregnados na tautologia da mente. Ponto a ponto, onde as interrogações giram a poética do delírio. Sobre uma visão delirante Antonin Artaud está decadente o final de século XIX e o indecente século XX, ao observar a tinta sobre as pinturas de girassóis de Van Gogh: Havia muito tempo que a pintura linear pura me enlouquecia, até que encontrei Van Gogh, não linhas ou formas, mas coisas da natureza inerte como se estivessem em plena convulsão. 18 Assinalamos fortemente o nomear a tudo o que reage para mais do que simples ato de dar uma certeza a um estado emocional. Artaud convulsivo: com a força de um jato de tinta lançado sem misturas na paleta. Aí a arte começa por uma restituição da verdade na pintura: Mas ela me é tão querida, a verdade, o tentar fazer verdade também, enfim eu creio, eu creio que eu prefiro mais ser sapateiro a ser músico com as cores 19. Uma verdade que perpassa o ato contínuo de redescobrir as cores na continuidade das ações humanas. Verdade cujo sentido traz algo mais na tentativa de rever a vida. Por que diz sempre da pintura o que ela devolve? O que ela restitui? 20 Como se o que ela tentasse fosse justamente libertar os pés das botas de Van Gogh, pés submetidos ao conflito com o mundo e malogro de uma situação da experiência deixada de lado por muitos anos. Gauguin, acredito eu, pensava que o artista deve buscar o símbolo, o mito, ampliar os fatos da vida até o mito, enquanto Van Gogh pensava que é preciso saber deduzir o mito das coisas mais terra-a-terra da vida 21. O que acontece é que para Artaud a pintura vibra, traz essa sensação de extrapolamento que invade a vida real, não se deixa amarrar em conceitos, aproxima mais ainda a energia da vida com seu âmago criativo. Há em todo demente um gênio incompreendido em cuja mente brilha uma ideia 16 DERRIDA, J. Gramatologia, p Não é também o que interroga a essência ou a própria possibilidade da linguagem e delas suspeita? Cf. DERRIDA, J. Salvo o nome, p ARTAUD, A. (1947) Van Gogh, o suicida da sociedade. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2007, p Van Gogh, citado por DERRIDA, J. (1978) La Verité em Peinture. Paris: Champs Flammarion, 1999, p Van Gogh, citado por DERRIDA, J. (1978) La Verité em Peinture. Paris: Champs Flammarion, 1999, p ARTAUD, A. Van Gogh, o suicida da sociedade, p. 50.

6 assustadora, e que só no delírio consegue encontrar uma saída para as coerções que a vida lhe preparou 22. Se não restasse um ponto de alcance entre a tentativa inicial e a final, do que adiantaria pintar? Passando por todo um sacrifício de vida sem recrudescer da opinião de que a arte é necessária num mundo que vem esquecendo o humano cada vez mais. O grande lance de dados de Van Gogh é advindo de uma postura pouco ortodoxa, porém, reivindicadora de um lugar no mundo. Van Gogh, mal posto sobre o abismo da inspiração, pintava. Porque Van Gogh possuía uma terrível sensibilidade 23. Num mundo onde a imagem impera, a sensibilidade parece ser deslocada para um esquecimento atroz 24. Já não permitimos mais o encontro com a sombra de toda a matéria, pois evitamos a perda de tempo com o que não temos controle. Contudo, está na arte uma possibilidade de realizar uma catarse, mostrar a ferida do inaudito, a dor que o artista tem sobre si e sobre o mundo. Eis o subjétil 25, como a forma de revolta. A tela ferida, tela cheia da crueldade artausiana, desse corpo que transfere sobre a tela o desejo de não ser um corpo disciplinado, ir muito além clamando para ser em si o que não encontra resposta nos outros. Não é em si, nem com o outro no mundo. Então o que é? São apenas pistas decorrentes de leituras, não do que seja, mas de seu processo, processo transformador de uma arte insubmissa, nem desenho, nem palavra. Não seria também o lugar que de um verdadeiro encontro? Revelação de que não se está solitário no mundo, mas se está resistindo ao encontro, com um poderoso sono paralisante, tomando contato com a apavorante sensação de um corpo inerte, meio vivo, meio morto. Como os caixões desse subjétil uma vez projetados no suporte da materialidade da folha. Julgamos necessário destruir algo por dentro de nós, assim como a sociedade o faz sem se dar conta. Inconsciente perturbado de tanta alucinação visual. Essa nova destruição, agora sim uma desconstrução, de modo algum pode destruir senão seu suporte, mas afirmando sua descontinuidade na história ao invés de cair na deterioração absoluta. 22 ARTAUD, A. Van Gogh, o suicida da sociedade, p ARTAUD, A. Van Gogh, o suicida da sociedade, p Quando a psicanálise surge, inicialmente atenta às feições da sexualidade reprimida, logo se depara com a produção da cultura, com outros mecanismos de repressão para manter os sistemas fechados. Nesta perspectiva, Freud intui já a proximidade da Segunda Guerra diante do desamparo do homem frente as suas forças temíveis, de entrar em relação com elas e, finalmente, de influenciá-las. Cf. FREUD, Sigmund. (1927). O futuro de uma ilusão. In: Edição Standard Brasileira das Obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974, Vol. XXI, p Com que outra palavra poder-se-ia confundir o desenho, a forma gráfica, em suma, o subjétil? Talvez com subjetivo, a traição mais próxima. Mas tantas outras palavras, uma grande família de pedaços de palavras, e das palavras de Artaud rondam esse vocábulo, empurram-no para a virtualidade dinâmica de todos os sentidos. A começar por subjetivo, sutil, sublime, arrastando também o il para dentro do li, e terminando em projétil. DERRIDA, J. & BERGSTEIN, L. Op. cit., p. 24.

7 Essa pretensa língua natural, língua de nascença, dever-se-á forçá-la, torná-la louca de pedra, e nela também o subjétil, essa palavra francesa por pouco, para designar o suporte do pictograma que ainda ressoa com o vestígio deixado nele por um projétil que veio perfurar a superfície sensível, mas às vezes resistente, apaziguada, tranquilizada de uma subjetividade: o vencimento precário da obra. 26 Para a arte não resta refúgio. Ela deve ser perfurada, aos poucos. Seu reflexo nos é completamente estranho e se o tentamos aqui é para forçar o pensamento, é para que o pensamento posso ir mais longe. Assim, foi o trabalho final de Antonin Artaud, essa estranha relação entre palavra e desenho, esse último grito que faz a inspiração da vida correr pela obra. Arte performática, em que assim como num lance de dados mallarmaico, o acaso transformará seu ponto de vista. Morte da arte acadêmica que retira da arte sua expressão mais singela: a espontaneidade. O teatro da crueldade (1946), de Antonin Artaud. 26 DERRIDA, J. & BERGSTEIN, L. Op. cit., p. 33.

8 Neste breve encontro tentamos mostrar o desenvolvimento de uma arte que ataca as margens de sua constituição. A revolta que resta para trazer à vida a consciência faltante da arte e seu novo inventário de elementos que se atrevem a fazer pensamento. Invasão de um corpus que assume sua materialidade no elemento mais superficial da obra de arte 27 : o espaço para o subjétil ser lançado. Esse pode ser o encontro. É a partir deste referencial de encontro e das instigações que dele suscitam um homem que procura pensar, para lá do impossível, o que fricciona tanto a arte quanto o mundo. REFERÊNCIAS ADORNO, Theodor W. Teoria estética. São Paulo: Edições 70, ARTAUD, Antonin. (1947) Van Gogh, o suicida da sociedade. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, BENNINGTON, Geoffrey. Derribase. In: BENNINGTON, Geoffrey & DERRIDA, Jacques. Jacques Derrida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BENJAMIN, Walter. (1933b) Pequena história da fotografia. In: Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura: obras escolhidas vol. 1. São Paulo: Brasiliense, O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo Editorial, DERRIDA, Jacques. Salvo o nome. Campinas: Papirus, (1978) La Verité en Peinture. Paris: Champs Flammarion, (1967) Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, (1967) A palavra soprada. In: Escritura e Diferença. São Paulo. Perspectiva, 2009, pp DERRIDA, Jacques. & BERGSTEIN, Lena. Enlouquecer o Subjétil. São Paulo: Atelié Editorial/UNESP/IMESP, FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, FREUD, Sigmund. (1927). O futuro de uma ilusão. In: Edição Standard Brasileira das Obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974, Vol. XXI. GULLAR, Ferreira; VINÍCIUS, Marcelo. A arte contemporânea segundo Ferreira Gullar. In: Revista Artes e Ideias, São Paulo, jan Disponível em: <http://lounge.obviousmag.org/marcelo_vinicius/2013/01/a-artecontemporanea-segundo-ferreira-gullar.html>. Acesso em: 23 de maio de KETZER, Estevan de Negreiros Ketzer. Escritura Rasura e Arremesso! Desconstruir a poética em Antonin Artaud e David Nebreda f. Dissertação (Mestrado em Letras) Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, LEVINAS, Emmanuel. Humanismo do outro homem. Petrópolis: Vozes, LYOTARD, Jean-Fraçois. A condição Pós-Moderna. Rio de Janeiro. José Olympio, MALLARMÉ, Stéphane. Um lance de dados. In: CAMPOS, Augusto de; PIGNATARI, Décio; CAMPOS, Haroldo de. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, NANCY, Jean-Luc. Corpus. Lisboa. Veja/Passagens, ROSENZWEIG, Franz. (1925) El nuevo pensamiento. Madrid: Visor, SOUZA, Talins Pires de. Palavras de papel: o dizível e o inominável f. Monografia (Graduação em de Artes Visuais) Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do 27 O corpo é sempre o que a escrita escreve. NANCY, Jean-Luc. Corpus. Lisboa. Veja/Passagens, 2000, p. 84.

9 Sul, Porto Alegre, SOUZA, Ricardo Timm. Escrever como ato ético. Letras de Hoje (Online), v. 48, p , VADÉ, Yves. L émergence Du sujet lyrique à l époque romantique. In: RABATÉ, Dominique (Org.). Figures Du sujet lyrique. Paris: PUF, 2001.

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

ÉTICA E (TECNO)CIÊNCIA: algumas questões fundamentais 1

ÉTICA E (TECNO)CIÊNCIA: algumas questões fundamentais 1 ÉTICA E (TECNO)CIÊNCIA: algumas questões fundamentais 1 1 A posição da ética na contemporaneidade Ricardo Timm de Souza * A Ética não é, no sentido que aqui propomos, um elemento a mais a ser levado em

Leia mais

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh.

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. 13 2. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009. 274 p. RESENHA Pepita de Souza Afiune * A autora Luciana Bertini Godoy é graduada em

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa Prof. Ricardo Bicalho Redes de Computadores Ciência e Método Científico AULA 3 1 AGENDA PORQUE ESTUDAR METODOLOGIA ENSINO SUPERIOR E PESQUISA ELEMENTOS

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

O que é uma instalação?

O que é uma instalação? O que é uma instalação? A arte contemporânea vive, pulsa, voa, viaja e morre. Absorve e constrói o espaço à sua volta ao mesmo tempo que o desconstrói. A desconstrução de espaços, de conceitos e idéias

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O conceito de amor em Agostinho

O conceito de amor em Agostinho Hannah Arendt 17 a coerção do caráter absoluto da verdade, seja da ciência, seja da filosofia, e ao mesmo tempo uma atitude que sabe como preservar e admirar as coisas do mundo e cuidar delas. Não teria

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

O projeto de pesquisa e seus componentes

O projeto de pesquisa e seus componentes O projeto de pesquisa e seus componentes Leitura: Pesquisa científica componentes de um projeto de pesquisa Bibliografia: Livros de metodologia científica Sugestões :Vergara; Lakatos e Gil. Além disso,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES...

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias CLASSIFICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA: REDESCRIÇÕES... 1 Felipe Quintão de Almeida/UFES/Vitória/fqalmeida@hotmail.com

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Raquel do Monte 1 RESENHA RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 1. Doutoranda em Comunicação, PPGCOM-UFPE.

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR

A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR A LUZ E O CEGO - EVGEN BAVCAR Quero sublimar a relação entre o verbo e a imagem para iniciar uma reflexão mais particularizada. De início, é preciso constatar que não se pode separar essa parceria que

Leia mais

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS

Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS Fauvismo, Cubismo, Surrealismo, Futurismo, Dadaísmo, Expressionismo e Suprematismo VANGUARDAS EUROPÉIAS CONTEXTO HISTÓRICO As vanguardas européias foram manifestações artístico-literárias surgidas na Europa,

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA!

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! TIME WILL TELL: CULTURE AND POETRY! Lenina Lopes Soares Silva 1 Esse tempo nunca passa Nem é de ontem, nem é de hoje Mora

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Oficina Fotográfica Reflexos das Imagens

Oficina Fotográfica Reflexos das Imagens Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Arte e Mídia Ilda Imperiano da Costa Oficina Fotográfica Reflexos das Imagens Campina Grande-PB, 2.012 Ilda Imperiano da Costa Oficina Fotográfica

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento

Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento Sophia de Mello Breyner Andresen: arte poética como procedimento por Marcela Ribeiro¹ A frase-clichê A arte é pensar por imagens, negada pelo russo Vitor Chklovski em sua Arte como procedimento e enraizada

Leia mais

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof.

Ciências Sociais. Objetivos. Max Weber, Alemanha 1864-1920. Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber. Prof. Ciências Sociais Prof. Paulo Barrera Visão de mundo e pressupostos metodológicos Max Weber Objetivos a) Discutir conceitos básicos da sociologia weberiana, tais como ação social, racionalização, tipos

Leia mais

Só pelos 40.000 anos a.c. é que o ser humano começou a produzir formas que recriavam a realidade em que ele vivia e exprimiam, desse modo, suas

Só pelos 40.000 anos a.c. é que o ser humano começou a produzir formas que recriavam a realidade em que ele vivia e exprimiam, desse modo, suas Só pelos 40.000 anos a.c. é que o ser humano começou a produzir formas que recriavam a realidade em que ele vivia e exprimiam, desse modo, suas angústias e seus pavores. São manifestações artísticas escultóricas.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA Amanda Cristina de Sousa 1 Alexandre França 2 Comunicação: Relato de Pesquisa Resumo: O seguinte trabalho trata

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial

GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial 1 GESTOR DE ESTUDOS para a 2ª fase do XVIII Direito Empresarial Por Maurício Gieseler de Assis *Material de livre distribuição **Proibida a reprodução total ou parcial sem a devida citação da fonte Estudar

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais