FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:"

Transcrição

1 25/09/02 ON-GEANE-002 ASSUNTO: AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: MP A presente Orientação Normativa obedece ao disposto nos Decretos -leis nº 9.760, de 5 de setembro de 1946, nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987 e na Lei nº 9.636, de 15 de maio de SPU SUMÁRIO 1. OBJETIVO CAMPO DE APLICAÇÃO CONCEITUAÇÃO Aforamento gratuito Valor apreciável DESCRIÇÃO NORMATIVA Notificação Exercício da preferência ao aforamento gratuito Fundamentação legal Instrução Processual Preferência ao aforamento gratuito Dos procedimentos administrativos Situação do terreno Exame do pedido Das audiências Do exame das respostas às audiências Elaboração da FATE Despacho concessório Homologação Contrato Alterações cadastrais Disposições gerais Anexos...10 ANEXO I Notificação de aforamento ANEXO II Requerimento de aforamento...12 ANEXO III Ofício de consulta art. 100 do Decreto-lei nº 9.760/ ANEXO IV Despacho concessório de aforamento ANEXO V Check List Aforamento Gratuito ANEXO VI Ato de homologação do despacho ad referendum...16 ANEXO VII Contrato de constituição de aforamento ANEXO VIII Procedimentos Aforamento gratuito de imóveis da União... 20

2 1. OBJETIVO Orientar sobre os procedimentos administrativos para a constituição de aforamento gratuito de imóveis dominiais da União. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Orientação Normativa se aplica às Gerências Regionais de Patrimônio da União - GRPU e à Gerência de Área de Negócios - GEANE. 3. CONCEITUAÇÃO Para efeito desta Orientação Normativa - ON, são adotados os seguintes conceitos: 3.1. Aforamento gratuito É o ato pelo qual a União atribui a terceiros o domínio útil de imóvel de sua propriedade, independentemente do pagamento do valor correspondente a 83% do valor de avaliação do domínio pleno do imóvel, obrigando-se o foreiro ou enfiteuta ao pagamento de pensão anual, denominada foro, correspondente a 0,6% do valor de avaliação do domínio pleno, que será atualizado anualmente. A enfiteuse ou aforamento é um direito real e perpétuo no bem alheio para uso e gozo, acrescido do poder de disposição. Ao foreiro é atribuído o domínio útil (83%), permanecendo a União (senhorio) com o domínio direto (17%). O somatório dos domínios direto e útil constitui o domínio pleno, reunindo todos os atributos da propriedade Valor apreciável Para concessão de aforamento com base no item 7º do art. 105 do Decreto-lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946, considera-se como valor apreciável o valor correspondente, pelo menos, à metade do valor do domínio útil do terreno ocupado. 4. DESCRIÇÃO NORMATIVA 4.1. Notificação A Gerência Regional encarregar-se-á da notificação aos interessados (Anexo I), para que requeiram o aforamento dentro do prazo de 180 dias, sob pena de perda dos direitos que porventura lhes assistam, na forma do art. 104 do Decreto-lei nº 9.760, de1946, com a redação que lhe foi dada pelo art. 32 da Lei nº 9.636, de 15 de maio de A notificação será feita pela GRPU por edital afixado na repartição arrecadadora da Fazenda Nacional com jurisdição na localidade do imóvel, e publicado no Diário Oficial da União, mediante aviso publicado três vezes, durante o período de convocação, nos dois jornais de maior veiculação local e, sempre que houver interessado conhecido, por carta registrada. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 2

3 4.2. Exercício da preferência ao aforamento gratuito Ato formal requerendo o aforamento de imóvel da União, independentemente do pagamento do valor correspondente ao domínio útil O processo terá início com requerimento de constituição de aforamento (Anexo II), dirigido à GRPU Fundamentação legal O procedimento relativo à constituição de aforamento gratuito, com amparo nos arts. 105 e 215 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946 e no inciso I do art. 5º do Decreto-lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, com a redação que lhe foi dada pela Lei nº 9.636, de 1998, deverá ser iniciado no âmbito das Gerências Regionais de Patrimônio da União, mediante apresentação de requerimento do interessado, acompanhado dos documentos comprobatórios dos direitos alegados e demais documentos exigidos para instrução processual A preferência ao aforamento gratuito de imóvel da União será verificada após a apresentação, pelo ocupante ou seu representante legal, de documentos que comprovem atender aos requisitos necessários ao enquadramento dos casos previstos nos arts. 105 e 215 do Decreto-lei nº 9.760, de Instrução Processual Pessoa Física: a) carteira de identidade; b) certidão de nascimento ou casamento com as averbações devidas; c) se estrangeiro - documento de nacionalidade; d) Cadastro de Pessoa Física - CPF; e) título de eleitor e comprovante de votação na última eleição; f) certificado de reservista (requerentes com até 46 anos); g) Certidão Negativa de Débitos Tributários fornecida pela Receita Federal; h) Certidão Negativa de Dívida Ativa fornecida pela Procuradoria da Fazenda Nacional/MF; i) planta de situação do terreno, contendo dimensões e confrontações e planta de localização relativa a logradouros ou acidentes geográficos naturais ou artificiais bem definidos, assinadas por profissional habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, com comprovação da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica - ART (Recibo do CREA); j) memorial descritivo do terreno contendo os limites, confrontações e medidas lineares e angulares e de superfície, assinado por profissional habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, com comprovação da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica - ART (Recibo do CREA); k) instrumento de procuração/representação, acompanhado de cópia de documento pessoal do procurador/representante legal, quando conduzido por procurador ou representante legal. Nos casos de procuração com poderes para a alienação do imóvel, o instrumento deverá ser público. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 3

4 Pessoa Jurídica: a) contrato social, estatuto ou declaração de firma individual, com as últimas alterações estatutárias ou contratuais, inclusive aquelas que comprovem os poderes da diretoria da empresa; b) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ; c) Certidão Negativa de Débitos Tributários fornecida pela Receita Federal; d) Certidão Negativa de Dívida Ativa fornecida pela Procuradoria da Fazenda Nacional/MF; e) Certidão Negativa de Débitos perante o INSS; f) Relação Anual de Informações Sociais RAIS; g) planta de situação do terreno, contendo dimensões e confrontações e planta de localização relativa a logradouros ou acidentes geográficos naturais ou artificiais bem definidos, assinadas por profissional habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, com comprovação da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica - ART (Recibo do CREA); h) memorial descritivo do terreno contendo os limites, confrontações e medidas lineares e angulares e de superfície, assinado por profissional habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, com comprovação da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica - ART (Recibo do CREA); i) instrumento de procuração/representação, acompanhado de cópia de documento pessoal do procurador/representant e legal, quando conduzido por procurador ou representante legal. Nos casos de procuração com poderes para a alienação do imóvel, o instrumento deverá ser público Preferências ao aforamento gratuito Aos pedidos de aforamento com fundamento no art. 105 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, deverão ser juntados os seguintes documentos: I - Item 1º - Os que tiverem título de propriedade devidamente transcrito no Registro de Imóveis : a) título aquisitivo em nome do atual ocupante, devidamente transcrito no Cartório de Registro de Imóveis competente; b) certidão de inteiro teor da cadeia sucessória, retroagindo à edição do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, recaindo em título de propriedade devidamente transcrito em Cartório de Registro de Imóveis; c) traslado do instrumento de transferência primitivo, referido na certidão de inteiro teor. II - Item 2º - Os que estejam na posse dos terrenos, com fundamento em título outorgado por Estados ou Municípios : a) título aquisitivo em nome do atual ocupante; b) traslado dos títulos de transferência de posse que compõem a cadeia sucessória, retroagindo à edição do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, recaindo em título de transferência do imóvel realizada por estado ou município. III - Item 3º - Os que necessariamente utilizam os terrenos para acesso às suas propriedades : AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 4

5 a) certidão do cartório de registro de imóveis competente, atestando a propriedade do imóvel encravado, em nome do interessado; b) certidão da Prefeitura local atestando que o imóvel não pode constitui r unidade autônoma. IV - Item 4º - Os ocupantes inscritos até o ano de 1940, e, que estejam quites com o pagamento das devidas taxas, quanto aos terrenos de marinha e seus acrescidos : a) documentação que comprove a inscrição do imóvel e a situação de regularidade perante o Patrimônio da União; b) instrumento que conferiu ao interessado a ocupação do imóvel. V - Item 6º - Os concessionários de terrenos de marinha, quanto aos seus acrescidos, desde que estes não possam constituir unidades autônomas : a) certidão do cartório de registro de imóveis, do registro do domínio útil do imóvel lindeiro em nome do requerente; b) certidão da Prefeitura atestando que a área não pode constituir unidade autônoma. VI - Item 7º - Os que no terreno possuam benfeitorias, anteriores ao ano de 1940, de valor apreciável em relação ao daquele : a) documentação comprovando a existência de benfeitorias anteriores ao ano de 1940 e os valores correspondentes ao terreno e às benfeitorias, à época; b) documentação do domínio ou posse em nome do ocupante; c) cadeia dominial ou sucessória, retroagindo anteriormente ao ano de Casos previstos no art. 215 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946: I - Art. 20 do Decreto-lei nº 3.438, de 17 de julho de 1941, a) documentos que comprovem o exercício da posse até o dia 17 de julho de 1941, tais como escritura ou documento de posse do imóvel, carta de habite-se, declaração de órgãos públicos e contas de concessionários de serviços públicos; b) cadeia sucessória do imóvel, retroagindo à data da edição do referido decreto. II - Art 35 do Decreto-lei nº 3.438, de1941: a) carta de aforamento expedida pela então Prefeitura do Distrito Federal, até a vigência do Decreto-lei nº 710, de 16 de setembro de 1938, ou post eriormente a essa data, desde que paga a expedição da carta antes de 17 de setembro de 1938; b) comprovante de quitação do foro, relativo ao ano de 1938; c) certidão circunstanciada do cartório de registro de Imóveis, desde o ano de 1938; d) comprovação da mudança de denominação do logradouro e numeração do imóvel, se houver divergência entre a carta e o título de propriedade, com cópia da guia do imposto predial ou territorial, e, na falta destes, documento equivalente. III - Art. 7º do Decreto-lei nº 5.666, de 15 de julho de 1943: AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 5

6 a) título de concessão expedido pelos estados ou municípios até a vigência do Decreto-lei 5.666, de 1943; b) comprovação do foro relativo ao ano de 1943; c) título de propriedade com certidão do registro de imóveis; d) prova de sucessão de propriedade quando houver ocorrido; e) comprovação da mudança de denominação do logradouro e numeração do imóvel, se houver divergência entre a carta e o título de propriedade Dos procedimentos administrativos Apreciada a documentação comprobatória do direito de preferência ao aforamento gratuito, e considerada em ordem, a GRPU dará prosseguimento ao trâmite processual ou comunicará as pendências ou indeferimento do pedido ao interessado Situação do terreno Providências a cargo da GRPU: a) data da demarcação da linha de preamar média de 1831 ou linha média das enchentes ordinárias ou se situa em ilha ou terreno nacional interior de propriedade da União; b) localização do terreno em face das zonas de que trata o art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946; c) informar a inexistência de órgão público federal interessado no imóvel, mediante a devida análise e/ou averiguação; d) se constitui logradouro público; e) se está inscrito em nome de terceiros; f) se houve notificação do art. 104 do Decreto-lei nº 9.760, de Exame do pedido À vista da documentação apresentada e dos esclarecimentos obtidos, caberá à GRPU: a) indeferir o pedido, se for o caso; b) realizar as audiências de que trata o art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946 e demais audiências necessárias; c) solicitar, por carta registrada (AR), documentos complementares à instrução processual, estipulando prazo de 30 (trinta) dias para sua apresentação, sob pena de arquivamento do processo Das audiências A concessão de aforamento deverá ser precedida das seguintes audiências (Anexo III): a) do Comando do Exército, por intermédio das Regiões Militares; da Marinha, por intermédio das Capitanias dos Portos; da Aeronáutica, por intermédio dos Comandos das Zonas Aéreas, quando se tratar de terrenos situados dentro da faixa de fronteira, da faixa de 100 (cem) metros ao longo da costa marítima ou de uma circunferência de AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 6

7 1.320 (mil trezentos e vinte) metros de raio, em torno das fortificações e estabelecimentos militares; b) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, por intermédio de seu órgão local, quando se tratar de terras suscetíveis de aproveitamento agrícola ou pastoril; c) do Ministério dos Transportes, por intermédio de seu órgão local, quan do se tratar de terrenos situados nas proximidades de obras portuárias e ferroviárias; d) do Ministério da Integração Nacional, por intermédio do seu órgão local, quando se tratar de terrenos situados nas proximidades de obras de irrigação; e) das prefeituras locais, quando se tratar de terreno situado em zona que esteja sendo urbanizada; f) da Secretaria Especial do Desenvolvimento Urbano da Presidência de República, quando se tratar de terrenos situados nas proximidades de obras de saneamento básico; g) do órgão do Meio Ambiente competente, quando houver envolvimento de área de preservação ambiental; h) do Conselho de Defesa Nacional, nos casos previstos na Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, observado o Decreto nº , de 26 de agosto de 1980; i) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, quando se tratar de ilhas oceânicas e costeiras, nos termos do art. 44 da Lei nº 9.985, de 18 de julho de Atendidas as peculiaridades da área a ser submetida ao regime enfitêutico, o Gerente Regional de Patrimônio da União poderá promover a audiência de outros órgãos públicos A consulta versará sobre zona determinada, devidamente caracterizada Os órgãos consultados por força do art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, deverão se pronunciar dentro do prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data do recebimento da consulta, que poderá ser prorrogado por outros 30 (trinta) dias, quando solicitado, importando o silêncio em assentimento à aplicação do regime enfitêutico na zona caracterizada na consulta As impugnações, que se poderão restringir a parte da zona objeto da consulta, deverão ser devidamente fundamentadas O aforamento, à vista de ponderações dos órgãos consultados, po derá subordinar-se a condições especiais Quando se tratar de unidade autônoma de condomínio ou loteamento e desde que o imóvel esteja situado em zona urbana, admitir-se-á uma única audiência para todas as unidades Do exame das respostas às audiências Indeferimento do pedido, à vista da impugnação oferecida. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 7

8 Não-aceitação da impugnação oferecida e, em decorrência, encaminhamento do processo ao órgão central, com vistas à deliberação do Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Informar se há necessidade da autorização de que trata o art. 205 do Decreto-lei nº 9.760, de Prosseguimento do pedido Elaboração da FATE Não havendo impugnação por parte dos órgãos consultados, caberá à GRPU elaborar a FATE, e verificar a ex istência de débitos porventura devidos à Fazenda Nacional Despacho concessório Confirmada a situação de regularidade dos tributos perante a Fazenda Nacional e formuladas as consultas do art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, o gerente regional conc ederá o aforamento ad referendum do Secretário do Patrimônio da União, após exarar parecer conclusivo da conveniência e oportunidade de atendimento do pleito (Anexo IV) Homologação O processo será encaminhado à Gerência da Área de Negócios - GEANE, acompanhado de check -list (Anexo V), para revisão e posterior encaminhamento ao Sr. Secretário, para homologação do ato concessório e autorização para a lavratura do respectivo contrato enfitêutico Providências a cargo da GEANE: a) verificar a regularidade da proposição da GRPU nos aspectos relativos à alçada, enquadramento legal, instrução processual e diretrizes estabelecidas pelo Conselho Nacional de Desestatização, adotando as providências necessárias à homologação do aforamento (Anexo VI); b) adotar as provi dências relativas à autorização do Sr. Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão nas concessões de aforamento referidas no item Homologado o ato concessório, o processo será encaminhado à GRPU para adoção dos procedimentos subseqüentes Contrato Homologado o despacho concessório, caberá à GRPU elaborar a minuta do contrato de constituição de aforamento (Anexo VII), encaminhando o processo à PFN local para exame, aprovação e assinatura do contrato enfitêutico, observando-se que a avaliação do domínio pleno do terreno, para efeito de cálculo do foro, deverá ser atualizada, por ocasião da assinatura do contrato enfitêutico. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 8

9 4.12. Alterações cadastrais Assinado o contrato enfitêutico, impresso em folhas soltas, pelo sistema mecanográfico adotado em cada Gerência Regional, será fornecida uma via ao outorgado, arquivando -se outra no livro de contratos e uma terceira, no processo de aforamento Após a formalização do contrato de constituição de aforamento com a representação da União pela PFN local e providenciado o respectivo registro pelo interessado, a GRPU promoverá as alterações cadastrais de imóvel ocupado para imóvel aforado Disposições gerais O pedido para confirmação de aforamento, na forma do art. 7º do Decreto-lei nº 5.666, de 1943, das concessões enfitêuticas de terrenos, feitas pelos Estados ou Municípios, por supô-los de sua propriedade, deverá ser feito no prazo de seis meses, contado a partir da notificação de que trata o art. 104 do Decreto-lei nº 9.760, de Inobservado esse prazo, será declarada a caducidade do aforamento A cobrança do foro em substituição à taxa de ocupação será implantada no exercício em curso, se o registro do contrato ocorrer até a edição da portaria que estabelecer os prazos para o recolhimento de foros e taxas de ocupação relativos aos terrenos da União e implantada para o exercício seguinte, caso o registro seja posterior à edição da mencionada portaria Se em qualquer época for verificado, por força de demarcaç ão, que o terreno objeto de aforamento não está compreendido em área de marinha ou de acrescidos, marginal de rio ou interior da União, será declarada tal circunstância, por despacho, no processo Se o terreno já tiver sido aforado, tal particularidade será declarada por despacho, à margem da folha do livro do contrato enfitêutico Serão extraídas cópias das folhas do livro e juntadas ao processo de aforamento, procedendo-se às anotações necessárias, nas plantas da Regional, à margem de outros eventuais contratos enfitêuticos anteriores, nas certidões, fichas ou livros de ocupação e no cadastro do registro imobiliário patrimonial da SPU, mediante preenchimento do documento de cadastro Os contratos de aforamento constituídos em terrenos presumidamente de propriedade da União ressalvarão que, após a demarcação das linhas, a qualquer tempo, poderão ser alteradas as dimensões do terreno e reajustado, proporcionalmente, o foro Não poderá, entretanto, ser exigida do foreiro ou reclamada da União qualquer dife rença ou valor, anterior à demarcação As porções de terreno, classificadas como área de recuo em projetos de alinhamento, serão mencionadas nos contratos de aforamento, sendo excluídas, a requerimento do foreiro, quando, efetivamente, desincorporadas da propriedade particular, por disposição do poder público A correção da área e o conseqüente reajustamento proporcional do valor do foro serão apostilados nos respectivos contratos. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 9

10 Ficam dispensados de revisão pelo Órgão Central os processos de aforament o de unidades em edifícios em condomínio, quando já tiver sido homologado, anteriormente, pelo Secretário do Patrimônio da União, o aforamento de uma daquelas unidades autônomas A cada novo processo de aforamento posterior ao primeiro, deverão ser juntad as cópias da Folha de Avaliação de Terreno (FATE) ou da fração ideal, do despacho ad referendum do Secretário do Patrimônio da União e do contrato enfitêutico do primeiro processo de aforamento da unidade do edifício em condomínio Os procedimentos relativos à concessão de aforamento gratuito de imóveis da União encontram-se especificados no Anexo VIII desta Orientação Normativa Anexos Esta Orientação Normativa é integrada pelos Anexos I a VIII, adotados nos procedimentos por ela disciplinados. MARIA JOSÉ VILALVA BARROS LEITE AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 10

11 ANEXO I MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO Notificação GRPU/ nº / Em de de Ilmo. Sr Endereço Pelo presente, fica V. Sa. notificado para requerer o aforamento do imóvel situado, nos termos e sob as penas do art. 104 do Decreto-lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946, com a redação que lhe foi dada pelo art. 32 da Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998, devendo a petição ser acompanhada da documentação pertinente. 2. O prazo para requerer é de 180 (cento e oitenta) dias, contados do recebimento comprovado desta Notificação, e o não-atendimento, nos prazos da lei, acarretará a perda dos direitos que porventura lhe assista. 3. Quaisquer outras informações poderão ser obtidas nesta Gerência, localizada, nos dias úteis, de às e de às horas. Gerente Regional AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 11

12 ANEXO II RIP Nº MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO... PROCESSO ANTERIOR Nº Ilmo Sr(a) Gerente Regional do Patrimônio da União no Estado O abaixo assinado vem requerer a V.S ª aforamento do imóvel adiante descrito, de acordo com a qualificação e demais elementos a seguir fornecidos. LOCALIZAÇÃO DO IMÓVEL LOGRADOURO COMPLEMENTO (casa, apartamento, sala, loja) MUNICÍPIO-UF NÚMERO BAIRRO/DISTRITO CEP NOME CPF/CGC DADOS DO REQUERENTE NACIONALIDADE IDENTIDADE ÓRGÃO EXPEDIDOR ESTADO CIVIL SEPARADO SOLTEIRO ( ) CASADO ( ) JUDICIALMENTE ( ) VIÚVO ( ) DIVORCIADO ( ) REGIME DE CASAMENTO COMUNHÃO TOTAL ( ) COMUNHÃO PARCIAL ( ) SEPARAÇÃO DE BENS ( ) NOME DO CÔNJUGE CPF NACIONALIDADE IDENTIDADE ÓRGÃO EXPEDIDOR ENDEREÇO PARA LOGRADOURO COMPLEMENTO (casa, apartamento, sala, loja) NÚMERO BAIRRO/DISTRITO CORRESPONDÊNCIA MUNICÍPIO-UF CEP TELEFONE TEL CELULAR DADOS NOME LOGRADOURO CPF/CGC NÚMERO DO PROCURADOR COMPLEMENTO (casa, apartamento, sala, loja) BAIRRO/DISTRITO MUNICÍPIO UF CEP TEL. RESIDÊNCIA TEL. TRABALHO TEL. CELULAR Declaro, sob as penas da lei e de nulidade do aforamento solicitado, que as informações prestadas nest e requerimento e nos documentos em anexo são a mais pura expressão da verdade e que o imóvel ora requerido não se encontra sub judice. Enquadramento: Decreto-lei nº 9.760, de 5 de setembro de16946, art. 105, item ; ou art. 215 ; ou (especificar). Local e data Assinatura do Declarante, ou seu Representante legal AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 12

13 ANEXO III MINUTA DE CONSULTA CONFORME ART. 100 DO DECRETO -LEI Nº 9.760/46 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO Ofício nº /GRPU/ Em, de de. Prezado Senhor, Cogita-se da aplicação do regime de aforamento ao imóvel situado (endereço), requerido por (nome do requerente), conforme processo nº, e, assim sendo, solicito, nos termos do art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 5 setembro de 1946, que se digne Vossa Senhoria de informar se há por parte desse/dessa (nome do Órgão consultado) algum impedimento a tal concessão. Cumpre salientar a Vossa Senhoria que, na forma do 2º do mesmo dispositivo legal, se a resposta não for dada dentro do prazo de 30 (trinta) dias contados da data do recebimento desta consulta, a não-manifestação implicará à aceitação das impugnações porventura formuladas. Atenciosamente, Gerente Regional Ilmo Sr./Sra. (nome) (cargo) (endereço) AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 13

14 ANEXO IV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DESPACHO CONCESSÓRIO DE AFORAMENTO Processo nº Interessado: Caracterização do imóvel: Terreno de marinha/acrescido de marinha situado (endereço), com área de m². DESPACHO De acordo com as atribuições que me são conferidas pela (Portaria de atribuições de competências da Secretaria do Patrimônio da União, vigente), e pelo art. 108 do Decreto-lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946 e com fundamento no (fundamentação legal para a concessão do aforamento), CONCEDO, ad referendum do Senhor Secretário do Patrimônio da União, o aforamento do imóvel indicado em epígrafe e descrito às fls. do presente processo. Em, de de. Gerente Regional AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 14

15 ANEXO V MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO Processo: Interessado: Assunto: Constituição de Aforamento Gratuito Identificação: (área do terreno, endereço, município e estado) Situação Ocupacional: (quem está ocupando atualmente o imóvel ou se está desocupado) RIP: item DOCUMENTOS CONSTANTES DO PROCESSO 1 - Requerimento de aforamento. 2 - Identificação do interessado/prova de nacionalidade do interessado. 3 - CPF, título de eleitor com comprovante de votação na última eleição. 4 - CNPJ, Contrato Social, RAIS (pessoa jurídica). 5 - Planta de situação do terreno analisada pe lo técnico responsável. 6 - Memorial descritivo. 7 - Título de propriedade ou posse (escritura, formal de partilha e outros), se for o caso. 8 - Certidão de Registro de Imóveis que remonte cadeira sucessória, se for o caso, e de acordo com o enquadra mento legal. 9 - Audiências do art. 100, alíneas a, b, c e d ou declaração de não sujeição/outras audiências necessárias. Fls FATE atualizada Cópia do Despacho ad referendum do aforamento primitivo de unidade autônoma de edifício em condomínio Cópia da FATE do aforamento primitivo de unidade autônoma em edifício em condomínio Cópia do contrato enfitêutico do aforamento primitivo de unidade autônoma de edifício em condomínio Inscrição de ocupação (se for o caso) Comprovação de quitação de taxas e laudêmios (SIAPA) Informação da inexistência de órgão público interessado no imóvel Outro documento que justifique ou esclareça o pedido Parecer circunstanciado/conclusivo Ato concessório do aforamento Certidão Negativa de Débitos Certidão Negativa de Dívida Ativa. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 15

16 ANEXO VI ATO DE HOMOLOGAÇÃO DO DESPACHO AD REFERENDUM Processo nº HOMOLOGO o ato concessório, exarado às fls., de aforamento da fração ideal de (se houver fração ideal) do terreno de (marinha/acrescido de marinha), com área total da União de m², (endereço completo), com base no (dispositivo legal), combinado com o inciso I do art. 5º do Decreto-lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, observado o contido na Resolução nº 5 do CND, de 21/03/2000. A autorização para a lavratura do contrato enfitêutico fica condicionada à at ualização do valor do terreno (caso a FATE esteja desatualizada), à regularidade quanto a débitos de tributos e contribuições federais e comprovação do pagamento de todas as taxas e laudêmios porventura vencidos até a data de formalização do contrato de constituição do aforamento. Restituam-se os autos à Gerência Regional do Patrimônio da União no Estado, para adoção das providências subseqüentes. Em de de. Secretário do Patrimônio da União AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 16

17 ANEXO VII SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO GERÊNCIA REGIONAL NO ESTADO LIVRO: FOLHAS: PROCESSO Nº: RIP Nº: CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE AFORAMENTO do imóvel situado na (endereço). 1. OUTORGANTE: A UNIÃO FEDERAL, representada neste ato pelos procuradores da Fazenda Nacional de 1ª Categoria, (nome, matrícula), nos termos da Portaria nº 458, de 12 de Agosto de 1998, da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. 2. OUTORGADO: (nome, qualificação). 3. OBJETO: Localização e descrição do imóvel:. Obs.: LPM homologada/presumida em / /, conforme processo nº. O terreno está localizado (dentro/fora) da faixa de 100 (cem) metros ao longo da costa marítima e (dentro/fora) de uma circunferência de (um mil trezentos e vinte) metros em torno de fortificações e estabelecimentos militares. Nas audiências realizadas na forma do art. 100 do Decreto-lei nº 9.760/46, não foram apresentados óbices à realização do aforamento. 4. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:. 5. DESPACHO AUTORIZATIVO: Do Sr. Gerente de Patrimônio da União no Estado do, de / /, aprovado por despacho do Sr. Secretário do AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 17

18 Patrimônio da União, de / /, exarados às fls. e, respectivamente, do processo acima referenciado. 6. CLÁUSULA PRIMEIRA - FORO E LAUDÊMIO - Que o outorgado assume a condição de foreiro, ficando sujeito ao pagamento do foro anual em importância equivalente a 0,6% (seis décimos por cento) do valor do domínio pleno do terreno objeto do presente contrato, estipulado pela Secretaria do Patrimônio da União com base na Planta de Valores Genéricos para a localidade do imóvel, e anualmente atualizado na forma do art. 101 do Decreto-lei nº 9.760/46, com a redação dada pelo art. 88 da Lei nº 7.450, de 23 de dezembro de 1985, a ser cobrado na forma e condições previstas em portaria do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e do laudêmio em valor equivalente a 5% (cinco por cento) sobre o valor do domínio pleno do terreno e benfeitorias, na transferência onerosa, entre vivos, ainda que por força de decisão judicial transitada em julgado, bem assim sobre a cessão de direitos a eles relativos (art. 67 do Decreto-lei nº 9.760/46, art. 3º do Decreto-lei nº 2.398/87 e Decreto nº /88). PARÁGRAFO PRIMEIRO - Se o imóvel objeto do presente contrato estiver situado em zona que tenha sido declarada de interesse público, mediante portaria do Sr. Secretário do Patrimônio da União, a transferência do aforamento não poderá ser feita (art. 3º, 2º, alínea b, do Decreto-lei nº 2.398/87, e art. 7º do Decreto nº /88, com redação do art. 33 da Lei nº 9.636/98). PARÁGRAFO SEGUNDO - O outorgado foreiro fica sujeito à observância da legislação que dispõe sobre o meio ambiente. CLÁUSULA SEGUNDA - INADIMPLEMENTO - O atraso no pagamento do foro acarretará para o outorgado foreiro a incidência de multa, juros moratórios e demais cominações legais. PARÁGRAFO PRIMEIRO - A falta de pagamento do foro implicará a inscrição do débito em dívida ativa. PARÁGRAFO SEGUNDO - O não-pagamento do foro durante 3 (três) anos consecutivos, ou 4 (quatro) anos intercalados, importará na caducidade do aforamento (art. 31 da Lei nº 9.636/98), procedendo-se na forma do disposto nos arts. 118 a 121 do Decreto-lei nº 9.760/46. PARÁGRAFO TERCEIRO - Será nula a transmissão do domínio útil do terreno realizada sem o prévio assentimento da Secretaria do Patrimônio da União - SPU. CLÁUSULA TERCEIRA - EXTINÇÃO DO AFORAMENTO - O aforamento extinguir-se-á por inadimplemento de cláusula contratual, por acordo entre as partes, ou, a critério do presidente da República, por proposta do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, pela remição do foro nas zonas onde não mais subsistam os motivos determinantes da aplicação do regime enfitêutico. PARÁGRAFO PRIMEIRO - Consistindo o inadimplemento de cláusula contratual no nãopagamento do foro durante 3 (três) anos consecutivos ou 4 (quatro) anos intercalados, é facultado ao foreiro, sem prejuízo do disposto no art. 120 do Decreto-lei nº 9.760/46, revigorar o aforamento mediante as condições que lhe forem impostas. PARÁGRAFO SEGUNDO - Na consolidação pela União do domínio pleno do terreno que haja concedido em aforamento, deduzir-se-á do valor do mesmo domínio a importância equivalente a 17%, correspondente ao domínio direto. PARÁGRAFO TERCEIRO - A remição do aforamento será feita pela importância correspondente a 17% do valor do domínio pleno do terreno. 7. OUTRAS ESTIPULAÇÕES: AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 18

19 I) O presente contrato de aforamento será regido pelo Decreto-lei nº 9.760/46 e Lei nº 9.636/98, e legislação superveniente; II) As despesas de transmissão e de registros cartorários, porventura incidentes, correrão por conta do outorgado. 8. FORO - Fica eleito o foro da Justiça Federal do Estado do, com renúncia a qualquer outro, por mais privilegiado que seja, para dirimir quaisquer dúvidas decorrentes do presente contrato. 9. O outorgado foreiro apresentou as certidões negativas de Débitos Tributários para com a Receita Federal, Dívida Ativa, bem como débitos com o INSS, em se tratando de pessoa jurídica., de de. E eu,, matrícula, lavrei o presente contrato em três vias de igual teor e forma, com força de escritura pública (art. 13, item VI, do Decreto-lei nº 147/67, com redação dada pelo art. 10 da Lei nº 5.421/68), que subscrevo e assino. ASSINATURAS: OUTORGANTE: OUTORGADO: TESTEMUNHAS: 1) (nome, identidade, CPF) 2) (nome, identidade, CPF) AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 19

20 ANEXO VIII PROCEDIMENTOS AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DA UNIÃO ÓRGÃO/ÁREA PASSO N o DESCRIÇÃO 001 Informa ao interessado a documentação necessária para o requerimento do aforamento e fornece-lhe formulário próprio. Apoio/GRPU 002 Confere a documentação recebida e protocola o requerimento do interessado. SECAD SEDAP 003 Verifica a existência de processo de ocupação relativo ao imóvel: - em caso positivo, prossegue a instrução no mesmo processo ou conforme conveniência, abre-se um novo, fazendo constar o número do processo primitivo; - em caso negativo, instrui-se processo. 004 Analisa a situação do terreno, quanto aos tópicos abaixo: - se pertence ou não à União; - localização do imóvel em relação a LPM/LMEO (homologada ou presumida); - planta e memorial descritivo do terreno; - se constitui logradouro público; - se está inscrito em nome de terceiros; - localização (art. 100, alíneas a a d do Decreto-lei nº 9.760, de 5 de setembro de 1946); - caso o terreno não seja cadastrado, promove a inscrição da ocupação mediante o recolhimento das taxas devidas. 005 Analisa a situação do terreno, quanto aos tópicos abaixo: - se está sub judice; - se houve notificação do art. 104 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, alterado pela Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998; se não houve, notifica o interessado a requerer a publicação do edital. 006 Junta ao processo o edital publicado e aguarda o decurso de prazo de 180 dias. SEONE 007 Examina a documentação apresentada e verifica a preferência ao aforamento gratuito. SENES 008 Constata a preferência e promove a realização das audiências do art. 100 do Decreto-lei nº 9.760, de 1946, quando couber. 009 Observa o prazo de 30 dias para resposta dos órgãos consultados, findo o qual, e não havendo pedido de prorrogação, dá continuidade ao pleito (anexar AR). 010 Examina as respostas às audiências. AFORAMENTO GRATUITO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO PÁGINA 20

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU - 001 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL A presente Instrução Normativa obedece ao disposto no 3º, art. 3º do Decreto Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, Lei nº 5.194, de 24 de dezembro

Leia mais

28/09/00 ON-GEARP-001 * ASSUNTO:

28/09/00 ON-GEARP-001 * ASSUNTO: 28/09/00 ON-GEARP-001 * ASSUNTO: TRANSFERÊNCIAS DE AFORAMENTO, DE DIREITOS SOBRE BENFEITORIAS E DE DIREITOS RELATIVOS À OCUPAÇÃO DE IMÓVEIS DA UNIÃO E BENFEITORIAS EXISTENTES. MP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: SPU

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. Art. 4º - Fica revogada a Orientação Normativa GEARP 001, de 28 de setembro de 2000.

PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. Art. 4º - Fica revogada a Orientação Normativa GEARP 001, de 28 de setembro de 2000. PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007 O SECRETÁRIO-ADJUNTO DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Art. 32 do Regimento Interno da Secretaria do Patrimônio da

Leia mais

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL

INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL INSCRIÇÃO OU RENOVAÇÃO CADASTRAL 1. DA ENTREGA DA DOCUMENTAÇÃO 1.1. Os interessados em se inscrever e/ou renovar o Registro Cadastral junto ao GRB deverão encaminhar a documentação a seguir estabelecida,

Leia mais

SPU 25/01/02 ON-GEANE-001 ASSUNTO: AFORAMENTO ONEROSO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

SPU 25/01/02 ON-GEANE-001 ASSUNTO: AFORAMENTO ONEROSO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 25/01/02 ON-GEANE-001 ASSUNTO: AFORAMENTO ONEROSO DE IMÓVEIS DOMINIAIS DA UNIÃO MP SPU FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: A presente Orientação Normativa obedece ao disposto nas Leis nº 9.636, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1)

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DO FGTS (Check list) Modalidade: AQUISIÇÃO À VISTA (DAMP 1) (I) DO COMPRADOR ( ) Ficha Cadastral do Proponente (Original, preenchida, datada e assinada) ( ) Documento de Identidade de todos os compradores e seus respectivos cônjuges, se for o caso ( ) CPF de todos

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA SPU Nº 05, DE 24 AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre os procedimentos de análise dos requerimentos de isenção do pagamento de foros, taxas de ocupação e laudêmios referentes a imóveis de domínio

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre os procedimentos a serem observados e aplicados no parcelamento/reparcelamento de débitos referente a multas e taxa de vistoria e fiscalização

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009.

ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. ORDEM DE SERVIÇO PRFN 3ª REGIÃO Nº 004 de 16 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o procedimento a ser adotado para a formalização e controle dos processos de parcelamentos de arrematação ocorrida nas hastas

Leia mais

ASSUNTO: FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

ASSUNTO: FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 24/01/01 ON GEAPN 001 ASSUNTO: ENTREGA DE IMÓVEL DA UNIÃO PRÓPRIO NACIONAL MP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: A presente Orientação Normativa obedece ao disposto nos artigos 76 a 79 do Decreto-lei n o 9.760, de 1946,

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2014 O Município de Boa Vista do Buricá, comunica aos interessados

Leia mais

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda.

Bradesco Administradora de Consórcios Ltda. Prezado(a) Consorciado(a), Para melhor atendê-lo, elaboramos este Guia Prático de Contratação de Imóvel destacando as modalidades de aquisição, fases do processo, documentos necessários, emissão e registro

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA

MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA MINUTA DE CONTRATO CONTRATO DE COMPRA E VENDA TERMO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL QUE ENTRE SI FAZEM A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE - FUNIARP E. Na forma abaixo: FUNDAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO LISTA DE DOCUMENTOS 1 Lei 4.591/64, Provimento nº 260/CGJ/2013. O incorporador deverá apresentar, no Ofício de Registro de Imóveis, os seguintes documentos, organizados nesta ordem. CHECK LIST O 1. MEMORIAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Contrato Social + Aditivos (se tiver, todos); 3- CNPJ (atualizado); 4- Indicação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado da Bahia O órgão do Ministério Público Federal, pelo Procurador da República que a esta subscreve, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhado pela UTE ao Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONE: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO: (

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 85.064, DE 26 DE AGOSTO DE 1980. Regulamenta a Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, que dispõe sobre a Faixa de Fronteira O PRESIDENTE

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG

SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA E ESGOTO AV. HUGO ALESSI Nº 50 B. NDUSTRIAL - FONE: (0**34) 3242-3579/3242-5026 ARAGUARI MG SUPERINTENDENCIA DE AGUA E ESGOTO DE ARAGUARI DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS COMISSÃO ESPECIAL DE CADASTRO/SETOR DE CADASTRO INSTRUÇÕES GERAIS 1. OBJETIVO Estabelecer normas e procedimentos para

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei;

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei; DECRETO N.º 9185 EMENTA: Institui o DCU SIMPLES, um conjunto de Programas de Ação do Departamento de Controle Urbanístico da Secretaria Municipal de Planejamento, para aprovação de projetos e licenciamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015. enquadrem na Lei n o 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015. enquadrem na Lei n o 12.101, de 27 de novembro de 2009. Portaria SPU nº 215, de 25 de novembro de 2015 Estabelece procedimentos para concessão de anistia de débitos patrimoniais e de isenção do pagamento de taxas de ocupação, de foros ou de laudêmios para as

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

I seja aprovado o projeto arquitetônico;

I seja aprovado o projeto arquitetônico; PROJETO DE LEI Nº 106/2015. INSTITUI A LICENÇA PRÉVIA PARA FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS QUE ESPECIFICA, EM IMÓVEIS E EDIFICAÇÕES QUE NÃO CUMPRAM OS REQUISITOS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO EM VIGOR PARA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS)

EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ÁREAS (LOJAS / TERRENOS) ÍNDICE: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE EMPRESAS INTERESSADAS NA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE TERRENOS, LOJAS E ESPAÇOS DE PROPRIEDADE DA COMPANHIA DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 20, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010

CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010 CEF - Circular nº 506/2010 2/2/2010 CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010 Dispõe sobre condições e procedimentos operacionais para a formalização do Termo de Habilitação aos créditos

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010 Altera o Decreto nº 28.002, de 30 de maio de 2007 e dá outras providencias. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: Art.

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2014 O Município de Vale do Sol, RS, através do Prefeito Municipal. Sr. Clécio Halmenschlager, comunica aos interessados que está procedendo ao CREDENCIAMENTO de pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.190-ANTAQ, DE 24 DE JUNHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 4.190-ANTAQ, DE 24 DE JUNHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 4.190-ANTAQ, DE 24 DE JUNHO DE 2015. APROVA A PROPOSTA DE NORMA QUE DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO E A RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS ADMINISTRADOS PELA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ANTAQ.

Leia mais

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007.

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o modelo do Termo de Compromisso previsto no art. 129 da Lei no 10.431, de 20 de dezembro de 2006, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA

REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA REQUERIMENTO PESSOA JURÍDICA A pessoa jurídica localizada em nº bairro cidade CEP, telefone. Vem pelo presente documento solicitar: ( ) Baixa de Registro Interrupção das Atividade ( ) Baixa por solicitação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO 24/01/01 ON GEAPN 002 ASSUNTO: CESSÃO DE USO GRATUITO DE IMÓVEL DA UNIÃO - PRÓPRIO NACIONAL MP SPU FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: A presente Orientação Normativa obedece ao disposto no 3 o do artigo 79 do Decreto-lei

Leia mais

JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE

JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO DE ESTÁGIO REMUNERADO PARA ESTUDANTES DE NÍVEL SUPERIOR DO CURSO DE DIREITO DESTINADOS

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ASSUNTO: RESIDÊNCIA OBRIGATÓRIA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

ASSUNTO: RESIDÊNCIA OBRIGATÓRIA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: 24/01/01 ON GEAPN 003 ASSUNTO: RESIDÊNCIA OBRIGATÓRIA MP FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: A presente Orientação Normativa obedece ao disposto nos artigos 80 a 85 do Decreto-Lei nº 9.760/46. SPU SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015

EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 EDITAL DE CREDENCIAMENTO 003/2015 AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR, pessoa jurídica de direito público interno, inscrita no CNPJ/MF sob n.º 18.137.082/0001-86, neste ato representado por seu

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Sugestão de Contrato de Promessa de Compra e Venda de Imóvel MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento de promessa de compra e venda, de um lado como promitente

Leia mais

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS

TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS TABELA V DOS OFICIOS DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo Arpen-SP. Lei 11.331, de 26

Leia mais

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00

Taxas: Certidão R$ 36,89 ART R$ 60,00 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA IDICAÇÃO DE RESPONSÁVEL TÉCNICO (Cópias e originais ou cópias autenticadas) 1- Requerimento; 2- Indicação de responsável (eis) técnico (s) para atividades técnicas da Empresa

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS

CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO SISTEMA BANERJ PREVI-BANERJ EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL EDITAL DE CONCORRÊNCIA PARA VENDA DE BENS IMÓVEIS O Liquidante da CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal;

I requerimento preenchido e assinado pelo requerente ou representante legal; Instrução Normativa nº 006, de 30 de setembro de 2013. O Diretor Presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo- IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 35 da

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul RELATÓRIO DE GESTÃO DA UNIDADE JURISDICIONADA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais