O QUE ESTÁ SOB ESTA MIRA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE ESTÁ SOB ESTA MIRA?"

Transcrição

1 O QUE ESTÁ SOB ESTA MIRA? ler se lê nos dedos/ não nos olhos/ que os olhos são mais dados a segredos (Paulo Leminski) O cinema é associado, em geral, ao sentido da visão. Não à toa, por exemplo, perguntamos: Você já viu Estamira?. Na verdade, a linguagem cinematográfica é híbrida: relaciona a linguagem visual, a linguagem verbal oral, a escrita e a linguagem musical. Em outros termos, conjuga imagens, palavras e sons. Por isso, é uma combinação de códigos que convocam, além dos olhos, os ouvidos. Não seria absurdo, então, perguntarmos: Você já ouviu Estamira?. Considerando que se trata de um texto sincrético, ou seja, que é resultado do cruzamento de distintos registros, tanto uma quanto outra maneira de perguntar a alguém se assistiu a determinado filme é parcial, incompleta. Talvez o verbo assistir, nesse contexto, dê conta de articular o ver e o ouvir que se combinam na recepção do gênero: o cinema penetra-nos pelos olhos e pelos ouvidos (não necessariamente nessa ordem). Quem sabe, talvez, venha bem a calhar o neologismo do poeta Décio Pignatari, o verbo ouviver : ouvir, ver, viver. Reformulando a pergunta com uma pitada poética, diríamos, então: Você ouviveu Estamira? Assistir ao filme, nesses termos, não é só vê-lo ou ouvilo: mais do que isso, é vivê-lo. Essa discussão serviria para abrir qualquer filme. Mas é especial no caso de Estamira. Na verdade, é sugerida pelo próprio título, que nos leva a uma relação interdisciplinar com a Gramática: decompondo-o, temos o pronome demonstrativo esta e o substantivo deverbal mira (formado por derivação regressiva a partir do verbo mirar ). O pronome esta é dêitico, ou seja, remete a um dado do contexto, sem o qual não faz sentido, porque pode fazer qualquer sentido: esta mira pode ser qualquer mira. Contextualizado, o mirar é específico: esta mira, no filme, é o mirar de Estamira. O demonstrativo esta provoca um efeito de aproximação entre o espectador e o que mira Estamira (em contrapartida, os pronomes essa e aquela, em graus diferentes, 1

2 produziriam efeito de distanciamento): na linguagem cinematográfica, diríamos que o olho mecânico produz um efeito zoom. O filme propõe, assim, um contato mais próximo entre o público e a personagem, aproximando distintas realidades: por exemplo, a do garoto de classe alta que vai ao cinema e a da retratada no lixão. O garoto, que nunca viu um lixão, que nunca ouviu uma louca, tem-nos sob sua mira no filme, em efeito zoom. Como diz o pintor Van Gogh, numa das Cartas a Théo (seu irmão), quando estava internado na Clínica Psiquiátrica de Saint-Rémy: Queria dizer-lhe que acho que fiz bem em vir aqui, primeiro vendo a realidade da vida dos loucos ou doidos diversos neste zoológico, perco o vago temor, o medo da coisa. E pouco a pouco posso chegar a considerar a loucura como sendo uma doença como outra qualquer. Desse modo, o filme ajuda-nos a desfazer preconceitos, a enxergar outras realidades (pessoais, sociais), a mirar o outro condição necessária para a ampliação de nosso universo de referências, de nosso repertório cultural. Segundo o Houaiss, aliás, um dos sentidos de mirar é procurar alcançar; ter em vista. Por isso é que dissemos que o título remete ao sentido da visão. A visão remete ao olho, instrumento sensorial geralmente associado à razão, à verossimilhança, à evidência. Não por outro motivo o senso comum repete São Tomé: ver para crer. Não por outro motivo ressoa a voz proverbial: O que os olhos não vêem o coração não sente. O filme, curiosamente, parece pôr em xeque a máxima, já que oferece ao público a visão do que captam os olhos de Estamira: apesar disso, como crer no que um louco vê? Como sentir o que seu coração sente, se não vemos o que seus olhos vêem? Se nossos olhos vêem, mas não olham... Se considerarmos o cinema uma arte ilusionista, saímos do filme com a ilusão de termos conseguido olhar por meio dos olhos do outro, como se pudéssemos assim ter acesso à sua subjetividade, desvendando os insondáveis mistérios das cavernas abissais de seu ego... O que está, assim, sob esta mira? Em alguns momentos do documentário, Estamira aparece de olhos bem abertos, fixados num ponto que a câmara não capta. Que verbo traduziria melhor o que seus olhos captam: ver ou olhar? Os mais apressados diriam que tanto faz, afinal são sinônimos. Os 2

3 que se lembram das lições de Semântica sabem que não há sinônimos perfeitos: ver não significa o mesmo que olhar. Este é mais profundo do que aquele: ver é passivo, é captar imagens porque os olhos estão abertos; olhar é ativo, é receber as imagens com os olhos da alma. Ver é absorver qualquer imagem; olhar é reter o que está sob a mira. Quando a visão é firme e seletiva, forma-se o olhar. Por isso é que alguns dizem que a alma humana nasce quando o bebê deixa de ver para olhar. Olhar é procurar: o que procura Estamira? Difícil responder sem cair em soluções simplistas. Recorrendo à epígrafe de Leminski, que segredos, então, escondem os olhos de Estamira? O que está sob sua mira? O documentário não responde, nem poderia responder, já que ninguém tem controle sobre a subjetividade de ninguém: a câmara não capta o que captam seus olhos, não tem acesso direto às imagens que se apresentam a ela. A câmara, pois, não oferece nada pronto à visão do espectador; apenas sugere: se o simbolista Mallarmé dizia sugerir, eis o sonho, nesse caso parece que estamos autorizados a dizer sugerir, eis o pesadelo. Assim, quem vê Estamira, o documentário, não vê o que vê Estamira, o sujeito. Ou melhor: vê uma pequena parte do mesmo substrato real que ajuda a formar a matéria de que é feita uma pequena parte de seus pesadelos (não menos reais ). Os pesadelos, porém, são mais visíveis quando escutáveis: Estamira mais faz ver quando faz escutar; seu discurso tem, pois, um efeito sinestésico. O documentário não mostra as imagens que ela vê; antes, tenta levar nossos ouvidos a enxergar um pouco do universo que os olhos dela captam. Por isso não é descabido dizer que ouvimos o filme. Aliás, já que opusemos o ver ao olhar, melhor do que dizer que vimos Estamira seria falar que a escutamos, opondo agora o ouvir ao escutar. Todos os que assistiram ao filme e não têm problemas auditivos ouviram o que disse a protagonista; nem todos, entretanto, escutaram-na. Roland Barthes, importante estudioso da linguagem humana, assim nos ajuda a entender a oposição: Ouvir é fisiológico; escutar é um ato psicológico. Pode-se descrever as condições físicas da audição (seus mecanismos), recorrendo-se à acústica e à fisiologia da audição; a escuta, porém, só se pode definir por seu objeto, ou, se preferirmos, sua intenção. Escutar é ouvir com intenção, com direção: mais do que sentir os sons, é percebêlos (para o dramaturgo Antonin Artaud, também tachado de louco, o sujeito escuta quando possui ouvido suficientemente aberto para perceber o avanço da pororoca ). 3

4 Olhar, na mesma linha, é ver com intenção, com direção: mais do que sentir as imagens, é percebê-las. Nessa perspectiva, assistir a Estamira não é apenas ver e ouvir o filme, mas olhá-lo e escutá-lo; melhor dizendo, é olhá-la e escutá-la. Melhor dizendo: é vivê-la. Como já dissemos, essa discussão serviria para abrir qualquer filme. Mas é especial no caso de Estamira. Porque o caso de Estamira é especial. E é especial por uma série de motivos. A razão mais óbvia é a óbvia falta de razão da protagonista (nada estranho, se pensarmos que a razão nasce exatamente da ânsia de explicar o que parece sem razão): não estamos habituados a parar para escutar o que o louco tem a dizer. Quando muito, ouvimos o que ele diz como um amontoado de sons sem sentido. Fixamo-nos apenas no plano da expressão de seu discurso, isto é, no tom alto de sua voz, em seus gritos, em sua gestualidade hiperbólica, em seu histrionismo... Desprezamos em geral o plano do conteúdo de sua fala, rotulando-a de incoerente. Trata-se de um mecanismo de silenciamento: o discurso do louco não faz história, não vai para os anais... Trata-se de um mecanismo de poder, que elege o que deve e o que pode ser dito em dado momento: então o louco é excluído, é marginalizado, é confinado. O documentário, corajosamente, convida o espectador a deslocar o foco de sua atenção para o plano do conteúdo do discurso de Estamira: durante duas horas, o público é colocado diante de uma louca que faz do espaço do lixão sua ágora, pregando a loucos como ela, a ratos e urubus. Não dá para ficar duas horas prestando atenção somente às caretas, aos tiques, aos gestos largos, aos grunhidos de Estamira: começamos progressivamente, então, a entrar em seu universo, tentando atribuir sentido às suas palavras. Começamos, então, a olhá-la de perto, a escutá-la a fundo a vivê-la. Seu discurso passa a adquirir sentido quando entendemos a lógica de seu raciocínio: há muita lucidez na fala de Estamira. Como uma espécie de Antonio Conselheiro, tem um discurso fragmentário, caleidoscópico, formado por distintas referências: mistura trechos da Bíblia, remontando à sua mocidade cristã, com designações astronômicas e outras coisas que leu em livros e revistas jogados no lixão. Diferentemente de Antonio Conselheiro, seu discurso se volta contra Deus: Estamira não funda uma teogonia, mas uma cosmogonia. Somos, em sua teoria, regidos por forças materiais, astrais : o cometa é o comandante ; há astros bons e astros ruins; há o poder natural superior. Tudo que ela chama de ao contrário é adversário que cria obstáculos às nossas performances, truncando a narrativa 4

5 da vida humana. Tudo o que ela diz é amarrado por essa lógica: há, portanto, coerência em seu discurso (o que não significa concluir que ela porta verdades ). Por que sua crença seria menos lógica do que crer na origem da vida a partir de teorias criacionistas, negando o evolucionismo darwinista? Uma das coisas que o filme ensina: o discurso do louco não é carente de qualquer sentido, mas tem outro sentido, pertence a outra lógica, cria formas diferentes de representação e interpretação do real. Aliás, ensina que a loucura não está apartada do real ela é filha da realidade. Filha monstruosa, mas filha. Não interessam aqui os fatores bioquímicos, as predisposições orgânicas. No recorte que fazemos, a loucura é também fruto do meio, é também um produto social. Partimos da crença de que cada sociedade engendra seus próprios pesadelos, cria seus próprios tiranos e seus próprios subjugados: o substrato dos pesadelos, assim, está no cotidiano. É a vida que fornece a matéria de que se nutrem os bons e os maus sonhos: é mais provável que ratos e urubus povoem a noite de quem vive num aterro. Nessa perspectiva, miséria e loucura estão imbricadas. Claro que há miseráveis que não são loucos, como há loucos que não são miseráveis. Como é claro que há também loucos e miseráveis que sonham com chinchilas e faisões, mesmo vivendo em um aterro. Não defendemos nem o filme que a loucura é produto do meio, tão ao gosto do determinismo do século XIX. Aliás, uma relação interdisciplinar possível é com a Literatura: o Naturalismo aproveitaria a história de Estamira para fazer um romance de tese. No raciocínio da época, teríamos o seguinte: Quem vive num lixão é louco; Estamira vive num lixão; logo Estamira é louca. Apesar de sedutor, talvez exatamente por simplificar problema tão complexo, o raciocínio é falacioso: aproveita-se da estrutura lógica do silogismo para construir um sofisma, como aprendemos nas aulas de Redação. Bastaria um miserável são vivendo entre os dejetos para desautorizar a conclusão. A loucura de Estamira é tributária de fatores psíquicos combinados a fatores sociais. Interessam-nos aqui, particularmente, os fatores sociais que contribuem para a instalação do quadro. Outra das coisas que o filme ensina: a loucura não é o regime da felicidade e da liberdade. Estamira mostra que o louco não é livre nem feliz, como crê o senso comum: as fantasias não são escolhidas; os delírios e alucinações são impostos pela doença. O louco é refém de seu psiquismo, encarcerado em seus devaneios: os piores carcereiros e as mais 5

6 terríveis prisões. Loucos são os que dizem que queriam ser loucos para não sofrer: isso só mostra o quanto a loucura não raro é glamourizada, o quanto estamos apartados do que significa de fato ser louco. O documentário também ajuda a refletir sobre o mito da genialidade associada à loucura: não parte da idéia sedutora, romântica, idealista, de que há em todo demente um gênio incompreendido em cuja mente brilha uma idéia assustadora. O louco não é necessariamente gênio: nem todo louco é Van Gogh, nem todo artista é louco. Há loucos geniais e loucos imbecis; do mesmo modo, há gênios loucos e gênios sãos. Estamira é louca mas não é artista; não é imbecil mas não é gênio: é uma pessoa comum que trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua, em sua profissão de fé... O escritor Renato Pompeu, internado diversas vezes em hospitais psiquiátricos, rejeita tanto a idéia de que a loucura seja um passaporte direto para a criatividade quanto de que seja uma porta aberta à felicidade: A minha impressão pessoal é que a loucura não é nenhuma garantia de alta criatividade. Pelo que pude observar, a proporção de artistas entre os doentes mentais que conheci é mais ou menos a mesma que existe na população em geral. A grande diferença é que, estando internados ou afastados do trabalho, os doentes mentais têm muito mais tempo para se dedicar a atividades artísticas e artesanais, que muitas vezes têm efeitos terapêuticos. O que distingue a chamada loucura da chamada normalidade não é a capacidade de imaginação criativa, e sim a capacidade de comparar os produtos dessa imaginação criativa com a realidade observável fora do pensamento de cada um. Tanto o louco quanto o normal podem imaginar coisas malucas, só que o louco não sabe que essas coisas são malucas e o normal sabe. Por fim, o documentário pode ser lido como uma espécie de libelo contra o encarceramento em hospitais psiquiátricos: no mundo moderno não há espaço para o louco de aldeia, para o bobo da corte do mundo medieval, que dizia, em sua lúcida loucura, as verdades inconfessáveis, os conteúdos reprimidos, as idéias censuradas. Conforme 6

7 questiona Machado de Assis no conto O Alienista, quem é de fato louco? Os que estão internos ou os que estão livres? Na história do bruxo (como o chamava Drummond), o único interno, por fim, acaba sendo o próprio psiquiatra, o Dr. Simão Bacamarte: Mas deveras estariam eles doidos, e foram curados por mim, ou o que pareceu cura não foi mais do que a descoberta do perfeito desequilíbrio do cérebro? E cavando por aí abaixo, eis o resultado a que chegou: os cérebros bem organizados que ele acabava de curar eram tão desequilibrados como os outros (...) Não havia loucos em Itaguaí; Itaguaí não possuía um único mentecapto. Mas tão depressa esta idéia lhe refrescara a alma, outra apareceu que neutralizou o primeiro efeito; foi a idéia da dúvida. Pois quê! Itaguaí não possuiria um único cérebro concertado? Esta conclusão tão absoluta não seria por isso mesmo errônea, e não vinha, portanto, destruir o largo e majestoso edifício da nova doutrina psicológica? (...) A questão é científica, dizia ele; trata-se de uma doutrina nova, cujo primeiro exemplo sou eu. Reúno em mim mesmo a teoria e a prática. A propósito, o paradoxo é assim traduzido pelo filósofo Michel Foucault, em sua História da Loucura: a ciência acaba por desaguar na loucura pelo próprio excesso das falsas ciências (...), o Mestre que ostenta por trás de seu chapéu de doutor o capuz dos loucos cheio de guizos. Aproveitando a deixa: existe sanidade, ou todos somos loucos em graus diferentes? O médico dos loucos também é louco? Caetano Veloso está certo ao afirmar que de perto ninguém é normal? O que se chama de sanidade seria mais uma das muitas manifestações da loucura? Para tentar responder a isso, vêm bem a calhar as seguintes idéias do filósofo Pascal: Os homens são tão necessariamente loucos que não ser louco significaria ser louco de um outro tipo de loucura. Na reflexão de Leminski, no poema luz versus luz, de la vie em close: quem parece são não é/ e os que não parecem são. Guardadas as devidas proporções, é o que pondera Guimarães Rosa no conto Darandina, de Primeiras Estórias. 7

8 Na análise da obra para a Fuvest 2004, Dácio Antônio de Castro resume exemplarmente a questão: Neste precioso estudo de psicologia social, Guimarães Rosa se empenha em comentar, ironicamente, o comportamento coletivo. Registra, nas várias personagens, os mais variados graus de insanidade que os cidadãos, ditos cosmopolitas, costumam apresentar. A grande indagação lançada pelo autor é: quem é mais louco? Seria o empalmeirado que parecia ter instilado veneno nos reservatórios da cidade? Ou o povo, necessitado de circo, que transforma aquilo num espetáculo e muda de opinião com espantosa facilidade/ Ou seriam as impotentes autoridades? Ou os médicos, que se refugiam no biombo do jargão psiquiatrês, para dissimular sua incompetência? Estamira não constitui nenhum risco à ordem pública; sua liberdade não implica perigo a ninguém. Se, assistindo ao documentário, em princípio ninguém duvida de que ela é louca, no final alguém desacredita de que ela também é lúcida? As palavras de Artaud interno por nove anos no Hospital Psiquiátrico de Rodez vêm em defesa da liberdade dela e de seus pares, contra a política de encarceramento dos doentes mentais em instituições psiquiátricas, no texto Van Gogh, o suicidado pela sociedade: É possível falar da boa saúde mental de Van Gogh, que, no curso de sua vida, apenas assou uma das mãos e, fora isso, não fez mais que amputar a orelha esquerda, num mundo onde se come todos os dias vagina cozida à la suace vert ou sexo de recém-nascido espancado e colérico, tal como é colhido ao sair do sexo materno. E isto não é uma imagem, mas um fato abundante e cotidianamente repetido e observado em toda a terra. E é assim, por mais delirante que possa parecer tal afirmação, a vida presente se mantém em sua velha atmosfera de estupro, de anarquia, de desordem, de delírio, de desregramento, de loucura crônica, de inércia burguesa, de anomalia psíquica 8

9 (porque não foi o homem mas o mundo que se tornou anormal), de assumida desonestidade e insigne hipocrisia, de sórdido desprezo por tudo o que mostre raça (...). Foi assim que a sociedade estrangulou em seus asilos todos aqueles dos quais ela quis se livrar ou se proteger, por terem se recusado a se tornar cúmplices dela em algumas grandes safadezas. Porque um louco é também um homem que a sociedade se negou a escutar e quis impedi-lo de dizer insuportáveis verdades. Na mesma linha segue o escritor Carl Solomon, quando paciente do Pilgram State Hospital. Apesar das grandes diferenças entre os casos, o exemplo também serve para questionar o estatuto da loucura, a certeza dos diagnósticos, a necessidade da internação em suma, a onipotência de certos psiquiatras, que transformam o provável em evidente: Merda, eles me mantêm num hospício e me acusam de paranóia porque eu me recuso a pagar suas trapaças (...). Que morram esses escritores afetados que adulam uma Ciência inexata com uma parafernália de medicamentos inúteis e geringonças que custam vidas (...). É a nova Gestapo (...). Quando voltei da França para este país inculto, fui logo taxado de louco em meu próprio meio por ler Baudelaire, usar sandálias e falar francês. Fui submetido a comas de insulina e eletrochoques por nenhuma outra razão a não ser minhas traduções e minhas leituras. Quem é louco; quem é são? O psiquiatra Wilhelm Reich mostra que as fronteiras não são nítidas: O mundo em alguns lugares é governado por indivíduos nos quais os psiquiatras têm forçosamente de descobrir sintomas de doença mental; mais ainda, os homens de toda parte do mundo na realidade são mentalmente enfermos; reagem mentalmente de forma anormal, acham-se em conflito com seus próprios desejos e possibilidades reais. Eis alguns sintomas de reações 9

10 anormais: morrer de fome na abundância (...); acreditar que um poder divino de longas barbas brancas rege tudo e que se está à mercê deste poder, para o bem ou para o mal; matar pessoas inocentes com entusiasmo e acreditar ter conquistado uma terra da qual nunca ouviu falar; andar esfarrapado e ao mesmo tempo sentir-se como representante da Grandeza da Nação (...); delegar a qualquer indivíduo, mesmo que seja um chefe de estado, um poder quase absoluto sobre a própria vida e o destino (...); considerar o castigo das crianças no interesse da cultura coisa evidentemente normal; negar a felicidade da união sexual a jovens na flor da idade. Poder-se-ia continuar ao infinito. O que você escutou do que ouviu? Para que recantos do ser foi direcionado seu olhar? Que segredos Estamira lhe revelou? Quais verdades lhe ensinou? Quantas crenças ela abalou? Quantos preconceitos ajudou a quebrar? Que posturas lhe obrigou a rever? Quem de fato é louco? Quem efetivamente é são? Existem fronteiras nítidas, bem delimitadas, entre a razão e a loucura? Há diagnóstico preciso o bastante para privar alguém do convívio social? Talvez a única conclusão honesta, possível: sei que nada sei. In dubio pro reo: a dúvida se abre ao infinito... Uma coisa é certa: depois de assistir ao documentário, não saímos do cinema como entramos. Depois de Estamira na síntese do simbolista Rimbaud eu é um outro. Paulo César de Carvalho é bacharel em Direito e mestre em Lingüística pela USP, professor de Gramática, Interpretação de Texto e Redação do curso Anglo Vestibulares, do CPC-Marcato e do Diex, co-autor do material de Língua Portuguesa do Sistema Anglo de Ensino, autor dos livros Tópicos de Gramática e Tópicos de Interpretação de Texto e Redação (Editora CPC ou e colaborador da revista Discutindo Língua Portuguesa. 10

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Loucura Mito e Realidade

Loucura Mito e Realidade Loucura Mito e Realidade Carmem Dametto Loucura Mito e Realidade 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2012 Edição de texto Noga Sklar Editoração: KBR Capa KBR Copyright 2012 Carmem Dametto Todos os direitos reservados

Leia mais

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005)

Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Diálogo de Lama Lhundrup com os pacientes a um Hospital em Brasília (2005) Lhundrup: Sou um monge budista. Estou muito contente em encontrar vocês. Vocês já encontraram um monge budista antes? Uma paciente:

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional,

Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, Psicopedagogia institucional na escola: desafios e processos Agora que já sabemos como funciona a atuação da Psicopedagogia Institucional, vamos nos deter na atuação psicopedagógica institucional escolar

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

As evidências do cotidiano

As evidências do cotidiano Para que filosofia? Autora: Marilena Chauí Fonte: Convite à Filosofia As evidências do cotidiano Em nossa vida cotidiana, afirmamos, negamos, desejamos, aceitamos ou recusamos coisas, pessoas, situações.

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA O DESAFIO DE PROMOVER A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Júlio César Furtado dos Santos Pedagogo, Psicólogo, Diplomado em Psicopedagogia pela Universidade de Havana, Cuba Mestre em Educação pela UFRJ Doutor

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar?

Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Como falar com uma pessoa poderá me ajudar? Aline Cerdoura Garjaka Encontrei, no seminário de 1976-77, Como viver junto, de Roland Barthes, a seguinte passagem (cito): Portanto, eu dizia É com essas palavras

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil

São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil Índice Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo Professor de Educação Básica I - Fundamental (Anos Iniciais) e Professor de Educação Básica I - Infantil EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO - N

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho

A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho A influência do contexto social na obra Chapeuzinho Vermelho Guilherme Argenta Souza Ceres Helena Ziegler Bevilaqua UFSM A obra Chapeuzinho Vermelho é um clássico da literatura universal, apreciada por

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

Usando Comandos Embutidos:

Usando Comandos Embutidos: Usando Comandos Embutidos: 1. Eu não lhe diria, porque De qualquer forma já estou dizendo, porém, minha negativa inicial quebra a resistência, e a palavra mágica porque atribui autoridade ao que digo ao

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior

Por isso antes de propriamente entrares na meditação dos textos, proponho um pequeno percurso para te ajudar a fazer silêncio interior Para rezar na Semana Santa Estamos em plena Semana Santa. Ao longo destes dias somos convidados a reflectir no mistério da Paixão-Morte e Ressurreição de Jesus. A tradição popular quis recordar os últimos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Eu sou normal? 1. Monica Aiub 2

Eu sou normal? 1. Monica Aiub 2 A Filosofia no Consultório Eu sou normal? 1 Monica Aiub 2 Na minha casa ninguém estuda e eu quero estudar. Meu pai diz que eu sou louca por causa disso, será que eu sou normal? As meninas querem ficar,

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade A INFORMAÇÃO é fundamental para vencermos as barreiras do preconceito e da discriminação. Ao buscarmos a INFORMAÇÃO, exercitamos

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Uma palavra da velha guarda, com novo significado

Uma palavra da velha guarda, com novo significado Um Espaço Chamado Castidade 1 Uma palavra da velha guarda, com novo significado Se eu pedisse a você uma definição de castidade, posso até apostar que você associaria com esperar até o casamento para fazer

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005 Espiritualidade no trabalho Ao contrário do que se imagina, ser um profissional mais espiritual não implica em fazer orações antes de iniciar o expediente ou montar capelas e altares na empresa. Tem a

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh.

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. 13 2. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009. 274 p. RESENHA Pepita de Souza Afiune * A autora Luciana Bertini Godoy é graduada em

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches

Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches 1 Nome: nº Data: 7º ano Profa.:Juliana Sanches Conteúdo: - Predicação Verbal; - Modo e Tempo Verbal; - Vozes Verbais. Trabalho para Recuperação 01. Leia a tira. a) Na oração Queria mandar um alô para o

Leia mais

Análise crítica dos textos de Flusser e Key

Análise crítica dos textos de Flusser e Key Análise crítica dos textos de Flusser e Key Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo - FAU USP ECA-0800-Teoria das Mídias Prof. Dr. Mauro Wilton de Souza 4 semestre do Curso de Design

Leia mais

DATA: 05 / 12 / 2011 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA:

DATA: 05 / 12 / 2011 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 5 / / UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º ANO/EF ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:,

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

Entrevista com Dr. Alcides de Souza

Entrevista com Dr. Alcides de Souza Entrevista com Dr. Alcides de Souza sexta-feira, fevereiro 04, 2011 http://nucleotavola.com.br/revista/entrevista-com-dr-alcides-de-souza/ por Lucas Arantes e Luis Fernando S. Souza-Pinto A entrevista

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?-

O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- 1 2 O DEMÔNIO DE CADA UM DE NÓS A QUESTÃO DO BEM E DO MAL -O DIABO EXISTE REALMENTE?- Hideraldo Montenegro 3 Hideraldo

Leia mais

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a

O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a O Sr. OSMÂNIO PEREIRA (PTB-MG) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o que me traz a esta tribuna é a indignação diante do desrespeito e do ultraje à fé católica

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em artigo do jornal Folha de São Paulo, como se tornou escritor de sucesso. A narrativa de Paulo Coelho fez parte

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

PSICOSE E REENCARNAÇÃO

PSICOSE E REENCARNAÇÃO Matéria de capa 6 PSICOSE E REENCARNAÇÃO NESTA ENTREVISTA, O DR. MÁRIO SÉRGIO SILVEIRA, PSICOTERAPEUTA, EXPLICA COMO O ESPIRITISMO PODE ABRIR NOVAS PERSPECTIVAS NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS MENTAIS Por Érika

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo

ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA. Resumo ALBERTO CAEIRO E A POÉTICA DA NEGAÇÃO RINALDO GAMA Resumo Ao explicitar, em O Guardador de Rebanhos, a impossibilidade de se atingir o real por meio dos signos, ao mesmo tempo em que se vê na contingência

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

anti-heróis & aspirinas yury hermuche

anti-heróis & aspirinas yury hermuche anti-heróis & aspirinas yury hermuche A aspirina é um pó branco e cristalino, com ponto de fusão a 135 graus celsius, também conhecido como ácido acetilsalicílico. É vendido compactado em pastilhas. Sua

Leia mais