Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX"

Transcrição

1 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX Anna Lúcia CÔGO Universidade Estadual de Santa Cruz /UESC Ilhéus/BA Muitos aspectos envolvendo os fenômenos da imigração e colonização portuguesa no Brasil ainda se encontram sem estudos mais aprofundados no campo historiográfico, sobretudo quanto às especificidades que tais fenômenos apresentaram em meio a um extenso território e em distintos períodos, e cujas lacunas devem ser preenchidas com as pesquisas e estudos voltados para as diferentes realidades regionais do país. Fatores externos e internos conformaram ritmos e perfis diferenciados ao fenômeno da imigração/colonização portuguesa em território brasileiro, e tais variantes devem ser buscadas nos estudos mais recentes que lidam com a temática no âmbito da história local/regional, sobretudo quando o Brasil esteve sob domínio da Coroa Portuguesa a América lusitana. E, mesmo após a independência do Brasil, os reflexos e os efeitos desta imigração e colonização são permeados de continuidades e rupturas, especialmente no que se refere às diferentes trajetórias que marcaram a vida dos colonizadores portugueses e seus descendentes no contexto brasileiro em geral, onde afloram múltiplas particularidades. As pesquisas mais atuais, ao lidar com contextos regionais específicos, apresentam nuanças diferenciadas para as diversas situações envolvendo os imigrantes portugueses na epopéia da colonização brasileira. Nesta perspectiva, no decorrer deste texto, procurarseá desvendar os meandros deste processo no evolver da ocupação territorial de São MateusES, abarcando desde a fase inicial da capitania até os fins do século XIX, período que compreende uma longa duração, mas na qual daremos destaque a certos momentos representativos da história de São Mateus, a saber: a criação oficial da Vila em 1764 (no contexto das reformas pombalinas) e os meados do século XIX (marcado pela turbulenta conjuntura advinda da proibição do tráfico externo de escravos africanos para o Brasil e a concomitante decretação da Lei de Terras, ambas no ano de 1850). Ressaltamos que o interesse pela abordagem do tema se relaciona à pesquisa realizada recentemente, na qual procuramos investigar a história agrária de São Mateus nos oitocentos, Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

2 Anna Lúcia Côgo onde constatamos o predomínio da produção da farinha de mandioca em larga escala, cuja atividade permaneceu enquanto principal vetor da geração de riquezas na região durante todo o período analisado. Verificamos que a comercialização e a exportação desta produção de farinha foram viabilizadas pelas condições naturais existentes na região de São Mateus, a exemplo da localização estratégica do seu porto fluvial e da navegabilidade do seu rio, e cujo porto se encontrava conectado à costa brasileira através do porto marítimo da Vila da Barra, onde se localiza a foz do rio São Mateus. Constatamos também que na região de São Mateus verificouse um crescimento econômico lento e gradual nos dois primeiros séculos da colonização, mas que, a partir de meados do século XVIII, esta situação começa a mudar, quando diversos fatores confluíram para que a região despontasse como uma das maiores produtoras de farinha de mandioca da costa brasileira, de onde esta era exportada em grandes quantidades para diversas regiões do país. Assim, é no decorrer dos oitocentos que se verifica o ápice do crescimento econômico de São Mateus e também a consolidação de uma oligarquia agrária e mercantil uma espécie de pequena nobreza local com forte poder de influência regional e composta, em sua maioria, por descendentes das famílias portuguesas estabelecidas em São Mateus. Nesta pesquisa, diversas fontes históricas e as informações nelas contidas foram selecionadas, sendo que somente uma parcela destas pode ser plenamente utilizada na ocasião, ficando o restante à espera de novas oportunidades de estudos que pudessem revelar outros aspectos da história regional. Neste sentido, a elaboração deste artigo se pautou na consulta a essas fontes subutilizadas, nas quais os diversos indícios encontrados fornecem subsídios para uma abordagem da história econômicodemográfica e social de São Mateus, onde em todo período analisado sobressai a presença dos imigrantes portugueses e dos seus descendentes na composição deste núcleo populacional. No conjunto destas fontes, e atentando para os objetivos aqui propostos, destacamse o Auto de Medição e Demarcação da Vila de São Mateus de 1764 (documento que registra, em detalhes, a criação da vila naquele ano), onde se encontra uma relação dos nomes completos de 124 moradores daquela localidade, e também os Registros Paroquiais de Terras da década de 1850 (referentes ao censo encomendado pelo governo imperial visando o levantamento dos possuidores de terras em todo o território nacional após a decretação da Lei de Terras), nos quais também constam diversos nomes/sobrenomes dos habitantes que declararam posses de terras na Freguesia de São Mateus em meados do século XIX. Além desta documentação, complementaremos este artigo com informações e dados encontrados em outras fontes relativas à história do Espírito Santo e de São Mateus, e também 2 Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

3 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX na bibliografia consultada para este fim. Assim, tomando por referência o conjunto das informações recolhidas neste leque de fontes e também na bibliografia, tentaremos reunir análises e evidências que contribuam para corroborar a seguinte assertiva: desde os primeiros tempos da capitania houve a predominância dos colonos portugueses no processo de ocupação territorial da região de São MateusES, onde certas condições naturais favoráveis encontradas por estes, possibilitou a formação e consolidação de uma oligarquia agrária e mercantil, composta, em sua maioria, por indivíduos descendentes desses primitivos colonizadores. Tais questões, acerca da existência de um expressivo contingente de imigrantes portugueses no evolver da história de São Mateus e também sobre o papel de destaque ocupado pelas famílias descendentes destes nos quadros da hierarquia social daquela região, constituem o fio condutor das argumentações aqui reunidas, e cuja elaboração se pautou na análise dos dados selecionados nas fontes supracitadas, sobretudo nos registros dos nomes completos de uma significativa parcela dos habitantes daquela localidade em contextos históricos distintos, ou seja, no ano 1764 e no decorrer do século XIX. Em momentos oportunos do texto tentaremos estabelecer conexões entre as situações que envolveram os imigrantes portugueses no processo de ocupação territorial da região de São MateusES e as características geralmente atribuídas à imigração/colonização portuguesa no Brasil. Sendo assim, antes de adentrar nas especificidades de tais processos no caso de São Mateus, destacaremos, em linhas gerais, as questões que mais sobressaem nos estudos que focam a temática numa perspectiva mais ampla, abarcando os principais aspectos que nortearam a presença dos imigrantes portugueses em diferentes momentos da história nacional e o papel de destaque que lhes coube no processo colonizador das terras brasileiras. Salientamos ainda que, nesta empreitada, não realizamos um levantamento exaustivo do conjunto da produção historiográfica dedicada ao tema já que isto fugiria aos propósitos deste artigo, mas que procuramos na mediada do possível, privilegiar determinadas obras e autores mais voltados ao tipo de abordagem dado ao tema neste estudo. Nesta perspectiva, o estudo de Ana Scott traz contribuições relevantes, pois a autora fornece um breve balanço da produção historiográfica relativa ao tema, ressaltando que, após efetuar um levantamento na bibliografia disponível até os anos de 1990, constatou que os estudos sobre a imigração portuguesa para o Brasil eram, comparativamente, menos Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

4 Anna Lúcia Côgo numerosos que os dedicados a outras etnias, especialmente em se tratando dos italianos, alemães, japoneses, entre outros grupos de imigrantes. 1. Acerca disto, observamos que semelhante quadro também se aplica no âmbito da produção historiográfica sobre o Espírito Santo, onde existe um reduzido número de abordagens sobre o tema, já que, no conjunto dos estudos relativos aos imigrantes e as suas contribuições ao processo de colonização das terras espíritosantenses, sobressaem os trabalhos dedicados às outras etnias estabelecidas em solo capixaba, principalmente os italianos e os alemães, instalados em núcleos coloniais criados pelo governo imperial. Ao avaliar o grau de importância que a história do Espírito Santo ocupa no conjunto da produção historiográfica relativa aos oitocentos, Nara Saletto destaca que os autores se restringem a incluir o Espírito Santo na região do café e a mencionar as colônias oficiais de imigrantes nele fundadas, sendo que as particularidades da economia cafeeira local e do processo de colonização estrangeira permanecem muito pouco conhecidas. Isto ocorre, segundo a autora, devido à limitação imposta pela carência de estudos regionais. 2 A questão envolvendo o desinteresse dos historiadores (brasileiros e portugueses) pelo estudo da temática da imigração e da colonização portuguesa no Brasil, e cuja situação se manteve nos quadros da historiografia até os anos de 1990, é apontada por Ana Scott 3, que propõe uma reflexão sobre os fatores que inibiram ou, pelo menos retardaram o interesse dos pesquisadores dos fenômenos migratórios no que diz respeito aos estudos sobre portugueses. Esta lacuna, que se manteve por um longo período no conjunto da produção historiográfica, pode ser justificada, segundo Scott, quando se considera as especificidades associadas à forma de inserção dos portugueses no Brasil, marcada por mecanismos diferenciados daqueles utilizados por outras etnias de imigrantes estrangeiros que entraram no país, haja vista que o domínio da língua portuguesa e o auxílio dos compatriotas já estabelecidos no Brasil proporcionaram maior autonomia ao imigrante português em sua inserção nesta sociedade, e lhes conferiu maiores vantagens em relação aos outros grupos de imigrantes estabelecidos no país. 1 Ana Silvia Volpi SCOTT, A imigração portuguesa para o Brasil a partir de uma perspectiva microanalítica, Revista História Unisinos, Vol.11 Nº. 1 São LeopoldoRS, Universidade do Vale do Rio dos Sinos / UNISINOS, janeiro/abril de Nara SALETTO, Transição para o trabalho livre e pequena propriedade no Espírito Santo, Vitória, EDUFES, 1996, p Houve anteriormente outros autores que também apontaram esta lacuna, dentre estes, Maria Beatriz Nizza da Silva (que em 1984 ressaltou a falta de estudos sobre o tema, tanto na produção historiográfica lusa quanto na brasileira) e M. I. S. Matos (que em 1993 destacou para o caso de São Paulo a inexistência de trabalhos monográficos sobre os portugueses, sua vida quotidiana, a sua atuação no mundo do trabalho, etc.) Cf. Ana Silvia Volpi SCOTT, A imigração portuguesa para o Brasil..., op. cit., 2007, p Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

5 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX Contudo, se tais fatores favoreceram a inserção dos imigrantes portugueses no Brasil, por outro lado, promoveram a dispersão de parcela deste contingente que, devido a essas facilidades, não necessitava passar pelos canais que geralmente envolvia a recepção dos imigrantes estrangeiros no país. Tal situação, somada ao estabelecimento dos portugueses em áreas mais urbanas, conferiu uma relativa invisibilidade à imigração de origem portuguesa no seio da população, dificultando o seu tratamento enquanto grupo nas pesquisas voltadas para a temática da imigração no Brasil. Scott destaca ainda que a inserção mais urbana desse contingente e, sobretudo, a impossibilidade de identificálos como portugueses, pelo nome da família, distinguindoos de brasileiros comuns cria mais dificuldades para o seu tratamento, enquanto grupo. 4 Contudo, esta afirmativa pode ser relativizada, tendo em vista que as características da imigração portuguesa para o Brasil e os formatos que esta apresentou no território nacional foram revestidas de particularidades, conforme a época e região enfocadas. Assim, nos centros urbanos mais desenvolvidos, tal assertiva pode ser plausível, mas, em se tratando de vilas e núcleos populacionais com baixas densidades demográficas e localizadas no hinterland do vasto território brasileiro, a identificação da presença dos colonizadores portugueses e dos seus descendestes apresenta maior viabilidade, sobretudo quando se dispõe de fontes que registram nomes e sobrenomes de famílias integrantes daquela sociedade em distintos períodos, tal como constatamos para o caso de São Mateus. Sobre a presença dos imigrantes portugueses no Espírito Santo no final do século XIX, Nara Saletto aponta determinadas características da inserção destes na sociedade capixaba, com base nos dados do censo realizado em 1900, no qual constata que os portugueses constituíam parcela significativa dos estrangeiros no Estado à época (7% do total), sobretudo na capital que concentrava 16% do total dos imigrantes portugueses estabelecidos no Espírito Santo, e onde dentre 70 estrangeiros, 28 eram portugueses. Fica patente ainda neste censo, segundo a autora, a participação privilegiada dos portugueses no ramo do comércio (onde ocupavam cerca de 200 postos), além de representarem parcela significativa na categoria dos artesãos da capital, e constituírem também a maioria dentre os estrangeiros que viviam de rendas (10 portugueses no total de 14 imigrantes). Contudo, pontua Saletto, tais constatações não implicam que a imigração portuguesa no Espírito Santo tenha sido essencialmente urbana, pois, na verdade, os portugueses estiveram presentes tanto na cidade quanto no campo 5 sendo que, neste último 4 Cf. Ana Silvia Volpi SCOTT, A imigração portuguesa para o Brasil..., op. cit., 2007, p Nara SALETTO, Trabalhadores nacionais e imigrantes no mercado de trabalho do Espírito Santo ( ), VitóriaES, EDUFES, 1996, p. 174 e 175. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

6 Anna Lúcia Côgo caso, registrase um grande percentual destes tanto no sul quanto no norte do estado, conforme demonstram os quadros demográficos de São Mateus em períodos precedentes. No tocante às pesquisas relativas à imigração e colonização portuguesa no Brasil, e em cuja área se registrou o desinteresse dos historiadores até o início da década de 1990, notase sinais de mudanças no transcurso desta mesma década, quando novos alentos reanimaram tais estudos, provocando o crescimento de pesquisas e publicações sobre a temática, tanto em Portugal quanto no Brasil, onde este impulso é geralmente associado à conjuntura favorável aberta na ocasião das Comemorações dos 500 anos do Brasil. Observase que o incremento desses estudos pode estar relacionado também aos estímulos dos pesquisadores diante dos novos aportes teóricometodológicos e novas fontes a serem aplicados no estudo dos fenômenos migratórios, haja vista que a maioria dos trabalhos até então realizados, focalizava ora o fenômeno da emigração, de um ponto de vista dos determinantes dessa, ora os imigrantes portugueses já apanhados em solo brasileiro, tratados como grupo imigrante dotado de características específicas, não existindo, portanto, o tratamento do fenômeno migratório em sua totalidade. 6 No que tange aos fluxos da imigração portuguesa para o Brasil em termos quantitativos, percebemos a incidência de grandes variações numéricas, conforme os períodos em que estes se verificaram no transcurso da história brasileira e portuguesa. Contudo, interessanos aqui destacar os dados quantitativos que compreendem as etapas inerentes ao período colonial e imperial do Brasil, tendo em vista o recorte temporal adotado neste estudo. TABELA 1: Estimativas da imigração portuguesa para o Brasil ( ) Períodos Nº imigrante % , , , , , , Total , % Fonte: Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: IBGE, 2000 disponível em acesso em 10/03/ Cf. Ana Silvia Volpi SCOTT, A imigração portuguesa para o Brasil..., op. cit., p Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

7 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX Nos dados expostos na Tabela 1, percebemos claramente que, no conjunto do período enfocado, o maior pico da entrada dos portugueses na colônia brasileira se verifica entre 1701 e 1760, cujo fenômeno se relaciona à conjuntura econômica favorável iniciada com a descoberta e exploração do ouro, a qual se constituiu na principal atração deste expressivo contingente de portugueses para o Brasil num intervalo de 60 anos (56,7 % do total), e cujos dados se apresentam muito díspares em relação ao contexto verificado no período precedente ( ), quando se registrou a entrada de imigrantes portugueses num longo período de aproxidamente 200 anos (9,4 % do total). Observando os indícios e as informações recolhidas nas fontes referentes à história de São Mateus e do Espírito Santo, especialmente no que se refere à movimentação ou fluxo dos imigrantes portugueses no território espíritosantense, podese inferir que os ritmos e as dinâmicas que conformaram a trajetória desses colonizadores no Brasil, apresentam similaridades com os processos e tendências que marcaram a inserção numérica dos imigrantes e colonos portugueses no Espírito Santo, especialmente na região de São Mateus. Ainda acerca das origens e perfil dos imigrantes oriundos de Portugal e que participaram efetivamente no processo de colonização das terras brasileiras desde o período colonial, registrase uma forte incidência dos marranos, que aparecem com destaque em diversos momentos importantes da história do país, a começar pela presença de indivíduos de origem judaica na composição da frota comandada por Cabral, já que os mesmos atuavam no campo da astronomia e no financiamento das expedições marítimas para o Novo Mundo. 7 Ressaltase que os primeiros colonos portugueses trazidos para a Capitania do Espírito Santo pelo donatário Vasco Fernandes Coutinho, em número de 60 homens, não eram elementos selecionados nem organizados para uma distribuição em núcleos coloniais, mas dispersos, constituídos de escravos na sua maior parte e de criminosos, sendo que apenas alguns fidalgos porque eram degredados, cumprindo penas por crimes que tinham praticado, quiseram acompanhar o donatário dentre estes D. Jorge de Menezes e D. Simão de Castelo Branco, aos quais coube administrar a capitania quando o donatário Coutinho foi a Portugal em busca de maiores recursos para promover melhorias em suas possessões no Brasil. 8 7 Mesmo havendo controvérsias acerca da origem e significado do termo marrano, destacase que este é originário da palavra hebraica anussim, ou seja, conversos forçados, designando aqueles judeus que tiveram que abandonar o judaísmo, ao menos formalmente, passando a aparentar uma vida pública como católicos, sendo também conhecidos pela denominação de cristãosnovos ou judaizantes (judeus ocultos). Cf. Revista Judaica, Nº. 11, Março/1998, disponível em acesso em 27/01/ Informações retiradas das seguintes obras: Heribaldo Lopes BALESTRERO, O povoamento do Espírito Santo, VianaES, Prefeitura Municipal de Viana, 1976, p. 20; e, Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, São MateusES, Editora Atlântica Ltda., 2001, p. 28. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

8 Anna Lúcia Côgo Ao pesquisarmos as origens do povoado de São Mateus nos tempos iniciais da capitania, constatamos que não há informações precisas sobre este assunto, havendo apenas certas hipóteses aventadas por estudiosos da história regional, dentre as quais consideramos como mais provável a que sustenta serem os primeiros povoadores daquela região os colonos portugueses trazidos inicialmente por Vasco Coutinho, donatário da Capitania. Estes, estabelecidos na parte central do território (sede da capitania), após sofrerem diversos ataques dos índios, resolveram se dispersar para outros locais, sendo que uma parcela destes se dirigiu para o extremo norte da capitania, dando origem ao núcleo populacional de São Mateus. 9 Digno de menção acerca deste período é o fato de que os primeiros contatos dos portugueses com os primitivos habitantes de São Mateus não foram nada amistosos, haja vista que a documentação histórica registrando a presença mais remota dos portugueses naquela região referese à denominada Batalha do Cricaré 10, ocorrida em fins de janeiro de 1558, e considerado um dos episódios mais violentos nos conflitos entre portugueses e índios no país. Segundo as informações obtidas nas fontes que registram este episódio, a referida batalha ocorreu próximo à confluência dos rios Cricaré e Mariricu, e foi um confronto ordenado por Mem de Sá, então Governador Geral do Brasil, o qual enviou seu próprio filho, Fernão de Sá, no comando de cinco barcos com aproximadamente 200 homens, em auxílio ao donatário da Capitania do Espírito Santo, visando conter os levantes indígenas contra a dominação portuguesa naquela capitania, após solicitação feita por Vasco Fernandes Coutinho, em correspondência remetida ao Governo Geral do Brasil em Contudo, notase que no evolver desta Batalha, os primitivos habitantes de São Mateus os índios Botocudos, apresentaram forte resistência à investida dos portugueses em seus territórios, cujo violento enfrentamento resultou, por um lado, no aprisionamento e extermínio de centenas de índios e, por outro lado, culminou na morte do filho de Mem de Sá e de outros integrantes daquela expedição. O trágico final deste episódio fixou São Mateus na história do Brasil como o lugar onde os portugueses sofreram a sua primeira derrota. No entanto, registrase que Mem de Sá, ao tomar ciência dos fatos e da morte do seu filho, indignado, organizou um novo massacre aos índios, o qual se constituiu na primeira grande exterminação dos nativos nas etapas iniciais do período colonial. Porém, desta feita, tal episódio ficou historicamente conhecido como a primeira vitória de Mem de Sá no Brasil, 9 Cf. Gabriel BITTENCOURT, Notícias do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Editora Cátedra, 1989, p O rio São Mateus era também conhecido como rio Cricaré (nome de origem indígena) Cf. Maria do Carmo de Oliveira RUSSO, Cultura política e relações de poder na região de São Mateus: o papel da Câmara Municipal (1848/1889), VitóriaES, Universidade Federal do Espírito Santo/UFES, 2007, p. 14 disponível em acesso em 23/03/ Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

9 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX pois, foi tão grande a matança de índios, inclusive dos seus chefes, que o próprio Mem de Sá, em carta enviada ao Rei de Portugal, faz a seguinte menção: Fica a Capitania do Espírito Santo agora muito pacífica e o seu gentio tão castigado: mortos tantos e tão principais que parece que não levantarão a cabeça tão cedo. 11 A existência de um grande contingente indígena no território espíritosantense e as diversas formas de resistência desses povos ao avanço do processo colonizador nos três primeiros séculos da colonização, figura entre os principais fatores que obstaculizaram a ampliação da fronteira agrícola e das atividades econômicas em geral, contribuindo para o fracasso da capitania e para a estagnação da economia regional até meados dos oitocentos, quando o Espírito Santo se insere, mesmo que timidamente, na economia cafeeira do país. Nesta perspectiva, é importante destacar certos aspectos envolvendo a trajetória dos povos Botocudos 12, sobretudo no norte do Espírito Santo (com foco privilegiado na região de São Mateus), onde a expressiva presença numérica desses povos ocasionou diversos conflitos entre os colonizadores e os povos indígenas, quando estes apresentaram resistências ao avanço do processo colonizador. Notase que maioria dos relatos e estudos referentes à questão, evidencia e enaltece os episódios e as ações criminosas e perversas empreendidas contra esses índios pelos agentes da colonização desde o século XVI, sendo que, por outro lado, o conjunto das ações e reações desses grupos indígenas ao avanço sobre os seus territórios, é classificado negativamente como barbarismo, crueldade e antropofagia. A presença dos Botocudos nas matas dos rios São Mateus, Cotaxé e Doce, é geralmente considerada como o principal empecilho à colonização e expansão da ocupação territorial, não somente em São Mateus, mas também em grande parte da região norte da província. Os Botocudos sempre foram temidos, pois enfrentavam com valentia a penetração dos colonizadores em suas terras tentando preservar a integridade do seu povo. Mesmo após a elevação de São Mateus à categoria de vila, esses índios continuaram a atacar as fazendas, destruindo toda espécie de melhorias feitas pelos colonos nas terras indígenas ou pelas 11 Citação extraída da obra de José Teixeira de OLIVEIRA, História do Estado do Espírito Santo, Rio de Janeiro, IBGE, 1951, p As primeiras notícias acerca da existência dos índios Botocudos (ainda chamados de Aimoré ou Tapuia) foram registradas a partir das tentativas iniciais de colonização do país. O território ocupado pelos Botocudos compreendia grandes faixas da Mata Atlântica e da Zona da Mata, cujos limites prováveis seriam o vale do Salitre, na Bahia, e o rio Doce, no Espírito Santo. A área reconhecida como território botocudo tem por limite norte o rio Una que deságua na baía de Camamu e, por sul, o rio Doce. Nessa faixa de terra estão englobadas as bacias dos rios Una, Contas, Pardo, Jequitinhonha, São Mateus, Mucuri e Doce Cf. Maria Ilda Barqueiro PARAÍSO, Os Botocudos e sua trajetória histórica, In História dos Índios no Brasil, Manuela Carneiro da CUNHA (org), São Paulo, Cia. da Letras / Secretaria Municipal de Cultura / FAPESP, 1992 de onde retiramos a maior parte das informações referentes aos índios Botocudos citadas neste artigo. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

10 Anna Lúcia Côgo redondezas. O processo colonizador esbarrava na entrada das florestas, porque os índios não permitiam as explorações, atacando as pessoas ou destruindo as construções, usando para isto estratégias sempre surpreendentes. No início do século XIX, o conde de Linhares mantinha um grande interesse no projeto de estabelecer um comércio regular entre Minas Gerais e o litoral do Espírito Santo, através da navegação do rio Doce. Entretanto, o que mais atrapalhava era a agressividade dos povos Botocudos. A influência política do Conde junto ao governo de D. João VI viabilizou a edição da Carta Régia de 1808, a qual estabeleceu o extermínio dos Botocudos do rio Doce, tornando oficial a guerra declarada pelo Conde de Linhares aos índios de toda a região norte. Neste contexto, a região passou a abrigar aventureiros de todas as espécies que estivessem dispostos a perseguir e atacar os povos Botocudos. A esses aventureiros era dado o direito de aprisionar e transformar os índios em escravos, sendo que também não haveria punição àqueles que abatessem esses índios. Sendo assim, a partir da chegada maciça de exploradores no século XIX, os índios começaram a sofrer derrotas sucessivas. Em meados do século XIX, entre os exploradores dos territórios indígenas Botocudos, a maioria de má índole, registrase que um certo comandante apresentou, em São Mateus, como troféu, trezentas orelhas de Botocudos destroçados. Para aguçar o faro aos cães e adestrar a caça ao índio, alimentavamnos com carne botocuda..., tornandose desportivo matar aldeias de selvagens. Contudo, a valentia, as estratégias de ataques aos colonos mareriques 13 e a grande densidade demográfica dos Botocudos, foram as condições que lhes garantiram resistir à civilização européia durante aproximadamente trezentos anos. Diante de tais fatos, observase que a relação entre os colonizadores portugueses e os indígenas da região de São Mateus se caracterizou como bastante violenta desde o princípio e permaneceu conflituosa por um longo período, haja vista que os índios, quando podiam, atacavam e destruíam as benfeitorias feitas pelos portugueses na incipiente povoação e continuaram agindo desta forma no decorrer dos tempos, até, pelo menos, o final do século XIX. Houve épocas em que os colonos portugueses estabelecidos naquelas terras não ousavam ir às roças ou à pesca, temendo os constantes ataques dos índios Botocudos que, desta maneira, procuravam defender seus territórios e evitar a escravização do seu povo. Depois dos trágicos episódios e as situações conflituosas envolvendo portugueses e indígenas e que marcaram os dois primeiros séculos da colonização, o fato mais importante 13 Mareriques = Fortalezas de pauapique construídas pelos Botocudos para se defender dos invasores dos seus territórios, e cuja tática foi usada com sucesso na famosa Batalha do Cricaré Cf. Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p. 105 a Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

11 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX relativo à participação dos portugueses no processo colonizador de São Mateus verificase no início do século XVIII, quando o cidadão português Domingos Antunes por lá se estabeleceu. Natural da cidade do Porto, ele se casou na vila da VitóriaES e possuía terras às margens do rio Cricaré. Em 1716 recebeu a alta patente de Capitão dos Moradores de São Mateus, concedida pelo Marquês de Angeja, então GovernadorGeral, em cuja ocasião, foi também nomeado o cidadão português Antônio Rocha Cardoso como Juiz Vintenário da povoação. Na condição de Capitão dos Moradores de São Mateus, Domingos Antunes tornouse subordinado direto do Capitãomor da Capitania do Espírito Santo, Antônio de Oliveira Madail, ao qual enviou uma carta tecendo elogios às condições favoráveis que encontrou naquela localidade, destacando a fertilidade do vale do Cricaré, a piscosidade do rio e a relativa harmonia mantida com os índios da região. Assim, de posse de tais informações, o Capitãomor Madail tomou providências imediatas para incentivar o povoamento daquela área e, mediante publicações, ofereceu garantias, licenças, transporte gratuito e outras vantagens a todos que manifestassem interesse em migrar para São Mateus. Neste sentido, registrase que a primeira expedição partindo de Vitória para São Mateus, conduziu uma média de cinco famílias migrantes, cujos nomes e sobrenomes são tipicamente de origem portuguesa, a saber: Antônio Gomes da Fonseca (mais quatro familiares), Sebastião Lopes (mais seis familiares), Manoel de Souza (mais três familiares), Antônio Mendes de Vasconcelos (mais dez familiares) e Antônio Borges (mais um escravo). Percebese, portanto, que o Capitãomor Madail esforçouse no sentido de promover o povoamento da incipiente localidade, fornecendo ajuda pessoal ao Capitão dos Moradores. Após este feito, e nos anos subseqüentes, a referida povoação apresentou sinais de prosperidade, tendo como núcleo principal o povoado erguido na parte alta do vale do Cricaré, o qual alcançou maior projeção com as notícias relativas à descoberta do ouro em Minas, próximo à cabeceira do rio de mesmo nome. Acerca disto, destacase que, em Portugal, sabiase detalhadamente tudo o que estava ocorrendo na região de São Mateus à época, e também que tais notícias atraíram muitos aventureiros de outras regiões do país, sobretudo os mineiros, que se dirigiam àquela povoação com vistas a trocar seus achados por alimentos, tais como farinha de mandioca, peixe, sal, dentre outros. Esta situação contribuiu sobremaneira para dinamizar a economia e o comércio local, sendo exatamente nesta conjuntura favorável que a povoação de São Mateus foi elevada à categoria de vila A criação da Vila de São Mateus foi determinada por Pombal, em conformidade com as diretrizes das chamadas Reformas Pombalinas, visando obstaculizar o contrabando de ouro no território brasileiro Cf. Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p. 32. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

12 Anna Lúcia Côgo Tomando por base os registros efetuados no Auto de Medição e Demarcação da Vila de São Mateus em , podemos destacar informações que possibilitam visualizar um quadro demográfico e social daquela localidade à época, cuja população arrolada foi de aproximadamente 453 habitantes (sem incluir escravos e índios), estabelecidos numa média de 100 domicílios/fogos (estimativa nossa com base nos dados reunidos na Tabela 2). Este número total de habitantes (453 moradores) representa um contingente populacional de reduzidas proporções no conjunto do território brasileiro à época, mas que, quando situado no contexto histórico e demográfico capixaba do período colonial, adquire certa importância, já que a região de São Mateus se manteve como um dos principais núcleos produtivos e populacionais do Espírito Santo à época, sendo considerado como uma das áreas de povoamento mais antigo do território espíritosantense. TABELA 2: População de São Mateus em 1764 Habitantes da vila / condição familiar Nº. de indivíduos % Casais (em número de 98 X 2 = 196 hab) Filhos destes casais Viúvos Filhos destes viúvos Viúvas Filhos destas viúvas ,3 45,5 2,6 3,8 1,5 3,3 Total de habitantes Fonte: Tabela construída com dados recolhidos em Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p. 36. Deduzimos uma grande proporção de jovens no conjunto desta população, sobretudo se agregarmos os percentuais relativos aos filhos dos casais (45,5%), aos filhos de viúvos (2,6%) e aos filhos de viúvas (3,3%), o que resulta em mais da metade deste contingente populacional, ou seja, em 51,4% do total (Ver Tabela 2). Tal constatação tornase relevante se atentarmos para o fato de que, a partir de meados do século XVIII, a vila começa a prosperar e cujas transformações incidem naturalmente sobre o crescimento e a diversificação do seu quadro demográficosocial, conforme se observa nos dados relativos à população de São Mateus, apurados em 1827 (Ver Tabela 3). 15 Documento que registra a criação da Vila de São Mateus em 1764, intitulado Auto de Medição e Demarcação que mandou fazer o Doutor Desembargador Ouvidor Geral desta Comarca e Capitania de Porto Seguro, Thomé Couceiro de Abreu, da praça que fica defronte da Igreja Matriz caminhando para o leste a qual fica com o nome de Rua Nova da Igreja, levantamento de Pellourinho e declaração do nome que o dito Ministro deu a esta nova Villa Fragmentos do texto desse documento são citados em Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

13 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX Ao compararmos os dados demográficos de 1764 com os de 1827, fica evidente que no transcurso de 63 anos (1764 a 1827), houve um considerável aumento do número de habitantes em São Mateus e também uma maior diversificação na composição de sua população. Tal percepção é facilitada pelo fato de que, no censo populacional de 1827, houve maior preocupação em quantificar as diferentes categorias de habitantes da vila, incluindo nestas o número de índios e de escravos, cujos dados não constam no levantamento de TABELA 3: População de São Mateus em 1827 Categorias/Hab. Homens % Homens Mulheres % Mulheres Total % Total Brancos , , ,1 Índios , , ,5 Pardos Livres , , ,5 Pardos Cativos , , ,6 Pretos Livres , , ,4 Pretos Cativos , , ,7 TOTAL , , Fonte: Tabela construída com base nos dados coletados em Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p. 41. Lamentavelmente não podemos efetuar maiores comparações entre os dados dos dois quadros demográficos (Tabela 2 e 3), pois, o documento registrando a criação da vila em 1764, não traz informações detalhadas sobre aquela população, a exceção dos nomes e sobrenomes de 124 habitantes do sexo masculino que estiveram presentes à solenidade que presidiu o ato, e que, exatamente por isto, tiveram seus nomes e assinaturas constantes no termo que registra oficialmente a medição e demarcação da vila naquele mesmo ano. Com base nos dados reunidos na Tabela 4, referentes aos nomes/sobrenomes de 124 habitantes de São Mateus no ano de 1764, podemse estabelecer relações com os dados constantes na Tabela 5, onde são considerados 102 nomes/sobrenomes dos declarantes de posses de terras naquela localidade em meados dos oitocentos, após a decretação da Lei de Terras em TABELA 4: Nomes e sobrenomes mais recorrentes na população de São Mateus em Nomes Nº. incidência % Sobrenomes Nº. incidência % João José Francisco ,7 12,1 10,5 Silva Pereira Rodrigues ,5 8,2 6,5 Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

14 Anna Lúcia Côgo Antonio Manoel Ignácio Miguel Outros * ,0 9,0 6,5 4,0 34,2 Costa Souza Lopes Mendonça Gomes Barcelos Santos Mendes Nunes Ramos Andrade Oliveira Paz Outros * ,5 4,0 4,0 3,2 3,2 2,4 2,4 2,4 1,7 1,7 1,7 1,7 1,7 34,2 Total Total Fonte: Tabela construída com os dados recolhidos em Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p. 39. (Outros* = nomes e sobrenomes com apenas uma incidência). Assim, ao efetuarmos uma comparação entre os nomes/sobrenomes dos habitantes de São Mateus registrados no ano de 1764 e aqueles apurados para a década de 1850, podemos destacar que, mesmo havendo determinadas variações nas predominâncias e incidências desses nomes e sobrenomes nos respectivos períodos, notase que nas duas situações prevalecem os nomes e sobrenomes considerados de origem tipicamente portuguesa, os quais mantêm certos destaques entre os moradores da vila em 1764 e também no rol dos declarantes das posses de terras na Freguesia de São Mateus nos anos de 1854/56. Na observação dos nomes próprios mais comuns em São Mateus, o destaque coube a José, pois, nos respectivos períodos enfocados, este se mantém com grandes percentuais de incidência nas amostragens verificadas nas duas fontes privilegiadas neste estudo, sendo muito recorrentes também os nomes João, Francisco, Manoel, Antônio, dentre outros. E, em relação aos sobrenomes, se destaca o Silva, pois este apresenta a maior incidência no ano de 1764 e ocupa o segundo lugar entre os sobrenomes apurados em meados do século XIX, havendo também grande incidência dos Souza, Rodrigues, Gomes, Pereira e outros Maiores informações acerca dos nomes e sobrenomes portugueses mais usuais em Portugal e no Brasil são encontradas em acesso em 27/01/ Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

15 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX TABELA 5: Nomes e sobrenomes mais recorrentes na população de São Mateus em meados do século XIX. Nomes Nº. incidência % Sobrenomes Nº. incidência % José Antonio Manoel Francisco Domingos João Ignácio Joaquim Caetano Joaquina Outros * ,5 15,7 15,7 6,9 4,9 4,9 3,9 3,9 2,9 1,9 16,8 Souza Silva Gomes Rodrigues Santos Jesus Nascimento Pereira Sodré Chagas Silvares Conceição Faria Motta Ribeiro Mello Barcelos Outros * ,8 6,9 6,9 6,9 6,0 6,0 4,9 3,9 3,9 2,9 2,9 2,9 1,9 1,9 1,9 1,9 1,9 27,6 Total Total Fonte: Registros Paroquiais de Terras de São Mateus ( ) Livro 73 Fundo Agricultura / Arquivo Público do Espírito Santo/APES (Outros* = nomes e sobrenomes com apenas uma incidência). A origem do sobrenome Silva é controversa, mas tudo indica que tenha surgido no Império Romano para denominar os habitantes das regiões de matas ou florestas (silva, em latim, é "selva"), os quais se refugiaram justamente na península Ibérica (Portugal e Espanha). Muitos portugueses que vinham para o Brasil, em geral degredados, em busca de vida nova adotavam o "Silva" para se beneficiar do anonimato que o sobrenome comum oferecia. O sobrenome ganhou especial popularidade no Brasil com a chegada dos escravos, pois estes ao desembarcar dos navios vindos da África, eram "batizados" e ganhavam um nome cristão em português. O sobrenome vinha depois e geralmente era o mesmo do dono do escravo, registrandose que muitos proprietários eram "Silva", sobrenome comum em Portugal. Algumas dessas famílias de origem portuguesa, sobretudo os seus descendentes, adquiriram importância considerável no contexto sócioeconômico e político de São Mateus em todo o período enfocado, cuja maior visibilidade se verifica no decorrer dos oitocentos, quando muitos destes aparecem com destaque entre os maiores proprietários de terras e os Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

16 Anna Lúcia Côgo comerciantes mais ricos da região, além de se projetarem no cenário político regional, assumindo cargos importantes nas estruturas do poder local e provincial. 17 A situação de privilégio dos portugueses e dos seus descendentes nas estruturas de poder ao nível regional tornase evidente na composição da Câmara Municipal de São Mateus em 1823, cujos cargos dos dirigentes e dos principais integrantes da mesma são ocupados por nomes e sobrenomes tipicamente portugueses, incluindose nestes as autoridades geralmente presentes às reuniões, a saber: o Capitão Bento de Jesus Silvares (juiz presidente), o Sargento José Antônio de Oliveira (juiz ordinário), José Joaquim de Almeida Coutinho Lessa (vereador mais velho), Francisco José da Costa (procurador do conselho), Manoel Joaquim Coutinho de Eça (procurador da câmara), Manuel Lourenço Fontoura (escrivão da câmara), Padre José Joaquim dos Santos (vigário da vara) e Padre Roque José Guedes (vigário paroquial). 18 O raio de influência política da oligarquia agrária e mercantil da região de São Mateus extrapolava os limites regionais, penetrando também nas instâncias do governo provincial, haja vista que, em várias ocasiões, determinados cidadãos que compunham esta oligarquia, eram designados pelos Presidentes da Província do Espírito Santo para administrar e gerir recursos destinados à realização de importantes obras de infraestrutura no extremo norte da província, sobretudo em São Mateus e na Vila da Barra, onde se registra que esses cidadãos contribuíam com recursos financeiros, materiais e humanos para a realização dessas obras. Essas situações aparecem com freqüência nos Relatórios dos Presidentes da Província do Espírito Santo, a exemplo do relato de Coutto Ferraz em 1848, destacando que os cofres provinciais foram poupados na obra de reparos da única estrada de ligação entre a Vila e os habitantes dos sertões de São Mateus, pois os fazendeiros da região se comprometeram a colaborar nesta empreitada, sendo a direção desta assumida por Matheus Antonio dos Santos, cidadão da confiança do governo. Informa ainda que as melhorias na estrada da Pedra D água em 1848 foi uma obra contratada pela municipalidade (pela diminuta quantia de 150 réis) com Francisco Alves Pereira, que celebrou o contrato por amor do bem público, já que não seria possível com aquela quantia, fazerse não só o aterrado como também a ponte. 19 Neste relatório o Presidente Ferraz ressalta que a principal melhoria na infraestrutura de São Mateus na década de 1840 foi a conclusão da estrada ligando a Cidade de São Mateus 17 Tais constatações são destacadas e aprofundadas no estudo de Maria do Carmo O. RUSSO, Cultura política e..., op. cit., Nomes constantes na Ata da Câmara da Vila de São Mateus, referente à sessão realizada em 21 de janeiro de 1823, citada por Eliezer Ortolani NARDOTO & Herinéa Lima OLIVEIRA, História de São Mateus, op. cit., 2001, p Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo, Luís Pedreira do Coutto Ferraz, 01/03/1848 citado por Anna Lúcia CÔGO, História Agrária do Espírito Santo..., op. cit., 2007, p. 106 a Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

17 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX à Vila da Barra de São Mateus, cuja obra esteve sob a direção do prestante cidadão Antonio Rodrigues da Cunha, sendo que a maioria dos recursos aplicados nesta foram contribuições dos fazendeiros e moradores da região, sem as quais não seria possível a sua concretização. Nos Registros Paroquiais de Terras da Freguesia de São Mateus, produzidos entre 1854 e 1856, encontramos um leque de informações acerca da ocupação territorial de São Mateus, fornecidas pelos indivíduos que declararam posses de terras naquele período. Apesar de uma parcela considerável dessas fontes incorrem na omissão de dados, tais como o tamanho exato da área da propriedade declarada, a forma de aquisição da terra, a localização da posse, entre outros itens que deveriam constar nessas declarações, podese obter uma visão aproximada das características de formação da estrutura fundiária regional, do processo de ocupação territorial e da produção agrícola resultante desta mesma estrutura e processo. 20 Nesta perspectiva, constatamos que em 40 registros (cuja forma de aquisição foi declarada como compra, herança e outros), há referências aos terrenos aforados à municipalidade ou pertencentes a Câmara Municipal. No texto dessas declarações aparecem as seguintes referências: braças nas terras do patrimônio da Câmara Municipal, onde paga foros annuais... (1 registro),...terras foreiras da Câmara Municipal (7 registros), ou simplesmente terras da Câmara Municipal e/ou patrimônio da Câmara Municipal (32 registros). Acerca disto, é oportuno remeterse às informações encontradas no documento que registra o processo de medição e demarcação dos domínios territoriais de São Mateus, quando a povoação foi elevada à categoria de vila em Acerca desta questão, observase que a Carta Régia de março de 1755, normativa para todo o Brasil, determinava que as novas vilas criadas, deveriam ser demarcadas, sendo estabelecida uma área circundante de quatro léguas em quadro, para expansão do Conselho, ou seja, para o crescimento da cidade. Em volta desta área, mais seis léguas em quadro deveriam ser demarcadas como cinturão verde, e destinadas, portanto, ao abastecimento da localidade. Nesta situação, poderia a edilidade, aforar terrenos aos agricultores que assim o requeressem, pois, o território demarcado, passava a constituir o Patrimônio da Vila, inalterado através dos tempos, mesmo com as transformações políticoadministrativas ocorridas posteriormente. 20 O conjunto dos Registros Paroquiais de Terras referentes à região de São Mateus e entorno perfazem um total de 102 declarações de posses de terras, as quais se encontram na forma manuscrita no Livro nº 73 do Fundo Agricultura, e são disponibilizados à consulta no Arquivo Público do Espírito Santo/APES Maiores informações sobre estes documentos são fornecidas por Anna Lúcia CÔGO, História Agrária do Espírito Santo..., op. cit., 2007 p. 155 a 159. Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

18 Anna Lúcia Côgo Mesmo considerando o longo intervalo de tempo existente entre 1764 (quando São Mateus foi elevado à categoria de vila) e a década de 1850 (período dos registros paroquiais), os nomes citados dos proprietários e moradores da vila, assim como os locais indicados no referido documento, aparecem parcialmente confirmados nas pesquisas que realizamos onde identificamos como declarantes dos registros, alguns descendentes dos nomes/sobrenomes citados em 1764, assim como a ocorrência de posses situadas nos locais referidos nesta fonte. A concentração dos maiores números de posses, configurandose como pequenos núcleos produtivos, foram identificados com a seguinte denominação: Cerejeira (12 posses), Volta Escura / Morro de Santa Maria (10 posses), Jaboticaba (7 posses), Morro Perdido (5 posses) e Embaubeira (5 posses). No restante das posses, não incluídas nesses pequenos núcleos, notase uma grande dispersão e fragmentação espacial das mesmas, cuja situação se evidencia tanto nas citações da localização destas nos sertões, como também na ocorrência de variados locais, nos quais se registra a existência de apenas uma posse. No detalhamento dos limites das posses, aparecem também diversas indicações geográficas da localização das mesmas, principalmente com referência aos córregos e rios da região, os quais são citados como limites naturais dessas posses: rio Preto (3 registros); rio da Cerejeira (12 registros); Bamburral (6); brejos de Mariricu (1 registro); córrego Surucuai (1 registro); córrego chamado de Pico (1 registro); córrego Ribeirão (3 registros); e rio São Matheus (61 registros). Esta distribuição espacial das posses indica que a ocupação territorial de São Mateus, em meados do século XIX, estava concentrada praticamente nas margens dos rios existentes na região, pois, a maioria das declarações de posses de terras aponta como referência dos seus limites as margens dos rios e córregos, dentre os quais o maior destaque coube ao rio São Mateus (citado em 61 registros), seguido do rio Cerejeira (citado em 12 registros). Tal constatação permitenos deduzir que, a ocupação das terras e a expansão da fronteira agrícola regional ocorreram, preferencialmente, seguindo os cursos dos rios, e cuja maior concentração populacional verificouse às margens do rio São Mateus. Em relação à dimensão das posses declaradas na região de São Mateus e entorno, num total de 102 registros, à exceção de 4 declarações (onde o objeto declarado aparece especificado como huma fazenda, hum terreno, metade de hum sítio, hum quinhão de sítio ), a grande maioria declara possuir hum sítio. Isto evidencia, desde já, a tendência ao predomínio das pequenas e médias propriedades no conjunto da estrutura fundiária, onde também havia grandes propriedades, sendo que estas não aparecem declaradas nos Registros 18 Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

19 Colonizadores portugueses e domínios das terras no extremo norte do Espírito Santo nos séculos XVIII e XIX Paroquiais, levandonos a inferir que as mesmas têm origem na doação de sesmarias naquela área em épocas anteriores à Lei de Terras de Na especificação dos limites das posses declaradas, encontramos uma grande incidência (66 registros) de referência aos limites das propriedades com áreas ainda não ocupadas, as quais aparecem identificadas na seguinte proporção: com terras incultas (8 registros); com terras incultas pertencentes à nação (4 registros); com terras incultas nacionais (2 registros); com brejos incultos (1 registro); com matas incultas (51 registros). Este grande número de registros, cuja indicação do limite da posse se refere às terras e matas incultas, aponta para a existência de grandes extensões de terras ainda não ocupadas (grandes vazios demográficos) e uma fronteira agrícola aberta à expansão, cujo maior desafio era a penetração numa extensa área coberta pela exuberante Mata Atlântica e que abrigava ainda muitos povos indígenas, sobretudo os Botocudos. Analisando os dados relativos às benfeitorias declaradas neste conjunto de 102 posses de terras, é possível identificar parcialmente a predominância das atividades agrícolas regionais, as condições materiais existentes nas unidades produtivas (nível técnico, maquinários, instalações, tipos de construções), dentre outros aspectos referentes às estruturas agrárias de São Mateus no período. Neste sentido, os itens que apresentaram as maiores incidências foram estabelecimento agrícola/plantação/lavoura (83 registros) e moradia (81 registros). As demais benfeitorias citadas foram casas de morar (33 registros), casa de fabricar farinha (18 registros), pasto gramado (15 registros) e outras benfeitorias (12 registros), sendo que nada consta em 18 declarações. Diante deste quadro, notase que as estruturas agrárias de São Mateus não possuíam muita sofisticação em relação ao aparato tecnológico disponível no trato com a lavoura e também que as benfeitorias descritas pelos declarantes apresentavam instalações muito rústicas e simplórias. Contudo, devese levar em conta que na estrutura fundiária regional deste período predominam as pequenas e médias propriedades, sendo óbvio, portanto, que a maioria destas unidades agrícolas (por menor que fossem), deveria contar com uma estrutura básica para garantir a sua existência, tais como construções ( moradia / casas de morar ) que abrigassem o proprietário e seus familiares (e ainda o contingente necessário ao desenvolvimento e manutenção das atividades produtivas, incluindo parentes próximos, agregados, meeiros, parceiros ou escravos), assim como também o desenvolvimento de algum tipo de cultivo agrícola ( estabelecimento agrícola/plantação/lavoura ). A grande incidência desses dois tipos de benfeitorias nas posses declaradas pode estar relacionada também ao fato de que, no texto Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de

20 Anna Lúcia Côgo da legislação (Lei de Terras e seu Regulamento) havia a exigência de morada habitual e cultura efetiva para se requerer o processo de legitimação das posses. Ressaltamos ainda que a citação da benfeitoria casa de fabricar farinha ou simplesmente casa de farinha (também chamada de quitungo) em apenas 18 registros, não condiz com a propalada produção da farinha de mandioca em grande escala em São Mateus. Contudo, pouco tempo depois da elaboração dos Registros Paroquiais, o Presidente da Província do Espírito Santo, Costa Pereira, destacou que em São Mateus existiam 250 fábricas de farinha, responsáveis pela produção de alqueires do produto 21. Esta especialização regional no fabrico da farinha veio se firmando desde o período colonial, sendo determinante neste processo o tipo de solo predominante que favorecia esse tipo de lavoura, e também a forte influência da cultura indígena que dominava a técnica de fabricar farinha muito antes de se iniciar a colonização daqueles territórios. A significativa presença dos portugueses e dos seus descendentes em São Mateus fica ainda mais evidente no decorrer da segunda metade dos oitocentos, quando são considerados os dados coletados na documentação cartorial referente às diversas transações comerciais envolvendo escravos naquela localidade, na qual foram identificados 453 nomes completos de senhores (as) que fizeram algum tipo de negócio envolvendo escravos, e cujas situações foram registradas nos livros de notas daquela comarca (Ver Tabela 6). 22 Tabela 6: Nomes e sobrenomes mais recorrentes nas transações comerciais envolvendo escravos na região de São Mateus entre 1863 e Nomes Total/incidência % Sobrenomes Total/incidência % José 50 11,0 Santos 31 6,8 Manoel 45 10,0 Oliveira 31 6,8 João 35 7,8 Gomes 27 6,0 Antonio 31 6,8 Faria (s) 25 5,6 Francisco 21 4,6 Silva 24 5,3 Maria 19 4,2 Rodrigues 23 5,1 Joaquim 14 3,1 Pereira 21 4,6 Anna 11 2,4 Motta 18 4,0 Rosa 8 1,8 Jesus 18 4,0 Luiz 7 1,5 Almeida 14 3,1 Rita 6 1,3 Pinto 13 2,9 Mateus 6 1,3 Barbosa 13 2,9 Domingos 5 1,1 Lopes 12 2,6 Jacinto 5 1,1 Martins 12 2,6 Leocádia 5 1,1 Ferreira 12 2,6 Ignácio (a) 5 1,1 Souza 11 2,4 21 Cf. Relatório do Presidente da Província do Espírito Santo, José Fernandes da Costa Pereira, 23/05/1862, citado em Anna Lúcia CÔGO, História Agrária do Espírito Santo..., op. cit., 2007, p Uma boa parcela dos dados encontrados na documentação cartorária e referente à escravidão na Comarca de São Mateus (escrituras de compra e venda de escravos, doação, penhora, confissão de dívida com hipoteca e permuta) encontrase reunida na obra de Maciel de AGUIAR, Os últimos zumbis a saga dos negros do Vale do Cricaré durante a escravidão, Porto Seguro (BA), Brasil Cultura, Congresso Internacional Pequena Nobreza nos Impérios Ibéricos de Antigo Regime Lisboa 18 a 21 de Maio de 2011

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 18 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - RN Page 2 of 18 Dados Básicos População Área Bioma 803.811 hab. 167,16 km 2 Caatinga e Mata Atlântica Localização da Sede

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL cana-de-açucar pecuária mineração drogas do sertão pau-brasil portos: importação e exportação Como pode cair no enem (PUC) As Bandeiras utilizaram

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX *

ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * ECONOMIA ESCRAVISTA NO CAMINHO DOS GOIASES SÉCULO XIX * Leonel de Oliveira Soares Mestre em História Social FFLCH/USP O arrefecimento do bandeirismo de apresamento, por volta da metade do século XVIII,

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS?

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL O QUE ERAM AS ENTRADAS E BANDEIRAS? EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS EFEMÉRIDES

PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS EFEMÉRIDES PROJETO BAÍA DE TODOS OS SANTOS O Projeto Baía de Todos os Santos tem como principal proposta registrar entre as datas da primeira passagem (2 de maio de 1500) e da sua descoberta (1º de novembro de 1501)

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA?

2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? 2 COMO E QUANDO SURGIU GUARATIBA? Em 1555 os franceses entraram na Baía de Guanabara e se ocuparam de algumas ilhas no intuito de ali fundar o que eles chamavam de França Antarctica. Em 1560, pela primeira

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais

Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII

Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO Título da sessão: Reflexões sobre a Construção Urbano-territorial do Brasil no Século XVIII Proponente: Profa. Dra. Maria Berthilde Moura Filha Títulos das comunicações e autores/expositores:

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII Conteúdo: Colonização Portuguesa da Amazônia: séculos XVII e XVIII Habilidades: Classificar as medidas do governo de Pombal para a região amazônica e suas repercussões no cotidiano dos povos indígenas.

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA

SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA SER NEGRO NO CEARÁ UM OLHAR SOBRE AS COMUNIDADES QUILOMBOLAS PARA O DIGITAL MUNDO MIRAIRA Izaura Lila Lima Ribeiro 1 Maria de Lourdes Macena Filha 2 RESUMO Este artigo versa sobre o papel dos negros na

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca

Um breve passeio sobre a história socioeconômica do Sertão da Ressaca FONTES PARA A HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO: Vitória da Conquista e região A economia regional nas fontes da Justiça do Trabalho (1963-1965) SILVA, Danilo Pinto da 1 Email: danilohist@gmail.com Orientadora:

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

Trabalhar as regiões

Trabalhar as regiões A U A UL LA Trabalhar as regiões Nesta aula, vamos aprender como a organi- zação espacial das atividades econômicas contribui para diferenciar o espaço geográfico em regiões. Vamos verificar que a integração

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Iniciação Científica. Curitiba, 2012. 1 SZYCHOWSKI, Angela Caroline. Imigração e colonização no Paraná Provincial: Relatório de Pesquisa de

Iniciação Científica. Curitiba, 2012. 1 SZYCHOWSKI, Angela Caroline. Imigração e colonização no Paraná Provincial: Relatório de Pesquisa de IMIGRAÇÃO E COLONIZAÇÃO NO PARANÁ PROVINCIAL (1853 1876) Nome: Angela Caroline Szychowski Orientadora: Profª Dª Joseli Maria Nunes Mendonça Palavras chave: História do Paraná, Colonização por imigrantes,

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana.

PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana. PAULISTANA PI: Origem e Evolução Urbana. CARVALHO, Muryllo Mayllon de Alencar 1 BUSTAMANTE, Antenor Fortes de 2 CRUZ, Luciana Soares da 3 RESUMO O presente artigo tem como objetivo discutir dados preliminares

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

http://pib.socioambiental.org

http://pib.socioambiental.org http://pib.socioambiental.org Narrativa Indígena DERNIVAL KIRIRI Olá pessoal, lá vai minha primeira contribuição sobre a História da Nação Kiriri, lembrando a vocês que esta informação já esta no nosso

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO Ozeias de Almeida Santos Graduando em Geografia Universidade

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

A presença da Imigração Portuguesa no bairro da Tijuca RJ.

A presença da Imigração Portuguesa no bairro da Tijuca RJ. A presença da Imigração Portuguesa no bairro da Tijuca RJ. Luiz Eduardo Maciel de Azevedo Prof. Dr. Miguel Ângelo Ribeiro RESUMO. A pesquisa tem como objetivo entender e analisar a presença da população

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831)

A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) A POLÍTICA INDIGENISTA NO CONSELHO DE PRESIDÊNCIA DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO (1822-1831) Larissa Biato de AZEVEDO No período do Primeiro Império brasileiro (1822-1831), entre os assuntos relacionados à

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas

A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas 1 A EFICÁCIA DOS DIREITOS HUMANOS: fragmentos de contribuições políticas latino-americanas A literatura acerca da temática leva à inferência de que o processo de colonização da América parte de um projeto

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2011.1

Vestibular Comentado - UVA/2011.1 HISTÓRIA Comentários: Profs. Renato Paiva Osvaldo Filho, Liduína Gomes 13. - A Partir do século IV a.c. iniciou-se decadência da Grécia, que pode ser atribuída, entre outros fatores: A. - à invasão de

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO PERÍODO DAS LUZES A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" Diana de Cássia Silva UFMG/FAE/GEPHE A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário enquanto um objeto de

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013

O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 O TRATADO DE MADRI (1750) E AS POLÍTICAS TERRITORIAIS POMBALINAS: UMA ABORDAGEM GEOGRÁFICA E HISTÓRICA XVII INIC / XIII EPG / III INID - UNIVAP 2013 Jessica Aparecida Correa 1,orientador- Paulo Roberto

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA

CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA CAMINHOS GERAIS: ESTRATÉGIAS PARA A ABERTURA DE ESTRADAS NAS MINAS DO OURO, UMA RELEITURA HISTORIOGRÁFICA Rosemary Maria do Amaral 1 RESUMO: Antes mesmo de sua descoberta nas minas, alguns caminhos começaram

Leia mais

O estado do Espírito Santo no Censo 2010

O estado do Espírito Santo no Censo 2010 1 O estado do Espírito Santo no Censo 2010 Instituto Jones dos Santos Neves IJSN Núcleo do Observatório das Metrópoles CNPq/INCT Pablo Lira 1 Caroline Cavatti 2 1. Introdução De acordo com os resultados

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca

Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios Por Marina Mesquita Camisasca Os índios do Novo Mundo não formavam um grupo homogêneo, com características lingüísticas e culturais semelhantes. Ao contrário do que se imagina, existiram vários

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 1 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Leia o texto e, em seguida, responda às questões. Suas plantações são pequenas, não passando de algumas roças localizadas próximas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS. Área: 3.035,423 km². População: 150.351 hab. est. IBGE/2008. Densidade: 49,1 hab./km². Altitude: 215 metros

CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS. Área: 3.035,423 km². População: 150.351 hab. est. IBGE/2008. Densidade: 49,1 hab./km². Altitude: 215 metros JEQUIÉ Jequié é um município brasileiro do estado da Bahia. Está a 365 km de Salvador, no sudoeste da Bahia, na zona limítrofe entre a caatinga e a zona da mata. Jequié é conhecida por possuir um clima

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Aristóteles Passos Costa Neto. Presidente

APRESENTAÇÃO. Aristóteles Passos Costa Neto. Presidente APRESENTAÇÃO Como presidente do Sindicon, coube-me a honra de apresentar esta obra que registra, de forma marcante, a história da Construção Civil no Estado do Espírito Santo. É, portanto, um privilégio

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85

3.4.2 - Caracterização da População... 1/85. 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85. 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/85 3.4.2.1 - Aspectos Metodológicos... 1/85 3.4.2.2 - Considerações Iniciais... 1/85 3.4.2.3 - Histórico de Criação dos Municípios... 4/85

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

Microbacia: Ouro. Município: Porciúncula, RJ. Bacia do Rio Itabapoana

Microbacia: Ouro. Município: Porciúncula, RJ. Bacia do Rio Itabapoana Microbacia: Ouro Microbacia: Ouro Bacia do Rio Itabapoana Localização: 36 km da sede do município de Porciúncula, RJ Área total: 6.178 ha Área focal: 2.850 ha Comunidades envolvidas: Cedro, Fortaleza,

Leia mais