aula Leitura: antes e além da palavra Leitura, Interpretação e Produção Textual Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "aula Leitura: antes e além da palavra Leitura, Interpretação e Produção Textual Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde"

Transcrição

1 D I S C I P L I N A Leitura, Interpretação e Produção Textual Leitura: antes e além da palavra Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde Rossana Delmar de Lima Arcoverde aula 04

2 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância SEED Carlos Eduardo Bielschowsky Universidade Federal do Rio Grande do Norte Reitor José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Ângela Maria Paiva Cruz Secretária de Educação a Distância Vera Lúcia do Amaral Universidade Estadual da Paraíba Reitora Marlene Alves Sousa Luna Vice-Reitor Aldo Bezerra Maciel Coordenadora Institucional de Programas Especiais - CIPE Eliane de Moura Silva Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Projeto Gráfico Ivana Lima (UFRN) Revisores de Estrutura e Linguagem Rossana Delmar de Lima Arcoverde (UEPB) Revisoras de Língua Portuguesa Maria Divanira de Lima Arcoverde (UEPB) Revisora Tipográfica Nouraide Queiroz (UFRN) Thaísa Maria Simplício Lemos (UFRN) Ilustradora Carolina Costa (UFRN) Editoração de Imagens Adauto Harley (UFRN) Carolina Costa (UFRN) Diagramadores Bruno de Souza Melo (UFRN) Dimetrius de Carvalho Ferreira (UFRN) Ivana Lima (UFRN) Johann Jean Evangelista de Melo (UFRN) Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central - UEPB A6751 Arcoverde, Maria Divanira de Lima. Leitura, interpretação e produção textual./ Maria Divanira de Lima Arcoverde, Rossana Delmar de Lima Arcoverde. Campina Grande; Natal: UEPB/UFRN, fasc. Curso de Licenciatura em Geografia EaD. Conteúdo: Fasc. 1- Linguagem: diferentes concepções; Fasc. 2 - leitura perspectivas teóricas; Fasc. 3 - o jogo discursivo no processo de leitura; Fasc. 4 - leitura antes e além da palavra; Fasc. 5 - a leitura como prática social; Fasc. 6 produção textual-perspectivas teóricas; Fasc. 7 a tessitura do texto; Fasc. 8 gêneros textuais ou discursivos; Fasc. 9 gêneros textuais e ensino; Fasc. 10 a escrita como processo; Fasc. 11 recursos de textualidade coesão; Fasc. 12 recursos de textualidade coerência; Fasc. 13 produzindo gêneros textuais o resumo; Fasc. 14 produzindo gêneros textuais a resenha; Fasc. 15 produzindo gêneros textuais o memorial ISBN: Leitura (Lingüística). 2. Produção de textos. 3. Educação a Distância. I. Título. 22 ed. CDD Copyright 2007 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste material pode ser utilizada ou reproduzida sem a autorização expressa da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da UEPB - Universidade Estadual da Paraíba.

3 Apresentação Nossas conversas têm transcorrido de forma que você, à medida que for estudando, tenha cada vez mais interesse de aprender. Nesta aula, continuaremos trabalhando o conteúdo leitura, num conceito mais abrangente. A leitura que antecede a palavra e a que vai além dela, aprendendo a ler com as imagens o papel constitutivo delas para os sentidos do texto. Como nas demais aulas, apresentaremos teorias e trabalharemos atividades que possam envolvê-lo(a) como um(a) efetivo(a) usuário(a) da língua. Desse modo, nesta aula vamos discutir e realizar atividades de leitura com as quais nos defrontamos no nosso cotidiano, considerando a diversidade de signos verbais e não- verbais que circulam socialmente. Lembre-se de que para a melhor compreensão de nosso estudo é preciso que você realize todas as atividades propostas e tire dúvidas quando necessário. Objetivos Com esta aula, esperamos que você 1 2 aprenda que a linguagem não-verbal se constitui por meio de diversos signos não lingüísticos; compreenda a linguagem não-verbal como aspecto fundamental para a constituição dos sentidos do texto. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

4 Para começo de conversa... Nossas experiências sociais com a leitura acontecem antes mesmo de freqüentarmos à escola, como já discutimos na primeira aula. A assertiva de Paulo Freire, a leitura do mundo precede a leitura da palavra, evidencia há muito tempo a importância da leitura que precede e a que vai além da palavra escrita. Realmente, nas nossas primeiras relações sociais com o mundo, estamos sempre reagindo com o que nos cerca, o que nos irrita, o que nos agrada. A visão, o tato, a audição, o olfato e até o paladar, ou seja, todos os nossos sentidos são apontados como referenciais para nossas mais elementares leituras. Érico Veríssimo em seu livro Solo de Clarineta já dizia: Estou convencido de que meu primeiro contato com a música, o canto, o conto e a mitologia se processou através da primeira cantiga de acalanto que me entrou pelos ouvidos, [...] um conjunto ritmado de sons para me induzir ao sono. [...] MARTINS, M. H., 1989, p. 41. Sensorial Sensorial diz respeito aos sentidos.. Semiótica Teoria geral dos signos em todas as suas formas e manifestações. Designa também a ciência que estuda todos os fenômenos da cultura como se eles fossem sistemas de signos. Essa leitura sensorial revela um prazer singular. Para a Semiótica, ciência que estuda os signos em geral, a linguagem não-verbal expressa sentidos, revela ideologia. Tanto a linguagem verbal quanto a não-verbal utilizam-se de signos, com a diferença de que, na primeira, os signos são constituídos dos códigos da língua escrita ou falada. Na linguagem não-verbal exploram-se outros signos (imagem, gestos, notas musicais, cores, danças) que dispensam o uso da palavra. Os signos são objetos específicos, mas podem adquirir sentidos que ultrapassam suas propriedades particulares. Vamos entender melhor essa questão, analisando o signo abaixo. A balança é um instrumento que serve para pesar substâncias, produtos, objetos. É constituída de uma haste vertical, na qual repousa um travessão móvel com dois pratos pendentes, um em cada extremidade, um dos quais recebe os pesos e o outro, aquilo que se quer pesar. 2 Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

5 A balança, no entanto, se reveste do sentido de justiça na esfera jurídica, adquirindo um valor semiótico pelo modo de funcionar como um signo ideológico. No caso em questão, a esfera jurídica ao fazer uso desse signo quer mostrar que julga (pesa) na medida certa, justa. Atividade 1 Imagine situações diversas e teça comentários sobre as imagens abaixo, mostrando como elas poderiam funcionar como signos ideológicos, a exemplo da imagem da balança. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

6 Compreendemos, então, que a pluralidade de sentidos dos signos é imensa e as possibilidades de ampliação desses sentidos são múltiplas, resultando em leituras diversificadas, de acordo com o contexto e a situação de uso desses signos. Assim, a visualidade de um texto não-verbal permite a existência de uma forma material (cor, cheiro, sons, melodia, imagem fílmica, pintura) com propriedades particulares e com possibilidades múltiplas de efeitos de sentidos, que reafirmam seu status de linguagem. Enfim, o trabalho de leitura de um texto não-verbal se institui entre o não-verbal e o olhar do leitor multidirecionado para a imagem que vê, pois sendo dinâmico, o não-verbal exige uma leitura sem ordem preestabelecida, convencional ou sistematizada. Em outras palavras, se trata de uma leitura que se dá de modo diferente da leitura que fazemos dos signos lingüísticos, ou seja, da esquerda para a direita. Metáfora Metáfora é uma alteração do significado de um termo para estabelecer laços de similaridades com outro termo. Metonímia Metonímia consiste na transposição do significado de um termo, feita não mais com base em traços de semelhança, mas sim por existir um relacionamento entre os significados. Vários conceitos, então, podem ajudar na compreensão desse tipo de linguagem, tais como: reiteração de traços semânticos, conotação, metáfora, metonímias. Ler o texto não-verbal é antes de tudo se envolver numa prática social distinta e singular, por meio de olhares e de percepções diferentes, em que o leitor viaja no texto, dialoga e percorre os caminhos dos novos sentidos que dali emergem. O leitor é, então, aquele que lê o dito e o não dito pelo simples fato de se embrenhar na diversidade de sentidos que uma imagem pode revelar. A atividade a seguir, consiste em uma proposta na qual você deverá ler uma imagem e nela descobrir um novo texto, por meio de um olhar crítico, de acordo com o sentido que ela provoca. Atividade 2 Leia atentamente a pintura de Van Gogh e responda à questão a seguir. Vincent Van Gogh homem de extrema sensibilidade e talento que passou a vida atormentado por constantes acessos de loucura. Conheça sobre a vida desse pintor holandês. O livro traz fotos e reproduções de quadros, além de muita informação. O quarto de Vincent em Arles, Pintura óleo sobre tela. GREEN, J. Vincent Van Gogh. Coleção Grandes Mestres. Tradução de Maria da Anunciação Rodrigues. São Paulo: Ática, 2002, p Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

7 Van Gogh usou as cores, sobretudo o amarelo, para ampliar a emoção transmitida por suas pinturas. Ele dizia: O amarelo é a personificação... do amor. Assim, que sentidos você pode atribuir à pintura de Van Gogh (1889)? sua resposta Continuando nossa conversa... A linguagem não-verbal, muitas vezes, pode vir relacionada à linguagem verbal. Por exemplo, nos cartuns, nas pinturas, nas charges, nas histórias em quadrinhos, no cinema, na televisão, entre outros. Essas duas linguagens formam um continuum, pois são categorias que se imbricam por ocasião do processamento do texto. A leitura da cidade: um imenso texto pluridiscursivo... Imbricar Imbricar significa cruzar reciprocamente, perpassar. A cidade é um pluriespaço, fonte informacional rica que apresenta as muitas faces de um texto. Nela, os textos não-verbais não se impõem, apenas à observação, mas são incorporados à realidade. O texto não-verbal espalha-se em profusão pela cidade e acolhe as decorrências de várias outras linguagens: a urbanização, a paisagem, a arquitetura, a publicidade. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

8 Na cidade, o texto verbal liberta-se da sucessão gráfica dos caracteres e adiciona-se aos índices dispersos em quilômetros de ruas, avenidas, edifícios, multidões em locomoção, ruídos, luzes, cor, volume. Os textos não-verbais acompanham nossas andanças pela cidade, produzem-se, completam-se, alteram-se ao ritmo de nossos passos e, sobretudo, da nossa capacidade de perceber, de registrar essa informação. É esse registro que transforma os textos não-verbais em marcos referenciais da cidade; signos da cidade, esses marcos aglutinam objeto e signos urbanos. FERRARA, 1993, p. 20. Enquanto texto não-verbal, a cidade é apresentada como espetáculo, como imagem. Essa imagem, contextualizada, redesenha a tridimensionalidade espacial, oportunizando uma leitura dinâmica e significativa, porque capaz de produzir outros significados, outros sentidos. Vamos, então, observar uma imagem fotografada da cidade de Campina Grande Paraíba, situação que é possível observar em outras grandes cidades, e procurar nela as múltiplas faces do texto não-verbal. Atividade 3 Leia a imagem e escreva que sentidos esta foto provoca. Consulta em 16/03/2007 Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

9 sua resposta Um pouco mais de conversa... O texto não-verbal oportuniza ao espectador uma interpretação da imagem pelo olhar. Nessa perspectiva, o leitor apreende o sentido de uma imagem não por meio de palavras, mas pelos traços significantes do que vê em diferentes contextos. A autora Tânia Clemente, ao discutir perspectivas sobre o estudo da imagem (fílmica, fotográfica, artística, gráfica, publicitária, entre outras) e os modos de realização de interpretação de imagens, afirma que o resultado dessa interpretação é a produção de outras imagens (outros textos), produzidas pelo espectador a partir do caráter de incompletude inerente, eu diria, à linguagem verbal e não-verbal. O caráter de incompletude da imagem aponta, dentre outras coisas, a sua recursividade. Quando se recorta pelo olhar um dos elementos constitutivos de uma imagem produz-se outra imagem, outro texto, sucessivamente e de forma plenamente infinita. Consulta em 16/03/07 O texto não-verbal é, portanto, uma linguagem objeto sobre o qual se debruça o leitor, produzindo o sentido, numa tentativa de organizar convergências e divergências e de saber distinguir, por comparação, o igual e o diferente. Desse modo, a interpretação desse texto se efetiva pelos efeitos de sentidos que se institui entre o olhar, a imagem e os possíveis recortes. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

10 É necessário, então, que o leitor acione valores perceptivos, compreenda o processo de interação entre passado e presente, sensações de ontem e de hoje, refletindo sobre elas, comparando-as e percebendo os pontos de convergência ou divergência. Vale mencionar ainda, que nesse processo o leitor pode transcender a si mesmo, ultrapassar seus próprios limites e proceder uma renovação ilimitada de sentidos em um contexto novo. A leitura do não-verbal supõe uma íntima relação com o contexto social, histórico e cultural que nos envolve, superando o cotidiano que nos habitua a interagir mecanicamente. A leitura não-verbal relaciona visão/leitura, espécie de olhar tátil, multissensível, mas tal como na leitura verbal, aciona um processo de construção de sentidos que, da mesma forma, exige que se revele o leitor discursivo. Leitor este que mobiliza discursos ditos e não ditos no não-verbal e, enquanto sujeito social e histórico, se inscreve numa relação dialógica para a constituição do sentido do texto. A leitura do cartum, a seguir, tem o objetivo de fazer com que você explore o não-verbal e mobilize seu olhar crítico sobre o que vê. Problematizando a leitura do não-verbal Atividade 4 Vamos ler o cartum e responder às questões que seguem. Pátio: revista pedagógica. Porto Alegre: Artmed, novembro2001/janeiro/2002, ano V, n. 19, p. 66. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

11 1) Que realidade a imagem traduz? 2) Que sentido você atribui à linguagem cromática (das cores) utilizada no cartum? 3) Em que sentido o autor estabelece a contradição entre o verbal e não-verbal? Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

12 4) Quais as leituras possíveis que podem ser reveladas nesse cartum? 5) Que título você daria a esse cartum? Justifique. Um pouco mais de conversa... Nesse sentido, vemos nesta aula que há um jogo de combinação entre as linguagens verbal e não-verbal e ocorre uma mobilização de discursos que faz emergir a multiplicidade de sentidos, que se entrelaçam e se multiplicam na criação de novos textos. Pesquisando a linguagem não-verbal: uma propaganda em análise Pesquise em jornais, revistas ou na Internet uma propaganda que apresente imagem e texto e produza uma análise, seguindo as orientações abaixo. Anexe uma cópia da propaganda e sua análise ao final desta aula. 1) Situe a propaganda: em que veículo foi publicado, local, editora, data, página. Caso você tenha selecionado um texto de Internet, apresente o endereço e data de acesso. 10 Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

13 2) A que tipo de público a propaganda pretende atingir? Justifique. 3) Qual o objetivo da propaganda? 4) Que argumentos o publicitário utilizou para convencer o público-alvo a consumir o produto? 5) Qual o valor utilitário e simbólico dado ao produto pelo publicitário? 6) De que maneira o discurso da propaganda pode afetar as práticas cotidianas do público a que se destina? 7) Que efeito de sentido aparece na propaganda? Concluindo nossa conversa... A produção de sentidos de toda manifestação lingüística verbal e não-verbal se dá no confronto de discursos ditos e não ditos, destinados a serem compreendidos, questionados e decifrados pela riqueza da polissemia dos signos, que permite a ruptura de um dizer e, nesse movimento dialógico, ser (re)criado e (re)significado. Para se divertir e refletir sobre a atribuição de valores e emoções às imagens, assista ao filme... Polissemia Polissemia é o fenômeno que consiste na multiplicidade de significações para uma só palavra. O SORRISO DE MONA LISA Dirigido por Mike Newell (Donnie Brasco) e com Julia Roberts, Kirsten Dunst, Julia Stiles e Marcia Gay Harden no elenco. Katharine Watson (Julia Roberts) é uma recém-graduada, professora que consegue emprego no conceituado colégio Wellesley, para lecionar aulas de História da Arte. Incomodada com o conservadorismo da sociedade e do próprio colégio em que trabalha, Katharine decide lutar contra estas normas e acaba inspirando suas alunas a enfrentarem os desafios da vida. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual 11

14 Leituras complementares Sugerimos como leituras fundamentais para o aprofundamento da conversa que tivemos nesta aula: FERRARA, L. D Aléssio. Leitura sem palavras. Série Princípios. São Paulo: Ática, 1993 A autora aborda questões sobre a leitura do não-verbal, reconhecendo a existência de signos que falam sem palavras. Para Ferrara, o texto não-verbal possui muitas faces e se diversificam entre o signo visual pictórico, o sonoro, a cor, a luz, a sombra e tem no espaço (lugares) sua propriedade plurissígnica. O livro foi relançado em A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação SOUZA, Tânia C. C. de Leia no site: O texto da autora apresenta um trabalho, na perspectiva da Análise do Discurso da escola francesa, em que discute o estudo da imagem (fílmica, fotográfica, artística, gráfica e publicitária) em sua materialidade, no caso, o não verbal. MARCONDES, B.; MENEZES, G e TOSHIMITSU, T. Como usar outras linguagens na sala de aula. São Paulo: Contexto, A discussão das autoras sobre o uso de outras linguagens na sala de aula se dá no sentido de indicar possibilidades de ampliação com o trabalho sobre a linguagem em sala de aula, enfatizando o aspecto social para o desenvolvimento de alunos críticos e para a formação do cidadão. Sendo assim, elas propõem várias atividades voltadas a analisar e discutir os textos veiculados nos jornais, na televisão, nas revistas dirigidas ao público infanto-juvenil, nos outdoors e nos rótulos de produtos e medicamentos. 12 Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

15 Resumo A linguagem não-verbal precede a linguagem verbal e permanece como signos plurais que propiciam leituras diversas, uma vez que esses signos são combinados entre si, de forma que o leitor construa sentidos. Esta linguagem apresenta-se de forma heterogênea e, muitas vezes, conforme o gênero textual veiculado, forma um continuum. As imagens foram as referências pluridiscursivas para ampliar esse conteúdo, exemplificando a incorporação e a decorrência de várias outras linguagens na leitura textual (a pintura, a publicidade, a fotografia, o cartum, entre outros). A leitura não-verbal, assim como na leitura verbal, consiste numa atividade de produção de sentidos. O leitor mobiliza discursos ditos e não ditos no não-verbal e, enquanto sujeito social e histórico, se inscreve numa relação dialógica para a constituição do sentido do texto. Auto-avaliação Leia as afirmações a seguir e teça comentários. Seus comentários ajudarão você a identificar os pontos positivos de sua aprendizagem e também os aspectos que você ainda deverá melhorar. Assim, avalie seu desempenho como aluno nesta aula. A linguagem não-verbal impõe-se como signo plural que propicia leituras diversas. Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual 13

16 Ler o texto não-verbal é antes de tudo se envolver numa prática social distinta e singular, que permite ao leitor percorrer os caminhos dos novos sentidos que dali emergem. Referências BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, FERRARA, L. D Aléssio. Leitura sem palavras. Série princípios. São Paulo: Ática, MARCONDES, B.; MENEZES, G e TOSHIMITSU, T. Como usar outras linguagens na sala de aula. São Paulo: Contexto, SIMÕES, D. Semiótica aplicada à leitura de textos verbais e não-verbais. In: LEFFA, V. J. e PEREIRA, A. E. O ensino da leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: EDUCAT, 1999, p SOUZA, Tânia C. C. de. A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação. Consulta em 03/04/ Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

17 Anotações Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual 15

18 Anotações 16 Aula 04 Leitura, Interpretação e Produção Textual

19

20 SEB/SEED

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

aula O jogo discursivo no processo de leitura Leitura, Interpretação e Produção Textual Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde

aula O jogo discursivo no processo de leitura Leitura, Interpretação e Produção Textual Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde D I S C I P L I N A Leitura, Interpretação e Produção Textual O jogo discursivo no processo de leitura Autores Maria Divanira de Lima Arcoverde Rossana Delmar de Lima Arcoverde aula 03 Governo Federal

Leia mais

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho.

Didática e o Ensino de Geografia DISCIPLINA. Temas em Geografia no ensino médio. Autoras. Sônia de Almeida Pimenta. Ana Beatriz Gomes Carvalho. DISCIPLINA Didática e o Ensino de Geografia Temas em Geografia no ensino médio Autoras Sônia de Almeida Pimenta Ana Beatriz Gomes Carvalho aula 12 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A

aula Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Educação e Tecnologia Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe D I S C I P L I N A D I S C I P L I N A Educação e Tecnologia Elaboração, aplicação e avaliação de projetos I Autores Célia Maria de Araújo Marcos Aurélio Felipe aula 05 Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome:

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Bacia hidrográfica. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Bacia hidrográfica Autora Sandra Kelly de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho

aula Localização: coordenadas planas UTM Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Localização: coordenadas planas UTM Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 09 Governo Federal Presidente

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A família. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A Psicologia da Educação A família Autora Vera Lúcia do Amaral aula 11 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula

Psicologia da Educação D I S C I P L I N A. A Psicologia e sua importância para a Educação. Autora. Vera Lúcia do Amaral. aula D I S C I P L I N A A Psicologia e sua importância para a Educação Autora Vera Lúcia do Amaral aula 01 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: PARTILHA DE SABERES E VIVÊNCIAS COMUNICACIONAIS Lourdes Helena Rodrigues dos Santos - UFPEL/F/AE/PPGE Resumo: O presente estudo pretende compartilhar algumas descobertas,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec. Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros DISCIPLINA. Ecossistemas aquáticos. Autoras. Maria das Graças Ouriques Ramos. Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo.

Ecossistemas Brasileiros DISCIPLINA. Ecossistemas aquáticos. Autoras. Maria das Graças Ouriques Ramos. Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo. DISCIPLINA Ecossistemas Brasileiros Ecossistemas aquáticos Autoras Maria das Graças Ouriques Ramos Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo aula 04 Eco_Bra_A04_MD_230610.indd Capa1 23/06/10 11:26 Governo

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos;

ritmo; atividades. linguagem verbal e não verbal); filmes, etc); acordo com o interlocutor; respeitar opiniões alheias. textos; PLANO DE AULA 1º BIMESTRE LÍNGUA PORTUGUESA 6 º ANO CONTEÚDO ESTRUTURANTE: O DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIALMENTE Professora: Rosangela Manzoni Siqueira CONTEÚDOS BÁSICOS: RETOMADA DOS GÊNEROS TRABALHADOS

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Geografia Física I D I S C I P L I N A. Autores. Orgival Bezerra da Nóbrega Junior. Elias Nunes. aula

Geografia Física I D I S C I P L I N A. Autores. Orgival Bezerra da Nóbrega Junior. Elias Nunes. aula D I S C I P L I N A Geografia Física I Autores Orgival Bezerra da Nóbrega Junior Elias Nunes aula 03 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Licenciatura em Espanhol

Licenciatura em Espanhol Licenciatura em Espanhol Rebeka Caroça Seixas A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 A arte empregada no ensino da Língua Espanhola: Parte 02 Apresentação e Objetivos Caro(a) aluno(a),

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

1. Introdução ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA ESTRATÉGIAS DE LEITURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS NA UNIVERSIDADE: DA DECODIFICAÇÃO À LEITURA CRÍTICA Urbano Cavalcante Filho (UESC, UFBA, IFBA) urbanocavalcante@yahoo.com.br 1. Introdução Todos

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo

aula Projeções cartográficas Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo D I S C I P L I N A Leituras Cartográficas e Interpretações Estatísticas I Projeções cartográficas Autores Edilson Alves de Carvalho Paulo César de Araújo aula 11 Governo Federal Presidente da República

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros DISCIPLINA. Ecossistema do Pantanal. Autoras. Maria das Graças Ouriques Ramos. Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo.

Ecossistemas Brasileiros DISCIPLINA. Ecossistema do Pantanal. Autoras. Maria das Graças Ouriques Ramos. Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo. DISCIPLINA Ecossistemas Brasileiros Ecossistema do Pantanal Autoras Maria das Graças Ouriques Ramos Márcia Rejane de Queiroz Almeida Azevedo aula 10 Eco_Bra_A10_JMD_230610.indd Capa1 23/06/10 11:59 Governo

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA À INCLUSÃO SOCIAL: EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS EM UMA ESCOLA SITUADA NO MUNÍCIPIO DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RJ

DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA À INCLUSÃO SOCIAL: EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS EM UMA ESCOLA SITUADA NO MUNÍCIPIO DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RJ DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA À INCLUSÃO SOCIAL: EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS EM UMA ESCOLA SITUADA NO MUNÍCIPIO DE SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RJ Amabile Aparecida Xavier Rodrigues; Arildo dos Santos Amaral; Thacio

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

7º ano - Ensino Fundamental

7º ano - Ensino Fundamental EMENTAS 1º TRIMESTRE 7º ano - Ensino Fundamental Componente curricular: Ciências da Natureza Professor: Sinue Quadrado Objetivos: Compreender a origem e formação do Universo suas principais Teorias, investigar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

PLANEJAMENTO 3º TRIMESTRE/2014. Professor(a): Karine Petes Disciplina: Artes Turma: 4ºano

PLANEJAMENTO 3º TRIMESTRE/2014. Professor(a): Karine Petes Disciplina: Artes Turma: 4ºano Professor(a): Karine Petes Disciplina: Artes Turma: 4ºano *Construir discursos com música, representação e imagens, expressando o que vê, pensa e sente sobre os temas abordados; *Refletir sobre a importância

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER Aula 02 O ATO DE LER Nesta aula trataremos sobre um assunto extremamente interessante: a leitura. Você já parou para pensar sobre as diversas formas de leitura que temos a oportunidade de fazer?? E de

Leia mais