RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS"

Transcrição

1 Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS MAISTRO, Mailara Mariana BALISCEI, João Paulo Universidade Estadual de Maringá Formação de Professores e Intervenção pedagógica INTRODUÇÃO Questões muito trabalhadas e discutidas no meio artístico são a releitura e o processo criativo do artista, ou a poiética. Esse termo bastante utilizado por Iclea Barbosa Cattani, que está relacionado ao [...] estudo das motivações declaradas ou subjacentes do artista, de seus processos de trabalho e da instauração da obra enquanto forma [...]. (CATTANI, 2007, p.13). Isso leva a se planejar, dentro de um ambiente acadêmico a produção de um artigo focado em uma pesquisa em artes, por meio de uma releitura. O termo poética, para Iclea Cattani, está relacionada ao [...] estudo das motivações declaradas ou subjacentes do artista, de seus processos de trabalho e da instauração da obra enquanto forma [...]. (CATTANI, 2007, p.13). Diante disso, foi-se apontado para o planejamento, dentro de um ambiente acadêmico da produção de uma releitura e a se pensar no desenvolvimento do processo criativo da mesma. Para a proposta, de desenvolver uma releitura baseada em uma obra de um artista, pensou-se na utilização de um objeto incomum, como suporte não convencional: o guardachuva. O primeiro passo para a elaboração foi de planejamento e estudo imagético com esboços, para posteriormente transferi-lo para o suporte proposto. A passagem para o suporte foi cuidadosamente analisada e relatada, ou seja, foi feito um acompanhamento do processo criativo, dando abertura para uma pesquisa em arte, a qual será trazida e relatada neste artigo, juntamente, ao processo de releitura. Na minha produção, o artista escolhido para trabalhar com a releitura, foi Vincent Van Gogh ( ), um pintor pós impressionista i e a obra que me baseei foi A noite estrelada (1889), do mesmo.

2 Buscarei, então, neste artigo, primeiramente, trazer a discussão relacionada à prática de releitura, utilizando conceitos trazidos por Valeska Bernardo 1. Posteriormente, contextualizarei trazendo informações do artista escolhido Vincent Van Gogh para elaboração do trabalho, e ainda, de sua obra, A noite estrelada, a partir da qual foi feita a pesquisa e a obra de releitura. Após expor as questões teóricas, as quais serviram de base para o início dotrabalho e da pesquisa, iniciarei o relato relacionado ao meu processo de criação da releitura no suporte proposto, o guarda-chuva. O relato contribuiu para que fossepossível acompanhar o processo pelo qual passei durante a criação, possibilitando o acompanhamento do passo a passo da parte prática até a finalização da obra física, e também, do processo emocional e mental, nos quais me encontrava durante os momentos de produção, à medida que, a mesma ia se iniciando, formando e concluindo. Com esse relato do meu processo criativo, ou seja,da poiética, será feita então uma pesquisa em arte, pois assim como aquela, essa [...] se elabora sobre o próprio fazer, com ênfase no processo de criação [...], (CATTANI, 2007, p.12). E ainda, na pesquisa em arte, o objeto da pesquisa, a obra de arte ou o produto final, não existe inicialmente, mas vai sendo elaborada, ao mesmo tempo, que a pesquisa evolui. Então, a partir dos estágios da produção da obra e dos relatos dos fatos e sentimentos vivenciados buscarei chegar até a poética, ou a obra pronta, sendo [...] tudo o que constitui a obra em si mesma, a partir do momento de sua instauração. Trata-se da obra na sua fisicalidade própria, com suas formas, materiais, técnicas, suportes, ou seja, todos os elementos utilizados na sua constituição pelo artista. Mas, trata-se também de seus múltiplos sentidos e significados, os quais escapam, em parte, ao desejo, à intenção e até mesmo ao controle do seu criador. É a obra na sua integridade enquanto corpo no mundo, com sua autonomia relativa [...], (CATTANI, 2007, p.13). DO CONCEITO A CRIAÇÃO O termo releitura é, muitas vezes, utilizado erroneamente nas escolas, em aulas de produção artística. Em muitos casos, é interpretado como cópia, como uma reprodução de uma obra, isto é, como fazê-la novamente tentando reproduzi-la o mais parecido possível (BERNARDO, 1998).

3 Essa abordagem, no entanto, como já dito à cima é equivocada. Tendo em vista que a releitura, em si, está relacionada à [...] uma nova leitura, [...] uma leitura mais atenta, procurando observar aspectos não lidos anteriormente, resultando ou não em uma produção plástica, (BERNARDO, 1999, p. 7-8), não pode aparecer como termo independente, pois para que essa seja feita de maneira eficiente, dessa forma, atingindo o seu objetivo real, é necessário que anteriormente um estudo ou uma pesquisaa partir da imagem ou do artista escolhido para a prática dessa proposta. Entende-se, então, que deve ser desenvolvida, anteriormente a prática de releitura, a capacidade de leitura de imagens, ou ainda, de apreciação, para que se possa conhecer por meio da imagem. Para Bernardo (1999, p.9) [...] ler é compreender, apreender informações, selecioná-las e reconstruir o objeto analisado [...], é compreender os elementos com os quais a obra foi construída e como se relacionam entre si, produzindo o efeito final da obra, ou seja, [...] ler não é decifrar, mas inclui também uma leitura subjetiva, uma leitura do processo de construção de um texto/imagem [...]. Nesse processo, pode se utilizar de valores e significados próprios, particulares, que vão além de uma simples decodificação de códigos; A leitura de imagens, para Bernardo (1999) está relacionada à subjetividade, à ler nas entrelinhas, captando, dessa forma, o significado oculto da obra e de seus elementos. É interessante que seja feita, ainda, uma leitura da imagem a partir do contexto histórico e social do período de criação da obra, de maneira que transcenda o simples objeto artístico. Digo simples, não pelo fato de o objeto artístico ser realmente simples, ou algo qualquer, mas pelo fato de que a leitura não deve se basear apenas nesse produto final, o qual se encontra a frente dos olhos, mas sim em toda sua estruturação, em toda sua carga emocional, histórica, social e, talvez, até política contida nesse objeto. Sendo assim, a releitura não precisa, necessariamente ser feita apenas a partir do referencial imagético, mas, ainda, a partir do conceito que a obra traz, ou do conceito que inspirou o artista em sua produção. Ainda que a mudança de técnica e de material já possa ser considerada uma releitura, como discorre Bernardo (1999, p.17-18) [...] a motivação [...] pode partir da obra lida, ou a partir de algum aspecto interior ou exterior a ela, como o contexto histórico, a biografia, o movimento artístico entre outros [...] e que nesse processo [...] seja capaz de emitir algum juízo crítico sobre o que lhe foi proposto. Assim, não caímos no fazer por fazer, na livre expressão, e na cópia. [...] Reler uma obra subentende adquirir conhecimento sobre o artista. É uma nova visão, uma

4 nova leitura sobre a obra já existente. O produto final da releitura pode levar ou não ao reconhecimento da obra escolhida. Entende-se, então, que ler é construir um sentido e reler é reconstruir um sentido, colocar a sua visão de mundo, ou seja, [...] é colocar suas críticas, sua linguagem e suas experiências sobre a obra escolhida. [...] A releitura seria, portanto, uma nova construção, um novo significado, uma nova leitura, um novo texto. E é este novo texto que diferencia uma releitura de uma cópia, (BERNARDO, 1999, p. 18). Dessa forma, a releitura - relacionada à leitura prévia - deve ser pensada, não apenas como um produto final, mas como todo um processo de criação e não como uma mera reprodução. UM OLHAR INTERESSADO SOBRE O VINCENTI VAN GOGH Como já dito, o artista selecionado para estudo da proposta de releitura foi Vincent Van Gogh, pintor holandês, que nasceu no dia 30 de março de 1853 e viveu até 29 de julho de 1890, quando se suicidou. Van Gogh iniciou sua carreira artística, profissionalmente, muito jovem, com 15 anos, quando trabalhava para um comerciante de arte na cidade de Haia, na Holanda. Com isso, passou a ter seu trabalho reconhecido, indo morar em Londres e, posteriormente, em Paris, (VINCENT..., ). Após seu reconhecimento, passou a ter um grande interesse por assuntos religiosos, decidindo, então, estudar teologia, em Amsterdã. Dividiu os poucos bens que possuía com as pessoas humildes, passando a ser sustentado por seu irmão, Theodorus. Nesse período entrou em contato com pessoas pobres, e fez vários desenhos a lápis relacionados à vida e ao trabalho dessa classe social, (VINCENT..., ). Em 1880, retornou a Haia e voltou a dedicar maior tempo a pintura, ainda sendo sustentado por seu irmão e dedicando sua pintura aos retratos da vida cotidiana dos camponeses e trabalhadores da zona rural da Holanda, (VINCENT..., ). Em 1886, foi morar com seu irmão, em Paris. Nesse contexto conheceu importantes pintores do momento, como, Paul Gauguin e Edgar Degas, grandes representantes do impressionismo, os quais o influenciaram em várias de suas telas. Conviveu, também, nesse período com mineradores extremamente pobres, os quais retratou em suas telas, (VINCENT..., ).

5 Após um tempo, decidiu ir morar mais ao sul da França, em Arles, uma região rica em paisagens rurais, convidando Gauguin para morar com ele. Foi quando pintou diversas obras com girassóis. E, ainda, onde produziu o único quadro que foi vendido enquanto vivo, A vinha encarnada, de 1888, (VINCENT..., ). Com o passar o tempo os dois passam a se desentender, até que Van Gogh ataca Gauguin com uma navalha e esse decide ir embora. Frustrado com a partida de Gauguin, Van Gogh entra em depressão e corta a própria orelha, (PINTOR..., ). Seu estado psicológico passa a refletir em suas obras, passando a pintar com pinceladas rápidas e pequenas, (VINCENT..., ). Em 1889, sua doença se agravou, tendo que ser internado em uma clínica psiquiátrica, na qual tinha como fonte de inspiração os jardins lá existentes. As pinceladas rápidas e pequenas foram deixadas de lado e as curvas e espirais começaram a surgir em suas obras, (VINCENT..., ). Foi quando pintou a obra escolhida como base para a minha releitura, A noite estrelada, que é tida como a sua única obra considerada feita de memória, (ALEXANDRE, 2012). Deixou a clínica e voltou a morar com seu irmão, porém seu caso piorou, ainda mais, levando-o a suicidar-se, em 1890, com um tiro no próprio peito, (VINCENT..., ). Nos últimos três anos de sua vida, foi o período que Van Gogh mais produziu, pintando, praticamente, uma obra por dia, enquanto esteve na clinica psiquiátrica. Entre as obras mais importantes desse pintor, pode-se citar: Os comedores de batatas (1885); Caveira com cigarro acesso (1886); A italiana (1887); A vinha encarnada (1888); A casa amarela (1888); Todos seus auto-retratos; Retrato do Dr. Gachet (1890); Os girassóis série de sete quadros (1888/1889); Vista de Arles com Lírios (1889); A noite estrelada (1889); O velho moinho (1888);e as Oliveiras (1889), (VINCENT..., 2011). Como já havia dito, A noite estrelada, de 1889, com a técnica óleo sobre tela, a qual encontra-se, atualmente, no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, foi a obra escolhida para ser trabalhada no processo de releitura. A obra original foi feita durante um momento de fragilidade da vida de Van Gogh, em que se encontrava internado na clínica psiquiátrica. Acredita-se que foi a única obra pintada de memória, pois nesse período que esteve internado, disse em uma carta para seu irmão, Theo, que sentia falta de sair pela cidade e pintar paisagens.

6 A noite estrelada Vincent Van Gogh, Fonte: vggallery.com/painting/p_0612.htm Unindo leituras e pesquisas sobre a obra, a minha própria leitura e interpretação, acredito que A noite estrelada é sem duvida uma obra carregada de sentimento, pois passa uma sensação de saudosismo, devido à cidade longínqua, de pequeninas casas, contrastando fortemente com o cipreste de primeiro plano. As pinceladas curvilíneas e circulares trazem a idéia de movimento orgânico, de fluidez, de leveza, o que também pode caracterizar o saudosismo, como uma respiração profunda, um momento de imersão em pensamentos particulares. As pinceladas são, ainda, curtas, deixando, a meu ver, perfeitamente claro que essa obra é de Van Gogh, por ser uma característica marcante do mesmo. Outro fator que proporciona a idéia de imersão em pensamentos, nessa obra, é a forma como o céu, o cipreste e a cidade se integram em um movimento de turbilhão. Afinal, quem nunca sentiu como se houvesse um movimento tão grande dentro da cabeça, devido aos pensamentos desenfreados, que pensou que ela poderia explodir? Existe ainda a presença do azul escuro, ou o azul da meia-noite, que age como um forte sedativo sobre a mente, permitindo-nos conectar com nossa parte intuitiva. Mas demasiado azul escuro pode produzir depressão. [...] O azul claro e o azul-celeste nos fazem sentir calmos e protegidos [...], (AZUL, 2013). Esses dois tons de azul são trazidos na obra, o que leva, mais uma vez, a refletir na questão do pensamento, do relembrar e da tranqüilidade, apesar do turbilhão de pensamentos. A noite estrelada nos trás um pouco dessa sensação de solidão profunda, de rebuscamento e introspecção, de alguém que está mergulhado em si, (ALEXANDRE, 2012).

7 A presença do amarelo, também, é bem perceptível, pois contrasta de forma suave com o azul. Segundo Alexandre (2012) Para Van Gogh o amarelo [...] é luz e desespero. A luz é quando ele representa o sol que o consome pelo excesso de luminosidade e o desespero é pela luta interior que era para ele representar a sensação que o sol lhe proporcionava. Porém, creio que se pode ir além, em relação à luz e ao desespero. Acredito que esses dois termos cabem muito bem ao momento em que Van Gogh encontrava-se, buscando a luz, a solução para seu problema, e ainda, desespero, pois era o que estava vivenciando. Dessa forma, chegando a conclusão, que A noite estrelada leva a ideia já mencionada de imersão em pensamentos, a qual tentei manter na releitura, juntamente, à utilização de cores e pinceladas curvilíneas semelhantes as da obra original. PROCESSO CRIATIVO Após toda a pesquisa e a leitura feita em cima da obra, iniciei o desafio, pensar em um desenho que expressasse o que eu buscava transmitir e que se adequasse ao suporte proposto o guarda-chuva. Impulsivamente, resolvi fazer algo relacionado ao meu tema freqüente, que são as cabeças, podendo ser, ou não, de um humano, para depois pensar em como inserir o desenho no suporte. A idéia de fazer a cabeça possibilitou que eu usasse, perfeitamente, as formas curvilíneas do céu estrelado. E onde seria? No movimento dos cabelos. Figura2,Esboço, Com o rascunho do desenho passei para a preparação do suporte, que consistia em pintar todo o guarda-chuva de tinta acrílica branca, para que as demais cores ficassem bem visíveis na produção final.

8 Esse momento foi cansativo, pois foram necessárias diversas camadas de tinta branca, para que o preto do tecido desaparecesse. Cada camada de tinta demorava a secar, e o dia estava chuvoso, o que não me permitiu tirar proveito do tempo. Isso atrasou o processo. Figura 3, Preparação do guarda-chuva, para o início da produção, Com a primeira etapa pronta, surgiu o novo desafio:como adequar o desenho ao formato do guarda-chuva. Percebi que, na verdade, meu desenho era compatível com o formato, se eu o virasse de cabeça para baixo, dessa forma, passando a idéia de cabelos caindo, ou ainda, escorrendo pelo guarda-chuva. Porém, apenas uma cabeça deixaria os elementos do desenho dispostos de forma irregular, desequilibrado, causando uma assimetria, ou uma espécie de peso para um lado só, o que poderia interferir no significado final da obra. Resolvi, então, fazer duas cabeças, uma oposta a outra, equilibrando o peso e os elementos. Iniciei, então, o desenho a lápis no suporte. Desenhar em uma base não fixa, com formato irregular para mim, foi um dos mais difíceis. Devido a isso, demorei quatro horas e meia, equivalentes a um dia de aula, para terminar essa etapa. Na aula e etapa seguintes iniciei o processo de pintura, conseguindo terminar, apenas, as duas cabeças, sem os cabelos. Na sequência, dei inicio a pintura dos cabelos que cairiam, ou escorreriam, pelo guarda-chuva. Nesse momento, já percebi que teria dificuldade em criar, com a tinta acrílica, o efeito homogêneo das cores, nos cabelos, e também, que as divisórias, ou gomos, do guarda-chuva iriam interferir na fluidez das pinceladas, o que, de fato, aconteceu.

9 Figura 4, Produção no início, Continuei nesse processo de fazer cabelos, tentando homogeneizar as tonalidades e produzir pinceladas fluidas, por quase todo o restante do processo. Figura 5 e 6, Produção em processo, Não estava nem na metade do processo de pintar os cabelos e muitas dificuldades prorrogavam a finalização: as tintas acabavam a todo o momento, ou secavam, as divisões do guarda-chuva fazia com que ficassem partes sem pintar, as cores não ficam homogêneas e o pior de tudo, o guarda-chuva ficava caindo e escorregando, toda hora, dos apoios. Dava vontade de desistir. Porém, continuei o processo até o fim.

10 Figura 7, Produção quase finalizada, Não via a hora que a obra ficasse pronta, para ver o resultado final. Então, enfim, terminei os cabelos, de maneira que, ficou faltando apenas os lábios e as sobrancelhas, que foram finalizados em casa. Figura 8, Obra finalizada, O final foi recompensador, pois adorei o resultado e consegui, apesar das dificuldades, atingir meu objetivo e criar o efeito que planejei, que era de manter alguns dos elementos técnicos da obra original, como as formas do céu e as cores e trazer, ainda, creio eu, o conceito desta, que é a introspecção, o encontro com os próprios pensamentos, a turbilhão desses, que podem ser representados pelos cabelos.

11 E o mais interessante de tudo isso, foi vivenciar e experimentar esses momentos ao lado de colegas, companheiros e grandes amigos, compartilhando dificuldades e alegrias durante todo o processo. Acompanhando, dessa forma, o processo e o crescimento de cada um, paralelamente, ao meu. Figura 9, Segundo ano de artes visuais, 2013 UEM. CONSIDERAÇÕES FINAIS Creio que a contextualização e pesquisa sobre a obra escolhida para a elaboração da proposta ficaram evidentes durante todo o meu processo de criação, pois utilizei tanto uma, quanto outra para elaborar todo o projeto. Da contextualização e da pesquisa, busquei extrair elementos técnicos e conceitos, reelaborando-os, da minha maneira, na minha obra. E a fundamentação de releitura, serviu-me como base para maior compreensão do processo, e como guia para desenvolver a atividade proposta. Acredito que, após toda essa pesquisa sobre a minha poiética, ou seja, meu processo criativo, consegui unir de maneira prazerosa dever e diversão, obtendo um resultado satisfatório. REFERÊNCIAS

12 ALEXANDRE, Fabiana. A noite estrelada, análise estética. Disponível em: <http://concertezamente.blogspot.com.br/2012/09/a-noite-estrelada-analise-estetica.html> Acessado em: 20 de maio de Azul. Disponível em: <http://www.significadocores.com/azul/> Acessado em: 27 de maio de CATTANI, Iclea. Mestiçagens na arte contemporânea.porto Alegre: UFRGS, BERNARDO, Valeska. Releitura não é cópia: Refletindo uma das possibilidades do fazer artístico. UDESC. Florianópolis, Pintor Holandês: Van Gogh. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/biografias/van-gogh.jhtm> Acessado em: 28 de maior de SANTOS, Raquel.Pós-Impressionismo: Releituras de O Quarto em Arles. Disponível em: <http://artistasdogino.blogspot.com.br/2013/05/pos-impressionismo-releituras-de-o.html> Acessado em: 6 de agosto de Vincent Van Gogh. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/vangogh3/> Acessado em 28 de maio de i Expressão artística utilizada para definir a pintura e, posteriormente, a escultura no final do impressionismo, por volta de 1885, marcando também o início do cubismo, já no início do século XX. Chamavam-se, genericamente, pós-impressionistas os artistas que não mais representavam fielmente os preceitos originais do impressionismo. (SANTOS, 2013).

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM A escola Nossa Senhora da Piedade tem uma área de 3.200 metros,

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

PRINCÍPIOS FRAGMENTADOS, UMA RELEITURA SUSPENSA

PRINCÍPIOS FRAGMENTADOS, UMA RELEITURA SUSPENSA Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor PRINCÍPIOS FRAGMENTADOS, UMA RELEITURA SUSPENSA GODINHO,

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90)

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90) Professor Heitor de Assis Jr. CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE heitor_assis@yahoo.com.br Vincent van Gogh (1853-90) Até 27 anos, quando se decidiu pela pintura, ocupou-se principalmente com a pregação evangélica.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS.

TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. TEATRO DE MARIONETES DE PAUL KLEE E A PRODUÇÃO DE BONECOS. Amanda Cristina de Sousa amandita_badiana@hotmail.com E.M. Freitas Azevedo Comunicação Relato de Experiência Resumo: O presente relato trata da

Leia mais

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Pós - Impressionismo (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Não foi um Movimento Não houve um grupo de artistas que se reuniam para debates acadêmicos. Eram artistas

Leia mais

O retrato através da História da Arte

O retrato através da História da Arte ós na ala de Aula - Arte 6º ao 9º ano - unidade 5 Inicie sua aula observando retratos conhecidos da História da Arte e, em seguida, converse com os alunos sobre os retratos na História. Pergunte a eles

Leia mais

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Plínio Santos Filho, Ph.D. CE 05 - Autoretrato 02 Vincent Van Gogh CE 05 Este Caderno de Exercícios contém desenhos e pinturas que são autoretratos feitos

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA Amanda Cristina de Sousa 1 Alexandre França 2 Comunicação: Relato de Pesquisa Resumo: O seguinte trabalho trata

Leia mais

ISBN 978-1-78042-575-7. Todos os direitos de adaptação e de reprodução reservados para todos os países.

ISBN 978-1-78042-575-7. Todos os direitos de adaptação e de reprodução reservados para todos os países. MONDRIAN Confidential Concepts, Worldwide, USA Sirrocco London (edição portuguesa) Mondrian Estate / Artists Rights Society, New York, USA / Beeldrecht, Amsterdam ISBN 978-1-78042-575-7 Todos os direitos

Leia mais

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela Mulher de chapéu, Matisse 1905, Óleo sobre tela O termo Fauvismo deriva de fauve (fera selvagem), exclamação feita pelo crítico de arte Louis Vauxcelles perante a exposição de pintura do Salão de Outono

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a 189 FIGURA 8 FERNANDES, Millôr. O Grito. 2005, Revista Veja, 20 de abril de 2005. Partindo da identificação da obra Norwood sob a neve (FIGURA 4), do artista Camille Pissarro, a professora elaborou 4 questões

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL Joelma Cellin Escola Estadual de Ensino Fundamental Eliseu Lofego, Cachoeiro de Itapemirim-ES 1 INTRODUÇÃO Após um período

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística

TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística 1427 TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística Rosana Raposo Momentel, Joana Sanches-Justo Universidade do Oeste Paulista

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL

I CFD. Área: ARTE Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL Série: 6º ANO 1º TRIMESTRE ARTE VISUAL. Arte Rupestre. Arte Africana. Arte Indígena Brasileira Valorizar o(s) autor (es) dos objetos culturais apreciados, conhecendo aspectos de suas principais obras;

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

MESTRES DAS ARTES SUPLEMENTO DIDÁTICO. Elaborado por

MESTRES DAS ARTES SUPLEMENTO DIDÁTICO. Elaborado por MESTRES DAS ARTES VINCENT VAN GOGH De Mike Venezia (Formado em Belas-Artes pelo Instituto de Artes de Chicago, EUA. Desde 1978 escreve e ilustra livros sobre arte, música e história para crianças e jovens.

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1

Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XX Prêmio Expocom 2013 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1 Camilo de Santa

Leia mais

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO O ENSINO DA ARTE NO NÍVEL MÉDIO INTEGRADO AO TÉCNICO: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO Mara Pereira da Silva IFPA- CRMB pereiracantora1@hotmail.com RESUMO A pesquisa foi realizada mediante análise

Leia mais

Impressão: nascer do sol

Impressão: nascer do sol IMPRESSIONISMO França 1860 a 1886. Os impressionistas representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as percepções iniciais registradas

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano Projeto 1: ANIMAÇÂO GRÁFICA DA CAPA Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do desenho e colagem. Deste estudo resultará a ilustração

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES ARTES DINÂMICA LOCAL I. Conteúdo: - Arte Moderna: Expressionismo

APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES ARTES DINÂMICA LOCAL I. Conteúdo: - Arte Moderna: Expressionismo Conteúdo: - Arte Moderna: Expressionismo 2 Habilidades: - Identificar características estéticas e principais artistas dos movimentos artísticos modernos, reproduzindo e criando obras inspiradas em cada

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL.

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. INSTRUÇÕES Para a realização destas provas, você recebeu este Caderno de Questões e duas Folhas de Respostas. NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. 1. Caderno de Questões Verifique

Leia mais

Turma do Maternal as minhocas e a plantação de rabanetes.

Turma do Maternal as minhocas e a plantação de rabanetes. RELATÓRIO DE GRUPO MATERNAL VESPERTINO 2º SEMESTRE DE 2014 Professora: Jéssica Oliveira Professora auxiliar: Elizabeth Fontes Coordenação: Lucy Ramos Torres Turma do Maternal as minhocas e a plantação

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Plínio Santos Filho, Ph.D. CE 04 - Autoretrato 01 Caderno de Exercícios CE 04 O autoretrato é feito para marcar a passagem do tempo. É o momento em que

Leia mais

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do Impressionismo Impressionismo O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX; O termo impressionismo foi imprimido

Leia mais

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM DESIGN DE MODA ILUSTRAÇÃO I PROFESSORA GISELE DOS SANTOS Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato Figura 01: Foto

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR

PROJETO INTERDISCIPLINAR PROJETO INTERDISCIPLINAR 3º ANO 2013 DESENVOLVIMENTO ALUNOS BENEFICIADOS: 3º ANO TEMA: VAN GOGH E AS PLANTAS DO CERRADO ANÁLISE DA SÉRIE: VEGETAÇÃO Van Gogh é considerado um dos principais representantes

Leia mais

ARTES VISUAIS. 01 - A obra apresentada, a seguir, é de Claude Monet: Ninféias (1916) 1919). A respeito dessa obra, é correto afirmar que

ARTES VISUAIS. 01 - A obra apresentada, a seguir, é de Claude Monet: Ninféias (1916) 1919). A respeito dessa obra, é correto afirmar que ARTES VISUAIS 01 - A obra apresentada, a seguir, é de Claude Monet: Ninféias (1916) 1919). A respeito dessa obra, é correto afirmar que (001) é impressionista, por existir uma tendência à geometrização

Leia mais

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca

Figura 56. Tema Folclore. Figura 58 Personagens ou Imagens do Folclore Brasileiro: Cuca O tema do folclore pintado pelos alunos passou por uma seleção de imagens escolhidas por eles mesmos, desenhadas anteriormente em classe para depois tais desenhos serem apresentados para a votação. As

Leia mais

E ntrevista. Raphael Lacoste. por Alberto Andrich

E ntrevista. Raphael Lacoste. por Alberto Andrich E ntrevista por Alberto Andrich Raphael Lacoste R aphael Lacoste nasceu em Paris em 1974, onde morou até os seis anos de idade. Após ter vivido na Argélia por dois anos, acompanhando seu pai no serviço

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

CÉU DE TODOS E O REFLEXO DO CAOS: RECRIANDO OBRAS DE RENÉ MAGRITTE

CÉU DE TODOS E O REFLEXO DO CAOS: RECRIANDO OBRAS DE RENÉ MAGRITTE Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor CÉU DE TODOS E O REFLEXO DO CAOS: RECRIANDO OBRAS DE RENÉ

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

Caminhos para a aprendizagem

Caminhos para a aprendizagem Page 1 of 5 Home Comunicação pessoal Educação Tecnologias na Educação Educação a distância Identidade Caminhos para a aprendizagem inovadora José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo

Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Secretaria Municipal de Educação de Braço do Trombudo Concurso: Prêmio AMAVI De Educação 2013 Pequenos Artistas Grandes Talentos Qualidade na Prática da Docência 2013 1 Professora: Aline de Fátima Alves

Leia mais

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh.

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. 13 2. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009. 274 p. RESENHA Pepita de Souza Afiune * A autora Luciana Bertini Godoy é graduada em

Leia mais

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR

A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos A PRODUÇÃO AUTOBIOGRÁFICA EM ARTES VISUAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE VIDA E ARTE DO AUTOR Letícia Tadra do Carmo 105 Universidade

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Guiadas pela impressão. Seu cavalete parecia estar já nos convida a entrar por inteiro, e

Guiadas pela impressão. Seu cavalete parecia estar já nos convida a entrar por inteiro, e impressão de um quarto imaginado - e a realidade da Pintura, resta, não o repouso como Van Gogh procurava, mas o susto. Uma das forças dessa releitura está na surpresa de uma perspectiva Entrar de corpo

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras.

Cores e Formas. Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. Cores e Formas 1) Objetivo Geral Aplicando os conceitos da reciclagem, fazer uso das formas geométricas como materiais para a composição e decomposição de figuras. 2) Objetivo Específico Reconhecimento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN. Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais

Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN. Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais Releitura da Árvore Vermelha - MONDRIAN Escola Municipal Santa Maria Muriaé Minas Gerais 1 JUSTIFICATIVA Dar mais sentido aos conteúdos curriculares e também para que meus alunos, ao final do semestre,

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty

Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Disciplina de Leitura Pessoal Manual do Aluno David Batty Nome Data de início: / / Data de término: / / 2 Leitura Pessoal David Batty 1ª Edição Brasil As referências Bíblicas usadas nesta Lição foram retiradas

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Art Project M

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Leonardo da Vinci. Auto-retrato de Leonardo da Vinci

Leonardo da Vinci. Auto-retrato de Leonardo da Vinci Leonardo da Vinci Auto-retrato de Leonardo da Vinci Introdução Leonardo da Vinci, artista renascentista italiano, nasceu em 15/04/1452. Existem algumas dúvidas sobre a cidade de seu nascimento: para alguns

Leia mais