MAteriAl Do ProFessor caderno De exercícios Do olhar 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAteriAl Do ProFessor caderno De exercícios Do olhar 3"

Transcrição

1 MAteriAl Do ProFessor caderno De exercícios Do olhar 3

2 Projeto Acervos Museológicos - Democratização do Acesso e Formação de Agentes Culturais Conselho Deliberativo Realização Instituto Minas Pela Paz Cledorvino Belini Olavo Machado Junior Luiz Alberto Garcia Francisco Sérgio Soares Cavalieri Hélcio Roberto Martins Guerra Otávio Marques de Azevedo Rubens Menin Teixeira de Souza Aguinaldo Diniz Filho Paulo Eduardo Rocha Brant Manoel Vitor de Mendonça Filho Ricardo Vescovi de Aragão Alexandre de Campos Lyra Diretoria Marco Antonio Lage Jedaias Jorge Salum Dirlene Taveira Corrêa Ana Gabriela Dias Cardoso Marcelo Dias Diretor Coordenador Diretor Vice-Coordenador Diretor Diretor Diretor Projeto Institucional José Carlos Barboza de Oliveira - Consultor Coordenação Geral de Execução do Projeto Eliana Mara de Rezende - Consultora Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Rosa Vani Pereira - Coordenação Presidente Vice-Presidente Parcerias Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PUC Minas Sistema FIEMG Patrocínio Fiat Contax Usiminas Apoio Gerdau Oi Futuro Instituto Cultural Usiminas Produção dos Cadernos Coordenação Geral Instituto Minas Pela Paz Gestão Editorial Margem 3 Comunicação Estratégica Produção de Texto Andréia Menezes De Bernardi Pesquisa Akala Fabiana Abaurre Consultoria Técnica Fabiana Abaurre Projeto Gráfico e Diagramação Sandra Fujii Ilustrações Tiago Souza Impressão e Acabamento EGL - Editores Gráficos Ltda. É expressamente proibida a comercialização deste caderno

3 Uma educação para novos tempos A universalidade do conhecimento vem recuperando espaço no mundo contemporâneo. Até pouco tempo, a especialização era considerada como qualidade fundamental na formação do homem moderno. A preocupação com as grandes causas da humanidade e com o acelerado processo de globalização evidenciam a importância crescente de uma formação mais universalista, que possibilite ao indivíduo ir além e compreender os desafios e as limitações que as sociedades devem enfrentar em um futuro próximo. Para vencer esses obstáculos, num plano de absoluta realidade, as empresas têm se ressentido da lacuna crescente entre o perfil de seus recursos humanos e a necessária capacidade de inovar, acreditando que a cultura pode fazer a verdadeira diferença. Acervos Museológicos, Democratização do Acesso e Formação de Agentes Culturais é um projeto inovador, que tem como objetivo capacitar professores e gestores educacionais para a inclusão sociocultural de alunos das escolas públicas, promovendo a difusão da cultura como a principal estratégia na construção da cidadania. O projeto foi estruturado basicamente em quatro pilares, sendo o primeiro uma pesquisa de campo realizada pelo Instituto Vox Populi, em 2010, visando ao melhor conhecimento do perfil dos professores das escolas da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte. A pesquisa também avaliou o interesse e o grau de disponibilidade dos professores, alunos e seus respectivos familiares na ampliação da frequência de visitas aos espaços culturais de Belo Horizonte, que, por sua vez, podem, assim, promover o melhor aproveitamento de seus potenciais e de suas respectivas programações. O segundo pilar consiste em um curso de pós-graduação em Gestão de Projetos Culturais, realizado pela PUC Minas, beneficiando, em uma primeira etapa, cerca de 240 educadores das nove Regionais Municipais de Ensino da Capital. 4 Projeto Acervos Museológicos

4 Os participantes do curso terão a missão de repassar o conhecimento adquirido, aos demais educadores da Rede Municipal, com vistas a ampliar o número de professores devidamente preparados para planejar, dar continuidade e avaliar os resultados parciais do projeto. O terceiro pilar refere-se ao Programa de Imersão Cultural, com a proposta de levar os estudantes a visitar, com maior frequência, os museus e outros espaços culturais, para enriquecer e consolidar uma formação mais universalista. Nessa etapa de visitação, o programa Circuito de Museus da Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte, integra-se ao projeto Acervos Museológicos, unindo esforços e fortalecendo os dois programas. Essa etapa dá sustentação ao quarto pilar do projeto, a Olimpíada Cultural, que visa ao acompanhamento do Programa de Imersão Cultural e à avaliação final dos resultados do projeto, estimulando, ao longo do processo, a participação ativa dos estudantes, criando oportunidades para que eles possam traduzir em atividades, por meio de diferentes formas de expressão, os estímulos recebidos e vivenciados, favorecendo a aprendizagem. O reconhecimento do mérito pelos resultados alcançados deve incentivar alunos e professores a darem continuidade ao projeto, ampliando ainda mais seus objetivos e expandindo seus horizontes. O projeto, nascido da iniciativa de empresas associadas à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais foi coordenado, em sua execução, pelo Instituto Minas Pela Paz, em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, através da Secretaria Municipal de Educação. Esse projeto conta com o patrocínio da Fiat, Contax e Usiminas, com apoio da Gerdau, da Oi Futuro e do Instituto Cultural Usiminas. Vem sendo realizado com recursos obtidos através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, Lei Rouanet, no âmbito do Ministério da Cultura. MATERIAL DO PROFESSOR Caderno de Exercícios do Olhar 5

5 Apresentação O ver em geral conota no vidente uma certa discrição e passividade ou, ao menos, alguma reserva. Nele um olho dócil, quase desatento, parece deslizar sobre as coisas; e as espelha e registra, reflete e grava. Diríamos mesmo que aí o olho se turva e se embaça, concentrando sua vida na película lustrosa da superfície, para fazer-se espelho... [...] Já o universo do olhar tem outra consistência. [...] Aqui o olho defronta constantemente limites, lacunas, divisões, alteridade, conforma-se a um espaço aberto, fragmentado e dilacerado. [...] Ela, a simples visão supõe e expõe um campo de significações, ele, o olhar necessitado, inquieto, inquiridor as deseja e procura, seguindo a trilha do sentido. O olhar pensa; é a visão feita interrogação. Sérgio Cardoso, 1988 Neste Caderno propomos que você experimente olhar para três imagens com um olhar pensante, um olhar interrogativo como nos convida Sérgio Cardoso. Faremos algumas perguntas, buscando estabelecer um diálogo com você e com as obras. Para funcionar, é preciso olhar com calma, responder a todas as perguntas e não antecipar a leitura da página seguinte. Combinado? Antes de começar, indicamos a leitura das Notas para uma pedagogia visual bem humorada de autoria do artista Waltércio Caldas 1 1 na 6.ª Bienal do Mercosul (Porto Alegre, 2007), a Curadoria Educativa, assinada por Luis Camnitzer, propôs a criação de Estações Pedagógicas, compostas por painéis com textos de artistas e espaços que convidavam os visitantes a deixar comentários. O texto Notas para uma pedagogia visual bem humorada, de autoria do artista brasileiro Waltércio Caldas, integrou uma das Estações Pedagógicas. 6 Projeto Acervos Museológicos

6 Apresentação 1. É natural que utilizemos obras de arte para o exercício de nossa desconfiança. Cultivar suspeitas pode nos salvar das verdades. 2. não se deixe enganar por tentativas de explicação de obras de arte. Na maioria dos casos elas são desmentidas pelas mesmas obras. 3. não confie na autonomia soberana das obras de arte, pois elas dependem do desconhecido que as tornou possíveis. 4. Acredite nas dúvidas, especialmente naquelas sugeridas pelas obras: algumas delas são necessárias para a superação de nossas limitações. 5. Procure ver somente o necessário. A quantidade indiscriminada das coisas visíveis pode reduzir em muito a qualidade das experiências. 6. não espere ver o que esperava ver antes de conhecer. Só as obras de arte de qualidade duvidosa atendem a esta expectativa. 7. se um objeto artístico não parece ser arte, não o discrimine automaticamente. Artistas, por outro lado, fazem somente o que acreditam que deve ser feito. 8. A espontaneidade não é um valor. É uma partida ou uma chegada. A simplicidade ou complexidade ocorrerão apesar dela. 9. não pergunte o que os artistas querem dizer com suas obras. Pergunte às obras. Ou encontre a satisfação nos riscos que estimulam a sua criatividade. MATERIAL DO PROFESSOR Caderno de Exercícios do Olhar 7

7 Exercícios Exercício 1 Professor, observe esta imagem. Use o espaço a seguir para descrevê-la detalhadamente. O que você percebe? 8 Projeto Acervos Museológicos

8 Exercícios Esta é a famosa pintura de Vincent van Gogh, de 1889, intitulada O quarto de Van Gogh em Arles que hoje está no Museu d Orsay, em Paris, França. Quando estava pintando seu quarto, o artista escreveu a seu irmão Tive uma nova ideia na minha cabeça e aqui está o esboço dessa ideia. Desta vez é simplesmente o meu quarto, só que aqui a cor tem a ver com tudo e, dando através da sua simplificação um maior estilo às coisas, pretende aqui sugerir descanso ou sono em geral. Numa palavra, olhar para o quadro deverá descansar o cérebro, ou, antes, a imaginação. As paredes são violeta pálida. O chão de azulejos vermelhos. A madeira da cama e as cadeiras são de um amarelo de manteiga fresca, os lençóis e as almofadas são de um limão esverdeado pálido. A colcha é escarlate. A janela é verde. A mesa de cabeceira laranja, a bacia azul. As portas lilases. E é tudo não há nada neste quarto com os estores corridos. Os traços largos da mobília, de novo, têm de expressar sossego absoluto. Retratos nas paredes, um espelho, uma toalha e umas roupas. A moldura uma vez que o quadro não tem branco será branca. (GOGH, 1958, p. 544 apud FUNCH, 2000, p. 113) Compare sua descrição com a descrição do artista e em seguida volte a observar a pintura. Sua percepção da obra foi alterada após a leitura da carta de Van Gogh? Conhecer a intenção do artista, ao pintar o quadro, enriqueceu ou empobreceu sua interpretação da obra? E se você tivesse lido o texto antes de investigar a pintura com seu olhar-pensante? Sua interpretação da imagem teria sido influenciada? Em que sentido? Para refletir: A mediação provoca um olhar cognitivo, instiga o encontro sensível através dos sentidos, sensações e sentimentos despertados para a imaginação e a percepção, pois a linguagem da arte fala e é lida por sua própria língua. Talvez seja esse o espaço do silêncio externo, com falas internas nem sempre traduzíveis. (MARTINS, 2005, p. 50) MATERIAL DO PROFESSOR Caderno de Exercícios do Olhar 9

9 exercícios exercício 2 observe longamente esta imagem. vamos investigá-la? reflita sobre as questões abordadas nas perguntas abaixo e sinta-se à vontade para criar suas próprias perguntas. A que você relaciona esta imagem? Seria uma pintura, um desenho, uma fotografia, uma gravura? Considerando que esta imagem seja uma fotografia de um objeto, com que este objeto se parece? De que material você acha que ele é feito? Qual seria a cor e a temperatura do material? Para você, qual seria a função deste objeto? Onde o objeto está? 10 Projeto Acervos Museológicos

10 exercícios Foto anterior: lygia clark Bicho contrário ii, 1960 ref ; Fotógrafo Desconhecido Agradecimento Associação cultural o Mundo de lygia clark lygia clark Bicho contrário ii, 1960 ref ; Fotógrafo Desconhecido Agradecimento Associação cultural o Mundo de lygia clark Se este objeto fosse um objeto artístico, uma obra de arte, você imaginaria seu título? Que título você daria? Por quê? se, antes de observar a primeira imagem, você soubesse que se tratava de uma fotografia de uma obra de arte feita, na década de 1960, por uma artista mineira chamada lygia clark, à qual ela deu o título de Bicho, sua relação com a imagem teria sido diferente? em que sentido? Para refletir: Em que medida a informação prévia guia e direciona nosso olhar tolhendo a investigação? No contato com objetos históricos, obras de arte e acervos de outras naturezas, o que deve ser privilegiado em primeiro lugar: a informação ou a experiência do primeiro olhar? Nas ações culturais que você implementará com estudantes, como equilibrar o desejo pelo conteúdo, elaborado previamente, e a experiência direta, propiciada pela investigação/descoberta? MAteriAl Do ProFessor caderno De exercícios Do olhar 11

11 Exercícios Exercício 3 Observe esta imagem. Ignácio Costa Leve seu olhar-pensante para dentro desta imagem, deixe-o caminhando por alguns minutos. Escreva aqui o que você percebeu. 12 Projeto Acervos Museológicos

12 Exercícios Continuando o exercício de leitura desta imagem: Que cores você identifica? Em que horário do dia você acredita que esta fotografia foi feita? Que formas geométricas você identifica nesta imagem? Quais? Há pessoas representadas na fotografia? Onde estão todos? Que sensações esta imagem provoca em você? Que títulos você daria a esta fotografia? Que cidade é esta? E o nome deste viaduto? Faça duas listas. Uma com o que você já sabia sobre o lugar representado na foto. E outra com que você aprendeu, investigando com seu olhar-pensante. MATERIAL DO PROFESSOR Caderno de Exercícios do Olhar 13

13 Exercícios Você sabia que o Viaduto Santa Tereza foi tombado como Patrimônio Cultural na década de 1990 e que integra o Conjunto Arquitetônico da Praça da Estação? Projetado pelo engenheiro Emílio Baumgart e construído em 1929, o Viaduto Santa Tereza é, ainda hoje, uma das obras de engenharia urbana mais significativas de Minas Gerais. O arco parabólico - que convidou Carlos Drummond de Andrade a ousar uma primeira escalada de pura subversão poética - se transformou em espécie de rito de passagem para jovens escritores da capital. Desde 2007, nas noites de cada sexta-feira, ocorre sob o Viaduto Santa Tereza o Duelo de MC s. É um evento produzido pelo Família de Rua, um coletivo focado na promoção do Hip Hop, do Skate e das culturas urbanas, que por meio do diálogo e da articulação em rede, principalmente com outros coletivos da juventude, busca gerar cidadania, profissionalização e ocupação da cidade 2. Ateliê Agora que você investigou a imagem com o olhar, interrogando-a, e, também, dialogou com o que já sabia e aprendeu sobre ela, desafiamos a criar uma nova imagem que revele o que você experimentou. Use estas reproduções para produzir uma colagem. Se quiser, insira novos elementos, interfira com outros materiais. Você tem espaço aqui, mas sinta-se à vontade para trabalhar em outros suportes. Ouse! Crie! Invente! Subverta poeticamente. 2 Trecho do texto de apresentação de autoria do coletivo Família de Rua. Disponível em 14 Projeto Acervos Museológicos

14 Referências bibliográficas FUNCH, B. S. Tipos de apreciação artística e sua aplicação na educação de museu. In Fróis, João Pedro (Org.). Educação Estética e Artística, abordagens transdisciplinares. Textos da Conferência Internacional Educação Estética e Artística, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p MARTINS, Miriam Celeste et alii. Mediação: estudos iniciais de um conceito. In: Mediação: provocações estéticas. Universidade Estadual Paulista - Instituto de Artes: Pós-graduação. São Paulo, p MATERIAL DO PROFESSOR Caderno de Exercícios do Olhar 15

15 PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO 16 Projeto Acervos Museológicos

DeMocrAtizAção Do Acesso & ForMAção De Agentes culturais 3

DeMocrAtizAção Do Acesso & ForMAção De Agentes culturais 3 DeMocrAtizAção Do Acesso & ForMAção De Agentes culturais 3 Projeto Acervos Museológicos - Democratização do Acesso e Formação de Agentes Culturais Conselho Deliberativo Realização Instituto Minas Pela

Leia mais

MOVE CULTURA FUNDO MUNICIPAL DO IDOSO

MOVE CULTURA FUNDO MUNICIPAL DO IDOSO MOVE CULTURA FUNDO MUNICIPAL DO IDOSO O QUE É Os recursos do Fundo são destinados ao atendimento de políticas, programas e ações voltadas à proteção especial da pessoa idosa. Objetiva também facilitar

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa

Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Escritas Imagens: resultados das práticas de uma pesquisa Marcela Cristina Bettega 1 (Arte-educadora / SECJ- PR) (...) Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade.

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G onç alo I v o R io Sã o Fr anc isc o (V is t a de Ib ot ir a ma, BA), 1 99 3, s er ig r afi a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa T om i e O ht ak e Sem t í t ulo, 1992, s er ig r afi a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça :: EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS Feltros do Mundo. Arquitecturas de Cabeça Inserida no âmbito das actividades promovidas em S. João da Madeira a propósito

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO APRESENTAÇÃO O Projeto Quero Ler Prá Você consiste em percorrer praças públicas, asilos, creches, abrigos e outros espaços, a cada quinze dias, convidando às pessoas para ouvir um texto, um poema ou partes

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM

TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM TÍTULO: O ENSINO DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FONTE DE PRAZER E APRENDIZAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

1. Você já visitou alguma Bienal? sim não

1. Você já visitou alguma Bienal? sim não 1. Você já visitou alguma Bienal? sim não 31 16 não 34% sim 66% 2. Do que você mais gostou? Arthur Bispo do Rosário 24 De tudo 15 Ateliê 10 Eduardo Gil 4 Informações do Fabiano 2 Da arte como um todo 1

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Kátia Stocco Smole Mathema katia@mathema.com.br Patrícia Cândido Mathema patrícia@mathema.com.br Resumo: Este minicurso, proposto

Leia mais

Resumo: Só que sinto cada vez mais que pra ser aceito por você é preciso muito mais do que simplesmente ter boas intenções, Belo Horizonte.

Resumo: Só que sinto cada vez mais que pra ser aceito por você é preciso muito mais do que simplesmente ter boas intenções, Belo Horizonte. Dia 04 de Setembro 2014 (quinta-feira) Circuito Cultural: Venho por meio desta Exposição de Fotografia e Instalação de Isabela Soares, Izabella Dutra, Paulo Cantalice, Thainá Nogueira e Rafael Russano,

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA

ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) CULTURA ARTE: DA GALERIA À SALA DE AULA BASTIANI, Ana Claudia 1 ANDRADE JÚNIOR, Anselmo Rodrigues de 2 PAZ, Wilton 3 RESUMO Com o objetivo

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Antonio Henrique Amaral Ameaça, 1992, serigrafia Série: A Ameaça e as Árvores Foto: Fausto Fleury O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se

Leia mais

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens.

Exercícios de desenho utilizando diferentes estratégias de construção de imagens, como transportes, ampliações e colagens. Edital SEDAC nº 11/2013 Desenvolvimento da Economia da Cultura FAC - Sociedade Civil Programa de Oficinas do Atelier Subterrânea: do desenho à arquitetura Flávio Gonçalves Oficina: Desenho como Estratégia

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE Maria Cristina Pastore 1 EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula Palavras chaves: patrimônio, oficinas, arte. PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Eu posso dizer para "NÃO" filho? meu Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Dan iel S en ise Fog o- f át uo, 1 99 2, s er ig r af ia F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

CURSO DE FUNDAMENTOS DE APRENDIZAGEM EM EaD UMA EXPERIÊNCIA DA REDE SENAI DE EaD. Maio/2005 173-TC-C5

CURSO DE FUNDAMENTOS DE APRENDIZAGEM EM EaD UMA EXPERIÊNCIA DA REDE SENAI DE EaD. Maio/2005 173-TC-C5 CURSO DE FUNDAMENTOS DE APRENDIZAGEM EM EaD UMA EXPERIÊNCIA DA REDE SENAI DE EaD Maio/2005 173-TC-C5 Selma Kovalski SENAI Departamento Regional de Santa Catarina selmakf@sc.senai.br Magrit Dorotea Döding

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE

SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Escola de Tempo Integral Experiências Matemáticas 7º ANO (6ª série) SUPERAÇÃO JÁ! ETAPA DEterminaÇÃO CADERNO DO ESTUDANTE Este é um material em construção que contém os capítulos de apoio das atividades

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO SANTISTA GOVERNO FEDERAL

PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO SANTISTA GOVERNO FEDERAL PRÊMIO INCENTIVO À EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO SANTISTA GOVERNO FEDERAL NOME: Auria Oliveira Costa Santos ENDEREÇO: Avenida Coronel Teixeira, nº 5263, Bairro: Boa Esperança CEP-

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Silêncio criativo Em Catador de Palavras, o jovem leitor tem a oportunidade de escolher as palavras mais adequadas que o ajudarão a

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E

C U R R I C U L U M V I T A E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Luís Miguel Pereira Araújo da Rocha Rua do Teixeira, nº43, 1º 1200-390 Lisboa Telefone 96 252 74 53 Fax 21 342 97 82 Correio electrónico luisrocha.fotografia@gmail.com

Leia mais

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO

ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO ATENDIMENTO EM ARTE COM ENFOQUE COGNITIVO Resumo SANTANA, C. G. Secretaria Municipal de Educação de Curitiba claudia-gutierrez@hotmail.com Eixo Temático: Psicopedagogia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014

Atividades Pedagógicas. Dezembro 2014 Atividades Pedagógicas Dezembro 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objectivos gerais:... 4 2. Objectivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 5 4. Actividades Sócio-Educativas... 6 5.

Leia mais

SURPRESA DAS LETRAS: AS ITINERÂNCIAS DA BOLSA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

SURPRESA DAS LETRAS: AS ITINERÂNCIAS DA BOLSA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL SURPRESA DAS LETRAS: AS ITINERÂNCIAS DA BOLSA DE LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Eliandra Cardoso dos Santos Vendrame 1 - UEM Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula 2 - UEM Grupo de Trabalho Educação

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES

GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS PARA A INSERÇÃO NO MUNDO LEITOR: PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA CRIANÇAS DE 4 E 6 ANOS. Janaina Dantas dos Santos

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2013)

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2013) Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO (2013) I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA PROJETOS CULTURAIS CARGA HORÁRIA 72 h CURSO Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE 5 o semestre

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos

Referência FAMILIAR. Situada no Estoril, esta moradia, projeto. sob medida projetos sob medida projetos Referência FAMILIAR A decoração desta moradia, no Estoril, ficou a cargo das arquitetas de interiores Maria Ana Franco e Teresa Matos Correia, da Fusion. TEXTO: patrícia ROCHA PRODUÇÃO:

Leia mais

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS Nelyse Ap. Melro Salzedas serranoepg@ig.com.br 1 Resumo: Ver e representar a imagem das estrelas: uma questão texto e imagem entre a pintura, a poesia e a música:

Leia mais

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA Criança faz arte? MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA PROJETO ART EIRA ISTA EXPOSIÇÃO I - T - I - N - E - R - A - N - T - E 1 EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL Gratuito! Elias Rodrigues

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo)

Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo) Anexo Técnico I Programa de Trabalho/Prestação de Serviços (tipo e descrição dos serviços memorial descritivo) OBJETIVO GERAL O objetivo geral da Associação dos Amigos da Pinacoteca do Estado é a implementação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. * Título de um livro de Madalena Freire

EDUCAÇÃO INFANTIL. * Título de um livro de Madalena Freire EDUCAÇÃO INFANTIL * Título de um livro de Madalena Freire DE QUE EDUCAÇÃO FALAMOS? Educação bancária x Educação progressista, construtivista O ato de educar éum constante processo de libertaçãoda humanidade.

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Sumário 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Identidade Institucional... 4 2.1 Missão... 4 2.2 Visão... 4 2.3 Valores... 4 2.4 Áreas de atuação... 4 3. Equipe... 5 3.1 Conselho

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Jane Lino Barbosa de Sousa janeufpa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O DESENHO DESTE LADO

O DESENHO DESTE LADO exposiç ão O DESENHO DESTE LADO Março/2010 A mostra O DESENHO DESTE LADO apresenta as propostas gráficas de cinco artistas que tem em comum uma abordagem poética mediada pela figuração. O desenho, evocado

Leia mais

No Reino do Cordel. E.E. Prof. Dr. Ariovaldo da Fonseca apresenta

No Reino do Cordel. E.E. Prof. Dr. Ariovaldo da Fonseca apresenta SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE ENSINO DO INTERIOR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE TAQUARITINGA E.E. PROF DR ARIOVALDO DA FONSECA IBITINGA/SP Rua Oswalter Colturato, nº 433 Paulo de Biazi

Leia mais

Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Abramundo RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 PÁG. 3 PÁG. 4 PÁG. 5 PÁG. 14 PÁG. 29 CARTA DO PRESIDENTE 3 Prezados clientes, parceiros e colaboradores,

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Palavras-chave: Artes Visuais. Educação Infantil. Professor Mediador.

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. Palavras-chave: Artes Visuais. Educação Infantil. Professor Mediador. ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Adriana Maria dos Santos * Maria Helena Dias Fratari ** De que vale olhar sem ver? (Goethe) Resumo O objetivo deste artigo é mostrar a importância que a arte tem na

Leia mais