Artaud, momo ou monstro?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artaud, momo ou monstro?"

Transcrição

1 LUGAR COMUM Nº25-26, pp Artaud, momo ou monstro? Ana Kiffer Do Momo ao Monstro Queria apresentar a hipótese que tomará Antonin Artaud como semblante, na história contemporânea da humanidade eurocêntrica, de uma monstruosidade que se estabelece no conflito e combate com a sociedade e com a vida. Na linhagem do que ele mesmo esboçou a respeito de Van Gogh, o suicidado da sociedade (ARTAUD, 1996). Reparem bem: suicidado não é suicida, mas também não é assassinado. A monstruosidade de Van Gogh Artaud se distanciará, portanto, de uma historiografia dos monstros na cultura ocidental, onde esses aparecem sempre atrelados a um mal de nascença, a uma deformação física congênita, a um corpo monstruoso, e por isso mesmo desalmado, que vem indiciar o prenúncio e o presságio de algum mal maior. No caso de Artaud Van Gogh, a monstruosidade não se fará enquanto deformidade congênita, senão que se realizará na vida do próprio infortúnio. Infortúnio esse que se apresentará numa conjunção entre aquilo que Artaud tomou para si enquanto tarefa de prenunciar o mal, e o mal que se abateu sobre a sociedade européia na primeira metade do século XX. É claro que falar dessa conjunção significa re-visitar a temática das relações entre a arte e a vida, tão cara aos artistas vanguardistas, mas que permanecerá, em todo século XX, como a pedra no meio do caminho, sendo retomada pelos neo-realistas ou pelo realismo socialista em literatura e, mesmo depois da Segunda Guerra, por toda a edificação de uma arte engajada, como postulou o filósofo Jean Paul Sartre no ensaio Que é Literatura?. Nos anos noventa, Gilles Deleuze recolocará a questão sob outras bases, no ensaio intitulado Literatura e Vida (DELEUZE, 1993). Essa amostragem só evidencia como ainda é fértil recolocar essa mesma questão, de modo a resistir às evidências de um mercado que quer o tempo todo nos convencer de modelos biográficos, autobiográficos ou auto-ficcionais muito bem arrumados e estabelecidos. É nesse sentido que proporei pensar a construção de uma monstruosidade em Artaud, a partir do que chamarei aqui de monstro-grafia, num desejo expresso de que essa noção tensione a bio-grafia desse artista. Entendam, não se trata de uma fobia formalista ou estruturalista que condena a biografia, trata-se de se

2 238 ARTAUD, MOMO OU MONSTRO? apropriar dela, problematizando-a. Afinal de contas, quem saberia hoje dizer o que define a vida, e mais além, uma história da vida? Em 1924, Artaud envia seus poemas na tentativa de se fazer publicar na Nouvelle Revue Française, a mais importante revista de literatura e arte da vanguarda francesa. O editor da Revista, Jacques Rivière, recusa em carta ao poeta a sua publicação, explicando-lhe que seus poemas não eram suficientemente firmes e bem acabados. Artaud responde à carta e nela escreve: (...) meu espírito me abandona em todos os graus (...) há alguma coisa que destrói meu pensamento, alguma coisa que mesmo não me impedindo de ser isso que eu poderia ser, me deixa, se posso dizer, em suspenso. (...) Gostaria que compreendesse bem: já que não se trata desse mais ou menos de existência que extravasa através do que a convenção chama inspiração, mas sim de uma ausência total, de um verdadeiro desperdício (ARTAUD 1976, I*, p ) 104 [grifo nosso]. Rivière descobre, na leitura dessas cartas, uma originalidade ligada a uma veracidade que o faz decidir publicá-las. A obra de Artaud nasce desse paradoxo: sou publicado, autorizado à escrita, quando escrevo a impossibilidade de escrever. Essa impossibilidade será apresentada já aqui como um mal nevrálgico que, mesmo não o impedindo de ser, o deixa em suspenso. Esse mal, foi lido na época, e muito tempo depois, como sendo a doença de Artaud. Seria sífilis hereditária, perguntaram-se médicos e críticos literários. Ou em 1937, atendido pelo jovem psiquiatra Jacques Lacan, Artaud receberá o diagnóstico de psicose paranóica e o prognóstico de que a psicose paralisará a sua capacidade criativa. Também se sabe que suas fortes dores de cabeça levaram-no ao tratamento médico com láudano. Mais tarde, o remédio, a droga e o veneno se misturaram, como sabemos desde o pharmakon relido por Derrida (DERRIDA, 1991), fazendo, por exemplo com que sua Correspondência amorosa com Gênica Athanasiou, publicada como Lettres à Génica Athanasiou (ARTAUD, 1969) seja um interessantíssimo deslocamento do lugar literário das cartas de amor e do lugar cultural do próprio amor, já que ali o amor se confunde com a mesma seqüência da droga, do remédio, do veneno, do dinheiro, etc. Tensão necessária para que nos 104 Je voudrais que vous compreniez bien qu il ne s agit pas de ce plus ou moins d existence qui ressorti à ce que l on est convenu d appeler l inspiration, mais d une absence totale, d une véritable déperdition. (...) Il y a donc un quelque chose qui détruit ma pensée; un quelque chose qui ne m empêche pas d être ce que je pourrais être, mais qui me laisse, si je puis dire, en suspens.

3 Ana Kiffer 239 apropriemos desses lugares míticos da vida de Artaud. Mas, lá em 1924, o mal que determinou a trajetória dessa obra em nascimento foi postulado pela própria obra. Ou seja, de modo insuspeito, a Correspondência com Jacques Rivière viria a traçar os rumos posteriores da escrita desse autor sob o signo do que sugeri aqui pensar como monstro-grafia. Em 1937, de volta a Paris depois de sua viagem ao México e à Serra dos Taraumaras, Artaud escreve livro enigmático que retoma sob outro plano as questões que o fizeram debutar na escrita da Correspondência. São As Novas Revelações do Ser, livro cujo autor assina O Revelado. Em início de junho 1937, durante o processo para publicação desse livro, em carta à Jean Paulhan 105, Artaud escrevia: Cher ami,/ Il ne faut même pas des initiales. Rappelez-vous. La correspondance avec Rivière avait paru avec trois étoiles et de tout ce que j ai écrit c est peutêtre tout ce qui restera. Après 13 ans écoulés on dirait que j en reviens au même point mais le tour que j ai fait était en spirale: il m a mené plus haut (ARTAUD, 1982, VII, p. 180). A espiral de Artaud é o gesto, por excelência, dessa escrita monstruosa. Um segundo indício de uma monstro-grafia, ou de uma grafia monstruosa em Artaud é a formulação do teatro da crueldade. O que significava essa proposta no seio de sua obra e naquele momento histórico preciso, início dos anos trinta? O Teatro da Crueldade se formulou para Artaud a partir, sobretudo, de seu encontro com o teatro balinês. E, sobre este último, ele disse: O primeiro Teatro Balinês se sustenta na dança, no canto, na pantomima, na música, é excessivamente pouco teatral, no sentido psicológico do teatro, tal qual o entendemos aqui na Europa remetendo o teatro, por conseguinte, ao seu plano de criação autônoma e pura, sob o ângulo da alucinação e do medo (ARTAUD, 1994, IV). Ora, o teatro da crueldade não se confundia com massacre, horror e sangue, mas sim com esse mundo espectral, infantil, povoado de monstros. Ele permite, desse modo, ser pensado muito mais pela linhagem medieval e oriental dos monstros, que, como lembrou José Gil, foi elaborada numa relação de contraste e oposição (GIL, 2006, p. 52), mais do que pelo mundo psicológico do indivíduo, seus medos e fobias. Ao contrário, toda idéia do duplo, no teatro de Artaud, pressupõe a necessidade de que o ator saia de si mesmo, para advir seu próprio duplo ou, como ele disse: o artista não é artista senão sob a condição de ser duplo e de não ignorar nenhum dos fenômenos de sua natureza dupla. Esse, aliás, era o vértice preponderante de 105 Jean Paulhan, que era em 1924 o secretário de Jacques Rivière, seria agora o diretor da Nouvelle Revue Française.

4 240 ARTAUD, MOMO OU MONSTRO? seu combate nos anos trinta em Paris, contra um teatro psicológico, reino de uma comédia de costumes, feito para alimentar a gorda saúde dominante, como bem sabemos ainda hoje! A passagem do Teatro Alfred Jarry para o Teatro da Crueldade em Artaud, já é ícone de um adensamento dessa grafia monstruosa. Passagem ou tensão criativa entre as figurações do momo e do monstro que acompanharam toda sua trajetória. Isso porque, no Teatro Alfred Jarry, via-se já a ênfase recair sobre a noção de um humor destruidor, que, como lembrou o crítico Carlo Pasi, se fazia como provocação e revolta. Cito Pasi: A vontade de escandalizar e sacudir as certezas defensivas do público através de uma visão cáustica e inquietante do ser encontra em Artaud um eco explosivo, e isso desde os primeiros manifestos do Teatro Alfred Jarry (PASI, 2002, p. 181). Artaud considerava o humor uma espécie de força de decomposição das faculdades racionais (ibidem, p. 185). Ora, esse humor destruidor de Jarry é que prepara o terreno para o teatro cruel. Essa passagem significando apenas a radicalização de um projeto de obra e vida. Um direcionamento cada vez mais drástico para essa zona difícil, ou esse limbo, como diria o próprio Artaud. Quando o poeta retoma a cena artística, em 1945, 1946, após sair de nove anos interno em asilos psiquiátricos franceses durante a Segunda Guerra Mundial, ele decide encenar um monólogo no Teatro do Vieux Colombier em Paris, intitulado Tête à Tête avec Artaud le Momo, vale a pena transcrever aqui o depoimento de Paule Thévenin, amiga e futura editora de Artaud: Sabe-se quão fora do comum foi essa sessão e quantos desses que a assistiram foram por ela marcados. Eles se viram diante de um homem que se expôs totalmente e muitos acharam isso insuportável. Antonin Artaud veio ao teatro com três cadernos que continham um texto cuidadosamente preparado, assim como cópias datilografadas de poemas que ele desejaria declamar. Teria sido o confronto com o público muito forte? Ele, que diante dos amigos era um extraordinário leitor estava ali imerso na mais extrema dificuldade, sem conseguir ler seus poemas, as folhas se lhe escapavam, se misturavam, caiam sobre a mesa. Tinha-se a impressão de que ele se sentia impedido de dizer o que queria (AR- TAUD, 1994, XXVI, p. 198). Em carta posterior a André Breton, Artaud afirmará: chegando diante do público me pareceu que não haveria lugar para aquilo, que seria inoperante dizer certas coisas diante de um público que não as queria ouvir, nem morder aquilo até o fim (ARTAUD, 1994, XXVI, p. 198).

5 Ana Kiffer 241 Nessa conferência, espetáculo sem cena ou cena sem espetáculo, vemos efetivamente se romper a possibilidade de enunciação: sequer o momo enquanto figura satírica ou carnavalizada da loucura e do excesso poderia dizer o que havia a ser dito. Esse rompimento se deve ao dilaceramento das fronteiras que separavam o teatro da vida. Em 1937, pouco antes de ser preso e deportado da Irlanda para uma França já implicada no nazi-fascismo, Artaud escreveu nas Novas Revelações do Ser, inspirado pelos estudos que empreendeu da cabala, do tarô e de outras doutrinas místicas, o anúncio de uma catástrofe, através da imagem de uma grande bola de fogo. Ali, ainda havia, para Artaud, a possibilidade de sair de si, e em percorrendo outros duplos, investir num teatro curativo. Um teatro, decerto ritualístico, que sacudisse as bases adoecidas da sociedade. Em 1947, no Vieux Colombier, o Momo já não anunciaria a catástrofe, nem encarnaria o excesso e a desmedida. Ele agora era o fruto mesmo dessa catástrofe, filho e testemunha ao mesmo tempo. Monstro do que outrora foi Momo. Carlo Pasi observa: Encontramo-nos aqui diante de sua última virada Artaud o Momo, imagem simbólica da opressão e da revolta. Nesse tête a tête a atmosfera é aquela de que se sabe que viveu e que se traz na carne a certeza de que a subversão carnavalesca dos valores aconteceu de fato, mas não no sentido liberador, senão que no maior massacre e fascismo que a humanidade já viveu. Quem, como Artaud, profetizou o mal sugerindo ao mesmo tempo o seu remédio foi rejeitado (PASI, 2002, p. 193). Artaud, o momo, é aí a encarnação do trágico e do patético, sua grafia se libera da ortografia em direção a uma monstro-grafia, ele é a própria aberração. Seus poemas não se escrevem mais sem que neles compareça essa letra que abandona a palavra, a sintaxe, o sentido para se unir física, sonora e brutalmente aos corpos dos leitores, as glossolalias de Artaud são mais uma ênfase dessa grafia monstruosa. Vale lembrar José Gil quando diz que: A inventividade, o extraordinário movimento das figuras fantásticas opõem-se à imobilidade rígida das letras que compõem a orto-grafia (GIL, 2006, p. 58). E desse modo, o Momo começa a ceder espaço para a múmia, figura inquietante da morte que aparecerá como base para construção de seu primeiro auto-retrato em Rodez em Momo, múmia ou monstro, o que importa aqui sublinhar é a força e a evidência com que Artaud, em primeiro lugar, sofreu o fascismo da forma; segundo, colocou em cena o combate entre esse mesmo fascismo

6 242 ARTAUD, MOMO OU MONSTRO? da forma e as potências invisíveis do informe; e, terceiro, alertou para os limites mesmo da carnavalização como saída para os conflitos em sociedade. Fascismo da forma X potência do informe É mais uma vez José Gil quem nos lembra a tese Aristotélica que define o monstro enquanto excesso de matéria não moldada, aquele que não foi exposto à ação da forma (GIL, 2006, p. 76). David Lapoujade, em artigo sobre Samuel Beckett, também alertará para a predominância, na cultura ocidental, do modelo platônico-aristotélico onde somente através da ação se poderá inferir qualquer potência. Cultura da produtividade e da virilidade, onde a potência da inação é por completo rejeitada. Não por acaso personagens como Molloy, Malone (BE- CKETT) e Bartleby (MELVILLE) encontram seu destino trágico. Mais recentemente, Evelyne Grossman (GROSSMAN, 2003) vem alertando para o pacto fascista da gestaltung, imagem gregária do pertencimento, produção de semelhanças. O que entrevemos nessa trajetória de Artaud nos alerta para a necessidade presente de ainda questionarmos a fundo noções como forma e identidade, mas também os seus contrários. Isso porque observamos de modo muito evidente a presença contrastante de dois grandes discursos que invadem a cena cultural contemporânea. Um deles é aquele que vai em direção à edificação das identidades minoritárias. Discursos ditos da periferia são os que surgem mais recentemente. No entanto, não se pode deixar de sublinhar como essas mesmas noções serviram à construção e manutenção dos grandes modelos hegemônicos de comportamento e cultura, tendo sido sempre financiados por uma elite econômica e intelectual. Outro discurso é aquele onde estamos sempre mais confortáveis, e que vai em direção à crítica da própria edificação identitária e à necessidade de valorização de conceitos antigos como hibridismo e mestiçagem. Parece-me que, para o avanço dessa discussão, seria necessário repensarmos hoje, ao menos no âmbito da literatura, quais as relações entre a arte e a vida e como essas noções se agenciam nos textos e na cultura. Indo um pouco mais longe, isso significaria pensar na função fraterna da literatura hoje, tomando esse conceito de Deleuze em seu ensaio sobre Bartleby (DELEUZE, 1993). Dito de outro modo: como nos colocarmos juntos, de modo a produzir minorias menos identitárias que transtornem a lógica do eu, do próprio e da propriedade? Termino com um trecho da fala de Édouard Glissant, no último mês de maio em Paris, numa comemoração difratária da Memória dos escravos e de sua abolição nas Américas e Oceano Índico, que serviria de inspiração inicial ao de-

7 Ana Kiffer 243 sejo de criação de um comum nômade que busque percorrer a lógica binária do eu e do outro, numa direção cada vez mais radical que possa, porventura, deslocá-los de seus lugares de origem: Quanto à memória dos povos, que se dissipam elas também, nós sabemos hoje que a principal maneira de preservá-las é colocando-as juntas. Enquanto escutarmos sozinhos, em nosso meio, as misérias do mundo ou as suas glórias, ou enquanto gritarmos sozinhos as nossas misérias e glórias, nós encurtaremos nossa memória e nós desconheceremos essas dos outros 106. Referências ARTAUD, Antonin. Oeuvres Complètes, Tome I*. Paris, Gallimard, Oeuvres Complètes, Tome VII. Paris, Gallimard, Oeuvres Complètes, Tome IV. Paris, Gallimard, Oeuvres Complètes, TomeXIII. Paris, Gallimard, Oeuvres Complètes, Tome XXVI. Paris, Gallimard, Lettres à Génica Athanasiou. Paris, Gallimard, NRF, DELEUZE, Gilles. Critique et Clinique. Paris, Les Éditions du Minuit, DERRIDA, Jacques. A Farmácia de Platão. São Paulo, Iluminuras, GIL, José. Monstros. Lisboa, Relógio D Água, GROSSMAN, Évelyne. La Défi guration, Artaud, Michaux, Beckett. Paris, Les Éditions de Minuit, PASI, Carlo. Humour Destruction In: Europe, 2002 Antonin Artaud. Paris, 2002, Ana Kiffer é Professora do Departamento de Letras da PUC-Rio, atual coordenadora da Pós-Graduação, autora do livro Antonin Artaud, uma poética do pensamento pela Editora Arquivo Teatral Francisco Pillado Mayor, A Coruña, Espanha, Texto inédito, registro escrito da fala pronunciada por Glissant em Paris em maio de Tradução minha.

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

REVISTA PERIFERIA VOLUME III, Número 1. Meu corpo a vossa fome

REVISTA PERIFERIA VOLUME III, Número 1. Meu corpo a vossa fome REVISTA PERIFERIA VOLUME III, Número 1 Meu corpo a vossa fome Ana Kiffer 1 RESUMO: O artigo procura formular o que seria um pensamento da fome nas obras de Glauber Rocha e de Antonin Artaud constituindo,

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A experiência de criação de uma máscara-educação

A experiência de criação de uma máscara-educação 1 A experiência de criação de uma máscara-educação Eduardo Silveira 1 Resumo: O presente texto é parte de uma intervenção artística realizada em setembro de 2011 no IFSC (Campus Florianópolis) por um grupo

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Circo-Teatro: É Teatro No Circo

Circo-Teatro: É Teatro No Circo Circo-Teatro: É Teatro No Circo Ermínia Silva Centro de Memória da Unicamp Doutor Pesquisadora Colaboradora do Centro de Memória da Unicamp Resumo: Parte dos estudos sobre circo no Brasil, realizados no

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

J 7. Eu Sou um Espírito. No Solar das Artes...25

J 7. Eu Sou um Espírito. No Solar das Artes...25 J 7 Eu Sou um Espírito Eu sou um Espírito! Como nos esquecemos disso quando imersos de corpo e alma na poeira da vida terrena... E como Espírito que sobrevive à morte do corpo, estou consciente do tempo

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Cubismo 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Guernica Cidade... Loucura... Ou...Arte? Pablo Picasso Nome: Pablo Picasso Nascimento : Andaluzia 1881 Filho de: José Ruiz Blasco E de: Maria Picasso

Leia mais

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista.

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. 1 Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. Título: Psicodrama no Centro Cultural São Paulo. Contribuições para reflexão. Resumo:

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

Prova Escrita de Francês

Prova Escrita de Francês Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Francês 11.º Ano de Escolaridade Continuação bienal Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho Prova 17/1.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

Shusterman insere cultura pop na academia

Shusterman insere cultura pop na academia São Paulo, quinta, 21 de maio de 1998 Shusterman insere cultura pop na academia PATRICIA DECIA da Reportagem Local O filósofo americano leva a cultura pop à academia. Em "Vivendo a Arte - O Pensamento

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos

Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos Mais que um Negócio, a Profissão dos seus Sonhos Erros e Dicas para Vender seus Serviços MElina Kunifas 2010 WWW. M E L I N A K U N I F A S. C O M Caro leitor, este livreto tem o propósito de educar e

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Como fazer seu blog se destacar dos outros

Como fazer seu blog se destacar dos outros Como fazer seu blog se destacar dos outros Fama. Tráfego. Reconhecimento. Muito dinheiro no bolso. Esses itens certamente estão presentes na lista de desejos de quase todos os blogueiros. Afinal, ninguém

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: domínio e/ou desenvolvimento? Cipriano Carlos Luckesi 1 A partir do texto que publiquei na revista ABC EDUCTIO, nº 54, de março do corrente ano, tratando das armadilhas que são

Leia mais

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 4º DIA FILOSOFIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Filosofia Questão 01... a filosofia não é a revelação feita ao ignorante por quem sabe tudo, mas o diálogo entre iguais que se fazem cúmplices

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN: O MAIOR LIMITE É O. Senhor Presidente,

SÍNDROME DE DOWN: O MAIOR LIMITE É O. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 22/03/2011. SÍNDROME DE DOWN: O MAIOR LIMITE É O PRECONCEITO Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Assistimos ontem

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE

CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE CLAYTON LEVY SAÚDE E ESPIRITUALIDADE Pelo Espírito Augusto CAMPINAS SP 2008 SUMÁRIO A dança dos dogmas... XI Capítulo I Agente causal... 15 Capítulo II Laboratório ignorado... 23 Capítulo III Estrutura

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais