CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ DAVID TADEU RIZZATE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ DAVID TADEU RIZZATE"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ DAVID TADEU RIZZATE VINCENT VAN GOGH E SERVIÇOS VAN GOGH DOS BANCOS REAL SANTANDER: A ARTE A SERVIÇO DOS BANCOS SANTO ANDRÉ 2012

2 1 DAVID TADEU RIZZATE VINCENT VAN GOGH E SERVIÇOS VAN GOGH DOS BANCOS REAL SANTANDER: A ARTE A SERVIÇO DOS BANCOS Relatório final apresentado ao Programa de Incentivo à Iniciação Científica 2010 do Centro Universitário Fundação Santo André. Orientador: Prof. Carlos César Almendra SANTO ANDRÉ 2012

3 2 Procure entender a fundo o que dizem os grandes artistas, os verdadeiros artistas, em suas obras-primas, e encontrará Deus nelas. Vincent van Gogh (carta a Théo)

4 3 SUMÁRIO 1 Introdução 04 2 Atividades desenvolvidas 05 3 Método e material utilizados 05 4 Resultados obtidos Arte e publicidade: esteticismo As obras de van Gogh utilizadas pela publicidade As obras de van Gogh omitidas pela publicidade 21 5 Considerações finais 27 6 Referências 28 Apêndice A - Localização das réplicas nas agências bancárias 31

5 4 1 INTRODUÇÃO Na etapa final de nossa pesquisa, pretendemos desenvolver os argumentos apresentados na primeira etapa alicerçados, no entanto, não apenas em conjecturas e hipóteses biográficas sustentadas por historiadores da arte e por declarações do próprio pintor, mas sim por suas próprias obras, ou melhor, pelas obras selecionadas pelo banco para adornarem suas agências e, em linhas gerais, por estilos e temas que foram omitidos. Não queremos com isso relegar a primeira etapa a um mero caráter experimental isento de qualquer validade acadêmica, mas devemos admitir que estas elucubrações passam a adquirir concretude se exemplificadas com o que de melhor um artista pode nos deixar. No caso de van Gogh, por mais que suas cartas sejam objeto de estudo, sabemos que seu legado encontra-se indubitavelmente em suas telas. Afirmamos, sem presunção, que o êxito deste segundo relatório apresentou-se de forma latente ao verificarmos que, de fato, os bancos Real e Santander tiveram todo o cuidado ao selecionar as obras de van Gogh, pois são justamente elas que demonstram o perfil do cliente que desejam angariar; elas representam os aspectos de van Gogh que lhe são convenientes. Destarte, podemos afirmar já ser possível responder a uma das indagações que nos motivaram a realizar esta pesquisa: é possível aos bancos utilizarem a marca van Gogh em sua totalidade haja vista que esta totalidade nada tem de homogêneo e contínuo ou apenas alguns aspectos que coincidam com a sua ideologia? Nesta segunda etapa por respaldo e suporte teórico oferecido pela primeira evitaremos argumentos demasiadamente extensos e prolixos. Muitas de nossas proposições encontraram esteio em obras, sejam elas omitidas ou utilizadas pelos bancos, reduzindo em grande parte o nível de abstração proporcionado em nossa primeira etapa. Como afirmamos em nosso projeto, e esta afirmação, de fato, se concretizou ambas as etapas são complementares. Em síntese, demonstraremos na prática durante esta segunda etapa, o que propusemos teoricamente na primeira.

6 5 2 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Dedicamo-nos, conforme nosso cronograma, a finalizar a segunda etapa de nossa pesquisa, realizando a releitura da bibliografia básica e complementar, visando à apreensão de aspectos inerentes à obra de van Gogh, pautados pelas réplicas de obras que constatamos nas agências bancárias, não descurando das obras que foram omitidas, comparando os resultados com os obtidos na primeira etapa, explicitando que, de fato, a vida e obra de Vincent são coesas: quanto mais afastado da sociedade, numa atitude individualista, mais propícia a sua obra se encontra para usufruto publicitário. 3 MÉTODO E MATERIAL UTILIZADOS Os materiais utilizados foram os descritos em bibliografia: livros, documentários e manuais de história da arte, livros sobre publicidade e marketing, biografias, cartas autobiográficas do pintor, artigos sobre o pintor e sua obra bem como sobre os serviços bancários publicados em meio eletrônico. O método consiste em analisar as obras de arte dentro do contexto histórico-social em que foram concebidas juntamente com os pressupostos ideológicos de Vincent que variam conforme o tempo e o local. Para certas obras o tema concentrará o fulcro de nosso enfoque (lembrando que o tema não é necessariamente o objeto retratado, mas o que pode significar); para outras, o estilo pictórico prevalecerá. Esta distinção é de suma importância para compreendemos o processo de depuração publicitária. 4 RESULTADOS OBTIDOS Se em nosso primeiro relatório trouxemos elementos que reforçaram a relevância de nossa pesquisa ao mostrarmos que a nomenclatura van Gogh foi mantida após a fusão dos Bancos Real e Santander prevalecendo a marca Santander mesmo sendo elaborada pelo extinto Banco Real e pelo fato de van Gogh ter sido eleito o pintor predileto das classes superiores, neste segundo relatório traremos elementos que corroborem com nossas conclusões parciais emitidas no primeiro relatório. Afirmamos que o individualismo

7 6 característico do pintor em seu período francês foi fundamental para sua escolha como garoto propaganda dos bancos, pois este individualismo coincide com uma das principais características do serviço bancário. Ratificamos nossa afirmação com o seguinte argumento: [Segundo] o sociólogo Geert Hofstede, da Universidade de Maastricht (Holanda), [...] o grau de individualismo que uma sociedade encoraja é um valor essencial a ser considerado no projeto de uma estratégia estética. Uma sociedade individualista [...] enfatiza a criatividade das pessoas; [...] expressões criativas ou incomuns que quebram normas design iconoclasta deveriam ser mais valorizadas em uma sociedade individualista do que em uma coletivista. (SCHMITT e SIMONSON, 2002, p. 271). À época do banco Real, a escolha de van Gogh foi justificada exatamente pelo fato deste pintor apresentar as características elencadas acima típicas de uma sociedade individualista: Não foi por acaso que o BANCO REAL escolheu van Gogh para dar nome aos serviços que oferece aos seus clientes. Assim como esse grande artista holandês reinventou a pintura sob nova perspectiva, nossa visão de relacionamento com o cliente também evoluiu 1. E ainda: Na galeria dos maiores artistas de todos os tempos, o holandês Vincent Williem van Gogh ( ) é reconhecido mundialmente pela originalidade de suas criações e como fonte de inspiração para os que buscam uma perspectiva inovadora 2. O próprio pintor assume que, muitas vezes, suas telas se apresentam totalmente diferentes se comparadas às de seus contemporâneos, por mais que esta atitude iconoclasta não seja proposital: Alguns de meus quadros, quando os comparo com os de outros pintores, parecem mesmo ter sido pintados por um doente, e eu lhe asseguro que não faço isso de propósito. Mas, se meus cálculos terminam em tons bruscamente rompidos, não é porque eu queira. (FORRESTER, 1983, p. 290). Com esta declaração de Vincent, também confirmamos mais uma proposição exposta no primeiro relatório: van Gogh, por mais individualista que fosse, não podia ser considerado um pintor tipicamente burguês, pois o seu individualismo seu diferencial artístico não foi motivado pelo ideal burguês de distinção, proeminência e superioridade. Este diferencial surpreendeu o próprio pintor, que não o previa. Mas para a publicidade, basta apenas um único aspecto coincidir para um tema servir de leitmotiv. Tratemos agora dos resultados obtidos conforme proposto em cronograma. 1 Texto contido no antigo site do Banco Real, não mais disponível. Acesso em: 22 mar Grifos do autor. 2 Idem.

8 7 4.1 Arte e publicidade: esteticismo Conforme aquilatamos em nosso primeiro relatório, a marca van Gogh utilizada pelos bancos Real e Santander tem por função angariar clientes de alta renda para seus serviços exclusivos, pois esta gama de clientes é que permite aos bancos uma maior longevidade no mercado. Apuramos que apenas alguns aspectos de van Gogh são concernentes a este intuito, portanto, a publicidade teve por papel selecionar estes aspectos em detrimento daqueles que contradizem a ideologia dos bancos. As obras selecionadas para a ambientação das agências transmitem [...] uma certa felicidade, uma certa harmonia [...], a dimensão do belo, do bom, do gostoso, do interessante, do agradável, do feliz, do sorridente, do brincalhão, do cheio de vida, de natureza 3. (MARCONDES FILHO, 1990, p. 79) A utilização da Arte ou das manifestações artísticas em geral pode ser considerada como produto de um processo evolutivo do marketing e da publicidade. Há tempos a arte é considerada sinônimo de distinção social. O professor Carlos Cavalcanti exemplifica esta nossa afirmação ao descrever o perfil de algumas pessoas que estavam presentes em um curso público de pintura moderna: Ainda outras [pessoas], ao que as aparências indicavam, fingiam gostar, porque lhes parecia chique ou sinal de personalidade entender de pintura moderna. Falavam, porém, sobretudo dos altos preços alcançados por obras de artistas nacionais e estrangeiros: Pancetti, van Gogh, Picasso, ou de quanto Portinari, ainda vivo na época, estava pedindo por um retrato. (CAVALVANTI, 1966, p. 10. Grifo nosso). Segundo SCHMITT e SIMONSON (op. cit.) o marketing, que em seus preâmbulos preocupava-se em salientar os atributos físicos dos produtos e em um segundo instante passou a se preocupar com a marca destes mesmos produtos, atualmente elabora formas de os clientes terem experiências sensoriais agradáveis, promovendo satisfação e fidelidade. 3 Conforme Gilberto Strunck, sócio-diretor da DIA Comunicação (agência responsável pelo projeto de branding, identidade visual e ambientação para o segmento de alta renda do Banco Santander): Ao criarmos o projeto de ambientação, buscamos priorizar um ambiente convidativo, confortável, leve, clean e contemporâneo. [...] que transmitisse a sensação de uma sala de estar. (SANTANDER Van Gogh com novo projeto de marca e ambientação. 22 fev Disponível em: <http://falandodevarejo.blogspot.com/2010/02/santander-van-gogh-com-novo-projeto-de.html> Acesso em: 12 jun. 2011).

9 8 Daí a importância da estética. Não só atividades estritamente ligadas com a estética como a moda e o entretenimento que podem usufruir desta em seus planejamentos de marketing. Produtos ou serviços que não são diferenciados por seus atributos típicos podem adquirir proeminência no mercado caso ofereçam experiências estéticas. Os serviços de alta renda dos bancos Real e Santander não são exclusivos no mercado. Conforme mostramos em nosso projeto, outros grandes bancos também o oferecem. No entanto, a utilização da marca van Gogh, oferecendo aos clientes uma experiência estética mediante a ambientação das agências com réplicas de suas obras, contidas também em folders informativos, é a aposta dos bancos Real e Santander para superar a concorrência através da estética 4. Conforme SCHMITT e SIMONSON (op. cit.), o valor estético é proporcionado quando os objetos que proporcionam a experiência sensorial funcionam como símbolos que lembram outras coisas agradáveis. Isso explica o fato de os bancos terem omitido as obras do período holandês ( ) e também alguns temas pintados durante seu período francês ( ). Foi necessário aos bancos uma acurada circunspecção no que diz respeito aos temas das obras selecionadas, por mais que o tema seja irrelevante para a estética formal, pois Os temas representam o posicionamento central de uma empresa ou de suas marcas. [...] Eles comunicam os valores de uma organização, a personalidade de suas marcas e outras mensagens que ela deseje pôr em circulação. (Ibidem, p. 62) Embora os clientes não tenham acesso direto à cultura, missões, estratégias, valores, ao eu privado de uma organização ou marca, eles efetivamente vêem a face pública da organização ou marca suas expressões. [...] projetada [s] através de elementos múltiplos de identidade com diversos estilos e temas estéticos. (Ibidem, p. 66). [...] a mensagem visual [...] de uma organização deve ser gerenciada de modo que as expressões planejadas produzam as impressões desejadas nos clientes. (Ibidem, p. 75) As obras do período holandês possuíam uma forte crítica social. Van Gogh queria trazer ao conhecimento da burguesia, tidos como civilizados (que coincide justamente com o público alvo dos serviços de alta renda), aqueles que eram humilhados e explorados. A arte holandesa de van Gogh não pode funcionar como símbolo remetente a aspectos 4 Se dentre os bancos que estão em atividade no Brasil, o Banco Real é pioneiro na utilização estética do marketing com os serviços van Gogh, devemos ponderar que internacionalmente isto não representa uma novidade. Anteriormente ao Banco ABN Amro, o Union Bank of Switzerland promoveu uma campanha publicitária com seus executivos recitando poemas de Shakespeare e o Tribank (uma fusão de três bancos japoneses) passou a utilizar personagens da Disney e retratos de pássaros. (SCHMITT e SIMONSON, op. cit., p. 215).

10 9 afáveis, principalmente pelo fato de seus critérios artísticos não serem estéticos 5. Se utilizada pelos bancos, poderia causar dúvidas em relação a seus valores, personalidade e posicionamento. Se agora o grande filão do marketing é a estética, faz-se necessário que os bancos usufruam de um van Gogh estético, no sentido de suas obras possuírem uma beleza intrínseca independente e em detrimento do tema. Demonstraremos que as obras utilizadas pelos bancos preenchem este requisito ou ao menos foram concebidas em um período em que van Gogh possuía este intuito. 4.2 As obras de van Gogh utilizadas pela publicidade Levando em consideração as observações de SCHMITT e SIMONSON (op. cit, p. 62, 66 e 75) acima expostas de que as empresas devem ter cuidado com o que expressam em sua identidade visual, pois as impressões dos clientes devem, indubitavelmente, coincidir com seus princípios, acreditamos ser necessário no caso dos bancos Real e Santander por se tratar justamente de arte considerar a relação que uma obra de arte pode ter com seu receptor. Segundo MARCONDES FILHO (op. cit), três tipos de relações diferentes podem se estabelecer entre a arte e seu receptor. Interessa-nos aqui apenas dois: a arte pode mexer com a sensibilidade do espectador, confirmando expectativas, esta é uma das relações mas também pode provocar reações e emoções por meio do objeto artístico. Deteremo-nos, a princípio, na primeira relação, estabelecida com [...] obras de arte que nos atraem, que nos comunicam ideias, mas que não tem por objetivo conduzir-nos à reflexão, à emoção, o que nos capacita a uma mudança de relação com nosso ambiente e nossa vida [...]; não são suficientemente fortes para mexer com a vivência do receptor [...]; nos emocionam, mas provocam sensações passageiras, que se dissipam e em seguida não entram na nossa vida [...]. Essa arte permanece fora da vivência íntima e social do receptor. (Ibidem, p. 66 e 68) 5 [...] [no início da carreira como pintor] quando van Gogh pensava nas obras de arte que via, não estava a aplicar modelos de técnica e composição, ou a conferir valores de cor; os seus critérios não eram estéticos. (WALTER e METZGER, 2006, p. 46). Em Etten, compreendeu que sua concepção de arte não era a mesma da sociedade; e inevitavelmente tornouse de novo um marginal, precisamente na província em que o luxo e o esteticismo tinham caracterizado como uma província de marginais. (ibidem, p. 62).

11 10 Pretendemos demonstrar nas linhas abaixo que as obras selecionadas pelos bancos coincidem com as observações prescritas acima, atendendo aos requisitos propostos por SCHMITT e SIMONSON. No período em que van Gogh pintou na capital francesa ( ) sendo desta fase selecionadas duas obras pelos bancos Real e Santander: Campo de trigo com cotovia (1887) e Dois girassóis cortados (1887) os temas começaram a se tornar mais agradáveis e menos ásperos, evitando assim causar reflexões ou questionamentos: Desde os primeiros meses em Paris que o cavador que trabalhava nos campos desaparecera do repertório das figuras de van Gogh, sendo substituído por outras que se ocupam de tarefas mais agradáveis uma senhora a passear ao ar livre ou um casal de braço dado. (WALTER e METZGER, 2006, p. 488) Fig. 01: Campo de trigo com cotovia ilustrando folder informativo do Banco Santander Fonte 6 : < Acesso em: 05 dez A descrição de uma tela deste período, Jardins de vegetais em Mont-Martre: La butte Mont-Martre 7, confirma a predileção da estética em relação ao tema: [...] vemos a tela coberta de pinceladas coloridas: as sebes e as casinhas são tratadas da mesma maneira para que fiquem estilisticamente integradas no efeito 6 Todas as imagens contidas neste relatório foram retiradas da mesma fonte e na mesma data. 7 Obra localizada no Stedelijk museum, Amsterdã. 96 x120 cm.

12 11 visual do todo. A própria paisagem tornou-se uma desculpa para o espetacular sentido teatral estilístico que tende a obscurecer o tema. (Ibidem, p. 264) Fig. 02: Jardins de vegetais em Mont-Martre: La butte Mont-Martre (1887). No período subseqüente, em Arles ( ), o esteticismo adquire recrudescimento, pois [...] as coisas têm uma vida estética própria, um poder que transcende o mero registro representativo de um tema. (Ibidem, p. 360). De Arles, os bancos utilizaram a Ponte Langlois e estrada (1888) e Quatorze girassóis (1889). A natureza de Arles é vista por van Gogh de uma maneira estética. Vejamos como ele a descreve para seu amigo e pintor Émile Bernard: Uma vez que prometi que lhe escreveria, vou começar por dizer-lhe que esta região me parece tão linda [...] no que se refere à limpidez da atmosfera e aos alegres efeitos das cores nas paisagens. A água forma retalhos de um lindo azul esmeralda [...]. Cada vez que o sol se põe, surge um tom laranja pálido no ar que faz com que os campos pareçam azuis. O sol é de um amarelo esplêndido. E tudo isso sem que eu ainda tenha tido a oportunidade de ver os campos no esplendor do verão [...] 8. (BONGER, 2004, p ) A Ponte Langlois ocupará consideráveis linhas de nossa dissertação porque acreditamos residir aqui um grande exemplo de depuração ideológica promovido pela publicidade. Van Gogh pintou quatro versões desta ponte, sendo duas muito semelhantes, mas os bancos elencaram como réplica justamente a versão isenta de qualquer tema ou 8 Carta B2 [2] Arles, março de 1888.

13 12 detalhe que possa gerar contradição ideológica com seus princípios. Na primeira versão realizada em março de Van Gogh descera até a margem do canal para observar as lavadeiras a trabalhar ao lado de uma barcaça naufragada. Viu-as nas posições curvadas que só conhecíamos das suas mulheres que cavam a terra nas pinturas holandesas. [...] não era somente a ponte que lhe trazia a terra natal à memória. Se a cor não fosse tão incandescente e abundante, pensaríamos que quase não se tratava de quadros do sul. (WALTER e METZGER, op. cit, p ) Fig. 03: Ponte Langlois com lavadeiras (março de 1888), preterida pelos bancos. Esta versão foi preterida pelos bancos, mesmo sendo concebida com cores incandescentes e abundantes mesmo sendo estética. O motivo é claro: as lavadeiras trabalhando à margem do rio. Qualquer símbolo que não remeta a algo agradável deve ser evitado. Além disso, as lavadeiras remetem ao seu período holandês, onde o asco à burguesia e à vida civilizada eram os pressupostos de sua arte. Conforme FORRESTER (op. cit.), as lavadeiras não só representam a terra natal, como podem representar Sien, a prostituta com quem conviveu em Haia. 10 Este relacionamento 11 causou escândalo em sua família burguesa, e qualquer burguês, cônscio de sua hierarquia, abomina ao menos teoricamente esta escória social. 9 Localizada no Rijksmuseum Kröller-Müller, Otterlo. 54 x 65 cm. 10 Vincent pensa lhe oferecer [a Tersteeg] uma outra tela para sua própria coleção. Ele escolhe então uma coisa interessante como não faço todo dia: uma ponte levadiça com uma pequena charrete amarela e um grupo

14 13 Há uma outra versão desta ponte realizada em maio de ; no entanto van Gogh não privilegia suas reminiscências holandesas, pois O que conta é a intensidade de sentimentos gerada quando o poder radiante do sol entra na paleta de van Gogh. Não quer isto dizer que van Gogh já não ligasse às sutilezas iconográficas e simbólicas que tinham até aqui constituído a principal preocupação de sua obra. Mas é certo que sua importância diminuíra. A pintura um pouco mais tardia de Langlois representa um bom exemplo do que acabamos de dizer. Neste caso, van Gogh optou por posicionar-se na margem contrária. Lá embaixo, ao pé d água, em frente à parede, está uma lavadeira que não é imediatamente perceptível [...]. (WALTER e METZGER, op. cit, p. 352) Fig. 04: Ponte Langlois (maio de 1888). Lavadeira quase imperceptível, mas ainda assim indesejável. de lavadeiras [...] uma dela é Sien nós temos tantas lembranças de Haia lavam, ali perto, as manchas de sangue dos partos frustrados. (FORRESTER, op. cit, p. 208) 11 O próprio Vincent conta a Théo como conheceu a prostituta em sua carta 192 escrita em Haia, em abril de 1882: Pois bem, senhores, vou contá-lo aos senhores que dão tanto valor às formas e à civilização [...]: o que é mais civilizado, mais delicado, mais viril: abandonar uma mulher ou apiedar-se de uma desprezada? Neste inverno, encontrei uma mulher grávida, abandonada pelo homem cujo filho ela carregava no corpo. Uma mulher grávida que, no inverno, vagava pelas ruas, que devia ganhar seu pão você bem sabe como. Tomei esta mulher como modelo e trabalhei com ela durante todo o inverno. Não pude pagar-lhe o salário completo de uma modelo, mas isso não impede que eu lhe tenha pago suas horas de pose, e que, graças a Deus, eu tenha podido salvá-la, ela e sua criança, da fome e do frio, repartindo com ela meu próprio pão. Quando encontrei esta mulher, fiquei impressionado por seu aspecto doentio. Eu a fiz tomar banhos, dei-lhe fortificantes tanto quanto pude, ela ficou bem mais saudável. Fui com ela à Leyde, onde há um instituto para mulheres grávidas que lá podem dar à luz [...]. Parece-me que qualquer homem que valha o couro de seus sapatos, achando-se frente a um caso semelhante, teria agido da mesma forma. (VAN GOGH, 2002, p ) 12 Localizada no Wallraf-Richartz-Museum, Colônia. 49,5 x 64 cm.

15 14 Esta versão da ponte já está mais próxima do ideal artístico aceito pelos interesses publicitários. As sutilezas iconográficas e simbólicas que, na versão anterior, remetiam à Holanda trazendo junto consigo uma meretriz e um passado de barbárie nesta versão já estão quase isentos. Quase, pois embaixo, ao pé d água, rente à parede ainda se encontra, mesmo que quase imperceptível, uma lavadeira. A depuração publicitária decidiu extirpar o mal pela raiz, sem deixar qualquer resquício, escolhendo uma versão também de março de 1888, mas totalmente isenta de lavadeiras, independente de serem protagonistas ou coadjuvantes; perceptíveis ou imperceptíveis, privilegiando apenas os aspectos estéticos que permitiram sua concepção: A limpidez da atmosfera que faz surgir os objetos com tamanha clareza vai provocar o nascimento da admirável série da Ponte de Langlois quatro desenhos e quatro pinturas de uma estrutura aérea e leve, com alguma coisa de japonês no próprio motivo da ponte de madeira, e com magníficas sombras azuis, reverberações frescas e diáfanas da água e do céu. (COLI, 1985, p. 73) Fig. 05: Ponte Langlois e estrada (março de 1888). Versão higienizada socialmente, propícia à publicidade. Eis a versão perfeita para a fruição estética de aspectos que só promovem sentimentos agradáveis sem despertar nenhuma contestação social. Eis a forma de harmonizar aquilo que socialmente não é harmônico. A utilização dos Girassóis não envolve mistério: nada mais estético que Vincent tenha produzido: [...] a crueza ou a gradação dos amarelos-cromo vai queimar o olho

16 15 enquanto contrasta com fundos diferentes [...] 13. (BONGER, op. cit, p. 276). Eles são sinônimos de van Gogh, sua marca registrada como ele mesmo confirma em uma carta a seu irmão: Você sabe que Jeannin tem a peônia, que Quost tem a malva rosa, mas eu tenho um pouco o girassol 14. (VAN GOGH, 2002, p. 362). Diferentemente de outras naturezasmortas, a concepção ideológica de van Gogh ao pintar os girassóis foi meramente decorativa 15 : Ele [van Gogh] imaginou seis quadros de girassóis para decorar sua casa [...]. Queria ter várias telas de girassóis para enfeitar o quarto de hóspedes e o ateliê a tempo da visita do pintor Paul Gauguin. Ele havia terminado ao menos quatro quadros quando seu convidado chegou. (MUHLBERGER, 2002, p ) Fig. 06: Quatorze girassóis (1889). Vincent havia relevado a seu irmão o desejo de tornar venusto o ateliê para extasiar Gauguin: Na esperança de viver num ateliê com nosso Gauguin, eu gostaria de fazer uma decoração para o ateliê. Nada além de grandes girassóis 16. (VAN GOGH, op. cit, p. 284). E de fato, conseguiu: Gauguin me dizia outro dia que tinha visto de Claude Monet um 13 Carta B15[19] a Emile Bernard Arles, primeira quinzena de agosto de Nesta carta van Gogh também ratifica o caráter decorativo dos girassóis. 14 Carta 573 Arles, janeiro de A tradução de WALTER e METZGER para esta mesma carta, provavelmente por ser uma variação de português diferente (Portugal), explicita uma maior apropriação do tema por parte do pintor: Como sabes, as peônias são de Jeannin, as malvas-rosas são de Quost e os girassóis, bem, os girassóis são meus. (op. cit, p Grifo nosso) 15 Ver também: WALTER e METZGER, op. cit, p. 418; THOMSON, 1999, p Carta 526 Arles, agosto de 1888.

17 16 quadro de girassóis num grande vaso japonês muito bonito, mas ele prefere os meus 17. (Ibidem, p. 332). Em Saint-Rémy, os girassóis também foram o tema escolhido por van Gogh para formar juntamente com La Berceuse (retrato da esposa do carteiro Joseph Roulin, um dos poucos amigos que teve em Arles), um tríptico decorativo que proporcionasse conforto e segurança. Assim Vincent descreveu a ideia que não foi concretizada a seu irmão: [...] minha ideia era de fazer uma decoração como se fosse, por exemplo, para o fundo de uma cabine de navio. [...] A moldura do meio é então a vermelha. E os dois girassóis que formam o conjunto são os emoldurados por varetas 18. (Ibidem, p. 393). Por utilizarmos com demasiada freqüência o termo decoração, acreditamos ser necessário atribuir-lhe uma acepção mais acadêmica, conjuminando-a com os princípios do próprio Vincent: A prática decorativa era uma das funções do novo amor por um idílio privado, da necessidade de um lar, do desejo de segurança. Pretendia que os novos quadros [...] criassem [...] um lar acolhedor e belo para si e para a família [...]. (WALTER e METZGER, op. cit, p. 667). Obras decorativas representam segurança, conforto, privacidade, enfim, características apregoadas pelos bancos Real e Santander. Outro aspecto que prospectamos em relação aos Girassóis e que coincide com os princípios teóricos da publicidade no que diz respeito à estética pois esta, para o marketing, se refere à sensação obtida ao contemplar um objeto que remeta a algo agradável é o que eles podem simbolizar: gratidão. Quase dois anos depois de pintar a série [dos Girassóis], em uma carta a sua irmã Willemien, van Gogh disse que os girassóis podem simbolizar gratidão. Quando os pintou, seu coração estava cheio de gratidão a seu irmão pelo apoio; a Gauguin por sua amizade e ao sol, por sua luz e calor. (MUHLBERGER, op. cit, p. 18) Aos bancos fica a gratidão ao cliente pela sua fidelidade e, conseqüentemente, por sua contribuição aos intentos mercadológicos. O período mais tenso e turbulento da trajetória artística de van Gogh é, sem dúvida, vivido dentro do asilo de Saint-Paul de Mausole, em Saint-Rémy. Acometido por crises nervosas, van Gogh pinta sob a supervisão dos guardas. A pintura se torna uma necessidade: ela adia ou pelo menos atenua as crises. Van Gogh convive com alienados 17 Carta 563 Arles, novembro de Carta 592 Saint-Rémy, maio de 1889.

18 17 mentais, e se chega a declarar-se em posição privilegiada em relação a eles, deve-a exclusivamente pelo fato de ter a pintura como antídoto 19. Com a descrição do contexto histórico de Saint-Rémy, seriamos levados a acreditar que as obras deste período não passariam pelo crivo da publicidade, que consiste justamente em utilizar obras que transmitam apenas sentimentos agradáveis. No entanto, duas obras deste período foram selecionadas: Campo de trigo com ceifeiro e sol (1889) e Lírios contra fundo amarelo (1890). Para podermos resolver esta aparente contradição, devemos atentar ao detalhe que o próprio pintor declarou: Sobretudo agora que estou doente, procuro fazer alguma coisa para me consolar, para meu próprio prazer. (BONAFOUX, 1994, p. 125). O próprio van Gogh está preocupado com uma arte agradável, que proporcione prazer, que traga tranqüilidade, pois esta é uma forma de atenuar sua penosa realidade. Podemos afirmar que o próprio pintor realiza uma espécie de processo de depuração, ao qual nos referimos quando tratávamos das técnicas publicitárias. Em Saint-Rémy, [...] as descrições do muro do convento, do vestíbulo aberto para o jardim, dos bancos de pedra entre as flores, dos laguinhos com tranqüilos repuxos de água lembram mais uma tranqüila residência de verão. (LASSAIGNE, 1973, p. 57). Os quartos do asilo possuem [...] janelas guarnecidas com pesadas barras de ferro, grades, portas aferrolhadas. Em cima e embaixo das escadas. Por toda a parte. Vincent não as pintará em seus quadros. (FORRESTER, op. cit, p. 283). Fig. 07: Banco de pedra no jardim do hospital S. Paul 20 (1889). Lembra uma tranqüila residência de verão. 19 Aquilo de que mais sofrem os que estão aqui há anos, é de uma extrema relaxidão. Ora, numa certa medida meu trabalho me preservará disto. Carta mai (VAN GOGH, op. cit, p. 396). 20 Localizada no MASP, São Paulo. 39 x 46 cm.

19 18 Atentemo-nos para o Campo de trigo com ceifeiro e sol. Aqui podemos verificar as intenções de van Gogh em depurar os aspectos desagradáveis do ambiente onde foi concebida bem como privilegiar a estética em relação ao tema. O processo de depuração reside no fato de van Gogh ter concebido esta obra em seu quarto, contemplando a paisagem a ser retratada através de sua janela guarnecida com pesadas barras de ferro 21. O fato de ter omitido estas mesmas grades de sua obra nos dá a falsa impressão de o pintor viver um idílio bucólico. Ele não pintou a realidade nua e crua, e sim como gostaria que ela fosse. Eliminou um aspecto que lhe incomodava as barras de ferro que denunciariam seu enclausuramento e, conseqüentemente, sua doença mantendo apenas a paisagem natural em sua plenitude e vigor áureos. O próprio pintor admite essa disparidade entre sua vida e sua obra: Eu acho isso engraçado, eu que vi assim através das grades de ferro de uma cela. (ibidem, p. 17). Esta é a única tela selecionada pelos bancos que possui uma figura humana: um ceifeiro. Mas diferentemente do período holandês, quando van Gogh pintava um trabalhador do campo para inseri-lo na sociedade, pois acreditava que os civilizados tinham muito a aprender com eles ou, no mínimo, deveriam livrar-se de um preconceito injustificado em Saint-Rémy este mesmo trabalhador aparece [...] liquefeito no clarão amarelo, aparece rarefeito, indeterminado, como uma lembrança ou projeto que tenta se esboçar, logo apagado, misturado à luz geral [...] (ibidem, p. 17). Um simples elemento a mais na composição da obra 22. Soma-se a isso o fato de este translúcido segador, além de ser um elemento coadjuvante, não estar representando um ser social a realizar trabalho. Iconologicamente, este segador representa, segundo o próprio pintor, [...] uma imagem da morte, como o grande livro da natureza o descreve. (BONGER, op. cit, p. 94) Conf. FORRESTER, op. cit, p Na carta 604 escrita para seu irmão em Saint-Rémy, em setembro de 1889 fica claro que a figura do camponês não representa mais um caráter social para van Gogh como representou na Holanda. Representa, sim, um dentre tantos outros temas que ele gosta de pintar: Pois bem, sabe o que eu espero, uma vez que recomeço a ter esperanças? É que a família seja para você o que é para mim a natureza, os torrões de terra, a relva, o trigo amarelo, o camponês, ou seja, que você encontre em seu amor pelas pessoas motivo não só para trabalhar, mas com que se consolar e reerguer-se quando necessário. (VAN GOGH, op. cit, p Grifo nosso) 23 Ver também: FORRESTER, op. cit, p. 17; JANSEN, Pierre. História geral da Arte: van Gogh Mondrian. Doc. VHS. Aprox. 30min. Ediciones Del Prado, 1996.

20 19 Se na Holanda, os trabalhadores do campo são [...] pessoas que, sob o candeeiro, comem suas batatas com as mãos que levam ao prato [e que] também lavram a terra [...] 24 (VAN GOGH, op. cit, p. 154), em Saint-Rémy representam o medo iminente de van Gogh: a morte. A diferença é homérica. O esteticismo (lembrando ser este aspecto de suma importância para o marketing) nesta obra prevalece. Ao se referir a esta obra ao seu irmão, van Gogh privilegia a cor, preterindo o tema: Tenho um campo de trigo muito amarelo e muito claro, talvez a tela mais clara que eu já tenha pintado 25. (Ibidem, p. 401). Fig. 08: Campo de trigo com ceifeiro e sol (1889). A morte camuflada entre as gavelas de trigo. A última estação da Via-Crúcis de van Gogh foi a Auver-sur-Oise, sob os cuidados médicos do Dr. Gachet, amigo dos impressionistas, amante das artes e pintor diletante. O ambiente lúgubre do asilo Saint-Paul, em Saint-Rémy, não lhe parecia mais necessário. Se não estava totalmente curado, e seu suicídio assim o prova ao menos as crises lhe acometiam com menos freqüência; o intervalo entre elas era maior. Van Gogh estava bem fisicamente, surpreendendo até sua cunhada, esposa de Théo, que até então não conhecia. Não parecia um perturbado mental. Eis o enredo perfeito para um recomeço triunfal. Havia expiado no purgatório de Saint-Rémy que lhe obrigara até a comer tinta 26 todos os seus pecados. Mas a volta para casa, como ele mesmo se referiu em 24 Carta 404 Nuenen, Em referência aos Comedores de batatas. 25 Carta 596 Saint-Rémy, junho de Um ano mais tarde, quando o pintor sai do hospital, o Dr. Peyron, médico-chefe, anota: [...] [Vincent] tentou várias vezes se envenenar, [...] engolindo a tinta de que se servia para pintar [...]. (COLI, op. cit, p.80)

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM A escola Nossa Senhora da Piedade tem uma área de 3.200 metros,

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90)

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90) Professor Heitor de Assis Jr. CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE heitor_assis@yahoo.com.br Vincent van Gogh (1853-90) Até 27 anos, quando se decidiu pela pintura, ocupou-se principalmente com a pregação evangélica.

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Pós - Impressionismo (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Não foi um Movimento Não houve um grupo de artistas que se reuniam para debates acadêmicos. Eram artistas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave

TIMOR LESTE. O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema. Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave 70 TIMOR LESTE O PESO DA ORAÇÃO DOS JUSTOS! Tema Peso e balança justos pertencem ao Senhor Provérbios 16:11a Versículo Chave PÁIS ALVO No Timor Leste as pessoas são muito acolhedoras, sempre com um sorriso,

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Impressão: nascer do sol

Impressão: nascer do sol IMPRESSIONISMO França 1860 a 1886. Os impressionistas representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as percepções iniciais registradas

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh.

GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. GODOY, Luciana Bertini. Ceifar, semear: a correspondência de Van Gogh. 13 2. ed. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2009. 274 p. RESENHA Pepita de Souza Afiune * A autora Luciana Bertini Godoy é graduada em

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Situação Financeira Saúde Física

Situação Financeira Saúde Física Um dia um amigo me fez uma séria de perguntas, que me fez refletir muito, e a partir daquele dia minha vida vem melhorando a cada dia, mês e ano. Acreditando que todos temos um poder interno de vitória,

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Material complementar para Fogueira Santa

Material complementar para Fogueira Santa Material complementar para Fogueira Santa 4 a 10 anos referência bíblica Gênesis 12.1-4; 15.1-5 alvo da lição Ensinar às crianças que quem vive na fé de Abraão é uma das estrelas que ele viu ao sair da

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas.

3. Meu parceiro poderia ficar chateado se soubesse sobre algumas coisas que tenho feito com outras pessoas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA NÚCLEO DE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Caro(a) participante: Esta é uma pesquisa do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná e

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades

Antes. Depois. Escritórios Os escritórios são espaços físicos que correspondem às necessidades CIANO MAGENTA AMARELOPRETO Casa & Construção É tempo de renovação A atmosfera é de renovação, regeneração, expectativas e esperanças. Páscoa vem do hebraico Pessach e significa passagem. A Ressurreição

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 142 CAPA PONTO DE APOIO CUIDAR RECONHECER QUE A HORTA ENVOLVE CUIDADOS, COMO IRRIGAÇÃO, DESBASTAÇÃO, ESPAÇAMENTO ENTRE AS MUDAS, COMPOSTAGEM, PODA, ENTRE OUTROS, ALÉM DO MONITORAMENTO DAS FASES DE CRESCIMENTO,

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise LISTA DE RECUPERAÇÃO 8º ANO Nota: 1) A arte barroca ganhou espaço e passou a inaugurar um novo período na arte européia, que já havia experimentado

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011

O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional. Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 O COACHING ESTRATÉGICO A Abordagem para uma Nova Cultura Organizacional Luiz Cláudio Binato Belo Horizonte, 12 de Maio de 2011 Organização Realização O QUE É COACHING? É um PROCESSO no qual um profissional

Leia mais

11 Resultados obtidos: discussões

11 Resultados obtidos: discussões 11 Resultados obtidos: discussões Através da tabulação dos dados, foi possível constatar que os participantes não prestaram atenção no banner, pelo fato de estarem navegando de acordo com um interesse

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração.

Entrevistado por Maria Augusta Silva. Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. ANDRÉ LETRIA Entrevistado por Maria Augusta Silva Entrevista realizada na ocasião em que recebeu o Prémio Nacional de Ilustração. Um traço sinónimo de qualidade. Desenho e cor para a infância. Aos 26 anos

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias:

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias: 2. Equilíbrio O equilíbrio é um parâmetro da imagem que está diretamente relacionado com o inconsciente. Andamos de modo equilibrado, sem pensar que o estamos fazendo. Ao tentarmos a mesma experiência

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net

ENTREVISTA DE EMPREGO. Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net ENTREVISTA DE EMPREGO Prof. Hamilton Ferreira de Assis aprimore.capacitacao@hotmail.com www.aprimore.net CNPJ: 13.103.583/0001-28 Rua Tomé de Souza, 418, Sarandi. Candeias-Ba E-mail: aprimore.capacitacao@hotmail.com

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

ENSINO DE ARTE NO DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA (20 DE NOVEMBRO)

ENSINO DE ARTE NO DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA (20 DE NOVEMBRO) ENSINO DE ARTE NO DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA (20 DE NOVEMBRO) Flaviane dos Santos Malaquias flavinhamalaquias@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Comunicação Relato de Experiência O presente

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

Índice. Orientação Vocacional e Coaching

Índice. Orientação Vocacional e Coaching Índice Responsabilidade... 1 Relacionamentos... 1 Definir objetivos... 2 Áreas da Vida... 3 Objetivos... 4 Prazos... 4 Estratégias... 4 Acreditar... 5 Visualização... 5 Visualização dos Objetivos... 5

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Maryclea Carmona Maués Neves 1 Quando, onde e quem No início do século XX, a região Amazônica ainda vivia um relativo isolamento do restante do país, reflexo

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

sinal de tristeza. Sinal de morte!

sinal de tristeza. Sinal de morte! CULTO FAMÍLIA: Reflexão sobre a morte e o luto Acreditamos que todos nós já sofremos a perda de alguém, seja familiar, amigo, vizinho ou apenas conhecido. Nos sentimos impotentes, indefesos, medrosos diante

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

José Aerton Rodrigues da Silva

José Aerton Rodrigues da Silva José Aerton Rodrigues da Silva Redação fácil para o Enem concursos públicos civis e militares Nilópolis RJ 2014 Edição do autor p. 1 Revisão: José Aerton Capa: Roberta Dias Aerton, José, Redação fácil

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais