TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística"

Transcrição

1 1427 TRAÇANDO POSSÍVEIS SENTIDOS PARA OS AUTORRETRATOS DE VAN GOGH: o meio e as leituras de mundo impulsionando a criação artística Rosana Raposo Momentel, Joana Sanches-Justo Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. RESUMO O artigo aborda os autorretratos do pintor pós-impressionista Vincent van Gogh, sobre os quais foram realizadas análises embasadas em leituras de livros, artigos científicos e cartas que o pintor mandava ao irmão Theo. Foram analisados três autorretratos de Van Gogh, correlacionando-os com a vida pessoal, seu estado de saúde física e emocional durante o período de execução traçando, assim, alguns possíveis sentidos aos autorretratos. A pesquisa foi de cunho bibliográfico e os autorretratos analisados foram escolhidos pela data: três anos antes da morte de Van Gogh, período em que sua arte tenha alcançado o ápice. Foram analisados também elementos estéticos e harmônicos, composições e cores. Assim, foi possível perceber que cada autorretrato carrega mais do que elementos gráficos, pois traz consigo seu contexto e toda uma vida a cada pincelada. Palavras-chave: Vincent Van Gogh. Autorretrato. Pós-impressionismo. Composição. Análise crítica. INTRODUÇÃO E OBJETIVO Vincent van Gogh foi um pintor pós-impressionista que nasceu em Zundert, Países Baixos, em 1853, filho de Theodorus, um pastor da Igreja Reformada Neerlandesa, e de Anna Cornelius, mulher religiosa e aquarelista nas horas vagas. Sempre desenhou, mas começou a pintar com aproximadamente 27 anos e teve seu período de produção mais expressivo nos seus últimos anos de vida. Van Gogh cresceu em um ambiente rural, em uma família que não podia dar aos filhos uma ótima educação devido ao bairro em que se localizavam e às condições sociais do local, mas também não passaram fome, como alguns da região. Tinha cinco irmãos, mas era próximo apenas de Theo, com quem compartilhava seus anseios e pensamentos (NAIFEH, S.; SMITH, G.W., 2012, p.23). Outra pessoa marcante na vida de Van Gogh foi sua mãe, que esperava que o filho tivesse um emprego e vida social como toda a população, e não se tornasse um pintor fracassado (NAIFEH, S.; SMITH, G.W., 2012, p.31). Van Gogh vendeu apenas um quadro durante sua vida toda e não foi por admiração do comprador, foi uma troca com o proprietário para pagar um de seus aluguéis. Seu estilo é até hoje único na arte e mesmo com todas as dificuldades que serão descritas nesse trabalho, Van Gogh se manteve sempre produzindo, como se apenas a arte o pudesse compreender. Podemos dizer que a arte era seu principal meio de expressão, pois mesmo alegre

2 1428 ou ansioso, fazia suas pinturas, que retratavam não apenas seu estado emocional, mas leituras particulares do mundo. Considerando a influência do contexto biopsicossocial na produção artística o objetivo da pesquisa foi analisar os autorretratos de Van Gogh evidenciando seu estilo e técnicas e traçando possíveis sentidos e correlacionados ao estado de saúde física e emocional do autor. METODOLOGIA Esta pesquisa teve caráter bibliográfico, abrangendo leituras pautadas principalmente nos estudos de NAIFEH; SMITH (2012) e YACUBIAN (2008), como também as cartas enviadas a seu irmão mais novo, contidas no livro Vincent van Gogh Cartas a Théo, de Machado (2012). Ao todo foram três autorretratos analisados, escolhidos devido a sua data de realização, dois anos antes da morte do pintor e que, provavelmente, sua doença tenha alcançado o cume: entre 1888 até 1890, sendo que o pintor faleceu em São autorretratos com características peculiares: o primeiro com a orelha cortada, retratando o clímax de seus acessos emocionais. O segundo, um autorretrato pintado no Hospital de Saint-Rémy, onde ficou internado. O terceiro se mostra com um turbulento fundo azul, se torcendo totalmente, em numerosas curvaturas. Foram analisados nestas obras elementos estéticos e harmônicos: as composições, as harmonias cromáticas, dentre outros elementos inseridos nas obras. Também foi considerado o contexto em que foram produzidos os autorretratos, a época em relação ao momento da vida pessoal de Van Gogh buscando constatar nas correspondências com o irmão se o próprio Van Gogh em suas cartas teria revelado algumas percepções de mundo ou leituras sobre sua vida, à luz da metodologia de Jorge Coli (2006). RESULTADOS Van Gogh pintou o autorretrato abaixo (FIGURA 1) semanas depois de sua automutilação. Já havia saído do hospital e estava produzindo arte freneticamente (MACHADO, 2012).

3 1429 Figura 1. Vincent Van Gogh Autorretrato, Óleo sobre tela, 60 cm x 49 cm, 1889, Courtauld Institute of Art, Londres.Fonte: ZszJluddqh8/T6ElQc-uimI/AAAAAAAABh0/FxPY4DHoNl0/s320/gogh.bandaged-ear.jpg Um fato atípico é o pintor aparecer sem barba e com o rosto bastante modificado, talvez devido ao cansaço físico e mental. Seu olhar é aparentemente perdido e não foca nem seu reflexo no espelho, nem o observador, fica perdido entre esses dois pontos. O quadro de uma maneira geral é aparentemente apático, sem cores vibrantes como usava antes do ocorrido com Gauguin, citado abaixo. Os tons de verde não são entusiasmados e estão em toda parte: parede, casaco de Van Gogh, seus olhos e levemente em sua pele. Ele morava com Paul Gauguin em uma casa (A Casa Amarela) em Arles, França. Os dois não conviviam muito bem, devido ao temperamento explosivo de ambos. Em meados de dezembro de 1888, enquanto Van Gogh bebia absinto em um café, terminou o último gole e arremessou o copo em direção a Gauguin. Este por sua vez, apenas se desviou do objeto, pegou Van Gogh pelo braço e levou-o para a casa em que moravam, onde Van Gogh dormiu profundamente. Ao acordar no dia seguinte, Van Gogh tinha a vaga memória de que [Gauguin]o havia ofendido (YACUBIAN, 2008). Na noite de 23 de dezembro, Gauguin saiu pelas ruas para esfriar a cabeça, pois havia novamente se desentendido com Van Gogh. Aos poucos, sentiu passos lhe seguindo e quando se virou, viu Van Gogh com uma navalha na mão, que ao ser descoberto, fugiu. Gauguin passou à noite em um hotel e, quando voltou na manhã seguinte, encontrou a casa rodeada de vizinhos e

4 1430 policias. Van Gogh, ao voltar para casa, havia cortado parte da orelha esquerda e a levado para Rachel, uma prostituta que também conhecia Gauguin. Depois do ocorrido, Van Gogh foi transferido para o hospital de Arles onde passou apenas duas semanas. Foi o tempo necessário para a cicatrização de sua orelha e a aparente melhora do pintor. O quadro abaixo (FIGURA 2) foi pintando enquanto o pintor ficou internado no Hospital Saint-Rémy, por pedidos assinados de seus vizinhos e por ordem da polícia. (YACUBIAN, 2008, p. 70). Figura 2. Vincent Van Gogh Autorretrato pintado no Hospital Saint-Rémy, Óleo sobre tela, 349 x 776 cm, 1889, National Gallery of Art, Washington,Estados Unidos. Fonte: O quadro é único na obra de Van Gogh. A variação de cores aqui é pequena em relação às outras obras que possuem uma vasta quantidade de tonalidades diferentes. O roxo profundamente escuro ao fundo se mostra descaradamente sombrio e perturbado, é inusitado e parece vibrar ao redor de Van Gogh. O fundo possui uma aparente movimentação devido às pinceladas, dando a impressão de que tudo em volta de Van Gogh é pura inquietação. Seu rosto se destaca dos outros elementos do quadro, com cores quentes em oposição ao fundo, frio. Mais tardar no mesmo ano demonstra que sabe de suas doenças, mas que a arte seria seu melhor remédio: O trabalho me distrai infinitamente mais que qualquer outra coisa e se por uma vez nele eu pudesse me lançar com toda a minha energia, este possivelmente seria o melhor

5 1431 remédio (MACHADO, 2012, p.360). São visíveis as marcas do pincel em volta do pintor, como quem simboliza a solidão e tristeza em torno de si através da cor escolhida. Sabendo que esse quadro foi feito enquanto estava internado, percebemos as diferenças para os seus demais autorretratos desde a escolha de cores até o próprio olhar de Van Gogh. O terceiro autorretrato (FIGURA 3) é um dos mais conhecidos do pintor. Figura 4. Vincent Van Gogh Autorretrato, Óleo sobre tela, 65 x 54 cm, 1889, Museu d Orsay, Paris, França. Fonte: O fundo da obra é preenchido com cores que se contorcem, formando arabescos alucinatórios e voltas quase inteiras, de forma que a tela de uma maneira geral mostra movimento intenso do azul, aparentando o fundo em movimento inquietante e apenas Van Gogh parado, olhando para o observador da obra. Todo o fundo quase se mistura com a roupa de Van Gogh, compartilhando de um mesmo azul claro, ora com tons escuros ora com tons um pouco esverdeados. A luz vem do lado direito da tela e ilumina diretamente seu rosto, de forma que seu olho fique especialmente iluminado e mostre também as sobrancelhas levemente tensionadas, dando uma aparente tristeza em seu olhar. No momento em que pintou este quadro Van Gogh, segundo Yacubian (2008), possuía glaucoma e as distorções nas cores poderia estar relacionadas à perda visual crônica decorrente da doença. Isso também explica o interesse do pintor por Arles, onde havia mais sol, visto que a luz intensa promove contração pupilar, uma forma de tratamento do glaucoma.

6 1432 Neste ano as crises nervosas de Van Gogh se agravaram. Em maio de 1889 Van Gogh deixou Arles para ser internado pacificamente em uma clínica particular perto de Saint Rémy, a Saint-Paul-de-Mausole. (MACHADO, 2012) Um tempo depois, com sucessivas crises, Van Gogh deixou a clínica e voltou ao trabalho incessante. Com seu estilo totalmente definido, Van Gogh passou a colocar todo o seu sentimento na pintura, observando sempre sua vizinhança, a natureza e a paisagem. Dessa forma, é possível observar que esse autorretrato é único. Segundo Yacubian (2008), em nenhum outro autorretrato aparecem tantas formas que possam caracterizar sua obra de forma tão expressiva. DISCUSSÃO Um aspecto marcante da vida do pintor que certamente influenciou crucialmente a construção de sua personalidade foi a vida em família, colocada pela mãe como um refúgio diante de um mundo conturbado e decepcionante. Vincent teve uma vida conturbada ao longo dos anos. A sua criação, a vila onde morava e seu comportamento adulto precoce, tudo fez com que o pintor pudesse ter uma personalidade bastante peculiar (VAN GOGH, 2007). Era introspectivo e sério, uma criança calada que raramente brincava com os irmãos. Com o tempo, sua mãe, Anna, passou a compreender menos o filho, que não apresentava as ideias de uma vida convencional, como ela queria. Isso a envergonhava, até chegar à raiva. Quando Van Gogh se tornou adulto, ela perdeu as esperanças e passou a desprezá-lo, julgando estar fazendo vagabundagens sem futuro (NAIFEH, S.; SMITH, G.W., 2012, p.31). Apesar do repulso da mãe, Vincent sentia-se muito ligado a ela. Com o incentivo do irmão Theo, começou a pintar pequenos quadros a partir das noções de desenho que obtivera desde a infância somadas às de pintura que aprendera com a mãe. Em seus últimos três anos de vida, passou por turbulentos acessos de ansiedade e irritabilidade, que eram intensificados com o uso de álcool e sua má nutrição. Como dito anteriormente, em alguns relatos o pintor afirma que sabe de sua condição insalubre e de sua postura displicente em relação a ela, considerando a arte como o seu melhor remédio. Atravessados pelo ambiente familiar, social, doenças e o alcoolismo, cada um dos autorretratos evidencia uma faceta diferente de Van Gogh, sendo a grande questão que está por trás destes autorretratos. Fica claro que Van Gogh falava através deles de uma maneira não verbal. O olhar de Van Gogh sempre é intimidador em seus autorretratos. Apresenta um ar

7 1433 desafiante e indagador, como se estivesse perguntando ao observador como seria seu futuro, se iria se tornar um grande pintor ou não, ou mesmo até quando conseguiria levar a vida que tinha. CONCLUSÃO Autorretratos requerem a introspecção, o olhar para si mesmo e, por isso se tornam uma grande autoanálise (PESSOA, 2006). Os autorretratos de Van Gogh eram mais do que simples registros na linha do tempo: eram a expressão do eu. Diversos fatores contribuíram para Van Gogh ter seu estilo de pintura característico. Acreditamos que suas obras refletem sua personalidade, o contexto em que viveu e tudo que o cercava e atravessava sua passagem pela vida. A família insegura somada ao fanatismo religioso não o fizeram uma pessoa firme e com a moral concreta para prosseguir a vida. Não foi lhe dada base alguma, pelo contrário, apenas medos e incertezas. Sua mãe não teve a paciência de que Vincent necessitava, pois desde cedo andava sozinho pelas redondezas, observando a natureza e também a paisagem de sua janela, evitando contato com pessoas desconhecidas. Tinha um gosto pelas coisas não convencionais e sua personalidade era bastante peculiar, caracterizando-o, desde pequeno e até sua morte, como um indivíduo excêntrico. Os autorretratos evidenciam sua vida, tudo o que passou até o momento de pintá-los. Dessa forma, analisando as obras, verifica-se que há muito por trás de um simples quadro, seja qual for a época. Há o afeto e a personalidade atravessados pelo contexto e ambiente embutidos em cada pincelada, carregando a obra de sentido. Assim, os autorretratos de Van Gogh podem ser tomados como pontos de apoio, de autoafirmação; como quem quer provar, através da arte, que existe: que passa fome e não possui uma moradia que o conforte, mas que sobrevive dia após dia através da pintura. REFERÊNCIAS COLI, J., Vincent van Gogh A Noite Estrelada. 1 Ed. : Perspectiva, NAIFEH, S.; SMITH, G.W. Van Gogh: a Vida. 1.ed. São Paulo: Companhia das Letras, MACHADO, I. P. (org). Vincent van Gogh Cartas a Théo. 2ed. Porto Alegre: L&PM, PESSOA, H. G.R., Auto - retrato: O espelho, as coisas f. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. São Paulo.

8 1434 VAN GOGH, V. Gênios da Arte Van Gogh. 1 Ed. Barueri: Girassol, YACUBIAN, E. M. T. A Doença e a Arte de Vincent Van Gogh. 1.ed. São Paulo: Leitura Médica, 2008.

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90)

Professor Heitor de Assis Jr. heitor_assis@yahoo.com.br CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE. Comedores de Batata. 1885. Vincent van Gogh (1853-90) Professor Heitor de Assis Jr. CURSOS DE HISTÓRIA DA ARTE heitor_assis@yahoo.com.br Vincent van Gogh (1853-90) Até 27 anos, quando se decidiu pela pintura, ocupou-se principalmente com a pregação evangélica.

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera Fauvismo 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino Fauve = Fera Fauves (feras) foi a palavra utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles para caracterizar um grupo de jovens pintores que expuseram em

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Plínio Santos Filho, Ph.D. CE 05 - Autoretrato 02 Vincent Van Gogh CE 05 Este Caderno de Exercícios contém desenhos e pinturas que são autoretratos feitos

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1

Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XX Prêmio Expocom 2013 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Van Gogh: Museu de Artes de São Paulo 1 Camilo de Santa

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA. Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM PINTANDO O SETE NA SALA DE AULA Míriam Borges da Fonseca Rodrigues (veraformosa@yahoo.com.br) Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM A escola Nossa Senhora da Piedade tem uma área de 3.200 metros,

Leia mais

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz

Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Relação Cromática de Secundárias sobre a Dinâmica de Matiz Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado à Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Impressão: nascer do sol

Impressão: nascer do sol IMPRESSIONISMO França 1860 a 1886. Os impressionistas representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as percepções iniciais registradas

Leia mais

RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS

RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XX Semana de Pedagogia da UEM VIII Encontro de Pesquisa em Educação / I Jornada Parfor RELEITURA E PROCESSO CRIATIVO: INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS

Leia mais

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela

Mulher de chapéu, Matisse. 1905, Óleo sobre tela Mulher de chapéu, Matisse 1905, Óleo sobre tela O termo Fauvismo deriva de fauve (fera selvagem), exclamação feita pelo crítico de arte Louis Vauxcelles perante a exposição de pintura do Salão de Outono

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino

Pós - Impressionismo. (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Pós - Impressionismo (1880 a 1905 = França Paris) 8ºs Anos 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juventino Não foi um Movimento Não houve um grupo de artistas que se reuniam para debates acadêmicos. Eram artistas

Leia mais

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Ruth Sprung Tarasantchi Depto de Artes Plásticas da ECA/USP Foi em 1981 que o Museu de Arte de São Paulo (MASP), juntamente com o Museu Paulista, mostraram uma

Leia mais

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto O que está escrito no DESENHO Professora Tatiana Comiotto A desenho da criança É feito por prazer; Para encontrar seu equilíbrio afetivo; Exprime o que ela está sentindo; Cada detalhe é importante para

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Van Gogh, a Tragédia e a Cor

Van Gogh, a Tragédia e a Cor Estes textos são produzidos sob patrocínio do Departamento Cultural da Clínica Naturale.Direitos são reservados. A publicação e redistribuição de qualquer conteúdo é proibida sem prévio consentimento.

Leia mais

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura

Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Desenho Percepção Visual Anatomia Artística Pintura Plínio Santos Filho, Ph.D. CE 04 - Autoretrato 01 Caderno de Exercícios CE 04 O autoretrato é feito para marcar a passagem do tempo. É o momento em que

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL 1) Há algum tempo atrás, os livros, as revistas, os jornais, as fotografias, o cinema e a televisão eram em preto e branco. Hoje as cores fazem

Leia mais

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato

Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ CURSO SUPERIOR BACHARELADO EM DESIGN DE MODA ILUSTRAÇÃO I PROFESSORA GISELE DOS SANTOS Exercício 1: Ajustes rápidos em retrato Figura 01: Foto

Leia mais

TRANSTORNO BIPOLAR as duas faces do humor

TRANSTORNO BIPOLAR as duas faces do humor TRANSTORNO BIPOLAR as duas faces do humor Há dias em que a euforia bate no céu. Em outros a depressão leva ao fundo do poço. A novidade sobre essa gangorra de emoções é que os cientistas confirmam a suspeita

Leia mais

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a

numa seqüência de perguntas que, ao serem respondidas, ajudariam a montar um texto sobre a 189 FIGURA 8 FERNANDES, Millôr. O Grito. 2005, Revista Veja, 20 de abril de 2005. Partindo da identificação da obra Norwood sob a neve (FIGURA 4), do artista Camille Pissarro, a professora elaborou 4 questões

Leia mais

As cores são ações e paixões da luz.

As cores são ações e paixões da luz. As cores são ações e paixões da luz. Goethe Robert Delunay, Drama políltico, óleo e colagem sobre cartão, 88,7 x 67,3, 1914 Cada olhar envolve uma observação, cada observação uma reflexão, cada reflexão

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). O PROFISSIONAL

Leia mais

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS Nelyse Ap. Melro Salzedas serranoepg@ig.com.br 1 Resumo: Ver e representar a imagem das estrelas: uma questão texto e imagem entre a pintura, a poesia e a música:

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II 1 Habilidades: Revisar os Conteúdos da Unidade II para realizar avaliação II. 2 Revisão 1 Barroco: expressão, do português homônimo, tem o sentido pérola imperfeita,

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Uma análise pessoal sobre obras abstracionistas Obras em observadas: Obra 1 Namorados

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 O olho é com certeza o ponto de maior destaque no mangá e por isso requer maior atenção. Nesta aula focaremos na estrutura dos olhos. Bom estudos! (Mateus Machado) COMO DESENHAR MANGÁ - OLHOS 1. A BASE

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas

Ondas Eletromagnéticas Luz e Cor Ondas Eletromagnéticas Uma fonte de radiação emite ondas eletromagnéticas. Possuem diferentes comprimentos de onda. O olho humano é sensível a somente alguns: Distinção das cores Ao falarmos

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara

100 FRASES para um dia mais feliz. de Ana Flávia Miziara 100 FRASES para um dia mais feliz de Ana Flávia Miziara Você está alegre? A vida está sorrindo para você? Você se lembrou de sorrir hoje? Lembre-se que a alegria é a fartura da vida e da mente. A vida

Leia mais

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn Paletas Autorretratos Rembrandt Van Rijn Resumo A série Paletas traz nesse episódio Autorretratos, do artista Rembrandt Van Rijn (1606-1669), pintor holandês, um dos maiores representantes do estilo barroco:

Leia mais

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO

PINTAR, PARIR, PARAR JEANINE TOLEDO "SE EU PUDESSE EXPLICAR MINHAS TELAS, ISSO SERIA CERTAMENTE UMA COISA INTELECTUAL. SE NÃO SE FOR ALÉM, É ALGO FRIO E MORTO; COISA DE TEÓRICO." (Miró) JEANINE TOLEDO É difícil determinar o processo de criação

Leia mais

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira

O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira O Ceará tem disso sim: Antonio Bandeira Profa. Ms. Eliene Silva Disponível em: http://www.mauc.ufc.br/expo/1967/index1.htm http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9205/antoniobandeira Biografia

Leia mais

PAISAGENS DE VAN GOGH. Camila de Carvalho Vieira 1 camiscvieira@hotmail.com. Marta Dantas 2 marta_dantas@hotmail.com

PAISAGENS DE VAN GOGH. Camila de Carvalho Vieira 1 camiscvieira@hotmail.com. Marta Dantas 2 marta_dantas@hotmail.com PAISAGENS DE VAN GOGH Camila de Carvalho Vieira 1 camiscvieira@hotmail.com Marta Dantas 2 marta_dantas@hotmail.com Resumo: Através desta comunicação, temos o intuito de realizar uma leitura das seguintes

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 3 =============================================================================================

Leia mais

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX

EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX EXPRESSIONISMO FAUVISMO CUBISMO SÉC. XX História da Arte Profª Natalia Pieroni IDADE CONTEMPORÂNEA LINHA DO TEMPO - HISTORIOGRAFIA Período PRÉ-HISTÓRIA Origens do homem até 40000 a. C IDADE ANTIGA 40000

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA CORES

CLASSIFICAÇÃO DA CORES CLASSIFICAÇÃO DA CORES Na nossa vida cotidiana, estamos cercados por cores e as escolhemos regularmente, para nos vestir, decorar nossas casas ou mesmo para comprar um carro. Ter um olhar para as cores

Leia mais

O Guia Emocional das. Cores

O Guia Emocional das. Cores O Guia Emocional das Cores 84,7% dos consumidores acham que a cor é mais importante que muitos outros fatores ao escolher um produto. 1% decidem pelo som ou pelo cheiro 6% decidem pela textura 93% das

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Semblante, Letra e Passagem ao Ato na Psicose 1

Semblante, Letra e Passagem ao Ato na Psicose 1 Semblante, Letra e Passagem ao Ato na Psicose 1 Autor: Sandra Dias 2 Modalidade: Plenária Van Gogh que é sinônimo de estilo e revolucionou o campo das artes, não teve sua ex-sistência instaurada desde

Leia mais

O retrato através da História da Arte

O retrato através da História da Arte ós na ala de Aula - Arte 6º ao 9º ano - unidade 5 Inicie sua aula observando retratos conhecidos da História da Arte e, em seguida, converse com os alunos sobre os retratos na História. Pergunte a eles

Leia mais

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing

Bernard. Gesinas. A sua vida Manga. GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga GESINAS Publishing Bernard Gesinas A sua vida Manga Novela Copyright by GESINAS 1 Gorom-Gorom "Vamos, por favor, eu vou mostrar Gorom- Gorom", gritou o menino a um casal

Leia mais

Edu & cação. A arte é uma brincadeira que emociona

Edu & cação. A arte é uma brincadeira que emociona Edu & cação A arte é uma brincadeira que emociona Da Paz 10Entrevista A artista Rosa Maria Galvão da Paz, que adotou o nome de Da Paz, acredita que a arte pode ajudar as pessoas numa vida mais saudável.

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II DEPARTAMENTO DE DESENHO E ARTES VISUAIS. A Arte Moderna

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II DEPARTAMENTO DE DESENHO E ARTES VISUAIS. A Arte Moderna COLÉGIO PEDRO II CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO II DEPARTAMENTO DE DESENHO E ARTES VISUAIS DOCENTE: COORD. SHANNON BOTELHO TURMA: NOME: NÚMERO: A Arte Moderna A criação e evolução da fotografia no século XIX libertou

Leia mais

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos.

Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Passo a Passo de Maquiagem Maquiagem Rosa e Roxo A partir desta lição, vamos ver alguns tutoriais de maquiagens em fotos. Os tutoriais são apenas de diferentes maquiagens para os olhos, com a pele já preparada.

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219)

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 (pág. 219) Raios de Luz - Alguns filósofos gregos pensavam que nossos olhos emitiam raios que permitiam enxergar os objetos; - Só nos é possível ver quando há luz

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido.

Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. Seu bebê chegou, conte com a gente. 1º mês de vida do recém-nascido. A Fundação Fiat, por meio do Programa Vida Nova, elaborou este material com o intuito de relembrar para as mamães e papais as informações

Leia mais

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão

Estações do Ano. Procedimentos com ArteVerão Estações do Ano Procedimentos com ArteVerão Faixas de Verão (3º Dia) Leia o livro da turma No Verão. Discuta brevemente as coisas que acontecem no verão. Depois distribua folhas de papel branco para que

Leia mais

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do Impressionismo Impressionismo O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX; O termo impressionismo foi imprimido

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1225 RESUMOS DE PROJETOS... 1227 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1235

RESUMOS DE PROJETOS... 1225 RESUMOS DE PROJETOS... 1227 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1235 1224 RESUMOS DE PROJETOS... 1225 RESUMOS DE PROJETOS... 1227 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1235 1225 RESUMOS DE PROJETOS DIFERENÇAS ENTRE CANTO LÍRICO E CANTO POPULAR- ANÁLISE ACÚSTICA VOCAL... 1226 1226

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Planejamento Anual 2014 Religião 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer-se como ser único e especial.

Planejamento Anual 2014 Religião 1º período 2º ano - Ensino Fundamental I. Reconhecer-se como ser único e especial. Religião 1º período 1- Ser humano (único e especial). 2- A identidade do ser humano. 3- Qualidades próprias do ser humano. 4- Caracterização do ser humano (sentimentos, vontades, liberdade e capacidade

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Você, sua família e a doença crônica

Você, sua família e a doença crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - VOCÊ, SUA FAMÍLIA E A DOENÇA CRÔNICA - EDIÇÃO REVISADA 01/2006 Você, sua família e a doença crônica Estamos

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Personagens no Autodesk Sketchbook Pro

Personagens no Autodesk Sketchbook Pro Personagens no Autodesk Sketchbook Pro Humberto Thimoteo da Cunha Descrição da Classe: Uma demonstração de como desenhar, pintar e dar vida aos personagens utilizando o Sketchbook Pro, demonstrando os

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Visagismo. Profa Elaine C. S. Ovalle

Visagismo. Profa Elaine C. S. Ovalle Visagismo Profa Elaine C. S. Ovalle O criador Fernand Aubry, o criador do visagismo, em 1937, deixa claro que se tratava de um conceito. Não é uma técnica "Não existe mulher sem beleza, somente belezas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»DESIGN GRÁFICO (PERFIL 02) «21. No ensino do desenho de observação, qual o maior motivo de principiantes sentirem dificuldades em desenhar rostos humanos? a) Porque rostos humanos

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS CONSULTORIA PEDAGÓGICA: Prof. Dr. Lutiere Dalla Valle Professor da Universidade Federal de Santa Maria atua na formação de professores de artes visuais e artistas

Leia mais

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO

CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO CASOS CLÍNICOS PARA ESTUDO DIRIGIDO Caros alunos, Estou encaminhando estes casos clínicos para estudo dirigido durante as supervisões. Em cada caso abaixo procure definir: 1. Hipóteses diagnósticas 2.

Leia mais

Uso de Cores no Design de Interfaces

Uso de Cores no Design de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Uso de Cores no Design de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

MESTRES DAS ARTES SUPLEMENTO DIDÁTICO. Elaborado por

MESTRES DAS ARTES SUPLEMENTO DIDÁTICO. Elaborado por MESTRES DAS ARTES VINCENT VAN GOGH De Mike Venezia (Formado em Belas-Artes pelo Instituto de Artes de Chicago, EUA. Desde 1978 escreve e ilustra livros sobre arte, música e história para crianças e jovens.

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

A depressão pós-parto:

A depressão pós-parto: Compreendendo a infância A depressão pós-parto: um problema para toda a família Compreendendo a infância é uma série de pequenos textos escritos por experientes terapeutas de crianças na Inglaterra, para

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges

Stephen Grosz. A vida em análise. Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação. Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Stephen Grosz A vida em análise Histórias de amor, mentiras, sofrimento e transformação Tradução: Maria Luiza X. de A. Borges Como podemos ser possuídos por uma história que não pode ser contada Quero

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais