DO CONSTRUÍDO AO DIGITAL: OS ARQUIVOS ARQUITETÔNICOS DO PALÁCIO DO CAMPO DAS PRINCESAS, EM RECIFE PERNAMBUCO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DO CONSTRUÍDO AO DIGITAL: OS ARQUIVOS ARQUITETÔNICOS DO PALÁCIO DO CAMPO DAS PRINCESAS, EM RECIFE PERNAMBUCO BRASIL"

Transcrição

1 v.5, n.1, 2012 ARTIGO DO CONSTRUÍDO AO DIGITAL: OS ARQUIVOS ARQUITETÔNICOS DO PALÁCIO DO CAMPO DAS PRINCESAS, EM RECIFE PERNAMBUCO BRASIL ARRUDA, Anna Karla T. 1 SILVA, Terezinha, J. P. 2 AMORIM, Arivaldo L. 3 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar a experiência da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco FUNDARPE, na reconstituição digital dos arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, sede administrativa do governo estadual, para compor o seu processo de tombamento, enquanto significativo exemplar de valor histórico-arquitetônico do patrimônio material do estado. Com a participação de uma equipe multidisciplinar, com 13 profissionais do Programa de Especialização em Patrimônio da FUNDARPE, nos seis primeiros meses do corrente ano, foi possível finalizar as pesquisas históricas das intervenções realizadas, bem como efetuar os levantamentos arquitetônicos necessários às atualizações da documentação do edifico em questão. Para a representação gráfica do Palácio foram utilizados vários recursos tecnológicos, com destaque para as tecnologias CAD. Os registros foram feitos em meios digitais para, posteriormente, compor a base de dados de aplicativo para gerenciamento eletrônico de documentos que está em elaboração para garantir a manutenção dos arquivos arquitetônicos produzidos. O coroamento do trabalho deu-se através da aprovação pelo Conselho Estadual de Cultura com a aprovação da proposta de tombamento, em julho de PALAVRAS-CHAVE: Documentação gráfica digital. Palácio do Campo das Princesas. Arquivos arquitetônicos. 1 INTRODUÇÃO O vasto acervo arquitetônico destaca-se como um dos principais aspectos do rico patrimônio cultural brasileiro, com conjuntos importantes, como os dos estados da Bahia e de Minas Gerais, o de Parati, no Rio de Janeiro, e os de Recife em Pernambuco. Neste sentido, o presente trabalho apresenta a experiência da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco FUNDARPE, na reconstituição digital dos arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, sede administrativa do governo estadual, para compor o seu processo de tombamento, enquanto significativo exemplar de valor histórico-arquitetônico do patrimônio material do estado. 1 Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco. Diretoria de Preservação Cultural. / 2 Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco. Diretoria de Preservação Cultural Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Arquitetura e Urbanismo. / 3 Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Arquitetura, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Laboratório de Computação Gráfica Aplicada à Arquitetura e ao Desenho. /

2 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil O Palácio do Campo das Princesas foi edificado em 1841 em estilo neoclássico, mas ao longo do tempo foi reconstruído e ampliado em estilo eclético. Em 1859 recebeu uma pomposa decoração para hospedar o Imperador D. Pedro II e sua família o nome atual do Palácio vem dessa época em homenagem às filhas do Imperador. Depois dessa fase áurea, o Palácio sofreu uma ampliação em 1873, quando foi construído na sua parte posterior, mais um pavimento ligado ao prédio principal para servir de residência do governador, e mais dois outros edifícios separados destinados aos serviços gerais. Entre os anos de 1918 e 1922, foram realizadas as maiores modificações com uma ampliação do terceiro pavimento até a fachada principal, e com a demolição dos pequenos prédios anexos. Desde então, o seu conjunto arquitetônico assumiu a configuração volumétrica semelhante a que conhecemos hoje. O desenvolvimento desse trabalho instigou a equipe técnica da FUNDARPE a construir um arcabouço conceitual, quanto à relevância da elaboração e preservação dos arquivos arquitetônicos no âmbito do patrimônio cultural, levando em consideração as tecnologias digitais disponíveis. Para nortear os levantamentos arquitetônicos e a pesquisa histórica necessária a aquisição de dados para compor o processo de tombamento do Palácio do Campo das Princesas, foram observadas as recomendações da legislação estadual vigente, Lei n de 1979 e o Decreto n de 1980, para o tombamento de bens materiais. Durante 17 anos a FUNDARPE efetuou o tombou provisório, pois não dispunha de infra-estrutura para viabilizar os estudos necessários e os registros arquitetônicos existentes estavam desatualizados. Com a participação de uma equipe multidisciplinar, com 13 profissionais do Programa de Especialização em Patrimônio da FUNDARPE, nos seis primeiros meses do corrente ano, foi possível finalizar as pesquisas históricas das intervenções realizadas, bem como concluir as atualizações da sede e anexos do Palácio. Os levantamentos arquitetônicos foram feitos com base nas plantas analógicas existentes e em croquis. Para verificação das medidas foram utilizadas trenas eletrônicas e metálicas. O método adotado no cadastramento arquitetônico incluiu o registro fotográfico do interior e exterior do edifício e digitalização das plantas, cortes e fachadas através do software AutoCAD Na pesquisa histórica, foram utilizadas várias fontes secundárias, mediante o levantamento bibliográfico e iconográfico, em bibliotecas de universidades e fundações: os resultados obtidos na pesquisa iconográfica e documental também auxiliou na identificação das intervenções ocorridas. Os registros feitos em meios digitais comporão a base de dados de aplicativo para gerenciamento eletrônico de documentos que está em elaboração para garantir a manutenção dos arquivos arquitetônicos produzidos. O coroamento do trabalho foi através da aprovação pelo Conselho Estadual de Cultura com a aprovação da proposta de tombamento, em julho de CONSTRUINDO UM ARCABOUÇO CONCEITUAL 2.1 Arquivos arquitetônicos e a conservação do Patrimônio Cultural No âmbito do patrimônio cultural, como relata França et al (2004), a documentação foi utilizada inicialmente como forma de apoiar a preservação, tendo sido a Carta de Veneza, publicada no II Congresso Internacional de Arquitetos em 1964, uma das mais importantes iniciativas nessa direção. Essa carta patrimonial, entre outras recomendações, estabeleceu que os trabalhos de conservação, de restauro e de escavações deveriam sempre ser acompanhados da elaboração de documentação precisa em forma de relatórios, analíticos e críticos, ilustrados por desenhos e fotografias. Desde então, a documentação arquitetônica envolvida nesses procedimentos assumiu um patamar de maior relevância e vem adquirindo novas formas à medida que surgem outras necessidades e a tecnologia computacional disponibiliza novas ferramentas. O registro existente dos bens patrimoniais torna-se de crucial importância sempre que, quer por ação humana errônea, quer por acidentes e catástrofes naturais, é necessário à realização de estudos históricos para sua salvaguarda através do tombamento ou da reconstituição de seus elementos

3 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim compositivos, tanto nos planos bidimensionais como tridimensionais, bem como ornamentos e detalhes das fachadas. Como ressalta Amorim (2007), a impossibilidade da preservação física, pelos diversos motivos apontados, de todos os exemplares arquitetônicos significativos, impõe a necessidade de uma documentação precisa e detalhada, que passa a desempenhar um papel decisivo na salvaguarda desse patrimônio e na preservação de sua memória. Tal documentação além de preservar a memória se constitui em instrumento básico nas ações e projetos de conservação e restauro do patrimônio edificado. Para Pereira (2004), um arquivo arquitetônico consiste na documentação detalhada de edifícios e monumentos, históricos ou de interesse patrimonial, que inclui, além da informação descritiva dos monumentos - a sua história, o estilo, o ano de construção, entre outros dados - o levantamento preciso da sua geometria, sejam eles ambientes interiores ou fachadas, e o registro do seu estado de conservação atual. A criação da documentação arquitetônica ou arquivo arquitetônico é importante sob vários aspectos: 1. os desenhos nele contidos servem de referência sempre que seja necessário fazer alterações ou restauração dos bens; 2. organizam e ordenam dados existentes de um bem, tornando mais simples a reconstituição do seu passado, a sua interpretação e a perpetuação do conhecimento e 3. permitem a visualização e a quantificação da evolução de patologias, em processos investigativos para elaboração de diagnósticos e tomada de decisões para intervenções. Ainda, segundo o mesmo autor, no âmbito da conservação de bens materiais, em que a documentação gráfica tradicionalmente se realizava apenas de forma manual, pode-se contar hoje com recursos tecnológicos avançados que possibilitam o desenvolvimento da documentação gráfica digital para a constituição dos arquivos arquitetônicos. Assim, a luz das tecnologias digitais, pode-se dizer que um arquivo arquitetônico é uma base de dados digital, geométrica e alfanumérica, sobre o patrimônio histórico edificado, permitindo deste modo uma análise virtual do objeto em causa. 2.2 A produção da documentação arquitetônica e as tecnologias digitais Para o propósito de documentação urbano e arquitetônico, Amorim (2007) destaca as várias tecnologias digitais disponíveis, quais sejam: a Topografia Automatizada, a Cartografia Digital, a Modelagem Digital Terreno, a Fotogrametria Digital, os Bancos de Dados Espaciais, os Sistemas de Informações Geográficas, a Modelagem Geométrica Tridimensional, as Tecnologias CAD e o 3D Laser Scanning. Dentre essas, a mais amplamente utilizada em órgãos públicos são as tecnologias CAD, com a qual a partir do desenho técnico se obtém a representação gráfica do objeto em estudo. Contudo, a partir dos estudos elaborados nas universidades e centros de pesquisa, vem crescendo o uso também da Fotogrametria Digital aplicada à elaboração dos arquivos arquitetônicos, imprimindo-lhes mais precisão e riqueza de detalhes. A fotogrametria digital é um processo ótico e numérico que permite extrair das fotografias de um objeto a sua geometria: formas e dimensões, com a qualidade e precisão requeridas. É um método preciso para a documentação de objetos tridimensionais, cujos resultados podem ser modelos tridimensionais do objeto ou imagens ortogonais em escala, restituições ou desenhos em CAD - com ou sem curvas de nível ou pontos cotados, sobre os quais se podem fazer medições de alta precisão. Esses resultados podem ser obtidos em curto espaço de tempo e com um mínimo de contato direto com o objeto em estudo (GROETELAARS, 2004; KOATZ, 2007). Groetelaars (2004) esclarece que, no desenho arquitetônico das fachadas, a restituição fotogramétrica digital compreende o cadastramento de seus elementos arquitetônicos, mediante a produção de fotos retificadas, ortofotos e desenhos executados a partir de fotografias: este processo

4 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil permite corrigir as deformações perspectivas, decorrentes das projeções cônicas, existente nas fotografias, em uma imagem (ortofoto) com as mesmas propriedades de uma vista ortográfica, como as provenientes das projeções cilíndricas ortogonais. Uma vez geradas as ortofotos, no formato raster, é possível inseri-las como pano de fundo em um editor de desenho vetorial, e traçar sobre elas os elementos de interesse. São registradas assim informações dimensionais, espaciais, além de cores, texturas e o ambiente no seu entorno. Segundo Koatz (2007), a aplicação da Fotogrametria Digital na Arquitetura recebeu um notável impulso em direção à simplificação e redução de custos quando os novos softwares passaram a permitir o uso de câmeras fotográficas produzidas pelos fabricantes tradicionais, adquiridas diretamente nas lojas, no lugar das custosas, sofisticadas e raras câmeras métricas, e cujas imagens passaram a ser processadas em computadores pessoais ao invés do emprego de restituidores que custam centenas de milhares de dólares. Isso simplificou as tarefas como o levantamento à mão, com trena e croquis, de edificações cujo grau de complexidade e dimensões dificultaria enormemente a tarefa, evitando interpretações ou interpolações que eventualmente surgem no trabalho realizado à mão. Por outro lado, considerando que comumente as intervenções no patrimônio construído edificado são realizadas ou fiscalizadas pelo poder público, é preciso observar que institucionalmente mui raramente tem-se a praxes de criar e manter seus arquivos arquitetônicos íntegros e atualizados. Conforme Innarelli (2004), a Unesco considera urgente a necessidade de garantir a durabilidade dos documentos digitais, por conta das rápidas obsolescências dos hardwares e softwares e por isso, alerta para que os documentos sejam gravados em sistemas universais. Ainda segundo o autor, os principais agentes causadores de danos nos meios digitais são: variações de temperaturas, alta umidade relativa do ar, tempo de uso da mídia, qualidade da mídia, manipulação inadequada e falha no processo de fabricação do campo magnético. Tal fato leva a necessidade de se montar um sistema de gerenciamento de informações, de modo que, se migrem as informações para outro meio e não se percam. Amorim (2007) considera a documentação arquitetônica como o processo sistemático de aquisição, tratamento, indexação, armazenamento, busca/recuperação, disponibilização e divulgação de dados e informações gráficas e não gráficas, sobre as edificações, para os mais variados fins. Neste sentido, pode-se lançar mão das tecnologias para Gerenciamento Eletrônico de Documentos GED, que alia conceitos de arquivologia e gestão do conhecimento. A gestão de documentos surgiu a partir da necessidade das organizações em gerenciar a informação que se encontrava desorganizada, visando facilitar o acesso ao conhecimento explícito de uma instituição seja ela pública ou privada. Tomando como referência o trabalho de Santos (2002), Lucca et al (2006) considerada os GED como um conjunto de tecnologias utilizadas para assegurar a produção, administração, manutenção e destinação dos documentos, que possibilitam fornecer e recuperar as informações contidas em arquivos eletrônicos, de uma maneira eficiente e mais segura. Assim, dos recursos disponíveis de cada uma e da associação de todas as tecnologias acima descritas, deve-se buscar a sua aplicabilidade para compor e manter os arquivos arquitetônicos, como instrumentos profícuos a preservação documental e memória do patrimônio edificado. 3 A EXPERIÊNCIA DA FUNDARPE 3.1 Caracterização do objeto de estudo A Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco FUNDARPE é o órgão do poder executivo responsável pela formulação, implementação e execução da Política Pública de Cultura de Pernambuco. No que toca a conservação do patrimônio, cabe a Diretoria de Preservação Cultural

5 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim DPC dessa Fundação as ações de salvaguarda e fiscalização para a preservação, restauração, recuperação, conservação e valorização do patrimônio cultural de Pernambuco. Com o presente trabalho apresenta-se a experiência da FUNDARPE, na reconstituição digital dos arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, sede administrativa do governo estadual, para compor o processo de tombamento do imóvel e subsidiar a elaboração do mapa de danos, que orientará as intervenções para preservação do edifício, enquanto significativo exemplar de valor histórico-arquitetônicos do patrimônio material do estado. O Palácio do Campo das Princesas é formado por um volume principal e quatro anexos, e localiza-se na Praça da República no Bairro de Santo Antônio, em Recife PE. Juntamente com o Teatro Santa Isabel, o Palácio da Justiça, o Liceu de Artes e Ofícios e o Rio Capibaribe forma um dos mais valorosos conjuntos arquitetônico-paisagísticos do patrimônio edificado de Pernambuco (FIG. 1). Figura 1: Localização do Palácio dos Campos das Princesas, Recife PE. Fonte: Google Earth, Segundo Guerra (1966), o Palácio do Campo das Princesas foi edificado em 1841 em estilo neoclássico, mas ao longo do tempo foi reconstruído e ampliado em estilo eclético. Em 1859 recebeu uma pomposa decoração para hospedar o Imperador D. Pedro II e sua família o nome atual do Palácio vem dessa época em homenagem às filhas do Imperador (FIG. 2). Figura 2: Pintura de E. Bauch, 1850 com o Palácio do Campo das Princesas à direita e o Teatro Santa Isabel à esquerda. Fonte: Menezes, 1985.

6 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil Depois dessa fase áurea de Paço Imperial, o Palácio sofreu uma ampliação em 1873, quando foi construído na sua parte posterior, mais um pavimento ligado ao prédio principal para servir de residência do governador, e mais dois outros edifícios separados destinados aos serviços gerais (FIG. 3). Figura 3: Litografia, O Palácio do Campo das Princesas à direita e o Teatro Santa Isabel à esquerda. Fonte: Menezes, De acordo com descrições de Menezes (1985), foi entre os anos de 1918 e 1922 que foram realizadas as maiores modificações com uma ampliação do terceiro pavimento até a fachada principal, onde foram instaladas as secretarias de Estado, e com a demolição dos pequenos prédios anexos, anteriormente construídos, dando lugar a um parque-jardim (FIG. 4). A partir de então, o seu conjunto arquitetônico assumiu uma configuração volumétrica semelhante a atual (GUERRA, 1966). Figura 4: Cartão Postal, Fonte: Menezes, O breve histórico aqui apresentado é apenas um recorte do documento elaborado para o processo de tombamento, a fim de contextualizar o leitor na apreciação desse trabalho.

7 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim 3.2 Aspectos Legais do Processo de Tombamento em Pernambuco Conforme a legislação pernambucana estadual, Lei n de 1979 e o Decreto n de 1980, a tramitação do pedido de tombamento envolve a Secretaria de Educação, a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco FUNDARPE, o Conselho Estadual de Cultura e o Governador para homologação final do tombamento, mediante Decreto (FIG. 5). Se viável 1 Requerente 2 SECRETARIO DE 3 EDUCAÇAO FUNDARPE Encaminha solicitação ao Secretário de Educação Analisa a solicitação Abre o Processo Notifica o Proprietário Publica no Diário Oficial e em jornais locais Realiza Exame Técnico Emite Parecer Conclusivo Se aprovado 4 SECRETARIA_DE 5 Conselho Estadual de 6 EDUCAÇAO Cultura Encaminha o Processo para o Conselho Estadual de Cultura Analisa e baixa a Resolução SECRETARIA_DE EDUCAÇAO Toma Conhecimento Encaminha para homologação pelo Governador 7 GOVERNADOR Decreta o Tombamento Publica no Diário Oficial 8 SECRETARIA_DE EDUCAÇAO Encaminha ao Conselho para Registro 9 Conselho Estadual de Cultura Registra no Livro de Tombo Comunica ao IPHAN, ao Prefeito do Município e ao Cartório de Registro Geral de Imóveis 10 SECRETARIA_DE EDUCAÇAO 11 FUNDARPE Encaminha à FUNDARPE para Arquivamento Arquiva o processo Monitora o Bem Figura 5: Diagrama das Etapas para Tombamento de Bem Cultural, Pernambuco. Elaboração: Celia Campos, Diretoria de Preservação Cultural. Fonte: Folder de divulgação do Festival de Inverno de Garanhuns, 2008.

8 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil Segundo a Lei Municipal n e seu Decreto n , o Palácio do Campo das Princesas ou Palácio do Governo está situado na Zona de Preservação Rigorosa 1 (FIG. 6). O fato de estar em área de preservação e com boa parte das edificações vizinhas tombadas, levou muitas pessoas a considerá-lo como já sendo um bem tombado. Tal interpretação é encontrada em algumas referências bibliográficas que apresentam esse equívoco. ZPR - 1 Figura 6: Planta 10/31: Zona de Preservação Rigorosa 1. Fonte: Plano de Preservação Sítios Históricos, Prefeitura da Cidade do Recife,1981. Para atender ao que regulamenta o Decreto n já citado, em seus Artigos 5 e 14, as propostas de tombamento necessitam de fundamentação documental que descreva a exata caracterização do bem, sua delimitação, localização e proprietário. Os documentos para embasamento de parecer técnico compreendem informações escritas, gráficas e fotográficas. Quanto maior o nível de detalhamento das informações sobre o bem a ser tombado, mais facilitará a sua manutenção e restauração. Segundo Mindêlo (2008), desde o período do governo de Joaquim Francisco, em 1991, foi iniciado o processo de tombamento. Apesar da expertise inerente a equipe técnica da Diretoria de Preservação Cultural da FUNDARPE, a demora para o fechamento do processo decorreu da falta de infraestrutura e recursos tecnológicos adequados à produção dos arquivos arquitetônicos correspondentes ao edifício do Palácio. No atual governo, foi montado o Programa de Especialização em Patrimônio PEP, através do qual foram contratados treze profissionais das áreas de biblioteconomia, história, turismo, engenharia civil e arquitetura, e também foram adquiridos equipamentos e softwares para renovar e atualizar o parque de informática da DPC. Esta equipe multidisciplinar juntamente com os demais técnicos da Diretoria desenvolveu todo o trabalho de documentação arquitetônica do Palácio seus anexos, no período de seis meses, para vencer a fase de análise do processo. Finalmente, depois de 17 anos, com a conclusão do parecer técnico apresentado pela FUNDARPE ao Conselho Estadual de Cultura, o tombamento do conjunto foi aprovado em julho de 2008.

9 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim 3.3 O Processo de Reconstituição dos Arquivos Arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas Dos arquivos arquitetônicos existentes do Palácio do Campo das Princesas foi identificada uma documentação formada por plantas, cortes e fachadas, disponíveis apenas em meio analógico, desatualizadas sem a indicação do momento ou a que intervenção corresponderiam. Suas medidas e os elementos representados não correspondiam ao existente. Esta situação constituiu-se em um óbice para dar continuidade ao processo de tombamento, que foi superado ao buscar-se os dados em sua fonte primária: o próprio edifício do Palácio. Os levantamentos arquitetônicos do Palácio e seus Anexos foram feitos com base nas plantas analógicas existentes e em croquis, no caso das edificações sem plantas. Para verificação das medidas foram utilizadas trenas eletrônicas e metálicas. O método adotado no cadastramento arquitetônico incluiu o registro fotográfico do interior e exterior do edifício. Para a tomada fotográfica foi utilizada uma câmara digital Sony CiberShot DSC S90, como 4.1 megapixeis de resolução máxima e distância focal variando de 6 a 18 mm. Em função desses procedimentos, foi observada uma série de problemas no estado de conservação do edifício, como, por exemplo, alterações e descaracterização dos pisos, infiltrações ascendentes e descendentes provenientes de tubulações das redes hidro-sanitárias lançadas em locais inadequados, ataque de insetos como cupins a piso e esquadrias, oxidação de ferragens de balaustres e cornijas, entre outros. Com a documentação produzida será elaborado o Mapa de Danos, de modo que localize, quantifique e estabeleça os procedimentos técnicos de correção desses problemas. Na pesquisa histórica, foram utilizadas várias fontes secundárias, mediante o levantamento bibliográfico e iconográfico, em bibliotecas de universidades e fundações, observando-se a existência de um rico acervo sobre esse bem. Os resultados obtidos na pesquisa iconográfica e documental também auxiliou nas interpretações e identificações das intervenções ocorridas: dependendo do ângulo e qualidade das imagens foi possível analisar os acréscimos do edifício e seu entorno, cores e ornatos, entre outros. Com os dados coletados, o grupo de arquitetos do Programa de Especialização em Patrimônio, da Diretoria de Preservação Cultural, desenhou em meio digital o asbuilt do palácio, utilizando para isso o software AutoCAD, versão Para a elaboração dos registros da documentação arquitetônica foram seguidas as normas de desenho técnico recomendadas pela NBR 8403, NBR (MONTENEGRO, 2002), além das instruções da própria FUNDARPE, pertinentes a composição do processo de tombamento. Devido à extensão da área de terreno do Palácio e seus anexos foi representada, nas plantas baixas, uma localização esquemática dos edifícios, para facilitar sua identificação e vizinhança. Para efeito de caracterização dos ambientes, as plantas permitiram descrever a organização dos espaços voltados para o pátio central e jardins laterais (FIG. 7). As fotografias digitais também foram utilizadas como recurso para captação dos detalhes das fachadas (FIG. 8). As imagens foram vetorizadas sem a correção das distorções produzidas pela fotografia, observando-se apenas havendo um ajuste de suas proporções em relação à representação gráfica das fachadas, uma vez que, no momento, a FUNDARPE não dispõe de recursos tecnológicos para aplicar as técnicas de Fotogrametria necessárias à produção de ortofotos.

10 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil Figura 7: Palácio do Campo das Princesas - Planta Baixa do Pavimento Térreo. Fonte: FUNDARPE, Figura 8: Vetorização de detalhes das esquadrias do Corpo da Guarda. Fonte: Programa de Especialização em Patrimônio, FUNDARPE 2008.

11 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim Em relação aos Cortes, além do registro das medidas de alturas dos elementos, também foram elaborados os detalhes das iluminações zenitais e a identificação dos acréscimos verticais citados na pesquisa histórica (FIG. 9). Já nas Fachadas foi possível também marcar as alterações dos acréscimos realizados, além da possibilidade se analisar a gramática compositiva utilizada (FIG. 10). Figura 9: Palácio do Campo das Princesas Corte. Fonte: FUNDARPE, Figura 10: Palácio do Campo das Princesas - Fachada Sul. Fonte: FUNDARPE, Por fim, os arquivos arquitetônicos produzidos, bem como toda documentação do processo de tombamento serão disponibilizados no GED PATRIMÔNIO, o gerenciador de documentos eletrônicos sobre o acervo do patrimônio de Pernambuco que está em elaboração, e que deverá ser lançado no segundo semestre do ano em curso no Portal FUNDARPE para disponibilização a toda sociedade.

12 Do construído ao digital: os arquivos arquitetônicos do Palácio do Campo das Princesas, em Recife Pernambuco Brasil 4 CONCLUSÃO O artigo ora apresentado discutiu a relevância da documentação arquitetônica nas ações de salvaguarda do patrimônio cultural edificado, a partir da experiência da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, explicitando as dificuldades em instituição pública de produzir e manter seus arquivos arquitetônicos preservados. Com os trabalhos desenvolvidos para a reconstituição da documentação arquitetônica do Palácio do Campo das Princesas, a partir da sua representação gráfica, para fins de tombamento, a FUNDARPE teve a oportunidade de conhecer e refletir sobre a importância da adoção de tecnologias digitais nas várias etapas de elaboração dos arquivos arquitetônicos, no seu armazenamento em uma base de dados sólida e consistente, e na sua disponibilização sempre que seja necessária a sua atualização. O desafio, de agora por diante, é tornar esse procedimento uma praxes, ampliando e aprimorando cada vez mais os recursos tecnológicos e o knowhow da FUNDARPE para garantir a preservação do acervo a ser formado, perpetuando a memória do patrimônio cultural de Pernambuco. AGRADECIMENTOS Nossos agradecimentos a todos que fazem a Diretoria de Preservação Cultural FUNDARPE: profissionais do Programa de Especialização em Patrimônio PEP e aos funcionários do quadro pela oportunidade de refletir sobre esta experiência, e também ao Prof. Arivaldo Leão Amorim do Laboratório de Computação Gráfica Aplicada à Arquitetura e ao Desenho LCAD, do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFBA, pelas valiosas contribuições nas discursões quanto as potencialidades de aplicação das tecnologiais digitais a favor da preservação do patrimônio. REFERÊNCIAS AMORIM, Arivaldo Leão. Documenting Architectural Heritage in Bahia Brazil, Using Digital Technologies. In: INTERNATIONAL CIPA SYMPOSIUM, 21. Anais... Athens, Disponível em: < Acesso em: 05 maio CÔRTES, Marta Amorim, AMORIM, Arivaldo Leão. Restituição Fotogramétrica Digital das Fachadas do Pelourinho, Salvador Bahia, Brasil. In: IBEROAMERICAN CONGRESS OF DIGITAL GRAPHICS, , México. Proceedings... México: SIGraDi, p Disponível em: < sigradi2007_af77.content.pdf>. Acesso em: 13 jun FRANÇA, Marina Lamounier, ALBUQUERQUE, Arnaldo de, SOUZA, Luiz A. C. GIS em Diagnóstico, Planos de Intervenção e Monitoramento do Estado de Conservação de Bens Culturais Móveis e Integrados. Estudo de Caso: Portada da Igreja de São Francisco de Assis, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. In: GIS BRASIL: SHOW INTERNACIONAL DE GEOTECNOLOGIAS, 10., 2004, São Paulo. Anais Eletrônicos... São Paulo, p. 1 CD-ROM GUERRA, Flávio. De Friburgo ao Campo das Princesas: nota histórica dos palácios de governo em Pernambuco. Recife: Governo do Estado de Pernambuco, Casa Civil, p. GROETELAARS, Natalie Johanna. Um estudo da fotogrametria digital na documentação de formas arquitetônicas e urbanas p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) Universidade Federal da Bahia, Salvador, INNARELLI, Humberto Celeste. Iniciativas de preservação digital. Documentos digitais e sua fragilidade em relação ao suporte. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE BIBLIOTECAS DIGITAIS, 2. Anais Acesso em: 28 de jun

13 Anna Karla T. Arruda; Terezinha, J. P. Silva; Arivaldo L. Amorim KOATZ, Gilson Dimenstein. Documentação e Produção de Informação Tridimensional para a Pesquisa em Arquitetura, Urbanismo e Arqueologia. Programa de Pós-Graduação em Urbanismo - FAU/UFRJ. In: SOCIEDAD IBEROAMERICANA DE GRÁFICA DIGITAL SIGRADI. Anais Disponível em: < Acesso em: 13 jun LUCCA, Giana, CHARÃO, Andrea Schwertner, STEIN, Benhur de Oliveira. Projeto de uma ferramenta para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Arquivísticos baseada em Software Livre. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO, 26. Anais Disponível em: < Acesso em: 12 jul MENEZES, José Luiz Mota, REINAUX, Marcílio Lins. Palácio do Campo das Pricesas. Recife: Pool Editora, MINDÊLO, Olívia. Um Palácio para a eternidade. Jornal do Commercio, Recife, 27 jul Caderno C. p.6. MONTENEGRO, Gildo A. Desenho Arquitetônico. 4. ed. São Paulo: Edgard Blücher, PEREIRA, Zulmira. S., MORGADO, Ana. M., GONÇALVES, José. A. Elaboração de um Arquivo Arquitectónico inserido num Modelo Tridimensional Urbano. In: ENCONTRO DE UTILIZADORES DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA, 7. Anais... Lisboa, Disponível em: < servicos/cdi/biblioteca/publicacoesigp_files/esig_2004/p093.pdf>. Acesso em: 05 maio PERNAMBUCO. Constituição. Lei n 7.970, de 18 de setembro de Institui o tombamento de bens pelo estado. Disponível em: < Acesso em: 23 maio Decreto n 6239, de 1 de janeiro de Regulamenta a Lei n Disponível em: < Acesso em: 23 maio 2008.

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

LEVANTAMENTO FOTOGRAMÉTRICO DE MONUMENTOS E DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Pág.: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO A fotogrametria é um método de levantamento baseado na observação do mesmo objecto de dois ou três ângulos diferentes, possibilitando a reconstituição de uma imagem espacial a

Leia mais

Restituição Fotogramétrica Digital Das Fachadas Do Pelourinho, Salvador Bahia, Brasil / Digital Photogram-

Restituição Fotogramétrica Digital Das Fachadas Do Pelourinho, Salvador Bahia, Brasil / Digital Photogram- Restituição Fotogramétrica Digital Das Fachadas Do Pelourinho, Salvador Bahia, Brasil / Digital Photogram- in Salvador - Bahia, Brazil metric Restitution of the Pelourinho s Façades, Marta Amorim Côrtes

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

TÉCNICAS DE RECONSTITUIÇÃO E DE RESTITUIÇÃO DIGITAL DE FACHADAS EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS: ESTUDOS DE CASOS

TÉCNICAS DE RECONSTITUIÇÃO E DE RESTITUIÇÃO DIGITAL DE FACHADAS EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS: ESTUDOS DE CASOS Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 143-148 Copyright 2007 AERPA Editora TÉCNICAS DE RECONSTITUIÇÃO E DE RESTITUIÇÃO DIGITAL DE FACHADAS EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS:

Leia mais

Integração Laser Scanner - BIM

Integração Laser Scanner - BIM Fernando Cesar Ribeiro Toppar Engenharia de Levantamentos Marcelo Nepomuceno Uso da nuvem de pontos geradas em levantamentos por Laser Scanner para modelagem de geometria e informações para construção

Leia mais

Preservação de Acervos Digitais

Preservação de Acervos Digitais Preservação de Acervos Digitais Humberto Celeste Innarelli Analista de Desenvolvimento de Sistemas e Administrador de Rede do Sistema do Arquivo Central do Arquivos da UNICAMP Professor da área de Tecnologia

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO Editar dados em vários formatos e armazenar estas informações em diferentes sistemas é provavelmente uma das atividades mais comuns para os profissionais

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS)

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) APRESENTAÇÃO Este Manual

Leia mais

DECLARAÇÃO DO MÉXICO

DECLARAÇÃO DO MÉXICO DECLARAÇÃO DO MÉXICO No encerramento IV FÓRUM IBERO-AMERICANO DA AVALIAÇÃO DE DOCUMENTOS, realizado na cidade de México D.F., no período de 23 a 25 de maio de 2012, os membros do Grupo da Reflexão do Projeto

Leia mais

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1

Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 MEMÓRIA. JOÃO PESSOA.BR INFORMATIZANDO A HISTÓRIA DO NOSSO PATRIMÔNIO Maria Berthilde Moura Filha Isabel van der Linden Pautília Costa Alves Cavalcanti 1 RESUMO Este projeto de extensão desenvolvido junto

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

2.2.3 Casos de Imóveis preservados

2.2.3 Casos de Imóveis preservados 2.2.3 Casos de Imóveis preservados Em Sorocaba o tombamento municipal é a base da política de preservação adotada em nível local. Em entrevista para o Jornal Cruzeiro do Sul a presidente do CMDPH, Maria

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Relatório da prática/proposta

Relatório da prática/proposta Relatório da prática/proposta 1.Nome da pratica/ proposta inovadora: Projeto de Digitalização de Imagens Radiológicas na Rede Pública de Saúde de Naviraí 2.Caracterização da situação anterior: O município

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE GED PALESTRANTE: MIRIAN DIAS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE GED PALESTRANTE: MIRIAN DIAS IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE GED PALESTRANTE: MIRIAN DIAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. ARQUIVOS DE PROCESSOS JURÍDICOS 3. OBJETIVOS 4. CENÁRIO 5. ETAPAS 6. DIFICULDADES ENCONTRADAS DURANTE A IMPLANTAÇÃO 7. IMPACTOS

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

cartilha noções básicas de arquivo

cartilha noções básicas de arquivo cartilha noções básicas de arquivo 1 cartilha noções básicas de arquivo Organização: Ana Lúcia da Silva do Carmo Júnia Terezinha Morais Ramos 2015 Você sabia que a Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 Informática Prof. Macêdo Firmino Introdução a Informática Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 25 O Que é um Computador? É uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais

ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS

ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS 1 ESPAÇOS CONCEITUAIS VIRTUAIS Uso de tecnologias computacionais como ferramentas auxiliares no processo projetual e de análise de espaços arquitetônicos e urbanos. Luciene Pessotti de Souza Departamento

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE GED. MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br. VILDEANE BORBA vildeane.borba@gmail.com UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS GED MÁJORY MIRANDA majory.oliv@ufpe.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV

O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV O INVENTÁRIO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO DE QUALIDADE PARA CENTROS URBANOS DE INTERESSE DE PRESERVAÇÃO. Inventário do Sítio Urbano da Praça XV Rosina Trevisan M. RIBEIRO Arquiteta, D. Sc., Professora do

Leia mais

APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO

APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA DO ANTIGO HOTEL SETE DE SETEMBRO Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.4, pp. 210-214 Copyright 2007 AERPA Editora APLICAÇÃO DE SOFTWARE DE MODELAGEM PARA RESTAURAÇÃO DE BENS IN- TEGRADOS O CASO DA ESCADARIA

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Entrevista: Portal Domínio Público UNESCO Ministério da Educação Brasília 2006 Artigo publicado, em 06 de dezembro de 2006, no Observatório da Sociedade

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF.

CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. CORREÇÂO - ESAF Concurso Público: Assistente Técnico-Administrativo - ATA - 2012 Provas 1 e 2 Gabarito 1 ARQUIVOLOGIA PROF. RODRIGO BARBATI ARQUIVOLOGIA 21- São gêneros documentais encontrados nos arquivos,exceto:

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Aplicativo para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Trabalho de Conclusão de Curso Vera Lúcia Kamiroski Orientador: Paulo Roberto Dias 13/12/2004 1 Roteiro Introdução Objetivos do Trabalho Arquivística

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1 Ficha técnica do material Autor: Humberto Celeste Innarelli Origem: Apostila Preservação de Documentos Digitais Páginas: 24 a 28 Mês/Ano: 12/2003 Entidade promotora do curso: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013.

Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA ARQUIVO NACIONAL Ordem de Serviço nº 003/2013, de 25 de setembro de 2013. O DIRETOR-GERAL DO ARQUIVO NACIONAL, no uso de suas atribuições, previstas no art. 45 do Anexo I do Decreto

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 16/IN01/DSIC/GSIPR 00 21/NOV/12 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA DESENVOLVIMENTO E OBTENÇÃO DE SOFTWARE

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Paulo Ferreira da Costa Divisão do Património Imóvel, Móvel e Imaterial / Departamento dos Culturais 1.º Seminário

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 419, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Patrimônio virtual e história digital: essência e representação FOTOGRAMETRIA DE CURTA DISTÂNCIA E DIGITALIZAÇÃO POR LASER 3

Patrimônio virtual e história digital: essência e representação FOTOGRAMETRIA DE CURTA DISTÂNCIA E DIGITALIZAÇÃO POR LASER 3 Patrimônio virtual e história digital: essência e representação FOTOGRAMETRIA DE CURTA DISTÂNCIA E DIGITALIZAÇÃO POR LASER 3 Gilson Dimenstein Koatz, DSc, Laboratório de Análise Urbana e Representação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.381 Institui Regime Especial para dispensa da guarda e arquivo das Notas Fiscais de Serviços, condicionada à guarda e ao arquivo, pelo período decadencial, dos respectivos

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 232/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 232/2013 Aprova a Norma Complementar de Procedimentos para Inventariar Ativos de Tecnologia da Informação. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar.

Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar. TEXTO 05 Pinhal Digital 2: a caminho de uma atividade transdisciplinar. Clarissa Ribeiro Pesquisadora do Nomads.USP Núcleo de Estudos sobre Habitação e Modos de Vida, Escola de Engenharia de São Carlos,

Leia mais