SEMINÁRIO INTERNACIONAL - MECANISMOS FINANCEIROS E O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TECNOLÓGICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEMINÁRIO INTERNACIONAL - MECANISMOS FINANCEIROS E O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TECNOLÓGICOS"

Transcrição

1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL - MECANISMOS FINANCEIROS E O DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TECNOLÓGICOS Tema III: A vinculação acadêmico-empresarial no processo de desenvolvimento tecnológico nacional: - dimensão financeira da relação universidades-centros de pesquisa empresariais Expositor: José Carlos Moreira da Silva - IBICT/CNPq/MCT Poderíamos até resumir a expressão deste Tema no simples binômio Integração universidade-empresa, pois nos círculos acadêmicos, científicos e governamentais brasileiros, esta é a síntese de um permanente objetivo, extremamente relevante, desejado e prioritário, em todos os níveis e instâncias dos agentes responsáveis pela Política de Ciência e Tecnologia do País. Entretanto, apesar de toda a preocupação e relevância atribuída ao assunto, a sociedade está sempre insatisfeita com os níveis de realização que vão sendo alcançados no escopo deste objetivo e podemos convir inclusive, não fosse o esforço e idealismo desenvolvido pelo terceiro agente, isto é, o governo, os níveis desta integração seriam ainda bem menores no Brasil. A dificuldade é até bastante compreensível, na medida em que analisarmos o contexto auto-contido de cada um desses três segmentos, o acadêmicocientífico, o produtivo e o governamental: Cada um deles vivencia o seu próprio gigantismo e objetivos imediatos do seu próprio modus-vivendi, observando o problema sempre a partir da própria ótica e não através de uma visão conjunta e integrada. Para resumir, pode-se considerar que: O governo considera que os dois segmentos, Acadêmico-Científico e Produtivo devem se procurar sempre em demanda de um sempre evolutivo processo produtivo básico (PPB) para a indústria, cujos produtos e serviços devem sempre incorporar maior valor agregado em conquistas tecnológicas. Dentro desta visão, seria irrefutável o interesse do segmento produtivo e, por outro lado, interesse equivalente deveria haver no segmento acadêmico-científico, posto que, além do seu engajamento na vida profissional, ver os resultados de seus estudos e pesquisas convertidos em utilidades prática para a sociedade, constitui seu fundamento e lugar comum.

2 Mas se é tudo assim tão lógico e convergente, porque na prática a coisa não funciona, ou pelo menos deixa a desejar? - A resposta está certamente nas palavras competitividade, qualidade e produtividade, não no seu conteúdo de simples idealismo, mas na necessidade incoercível imposta pela própria sobrevivência. - É precisamente este momento da vida econômica e social que caracteriza as sociedades do 1º mundo e é preciso também convir que países como o Brasil e outros da América Latina são emergentes de uma economia eminentemente doméstica, que até aqui têm vivido em berço esplêndido no casulo do mercado interno e na proteção alfandegária. Na verdade a necessidade vem primeiro e a solução depois. Portanto, sem as pressões da competitividade exarada da nivelação das barreiras alfandegária, tão comum nos blocos econômicos emergentes, essa pressão maior de peso internacional que parece estuprar no bom sentido as economias mais bucólicas do nosso terceiro mundo, estão certamente despertando o nosso empresariado e inevitavelmente levando-o a optar pela parceria com o conhecimento, com a ciência e com a tecnologia. Por outro lado, o graduando, mestrando ou doutorando, não pode mais viver exclusivamente do academicismo do seu próprio contexto. Há que mentalizar permanentemente o cabimento produtivo da sua aplicação, já respirando desde as arcadas, a conscientização e o pensamento produtivoempresarial. Concluindo estas considerações, podemos parabenizar agora todos aqueles setores governamentais ligados à administração e ao fomento da ciência e da tecnologia: - seus esforços não terão sido em vão! - Eles agora vicejarão, pois passam a ter um grande aliado, - a evolução dos tempos, o encurtamento das distâncias, - a integração mundial, - a própria necessidade. =========== \\ =========== O CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, representa indubitavelmente um dos baluartes do Sistema de Ciência e

3 Tecnologia (C&T) brasileiro. A sua Diretoria de Unidades de Pesquisa coordena 10 institutos de pesquisa, dentre eles o IBICT, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, e a sua Diretoria de Programas Especiais - DPE, desenvolveu e está operacionalizando 9 programas temáticos, dentre os quais, cinco foram concebidos e estão totalmente comprometidos com a essência do nosso Tema, ou seja, com a INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA, A SABER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O DESEN VOLVIMENTO TECNOLÓGICO RHAE 1. O QUE É O RHAE VISA CONSOLIDAR A COMPETÊNCIA TECNOLÓGICA NAS INSTITUIÇÕES, PELA CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HU- P/ O DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO-INDUSTRIAL EM ÁREAS ESTRATÉGICAS, FAVORECENDO A GERAÇÃO ABSORÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRODUTOS, PRO- CESSOS, METODOLOGIAS, GESTÃO E INFRA-ESTRUTU- RA DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS. 2. PÚBLICO ÁLVO ATENDE PROJETOS APRESENTADOS POR: EMPRESAS, CENTROS DE P&D E UNIVERSIDADES, EM COOPERAÇÃO. ENTIDADES PÚBLICAS, TÉCNICAS OU DE CLASSE COM PROJETOS DE INTERESSE P/ SETORES PRIORITÁRIOS. 3. INSTRUMENTOS: BOLSAS DE FOMENTO TECNOLÓGICO

4 PROGRAMA TEMÁTICO MULTI- INSTITUCIONAL EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO - ProTem-CC OBJETIVO: VISA APROXIMAR O SEGMENTO CIENTÍFI- CO E A INDÚSTRIA DE INFORMÁTICA, INDUZINDO A COOPERAÇÃO DA ACADEMIA NO ESFORÇO INDUSTRIAL DE P&D, ESTIMULANDO A PARCERIA ENTRE EMPRSAS, UNIV. E CENTROS DE PESQUISA. CRIA TAMBÉM PRO- GRAMAS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO P/ SUPRIR AS NECESSIDADES DO SETOR INDUSTRIAL. ACESSO DA COMUNIDADE: PROJETOS COOPERATIVOS QUE ATENDAM A EDITAIS CONVOCATÓRIOS EM UMA DAS 13 ÁREAS PRIORITÁRIAS DO PROGRAMA. INSTRUMENTOS UTILIZADOS: BOLSAS DE FOMENTO TECNOLÓGICO E AUXÍLIOS A PROJETOS DE PESQUISA

5 PROGRAMA BIOTECNOLÓGICO DE APOIO À COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DA AGRICUL TURA BRASILEIRA - BIOEX OBJETIVO: APOIAR SETORES DA AGRICULTURA PARA VIABILIZAR SUAS COMPETITIVIDADES, DESENVOLVEN DO BIOTECNOLOGIA QUE BUSQUE A MELHORIA DA QUALIDADE, REDUÇÃO DE CUSTOS E A CONQUISTA DE NOVOS MERCADOS, ALÉM DE CONTRIBUIR P/ A DEFI NIÇÃO DE UMA POLÍTICA EXPLÍCITA, FORMAL, ORGÂ NICA E ARTICULADA P/ A BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA. PÚBLICO ALVO: PROGRs. COOPERATIVOS ESTRATÉGI COS DE UNIV.. E CENTROS PÚBLICOS DE P&D; ENTIDA DES TECNOLÓGICAS SETORIAIS E ESFORÇOS EM BIO TECNOLOGIA DE PONTA. SUBPROGRs. VERTICAIS: CACAU, CAFÉ, CITROS, CANA, FRUTICULTURA, MAÇÃ, SOJA E REFLORESTAMENTO. SUBPROGRs. HORIZONTAIS: MUDAS MICROPROPAGA DAS, INOCULANTES E DEFENSIVOS BIOLÓGICOS.

6 PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE E DIFU SÃO TECNOLÓGICA - PCDT 1. OBJETIVO: BUSCA INSERIR O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NO PROCESSO DA EVOLU ÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL DO PAÍS, DENTRO DE PA DRÕES DE QUALIDADE E COMPETITIVIDADE EM SETO RES PRIORITÁRIOS P/ A POLÍTICA INDUSTRIAL E DE CO MÉRCIO EXTERIOR, EM PARTICULAR OS PRECONIZADOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DE QUALIDADE E PRODU TIVIDADE PBPQ E PELO PROGRAMA DE APOIO À CAPA CITAÇÃO TECNOLÓGICA DA INDÚSTRIA - PACTI. 2. PÚBLICO-ALVO: EMPRESAS, CENTROS DE P&D E UNI VERSIDADES, ISOLADAMENTE OU EM COOPERAÇÃO; INSTITUIÇÕES PÚBLICAS E ENTIDADES TÉCNICAS OU DE CLASSE C/ PROJETOS DE INTERESSE ESTRATÉGICO.

7 PROGRAMA NACIONAL DE SOFTWARE PARA EXPOR- TAÇÃO - SOFTEX 2000 OBJETIVO: VISA TRANFORMAR O BRASIL NUM PAÍS EXPORTADOR DE SOFTWARE, EM PARCERIA C/ O SE TOR ACADÊMICO, ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS FACILITANDO, P/ EMPRESAS NACIONAIS, A CONQUIS TA DE 1% DO MERCADO MUNDIAL ATÉ O ANO DESCENTRALIZAÇÃO: ENTIDADES INTERESSADAS A GREGAM-SE A UM DOS 18 NÚCLEOS DE DESENVOLVI MENTO, DISTRIBUIDOS EM 18 CIDADES, QUE DISPÕEM: ACESSO A SERVIÇOS DO ESCRITÓRIO NOS E.U.A.; BOLSAS P/ ESTÁGIO EM MARKETING NO EXTERIOR; BOLSAS P/ PESSOAL DE DESENV. E ESPEC.VISITANTE INCUBADORA P/ EMPRESAS NOVAS E NASCENTES; PLENA CONEXÃO EM REDE VIA INTERNET E R.N.P.; ESTAÇÕES DE TRAB. UNIX E REDE NOVELL C/ FERRA MENTAS DE DESENVOLVIMENTO E TESTE. OS INCENTIVOS FISCAIS

8 Um importante instrumento no esforço do governo para promover a integração universidade-empresa é representado pelos incentivos fiscais ao investimento do empresariado em projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) conjuntos, com centros de pesquisa e laboratórios universitários. Entretanto, na operacionalização desses incentivos, isto é, isenção de impostos concedida na aquisição no mercado nacional ou importação de bens e serviços de interesse das empresas beneficiárias, quando, como contrapartida à concessão desses incentivos, o governo exigia o investimento em projetos conjuntos de P&D, via-se boa parte do empresariado com imensa dificuldade de, não só se interessar mas também sem qualquer idéia ou iniciativa quanto a objetos de investimento. Como exemplo, na época da reserva de mercado para a indústria de informática, quando o empresariado do Setor devería mais do que nunca aproveitar o imenso benefício da reserva e ainda por cima incentivos fiscais em seus projetos de desenvolvimento e de fabricação, mesmo assim não se envolvia com ambições de conquistas tecnológicas aproximando-se do segmento acadêmico-científico. O empresariado do Setor aceitava de bom grado, é lógico a renúncia fiscal concedida. Mas na hora de, em contrapartida submeter projetos conjuntos de P&D, negligenciava ou memo vinha solicitar ao pessoal da extinta SEI (Secretaria Especial de Informática), que lhes sugerisse quais projetos poderia pensar em desenvolver e com quais centros de pesquisa e/ou universidades. E foi exatamente através do órgão sucedâneo à SEI, a SEPIN, Secretaria de Política de Informática e Automação, que surgiu a idéia da MOBILIZAÇÃO ESTRATÉGICA, isto é, Já que é obrigação da empresa beneficiária dos incentivos concedidos, apresentar como contrapartida projetos conjuntos de pesquisa cujo valor devería corresponder a um percentual sobre o montante dos incentivos, e se ela não queria ou não dispunha de uma idéia de projeto a ser desenvolvido, que associase-se então a um dos Programas Temáticos.

9 OS INCENTIVOS FISCAIS, OS PROGRAMAS TEMÁTICOS E A MOBILIZAÇÃO ESTRATÉGICA LEI 8010/90 LEI 8032/90 EM CONTRAPARTIDA AOS INCENTIVOS RECEBIDOS, OS BENEFICIÁRIOS OBRI- GAM-SE A INVESTIR EM P&D. NÃO TENDO PROJETO PRÓ PRIO ASSOCIAM-SE AOS PROGRAMAS TEMÁTICOS LEI 8248/91 LEI 8661/93 OUTRAS LEIS DE INCENT.

10 HOME PAGE DO CNPq BOLSAS HOME PAGE DO CNPq OUTROS CUS- TEIO HOME PAGE DO CNPq GUIA DE FONTES FINANCEI RAS HOME PAGE DO CNPq

11 A MISSÃO DO IBICT Promover condições para o desen volvimento continuado da oferta competitiva, em nível internacio nal, de produtos e serviços oriun dos da indústria nacional de infor mação, que satisfaçam as necessi dades dos usuários de informação em ciência e tecnologia.

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

O papel das agências de fomento científico e tecnológico na promoção de ambientes de inovação

O papel das agências de fomento científico e tecnológico na promoção de ambientes de inovação I Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Agosto 2004 O papel das agências de fomento científico e tecnológico na promoção de ambientes de inovação Manoel Barral Netto Diretor de Programas

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

o Fomento Público Federal

o Fomento Público Federal Seminário Biotecnologia e Inovação: Programas de Inovação e Incubadoras de Base Biotecnológicas Manaus, novembro de 2009 Algumas informações sobre o Fomento Público Federal Marcio de Miranda Santos Diretor

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO EMPREENDEDORISMO ACADÊMICO NA COPPE/UFRJ: uma análise sobre a influência do ambiente institucional no perfil dos spin-offs criados

A EVOLUÇÃO DO EMPREENDEDORISMO ACADÊMICO NA COPPE/UFRJ: uma análise sobre a influência do ambiente institucional no perfil dos spin-offs criados A EVOLUÇÃO DO EMPREENDEDORISMO ACADÊMICO NA COPPE/UFRJ: uma análise sobre a influência do ambiente institucional no perfil dos spin-offs criados Thiago Borges Renault Marcus Vinícius de Araujo Fonseca

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

TEMA: Uso Democrático da Ciência para a Transformação Social e Econômica do Brasil. Prof. Arquimedes Diógenes Ciloni SCUP/MCTI

TEMA: Uso Democrático da Ciência para a Transformação Social e Econômica do Brasil. Prof. Arquimedes Diógenes Ciloni SCUP/MCTI TEMA: Uso Democrático da Ciência para a Transformação Social e Econômica do Brasil Prof. Arquimedes Diógenes Ciloni SCUP/MCTI AUDIÊNCIA PÚBLICA- SENADO COMISSÃO DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA,INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO

Leia mais

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES

I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES I SEMANA DE ZOOTECNIA: AS CIÊNCIAS AGRÁRIAS E SUAS INSTITUIÇÕES A COLABORAÇÃO DA FAPEPI NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO PIAUÍ Dra. BÁRBARA OLIMPIA RAMOS DE MELO PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

Formação de RH na PG. C&T&I próximos 15 anos. Marilza V. C. Rudge. Pró-Reitora de Pós-Graduação. Conferência Nacional C&T&I - Brasília 2010 -

Formação de RH na PG. C&T&I próximos 15 anos. Marilza V. C. Rudge. Pró-Reitora de Pós-Graduação. Conferência Nacional C&T&I - Brasília 2010 - Formação de RH na PG C&T&I próximos 15 anos Marilza V. C. Rudge Pró-Reitora de Pós-Graduação Conferência Nacional C&T&I - Brasília 2010 - DIMENSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO - 2010 115 Programas 110 Mestrados 91

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado

REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito privado Autorização Legislativa - Lei nº 12.439 de 18 de outubro de 2007 Assembleia de Fundação em 14/12/2007 REGIME: Sociedade por ações de capital fechado, economia mista e com personalidade jurídica de direito

Leia mais

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe. São Paulo.

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe. São Paulo. I Seminário Internacional Software e Serviços de TI Políticas Públicas e Estratégias Empresariais para a AL e o Caribe São Paulo Fevereiro 2010 José Curcelli Presidente ABES Associação Brasileira das Empresas

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial

A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial A Importância da Propriedade Intelectual no Contexto do Desenvolvimento Tecnológico e Industrial Jorge Avila INPI Presidente Florianópolis, 12 de maio de 2009 Cenário Geral Aprofundamento do processo de

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis

Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis Centro Mineiro de Referência em Resíduos Coleta Seletiva com inclusão sócio-produtiva dos Catadores de Materiais Recicláveis O Centro Mineiro de Referência em Resíduos Criado em Junho de 2007, é uma iniciativa

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil

X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Redes de Propriedade Intelectual no Brasil Rede Temática de Propriedade Intelectual, Cooperação,Negociação e Comercialização de Tecnologia X Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Redes de Propriedade Intelectual no

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil 1 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, NÚMERO 1, OUTUBRO 2011 Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil Sergio Machado Rezende Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE rezende@df.ufpe.br

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E

COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E COLABORAÇÃO ENTRE GOVERNO, UNIVERSIDADE E INDUSTRIA: POR UMA ESTRATÉGIA OUSADA DE INOVAÇÃO NO BRASIL Alvaro Toubes Prata Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação MCTI Open Innovation Seminar

Leia mais

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação

Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Estratégias do CNPq para a Pesquisa e Inovação Dr. Glaucius Oliva Presidente CNPq Publicações Matrículas no Ensino Superior Docentes com Doutorado Orçamento - MCTI Orçamento - CNPq Orçamento - Capes Orçamento

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO Prof. Nicolau Afonso Barth, Dr. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Assessoria de Projetos Cooperados / Assessoria de Assuntos Estudantis ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO: Lei

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO

A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO OUI- IOHE MISSÃO OUI DE UNIVERSIDADES CANADENSES NO BRASIL 28 de novembro a 2 de dezembro de 2011 Programa preliminar A cooperação Canadá - Brasil: INTERNACIONALIZAÇÃO PARA A INOVAÇÃO À luz dos excelentes

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Prioridade Estratégica I Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Expandir, integrar, modernizar e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Linha de

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI

Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação -MEI Informações do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Ministro Marco Antonio Raupp 27/09/2012 Cenário orçamento FNDCT 2013 PLOA PROJETO DE LEI

Leia mais

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos e externos) ligados a C,T&I e a formação de RH pós-graduados.

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil José Antônio Silvério Coordenador de Capacitação Tecnológica Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 1 Plano Brasil

Leia mais

5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS

5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS 5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS Promovendo o debate sobre iniciativas ópticas e aplicações avançadas para redes acadêmicas http://www.rnp.br/wrnp2/2004/ O Workshop RNP2 é um evento

Leia mais

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO

MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO MECANISMOS DE FOMENTO VOLTADOS PARA PROJETOS DE INOVAÇÃO RESUMO Este artigo investigou quais são os mecanismos de fomento concedidos pelo Governo Federal como instrumentos de apoio aos projetos de inovação

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma avaliação. Parte 1 - Impactos no Segmento Industrial Sistemas e Periféricos

Resultados da Lei de Informática - Uma avaliação. Parte 1 - Impactos no Segmento Industrial Sistemas e Periféricos Resultados da Lei de Informática - Uma avaliação Parte 1 - Impactos no Segmento Industrial Sistemas e Periféricos Dell Computadores do Brasil Ltda Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de

Leia mais

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte

Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Feira Internacional de Frutas e Derivados, Tecnologia de Processamento e Logística 08 10 de Setembro de 2009 - ( 3ª. a 5ª.) Expo Center Norte Pavilhão Amarelo São Paulo BEM VINDO A FRUIT & LOG 2009! ABRINDO

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica

Núcleo de Inovação Tecnológica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Fepagro em Foco Estruturação de NITs Porto Alegre, 07 de novembro de 2012 Núcleo de Inovação Tecnológica É o orgão integrante da estrutura da ICT com a finalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública UNICENTRO/CAPES nº 01/2011 Em atendimento a chamada CAPES 01/211 do Programa Ciência sem Fronteiras, a UNICENTRO torna pública a seleção de estudantes de graduação em áreas e temas de estudo

Leia mais

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros

Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Inserção Internacional dos NITs Brasileiros Denise Gregory Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento INPI Seminário ETT/PUC-RS: Um decênio da história na gestão de PI e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 Programa Ciência sem Fronteiras Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 A CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, vinculada ao Ministério da Educação,

Leia mais

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011

EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIVISÃO DE PESQUISA EDITAL Nº 02/2012 PROPP/UEMS/MCT/FINEP/CT- INFRA PROINFRA 01/2011 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO

Leia mais

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº- 12.349, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2010 O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Altera as Leis nos 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, e 10.973, de 2 de dezembro de 2004;

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB EDITAL FAPESB 021/2014 APOIO A INOVAÇÃO EM COMÉRCIO E SERVIÇOS http://www.fapesb.ba.gov.br Salvador-BA, 25 de novembro de 2014 Geração de Empregos

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais