INFORMAÇÕES DE ÚLTIMA MILHA PARA ALAVANCAGEM DO NEGÓCIO DE TELEFONIA MÓVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES DE ÚLTIMA MILHA PARA ALAVANCAGEM DO NEGÓCIO DE TELEFONIA MÓVEL"

Transcrição

1 ISSN INFORMAÇÕES DE ÚLTIMA MILHA PARA ALAVANCAGEM DO NEGÓCIO DE TELEFONIA MÓVEL Flávio Luis de Mello Paulo Fernando Peixoto Da Costa Fazzioni Edilberto Strauss Resumo: Este trabalho apresenta um sistema de apoio a decisão focado em um estudo de viabilidade técnica através dos procedimentos de um site survey, tornando possível melhorar o negócio de telefonia celular. a arquitetura proposta é baseada em um modelo de negócios conhecido como mobile virtual network operator (mvno). o modelo operacional full mvno é adotado de modo a atender os requisitos da agência nacional de telecomunicações (anatel) e a metodologia desenvolvida emprega smartphones atuando como instrumentos de medida dos sistemas de telefonia móvel. assinantes mvno com um perfil específico podem realizar medidas de campo passivas, ou ativas, em tempo real, gerando uma base de dados consistente que descreve o comportamento da rede móvel provendo informações para as áreas de agregação de valor da empresa. a solução de sistema de apoio a decisão proposta pode ser usada por operadores de serviços de telecomunicações, instaladores de serviços de última milha, integradores de sistemas, consultores de soluções tecnológicas e forças de venda de serviços de telecomunicações. Palavras-chaves: sistemas de apoio a decisão, site survey, mobile virtual network operator, location based services, universal mobile telecommunication system, serviços móveis.

2 1. INTRODUÇÃO Uma vez que o aprovisionamento de serviços é o processo que envolve a ativação de um cliente na rede de comunicações, tem-se que são desejáveis procedimentos automáticos de forma a estabelecer uma conectividade fácil e uma rápida para a ativação do usuário. Contudo, esta tarefa não é trivial a ser executada pelo Sistema de Suporte Operacional das operadoras de telefonia. O estudo de aprovisionamento deve levar em conta um equilíbrio entre a análise técnica e a econômica. A primeira é limitada pelas tecnologias existentes e a segunda pelo incremento de produtividade e redução de custos (peopleware e hardware). Quando se implementa um serviço de comunicação de dados, é importante analisar todas as características técnicas relacionadas com a instalação física, características estas que são obtidas através dos procedimentos de site survey. O objetivo do site survey é assegurar que a quantidade dos nós de rede, suas localizações e configurações assegurem as funcionalidades necessárias e garantam um desempenho compatível com o investimento proposto no projeto da rede. Os procedimentos descritos nesta metodologia permitem decidir qual localidade é adequada a receber os equipamentos/cabeamentos de redes estruturadas, ou pontos de acesso no caso de redes sem fio, provendo para todas estações conexões de qualidade e acesso integral às aplicações disponíveis na rede. A rede de cobertura celular móvel depende não só de fatores naturais, tais como aspectos geográficos e condições de propagação, mas também das condições de uso do terreno (rural e urbano), do comportamento humano, do grau de familiaridade do usuário com os serviços das operadoras, etc. Como a qualidade da cobertura de rede de telefonia celular é medida tradicionalmente através do que se chama de probabilidade de localização, tem-se que é desejável uma predição confiável e precisa da posição do assinante. Os dados coletados, através da metodologia proposta, fornecem subsídios para a tomada de decisão e indicadores de desempenho para criar novos negócios neste nicho de aplicações móveis. Além disto, estas informações são convertidas em vantagens estratégicas para avaliar o comportamento da rede móvel. Adicionalmente, ferramentas de pós-processamento suportam a exportação dos dados para outros sistemas e permitem a geração de relatórios direcionados a profissionais especializados. Desta forma, este trabalho apresenta um Sistema de Apoio a Decisão (SAD) associado a um estudo de viabilidade técnica através dos procedimentos de site survey de modo a incrementar os serviços VAS (Value Added Services Serviços de Valor Agregado) do negócio. A característica que é explorada é o uso dos usuários MVNO (Mobile Virtual Network Operator) como instrumentos de 2

3 coleta de dados para realizar a avaliação dos serviços que são oferecidos pela operadora. Esta avaliação de última milha oferece vantagens significativas no monitoramento da rede e em eventuais otimizações, permitindo uma constante manutenção em tempo real e fornecendo benefícios aos clientes da operadora de telefonia. O SAD proposto pode ser empregado por operadoras de serviços de telecomunicações, provedores de instalações de serviços de última milha, integradores de sistemas, consultores de soluções tecnológicas e forças de vendas de serviços de telecomunicações. 2. TRABALHOS RELACIONADOS Um MVNO é um operador de telefonia móvel que não possui sua própria licença de uso do espectro de freqüências e que não necessariamente possui uma infra-estrutura de rede. Os MVNOs normalmente possuem acordos comerciais com os operadores tradicionais de telefonia móvel (MNO Mobile Network Operator) os quais dispõe de licença de exploração do espectro de radiofreqüências. Estes acordos fornecem minutos de uso (MOU - Minutes of Usage) para serem revendidos aos usuários finais da própria MVNO. Neste sentido, Dewenter e Haucap [1] estudaram o relacionamento entre MVNOs e MNOs. Cricelli et al. [2] apresentam um modelo para a análise das conseqüências da competição oriunda de uma diversidade de MNOs e MVNOs. Pattanavichai e Premchaiswadi [3] propuseram um modelo de precificação para o investimento em redes 3G UMTS de MNO e MVNO, enquanto que Shin [4] valida um modelo de compreensão do grau de aceitação do usuário de serviços MVNO. As aplicações de site survey e a qualidade de serviços são assuntos amplamente estudados na literatura. Camp et al. [5] apresentam alguns modelos de mobilidade de forma a oferecer aos pesquisadores opções adequadas aos estudos de avaliação de desempenho. Chalmers e Sloman [6] escrevem um artigo antigo, porém interessante, sobre a especificação e a gerência da qualidade dos serviços, particularmente para prover suporte a aplicações multimídia cujos conceitos podem ser aproveitados em serviços de telefonia celular. Bedhiaf et al. [7] apresentam aplicações de downstream que possibilitam ao MVNO entregar seus componentes de software mais rapidamente com menor custo. Varoutas et al. [8] descrevem as condições e a dinâmica do mercado, arquiteturas e diferentes abordagens para o desenvolvimento de MVNOs 3G como uma tentativa de chamar a atenção para as vantagens e os óbices do negócio. O presente trabalho é influenciado pelo crescimento significativo da demanda por comunicação celular móvel observado no Brasil desde que este ganhou o direito de sediar eventos de larga escala tal como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de A 3

4 Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) define dois modelos autorizados de exploração de MVNO [9] e também regula as condições para a exploração das freqüências de 800 MHz, 900 MHz, MHz, MHz e MHz [10]. Um grande volume de literatura está disponível sobre sistemas de apoio a decisão para o mercado de telefonia móvel, mas muito poucos atentam para a operação das redes móveis. De fato, foi difícil encontrar estudos sobre este tema uma vez que os trabalhos tendem a dar atenção preferencialmente às especificidades do negócio de telefonia móvel. Hafez e ElDahshan [4] abordam os sistemas de apoio a decisão de companhias de telecomunicações e as razões pelas quais estas necessitam plataformas avançadas de data warehouse, demandando sempre novas tecnologias. Hong et al. [12] buscam entender empiricamente os fatores motivadores da aceitação de serviços móveis de dados por parte dos consumidores. Qi et al. [13] propõe que cada modulo do Sistema de Suporte Operacional seja equipado com gerenciadores de conhecimento. Por sua vez, Qi et al. [14] analisam as estratégias de competição das portadoras móveis usando balanced scorecards e sistemas dinâmicos de modelagem. Finalmente, Peppard e Rylander [15] introduzem o conceito de redes de agregação de valor aplicado ao aprovisionamento de serviços móveis que são explorados a fim de identificar potenciais implicações estratégicas para os operadores móveis. 3. A PROPOSTA Este trabalho é baseado no uso de telefones celulares de clientes com tecnologia móvel 3G como instrumentos de aquisição de dados em um SAD para potencializar os serviços de valor agregado de um MVNO. A aquisição de dados de campo é obtida utilizando um software desenvolvido para sistema operacional Symbian e instalado em smartphones 3G. Este software realiza diversas medidas de voz e dados 3G da área de cobertura dos serviços dos nós de rede, independente do deslocamento do usuário. Através do monitoramento do serviço de cobertura por nível de sinal, pelas coordenadas geodésicas e pelo correto funcionamento da comunicação móvel 3G, torna-se possível definir uma metodologia de diagnóstico e otimização da rede. Os dados obtidos fornecem suporte para a modelagem de cenários de desenvolvimento de negócios para o MVNO. A opção pelo emprego de um software embarcado em smartphones deve-se ao baixo custo deste tipo de equipamento e a alta portabilidade dos mesmos quando utilizados como dispositivos de coleta de dados em campo. Estas características são muito desejáveis uma vez que os tradicionais site surveys normalmente usam equipamentos de difícil transporte, geralmente muito caros, e operados por indivíduos altamente 4

5 treinados. Este trabalho analisa quarto operadores de serviços móveis 3G brasileiros, identificados como EmpresaT, EmpresaO, EmpresaC e EmpresaV, com o objetivo de validar a metodologia. Os dados são obtidos simultaneamente, empregados quarto smartphones distintos, cada qual registrado em uma destas operadoras de forma a determinar o provedor de serviço 3G móvel mais adequado naquele instante. Para a estratégia de negócios da MVNO é essencial avaliar os operadores celular, pois esta ação provê indicadores sobre o parceiro mais apropriado. Apesar de esta pesquisa ter sido realizada no contexto brasileiro, as mesmas técnicas e metodologias podem ser usadas em qualquer serviço de comunicação móvel 3G que esteja disponível. Em seguida, uma arquitetura de Sistema de Apoio a Decisão é descrita tomando por base a experiência do usuário sobre os serviços de telecomunicações de voz e dados, bem como utilizando medidas qualitativas. Esta arquitetura permite que os dados sejam transformados em conhecimento estratégico, criando uma cadeia de valor de informação importante para as esferas executivas e operacionais da empresa, e também para todas outras esferas de tomadores de decisões. Aquisição de Dados e Avaliação A aquisição de dados utiliza um notebook, um roteador de banda larga, e quarto smartphone 3G com plataforma Symbian para medir os serviços de quatro operadoras móveis. Os dados relacionados com a área de interesse são obtidos empregando um software embarcado que é executado em cada um dos quatro smartphones (Nokia N8, N97, N82, C6) simultaneamente, cada qual registrado exclusivamente em uma operadora distinta. A região na qual o site survey foi realizado possui diversos acidentes geográficos tais como uma grande baía, serras, montanhas, uma ocupação urbana densa, florestas, etc. A segmentação do mercado controlado pelas operadoras de redes móveis no primeiro trimestre de 2012 era [16]: EmpresaV 24.3%, EmpresaC 37.0%, EmpresaT 20.7% e EmpresaO 18.0%. Neste mesmo período havia cerca de 144 telefones celulares por 100 habitantes. As variáveis do sinal de celular observadas são: data, hora, identificação da célula (CELL ID), código de localização de área (LAC), país, código de país do móvel (MMC), código de rede do móvel (MNC), latitude, longitude, intensidade de sinal recebida em percentual e dbm, nome da célula, e informação da célula. Este protótipo utiliza o CellTrack [17] para adquirir as informações da rede de telefonia móvel. A localização do smartphone pode ser obtida tanto pelo GPS e A-GPS, mas também usando a informação do CELL ID, garantindo a georeferenciação das medidas amostradas. Diversas avaliações podem ser realizadas utilizando estas informações: comparação direta entre operadoras, identificação do melhor serviço oferecido de acordo com condições previamente definidas, 5

6 verificação de estabilidade dos serviços 3G e 2G, detecção de variáveis com picos de máximo e mínimo. Esta informação sobre a identificação de picos é particularmente relevante já que valoreslimites de máximo e mínimo são associados à qualidade do serviço. Teste de Campo da Área de Cobertura Neste estágio do trabalho realiza-se a avaliação da qualidade dos serviços de telecomunicações, em uma rede GSM/UMTS, de acordo com a perspectiva do usuário/cliente, e usando medidas automáticas ponto-a-ponto. Estas medidas são obtidas através de testes em deslocamento, o que significa que áreas com cobertura deficiente, ou mesmo sem qualquer cobertura, são consideradas durante a análise. Além disto, o uso de um sistema de medição simultâneo e único para avaliação dos serviços permite um elevado grau de comparabilidade dos resultados, para ambas as dimensões de tempo e espaço. Desta forma, a metodologia proposta possui três características fundamentais: (1) medidas ponto-a-ponto, que refletem características técnicas relacionadas com a qualidade dos serviços; (2) imparcialidade, já que as medidas são realizadas em condições de igualdade para todas as MNOs; (3) objetividade, pois as decisões e intervenções subjetivas e humanas são eliminadas pela amostragem automática. A medida das coberturas de redes utiliza o nível de sinal de downlink, isto é, o RxLev (Received Signal Level) para GSM e o CPICH RSCP (Common Pilot Channel Received Signal Code Power) para WCDMA ao longo dos trajetos observados. Os terminais celulares 3G/GSM ficaram exclusivamente dedicados à tarefa de medição do nível de sinal efetivo, e estes terminais são plenamente capazes de realizar a amostragem dos canais de GSM e WCDMA de todas as MVOs. O protótipo de medição é baseado nas especificações técnicas ETSI [21, 22, 23]. A avaliação foi realizada em dois cenários: urbano e rural. O primeiro, o cenário urbano, se inicia na cidade de Niterói, atravessa o Rio de Janeiro e termina em Petrópolis. Este percurso levou 2,1 horas de medições contínuas e automáticas, cobrindo 110 Km, e visitando o centro comercial de cada cidade. O segundo cenário, o rural, se inicia na cidade de Petrópolis, passa por Araras, Paty do Alferes, Miguel Pereira, Japeri, Seropédica, Queimados, Nova Iguaçu, São João do Meriti, Rio de Janeiro e termina em Niterói. Este percurso levou 4,5 horas de medidas contínuas e automáticas, cobrindo 196 Km. A Figura 1 ilustra o nível de sinal da rede GSM/WCDMA de uma das operadoras no cenário urbano, obtido pela metodologia descrita. Os quatro picos que atingem 100 dbm, uma forma do software empregado indicar quatro perdas de sinal durante o percurso. 6

7 Fig. 1. Medida do nível de sinal de uma das operadoras em cenário urbano. A Figura 2 apresenta a distribuição de probabilidade do nível de sinal, também obtida pela metodologia proposta. Os valores de borda da distribuição estão entre [-75dBm,-85dBM], para o cenário urbano, tal como preconizado pela ETSI. Por outro lado, no cenário rural, esta operadora entrega um nível de sinal melhor no período de medição. Fig. 2. Distribuição de probabilidade do nível de sinal nos cenários urbano e rural de uma operadora. Uma MVNO hipotética pode utilizar esta metodologia para produzir informações sobre o melhor parceiro a ser contratado, de acordo com características previamente definidas, e a expectativa de experiência que se deseja disponibilizar ao usuário. Observe que o teste em movimento aqui proposto oferece informações sobre a disponibilidade dos serviços do MNO em determinadas localizações, bem como sobre a qualidade de serviço do ponto de vista do usuário. Deve-se ter em mente que os procedimentos descritos criam uma fotografia da provisão de serviços de telefonia celular de uma 7

8 operadadora em um dado instante. Existe a possibilidade de que, em um dado momento e em uma localização específica, devido a algum mau funcionamento atípico do sistema da MNO, o teste ofereça medidas alteradas sobre a qualidade do sinal do operador. Contudo, os autores sustentam que estas condições de exceção não são relevantes, uma vez que essas situações possuem baixa probabilidade de ocorrência, e que pode ser corrigida com múltiplos testes. Além disto, o mau funcionamento atípico de sistemas também afeta a experiência do usuário sobre os serviços de telecomunicações e por isso não deve ser ignorada. Arquitetura Integrada do Negócio de Comunicação Celular Sistemas de informação devem criar um ambiente empresarial com informações confiáveis fluindo por toda a estrutura organizacional. A arquitetura a seguir, apresentada na Figura 3, descreve sistema de apoio a decisão baseado em full MVNO que integra os benefícios de um sistema de informação com ferramentas de assistência aos tomadores de decisão, tal como será explicado adiante. Fig. 3. Arquitetura do Sistema de Apoio a Decisão proposto. 8

9 A arquitetura proposta emprega smartphones como instrumentos de medição do sistema de telefonia celular móvel. Estes smartphones são equipados tal como descrito anteriormente neste artigo na subseção de aquisição de dados. Os dados de funcionamento da rede móvel são armazenados em arquivos de tracelog, localizados nos smartphones. Em seguida, os arquivos de tracelog são enviados ao MVNO através do Multimedia Messaging Service (MMS). O arquivo é recebido já dentro da estrutura interna do operador e encaminhado para as áreas de agregação de valor, de forma a serem processados por diversos departamentos da MVNO, formatados em planilhas, gráficos, ferramentas de georeferenciação, relatórios e indicadores de desempenho. No que diz respeito aos clientes da MVNO, pode-se realizar duas opções de modelos de colaboração e fidelização: (1) uma colaboração ativa, disparada pelo cliente; (2) uma colaboração passiva, ativada pela MVNO. A colaboração ativa envolve uma cooperação consciente do usuário. Um teste de campo ativo é efetuado pelos assinantes dos serviços do MVNO através de execução de uma aplicação pré-instalada em seus smartphones. Esta aplicação fornece em tempo real, dados de posição e medição de sinais dos serviços de voz e dados do sistema de telefonia celular móvel ao qual o usuário está conectado. A informação é depositada no arquivo de tracelog e enviada à operadora usando um cliente MMS nativo do smartphone, direcionando a mensagem para um número reservado exclusivamente para a coleta deste tipo de dado. Por exemplo, o operador pode fornecer a seguinte instrução: anexe o arquivo de tracelog e envie para o número com a palavra TRACELOG no corpo da mensagem. Neste caso, é conveniente que o operador forneça condições promocionais para cliente que realize o upload destes arquivos de tracelog. As promoções podem compreender créditos de uso para voz e dados, pontos para algum programa de fidelização de clientes, descontos especiais em eventos sociais ou outras atividades, milhas em programas de milhagem, etc. A colaboração passiva, por sua vez, emprega a mesma aplicação pré-instalada no smartphone do usuário, e o mesmo cliente MMS para realizar desta vez o teste passivo, porém com uma diferença sutil. Observe que um smartphone oferecido ao usuário a custos módicos é subsidiado pela operadora, e é legal que esta mesma operadora de serviços personalize o sistema operacional do aparelho. Este sistema operacional customizado é um ambiente favorável a criação de automações de software. Sob esta ótica, scripts e ferramentas integradas podem disparar a aquisição de dados automática e enviar os arquivos de tracelog através do MMS sem interferência do usuário. O tempo de uso do sistema e a periodicidade de ativação do script podem ser definidos favoravelmente ao atendimento da necessidades de medição da operadora. Neste caso, o bônus oferecido ao usuário deve ser maior que 9

10 aquele oferecido pelo usuário de cooperação ativa uma vez que o consumo de dados e a quantidade de informações sobre o estado da rede do operador devem ser maiores. Entretanto, a colaboração passiva possui um aspecto legal relacionado com a violação de privacidade que deve ser mais bem estudado por vias competentes. Os dados de sinal e a exposição da localização do usuário fornecem informações sobre o nível de serviços de voz e dados, mas também fornece uma prospecção do comportamento do usuário. Por exemplo, se o software passivo de aquisição de dados encontra-se ativado quando o usuário realiza compras em um shopping, é possível criar um perfil de comportamento de compras do mesmo e criar um modelo de estilo de navegação dentro de uma loja. Vendedores podem fazer uso deste perfil e deste modelo para se beneficiarem tentando moldar o comportamento de compra do assinante/cliente. Assim, a aceitação deste modelo de negócio deve ser estudada com cuidado, e possivelmente deve-se realizar uma avaliação com um grupo pequeno de assinantes antes de empregar em larga escala esta modalidade de cooperação. Estas duas colaborações suportam modelos de negócios interessantes e a arquitetura proposta minimiza os custos operacionais diminuindo as janelas de manutenção e o envio de equipes técnicas para controlar em tempo real o comportamento da rede móvel. A aquisição de dados, o processamento da informação, a compilação de resultados, e os indicadores de desempenho do operador possibilitam novas oportunidades para criar novas soluções e serviços, planejar decisões estratégicas e tomar decisões executivas. Os departamentos da operadora que podem se beneficiar deste tipo de SAD são: - Aquisição de Sites: este departamento pode escolher melhor a localização para a implementação de novos sites, a manutenção e a otimização de rede; - Centro de Operações de Rede/Segurança (NOC/SOC - Network/Security Operations Center): o departamento pode executar melhor a identificação de falhas de rede e intervir melhor nas políticas de segurança de dados da mesma; - Serviço de Atendimento ao Cliente: ele pode responder melhor às demandas de uso do cliente, oferecer produtos, e direcionar chamadas técnicas; - Marketing: o departamento pode combinar a informação da rede móvel com censo demográficos e identificar novos produtos a serem oferecidos pelo operador para grupos potenciais de clientes; - Financeiro: esta área pode aperfeiçoar o sistema de tarifação e ajustar mais precisamente o retorno do investimento; - Executivo: ele pode obter indicadores de desempenho do mercado de telecomunicações para produzir um alinhamento melhor com as estratégias da MVNO. 10

11 4. PROVA DE CONCEITO Para avaliar esta proposta, será considerado um modelo de colaboração ativo para um cliente de uma full MVNO. Neste sentido, é descrita uma prova de conceito, começando pelo envio dos dados pelos smartphone para o processo de compilação da informação pela área de Serviços de Valor Agregado (VAS) da MVNO. Como foi descrito na subseção anterior (III.A), quarto smartphones enviam, usando o software de MMS, os arquivos de tracelog contendo dados de medidas de nível de sinal e posicionamento para um servidor de s, que no nosso caso faz o papel de MMS Server/Relay. Na Figura 4 é apresentada a visualização gráfica das medições. Neste exemplo, foi utilizado o Google Earth [21] como plataforma de mapas (falta rigor cartográfico no software da Google para chamar as imagens de mapas, mas não há impedimento de uso para este tipo de aplicação) e os scripts foram desenvolvidos em linguagem KML [22]. Fig. 4. Coordenadas de um script KML representado no Google Earth. A Figura 5 apresenta um cliente MVNO chamado USER-POC, o especialista responsável por processar os dados na área de VAS do MVNO (SME-VAS), o conteúdo dos dados (DATA-POC), e as planilhas (PLAN-POC) que fornecem a entrada de dados para os sistemas de georeferenciamento, sistemas de inteligência de negócios, e sistemas de otimização e planejamento de rede móvel. O USER-POC ativa o software embarcado em seu smartphone iniciando o processo de medição. Algumas horas depois, por exemplo, o USER-POC encerra esse processo e ativa o software MMSLocation [23] responsável por enviar o arquivo de tracelog para a operadora. O arquivo de tracelog, em formato texto é recebido pelo servidor de mensagens que faz o papel de MMS Relay/Server. Em seguida, o arquivo tracelog é processado pelo especialista de área (SME-VAS) de modo a produzir uma planilha (PLAN-POC). 11

12 Fig. 5. Esquemático da prova de conceito. A prova de conceito deste trabalho utiliza um software de inteligência computacional [24] para construir os dashboards. Estes dashboards permitem uma visão imediata dos indicadores chave de desempenho que sejam relevantes a um dado objetivo ou processo de negócio. A Figura 6 ilustra tal visão personalizada do PLAN-POC. Fig. 6. Ilustração do dashboard de um PLAN-POC. A otimização da rede de telefonia móvel lida com sites fixos e com antenas já em funcionamento, atendendo a uma demanda de cliente móveis em constante evolução. Neste sentido, com o passar do tempo, a tarefa de otimização torna-se cada vez mais difícil de ser realizada. Uma vez que a rede se torna operativa, seu desempenho é monitorado por indicadores chave de desempenho. Depois da análise de dados, um ajuste fino é executado produzindo novos parâmetros que são aplicados à rede. O ajuste fino consiste em estudar características tais como o controle de potência, 12

13 qualidade do sinal, handovers, tráfego do cliente, disponibilidade de recursos e disponibilidade de acesso. Este trabalho utilizou um software de escritório em tempo real [25] desenvolvido especificamente para a otimização de rede, uma ferramenta independente de tecnologia, seja ela 2G ou 3G. O PLAN-POC foi importado para a aplicação e as ferramentas de otimização oferecem funcionalidades tais como: auditoria de rede, visualização de rede, otimização, investigação georeferenciada, e representação georeferenciada. Uma vez finalizada a análise de otimização, os resultados são exportados para uma plataforma cartográfica [21]. A Figura 7, por exemplo, ilustra as áreas de abrangência das antenas que ofereciam serviços 3G durante os procedimentos de medição efetuados neste trabalho. Fig. 7. Ilustração das regiões de direcionamento de antenas. 5. CONCLUSÃO Este artigo propôs uma arquitetura de sistema de apoio a decisão com gerenciamento de informações georeferenciadas e medidas de cobertura do nível de sinal dos serviços de dados 3G, que compila o trabalho de pesquisa de Fazzioni [26]. Os dados obtidos foram submetidos a uma análise qualitativa e gráfica de modo a avaliar a qualidade dos serviços de cobertura 3G disponíveis, e prover informação para a implementação de um negócio MVNO. Em seguida, a arquitetura proposta considerou os componentes dos serviços de agregação de valor, extrapolando a tradicional representação gráfica dos sinais medidos usado no suporte aos site surveys. A carga das medidas de nível de sinal em tempo real, usando smartphones de clientes juntamente com uma estrutura computacional, reduz a carga de trabalho e os custos operacionais das equipes de manutenção das 13

14 operadoras. Como observado na prova de conceito apresentada, este trabalho oferece uma arquitetura que possibilita a integração de informações heterogêneas, visualização de informação e serviços de agregação de valor em um único sistema. Desta forma, é possível utilizar esta arquitetura para dar suporte à MVNO no planejamento e na tomada de decisão sobre o gerenciamento dos serviços de telecomunicações. No futuro, este trabalho vai investigar modelos alternativos de negócios que devem surgir, com a implementação da quarta geração de tecnologia (LTE) e os novos requisitos técnicos correspondentes. Além disto, é interessante explorar experimentos da plataforma proposta em maior escala de forma a atingir um melhor entendimento sobre a evolução do sistema de telefonia móvel, desempenho de indicadores, qualidade, escalabilidade e retorno de investimentos. Por fim, novos protótipos embarcados de smartphones podem ser desenvolvidos para outros sistemas operacionais tais como Android (Google), ios (Apple) e FirefoxOS (Mozilla). 6. REFERÊNCIAS BILBIOGRÁFICAS [1] Dewenter, Ralf and Haucap, Justus. Incentives to Licence Virtual Mobile Network Operators (MVNOs), Telecommunications Policy Research Conference (TPRC) 2006, August 15, 2006 [2] Livio Cricelli, Michele Grimaldi, Nathan Levialdi Ghiron. The competition among mobile network operators in the telecommunication supply chain, International Journal of Production Economics, Volume 131, Issue 1,, pp , May [3] Pattanavichai, S.; Jongsawat, N.; Premchaiswadi, W. "A Pricing Model and Sensitivity Analysis for MNO's Investment Decision Making in 3G UMTS Networks," Third International Symposium on Electronic Commerce and Security (ISECS), 2010, vol., no., pp.274,279, July [4] Dong-Hee Shin. MVNO services: Policy implications for promoting MVNO diffusion, Telecommunications Policy, Volume 34, Issue 10,pp , November [5] Camp, T., Boleng, J. and Davies, V. A survey of mobility models for ad hoc network research. Wireless Communication Mobile Computing, 2: pp , [6] Chalmers, D.; Sloman, M., "A survey of quality of service in mobile computing environments," Communications Surveys & Tutorials, IEEE, vol.2, no.2, pp.2,10, Second Quarter

15 [7] Bedhiaf, Imen Limam; Cherkaoui, Omar; Pujolle, Guy. A Virtual Machine Location Problem for IP Multimedia Subsystem, Cyber Journals: Multidisciplinary Journals in Science and Technology, Journal of Selected Areas in Telecommunications (JSAT), Volume 3, Issue 5, May Edition, [8] Varoutas, D.; Katsianis, D.; Sphicopoulos, TH; Stordahl, K; Welling, I. On the Economics of 3G Mobile Virtual Network Operators (MVNOs), Wireless Personal Communications, 36: , [9] ANATEL, RRV-SMP/MVNO, Regulamento sobre Exploração de Serviço Móvel Pessoal SMP por meio de Rede Virtual (RRV-SMP), Agência Nacional de Telecomunicações, Res. n 550, Novembro, 2010 <http://www.anatel.gov.br/portal/verificadocumentos/documento.asp?numeropublicacao= &assuntopublicacao=null&caminhorel=empresas&filtro=1&documentopath= pdf > Accesso: 10 de agosto de [10] ANATEL, Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências nas Faixas de 800 MHz, 900 MHz, MHz, MHz e MHz, Agência Nacional de Telecomunicações, Res. n 454, Dezembro, <http://www.anatel.gov.br/portal/verificadocumentos/documento. asp?numeropublicacao=127142&assuntopublicacao=resolu%e7%e3o%20n%ba%20454,%20de %2011%20de%20Dezembro%20de% %20&caminhoRel=null&filtro=1&documentoPath= biblioteca/resolucao/2006/res_454_2006.pdf > Accesso 10 de agosto de [11] Hafez, H.A.A.; ElDahshan, K., "Data Driven DSS in telecommunications industry," Intelligent Systems Design and Applications (ISDA), th International Conference on, vol., no., pp.720,723, Nov Dec [12] Hong, Se-Joon; Thong, James Y. L.; Moon, Jae-Yun; Tam, Kar-Yan. Understanding the behavior of mobile data services consumers, Information Systems Frontiers, Volume 10, Issue 4, pp , September [13] Qi, J., Da Xu, L., Shu, H. and Li, H. Knowledge management in OSS an enterprise information system for the telecommunications industry. Systems Research and Behavioral Science, 23: pp , [14] Qi, J., Li, L. and Ai, H. A system dynamics approach to competitive strategy in mobile telecommunication industry. Systems Research and Behavioral Science, 26: pp , [15] Peppard, Joe; Rylander, Anna. From Value Chain to Value Network: Insights for Mobile Operators, European Management Journal, Vol. 24, Issue 2,

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA

ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA ESTUDO PARA MONITORAR A POTÊNCIA DO SINAL RECEBIDO EM DISPOSITIVOS COMPATÍVEIS COM A TERCEIRA GERAÇÃO EM UMA ÁREA URBANA Heitor Ferreira Camargos Silva, Diego de Brito Piau, Caio Matheus Pereira Braga,

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009

Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009 Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009 março de 2010 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Sistemas de Comunicações Móveis

Sistemas de Comunicações Móveis Sistemas de Comunicações Móveis GSM/UMTS Aferição da Qualidade de Serviço Avaliação da QoS dos Serviços de Mensagens Curtas (SMS) e de Mensagens Multimédia (MMS) Dezembro de 2011 ANACOM 2 SIGLAS E ACRÓNIMOS

Leia mais

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking Perspectivas, impactos e desafios Nilton Omura (nilton.omura@br.ey.com) Abril, 2012 As condições estruturais para viabilizar a massificação de smartphones e tablets no Brasil estão criadas, e irão transformar

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de Técnica do sistema TETRA da Hytera é a solução abrangente e eficiente para todas as aplicações em transmissão móvel profissional. www.hytera.de Num piscar de olhos Para comunicação TETRA profissional TETRA

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis

Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis CBSoft 2013 Trilha Indústria Melhores práticas para tratar dilemas de qualidade no desenvolvimento de aplicativos móveis Andreia Matos dos Santos Igor de Borborema Correia 21 de outubro de 2012 Palestrantes

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Visão geral do XProtect

Visão geral do XProtect Milestone Systems Visão geral do Software de gerenciamento de vídeo Uma solução de vigilância que se ajusta a todas suas necessidades O da Milestone é um poderoso software de gerenciamento de vídeo (VMS)

Leia mais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais

Projeto RuralMAX. Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Projeto RuralMAX Soluções para massificação do acesso à Internet em Banda Larga para Áreas Rurais Rural Connectivity Forum 2011 15 a 17/11 - Maputo - Moçambique NEGER Tecnologia e Sistemas Fundada em 1987

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

Mobile Commerce. e-mail: wilson.cunha@viewit.com.br

Mobile Commerce. e-mail: wilson.cunha@viewit.com.br Mobile Commerce Wilson Cunha 30 anos de experiência em negócios. Formado em Tecnologia da Informação; E-commerce, Marketing Digital,. Há 06 anos em mobile commerce. Premiado no e-show 2013, melhor aplicativo

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

Marcelo.augusto@Microsoft.com

Marcelo.augusto@Microsoft.com Marcelo.augusto@Microsoft.com Aplicativos Relatórios Painéis Consultas em linguagem natural Dispositivo móvel A plataforma de Dados da Microsoft Orquestração Gerenciamento de informações Processamento

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Eric Pretti Serafim 1 * 1 VALES/A. Rod. BR155, s/n, Pátio Ferroviário de Marabá, 68508-970, Marabá - Pará e-mail: eric.pretti@vale.com

Leia mais

MicroStrategy 10 Mobile Widgets. De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia

MicroStrategy 10 Mobile Widgets. De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia MicroStrategy 10 Mobile Widgets De Analytics e Transações até Geolocalização e Multimídia Agenda Introdução Visualizações Básicas (Gráficos) Visualizações Avançadas (Widgets) Transaction Services Demonstrações

Leia mais

IBM Endpoint Manager for Mobile Devices

IBM Endpoint Manager for Mobile Devices IBM Endpoint Manager for Mobile Devices Plataforma unificada para gerenciar dispositivos móveis junto com endpoints tradicionais Destaques Trata as questões de negócios e de tecnologia da segurança, da

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais?

Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais? Geolocation Marketing nas plataformas digitais: * Por que Geolocalização nas Mídias Sociais? GeoSocial Dinâmica social para conectar e coordenar os usuários com as pessoas ou locais/eventos que correspondem

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos

Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06. Prof. Amadeu Campos Módulo de Gestão aplicada à TIC Curso Técnico de Informática Aulas 05 e 06 Prof. Amadeu Campos FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM INFORMÁTICA GESTÃO DA INFORMATIZAÇÃO EMPRESARIAL Competências a serem trabalhadas

Leia mais

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho

O papel dominante da mobilidade no mercado de trabalho Um perfil personalizado de adoção da tecnologia comissionado pela Cisco Systems Fevereiro de 2012 Dinâmica de ganhos com as iniciativas de mobilidade corporativa Os trabalhadores estão cada vez mais remotos,

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista.

Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Amplie os horizontes da sua empresa com o Software Assurance e o Windows Vista. Introdução Software Assurance Windows Vista Trazendo uma série de novas ofertas para maximizar o seu investimento, o Software

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS

GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS GESTÃO DE PROJETOS EM CAMPO UTILIZANDO REDES MÓVEIS Estudo de caso em empresa de instalação de Cabeamento Mauro Faccioni Filho, Dr. Eng. Pedro Moritz de Carvalho Neto FAZION Sistemas CREARE Engenharia

Leia mais

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE Eng. Roberto Aroso Cardoso SINDITEC Sindicato das Indústrias de Eletrônica, Telecomunicações, Teleinformática, Componentes e Similares do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS.

RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA DESENVOLVA MENOS. FAÇA MAIS. RHOELEMENTS MOTOROLA FOLHETO COM TANTOS EQUIPAMENTOS MÓVEIS... VOCÊ, DEFINITIVAMENTE, QUER CRIAR UM APLICATIVO COMPATÍVEL COM TODOS ELES. COM RHOELEMENTS,

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET

COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET COLABORAÇÃO COMPLETA PARA O MIDMARKET Você está realmente conectado? Esse é o desafio atual no panorama dos negócios virtuais e móveis, à medida que as empresas se esforçam para ter comunicações consistentes

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE

NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE White Paper NAVITA SGM SERVIÇOS GERENCIADOS DE MOBILIDADE A cada dia, o mundo da mobilidade se torna mais crítico e complexo. Por esta natureza, usuários de mobilidade necessitam cada vez mais de agilidade

Leia mais

Julian Tonioli Global Sales VP. Because Business Moves

Julian Tonioli Global Sales VP. Because Business Moves Julian Tonioli Global Sales VP Because Business Moves Desafios dos projetos de mobilidade Tradicionais & Novos Imperativos Desafios Tradicionais Cobertura de sinal celular Client local Aplicativo híbrido

Leia mais

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Introdução Hoje em dia, está claro para a indústria de TI a relevância que têm os smartphones, tablets e dispositivos inteligentes (os chamados

Leia mais

Seminário GVcev E-COMMERCE, MOBILE E MÍDIAS SOCIAIS NO VAREJO. Está na Hora de Criar um App para sua loja? Wilson Cunha

Seminário GVcev E-COMMERCE, MOBILE E MÍDIAS SOCIAIS NO VAREJO. Está na Hora de Criar um App para sua loja? Wilson Cunha Seminário GVcev E-COMMERCE, MOBILE E MÍDIAS SOCIAIS NO VAREJO Está na Hora de Criar um App para sua loja? Wilson Cunha Mobile Commerce Quem deve ter; Website mobile; Aplicativos mobile; Diferenças Tecnologia;

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet

Como configurar e-mails nos celulares. Ebook. Como configurar e-mails no seu celular. W3alpha - Desenvolvimento e hospedagem na internet Ebook Como configurar e-mails no seu celular Este e-book irá mostrar como configurar e-mails, no seu celular. Sistemas operacionais: Android, Apple, BlackBerry, Nokia e Windows Phone Há muitos modelos

Leia mais

Honeywell Total Connect 2.0 Serviços Remotos O PACOTE COMPLETO... MAIS OPÇÕES, RECURSOS E OPORTUNIDADES PARA OS DISTRIBUIDORES! Crie mais conexões

Honeywell Total Connect 2.0 Serviços Remotos O PACOTE COMPLETO... MAIS OPÇÕES, RECURSOS E OPORTUNIDADES PARA OS DISTRIBUIDORES! Crie mais conexões Honeywell Total Connect 2.0 Serviços Remotos O PACOTE COMPLETO... MAIS OPÇÕES, RECURSOS E OPORTUNIDADES PARA OS DISTRIBUIDORES! Crie mais conexões Honeywell Total Connect 2.0 Aprimoramos uma série de recursos

Leia mais

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR

OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR OKTOR APRESENTAÇÃO DOS PRODUTOS OKTOR fevereiro/2011 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 QUEM SOMOS?... 4 3 PRODUTOS... 5 3.1 SMS... 6 3.2 VOZ... 8 3.3 INFRAESTRUTURA... 12 3.4 CONSULTORIA... 14 4 SUPORTE... 14

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

IBM Software Seu escritório universal

IBM Software Seu escritório universal IBM Software Seu escritório universal Software colaborativo IBM para dispositivos móveis 2 Seu escritório universal: Software colaborativo IBM para dispositivos móveis O mercado está chamando O suporte

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar.

Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Você não consegue ver tudo que se passa com sua equipe? Nós podemos de ajudar. Vídeo Monitoramento através do celular, smartphone agora é sinônimo de câmera IP. Plataforma de Vídeo Monitoramento Avançado

Leia mais

Apresenta. SofStore o mais novo aliado no gerenciamento do seu negócio

Apresenta. SofStore o mais novo aliado no gerenciamento do seu negócio Apresenta SofStore o mais novo aliado no gerenciamento do seu negócio SofStore Um Novo Sistema Para Sua Empresa SofStore Apresentação Experiência no Varejo A ID Brasil Sistemas atua no segmento de varejo

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Henrique G. G. Pereira 1, Marcos L. Cassal 1, Guilherme Dhein 1, Tarcízio R. Pinto 1 1 Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) Rua

Leia mais

Dimensões: 145 x 77 x 10 mm

Dimensões: 145 x 77 x 10 mm S Dimensões: 145 x 77 x 10 mm Desenvolvido para o uso empresarial o Tablet M5S é a evolução do Tablet M5. Novo processador Dual Core e nova bateria de longa duração, tela IPS de última geração. Robusto,

Leia mais

INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO

INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO INICIANDO UMA OPERAÇÃO DE E-COMMERCE PROFISSIONAL COM MAGENTO MARCELO LAGROTTA SANCHES Administrador especializado em marketing; 20 anos de experiência como Executivo de Marketing; Professor do Centro

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência:

Serviços IBM de Resiliência: Serviços IBM de Resiliência: Sempre disponível, em um mundo sempre conectado Como chegamos até aqui? Dois profissionais de TI estão sofrendo com interrupções de negócios frequentes, os problemas estão

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Mapa de Conectividade

Mapa de Conectividade Mapa de Conectividade BRASSCOM Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação 1 Cenário Brasil Banda Larga Móvel e Fixa Em julho de 2013, o número de acessos em banda larga

Leia mais

Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede

Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede Controlar Aplicações e Serviços com Monitoramento de Rede White Paper Autor: Daniel Zobel, Chefe de Desenvolvimento de Software Paessler AG Publicado em: março/2014 PÁGINA 1 DE 8 Índice Introdução: Evite

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta

DIMETRA IP Compact. uma solução TETRA completa e compacta DIMETRA IP Compact uma solução TETRA completa e compacta MOTOROLA - SEU PARCEIRO DE TECNOLOGIA CONFIÁVEL E ATUANTE Uma herança que dá orgulho As soluções TETRA da Motorola alavancam mais de 75 anos de

Leia mais

Seguros em um mundo conectado. As novas gerações e as novas formas de negócio

Seguros em um mundo conectado. As novas gerações e as novas formas de negócio Seguros em um mundo conectado As novas gerações e as novas formas de negócio A IBM realiza investimentos significativos em pesquisa e desenvolvimento para trazer pensamento inovador IBM Industry Models

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais