Um estudo sobre a Inclusão de Micro e Pequenas. Empresas na Web. Rafael Eduardo Felberg

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um estudo sobre a Inclusão de Micro e Pequenas. Empresas na Web. Rafael Eduardo Felberg"

Transcrição

1 UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Um estudo sobre a Inclusão de Micro e Pequenas Empresas na Web Rafael Eduardo Felberg CASCAVEL 2009

2 RAFAEL EDUARDO FELBERG UM ESTUDO SOBRE A INCLUSÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA WEB Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Informática, do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus de Cascavel. Orientador: Prof. Dr. Clodis Boscarioli CASCAVEL 2009

3 RAFAEL EDUARDO FELBERG UM ESTUDO SOBRE INCLUSÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NA WEB Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Informática, pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel, aprovada pela Comissão formada pelos professores: Prof. Dr. Clodis Boscarioli (Orientador) Colegiado de Informática, UNIOESTE Prof. MSc. Luiz Antonio Rodrigues (Co-orientador) Colegiado de Informática, UNIOESTE Profa. MEng. Sandra Mara Stocker Lago Colegiado de Administração, UNIOESTE Prof. Dr. Victor Francisco Araya Santander Colegiado de Informática, UNIOESTE Cascavel, 23 de novembro de 2009.

4 Lista de Figuras FIGURA 1.1: DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL SEGUNDO PORTE DA EMPRESA...2 FIGURA 2.1: PROPORÇÃO DE EMPRESAS QUE POSSUEM SITE POR PORTE...9 FIGURA 2.2: RECURSOS OFERECIDOS PELO SITE DA EMPRESA...10 FIGURA 3.1: PÁGINA INICIAL DO CURSO DE JOOMLA OFERTADO...14 FIGURA 3.2: NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS...17 FIGURA 3.3: EXISTÊNCIA DE SITES...18 FIGURA 3.4: PERCENTAGEM DE PRETENSÃO EM HOSPEDAR O SITE CONSTRUÍDO...19 FIGURA 3.5: PERCENTAGEM DE PRETENSÃO EM REGISTRAR O DOMÍNIO PARA O SITE...19 FIGURA 3.6: PERCENTAGEM DOS QUE JÁ CONHECIAM O ASSUNTO ABORDADO...20 FIGURA 3.7: PERCENTAGEM DOS QUE REFORMULARAM CONCEITOS E PONTOS DE VISTA...21 FIGURA 3.8: PERCENTAGEM DOS QUE TROCARAM EXPERIÊNCIAS E CONHECIMENTOS...22 FIGURA 3.9: PERCENTAGEM DOS QUE ENCONTRARAM APLICAÇÃO PRÁTICA NA VIDA PROFISSIONAL...22 FIGURA 3.10: PERCENTAGEM DE AVALIAÇÃO DOS MINISTRANTES...23 FIGURA 3.11: PERCENTAGEM DE AVALIAÇÃO DO CURSO...24 FIGURA 3.12: FATORES INDIVIDUAIS PARA EVASÃO...25 FIGURA 3.13: FATORES SOCIAIS, POLÍTICOS E ECONÔMICOS PARA EVASÃO...25 FIGURA 3.14: FATORES DIDÁTICO PEDAGÓGICOS QUE LEVARAM A EVASÃO...27 FIGURA 3.15: HOUVE CRESCIMENTO DAS ATIVIDADES IMPORTANTES APÓS PUBLICAÇÃO DO SITE?...28 FIGURA 3.16: SUA MARCA/SLOGAN/NOME/TRABALHO FICOU MAIS CONHECIDO?...29 FIGURA 3.17: VOCÊ OBTEVE UM ALCANCE MAIOR E REALIZOU MAIS VENDAS?...29 FIGURA 3.18: HOUVE ALGUMA VENDA, NEGÓCIO OU CONTATO POR MEIO DE INFORMAÇÕES NO SITE?...30 FIGURA 3.19: O NÚMERO DE CLIENTES TEVE ALGUM AUMENTO?...31 FIGURA 3.20: COMO VOCÊ AVALIA O RESULTADO FINAL OBTIDO?...32 FIGURA 3.21 TELA INICIAL SOS GÁS...35 FIGURA 3.22 TELA INICIAL MECANDIESEL...36 vi

5 FIGURA 3.23 TELA INICIAL ORDEM INTERNACIONAL DO ARCO-ÍRIS PARA MENINAS...38 FIGURA 3.24 TELA INICIAL ELETRÔNICA VÍDEO LINE...40 FIGURA 3.25 TELA INICIAL ARTEZ VÍDEO PRODUÇÕES...42 FIGURA 3.26 TELA INICIAL ARTPEDRA MARMORARIA...43 vii

6 Lista de Tabelas TABELA 2.1: TIPOS E/OU APLICAÇÕES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO...7 viii

7 Lista de Abreviaturas e Siglas IBGE PIB AMIC ACIC CMS URL CEMPRE HDM OOHDM UML RMM B2B B2C B2G PHP MySQL Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Produto Interno Bruto Associação de Micros e Pequenas Empresas do Oeste do Paraná Associação Comercial e Industrial de Cascavel Content Management System (Sistema Gerenciador de Conteúdo) Uniform Resource Locator (Localizador de Recursos Universal) Cadastro Central de Empresas Hypertext Design Model (Modelo de Construção de Hipertexto) Object-Oriented Hypermidia Design Method (Método Orientado a Objetos de Construção de Hypermidia) Unified Modeling Language (Linguagem de Modelo Unificada) Relationship Management Methodology (Metodologia de Gerenciamento de Relacionamento) Empresa para Empresa (Business To Business) Empresa para Consumidor (Business To Consumer) Empresa para Governo (Business To Government) Personal Home Page Tools My Structure Query Language ix

8 Resumo Este trabalho apresenta um estudo sobre a inclusão de micro e pequenas empresas na web com foco na elaboração de sites que possibilitem ao micro e pequeno empresário uma nova forma de interagir com o mercado e inserir seus produtos e serviços em um nível mais amplo. As micro e pequenas empresas formam um dos principais pilares de sustentação da economia tanto pela enorme capacidade geradora de empregos quanto pela quantidade de empresas, deste porte, existentes. Muito embora não se discuta a importância do uso do computador e da Internet por empresários e profissionais no apoio a seus negócios, ainda não é de senso comum, pelo menos por parte de micro e pequenos empreendedores, o fato de que a Internet pode ser utilizada, a baixo custo para divulgar e promover seus negócios. A inclusão destas micro e pequenas empresas na web, através de sites expositivos, tenta então influenciar na relação empresa-cliente, sendo para a empresa mais uma forma de obter visibilidade no mercado. No estudo de caso realizado neste trabalho, foi definido um grupo de micro e pequenos empresários da região, ligados a AMIC e ACIC, que receberam treinamento através de um curso de 44 horas no uso da Internet e na capacitação para construção de seus próprios sites. Ao final do curso, foi realizado um processo de avaliação das atividades, bem como do curso, da evasão e do impacto e prospecção ocorrido nos negócios das micro e pequenas empresas. Por fim, discussões e considerações foram feitas. Palavras-chave: Micro e Pequena Empresa; Capacitação; Internet; Uso de Joomla. x

9 Sumário LISTA DE FIGURAS... VI LISTA DE TABELAS... VIII LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... IX RESUMO... X SUMÁRIO... XI 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS ESTRUTURA DO TRABALHO E-COMMERCE, MARKETING NA WEB E A MICRO EMPRESA E-COMMERCE Tipos de E-commerce MARKETING NA WEB MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A WEB O ESTUDO DE CASO REALIZADO A METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA O CURSO REALIZADO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES Formulário de Avaliação Formulário para Compreensão de Evasão Formulário para Avaliação dos Impactos ocorridos nas empresas DISCUSSÕES E RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS...45 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...48 APÊNDICES...51 APÊNDICE A...51 APÊNDICE B...58 APÊNDICE C...61 APÊNDICE D...68 xi

10 Capítulo 1 1 Introdução A sociedade atualmente vive em um mundo globalizado onde tendências tecnológicas influenciam direta e/ou indiretamente o cotidiano das pessoas e a dinâmica das relações entre população, governo, prestadores de serviço, etc. tem mudado muito. Com o avanço da tecnologia e com o aumento da interação promovida pela Internet, mais e mais informações e conhecimentos são gerados em um curto espaço de tempo. Adquirir estes conhecimentos e utilizá-los para gerar valores, bens ou serviços necessários à sociedade é uma característica bem-vinda a qualquer organização. Contudo, esta também é a atual carência do cenário empreendedor no Brasil. 1.1 Contextualização Conforme comentam LONGENECKER, MOORE e PETTY [17] e FELIPINI [9], micro e pequenas empresas formam um dos principais pilares de sustentação da economia brasileira, tanto pela enorme capacidade geradora de empregos, quanto pela quantidade de empresas existentes que são assim classificadas. Para BANTERLI e MANOLESCU [1], são características principais das micro e pequenas empresas: Utilizam tecnologia de domínio público; Produzem de forma eficiente bens e serviços com um baixo preço unitário; São fontes de inovações; Conseguem atender as necessidades básicas da população; As vendas são, na maioria, para o consumidor final; 1

11 Têm uma baixa produção mensal; Auxiliam as grandes empresas; Geram novos empregos; Estimulam a competição econômica no país. De acordo com a publicação realizada em 2003 pelo IBGE [13], as micro e pequenas empresas representam uma parcela importante dos empregos e do produto interno bruto (PIB) do país. Entre os anos de 1999 a 2001, elas representaram 99,2% do número total de empresas, 60% dos empregos formais e 25% a 30% do produto interno bruto brasileiro, aumentando a participação no número total de empresas industriais naquele período. Em um estudo mais recente publicado pelo IBGE [14], do ano de 2006, percebe-se que as micro e pequenas empresas continuaram representando uma grande porção (92,2%) das empresas ativas no CEMPRE (Cadastro Central de Empresas), como ilustrado na Figura 1.1 (retirado de [14]). Figura 1.1: Distribuição percentual segundo porte da empresa Ainda em relação à Figura 1.1, nota-se que a porcentagem dos empregos formais das micro e pequenas empresas caiu para 32,3% em relação aos 60% da pesquisa feita no ano de 2

12 2003. Contudo, o valor de 32,3% ainda permanece acima da porcentagem empregada pelas grandes empresas (32,0%). Neste estudo de 2006, o IBGE decidiu adotar a nomenclatura de porte adaptada a partir da definição adotada pelo Statistical Office of the European Communities SCHMIEMANN [22] apud IBGE [14], onde considera a seguinte divisão para classificar as empresas: 0 a 9 pessoas microempresas; 10 a 49 pessoas pequenas empresas; 50 a 249 pessoas médias empresas; 250 e mais pessoas grandes empresas; Segundo, BANTERLI e MANOLESCU [1], alavancar um aumento na produtividade destas micro e pequenas empresas poderá significar uma importante melhoria no quadro socioeconômico da região onde se encontram. No entanto, DORNELAS [8] afirma que estas empresas nem sempre aproveitam ao máximo o potencial que têm quando o assunto abordado é conceito de marketing, prospecção de mercado e acesso à Internet seja pelas grandes dificuldades que enfrentam no seu dia-a-dia ou por questões de orçamento, havendo a necessidade de se buscar formas de impulsionar e incentivar esses empreendimentos. Embora não se discuta a importância do uso do computador e da Internet por empresários e profissionais no apoio a seus negócios, ainda não é de senso comum, pelo menos por parte de micro e pequenos empreendedores, o fato de que a Internet pode ser utilizada, a custo baixíssimo ou até mesmo sem custo, para divulgar e promover seus negócios FIGUEIREDO, STRASSBURG e LYRIO [10]. A virtualização das relações é, portanto, uma nova realidade no mundo dos negócios e está diretamente ligada ao dia-a-dia das empresas. Estar presente, fisicamente, já não é mais um requisito necessário para se negociar ou vender serviços. Faz-se necessário analisar como as micro e pequenas empresas estão encarando esta tendência de mercado. 3

13 1.2 Justificativa Esse trabalho aborda aspectos de aprimoramento da habilidade de conduzir empreendimentos e apresentar algumas estratégias de marketing voltado para web de maneira simplificada e direta. Além disso, mostra algumas soluções condizentes com micros e pequenas empresas, com foco na elaboração de sites 1 que possibilitem ao micro e pequeno empresário uma nova forma de interagir com o mercado e inserir seus produtos e serviços em um mercado mais ampliado. SUPERTI [23] e ROSSO [21] atestam que expor empresas na rede mundial de computadores através de sites construídos dentro do perfil e filosofia de cada empreendimento possibilita atingir resultados concretos, imediatos, e de médio e longo prazo, em termos de vendas e, conseqüentemente, de geração de emprego e renda. Esta possibilidade, de fato, pode se tornar real, pois a Internet está conseguindo democratizar o comércio no Brasil porque destaca as marcas, produtos e serviços independentemente do tamanho da empresa que os oferece GUASTI [12]. Faz-se necessário viabilizar nas micro e pequenas empresas a adoção de processo inovador e diferenciado em suas práticas empresariais, cujas ações serão pautadas na atualização e execução de práticas empresariais modernas. Tais práticas serão focadas no potencial da Internet enquanto meio de comunicação, englobando aspectos de marketing, vendas, estabelecimento de parcerias e outras possibilidades de interação por meio de uma perspectiva de empreendedorismo como forma de alavancar a inserção desse segmento na economia e mercado em que atuam. Nesse contexto o uso de software livre, se incorporado na prática do dia-a-dia empresarial, atendidas e respeitadas as particularidades de cada ramo de atuação mediante treinamento e acompanhamento dos empresários e pessoas envolvidas com a organização das micro e pequenas empresas, pode ser um elemento propulsor. 1 Conforme [4], entende-se por site, website, sítio, websítio ou simplesmente por páginas de Internet todo e qualquer conteúdo, dinâmico ou estático, que se disponibilize através de hipertextos acessíveis por algum programa que os interprete. 4

14 1.3 Objetivos Este trabalho objetivou estudar a inserção das micro e pequenas empresas na Web, com os seguintes desdobramentos: - Definir um grupo de empresários da região, ligados à AMIC (Associação das Micro e Pequenas Empresas de Cascavel) e ACIC (Associação Comercial e Industrial de Cascavel) para um estudo de caso; - Capacitar e auxiliar empreendedores a construírem e manterem seus próprios sites a partir de um gerenciador de conteúdo voltado para web chamado Joomla [15]; - Analisar o impacto da inserção das micro e pequenas empresas na Internet; 1.4 Estrutura do Trabalho Esse trabalho está organizado como segue: No Capítulo 1 apresenta-se uma breve introdução e caracterização do assunto estudado. O Capítulo 2 traz os conceitos principais de e-commerce e marketing voltado à Web, necessários à contextualização do leitor. Além disso, aborda a relação das micro e pequenas empresas com a Web, apresentando o que se considera fatores limitantes e potencialidades de uso às mesmas. O estudo de caso realizado como um projeto de extensão indissociado a essa pesquisa é apresentado e discutido no Capítulo 3. Por fim, o Capítulo 4 relata as principais conclusões desse estudo, e propõe novos rumos à pesquisa em trabalhos futuros. Em seguida, são listadas as referências bibliográficas utilizadas na pesquisa. O questionário usado para Avaliação do Curso é disposto como Apêndice A; o questionário para Compreensão da Evasão dos participantes é fornecido no Apêndice B; o questionário realizado para avaliar a utilização dos sites produzidos e dos empreendimentos/negócios é dado como Apêndice C; o conteúdo programático e slides gerados para o Curso de Joomla são inseridos como Apêndice D. 5

15 Capítulo 2 2 E-commerce, Marketing na Web e a Micro Empresa Há algum tempo não mais se realizam negócios e interações financeiras somente do modo tradicional, corpo a corpo. Hoje se tem disponível uma poderosa ferramenta, a Internet, que veio facilitar os trâmites e aumentar significativamente as relações comerciais no mundo. Segundo CASTRO e TEIXEIRA [3] a Internet representa um canal de comunicação e distribuição alternativo e que permite dispensar o papel dos intermediários, tendo-se acesso quase que diretamente ao consumidor final. Como exemplo desta nova dinâmica de se fazer negócio, o e-commerce e o marketing na web são uns dos mais praticados, e serão brevemente discutidos a seguir. 2.1 E-commerce O e-commerce ou negócios feitos pela Internet é o nome que se dá para tais interações que são feitas, quase que na sua totalidade, de forma virtual. O BRIEN [18] apud COELHO [7] define e-commerce como o ato de comprar e/ou vender de forma virtual, ou utilizando-se de meios digitais. Ou ainda, conforme está escrito em OCDE (Organisation For Economic Co-operation And Development) [19], o e-commerce se caracteriza por envolver a realização de negócios utilizando como meio a Internet. Neste tipo de comércio está incluído não somente a venda de produtos e serviços físicos, entregues de forma tradicional. LIMEIRA [16] comenta que produtos virtuais também podem fazer parte daquilo que é negociado pela Internet, por exemplo, software, e-books, 6

16 músicas e vídeos que podem ser entregues por ou de qualquer forma que se considere não presencial Tipos de E-commerce O e-commerce envolve vários tipos de trocas de produtos, informações e serviços nos mais variados segmentos. A Tabela 2.1 (adaptada de [19]) traz a interação existente entre órgãos governamentais, empresas e consumidores demonstrando a sua proliferação nos últimos anos. Tabela 2.1: Tipos e/ou aplicações do Comércio Eletrônico Governo Empresas Consumidor Governo G2G coordenação G2B informação G2C informação Empresas B2G contratos B2B e-commerce B2C e-commerce Consumidor C2G obrigações fiscais C2B comparação de preços C2C mercado de ações A quantidade de sites, dos mais variados tipos e gêneros, que existem atualmente podem estar na casa dos milhões ou até bilhões. Neste sentido, e considerando o baixo custo inicial de se ter um site na Internet, muitas empresas possuem sites que também auxiliam seus negócios e acabam por deixá-las abertas 24 horas por dia, apenas a alguns poucos cliques dos seus clientes/visitantes. 2.2 Marketing na Web Micros e pequenas empresas também podem tirar proveito desta tendência ou vigência atual, pois o comércio feito pela Internet não exige um alto investimento inicial, nem uma infra-estrutura complexa. Contudo, deve-se entender aqui que o escopo deste trabalho 7

17 considera apenas o tipo de marketing expositivo e não sistemas de e-commerce propriamente dito. Quando se falar em e-commerce, apenas se está mencionando que a alternativa existe, mas não que tenha sido considerada no estudo de caso. Segundo O BRIEN [18] apud COELHO [7], o e-commerce utiliza o marketing interativo, colaboração dos clientes por meio de trocas de s e reviews no aprimoramento dos produtos negociados, além do uso de software livre, uma vez que há bons gerenciadores de conteúdo para construção e manutenção de sites enquadrados nessa categoria de software. Entretanto, o marketing interativo deve ser efetivo e conter boa estratégia para, de fato, ser eficiente e atingir o público-alvo do negócio em questão, ou na pior das hipóteses, fazer com que a micro e pequena empresa fique conhecida e possa ser lembrada em algum momento pelo consumidor. O marketing interativo ou marketing virtual, segundo CASTRO e TEIXEIRA [3], completam algumas características da empresa, ou ainda, dão uma primeira impressão ao cliente. Este tipo de prospecção pode também agregar mais clientes à micro e pequena empresa, haja vista a abrangência de usuários da Internet. Considerando as micro e pequenas empresas, foco do estudo monográfico em questão, um dos meios mais promissores para prospecção ou inclusão no universo da Internet é através de um site expositivo ou também chamado de site voltado para o marketing expositivo ou virtual. Este tipo ou modalidade de site tem um custo inicial muito baixo e não exige grande investimento com implantação e manutenção de tecnologia, podendo ser construído por alguém da própria empresa, com ou sem conhecimento técnico agregado, bastando um treinamento direcionado a uma ferramenta para tal fim. As potencialidades advindas da Internet são inúmeras. Contudo, no próximo capítulo, poderá se perceber que os micros e pequenos empresários esbarram em alguns fatores limitantes da própria web ou até mesmo em relação a seus conceitos culturais. 2.3 Micro e Pequenas Empresas e a Web Segundo dados do CETIC (Centro de Estudos Sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação no Brasil) [5] 94% das empresas brasileiras, com 10 ou mais funcionários 8

18 fazem uso de computadores. Deste total, 97% possuem acesso à Internet, chegando a 99% para empresas de médio porte (com mais de 50 funcionários). As atividades realizadas por estas empresas incluem envio e recebimento de (99%), busca de informações sobre produtos e serviços (94%), além de atividades de pesquisa (86%) e serviços bancários (82%) A mesma pesquisa verificou que no ano de 2008 houve um crescimento de 7% no número de empresas que possuem site no Brasil, alcançando 53% em A proporção do crescimento aumenta de acordo com o porte da empresa. A Figura 2.1 (extraído de [5]) ilustra este crescimento, com destaque para as médias empresas onde o aumento foi de 13%. Além disso, dentre as empresas que afirmam não possuir sites, 20% estão presentes na Internet utilizando-se de páginas de terceiros. Figura 2.1: Proporção de empresas que possuem site por porte Os principais recursos oferecidos por estes sites podem ser visualizados no gráfico da Figura 2.2. O catálogo de produtos e lista de preços lidera o ranking dos serviços oferecidos. É também o serviço que obteve o maior crescimento em Isto demonstra que as empresas ainda vêem a Internet como uma grande vitrine, uma vez que menos da metade das empresas possuem sistemas de pedido on-line e apenas 13% permitem o pagamento via Internet. 9

19 Figura 2.2: Recursos oferecidos pelo site da empresa Considerando o lado dos clientes/visitantes/consumidores, os resultados da pesquisa realizada pelo CETIC junto aos domicílios [5] em 2008 apontam que 13% da população usuária da rede já efetuou compras pela Internet e que 44% utilizam a rede para pesquisa de preço. Dentre os produtos mais comprados pelos internautas, destacam-se os equipamentos eletrônicos (40%), seguidos dos livros, revistas e jornais (28%). Para realizar a compra destes produtos, 61% dos internautas utilizam cartão de crédito e 36% disseram utilizar boleto bancário. A pesquisa também evidencia que quanto maior a faixa de renda do internauta, mais o cartão de crédito é utilizado. Considerando o tipo específico de e-commerce, B2B (Business To Business), ou seja, comércio entre empresas, 58% das empresas (10 ou mais funcionários) que têm acesso a Internet realizaram pedidos de compra via (49%) ou via formulário eletrônico (41%). Este percentual é maior para empresas de médio e grande porte (67% e 80%, respectivamente). Os pedidos de compra são mais utilizados pelo setor de construção (65%), seguido pelo setor imobiliário, aluguéis e serviços prestados às empresas e na indústria de transformação (ambos com 64%). 10

20 Levando-se em consideração o recebimento de pedidos via Internet, as empresas de médio (55%) e grande porte (66%) levam vantagens em relação às pequenas empresas. Na edição de 2008 da pesquisa, pouco mais de 90% das vendas realizadas pelas empresas brasileiras, nos 12 meses anteriores ao levantamento de campo, ocorreram entre empresas (50%) ou entre empresas e pessoas físicas (41%). Já as vendas para o Governo representaram apenas 9% das transações comerciais das empresas realizadas via Internet. Em relação à pesquisa de 2007, cresce ligeiramente a importância das transações B2B em relação às B2C (Business To Consumer), embora ambas permaneçam em patamares muito próximos nos dois últimos anos, bem como as transações de negócios com o Governo (B2G - Business To Government). O comércio eletrônico continua sendo mais usado pelas empresas brasileiras em transações domésticas (dentro do próprio país), o que corresponde a 97% do total de vendas via Internet, enquanto a Comunidade Européia e os países do Mercosul correspondem a apenas 1% das vendas para cada conjunto de países. Os principais benefícios percebidos pelas empresas com as vendas pela Internet são, pela ordem, o menor custo dos negócios (74% das empresas), a redução no tempo de transação e a maior qualidade de serviços para o consumidor (ambos citados em 69% dos casos). Já a percepção de que a venda pela Internet contribui para o aumento do volume de vendas e/ou do número de consumidores é compartilhada por pouco mais da metade das empresas (52%). Sendo assim, e considerando o foco do estudo de caso em questão, o marketing expositivo para as micro e pequenas empresas é foco do próximo capítulo, em forma de estudo de um estudo de caso realizado com empresas de Cascavel, focado na capacitação de pessoal para elaboração, registro e publicação de sites empresariais de divulgação. 11

21 Capítulo 3 3 O Estudo de Caso Realizado Este capítulo objetiva descrever as atividades práticas da pesquisa, considerando a necessidade de se construir e avaliar os sites gerados, além de mensurar as mudanças ocorridas nas micro e pequenas empresas que fizeram a publicação dos mesmos. Aqui é apresentada a metodologia de organização do estudo de caso, o formato do curso ministrado, as formas de avaliação, bem como, se discute os resultados obtidos. 3.1 A Metodologia de Trabalho Adotada Para validar na prática as temáticas estudadas para a elaboração dessa monografia, decidiu-se pela oferta de um curso que propiciasse às pequenas e médias empresas uma primeira visibilidade na web. Como ferramenta de auxílio para facilitar este primeiro contato, decidiu-se pela utilização de um gerenciador de conteúdo chamado Joomla [15]. O Joomla ajuda a resolver um problema muito comum, para as micro e pequenas empresas, que é o custo de desenvolver um site com diversos recursos, conteúdo e que vai ser mantido por pessoas com pouco ou nenhum conhecimento técnico. Segundo o site oficial do Joomla [15], Joomla é um CMS (Gerenciador de Conteúdo voltado para web) que foi escolhido por ser uma ferramenta totalmente livre, gratuita, de código aberto, capaz de prover funcionalidades básicas à publicação de sites. Além disso, também pode ser utilizada por qualquer pessoa sem um conhecimento técnico prévio de linguagens de programação voltadas para Internet, tentando resolver o problema da dependência técnica que se tem de designers e programadores. 12

22 Além disso, o Joomla é um software livre (disponível gratuitamente), existem vários módulos, componentes e extensões que podem ser utilizadas no Joomla e ele foi escrito em PHP (Personal Home Page Tools) e MySQL (My Structure Query Language), softwares livre bastante populares para aplicações web. Um projeto de extensão, gratuito, intitulado Marketing na Web: Criação e Manutenção de Sites em Joomla foi idealizado, cujo principal objetivo foi preparar os micros e pequenos empresários para utilizar a ferramenta supracitada, ensinando-os a criar, dar manutenção e fazer a inserção de sites no mundo da Internet. Esse curso foi idealizado com uma carga horária de 44 horas-aula, com oferta a 2 (duas) turmas, com encontro semanal de 4 h/a, as terças e quintas-feiras, respectivamente. Considerando as informações, objetivos e ações planejadas, partiu-se para uma chamada pública de micro e pequenos empresários (ou seus representantes) com filiação na AMIC (Associação de Micro e Pequenas Empresas do Oeste do Paraná) e/ou na ACIC (Associação Comercial e Industrial de Cascavel). Para tal, foi criado um folder explicativo e demonstrativo contendo as informações da proposta, como datas, local, carga horária, quantidade de vagas por turma, os objetivos do Curso. O apoio dessas entidades nesse momento foi de suma importância. Decidiu-se também que paralelo à elaboração do material didático para as aulas do projeto, seria construído um site, utilizando-se a própria ferramenta a ser ensinada. Tal site se tornou um ponto de referência para os participantes obterem o material didático e ter acesso ao conteúdo programático, além de outras informações básicas do curso como explicação, organização, descrição, público-alvo, objetivos, lista de participantes, alguns links interessantes e um item chamado Fale Conosco para que todos pudessem entrar em contato com a coordenação/ministrantes e tirar dúvidas extra-classe. Essa página também foi criada para que os participantes conseguissem visualizar um site elaborado com o auxílio do gerenciador de conteúdo Joomla, em um domínio que lhes fosse direcionado, servindo de inspiração para elaboração das suas respectivas páginas. A Figura 3.1 mostra a tela inicial do site do Curso de Joomla. Este foi o site oficial do curso onde os participantes tiveram acesso a todo conteúdo e podiam tirar dúvidas. 13

23 Figura 3.1: Página inicial do Curso de Joomla ofertado A primeira aula foi ministrada com os 45 integrantes do curso, selecionados apenas por ordem de inscrição até o preenchimento das vagas. Este primeiro encontro serviu como base a todo o curso e teve participação dos professores orientador e co-orientador dando boas-vindas e criando uma motivação inicial para todos. Os 45 inscritos foram divididos entre as duas turmas. O material didático foi criado de forma que pudesse ser passado em slides, tornando os encontros (aulas) mais dinâmicos e expositivos, facilitando a interação participante/ministrante. Todas as aulas foram práticas, ministradas no laboratório do Curso de Informática na Unioeste. Um acadêmico foi selecionado para ser monitor em ambas as turmas e outro acadêmico acompanhou também a turma de 3ª feira, que, a princípio, era maior. Para avaliar o projeto de extensão, três instrumentos de avaliação foram criados: - Um questionário para avaliação do curso, com itens para avaliação do ministrante e de caracterização da empresa (Apêndice B); 14

24 - Um questionário indagando os motivos da desistência (evasão) de participantes (Apêndice C); - Um questionário para avaliar os impactos nas empresas que tiveram seus sites publicados (Apêndice D). Após o término da capacitação, suporte on-line foi disponibilizado a todos os concluintes, até o mês de novembro, como forma de incentivo à inserção de melhorias e continuidade dos sites. 3.2 O Curso Realizado Cada encontro teve duração de 4 horas-aula e neste período de tempo foi passado o material conforme previsto no conteúdo programático ou tutorial gerado (Apêndice A). Como visão geral, falou-se de conceitos de Internet, marketing na web, notações, hospedagem de site, domínios e registros, e após passou-se ao treinamento específico da ferramenta Joomla. Foram realizados 10 encontros, com o devido controle de freqüência e motivação, para que todos prosseguissem e se esforçassem na caminhada rumo ao objetivo final que era ter o site construído e publicado na Internet e um último encontro de fechamento do curso, onde todos os concluintes expuseram seus sites. No decorrer do curso dificuldades apareceram tanto na parte estrutural (laboratórios) quanto na parte que envolvia os próprios participantes. Lidar com a resistência alheia ao novo e desconhecido às vezes impedia que as aulas transcorressem como planejadas. Percebeu-se também, a heterogeneidade da turma, em conhecimentos de informática básica, o que foi também uma dificuldade a ser superada. Considerando que todos os participantes eram micro e pequenos empresários (ou seus representantes), pensava-se que já tinham em mente aquilo que desejavam colocar/expor nos sites que seriam construídos. Mas o que se viu foi uma quase total carência ou falta de imaginação/criação para o que desejavam obter no produto final deste curso: um site expositivo, explicativo e que de alguma forma estive simples o suficiente para que ao ser acessado por algum cliente/usuário pudesse ser compreendido nos seus objetivos essenciais. 15

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA.

MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. 1 MINIWEB EDUCAÇÃO - A EXPERIÊNCIA DA CRIAÇÃO DE UM PORTAL EDUCACIONAL E CURSOS A DISTÂNCIA. Profa. Arlete Embacher MiniWeb Educação S/C Ltda webmaster@miniweb.com.br Resumo Este relato descreve como surgiu

Leia mais

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS

UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS UMA PROPOSTA INOVADORA PARA ENSINAR EMPREENDEDORISMO AOS JOVENS www.empreende.com.br emp@empreende.com.br FAZENDO ACONTECER Programa de ensino de empreendedorismo inovador em nível mundial, desenvolvido

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado.

Documento de Visão. O sistema atual se baseia no método padrão de ensino, onde a presença física dos alunos é essencial para um bom aprendizado. UFF Universidade Federal Fluminense Instituto de Computação Engenharia de Software II Professora: Bianca Zadrozny 1º Trabalho Prático: Documento de Visão Alunos: Diego Soares, Felipe Maia e Leandro Feijó.

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Criação de um site sobre Comunicação

Criação de um site sobre Comunicação Luciano Conceição Martins Criação de um site sobre Comunicação UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Introdução: Um site é um conjunto de arquivos feitos através de códigos de programação. E, estes

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico

TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico TIC Domicílios 2007 Comércio Eletrônico DESTAQUES 2007 O Estudo sobre Comércio Eletrônico da TIC Domicílios 2007 apontou que: Quase a metade das pessoas que já utilizaram a internet declarou ter realizado

Leia mais

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL PERFIL Em 1925, surgiu a primeira fábrica de óleos essenciais do Brasil, em Jaraguá do Sul - SC. A autenticidade, a qualidade de seus

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração Fazendária ESAF

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009

PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 PESQUISA O USO DO E-MAIL MARKETING NAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS 4ª EDIÇÃO - 2009 REALIZAÇÃO TABULAÇÃO Quem Somos A WBI BRASIL é uma empresa especializada em planejamento de marketing digital, que presta

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

Novos negócios no Ceará

Novos negócios no Ceará ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Novos negócios no Ceará No DR Ceará, as oficinas de Estratégia de

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

O artigo a seguir deve ser referenciado como:

O artigo a seguir deve ser referenciado como: O artigo a seguir deve ser referenciado como: Carvalho, José Oscar F. de (2000). A Utilização de Técnicas de Educação a Distância Mediada por Computador como Apoio às Aulas Presenciais: Um Estudo de Caso.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL

UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL UM ROTEIRO PARA A EXECUÇÃO DE ATIVIDADES EM UM PROJETO DE INCLUSÃO DIGITAL R.L. Stange *, A. A. Batista*. * Universidade Tecnológica federal do Paraná, Guarapuava, Brasil e-mail: rlgomes@utfpr.edu.br Resumo

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover

Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover SATIS 2011 Proposta Concessionária Terra Nova Land Rover 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM BANCO DE DADOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM BANCO DE DADOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA EM BANCO DE DADOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do Porto

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br)

RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ENG 312 PROJETOS MECÂNICOS I RELATÓRIO DO SITE DA DISCIPLINA ENG312 PROJETOS MECÂNICOS I (www.projetosdemaquinas.eng.ufba.br)

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO A DISTÂNCIA DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL 2013 1. IDENTIFICAÇÃO GRUPO DE EDUCAÇÃO FISCAL ESTADUAL DE GOIÁS GEFE/GO 2. APRESENTAÇÃO O curso a distância de Disseminadores de Educação Fiscal constitui

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ

FACULDADE REDENTOR ITAPERUNA RJ RESULTADOS DA PESQUISA DE PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS CURSOS DE: MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA DOS NEGÓCIOS MBA - GESTÃO ESTRATÉGICA COM PESSOAS FACULDADE REDENTOR 2012 ITAPERUNA RJ MODELO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Opção. sites. A tua melhor opção!

Opção. sites. A tua melhor opção! Opção A tua melhor opção! Queremos te apresentar um negócio que vai te conduzir ao sucesso!!! O MUNDO... MUDOU! Todos sabemos que a internet tem ocupado um lugar relevante na vida das pessoas, e conseqüentemente,

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar

O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar O SITE DA MINHA EMPRESA por Ivan F. Cesar Muitos empresários e profissionais liberais gostariam de estar na Internet, mas, na maioria dos casos, não sabem muito bem por que e nem mesmo sabem a diferença

Leia mais