NÍVEL DE CONCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NAS PRAIAS DA PRATA, GRACIOSA E ARNOS EM PALMAS - TO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÍVEL DE CONCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NAS PRAIAS DA PRATA, GRACIOSA E ARNOS EM PALMAS - TO."

Transcrição

1 NÍVEL DE CONCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NAS PRAIAS DA PRATA, GRACIOSA E ARNOS EM PALMAS - TO. ¹ Geisa Ribeiro Carvalho - Acadêmica do curso de Gestão Ambiental Católica do Tocantins ²Antonia Dália Pereira - Acadêmica do curso de Gestão Ambiental Católica do Tocantins ³ Júnio César Souza Viera - Acadêmico do curso de Gestão Ambiental Católica do Tocantins 4 Walleson de Oliveira Nunes - Acadêmico do curso de Gestão Ambiental Católica do Tocantins Orientador: Alexandre Barreto Almeida dos Santos RESUMO O presente trabalho originou-se pela preocupação com a conscientização ambiental nas praias da Prata, Graciosa e das Arnos. Será utilizado o método descritivo e exploratório, onde no exploratório utiliza-se livros, revistas e sites. Já na descritiva aplicam-se questionários estruturados para obtenção dos resultados. Tem como objetivo identificar o conhecimento dos usuários sobre educação ambiental, coleta seletiva, observar vestígios de impacto ambiental e identificar os hábitos dos usuários quanto a separação do lixo em sua residência. Uma das principais conclusões e de investir numa mudança de mentalidade, conscientizando os grupos humanos da necessidade é adotar novos pontos de vista e novas posturas diante dos problemas de preservação do meio ambiente. Para uns, a maior parte dos problemas atuais pode ser resolvida pela comunidade científica, pois confiam na capacidade da humanidade produzir novas soluções tecnológicas. É evidente a importância de educar as pessoas para que ajam de modo responsável e com sensibilidade de conservar o ambiente saudável no presente e para o futuro, saibam exigir e respeitar os direitos próprios e os de toda a comunidade e se modifiquem tanto interiormente como pessoa, quanto nas suas relações com o ambiente. Palavras Chave: Educação Ambiental. Coleta Seletiva. Meio Ambiente. LEVEL OF ENVIRONMENTAL CONSCIENTIZATION THE BEACHES OF ABSTRACT SILVER, AND GRACEFUL ARNOS IN PALMAS TO This work originated with a concern for environmental awareness on the shores of Silver, Graciosa and the Arnos. Is the method used descriptive and exploratory, where it is used in exploratory books, magazines and websites. In the descriptive apply structured questionnaires to obtain the results. Aims to identify the users' knowledge of environmental education, waste sorting, see traces of environmental impact and identify the habits of users on the separation of garbage at her home. One of the main conclusions and to invest in a change of mind, aware human groups is the need to adopt new viewpoints and new positions on the issues of environmental preservation. For one, most of the current problems can be solved by the scientific community because they trust in humanity's capability to produce new technological solutions. Clearly the importance of educating people to act responsibly and with sensitivity to preserve the healthy environment for present and future demand to know and respect the rights of themselves and the whole community and modify both internally as a person, as in its relations with the environment. Key - words: Environmental Education. Separate collection. Environment. ¹ ³ 4 Orientador: Alexandre Barreto Almeida dos Santos

2 2 Introdução Educação ambiental é um ramo da educação cujo objetivo é a disseminação do conhecimento sobre o ambiente, com a intenção de ajudar em sua preservação e utilização sustentável dos seus recursos. É uma metodologia de análise que surge apartir do crescente interesse do homem em assuntos como o ambiente devido às grandes catástrofes naturais que têm assolado o mundo nas últimas décadas. No Brasil a Educação Ambiental assume uma perspectiva mais abrangente, não restringindo seu olhar à proteção e uso sustentável de recursos naturais, mas incorporando fortemente a proposta de construção de sociedades sustentáveis. (apostila curso educação ambiental mod. 01 p.03) A educação ambiental tornou-se lei em 27 de Abril de A Lei N Lei da Educação Ambiental, em seu Art. 2 afirma: A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal. A educação ambiental tenta despertar em todos a consciência de que o ser humano é parte do meio ambiente. Ela tenta superar a visão antropocêntrica, que fez com que o homem se sentisse sempre o centro de tudo, esquecendo a importância da natureza, da qual é parte integrante. Nas últimas duas décadas, temos presenciado um significativo crescimento dos movimentos ambientalistas e do interesse pela preservação ambiental. A população mundial tem mostrado que está cada vez mais consciente de que o modelo atual de desenvolvimento econômico, tanto em países desenvolvidos, como naquele em vias de desenvolvimento, está intimamente associado à degradação do meio ambiente, com impactos diretos na qualidade de vida e na própria sobrevivência da espécie humana. Um dos locais que se pode observar a insipiência com os cuidados ambientais são as praias. Alimentos são jogados de qualquer forma sem um acondicionamento adequado. Infere-se que as pessoas ainda possuem pouca consciência que a participação individual faz toda diferença. Mesmo com essa hipótese, podemos ainda fazer a seguinte arguição: Como se encontra o nível de consciência ambiental dos usuários das praias? Para responder essa pergunta o estudo se propõe a identificar o conhecimento dos usuários sobre educação ambiental, coleta seletiva, observar vestígios de impacto ambiental e identificar os hábitos dos usuários quanto à separação dos lixos em suas residências.

3 3 Referencial Teórico Segundo Lima (2007) a resolução CONAMA 306:2002 aborda alguns pontos de estrema importância para definir meio ambiente: Meio Ambiente é o conjunto de condições, leis, influência e interações de ordem física, química, biológica, social, cultural e urbanística, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas Encontra-se na ISO 14001:2004 a seguinte definição sobre meio ambiente: circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo-se ar, água, solo, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações. Entende-se que meio ambiente inclui todos os fatores que afetam diretamente o comportamento de um ser vivo ou de uma espécie incluindo a luz, o ar, a água, o solo e os próprios seres vivos que coabitam no mesmo ambiente. Segundo Lima (2007), a sociedade como um todo é responsável pela preservação do meio ambiente, então, é preciso agir da melhor maneira possível para não modificá-lo de forma negativa, pois isso terá consequências para a qualidade de vida da atual e das futuras gerações, entendendo que: O meio ambiente concebido, inicialmente, como as condições físicas e químicas, juntamente com os ecossistemas do mundo natural, e que constitui o habitat do homem, também é, por outro lado, uma realidade com dimensão do tempo e espaço. Essa realidade pode ser tanto histórica (do ponto de vista do processo de transformação dos aspectos estruturais e naturais desse meio pelo próprio homem, por causa de suas atividades) como social (na medida em que o homem vive e se organiza em sociedade, produzindo bens e serviços destinados a atender as necessidades e sobrevivência de sua espécie (EMÍDIO apud, LIMA, 2007, p127). No Artigo 225 da Constituição Federal existe a seguinte abordagem: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida impondo-se ao Poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. BRASIL (1988). Entende-se que a sociedade humana não se sustenta sem água potável, ar puro, solo fértil e sem um clima ameno. Muitas pessoas, no entanto, ainda não compreenderam isso. Ao desenvolver suas atividades socioeconômicas, destroem de forma irracional as bases da sua própria sustentação. Não percebem que dependem de uma base ecológica para a sua vida e a de seus descendentes. Vivem como se fossem a última geração sobre a Terra. A educação ambiental constitui um processo ao mesmo tempo informativo e formativo dos indivíduos, tendo por objetivo a melhoria de sua qualidade de vida e a de todos os membros da comunidade as que pertencem.

4 4 A Lei N o 9.795, de 27 de abril de 1999 institui a Política Nacional de Educação Ambiental define como educação os processos por meio dos qual o individuo e a coletividade constrói valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. A educação ambiental representa um passo preliminar importância para a implantação da Política Ambiental da organização, que se materializará por seu Sistema de Gestão Ambiental. (VALLE, 2002, p.35). Mostra que o ser humano é capaz de gerar mudanças significativas ao trilhar caminhos que levam a um mundo socialmente mais justo ecologicamente mais sustentável. Deve sempre trabalhar o lado racional e estruturado juntamente com o sensível e de valores, a fim de propiciar oportunidades mais significativas que possam ampliar o interesse, a autoconfiança o engajamento e a participação de indivíduos em promover benefícios sócio-ambientais. Entre conhecimento e ação, ou, ainda mais importante, entre conhecimento e comportamento harmônico com a natureza, existe uma grande distância que precisa ser compreendida para que as mudanças almejadas possam ser alcançadas. De acordo com Reigota (2009) a discussão sobre meio ambiente no mundo ocorreu por meio do "Clube de Roma" em 1968, que foi uma reunião dos economistas, industriais, banqueiros, chefes de estado, lideres políticos e cientistas de vários paises, buscando melhoria para o meio ambiente e da "Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano" em Estocolmo em 1972, a problemática ambiental passou a ser analisada na sua dimensão planetária. Nesta última conferência, uma das resoluções indicadas no seu relatório final apontava para a necessidade de se realizarem projetos de educação ambiental. O autor aborda ainda que após o evento em Estocolmo, ocorreu em 1977, a Unesco realizou em Tbilisi, URSS, a primeira Conferência Mundial de Educação Ambiental, após a realização de inúmeras outras a nível regional, nos diferentes continentes. Em 1987, em Moscou, foi realizada a segunda Conferência Mundial que reafirmou os objetivos da educação ambiental indicados em Tbilisi. Surgidos do consenso internacional, os objetivos da educação ambiental são: foram citados por UNESCO apud Reigota (2009) Consciência: Ajudar os grupos sociais e os indivíduos a adquirirem uma consciência e uma sensibilidade acerca do meio ambiente e dos problemas a ele associados. Conhecimento: Ajudar os grupos sociais e os indivíduos a ganharem uma grande variedade de experiências.

5 5 Atividades: Ajudar os grupos sociais e os indivíduos a adquirirem um conjunto de valores e sentimentos de preocupação com o ambiente e motivação para participarem ativamente na sua proteção e melhoramento. Competência: Ajudar os grupos sociais e os indivíduos a adquirirem competências para resolver problemas ambientais. Participação: Propiciar aos grupos sociais e aos indivíduos uma oportunidade de se envolverem ativamente, em todos os níveis, na resolução de problemas relacionados com o ambiente. A produção de resíduos sólidos na atividade humana do dia a dia exige atitudes e hábitos convenientes. Em muitos locais e cidades aparecem exortações como: não jogue lixo nas ruas, lixo orgânico e inorgânico, lixo seco e lixo úmido, lixo seco e lixo reciclável, entre outros. Para Valle (2002) a classificação tradicional dos resíduos sólidos que incluem os resíduos pastosos e líquidos concentrados que não fluem por canalizações divide-os em perigosos e não perigosos. Essa divisão decorre da constatação de que, de todo o volume de resíduos gerados pelo homem, apenas uma parcela relativamente pequena requer maior rigor em seu monitoramento e controle. Os resíduos não perigosos podem ser classificados como inertes e não inertes e sua disposição é relativamente simples e pouco onerosa. O autor aborda ainda que os resíduos domiciliares e uma parcela importante dos resíduos industriais são resíduos não perigosos. A segregação, no ponto de geração, dos resíduos perigosos dos não perigosos tem grande importância, pois reduz substancialmente os custos de tratamento e destinação final das diversas frações. Valle (2002) aponta que quanto á origem os resíduos sólidos são geralmente agrupados em: domiciliar, comercial, industrial, hospitalar, agrícola, público, entulho e de terminais (portos, aeroportos entre outros).

6 6 Quadro 1 Cores estabelecidas para a separação dos resíduos sólidos: Cor Material Verde Vermelho Amarelo Azul Preto Laranja Roxo Marrom Cinza Fonte: Projeto unijui.com (2009) Vidros Plásticos Metais Papéis Madeiras Resíduos perigosos Resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde Materiais radioativos Resíduos orgânicos (lixo úmido) Resíduos gerais não recicláveis ou misturados, ou misturados não passíveis de separação Segundo Projeto Unijui (2009) a solução para o problema dos resíduos sólidos inicia no local onde são produzidos: em sua casa, na escola, nos estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços, etc. É ali que deve ser feita a triagem, isto é, a separação dos materiais em resíduo seco e resíduo úmido, ou conforme critério acordado na sua cidade. Essa separação deve acontecer antes da coleta seletiva, que consiste no recolhimento diferenciado dos resíduos, já separados no local onde são produzidos. Triagem e coleta seletiva são etapas fundamentais para viabilizar a reciclagem dos materiais, ou seja, modificar suas características físicas, retornando como matéria-prima para mais um ciclo produtivo. A reciclagem pode ser artesanal, industrial ou biológica, os materiais não podem ser reciclados ou reutilizados, uma das alternativas é a incineração, que é recomendada, principalmente, para resíduos de serviços de saúde (RSS), contaminados com materiais infecto-contagiosos. A técnica consiste em uma queima/combustão dos materiais sob altas temperaturas (geralmente acima de 900ºC), com uma quantidade apropriada de ar (oxigênio) e durante um tempo prédeterminado. Outra forma de gerenciamento de resíduos sólidos é o aterro controlado, que é uma técnica de disposição dos resíduos sobre o solo, recebendo camadas de terra para cobertura. Este tipo de gerenciamento gera poluição localizada, mas é preferível aos lixões, onde os resíduos são despejados a céu aberto, sem nenhum controle, atraindo e favorecendo a proliferação de vetores, contaminação das águas, ar e solo, entre outros problemas.

7 7 A forma mais adequada para depositar os resíduos sólidos, é o aterro sanitário, que também consiste em dispor os resíduos sobre o solo, mas seguindo critérios de engenharia ambientalmente corretos, como, por exemplo, impermeabilização do solo - evitando a contaminação das águas -, cobertura dos resíduos com uma camada de solo - diminuindo a possibilidade de atrair vetores-, lagoas de decantação para recolhimento do chorume, entre outros. (PROJETOS UNIJUI, 2009) Quando disposto de forma inadequada, o lixo é responsável pela transmissão de várias doenças, porque, ao se decompor, libera substâncias que favorecem o desenvolvimento de diversos organismos patogênicos, além de propiciar a proliferação de vetores (moscas, ratos, baratas, mosquitos) que encontram alimento e abrigo nesse meio. Associado à falta de coleta e tratamento do esgoto urbano torna-se um grave problema de saúde pública. (PROJETOS UNIJUI, 2009). Os resíduos sólidos perigosos são os resíduos ou misturas que em razão de suas características, podem apresentar risco à saúde pública, provocando ou contribuindo para um aumento de mortalidade ou incidência de doenças, e ainda trazer efeitos adversos ao meio ambiente quando manuseados ou dispostos de forma inadequada. O conceito de resíduos perigoso baseia se, portanto no grau de nocividade que representa para o homem e o meio ambiente e pode variar de acordo com a legislação ambiental estabelecida em cada país. (VALLE, 2002, p.53). Metodologia O método adotado será o descritivo e exploratório. Para a realização da pesquisa exploratória foram utilizados livros, revistas e sites ambos disponíveis na biblioteca da Faculdade Católica-TO. Segundo Andrade (2006, p.124), a pesquisa exploratória é o primeiro passo de todo trabalho cientifico. O autor supracitado aponta ainda que as pesquisas exploratórias têm como principal finalidades facilitar a delimitação de um tema de trabalho; definir os objetivos ou formular as hipóteses de uma pesquisa ou descobrir um novo tipo de enfoque para trabalho que se tem em mente. Para a realização da pesquisa descritiva foram aplicados questionários estruturados com onze questões objetivas e quatro questões subjetivas, respondidos por 150 usuários incluindo os barraqueiros, sendo 50 praia da Prata, 50 praia Graciosa e 50 praia das Arnos, abordando a faixa etária, sexo, profissão, grau de instrução, informações do entendimento sobre o meio ambiente, atrativos, problemas ambientais, tendo como objetivo analisar o nível de conscientização ambiental. A pesquisa foi realizada no dia 24 (vinte e quatro) do mês de outubro do corrente ano. Para Andrade (2006, p.124) Uma das características da pesquisa

8 8 descritiva é a técnica padronizada da coleta de dados realizada principalmente através de questionários e da observação sistemática. Outra forma de coleta de dados foi o método de observação, momento em que foi registrado a situação que se encontrava o local no momento da visita in loco. Resultados e Discussão Análise dos Gráficos Faixa Etária e Sexo dos Frequentadores das Praias Gráfico 02: Faixa Etária e Sexo dos frequentadores das praias Fonte: Praia da Prata, Graciosa e Arnos - Pesquisa de Campo (2010) Pode-se observar que a faixa etária predominante é de usuários que possuem de 26 a 30 anos, com frequencia maior do sexo masculino na Praia das Arnos, já nas Praias da Graciosa e Prata o fluxo maior é do publico feminino com faixa etária acima de 26 anos, ou seja, já deveriam possuir uma consciência acurada sobre o meio Ambiente. Fato este que será identificado nos próximos gráficos. Grau de instrução dos freqüentadores das praias Gráfico 02: Grau de instrução dos frequentadores das praias Fonte: Praia da Prata, Graciosa e Arnos - Pesquisa de Campo (2010)

9 9 É visível o grau de instrução dos frequentadores da praia das Arnos possui apenas o ensino médio incompleto sendo classe média baixa, na praia da prata 40% dos usuários possui ensino superior incompleto (universitário) já a graciosa o grau de instrução é bem maior sendo a praia com maior índices de frequentadores com ensino superior completo 14%. Frequência dos Entrevistados Gráfico 03: Frequencia dos Entrevistados Fonte: Praia da Prata, Graciosa e Arnos - Pesquisa de Campo (2010) Percebe-se que a visitação mensal dos entrevistados varia em sua maioria de 3(três) a 6 (seis) vezes nas três praias em questão. A graciosa possui o melhor índice de freqüência em relação aos usuários com 56%. A praia da prata possui o maior índice de frequentadores de 1 (uma) a 3 (três) vezes no mês, a das Arnos possui o melhor índice de frequentadores de 7 a 10 e acima 11 (onze) vezes no mês. Atrativos Gráfico 04: Atrativos Fonte: Praia da Prata, Graciosa e Arnos - Pesquisa de Campo (2010)

10 10 Observa-se que os frequentadores das praias têm como principal atrativo os quiosques/bares, nas praias das Arnos e Graciosa, já na Praia da Prata o que chama atenção é o lago/água. Principais Problemas Ambientais Gráfico 05: Principais Problemas Ambientais Fonte: Praia da Prata, Graciosa e Arnos - Pesquisa de Campo (2010) De acordo com os dados levantados nas Praias pode-se observar que o maior problema é o lixo, resíduos expostos de maneira inadequada deixando as praias que é são áreas de lazer vulneráveis a danos maiores, prejudicando a qualidade de vida de gerações futuras. Indicadores Gráfico 06: Indicadores Fonte: Praia da Prata, Graciosa e ARNO s - Pesquisa de Campo (2010) A maioria possui totalmente o hábito do uso da água mesmo assim precisam refletir sobre as conseqüências da falta de água e que elas estão diretamente relacionado com as ações do ser humano. A maioria possui totalmente o conhecimento de economizar energia. E entendem da utilidade e necessidade desse recurso para a vida em geral e o processo vital mais importante dos quais elas faz parte.

11 11 Sobre a ação de reciclagem a maioria são desprovido totalmente desse tipo de ação que valoriza a diversidade cultural na busca de alternativa de relação entre sociedade e natureza. A maioria e desprovida totalmente não tem o conhecimento das práticas de utilização. Não sabem do conhecimento e valorização do planejamento do lixo úmido seco como instrumento de promoção da melhoria da qualidade de vida. 4.2 Observação Figura 01: Lixo sem acondicionamento adequado Fonte: Praia do Prata - Pesquisa de Campo (2010) Figura 02: Lixo sem acondicionamento adequado Fonte: Praia da Graciosa - Pesquisa de Campo (2010)

12 12 Figura 03: Lixeiras desapropriadas para acondiciomento do lixo (Coleta Seletiva) Fonte: Praia da Graciosa / Pesquisa de Campo (2010) Figura 04: Lixeiras adequadas para Coleta Seletiva instaladas na Base do Naturatins Fonte: Praia da Graciosa / - Pesquisa de Campo (2010)

13 13 CONSIDERAÇÕES FINAIS Uma das principais conclusões e de investir numa mudança de mentalidade, conscientizando os grupos humanos da necessidade e adotar novos pontos de vista e novas posturas diante dos problemas de preservação do meio ambiente. É evidente a importância de educar as pessoas para que ajam de modo responsável e com sensibilidade de, conservando o ambiente saudável no presente e para o futuro; saibam exigir e respeitar os direitos próprios e os de toda a comunidade e se modifiquem tanto interiormente como pessoa, quanto nas suas relações com o ambiente. Foi observado que os entrevistados apresentam um certo conhecimento a respeito das questões ambientais elencadas neste estudo, porém, este conhecimento não se traduz em boas práticas para a conservação do meio ambiente, visto que os próprios frequentadores são os tornam o lixo um dos principais problemas ambientais detectado nas praias em estudo. Ações de conscientização ambiental realizada diretamente nas praias em dia de grande movimento, promovidas pelo poder público, tais como: palestras educativas, teatro para o público infantil, blitz educativas, contribuem para melhorar o nível de conscientização ambiental dos frequentadores das praias, tornando esses locais mais agradáveis para a visitação pública.

14 14 REFERENCIAS ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia científica: São Paulo: Editora Atlas, APROMAC. Projeto de Educação Ambiental Parque Cinturão Verde de Cianorte: Acesso em: 20 maio Artigo I. KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. A questão ambiental e os resíduos industriais. Acessado em : 20 maio LIMA, Ana Marina Martins. Conceito de meio ambiente disponível em: Acesso em 29 jul PROJETOS UNIJUI. Geração e gerenciamento de resíduos sólidos provenientes das atividades humanas. Acesso em: 20 maio REIGOTA, Marcos. Educação Ambiental Popular: Acesso em: 20 maio 2009 TRAVASSOS, Edson Gomes. A educação ambiental nos currículos: dificuldades e desafios: Acesso em: VALLE, Cyro Eyer do qualidade ambiental: ISO 14000/ Cyro Eyer do Valle. São Paulo : Editora Senac São Paulo, 2002.

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia.

Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Base Legal para a Reciclagem no Brasil em comparação com os EUA e a União Européia. Aluna: Thaísa Silveira Nascimento Curso: Engenharia Ambiental Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho O que é a Reciclagem?

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos 1. INTRODUÇÃO O lixo é um problema crônico que vem afetando comunidades no mundo inteiro. No Brasil, a geração de lixo per capita varia de acordo com o porte populacional do município. Segundo dados da

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Palavra Chave: Educação Ambiental / Sustentabilidade / Consciência.

Palavra Chave: Educação Ambiental / Sustentabilidade / Consciência. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS: UMA ESTRATÉGIA DE MUDANÇA EFETIVA. Welersom Lopes Graduando 1º período de Gestão Ambiental Wellyda Bispo - Graduando 1º período de Gestão Ambiental Janaina Carvalho - Graduando

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade.

O LIXO NAS RUAS. É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. O LIXO NAS RUAS É preciso conscientizar as pessoas sobre os riscos que a falta de cuidado com o lixo pode trazer à sociedade. Por Maria Alice Luna Sampaio Hoje em dia, não podemos dar um passo fora de

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA REGIÃO DA ÁREA DE PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA (Eubalaena australis) VISANDO A PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE COMO UM TODO. Godinho, G.M.S.¹; Pontalti, M.¹ 1-Instituto Baleia Franca (IBF)

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

COLETA SELETIVA DE LIXO RESIDENCIAL. José Cardoso Sobrinho 1. Joana Dalva Cardoso 2. RS, Brasil. jcardosos@smail.ufsm.br, +55-55 3224 1242 ramal 204.

COLETA SELETIVA DE LIXO RESIDENCIAL. José Cardoso Sobrinho 1. Joana Dalva Cardoso 2. RS, Brasil. jcardosos@smail.ufsm.br, +55-55 3224 1242 ramal 204. COLETA SELETIVA DE LIXO RESIDENCIAL José Cardoso Sobrinho 1 Joana Dalva Cardoso 2 1 Universidade Federal de Santa Maria - Campus Silveira Martins. Silveira Martins - RS, Brasil. jcardosos@smail.ufsm.br,

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Programa de Gestão Ambiental da PGR PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA PGR PROJETO PARA AQUISIÇÃO DE COLETORES PARA COLETA SELETIVA Brasília, abril de 2007 Considerações Gerais Finalmente a questão ambiental

Leia mais

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação GERENCIAMENTO DO LIXO NA CIDADE DE ESPERANÇA PB: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joanilma dos Santos SILVA 1, Gabriele de OLIVEIRA 1, Aline Pereira RODRIGUES¹, Hellen Regina Guimarães da SILVA 1, Mário

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO.

CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO. CIRCUITO ESTUDANTIL - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SANTO ANTÔNIO. VITÓRIA CUSTÓDIO; GIOVANNA MAMED; YASMIN ALVES; PETER DE BRITO. CONHECIMENTO EM REDE: O DESTINO DO LIXO. RJ,SET/2011 1 VITÓRIA CUSTÓDIO; GIOVANNA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUINDO PARA A QUALIDADE DE VIDA Sabrina Carneiro de Lima Souza 1 Renata Souza Rolim 2 Ladjane Martins Aragão 3 Ivna Borges da Costa 4 RESUMO Atualmente um dos grandes desafios

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ENVIRONMENTAL EDUCATION AND RECYCLING WASTE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ENVIRONMENTAL EDUCATION AND RECYCLING WASTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Luciano Peske Ceron Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) luciano.ceron@pucrs.br SÚMULA O presente artigo pretende refletir sobre os problemas

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa 11 Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa Recycling/Reuse Approaches in the Engineering Curriculum at UniFOA Anderson Luiz Carneiro Esteves 1 Marcella

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS

POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS RESUMO Bruna Cecim; Bruno Costa Falcão; Luzineide Cardoso de Araujo; Ketlin Albuquerque; Wellington Carvalho Orientador: Msc. Flavio Augustus da Mota

Leia mais

Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola

Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola Educação Ambiental: Lixo e Reciclagem na escola 1 Cristiane Aparecida Almeida¹, Juliana Vanir de Souza Carvalho², Yara Luiza Coelho¹. ¹ Graduanda do curso de Licenciatura em Química Universidade do Estado

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO

9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO 9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO Autor(es) SERGIO GIACOMASSI Orientador(es) SIDERLY DO CARMO DAHLE DE ALMEIDA 1. Introdução

Leia mais

ESTUDO DE POLUIÇÃO E RESÍDUOS COM ÊNFASE NA REGIÃO SUL DO BRASIL

ESTUDO DE POLUIÇÃO E RESÍDUOS COM ÊNFASE NA REGIÃO SUL DO BRASIL ESTUDO DE POLUIÇÃO E RESÍDUOS COM ÊNFASE NA REGIÃO SUL DO BRASIL Marília da Costa Ribas Especialista em Ecologia Social e Educação Ambiental Professora do Colégio Estadual Júlio de Castilhos mribas@terra.com.br

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon ESTRUTURA DA OFICINA LEGISLAÇÃO: - porque temos a obrigação de trabalharmos temas ambientais com nossos alunos. Os 5 Rs

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Declaração: Os autores se submetem às condições estabelecidas pelo Regulamento para Apresentação dos Trabalhos Técnicos.

Declaração: Os autores se submetem às condições estabelecidas pelo Regulamento para Apresentação dos Trabalhos Técnicos. Título do Trabalho: Separe o Lixo que não é Lixo Autores: Edio Elói Frizzo - Atual Diretor Geral do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto SAMAE - de Caxias do Sul; - Secretário do Municipal do Meio

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Meio Ambiente: Quem ama cuida, protege contra o lixo.

Meio Ambiente: Quem ama cuida, protege contra o lixo. Meio Ambiente: Quem ama cuida, protege contra o lixo. Ailton Bezerra, Angela Boscardin, Bruna Fernanda Isoine Gaeski, Jesus Cristiano, José Carlos José Mendes, Lucia Venancio, Luiz Senatore Lourdes Manzoni,

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE ERECHIM

GESTÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE ERECHIM GESTÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE ERECHIM Franciele Luciana Staczak 1 RESUMO Este trabalho foi desenvolvido com objetivo de avaliar a Gestão Ambiental (GA) implantada nas escolas públicas

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA.

O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA. O QUE E LIXO? NADA, TUDO E ENERGIA. Vanderli Luciano da Silva Universidade Federal de Goiás Técnico em Agropecuária, graduando em Tecnologia e Gestão Ambiental Auxiliar de pesquisa na UFG, atuou como professor

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RESIDUOS SOLIDOS: PROPOSTAS PARA A SENSIBILIZAÇÃO ESTUDANTIL EM TEODORO SAMPAIO, SP

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RESIDUOS SOLIDOS: PROPOSTAS PARA A SENSIBILIZAÇÃO ESTUDANTIL EM TEODORO SAMPAIO, SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 471 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RESIDUOS SOLIDOS: PROPOSTAS PARA A SENSIBILIZAÇÃO ESTUDANTIL EM TEODORO SAMPAIO, SP Leonice

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GOIÁS.

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GOIÁS. PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GOIÁS. Erick de Oliveira Lemes 19 Daiana da Silva Vargem 20 Joel Rocha da Silva 21 Carlos Gutemberg Azevedo

Leia mais

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

13/09/2014. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1

RESÍDUOS PERIGOSOS. Autor: Nicolau Bello Email:- nicobelo@hotmail.com 1 RESÍDUOS PERIGOSOS Email:- nicobelo@hotmail.com 1 Autor:- Nicobelo@hotmail.com Resíduos Perigosos Resíduos Industriais Normas Ambientais Como Identificar Resíduos Perigosos? Tratamento de Resíduos Perigosos.

Leia mais

Lixo. LIX (Latin)= CINZAS (=Lixo).

Lixo. LIX (Latin)= CINZAS (=Lixo). PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SUBPROJETO DE GEOGRAFIA ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR FLORIANO CAVALCANTI SUPERVISORA: INÊS PACHECO BOLSISTAS: DAYAN MUNIZ E JAILZA REIS RESÍDUOS

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos 1 Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos Marconi Canuto Brasil (marconic@tce.rj.gov.br) Técnico de Controle Externo (arquiteto) do e auditor ambiental. Ana Lucia Costa Bittencourt

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de

O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de LIXO O lixo é tudo aquilo que reputamos como desnecessário e descartamos em algum lugar. Há lixos de todos os tipos e sendo produzidos e descartados de várias maneiras. Uma das formas mais comuns de classificar

Leia mais

Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira 2 RESUMO

Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira 2 RESUMO GESTÃO E POLÍTICA PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOBRE OS PROGRAMAS DE RECICLAGEM DO LIXO URBANO NA CIDADE DE CURITIBA Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira

Leia mais

1. Introdução e Revisão Bibliográfica 1.1. A problemática da conservação ambiental e o descarte de resíduos sólidos

1. Introdução e Revisão Bibliográfica 1.1. A problemática da conservação ambiental e o descarte de resíduos sólidos RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ESCOLA DE ENSINO BÁSICO FERREIRA, A. A. R. 1, NASCIMENTO, J. P. L 1, FALONE, S. Z. 2. 1 IFGoiano - Câmpus Rio Verde (Alunos do Projeto de Extensão do IF Goiano, Câmpus

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.25, n.2, p.79-83, 2010.

Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.25, n.2, p.79-83, 2010. Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.25, n.2, p.79-83, 2010. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM CACHOEIRA DOS ÍNDIOS-PB

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br

Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região. www.prt9.mpt.gov.br Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP

IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Mestre em Engenharia Química (UNICAMP, 1996). Engenheiro de Segurança do Trabalho (UNESP, 1994).

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Resumo

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Resumo GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Heroína Barbosa Dias* Orientadora: Martha Honorato** Resumo O presente estudo retrata os resíduos dos serviços de saúde (RSS),

Leia mais

RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG

RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG RECICLA TAN: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL TANCREDO DE ALMEIDA NEVES, UNAÍ/MG Kelly Giane Ribeiro da Costa Moreira Universidade Estadual de Montes Claros-UNIMONTES

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA PUCRS Outubro de 2007 PUCRS Campus Central 240 mil m 2 de área construída Mais de 30 prédios População: 30 mil pessoas A Comissão de Gerenciamento de Resíduos da

Leia mais

A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR. PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental, Reciclagem, Coleta Seletiva.

A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR. PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental, Reciclagem, Coleta Seletiva. A CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO ESCOLAR Gicélia Moreira (ID) 1*, Luzia M. C. Honório (IC) 1, Meryglaucia S. Azevedo (PET) 2, Guilherme L. Lucena (PG) 3, Vandeci D. dos Santos (PQ) 1, Afranio G. da

Leia mais

NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA.

NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA. NOSSO BAIRRO SEM POLUIÇÃO: REPENSAR HÁBITOS E ATITUDES, SENSIBILIZAR PARA UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA. BERTON, Vânia Lúcia 1 Resumo: Este estudo foi desenvolvido através de um projeto de Educação Ambiental

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS.

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Engenharia Ambiental SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

Eixo Temático: Biologia Aplicada

Eixo Temático: Biologia Aplicada 206 Anais do Congresso Nordestino de Biólogos - Vol. 4: Congrebio 2014 Eixo Temático: Biologia Aplicada ET-09-033 VIVÊNCIA COM CRIANÇAS NA COMUNIDADE SÃO RAFAEL ACERCA DA IMPORTÂNCIA DA SEPARAÇÃO E TRATAMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais