Nome: Curso: Número:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nome: Curso: Número:"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores MEIC/MEET Teste global - 1ª época de SRC /06/30 Seja preciso e conciso e não faça letra de médico. Teste global: 15 questões do 1º teste e 15 questões do 2º teste. Repescagem do 1º ou do 2º teste, responder a 20 questões. 1º teste 1. Indique quais das seguintes ameaças são passivas: Modificação do conteúdo das mensagens Negação de Serviço Divulgação do conteúdo de mensagens Máscara Análise de tráfego Reenvio 2. Um ataque LAND tem como base: Usar endereços IP de origem falsificados em quando do envio de mensagens ICMP de echo request Usar endereço IP de origem igual ao endereço destino, porto de origem igual ao de destino e flag SYN activa Usar cabeçalhos mal formados em que indicam uma dimensão superior àquela que realmente o pacote tem e que existe fragmentação Enviar uma mensagem ICMP segmentada em vários pacotes IP cuja dimensão total é superior a 64Kbytes 3. Qual o tipo de defesa mais comum contra o ataque conhecido como TCP connection hijacking? Utilização de no ip direct-broadcast nos routers Utilização de um número aleatório para valor inicial do número de sequência do TCP Utilização de NAT Envio de mensagens TCP FIN periódicas pelos interlocutores 4. Como classifica uma cifra quanto ao número de chaves distintas utilizadas? Cifras simétricas/assimétricas Cifras pares/impares Cifras de bloco/fluxo Cifras de substituição/transposição 5. Como classificaria uma cifra como a de Atbash, que troca a primeira letra do alfabeto pela última e assim sucessivamente. Exemplo: Texto em claro: abcdefghijklmnopqrstuvwxyz Texto cifrado: ZYXWVUTSRQPONMLKJIHGFEDCBA Cifra de bloco Cifra de substituição Cifra produto Cifra de transposição 6. Na cifra de Vernan a relação entre a chave K e o texto em claro M é ( representa o número de símbolos): K = M K =log2 M K > M M =10x K 7. Qual o requisito para que a cifra de Vernam possa ser considerada one-time pad? 8. Um Linear Feedback Shift Registers utilizada com uma cifra de fluxo/sequencial/continua serva para: Gerador de chaves Geração de números primos Pseudo-random generator Geradores do texto em claro SRC 2008/06/30 1/5

2 9. A real dimensão da chave utilizada pelo DES é de: 56 bits 64 bits 112 bits 128 bitts 10. Como classificaria a cifra AES? Incondicionalmente segura Computacionalmente segura Condicionalmente segura Computacionalmente insegura 11. A afirmação: Quanto maior a dimensão do espaço de chaves maior é a segurança de uma cifra de bloco é: Verdadeira Falsa 12. Factorize com números primos o número do seu dia de nascimento: 13. Indique três números, maiores ou iguais a 2, que sejam primo relativo de 21: 14. Quantos primos relativos tem o número 21? 15. Das expressões: k = Y x mod n, k = X y mod n e k = k = g xy mod n, utilizadas no Diffie-Hellman quais os parâmetros que devem ser mantidos secretos para o sucesso da transmissão da chave secreta? K X, Y x, y n g 16. A autenticação de uma mensagem preocupa-se com: repudiação da origem Integridade da mensagem Confidencialidade da mensagem Validar a identidade do originador 17. Seria possível realizar a autenticação de um texto em claro usando DES e garantindo um message digest de dimensão fixa independentemente do testo em claro? 18. Pode-se utilizar uma função de hash para cifrar? Só se se utilizar uma chave como no HMAC, como quando se utiliza o DES-CBC 19. Pode-se utilizar apenas SHA-1 para garantir a integridade de uma mensagem? 20. Um dos principais problemas da segurança actualmente é a distribuição de chaves secretas. Quais das seguintes soluções resolve em parte esse problema? Diffie-Hellman HMACs CA Certification Authority KDC Key Distribuition Center 21. As autoridades de certificação e os certificados digitais permitem realizar a troca segura de: 22. No 802.1x quais as entidades que têm de ter conhecimento da chave secreta do utilizador? Suplicante Autenticador Servidor de autenticação é necessária uma chave secreta para o utilizador 23. Em RADIUS como é garantida a confidencialidade da password do utilizador entre o cliente e o servidor? 24. Qual das seguintes afirmações descreve melhor o significado do que é um túnel? Passa mensagens de um gateway para outro de uma forma segura Permite a um servidor local actuar como se fosse o servidor destino Encapsula um protocolo dentro de outro protocolo do mesmo nível Fornece uma forma de interligar múltiplas filiais 2

3 25. PPP utilizando EAP-MD5 pode fornece: Integridade Autenticação do NAS Autenticação do cliente Confidencialidade Disponibilidade 26. Quanto aos erros o PPTP: Utiliza sempre o send-and-wait Utiliza sempre o go-back-n Por omissão não suporta a correcção de erros suporta correcção de erros 27. O PPTP utiliza o TCP: Para criar um túnel com correcção de erros para os dados a transportar utiliza para nada dado ser um protocolo da camada data link Para transportar a ligação de supervisão Para poder transportar PPP extremo-a-extremo da ligação 28. O L2TP : Pode realizar correcção de erros Cria um novo túnel por cada ligação TCP que é estabelecida entre dois pontos. Foi criado porque o PPTP não oferecia segurança suficiente. Só por si não fornece segurança 2º teste 29. Quando se configura o IPsec a autenticação só se consegue obter escolhendo: AH ESP Ambos AH e ESP AH ou ESP 30. O modo túnel pode ser utilizado entre dois utilizadores finais? Apenas com o protocolo AH Apenas com o protocolo ESP Apenas se os protocolos AH e ESP forem utilizados simultaneamente 31. A Security Policy Database (SPD) permite guardar as politicas de: Granularidade do tráfego Algoritmos e chaves de cifra Modos AH ou ESP a utilizar Tempo de vida da associação de segurança Processa ou não o datagrama IP 32. Quando o tempo de vida de uma SA termina: A ligação tem de se reiniciar Só se reinicia a ligação se se tiver pedido protecção contra repetições Continua impávida e serena com novos SAs alterando apenas o SPI Termina avisando o utilizador do facto ocorrido 33. Quando se diz que o IPsec garante a integridade das mensagens está-se a afirmar que: As mensagens que chegam, estão íntegras Apenas as que chegam e usam AH ou ESP com autenticação estão íntegras Apenas se se usar Diffie-Hellman na geração das chaves Todas as mensagens enviadas chegam ao destino e com garantia de integridade 34. Com o IPsec configurado em modo transporte qual das seguintes respostas é verdadeira em todos os casos? O cabeçalho do pacote IP original não é protegido A carga do pacote IP original é autenticada A carga do pacote IP original é cifrada O cabeçalho do pacote IP original é cifrado, autenticado ou ambos SRC 2008/06/30 3/5

4 35. No contexto do IPsec, uma associação de segurança é identificada de forma única por: Security Parameters Index; endereço IP de destino dos pacotes; escolha de AH ou ESP Security Parameters Index; endereço IP de origem dos pacotes; escolha de AH ou ESP Security Parameters Index; endereço IP de destino dos pacotes; escolha de modo transporte ou túnel Security Parameters Index; endereço IP de origem dos pacotes; escolha de modo transporte ou túnel 36. Nos protocolos AH e ESP do IPsec, o número de sequência do cabeçalho serve para: Assegurar que os pacotes chegam pela mesma ordem em que foram enviados Reduzir o risco de ataque por repetição Reduzir o risco de ataque por negação de serviço Manter o rasto da associação de segurança a que o pacote está associado 37. No IKEv2 a função PRF, se usar o HMAC_SHA1, gera 160 bits pseudo-aleatórios. Como é que consegue gerar todas as chaves quando algumas delas são de centenas de bits? Chama-se outra função designada por PRF+ O parâmetro de entrada da função PRF length define o número de bits do resultado É chamada várias vezes concatenando os resultados até se terem os bits necessários Usa-se o HMAC_SHA-512 quando se precisa de um maior número de bits como resultado 38. Um nonce no IKE: Deve ser devolvido o seu HMAC usando como chave o segredo partilhado Serve para se poderem gerar novas chaves sem utilizar o Diffie-Hellman Serve para proteger o servidor dando mais trabalho a quem pede a ligação do que a quem recebe o pedido evitando assim ataques DoS É um número aleatório de, pelo menos, 128 bits 39. Como é garantida a autenticação das mensagens IKE_SA_AUTH? Através dos nonces Através dos certificados digitais trocados que transportam as respectivas chaves públicas Através de segredos pré-partilhados Através da forma de cálculo do campo AUTH Utilizando o Diffie-Hellman 40. No IKE a criação de child SAs adicionais implica a troca de mensagens CREATE_CHILD_SA adicionais. O que é essencial que estas mensagens transportem se se pretender usar Perfect Forward Secrecy? Nonces Valores Diffie-Hellman Certificados digitais Selectores de tráfego 41. Os cookies servem para minimizar ataques DoS por exaustão de recursos. Para que possam ser utilizados o cliente e o servidor têm de partilhar um segredo. Verdadeiro Falso Apenas no caso de utilizarem certificados digitais Apenas se usarem segredos partilhados 42. O Record Protocol do SSL realiza as seguintes operações pela ordem: Comprime, cifra, autentifica Autentifica, cifra e comprime Comprime, autentica e cifra Cifra, autentica e comprime 43. O SSL utiliza: Web-of-trust Certificados digitais UDP TCP 44. Cada nova ligação entre duas entidades que utilizam SSL negoceia: Novo master secret Novos nonces Novas chaves de cifra do cliente e do servidor Novos algoritmos de autenticação e de cifra 45. Qual a principal diferença na geração do master secret entre o SSL e o TLS? Dimensão da chave, maior no TLS Uso de HMAC pelo TLS Uso de nonces pelo TLS para refrescar a chave em cada nova sessão Uso pelo TLS de um pré_master_secret 4

5 46. Qual o protocolo que permite garantir confidencialidade, integridade e autenticação de mensagens de entre a origem e o destino? 47. A utilização de CRAM-MD5 no SMTP garante, entre o cliente e o seu servidor de Confidencialidade Autenticação do cliente Integridade -repudiação 48. Se utilizar SPF (Sender Policy Framework) o servidor de Verifica no DNS qual a chave publica do servidor remetente e verifica a assinatura das mensagens recebidas Consulta o DNS para verificar se o servidor que lhe está a enviar a mensagem de está autorizado a fazê-lo em nome do domínio do remetente Obriga os clientes a utilizar S/MIME para garantir a autenticação das mensagens É garantida a confidencialidade das mensagens entre servidores de . SRC 2008/06/30 5/5

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Nota: Seja preciso e conciso nas suas respostas. Para responder às perguntas de resposta múltipla utilize a tabela abaixo. Todas as outras perguntas devem ser respondidas em folhas de teste. Não faça letra

Leia mais

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares

Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Nome: Nº de aluno: 1º teste 25 perguntas de 1 a 38 / 2º teste 25 perguntas de 30 a 58 / Exame Pares Pergunta Resposta 1 A B C D E F 2 A B C D E F 3 A B C D E F 4 A B C D E F 5 A B C D E F 6 A B C D E F

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Nome: Nº de aluno: Nota: Seja preciso e conciso nas suas respostas. Para responder às perguntas de resposta múltipla utilize a tabela abaixo. Não faça letra de médico. Quando terminar entregue apenas esta

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Nome Número Docente: JA VA Curso: LERCM MEIC MEET MERCM Exame (responda a todas as perguntas pares) / Repetição do 1º teste Nas questões de resposta múltipla (V/F) assinale com uma cruz a resposta correta.

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec

Criptografia e Segurança das Comunicações. IPsec Criptografia e Segurança das Comunicações IPsec IPsec : 1/27 Introdução (1) Os datagramas IP do nível de rede da pilha de protocolos v4 são inseguros! Endereço fonte pode ser mistificado ( spoofed ). Conteúdo

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Introdução Conceitos básicos IP Seguro Criptografia Segurança em redes IP Associação de Segurança, Modos de funcionamento AH, ESP, Processamento de tráfego,

Leia mais

Criptografia e Segurança de Redes Capítulo 16

Criptografia e Segurança de Redes Capítulo 16 Criptografia e Segurança de Redes Capítulo 16 Quarta Edição por William Stallings Lecture slides by Lawrie Brown Capítulo 16 Segurança de IP Se uma noticia secreta é divulgada por um espião antes da hora

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Internet Protocol Security (IPSec)

Internet Protocol Security (IPSec) Internet Protocol Security (IPSec) Segurança de Computadores IPSec - Introdução Preocupados com a insegurança na Internet o IETF (Internet Engineering Task Force) desenvolveu um conjunto de protocolos,

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Prof. Fábio Nelson Colegiado de Engenharia de Computação Slide 1 Colegiado de Engenharia de Computação Slide 2 Autenticação Processo de provar a própria identidade a alguém. Na rede a autenticação se dá

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. ADEETC Grupo de Redes de Comunicação. Segurança em Redes de Computadores. 3ª Ficha de avaliação Maio 2016

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. ADEETC Grupo de Redes de Comunicação. Segurança em Redes de Computadores. 3ª Ficha de avaliação Maio 2016 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Grupo de Redes de Comunicação Segurança em Redes de Computadores 3ª Ficha de avaliação Maio 2016 A resposta às fichas deve ser individual. Se a copiar

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais

Segurança em Redes IP

Segurança em Redes IP IPSec 1 Segurança em Redes IP FEUP MPR IPSec 2 Requisitos de Segurança em Redes» Autenticação: O parceiro da comunicação deve ser o verdadeiro» Confidencialidade: Os dados transmitidos não devem ser espiados»

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS

CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS CONCEITOS AVANÇADOS EM IRCS VIRTUAL PRIVATED NETWORK - VPN VPN: Rede Virtual Privativa que usa a estrutura aberta e distribuída da Internet para a troca de dados segura e confiável entre redes corporativas

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

IPsec: IP Seguro. Edgard Jamhour 2009, Edgard Jamhour

IPsec: IP Seguro. Edgard Jamhour 2009, Edgard Jamhour IPsec: IP Seguro Edgard Jamhour 1) Introdução ao IP Sec - IP Seguro Padrão aberto baseado em RFC (IETF). Comunicação segura em camada 3 (IPv4 e IPv6) Provê recursos de segurança sobre redes IP: Autenticação,

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

O serviço IPsec da camada 3

O serviço IPsec da camada 3 IPsec O standard IPsec é uma arquitectura de transporte de dados de uma forma segura sobre redes não seguras. A sua utilização começa a ser bastante comum para a construção de redes virtuais (VPNs) sobre

Leia mais

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática

Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Capítulo 8 Segurança na Rede Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática slide 1 Capítulo 8: Esboço 8.1 O que é segurança na rede? 8.2 Princípios de criptografia 8.3 Integridade de mensagem

Leia mais

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO *

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * Giovani Francisco de Sant Anna Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) William Rodrigues Gomes Centro Universitário

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA

Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA Logotipo Viana do Castelo Avaliação do Desempenho de Sistemas de Segurança com Suporte WPA Luís Barreto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Susana Sargento Universidade de Aveiro 8ª Conferência sobre

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sexta Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança em Correio Eletrônico Aplicação mais usada no mundo Altamente vulnerável Serviços necessários: Confidencialidade Autenticação

Leia mais

Criptografia de Chave Pública

Criptografia de Chave Pública Criptografia de Chave Pública Aplicações Privacidade, Autenticação: RSA, Curva Elíptica Intercâmbio de chave secreta: Diffie-Hellman Assinatura digital: DSS (DSA) Vantagens Não compartilha segredo Provê

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores 1 Capítulo 8 Segurança em redes de computadores 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Segurança em Redes VPNs IKEv2

Segurança em Redes VPNs IKEv2 Segurança em Redes VPNs IKEv2 Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Internet Key Exchange IKE 21-09-2011

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved.

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016. Heavily based on 1996-2010 J. Kurose and K. Ross, All Rights Reserved. Questionário Socrative: início de aula 7. Segurança de redes Redes de Computadores Objetivos Estudar os princípios da segurança de redes Criptografia Confidencialidade, autenticidade, integridade A implementação

Leia mais

IPSec & Redes Virtuais Privadas

IPSec & Redes Virtuais Privadas IPSec & Redes Virtuais Privadas Informe Técnico Página 1 de 19 I. Introdução A Unicert Brasil Certificadora é uma empresa que atua em tecnologia de informação, com produtos e serviços consistentes com

Leia mais

Rede Privada Virtual - VPN. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

Rede Privada Virtual - VPN. Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Rede Privada Virtual - VPN Eng. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Tópicos Abordados Introdução a VPN Protocolos de Tunelamento Criptografia Infraestrutura de Chave Pública - PKI Introdução

Leia mais

Segurança em Redes VPN IPsec

Segurança em Redes VPN IPsec Segurança em Redes VPN IPsec Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa IPsec 21-09-2011 Redes de Comunicação

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Manual de Configuração de Ipsec

Manual de Configuração de Ipsec Manual de Configuração de Ipsec Versão 0 BRA-POR Definições de observações Utilizamos o ícone a seguir ao longo deste Manual do Usuário: Os ícones de ensinam como agir em determinada situação ou fornecem

Leia mais

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio

Domín í io d e C onhecimento t 2 : Se S gurança e m C omunicações Carlos Sampaio Domínio de Conhecimento 2: Segurança em Comunicações Carlos Sampaio Agenda Segurança de acesso remoto 802.1x (Wireless) VPN RADIUS e TACACS+ PPTP e L2TP SSH IPSec Segurança de E-Mail MIME e S/MIME PGP

Leia mais

Autenticação com Assinatura Digital

Autenticação com Assinatura Digital Autenticação Verificação confiável da identidade de um parceiro de comunicação Define uma relação de confiança Garante que o remetente dos dados não negue o envio dos mesmos Autenticação com Assinatura

Leia mais

VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol)

VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol) VPN PPTP (Point to Point Tunneling Protocol) Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Baseado em: VPNs

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 04 Tipos de Ataques

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 04 Tipos de Ataques Ataque de Dicionário www.projetoderedes.com.br Trata-se de um ataque baseado em senhas que consiste na cifragem das palavras de um dicionário e posterior comparação com os arquivos de senhas de usuários.

Leia mais

Administração de Sistemas (ASIST)

Administração de Sistemas (ASIST) Administração de Sistemas (ASIST) Criptografia Outubro de 2014 1 Criptografia kryptós (escondido) + gráphein (escrita) A criptografia utiliza algoritmos (funções) que recebem informação e produzem resultados

Leia mais

Mecanismos de Autenticação dos Emails

Mecanismos de Autenticação dos Emails Mecanismos de Autenticação dos Emails De uma forma generalizada, pode-se identificar os seguintes problemas relacionados com a autenticidade dos emails: Envio de mensagens não solicitadas (spam), que pode

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. 6.1. Segurança e Privacidade. Ameaça: espionagem e invasão da privacidade

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. 6.1. Segurança e Privacidade. Ameaça: espionagem e invasão da privacidade Módulo 6 Segurança e Privacidade 6.1. A segurança nas redes informáticas 6.2. Soluções de segurança 1 Anos 50 (início da era informática) 6.1. Segurança e Privacidade Número reduzido de computadores Número

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Segurança em Comunicações Protocolos de Segurança VPN 2 1 Comunicações Origem Destino Meio Protocolo 3 Ataques Interceptação Modificação Interrupção Fabricação 4 2 Interceptação

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

IPSEC. (IP Security Protocol)

IPSEC. (IP Security Protocol) IPSEC (IP Security Protocol) Curso de Ciências da Computação 3COP041 - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Denilson Vedoveto Martins Orientador: Ms. Mario Lemes Proença Junior LONDRINA, 2002 ÍNDICE

Leia mais

O que é VPN? A VPN Connection

O que é VPN? A VPN Connection O que é VPN? As redes virtuais privadas (VPNs) são conexões ponto a ponto em redes privadas ou públicas, como a Internet. Um cliente VPN usa protocolos especiais baseados em TCP/IP, denominados protocolos

Leia mais

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748

EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 EAP (Extensible Authentication Protocol) RFC 3748 Redes de Comunicação Departamento de Engenharia da Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa EAP (Extensible

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Segurança em Redes VPNs IPSec

Segurança em Redes VPNs IPSec Segurança em Redes VPNs IPSec Secção de Redes de Comunicação de Dados Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Baseado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Segurança no Acesso Remoto VPN

Segurança no Acesso Remoto VPN Segurança no Acesso Remoto Edmar Roberto Santana de Rezende 1 Orientador: Prof. Dr. Paulo Lício de Geus 1 Financiado por Robert Bosch Ltda 1de 31 Apresentação Motivação Redes Privadas Virtuais () Análise

Leia mais

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa Segurança da Informação Prof. Gleison Batista de Sousa Ao longo do tempo e com a evolução tecnologia surgiram uma quantidade enorme de problemas desafiadores relacionados a segurança da informação. Quais

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto VPN

Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto VPN Laboratório de Administração e Segurança de Sistemas Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas Uma solução segura e escalável para Acesso Remoto Autores: Edmar Roberto Santana de Rezende

Leia mais

Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias

Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias Unidade 3 Dispositivos e Tecnologias 95 Firewalls firewall Isola a rede interna de uma organização da rede pública (Internet), permitindo a passagem de certos pacotes, bloqueando outros. Rede administrada

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES 5/12/2005 UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Segurança 5/12/2005 Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Classes de criptografia Criptografia simétrica ou de chave

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes Privadas Virtuais (VPN) Protocolo PPP 1 Virtual Private Network (VPN) Uma VPN é uma infra-estrutura de comunicação de nível 2 (camada de ligação lógica) que

Leia mais

IBM Systems - iseries. Rede Privada Virtual. Versão 5 Edição 4

IBM Systems - iseries. Rede Privada Virtual. Versão 5 Edição 4 IBM Systems - iseries Rede Privada Virtual Versão 5 Edição 4 IBM Systems - iseries Rede Privada Virtual Versão 5 Edição 4 Nota Antes de utilizar estas informações e e o produto que suportam, certifique-se

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Segurança na Internet

Segurança na Internet Segurança na Internet Muito do sucesso e popularidade da Internet é por ela ser uma rede global aberta Por outro lado, isto faz da Internet um meio não muito seguro É difícil identificar com segurança

Leia mais

Handson Cisco IOS VPN

Handson Cisco IOS VPN Handson Cisco IOS VPN IPSec VPN A utilização generalizada das VPN s deve- se à necessidade de garantir segurança em comunicações tendencialmente inseguras. O IPSec tem a responsabilidade de garantir os

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Princípios de Criptografia Tópicos O papel da criptografia na segurança das redes de comunicação; Criptografia de chave

Leia mais

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade

Atributos de segurança. TOCI-08: Segurança de Redes. Ataques a canais de comunicação. Confidencialidade Atributos de segurança TOCI-08: Segurança de Redes Prof. Rafael Obelheiro rro@joinville.udesc.br Aula 9: Segurança de Comunicações Fundamentais confidencialidade integridade disponibilidade Derivados autenticação

Leia mais

Exame de Segurança Informática 2 a Chamada

Exame de Segurança Informática 2 a Chamada Exame de Segurança Informática 2 a Chamada Licenciatura em Engenharia Informática e em Tecnologias e Sistemas da Informação Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Nome. Número. Curso.

Leia mais

Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Segurança em Sistemas e Redes de Computadores SSRC-0910-EN-1.1.A

Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Segurança em Sistemas e Redes de Computadores SSRC-0910-EN-1.1.A Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Segurança em Sistemas e Redes de Computadores SSRC-0910-EN-1.1.A 1º

Leia mais

Introdução à Criptografia. Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral

Introdução à Criptografia. Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral Introdução à Criptografia Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral 1 O que é Segurança da Informação Segurança de Informação relaciona-se com vários e diferentes aspectos referentes à: confidencialidade

Leia mais

Router VPN DrayTek. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.com support@thegreenbow.com

Router VPN DrayTek. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.com support@thegreenbow.com Cliente VPN IPSec TheGreenBow Guia de Configuração Router VPN DrayTek WebSite: Contact: http://www.thegreenbow.com support@thegreenbow.com IPSec VPN Router Configuration Property of TheGreenBow Sistech

Leia mais

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL TchêLinux Ulbra Gravataí http://tchelinux.org/gravatai Elgio Schlemer Ulbra Gravatai http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 31 de Maio de 2008 Introdução Início

Leia mais

SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ

SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618 Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ Sinalização Segura 2 Segurança Tripé Autenticação Quem

Leia mais

Criptografia. Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt. Departamento de Informática Universidade do Minho

Criptografia. Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia. M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt. Departamento de Informática Universidade do Minho Criptografia Módulo III Aplicações Correntes da Criptografia M. B. Barbosa mbb@di.uminho.pt Departamento de Informática Universidade do Minho 2006/2007 Secure Sockets Layer (SSL) Transport Layer Security

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

REDES PRIVADAS VIRTUAIS COM IPSec

REDES PRIVADAS VIRTUAIS COM IPSec UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESCOLA DE EXTENSÃO Prof. Pedro A. D. Rezende REDES PRIVADAS VIRTUAIS COM IPSec Dêner Lima Fernandes Martins Brasília DF 11-agosto-2000 Dêner L. F. Martins

Leia mais

Redes Virtuais Privadas VPN. Edgard Jamhour. 2013, Edgard Jamhour

Redes Virtuais Privadas VPN. Edgard Jamhour. 2013, Edgard Jamhour Redes Virtuais Privadas VPN Edgard Jamhour Tipos de VPN rede Insegura ENTRE DUAS MÁQUINAS rede Insegura ENTRE UMA MÁQUINA E UMA REDE (VPN DE ACESSO) rede Insegura ENTRE DUAS REDES (INTRANET OU EXTRANET

Leia mais

Remote Authentication Dial in User Service (RADIUS) Rômulo Rosa Furtado

Remote Authentication Dial in User Service (RADIUS) Rômulo Rosa Furtado Remote Authentication Dial in User Service (RADIUS) Rômulo Rosa Furtado O que é RADIUS: RADIUS é uma rede de protocolo que fornece Autorização, Autenticação e Contabilidade (AAA). Para que serve? Ele serve

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Mecanismos de certificação e a criptografia

Mecanismos de certificação e a criptografia Mecanismos de certificação e a criptografia Os mecanismos de certificação são responsáveis em atestar a validade de um documento. Certificação Digital A Certificação Digital pode ser vista como um conjunto

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Segurança Maputo 28 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Segurança Agenda/Índice O que há de novo no IPv6? Ameaças IPsec Firewall Conclusão O que há de novo no IPv6? A Segurança

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

Capítulo 8 Segurança em rede

Capítulo 8 Segurança em rede Capítulo 8 Segurança em rede Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para que

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Vulnerabilidades

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Vulnerabilidades Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Vulnerabilidades Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL Outubro 2015 Fernando Correia

Leia mais

GatePRO. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt

GatePRO. Cliente VPN IPSec TheGreenBow. Guia de Configuração. http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt Cliente VPN IPSec TheGreenBow Guia de Configuração GatePRO WebSite: Contacto: http://www.thegreenbow.pt support@thegreenbow.pt Guia de Configuração escrito por: Escritor: Equipe de Suporte Empresa: Interage

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações

Segurança da Informação. Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Segurança da Informação Criptografia, protocolos seguros e suas aplicações Criptografia Serviços Oferecidos Serviços Disponibilidade Integridade Controle de acesso Autenticidade da origem Não-repudiação

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais