Painel: Ações de Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Palestrante: ARÃO AMARAL FILHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Painel: Ações de Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Palestrante: ARÃO AMARAL FILHO"

Transcrição

1 Painel: Ações de Gestão do Conhecimento na Administração Pública Palestrante: ARÃO AMARAL FILHO Título: GERENCIAMENTO OPERACIONAL INTEGRADO CATÁLOGO DE ATIVIDADES Organização: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Superintendência Nacional do FGTS 18/06/2013

2 Agenda Gerenciamento Operacional Integrado Introdução FGTS Base Legal Sistema FGTS Principais atribuições Composição do Conselho Curador e Arranjo Institucional Cronologia do FGTS Segregação Estatutária e organograma FGTS na CAIXA Orçamento e Números Modelo de Gestão SUFUG

3 Agenda continuação Sobre o Programa Objetivo Tecnologia adotada Premissas Regras de negócio Resultado Aplicabilidade para os stakeholders Próximos passos

4 Introdução

5 FGTS Base Legal Estabilidade adquirida após 10 anos; Lei 5.107, de 13 setembro de 1966 Objetivos: Criar poupança compulsória para o trabalhador (8% sobre remuneração), como opção à estabilidade após 10 anos. Constituir o Fundo como fonte de recursos para investimento em habitação, saneamento e infraestrutura.

6 Sistema FGTS Principais Atribuições Presidência do CCFGTS Vice-presidência do CCFGTS e Gestor da Aplicação Agente Operador: Gestão do Ativo e Passivo do Fundo e implementação das decisões do Conselho Curador e do Gestor das Aplicações SIT Fiscalização do recolhimento das contribuições Representação judicial e extrajudicial do FGTS

7 Composição do Conselho Curador do FGTS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO - CCFGTS Representantes do Governo Representantes dos Empregadores Representantes dos Empregados Ministério do Trabalho e Emprego Presidente do CCFGTS Ministério das Cidades Vice-Presidente do CCFGTS Confederação Nacional da Indústria União Geral dos Trabalhadores Secretaria-Executiva do CCFGTS Ministério da Fazenda Confederação Nacional do Transporte Central Única dos Trabalhadores Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Confederação Nacional do Sistema Financeiro Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil Banco Central do Brasil Caixa Econômica Federal Conferação Nac. do Com. de Bens, Serviços e Turismo Força Sindical Casa Civil da Presidência da República Secretaria-Geral da Presidência da República Confederação Nacional de Serviços Central Geral dos Trabalhadores do Brasil Ministério da Saúde Ministério dos Transportes Confederação Nac.de Saúde, Hospitais, Estabel.e Serviços Nova Central Sindical de Trabalhadores

8 Arranjo Institucional FGTS Ministério do Trabalho e Emprego / Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) Conselho Monetário Nacional Conselho Curador do FGTS Ministério das Cidades Ministério da Fazenda / Procuradoria Geral da Fazenda (PGFN) GAP Agente Operador Auditoria Interna Auditoria Independente BACEN Fiscalização Auditoria Integrada Agente Financeiro Outros Agentes Financeiros TCU

9 Cronologia Criação do FGTS Lei 7839/89: Elaboração do balanço do Fundo e controle do saldo das contas ativas e passivas Extinção do BNH e Administração do Fundo pela Caixa Criação CCFGTS Lei 8036/90: Regulamentação do Fundo Crise do FGTS: suspensão das aplicações Centralização: 55 milhões de contas distribuídas em 76 instit. financeiras Término da centralização das contas vinculadas Lei 8727/93: Renegociação de dívidas Pagamento das contas inativas Retomada das aplicações Segregação das contas do FGTS da Caixa

10 Cronologia Lei Complementar 110/01: Planos Collor e Verão FMP etrobrás: R$ 1,6 bi Conectividade Social: CRF, saldo e extrato pela Internet Início pagamento dos Planos Econômicos FMP Vale: R$ 1 bi Criação Saque Calamidade Mudança na regra do saque para aposentadoria Prêmio Excelência em Gestão PQGF Implementação do FI-FGTS Término dos pagamentos dos Planos Econômicos Saque Calamidade SC Minha Casa Minha Vida Carteiras Administradas FMP Petrobrás R$ 423 mi Contratação CRI: R$ 2,7 Planejamento Estratégico do FGTS

11 Conselho Administração VIGAN VICOR VIPJU Presidente Conselho Fiscal Conselho Estratégico de Fundos de Governo e Loterias VIFUG VITER VIPFI VIPES VIFIN VITEC VILOG VIGOV Conselho Diretor Segregação Estatutária e Governança Corporativa

12 Organograma VICE-PRESIDÊNCIA DE FUNDOS DE GOVERNO E LOTERIAS DIRETORIA EXECUTIVA DE FUNDOS DE GOVERNO SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE FUNDO DE GARANTIA (17 empregados) Avaliação da Gestão GERÊNCIA NACIONAL DE ATIVOS FGTS (21 empregados) GERÊNCIA NACIONAL DE GESTÃO DA REDE DO FGTS (24 empregados) GERÊNCIA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PASSIVOS (38 empregados) GERÊNCIA NACIONAL DE ATIVOS FGTS OPERAÇÕES DE MERCADO (16 empregados) 16 Filiais (1.554 empregados)

13 Ativo do FGTS (dez/2012) R$ 325,9 bilhões Aplicação em títulos e valores mobiliários R$ 119,2 bilhões Operações de crédito R$ 156,3 bilhões Orçamento em 2012 R$ 79,5 bilhões Saques em 2012 R$ 65,1 bilhões

14 Modelo de Gestão SUFUG

15 Agenda continuação Sobre o Programa Objetivo Tecnologia adotada Premissas Regras de negócio Resultado Aplicabilidade para os stakeholders Próximos passos

16 Problema: Como garantir gestão em uma organização pública? - Complexidade de estrutura, de relacionamentos, de processos, de legalidade, questões éticas, ambientais, etc...

17 Solução convencional: Criar formas minimalistas dos Sistemas, das estruturas, das atividades.

18 Gerenciamento Operacional Integrado

19 Compreendendo o fluxo e o modo como uma atividade é executada, é possível identificar oportunidades de melhorias nos procedimentos. Poucos conseguem ter a visão sistêmica de uma organização, e praticamente raros são aqueles que dominam todos os relacionamentos, processos, atividades, tarefas.

20

21 O Catálogo de Atividades Os principais objetivos da aplicação são: compartilhar o conhecimento das atividades operacionais da unidade e garantir que todas elas sejam realizadas no prazo e de forma contínua por qualquer empregado, pois o como fazer fica explicitado.

22 O Catálogo de Atividades O Gerenciamento Operacional Integrado é feito por meio de uma aplicação web (servidor ASP e SQL) que reúne funcionalidades para gerenciar a realização das atividades da unidade (quando fazer/agendamento), registrar instruções em forma de texto ou vídeo (como fazer) e integrar essas atividades estabelecendo relacionamentos de precedência e dependência (o que/de quem precisa e o que/quem depende).

23 Acompanhamento

24 O Catálogo de Atividades Como fazer

25 Pesquisa

26 O Catálogo de Atividades A aplicação foi implantada no âmbito matriz da Superintendência Nacional de Fundo de Garantia em 09/07/2012 e a sua utilização tem ocorrido gradualmente nas unidades vinculadas, configurando-se como o início de um novo modelo de gestão.

27 Apresentação dos Resultados O acompanhamento de todas as atividades por todos os empregados da célula diminuiu os riscos de atraso ou não realização, como também promove a disseminação do conhecimento. Quando um empregado assume as atividades de outro por motivo de ausência ou redistribuição, a execução delas ocorre de forma prática, pois foi eliminada a etapa de explicar e anotar como fazer.

28 Apresentação dos Resultados Também há redução no tempo de execução das atividades operacionais mais frequentes e minimização de eventuais falhas. O encadeamento das atividades de todos os colaboradores no Catálogo de Atividades faz com que os fluxos dos processos sejam elaborados por quem os executa, sendo então possível identificar eventuais gargalos, quebra na tempestividade das entregas, e processos soltos.

29 Impacto do Catálogo de Atividades A aplicação foi desenvolvida na célula de Informações Gerenciais do FGTS sendo utilizada plenamente por ela. Através dessa solução, a célula conseguiu padrão de qualidade na gestão de conteúdos e prazos, além de propiciar condições efetivas para compartilhamento e retenção de conhecimento nas atividades críticas. Outras 3 células também utilizam a aplicação e, nesse ano, ela será disponibilizada para as 16 filiais da superintendência.

30 Envolvimento/Impacto na Sociedade Sociedade se beneficia diretamente quando há resposta tempestiva na atualização de informações, buscando a Governança. Os diversos sites mantidos pela Superintendência Nacional de Fundo de Garantia: Canal do FGTS para os conselheiros, site do FGTS na internet (www.fgts.gov.br) e na intranet recebem atualizações de conteúdo. A aplicação permite a gestão integrada destes fluxos.

31 Perspectivas Futuras Continuidade da implantação em todas as unidades da superintendência na matriz. Desenvolver uma nova versão da aplicação. Iniciar a implantação nas filiais do FGTS no ano de Progredir do módulo de controle e gestão operacional para uma visão integrada por macroatividade e processo.

32 OBRIGADO! ARÃO AMARAL FILHO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Arranjo Institucional FGTS

Arranjo Institucional FGTS 1 Arranjo Institucional FGTS Ministério do Trabalho e Emprego / Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) Conselho Monetário Nacional Conselho Curador do FGTS Ministério das Cidades Gestor da Aplicação

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento PAINEL 6: Financiamento para Gestão Sustentável dos Serviços Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Foz do Iguaçu,

Leia mais

SUFUG Superintendência Nacional do FGTS CAIXA Agente Operador do FGTS

SUFUG Superintendência Nacional do FGTS CAIXA Agente Operador do FGTS SUFUG Superintendência Nacional do FGTS CAIXA Agente Operador do FGTS FGTS Criação e Gestão O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, criado pela Lei nº 5.107, de 13 de setembro de 1966, atualmente

Leia mais

Subcomissão do FGTS. Senado Federal. Março de 2012

Subcomissão do FGTS. Senado Federal. Março de 2012 Subcomissão do FGTS Senado Federal Março de 2012 Base Legal Pecúlio ao trabalhador em opção à estabilidade 10 anos (Patrimônio do Trabalhador) Poupança interna para investimento em habitação, saneamento

Leia mais

BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES

BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES BALANÇO DO FGTS EM 2012 LUCRO LIQUIDO DE R$ 14.3 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 23.4 BILHÕES MPARA OS TRABALHADORES Com Base no Balanço Anual do FGTS do ano de 2012, elaborado pela Caixa Econômica

Leia mais

3º Seminário de Boas Práticas de Gestão - GesPública - Edição 2015 18/11/2015. Prática de Gestão: Conselho de Clientes. Critério: Cidadãos

3º Seminário de Boas Práticas de Gestão - GesPública - Edição 2015 18/11/2015. Prática de Gestão: Conselho de Clientes. Critério: Cidadãos 3º Seminário de Boas Práticas de Gestão - GesPública - Edição 2015 18/11/2015 Prática de Gestão: Conselho de Clientes Critério: Cidadãos Palestrante: Leo Eraldo Paludo Organização: Filial Fundo de Garantia

Leia mais

MUDANÇAS POUPANÇA CADERNETA DE POUPANÇA

MUDANÇAS POUPANÇA CADERNETA DE POUPANÇA MUDANÇAS POUPANÇA CADERNETA DE POUPANÇA Maria Henriqueta Arantes Ferreira Alves JUNHO 2015 Fonte: Abecip e BCB Financiamento Imobiliário SBPE R$ Bilhões 3,4% Construção e Aquisição Apesar do cenário macroeconômico

Leia mais

2009 RelatóRio anual

2009 RelatóRio anual 2009 Relatório anual 92 Relatório Anual 2009 2009 Relatório anual sumário 4Sobre este Relatório 6Os grandes números de 2009 8O FGTS na vida nacional 10 Mensagens 14 1. Perfil organizacional 22 2. Governança

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS Criação: Lei 5.107/66 - Atual Lei 8.036/90-50 ANOS EM 2016 Objetivo: Constituir um pecúlio para o trabalhador quando de sua aposentadoria ou por ocasião da rescisão do contrato

Leia mais

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS

OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS OU DEFENDEMOS OU PERDEMOS Criação: Lei 5.107/66 - Atual Lei 8.036/90-50 ANOS EM 2016 Objetivo: Constituir um pecúlio para o trabalhador quando de sua aposentadoria ou por ocasião da rescisão do contrato

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br História da Caixa Professor Carlos Arthur 1. A Caixa Econômica Federal (CAIXA), criada em 1861, está regulada pelo Decreto-Lei n.º 759/1969, como empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda. A instituição

Leia mais

BALANÇO DO FGTS EM 2013 LUCRO LIQUIDO DE R$ 9.2 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 29 BILHÕES PARA OS TRABALHADORES

BALANÇO DO FGTS EM 2013 LUCRO LIQUIDO DE R$ 9.2 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 29 BILHÕES PARA OS TRABALHADORES BALANÇO DO FGTS EM 2013 LUCRO LIQUIDO DE R$ 9.2 BILHÕES PARA O GOVERNO PERDA DE R$ 29 BILHÕES PARA OS TRABALHADORES Com Base no Balanço Anual do FGTS do ano de 2013, elaborado pela Caixa Econômica Federal,

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

VITEC TECNOLOGIA INFORMAÇÃO

VITEC TECNOLOGIA INFORMAÇÃO VITEC TECNOLOGIA TECNOLOGIA INFORMAÇÃO DA TI Integrada aos Negócios da Caixa Negócios CAIXA Equipe Qualificada Contratação de Serviços Ativos de TI TI Integrada aos Negócios da Caixa Negócios CAIXA Equipe

Leia mais

Apresentação à Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal: Subcomissão Temporária. Fundo de Investimento do FGTS.

Apresentação à Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal: Subcomissão Temporária. Fundo de Investimento do FGTS. Apresentação à Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal: Subcomissão Temporária Fundo de Investimento do FGTS Junho de 2012 Lei Federal nº 11.491, de 20 de junho de 2007 Cria o Fundo de Investimento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

D E M O N S T R A Ç Õ E S C O N T Á B E I S D O F G T S

D E M O N S T R A Ç Õ E S C O N T Á B E I S D O F G T S D E M O N S T R A Ç Õ E S C O N T Á B E I S D O F G T S Relatório de Administração Exercício 2010 1 INTRODUÇÃO O FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO FGTS foi criado pela Lei nº 5.107, de 13 de setembro

Leia mais

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001)

FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) FUNDOS DE PENSÃO - (Ante)Projeto de Lei Complementar PLC (ENTIDADES ASSOCIADAS: Proposta Consolidada Aprimora LC 108/2001) Texto Atual Texto Proposto Justificativas Art. 4º. Nas sociedades de economia

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

GMC Gerente Municipal de Convênios e Contratos. GCE Gerente Estadual de Convênios e Contratos. O papel do GMC

GMC Gerente Municipal de Convênios e Contratos. GCE Gerente Estadual de Convênios e Contratos. O papel do GMC GMC Gerente Municipal de Convênios e Contratos GCE Gerente Estadual de Convênios e Contratos I Encontro Estadual de GMC Santa Catarina O papel do GMC CAIXA GEGOV Gerência Nacional Planejamento e Desempenho

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Seminário Banco Central do Brasil sobre Governança Cooperativa - Norte Belém, 18 de maio de 2009 Risco da Informação Conflitos de Interesse

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

habitacional. Claudia Magalhães Eloy São Paulo, 14 de outubrode 2014 IBAPE-SP

habitacional. Claudia Magalhães Eloy São Paulo, 14 de outubrode 2014 IBAPE-SP O potencial do SFH para o financiamento habitacional. Claudia Magalhães Eloy São Paulo, 14 de outubrode 2014 IBAPE-SP Introdução: SFH completou 5 décadas em 2014 Suas duas fontes, juntas, somam R$832,1

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Programa 2110 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Fazenda

Programa 2110 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Fazenda Mapeamento de Programas Integrantes da Lei Orçamentária de 212 Programa 211 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Fazenda Orgão: 25 - Ministério da Fazenda Momento do Momento LOA+Créditos

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

03/05/2015. Entendendo o esocial

03/05/2015. Entendendo o esocial Entendendo o esocial 1 O que é o esocial O esocialé o instrumento de unificação da prestação das informações referentes à escrituração das obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas e tem por finalidade

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007

Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Fundo de Previdência Complementar da União PL nº 1.992 de 2007 Assessoria Econômica - ASSEC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Brasília, maio de 2008 Roteiro Situação atual do Regime Próprio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO DIRETORIA DE SISTEMAS E INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRIÊNIO /2015 DSI/CGU-PR Publicação - Internet 1 Sumário 1. RESULTADOS

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Altera a Lei n o 8.036, de 11 de maio de 1990, que dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010

CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010 CEF - Circular nº 506/2010 2/2/2010 CIRCULAR CEF Nº 506, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2010 DOU 02.02.2010 Dispõe sobre condições e procedimentos operacionais para a formalização do Termo de Habilitação aos créditos

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Auditoria no Sistema Nacional de Integração de Informações em Justiça e Segurança Pública (Infoseg)

Auditoria no Sistema Nacional de Integração de Informações em Justiça e Segurança Pública (Infoseg) 1 Auditoria no Sistema Nacional de Integração de Informações em Justiça e Segurança Pública (Infoseg) Renato Braga, CISA Novembro de 2008 2 Objetivo Apresentar a auditoria realizada pelo TCU no sistema

Leia mais

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado.

GLOSSÁRIO. Atividade: ação, em geral repetitiva, que permite gerar um determinado produto (bens e serviços), estendendo-se por tempo indeterminado. GLOSSÁRIO Accountability: obrigação de prestar contas. Responsabilização. Envolve não apenas a transparência dos processos como também a definição de responsabilidades e identificação dos responsáveis.

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA

Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA Política governamental e propostas para combate do déficit habitacional As Contribuições da CAIXA 1 Conferência Internacional de Crédito Imobiliário do Banco Central do Brasil Experiência Internacional

Leia mais

CNS - Confederação Nacional de Serviços. Principais Reflexos no FGTS

CNS - Confederação Nacional de Serviços. Principais Reflexos no FGTS CNS - Confederação Nacional de Serviços Principais Reflexos no FGTS Números Grandes R$ 410,6 bilhões Total Ativo R$ 311,6 bilhões 70 Milhões de clientes Saldo Contas Vinculadas R$ 77,8 bilhões Patrimônio

Leia mais

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. NÚMERO 13 Fev/2006

Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. NÚMERO 13 Fev/2006 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço NÚMERO 13 Fev/2006 Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) O regime de trabalho vigente entre os anos 40 e 60 garantia estabilidade do trabalhador no emprego

Leia mais

F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o

F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o F U N D O P I S - P A S E P - R e l a t ó r i o d e G e s t ã o I - I N T R O D U Ç Ã O O presente relatório previsto no inciso V, art. 8º, do Decreto nº 4.751, de 17 de junho de 2003 e na forma do 5º

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil Departamento de Normas do Sistema Financeiro Agenda Evolução normativa resumo Lei Complementar nº 130, de 2009 Resolução nº 3.859, de 2010 Aprimoramentos

Leia mais

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000

DELPHOS INFORMA. PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 27 JULHO / 2000 PORTARIA Nº 203, DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, DE 07 DE JULHO DE 2000 PUBLICADA NO D.O.U de 10 DE JULHO DE 2000 Nota: Caso V.Sas. tenham interesse por maiores esclarecimentos

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP Caderno de prova Processo seletivo Curso de Formação de Instrutores do Programa de Formação de Conselheiros de Cooperativas de Crédito FORMACRED

Leia mais

JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia

JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia Sistema Financeiro da Habitação Uma análise sociojurídica da gênese, desenvolvimento e crise do Sistema 3ª edição Revista e Atualizada Com

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social

33201 - Instituto Nacional do Seguro Social Quadro Síntese - Função, Subfunção e Programa Total Órgão Total Unidade Função Total Subfunção Total Programa Total 09. Previdência Social 5.338.121.201 122. Administração Geral 1.919.387.533 0083. Previdência

Leia mais

MANUAL DE AUDITORIA INTERNA DO SISTEMA FEDERALCRED

MANUAL DE AUDITORIA INTERNA DO SISTEMA FEDERALCRED CENTRAL DAS COOPERATIVAS DE CRÉDITO MÚTUO DOS POLICIAIS FEDERAIS E SERVIDORES DA UNIÃO MANUAL DE AUDITORIA INTERNA DO SISTEMA FEDERALCRED Edição: 28-02-2007 Aprovado pelo Comitê de Normatização em 31/08/2007

Leia mais

GIFUG/RJ Gerência de Filial do Fundo de Garantia Rio de Janeiro/RJ

GIFUG/RJ Gerência de Filial do Fundo de Garantia Rio de Janeiro/RJ GIFUG/RJ Gerência de Filial do Fundo de Garantia Rio de Janeiro/RJ Período Dezembro/2010 a Agosto/2012 1 A) APRESENTAÇÃO/RESUMO INICIAL / RELEASE INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE A ORGANIZAÇÃO Razão Social: GIFUG/RJ

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

Letra Imobiliária Garantida - LIG

Letra Imobiliária Garantida - LIG Ministério da Fazenda Letra Imobiliária Garantida - LIG 20 de maio 2015 Conceito e importância Conceito: Letra Imobiliária (LI) é o título de crédito emitido por instituições financeiras. Possui as características

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHO SUPERIOR DE ESTUDOS AVANÇADOS CONSEA Presidente: Ruy Martins Altenfelder Silva Vice-Presidente: Ivette Senise Ferreira FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Importância do Controle Externo na Contabilidade Aplicada ao Setor Público Apresentação para o CRC/DF Dia do Contabilista Laércio Mendes Vieira Auditor Federal do TCU*, Membro do Grupo de CP do CFC, Contador,

Leia mais

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa?

Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? Como o esocial muda o dia a dia da sua empresa? SISTEMA HUMANUS DE GESTÃO DE RH O QUE É O ESOCIAL? O esocial é um projeto do governo federal que vai unificar o envio de informações pelo empregador em relação

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS:

GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS: GOVERNANÇA DAS ESTATAIS FEDERAIS: Brasília, 12 de dezembro de 2013 1/28 Objetivo da apresentação 2/28 Objetivo da apresentação Expor o atual contexto da governança corporativa das estatais federais. Para

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Malcolm McLelland, Ph.D. Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA 16 October

Leia mais

Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação

Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação Resultados da fiscalização do TCU na área de tecnologia da informação Apresentação para a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Secretaria de Fiscalização de TI Sefti

Leia mais

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil A 6ª Pesquisa sobre a área e os profissionais de Relações

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO FGTS

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO FGTS PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 JULHO/2012 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Relatório de Gestão do exercício de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural.

RESOLUÇÃO N 1861. Parágrafo 2º. A garantia de que trata este artigo não é extensiva à caderneta de poupança rural. RESOLUÇÃO N 1861 Institui o regulamento do Fundo de Garantia dos Depósitos e Letras Imobiliárias (FGDLI), fixa o limite de garantia, o percentual de contribuição, a atualização da garantia e a multa por

Leia mais

A transparência como base da gestão

A transparência como base da gestão A transparência como base da gestão Um Sistema em sintonia com o Brasil. Esta é a síntese da avaliação dos usuários dos serviços da CNC, do SESC e do SENAC. Afinal, desde que foram criados, há mais de

Leia mais

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil

Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil Supervisão de Cooperativas de Crédito Brasil RODRIGO PEREIRA BRAZ Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições Não Bancárias Banco Central do Brasil 06 de junho de 2013 Agenda Estrutura

Leia mais

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo:

Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: ESTATUTO DA CAIXA Com relação ao Estatuto da Caixa, responda as questões abaixo: 1 - Complete: A Caixa é Instituição integrante do e auxiliar da execução da do Governo Federal, a CEF sujeita-se às decisões

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014

SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 017/2014 Tema: EXAME DAS ATIVIDADES DE TI SOB A RESPONSABILIDADE DA SUCOM. Tipo de Auditoria:

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010 IV Brasil nos Trilhos Investimento Agosto/2010 Atratividade e Expansão do País A economia brasileira apresenta um cenário de crescimento forte e estável Crescimento no longo do PIB Real (%) prazo, PIB

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO - FGTS

RELATÓRIO DE GESTÃO DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO - FGTS RELATÓRIO DE GESTÃO DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO - FGTS APRESENTAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO O FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO FGTS foi criado pela Lei nº 5.107, de 13 de setembro

Leia mais

Art. 4º O Credenciamento das Instituições financeiras junto a Colombo Previdência terá validade de 02 (dois) anos.

Art. 4º O Credenciamento das Instituições financeiras junto a Colombo Previdência terá validade de 02 (dois) anos. Regulamento para Credenciamento de Instituições Financeiras, Sociedades Corretoras e Distribuidoras, Gestora e Administradora de Títulos e Valores Mobiliários junto ao COLOMBO PREVIDÊNCIA Previdência dos

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais