Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia"

Transcrição

1 Hume, Kant, Schulze e a relação entre ceticismo e filosofia Lucas Nascimento Machado RESUMO Em nosso artigo, discutiremos a relação entre ceticismo e filosofia tal como ela se daria na conexão entre Hume, Kant e Schulze. Nesse sentido, discutiremos de que maneiras o ceticismo de Hume, ao problematizar a legitimidade do uso da relação de causalidade para se obter um conhecimento racional (quer dizer, seguro e objetivo) do mundo, seria fundamental para o projeto crítico de Kant, levando-o a conceber a necessidade da determinação dos limites da razão teórica. A seguir, mostraremos como Schulze critica a filosofia kantiana em sua pretensão de realizar essa determinação e mostrar como ela não dá conta de responder às objeções humeanas, na medida em que o projeto kantiano incorreria em certa petição de princípio ao recorrer ao uso da relação de causalidade para fundamentar-se, quando é a legitimidade da própria que está em questão. Sendo assim, nosso artigo buscará, de uma maneira geral, expor alguns dos aspectos de um dos momentos centrais do embate entre ceticismo e filosofia e da discussão sobre a relação entre ceticismo e filosofia que se dá no interior do idealismo alemão. Esperamos assim mostrar como considerações acerca do embate entre ceticismo e filosofia nesse momento da história da filosofia, bem como acerca dos conceitos envolvidos e utilizados nesse debate, são de grande interesse para se pensar algumas das questões mais centrais à filosofia. PALAVRAS-CHAVE: Ceticismo. Criticismo. Determinação. 1. Introdução Ceticismo e filosofia parecem ter tido, desde sempre, relações muito conturbadas. Afinal, é de se esperar que uma forma de pensar que coloca em questão o conhecimento efetivo e definitivo dentro de qualquer área do saber filosófico seja vista com maus olhos por aqueles para os quais a possibilidade da filosofia alcançar tal espécie de conhecimento seria indispensável à sua própria noção do que é a filosofia e qual é a sua tarefa. Mestrando em filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. E- mail: 302

2 Entretanto, essa tensão entre ceticismo e filosofia ou, para falar mais precisamente, entre filosofias céticas e filosofias não-céticas, muito antes de ser uma oposição árida e estéril, parece-nos ter produzido, em diversos momentos da história da filosofia, resultados muito interessantes e significativos. Talvez um dos momentos mais dignos de atenção, nesse sentido, seja o do idealismo alemão. Com efeito, muito diferentemente do que uma série de preconceitos com esse momento da história da filosofia pode levar a crer, o idealismo alemão, muito antes de se furtar do embate e da reflexão sobre o ceticismo, talvez seja um dos períodos filosóficos que mais se debruçou sobre o ceticismo e cuja reflexão sobre o ceticismo mais influenciou e definiu as filosofias e os sistemas filosóficos que foram constituídos nele. Nessa apresentação, buscaremos expor brevemente apenas um dos momentos, dentro do idealismo alemão no qual essa relação entre ceticismo e filosofia teria sido central. Para tanto, faremos uma breve exposição das considerações humeanas sobre a relação de causa e efeito, ligando-as, a seguir, com Kant e o seu projeto filosófico visado pela sua Crítica da Razão Pura. Por fim, veremos como as críticas de Schulze, um cético moderno da época de Kant, tocariam em pontos fundamentais sobre a Crítica que dizem respeito, em certo sentido, precisamente ao quão bem sucedida ela teria sido em superar as objeções céticas. Esperamos, dessa maneira, que sejamos capazes de indicar um sentido fundamental em que a relação entre ceticismo e filosofia teria sido central para os desenvolvimentos e desdobramentos do idealismo alemão. 2. Hume: Dúvidas e soluções céticas para o critério sobre questões de fato Em seu Investigações sobre o entendimento humano, Hume faz a sua conhecida crítica à causalidade, ao menos enquanto se pretende que essa seja um modo de conhecimento racional e, por conseguinte, seguro da realidade, das coisas tal como elas existem. Nesse sentido, o que se buscaria estabelecer, por meio de seu exame sobre a relação de causa e efeito, não seria a inadequação de seu uso na experiência posto que esse uso seria necessário e inevitável em nossas vidas cotidianas mas sim que essa relação, na medida em que não é fruto do entendimento, mas sim unicamente de nossa experiência, não pode nos fornecer 303

3 qualquer espécie de conhecimento acerca da natureza das coisas. Em outras palavras, a relação de causa e efeito seria incapaz de nos fornecer um conhecimento seguro sobre a realidade, sobre aquilo que as coisas, efetivamente, são e buscar penetrar na natureza íntima das coisas por meio de tal relação seria um exercício vão. Mas, por que percurso Hume permite-se chegar a essa conclusão? Em primeiro lugar, Hume faz uma distinção entre dois tipos diferentes de questões, ou, como se queira, dois objetos distintos da razão ou investigação humana: as relações de ideias e as questões de fato. Quanto às relações de ideias, Hume nos diz que dessa espécie são as ciências da geometria, álgebra e aritmética, e, de modo geral, toda afirmação que seja intuitiva ou demonstrativamente certa (Hume, 2010, p.73). De fato, se as relações de ideias são intuitiva ou demonstrativamente certas, isso se deve ao fato de que Proposições dessa espécie [que dizem respeito à relação entre ideias] podem ser descobertas pela mera operação do pensamento e independem da existência de algo em qualquer lugar do universo. Mesmo que nunca houvesse existido um círculo ou triângulo na natureza, as verdades demonstradas por Euclides permaneceriam certas e evidentes (Hume, 2010, p.73). Ora, podemos ver, desse modo, que já neste início de sua argumentação, Hume estabelece uma distinção fundamental, pois se as relações de ideias são os objetos da investigação humana que são intuitiva ou demonstrativamente certos, segue-se disso que os demais objetos da investigação humana, as questões de fato, não podem ser intuitiva ou demonstrativamente certas de onde se segue que nenhum conhecimento certo e definitivo é possível a respeito delas. As únicas certezas que podemos ter são a respeito da conexão entre nossas ideias, precisamente porque tal conexão não depende de que os objetos nela pensados existam verdadeiramente; são verdades sobre ideias, e por isso, não dependem de nada exterior ao próprio pensamento, quer dizer, não dependem de que, para além do pensamento, aquilo que se pensa exista de fato. Ora, mas o que se implica aqui é, naturalmente, que a partir do momento em que o que está em questão não é mais apenas o objeto tal como ele é pensado, mas sim em sua existência de fato, não mais seria possível ter um conhecimento 304

4 seguro, posto a existência de fatodo objeto dependeria de algo além de apenas a forma com que ele é pensado. Entretanto, podemos nos perguntar: por que deveríamos considerar que aquilo que depende unicamente do pensamento, as relações de ideias, pode ser seguramente conhecido, enquanto as questões de fato, que não dependem unicamente do pensamento, não poderiam? A esse respeito, Hume nos oferece a seguinte explicação: de que, enquanto as relações de ideias não admitem os contrários, as questões de fato sim. O contrário de uma relação de ideias não é possível, pois pensa-la de modocontrário levaria à contradição; daí a segurança e certeza que podemos ter no que diz respeito ao nosso conhecimento da relação de ideias. O mesmo, porém, não vale para questões de fato: pois, quando nos perguntamos sobre o que existe, é possível tanto que algo exista quanto que não exista, tanto que aconteça quanto que não aconteça, sem que com isso ocorra contradição. Seria absurdo pensar um triângulo equilátero que não tivesse os ângulos iguais; pensar o seu contrário leva necessariamente à contradição. Não seria contraditório, porém, pensar que não existe um triângulo equilátero, ou ainda que, pelo contrário, existe um triângulo que não é equilátero. Quando falamos da existência de algo, não entramos em contradição, pois não dizemos que algo é e não é ao mesmo tempo de um determinado modo; dizemos, apenas, que algo existe ou não existe. Ora, sendo assim, podemos nos perguntar: qual é a natureza da evidência que nos leva a decidir sobre a existência ou não de algo? Se a existência de um objeto não pode ser decidida unicamente por meio da forma como o pensamos, que outro recurso teríamos para poder decidir a esse respeito? Para Hume, nenhum outro senão o da relação de causa e efeito. De fato, nenhuma outra relação estaria por trás de nossa decisão sobre a existência ou não das coisas; determinamos que algo existe precisamente na medida em que estabelecemos entre esse algo e uma outra coisa que tomamos como existente uma relação de causa e efeito. Em outras palavras: do fato de que algo existe, inferimos que outra coisa também existe e fazemos essa inferência ao ligar essas duas coisas por meio de uma relação de causa e efeito. Como, porém, chegaríamos ao conhecimento de tal relação? De onde se origina esse modo de relacionar objetos que nos permite decidir sobre a existência deles? Para Hume, 305

5 em nenhum caso se alcança o conhecimento dessa relação por raciocínios a priori, mas, pelo contrário, ele provém inteiramente da experiência, através da qual verificamos que alguns objetos particulares, sejam quais forem, se encontram constantemente unidos uns aos outros (Hume, 2010, p.75). Aqui, Hume parece querer indicar que, se o nosso conhecimento sobre a relação de causa e efeito proviesse de raciocínios a priori, então, pelo mero conhecimento de um objeto, poderíamos inferir quais são as suas causas ou os seus efeitos; no entanto, de acordo com o filósofo, somos incapazes de tal inferência: que se apresente um objeto a um homem dotado das mais vigorosas habilidades e razão naturais, e, caso esse objeto lhe seja inteiramente novo, nem mesmo o mais rigoroso exame de suas qualidades sensíveis o capacitará para descobrir quaisquer de suas causas ou efeitos (Hume, 2010, p.75). Nenhum objeto pode, por meio de suas qualidades sensíveis, nosmostrar os poderes ocultos por meio dos quais ele foi produzido ou por meio dos quais ele produz a outros, o que impossibilita que, por meio de uma mera operação racional a partir das qualidades sensíveis dos objetos unicamente as quais nos são acessíveis possamos chegar a uma conclusão certa e segura sobre suas causas e efeitos. Sendo assim, é preciso concluir que nosso conhecimento sobre a relação de causa e efeito não provém de raciocínios a priori sobre os objetos, mas sim de nossa experiência da conjunção constante de objetos diferentes entre si; é por meio dessa conjunção, unicamente, que estabelecemos relações de causa e efeito entre objetos. Desse modo, vemos que nosso modo de decisão ou raciocínio sobre questões de fato se fundamenta na relação de causa e efeito que, por sua vez, se fundamenta na experiência. Entretanto, poderíamos nos perguntar ainda: qual é o fundamento de todas as conclusões a que chegamos por meio da experiência, quer dizer, o que nos leva a, por meio da experiência, estabelecer relações de causa e efeito entre objetos? Mais uma vez, para Hume, não poderíamos dizer que esse fundamento seria o raciocínio; pois por meio de que raciocínio 306

6 eu chegaria à conclusão de que, por dois objetos terem estado constantemente juntos em minha experiência, eles devem se encontrar em uma relação de causa e efeito? Igualmente, não poderíamos colocar a probabilidade como fundamento dessas conclusões, na medida em que isso seria incorrer em uma petição de princípio: pois é só pela relação de causa e efeito e pelas conclusões a que chegamos por meio dela que decidimos sobre essa probabilidade, e são justamente as conclusões a que chegamos pela experiência ao estabelecer relações de causa e efeito que estão em questão. Queremos saber por que a experiência nos leva a estabelecer relações de causa e efeito entre os objetos, e não podemos, para tanto, usar o estabelecimento dessas próprias relações a que queremos explicar. Em que se fundariam, então, as nossas conclusões tiradas a partir da experiência? Ora, Hume nos diz, como estabelecemos uma relação de causa e efeito entre objetos na medida em que esses objetos se seguem constantemente uns aos outros na experiência, podemos dizer que o fundamento dessas conclusões não é outro senão o hábito, o costume. De tanto termos a experiência desses objetos seguindo uns aos outros, nos acostumamos a, imediatamente, ao termos a experiência de um objeto, passarmos da ideia desse objeto à ideia do objeto que frequentemente o seguiu ou o antecedeu na experiência e atribuirmos também a esse último a existência, mesmo que não tenhamos a experiência dele. O fundamento das nossas conclusões obtidas a partir da experiência, que estabelecem ligações de causa e efeito entre os objetos, não é, portanto, um fundamento racional; não é por argumentos que chegamos a ligar objetos entre si por meio de uma relação de causa e efeito, mas sim por hábito: por nos acostumarmos a experienciar que dois objetos frequentemente aparecem em sequência na experiência, passamos a trata-los como se um fosse causa do outro, porque somos levados a esperar que, uma vez existindo um deles, também existirá o outro. Não haveria raciocínio nesse processo; apenas o mero impulso da imaginação que, depois de muito experienciarmos uma sucessão entre dois objetos, imediatamente nos leva, da ideia de um desses objetos, à outra ideia. A fim de compreendermos melhor a natureza dessa decisão sobre a existência ou não de um objeto a que somos levados pelo hábito, Hume nos oferece ainda uma explicação ulterior. Se somos levados a crer na existência de um objeto, mesmo que não o 307

7 experienciemos, isso não se deve ao fato ligarmos a esse objeto uma ideia qualquer, por meio da qual atribuímos a ele existência; nesse caso, bastaria que, a qualquer ideia que tivéssemos, conectássemos essa ideia que atribui existência, e, dessa maneira, poderíamos acreditar até mesmo nas nossas mais desvairadas imaginações. O que quer que nos leve a crer na existência de um objeto não pode, portanto, ser uma ideia; resta, por conseguinte, que deve ser um sentimento ou sensação, que não depende de nossa vontade, mas sim da natureza. A esse sentimento, Hume chama, precisamente, de crença, crença que nada mais seria do que uma concepção mais vívida, vigorosa, indeclinável, firme e constante de um objeto do que a imaginação é capaz de obter por si só (Hume, 2010, p.97). Assim, se a relação de causa e efeito nos leva a crer na existência de um objeto, mesmo que não tenhamos a experiência desse, isso se deve ao fato de que, ao ligarmos o objeto experienciado ao objeto a ele associado por meio dessa relação, a crença que temos necessariamente no objeto experienciado é transferida ao objeto associado. Dessa forma, temos uma explicação detalhada de por que processos e fundamentos decidimos sobre as questões de fato, sobre a existência ou não de objetos. Contudo, como vimos, as conclusões a que Hume chega derivam de uma série de considerações que, em concordância com o próprio filósofo, poderíamos chamar de céticas; não por outro motivos, as duas sessões em que desenvolve essas considerações, as seções 4 e 5 do livro, são chamadas, respectivamente, de Dúvidas céticas sobre as operações do entendimento e solução céticas para essas dúvidas. Se as dúvidas da seção quatro são céticas, isso se deveria ao fato de colocarem em questão a possibilidade de um conhecimento certo, seguro e racional sobre as questões de fato, sobre aquilo que existe. Pois, na medida em que, em questões de fato, o contrário de um objeto sempre é possível, não seria possível, apenas pelo raciocínio, pelo pensamento, determinar com certeza absoluta aquilo que existe e que não existe; muito pelo contrário, o nosso critério para determinar o que existe e o que não existe não se fundamenta em nossa razão, mas sim na relação de causa e efeito, que tem sua origem inteiramente na experiência e se fundamenta não na razão, mas sim no hábito e na crença. Sendo assim, as 308

8 dúvidas céticas colocam em questão a possibilidade das operações do entendimento serem capazes de decidir sobre questões de fato. Por outro lado, se a seção cinco, a da solução cética, é, por um lado, chamada de soluçãoe, por outro, chamada de cética, isso se deveria, sobretudo, há dois motivos. Em primeiro lugar, se é solução, é porque ela indica efetivamente os processos e fundamentos pelos quais decidimos sobre questões de fato: a relação de causa e efeito, a experiência que a fundamenta, o hábito que nos leva a, pela experiência, estabelecer essas relações. Em segundo lugar, se essa solução, contudo, é cética, isso se deve ao fato de que, por meio dela, nenhum conhecimento seguro sobre questões de fato é obtido; com efeito, ela chegaria até mesmo a vedar toda a possibilidade de se obter tal conhecimento, na medida em que afirmaria que as nossas decisões sobre questões de fato não se fundamentam no entendimento, na razão e, portanto, não podem nos fornecer nenhum conhecimento certo e definitivo acerca do que existe; por mais que estejamos acostumados a ver o sol nascer toda a manhã, é possível, que um dia, ele não nasça mais. A relação de causa e efeito não nos fornece um critério de conhecimento seguro das questões de fato; ela nos oferece apenas um critério prático, que usamos por ser necessário em nossa vida cotidiana: não poderíamos nos conduzir em nossa vida sem estabelecer relações de causa e efeito e, contudo, as relações que estabelecemos são meramente prováveis, não nos oferecem um conhecimento seguro sobre a natureza, sobre o poder oculto dos objetos, sobre se, mais do que serem ligados, por uma questão de costume, em uma relação de causa e efeito, eles possuem de fato, essa ligação. O critério da causa e efeito é um critério falível, e por isso, a solução de Hume quanto ao problema do critério para nossas decisões sobre questões de fato é uma solução cética; ao mesmo tempo em que indica que critério seria esse, nos lembra de que esse critério é, irremediavelmente, falível. 3. Kant e o ceticismo como censura É exaustivamente conhecida a importância que Kant atribui a Hume, por tê-lo despertado de seu sono dogmático, graças às suas críticas à lei da causalidade. Igualmente conhecido é o fato de que a Crítica da Razão Pura tenha como um de seus principais objetivos 309

9 responder a essa objeção cética. Afinal, como vimos, a crítica de Hume tinha um resultado fundamental: a saber, o de que, no que diz respeito às questões de fato, isso é, no que diz respeito àquilo que existe, àquilo que se dá na experiência, nenhum conhecimento seguro e infalível era possível. Nenhum conhecimento sobre questões de fato pode ser fundando pela razão, pelo entendimento e, por isso mesmo, se mostra falível. Nenhum conhecimento seguro sobre o mundo, sobre a realidade, está assegurado, pois aquilo que é da ordem do real, aquilo que é da ordem do fato não pode ser conhecido de maneira puramente racional e, portanto, não pode ser objeto de um conhecimento certo e seguro. Ora, isso equivale a dizer que não podemos ter nenhum conhecimento seguro sobre aquilo que as coisas realmente são, aquilo que são na realidade; não podemos, a partir daquilo que experienciamos sobre as coisas, ter um conhecimento seguro do que elas sejam de fato. A experiência não é capaz de nos fornecer um conhecimento definitivo sobre aquilo que se encontra para além dela, os poderes secretos dos objetos a que Hume se referia. E, no entanto, ela seria a nossa única maneira de obter algum conhecimento sobre a realidade das coisas realidade que, contudo, se situa para além dela. Se a relação de causa e efeito, por ter fundamento na experiência, é, na melhor das hipóteses, um critério irremediavelmente falível para a decisão sobre questões de fato, ela seria, no entanto, também o único critério disponível para esse tipo de decisão. Motivo pelo qual estaríamos rendidos à impossibilidade de ter um conhecimento efetivo sobre a realidade que ultrapasse a experiência e que, precisamente por ultrapassá-la, não fosse vítima de sua necessária falibilidade. Sendo assim,temos que aceitarque, ao menos dentro de uma das esferas da investigação humana, a falibilidade de nossos juízos acerca do objeto investigado é irremediável. Mais do que isso; é preciso admitir que uma parte fundamental de nosso relacionamento com o mundo não tem e não pode ter como seu fundamento a razão, mas sim unicamente a crença e o hábito, fontes irracionais para o estabelecimento de nossos juízos sobre e de nossa relação com o mundo. Entretanto, é justamente essa conclusão que Kant não pode aceitar. Pois, de fato, isso significaria dizer que a filosofia é incapaz de produzir conhecimentos sobre os objetos da experiência que, no entanto, ultrapassem a essa ou, em outras palavras, de possuir algum 310

10 conhecimento sobre os objetos da experiência que não seja falível e possa fornecer um fundamento racional para o nosso modo de relacionarmo-nos com e compreendermos o mundo. E, no entanto, para Kant, é precisamente com isso que a filosofia se ocupa: em conhecer aquilo que, estando além da experiência, é, ao mesmo tempo, o seu fundamentoracional, quanto ao tal não seria possível ter dúvidas. A filosofia busca conhecer os objetos da experiência por meio do seu fundamentoracional que estaria para além dela, precisamente porque, enquanto fundamento, não poderia estar submetido à incerteza e insegurança característica de tudo aquilo que permanece nos limites da experiência. Para a filosofia, portanto, é preciso fundamentar racionalmente a experiência; caso contrário, seria necessário admitir que ao menos uma área de nossas investigações não pode adquirir a segurança de uma ciência, estando excluída da racionalidade que, ao ver da filosofia, deve estar necessariamente no fundamento de todas as nossas investigações, a fim de que seja possível legitimarmos nossos juízos sobre o mundo e impedirmos dogmatismos incapazes de se justificarem adequadamente. 1 Porém, isso não leva Kant a considerar que seja necessário refutar integralmente Hume; muito pelo contrário, tratar-se-ia de mostrar aquilo em que o filósofo estava correto e aquilo em que se equivocou, precisamente por não compreender em que consistia a pertinência de sua crítica. Com efeito, o ceticismo humeano, para Kant, estaria correto em afirmar que, por meio da experiência, não podemos conhecer aquilo que as coisas são em si, quer dizer, aquilo que elas são independentemente da experiência. Nesse sentido, Hume estava certo em afastar o uso transcendente de princípios da razão pura, negando a possibilidade de se conhecer as coisas tal como elas são em simesmas por meio meramente de puros raciocínios acerca do objeto. E, se ele estava certo, isso se deveria, pelo menos, a dois fatos: o primeiro, o de que só temos acesso às coisas por meio de nossas intuições, que condicionam o objeto às nossas formas de intuição e, portanto, não nos dão acesso ao que ele seria independentemente delas. O segundo, o de que mesmo aquilo que conhecemos sobre os objetos que é independente da experiência, se refere, no entanto, unicamente aos objetos de 1 Cf. Kant, 1999, p

11 que temosexperiência, e não ao que esse eles são fora dela. Nesse sentido, a censura que o ceticismo empreende é sempre bem-vinda, na medida em que mostra para a razão que ela possui um limite. No entanto, qual limite? É por não responder a essa pergunta que Hume se extravia do caminho correto para a avaliação do conhecimento humano. O ceticismo, ainda que um passo fundamental da filosofia (de fato, o segundo passo desta), na medida em que faz a razão despertar de seu dogmatismo (o primeiro passo da filosofia), é insuficiente, posto que ele só restringe o nosso entendimento sem o limitar (Kant, 1999, p.459) limitação que seria característica do terceiro passo da filosofia: o criticismo. O ceticismo pára na censura; por isso, só enxerga a restrição do entendimento, sem enxergar o seu alcance; ele se extravia porque apenas restringe, mostrando que há um limite, quando deveria limitar, apontando qual seja esse. Mas o que significa dizer que Hume apenas restringiu, quando deveria limitar? Lembremos: para Hume, o critério para decidir sobre a realidade das coisas não é um critério racional, pois a relação de causalidade teria sua origem na experiência e se fundamentaria no hábito e na crença; sendo assim, o uso de tal relação não poderia nos fornecer nenhuma espécie de conhecimento seguro a respeito do que os objetos são em si mesmos. A restrição que Hume impõeà razão, ou, em outras palavras, ao entendimento, portanto, seria essa: a de que não podemos conhecer, por meio dele, aquilo que as coisas são em si mesmas, e isso seria demonstrado pelo fato de que a relação de causalidade não nos fornece nenhum conhecimento seguro a esse respeito. Se, para Kant, Hume, desse modo, só restringe ao entendimento, sem delimitá-lo, poderíamos dizer que isso se deve ao fato de Kant considerar que a exposição dos limites do entendimento humano de Hume não é uma exposição sistemática, quer dizer, não é uma exposição que, partindo de um princípio seguro, deduz o entendimento como um todo e exaustivamente, traçando definitivamente tanto o seu domínio quanto as suas fronteiras. Hume simplesmente aponta que há algo que o entendimento não é capaz de nos fornecer, a saber, o conhecimento das coisas, tal como elas são em si; no entanto, isso não decorre de 312

12 Hume oferecer uma dedução por princípios da faculdade do entendimento, pela qual essa seria plena e exaustivamente determinada; apenas se aponta que o entendimento é incapaz de algo, sem se determinar suficientemente o porquê. Para que Hume, mais do que restringir ao entendimento, tivesse-o limitado, seria necessário que ele tivesse exposto o entendimento em todas as suas capacidades, já que, só pela determinação exaustiva daquilo de que o entendimento é capaz, se poderia decidir, de maneira igualmente exaustiva, aquilo de que ele não é. Não por outro motivo, Hume teria caído no engano de pensar que, porque o entendimento não pode nos fornecer nenhum conhecimento seguro sobre o que as coisas são em si mesmas, também não pode nos fornecer um conhecimento que, referindo-se aos objetos da experiência e, nesse sentido, à realidade -, seja, porém, seguro e necessário. Pois, não tomando uma atitude crítica de limitar o entendimento, Hume foi levado a concluir que, por não podermos ter um conhecimento seguro sobre o que os objetos são independentemente da experiência, também não podermos ter qualquer conhecimento seguro sobre os objetos da experiência ou, em outras palavras, dos fenômenos - que, no entanto, não dependa dela. O erro de Hume, e de seu ceticismo, nesse caso, não teria sido diferente do erro dos dogmáticos: o de julgar que o fundamento da experiência seja as coisas tal como elas são em si mesmas. O que o criticismo vem mostrar, porém, é precisamente que essa é uma pressuposição errônea; ao lançar-se à determinação dos limites da razão pura (teórica) por meio da sua dedução exaustiva a partir de princípios, o criticismo mostraria que se, por um lado, o entendimento ou, de forma mais geral, a razão teórica pura, não pode conhecer o objeto tal como ele é para além da experiência, ela é, contudo, condição de possibilidade da experiência. Sendo assim, nosso conhecimento dos objetos da experiência não se regula por esses mesmos objetos, mas, muito pelo contrário, são os objetos da experiência que se regulam pelo nosso conhecimento. 2 Por esse motivo, é perfeitamente possível, a partir da razão pura, ter conhecimentos seguros sobre os objetos da experiência que, no entanto, não dependem dela; em outras palavras, ainda que não seja possível ter um conhecimento das coisas em si, é 2 Cf. idem ibid., p

13 possível ter um conhecimento objetivo das coisas, tal como fenômenos. 3 Isso se deveria ao fato de que não são as coisas tais como elas são em si mesmas que estão no fundamento de nossa experiência, mas sim nós mesmos, enquanto sujeitos transcendentais que, por meio de suas faculdades da razão pura teórica, dão as condições de toda experiência possível. Dessa forma, o criticismo recupera a possibilidade de se constituir uma ciência dos objetos da experiência, uma ciência dos fenômenos, ainda que não da coisa em si, pela qual seríamos capazes de ter conhecimentos a priori desses. Nesse sentido, a lei da causalidade seria apenas uma das muitas categorias que são recuperadas como fontes de conhecimento seguro sobre a experiência, ao mostrar-se que, muito antes de se originarem da experiência, essas categorias são condição de possibilidade dela e, portanto, fornecem-nos um conhecimento seguro e necessário, ou em outras palavras, um conhecimento a priori dos objetos da experiência. Assim, para Kant, é apenas pelo ceticismo humeano não abranger o entendimento e as suas sínteses a priori como um todo que ele não compreende que as suas objeções referem-se unicamente ao uso transcendente das categorias do entendimento, àquele que é feito para determinar os objetos tal como eles são em si. Dessa forma, Hume não teria compreendido, tal como o criticismo o faz, que suas objeções não têm lugar em relação ao uso destas categorias em relação ao fenômeno, já que a delimitação clara das formas a priori da intuição e do entendimento, presentes no sujeito transcendental, mostra que elas são condição de toda experiência possível. O criticismo, por meio da Crítica da Razão Pura, se prestaria a fazer precisamente aquilo que o cético não teria alcançado com a sua censura: determinar os limites do conhecimento humano. O criticismo, ao estabelecer a distinção entre fenômeno e coisa em si, afirmando que as categorias do entendimento só são aplicáveis ao primeiro, daria o lugar apropriado às objeções céticas: o alcance delas é o uso transcendente das categorias do entendimento, quer dizer, o dogmatismo. Para além da censura ao dogmatismo, porém, elas perderiam a sua validade, na medida em que se mostraria a necessidade das formas a priori da intuição e da sensibilidade do sujeito transcendental para que toda e qualquer experiência seja possível. Não apenas restringindo o conhecimento humano, mas sim o limitando, ou, 3 Cf. idem ibid., p

14 poderíamos dizer, determinando os seus limites, o criticismo proveria, igualmente, a limitação apropriada das objeções céticas: não cabe questionar o uso das categorias do entendimento em relação a nossas representações, porque elas são condição a priori destas mesmas. 4. Schulze A réplica cética a Kant Tal perspectiva, porém, será fortemente criticada por um dos mais proeminentes céticos modernos, Schulze. Este cético, altamente influenciado por Hume, afirmará, em seu Aenesidemus, que a Crítica da Razão Pura falhou em responder às objeções deste filósofo, na medida em que tomou por pressuposto justamente aquilo que era questionado. De que maneira isso se daria? Para Schulze, a Crítica operaria da seguinte maneira: sei que tenho certas representações em minha consciência; ora, não posso pensar como essas representações poderiam existir, senão pela existência de uma mente que contém as formas a priori dessas representações que são a condição de sua possibilidade; consequentemente, essa mente, com suas formas a priori da sensibilidade e do entendimento, existe objetivamente como fundamento de minhas representações. 4 Elaboremos. Lembremo-nos do que dissemos anteriormente: para Kant, a determinação dos limites do conhecimento humano, quer dizer, a determinação da razão teórica pura, viria mostrar que ela é condição de possibilidade da experiência; no entanto, de que maneira isso seria mostrado? Para Schulze, de nenhuma outra forma, senão pelo seguinte raciocínio: tenho representações em minha mente, cuja possibilidade não consigo conceber sem pensar em um sujeito transcendental que seja condição de possibilidade dessas representações. Ora, essas representações existem; por conseguinte, o sujeito transcendental deve também, necessariamente, existir. A segurança de tal maneira de proceder, entretanto, seria justamente aquilo que Hume colocaria em questão: pois como passaríamos, de uma mera necessidade subjetiva de ligar as nossas representações a um sujeito transcendental, para a necessidade objetiva de, dada a existência de nossas representações, existir também o sujeito transcendental? Em 4 Cf. Schulze, 2000, p

15 outras palavras, o argumento de Kant para estabelecer o sujeito transcendental como fundamento seguro de nossa experiência seria, basicamente, uma inferência da existência de nossas representações para a existência do sujeito transcendental. Entretanto, é precisamente a segurança da inferência da existência de uma coisa a partir da existência de outra que Hume colocava em questão, de tal forma que Kant, ao recorrer a essa mesma inferência para responder às objeções humeanas sobre a relação de causa e efeito, incorre em petição de princípio. Para responder a Hume, Kant teria pressuposto justamente aquilo que está em questão, afirmando que, como nossas representações existem, e como não podemos pensar sua existência sem pensar a existência de nossa mente com suas formas a priori do entendimento e da intuição, temos que concluir que esta mente existe objetivamente. 5 Dada aexistência de algo em nossa experiência, Kant infere a existência de algo que não se oferece na experiência, julgando que haveria uma ligação necessária entre os objetos de que temos experiência e um objeto de que não temos, o sujeito transcendental; mas era precisamente essa inferência da existência de algo de que temos experiência para algo outro de que não temos que Hume questionava no que concerne à sua segurança, e, mais do que isso, que Kant negava, por meio de sua crítica, que fosse possível. Sem dúvida, para Schulze, é verdade, como é para Kant, que o alcance da objeção cética diz respeito única e simplesmente à pretensão de se conhecer as coisas tal como elas são em si. Porém, Kant não teria se mantido dentro dos limites que ele mesmo impôs, pois, para estabelecer a mente como fundamento de nossas representações, teria pretendido ser possível conhecer um objeto que estaria para além da experiência, a saber, o sujeito transcendental. Desse modo, ser coerente com aquilo que a crítica estabelece seriaadmitir que, até o presente momento, não fomos capazes de ultrapassar os limites de nossas representações e que, portanto, não podemos afirmar que qualquer fundamento seja absolutamente certo, na medida em que isso equivaleria a afirmar sua objetividade, quando a representação só diz respeito à sua validade subjetiva. A crítica não se coloca acima das objeções céticas e, por isso mesmo, não fornece um fundamento seguro e indubitável para o conhecimento dos objetos da 5 Cf. Schulze, 2000, p. 116 e p

16 experiência, mantendo em aberto a questão sobre a possibilidade de se encontrar tal fundamento motivo pelo qual nada restaria a fazer senão suspender o juízo acerca dessa possibilidade até que de algum modo fosse demonstrada a possibilidade ou impossibilidade de encontrá-lo. Certamente, o modo como Schulze elabora suas objeções à Crítica da Razão pura pode ser objetada de diversos modos; no entanto, mesmo que elas não sejam feita de um modo não de todo feliz, acreditamos que elas sejam uma tentativa de apontar e atacar precisamente uma das maiores dificuldades da Crítica kantiana: que fundamento se pode fornecer para a crítica em sua delimitação e determinação da razão pura especulativa, se unicamente podemos conhecer fenômenos? 6 Se só podemos conhecer os objetos da experiência, de que maneira ainda seria possível a determinação dos limites daquilo que podemos conhecer teoricamente, se a razão pura especulativa não pode, por uma exigência do próprio projeto crítico, ser conhecida teoricamente, já que só podemos ter um conhecimento teórico de fenômenos? 7 Se não é possível conhecê-la, como seria possível determiná-la em sua possibilidade, em seus limites, em seu alcance? 8 Como seria possível fundamentar tal determinação, na medida em que nenhum conhecimento teórico do objeto a ser determinado pode ser efetivamente obtido? A partir deste questionamento, as críticas de Schulze, em seu Aenesidemus, à filosofia crítica, parecem-nos ser mais profundamente esclarecidas, já que Schulze esforça-se minuciosamente para mostrar como a Crítica não forneceria subsídios ou instrumentos para a fundamentação dos limites que estabelece, na medida em que suas ferramentas não permitiriam o conhecimento de nada que se situe para além da experiência (o que seria o caso precisamente do sujeito transcendental e de sua razão pura especulativa). Assim, não sendo possível o conhecimento teórico do objeto da Crítica da Razão Pura através das ferramentas que ela mesma fornece, não seria possível a ela também fundamentar a determinação que faz de seu objeto, na medida em que tal fundamentação só seria possível, ao menos na perspectiva de Schulze, se este objeto pudesse efetivamente ser conhecido. Deste modo, na medida em que o 6 Cf. Kant,1999, p Cf. idem ibid., p Cf. idem ibid., p

17 objeto da Crítica da Razão pura seria uma coisa em si, sua tentativa de conhecê-la falharia necessariamente devido à natureza do próprio projeto da crítica, falhando, portanto, em responder às objeções céticas, inclusive aquelas que mais teriam motivado o projeto crítico, as de Hume. 5. Considerações Finais De uma forma geral, parece-nos possível traçar as seguintes considerações: para responder às objeções humeanas, Kant julgou que fosse necessário determinar os limites do conhecimento humano. Entretanto, uma dificuldade se impõe a essa determinação; afinal, como determinar os limites do conhecimento humano, se esses limites, eles mesmos, não podem ser conhecidos? Como determinar o limite da razão pura, se ela, precisamente por não poder ser objeto da experiência, não poderia ser conhecida? Como determinar o limite do que pode ser determinado, se ele mesmo não se encontra dentro desse limite? Schulze assim como outros filósofos de seu tempo não deixou de notar essa dificuldade. Por isso, propôs que uma filosofia crítica verdadeiramente coerente com os seus princípios, muito antes de dever superar as objeções céticas, deve, pelo contrário, reconhece-las em todo o seu poder a tal ponto de que a filosofia verdadeiramente crítica só poderia ser uma filosofia cética. Em certo sentido, poderíamos dizer que o desafio cético à filosofia é o de exigir que ela seja capaz de determinar plenamente o seu objeto, quando isso, para o cético, parece impossível ou, no mínimo, problemático. Hume coloca em questão a possibilidade de se determinar os objetos de investigação que dizem respeito às questões de fato, quer dizer, de determinar o que existe e o que não existe; Kant, por sua vez, busca dar conta das objeções de Hume por meio da determinação da razão pura teórica; mas, mais uma vez, a determinação aparece como problemática para o cético, e, na verdade, exatamente pelos mesmos motivos de antes: como determinar aquilo que está além da experiência? É essa a questão fundamental que o cético quer ele seja Hume, quer ele seja Schulze coloca para os proponentes ou continuadores da filosofia crítica e do seu projeto e esse é precisamente um dos principais motivos por que a 318

18 relação entre ceticismo e filosofia, e a reflexão e a discussão extensas sobre essa relação, desempenharão um papel fundamental no percurso do idealismo alemão. Referências Bibliográficas HUME, David. Investigações sobre o entendimento humano. Tradução de Alexandre Amaral Rodrigues. São Paulo: Editora Hedra, KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Tradução de Valério Rohden e Udo Baldur Moosburger. In: Os Pensadores. São Paulo: Editora Nova Cultural, SCHULZE, G. E. Aenesidemus. Tradução de H. S. Harris.In: DI GIOVANNI, George; HARRIS, H.S.Between Kant and Hegel: texts in the development of post-kantian idealism. 2 ed. Cambridge: Hackett Publishing Company,

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Habilidade: Problematizar quais as possibilidades do conhecimento verdadeiro. REVISÃO Conhecimento = Relação SUJEITO e OBJETO Fontes do conhecimento Racionalismo

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA

PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA O PROJETO DA CRÍTICA DA RAZÃO PURA E A IMPOSSIBILIDADE DA ONTOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA Regenaldo da Costa * RESUMO Conforme a Crítica da Razão Pura de Kant, o conhecimento humano é mediado pela subjetividade

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

GABARITOS FILOSOFIA MÓDULO 2

GABARITOS FILOSOFIA MÓDULO 2 GABARITOS FILOSOFIA MÓDULO 2 1) (UEL-adaptado) (...) há certos momentos na história da humanidade em que alterações significativas provocam o que chamamos ruptura de paradigma. Ou seja, os parâmetros que

Leia mais

Prova Escrita de Filosofia

Prova Escrita de Filosofia Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/Época Especial 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia

Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na Filosofia Danilo Citro 1 Resumo: Com a Crítica da Faculdade do Juízo, Kant tem a intenção de estabelecer de algum modo uma ligação entre as duas

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta prova contém 05 questões

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é:

Parece claro que há uma, e uma só, conclusão a tirar destas proposições. Esa conclusão é: Argumentos Dedutivos e Indutivos Paulo Andrade Ruas Introdução Em geral, quando se quer explicar que géneros de argumentos existem, começa-se por distinguir os argumentos dedutivos dos não dedutivos. A

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015

Alunos dorminhocos. 5 de Janeiro de 2015 Alunos dorminhocos 5 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: entender a necessidade de se explorar um problema para chegar a uma solução; criar o hábito (ou pelo menos entender

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

KANT E A FACULDADE DE JULGAR

KANT E A FACULDADE DE JULGAR KANT E A FACULDADE DE JULGAR 1 KANT E A FACULDADE DE JULGAR Em reflexäo, a dupla funåäo do JuÇzo e a relaåäo entre entendimento, sentimento e razäo. Por Ulisses da Silva Vasconcelos* A RELAÄÅO ENTRE NATUREZA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP DANILO CITRO SOBRE A ANALOGIA ENTRE NATUREZA E ARTE NA CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO OURO PRETO 2011 2 Danilo Citro Sobre a analogia entre natureza e arte na

Leia mais

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL

A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL A CRÍTICA DE SCHOPENHAUER A KANT: DESMASCARANDO A FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Naillê de Moraes Garcia * RESUMO: Este artigo pretende fazer uma análise da crítica de Schopenhauer a fundamentação da moral kantiana.

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Tipos de Conhecimento

Tipos de Conhecimento Conhecer = incorporação de um conceito novo ou original sobre algo (fato ou fenômeno) CONHECIMENTO surge: de experiências acumuladas na vida cotidiana; de relacionamento interpessoais; de outros instrumentos

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva.

RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva. RELATIVISMO MORAL CERTO E ERRADO: QUEM DECIDE? Artur Bezzi Günther e Márcia Luísa Tomazzoni Organizadores: Artur Bezzi Günther, Márcia Luísa Tomazzoni e Mateus Rocha da Silva. 1. Duração: 02 horas. 2.

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Plínio Junqueira Smith

Plínio Junqueira Smith RAZÃO E UNIVERSALIDADE NA MORAL HUMEANA Plínio Junqueira Smith Universidade São Judas Tadeu psmith@usjt.br Em recente e bastante interessante artigo, 1 o prof. Adriano Naves de Brito defendeu a tese, segundo

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

161 FILOSOFIA Prova escrita

161 FILOSOFIA Prova escrita 161 FILOSOFIA Prova escrita PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Duração: 120 min Ano: 2014 1ª fase - Junho 10º/11º anos Grupo I Selecione a alternativa correta: 1. Uma não ação é algo que A. Nos acontece.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com

Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com Campus José Ribeiro Filho BR 364, Km 9,5 - Porto Velho RO CEP: 78900-000 www.edufro.unir.br edufro.unir@gmail.com Ediovani Antônio Gaboardi A FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO DE HEGEL: UMA INTRODUÇÃO À SEÇÃO

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Conhecimento e Ciência: tipos de conhecimentos Professora: Sueli Andrade Disciplina: Metodologia do Trabalho Científico Ciência e Conhecimento

Leia mais

SOBRE A RELAÇÃO DO CETICISMO COM A FILOSOFIA: A CRÍTICA DE HEGEL AO CETICISMO MODERNO DE SCHULZE

SOBRE A RELAÇÃO DO CETICISMO COM A FILOSOFIA: A CRÍTICA DE HEGEL AO CETICISMO MODERNO DE SCHULZE SKÉPSIS, ANO VII, Nº 10, 2014. 40 SOBRE A RELAÇÃO DO CETICISMO COM A FILOSOFIA: A CRÍTICA DE HEGEL AO CETICISMO MODERNO DE SCHULZE LUCAS MACHADO (USP). E-mail: lucasmachado47@gmail.com Abstract: In this

Leia mais

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Introdução do Projeto de Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ A Pesquisa: Conceitos e Definições O que é pesquisa? Pesquisar, significa, de forma

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta)

GRUPO I Escolha múltipla (6 x 10 pontos) (circunda a letra correspondente à afirmação correcta) Colégio Paulo VI Ano lectivo 2011/2012 10º Ano - Teste de Filosofia Tema: O que é a filosofia? / O discurso filosófico Teste n.º 1 90 min.# Nome Número Turma Professor Encarregado de Educação Classificação

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

IDEALISMO TRANSCENDENTAL E CETICISMO EM KANT 1. Flávio WILLIGES 2

IDEALISMO TRANSCENDENTAL E CETICISMO EM KANT 1. Flávio WILLIGES 2 117 IDEALISMO TRANSCENDENTAL E CETICISMO EM KANT 1 Flávio WILLIGES 2 Resumo No capítulo IV do The Significance of Philosophical Scepticism, Stroud, depois de expor seu entendimento do idealismo transcendental

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE

CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE CONTRIBUIÇÕES DE DÜRER E LYGIA CLARK ÁS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES ENVOLVENDO A MATEMÁTICA E A ARTE Rosiney de Jesus Ferreira 1 Marco Aurélio Kistemann Jr. 2 1 Universidade Federal de Juiz de Fora/ICE,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA 1 DOCÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A PROVAS E DEMONSTRAÇÕES EM MATEMÁTICA Fabio da Costa Rosa Fernanda Machado Greicy Kelly Rockenbach da Silva

Leia mais

Índice. Prefácio...9. Palavras Prévias...13

Índice. Prefácio...9. Palavras Prévias...13 7 Índice Prefácio...9 Palavras Prévias...13 Procurando os braços perdidos da Vénus de Milo...17 1. Introdução...17 2. Definindo a questão...18 3. A relação filosofia pedagogia...20 3. 1. Dimensão filosófica

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais