A RELEVÂNCIA DE SITES COMO PRÁTICA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM GRUPOS DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELEVÂNCIA DE SITES COMO PRÁTICA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM GRUPOS DE PESQUISA"

Transcrição

1 A RELEVÂNCIA DE SITES COMO PRÁTICA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM GRUPOS DE PESQUISA DALLIANE VANESSA PIRES ANDRADE (UFRN) danielle moraes de macedo (UFRN) HELIO ROBERTO HEKIS (UFRN) Jamerson Viegas Queiroz (UFRN) FERNANDA CRISTINA BARBOSA PEREIRA QUEIROZ (UFRN) Vivemos num mundo onde a rede mundial de computadores popularizou-se e fez com que houvesse uma maximização da produção e disseminação do conhecimento em grande escala. Nesse contexto, surgiram os grupos de pesquisas dentro das universidadees, com o objetivo de desenvolver pesquisas sobre determinada área do conhecimento, onde procuram canais alternativos de disseminação do conhecimento para expor seus trabalhos e pesquisas, como por exemplo, as web pages. Esse artigo caracteriza-se como um estudo de caso, tendo como objetivo analisar a relevância de sites como ferramenta de gestão do conhecimento para grupos de pesquisas, onde primeiro buscou-se aplicar um questionário sobre o desenvolvimento dos websites nos grupos de pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que estavam cadastrados no SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas, depois houve a compilação dessas informações e por fim, pode-se propor uma estrutura básica para sites destinados a grupos de pesquisa. Palavras-chaves: Websites. Grupos de Pesquisa. Gestão do Conhecimento

2 1. Introdução A sociedade mundial, com o advento e popularização da rede de computadores, maximizou a produção de conhecimento em grande escala. Nesse mesmo sentido, as Instituições de Ensino Superior em todo o mundo, também têm ampliado a geração de novos conhecimentos, proporcionando benefícios e alavancando o desenvolvimento humano. Nesse contexto, é comum a existência de Grupos de pesquisa, que são grupos de pessoas que realizam pesquisa sobre uma determinada área de conhecimento; com isso, novas técnicas, ferramentas, metodologias (...) são desenvolvidas, além de contribuir para diagnóstico e aprimoramento das organizações. Os grupos de pesquisa, em geral, desenvolvem estudos inovadores e que, geralmente, produzem novos saberes. Destaca-se que, muitos deles são ligados ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPQ. No Brasil, o CNPQ, cujo objetivo está ligado ao desenvolvimento de pesquisas científicas, tecnológicas e formação de recursos humanos, é um dos órgãos responsáveis pelo gerenciamento dos Grupos de pesquisas regularmente reconhecidos pelas Instituições de Ensino Superior brasileiro. Destarte, o CNPQ mantem o Diretório dos Grupos de Pesquisas, criado em 1992 e que reuni dados e informações sobre os grupos em atividades no país (CNPQ, 2012). Em consulta ao site <http://dgp.cnpq.br/censos>, observa-se que em 2010 foram identificados grupos de pesquisas em todo Brasil e que desses grupos, mantém pelo menos um vinculo com empresas (que possuem registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), conforme ilustra Figura 1; logo, tais dados reforçam a perspectiva apresentada neste introito. Figura 1 Número de grupos de pesquisa cadastrados no CNPQ Fonte: CNPQ (2012) Contudo, apesar do CNPQ apontar que um dos objetivos dos Diretórios dos Grupos de Pesquisa é facilitar a troca de informações de forma rápida, percebe-se que nem sempre é possível consolidar tal objetivo. Além disso, nos diretórios não há informações detalhadas sobre os debates e pesquisas realizadas pelos grupos, ou seja, em que nível de discussões e pesquisas o grupo tem foco. Há também, por vezes, dificuldades no acesso às informações e novos saberes gerados e disponibilizados, por exemplo, em formas de artigos científicos. 2

3 Nesse contexto, foi identificado o seguinte problema de pesquisa: os sites de internet podem contribuir para com a divulgação e compartilhamento de saberes e conhecimento, agregando valor aos grupos de pesquisas? Logo, este artigo tem como objetivo analisar a relevância de sites como ferramenta de gestão do conhecimento para grupos de pesquisa. Associado ao objetivo geral destaca-se ainda, três objetivos específicos: pesquisar nos grupos de pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte cadastrados no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas SIGAA, qual a ligação dos mesmos com os sites próprios; avaliar quais os aspectos relevantes nos sites dos grupos; compilar as informações dos sites e propor uma estrutura básica para o grupo de pesquisa, visando a utilização da ferramenta para a gestão do conhecimento nos referidos grupos. O artigo se justifica uma vez que propõe a criação de um site como ferramenta de gestão do conhecimento. Instrumento que além de facilitar a divulgação no acesso as informações do grupo de pesquisa, proporcionará o compartilhamento de saberes e conhecimento. O presente artigo está organizado da seguinte forma: além dessa seção introdutória, há, na segunda seção o resgate teórico do estudo, composto por estudos ligados à Gestão do Conhecimento, Gestão da informação e pesquisa científica; em seguida, na seção três, são descritos os métodos de pesquisa; na seção quatro são apresentados os resultados e discussões do artigo. Por fim, na seção cinco, são postas as conclusões e, na ultima seção, o referencial bibliográfico. 2. Referencial Teórico 2.1 Gestão do Conhecimento Hansen et al., (1999) afirma que a Gestão do Conhecimento não é nada novo. Por centenas de anos, os proprietários de empresas famíliares passaram a seus conhecimentos aos seus filhos, os mestres artesãos têm meticulosamente ensinado aos aprendizes, e os trabalhadores têm trocado ideias e know-how no trabalho. Mas somente no ano de 1990 que os executivos-chefe começaram a falar sobre gestão do conhecimento, [...] mudaram de recursos naturais para ativos intelectuais, executivos foram obrigados a examinar o conhecimento subjacente à sua empresa e como esse conhecimento é utilizado (HANSEN, NOHRIA E TIERNEY, 1999). Segundo Andrade et al., (2010) o termo Gestão do Conhecimento implica a utilização de mecanismos que auxiliem as organizações a gerenciar o conhecimento como um ativo que promova o desenvolvimento organizacional. Para criação do conhecimento na organização é preciso identificar o tipo de conhecimento necessário, conhecer o ambiente competitivo; aprimorar constantemente seus processos produtivos; e ter capacidade de inovação para a conquista da vantagem competitiva sustentável (ANDRADE, JÚNIOR, TOMAÉL, CORGOSINHO, 2011). Para outros autores a Gestão do Conhecimento está centrada na criação de conhecimento, compartilhamento de conhecimento, e aplicação do conhecimento conforme mostra a figura 2. 3

4 Hedlund (1994) De Jarnett (1996) Quintas et al., (1997) Demarest (1997) Moresi (2001) Murray (2005) Figura 2 Definição Gestão do Conhecimento Fonte: Elaboração Própria Aquisição de conhecimento, armazenamento de conhecimento, transferência de conhecimento, aplicação do conhecimento, proteção do conhecimento. Construção do conhecimento, incorporação do conhecimento, disseminação do conhecimento e uso, retenção de conhecimento e refinamento. Processo ou prática de criar, adquirir, capturar, compartilhamento e uso do conhecimento. Construção do conhecimento, disseminação do conhecimento, incorporação de conhecimento, uso. Conjunto de atividades que busca desenvolver e controlar todo tipo de conhecimento em uma organização visando à utilização na consecução de seus objetivos. Uma estratégia que transforma bens intelectuais da organização informações registradas e o talento de seus membros em maior produtividade, novos valores e aumento de competitividade. Conhecimento é agora considerado o ativo organizacional mais importante estrategicamente (Kiessling e Harvey, 2006). Para Sandhawalia e Dalcher (2011) a criação de conhecimento é ativado por processos e atividades de interação, feedback, inovação, brainstorming, e benchmarking. Nonaka e Konno (1998) sugerem como uma plataforma para a construção do conhecimento, um conceito que abrange aspectos fundamentais que complementam o conhecimento e auxiliam a gerência na tomada de decisões. Tais aspectos são: capacidade mental; inteligência emocional; conhecimentos técnicos e do negócio; crescimento; ego saudável; dar a direção; influenciar pessoas; fazer com que as coisas aconteçam; estabelecer relacionamentos. A natureza do conhecimento científico é peculiar, bem como o ambiente no qual se dão os processos de sua criação, compartilhamento e uso. Além do mais, os estudos que, tradicionalmente, abordam a gestão do conhecimento nem sempre levam em consideração a estrutura comunicacional existente, por meio da qual o conhecimento é produzido e comunicado. Parecem, até o momento, serem raras as iniciativas sobre a gestão do conhecimento científico resultante de atividades de ensino e pesquisa no ambiente acadêmico. Ainda mais raras, parecem ser as que levam em consideração o sistema de comunicação científica, que constituem uma questão fundamental a ser levada em consideração em estudos sobre GC (LEITE E COSTA, 2006). 2.2 Gestão da informação 4

5 Conforme Valentim (2008, p. 18), a informação é, ao mesmo tempo, objeto e fenômeno, visto que pode ser destacada e analisada por si mesma e, também, pode ser parte de um processo. Como objeto, a informação é explicitada em algum suporte e nos permite visualizar o conhecimento construído por um indivíduo ou grupo de indivíduos e, como fenômeno, pode ser emancipadora uma vez que o sujeito cognoscente ou o grupo de sujeitos cognoscentes poderão realizar o processo cognitivo individualmente ou coletivamente. Nesse sentido, destaca-se a internet: uma rede mundial de computadores que interliga todos tipos de organizações espalhadas pelo mundo. Ela eliminou as fronteiras e contribuiu para consolidação da globalização. As Universidades, como instituições de pesquisa fizeram parte do desenvolvimento da Internet, conforme destacado por Norton (1996), que na época afirma que as Instituições Científicas de pesquisa, educacionais e as organizações de interesses comerciais (em fase inicial) eram as principais organizações que utilizam essa ferramenta de comunicação. Segundo Rowley (1994), gestão da informação como uma disciplina ou profissão está relacionada com qualquer técnica, processo ou sistema que está associado com a gestão da informação. A mais específica definição de trabalho de gerenciamento de informações poderia ser: Desenvolvimento e gestão de uma organização de sistemas de informação e recursos para que as informações mais adequadas possam ser localizadas pelas pessoas associadas com a organização, quando essa informação é necessária; Localização, identificação e integração informações externas à organização em da organização próprios sistemas de informação, quando essa informação é necessária. Portanto, percebe-se que a Internet é um dos principais meios de comunicação e compartilhamento de informações; acessível a todos. Estamos assim, atualmente, confrontados com um delicado equilíbrio entre a adequada disponibilização de informação para a melhor tomada de decisão, e informação excessiva que provoca que provoca uma sobrecarga para a tomada de decisão. Consequentemente, a abundância de informação não simplifica o processo de decisão. (FERREIRA, 2011) 2.3 Comunicação científica A comunicação científica constitui um tópico muito explorado e discutido na ciência da informação ao longo das últimas quatro décadas. Contribui, assim, de forma significativa para a construção de conhecimento na área. Vários são os modelos teóricos, as abordagens e os contextos encontrados na literatura para seu estudo, o que reflete uma variedade de aspectos por meio dos quais o processo de comunicação entre pesquisadores tem sido estudado. (COSTA, 2005) Torna-se evidente, portanto, que um pesquisador utiliza os canais de comunicação em todo o ciclo do conhecimento desde a sua criação até a sua divulgação, o que nos permite afirmar que existe um complexo sistema de comunicação científica que permeia as comunidades científicas e instituições acadêmicas. (LEITE E COSTA, 2006). Nesse cenário onde a colaboração é a chave da construção da Inteligência Coletiva, nota-se que a criação e compartilhamento de conhecimento por meio das ferramentas Web 2.0 requer 5

6 dos profissionais da informação novas posturas, novas habilidades e novas competências (ANDRADE, JÚNIOR, TOMAÉL, CORGOSINHO, 2011). Como forma de aumentar a comunicação científica tem-se hoje os periódicos eletrônicos que segundo Campello (2003) têm algumas características comuns: são um meio de comunicação extremamente versátil e rápido, que permite a divulgação da pesquisa imediatamente após sua conclusão, ignorando barreiras geográficas para acesso (embora dependam de equipamentos e linhas de comunicação eficientes), minimizando barreiras hierárquicas e permitindo a recuperação de informações de várias maneiras. Mas, apesar das inúmeras possibilidades oferecidas pela tecnologia, a maioria dos periódicos científicos eletrônicos ainda é muito parecida com os periódicos impressos, inclusive na periodicidade e na maneira de identificar volumes e fascículos, especialmente aqueles que são apenas a versão eletrônica de um periódico existente em formato tradicional. 3. Metodologia Analisar a relevância de sites como ferramenta de gestão do conhecimento para grupos de pesquisa é o foco principal deste artigo. Assim, esta pesquisa caracteriza-se como descritiva, pois aborda problemas que não são documentados e tem como objetivo a descrição de características de determinada amostra. Gil (1999) relata que as pesquisas descritivas têm como objetivo a descrição das características de determinada população ou fenômeno [...] utilizando técnicas padronizadas de coleta de dados. Logo o presente artigo se caracteriza como descritiva, pois aborda problemas que não são documentadas e tem como objetivo a descrição de características de determinados amostra. Quanto ao delineamento o presente estudo também é classificado como uma pesquisa bibliográfica, pois segundo Gil (1999), ela é desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. E ainda pode ser classificada como um estudo de caso que, segundo Andrade (2003), é uma categoria de pesquisa cujo objeto é uma unidade que se analisa profundamente. Pode ser caracterizado como um estudo de uma entidade bem definida, como um programa, uma instituição, um sistema educativo, uma pessoa ou uma unidade social. Destarte, buscou-se, em um primeiro momento, aplicar uma pesquisa em um grupo de pesquisa específico, caracterizando este artigo como estudo de caso. Em tal pesquisa, foi analisado o processo de desenvolvimento do website do grupo, cuja finalidade é a de promover a socialização de informações e compartilhamento de saberes. As estapas metodológicas do artigo estão descritas na Figura 3. Figura 3 Etapas estatísticas Fonte: Autores,

7 A coleta de dados, aplicação do questionário, foi feita via , em que os líderes dos grupos de pesquisa recebiam o convite para participar do estudo; a amostra foi composta por 70 grupos de pesquisa, que foram selecionados aleatoriamente (amostragem aleatória simples) dentre os 251 cadastrados na Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, informações estas, disponíveis no Sigaa (Sistema Integrado de Gestão Acadêmica da IES). O nível de confiança da amostra foi de 90% e margem de erro de 10% e os demais valores estimados, como pˆ (é a estimativa da proporção populacional de discentes que pertencem a categoria de interesse no estudo) e qˆ (representando a estimativa a proporção populacional de indivíduos que não pertence à categoria de interesse do estudo), foram fixados em 6%. A coleta dos dados ocorreu no período de 20 de setembro a 10 de outubro de Contudo, apenas 43 responderam a pesquisa. Para a análise e interpretação dos resultados, os dados foram tabulados no software Excel O instrumento de pesquisa era composto por duas questões: a primeira era se o grupo de pesquisa possui website próprio e a segunda questionava quais itens o site possuía, a saber: descrição do grupo de pesquisa; informações sobre os participantes do grupo de pesquisa; descrição dos projetos de pesquisas desenvolvidos pelo grupo; notícias com as atualizações e novos debates realizados pelo grupo; descrição e link para os artigos publicados em congressos ou periódicos pelos integrantes do grupo. Em seguida realizou-se um levantamento das informações contidas nos sites e/ou blogs dos grupos de pesquisa, a fim de compila-las e analisa-las sob a ótica da relevância da ferramenta para a gestão do conhecimento nos grupos de pesquisa. Com base nessas informações e reflexões propõe-se uma estrutura básica para um website destinado a Grupos de Pesquisa. 4. Estudo de Caso O estudo de caso foi realizado em uma amostra aleatória nos grupos de pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, cadastrados no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas - SIGAA. O SIGAA é um sistema que informatiza os procedimentos da área acadêmica através dos módulos de: graduação, pós-graduação (stricto e lato sensu), ensino técnico, ensino médio e infantil, submissão e controle de projetos e bolsistas de pesquisa, submissão e controle de ações de extensão, submissão e controle dos projetos de ensino (monitoria e inovações), registro e relatórios da produção acadêmica dos docentes, atividades de ensino a distância e um ambiente virtual de aprendizado denominado Turma Virtual. O que foi analisado no estudo de caso foi a ligação desses grupos com os sites próprios, os aspectos relevantes dos sites, e por fim propor uma estrutura básica para o grupo de pesquisa, visando a utilização da ferramenta para a gestão do conhecimento nos referidos grupos. Como primeira etapa foi elabora um questionário que foi aplicado em 70 grupos de pesquisa, isso foi feito com o objetivo de identificar quais possuíam websites ativos. Contudo, apenas 43 responderam a pesquisa, o que reduziu nossa amostra. 7

8 Figura 4 Número de grupos de pesquisa que possuem ou não site próprio Fonte: Elaboração Própria Percebe-se que em nossa amostra pesquisa que 31 grupos de pesquisa não possuem site próprio e apenas 12 possuem conforme apresentado na figura 4, o que nos leva a concluir que um número bastante reduzido divulgam suas práticas e trabalhos através de páginas na web. Com isso perde-se a oportunidade de conhecer, criar, gerar, transformar, disseminar o conhecimento. Já que a Universidade é propulsora do conhecimento, essas informações devem ser transformadas efetivamente em conhecimento e distribuídas, tornando-se acessíveis aos interessados, além de divulgar a própria Universidade. Na segunda parte da pesquisa têm-se os aspectos relevantes dos sites dos grupos de pesquisa, onde 10 deles responderam possuir neles a descrição do grupo, 9 afirmam ter informações sobre seus participantes, 9 deles possuem descrição dos projetos de pesquisas desenvolvidos, e apenas 6 afirmaram que mantém atualizações, novos debate, descrição e link para os artigos publicados, conforme apresentado na tabela 1. Tabela 1 Itens que contém nos sites dos grupos de pesquisa Itens que contém no site Quantidade Descrição do Grupo de Pesquisa 10 Informações sobre os participantes do Grupo de Pesquisa, 9 Descrição dos Projetos de pesquisas desenvolvidos pelo Grupo 9 Notícias com as atualizações e novos debates realizados pelo Grupo 6 Descrição e link para os Artigos publicados em congressos ou periódicos pelos integrantes do Grupo Fonte: Elaboração Própria 6 8

9 O conhecimento deriva da informação e sem divulgação de informação, a produção científica dos grupos de pesquisa fica limitada aquele número de pessoas ao qual pertence. Portanto, a gestão do conhecimento, impulsionada pela tecnologia da informação e pelas comunicações, é uma realidade da qual nos proporciona diversas vantagens. Nesse contexto o conhecimento e a divulgação do mesmo se transformam em um valioso recurso estratégico para a vida dos estudantes e das instituições. Como terceira etapa do estudo de caso, propõe-se uma estrutura básica para os sites dos grupos de pesquisa, visando à utilização da ferramenta para a gestão do conhecimento. Com base no questionário respondido, identificou-se que a estrutura básica para construção de um site para grupos de pesquisa deve-se partir da descrição do mesmo, contendo informações sobre sua fundação, seus integrantes (professores e discentes), suas linhas de pesquisa e projetos desenvolvidos. Além disso, sugere-se a inserção de um feed de notícias sobre as atualizações e novos debates realizados pelo grupo. E por fim, mas não menos importante descrição e link para suas produções científicas (publicadas em congressos ou periódicos) a fim de tonar sua página da Web uma disseminadora de conhecimentos, divulgando e compartilhando saberes, transformando-se em uma base de dados fundamental para o crescimento do Grupo e, consequentemente, da Instituição. Torna-se assim, uma ferramenta de grande relevância para a gestão do conhecimento nos grupos de pesquisa. 5. Conclusão A produção acadêmica e científica cresceu nos últimos anos, aumentando o número de dados e informações disponível para toda a sociedade. As Instituições de Ensino Superior destacamse nesse cenário de produção científica, tendo os Grupos (ou bases) de Pesquisa como principais fomentadoras. Nesse mesmo passo, percebe-se que gerenciar todo o conhecimento gerado torna-se tarefa árdua, uma vez que envolve vários elementos e fatores. Percebeu-se, no desenvolvimento do estudo, que um desses fatores é a gestão da produção científica dos grupos de pesquisa, uma vez que, com o aumento quantitativo, ter acesso e tornar publico (com facilidade aos interessados) todo esse conhecimento, tornou-se outro desafio. Assim, o estudo buscou analisar a relevância dos websites (páginas de internet) como ferramenta de gestão do conhecimento. Percebe-se que poucos grupos de pesquisas utilizam os websites como forma de divulgação de seus trabalhos, o que acaba limitando o acesso das pessoas ao conhecimento científico. Se a própria universidade apoia-se a criação dos sites seria benéfico tanto para os grupos como para as instituições de ensino, já que mais pessoas teriam o conhecimento do que está sendo feito, em termos de trabalhos científicos, na instituição. Observou-se, no estudo, que diante de todo o cenário de crescimento que envolve os Grupos de Pesquisa, os website podem se tornar relevantes como ferramentas de gestão do conhecimento, desde que tenham informações básicas, como: página com descrição das atividades e pesquisas, os integrantes e, principalmente, link ou acesso direto (download) para a produção científica e acadêmica dos Grupos. Tais informações, mesmo que básicas, podem facilitar o acesso à elas, comunicar as novas proposições ou descobertas dos Grupo pesquisa, dentre outros benefícios. Assim, percebe-se que o problema de pesquisa e objetivos do trabalho foram respondido e alcançados. 9

10 Ao criar um website os grupos de pesquisa estão estreitando seus laços com outros grupos, disseminando o conhecimento científico a um número maior de pessoas e ainda, ajudando a divulgar o trabalho realizados por eles, assim como eventos, revistas científicas e outros grupos de pesquisa. A criação (e atualização constante) de website de Grupos de Pesquisa, associados à outras ferramentas existentes, como o Diretórios de Grupos de Pesquisa do CNPq, podem aproximar, ainda mais, o conhecimento acadêmico e científico da população, além de permitir troca assertiva e pesquisa entre grupos de pesquisa de diferentes Instituições de Ensino. Espera-se que seja cada vez maior o número de Grupos que tornem publico, por meio de sites, os resultados de seus estudos, contribuindo para desenvolvimento da nação. 6. Referências ANDRADE, I.A.; JÚNIOR, D.W.B; TOMAÉL, M.I.; CORGOSINHO, R.J.M. Inteligência coletiva e ferramentas WEB 2.0: a busca da gestão da informação e do conhecimento em organizações. Perspectivas em Gesto & Conhecimento, João Pessoa, v.1, número especial, p , Out ANDRADE, M. T. T.; FERREIRA, C. V. F.; PEREIRA, B. B. P. Uma ontologia para a Gestão do Conhecimento no Processo de Desenvolvimento de Produto. Revista Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 3, p , ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico: laboração de trabalhos na graduação. 5. ed. São Paulo: Atlas, CAMPELLO, A.S. Fontes de Informação para pesquisadores e profissionais. Editora: UFMG. Belo Horizonte, MG, CNPQ, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Grupos de pesquisa. Disponível em: < Acesso em abril de COSTA, S.M.S. A comunicação científica nos dias atuais: impactos de uma filosofia aberta. Bibliotecas digitais: saberes e práticas. UFBA/IBICT. Salvador Brasília De Jarnett, L. Knowledge the latest thing, Information Strategy. The Executives Journal, Vol. 12, pt 2, pp. 3-5, DEMAREST, Mark. Understanding knowledge management. v.30, n.3, 1997,p Long range planning, FERREIRA, F.C. O comportamento de procura de informação no processo de decisão de compra da Web. Perspectivas em Gesto & Conhecimento, João Pessoa, v.1, número especial, p. 3-26, Out GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª Edição, São Paulo: Atlas, Hansen, M. T; Nohria, N; Tierney T. What's your strategy for managing knowledge? HARVARD BUSINESS REVIEW, vol. 77, Issue: 2, HEDLUND, Gunnar. A model of knowledge management and the N-form corporation. Strategic management journal, v.15, 1994, p

11 Kiessling, T. and Harvey, M. The human resource management issues during an acquisition: the target firms top management team and key managers, International Journal of Human Resource Management, Vol. 17 No. 7, pp , LEITE, F. C. L.; COSTA, S. Repositórios institucionais como ferramenta de gestão do conhecimento científico no ambiente acadêmico. Belo Horizonte: Consórcio de Bibliotecas no Brasil, MORESI, E.A.D. Inteligência organizacional: um referencial integrado. Ci. Inf. Brasília, v.30, n.2, p.35-46, maio/ago MURRAY, P. C. New language for new leverage: the terminology of knowledge management Disponível em < Acesso em fevereiro de NONAKA, Ikujiro; KONNO, Noboru. The concept of "ba": Building a foundation for knowledge creation.california Management Review; Berkeley; Spring NORTON, Peter. Introdução à Informática. São Paulo: Makron Books, Quintas, P., Lefrere, P. and Jones, G.Knowledge Management: A Strategic Agenda. Journal of Long Range Planning, Vol. 30, No. 3, pp , Rowley, J. The Changing Role of the Information Manager. Librarian Career Development Volume: 2, SANDHAWALIA, B.S.; DALCHER, D. Developing knowledge management capabilities: a structured approach. Jounal of Knowledge management. Vol. 15. Nº02. London VALENTIM, M.L.P. Informação e conhecimento em organizações complexas. Gestão da informação e do conhecimento no âmbito da Ciência da Informação. São Paulo: Polis: Cultura Acadêmica, p

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL *

INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * INCORPORANDO AS NOVAS TECNOLOGIAS DE ENSINO/ APRENDIZAGEM: CRIAÇÃO DE ATLAS ONLINE DE PATOLOGIA GERAL * DUARTE, Yara de Paula 1 ; VALADÃO, Danilo Ferreira 2 ; LINO-JÚNIOR, Ruy de Souza 3. Palavras-chave:

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA FORTALECER O ENSINO ATIVO NA FACISA COM UMA ABORDAGEM DE METODOLOGIAS ATIVAS E AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

ESTRATÉGIAS PARA FORTALECER O ENSINO ATIVO NA FACISA COM UMA ABORDAGEM DE METODOLOGIAS ATIVAS E AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS PARA FORTALECER O ENSINO ATIVO NA FACISA COM UMA ABORDAGEM DE METODOLOGIAS ATIVAS E AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM José Felipe Costa da Silva Graduando de Fisioterapia da FACISA/UFRN, email:

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo [...] devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho

Comportamento Humano: Liderança, Motivação e Gestão do Desempenho A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO

DESENVOLVIMENTO 2014 TEMA: CAPACITAÇÃO COMPARTILHADA: O CLIENTE EM FOCO: DESENVOLVENDO EQUIPES COM ALTA PERFORMANCE EM ATENDIMENTO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO ADMINISTRATIVA INTEGRADA A TECNOLOGIA UnC INTRODUÇÃO A UnC interage com um mundo organizacional competitivo, inclusive com sua própria estrutura administrativa e geográfica que

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br

Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gestão da informação científica e repositórios institucionais de acesso aberto Fernando César Lima Leite fernandoc@unb.br 1. A comunicação científica

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL

PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA RESULTANTE DAS DISSERTAÇÕES E TESES EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO BRASIL Alexandre Soares dos Santos 1. Jose Dorival Gleria 2. Michele Silva Sacardo 3. RESUMO Saber se as dissertações e teses,

Leia mais

Acesso a Bases de Dados (Web of Science)

Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Helder Rodrigues da Silva Biólogo Mestre em Bioenergia-UEL Doutorando em Agronomia-UEL ISI Web of Knowledge Histórico Histórico 1958- fundação do Institute for

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br 1. Introdução O advento dos microprocessadores disseminou a informática a tal ponto

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1. Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3

Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1. Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3 Ouvidorias virtuais em Instituições de Educação Superior: novos resultados 1 Laís Marcolin Lucca (bolsista) 2 Larissa Lofrano Souza (bolsista) 3 Profª. Dr. Cleusa Maria Andrade Scroferneker (coordenadora)

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0 Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais