Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2, Camila Pinto de Souza 3, Márcia Motta Pimenta Velloso 4 Fabiana Rodrigues Leta 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2, Camila Pinto de Souza 3, Márcia Motta Pimenta Velloso 4 Fabiana Rodrigues Leta 5"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS UMA ANÁLISE ECONÔMICA DO POTENCIAL DE RECICLAGEM DE COMPUTADORES, CONSIDERANDO O CASO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF. Felipe Costa Miranda 1, Pedro Vayssiere Brandão 2, Camila Pinto de Souza 3, Márcia Motta Pimenta Velloso 4 Fabiana Rodrigues Leta 5 1-Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica, Rua Passo da Pátria, 156, São Domingos, Niterói, RJ, Brasil, 2- Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica, Rua Passo da Pátria, 156, São Domingos, Niterói, RJ, Brasil, 3- Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica, Rua Passo da Pátria, 156, São Domingos, Niterói, RJ, Brasil, 4- Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica, Rua Passo da Pátria, 156, São Domingos, Niterói, RJ, Brasil, 5- Universidade Federal Fluminense, Departamento de Engenharia Mecânica, Rua Passo da Pátria, 156, São Domingos, Niterói, RJ, Brasil, Palavras chave: Gerenciamento de resíduos, lixo eletrônico, potencial de reciclagem. Resumo Este trabalho foi elaborado a partir de uma análise do descarte de lixo eletrônico da Universidade Federal Fluminense UFF, a fim de se propor reflexões sobre consumo responsável e soluções no âmbito do gerenciamento de resíduos. O estudo foi feito a partir de dados de equipamentos patrimoniados na universidade nos últimos 10 anos. Neste contexto, foram feitas pesquisas, procurando entender à questão atual do lixo eletrônico no mundo, a fim de se conhecer o problema, para realizar uma análise crítica sobre o atual modelo de consumo e descarte de resíduos. Essas pesquisas também buscaram observar os benefícios gerais da reciclagem, sejam eles ambientais, sociais ou econômicos, para facilitar assim a busca por soluções. Considerando que na própria UFF o descarte de equipamentos vem aumentando significativamente nos últimos anos, torna-se interessante avaliar o potencial de reaproveitamento dos materiais descartados. Assim, o objetivo deste artigo é apresentar o potencial econômico da reciclagem de computadores da Universidade Federal Fluminense, especificamente relacionado às placas de circuito impresso. A partir de informações da própria universidade e dados oriundos de pesquisas bibliográficas elaborou-se uma planilha, que foi denominada planilha de potencial de reciclagem. De acordo com os dados obtidos, demonstra-se o quão benéfico seria a reciclagem dos eletrônicos analisados na universidade, e que os benefícios se dariam em diversos aspectos destacando o econômico. Considerando que o ganho relativo ao reaproveitamento dos metais presentes nas placas estudadas fosse máximo, poderia se obter uma média de ganho de mais de US$ ,00 ao ano, no período analisado. É possível a partir desta análise, propor a aplicação da mesma metodologia em outros ambientes e/ou instituições, empresariais e governamentais, que possuem dimensões maiores que a UFF e consequentemente podem gerar ganhos e vantagens ainda maiores para estas instituições. A continuidade desta pesquisa consistirá no estudo de técnicas de reciclagem e de extração de materiais, a partir da análise dos materiais que demonstram o melhor custo-benefício referente aos processos envolvidos. Pretende-se ainda avaliar os processos disponíveis e seus desafios de implantação, visando o uso destes ou o estudo e desenvolvimento de novas tecnologias.

2 1. Introdução A questão do tratamento de resíduos vem sendo discutida cada vez mais com o passar do tempo. Críticas sobre a maneira como a sociedade vem gerenciando seus resíduos (ou deixando de gerenciar) estão levando alguns setores da sociedade a se preocuparem com o destino do lixo. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [1] (IPEA), o reaproveitamento de material descartado no Brasil movimenta cerca de R$ 8 bilhões só com aço, alumínio, papel, plástico e vidro tendo potencial para gerar R$ 20 bilhões por ano. A partir de 2010 o governo brasileiro lançou uma lei que obriga as empresas a cuidar dos seus lixos eletrônicos, o que as obrigou a se preocuparem mais com o destino de seus resíduos, e ainda criou novas oportunidades para empresas atuarem em atividades tecnológicas e logísticas nessa área. A partir de 2010 quando o governo brasileiro lançou uma lei que obriga as empresas a cuidarem dos seus lixos eletrônicos, o que obrigou as empresas a se preocuparem mais com o destino de seus resíduos, surgiram também novas oportunidades para empresas nessa área. Do ponto de vista da reciclagem essa lei é importante, pois apesar de impor, acaba funcionando como uma forma de incentivo para a criação de novas empresas e tecnologias de reciclagem [2]. Outro importante motivo para essa preocupação é o meio ambiente, já que a destinação incorreta de lixo está diretamente ligada com sua degradação. Porém algo que se mostra relevante ao tratar de gerenciamento de resíduos, além da questão ambiental, são as questões sociais e econômicas. Além de vantagens ambientais, a reutilização e a reciclagem do lixo podem trazer inúmeras vantagens econômicas e sociais, como por exemplo, geração de empregos, redução de gastos e ganhos financeiros. Entre as vantagens econômicas que a reciclagem apresenta, a mais visível é a de que ao invés de algo ter como destino o lixo, vai ser reinserido no ciclo de produção como matéria-prima reaproveitável. Tendo em vista os benefícios encontrados na reciclagem, o presente artigo tem por objetivo analisar e explicitar o quão importante seria a reciclagem no caso específico da Universidade Federal Fluminense UFF, onde foram analisados dados do patrimônio da universidade. Especificamente para este trabalho, foram considerados computadores cuja aquisição foi registrada pela universidade nos últimos 10 anos. Foram realizadas ainda pesquisas a fim de se conhecer melhor os processos de reaproveitamento dos metais contidos nas peças dos computadores, principalmente placas de circuito impressos, e as empresas que trabalham com esses processos no Brasil e no mundo. Um ponto problemático no reaproveitamento dos metais contidos nas placas de circuito impresso é a dificuldade de encontrar empresas que façam sua extração. No Brasil existem empresas que trabalham com reciclagem eletrônica, porém são empresas que trabalham com logística reversa. Nenhuma extrai sozinha, completamente, os metais contidos nos componentes eletrônicos. O objetivo, deste modo, é apresentar esses dados e mostrar que o reaproveitamento dos componentes contidos nos computadores seria importante, analisando-se o caso da universidade, e que os dados, resultados e conclusões poderiam ser extrapolados para outros setores da sociedade como empresas e governos. 2. O lixo eletrônico e a reciclagem Observa-se que novas tecnologias estão sendo desenvolvidas cada vez mais rápidas, representando avanços significativos para a sociedade, porém nem sempre se preocupando com a preservação ambiental. Como consequência, tem-se um consumo desenfreado, com uma substituição também cada vez mais rápida de produtos eletrônicos, e daí surge a preocupação e a necessidade de se reaproveitar o lixo gerado por esses aparelhos descartados, que consistem no lixo eletrônico. Este lixo tem se tornado um dos principais problemas em todo o mundo. Mas o que parece um inconveniente pode se tornar algo bom, basta que haja investimentos no setor da recuparação de metais presentes nesse lixo eletrônico. Contudo esse investimento necessita de justificativas para ocorrer, onde uma delas é a quantidade de sucata a ser reciclada. Com isso tem-se que esse tipo de investimento poderia se justificar no caso do Brasil, visto que o país figura entre os que mais produzem esse tipo de lixo, ficando atrás apenas da China no caso de descarte de computadores pessoais, com 96,8 mil toneladas descartadas ao ano [3]. Sendo também o líder em produção per capita de lixo eletrônico proveniente de computadores, entre os países emergentes como pode ser visto na Figura 1. A reciclagem do lixo eletrônico configura, portanto, uma boa forma de atender à demanda por minerais que possa existir em um local, e consequentemente possui grande importância econômica. Exemplo disso é o Japão, país que possui escassez em reservas minerais, onde há a consciência de que componentes do lixo eletrônico têm alto valor de mercado. O Japão ganha com este lixo já que entre outras ações, até mesmo a população participa ao, por exemplo, devolverem seus antigos celulares às lojas. Com essa e outras ações é possível obter-se valiosos minerais dos quais o país possui certa escassez [4].

3 Figura 1 Gráfico da distribuição anual do lixo proveniente de computadores descartados por habitantes. Fonte: [3]. Contrastando com o Japão, o Brasil está um pouco atrasado nisto, já que não há empresas aqui que façam a recuperação de todos os componentes de um celular ou de um computador, por exemplo. No Brasil, as empresas que trabalham com reciclagem de lixo eletrônico não recuperam os metais presentes, elas realizam a logística reversa e os processos mecânicos, que são mais baratos e que utilizam equipamentos mais simples. E em seguida enviam esse lixo eletrônico já processado para empresas em outros países como Canadá, Bélgica e Cingapura, onde é feita a recuperação dos metais [5]. Quando o Brasil envia esse lixo eletrônico para outros países, está enviando os metais nobres ali presentes a um valor abaixo do valor de mercado. A recuperação desse lixo eletrônico no Brasil faria com que os metais presentes nesse lixo retornassem ao ciclo de produção e também evitaria a evasão do Brasil dessa matéria-prima. Entretanto já é possível notar alguma mobilização no país. Algumas universidade e empresas estão passando a investir em pesquisas nessa área, tanto para desenvolvimento de tecnologias como para capacitações de pessoal, por exemplo, a Universidade de São Paulo - USP realiza uma capacitação a catadores para que eles se protejam dos malefícios do lixo eletrônico e aumentem suas rendas [6]. No Brasil, indústrias, importadores, distribuidores e comerciantes de eletroeletrônicos e componentes têm quatro meses contados a partir da publicação do edital Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos e seus Componentes, para apresentar ao Ministério do Meio Ambiente (MMA) propostas para a implementação de um processo que faça o recolhimento do lixo eletrônico corretamente a fim de fazer o tratamento deste. As empresas terão cinco anos para implementar o novo sistema, tendo que definir pontos de coleta do lixo e quem será o responsável por recolher o que foi arrecadado [7][8]. A reciclagem do lixo eletrônico não está atrelada somente a fatores econômicos, possui uma relação estreita com a saúde da população, pois com o descarte indevido, os componentes químicos desse lixo podem prejudicar a saúde de catadores e do meio ambiente. Por exemplo, considerando elementos químicos do computador, 6,28% da massa é composta por chumbo, o que pode trazer para uma pessoa que obteve contato com o elemento, irritabilidade e alucinação entre outros males [9][10] Políticas públicas para a reciclagem Para que haja uma maior conscientização acerca da importância de reciclagem, e principalmente, para que existam empresas participando ativamente no âmbito do reaproveitamento de resíduos, é essencial que os governos atuem em conjunto com as empresas e sociedade. A atuação dos governos pode se dar de diversas formas, seja promovendo cartilhas e apresentações de cunho educacional, seja subsidiando empresas que venham a trabalhar diretamente nessa área ou que demostrem a responsabilidade ambiental em suas ações, ou seja, ainda propondo leis e normas que obriguem empresas a tomarem ações corretas neste quesito.

4 Outra forma de se promover a reciclagem é o investimento por parte de instituições como universidades, centros de pesquisa e empresas. Essas instituições podem se tornar aliadas a esse tipo de indústria (da reciclagem), pois produzem muito lixo eletrônico, e são detentores de tecnologias Brasil e Mundo Cada vez mais vão sendo tomadas decisões, acerca de políticas públicas, no que diz respeito à reciclagem. O Brasil está atrás de países da Europa e Estados Unidos no que tange à tecnologia no geral, e o mesmo vale para tecnologias de reciclagens. Os países membros da União Europeia já deram um importante passo no assunto de políticas públicas. O Fórum WEEE (lixo de equipamentos eletroeletrônicos), é uma associação sem fins lucrativos, formada por 42 países produtores de lixo eletrônico, e serve como uma plataforma de promoção e compartilhamento de boas ideias e boas práticas de desenvolvimento sustentável através do gerenciamento de resíduos eletrônicos [11]. Plataformas como essa ainda estão em falta em países como o Brasil, grande produtor de sucata eletrônica, que ainda não trata a reciclagem como prioridade. Apesar de o governo já ter instaurado a política nacional para resíduos sólidos, que trata em cima, basicamente, da logística reversa, o brasileiro ainda não compreendeu as vantagens da reciclagem, e que dentre as mesmas está o aspecto econômico. As universidades podem se tornar, como já o estão fazendo, importantes aliadas no quesito de promoção e execução de políticas de reaproveitamento de resíduos. Principalmente se tratar da reciclagem de eletroeletrônicos, pois esses tipos de materiais exige uma tecnologia um tanto mais restrita que a reciclagem de materiais comuns. Como exemplo de universidade que já está trabalhando nesse caminho tem-se a Universidade de São Paulo USP, que possui um Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática CEDIR. O CEDIR faz parte do centro de computação da USP e tem como objetivo a implementação de práticas de reuso e descarte sustentável de lixo eletrônico [12]. O CEDIR atua em com base em três etapas: Coleta e Triagem, Categorização e Reciclagem. Na primeira etapa é feita a coleta dos materiais, e a triagem dos elementos, em seguida os materiais são categorizados quanto às suas características e a funcionabilidade, o que está em funcionamento é reconfigurado e colocado em uso novamente, que não está é direcionado à empresas de reciclagem que estejam devidamente registradas no centro. Segundo o site do centro, o CEDIR é um projeto pioneiro no tratamento de lixo eletrônico em órgão público e instituição de ensino superior [12]. Além da USP, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-RIO juntamente com a Secretaria de Estado do Ambiente - SEA do Rio de Janeiro, lançaram o primeiro ponto de coleta seletiva de eletrônicos da zona sul do Rio de Janeiro. O material recolhido é doado para a Fábrica Verde, um projeto da SEA que transforma lixo em inclusão digital e atua na montagem e manutenção de computadores usados. Em média de cada três computadores velhos, por exemplo, os alunos da fábrica produzem um computador em condição de uso [13] Vantagens da reciclagem Como já dito a reciclagem apresenta diversos benefícios ao homem e à sociedade. Benefícios esses que se apresentam de diferentes formas à diferentes classes da sociedade, isto é, depende de quem e como se observa a reciclagem. Dentre as vantagens, destaca-se a reciclagem quando observada sob três óticas diferentes: a social, a econômica e a ambiental O social Quando observado sob o ponto de vista social, o reaproveitamento de resíduos pode apresentas diferentes aspectos positivos. Um importante ponto a se considerar é a geração de empregos. A geração de empregos nesse caso pode se referir tanto à mão de obra qualificada quanto não qualificada, pois a reciclagem inclui desde a coleta e separação de materiais, até técnicas de separação por exemplo. A questão social pode ser complementada ainda, com a ideia de se reaproveitar partes de computadores, por exemplo, para serem utilizadas em comunidades, escolas etc O ambiental A degradação do meio ambiente, com o despejo irregular de resíduos, é observada de forma negativa pela sociedade, até mesmo que intuitivamente. Assim sendo é quase que unânime os benefícios trazidos pela reciclagem.

5 As vantagens trazidas ao meio ambiente, não se tratam apenas de deixar de despejar resíduos no meio, mas também deixar de extrair matéria prima para utilizar em um determinado produto, já que a reciclagem trata de reinserir a matéria em determinado ciclo de produção. Além disso, a energia poupada na produção de alguns metais é altamente significativa se comparada aos gastos de energia da fabricação de metais a partir da extração, e a partir da reciclagem. Considerando que toda forma de geração de energia acarreta de alguma maneira danos ao meio ambiente, poupar energia é interessante do ponto de vista da preservação ambiental O econômico As vantagens econômicas obtidas com a reciclagem podem ocorrer de diferentes formas. Reutilizar algo que estaria obsoleto, a fim de não necessitar comprar ou extrair da natureza novamente é uma economia de capital que deve ser levada em conta, principalmente do ponto de vista industrial. Além da economia de capital obtida com o reaproveitamento de determinado componente, a energia poupada na produção de metais como o alumínio, oriundo de reciclagem, fica acima de 90% [14]. Com o alto índice de economia de energia, e levando-se em conta que o gasto com a energia está diretamente relacionado ao gasto econômico, a economia de energia acarreta em uma economia de capital. Na Tabela 1 pode-se observar a relação do consumo de energia na produção de metais primários e secundários. Tabela 1 Relação entre o consumo de energia na produção de metais primários e secundários. Metal Consumo de energia na produção de metais primários e secundários Energia empregada na produção de 1 tonelada Metal primário (kwh/t) Metal secundário (kwh/t) Energia poupada na reciclagem (kwh/t) (%) Níquel Alumínio Zinco Magnésio Chumbo Cobre Estanho Fonte: [14]. Aliado à economia de energia, pode-se também analisar a vantagem econômica devido à quantidade dos metais presentes nas placas de circuito impresso. As quantidades desses metais são significativas, considerando que a concentração de ouro existente na placa de circuito impresso é superior à encontrada no próprio minério de ouro bruto. Há 17g de ouro por tonelada de resíduo de placa de circuito impresso, enquanto que na mineração de ouro a quantidade varia de 6g a 12g por tonelada de minério [5]. Com isso tem-se que com menos quantidade de matéria prima, e menos quantidade de energia, poder-se-ia obter a mesma quantidade de ouro, por exemplo, em relação à extração primária. O que torna a reciclagem ainda mais vantajosa economicamente. 3. Estudo de caso UFF 3.1. Metodologia Foi feita uma análise de dados da Universidade Federal Fluminense, mais precisamente sobre os aparelhos eletrônicos patrimoniados pela universidade desde Após análise percebeu-se que os computadores de mesa constituem a maior parte, quantitativamente, desses aparelhos eletrônicos. A partir disso buscou-se mensurar o potencial econômico de reciclagem dos aparelhos eletrônicos da Universidade Federal Fluminense através de revisões bibliográficas e utilizando como base dados fornecidos pela Coordenação do Patrimônio da UFF. Segundo Miranda et al. [15], o tempo médio de troca de um computador de mesa é de 3,5 anos, este valor de tempo médio foi aproximado para 4 anos, e aplicou-se esse tempo aos computadores da universidade, considerando que os computadores patrimoniados a cada ano são utilizados em média por quatro anos e depois são descartados.

6 A Tabela 2 que mostra a quantidade de computadores de mesa patrimoniados em cada ano de 2002 a Os computadores de mesa foram selecionados como objeto de estudo por estarem presentes em maior quantidade. Tabela 2 Computadores de mesa patrimoniados por ano. COMPUTADORES ANO JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL Em seu artigo, Miranda et al. [15] apresenta os impactos para o meio ambiente e consequentemente para o homem do depósito irregular de lixo eletrônico. No presente artigo é chamada atenção também para o cunho econômico da reciclagem, levando-se em consideração que a não reciclagem do lixo eletrônico representa um desperdício de matéria prima e desperdício de energia. Foi mensurado o potencial econômico de reciclagem de computadores de mesa da Universidade Federal Fluminense, especificamente as placas de circuito impresso presentes nesses computadores. O enfoque em placas de circuito impresso foi dado porque se encontram mais facilmente na literatura a relação entre os metais presentes nas placas e as respectivas massas desses metais em porcentagem. Algo que chamou atenção foi a presença de alguns metais com alto valor de mercado como Ouro, Prata e Paládio. Esses metais são responsáveis por tornar a reciclagem das placas de circuito impresso uma atividade não apenas viável, mas também uma atividade lucrativa, o que justificou o enfoque dado a essas placas. Após uma revisão bibliográfica sobre lixo eletrônico obteve-se o percentual de massa dos metais em placas de circuito impresso. Esses dados foram organizados em uma tabela contendo os metais e suas respectivas massas em percentual da massa total da placa de circuito impresso, que foi utilizada como base para a análise de potencial de reciclagem. Tabela 3 Porcentagem de massa dos metais presentes em placas de circuito impresso. Metal Massa(%) Fe 6,00% Cu 14,00% Al 5,00% Pb 1,50% Ni 2,00% Zn 2,00% Sn 2,00% Ag 0,30% Au 0,04% Pd 0,02% Fonte: Adaptado de [5]. A quantidade dos metais apresenta uma pequena variação de acordo com o modelo e idade da placa de circuito impresso em questão. A tabela 3 constitui assim uma média das porcentagens das massas e aplicou-se essa média para todas as placas de circuito impresso. O passo seguinte foi determinar a massa total de placas de circuito impresso presentes no gabinete de um computador. Considerou-se um computador como sendo um gabinete com placa-mãe, fonte, disco-rígido, driver de CD (Compact Disc)/DVD (Digital Versatile Disc). Recolheu-se uma série de computadores descartados dentro da Universidade Federal Fluminense (Campus da Praia Vermelha). Os computadores foram desmontados, e, então retiradas as placas de circuito impresso, das partes consideradas, para determinação de massa das placas de circuito impresso através de uma balança. A Figura 2 mostra as placas de circuito impresso das partes consideradas dos computadores. Para determinar as informações

7 contidas na Tabela 4 foram pesados diferentes modelos de placa de circuito impresso de cada hardware do computador e obteve-se a média. Tabela 4 Massas médias das placas de circuito impresso presentes no gabinete. Placa de circuito impresso Fonte Placa-mãe Driver CD/DVD Disco Rígido Massa (média) 0,346 Kg 0,582 Kg 0,074 Kg 0,03 Kg Figura 2 Placas de circuito impresso retiradas do gabinete de um computador. A partir disso determinou-se que há dentro de um gabinete, em média, 1,032 Kg de placas de circuito impresso. Considerando uma massa de 10,35Kg (massa do gabinete do computador Positivo Premium K5780), as placas de circuito impresso representam aproximadamente 10% da massa de um gabinete de computador. No artigo não esta sendo levado em consideração o montante que pode ser obtido com a reciclagem dos 90% restantes do gabinete Perspectivas para o caso estudado Pesquisaram-se [16] os valores de mercado dos metais presentes nas placas de circuito impresso a fim de se determinar o montante que pode ser obtido com a reciclagem das placas de circuito impresso presentes nos computadores de mesa. A tabela potencial de reciclagem (Tabela 5), mostra por ano o valor que pode ser obtido com a recuperação de cada um dos metais, o valor de mercado dos metais (em vermelho) e o valor total (somatório do valor obtido com a reciclagem de cada um dos metais em cada ano). Foi encontrado o montante de U$ ,32 (Dólar cotado a R$ 2,05 [17]) como valor médio por ano que poderia ser obtido com a separação e reciclagem dos metais presentes nas placas de circuito impresso. É importante lembrar que os cálculos foram feitos supondo-se que é possível separar 100% dos metais presentes nas placas. Apesar de o valor conseguido na prática não fica muito aquém dos 100%, por exemplo, utilizando material lixiviante é possível recuperar 98% de prata, 93% de paládio e 97% de ouro de resíduo constituído de placas de circuito impresso [3]. Além disso, nos valores mostrados não foram considerados os valores que seriam despendidos na separação e gerenciamento desse lixo eletrônico. Os valores mostrados na Tabela 5 são referentes às placas de circuito impresso que constituem cerca de 3% da massa total da sucata proveniente de equipamentos eletrônicos descartados [3]. Se considerada essa grande quantidade de material não quantificada esses valores serão maiores.

8 Tabela 5 Potencial de reciclagem Valor (R$/kg) Ano Fe Cu Al Pb Ni Zn Sn Ag Au Pd Total (R$) 3,06 16,37 4,14 4,74 35,56 4,13 50, , , , , ,87 111,08 38,16 381,66 44,33 536, , , , , ,03 936,59 84,60 29,06 290,65 33,76 408, , , , , ,24 664,60 60,03 20,62 206,24 23,95 289, , , , , ,91 560,54 50,63 17,39 173,95 20,20 244, , , , , , ,18 180,30 61,93 619,46 71,95 871, , , , , , ,43 139,50 47,91 479,27 55,66 673, , , , , , ,88 254,43 87,39 874,14 101, , , , , , , ,81 180,09 61,86 618,73 71,86 869, , , , , , ,46 298,65 102, ,07 119, , , , , , ,01 761,57 68,79 23,63 236,33 27,45 332, , , , ,50 4. Conclusão Observa-se a importância da reciclagem de eletrônicos se analisando o caso da UFF e avaliando a atual conjuntura mundial no que tange ao consumo de eletrônicos. Porém deve-se frisar que ainda existe carência de setores produtores de tecnologia de extração de metais presentes em componentes eletrônicos, em particular no Brasil. O que acaba por ocorrer atualmente, é que a reciclagem realizada fora do país onde é gerado o lixo eletrônico acarreta em uma exportação de matéria prima nobre com baixo valor agregado, consequentemente indica perdas econômicas para o país. A partir dos dados apresentados, pode se observar a relevante presença de metais valiosos na sucata tecnológica. Levando-se em conta esta constatação, aliada ao fato do gasto de energia necessário para a produção dos metais presentes nesse lixo ser inferior ao gasto de energia na produção de metais primários, pode-se ter a reciclagem como assunto de extrema importância para a economia nacional. Com os resultados encontrados, em um estudo de caso particular, percebe-se que o investimento no setor pode ser promissor, ao se extrapolar tal investigação para instituições maiores que a universidade, como empresas, organizações cidades, estados e países. Por exemplo, de acordo com dados citados anteriormente, os brasileiros abandonam por ano 96,8 mil toneladas de computadores, extrapolando os resultados obtidos para todo lixo eletrônico proveniente de computadores abandonados pelos brasileiros, o ganho seria obviamente superior. Com isso, apesar de os valores encontrados na planilha potencial de reciclagem, desconsiderarem gastos relativos à extração, também foram desconsiderados lucros com outros possíveis reaproveitamentos, como a carcaça dos computadores, e ainda custos relativos ao meio-ambiente que serão sempre positivos se caminhando junto à reciclagem. E feita uma extrapolação para algo maior, vê-se que a reciclagem de lixo eletrônico justifica por si só o investimento necessário. Agradecimentos Os autores agradecem o financiamento do MEC-SeSU e o apoio da Escola de Engenharia e das Pró-Reitorias de Graduação e de Assuntos Estudantis da Universidade Federal Fluminense. 5. Referências [1] - acessado em 10/07/13 [2] - acessado em 08/04/13 [3] Santos, Fabio Henique Silva - Resíduos de origem eletrônica; Série Tecnologia Ambiental; Rio de Janeiro: CETEM/MCT, [4] - acessado em 21/07/13 [5] Gerbase e Oliveira; Reciclagem do lixo de informática: uma oportunidade para a Química; Química Nova Vol 35, No 7.

9 [6] - acessado em 08/04/13 [7] Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos e seus Componentes Edital 01/2013 Ministério do Meio Ambiente [8] - acessado em 21/07/13 [9] Pallone, S. Resíduo eletrônico: Redução, reutilização, reciclagem e recuperação. Revista eletrônica, Com Ciência [10] Cândido, C. E.; da Silva, W. C. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de ciências matemáticas e da natureza. Educação ambiental: O lixo eletrônico f. Monografia. [11] - acessado em 15/05/13 [12] - acessado em 30/05/2012 [13] - acessado em 03/08/13 [14] Eloisa Biasotto Mano, Elen B. A. V. Pacheco, Claudia M. C. Bonelli; Livro Meio Ambiente, Poluição e Reciclagem. [15] Miranda, F. C.; Brandão, P. V., Velloso, M. P., Leta, F. R., Avaliação do Consumo de Equipamentos Eletrônicos: um meio de despertar a consciência sócio-econômica-ambiental em alunos de engenharia Publicado no XL Congresso Brasileiro de Eduacação em Engenharia, [16] - acessado em 15/02/13 [17] - acessado em 26/05/13

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÂO

RESULTADOS E DISCUSSÂO LIXO ELETRÔNICO - WIKI E-LIXO Origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO Este projeto surgiu com o intuito de dar uma nova função às máquinas caça-níqueis

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

PROJETO. Lixo Eletrônico

PROJETO. Lixo Eletrônico CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Pró-reitora de Graduação e-mail: prograd@unifeb.edu.com PROJETO Lixo Eletrônico JUNHO/2015 Nome do projeto: Lixo Eletrônico (Reciclagem, reaproveitamento

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA GESTÃO SUSTENTÁVEL

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA.

AbineeTec 2015. Seminário Sustentabilidade. Gestão e Tecnologias Disponíveis para. Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA. AbineeTec 2015 Seminário Sustentabilidade Gestão e Tecnologias Disponíveis para Logística Reversa e Reciclagem UMICORE BRASIL LTDA set/14 Ricardo Rodrigues Umicore Brasil Ltda Março/15 Grupo Umicore Fluxo

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE RECICLAGEM NA ÁREA DA INFORMÁTICA UMA DISCUSSÃO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR. Mostra

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Eis um assunto que há vários anos vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e na literatura científica. Nos últimos 10 anos mais de 3 mil trabalhos sobre impactos ambientais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

A Reciclagem Inteligente

A Reciclagem Inteligente A ReciSmart A ReciSmart é uma empresa certificada na Reciclagem de Equipamentos Informáticos e que através de uma reciclagem sustentável e inteligente contribui para a preservação do meio ambiente. Integrados

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J

REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J REVISÃO DE MATEMÁTICA PG 2ª Unidade Letiva / 2015 PROFESSORA: ERICA FERRÃO BORTOLUCCI REVISÃO 08 6ª ANO NOME DO ALUNO: Nº TURMA: 6J Observações gerais Leia com atenção! preencha corretamente o cabeçalho;

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Dezembro/2010 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática - Indicadores

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO INTERINSTITUCIONAL EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE RESÍDUOS QUÍMICOS E O PROCESSO DE DESCARTE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS PRIORIDADE INSTITUCIONAL 4 EIXOS DE ATUAÇÃO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

Leia mais

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação GERENCIAMENTO DO LIXO NA CIDADE DE ESPERANÇA PB: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joanilma dos Santos SILVA 1, Gabriele de OLIVEIRA 1, Aline Pereira RODRIGUES¹, Hellen Regina Guimarães da SILVA 1, Mário

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINUTA DE EDITAL DE CHAMAMENTO nº...xxxxxx. ACORDO SETORIAL PARA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº 12.305, de

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. TÍTULO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA CIDADE DE POÁ, SP. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO

Leia mais

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO

RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO PILOTO PARA O DESCARTE CORRETO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA RESÍDUOS ELETRÔNICOS: PROJETO

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Título do Trabalho: Reciclagem de Porcelanas danificadas para confecção de placas de concreto

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa

CAVACO S. www.cavacos.com RESPEITANDO A NATUREZA. Combustível de Biomassa CAVACO S Combustível de Biomassa RESPEITANDO A NATUREZA www.cavacos.com EM 2014 OS NOSSOS SONHOS SÃO AINDA MAIORES. APRESENTAMOS AOS NOSSOS CLIENTES E PARCEIROS UMA NOVA CAVACO S, MUITO MAIS MODERNA, COM

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Fevereiro/2011 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática -

Leia mais

PROJETO SHOPPINGS CENTERS

PROJETO SHOPPINGS CENTERS Seu Lixo é um Luxo PROJETO SHOPPINGS CENTERS O lixo é um conceito que deveria ser aplicado apenas ao dejeto que realmente não se consegue dar uma destinação correta, que é representado por 5% do que uma

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria.

PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. PAINEL 4: Construindo e implementando o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: do catador à indústria. O envolvimento da sociedade Consórcios A mobilização da indústria de equipamentos

Leia mais

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE.

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 116 A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Bruna Caroline

Leia mais

A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação.

A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação. A mudança cultural de um país, acontece por meio da educação. RECICLAGEM & SUSTENTABILIDADE Não existe prosperidade em lugar sujo. O Mundo Ficou Pequeno de Mais Para Tanto Lixo Como atingir a sustentabilidade

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2014

Relatório de Sustentabilidade 2014 1 Relatório de Sustentabilidade 2014 2 Linha do Tempo TAM VIAGENS 3 Política de Sustentabilidade A TAM Viagens uma Operadora de Turismo preocupada com a sustentabilidade, visa fortalecer o mercado e prover

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DO CONSUMO DE PAPEL

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DO CONSUMO DE PAPEL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DO CONSUMO DE PAPEL PROGRAMA Nº 06/ 2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 2ª edição, atualização

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

Gerenciamento de Impressões

Gerenciamento de Impressões Gerenciamento de Impressões Junte se ao prático! Gerenciamento de Impressão É a terceirização de todo o processo de impressão dentro da empresa, ou seja do ambiente de produção de documentos: impressoras,

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA JULHO 2014. Secretarias Parceiras: Secretaria Municipal de Técnica e Planejamento Secretaria Municipal de Trabalho,

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DESTINO FINAL AMBIENTALMENTE CORRETO DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Raquel Ströher 1, Ana Paula Ströher 2, João Walker Damasceno 3 RESUMO: No Brasil,

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem

Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem Oficina prática sobre desmontagem de computadores e os aspectos tecnológicos e financeiros a considerar na reciclagem I Seminário Estadual em Gestão de Resíduos Tecnológicos Fortaleza 16 Junho 2009 Projeto

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES

CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM DOIS BAIRROS DE CLASSES SOCIAIS DISTINTAS NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL DA PALHA ES Leandro Cezar Valbusa Bragato¹ Acadêmico de Engenharia Ambiental

Leia mais

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret DIRETORIA TI RIO Presidente Benito Paret Diretoria Bruno Salgado Custodio Rodrigues Henrique Faulhaber Barbosa Kauê Silva Ladmir da Penha Carvalho Luiz Bursztyn Pablo Braga Conselheiro Fiscal Titular Giosafatte

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0

Sã S o o Pa P u a l u o l 26 de d e M a M r a ço de d e 2008 0 São Paulo 26 de Março de 2008 Grupo Votorantim Fundado em 1918 Um dos maiores grupos industriais privados 8 unidades de negócio: metais, cimentos, celulose e papel, química, energia, agroindústria, finanças

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais