PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL"

Transcrição

1 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com critérios pré-definidos pelo IFBQ (Instituto Falcão Bauer da Qualidade) que considerem o ciclo de vida e suas características funcionais. O programa segue os requisitos do GEN (Global Ecolabelling Network), de modo a garantir que a certificação de produtos pelo Programa Falcão Bauer Ecolabel atenda os princípios da norma ISO Rotulagem Ambiental do Tipo I. 2. Objetivo Este procedimento visa estabelecer critérios gerais para o processo de certificação do Programa de Rotulagem Ambiental Falcão Bauer Ecolabel, bem como diretrizes gerais em atendimento aos requisitos do GEN e do IFBQ. 3. Documentos de Referência - MQ-IFBQ-002 Manual da Qualidade IFBQ - PSQ-IFBQ-028 Procedimento Geral de Auditoria - PSQ-IFBQ-006 Procedim. Suspensão Cancelamento Extensão e Redução - PSQ-IFBQ-007 Procedimento de Confidencialidade - PSQ-IFBQ-025 Procedimento de Gestão da Imparcialidade - ABNT NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos - ABNT NBR ISO 14001:2004 Sistemas da gestão ambiental - Requisitos com orientações para uso - ABNT NBR ISO 14020:2002 Rótulos e declarações ambientais - Princípios gerais - ABNT NBR ISO 14024:2004 Rótulos e declarações ambientais - Rotulagem ambiental do tipo I - Princípios e procedimentos - ABNT NBR ISO 14040:2009 Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Princípios e estrutura - ABNT NBR ISO 14044:2009 Gestão ambiental - Avaliação do ciclo de vida - Requisitos orientações - ABNT NBR ISO/IEC 17000:2005 Avaliação de conformidade - Vocabulário e princípios gerais - ISO/IEC 17065:2012 Conformity Assessment - Requirements for bodies certifying products, processes and services Elaborado por: Cintia Oller Cespedes Verificado por: Gustavo Sato Aprovado por: Maurilen Zimenez PEP /08/ /03/2014 1/12

2 4. Processo de Certificação 4.1. Solicitação de Certificação A solicitação de certificação pelo Programa Falcão Bauer Ecolabel deve ser feita através do preenchimento do Formulário para Solicitação de Certificação que está disponível no site do Falcão Bauer Ecolabel ou poderá ser solicitado via ou telefone. Através dos dados informados neste formulário o IFBQ elabora a Proposta de Viabilidade e encaminha ao solicitante para apreciação e posterior aceite. O solicitante deve manifestar-se quanto ao aceite da Proposta de Viabilidade para que o IFBQ possa dar continuidade ao processo Avaliação da Viabilidade A Avaliação da Viabilidade é realizada através de uma visita técnica na qual a área técnica do IFBQ coleta informações básicas sobre o produto e o seu processo produtivo. As informações são disponibilizadas na Ficha para Avaliação da Viabilidade e contribuem para a verificação da categoria do produto para que sejam definidos os critérios específicos caso necessário. Além disso, é verificado o potencial ecológico do produto para a certificação. Na Avaliação da Viabilidade, caso o produto não apresente potencial para a certificação, o IFBQ informa ao solicitante que poderá utilizar o relatório para verificar quais foram os principais apontamentos sobre melhorias no produto ou no seu processo de produção. Dessa forma, será possível verificar quais são os pontos críticos do produto e a partir disso adequá-los, caso tenham interesse em solicitar uma nova Avaliação de Viabilidade. Se confirmada a Viabilidade, com base nas informações levantadas, o IFBQ encaminha a Proposta Contrato que abrange todo o processo de certificação incluindo desde a elaboração do procedimento específico até a concessão e manutenção do certificado. O solicitante deve manifestar-se quanto ao aceite da Proposta Contrato para que o IFBQ possa dar continuidade ao processo de certificação Definição dos Critérios Procedimento Específico Após a avaliação da viabilidade o IFBQ elabora um procedimento específico para a categoria do produto em análise, caso necessário. Esse procedimento específico deverá definir os critérios que o produto deve atender para ser certificado pelo Programa Falcão Bauer Ecolabel. A definição dos critérios é feita a partir de pesquisas sobre os principais impactos ambientais associados ao segmento e considera todo o ciclo de vida do produto além das suas características funcionais. Sendo assim, o procedimento específico definirá quais são os ensaios e as análises que deverão ser realizados para evidenciar o atendimento aos critérios definidos, bem como as normas técnicas, padrões e parâmetros que o produto deve seguir para obter a certificação do Programa Falcão Bauer Ecolabel. O atendimento aos critérios estabelecidos será verificado nas auditorias de certificação e de manutenção Consulta Todos os procedimentos específicos poderão ser visualizados no site do Falcão Bauer Ecolabel, os mesmos ficarão disponíveis para comentários das partes interessadas por um período de trinta dias. PEP /08/ /03/2014 2/12

3 Após a revisão dos comentários e aprovação de cada procedimento específico, os mesmos estarão disponíveis para uso no processo de certificação e continuarão disponíveis no site para consulta. Os produtos certificados serão divulgados no site do Falcão Bauer Ecolabel, bem como o certificado destes, tendo suas informações associadas ao procedimento específico que abrange os critérios da categoria que se encaixa Validade dos critérios Os critérios estabelecidos nos procedimentos específicos terão validade de 5 anos, devendo ser revisados nesse período ou quando necessário. A revisão deve considerar fatores relacionados à categoria dos produtos, abrangendo novos produtos, novas informações, novas tecnologias ou qualquer informação considerada pertinente referente à categoria do produto. A cada revisão do procedimento específico, este será aberto durante um período de trinta dias para comentários das partes interessadas e deverá passar por aprovação antes de voltar a ser utilizado nos processos de certificação Auditoria de Certificação A auditoria de certificação verifica o atendimento aos critérios definidos no procedimento específico, e ainda, avalia os requisitos gerais definidos no ANEXO A deste procedimento. - ANEXO A.1 - Requisitos Gerais de Desempenho Ambiental - ANEXO A.2 - Requisitos Gerais de Desempenho da Qualidade - ANEXO A.3 - Requisitos da Sistemática para Tratamento de Reclamação As evidências verificadas durante a auditoria de certificação devem ser registradas no Relatório de Auditoria, o qual será disponibilizado ao solicitante no prazo máximo de sete dias, desde que não haja pendências. Caso seja apontada alguma não conformidade no Relatório de Auditoria o solicitante deverá preencher o Relatório de Avaliação de Ação Corretiva, no prazo máximo de 20 dias, a ser avaliado pela equipe auditora, se aprovado, a implantação da ação corretiva será verificada na auditoria de manutenção. Se a equipe auditora considerar necessário, devido ao nível de gravidade da não conformidade, poderá ser realizada auditoria de follow up para avaliar a implantação da ação corretiva proposta antes de dar continuidade ao processo de certificação. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-028 (Procedimento Geral de Auditorias) para a realização das auditorias Análise do Processo Cumpridos os requisitos exigidos neste procedimento e no procedimento específico para o produto, é iniciada a análise crítica de todo o processo para conceder ou não a autorização para o uso do Falcão Bauer Ecolabel, do qual participam o Polo de Negócios e a Gerência de Certificação. O registro desta análise é realizado no documento Registro Geral de Certificação - RGC. 5. Concessão da Certificação Uma vez aprovado o processo de certificação, o IFBQ emitirá o documento Certificado de Conformidade, no qual deverão constar minimamente os seguintes dados: a) Número do certificado sequencial dado pelo controle informatizado do IFBQ PEP /08/ /03/2014 3/12

4 b) Data da emissão do certificado c) Validade (36 meses) d) Nome do produto e) Nome da organização solicitante f) CNPJ g) Endereço da organização solicitante h) Número do Procedimento Específico da Categoria do Produto i) Logo do Falcão Bauer Ecolabel Caso o parecer seja desfavorável à concessão da certificação, são informadas ao solicitante as medidas a serem tomadas, conforme deliberação do IFBQ. 6. Manutenção Após a concessão da autorização para o uso do Falcão Bauer Ecolabel, o controle da manutenção é realizado exclusivamente pelo IFBQ, através de auditorias anuais, a serem realizadas em um prazo máximo de 12 meses a partir da data da auditoria anterior, para constatar se as condições que deram origem à concessão inicial da autorização estão sendo mantidas. Poderão ser solicitadas auditorias extraordinárias in loco desde que haja recomendação do IFBQ ou da equipe auditora, baseada em evidências que as justifiquem tecnicamente. Para a manutenção da certificação do produto, é necessário que a empresa e os produtos avaliados demonstrem conformidade a todos os requisitos verificados. Caso seja apontada alguma não conformidade no Relatório de Auditoria o solicitante deverá preencher o Relatório de Avaliação de Ação Corretiva, no prazo máximo de 20 dias, a ser avaliado pela equipe auditora, se aprovado, a implantação da ação corretiva será verificada na próxima auditoria. Se a equipe auditora considerar necessário, devido ao nível de gravidade da não conformidade, poderá ser realizada auditoria de follow up para avaliar a implantação da ação corretiva proposta a fim de manter a certificação. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-028 (Procedimento Geral de Auditorias) para a realização das auditorias. 7. Uso da Marca A marca Falcão Bauer Ecolabel, presente nos Certificados de Conformidade é propriedade do IFBQ, ficando o seu uso autorizado somente enquanto a certificação estiver válida e no âmbito de seu escopo. Não é permitida a utilização do Falcão Bauer Ecolabel antes da Concessão da Certificação. O Falcão Bauer Ecolabel, apresentado abaixo, será fornecido às organizações pelo IFBQ e deverá ser reproduzida exatamente como disponibilizada no arquivo eletrônico fornecido pelo IFBQ. Dessa forma, não serão permitidas modificações de layout, tais como composição, disposição e distorção de seus elementos, ficando autorizadas apenas modificações de tamanho, desde que todos os elementos sejam mantidos legíveis, assim como a proporcionalidade entre as medidas do desenho original. PEP /08/ /03/2014 4/12

5 PEP-XXX Conforme mostrado na figura acima, o Falcão Bauer Ecolabel colocado no produto certificado deve referenciar o Procedimento Específico de Certificação utilizado. A colocação desta marca em um produto certificado pelo IFBQ significa que este produto foi avaliado em relação a critérios ambientais definidos no procedimento específico e que está de acordo com estes critérios. A organização certificada deve fazer uso da marca somente nos produtos certificados, constantes na autorização emitida pelo IFBQ e tem o direito de informar ao público da sua condição de certificação nos meios de comunicação tais como internet, folhetos de propaganda ou outros documentos. A forma e os locais de divulgação devem ser submetidos ao IFBQ antes da sua utilização. O IFBQ verificará o uso correto do Falcão Bauer Ecolabel durante as auditorias de manutenção realizadas nas organizações certificadas. As diretrizes elaboradas para garantir o uso correto do Falcão Bauer Ecolabel constam no ANEXO A.4 deste procedimento. A utilização e a divulgação da certificação são de responsabilidade única e exclusiva da organização. Caso se configure comportamento infrator quanto à utilização do Falcão Bauer Ecolabel e dos Certificados de Conformidade, a organização estará sujeita às penalidades pertinentes, o que inclui a suspensão e o cancelamento da certificação. 8. Recertificação Após 36 meses da concessão da autorização para o uso do Falcão Bauer Ecolabel, o processo de recertificação é realizado exclusivamente pelo IFBQ, através de auditorias anuais, a serem realizadas em um prazo máximo de 12 meses a partir da data da auditoria anterior, para constatar se as condições que deram origem à concessão inicial da autorização estão sendo mantidas. Para dar início ao processo de recertificação o IFBQ encaminha nova Proposta Contrato que abrange todo o processo de recertificação. Nesta fase não é necessário realizar Avaliação da Viabilidade, bem como o Procedimento Específico, visto que, o produto certificado já está qualificado em alguma categoria. Caso haja alguma alteração no Procedimento Específico que deu origem a certificação do produto, a organização será informada previamente para que possa se adequar aos novos critérios caso necessário. O solicitante deve manifestar-se quanto ao aceite da Proposta Contrato para que o IFBQ possa dar inicio ao processo de recertificação. O processo é o mesmo da concessão da certificação. PEP /08/ /03/2014 5/12

6 9. Suspensão, Cancelamento, Extensão e Redução de Escopo Cabe a suspensão do escopo da certificação da organização, no mínimo, quando da ocorrência de uma das seguintes situações: a) A manutenção da certificação evidenciar não conformidades críticas com os requisitos de certificação, de tal natureza, que seja necessária a suspensão imediata; b) O uso indevido da certificação; c) A interrupção da produção por um período de tempo limitado ou por outras razões; d) O não cumprimento de cláusulas contratuais firmadas entre as partes. A suspensão só será retirada mediante a apresentação de evidências das ações corretivas em um período acordado com o IFBQ. Quando ocorrer suspensão da certificação, o IFBQ deve informar à Organização que não faça propaganda enganosa da situação da certificação e pare de usar a marca de certificação nos produtos fabricados, a partir da data de notificação da suspensão. Caso estas condições não forem cumpridas, o IFBQ cancelará a certificação. Quando a organização for suspensa e por um período de 06 meses não houver pronunciamento da mesma ao IFBQ, o processo será automaticamente cancelado, com notificação ao interessado. O cancelamento do escopo da certificação da organização ocorrerá, no mínimo, nos seguintes casos: a) se a auditoria constatar não conformidades reincidentes; b) reincidência de uso indevido da certificação; c) se a organização não cumprir com as obrigações contratuais estabelecidas; d) no caso de revisão de normas ou regulamentos em que a organização não possa ou não queira assegurar a conformidade de acordo com os novos requisitos; e) desistência de continuar a fabricação do produto; f) em caso de falência da empresa; g) alteração da estrutura organizacional da organização (razão social, endereços e etc.) sem notificação ao IFBQ; h) quando a organização não desejar prorrogar a certificação; i) quando houver denúncias, apuradas e comprovadas pelo IFBQ ou órgão de fiscalização, que caracterize má fé; j) quando do encerramento das atividades da empresa ou mudança de ramo, formalizado por escrito ao IFBQ. k) referências incorretas à certificação ou uso enganoso de informação sobre a certificação. Nos casos de suspensão total ou parcial ou cancelamento da certificação, a empresa deve interromper o uso de todo material publicitário, catálogos, manuais técnicos, ou outros documentos que façam referência a sua certificação. No caso de extensão de escopo de certificação o solicitante deverá formalizar ao IFBQ a inclusão do novo produto e a solicitação será avaliada pela área técnica definindo assim os critérios aplicáveis à solicitação. PEP /08/ /03/2014 6/12

7 No caso de redução do escopo de certificação o solicitante deverá formalizar ao IFBQ a retirada do escopo de certificação solicitado. Quando houver revisão do Procedimento Específico utilizado para a concessão da autorização ao uso do Falcão Bauer Ecolabel, o IFBQ estabelecerá um prazo para a organização se adequar às novas exigências, caso ocorra alguma alteração. Caso o produto certificado tenha seu processo de fabricação modificado, o solicitante deve comunicar este fato ao IFBQ que fará uma análise para verificar se os critérios de certificação continuam sendo atendidos. O IFBQ reavalia a certificação da organização, no caso de alterações que afetem significativamente o projeto ou a especificação do produto, tais como: a) mudança de propriedade; b) análise de uma reclamação; c) qualquer outra informação indicando que a organização não atende mais aos requisitos de certificação do IFBQ. A decisão pela advertência, suspensão, cancelamento, extensão ou redução do escopo da certificação da organização, é da Gerência. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-006 (Procedimento para Suspensão Cancelamento Extensão e Redução do Escopo da Certificação) quando da ocorrência de uma dessas situações no processo de certificação. 10. Conflito de interesses Para oferecer uma certificação que proporcione confiança, o IFBQ deve atuar com imparcialidade na execução das atividades de certificação. O IFBQ considera como possíveis ameaças a imparcialidade uma pessoa ou organismo que atua em seu próprio interesse ou que avalia o seu próprio trabalho. Para manter a sua imparcialidade, o IFBQ, além de adotar outras medidas que se mostram necessárias, toma as seguintes posturas: a) Não oferece ou fornece consultoria; b) Não oferece ou fornece auditoria interna para seus clientes certificados; c) O auditor contratado pelo IFBQ, não avalia uma organização na qual tenha realizado consultoria ou auditoria interna em um prazo menor que dois anos da realização dos trabalhos; d) Não utiliza serviços de empresas ou profissionais que estejam envolvidas na realização de trabalhos de consultoria em sistema de gestão ou produto nas organizações solicitantes em um prazo menor que dois anos da realização dos trabalhos; e) Quando da solicitação da certificação, o IFBQ solicita que as organizações e clientes declarem se receberam consultorias nos últimos 02 (dois) anos, em caso afirmativo quais consultorias. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-025 (Procedimento de Gestão da Imparcialidade) para assegurar a imparcialidade na realização das atividades de certificação. Caso haja qualquer ameaça à imparcialidade ou à ausência de conflito de interesse, as partes envolvidas devem informar ao IFBQ previamente. PEP /08/ /03/2014 7/12

8 O IFBQ, nas atividades de certificação, utiliza somente auditores, equipe técnica ou colaboradores, internos e externos, que demonstrem ausência de conflito de interesses que possam comprometer a imparcialidade. Todos os envolvidos internos no processo de certificação devem assinar um Termo de Compromisso de Confidencialidade, Imparcialidade e Ausência de Conflito de Interesses. 11. Custos e taxas Os valores financeiros estabelecidos para o processo de certificação servirão para cobrir os gastos operacionais do processo. Estes valores serão informados ao solicitante através da Proposta Comercial. 12. Confidencialidade O IFBQ exige que todos os seus funcionários e auditores que participam direta ou indiretamente do processo de certificação assinem um termo de confidencialidade no qual se comprometem a não divulgar nenhum dado referente aos produtos, processos e organizações. Além disso, compromete-se a tratar todos os documentos como confidenciais, não fazendo saber a terceiros, informações pertinentes mencionadas pela empresa durante todo o processo de certificação. O IFBQ segue os critérios estabelecidos pelo PSQ-IFBQ-007 (Procedimento de Confidencialidade) para manter a confidencialidade das informações obtidas no curso das atividades de certificação do IFBQ. 13. Controle de Alterações Revisão 00 Emissão inicial Motivo PEP /08/ /03/2014 8/12

9 ANEXO A Anexo A.1 - Requisitos Gerais de Desempenho Ambiental O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de certificação e de manutenção, o atendimento a requisitos mínimos de desempenho ambiental conforme itens descritos abaixo: a) A organização deve estabelecer mecanismos de identificação e acesso a requisitos legais ambientais aplicáveis as atividades da organização e definir para quais aspectos ambientais cada requisito legal se aplica. b) A organização deve estabelecer um procedimento para avaliar periodicamente o atendimento aos requisitos legais. c) A organização deve assegurar que ações serão tomadas para evitar e/ou minimizar impactos ambientais, para tanto, a organização deve estabelecer um procedimento para tratar as não conformidades que podem causar qualquer impacto ambiental. Ao detectar não conformidades, a organização deve identificar e eliminar as causas que deram origem de modo a evitar a repetição do erro. d) A organização deve possuir um procedimento para identificar, armazenar, arquivar e recuperar registros relacionados ao desempenho ambiental do produto. e) A organização deve estabelecer procedimento para identificar e classificar os aspectos ambientais de suas atividades e manter essas informações documentadas. f) As operações relacionadas aos aspectos ambientais classificados como significativos devem ser identificadas e controladas por meio de procedimento que determine critérios operacionais e requisitos a serem atendidos visando a mitigação dos impactos ambientais. g) A organização deve identificar possíveis situações de emergência e/ou acidentes que possam causar impactos ao meio ambiente e estabelecer um procedimento para definir um plano de ação para mitigar os impactos, caso ocorram, bem como meios para prevenir os acidentes. h) Para as operações que possam causar um impacto ambiental significativo, a organização deve estabelecer um procedimento para monitorar e medir as causas de modo a definir objetivos e metas para a minimização dos impactos ambientais. Quando a organização possuir sistema de gestão ambiental implementado conforme a norma ABNT NBR ISO os requisitos gerais poderão ser substituídos pelos requistos da norma conforme tabela 1 abaixo. Tabela 1 - Requisitos conforme norma ABNT NBR ISO Requisitos Itens Aspectos ambientais Requisitos legais e outros Controle operacional Preparação e respostas à emergência Monitoramento e medição Avaliação do atendimento aos requisitos legais e outros Não conformidade, ação corretiva e ação preventiva Controle de registros PEP /08/ /03/2014 9/12

10 Anexo A.2 - Requisitos Gerais de Desempenho da Qualidade O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de certificação e de manutenção, o atendimento a requisitos mínimos de desempenho da qualidade conforme itens descritos abaixo: a) A organização deve possuir um procedimento para identificar, armazenar, arquivar e recuperar registros relacionados à qualidade do produto. b) A organização deve estabelecer requisitos para aquisição de produtos e garantir que o produto adquirido atenda tais requisitos. c) A organização deve identificar o produto de modo que o mesmo possa ser rastreado quando necessário. d) A organização deve garantir a preservação do produto e suas partes constituintes de modo que o mesmo seja entregue sem avarias ao destino pretendido. e) A organização deve evitar que produtos com avarias sejam entregues ao cliente e deve estabelecer um procedimento para ações a serem tomadas quando a não conformidade for identificada somente após a entrega. f) Ao detectar não conformidades, a organização deve identificar e eliminar as causas que deram origem de modo a evitar a repetição do erro. g) A produção e/ou a prestação de serviço devem ser planejadas e realizadas sob condições controladas, para tanto, a organização deve disponibilizar informações que descrevam as características do produto; instruções de trabalho e equipamento adequado, e ainda, implementar atividades controladas de liberação, entrega e pósentrega do produto. h) Na produção a organização deve estabelecer requisitos de monitoramento e medição da qualidade do produto e definir os equipamentos adequados para fornecer evidências da qualidade do produto. Para garantir a confiabilidade dos resultados de medição, a organização deve assegurar que o equipamento seja: - calibrado ou verificado a intervalos especificados, ou, antes do uso, contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais; quando esse padrão não existir, a base usada para calibração ou verificação deve ser registrada. - ajustado ou reajustado, quando necessário. - identificado para determinar sua situação de calibração. - protegido contra ajustes que invalidariam o resultado da medição. - protegido contra dano e deterioração durante o manuseio, manutenção e armazenamento. i) A organização deve monitorar e medir as características do produto em períodos definidos no processo de produção. As evidências de atendimento aos requisitos devem ser registradas. Quando a organização possuir sistema de gestão da qualidade implementado conforme a norma ABNT NBR ISO 9001 os requisitos gerais poderão ser substituídos pelos requistos da norma conforme tabela 2 abaixo. Tabela 2 - Requisitos conforme norma ABNT NBR ISO 9001 Requisitos Itens Controle de registros Verificação do produto adquirido Controle de produção e prestação de serviço PEP /08/ /03/ /12

11 Identificação e rastreabilidade Preservação do produto Controle de equipamento de monitoramento e medição 7.6 Monitoramento e medição de produto Controle de produto não conforme 8.3 Ação corretiva Anexo A.3 - Requisitos da Sistemática para Tratamento de Reclamação O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de manutenção, o atendimento ao tratamento das reclamações. A organização deve dispor de uma sistemática para o tratamento de reclamações de seus clientes, contemplando os itens descritos abaixo: a) um sistema para tratamento das reclamações, assinado pelo responsável formalmente designado para tal, que evidencie que a organização: - valoriza e dá efetivo tratamento às reclamações apresentadas por seus clientes; - conhece e compromete-se a cumprir e sujeitar-se às penalidades previstas nas leis, especificamente na Lei n.º 8078/1990; - analisa criticamente os resultados, bem como toma as providências devidas, em função das reclamações recebidas; - define responsabilidades quanto ao tratamento das reclamações; - compromete-se a responder ao reclamante quanto ao recebimento, tratamento e conclusão da reclamação, conforme prazos estabelecidos internamente. b) uma sistemática para o tratamento de reclamações de seus clientes contendo o registro de cada uma, o tratamento dado e o estágio atual; c) a indicação formal de uma pessoa ou equipe, devidamente capacitada e com liberdade para o tratamento das reclamações; d) número de telefone ou outros meios para atendimento às reclamações e formulário de registro de reclamações. A organização deve ainda realizar anualmente uma análise crítica das reclamações recebidas e evidências da implementação das correspondentes ações corretivas, bem como das oportunidades de melhorias, registrando seus resultados. Anexo A.4 - Diretrizes para garantir o uso correto do Falcão Bauer Ecolabel a) Não alterar as fontes editáveis da marca; b) Não omitir informações e/ou parte da marca; c) Não alterar as cores da marca; d) Não alterar as proporções da marca quando a mesma for impressa em diversos tamanhos, se aumentar ou diminuir o tamanho é necessário manter a proporção; e) Fazer uso da marca somente nos produtos certificados, constantes na autorização emitida pelo IFBQ; f) Somente utilizar a marca após a concessão da autorização; g) Não fazer uso da marca durante o período de suspensão; h) Não associar a marca a produtos não relacionados na autorização emitida pelo IFBQ, de modo a serem interpretados como produtos certificados; PEP /08/ /03/ /12

12 i) Não gerar qualquer dúvida entre produtos certificados e produtos não certificados com referências à marca em catálogo, prospecto comercial ou publicitário; j) Submeter previamente ao IFBQ todo material de divulgação publicitária onde seja utilizado o Falcão Bauer Ecolabel; k) No caso de suspensão ou cancelamento da sua certificação, a organização deve interromper o uso de todo material publicitário que faça referência à certificação; l) A organização não deve usar a sua certificação de maneira que possa comprometer a reputação do IFBQ e causar a perda da confiança pública no organismo de certificação. PEP /08/ /03/ /12

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS

Impresso em 26/08/2015 10:53:30 (Sem título) IDENTIFICAÇÃO, ACESSO E MONITORAMENTO DE REQUISITOS LEGAIS E OUTROS REQUISITOS Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 30/12/2014 Verificado por Fernando Cianci em 06/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 06/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO PSQM-DO-005 05 USO DE CERTIFICADOS E LOGOMARCA 1 de 6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação Data 01 Emissão Inicial Diretoria de Operações - Presidência 27/07/06

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Conheça a NBR ISO/IEC 27002

Conheça a NBR ISO/IEC 27002 Conheça a NBR ISO/IEC 27002 A norma NBR ISO/IEC 27002 Código de Prática para a Gestão de Segurança da Informação, que tem como objetivo estabelecer diretrizes e princípios gerais para iniciar, implementar,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS PROCEDIMENTO INDUSTRIAL OI-L3-704-SAM-BR(IND)-1764 Revisão: 10 Data de publicação: 17/09/2014 Data

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE Bacharelado em Administração Modalidade a Distância I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Bacharelado em Administração Modalidade a Distância é uma

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 04/05/2005 - Emissão inicial 1 16/11/2005 7 Modificação

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO DE SELEÇÃO SESC SANTA CATARINA

EDITAL DE PROCESSO DE SELEÇÃO SESC SANTA CATARINA EDITAL DE PROCESSO DE SELEÇÃO SESC SANTA CATARINA O presente documento tem como objetivo disponibilizar a divulgação oficial das condições estabelecidas pelo SESC Santa Catarina para regulamentação dos

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos.

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos. Memo 04/15 Coordenação São Carlos, 26 de Fevereiro de 2015. Orientações Gerais aos Discentes Assunto: Estágio obrigatório e não obrigatório O estágio é regulamentado pela legislação através da LEI DO ESTÁGIO

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS 1 Objetivos O presente documento estabelece as competências que um organismo de certificação da Gestão da Segurança de Alimentos, conforme a norma ABNT NBR ISO 22000:2006, deve atender para obter e manter

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos.

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos. Introdução O Código de Ética e Conduta foi aprovado em reunião do Conselho de Administração em 03/08/2015. É um documento que resume as principais políticas e diretrizes que definem as regras orientadoras

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Controle de Documentos e Registros

Controle de Documentos e Registros 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para a elaboração e controle dos documentos e registros utilizados pelo Sistema de Gestão Integrada de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho Ambiental do Porto

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca - C-15

Manual de Uso da Logomarca - C-15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE MANUAL DE USO DA LOGOMARCA - C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS - Revisão 2, 04/02/2011, Página 01 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA

CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA CAPÍTULO 25 COERÊNCIA REGULATÓRIA Artigo 25.1: Definições Para efeito deste Capítulo: medida regulatória coberta significa a medida regulatória determinada por cada Parte a ser objeto deste Capítulo nos

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO N o 53 de 28/01/2013 - CAS RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Regulamento de Estágios Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) de alunos dos cursos superiores da Universidade Positivo. Aprovado pela Resolução n o 53

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO

PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO PROTOCOLO DO 3º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA 2015 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PRESSÃO Revisão 01 24 de julho de 2015 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Certificação ANBT NBR 16001:2004 Sistema de Gestão da Responsabilidade Social O que é? É uma norma brasileira de responsabilidade social que tem caráter de sistema de gestão e propósito de certificação.

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações

C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações C O N C E I T O E I M A G E M. Transparência nas Ações 1. TERMOS GERAIS Este é um serviço de usuários de web ou mesmo de criação espontânea de grupos virtuais, destinado à troca de assuntos interligados

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais