PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER"

Transcrição

1 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado e/ou determinado pelo solicitante da certificação. O Selo Ecológico Falcão Bauer é acreditado pela Cgcre do INMETRO, instituição governamental que fomenta a melhoria da qualidade dos produtos e serviços comercializados no país através da avaliação da conformidade. 2. Objetivo Este procedimento visa estabelecer critérios gerais para o processo de certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer, bem como diretrizes gerais em atendimento aos requisitos do Instituto Falcão Bauer da Qualidade. 3. Documentos de Referência - MQ-IFBQ-002 Manual da Qualidade IFBQ - PSQ-IFBQ-028 Procedimento Geral de Auditoria - PSQ-IFBQ-006 Procedim. Suspensão Cancelamento Extensão e Redução - PSQ-IFBQ-007 Procedimento de Confidencialidade - PSQ-IFBQ-025 Procedimento de Gestão da Imparcialidade - ABNT NBR ISO 9000:2005 Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário - ABNT NBR ISO 9001:2008 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos - ABNT NBR ISO 14001:2004 Sistemas da gestão ambiental - Requisitos com orientações para uso - ABNT NBR ISO 14020:2002 Rótulo e declarações ambientais Princípios gerais - ABNT NBR ISO 14024:2004 Rótulos e declarações ambientais Rotulagem ambiental do tipo I Princípios e procedimentos - ABNT NBR ISO 14050:2012 Gestão ambiental - Vocabulário - ABNT NBR ISO/IEC 17000:2005 Avaliação de conformidade - Vocabulário e princípios gerais Elaborado por: Cintia Oller Cespedes Verificado por: Gustavo Sato Aprovado por: Maurilen Zimenez PEP-SE /03/ /03/2015 1/12

2 - ABNT NBR ISO/IEC 17065:2013 Avaliação da conformidade - Requisitos para organismos de certificação de produtos, processos e serviços 4. Processo de Certificação 4.1. Solicitação de Certificação A solicitação para a Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer deve ser feita através do preenchimento do formulário IMP-243 (Formulário para Solicitação de Certificação) que poderá ser solicitado via ou telefone. Através dos dados informados neste formulário o IFBQ elabora a Proposta Comercial e encaminha ao solicitante para apreciação e posterior aceite. O solicitante deve manifestar-se quanto ao aceite da Proposta Comercial para que o IFBQ possa dar continuidade ao processo Avaliação da Viabilidade A Avaliação da Viabilidade é realizada através de uma visita técnica na qual a área técnica do IFBQ verifica o atendimento aos requisitos mínimos sobre o produto e o seu processo produtivo, as informações são disponibilizadas na ficha IMP-244 (Ficha para Avaliação da Viabilidade). Além disso, é realizada a confirmação do diferencial ecológico do produto a ser avaliado e as informações são disponibilizadas no Relatório de Avaliação da Viabilidade que define os critérios ambientais, normas técnicas, padrões e parâmetros que o produto deverá atender para ser aprovado no processo de certificação Auditoria de Certificação A auditoria de certificação verifica o atendimento dos critérios definidos no Relatório de Avaliação da Viabilidade, e ainda, avalia os requisitos gerais definidos no ANEXO A deste procedimento. Para produtos importados ver ANEXO B. - ANEXO A.1 - Indicadores Ambientais da Produção - ANEXO A.2 - Requisitos Gerais de Gestão Ambiental - ANEXO A.3 - Requisitos Gerais de Gestão da Qualidade - ANEXO A.4 - Requisitos da Sistemática para Tratamento de Reclamação As evidências verificadas durante a auditoria de certificação devem ser registradas no REL-032 (Relatório de Auditoria), o qual será disponibilizado ao solicitante no prazo máximo de sete dias, desde que não haja pendências. Caso seja apontada alguma não conformidade no Relatório de Auditoria o solicitante deverá preencher o Relatório de Avaliação de Ação Corretiva, no prazo máximo de 20 dias, a ser avaliado pela equipe auditora, se aprovado, a implantação da ação corretiva será verificada na auditoria de manutenção. Se a equipe auditora considerar necessário, devido ao nível de gravidade da não conformidade, poderá ser realizada auditoria de follow up para avaliar a implantação da ação corretiva proposta antes de dar continuidade ao processo de certificação. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-028 (Procedimento Geral de Auditorias) para a realização das auditorias Análise do Processo Cumpridos os requisitos exigidos neste procedimento é iniciada a análise crítica de todo o processo para conceder ou não a autorização para o uso da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer PEP-SE /03/ /03/2015 2/12

3 do qual participam o Polo de Negócios e a Gerência de Certificação. O registro desta análise é realizado no IMP-226 (Registro Geral de Certificação - RGC). 5. Concessão da Certificação Uma vez aprovado o processo de certificação, o IFBQ emitirá o documento Certificado de Conformidade, no qual deverão constar minimamente os seguintes dados: a) Número do certificado sequencial dado pelo controle informatizado do IFBQ b) Data da emissão do certificado c) Validade (36 meses) d) Nome do produto e) Nome da organização solicitante f) CNPJ g) Endereço da organização solicitante h) Logo do Selo Ecológico Falcão Bauer Caso o parecer seja desfavorável à concessão da certificação, são informadas ao solicitante as medidas a serem tomadas, conforme deliberação do IFBQ. 6. Manutenção Após a concessão da autorização para o uso da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer, o controle da manutenção é realizado exclusivamente pelo IFBQ, através de auditorias anuais, a serem realizadas em um prazo máximo de 12 meses a partir da data da auditoria anterior, para constatar se as condições que deram origem à concessão inicial da autorização estão sendo mantidas. Poderão ser solicitadas auditorias extraordinárias in loco desde que haja recomendação do IFBQ ou da equipe auditora, baseada em evidências que as justifiquem tecnicamente. Para a manutenção da certificação do produto, é necessário que a empresa e os produtos avaliados demonstrem conformidade a todos os requisitos verificados. Caso seja apontada alguma não conformidade no Relatório de Auditoria o solicitante deverá preencher o Relatório de Avaliação de Ação Corretiva, no prazo máximo de 20 dias, a ser avaliado pela equipe auditora, se aprovado, a implantação da ação corretiva será verificada na próxima auditoria. Se a equipe auditora considerar necessário, devido ao nível de gravidade da não conformidade, poderá ser realizada auditoria de follow up para avaliar a implantação da ação corretiva proposta a fim de manter a certificação. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-028 (Procedimento Geral de Auditorias) para a realização das auditorias. 7. Uso da Marca A Marca Selo Ecológico Falcão Bauer, presente nos Certificados de Conformidade é propriedade do IFBQ, ficando o seu uso autorizado somente enquanto a certificação estiver válida e no âmbito de seu escopo. Não é permitida a utilização da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer antes da Concessão da Certificação. PEP-SE /03/ /03/2015 3/12

4 A Marca Selo Ecológico Falcão Bauer, apresentada abaixo, será fornecida às organizações pelo IFBQ e deverá ser reproduzida exatamente como disponibilizada no arquivo eletrônico fornecido pelo IFBQ. Dessa forma, não serão permitidas modificações de layout, tais como composição, disposição e distorção de seus elementos, ficando autorizadas apenas modificações de tamanho, desde que todos os elementos sejam mantidos legíveis, assim como a proporcionalidade entre as medidas do desenho original. A organização certificada deve fazer uso da marca somente nos produtos certificados, constantes na autorização emitida pelo IFBQ e tem o direito de informar ao público da sua condição de certificação nos meios de comunicação tais como internet, folhetos de propaganda ou outros documentos. A forma e os locais de divulgação devem ser submetidos ao IFBQ antes da sua utilização. O IFBQ verificará o uso correto da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer durante as auditorias realizadas nas organizações certificadas. As diretrizes elaboradas para garantir o uso correto da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer constam no ANEXO A.5 deste procedimento. A utilização e a divulgação da certificação são de responsabilidade única e exclusiva da organização. Caso se configure comportamento infrator quanto à utilização da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer e dos Certificados de Conformidade, a organização estará sujeita às penalidades pertinentes, o que inclui a suspensão e o cancelamento da certificação. 8. Recertificação Dentro do prazo de 36 meses da concessão da autorização para o uso da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer, o processo de recertificação é realizado exclusivamente pelo IFBQ, através de auditorias anuais, a serem realizadas em um prazo máximo de 12 meses a partir da data da auditoria anterior, para constatar se as condições que deram origem à concessão inicial da autorização estão sendo mantidas. Para dar início ao processo de recertificação o IFBQ encaminha nova Proposta Contrato que abrange todo o processo de recertificação. Nesta fase não é necessário realizar Avaliação da Viabilidade, visto que, o produto certificado já está qualificado. O solicitante deve manifestar-se quanto ao aceite da Proposta Contrato para que o IFBQ possa dar inicio ao processo de recertificação. O processo é o mesmo da concessão da certificação. 9. Suspensão, Cancelamento, Extensão e Redução de Escopo Cabe a suspensão do escopo da certificação da organização, no mínimo, quando da ocorrência de uma das seguintes situações: a) A manutenção da certificação evidenciar não conformidades críticas com os requisitos de certificação, de tal natureza, que seja necessária a suspensão imediata; PEP-SE /03/ /03/2015 4/12

5 b) O uso indevido da certificação; c) A interrupção da produção por um período de tempo limitado ou por outras razões; d) O não cumprimento de cláusulas contratuais firmadas entre as partes. A suspensão só será retirada mediante a apresentação de evidências das ações corretivas em um período acordado com o IFBQ. Quando ocorrer suspensão da certificação, o IFBQ deve informar à organização que não faça propaganda enganosa da situação da certificação e pare de usar a marca de certificação nos produtos fabricados, a partir da data de notificação da suspensão. Caso estas condições não forem cumpridas, o IFBQ cancelará a certificação. Quando a organização for suspensa e por um período de 06 meses e não houver pronunciamento da mesma ao IFBQ, o processo será automaticamente cancelado, com notificação ao interessado. O cancelamento do escopo da certificação da organização ocorrerá, no mínimo, nos seguintes casos: a) se a auditoria constatar não conformidades reincidentes; b) reincidência de uso indevido da certificação; c) se a organização não cumprir com as obrigações contratuais estabelecidas; d) no caso de revisão de normas ou regulamentos em que a organização não possa ou não queira assegurar a conformidade de acordo com os novos requisitos; e) desistência de continuar a fabricação do produto; f) em caso de falência da empresa; g) alteração da estrutura organizacional da organização (razão social, endereços e etc.) sem notificação ao IFBQ; h) quando a organização não desejar prorrogar a certificação; i) quando houver denúncias, apuradas e comprovadas pelo IFBQ ou órgão de fiscalização, que caracterize má fé; j) quando do encerramento das atividades da empresa ou mudança de ramo, formalizado por escrito ao IFBQ; k) referências incorretas à certificação ou uso enganoso de informação sobre a certificação. Nos casos de suspensão total, parcial ou cancelamento da certificação, a empresa deve interromper o uso de todo material publicitário, catálogos, manuais técnicos, ou outros documentos que façam referência a sua certificação. No caso de extensão de escopo de certificação o solicitante deverá formalizar ao IFBQ a inclusão do novo produto e a solicitação será avaliada pela área técnica definindo assim os critérios aplicáveis à solicitação. No caso de redução do escopo de certificação o solicitante deverá formalizar ao IFBQ a retirada do escopo de certificação solicitado. Caso o produto certificado tenha seu processo de fabricação modificado, o solicitante deve comunicar este fato ao IFBQ que fará uma análise para verificar se os critérios de certificação continuam sendo atendidos. PEP-SE /03/ /03/2015 5/12

6 O IFBQ reavalia a certificação da organização, no caso de alterações que afetem significativamente o projeto ou a especificação do produto, tais como: a) mudança de propriedade; b) análise de uma reclamação; c) qualquer outra informação indicando que a organização não atende mais aos requisitos de certificação do IFBQ. A decisão pela advertência, suspensão, cancelamento, extensão ou redução do escopo da certificação da organização, é da Gerência de Certificação. O IFBQ segue as condições estabelecidas no PSQ-IFBQ-006 (Procedimento para Suspensão Cancelamento Extensão e Redução do Escopo da Certificação) quando da ocorrência de uma dessas situações no processo de certificação. 10. Controle de Alterações Revisão n.º Data Motivo / Alterações Realizadas 02 13/09/ /08/ /11/2013 Mudança do título do procedimento de Procedimento Específico para Certificação de Ecoprodutos Selo Ecológico Falcão Bauer para Procedimento Geral para Certificação Selo Ecológico Falcão Bauer. Revisão Geral em razão de reestruturação do processo de certificação do Selo Ecológico. Revisão Geral em razão de reestruturação do processo de certificação do Selo Ecológico. Inclusão das normas ABNT NBR ISO e ABNT NBR ISO no item documentos de referência /01/2015 Revisão dos itens C e E do anexo A /03/2015 Exclusão do parágrafo sobre a possibilidade de auditoria documental em fábricas com SGA e SGQ certificados (anexos A.2 e A.3) devido a alteração do RGCP do Inmetro (Portaria Inmetro 118/2015). Mudança do termo Desempenho para Gestão nos anexos A.2 e A.3 Mudança do título do Requisito A do anexo A.1 de Aquisição de Matéria- Prima para Qualificação de Fornecedores. ANEXO A Anexo A.1 - Indicadores Ambientais da Produção A organização deve apresentar indicadores ambientais referentes à fabricação do produto em análise conforme itens descritos abaixo: a) Qualificação de Fornecedores PEP-SE /03/ /03/2015 6/12

7 Para demonstrar o atendimento aos requisitos de qualificação de fornecedores o fabricante deve: - adotar critérios ambientais na seleção de seus fornecedores, buscando reduzir o impacto ambiental na cadeia produtiva. - priorizar produtos, processos ou serviços avaliados por sistemas de rotulagem ou certificação reconhecidos nacional ou internacionalmente com foco na sustentabilidade. - estabelecer um programa de qualificação e avaliação dos fornecedores de matérias primas, embalagens, materiais auxiliares e prestadores de serviços visando a melhoria do desempenho ambiental e da qualidade. - verificar o atendimento de exigências regulamentares, incluso condicionantes de licenças, ocorrências de infrações ambientais, atendimento de termos de ajustamento de conduta. b) Gestão de Energia O fabricante deve demonstrar que o processo produtivo do produto em análise está em conformidade com os requisitos de redução do consumo de energia através da apresentação de um programa de gestão de energia. O Programa de Gestão de Energia deve: - identificar as fontes de energia utilizadas. - medir, registrar e relatar os usos significativos de energia. - implementar medidas de eficiência no uso de recursos para reduzir consumo de energia, considerando indicadores de melhores práticas e outros padrões de referência. - complementar ou substituir fontes de energia não renováveis, sempre que possível, por fontes alternativas sustentáveis, renováveis e de baixo impacto. - racionalizar uso de energia. - reduzir consumo de energia pelos sistemas de iluminação, ventilação, refrigeração e aquecimento, assegurando o conforto ambiental. - melhorar eficiência energética e conservar energia. - reduzir perdas e desperdícios de energia. c) Controle de Emissões Atmosféricas Para demonstrar o atendimento aos requisitos de controle de emissões atmosféricas o fabricante deve: - identificar as fontes diretas e indiretas de emissões acumuladas de GEE (Gases de Efeito Estufa). - medir, registrar e relatar suas emissões significativas de GEE PEP-SE /03/ /03/2015 7/12

8 - implementar medidas para reduzir e minimizar as emissões diretas e indiretas de GEE sob seu controle. - apresentar o resultado da média dos últimos 12 meses das emissões atmosféricas. Os mesmos devem estar abaixo dos limites especificados na legislação aplicável ao empreendimento para emissões atmosféricas. d) Gestão da Água O fabricante deve demonstrar que o processo produtivo do produto em análise está em conformidade com os requisitos de redução do consumo de água através da apresentação de um programa de gestão da água. O Programa de Gestão da Água deve: - identificar as fontes água utilizadas. - medir, registrar e relatar os usos significativos de água. - implementar medidas de eficiência no uso de recursos para reduzir o consumo de água, considerando indicadores de melhores práticas e outros padrões de referência. e) Controle de Emissões de Efluentes Líquidos Para demonstrar o atendimento aos requisitos de controle de emissões de efluentes líquidos o fabricante deve: - priorizar aquisição de matérias-primas e insumos que evitem e reduzam a geração de efluentes. - minimizar consumo de água. - reutilizar recursos hídricos. - controlar e tratar efluentes líquidos. - apresentar o resultado da média dos últimos 12 meses das emissões de efluentes líquidos. Os mesmos devem estar abaixo dos limites especificados na legislação aplicável ao empreendimento para emissões de efluentes líquidos. f) Gestão de Resíduos O fabricante deve demonstrar que o processo produtivo do produto em análise está em conformidade com os requisitos de redução da geração de resíduos através da apresentação de um programa de gestão de resíduos. O Programa de Gestão de Resíduos deve: - identificar as fontes de resíduos relativos às suas atividades. - medir, registrar e relatar suas fontes significativas de geração de resíduos. - classificar os resíduos de acordo com a norma ABNT NBR oferecer instalações que possibilitem a separação na fonte dos resíduos sólidos gerados. PEP-SE /03/ /03/2015 8/12

9 - realizar coleta seletiva de resíduos sólidos. - aproveitar resíduos gerados. - controlar, tratar e destinar adequadamente resíduos e rejeitos sólidos. Anexo A.2 - Requisitos Gerais de Gestão Ambiental O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de certificação e de manutenção, o atendimento a requisitos mínimos de gestão ambiental conforme itens descritos abaixo: a) A organização deve estabelecer procedimento para identificar e classificar os aspectos ambientais de suas atividades e manter essas informações documentadas. b) A organização deve estabelecer mecanismos de identificação e acesso a requisitos legais ambientais aplicáveis as atividades da organização e definir para quais aspectos ambientais cada requisito legal se aplica. c) As operações relacionadas aos aspectos ambientais classificados como significativos devem ser identificadas e controladas por meio de procedimento que determine critérios operacionais e requisitos a serem atendidos visando a mitigação dos impactos ambientais. d) A organização deve identificar possíveis situações de emergência e/ou acidentes que possam causar impactos ao meio ambiente e estabelecer um procedimento para definir um plano de ação para mitigar os impactos, caso ocorram, bem como meios para prevenir os acidentes. e) Para as operações que possam causar um impacto ambiental significativo, a organização deve estabelecer um procedimento para monitorar e medir as causas de modo a definir objetivos e metas para a minimização dos impactos ambientais. f) A organização deve estabelecer um procedimento para avaliar periodicamente o atendimento aos requisitos legais. g) A organização deve assegurar que ações serão tomadas para evitar e/ou minimizar impactos ambientais, para tanto, a organização deve estabelecer um procedimento para tratar as não conformidades que podem causar qualquer impacto ambiental. Ao detectar não conformidades, a organização deve identificar e eliminar as causas que deram origem de modo a evitar a repetição do erro. h) A organização deve possuir um procedimento para identificar, armazenar, arquivar e recuperar registros relacionados a gestão ambiental da organização. Quando a organização possuir sistema de gestão ambiental implementado conforme a norma ABNT NBR ISO os requisitos gerais poderão ser substituídos pelos requisitos da norma conforme tabela 1 abaixo. Tabela 1 - Requisitos conforme norma ABNT NBR ISO Requisitos Itens Aspectos ambientais Requisitos legais e outros Controle operacional PEP-SE /03/ /03/2015 9/12

10 Preparação e respostas à emergência Monitoramento e medição Avaliação do atendimento aos requisitos legais e outros Não conformidade, ação corretiva e ação preventiva Controle de registros Anexo A.3 - Requisitos Gerais de Gestão da Qualidade O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de certificação e de manutenção, o atendimento a requisitos mínimos de gestão da qualidade conforme itens descritos abaixo: a) A organização deve possuir um procedimento para identificar, armazenar, arquivar e recuperar registros relacionados à gestão da qualidade da organização. b) A organização deve estabelecer requisitos para aquisição de produtos e garantir que o produto adquirido atenda tais requisitos. c) A produção e/ou a prestação de serviço devem ser planejadas e realizadas sob condições controladas, para tanto, a organização deve disponibilizar informações que descrevam as características do produto; instruções de trabalho e equipamento adequado, e ainda, implementar atividades controladas de liberação, entrega e pósentrega do produto. d) A organização deve identificar o produto de modo que o mesmo possa ser rastreado quando necessário. e) A organização deve garantir a preservação do produto e suas partes constituintes de modo que o mesmo seja entregue sem avarias ao destino pretendido. f) Na produção a organização deve estabelecer requisitos de monitoramento e medição da qualidade do produto e definir os equipamentos adequados para fornecer evidências da qualidade do produto. Para garantir a confiabilidade dos resultados de medição, a organização deve assegurar que o equipamento seja: - calibrado ou verificado a intervalos especificados, ou, antes do uso, contra padrões de medição rastreáveis a padrões de medição internacionais ou nacionais; quando esse padrão não existir, a base usada para calibração ou verificação deve ser registrada - ajustado ou reajustado, quando necessário. - identificado para determinar sua situação de calibração. - protegido contra ajustes que invalidariam o resultado da medição. - protegido contra danos e deterioração durante o manuseio, manutenção e armazenamento. g) A organização deve monitorar e medir as características do produto em períodos definidos no processo de produção. As evidências de atendimento aos requisitos devem ser registradas. h) A organização deve evitar que produtos com avarias sejam entregues ao cliente e deve estabelecer um procedimento para ações a serem tomadas quando a não conformidade for identificada somente após a entrega. i) Ao detectar não conformidades, a organização deve identificar e eliminar as causas que deram origem de modo a evitar a repetição do erro. Quando a organização possuir sistema de gestão da qualidade implementado conforme a norma ABNT NBR ISO 9001 os requisitos gerais poderão ser substituídos pelos requisitos da norma conforme tabela 2 abaixo. PEP-SE /03/ /03/ /12

11 Tabela 2 - Requisitos conforme norma ABNT NBR ISO 9001 Requisitos Itens Controle de registros Verificação do produto adquirido Controle de produção e prestação de serviço Identificação e rastreabilidade Preservação do produto Controle de equipamento de monitoramento e medição 7.6 Monitoramento e medição de produto Controle de produto não conforme 8.3 Ação corretiva Anexo A.4 - Requisitos da Sistemática para Tratamento de Reclamações O IFBQ verificará anualmente, durante as auditorias de manutenção, o atendimento ao tratamento das reclamações. A organização deve dispor de uma sistemática para o tratamento de reclamações de seus clientes, contemplando os itens descritos abaixo: a) um sistema para tratamento das reclamações, assinado pelo responsável formalmente designado para tal, que evidencie que a organização: - valoriza e dá efetivo tratamento às reclamações apresentadas por seus clientes; - conhece e compromete-se a cumprir e sujeitar-se às penalidades previstas nas leis, especificamente na Lei n.º 8078/1990; - analisa criticamente os resultados, bem como toma as providências devidas, em função das reclamações recebidas; - define responsabilidades quanto ao tratamento das reclamações; - compromete-se a responder ao reclamante quanto ao recebimento, tratamento e conclusão da reclamação, conforme prazos estabelecidos internamente. b) uma sistemática para o tratamento de reclamações de seus clientes contendo o registro de cada uma, o tratamento dado e o estágio atual; c) a indicação formal de uma pessoa ou equipe, devidamente capacitada e com liberdade para o tratamento das reclamações; d) número de telefone ou outros meios para atendimento às reclamações e formulário de registro de reclamações. A organização deve ainda realizar anualmente uma análise crítica das reclamações recebidas e evidências da implementação das correspondentes ações corretivas, bem como das oportunidades de melhorias, registrando seus resultados. Anexo A.5 - Diretrizes para garantir o uso correto da Marca Selo Ecológico Falcão Bauer a) Não alterar as fontes editáveis da marca; b) Não omitir informações e/ou parte da marca; c) Não alterar as cores da marca; PEP-SE /03/ /03/ /12

12 d) Não alterar as proporções da marca quando a mesma for impressa em diversos tamanhos, se aumentar ou diminuir o tamanho é necessário manter a proporção; e) Fazer uso da marca somente nos produtos certificados, constantes na autorização emitida pelo IFBQ; f) Somente utilizar a marca após a concessão da autorização; g) Não fazer uso da marca durante o período de suspensão; h) Não associar a marca a produtos não relacionados na autorização emitida pelo IFBQ, de modo a serem interpretados como produtos certificados; i) Não gerar qualquer dúvida entre produtos certificados e produtos não certificados com referências à marca em catálogo, prospecto comercial ou publicitário; j) Submeter previamente ao IFBQ todo material de divulgação publicitária onde seja utilizada a Marca Selo Ecológico Falcão Bauer; k) No caso de suspensão ou cancelamento da sua certificação, a organização deve interromper o uso de todo material publicitário que faça referência à certificação; l) A organização não deve usar a sua certificação de maneira que possa comprometer a reputação do IFBQ e causar a perda da confiança pública no organismo de certificação. Requisitos para Produtos Importados ANEXO B Quando o produto for importado o solicitante da certificação deverá contatar o fabricante do produto para que seja aprovada a realização das auditorias de certificação e manutenção na fábrica para verificar o atendimento dos requisitos dos anexos A.1, A.2 e A.3. Os anexos A.4 e A.5 são aplicáveis ao importador, sendo assim, a verificação do atendimento aos requisitos destes anexos deverá ser realizada nas instalações do mesmo durante as auditorias de certificação e manutenção. PEP-SE /03/ /03/ /12

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta

Certificação de sacolas plásticas impressas tipo camiseta Pág. Nº 1/13 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

Certificação de Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado Pág. Nº 1/26 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Descrição do processo de certificação 6 Manutenção da certificação 7 Marcação dos produtos certificados

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO

HISTÓRICO DAS REVISÕES APROVAÇÃO PSQM-DO-005 05 USO DE CERTIFICADOS E LOGOMARCA 1 de 6 HISTÓRICO DAS REVISÕES Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica Aprovação Data 01 Emissão Inicial Diretoria de Operações - Presidência 27/07/06

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

Certificação de Artigos Escolares

Certificação de Artigos Escolares Pág.: 1/44 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Clider Silva Gerente Técnico Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 19/09/2014 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer as diretrizes

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis.

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis. rev 02 02/02/2016 Aprovado por PAG 1 / 16 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação dos componentes dos sistemas de descarga e de abastecimento de combustíveis,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento:

PROCEDIMENTO ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2- Campo de Aplicação: 3- Documento de Referência: 4- Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/2007

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT

Manual de Instruções do uso da Marca ABNT Pág. Nº 1/8 SUMÁRIO Histórico das revisões 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Siglas 4 Marcas e certificados da ABNT Certificadora 5 Requisitos Gerais 6 Requisitos específicos para sistemas certificados

Leia mais

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Leia mais

Portaria nº 457, de 01 de dezembro de 2010.

Portaria nº 457, de 01 de dezembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 457, de 01 de dezembro de

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3 Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 5 7. Condições gerais... 5 7.1 Autorização

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA).

Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental. Sistemas de gestão ambiental (SGA). Programas de Certificação Ambiental HOJE EM DIA as empresas estão VIVNCIANDO um ambiente de incertezas e sofrem pressões constantes

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 385, de 23 de outubro de

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS

INSTITUTO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM PRODUTOS PROCEDIMENTO PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE MAMADEIRAS E BICOS DE MAMADEIRAS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas 4 Definições 5 Codificação da Certificação 6 Mecanismo de Avaliação

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações

ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ebook Tratamento das Reclamações dos Clientes nas Organizações ParasalvaroeBookemseucomputador,aproxime o mouse do quadrado vermelho clique no ícone 0 INTRODUÇÃO 1 OBJETIVO PROGRAMA 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS

Leia mais

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011.

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes 1/26 Palavras-chave: Certificação, reatores. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2 OBJETIVO 4 3 SIGLAS 4 4 REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4 5 DEFINIÇÕES

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO,

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO, INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : CERTIFICAÇÃO E USO DE LICENÇA, CERTIFICAÇÃO/MARCAS DE CONFORMIDADE. DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 09/12/2013 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Leia mais

Regulamento de Certificação de Brinquedos

Regulamento de Certificação de Brinquedos Pág.: 1/31 Elaboração Análise Crítica Aprovação Priscilla Siqueira Marques Representante da Direção Clider Adriane de Sousa Silva Gerente de Certificação Fabio Eduardo de Freitas Barbosa Executivo Sênior

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca - C-15

Manual de Uso da Logomarca - C-15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE MANUAL DE USO DA LOGOMARCA - C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS - Revisão 2, 04/02/2011, Página 01 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 04/05/2005 - Emissão inicial 1 16/11/2005 7 Modificação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio

Ministério da Indústria e do Comércio Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO DE ESCADA DOMÉSTICA METÁLICA 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece as condições necessárias para a concessão da Autorização para Uso do Selo de Identificação

Leia mais

Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014.

Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014. PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO Portaria nº 111, de 23 de janeiro de 2014. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS PROCEDIMENTO INDUSTRIAL OI-L3-704-SAM-BR(IND)-1764 Revisão: 10 Data de publicação: 17/09/2014 Data

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS

1 Objetivos. 2 Categorias de Certificação do SAQ. 3 - Taxa de registro para produtores. 4 Requisitos para Certificação Selo ABIS 1 Objetivos O presente documento estabelece as competências que um organismo de certificação da Gestão da Segurança de Alimentos, conforme a norma ABNT NBR ISO 22000:2006, deve atender para obter e manter

Leia mais

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC...

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC... Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo - Diretor de Certificação * Revisão do item 1 (referência à Portaria e Regulamentos obsoletos

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Kelly Vitoriny Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Wilker Bueno 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como é efetuado o controle

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais