20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014"

Transcrição

1 20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014 SUSTENTABLIDADE, TECNOLOGIA E MERCADOS Belém Pará Brasil 05 a 08 de novembro de 2014

2 2 ANAIS DO 20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA E 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA A532 Anais do congresso brasileiro de apicultura (20. : 2014 : Belém- Pa) VI Congresso brasileiro de meliponicultura; expoapi feira de negócios [recurso eletrônico] 5 a 8 novembro de 2014 / coordenação [de] Profª Drª Lídia M.R.Carelli Barreto, Profª Drª Kátia P. Gramacho; organizadores [de] João Carlos Nordi, Vinicius da Silva Naldi, Wilza da Silveira Pinto - Belém-PA : CBA. ISSN Anais congresso, 2. Produção científica. 3. Apicultura. 4. Meliponicultura. I. BARRETO, Lídia M. R. C. (coord.), II. GRAMACHO, Kátia P. (coord.). III. NORDI, João Carlos, (org.) IV. NALDI, Vinicius da Silva (org.), V. PINTO, Wilza da Silveira, (org.) VI. Universidade Tiradentes. VII. Título. CDU: 638.1:061.3 Ficha catalográfica Rosangela Soares de Jesus CRB/5 1701

3 3 ORGANIZADORES: Profa. Dra.Lidia Maria Ruv Carelli Barreto Prof. Dr João Carlos Nordi Profa. Dra. Kátia Peres Gramacho Vinicius da Silva Naldi Profa. Dra. Wilza da Silveira Pinto

4 4 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE APICULTURA-CBA PRESIDENTE JOSÉ SOARES DE ARAGÃO BRITO 1 O VICE- PRESIDENTE NÉSIO FERNANDES DE MEDEIROS 2 O VICE- PRESIDENTE CICERO CLEMENTE FREITAS CONSELHO FISCAL ALCINDO ALVES PAULO SERGIO CAVALCANTI COSTA ANTONILDO ALEXANDRE DE MEDEIROS SECRETÁRIO JOSÉ XAVIER LEAL NETO

5 COMISSÃO TÉCNICO CIENTÍFICO NACIONAL- CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE APICULTURA Presidente: Profa. Dra. Lidia M. R. C.i Barreto - Unitau-SP Vice-Presidente: Profa. Dra. Kátia Peres Gramacho- UNIT-ITP-SE Membros Comissões 1- Saúde das abelhas Prof. Dr. Dejair Message- UFRN-RN Prof. David de Jong-USP-SP 2- Biologia das Abelhas Profa. Dra.Kátia Peres Gramacho- UNIT-ITP-SE Prof. Dr. Ademilson Egea Espencer Soares-USP-SP 3- Flora e Polinização Prof. Dr. Breno Magalhães Freitas- UFCE-CE Prof. Dr. João Carlos Nordi-UNITAU-SP 4- Meliponicultura Prof. Dr. Carlos Alfredo Lopes de Carvalho-UFRB-BA Profa. Dr. Gislene Almeida Carvalho-Zilse- INPA-AM 5- Educação em Apicultura e Meliponicultura Profa. Dra. Lidia Maria Ruv Carelli Barreto- UNITAU-SP Prof. Dr. Laurielson Chaves Alencar- Rede e-tec Brasil MEC/UFPI 6- Certificação Rastreabilidade Qualidade. Produto das Abelhas Pesquisadora Esther Margarida Bastos- FUNED-MG Profa. Dra. Solange Carpes- UTFPR-PR 7- Desenvolvimento Sustentável, Economia e Empreendedorismo Prof. Dr. Luiz Eugenio Venezianni Pasin UNIFEI-MG Prof. Dr. Vagner Arnaut UEM-PR 8- Apiterapia Prof. Dr. Ricardo de Oliveira Orsi- UNESP-SP Profa. Dra. Juliana Cordeiro Cardoso UNIT-ITP-SE 9- Normatização e Regulamentação Pesquisador Dr. Ricardo Camargo-EMBRAPA-SP Prof. Dr. Paulo Sergio Cavalcante Costa- UESC- BA 10- Tecnologia da Produção e do Processamento Dr. James Arruda Salomé- Knowtec- SC Prof. Dr. Ederaldo Godoy Junior-UNITAU-SP 5

6 6 APRESENTAÇÃO A Apicultura e Meliponicultura no Estado do Pará cresce significativamente, principalmente nos últimos 14 anos, tanto em número de produtores e associações constituídas, como em produção, em entrepostos, unidades de extração de mel, fábricas de colmeias, usinas de cera, projetos de desenvolvimento e instituições de ensino, pesquisa e extensão; este fato se dá em função do desenvolvimento da organização dos produtores através da fundação das primeiras associações e da Federação dos Criadores de Abelhas do Pará-FAPIC, em A participação cada vez maior de produtores, técnicos e demais profissionais dos municípios de todo Estado em eventos especializados, como em encontros e congressos nacionais e no APIPARÁ- congresso paraense de Apicultura e Meliponicultura, com 12 edições já realizadas, é a comprovação desse crescimento e sinaliza também a busca de maior profissionalização e investimento na atividade. Em 2000 existiam menos de 300 famílias que desenvolviam a atividade como ocupação e geração de renda. Em 2014, já se somam mais de 3000 famílias, 63 associações, 2 cooperativas e a federação estadual, a FAPIC, bem como 2 empresas com serviço de inspeção federal (SIF), 2 empresas com o registro de Inspeção municipal (SIM) e 6 empresas em processos de Certificação Estadual (SIE). O Pará consolida-se como 14º maior produtor de mel do país, de acordo com pesquisa do IBGE. Em dados da FAPIC, a produção de mel aumentou de 8O toneladas em 2000 para 1000 em 2013 e a projeção para este ano é de superação. Gerson de Moraes Presidente do CONBRAPI 2014

7 NOSSOS NÚMEROS 7

8 8 INSTITUIÇÕES POR ENVIO DE TRABALHO EM PRIMEIRA AUTORIA Embrapa Meio Norte Embrapa Oriental Embrapa Pantanal Embrapa Semi Árido IFECT-BA IFMT-MT IFPA IFPI-PS IFSPE-PC Jardim Bot. RJ UEFS UEMA -MA UEPA UESB UF Catarinense UF Uberlândia UFAM UFC- CE UFERSA UFF UNEB UNIA.P MÉXICO UFRRJ UFSE UFSJ UFV - MG UFVJM UFPA UFPB-Pb UFPI-PI UFRA UFRB UFRN -RN UFRPE UFLA-MG UFMA-MA UFMS -MS UFOPA-PA UNITAU-SP UNIVASF UNAL-COLOMBIA UNOESTR USP

9 9 CONSIDERAÇÕES GERAIS O XX Congresso Brasileiro de Apicultura e VI Congresso Brasileiro de Meliponicultura brinda seus participantes com 9 Simposios 26 Conferências, 17 Minicursos e 18 Clinicas Tecnologicas. Seus 348 trabalhos científicos subdivididos em 10 áreas tematicas disitantas, destacando-se as áreas de Qualidade dos Produtos das Abelhas, Flora e Polinização bem como a Tecnologia de Processamento, com maior numero de trabalhos submetidos. Em uma breve leitura pode-se observar que de maneira geral as preocupações e dedicações da ciência neste evento nacional focou a qualidade dos produtos da colméia a possibilidades da transformação da materia prima apícola e meliponícola na insdustria alimenticia, abrindo grandes oportunidades para novos destinos no uso dos produtos das abelhas. Importante destaque pode-se dar também a preocupação com a flora, com a polinização valorizando a principal missão desse importante exercito de insetos, viabilizadores por conduzir as sementes iniciais para a formação dos produtos que alimentam a humanidade. A geração de emprego, renda e fixação do homem no campo encontra bases científicas de sustentação nos tantos modelos de Desenvolvimento Sustentável encaminhados, aprovados para as apresentação e publicação tornando rica e valorizada a tematica. O tema Apiterapia é contemplada com embasamento da pesquisa, a partir dos tantos testes ïn Vitro, dos diversos compostos identificados nos produtos da colméia aumentando a consistencia científica das inumeras informações originarias do impirimos e tradição cultural dos povos. Por fim este congresso é viabilizador de precisos resultados na pesquisa basica, em biologia das abelhas e na biodiversidade, ressaltando também os ricos trabalhos abordando a saude das abelhas que certamente norteará principalmente os esforços da Comissão Tecnica Cientifica da Confederação Brasileira de Apicultura. Profa. Dra. Lidia Maria Ruv Carelli Barreto Presidente da Comissão Técnico Científica da Confederação Brasileira de Apicultura

10 1-1-APITERAPIA, ENSAIOS IN VITRO,FÍSICOS, QUÍMICOS E BIOLÓGICOS 10

11 11 APITERAPIA: CIÊNCIA X APLICAÇÃO NORDI, J. C. ¹; BARRETO, L. M. R. C.¹; NALDI, V. S.²; NORDI, N.T.²; MOREIRA, N. C.²; FARIA, L. S. O. ²; CLARO, R. O. S.² 1- Prof. Dr. Orientador. Centro de Estudos Apícolas da Universidade de Taubaté, SP - Brasil 2- Acadêmico Bolsistas Universidade de Taubaté, SP- Brasil Produtos da colméia como mel, própolis, pólen apícola, geléia real, cera, apitoxina dentre outros, com fins terapêuticos em seres humanos e animais é denominado e opoteráicos. Deste contexto se insere a Apiterpaia. Atuando nas áreas cardiovascular, neurológica, endócrina, imunológica, reumatologica, oftálmica e dermatológica possui o reconhecimento científico internacional dos produtos das abelhas como terapêuticos graças às pesquisas as quais corroboram com as informações conceituais das tradições milenares em consonância com o emprego de altas tecnologias na atualidade. A Universidade de Taubaté-UNITAU, atenta as novas tendências de mercado vem preparando seus acadêmicos do Curso de Medicina para futuras possibilidades de inserção profissional, promovendo a aplicação da ciência, nos moldes de diversos países europeus e latino-americanos, que utilizam a apiterapia no sistema nacional de saúde como novo método de tratamento aplicado da medicina natural e tradicional. Em 2013 foi proposta e oferecida a disciplina intitulada Apiterapia como optativa aos alunos do Curso de Medicina da Universidade de Taubaté- SP, fato esse considerado um marco para as ações geradas a partir desta ação, no meio acadêmico. Foram oferecidas inicialmente 10 vagas em 2013 e 15 vagas em 2014 preenchidas na sua totalidade. Observou-se que havia um desconhecimento total da utilização dos produtos da colméia como terapêuticos e alimentos nutraceuticos, abrindo um novo campo para o conhecimento e futuras ações acadêmicas voltadas ao tema. Palavra chave: Apiterapia, Medicina, Ensino universitário

12 APITERAPIA E SEUS BENEFÍCIOS A SAÚDE 12 SILVA, L.N¹; CARDOSO, T. A¹; LOPES, L. L. S¹; SANTOS, W. M¹; FEITOSA, R.F¹; SILVA, M. T²; SILVA, L. N³; TAVARES, K. N. F 4 1-UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA; 1-UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA 1-UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA; 1-UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA; 1-UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA; 2- UNIVERSIDADE REDERAL RURAL DA AMAZÔNIA; 3-UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ; 4-UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ; A zooterapia é o estudo da interação entre humanos e animais relacionados principalmente com a área terapêutica e educacional. O animal não é visto como alimento ou como companhia, mas sim estudado e posicionado para beneficiar as pessoas independentemente de suas necessidades. De acordo com MOREIRA, D. R, (2012) a Apiterapia é uma das modalidades das medicinas ou ciências alternativas que usa os produtos da abelha (mel, própolis, pólen, geléia real, cera, apitoxina e larvas de zangão) com fins terapêuticos em seres humanos e aos animais. A Apiterapia pode tratar diversas doenças de pele, reumatológicas, virais, infecciosas, pulmonares, ortopédicas, psicológicas e endócrinas. No mundo, essa terapia é muito utilizada, sendo comum em clínicas especializadas, com profissionais de varias especialidades da área da saúde. Nesse contexto, objetiva-se com essa pesquisa propor o conhecimento sobre a Apiterapia, e as suas clinicas especializas no Brasil. Os dados foram coletados de pesquisa em artigos científicos que continham informações sobre as clinicas e cursos especializados em Apiterapia no Brasil. Foram utilizadas duas clinicas, e os cursos disponíveis de Apiterapia. Foi ressaltado que há poucas clinicas especializadas no Brasil, sendo localizadas a Apiterapia Apiscure e Apiterapia Clínica - Terapia Alternativa Natural. Há poucos cursos disponíveis, encontrado apenas o curso de Apiterapia em São Paulo ministrado pela APACAME. Diante do exposto, conclui-se que essa área é recente no país e que apesar de simpósios e congressos científicos abordarem sobre o tema, ainda falta divulgação. A baixa oferta de cursos e de profissionais especializados na área acaba por limitar a expansão dessa forma alternativa de terapia.

13 13 A CIENTIFICIDADE DA APITERAPIA NORDI, J. C. ¹; BARRETO, L. M. R. C.¹; NALDI, V. S.²; NORDI, N.T.²; MOREIRA, N.C.²; FARIA, L. S. O. ²; CLARO, R. O. S.² 1- Prof. Dr. Orientador. Centro de Estudos Apícolas da Universidade de Taubaté, SP Brasil. 2- Acadêmico Bolsistas Universidade de Taubaté, SP- Brasil. Considerando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) vem estimulando o uso da Medicina Tradicional/Medicina Complementar/Alternativa nos sistemas de saúde de forma integrada às técnicas da medicina ocidental modernas e que em seu documento "Estratégia da OMS sobre Medicina Tradicional " preconiza o desenvolvimento de políticas observando os requisitos de segurança, eficácia, qualidade, uso racional e acesso, as Práticas Integrativas Complementares (PINPIC) integrantes do Sistema de Saúde como da acupuntura, homoepatia, fitoterapia e termalismo social/crenoterapia aprovadas segundo Portaria nº 971, de 3 de maio de Visando contribuir para o processo de cientificidade da Apiterpia nos meios acadêmicos e sua inserção num futuro como prática integrativa complementar a Universidade de Taubaté iniciou o preparo de seus acadêmicos do curso de Medicina oportunizando a criação da disciplina Apiterapia com os seguintes objetivos específicos: conceituar Terapias Alternativas (Apiterapia Tradicional e Holística) e produtos com propriedades funcionais, bioativas e terapêuticas originários da colmeia; apresentar a composição química dos produtos apícolas e meliponícolas; estudar os de casos e as bases científicas do emprego da apiterapia; elencar critérios de escolha dos métodos alternativos de tratamento e prevenção de doenças e patologias. Seu conteúdo programático objetiva uma visão geral dos aspectos relacionados com a Apiterapia fazendo com que haja uma contextualização do acadêmico. Nesse processo se insere: introdução e histórico das Terapias Alternativas; diferença entre Apiterapia Tradicional e Holística; as abelhas e seus produtos terapêuticos: Mel - Própolis - Pólen Apícola Apitoxina - Cera e Geléia Real em termos de composição química, propriedades e indicações; produtos compostos apícolas e suas propriedades funcionais; protocolos para manipulação e prescrição dos produtos apícolas como nutraceuticos/funcionais, preventivo e terapêutico, além de estudos de casos de bases científicas da apiterapia. Mediante a essas ações, voltadas às bases científicas espera-se a contribuição na geração de dados consistentes sobre o tema. Palavras chave: Apiterapia, cientificidade, bases científicas da apiterapia

14 AÇÃO ANTIMICROBIANA DOS EXTRATOS DE PRÓPOLIS FRENTE AO Staphylococcus spp. EM PEQUENOS RUMINANTES 14 SANTOS, H. C.1; MATOS, E. J. A.2; YAMAMOTO, S. M.3; SILVA, E. M. S.4; COSTA, M. M.5; SILVA, T.M.S.6 1- Universidade Federal do Vale do São Franciso Univasf, 2.Univasf, ; 3. Univasf, 4. Univasf, 5. Univasf, 6. Universidade Federal Rural de Pernambuco, UFRPE, Objetivou-se avaliar os efeitos da própolis coletada no Submédio do São Francisco no município de Casa Nova, BA, extraída em diferentes solventes frente a isolados de Staphylococcus spp, causadora de mastite em pequenos ruminantes. A própolis foi coletada utilizando o coletor de própolis inteligente em 5 (cinco) colônias de abelhas Apis mellifera. Para determinação da atividade antibacteriana in vitro foram utilizados 34 isolados clínicos de Staphylococcus spp., depositados na Bacterioteca do Laboratório de Microbiologia e Imunologia Animal da Univasf. Diluiu-se 0,25 g de própolis oriunda da amostra composta das coletas realizadas em 10 ml dos seguintes solventes: álcool etílico (T1), acetato de etila (T2) e hexano (T3), obtendo-se ao final uma solução estoque na concentração de 25 mg/ml para cada solvente. Observou-se que o extrato hêxanico de própolis proporcionou a maior porcentagem de bactérias vivas (89,70%) em relação ao extrato em acetato de etila (43,38%) e ao extrato etílico (27,32%), demonstrando desta forma que o extrato etílico apresenta melhor eficácia sobre as bactérias do Staphylococcus spp. O resultado também pode ser comprovado de acordo com a porcentagem de bactérias mortas, onde o extrato etílico inibiu o crescimento de 72,67%, o extrato em acetato de etila de 56,49% e o extrato hexânico de 10,29% das bactérias avaliadas. Conclui-se que extrato etílico de própolis foi o mais eficiente em causar ação antibacteriana in vitro sobre as bactérias do Staphylococcus spp.

15 ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DE MÉIS DO PANTANAL E DA AMAZÔNIA MATO-GROSSENSES E O CONTEÚDO DE FENÓLICOS E FLAVONOIDES 15 FRANZ, G.M. 1 ; GALBIATI, C. 2 ; ALMEIDA-MURADIAN, L.B. 3 ; LOUREIRO, E.M. 4 ; LIMA, K.M.F. 5 ; ARAUJO, E.S Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Ciências Ambientais, 2- Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Ciências Ambientais, 3- Universidade de São Paulo USP/ Faculdade de Ciências Farmacêuticas/ Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, 4- Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Pós-graduação em Biodiversidade e Biotecnologia Rede Bionorte, 5- Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Ciências Ambientais, 5- Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Engenharia Agronômica, 6- Universidade de São Paulo USP/ Faculdade de Ciências Farmacêuticas/ Laboratório de Química, Bioquímica e Biologia Molecular de Alimentos, O presente trabalho teve como objetivo avaliar a ação inibitória dos méis contra as bactérias Staphylococcus aureus, Streptococcus pyogenes e Escherichia coli e quantificar os compostos secundários dos méis. Os dezoito méis avaliados foram do Pantanal e da Amazônia matogrossenses, com três amostras de Cáceres, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Alta Floresta, Comodoro e Marcelândia. A ação inibitória foi avaliada pelo método de difusão em disco para estimar a mínima diluição ativa (MDA) com as concentrações de 5%, 12,5%, 25%, 50%, 75% (p/v) e mel puro. Os controles positivos de sensibilidade antibacteriano foram Oxacilina (1 µg), Amoxicilina (10 µg) e Ciprofloxacina (5 µg). Uma solução de mel artificial (glicose, frutose e sacarose) foi testada como ação inibitória. A ação inibitória foi mensurada pelo diâmetro da zona de inibição das bactérias após incubação de 24 horas. Os compostos secundários avaliados foram fenólicos totais, quantificados extrapolando uma curva padrão de ácido gálico, e flavonoides totais, extrapolados em uma curva padrão de quercetina. Os compostos secundários foram comparados entre os municípios pela análise de Kruskal- Wallis. A MDA foi calculada por regressão linear, e a ação inibitória de cada bactéria entre os municípios foi comparada pelo teste Kruskal-Wallis. A ação inibitória para S. aureus e E. coli formou pequenas zonas de inibição, com MDA de 44,58% (p/v), concentração considerada não eficaz. Os municípios não diferiram entre si quanto à ação inibitória para S. aureus (p=0,91) e E. coli (p=0,15). Os méis não apresentaram ação inibitória contra S. pyogenes. Os antibióticos formaram zona média de 27,71 mm para as três cepas. O mel artificial não apresentou ação inibitória, contrapondo que o efeito antibacteriano do mel natural provém da osmolaridade do açúcar. O teor médio de fenólicos totais foi de 37,78 mg de GAE/100 g de mel e de flavonoides totais 0,27 mg de QE/100 g de mel, que não diferiram entre os municípios (p=0,42 e p=0,47, respectivamente). Os méis do Pantanal e Amazônia matogrossenses não são indicados no controle das cepas S. aureus, S. pyogenes e E. coli, mas apresentam teores de fenólicos e flavonoides que conferem aos méis potencial antioxidante e prebiótico. Agradecimentos a CAPES pela concessão de bolsa.

16 ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO MEL E DA PRÓPOLIS PRODUZIDA POR Apis mellifera EM APIÁRIOS COMERCIAIS EM MATO GROSSO LOUREIRO, E.M. 1 ; GALBIATI, C. 2 ; FRANZ, G.M. 3 ; MENDONÇA, J.C Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT, Programa de Pós-graduação em Biodiversidade e Biotecnologia Rede Bionorte, 2 - Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT, Programa de Ciências Ambientais, 3 - Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT, Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais, 4 - Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Curso de Agronomia/ Campus de Cáceres, 16 O objetivo da pesquisa foi avaliar a atividade antimicrobiana do mel e da própolis produzida por Apis mellifera em dois municípios de Mato Grosso, sobre as bactérias patogênicas Staphylococcus aureus, Escherichia coli e Streptococcus pyogenes. O mel e a própolis foram coletados em apiários comercias nos municípios de Comodoro localizado na bacia Amazônica, sub-bacia do Guaporé em área de transição dos Biomas Amazônia e Cerrado, e de Cáceres, que está localizado no Pantanal norte do Mato Grosso. Cinco amostras de mel foram avaliadas, três amostras de Comodoro da safra/2013 e duas amostras de Cáceres da safra/2012. Cinco amostras de própolis foram coletadas utilizando coletor de própolis inteligente, em Comodoro em três apiários no período de abril a julho/2013, e em Cáceres em dois apiários no período de agosto/2011 a julho/2012. A solução de mel foi preparada nas concentrações de 5; 12,5; 25; 50; 75% (p/v) e mel puro. Os extratos alcoólicos de própolis foram preparados nas concentrações de 0, 50 e 75%. A atividade antimicrobiana foi determinada pelo método de disco-difusão em ágar e foi mensurada pelo diâmetro da zona de inibição ao redor dos discos (mm). A mínima diluição ativa (MDA) foi estimada pela curva dose-resposta, através da zona de inibição, estimando a concentração mais baixa de extrato em que o crescimento microbiano foi completamente inibido a 1 mm de diâmetro. A atividade antimicrobiana dos méis não apresentou inibição para as bactérias testadas. Os extratos de própolis de Comodoro apresentaram inibição a S. aureus (11.17 mm) e E. coli (10.67 mm). e os extratos de própolis de Cáceres apresentou inibição para S. pyogenes (9.66 mm). Os microrganismos testados apresentaram sensibilidade aos méis e aos extratos de própolis com a mínima diluição ativa em 44,58 e 41,65 % (p/v) respectivamente, o que não foi considerada uma diluição eficaz para atividade antibacteriana. Entre amostras analisadas apenas os extratos de própolis apresentaram atividade antimicrobiana, indicando que os recursos disponíveis para produção dos produtos, apresentam composição química diferenciadas, refletindo na atividade antimicrobiana.

17 ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DA GEOPRÓPOLIS DA ABELHA Melipona fasciculata SMITH EM ÁREAS DE CAMPOS ALAGADOS E CERRADO NO ESTADO DO MARANHÃO, BRASIL 17 SILVA, D.L.C. 1 ; ROCHA. A.O. 1 ; CUNHA, M.S. 1 ; ABREU, B.V.B. 1 ; BATISTA, M.C.A 1 ; SILVA, V.C. 1 ; DUTRA, R.P. 1,2 ; RIBEIRO, M.N.S 1 1 Laboratório de Farmacognosia, Departamento de Farmácia, Universidade Federal de Maranhão, Campus Bacanga, , São Luís-MA, Brasil. 2 Laboratório de Ensino de Química, Departamento de Licenciatura em Ciências Naturais, Universidade Federal de Maranhão, Campus Imperatriz, , Imperatriz-MA, Brasil. * Tel.: Melipona fasciculata Smith (tiúba), abelha social sem ferrão, produz mel, cera e geoprópolis sendo cultivada no Estado do Maranhão. Para formar a geoprópolis, a tiuba coleta material resinoso de plantas, mistura com cera e secreções salivares e adiciona terra. O presente trabalho objetivou analisar a composição química e a ação antioxidante da geoprópolis de Melipona fasciculata Smith das regiões da Baixada e Cerrado maranhense. As geoprópolis foram moídas, separadamente, em moinho e submetidas a macerações e depois filtradas. As soluções extrativas concentradas em evaporador rotativo para obtenção os extratos hidroalcoólicos. Dos extratos determinou-se os teores de polifenóis e flavonoides totais por espectrofotometria, utilizando-se reagente de Folin Ciocalteu e cloreto de alumínio, usando concentrações de ácido gálico e de quercetina como padrões respectivamente; a atividade antioxidante pelos métodos fotocolorimétrico in vitro DPPH, ABTS e FRAP e os perfis químicos obtidos por cromatografia líquida de alta eficiência com detector de ultravioleta e visível (CLAE-UV-Vis). Os teores de polifenóis totais nos extratos variaram 6,54 a 35,8%, enquanto os de flavonoides totais de 0,29 a 4,68% e a atividade antioxidante pelo DPPH variou de 7,37 a 132,59 µg/ml, uma variação de 5,92 a 108,2 µg/ml foi encontrada pelo método ABTS e 1,51 a 23,52 mmol Fe 2+ /g pelo método FRAP. O extrato da geoprópolis da região do Cerrado maranhense apresentou maior potencial antioxidante por isso foi submetido a uma partição líquido-líquido, obteve-se as frações hexanica, clorofórmica e acetato de etila, as quais foram submetidas à avaliação da atividade antioxidante e obtenção do perfil cromatográfico. A fração acetato de etila demonstrou maior ação antioxidante com valores 6,5 µg/ml e 17,19 mmol Fe 2+ /g, pelos métodos DPPH e FRAP respectivamente. Os perfis cromatograficos evidenciam diferenças na composição química dos extratos e frações. Os dados obtidos demonstram teores de polifenois e ação antioxidante, parâmetros químicos para perfil de qualidade e identidade da geoprópolis de Melipona fasciculata Smith, cultivada no estado do Maranhão. Qualidade dos Produtos das Abelhas

18 AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E ANTIOXIDANTE DE MÉIS DO PANTANAL E AMAZÔNIA MATO-GROSSENSE FRANZ, G.M. 1 ; SILVA, L.I. 2 ; PARDINHO, F.C. 3 ; OLIVEIRA, A.Q.C. 3 ; GALBIATI, C. 4 ; MARTINS, D.T.O Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Ciências Ambientais, 2- Universidade Federal de Mato Grosso UFMT/ Programa de Ciências da Saúde, 3- Instituto Federal de Educação, Ciência de Tecnologia IFMT/ Engenharia de Alimentos, 4- Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT/ Programa de Ciências Ambientais, 5- Universidade Federal de Mato Grosso UFMT/ Departamento de Ciências Básicas em Saúde, Faculdade de Ciências Médicas, O mel é um produto apícola com grande destaque pelas suas propriedades terapêuticas, como a atividade antioxidante e antibacteriana. O objetivo do presente trabalho foi avaliar a atividade antibacteriana e antioxidante de méis produzidos em alguns municípios do Pantanal e Amazônia mato-grossenses. Os méis foram coletados em Cáceres, Nossa Senhora do Livramento e Poconé (bioma Pantanal) e em Alta Floresta, Comodoro e Marcelândia (bioma Amazônico), totalizando 18 amostras (3 por município). A atividade antibacteriana foi testada sobre as bactérias Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginos, Salmonella typhimurium, Shigella flexneri, Helicobacter pylori, Enterococcus faecalis, Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis, Streptococcus pyogenes, Bacillus subitilis, sobre as leveduras: Candida albicans, Candida albicans resistentes ao fluconazol, Candida parapsilosis, Candida tropicalis, Cryptococcus neoformans, Candida glabrata, e sobre os fungos filamentosos: Aspergillus fumigatus, Aspergillus niger, Aspergillus parasiticus e Aspergillus terreus. Os ensaios de atividade antibacteriana foram por microdiluição em caldo nas concentrações de 6,25 a 800 µg/ml. Os padrões antibacterianos utilizados foram claritromicina e amoxicilina (0,39-50 µg/ml) e antifúngico anfotericina (0,39-50 µg/ml). Os méis que apresentaram concentração inibitória mínima (CIM) de 6, µg/ml foram considerados ativos. A atividade antioxidante (CI50) foi avaliada pelos ensaios de DPPH, FRAP e óxido nítrico (NO), usando-se ácido ascórbico como padrão. As amostras de mel do Pantanal e da Amazônia não tiveram atividade antimicrobiana contra as cepas testadas. Os padrões antimicrobianos apresentaram CIM entre 0,39 6,25 µg/ml. Para H. pylori, todos os méis apresentaram até 88% de inibição à concentração de 0,1 µg/ml. Os méis do Pantanal não apresentaram atividade antioxidante e os méis da Amazônia apresentaram atividade antioxidante CI50 apenas para NO com média de 485,44 µg/ml. Os resultados indicam que os méis do Pantanal e da Amazônia matogrossenses não possuem potencial antimicrobiano, porém, os méis da Amazônia apresentaram ação antioxidante importante na neutralização da formação do óxido nítrico, prevenindo inflamação e outros efeitos nocivos deste radical no corpo humano. Agradecimentos a CAPES pela concessão de bolsa. 18

19 ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DE MÉIS DE ABELHAS SEM FERRÃO, TIÚBA (Melipona fasciculata) E JANDAÍRA (Melipona subnitida) FRENTE A CEPAS DE Staphylococcus aureus, Escherichia coli E Pseudomona aeruginosa 19 JESUS, R. N.1; TENÓRIO, E. G. 2; NASCIMENTO, A. R. 3; TELES, A. M. 4 1-Universidade Federal do Maranhão UFMA 2-Universidade Estadual do Maranhão - UEMA 3-Universidade Federal do Maranhão UFMA 4- Universidade Federal do Maranhão UFMA Dentre os diversos efeitos biológicos do mel, têm sido observadas as propriedades antimicrobiana, antifúngica, imunológica e antioxidante. A ação tópica do mel de Apis mellifera como antimicrobiano e cicatrizante já foi comprovada, sendo uma alternativa de baixo custo financeiro. A reação enzimática glicose-oxidase e algumas de suas propriedades físicas são consideradas os principais fatores contribuem para sua atividade antimicrobiana. Teve-se como objetivo avaliar a atividade antimicrobiana de méis de Melipona fasciculata (tiúba) e Melipona subnitida (jandaíra) frente a cepas de bactérias patogênicas. As amostras de méis foram coletadas de diferentes regiões do Maranhão. Das 17 amostras coletadas, doze amostras foram de méis de M. fasciculata e cinco de mel M. subnitida. As análises foram realizadas no Laboratório de Microbiologia do Pavilhão Tecnológico do PCQA (Programa de Controle de Qualidade de Alimentos e Água) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Foi utilizado o teste de susceptibilidade das amostras, sendo empregado o método de Difusão de Disco em Agar através da medida do halo de inibição em milímetros. As amostras foram testadas frente às espécies: Staphylococcus aureus, Psedomonas aeruginosa e Escherichia coli. Os resultados dos testes foram negativos para todas as amostras, ou seja, o mel das 17 amostras analisadas não demonstrou atividade antimicrobiana em nenhum dos microorganismos testados. Entretanto, os testes realizados para M. subnitida, demonstraram halos bacteriostáticos que variaram entre 12 a 40 mm. A presença desses halos ressalta que o mel da M. subnitida age contra os microorganismos testados chegando a inibir o crescimento, mas não provoca a sua destruição o que faz com que o microorganismo cresça novamente. De acordo com os resultados apresentados, concluímos que os méis de abelha sem ferrão possuem atividade bacteriostática, entretanto essa atividade pode ser diferente nos méis de diferentes espécies.

20 ATIVIDADE ANTIMICROBIANA in vitro DA GEOPRÓPOLIS DE ABELHA INDÍGENA CUPIRA (Partamona cupira) 20 SILVA, J.B. 1 ; BATISTA, J.S. 2 ; VIANA, G.A. 3 ; OLINDA, R.G. 4 ; FERREIRA, J.M. 5 1 UFERSA Mossoró/RN, 2 UFERSA Mossoró/RN, 3 UFERSA Mossoró/RN, 4 UFCG Patos/PB, 5 UFERSA Mossoró/RN, A geoprópolis é um produto produzido pelas abelhas sem ferrão (stingless bees), a partir de resinas vegetais, óleos essenciais, pólen, açúcares e ceras. Por ser muito utilizada na medicina popular, vem despertando interesse devido às suas diversas atividades biológicas, a exemplo sua ação antibacteriana. O objetivo deste estudo foi avaliar a atividade antibacteriana in vitro da geoprópolis de abelha Cupira (Partamona cupira). As cepas bacterianas utilizadas foram provenientes de coleções padronizadas American Type Cell Culture, sendo são elas: Enterobacter aerogenes, Escherichia coli, Salmonella e Staphylococcus aureus. Estas cepas foram semeadas em ágar BHI (Brain Heart Infusion) e incubadas em estufa bacteriológica à temperatura de 37 por 24 horas. A análise da sensibilidade das bactérias frente ao extrato de geoprópolis da abelha cupira foi testado inicialmente na concentração de 100% (extrato puro), a partir dessa concentração foi adicionado ao extrato álcool de cereal para a obtenção das concentrações de 75%; 50% e 25%. Foi incluído como controle positivo o antibiótico doxiciclina 20μg, e como negativo 40μL de álcool de cereal 70%. Os resultados foram obtidos através da mensuração do diâmetro dos halos de inibição nas placas, mostrando que o extrato de geopropólis da abelha cupira inibiu o crescimento de todas as bactérias testadas. Em relação ao tamanho do halo de inibição, pôde-se observar que Staphylococcus aureus apresentou uma maior sensibilidade ao extrato de própolis. Foi visualizado atividade inibitória para Salmonella sp e Escherichia coli em todas as diluições. Os maiores halos de inibição ocorreram nas diluições de 75% para Escherichia coli; 50% para Salmonella sp; 25% para Enterobacter aerogenes e 25% para Staphylococcus aureus. A partir dos resultados obtidos nesse estudo, foi possível verificar que o extrato de geoprópolis da abelha Cupira demonstrou uma excelente atividade antimicrobiana, quando avaliada in vitro, frente às cepas gram-positivas e gram-negativas testadas, podendo assim contribuir como indicação de um antimicrobiano tópico eficiente e de fácil aquisição. Palavras-chave: Geoprópolis; Partamona cupira; Bactérias; Antimicrobiano.

20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014

20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014 20º CONGRESSO BRASILEIRO DE APICULTURA 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE MELIPONICULTURA EXPOAPI FEIRA DE NEGÓCIOS 2014 SUSTENTABLIDADE, TECNOLOGIA E MERCADOS Belém Pará Brasil 05 a 08 de novembro de 2014 2 ANAIS

Leia mais

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae

Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Caracterização dos méis de Apis melífera de diferentes floradas comparado com méis de abelhas indígena Meliponeae Wallber Carneiro Ferreira 1, Maria Climene Bezerra de Medeiros Almeida 2, Patrício Borges

Leia mais

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico

Anais. Naviraí/MS - Brasil. Organização. Coordenação. Comitê Científico Organização Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Gerência da Unidade de Naviraí Coordenação do Curso de Química Coordenação do Curso de Tecnologia em Alimentos Coordenação Prof. Dr. Alberto Adriano

Leia mais

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco

Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Caracterização Físico-química de mel de abelha sem ferrão proveniente do Alto São Francisco Michelle Carlota GONÇALVES¹.; Gaby Patrícia TERÁN-ORTIZ².; Ezio Dornela GOULART²;Gustavo Lucas GONÇALVES³; ¹

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº 36/2011-Reitoria/IFRN CONCURSO PÚBLICO GRUPO MAGISTÉRIO O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável

Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável Bebida constituída de frutos de açaí e café: Uma alternativa viável O açaí constitui-se a base da alimentação cotidiana de diversas famílias da região Norte do Brasil e oferece grande disponibilidade de

Leia mais

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA).

Cálculo de potência; Limites de confiança; Análise estatística (ANOVA). CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO UNIFRA CURSO DE FARMÁCIA CONTROLE BIOLÓGICO DA QUALIDADE DE MEDICAMENTOS DELINEAMENTO: 3 x 3 3 doses do padrão Prof. Marcos R. dos Santos P2 A1 A3 A2 P1 A = amostra P=

Leia mais

VII Congresso Baiano de Apicultura e Meliponicultura III Seminário Brasileiro de Própolis e Pólen

VII Congresso Baiano de Apicultura e Meliponicultura III Seminário Brasileiro de Própolis e Pólen 1 ANAIS Ilhéus-Bahia 2015 3 FICHA CATALOGRÁFICA M965 Anais do VI Congresso Baiano de Apicultura e Meliponicultura / III Seminário Brasileiro de Própolis e Pólen / / Câmara Setorial de Apicultura e Meliponicultura

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

Textos Complementares

Textos Complementares ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti Textos Complementares Pós-Graduação: Produção científica volumosa

Leia mais

NEGÓCIOS. criar abelhas. APICULTURA: a arte de PEQUENOS

NEGÓCIOS. criar abelhas. APICULTURA: a arte de PEQUENOS APICULTURA: a arte de criar abelhas Desde sua criação, em setembro de 2007, a Comissão de Estudo Especial de Cadeia Apícola (ABNT/CEE-87) vem desempenhando papel estratégico para o desenvolvimento da apicultura

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO MEL: UMA ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DA APICULTURA PARAIBANA

CERTIFICAÇÃO DO MEL: UMA ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DA APICULTURA PARAIBANA CERTIFICAÇÃO DO MEL: UMA ALTERNATIVA PARA O FORTALECIMENTO DA APICULTURA PARAIBANA Rafael Chateaubriand de Miranda¹; Iluskhanney Gomes de Medeiros Nóbrega¹; Rosélia Maria de Sousa Santos¹; José Ozildo

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013

IV Simpósio de Plantas Medicinais do Vale do São Francisco Petrolina-PE, 18-21 de setembro de 2013 1 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Dia 18/09 (quarta-feira) CURSOS PRÉ-SIMPÓSIO - 08:00 12:00 Curso 1: Métodos de avaliação da atividade antimicrobiana de produtos naturais. Ministrante: Prof. Dr. Mateus Matiuzzi

Leia mais

ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE PRODUTOS DA COLMEIA

ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE PRODUTOS DA COLMEIA ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE PRODUTOS DA COLMEIA Morais M., Moreira L.L., Pereira A.P., Estevinho L.M.* CIMO Centro de Investigação de Montanha do Instituto Politécnico de Bragança Campus Santa Apolónia

Leia mais

COMPARAÇÃO POLÍNICA ENTRE A PRÓPOLIS DOS MUNICIPIOS DE FÊNIX E PEABIRU

COMPARAÇÃO POLÍNICA ENTRE A PRÓPOLIS DOS MUNICIPIOS DE FÊNIX E PEABIRU COMPARAÇÃO POLÍNICA ENTRE A PRÓPOLIS DOS MUNICIPIOS DE FÊNIX E PEABIRU Mayra Stevanato, (IC, CNPq), Unespar Câmpus de Campo Mourão, mayrastevanato@gmail.com Mauro Parolin, (OR), Unespar Câmpus de Campo

Leia mais

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA

ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA MARIA DAS GRAÇAS LINS BRANDÃO JULIANA MORAIS AMARAL DE ALMEIDA ENSINANDO SOBRE PLANTAS MEDICINAIS NA ESCOLA Colaboradores Darly Gomes Soares Gustavo Pereira

Leia mais

Educação e trabalho em saúde

Educação e trabalho em saúde Educação e trabalho em saúde Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do IMS/UERJ. Coordenadora Geral do ObservaRH. Diretora do Centro Colaborador

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA E ANTIOXIDANTE DO ÓLEO ESSENCIAL DAS FOLHAS DE Cymbopogon flexuosus CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA E ANTIOXIDANTE DO ÓLEO ESSENCIAL DAS FOLHAS DE Cymbopogon flexuosus CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS DETERMINAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA E ANTIOXIDANTE DO ÓLEO ESSENCIAL DAS FOLHAS DE Cymbopogon flexuosus CONTRA BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Karine A. DALLA COSTA 1 ; Vanessa SCHUH 2 ; Mariane FERENZ 2 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONCESSÃO BPT 3 REGIÃO NORTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONCESSÃO BPT 3 REGIÃO NORTE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONCESSÃO BPT 3 REGIÃO NORTE MESTRADO CLIMA E AMBIENTE (INPA - UEA) 4 4 27 5 0 22 27 100,00% 8 0 8 0,00% 40,91% MEDICINA TROPICAL 3 4 36 17 7 10 34 94,44% 6 3 9 11,76%

Leia mais

Palavras-chave: Sertão Paraibano. Apicultura. Importância da Certificação.

Palavras-chave: Sertão Paraibano. Apicultura. Importância da Certificação. A MÍDIA COMO INSTRUMENTO DE PROMOÇÃO E VALORIZAÇÃO DA APICULTURA BRASILEIRA: Mostrando a sociedade a importância alimentar do mel de abelha Iluskhanney Gomes de Medeiros Nóbrega¹; Rafael Chateaubriand

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 19/6/2009, Seção 1, Pág. 28. Portaria n 589, publicada no D.O.U. de 19/6/2009, Seção 1, Pág. 23. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

1.00.00.00-4/1.06.01.06-6

1.00.00.00-4/1.06.01.06-6 RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Indicadores Institucionais Ensino, Pesquisa e Extensão QUINQUÊNIO 2010-2014

Indicadores Institucionais Ensino, Pesquisa e Extensão QUINQUÊNIO 2010-2014 Indicadores Institucionais Ensino, Pesquisa e Extensão QUINQUÊNIO 2010-2014 Dezembro 2014 Diretório de Pesquisa CNPq Constituído por Docentes da Faculdade Ingá Os grupos foram estruturados em três grandes

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

face book: conbrapi cba www.conbrapicba.com.br

face book: conbrapi cba www.conbrapicba.com.br face book: conbrapi cba www.conbrapicba.com.br fapic.cba@gmail.com REALIZAÇÃO EMATER-PARÁ 05 a 08 DE NOVEMBRO DE 2014 HANGAR CENTRO DE CONVENÇÕES DA AMAZÔNIA BELÉM - PARÁ - AMAZÔNIA - BRASIL www.conbrapicba.com.br

Leia mais

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE

SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SELEÇÃO DE CLONES DE ELITE DE Stevia rebaudiana (Bert.) BERTONI COM ÊNFASE NO TEOR DO REBAUDIOSÍDEO A E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE Thatiane Rodrigues Mota

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091

Fitoterapia e a prática do Nutricionista. Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Fitoterapia e a prática do Nutricionista Nutricionista Jacira Santos CRN-2 0091 Nutrição Clínica Anos 70 Dietoterapia Hospitalar Anos 80 Dietoterapia em Consultório Anos 90 Fitoquímicos isolados e fitoterápicos

Leia mais

PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA

PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA PRÓPOLIS: EFEITO NA FRAGILIDADE OSMÓTICA DA MEMBRANA ERITROCITÁRIA Moreira L.L. 1,2, Rogão M. 3, Pereira A.P. 2, Costa B. 4, Pereira E. 2, Morais M. 2, Pombo G. 1, Estevinho L.M. 2 * 1 CHNE Centro Hospitalar

Leia mais

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS

PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS PROPOSTA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE VISANDO O USO RACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E MEDICAMENTOS FITOTERÁPICOS Thaissa Costa Cardoso; Tatyana Xavier Almeida Matteucci Ferreira, Luciana Prudente Resende, Nusia

Leia mais

EDITAL/CHAMADA DE INSCRIÇÃO N 05/2013 Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação - Campus Campo Mourão - DIRPPG-CM 2º. Semestre 2013

EDITAL/CHAMADA DE INSCRIÇÃO N 05/2013 Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação - Campus Campo Mourão - DIRPPG-CM 2º. Semestre 2013 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação-Campus Campo Mourão 1 EDITAL/CHAMADA DE INSCRIÇÃO N 05/2013 Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária

Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Um olhar rumo ao futuro da oftalmologia veterinária Linha Oftálmica Labyes Primeira Linha Oftálmica com Sulfato de Condroitina Labyes foi o primeiro laboratório do mundo a desenvolver uma linha oftálmica

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Plano de Educação Ambiental Ano Lectivo 2007/08 da Quinta da Gruta, 28 de Setembro de 2007 Tipos de Actividades: Laboratoriais; Hortas; Animais; Cozinha; Atelier s Visitas temáticas; Dias Comemorativos

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas?

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? 6º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? Gustavo Menezes Gonçalves, D.Sc. Engenheiro Agrônomo, PBIO/DAGRI Gerência

Leia mais

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS

RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS RELACÃO CANDIDATOS E VAGAS NO VESTIBULAR PARA O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS DE 2007/1 A 2010/2 - UNEMAT/ CUTS TARDIVO, Wagner Antonio 1 Tangará da Serra/MT - dezembro 2010 Resumo: A relação

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal UF CATEGORIA ADMINISTRATIVA SIGLA IES AC FEDERAL UFAC AM FEDERAL UFAM AP FEDERAL UNIFAP PA FEDERAL UFPA PA FEDERAL UFRA RO FEDERAL UNIR RR FEDERAL UFRR TO FEDERAL UFT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. JORGE SILVA) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. JORGE SILVA) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à criação de um curso de medicina no Centro Universitário Norte do Espírito Santo Ceunes, no âmbito do Programa

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

no Brasil e no Mundo

no Brasil e no Mundo Fórum de Especialistas sobre a Importância dos Polinizadores na Produção de Alimentos no Brasil e no Mundo importância dos polinizadores na produção de alimentos e na segurança alimentar global Cenário

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS

AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DO DINHEIRO COMO UMA POSSÍVEL FONTE DE CONTAMINAÇÃO POR BACTÉRIAS PATOGÊNICAS Flávia Cristina Salvador 1

Leia mais

Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá)

Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá) Investigação Fitoquímica e Isolamento da Substância Antibacteriana Presente na Espécie Ananas erectifolius (curauá) Helen Cristiane Araújo Souza 1, Wagner L. R. Barbosa 1, José Maria Vieira 2 1 Laboratório

Leia mais

UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h. Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp)

UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h. Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Integral (Mat/Vesp) Cursos de medicina UF Universidade Turno Vagas Nota de corte em 21/1/2015, às 0h AC ACRE (Rio Branco) 40 748,49 AL UFAL ALAGOAS (Maceió) AM UFAM AMAZONAS (Manaus) AP UNIFAP AMAPÁ (Macapá) BA UFOB OESTE

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com

O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com POSTER-Desenvolvimento Rural, Territorial e regional FRANK WAGNER ALVES DE CARVALHO 1 ; FRANCISCO DELEON DOMINGOS

Leia mais

HOMOLOGADO EM 09/10/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

HOMOLOGADO EM 09/10/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: MEC/Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de UF: DF Pessoal de Nível Superior - CAPES ASSUNTO: Reconhecimento dos Programas de Pós-Graduação

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Diretrizes Gerais Documento Complementar

Diretrizes Gerais Documento Complementar Diretrizes Gerais Documento Complementar Agosto 2007 Apresentação A seguir apresentamos as tabelas referentes às simulações dos recursos orçamentários previstos e das metas estabelecidas pelo Decreto nº

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Roberto FARIA ; Sérgio Tadeu SIBOV ; Diego José CALDAS 2 ; Victor Fernando Rodrigues da SILVA 2 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Concimi Speciali PH DE CALDA 137

Concimi Speciali PH DE CALDA 137 Concimi Speciali PH DE CALDA RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA, NA FAZENDA AGRÍCOLA FAMOSA (POÇO 02). RELATÓRIO DO MULTICARE COMO ACIDIFICANTE E QUEBRA DE DUREZA DA ÁGUA,

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Escola Luiz César de Siqueira Melo

Escola Luiz César de Siqueira Melo Escola Luiz César de Siqueira Melo PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S.A Elaboração: Prof. Elias Alves de Souza I - APRESENTAÇÃO O cultivo de açúcar foi introduzido no Brasil em 1532

Leia mais

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS" Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS

FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA SOBRE PROCESSOS PARA CONSERVAÇÃO DE FRUTAS Parte III- PRODUÇÃO DE FRUTAS DESIDRATADAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA FÁBRICA DE OPORTUNIDADES OFICINA

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira

Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Liberação comercial Eucalipto geneticamente modificado (H421) Potenciais riscos para a apicultura Brasileira Esther Margarida Bastos Fundação Ezequiel Dias/ Belo Horizonte/ MG A apicultura é de fundamental

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Formação de Agricultores na Região centro Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo das ações de formação: Utilização correta no uso e manuseamento

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC

193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Sociedade e Natureza Monferrer RESUMO 193 - TRABALHOS COM HORTAS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE DIONÍSIO CERQUEIRA, SC Fabia Tonini 1 ; Andréia Tecchio 2 O espaço Horta Escolar pode ser utilizado como meio

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA EDITAL Nº 040/2011

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA EDITAL Nº 040/2011 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA EDITAL Nº 040/2011 1. O Reitor do CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CESUPA, no uso de suas atribuições

Leia mais

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA

ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Vol. 1, No. 1, Outubro-Dezembro de 2011 ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DAS ENZIMAS PEROXIDASE E FOSFATASE EM AMOSTRAS DE LEITE CRU, PASTEURIZADO E LONGA VIDA Bruno Souza Franco ¹, Susana Rubert Manfio 1, Cristiano

Leia mais

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco

Como preparar. Meios comerciais devem ser hidratados. Primeiramente devem ser pesados. Tansferir para um frasco MEIOS DE CULTURA Como preparar Meios comerciais devem ser hidratados Primeiramente devem ser pesados Tansferir para um frasco Hidratar em pequena quantidade e misturar Depois deve-se acrescentar o restante

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais