Projeto A NEGRA FELICIDADE. Moacir Chaves dramaturgia e direção. cia de teatro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto A NEGRA FELICIDADE. Moacir Chaves dramaturgia e direção. cia de teatro"

Transcrição

1 Projeto A NEGRA FELICIDADE Moacir Chaves dramaturgia e direção cia de teatro

2 Moacir Chaves, diretor de A Negra Felicidade, constrói provocante dramaturgia cênica para levar ao palco documento histórico do século 19, tornando-o material dramático capaz de se sustentar como narrativa....essa montagem, aparentemente de recepção menos fácil, mas suficientemente envolvente para trazer o espectador aos porões da intolerância, conduzindo-o por trilhas teatrais que iluminam o esquecido e para o situar naquilo que não quer lembrar. Macksen Luiz...estamos diante de um espetáculo que empreende reflexões atualíssimas sobre a sociedade em que vivemos. E cuja materialização cênica me parece em total sintonia com os conteúdos em causa. Assim como não sacrifica a escrita, Moacir Chaves não facilita a tarefa do espectador, muito pelo contrário: propõe-lhe um permanente desafio, o instiga a pensar, a tentar entender os signos de que se vale, como, por exemplo, o fato de os atores estarem vestidos a rigor, ainda que com os pés descalços. Lionel Fisher A peça procura alargar a nossa sensibilidade, na medida em que o encenador opta por não criar equivalente cênico, por meio de ações, de uma representação da repressão negreira, mas sim, de pôr em verbo a documentação de um fato verídico insuspeito. A linguagem rebuscada dos autos corresponde a uma provocação interessante que a estética do espetáculo assume em primeiro plano (...) O sentido literal do texto é manipulado de forma irônica, em momentos bem pontuais da encenação, por meio de intervenções vocais e corporais, que descaracterizam, propositalmente, a seriedade do documento histórico. Pedro Allonso (...) os temas da escravidão no Brasil e do racismo são tratados de forma extremamente singela, mas sem melodrama, de forma profunda, mas sem retórica aparente. (...) A direção de Moacir Chaves é corajosa em acreditar em um texto tão duro, tão árduo, tão seco, mantendo, em quase todos os momentos, a movimentação discreta e sem disfarces. (...) fugindo dos lugares usuais, ele investe com vigor em uma proposta cheia de méritos. Rodrigo Monteiro

3 ÍNDICE Apresentação... 5 Justificativa... 7 A companhia... 8 Espetáculos... 9 Ficha Técnica Anexo I - Prêmios Anexo II - Críticas Anexo II - Clipping Contato... 35

4 4 ALFÂNDEGA 88

5 A NEGRA FELICIDADE 5 A NEGRA FELICIDADE é o segundo espetáculo da Cia. Alfândega 88, que foi vencedora do 25º Prêmio Shell na Categoria Especial pelo seu projeto de residência artística no Teatro Serrador, e estreou em abril de 2012 neste mesmo teatro. O espetáculo A Negra Felicidade foi indicado ao Prêmio Shell na categoria Melhor Direção e ao Prêmio Questão de Crítica nas categorias Melhor Direção e Melhor Espetáculo. A peça teatral é construída a partir de dois pilares de composição; o primeiro é um documento histórico: os autos de um processo judicial de 1870, em que uma mulher negra, escrava, registrada com o nome de Felicidade, moveu uma ação na justiça do Rio de Janeiro pleiteando sua liberdade. O segundo é o Sermão de Santo Antonio aos peixes, do padre Antonio Vieira, grande defensor da igualdade entre os seres humanos e da abolição da escravatura. No contraponto entre a coisificação máxima do ser humano a escravidão e o profundo respeito à vida humana pregado e defendido por Vieira é calcado o espetáculo. Reconhecido por realizar espetáculos de grande comunicabilidade a partir de materiais não dramatúrgicos, como o premiado Bugiaria, construído a partir dos registros de um processo inquisitorial, ou o sermão do Padre Vieira, na premiada montagem do Sermão da Quarta-feira de Cinza, com Pedro Paulo Rangel, o diretor Moacir Chaves retorna à obra de Vieira. Agora, entretanto, acompanhado da Alfândega 88, grupo fundado com os atores com os quais mantém uma parceria constante, assim como são constantes os parceiros da equipe de criação. Juntos, já realizaram mais de vinte espetáculos e conquistaram inúmeros prêmios e indicações.

6 6 ALFÂNDEGA 88 Nascido em 1608, em Lisboa, Antônio Vieira foi religioso, escritor e orador da Companhia de Jesus e um dos mais influentes personagens da política e oratória do século XVII. Destacou-se como missionário no Brasil, defendendo infatigavelmente os direitos dos povos indígenas, os judeus e a abolição da escravatura, criticando severamente os sacerdotes de sua época e a própria inquisição. Faleceu na Bahia em Chamado por Fernando Pessoa de Imperador da língua portuguesa, seus sermões, de imensa propriedade imaginativa e ora críticos e satíricos, revelam um apurado olhar sobre o comportamento humano e possuem grande importância literária. Dois séculos depois da luta de Vieira pela igualdade humana e fim da escravidão, em 1870, na cidade do Rio de Janeiro, uma negra de nome Felicidade move uma ação em juízo pleiteando sua liberdade. Sua mãe, a preta livre Maria Anna de Souza do Bonfim, solicitou a um terceiro que, por compra ou por qualquer outra transação, conseguisse a vinda de sua filha, Felicidade, para o Rio de Janeiro, para então poder pagar por sua liberdade. Assim, mãe e filha começaram a criar dívidas com as quais não puderam arcar. Mas esse fato verídico, que, por si só, é um resgate da nossa história, não é adaptado a uma dramaturgia convencional, pois os autos da ação de liberdade trazem, em si, uma questão fundamental da reflexão a ser feita: de um lado, a nossa familiaridade com a forma jurídica, reconhecida de imediato por qualquer um que já tenha tido algum contato com o aparato judicial (como ao alugar de um imóvel, por exemplo), de outro, o nosso estranhamento - ou repulsa - ao objeto dessa ação: a compra e venda de um ser humano. Porém, é preciso considerar que, em 1870, o tema do processo não causava qualquer estranhamento a ninguém. Será que daqui a cem anos perceberemos como afrontosas ações que hoje soam tão naturais? Teremos a capacidade de compreensão assim tão obnubilada pelo simples fato de sermos contemporâneos aos acontecimentos? Cometeremos, agora, o pecado da indiferença semelhante ao cometido pelos nossos ancestrais há tão pouco tempo? Essas questões, que transcendem a pessoalidade e a temporalidade, são o ponto crucial da reflexão: o homem como objeto de uso de outro homem. E até que ponto essa relação, verdadeira e evidente na nossa vida social até bem pouco tempo, perdura ainda hoje no cotidiano de nossa sociedade.

7 A NEGRA FELICIDADE 7 JUSTIFICATIVA Difundir o espetáculo A Negra Felicidade, fruto de acurada pesquisa do grupo Alfândega 88, ao mesmo tempo sofisticado pela inovação da linguagem cênica e simples e tocante no material que leva à cena: o caso verídico de Felicidade, mulher negra e escrava que lutou na justiça para ser reconhecida como pessoa livre. O espetáculo não tem como ponto de partida um texto de teatro por assim dizer tradicional : parte da pesquisa que correlaciona documentos históricos, como os autos de um processo de libertação de uma escrava da segunda metade do século XIX, e um sermão do Padre Antônio Vieira de meados do século XVII. Assim, embora o espetáculo resulte esteticamente inovador, sua forma é consequencia do interesse e pesquisa do grupo sobre um tema crucial para o entendimento da formação da sociedade brasileira. A montagem, embora seja extremamente comunicativa, não possui os convencionais diálogos, nem tem como base personagens, mas sim uma espécie de assemblagem, com a utilização de partes do processo e do Sermão, além de anúncios de venda e locação de escravos extraídos do Jornal do Comércio, bem como a inserção de outros elementos teatrais, a partir do entendimento das questões relevantes no trabalho, de ordem teatral e social. O resultado final é uma peça não dramática, que deita raízes na história do teatro e das artes no século XX, na senda aberta por Brecht, com seu Verfrendungseffekt, efeito de tornar estranho, de desnaturalizar aquilo que nos parecia dado; ou por Samuel Beckett e o dilaceramento da personagem, em peças nas quais o teatro se constrói como coisa em si, aparecendo a realidade exterior apenas como leve fantasmagoria. Neste caso, a temporalidade é o elemento crucial. Ao não se fixar um aqui e agora outro que não o da própria cena, é abolido o interregno que permite ao espectador alienar-se da realidade presente, perceptível na comparação com o tempo passado.

8 A matéria é a transformação do homem em objeto, de forma direta, no passado, e escamoteada de todas as maneiras, no presente, tanto na exploração da força do trabalho, quanto nas relações interpessoais, decididamente contaminadas por aquela. A violência decorrente dessa organização, óbvia no século XIX, com a demonização dos negros vindos do norte, que reagiam com violência ao seu desenraizamento; e não tão clara para nós, do século XXI, quando essa mesma violência transborda das favelas e atinge toda a cidade. Em resumo, A Negra Felicidade aponta para a triste pergunta: deve a felicidade ser calcada na derrocada do outro, seja esse outro um continente, um país, uma classe, um concorrente? A conciliação final no processo, quando Felicidade e sua mãe acedem em trabalhar ainda três anos como escravas para conquistar a liberdade definitiva da filha, trabalho esse na especialidade das duas, naturalmente, em serviços domésticos, parece abolir de vez o espaço de tempo entre aquele Rio de Janeiro e o nosso. A COMPANHIA A Alfândega 88, companhia carioca de teatro que tem direção artística de Moacir Chave e coordenação técnica de Aurélio de Simoni, fundamenta sua pesquisa cênica no questionamento de nosso passado, estudando teoricamente nossas raízes culturais e históricas e dividindo questões através do experimento de materiais não convencionais de dramaturgia. O nome da companhia é inspirado no episódio histórico que deu origem ao espetáculo A Negra Felicidade, em que a escrava de nome Felicidade moveu uma ação em juízo pleiteando sua liberdade. Sua mãe, a preta livre Maria Anna de Souza do Bonfim, solicitou a um terceiro que, por compra ou por qualquer outra transação, conseguisse a vinda de sua filha para o Rio de Janeiro, para que então pagasse por sua liberdade. Para liquidar a dívida, ambas tiveram que permanecer durante anos em trabalho na Rua da Alfândega nº 88. O espetáculo A Negra Felicidade, o segundo da companhia, foi indicado a diversos prêmios, inclusive ao Prêmio Shell de Melhor Direção. Com patrocínio do FATE (SMC- Prefeitura do Rio de Janeiro), a companhia reabriu em 2011 um teatro particular histórico, o Teatro Serrador, que, no século passado, recebeu estreias de Nelson Rodrigues, Procópio Ferreira, Eva Todor, entre outros. A Cia. implementou seu projeto de manutenção de grupo no espaço em 2012 e 2013, que foi revitalizado e recebeu mais de 20 espetáculos, além de oferecer uma série de atividades gratuitas à comunidade. Por este projeto, a companhia Alfândega 88 ganhou o Prêmio Shell na Categoria Especial.

9 A NEGRA FELICIDADE 9 Em 2014 a Cia realizou duas semanas de temporada na Caixa Cultural de São Paulo com os espetáculos Labirinto e A Negra Felicidade; Circulou através do Projeto SESC-Palco Giratório com os espetáculos Labirinto e O Controlador de Tráfego Aéreo. Foram aproximadamente 20 cidades, oficinas ministradas e intercâmbio com grupos locais; No Rio de janeiro, o grupo circulou pelas Lonas e Arenas Culturais do município com o espetáculo A Negra Felicidade. ESPETÁCULOS O primeiro espetáculo da companhia, Labirinto, foi contemplado pelo FATE - SMC/RJ, e estreou em 2011 no Espaço SESC, em Copacabana. Do consagrado autor gaúcho José Joaquim de Campos Leão - Qorpo-Santo, Labirinto teve bem sucedidas temporadas em diversos teatros do Rio de Janeiro, além de ter sido convidado para os principais festivais de teatro do país, como o SESC-Palco Giratório 2014, todos com excelentes críticas e retorno de público. A trajetória feita por Labirinto, em cartaz há mais de dois anos e com apresentações em sete palcos diferentes, traduz o objetivo da Cia: Manter suas montagens em repertório, ativas pelo maior tempo possível, estimulando, desta forma, a formação de plateia e valorizando o exercício e os esforços dos profissionais envolvidos na criação da obra assim como os recursos investidos pelos apoiadores da cultura. Manter o espetáculo vivo, à disposição do público, possibilitando sua divulgação para as mais diferentes plateias, permitindo seu amadurecimento artístico e sua realização de forma plena.

10 10 ALFÂNDEGA 88 O segundo espetáculo da companhia, A Negra Felicidade, estreou em 2012, com patrocínio da Eletrobrás e foi indicado ao Prêmio Shell de Melhor Direção e aos Prêmios Questão de Crítica de Melhor Direção e Melhor Espetáculo. A Negra Felicidade foi contemplado com o Fomento da SMC do Rio de Janeiro e circulou, em 2014, pelas lonas e arenas culturais do município. O terceiro espetáculo, O Controlador de Tráfego Aéreo, que estreou em agosto de 2013, reflete sobre a busca pela felicidade a partir da trajetória de vida de um dos atores da Cia., que trabalhou na Força Aérea e, após sofrer alguns revezes, tornou-se morador de rua. Tendo recebido excelentes críticas, o espetáculo fez duas temporadas no Rio de Janeiro, integrou o Festival Janeiro de Grandes Espetáculos (PE) 2014 e circulou por diversas cidades brasileiras pelo Projeto SESC- Palco Giratório O mais recente espetáculo da Alfândega 88, Fim de Partida, de Samuel Beckett, estreou no Tempo Festival em novembro de 2013 e fez temporadas no Teatro Ipanema e na Sede das Companhias em 2014, tendo excelente repercussão junto ao público e crítica. Dirigido por Danielle Martins de Farias, que é uma das fundadoras da companhia junto com Moacir Chaves e que trabalhou como diretora assistente em todas as montagens da Alfândega 88, dá continuidade à pesquisa que teve inicio com a leitura encenada pela diretora de Fim de Partida no Projeto de Manutenção da Cia. no Teatro Serrador em junho de 2013.

11 A NEGRA FELICIDADE 11

12 FICHA TÉCNICA PEÇA A Negra Felicidade TEXTOS (extraídos de) Autos de um processo de 1870, movido por Felicidade, negra, escrava, contra seu senhor para que fosse reconhecida a sua liberdade; Anúncios do Jornal do Comércio do ano de 1870; Trecho da peça teatral O Jardim das Cerejeiras, de Tchecov (fala do personagem Trofimov); Sermão de Santo Antonio aos Peixes, do Padre Antonio Vieira. DIREÇÃO E DRAMATURGIA Moacir Chaves ELENCO Adriana Seiffert, Andy Gercker, Danielle Martins de Farias, Edson Cardoso, Fernando Lopes Lima, Leonardo Hinckel, Luísa Pitta, Rafael Oliveira, Rafael Mannheimer, Rita Fischer e Silvano Monteiro. CENÁRIO Fernando Mello da Costa FIGURINOS Inês Salgado ILUMINAÇÃO Aurélio de Simoni DIREÇÃO MUSICAL Tato Taborda PROJETO GRÁFICO Maurício Grecco ASSISTÊNCIA DE DIREÇÃO Danielle Martins de Farias UM PROJETO Alfândega 88 Cia de Teatro

13 A NEGRA FELICIDADE 13

14 Anexo I PRÊMIOS A) Prêmio SHELL

15 A NEGRA FELICIDADE 15

16 B) Prêmio Questão de Crítica

17 A NEGRA FELICIDADE 17

18 Anexo II CRÍTICAS A) LIONEL FISCHER 10 de abril de 2012 Teatro/Crítica A NEGRA FELICIDADE REALIDADE E FICÇÃO NO SERRADOR O fato é real, o documento, histórico: os autos de um processo de Uma negra, chamada Felicidade, entra na justiça pleiteando sua liberdade. Mas recebe uma bizarra sentença: ela será livre desde que trabalhe como escrava (juntamente com sua mãe) para o seu senhor, durante três anos. Paralelo ao fato, dois textos ficcionais: o Sermão de Santo Antonio aos peixes, de autoria do padre Antonio Vieira, que defende apaixonadamente a igualdade entre os homens; e a célebre fala de Trofímov a Ânia, em O jardim das cerejeiras, de Tchecov, na qual o personagem defende a tese de que, para viver plenamente o presente, impõe-se expiar o passado. Realidade e ficção, portanto, estão presentes em A negra Felicidade, mais recente produção da Companhia Alfândega 88, em cartaz no Teatro Serrador. Moacir Chaves responde pelo texto e pela direção, estando o elenco formado por Adriana Seiffert, Mariana Guimarães, Peter Boos, Fernando Lopes Lima, Elisa Pinheiro, Renata Guida, Leonardo Hinckel, Diego Molina, Andy Gercker, Danielle Martins de Farias, Pâmela Côto, Rita Fischer e Edson Cardoso. Como muitas montagens oriundas de textos não escritos especificamente para o palco, esta poderá causar algum espanto, quem sabe um certo desconforto. E por traz desse espanto e desconforto paira inevitavelmente a mesma pergunta: Mas por quê montar isto?, quando o mais salutar, correto e libertário seria perguntar: Por quê não montar isto? Em seus 25 anos de carreira, Moacir Chaves encenou mais de 40 espetáculos, alguns partindo da mesma premissa: textos não escritos para o teatro. Curiosamente, em dois deles ( Bugiaria e Sermão da Quarta-Feira de Cinzas ) ganhou todos os prêmios disponíveis. Será que nestes casos os puristas de plantão torceram seus graciosos narizes? Ao que me parece, não...

19 Assim, o que está em causa é o desejo deste artista de materializar no palco questões que julga relevantes. E, no presente caso, são abordados temas mais do que pertinentes, como a exploração, a intolerância, o desejo de liberdade e a possibilidade de os homens considerarem- -se irmãos, dentre muitos outros. Mas é possível que alguns espectadores julguem, digamos, um tanto difícil acompanhar as passagens relativas aos autos do processo, já que as mesmas mantêm a linguagem da época - e, mais ainda, a linguagem específica dos tribunais. Pois bem, que seja: mas, e daí? Melhor seria adaptar essas passagens para uma linguagem atual e fazer o mesmo com os autos do processo, a eles impondo uma dramaturgia convencional? Talvez o resultado fosse mais agradável a ouvidos preguiçosos, mas certamente perderia sua contundência histórica. E como o autor deveria proceder com relação ao sermão do padre Antonio Vieira? Deveria também adaptá-lo, quem sabe recheá-lo de gírias, desfigurar sua belíssima escrita e original estrutura? Para os que pensam desta forma, caberia então um procedimento idêntico com, por exemplo, uma sonata de Beethoven: não seria mais prudente encurtá-la? Empobrecer sua harmonia? Reduzir a um seus muitos temas? Enfim...estamos diante de um espetáculo que empreende reflexões atualíssimas sobre a sociedade em que vivemos. E cuja materialização cênica me parece em total sintonia com os conteúdos em causa. Assim como não sacrifica a escrita, Moacir Chaves não facilita a tarefa do espectador, muito pelo contrário: propõe-lhe um permanente desafio, o instiga a pensar, a tentar entender os signos de que se vale, como, por exemplo, o fato de os atores estarem vestidos a rigor, ainda que com os pés descalços. Com um mínimo de fantasia pode-se chegar à hipótese de que as sóbrias vestimentas são signos do poder e os pés descalços remetem à escravidão - não sei se foi esta a intenção do encenador, mas posso perfeitamente encará-la como crível, da mesma forma que outro espectador encontrará o sentido que mais lhe aprouver. Quanto ao elenco, todos os atores atendem com total eficiência àquilo que imagino que lhes foi pedido: texto perfeitamente articulado, proferido em voz forte, quase sempre em ritmo acelerado e priorizando a clareza expositiva. E nas passagens em que o ritmo é menos acelerado e imprevistasquebras geram humor, todos se saem igualmente bem. Na equipe técnica, Aurélio de Simoni assina uma iluminação muito expressiva, sempre ressaltando os múltiplos climas emocionais em jogo. A mesma eficiência se faz presente na cenografia de Fernando Mello da Costa, nos figurinos de Inês Salgado e na direção musical de Tato Taborda. A NEGRA FELICIDADE - Dramaturgia e direção de Moacir Chaves. Com a Companhia Alfândega 88. Teatro Serrador. De segunda a domingo, 19h.

20 20 ALFÂNDEGA 88 B) MACKSEN LUIZ 15 de maio de 2012 Críticas, opinião, notícias e indicações teatrais. Crítica: A NEGRA FELICIDADE 18ª Semana da Temporada 2012 NEGROS NO CENTRO DA CENA: DE VOLTA PARA DOCUMENTAR O PASSADO, FIXANDO O OLHAR NO PRESENTE Moacir Chaves, diretor de Negra Felicidade, em cartaz no Teatro Serrrador, constrói provocante dramaturgia cênica para levar ao palco documento histórico do século 19, tornando-o material dramático capaz de se sustentar como narrativa. Não é fácil, muito menos simples, fazer esse transporte da frigidez jurídica de um processo, vazado em terminologia própria e com a distância de quase dois séculos, para a linguagem teatral que a torne factível como cena e da qual se extraia a indignação provocada pelo divisionismo, preconceito e violência social. É posto para leitura dramática o processo de 1870 da escrava Felicidade, que pleiteia a liberdade, que lhe é concedida de maneira transversa, já que a sentença a obriga a trabalhar, ao lado da mãe, por mais três anos para o mesmo senhor contra o qual foi à justiça. O absurdo do veredicto fica exposto, ressaltado pela descrição dos meandros da legislação que, pela forma como a justiçaé distribuída, como acusação ou defesa, revelando bem mais do que o sistema político-social, escravocrata e democrático atual, pretenderiam que o fosse. Talvez por essa razão, a dramaturgia de Chaves amplie o espectro do documento, introduzindo, como quebras narrativas, o extraordinário Sermão de Santo Antônio aos Peixes, do padre Antônio Vieira, trecho retirado de peça de Tchecov e relatório numérico sobre a escravatura. A estrutura narrativa, fria, expositiva, reveladora por si mesma, candente nas entrelinhas, explosiva na indignação, é a própria encenação e daquilo que se alimenta para se fazer teatro, sem o populismo da solidariedade de intenções dirigidas e o protesto gerado pelo politicamente correto. A força do que é dito, nos documentos e na sua transfiguração cênica, está no modo como se volta ao passado para fixar o olhar no presente, na busca de formas não dramáticas para impô

21 A NEGRA FELICIDADE 21 -las como tal. A aridez linguística da documentação, em alguns momentos, pode ressaltar a dificuldade de um ator em corporificá-la como interpretação, o que acontece quando reduzida à mera explicitação da palavra, tornando a atuação redundante. Mesmo que a direção intente manter a dinâmica em constante movimentação, estilo (humor, leitura branca, ação subjetiva, emoção, racionalidade) e construção de uma teatralidade a serviço da narrativa. De mais de uma dezena de atores da companhia Alfândega 88, a maioria se mostra integrada ao espírito da montagem, com destaque para a inteligência interpretativa de Elisa Pinheiro, a presença do humor de Peter Boss, a emoção genuína de Edson Cardoso, e para as múltiplas e precisas intervenções de Adriana Seiffert, Mariana Guimarães, Fernando Lopes Lima, Renata Guida, Leonardo Hinckel, Diego Molina, Andy Gercker, Danielle Martins de Farias, Pâmela Coto e Rita Fisher. A sutil solução cenográfica de Fernando Mello da Costa e a música de Tato Taborda complementam essa montagem, aparentemente de recepção menos fácil, mas suficientemente envolvente para trazer o espectador aos porões da intolerância, conduzindo-o por trilhas teatrais que iluminam o esquecido e para o situar naquilo que não quer lembrar.

22 22 ALFÂNDEGA 88 C) RODRIGO MONTEIRO Crítica da peça: A NEGRA FELICIDADE da Alfândega 88 Cia. de Teatro A FORMA CÊNICA DA COMPLEXIDADE: UM EXCELENTE PROGRAMA A negra felicidade é um excelente espetáculo por vários motivos. Primeiro, porque os temas da escravidão no Brasil (o último país do mundo a libertar oficialmente seus escravos) e do racismo são tratados pelo todo de forma extremamente singela, mas sem melodrama, de forma profunda, mas sem retórica aparente. Segundo, porque a dramaturgia une bem quatro tipos diferentes de fontes discursivas, de jeito que uma faz sentido em relação a outra sem obviedades, mas com poesia. Terceiro, porque a direção de Moacir Chaves é corajosa em acreditar em um texto tão duro, tão árduo, tão seco, mantendo, em quase todos os momentos, a movimentação discreta e sem disfarces. E, por fim, mas não menos, pela excelente interpretação que o elenco oferece ao público: palavras bem ditas, oratória precisa, dicção exata e pausas nobres. Trata-se de um trabalho difícil de assistir, mas compensador, porque, fugindo dos lugares usuais, ele investe com vigor em uma proposta cheia de méritos. Em 1870, a escrava Felicidade protocolou um processo na justiça do Rio de Janeiro contra o seu senhor, Antônio Vietas da Costa, afim de que fosse reconhecida a sua liberdade. Uma das quatro bases da dramaturgia do espetáculo A negra Felicidade são os atos desse processo jurídico: atas, protocolos, extratos de depósito e de saque, memorandos, encaminhamentos, relatórios. Falado no linguajar da época e dito em sua completude, o espectador vai desvendando os acontecimentos do texto na medida em que vai driblando o palavrório usual do direito e interpretando os fatos. Reconhecer o que realmente houve entre a escrava e seu dono é complicado, mas é valorosa a opção da dramaturgia em trazer para o palco os atos judiciais em sua integridade. Além de uma bela homenagem à língua portuguesa, o gesto revela as relações mais vibrantes: a posse de um ser humano sobre outro ser humano, o gesto da compra, da venda, do empréstimo e do pagamento em dinheiro e em trabalhos forçados, a lógica e os valores da época que, diferentes dos de hoje, situavam criminosos e vítimas em lu

23 gares, talvez, opostos. Intercalam-se na narrativa hostil, o belíssimo Sermão de Santo Antônio aos Peixes, do Padre Antônio Vieiera, uma das pérolas da literatura barroca; um trecho de O Jardim das Cerejeiras, de Anton Tchekhov; e anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro do ano de 1870 que tratam da busca de escravos fugidos, de suas características e de recompensas para quem achá-los. Sem verdades absolutas, porque o assunto é indiscutível, A negra Felicidade não duvida da inteligência dos seus espectadores, mas ressalta o seu lado humano em atender o seu chamado: é preciso, como diz o dramaturgo russo citado, purgar o passado. Com positivos destaques para Andy Gerker, Fernando Lopes de Lima, Peter Boos, Adriana Seiffert e Edson Cardoso, o elenco, composto também por Danielle Martins de Farias, Diego Molina, Elisa Pinheiro, Leonardo Hinckel, Mariana Guimarães, Pâmela Côto, Renata Guida e Rita Fischer, tem apenas nessa última o seu momento negativo. Em uma determinada cena, Fischer parece querer se sobrepor ao texto, enfeitando-o com uma interpretação fleumática, o que felizmente não lhe acontece sempre e, ainda bem, tampouco em outras situações do elenco. O cenário de Fernando Mello da Costa perde a oportunidade de ser melhor. Composto por vários objetos entulhados, seu lado positivo é ilustrar a complexidade das relações e dos temas, além da profundidade dessas marcas tão antigas, mas ainda tão presentes. O lado negativo é simplesmente ilustrar. Boa a iluminação de Aurélio de Simoni, a direção musical de Tato Taborda e os figurinos de Inês Salgado. Na semana em que se comemorou o Dia da Consciência Negra, sem dúvida, A Negra Felicidade foi uma das melhores programações. Em outras oportunidades, não menos o será.

24 D) PEDRO ALLONSO Crítica da peça: A Negra Felicidade da Alfândega 88 Cia. de Teatro A HISTÓRIA QUE PERMANECE Sem dúvida, somente a humanidade redimida poderá apropriar-se totalmente do seu passado. Walter Benjamin A companhia Alfândega 88 apresenta, no palco do Teatro Serrador, o espetáculo A negra Felicidade. Sob a direção de Moacir Chaves, a montagem é organizada a partir da alternância de diferentes registros de escrita, entrecruzando vozes de elementos narrativos diversos, como dois autos de um processo jurídico, retirados dos arquivos públicos da cidade do Rio de Janeiro, de fins do século XIX, classificados do Jornal do Commercio da mesma época, um sermão religioso e, por fim, o fragmento de um solilóquio, extraído da peça O jardim das cerejeiras, de Tchekov. Os quadros são dispostos de forma fragmentada e forjam sentidos na medida em que a sucessão dos fatos deixa entrever uma necessidade do diretor de trazer, para o debate público, as mazelas que herdamos dos procedimentos de conduta éticos e morais do passado. A base da dramaturgia se concentra na trama que envolve a negra que dá nome à peça, Felicidade, e o comerciante Antônio Vietas da Costa, que a toma como sua escrava, por meio de diversos ardis. O comerciante, aproveitando-se da boa fé da liberta, elabora meios para enganá-la, não só lhe tomando dinheiro, como também induzindo-a a assinar documentos, sem que a mesma sequer soubesse do conteúdo discriminado. Felicidade e sua filha decidem, então, entrar com recurso na justiça, porém, o veredito determina que ela seja obrigada a cumprir serviços forçados para o comerciante, por um prazo de três anos. A narrativa que explode em cena é o conteúdo do processo, movido pela mulher, em sua linguagem técnica. O sermão de Santo Antônio aos peixes, do Padre Antônio Vieira, e o fragmento do solilóquio de Tchekhov se intercalam no drama de Felicidade, despidos de uma linguagem visual que reconstitua, historicamente, uma época delimitada. Estes dois textos são fundamentais na medida que preenchem possíveis lacunas de sentido e arrematam uma estrutura dramatúrgica coesa, já que os diferentes fragmentos textuais foram concebidos para atenderem a fins diversos, em diferentes dimensões de tempo e espaço. Os sentidos de que falei há pouco se referem à ideologia defendida pela montagem, de uma sociedade que não pode caminhar em direção ao progresso sem olhar para trás e ignorar os escombros, os rastros e o peso da crueldade e da opressão, praticados por homens contra outros homens.

25 A peça fala de escravidão, mas não se circunscreve a esse tema. Seu projeto prevê uma reflexão maior. A condenação de Felicidade pressupõe defesas de interesse nas relações de poder e o exercício da demonstração de autoridade via artifícios de linguagem. O cinismo se pulveriza pelo espaço cênico quando as determinações das sentenças históricas privilegiam a manutenção de um status quo social, tecendo, em torno dessa estrutura, uma forte rede de proteção às ligações corruptas que administram os organismos públicos, ontem e hoje. A peça procura alargar a nossa sensibilidade, na medida em que o encenador opta por não criar equivalente cênico, por meio de ações, de uma representação da repressão negreira, mas sim, de pôr em verbo a documentação de um fato verídico insuspeito. A linguagem rebuscada dos autos corresponde a uma provocação interessante que a estética do espetáculo assume em primeiro plano, confrontando o espectador com um jogo de impossibilidade de assimilação total do conteúdo narrado pelos atores. O sentido literal do texto é manipulado de forma irônica, em momentos bem pontuais da encenação, por meio de intervenções vocais e corporais, que descaracterizam, propositalmente, a seriedade do documento histórico. O numeroso elenco faz intermediação do texto para a plateia sem vestir máscaras individualizantes. Todo procedimento se volta para formas de vocalização e disseminação do conteúdo das narrativas, procedimento este já característico dos trabalhos anteriores do diretor. Os atores lidam com um material complexo e sua maioria consegue expressar domínio de entendimento do contexto, jogando com nuances de falas que, ora reforçam o desconforto retórico excessivo, ora sublinham, no espaço cênico, certo tom de deboche que o próprio texto deixa entrever. Edson Cardoso, por exemplo, se apropria da sua condição de dançarino para executar partituras de movimento enquanto enuncia um fragmento correspondente. Esta opção provoca reação cômica na plateia, já que os movimentos realizados por ele fazem associação à banda musical É o Tchan, que o tornou nacionalmente conhecido. As pistas que identificam clímax e estados conflituosos, detectados no texto, são pontuados, tanto pela direção musical de Tato Taborda, que sublinha e realça certa dramaticidade, atenuada pela escrita fria dos documentos, quanto pela iluminação de Aurélio de Simoni, que joga com blecautes entre as cenas, imprimindo, nesse movimento, um efeito de peça dentro da peça. A cenografia de Fernando Mello da Costa é pensada em termos de acumulação. Numa estrutura no centro do palco, entulham-se materiais dispostos de forma desordenada, criando uma espécie de caos entre códigos civis, livros de história, cadeiras, madeira, cordas, correntes e refletores inutilizados, que formam um conjunto amontoado de destroços à espera de um novo reordenamento, uma outra reorganização, uma outra história que ainda está para ser contada. Num momento em que se iniciam intensos debates sobre a obrigatoriedade das cotas para negros nas universidades públicas e das contas que serão ajustadas com o período da ditadura, a encenação de A negra Felicidade se articula aos temas atuais e urgentes, em voga nos noticiários da TV e nas mídias eletrônicas.

26 Anexo III CLIPPING Jornal EXPRESSO, Rio de Janeiro

27 A NEGRA FELICIDADE 27 Revista BRAVO, São Paulo/Rio de Janeiro

28 28 ALFÂNDEGA 88 Site da CAIXA CULTURAL, São Paulo

29 A NEGRA FELICIDADE 29 Jornal EXTRA - Caderno DIVERSÃO, Rio de Janeiro Jornal O GLOBO e Jornal EXTRA - Caderno ZONA NORTE, Rio de Janeiro

30 30 ALFÂNDEGA 88 Jornal O DIA, Rio de Janeiro

31 A NEGRA FELICIDADE 31 Divulgação CAIXA CULTURAL, São Paulo

32

Veja São Paulo. Guia da Folha

Veja São Paulo. Guia da Folha Veja São Paulo Guia da Folha A companhia Solas de Vento estréia seu primeiro espetáculo para o publico infantil com direção de Carla Candiotto, uma adaptação livre do famoso romance de Julio Verne. Release:

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

g r u p o X I X d e t e a t r o

g r u p o X I X d e t e a t r o H y s t e r i a g r u p o X I X d e t e a t r o H y s t e r i a E s p e t á c u l o Hysteria fala das intrincadas relações sociais da mulher brasileira na virada do século XIX/XX e, para tanto, se acompanha

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO

O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO O JOGO TEATRAL NA CONTRUÇÃO DO QUEM ROBSON TADEU CATALINHA UNIVERSIDADE DE SOROCABA Palavras-chave: JOGO TEATRAL PROCESSO DE CRIAÇÃO As três montagens dirigidas por Ingrid Koudela na Universidade de Sorocaba,

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

PROPOSTA DE PARCERIA Espetáculo Teatral. Contato: Débora Vieira -(31) 8794-6283 - debora.o.vieira@gmail.com

PROPOSTA DE PARCERIA Espetáculo Teatral. Contato: Débora Vieira -(31) 8794-6283 - debora.o.vieira@gmail.com PROPOSTA DE PARCERIA Espetáculo Teatral Dos Gardenias Social Club Contato: Débora Vieira -(31) 8794-6283 - debora.o.vieira@gmail.com Dos Gardenias Social Club O Dos Gardenias Social Club é um espetáculo

Leia mais

VESPERAIS NAS JANELAS

VESPERAIS NAS JANELAS GRUPO REDIMUNHO APRESENTA: VESPERAIS NAS JANELAS O Coração do Lugar Uma Intervenção Lítero-Musical-Teatral PROAC ICMS 2013 "o teatro não chega em alguém, alguém faz 'chegar' o teatro a si mesmo" (C. Tindemans)

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Fruto de uma parceria entre os grupos Matula Teatro e Boa Companhia, o evento compreende atividades de teatro e literatura, permeadas por temas recorrentes na obra de Hilda Hilst: a busca de Deus, o desejo

Leia mais

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 1. Introdução Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos

Leia mais

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW APRESENTA ...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW ...Surpreendente a forma como, magnetizada a platéia assiste à peça... CLASSIFICAÇÃO REVISTA VEJA

Leia mais

COMPANHIA 2 FACES da ARTE

COMPANHIA 2 FACES da ARTE COMPANHIA 2 FACES da ARTE A companhia teatral 2 Faces da Arte,foi criada em 94 pelo Ator /Autor Teatral / Artista Plástico Bicudo Júnior., com o objetivo de inovar o teatro Nacional. Desenvolvendo uma

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO PROGRAMA POLO CARIOCA DE CIRCO CASA ESCOLA BENJAMIM Inscrições Abertas!

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3

O projeto prevê a montagem e a realização da temporada na cidade do Rio de Janeiro, por 3 de Fernando Ceylão Rio de janeiro, Janeiro de 2013 Prezados senhores, Nossa empresa vem durante anos levando ao público espetáculos excelente nível cultural, todos com boa aceitação por parte do público

Leia mais

Programacao. programacao de aniversario

Programacao. programacao de aniversario Programacao programacao de aniversario Teatro de Tabuas comemora 13 anos com temporada em Campinas Duas estruturas itinerantes estarao em atividade O grupo Teatro de Tábuas, sediado na cidade de Campinas,

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

ontem depois de uma peça de Renata Bortoleto

ontem depois de uma peça de Renata Bortoleto ontem depois de uma peça de Renata Bortoleto a história A peça Depois de Ontem apresenta a relação de um menino de oito anos em seu conflito com a mãe alcoólatra. De um lado, uma criança que só queria

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Identidade, diversidade, preconceito, intolerância e hipocrisia.

Identidade, diversidade, preconceito, intolerância e hipocrisia. Identidade, diversidade, preconceito, intolerância e hipocrisia. Tudo isso batido no liquidificador deu origem ao espetáculo AMÉM. Um drama cômico, ou uma viagem lácteo-capilar psicodélica, escrito e interpretado

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX IV Reunião Científica de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX Maria Tereza Gomes de Almeida Lima (UFSJ) GT:História das Artes do

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013

CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ORIENTADORES ARTÍSTICOS EM TEATRO PARA O PROJETO ADEMAR GUERRA Edição 2013 PROJETO ADEMAR GUERRA Conceito e Eixo Curatorial I-Apresentação O Governo do Estado de São

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CRÍTICA

COMENTÁRIOS DA CRÍTICA COMENTÁRIOS DA CRÍTICA O espetáculo O Theatro de Brinquedo é uma delicioso anacronismo. É uma delicada e despretensiosa forma de retomar uma arte tão distante da tecnologia e da pressa com que se depara

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

SINOPSE ATO I UM ARTISTA DA FOME

SINOPSE ATO I UM ARTISTA DA FOME release Circo K celebra o encontro do artista com o espectador, o encontro entre pessoas como a razão máxima da arte da cena. O projeto nasce do desejo que a Boa Companhia, Matula Teatro e artistas independentes

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

apresenta CHRISTIANE JATAHY ESTREIA A FLORESTA QUE ANDA, ÚLTIMA PARTE DA TRILOGIA FORMADA POR JULIA E E SE ELAS FOSSEM PARA MOSCOU?

apresenta CHRISTIANE JATAHY ESTREIA A FLORESTA QUE ANDA, ÚLTIMA PARTE DA TRILOGIA FORMADA POR JULIA E E SE ELAS FOSSEM PARA MOSCOU? apresenta CHRISTIANE JATAHY ESTREIA A FLORESTA QUE ANDA, ÚLTIMA PARTE DA TRILOGIA FORMADA POR JULIA E E SE ELAS FOSSEM PARA MOSCOU? Macbeth, de William Shakespeare, é a inspiração para criar uma obra que

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Superintendência Municipal de Licitações e Contratos

Prefeitura Municipal de Resende Superintendência Municipal de Licitações e Contratos Prefeitura Municipal de Resende Superintendência Municipal de Licitações e Contratos EDITAL DE CONCURSO Nº 01/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 8624/2014 A Superintendência Municipal de Licitações e Contratos

Leia mais

AS AVENTURAS DE NINA E ATOMITO

AS AVENTURAS DE NINA E ATOMITO AS AVENTURAS DE NINA E ATOMITO PROPOSTA DE ENCENAÇÃO Apresentar o espetáculo infantil As Aventuras de Nina e Atomito, criado para o Ano Internacional da Química (2011), com o patrocínio do Ministério da

Leia mais

Produções Artísticas apresenta O Espetáculo Musical Infantil Um país se faz com homens e livros (Monteiro Lobato) JUJUBA & ANA NOGUEIRA

Produções Artísticas apresenta O Espetáculo Musical Infantil Um país se faz com homens e livros (Monteiro Lobato)  JUJUBA & ANA NOGUEIRA Produções Artísticas apresenta O Espetáculo Musical Infantil Um país se faz com homens e livros (Monteiro Lobato) JUJUBA & ANA NOGUEIRA FÁBULAS FABULOSAS APRESENTAÇÃO Mesmo depois de mais de 2500 anos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES ESPECIALIZAÇÃO NO ENSINO DA ARTE: TEATRO Roseane Tavares de Araújo Silva - especializanda

Leia mais

A Transposição de contos de Tennessee Williams para a cena Uma experiência com alunos do Curso de Formação de Atores da CAL 1

A Transposição de contos de Tennessee Williams para a cena Uma experiência com alunos do Curso de Formação de Atores da CAL 1 A Transposição de contos de Tennessee Williams para a cena Uma experiência com alunos do Curso de Formação de Atores da CAL 1 Isaac Garson Bernat Doutor em Teatro pela UNIRIO Ator, Diretor e Professor

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Quando toca o Coração

Quando toca o Coração Quando toca o Coração Apresentação Quando Toca o Coração é uma peça construída a partir de canções populares que envolvem temas como paixão, traição, desejo e saudade. O espetáculo conta com canções de

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

PROJETO CENA-ESPETÁCULO

PROJETO CENA-ESPETÁCULO PROJETO CENA-ESPETÁCULO :: OBSERVATÓRIO DE CRIAÇÃO DO GALPÃO CINE HORTO :: Após acompanhar o sucesso de diversos espetáculos, experimentados inicialmente no formato de cena curta no Festival de Cenas Curtas,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 02/03/2015 15:40

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 02/03/2015 15:40 //5 5: Centro de Ciências da Educação, Artes e Letras Curso: 8 Teatro (Noturno) Currículo: / ART.9.- História do Teatro I Ementa: Teatro Grego, Teatro Romano, Teatro Medieval: textos dramáticos, espetáculos,

Leia mais

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO

Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO Espetáculo Infantil: A FANTÁTICA HISTÓRIA DO MENINO RECICLAUDO INTRODUÇÃO Espetáculo infantil que aborda a vida do garoto Reciclaudo, que se preocupa com o mundo, a sociedade, com os amigos da escola,

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

PSICODRAMAS PÚBLICOS

PSICODRAMAS PÚBLICOS Cida Davoli Psicodramatista, terapeuta de aluno e supervisora pela Febrap; Coord. dos psicodramas públicos do Centro Cultural São Paulo; professora do nível I e II do Getep PSICODRAMAS PÚBLICOS O diálogo

Leia mais

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GôDA Teatro Público Geral Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GÔDA O que se esconde por detrás de uma porta antiga e enferrujada? O que se guarda por entre papéis e as fotografias velhas?

Leia mais

Comunicação RECEPÇÃO TEATRAL DA OBRA CUIDA BEM DE MIM NA ESCOLA PÚBLICA

Comunicação RECEPÇÃO TEATRAL DA OBRA CUIDA BEM DE MIM NA ESCOLA PÚBLICA Comunicação RECEPÇÃO TEATRAL DA OBRA CUIDA BEM DE MIM NA ESCOLA PÚBLICA Palavras-chave: Teatro, Recepção, Juventude WENDELL, Ney 1 RESUMO Esta pesquisa iniciada em 2006 e em processo de finalização tem

Leia mais

SEMANA TEMÁTICA TEMA: Brasil culturas indígenas e afro-brasileiras Data: 7 a 12 de maio de 2012. Orientações para os Professores

SEMANA TEMÁTICA TEMA: Brasil culturas indígenas e afro-brasileiras Data: 7 a 12 de maio de 2012. Orientações para os Professores Pró-Reitoria de Extensão - Proex Diretoria de Programas de Pastoral Dipas Programa de Formação Humanística - PFH Centro de Reflexão sobre Ética e Antropologia da Religião (CREAR) SEMANA TEMÁTICA TEMA:

Leia mais

Tendo sempre a comédia como forma de expressão, a Cia. criou diversos espetáculos que buscam no humor uma maneira de repensar a sociedade.

Tendo sempre a comédia como forma de expressão, a Cia. criou diversos espetáculos que buscam no humor uma maneira de repensar a sociedade. A Cia. Humbalada de Teatro é um núcleo da Cooperativa Paulista de Teatro formado por inquietos artistas que vem traçando seu caminho desde o ano de 2003. Tendo sempre a comédia como forma de expressão,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ConAsJur 062/14 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Que entre si fazem, de um lado, o MUNICÍPIO DE NOVA CANDELÁRIA, Pessoa Jurídica de Direito Público Interno, inscrito no CNPJ sob o nº 01.602.258/0001-20,

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade.

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. Considerando o crescente interesse geral de mobilização sobre o

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR T E A T R O LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

São Paulo A CORTINA DA BABÁ, GRATIS, NO TEATRO CACILDA BECKER (SP)

São Paulo A CORTINA DA BABÁ, GRATIS, NO TEATRO CACILDA BECKER (SP) São Paulo A CORTINA DA BABÁ, GRATIS, NO TEATRO CACILDA BECKER (SP) O Grupo Sobrevento apresenta seu mais recente espetáculo, A Cortina da Babá, com ENTRADA FRANCA, no Teatro Cacilda Becker, em São Paulo,

Leia mais

I SEARA TEATRAL Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência REGULAMENTO GERAL

I SEARA TEATRAL Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência REGULAMENTO GERAL I SEARA TEATRAL Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência REGULAMENTO GERAL I SEARA TEATRAL é o Festival de Teatro Científico da Seara da Ciência, que visa fomentar o diálogo entre a ciência e

Leia mais

Associação Beneficente de Amparo á Família

Associação Beneficente de Amparo á Família Associação Beneficente de Amparo á Família Perfil A Associação Beneficente de Amparo à Família (ABENAF) é uma Organização Não Governamental (ONG), sem fins lucrativos, que tem como objetivo oferecer cultura,

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

LUME E O TEATRO FÍSICO?

LUME E O TEATRO FÍSICO? 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná LUME E O TEATRO FÍSICO? Anais Eletrônicos Alana Saiss Albinati 171 Faculdade de Artes do Paraná RESUMO Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Quaquarela. Quaquarela. Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre

Quaquarela. Quaquarela. Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre Quaquarela Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro do Centro Municipal de Cultura de Porto Alegre Quaquarela Proposta de temporada de espetáculo do Bando de Brincantes em Teatro

Leia mais

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro)

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Victor Miranda Macedo Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia Orientadora: Rosangela Patriota Ramos O escritor,

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying Dirigido ao ensino secundário 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo - Sinopse e ficha técnica Na vida, como no Facebook, os gostos

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Consagrado pela crítica e pelo público Para comemorar o sucesso de tantos lançamentos

Leia mais

O GRANDE RECICLADOR O Primeiro Musical Ecológico do Planeta

O GRANDE RECICLADOR O Primeiro Musical Ecológico do Planeta O GRANDE RECICLADOR O Primeiro Musical Ecológico do Planeta 1 Projeto sociocultural, educativo de conscientização ambiental proporcionando excelência de marketing corporativo e institucional, promovendo

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan Comunicação Institucional Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL É a estratégia de posicionamento da marca que define

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul.

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. APRESENTAÇÃO Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. Foi testado no município de Guaporé, em uma parceria da Promotoria

Leia mais

Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930. Realização: Promoção: Patrocínio:

Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930. Realização: Promoção: Patrocínio: Plano de Patrocínio TEATRO E CIDADANIA PRONAC: 08 3930 Realização: Promoção: Patrocínio: Resumo Executivo Acreditamos que a cultura efetua uma transformação na vida das pessoas, no sentido de ampliar seu

Leia mais

O Projeto O projeto consiste em um espetáculo de Teatro, cênico/ musical com foco nas questões de sustentabilidade e meio ambiente destinado ao público infantil entre 06 e 12 anos. O projeto teatral proporcionará,

Leia mais

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO

PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. INTRODUÇÃO PROJETO: TEATRO NA EDUCAÇÃO FÍSICA - MULTIPLICIDADE DE MOVIMENTOS E SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES. Priscilla Gaiba INTRODUÇÃO Se em algumas áreas do conhecimento o corpo tem sido o principal instrumento de

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Manuel da Fonseca. Curso Profissional

Escola Secundária c/ 3º ciclo de Manuel da Fonseca. Curso Profissional Elenco Modular / Gestão de horas MÓDULOS DURAÇÃO Carga Horária Semanal 2 blocos 90m + 1 bloco 45m 1º PERÍODO (1 aula = 45 m) 6 21h 6º MÓD. 28 aulas (28 aulas) 1º PERÍODO: 66 aulas 7 18h 7º MÓD. 24 aulas

Leia mais

Oi FUTURO APRESENTA MARCO NANINI EM MONÓLOGO COM DIREÇÃO DE GUEL ARRAES

Oi FUTURO APRESENTA MARCO NANINI EM MONÓLOGO COM DIREÇÃO DE GUEL ARRAES Oi FUTURO APRESENTA MARCO NANINI EM MONÓLOGO COM DIREÇÃO DE GUEL ARRAES A Arte e a Maneira de Abordar seu Chefe para Pedir um Aumento, de Georges Perec, chega no dia 2 de novembro ao Oi Futuro, encerrando

Leia mais

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS

PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS 1. APRESENTAÇÃO PROJETO ARTE NOS HOSPITAIS CANTO CIDADÃO EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE GRUPOS TEATRAIS O Canto Cidadão, por meio deste Edital de Contratação de Grupos Teatrais, oferece à sociedade brasileira

Leia mais

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional;

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional; Ensino Médio Cinema e Educação: O Poeta das Sete Faces Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; História; Sociologia; Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a

Leia mais

TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público

TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público TEATRO-ESPORTE: Análise de procedimentos com ênfase na construção da relação com o público Brenno Jadvas Soares Ferreira (UFU) jadvas@mestrado.ufu.br Resumo: O Teatro-Esporte e seu treinamento baseado

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais