0 Conselho Consultive Metropolitan 11 Desenvolvimento Integrado da Grande Sao Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0 Conselho Consultive Metropolitan 11 Desenvolvimento Integrado da Grande Sao Paulo"

Transcrição

1 0 Conselho Consultive Metropolitan 11 Desenvolvimento Integrado da Grande Sao Paulo (

2 Instrumento de dialog() co nstante tern sido o CONSULTI, que se transforrnou, efetivamente, em urn foro de debates, criando urn mecanismo ate entao inexistente para a representaco municipal. Foram realizadas 41 reunioes rnensais, corn. o comparecimento media de 82% de Prefeitos ou seus representantes para a discussào de assuntos de interesse de seus Municipios e da MetrOpole, tendo-se aprovado, nesses encontros, 45 deliberacties. Outra prova da vitalidade do CONSULTI o trabalho de suas ComissOes Especiais, criadas corn a finalidade de examinar e apresentar proposiebes sobre temas de importancia capital para a Regiao Metropolitana, como saneamento basic, use do solo, descentralizacao industrial, transportes e sistema viario, legislacão sobre loteamentos, financas rnunicipais e habitacao. Essas Comissbes Especiais realizaram 77 reunibes. Sendo urn Orgao voltado para o dialog(), corn a populacao, o CONSULTI, alern permitir a expressao do pensamento comunitario sobre as grandes questbes acerca do futuro da metropol, possibilita igualmente a resolucao de problemas mais imediatos, sensibilizando o Poder POblico para aspectos nao cogitados, as vezes, pelos Orgaos de planejamento. Os estudos para a criacao da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de Sao Paulo S.A.-EMTU/SP, Por exemplo, tiveram origem no CONSULTI, que, em sua segunda reuniao ordinaria, em 20 de agosto de 1975, ja havia sugerido a sua formacao para integracao e racionalizacao do sistema de transportes na riegiào. Dessa proposta, aprovada pelo 9

3 CODEGRAN, resultaram os estudos que culminaram na Lei 1.492, de 13 de dezembro de 1977, que estabeleceu o Sistema Metropolitano de Transportes Urbanos-SMTU e autorizou a criacbo da EMTU. Tambern a Lei n? 1.817, de 27 de outubro de 1978, sancionada por ocasiao da reuniao ordinaria do CONSULTI, que estabelece os objetivos para o desenvolvimento industrial metropolitano e disciplina o zoneamento industrial, a localizacao, a classificacao e o licenciamento industrial na Regiao Metropolitana, teve seu estagio inicial em reunites plenarias do CONSULTI, que ja ern 28 de outubro de 1975 aprovava a Delperacao n 10, sugerindo ao CrOilEGRAN o estudo urgente do zoneamento metropolitano, fixando as areas da Grande Sao Paulo propicias implantacao de ind0strias, seus tipos e caracterizacao, levando em conta o planejamento municipal, e impondo mecanismos que impedissem a distincao entre Municipios ricos e pobres. projeto de lei, o CONSULTI, atraves de Comissao Especial, procedendo sua analise, demonstrou ser necessaria a introducao de alteradbes na redacao e no espirito da propositura original. O CONSULTI, com a forma de agir adotada e imprimida pelos seus Conselheiros,alem de assumir de forma definitive a sua funcao de Orgào de representacao e participacao dos Municipios no planejamento e administracao da Regiao Metropolitana, conforme citado inicialmente, demonstrou a sua vital importancia e a sua decisiva influ'encia para a tomada de decisbes governamentais de interesse da metropole. Essa estrutura, reconhecidamente pioneira e a mais avancada do Pais em seu setor, permitiu realizar, ao longo dos Ultimos quatro anos, urn importante trabalho de base, que constitui a garantia da continuidade da politica de planejamento integrado adotada para o equacionamento dos problemas da Regiao Metropolitana da Grande Sao Paulo. Na mesma linha, o CONSULTI, sempre atento as iniciativas que venham de encontro aos interesses dos Municipios e da Regiao Metropolitana, examinou tambem o Projeto de Lei Federal n? 18, de marco de 1977, de autoria do Senador Otto Cyrillo Lehmann, que dispbe sobre o parcelamento do solo urbano. Assim, tendo como precedente o consenso sobre a necessidade de modernizar a legislacao preventiva e repressiva dos loteamentos clandestinos e de assegurar eficazmente os direitos dos adquirentes de lotes urbanos e do proprio Poder PUblico, principios basicos contidos no referido 10

4 Conselho Deliberativo da Grande Sao Paulo e os instrumentos de acdo do planejamen to

5 Da mesma forma que o CONSULTI, o CODEGRAN, corn a participacao ativa de seus membros, mostrou-se indispensevel para o planejamento integrado. Desde logo, nas reunibes presididas pelo Governador Paulo Egydio Martins, ficou claro que nao se pretendia impor solucbes tecnicas de gabinete, mas procurar urn consenso sobre a melhor forma de atacar os imensos problemas da Regiao Metropolitana da Grande Sao Paulo. A linha de atuacao do CODEGRAN foi orientada, nesses quatro anos, pela nitida compreensäo de que essas solucbes nao poderiam advir de obras puramente de fachada. E de que, preliminarmente, era preciso urn conhecimento mais perfeito da realidade que se deseja planejar. 0 ponto de partida natural foram as definicoes basicas, aprovadas pelo CODEGRAN, sobre as etapas e parcelas dos servicos comuns que sao de interesse metropolitano nas areas do planejamento integrado do desenvolvimento econornico4e social, do saneamento basic, do uso do solo, dos transportes e sistema viario. Corn base nessas definicoes, foram fixados os objetivos e as diretrizes sociais, economicas e fisico-territoriais a atingir dentro das etapas necessaries. 0 CODEGRAN estabeleceu medidas de estimulo ao uso dos transportes coletivos na Regiao, cooperando corn a Politica Nacional de Racionalizacao de Uso dos Combustiveis, bem como definiu o Sistema Cartografico Metropolitano-SCM, como referoncia oficial obrigatoria para os trabalhos tecnicos e obras na Regiao. Por outro lado, atualizou o Plano Metropolitano de Desenvolvimento Integrado-PMDI, corn a incorporacao dos objetivos e diretrizes aprovados pelo Conselho. 13

6 Corn os Decretos Estaduais 9.971, de 8 de julho de 1977, consolidado atraves do Decreto , de 13 de dezembro de 1977, que incorporou a decisão do CODEGRAN, o Sistema Cartografico Metropolitano-SCM, operado pela EMPLASA, ganhou uma nova dimensbo como instrumento definitivo de planejamento. mapeamento, na escala de 1:2.000, de aproximadamente 50 km' da area urbanizada da zona leste do Munidpio de Sao Paulo. mapeamento da Grande Sao Paulo e Baixada Santista, abrangendo uma area de km', esta realizado nas escalas 1:10.000; 1:2.000 (areas urbanizadas) e 1: , a cores. Esta sendo atualizado corn base no revoo de 76/77, possibilitando registrar as alteracbes verificadas a partir de Ainda corn base no SCM, esta sendo executado para a Secretaria de Financas de Sao Paulo o mapeamento do Municipio na escala 1:5.000, corn a finalidade de instituir o Cadastro de Logradouros da Capital-CADLOG, que possibilitara o aprimoramento dos mecanismos fiscais da Prefeitura de Sao Paulo. Para manutencao e operacao do Sistema Cartografico Metropolitano desenvolvem-se atividades que visam: ao arquivamento e organizacao, de forma sistematica, de produtos do SCM; a operacionalizacao desses produtos, colocando-os ern condicbes de serem utilizados como fonte de informacbes por todas as areas tecnicas da SNM e EMPLASA e pelo publico em geral; a comercializacäo dos produtos; a orientacbo tecnica quanto a utilizacao dos produtos; a manutencao e operacionalizacao da mapoteca geral de consulta. Encontra-se igualmente em execucao o 15

7 W tema de rnaciles ;.nicas o Planejar opolitano Pelos mesmos Decretos o SIPLAM- Sistema de Informacbes Técnicas para o Planejamento Metropolitano foi institucionalizado como fonte oficial de dados e elementos necesserios ao planejamento da Grande Sao Paulo. sumório de dodos c 9ronde sac) pouloj GEOCODIF ICACAC urea aplicacao pratica 0 SIPLAM publicou as edicbes de 1977 e 1978 do "Sumerio de Dados da Grande Sao Paulo", corn informacbes de careter histbrico, geogrefico, econbmico, mercadolbgico, populacionais, em tabelas, greficos e mapas. Publicou ainda o atlas "Geocodificacao Uma Aplicacao Pratica", estudo que tomou o Municipio de Sao Bernardo do Campo como area-piloto, urn primeiro teste da funcionalidade das informacbes agregadas ao use do solo e transformeveis em mapas setoriais obtidos diretamente do computador. O Deve-se ressaltar tambern a organizacao e a realizacao pelo SPAM do I Seminerio Nacional de Informac rbes Tbcnicas para o Planejamento Metropolitano, corn apoio \). federal, representado pela CNPU, realizado no periodo de 25 a 29 de abril de 1977, qu representantes das nove Regibes Metropolitanas, da Fundacao IBGE, e de brgaos e entidades interessados, para troca de experibncias e metodologias, debate de teses e programas visando a criacao de urn sistema homogèneo de dados de rapid acesso e utilizeveis no planejamento. PROPORCAO DE USO RESIDENCIAL POR ZONA HOMOGENEA 38;;; (CONFORMANT) 17

8 10 ri 0 CODEGRAN aprovou tambern a iniciativa da SNM/EMPLASA no sentido de implantar e proceder a manutencao de Cadastros Tecnicos Municipais-CTMs, trabalho tambern de importancia fundamental. 0 programa estabeleceu como estrategia a divisäo dos Municipios da Grande Sao Paulo em dois grupos: a) Municipios carentes de.cadastros, em nomero de 24, dos quais 11 ja estao implantados e 13 em fase de implantacao; e b) seis Municipios cujos cadastros existentes devem ser adaptados ao sistema padronizado. Os resultados obtidos foram altamente salutares para a administracao dos Municipios beneficiados. Houve um aumento consideravel do universo cadastrado, pelo acrbscimo de unidades registradas, corn o consequente aumento da receita imobiliaria. Alen) disso, tornouse possivel o aperfeicoamento da politica tributaria municipal, ja que o CTM é urry valioso instrumento de trabalho para Prefeituras em termos de planejamentop distribuicao socialmente mais justa k)s tributos municipais. 0 aperfeicoamento dos cadastros é igualmente urn instrumento valioso para o planejamento, ja que alimenta o SIPLAM, municiando-o de dados sobre a infraestrutura urbana, populacao, escolas, zonas comerciais, industrials, residenciais, etc., garantindo uma sblida base de informacao para o planejamento.

9 / -ft4 Areas de cacao WM & I I -%... / 7 1( / \ ' `'-' i. _ ( n... > s.. 1 I..,...MA L )( N. l '.j - W. A 411., \ ei / 3 \ i../ ri,...../4 c- = ,./- k.. ('.,,,, rl. A. (, l 1_ c' r-- inc PaJoi 1-5 t, \ EMPLASA GOVERNO DO ESTADO CE SA-0 PAULO Env.. MetrEvoirtana de SECRETARIA DOS NEGOCIOS Planeiarnento da Grande Sa3 Paulo SA METROPOLITANOS CTM- AREAS DE ATUACAO ;d ELAABORACAN mpla O EASSolSS o o T TEC. c I PAR COMPLEMENTACAO DA CACAO E IMPLANTACAO TREINAMENTO E APOTh LIMITS DE MUNICI1310 TECNICO PARA MANUTENCAD LIMITS DA REGIAO k\5- III PRE - OPERAEA0 COS C TIM's MET ROPOLI TANA 21

10 r NM mdo Metropolitano de Financiamento e /nvestimento FUMEFI

11 Em 1977, teve inicio a operacao da unidade financiadora do sistema: o Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento-FUMEFI. Tao logo foram definidas pelo Governo Federal as diretrizes para distribuicao e aplicacao dos recursos do Fundo Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Urbano-FNDU, da cotaparte do Estado do adicional de 12% sobre o Imposto Unico sobre Lubrificantes e Combustiveis Liquidos e Gasosos (IULCLG), o SPAM encontrava-se habilitado para preparar, aprovar e submeter aos Orgaos federais CNPU e EBTU propostas concretas baseadas em prioridades, estudos e projetos devidamente amadurecidos e prontos para execucao. Essa capacidade do SPAM de agir em harmonia e consenso com os Municipios da Regiao revela o acerto da politica adotada pelo Governo Paulo Egydio Martins de trabalhar, desde os seus primeiros dias, na montagem de urn sistema, de urn instrumento de dial4go intergovernamental e intersetorial, para a acao conjunta e coordenada. Esse, entrosamento tern possibilitado a assinatura de inumeros contratos de obras publicas de interesse metropolitano corn Orgaos do Governo do Estado (DER, DOP, DER SA e outros) e corn as Municipalidades, beneficiando praticamente todos os Municipios da Grande Sao Paulo. Assim, corn os recursos mencionados, somados as dotacoes orcamentarias do Estado, inclusive as economizadas no orcamento da Secretaria dos NegOcios Metropolitanos e repassadas ao Fundo, foi possivel mobilizar quase Cr$ 2,5 bilhoes para obras basicas de melhoria do sistema viario metropolitano, de drenagem e 25

12 combate as enchentes, bem Como de recuperacão das areas inundadas. Cumprindo a estrategia politica adotada pelo Senhor Governador do Estado e pelo CODEGRAN, a Secretaria dos NegOcios Metropolitanos tem procurado ester sempre proxima aos Municipios para apresentar os problemas e debate-los corn os Prefeitos, Vereadores e demais autoridades municipais, de modo a orientar a fixacao de prioridades para a aplicacao dos recursos do FUMEFI, a fundo perdido. Desse dialogo franco e aberto nasceram os Pianos de Aplicacao do FUMEFI, selecionando 194 obras consideradas prioritariqs para o desenvolvimento municipare, consequentemente, metropolitano, aplicando neles o Estado, atraves FUMEFI, a importancia de Cr$ 2( ,00. Entre os projetos e obras ja concluidos ou em execucao corn recursos do FUMEFI, podem ser citados: projeto e obras de saneamento, drenagem, controle de enchentes no Ribeirao dos Meninos, entre a foz do Rio Tamanduatei e a foz do Ribeirao dos Couros ou Ourives, beneficiando os Municipios de Santo Andre, Sao Bernardo do Campo, Sao Caetano do Sul e Sao Paulo; projeto basic() e executivo para as bacias dos rios Matadouro, 1piranga, Lavapes, Negro, Tiete, Botujuru," beneficiando Mogi das Cruzes e Poa; Plano Diretor de Drenagem abrangendo uma area total de 520,90 km 2, em beneficio das populacbes e da economia dos Municipios de Carapicuiba, Osasco, Jandira, ltapevi e Barueri; Corredor Viario Metropolitano "ABD", entre a divisa de Sao Paulo corn Diadema, 126 ate a via Marginal do Tamanduatei, em Santo Andre, numa extensao de 13,4 km. Esta obra possibilitara a interligacao da Marginal do Pinheiros corn a Washington Luis, 'migrantes, Anchieta e Marginal do Tamanduatei; Corredor Viario Metropolitano "Oeste", que comece no Trevo de 32 ("Cabolao") em Sao Paulo e atinge, em uma primeira etapa, o Municipio de Jandira, numa extensao de 16,5 km; Viaduto Caieiras, sobre a RFFSA, corn extensao de 120 m e largura de 15,90 m; Viaduto Franco da Rocha, tambern sobre a RFFSA, corn extensao de 330 m e largura de 16,50 m; viadutos nos trevos dos kms 14, 16 e 23 de Via Anchieta no Municipio de Sao Bernardo do Campo; ligacao Batistini, entre as rodovias Anchieta e!migrantes, na extensao de 14 km; Ligacao Susano-ltaquaquecetuba-Dutra, com a extensao de m; acessos Viarios para Embu e Rio Grande da Serra; pavimentacao da Estrada de Monte Alegre, possibilitando o acesso direto de Taboao da Serra ao Municipio de Sao Paulo; contornos Viarios de Pirapora do Born Jesus e Santana do Parnaiba; construe -6o das marginais da Via Dutra, entre Sao Paulo e Cumbica, na extensao de 19,4 km (participacao) l r [ V SNM

13 27 de Im if tacão de Sistemas de Drenage Aguas FF/u vi GOVERN() DO ESTADO EMPLASA DE SAO PAULO v- Empresa Metropokaro de Planelamerno de SECRETARIA DOS NEGOCIOS Grande Sao Paulo SA ME TROPOL I TANOS ETAPAS DE I MPLANTACAO DE SISTEMAS DE DRENAGEM DE AGUAS I5LUVIAIS Mg MANCHA URBANA RESERVATORIOS RESERVATORIOS PROJETADOS LIMITS DA REGIA0 METROPOLITANA ra BACIAS PLANO DIRETOR DE CkENAGEM (19 ETAPA) preo,veno 2 EVTIVO (29 ErApAl CONTROLS TECNICO E (9 I FISCALIZACÁO DE OBRAS ETAPA

14 Os recursos hidricos e o con trole do use do solo

15 legislacdo de otecdo aos 9nanciais e o use I solo Ao assumir o Governo do Estado em 1975, o Governador Paulo Egydio Martins fixou come meta prioritaria de sua Administracao as obras de saneamento basic. Com dois tercos da Regiao Metropolitana desprovida de rede coletora de esgotos, metade da populacao, dependendo de pocos rasos, estava, na realidade, consumindo.agua altamente poluida pela contaminacäo per fossas negras. Levantamentos feitos pelo Institute Adolfo Lutz mostraram que, em determinados bairros, 100% dos pocos domêsticos estavam altamente contaminados. Este um dos motivos do crescimento alarmante dos indices de mortalidade infantil que, na época, atingia quase 100 cases per mil nascidos. Para eliminar, no mais curto prazo, tal situacao, o Governador Paulo Egydio Martins, na sua Estrategia de Governo, atribuiu prioridade absoluta a extensao abastecimento de agua a toda a populacao, rompendo assim o processo de contaminacào. Bilhbes de cruzeiros comecaram a ser aplicados na ampliacao das captacbes existentes e na extensao da rede distribuidora, aumentando-se a populacao abastecida a uma media de 1,5 milhao de habitantes por ano. Hoje 90% da populacao metropolitana ja conta com aqua tratada. Como consequencia dessa politica, verificou-se um gigantesco aumento no consumo de agua, que ira pr'aticamente esgotar a capacidade dos atuais sistemas de captacao. A curto prazo, novas captacbes deverao ser feitas para atender ao crescimento natural da populacao. 31

16 Situada em regiao de nascente de rios, a Grande Sao Paulo tern uma reserva limitada de agua, que estava sendo comprometida pela propria expansào urbana. Sem instrumentos legais especificos e adequados, o Poder PUblico pouco ou nada podia fazer para impedir que os mananciais da regiao fossem, aos poucos, inutilizados. Baseado em estudos da Secretaria dos NegOcios Metropolitanos, atraves da EMPLASA, e da Secretaria de Obras e do Meio Ambiente, atraves da CETESB, o Governo do Estado criou e a Assembleia Legisletiva aprovou aqueles instrumentos. Sao elek as Leis 898, de dezembro de 1975,-e 1.172, de novembro de 1976, regulamentadas pelo Decreto n? 9.714, de abril de Assim, passa o Governo a ter uma legislacao sobre uso do solo corn o fim especifico de proteger recursos hidricos vitais ao desenvolvimento da Regiao Metropolitana. Essa legislacao, que definiu as areas de protecao e estabeleceu as normas para controlar o uso e a ocupacao do solo na Regiao, representa urn verdadeiro marco historico e assegura uma reserva inestimavel de agua potavel para a Grande Sao Paulo nas decadas futuras, resguardando os mananciais de urn comprometimento que parecia inéxoravel, face ao seu envolvimento pela urbanizacao, ao mesmo tempo em que coloca a salvo da exploracao predatoria valiosas areas de lazer. 0 grande esforco é concentrado agora na complementacao, 32 operacionalizacao e fiscalizacao das normas estabelecidas. Já é bastante sensivel o controle que se exerce hoje sobre o crescimento da Grande Sao Paulo. lsso pode ser comprovado por uma analise comparativa de dois periodos 1 trimestre/76 e 1? trimestre/77 efetuada pela equipe tecnica da EMPLASA, que mostra uma significative reducao na procura, pelas ind6strias, de areas situadas na zona de protecao aos mananciais. Em alguns casos, essa reducao foi de 50,9% para 4,6% do total de projetos apresentados a aprovacao. Para major operacionalidade da lei, desenvolve-se presentemente o cadastramento tecnico da infra-estrutura e dos usos existentes, inclusive corn a delimitacao das faixas de ocupacao, em relacao as bacias Billings, Guarapiranga, Taiacupeba, Juqueri e Ponte Nova. Paralelamente, encontra-se em fase de teste, abrangendo as bacias Guarapiranga e Billings, um sistema de registro de informacoes e de verificacao dos parametros dos projetos, de forma a estabelecer urn programa operavel por computador. Objetiva-se corn isso a reducao do prazo para deferimento dos licenciamentos e a sua maior seguranca. 0 sistema de informacaes para aplicacao das normas de protecao aos mananciais permitirà tambem obter, a qualquer tempo, urn mapeamento preciso e atualizado, que demonstre a evolucao da ocupacao do solo nas areas de protecao. lniciou-se, ao mesmo tempo, uma intensa acao fiscalizadora, corn a utilizacao de helicopteros para a deteccao de empreendimentos clandestinos e equipes de campo para verificacao "in loco" e posterior autuacào dos infratores retificadora ou punitiva pela Secretaria dos NegOcios Metropolitanos. Exame e Aprovacigo de Projetos da Legislacd( de Protecdo aos Mananciais N9 de Processos

17 was de Prot-6,s M nanclais GOVERNO DO ESTADO EMPLASA DE SAO PAULO Empreea Metropoldana de SECRETARIA DOS NEGOCIOS Planejamento da Grande Sao Paolo SA. METROPOLITANOS AREAS DE PROTECAO DOS MANANCIAIS LEIS 898/75 E 1172/76 MANCHA URBANA RESERVATORIOS RESERVATORIOS PROJETADOS LI MITE DAREGIAO MET R OPOLITA NA 1 AREAS DE P ROT ECAO F7 A OS 10 ANANCIA IS 33

18 Pela sua importancia no ordenamento do uso do solo, merece destaque o Plano Diretor de Mineracao para a Regiao Metropolitana da Grande Sao Paulo, que analisa e define a potencialidade dos recursos minerais da metropole; a sua caracterizacal o de acordo corn os padroes de uso do solo; importancia geoeconornica metropolitana e nacional da exploracao mineral; identificacao e classificacao dos metodos de lavra; identificacao das areas prioritarias para mineracao; identificacao de medidas corretivas para atividades de mineracao em desacordo corn os usos do solo. Esse projeto resultou de convenio assinado com o Departamento Nacional de Producao Mineral DNPM, do Ministerio das Minas e Energia, para a acao conjunta e coordenada, corn o objetivo de compatibilizar a exploracao mineral corn o planejamento metropolitano. Regularmente, o SPAM tern emitid0 pareceres sobre os pedidos e renovacbes de autorizacöes de pesquisa e conc9ssao de lavra nos Municipios da Grande Sao Paulo, assegurando sua adequacao as diretrizes de crescimento da Regiao e legislacao de protecao aos mananciais. Essa manifestacao pravia visa prevenir conflitos entre a exploracao mineral e o desenvolvimento metropolitano. 35

19 Desenvolvimento industrial metropolitano

20 Foram realizados estudos sobre os implementos legais necessbrios para regulamentar o use do solo da Regiao, atraves de convenio assinado corn o Instituto de Planejamento EconOmico e Social-IPEA, da Secretaria de Planejamento da Presidencia da Republica, corn a participacao da Comissao Nacional de Regibes Metropolitanas e de Politica Urbana-CNPU. Da maior relevancia é a Lei 1.817/78, que estabelece os objetivos e diretrizes para o desenvolvimento industrial da Grande Sao Paulo (Lei de Zoneamento Industrial). Em 28 de outubro de 1975, foi aprovada em reuniao plenaria do CONSULTI a Deliberacao n? 10, que sugeria ao Conselho Deliberativo da Grande Sao Paulo-CODEGRAN o estudo urgente do zoneamento metropolitano, fixando as areas da regiao propicias a implantacao de indastrias, seus tipos e caracterizacao, levando em conta o planejamento municipal, e impondo mecanismos que impedissem a distincao entre munici9ios ricos e pobres. Corn base nessa decisao dos Prefeitos da Grande Säo'Paulo, referendada pelo CODEG RAN, a EMPLASA, paralelamente aos estudos que vinha desenvolvendo, realizou o levantamento completo do parque industrial metropolitano no sentido de dimensions-lo, definir suas caracteristicas, suas potencialidades, suas tendências e sua importancia socioeconomica para os Municipios, a Regiao, o Estado e o Pais. Esse levantamento compreendeu o cadastramento e a classificacao sistematizada dos cinquenta mil estabelecimentos industriais da Regiao, 39

21 pelo porte, pelo tipo de atividade, pelo processo produtivo e demais caracteristicas peculiares. Ao mesmo tempo, procedeu-se ao levantamento completo da legislacäo de uso do solo para fins industriais dos 37 municipios da Regiao Metropolitana, com fim de caracterizar as areas ou distritos industriais ja criados, pois que qualquer proposta de zoneamento industrial metropolitano tinha que, se assentar na realidade e tradicäo industrial da Regiao, cuja contribuicao para a renda industrial da Naga() é de aproximadamente 44%. As areas industriais levantadas foram classifrcadas de acordo com sua situacao quanto as diretrizes metropolitanas de urbaqizacao, suas condicoes para ocopacäo industrial e com as caracteristicas geologicas e geograficas de cada uma delas. Nesse passo, foram levados em consideracão, entre outros fatores, a situacão em relacäo aos vetores do crescimento metropolitano e aos eixos rodoferroviarios; a tradicao e grau de ocupacao de cada area; a exist6ncia de. outros usos incompativeis com a atividade industrial; o tipo de parcelamento do solo; a topografia; a existencia de agua superficial ou subterrhnea; os ventos dominantes; as facilidades para disposicao dos residuos solidos e de esgotos etc. Verificou-se, no conjunto, que o total da area zoneada para uso industrial pelos Municipios da Regiao era da ordem de hectares, sendo que, desse total, hectares estao desocupados, havendo, portanto, uma grande disponibilidade de areas para ocupacao industrial 40 Partindo-se de todos esses dados, foram avaliadas as necessidades da Regiao, consideradas as varias hipoteses de seu crescimento demografico, a necessidade de criacao de novos empregos e as diretrizes da politica nacional e estadual de desenvolvimento e descentralizacao industrial. Preparadas as bases para uma decisao, no momento em que tais estudos atingiram adequado grau de maturidade, o Govern() do Estado optou pela estratagia da elaboracäo de uma proposta de projeto de lei de uso do solo para fins industriais na Regiao, com participacao ativa de seus Municipios, identificando como melhor foro para esse fim o proprio CONSULTI. Assim, a Secretaria dos NegOcios Metropolitanos prop6s ao CONSULTI, em 17 de maio de 1977, a criacào de uma Comissao Especial de Uso do Solo, constituida corn representantes das cinco sub-regioes da Grande Sao Paulo, para que, em conjunto corn os tacnicos da Secretaria e da EMPLASA, elaborassem o documento definidor e orientador da implantacao de indastrias na Regiao Metropolitana: a Lei Metropolitana de Zoneamento Industrial (Deliberacäo 05/77). A Comissão ficou assim constituida: Relator: Roberto Cerqueira Cesar, Secretario dos NegOcios Metropolitanos e Secretario Geral do CONSULTI e do CODEGRAN; Municipio de Sao Paulo: Olavo Egydio Setithal, Prefeito da Capital; Sub-regiao Norte: Nati Tales, Prefeito Municipal de Guarulhos; Sub-regiao Sul: Antonio Tito Costa, Prefeito Municipal de Sao Bernardo do Campo; Sub-regiao Leste: Estevam Galväo de. Oliveira, Prefeito Municipal de Susano; e Sub-regiao Oeste:

22 Armando Andrade, Prefeito Municipal de Taboao da Serra. A Comissao Especial de Uso do Solo instalou-se em 26 de junho de 1977 e desenvolveu seus trabalhos em duas etapas, que demandaram mais de um ano de atividades com reunities semanais, num total de 28, e a participacao, alern de seus membros e das equipes tecnica e juridica da EMPLASA e da Secretaria t de autoridades e tecnicos convidados. Os trabalhos foram complementados corn varias reunioes do CONSULTI e corn 4 reunibes sub-regionais em Municipios da Grande Sao Paulo, para o conhecimento e discussao mais detalhada corn os Prefeitos das proposicoes da Comissao. E, finalmente, em 31 de agosto de 1978, o texto final do projeto foi aprovado pelo plenerio do CONSULTI. Na primeira etapa dos trabalhos a Comissao tomou conhecimento de todas os estudos feitos e da proposta de zoneamento preparada pela equipe têcnica da EMPLASA e paralelamente ouviu autoridades federais, estaduais e municipais especializadas no assunto, bem assim representantes das FederacOes das IndOstrias e do Comercio, e de Federacoes de Trabalhadores do Estado de Sao Paulo. Corn a apresentacao pela EMPLASA da "minuta de anteprojeto de lei sobre localizacao industrial na Grande Sao Paulo", alicercada nas linhas mestras aprovadas pelo CONSULTI, berry como nas diretrizes basicas previstas no Projeto de Lei Federal sobre zoneamento industrial, prosseguiram os trabalhos da Comissao corn o exame detalhado do texto elaborado pela EMPLASA, da listagem de tipos de industries e do mapeamento das zonas industrials da Grande Sao Paulo, inaugurando, nesse novo ciclo de reunibes, uma forma pioneira de elaboracao de projeto de lei, mediante uma politica de abertura e contribuicao coletiva, inclusive, das classes empresariais e trabalhadoras. 0 dialogo estabelecido ensejou o aprimoramento de dispositivos que permitiram compatibilizar os anseios e os interesses tanto dos Municipios quanta das classes empresarial e operaria, corn a politica e as diretrizes do planejamento e desenvolvimento metropolitano o PMDI devidamente atualizadas pela Deliberacao 03 do CODEGRAN, corn a incorporacao dos objetivos e diretrizes estabelecidos por este Conselho, levando em consideracao o "DiagnOstico 75" e a Estrategia do Governo Paulo Egydio Martins. 0 anteprojeto previu urn mecanismo de compensacao financeira para os Municipios que nao contam corn parcela significativa do Imposto sobre Circulacao de Mercadorias-ICM. E notorio que a principal fonte de receita dos Municipios é constituida das transferencias do Impost sobre Circulacao de Mercadorias-ICM. Como, entretanto, o fato gerador desse imposto é o valor da transformacao industrial e seu criteria de distribuicao a valor arrecadado em cada Municipio, decorre da diversidade de vocacao natural que entre eles existe urn significativo desequilibrio na disponibilidade de recursos municipais. Esse desequilibrio poderia acentuar-se por efeito do zoneamento industrial, na medida em que alguns Municipios sofrerao restricoes para a implantacao ou dinamizacao de urn parque

23 gneamen o Indus -"" \ r T GOVERNO DO ESTADO EMPLASA DE SAO PAULO Er.nzese M Fi Grande,toetrcdapolitana de SECRETARIA DOS NEGOCIOS Sdo osa METROPOLITANOS ZONEAMENTO INDUSTRIAL - LEI 1817/78 MANCHA URBANA RESERVATORIOS ZUPI 1 RESERVATORIOS PROJETADOS ZUPI 2 1.1T51 LIMITE DA REGIAO r PARQUE ECOL6GICO L METROPOLITANA

24 industrial. Assim, corn vistas a atenuar o desequilibrio ja existente e a evitar que se acentue para o futuro e que foi proposto esse mecanismo de compensacao financeira. No intuito de divulger os trabalhos realizados pela Comissao, estabeleceu-se que, ern reuniao especial do CONSULTI, fosse apresentada, aos trbs niveis de governo, uma coletanea dos estudos elaborados acerca das atividades industrials e do zoneamento industrial na Grande Sao Paulo. Na 31 areuniäo do CONSULTI, em 28 de abril de 1978, corn as presencas dos senhores Ministro responsavel pela Secretaria de Planejamento da PresidOncia da Republica, Joao Paulo dos Reis Velloso, e MinIstro das Minas e Energia, Shigeaki U4i,idoo entao Presidente da EBTU, Alberto Silva, do então Secretario Executivo da CNPU, Jorge Guillherme Francisconi, dos Prefeitos da Grande Sao Paulo, sob a presiancia do Senhor Governador do Estado, Paulo Egydio Martins, foram apresentados os pianos e diretrizes sobre a "Localizacao Industrial da Regiao Metropolitana da Grande Sao Paulo". Em 30 de maio de 1978, o CONSULTI, atraves da Deliberacao 07/78, aprovou o RelatOrio da Comissào Especial sobre o anteprojeto dispondo a respeito do disciplinamento do use do solo para fins industriais, considerando que o mesmo traduzia o pensamento e o consenso do Conselho quanto aos principios basicos de modelo da legislacao pretendida. 0 anteprojeto foi em seguida encaminhado ao Senhor Governador para exame, corn a solicitacao de se promover nova manifestacao do Conselho, caso o texto viesse a sofrer modificacbes por parte do 42 Executivo. 0 anteprojeto recebeu inovacties decorrentes do exame e debates presididos e orientados pelo Senhor Governador do Estado corn os Orgaos e entidades governamentais que tinham interesse na materia, come a Secretaria dos NegOcios Metropolitanos, Secretaria de Obras e do Meio Ambiente, Secretaria de Economia e Planejamento, Secretaria da Fazenda, Secretaria da Culture, CiOncia e Tecnologia, Secretaria do Governo, Institute de Pesquisas TecnolOgicas, CETESB e EMPLASA. Assim, por determinacao do Senhor Governador, o projeto foi ampliado no seu escopo, mediante a insercao de urn Capitulo estabelecendo uma politica estadual de incentivos para o desenvolvimento industrial na Regiao Metropolitana, como parte do desenvolvimento industrial do Estado. Tais objetivos e diretrizes visam a criar condicbes para consolidacao, na Grande Sao Paulo, de urn novo estilo de industrializacao inclusive corn a renovacao de industrias obsoletas por outras de alto nivel tecnologico mais adequado as necessidades socioeconornicas da Regiao e as caracteristicas do seu desenvolvimento. 0 projeto de lei, no Capitulo I, traca o perfil industrial da Metrópole que, dispondo de infra-estrutura industrial; de abundancia de mão-de-obra qualificada; de urn amplo mercado consumidor; de servico de interligacao corn o Pais e o mundo; de solida estrutura financeira e administrativa e de eficiente canais de informacao, oferece condicties privilegiadas para a implantacao das indostrias chamadas de

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Lei nº1.817, de 27 de outubro de 1978.

Lei nº1.817, de 27 de outubro de 1978. Lei nº1.817, de 27 de outubro de 1978. Estabelece os objetivos e as diretrizes para o desenvolvimento industrial metropolitano e disciplina o zoneamento industrial, a localização, a classificação e o licenciamento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Página 1 de 7 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Reorganiza a Região Metropolitana da Grande São Paulo, cria o respectivo Conselho de Desenvolvimento e dá providências correlatas O GOVERNADOR

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Mobilização Social - PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Mobilização Social - PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL. Bacabeira-MA PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Bacabeira-MA 2015 PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Bacabeira-MA 2015 Página 1 de 27 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 MARCOS LEGAIS E TEÓRICOS DO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PMS... 5 OBJETIVOS...

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

SP 06/04/79 NT 036/79. Educação Para o Trânsito. Profº. Paulo Roberto Amaral Barbosa

SP 06/04/79 NT 036/79. Educação Para o Trânsito. Profº. Paulo Roberto Amaral Barbosa SP 06/04/79 NT 036/79 Educação Para o Trânsito. Profº. Paulo Roberto Amaral Barbosa É possível garantir maior fluidez ao trânsito através de um trabalho de engenharia de tráfego. Muito embora a engenharia

Leia mais

Estatística de projetos de leis protocolados, aprovados e em tramitação

Estatística de projetos de leis protocolados, aprovados e em tramitação PROPOSIÇÕES 2010 2011 Mensagens do Prefeito Municipal 084 79 Anteprojetos de Leis 056 26 Projetos de Leis (de autoria dos Senhores Vereadores) 098 70 Projetos de Leis Complementares 015 8 Projetos de Decretos

Leia mais

FINANCIAMENTO ESTUDANTIL Helena Heller D. de Barros Consultora Legislativa da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO SETEMBRO/2003 Câmara dos Deputados Praça dos 3 Poderes Consultoria

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria - Executiva

Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria - Executiva Ministério do Trabalho e Emprego Secretaria - Executiva Esta explanação tem por finalidade informar a situação atual acerca da proposta do desenvolvimento de ações de Qualificação Social e Profissional

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, As águas subterrâneas que formam os aqüíferos

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO URBANA E O ESTATUTO DA METRÓPOLE Jeferson Dantas Navolar Edson Luiz Cardoso Pereira Maringá, 11 de junho de 2015 POLÍTICA URBANA NO BRASIL Anos de 30 Legislação sobre loteamentos

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011)

PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 785, DE 2011 (Apenso o Projeto de Lei nº 910, de 2011) Dispõe sobre a obrigatoriedade de existência de Pontos de Apoio nas rodovias e dá outras providências.

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos de Subtransmissão da CEB Manoel Clementino Barros Neto Companhia Energética de Brasília

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista LEI COMPLEMENTAR Nº 412, de 10 de dezembro de 2010. Dispõe sobre período e diretrizes para regularização de construções, reformas e ampliações no que tange a índices urbanísticos e parcelamentos de solo

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º São objetivos da 5ª Conferência Estadual das Cidades: I - propor a interlocução entre autoridades

Leia mais

POR AMOR A ILHÉUS COLIGAÇÃO: PP PMDB PC do B PSB PDT PR PHS PSL PTC PRB - PTB PSDB DEM PRP PRTB PTN

POR AMOR A ILHÉUS COLIGAÇÃO: PP PMDB PC do B PSB PDT PR PHS PSL PTC PRB - PTB PSDB DEM PRP PRTB PTN POR AMOR A ILHÉUS COLIGAÇÃO: PP PMDB PC do B PSB PDT PR PHS PSL PTC PRB - PTB PSDB DEM PRP PRTB PTN construindo PLANO DE GOVERNO (síntese) JABES RIBEIRO PREFEITO CACÁ VICE-PREFEITO ELEIÇÕES 2012 POR AMOR

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT

Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Órgão/Sigla: SISTEMA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO - SMPG Natureza Jurídica: Gestão: Finalidade: ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E TRANSPORTE - SEMUT Coordenar as ações planejadas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

2 - PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1 SUBPROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1.1 - JUSTIFICATIVAS

2 - PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1 SUBPROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1.1 - JUSTIFICATIVAS 2 - PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1 SUBPROGRAMA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 2.1.1 - JUSTIFICATIVAS A implantação da Ferrovia poderá gerar inquietação, expectativa e demandas entre os diversos segmentos da

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

CHEFE DA SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLAR compete acompanhar a tramitação de documentos e processos, observando o protocolo do mesmo; classificar, informar e conservar documentos; controle de matériais, providenciando

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador JOSÉ SERRA PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 508, DE 2015 Altera a Lei nº 11.314, de 3 de julho de 2006, que dispõe sobre o prazo referente ao apoio à transferência definitiva

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992

LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 LEI N 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 Cria a Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SEMA, a entidade autarquica Instituto Ambiental do Parana - IAP e adota outras providencias. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais