Cidades para Propostas e experiências pelo direito à cidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidades para tod@s. Propostas e experiências pelo direito à cidade"

Transcrição

1

2

3 Cidades para Propostas e experiências pelo direito à cidade

4

5 Cidades para Propostas e experiências pelo direito à cidade Ana Sugranyes Charlotte Mathivet Editoras Habitat International Coalition

6 Habitat International Coalition agradece aos diferentes autores pela sua colaboração neste livro. Também agradecemos a tradução voluntária dos textos ao português, bem como a revisão. Esta publicação foi possível graças à colaboração de MISEREOR Cidades para todos: Propostas e experiências pelo direito à cidade. Editado por Ana Sugranyes e Charlotte Mathivet - Habitat International Coalition (HIC) Primeira edição - Santiago, Chile, 2010 ISBN: Edição dos textos: Charlotte Mathivet e Shelley Buckingham Tradução: Ediane Amorim Desenho: Andoni Martija Foto da capa: Charlotte Mathivet Fotos do interior: arquivo de Habitat Internacional Coalition Gestão editorial: Luis Solís Revisão: Nelson Saule Júnior Habitat International Coalition (HIC) Secretariado Geral de HIC Coronel Santiago Bueras, 142, of Santiago, Chile A reprodução parcial ou total deste livro é permitida, desde que sejam citadas a fonte e os autores. Impresso no Chile

7 A Han van Putten, e a todas e todos que lutam pelo direito à cidade

8 Glossário Este livro reúne experiências e propostas que surgem de diferentes contextos. Os textos originais foram escritos em espanhol, português, inglês e francês. Nas traduções, alguns termos foram deixados em seu idioma original para respeitar a especificidade local ou regional. Para simplificar a leitura deste livro apresentamos a definição de quatro deles. Pavement dweller: Expressa uma realidade peculiar da Índia. Corresponde aos moradores em extrema pobreza e que vivem de forma permanente nas calçadas das ruas. Aí constroem suas moradias bastante precárias. Población: Usado no Chile para definir um assentamento já consolidado, produto das ocupações de terrenos dos anos 50 e 60, ou lugares precariamente urbanizados. O processo de urbanização das poblaciones aconteceu a partir da iniciativa de seus pobladores e através de várias intervenções de políticas públicas Pobladores: Nos países da América Latina onde se fala espanhol, acrescenta uma conotação social e às vezes política. Refere-se aos grupos de assentamentos populares que lutam por seu espaço, bairro, rua e direitos na cidade. Shack: Moradia sem segurança de posse, de construção precária e desprovida de serviços de urbanização. Villa: Na Argentina, são ocupações de solo urbano vazio que produzem traçados urbanos bastante irregulares, organizados a partir de corredores pelos quais geralmente os veículos não podem transitar. Ao longo dos anos, as villas passaram por melhorias de diferente envergadura e qualidade.

9 Índice Prólogo Davinder Lamba 11 Introdução: Cidades para todos: articulando capacidades sociais urbanas Ana Sugranyes e Charlotte Mathivet 13 O direito à cidade: chaves para entender a proposta de criar Outra cidade possível Charlotte Mathivet 21 Primeiro Capítulo Propostas para o direito à cidade 27 A democracia em busca da cidade futura Jordi Borja 29 Contra o direito à cidade acessível. Perversidade de uma reivindicação consensual Yves Jouffe 43 Análise do direito à cidade sob a perspectiva do gênero Shelley Buckingham 57 O direito à cidade e a vida cotidiana baseada no gênero Tovi Fenster 63 Um horizonte para as políticas públicas? Notas sobre a felicidade Patricia Ezquerra e Henry Renna 79 Os direitos nas cidades e o direito à cidade Peter Marcuse 89 Uma nova aliança para a cidade? Oportunidades e desafios da globalização do movimento pelo direito à cidade Giuseppe Caruso 103 O processo de construção pelo direito à cidade: avanços e desafios Enrique Ortiz 117 O conceito e a implementação do direito à cidade na África Anglófona Bola Fajemirokun 125

10 Segundo Capítulo: Experiências de direito à cidade 135 Lutas populares contra a marginalização e os despejos 137 Abahlali basemjondolo e a luta popular pelo direito à cidade em Durban, África do Sul Richard Pithouse 139 A luta de movimentos de pavement dwellers em Mumbai, Índia María Cristina Harris 149 Villa Los Cóndores, Temuco, Chile. Contra o despejo e para o direito à cidade Ana Sugranyes 153 Os sem-teto. Uma experiência de luta pela moradia em Mar del Plata Ana Núñez 157 A luta dos habitantes dos parques de Osaka, Japão Marie Bailloux 163 Reivindicando os direitos do cidadão em Accra, Gana Afia Afenah 167 Olimpíadas de Beijing 2008, China María Cristina Harris 177 Sobre derrotas e conquistas no exercício do direito à cidade: reflexões a partir de experiências recentes nas cidades da Argentina. María Carla Rodríguez, María Laura Canestrar e Marianne von Lücken 181 Habitantes da Ilha de Gazirat al-dhahab, Cairo, Egito enfrentam da expulsão María Cristina Harris 191 Do protesto à proposta e da proposta ao projeto, Villa Esfuerzo, Santo Domingo, República Dominicana Steffen Lajoie 195

11 Iniciativas populares de empoderamento 201 Construir a cidade para e pelos cidadãos: O direito à cidade na África. El derecho a la ciudad en África Joseph Fumtim 203 Movimiento de Pobladores en Lucha: Santiago, Chile Charlotte Mathivet e Claudio Pulgar 209 As crianças no planejamento do espaço urbano, Santiago, Chile Felipe Morales e Alejandra Elgueta 221 A Campanha OUR Orla: Defendendo o Direito à Cidade em Nova Iorque Shelley Buckingham 227 Os Comitês de Terra Urbana Héctor Madera 231 Organização, poder e apoio político em Caracas, Venezuela Steffen Lajoie 235 Estamos fazendo a cidade, Bolivia Rose Mary Irusta Pérez 243 Organizando a comunidade, construindo poder e ganhando o direito à cidade nos bairros pobres de Toronto Steffen Lajoie 249 Marco legal do direito à cidade 257 A trajetória da Reforma Urbana no Brasil Nelson Saule Júnior e Karina Uzzo 259 Carta da Cidade do México: o direito a construir a cidade que sonhamos Lorena Zárate 271 Políticas e perspectivas legais sobre a realização do direito à cidade na Nigéria Mobola Fajemirokun 279 O caminho do direito à cidade na Bolívia Uvaldo Mamani 283 O Contrato Social pela Moradia, Equador Silvana Ruiz Pozo e Vanessa Pinto 291

12 Planejamento e políticas públicas 299 O conceito de cidade global e suas repercussões no planejamento urbano para as cidades da Região da Ásia-Pacífico Arif Hasan 301 Considerações sobre a segurança urbana das mulheres através do direito à cidade, Polônia Shelley Buckingham 313 Graz, a Cidade dos Direitos Humanos na Europa ou Direito a uma Cidade Humana na Europa? Marie Bailloux 319 Elogio à lentidão: Desaceleremos a cidade! O movimento Cittaslow Charlotte Mathivet 325 Biografias 331

13 Prólogo Habitat International Coalition (HIC) é uma rede global de movimentos sociais, organizações e pessoas que, em mais de cem países, de norte a sul, lutam pela aplicação do direito a um lugar onde se possa viver em paz e com dignidade. Por mais de trinta anos o enfoque de Habitat International Coalition prioriza o enlace entre o habitat humano, os direitos humanos e a dignidade, junto ao reconhecimento das reivindicações dos povos e de suas capacidades, bem como suas aspirações de liberdade e solidariedade. As perspectivas de HIC vão mais além dos direitos individuais e afirmam que o compromisso da sociedade civil e do estado 1 com os direitos e as responsabilidades coletivas é fundamental para desenvolver um mundo justo e habitável para todas e todos e não apenas para alguns. As reivindicações populares, como nos mostra a história, transformamse em direitos através de lutas prolongadas. O pensamento e as ações de HIC apoiam as lutas pela implementação de vários direitos emergentes, como dos povos indígenas, dos emigrantes, a soberania alimentar e o direito à cidade. HIC assume-os como desafios da sociedade civil, do local e do global; confronta-os e promove avanços em função das visões populares de que outro mundo é possível. O compromisso de HIC, nas duas últimas décadas, foi avançando no entendimento e na determinação do direito à cidade em sua complexidade. Entre outras tarefas, HIC envolveu-se na criação de seu marco teórico e prático. A primeira edição do livro em três idiomas é um esforço muito importante nesse sentido. Esperamos que este livro seja uma fonte de inspiração para avançar na 1 Neste livro, sociedade civil e estado estão escritos com letras minúsculas, para assim respeitar a ligação entre esses dois atores de igual importância.

14 luta pelo direito emergente de todas e todos a um lugar onde se possa viver em paz e com dignidade, em todas as cidades do mundo. Em nome de HIC, agradeço enormemente todas as contribuições que tornaram possível esse livro. Davinder Lamba, Presidente de HIC

15 Introdução Cidades para todos: articulando capacidades sociais urbanas 1 Ana Sugranyes e Charlotte Mathivet Durante o Fórum Social Mundial de Belém, em janeiro de 2009, o geógrafo norteamericano David Harvey declarou na tenda de Reforma Urbana: Estou muito agradecido por este convite porque sempre aprendo muito com os movimentos sociais 2. Terminou sua conferência afirmando que chegamos a um ponto em que já não podemos aceitar o que disse Margaret Thatcher não existe alternativa ; temos que dizer que deve haver uma alternativa para o capitalismo em geral. E podemos nos aproximar desta alternativa concebendo o direito à cidade como uma demanda popular e internacional. E espero que todos nos unamos nessa missão. 3 Este livro responde a esta esperança e chamado para a união sob a bandeira do direito à cidade, concedendo a palavra a diversos atores que lutam por ele. Esta diversidade de pontos de vista, discursos, culturas, experiências é o fio condutor desta publicação. Propomos articular as diferentes ideias e fazê-las convergir para um mesmo objetivo: o direito à cidade como bandeira de luta contra o neoliberalismo. Não estamos falando de uma abstração ideológica, mas sim referindo-nos aos efeitos sofridos pelos habitantes no seu cotidiano, considerando, entre outros fatores, o acesso à terra e aos serviços, a segurança da posse, os despejos; todos gerados por causas múltiplas, tais como privatizações, especulação imobiliária, mega-projetos e mega-eventos; abusos e tráfico de poder, desregulamentação do espaço público, planejamento urbano para os interesses de poucos 1 O Fórum Urbano Mundial, na sua quinta sessão, em 2010, tem como lema em inglês The Right to the City Bridging the Urban Divide. Em português o lema foi traduzido como: O Direito à Cidade: Unindo o Urbano Dividido. Mais que enfatizar a divisão, HIC trabalha na articulação das forças positivas para o direito à cidade. 2 David Harvey no Fórum Social Mundial 2009: odireito à Cidade como alternativa ao neoliberalismo, Harvey, David, Loc.cit

16 14 Cidades para Assim, aborda-se a ideia de apropriar-se do direito à cidade como proposta política de mudança e alternativa às condições de vida urbana criadas pelas políticas capitalistas, hoje neoliberais. Segundo Purcell, O direito à cidade de Lefebvre implica reinventar radicalmente as relações sociais do capitalismo e a estrutura espacial da cidade 4. É assim como Lefebvre afirmava que o direito à cidade não pode ser concebido como o simples direito de visita ou de regresso às cidades tradicionais. Pode somente ser formulado como direito à vida urbana, transformada e renovada. 5 Esta reformulação da vida urbana propõe maior igualdade, onde a maioria dos habitantes possa ser feliz e solidário, gerando e redistribuindo os benefícios da cidade para todas e todos. Somos conscientes dos desafios desta aspiração de justiça social; alguns chamam quimera ou ilusão. Nós chamamos de utopia indispensável para outro mundo possível. Nesta grande tarefa de (re)inventar condições de bem viver 6 como reivindicam os indígenas andinos quéchuas e aymaras é imprescindível construir estratégias globais para criar outra cidade e outras relações humanas. Os movimentos sociais, como afirma Harvey, possuem um papel importante nesse contexto através de suas lutas cotidianas por uma sociedade mais igualitária e especificamente por uma cidade mais justa Recordemos o contexto histórico do surgimento do direito à cidade, conceito, ideia, programa (e não somente slogan) definido no livro Le droit à la ville 7 do filósofo e sociólogo francês Henri Lefebvre em Efetivamente, nessa época Lefebvre era professor de sociologia urbana na Faculdade de sociologia de Nanterre, de onde partiu o movimento de maio de 68. Para muitos, as ideias de Lefebvre sobre o direito à cidade influenciaram os acontecimentos de daquele mês de 68. É verdade que no imaginário coletivo não se vincula automaticamente este movimento social francês com Lefebvre, mas sim com sobrenome mais famosos, como Lévi-Strauss, Debord e Lacan; estes intelectuais (e outros) se apropriaram do movimento de maio de 68, apesar de o movimento haver sido impulsionado pelas ideias de Lefebvre e seus assistentes. É assim que Maio de 1968 não é a obra dos acadêmicos das grandes escolas, mas sim do povo. Lefebvre não foi à 4 Purcell, Mark, Le Droit à la ville et les mouvements urbains contemporains, 2009, Droit de Cité, Rue Descartes, N.63, p42. Citação original em francês: «Le droit à la ville de Lefebvre implique de réinventer radicalement les relations sociales du capitalisme et la structure spatiale de la ville 5 Lefebvre, Henri, 1968, Le droit à la ville, Ed. Economica, 3ième édition, 2009, p108. Citação original em francês : le droit à la ville ne peut se concevoir comme un simple droit de visite ou de retour vers les villes traditionnelles. Il ne peut se formuler que comme droit à la vie urbaine, transformée, renouvelée 6 Sumak kawsay é quichua equatoriano e expressa a ideia de uma vida não melhor, nem melhor que a de outros e tampouco um contínuo desvelar por melhorá-la, mas sim uma vida simplesmente boa Sumak Kawsay, Suma Qamaña, Buen Vivir, Tortosa, José María, Ibid. Préface, Hess, R, Deulceux S Weigand, G.

17 Introdução 15 l École Normale Supérieure [ ]. Aprendeu sociologia dirigindo um táxi em Paris nos anos Além disso, recordemos que a universidade de Nanterre era uma faculdade construída perto de casebres 9. É a relação entre a pobreza urbana, a formulação intelectual crítica contra o sistema e o movimento social de 1968, que retroalimentam o direito à cidade formulado por Lefebvre. Então é assim que se afirma que Lefebvre teve muita influência na formação dos militantes 10. Observando os diversos atores e a partir deles os movimentos sociais que reivindicam o direito à cidade em suas lutas, acreditamos que este direito continua tendo importância na vigência do pensamento de Lefebvre e os que continuaram com a questão depois dele. Esta vigência e persistência no tempo aparecem como sua grande força. Embora tenha sido Lefebvre 11, com seus escritos e debates nas aulas sobre direito à cidade, quem alimentou o movimento estudantil para a subversão e a rebeldia contra a ordem estabelecida em 1968; hoje são os movimentos sociais com a bandeira do direito à cidade que fortalecem suas lutas contra os efeitos nefastos já mencionados do sistema neoliberal. Quarenta e dois anos depois da primeira formulação do direito à cidade é surpreendente que esta ideia continue em pé e convoque os movimentos sociais, acadêmicos, organizações da sociedade civil, tão heterogêneos e em diferentes partes do mundo. Nem tão surpreendente, já que as estratégias populares para lutar contra a lógica da globalização mercantil atuam a partir do local com a perspectiva do global do direito à cidade. Habitat International Coalition (HIC) é parte desta história e desta proposta. Por isso decidiu publicar uma compilação de textos relatando experiências e análises que consideram o direito à cidade como uma bandeira de luta e proposta política de mudança. Este propósito vislumbra de maneira mais ou menos clara até chegar, em alguns casos, a não mencionar diretamente o direito à cidade. Os diferentes textos também o consideram de formas bastante diferentes: como uma ferramenta política, jurídica e cultural. Este livro busca articular as lutas, descobrindo-as em função de cada contexto local, com um olhar global para gerar nexos, criar redes e definir alianças. Não é um estudo teórico desconectado da realidade, mas sim parte de um processo de ação e reflexão no qual os movimentos comprometem-se em suas lutas diárias. 8 Ibid. p VI Citação original em francês «Mai 1968 n est pas le fait des gens d école mais des gens du tas. Lefebvre n est ni normalien ni agrégé. Il a fait ses classes de sociologie en conduisant un taxi dans les années 20 à Paris» 9 Loc.cit, Citação original em francês: «Nanterre était une faculté construite autour des bidonvilles» 10 Loc.cit, Citação original em francês «C est du côté des apprentissages militants que Lefebvre a eu une importance» 11 E os situacionistas, entre outros. Sobre este debate entre situacionista e Lefebvre, ver Simay, Philippe, 2009, Une autre ville pour une autre vie. Henri Lefebvre et les situationnistes, Droit de Cité, Rue Descartes, N.63.

18 16 Cidades para Segundo Jordi Borja, o desenvolvimento e legitimação dos direitos civis dependerão de um processo triplo: i)cultural, de hegemonia dos valores que estão na base destes direitos e explicitação dos mesmos; ii)social, de mobilização dos cidadãos para conseguir sua legalização e a criação de mecanismos e procedimentos que os façam efetivos; iii) político-institucional para formalizálos, consolidá-los e desenvolver as políticas para efetivá-los 12. O mesmo autor afirma que os atores principais e emergentes desse processo não são as estruturas políticas tradicionais de poder (estado e partidos políticos), mas sim grupos sociais, por vezes bastante heterogêneos. Há vinte anos HIC está envolvida neste processo triplo, acompanhando movimentos e grupos sociais de diferente índole. Esta publicação propõe ilustrar a diversidade destes atores na construção do direito à cidade, através de conquistas, derrotas e rearticulações (em outras palavras: acertos, erros e recomposição de forças). Assim, documenta estratégias políticas que emanam desta diversidade de atores que buscam incluir este enfoque de direito coletivo nas instâncias de tomada de decisão. É difícil observar e entender as mudanças, as rebeliões e as propostas que surgem dos bairros e territórios. Cada uma dessas expressões corresponde a problemas diferentes de marginalidade, de delinquência, de segregação, de autoconstrução mal-assistida, estigmatização da pobreza. Frente a estas realidades, temos que difundir novos olhares, que entendam as singularidades locais, respeitem a diversidade e rejeitem os efeitos perversos que implicam as imagens negativas criadas pelo assistencialismo e discurso mediático. Como afirma o autor uruguaio Raul Zibechi nós que estamos comprometidos com a causa da emancipação e dos movimentos sociais necessitamos promover reflexões, análises e formulações teóricas que reconheçam e abordem estas sociedades outras, que as ciências sociais do sistema têm dificuldade em visualizar. 13 E agrega que é por isso que estamos necessitados de pensamento e ideias engajados nessas sociedades diferentes, não somente comprometidos com elas, mas sim fazendo parte delas. 14 Este livro não é um estudo científico sobre o direito à cidade como fizeram Lefebvre e vários outros autores entre os quais se destaca Harvey. Este livro se estende como um espaço de debate, confrontação de ideias, ilustração de experiências, formulação de dúvidas, mas, sobretudo, de certezas sobre a força do direito à cidade como ferramenta para uma cidade e, portanto, um mundo melhor. 12 Borja, Jordi, Los desafíos del territorio y los derechos de la ciudadanía, Zibechi Raúl, 2007, Dispersar el poder, Los movimientos como poderes antiestatales, Editorial Quimantú, Santiago de Chile, p Loc.cit.

19 Introdução 17 A estrutura do livro demonstra esta mesma vontade: está composto de duas grandes partes. A primeira inclui artigos a partir de uma reflexão teórica de autores destacados. Jordi Borja 15 introduz os problemas da cidade da perspectiva da democracia. Yves Jouffe 16 faz uma análise crítica do direito à cidade centrada no acesso ao espaço urbano. Esta crítica pode ser vislumbrada através da análise de Tovi Fenster 17 baseada no gênero, com o apoio do enfoque destas definições que Shelley Buckingham 18 introduz. De uma perspectiva diferente, Patricia Ezquerra e Henry Renna 19 propõem outra dimensão desta utopia indispensável: o direito à felicidade. Peter Marcuse 20 nos leva a uma reflexão sobre a dualidade entre o enfoque da individualidade dos direitos humanos e do enfoque coletivo do direito à cidade. Giuseppe Caruso 21 questiona até onde o direito à cidade pode mobilizar um movimento global sob esta bandeira. Esta primeira parte termina com as contribuições de Enrique Ortiz 22 e de Bola Fajemirokun 23, que explicam como este direito está sendo espacializado em suas respectivas regiões: América Latina e África. A partir destas introduções teóricas, a segunda parte é uma compilação de experiências sobre a aplicação do direito à cidade ao redor do mundo. Estas se desenvolvem em contextos geográficos, culturais, políticos, econômicos muito diferentes. Correspondem também a uma grande diversidade de estratégias adotadas pelos atores envolvidos. Para entender as diferentes facetas destas experiências, esta segunda seção do livro é construída em torno de quatro enfoques, correspondendo a estas diferentes estratégias: as lutas populares contra a marginalização e os despejos, as iniciativas populares de fortalecimento político; a implementação do direito a cidade através do marco legal; o planejamento e políticas públicas. Estas estratégias estão estreitamente articuladas entre elas e possuem uma lógica de continuidade no tempo a partir da resistência contra as violações do direito à cidade até sua implementação. Desta maneira, graças a estas iniciativas populares de lutas sociais, sustentadas durante décadas, alcançou-se em vários países a incorporação do direito à cidade nos marcos constitucionais e 15 Borja, Jordi, A democracia em busca da cidade futura, p Jouffe, Yves, Contra o direito à cidade acessível. Perversidade de uma reivindicação consensual, p Fenster, Tovi, O Direito à Cidade e a Vida Cotidiana Baseada no Gênero, p Buckingham, Shelley, O direito à cidade sob a perspectiva do gênero, p Ezquerra, Patricia, Renna, Henry, en este libro, Um horizonte para as políticas públicas? Notas sobre a felicidade., p Marcuse, Peter, Os direitos nas cidades e o direito à cidade?, p Caruso, Giuseppe, Una nova aliança para a cidade? Oportunidades e desafios da globalização do movimento pelo direito à cidade p Ortiz, Enrique, O processo de construção pelo direito à cidade: avanços e desafios, p Fajemirokun, Bola, O conceito e a implantação do direito à cidade na África Anglófona, p 125.

20 18 Cidades para normativos. O fato é ilustrado a partir dos relatos e análises de Brasil, Equador, Bolívia, México, países latino-americanos pioneiros neste grande desafio. A seção sobre políticas públicas e planejamento demonstra como estas ferramentas podem ser contrárias ao direito à cidade e ao bem-viver, acelerando e aprofundando os efeitos negativos da globalização mercantil. Por sua vez, podem ser instrumentos que geram processos de mudanças, revertendo situações de desigualdade e injustiça. Estes artigos são o fruto do trabalho de vários autores, acadêmicos, porém, sobretudo, militantes ou ativistas do direito à cidade, sendo que muitos deles pertencem a movimentos sociais de base. Esta diversidade de atores e, portanto, de tipo de artigos é o reflexo dessa mesma vontade, que expressava Zibechi, de divulgar as ideias e as práticas dos movimentos sociais, desde que mantenhamos o respeito a esses movimentos sem cair no erro de falar em nome deles. O outro desafio é o de acompanhá-los aportando capacidades e conhecimentos respectivos. Conscientes destes desafios, expressa-se a diversidade de caminhos emancipatórios para a efetivação do direito à cidade a construção de outra cidade. É fundamental reconhecer e tirar partido desta diversidade de pensar o direito à cidade e de como atuar para implementá-lo. Isso passa pela articulação e retroalimentação entre os autores assim como entre a teoria e a ação. O respeito dos processos sociais através de uma autocrítica permanente e uma vigilância de possíveis usurpações do propósito inicial do direito à cidade pode evitar a deturpação do discurso sobre este direito. Autores como Yves Jouffe e Tovi Fenster expressam de diferentes formas suas preocupações sobre este direito que, sendo instrumentalizado e não melhorado, pode ter efeitos negativos. Muitas mudanças se deram no mundo entre o surgimento do direito à cidade nas aulas do professor Lefebvre e as formas atuais de reivindicações dos movimentos sociais urbanos. O sociólogo estava convencido que o agente de mudança, a única classe social que podia atingir efetivamente uma transformação da sociedade e então da cidade, de implementar o direito à cidade, seria o proletariado encabeçado pela classe operária. Assim afirmava que somente a classe trabalhadora pode ser agente, portadora ou suporte social desta realização 24. Em 2010, o cenário apresenta-se diferente, pois a classe operária, num mundo globalizado neoliberal terceirizado, achou-se relegada a um segundo plano, sem o papel político que teve antes. Por isso, movimentos sociais, organizações, intelectuais, militantes e ativistas bastante diversos, porém todos em busca da mudança social, reivindicam como grupo mobilizado do movimento pelo direito à cidade e já não como parte da classe operária. Uma das mudanças 24 Lefebvre, H.Op.Cit. p108. Citação em francês «seule la clase ouvrière peut devenir l agent, porteur, ou support social de cette réalisation»

21 Introdução 19 mais relevantes que aconteceram nas últimas décadas é o reconhecimento do papel da mulher dentro destes processos. Desse modo, é de suma importância reconhecer a discriminação socialmente construída no espaço público contra a mulher, no momento de construir cidades mais igualitárias. Também é importante destacar o papel que o espaço do Fórum Social Mundial (FSM) facilitou para os movimentos sociais e para sua articulação numa expressão global do direito à cidade no mundo, conforme analisa Giuseppe Caruso. Efetivamente, o FSM há dez anos vem facilitando estratégias globais para que diferentes movimentos se conheçam, compartilhem, aprendam e reanalisem sua própria experiência à luz do discernido em outros movimentos. O fato tem levado movimentos e redes a formular Cartas, Declarações e Agendas para continuar com a luta pelo direito à cidade. Em outras publicações 25, HIC tem analisado os processos das diferentes cartas pelo direito à cidade e, particularmente, da Carta Mundial, como aqui explica Enrique Ortiz. Cidades para relata experiências desenvolvidas por muitos atores em várias regiões do mundo. Contamos com a participação de autores bastante diversos, de horizontes diferentes: mulheres e homens profissionais, acadêmicos, urbanistas, arquitetos, advogados, sociólogos, cientistas políticos, militantes de base; todos animados por uma força de resistência e por uma vontade proposta em direção ao direito à cidade. Por isso nos interessa mostrar que esta diversidade é a essência do direito à cidade e de uma possível aliança global, embora também dê conta de sua fragilidade e de possíveis efeitos perversos. Este livro traz olhares críticos ao direito à cidade, críticas construtivas para continuar levantando práticas e políticas alternativas à hegemonia do neoliberalismo, em todo o mundo. Necessitamos continuar construindo o direito à cidade, tanto nos debates como nas ações, objetivando um processo emancipatório. Os avanços até o direito à cidade enfrentam agora um momento decisivo. A ONU, que não se caracteriza particularmente por seu apoio às lutas sociais, internaliza o direito à cidade na convocatória do Fórum Urbano Mundial 5 (FUM), no Rio 26. Diante deste grande desafio, HIC, com este livro, coloca nesta feira urbana institucional e empresarial, o papel da sociedade civil que vem surgindo há décadas. Se a ONU incorpora o direito à cidade no FUM 5, é porque o Brasil é o país onde os movimentos e organizações sociais vem construindo este direito há mais de vinte anos, conforme explicam Nelson Saule e Karina 25 Nehls Martínez, N, Ortiz, E, Zárate, L (comp.), 2008, El derecho a la ciudad en el mundo. Compilación de documentos relevantes para el debate HIC-AL, Ciudad de México. 26 Fórum Urbano Mundial 5 The Right to the City-Bridging the Urban Divide, Rio de Janeiro, Brasil, 22 a 26 de março 2010.

22 20 Cidades para Uzzo 27. Contudo, isso também representa o perigo de instrumentalização destas lutas e da questão do direito à cidade, que por ter como característica a diversidade de opinião, estratégia também de atores, pode resultar fácil o esvaziamento do seu conteúdo de transformação da cidade e do sistema que a rege. Nesta perspectiva, a preparação de um Fórum Social Urbano, pode ser uma ferramenta poderosa nos esforços de construir um movimento global pelo direito à cidade a partir dos movimentos sociais. Dedicamos este livro às organizações e aos atores sociais, profissionais e acadêmicos da sociedade civil, que trabalham e lutam pelo direito à cidade no mundo, mas também aqueles interessados nestas questões, que sem saber que existe o direito à cidade, sem ter consciência das crescentes experiências, mobilizações, reflexões sobre este direito, percebem o poder deste tipo de ideias e a necessidade entrelaçar as lutas. É uma ferramenta para reconhecer o amplo espectro das lutas possíveis pelo direito a vivermos bem na cidade, a sermos dono de nosso próprio destino, mostrando as ações desenvolvidas no assunto e deixando pistas para articular as diferentes formas de lutar para outra cidade possível. Para facilitar a leitura das propostas e experiências apresentadas nesta publicação, apresentamos em seguida uma definição e uma explicação do direito à cidade para que todos os leitores possam contar com as ferramentas básicas para entender e apoderar-se desta proposta, caminho e projeto de direito à cidade. Referências Borja, Jordi. Los desafíos del territorio y los derechos de la ciudadanía Harvey, David. David Harvey at the World Social Forum, Belem org/articles.php?pid=3107. Lefebvre, Henri Le droit à la ville. Ed. Economica, Third Edition. Paris, Nehls Martínez, N., Ortiz, E., Zárate, L. (comp.) El derecho a la ciudad en el mundo. Compilación de documentos relevantes para el debate HIC-AL, Mexico City, Purcell, Mark. Le Droit à la ville et les mouvements urbains contemporains. Droit de Cité, Rue Descartes, No Tortosa, José María. Sumak Kawsay, Suma Qamaña, Buen Vivir net/noticia/sumak-kawsay-suma-qamana-buen-vivir. Zibechi, Raúl. Dispersar el poder, Los movimientos como poderes antiestatales. Editorial Quimantú. Santiago de Chile, Saule, Nelson, Uzzo Karina: A trajetória da reforma urbana no Brasil, p 259

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FSM 2009: ENCONTRO SEM FRONTEIRAS AMAPÁ/SURINAME/GUIANAS TEMA: MIGRAÇÕES HUMANAS & DIREITOS HUMANOS

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Vicente Trevas, Vice-Presidente da RIAD e Subchefe de Assuntos Federativos da Presidência da República do Brasil. Inicialmente, gostaria de colocar algumas

Leia mais

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005 Qualificação Horizontes BSB, 22 de novembro de 2005 Campo Qualificação Conceito: espaço social específico com autonomia relativa onde os sujeitos sociais atuam refletindo sua ação mais geral na sociedade

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Boas Práticas. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador

Boas Práticas. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador Programa de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente Trabalhador Governo Autônomo Departamental de Santa Cruz de la Sierra BOLIVIA Índice Antecedentes... 2 Linhas estratégicas... 2 Ação...

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM

EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM EMPRESAS, GOVERNO E SOCIEDADE CIVIL TRABALHANDO JUNTOS PARA O BEM COMUM XXV CONGRESSO MUNDIAL UNIAPAC 10º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE 30 DE SETEMBRO 1º E 2 DE OUTUBRO BEM COMUM Conjunto

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Sementes da Esperança Perspectivas de sustentabilidade, passos para a mudança.

Sementes da Esperança Perspectivas de sustentabilidade, passos para a mudança. Exposição Sementes da Esperança Perspectivas de sustentabilidade, passos para a mudança. DESCRITIVO Em 2002, durante a Conferência Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável realizada na África do Sul,

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 30/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15547

Leia mais

Propostas para uma Política Municipal de Migrações:

Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Ao companheiro Fernando Haddad Novo Prefeito de São Paulo, Propostas para uma Política Municipal de Migrações: Saudamos o novo prefeito de São Paulo, por sua expressiva eleição e desde já desejamos que

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais