Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases"

Transcrição

1 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 1. Estruturação da Cidade Alargada 1.1. Estrutura/Modelo de ordenamento 1.2. Colmatação necessária 2. Classes e categorias de solo 2.1. Infraestruturas versus edificabilidade 2.2. Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade 2.3. Categorias de solo e ocupação dispersa 3. Orientações executórias e perequativas no quadro de planos 3.1. Orientações executórias e programação 3.2. Perequação e avaliação do solo urbano

2 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 1. Estruturação da Cidade Alargada Estrutura/Modelo de Ordenamento Equipa do PU de Abrantes Apresentação de Jorge Carvalho

3 Estruturação da Cidade Alargada De diagnóstico a desígnios de Ordenamento Transformação urbana ocorrida em Portugal Fragmentada e dispersa Edificação excessiva Abandono do velho Pouco estruturada Desígnios de Ordenamento Assumir a Cidade Alargada Combater alastramento edificatório Fomentar a regeneração Estruturar a Cidade Alargada

4 Estruturação da Cidade Alargada Quadro legal (orientações) Lei de Bases (Art.º 2.º - Fins): - aproveitamento racional do solo, recurso escasso. - conter a expansão urbana e a edificação dispersa RJIGT: - Estrutura ecológica - Redes de transporte e mobilidade - Redes de infraestruturas e equipamentos coletivos Assumidas com recurso territorial (art.º 16.º, 20.º e 21.º); integrando conteúdo dos PMOT (art.º 75.º, 96.º, 99.º e 102.º)

5 Modelo/Referencial para Estruturar a Cidade Alargada ESPAÇOS CONSTITUTIVOS ESPAÇOS URBANOS ESPAÇOS URBANOS/ RURAIS ESPAÇOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS DA CIDADE Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

6 Modelo/Referencial para Estruturar a Cidade Alargada MATRIZ ESTRUTURANTE (REDES ARTICULADAS) REDE DE MOBILIDADE CORREDORES ECOLÓGICOS E PERCURSOS LÚDICOS PÓLOS VIVENCIAIS ESPAÇOS CONSTITUTIVOS ESPAÇOS URBANOS ESPAÇOS URBANOS/ RURAIS ESPAÇOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS DA CIDADE Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

7 Modelo/Referencial para Estruturar a Cidade Alargada MATRIZ ESTRUTURANTE (REDES ARTICULADAS) REDE DE MOBILIDADE CORREDORES ECOLÓGICOS E PERCURSOS LÚDICOS PÓLOS VIVENCIAIS ESPAÇOS CONSTITUTIVOS ESPAÇOS URBANOS ESPAÇOS URBANOS/ RURAIS ESPAÇOS AGRÍCOLAS E FLORESTAIS DA CIDADE Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

8 Espaços Constitutivos PU de Abrantes Área do Plano Urbano consolidado/ a consolidar Industrial Urbano-Rural Agroflorestal

9 Combater alastramento edificatório PU de Abrantes Perímetro urbano em vigor

10 Combater alastramento edificatório PU de Abrantes Perímetro urbano em vigor Perímetro urbano proposto

11 Combater alastramento edificatório PU de Abrantes Perímetro urbano em vigor Perímetro urbano proposto Espaços urbanos de baixa densidade

12 Combater alastramento edificatório PU de Abrantes Perímetro urbano em vigor Perímetro urbano proposto Espaços urbanos de baixa densidade Espaços rurais de ocupação dispersa

13 Combater alastramento edificatório PU de Abrantes Perímetro urbano em vigor Perímetro urbano proposto Espaços urbanos de baixa densidade Espaços rurais de ocupação dispersa Espaços agroflorestais

14 Metodologia para desenho de Matriz Estruturante do Território Rede de Mobilidade e Acessibilidade Existente Proposta Matriz Estruturante Existente Unidades Territoriais, barreiras e fronteiras Percetíveis/ não percetíveis Proposta Rede Ecológica Existente Proposta Insuficiências Potencialidades Proposta Resolução de insuficiências Aproveitamento de potencialidades Polos Vivenciais (centralidades, equipamentos, monumentos) Existente Proposta Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

15 Matriz Estruturante PU de Abrantes Rede de Mobilidade e Acessibilidade Vias estruturantes nível 1 Vias estruturantes nível 2 Vias estruturantes nível 1 Vias estruturantes nível 23 Vias Ferrovia estruturantes nível 3 Ferrovia Estação ferroviária Rede Ecológica Percursos pedonais Corredores ecológicos Espaço verde público Unidades Territoriais, Fronteiras e Barreiras limite Polos Vivenciais Centro da Cidade Centros locais Eixos terciários

16 Carta de Ordenamento PU de Abrantes Espaços Canais Rede rodoviária Rede ferroviária Rede pedonal Solo Urbano Espaços centrais Espaços de uso especial Espaços para atividade económicas Espaços residenciais Verde urbano Espaços urbanos de baixa densidade Solo Rural Espaços rurais de ocupação dispersa Espaços de conservação Espaços agrícolas Espaços florestais Outros espaços em solo rural

17 Estruturação da Cidade Alargada PUA face aos desígnios de Ordenamento Desígnios de Ordenamento PU de Abrantes Assumir a Cidade Alargada Estruturar a Cidade Alargada Modelo apresentado Combater alastramento edificatório Fomentar a reabilitação Regulamentação e programas específicos

18 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 1. Estruturação da Cidade Alargada A Colmatação Necessária Equipa do PU de Abrantes Apresentação de Carina Pais

19 Estruturação da Cidade Alargada Colmatação Urbana - Conceito Expansão Urbana Colmatação Urbana operação urbanística em terreno não edificado, localizado em contexto dominantemente urbanizado Regeneração Urbana

20 Estruturação da Cidade Alargada De desígnios às operações urbanísticas adequadas Operações Urbanísticas Expansão Colmatação Regeneração

21 Estruturação da Cidade Alargada De desígnios às operações urbanísticas adequadas Operações Urbanísticas Expansão Colmatação Regeneração Desígnios de Ordenamento Contrariar o alastramento edificatório Fomentar a regeneração Estruturar a Cidade Alargada Áreas consolidadas Áreas a consolidar

22 Estruturação da Cidade Alargada De desígnios às operações urbanísticas adequadas Operações Urbanísticas Expansão Colmatação Regeneração Desígnios de Ordenamento Contrariar o alastramento edificatório Fomentar a regeneração Estruturar a Cidade Alargada Áreas consolidadas Áreas a consolidar não não não não talvez talvez sim sim sim sim sim sim

23 Estruturação da Cidade Alargada De desígnios às operações urbanísticas adequadas Operações Urbanísticas Expansão Colmatação Regeneração Desígnios de Ordenamento Contrariar o alastramento edificatório Fomentar a regeneração Estruturar a Cidade Alargada Áreas consolidadas Áreas a consolidar não não não não talvez talvez Colmatação admissível Colmatação estruturante sim sim sim sim

24 Estruturação da Cidade Alargada Dois tipos de Colmatação Urbana Colmatação admissível escala local não prioritária, casuística depende de iniciativa privada licenciamento individualizado, (compatível com infraestrutura disponível) Colmatação estruturante estruturante (necessária) escala da Cidade Alargada prioritária, estruturante e criteriosa exige dinamização pública e articulação com privados operações integradas, sistemáticas e programadas

25 Estruturação da Cidade Alargada Colmatação Admissível (face à infraestrutura existente) Aproveitar capacidade instalada na rede de infraestruturas Fomentar equilíbrio entre infraestruturas e edificabilidade Modelo Infraestruturas versus Edificabilidade desenvolvimento e calibração de ferramenta metodológica no PU de Abrantes

26 Estruturação da Cidade Alargada Colmatação Estruturante Explicitação de: Rede de Mobilidade e Acessibilidade Existente Proposta Matriz Estruturante Existente Criação ou reforço de: Unidades Territoriais, barreiras e fronteiras Percetíveis/ não percetíveis Proposta Rede Ecológica Existente Proposta Insuficiências Potencialidades Proposta Resolução de insuficiências Aproveitamento de potencialidades Polos Vivenciais (centralidades, equipamentos, monumentos) Existente Proposta

27 Matriz Estruturante PU de Abrantes

28 Colmatação Estruturante PU de Abrantes

29 Colmatação Estruturante PU de Abrantes

30 Explicitação da Rede Viária Estruturante PU de Abrantes OE16. Ligação da Rua da Indústria ao Largo do Comércio Objetivos Articulação da rede viária da Zona Norte, para melhoria da relação Norte-Sul a partir da Av. Farinha Pereira Programa Construção de troço viário, com construção adjacente, incluindo a demolição de edifícios existentes. Orientações executórias e financiamento municipal a) UE por cooperação b) Os promotores que ficam na posse dos lotes, disponibilizam terreno e suportam custos da operação c) De evitar, à partida, investimento municipal. Caso este seja necessário, será recuperado com a venda dos lotes

31 Cruzamento de Redes Estruturantes (Ecológica e de Mobilidade) PU de Abrantes OE7. Centro da Arca d Água e Rede Viária com que se articula Objetivos a. Ligação de Partes de Cidade, articulando malha viária existente b.criação de centro local de Arca d Água c. Criação de frente edificada confrontante com parque previsto Programa a. Construção de novo troço viário, com construção adjacente. b.percurso pedonal e espaço verde associados a ligação viária com a Av. da Escola Nova. c. Criação de praça marginada por terciário e equipamentos. Orientações executórias e financiamento municipal a. UE por cooperação b. CMA financia novo troço viário e apoia equipamentos Custo (estimativa) de obras de urbanização Equipamento local (E6.2) 30% de Investimento municipal (saldo, estimativa) = c. Promotores na posse de lotes suportam o restante da operação

32 Articulação de Partes de Cidade PU de Abrantes - OE4. Relação Centro-Histórico - Hospital Objetivos Melhoria da relação entre o Centro Histórico e o Hospital Programa a. Construção de rotunda b. Reformulação de zona de estacionamento automóvel c. Construção de edifício (T15) que assegure continuidade pública pedonal entre o Centro-Histórico e o Hospital T15 Orientações executórias e financiamento municipal Concurso de conceção/construção em terreno municipal, a adjudicar em função da qualidade do projeto e de contrapartidas (financeiras ou obras de urbanização). Custo (estimativa) de obras de urbanização Valor do terreno (municipal) Valor do lote T15 = (± 7.000m 2 de ac) Investimento municipal (saldo, estimativa) = 0

33 Qualificação de Pontos-chave (centralidades) PU de Abrantes OE3. Nó do Mercado Objetivos a. Criação de entrada qualificada e percetível no Centro Histórico b.valorização da relação do CH com o Vale da Fontinha Programa a. Demolição e substituição do edifício do Mercado, por edifício-fronteira-miradouro T14. b. Alargamento do espaço público, para melhor circulação automóvel e qualificação do espaço pedonal Orientações executórias e financiamento municipal Operação integrada de iniciativa municipal, podendo associar parceiro investidor. Exigência de qualidade do projeto do edifício T14 recomenda concurso de ideias partindo do programa e solução propostos. T14 Custo (estimativa) de obras de urbanização Custo (estimativa) da construção do edifício T Valor do edifício T14= (± 2.150m 2 de ac) Investimento municipal (saldo, estimativa) =

34 Estruturação da Cidade Alargada Colmatação Estruturante Orientações executórias Execução Sistemática (Lei de Bases, art.55º) Identificação de Operações Estratégicas e Integradas Formulação de programa, incluindo orientações executórias, modelo de financiamento e desenho urbano variável Programação municipal (prioridade de investimento público e do esforço municipal de dinamização e associação de agentes)

35 Estruturação da Cidade Alargada PUA face aos desígnios de Ordenamento Desígnios de Ordenamento Estruturar a Cidade Alargada Contrariar alastramento edificatório Fomentar regeneração (em áreas a consolidar) PU de Abrantes Colmatação Estruturante para: - explicitação e qualificação de redes estruturantes - reforço de polos vivenciais Colmatação Admissível a custo zero face à capacidade da infraestrutura instalada

36 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 2. Classes e categorias de solo Infraestruturas versus Edificabilidade Equipa do PU de Abrantes Apresentação de Frederico Moura e Sá

37 Classes e categorias de solo De diagnóstico a desígnios de Ordenamento Diagnóstico Desígnios de Ordenamento Permanente extensão das infraestruturas (suporte/perpetuação da ocupação dispersa) Subutilização das infraestruturas (em particular na ocupação dispersa) Evitar alastramento da rede de infraestruturas Aproveitar capacidade instalada na rede de infraestruturas Dimensionamento sectorial e pouco racional das infraestruturas (não considera níveis de serviço) Fomentar equilíbrio entre infraestruturas e edificabilidade

38 Desígnios de Ordenamento Evitar alastramento da rede de infraestruturas Aproveitar capacidade instalada na rede de infraestruturas Fomentar equilíbrio entre infraestruturas e edificabilidade? RICARDO ESPINOSA

39 Classes e categorias de solo Quadro legal (orientações) Lei de Bases (Art.º 2.º - Fins): conter a expansão urbana e a edificação dispersa assegurando a igualdade de oportunidades dos cidadãos no acesso às infraestruturas (igualdade de oportunidades não pode significar iguais níveis de serviço) Lei de Bases (Art.º 37.º - Objetivos da gestão territorial): A rentabilização de infraestruturas, evitando a extensão desnecessária das redes e dos perímetros urbanos e racionalizando o aproveitamento das áreas intersticiais RJUE (Art.º 37.º - Indeferimento do pedido de licenciamento) O pedido de licenciamento deve ser indeferido na ausência de infraestruturas de abastecimento de água e saneamento ou se a obra projetada constituir, comprovadamente, uma sobrecarga incomportável para as infraestruturas existentes.

40 Modelo Infraestruturas versus Edificabilidade CARGA DE UTILIZAÇÃO EM CADA TROÇO CAPACIDADE SERVIÇO DE CADA TROÇO CARGA DE UTILIZAÇÃO (distingue funções de circulação e estadia pedonal, circulação e estacionamento automóvel no momento de ponta da via) = ESPAÇO PÚBLICO (perfis-transversais tipo previamente fixados) + CARGA MARGINAL (decorrente da edificação marginal (considerando área de construção, tipologia morfotipológica e uso)) + PRESENÇA DE OUTROS SUBSISTEMAS DE INFRAESTRUTURAS (abastecimento de água, esgoto e eletricidade) CARGA EQUIPAMENTOS (caso existam) + CARGA ATRAVESSAMENTO (automóvel e pedonal (fluxos padrão))

41 Modelo Infraestruturas versus Edificabilidade CARGA DE UTILIZAÇÃO EM CADA TROÇO (somando cargas: de atravessamento, de equipamentos e marginal) CAPACIDADE SERVIÇO DE CADA TROÇO (considerando referenciais específicos por função (pedonal, circulação automóvel e estacionamento); adotando o perfil-tipo conforme referido) AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CADA TROÇO VIÁRIO FACE À UTILIZAÇÃO ATUAL A CARÊNCIA / SOBRECARGA FOLGA REDUÇÃO DA EDIFICABILIDADE A UNIDADES FUNCIONAIS / 100 M DE VIA (correspondendo a: 130 m2 de ABC na generalidade dos casos, 200 m2 quando vivendas; 400 m2 quando indústrias/ armazéns) LIMITE À EDIFICABILIDADE IMPOSTO POR CRITÉRIO DE NATUREZA URBANÍSTICA (COERÊNCIA MORFOTIPOLÓGICA) (edifícios coletivos 60 u.f. /100m de via; moradias 20 u.f. /100m de via; indústria / armazéns 10 u.f. /100m de via) CLASSIFICAÇÃO DA CARÊNCIA DE CADA TROÇO EM FUNÇÃO DA RESPETIVA INTENSIDADE carência global (sobrecarga nas três funções); carência intermédia (sobrecarga em duas das funções); e carência singular (sobrecarga numa só das funções) AVALIAÇÃO DAS FOLGAS DE EDIFICABILIDADE DE CADA TROÇO EM UNIDADES FUNCIONAIS (considerando o perfil da via e a existência ou não de cada uma das demais infraestruturas (água, esgoto e eletricidade). Quando existam as três, é considerada situação de existência de folga a custo zero )

42 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE ABRANTES - CARÊNCIAS

43 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE ABRANTES - FOLGAS

44 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE ABRANTES FOLGAS A CUSTO ZERO

45 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE ABRANTES QUANTIFICAÇÃO DE CARÊNCIAS E FOLGAS

46 Classes e categorias de solo PUA face aos desígnios de Ordenamento Desígnios de Ordenamento Evitar alastramento da rede de infraestruturas PU de Abrantes Espaço de experimentação Desenvolvimento e calibração da ferramenta metodológica apresentada Aproveitar capacidade instalada na rede de infraestruturas Fomentar equilíbrio entre infraestruturas e edificabilidade PU de Abrantes Conteúdo Infraestrutura existente como base: Para delimitar áreas urbanas e áreas rurais; Para regulamentação relativa às infraestruturas nas áreas urbano-rurais

47 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 2. Classes e categorias de solo Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Equipa do PU de Abrantes Apresentação de Ana Blanco

48 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade De diagnóstico a desígnios de Ordenamento Diagnóstico Consumo e degradação excessivos de recursos naturais Ocupações edificatória e agroflorestal fragmentadas Riscos e aumento da vulnerabilidade face às alterações climáticas Desígnios de Ordenamento Assumir e potenciar as áreas agrícolas e florestais da Cidade Alargada Estruturar a Cidade Alargada Fomentar as funções e serviços ecossistémicos e incrementar a resiliência dos ecossistemas

49 Acordos internacionais mudança de paradigmas: Anos 60 Anos 70 Anos 70 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Acordos internacionais e enquadramento comunitário > proteção direta do homem face a poluentes > conservação de recursos genéticos face ao risco nuclear > reservas da biosfera: proteção e conservação de espécies e habitats Anos 80/90 > desenvolvimento sustentável: Convenção da Diversidade Biológica e Protocolo de Quioto Anos 90/ > sustentabilidade estendida à generalidade do território, considerando os serviços e funções dos ecossistemas como suporte básico do bem estar humano Enquadramento comunitário: Obrigações legais - Diretivas Aves e Habitats (delimitação e gestão de áreas de proteção) - Diretiva-quadro no Domínio da água (gestão de qualidade e quantidade da água) Orientações - Politica dos setores florestal e paisagem - Plano de ação para a biodiversidade - Infraestrutura Verde (Rede Ecológica de alargamento e conetividade das áreas Financiamento: - Política Agrícola Comum (30% dos fundos PDR 2014/2020 para medidas - Outros: Programa LIFE, Plano Operacional Temático, Planos Operacionais Regionais

50 Art.º2 Fins Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Quadro legal (Lei de Bases) a) Valorizar as potencialidades do solo, salvaguardando a sua qualidade e a realização das suas funções ambientais, enquanto suporte físico fonte de matérias primas e de produção de biomassa, reservatório de carbono e reserva de biodiversidade; d) Aumentar a resiliência do território aos efeitos climáticos extremos, combater os efeitos da erosão ; i) Assegurar o aproveitamento racional e eficiente do solo, enquanto recurso natural escasso e valorizar a biodiversidade; l) l) Dinamizar as potencialidades das áreas agrícolas, florestais e silvo-pastoris; Art.º3, n.º1 Princípios gerais b) Responsabilidade estabelecendo o dever de reposição ou de compensação de danos que ponham em causa o património natural, cultural e paisagístico; (= LBA) h) Economia e eficiência, assegurando a utilização racional dos recursos naturais, a sustentabilidade ambiental e financeira das opções adotadas pelos programas e planos ; Art.º3, nº2 Princípios gerais ambientais a) Do desenvolvimento sustentável para o que concorrem a preservação de recursos naturais, a capacidade de produção dos ecossistemas a longo prazo, o ordenamento do território racional e equilibrado, a salvaguarda da biodiversidade, do equilíbrio biológico, do clima e estabilidade geológica, harmonizando a vida humana e o ambiente.

51 RJIGT Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Quadro legal (RJIGT e RJCNB) Art.º 10 Identificação dos recursos territoriais (pelos programas e planos territoriais) Art.º12 Recursos e valores naturais 1. indispensáveis à utilização sustentável do território 2. designamente: a) Áreas protegidas e as zonas únicas que integram; b) Outros recursos naturais relevantes para a conservação da natureza e da biodiversidade; Art.º14 Áreas agrícolas e florestais Art.º16 Estrutura Ecológica 1. as áreas, os valores e os sistemas fundamentais para a proteção e valorização ambiental Art.º 99, b) (PU): A conceção geral, a partir da qualificação do solo, definindo a estrutura ecológica RJCNB Art.º 2 Âmbito 1. é aplicável ao conjunto dos valores e recursos naturais Art.º16 Definições r) Valores naturais os elementos da biodiversidade, paisagens, territórios, habitats ou geossítios; Art.º5 Rede Fundamental de Conservação da Natureza 1. composta por: a) áreas classificadas b) áreas de continuidade (REN, RAN, DPH)

52 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Modelo de solução adotado MODELO DE ANÁLISE Áreas classificadas REN, RAN, DPH Rede Fundamental de Conservação da Natureza (abrangência territorial excessiva) Valores naturais (reconhecidos) Componentes físicos (água, solo, morfologia) Riscos e vulnerabilidades Fragmentação edificada e agroflorestal Perturbações e barreiras Biodiversidade (potencial) e metapopulações Leitura integrada multi-escala, de acordo com áreas biogeográficas e sob o princípio da coerência ecológica? Como se articulam? Estrutura Ecológica Fundamental - Áreas nucleares (viabilidade de populações) - Estabelecimento de conetividade (estrutural/funcional) - Permeabilidade do território (perturbações e barreiras) Medidas agroambientais Áreas de produção agrícola e florestal Medidas de mitigação de riscos Estrutura Ecológica (conceito vago) Seleção de instrumentos executórios e financeiros Execução efetiva e eficaz (em vez de mera restrição) Seleção criteriosa de prioridades

53 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Assumir e potenciar as áreas agrícolas e florestais da Cidade Alargada (exemplo PUA, em curso) CATEGORIAS DE SOLO Limite do Plano Perímetro Urbano Linhas de Água Espaços de Conservação Galerias Ripícolas Espaços Agrícolas de Conservação Espaços Florestais de Conservação Espaços Agrícolas Espaços Agrícolas de Policultura Espaços Agrícolas de Produção Espaços Florestais Espaços Florestais de Baixa Combustibilidade Espaços Florestais de Produção Outros Espaços Espaço Rural de Ocupação Dispersa (Solo Rural) Espaço Verde Público Urbano (Solo Urbano) Espaço Verde Público de Proteção (Solo Urbano)

54 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Fomentar funções e serviços ecossistémicos / Incrementar resiliência dos ecossistemas (exemplo PUA, em curso) ESTRUTURA ECOLÓGICA FUNDAMENTAL Limite do Plano Perímetro Urbano Linhas de Água Espaços de Conservação Galerias Ripícolas Espaços Agrícolas de Conservação Espaços Florestais de Conservação Outros Espaços Espaço Rural de Ocupação Dispersa (Samarra) Espaço Verde Público Urbano (Solo Urbano) Espaço Verde Público de Proteção (Solo Urbano)

55 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Estrutura Ecológica Fundamental versus RFCN (exemplo PUA, em curso) Limite do Plano Perímetro Urbano Linhas de Água Estrutura Ecológica Fundamental REN + RAN +DPH

56 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Estrutura Ecológica Fundamental versus RFCN (exemplo PUA, em curso) Limite do Plano Perímetro Urbano Linhas de Água Estrutura Ecológica Fundamental REN + RAN +DPH Questões Restrição versus ação? Que áreas estritamente necessárias? Instrumentos de execução e financiamento?

57 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade OE 21. Margem do Tejo (exemplo PUA, em curso) Objetivos a. Qualificação ambiental da encosta do Tejo e galerias ripícolas, integradas no corredor ecológico ibérico. b. Promoção de atividades turísticas e de lazer da Cidade. Programa a. Ações de erradicação de invasoras, de rearborização com espécies de autóctones folhosas e de instalação de pastagens biodiversas. b. Criação de percurso pedonal, inserido da Rota do Tejo. Orientações executórias e financiamento municipal a. Elaboração de Plano de Gestão Florestal. b. Arborização e manutenção, pelos proprietários, com possibilidade de cofinanciamento do FEADER. Custo (estimativa) de elaboração PGF Custo (estimativa) de obras de florestação Investimento municipal (estimativa)

58 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade Oe 20. Florestação da Samarra (exemplo PUA, em curso) Objetivos Regulação hidráulica e mitigação de erosão do solo Programa a. Ações arborização de áreas agrícolas e de incultos com espécies folhosas autóctones. b. Ações periódicas de manutenção florestal. Orientações executórias e financiamento municipal a. Elaboração de Plano de Gestão Florestal. b. Arborização e manutenção, pelos proprietários, com possibilidade de cofinanciamento do FEADER. Custo (estimativa) de elaboração PGF Custo (estimativa) de obras de florestação Investimento municipal (saldo) = 750

59 Estrutura ecológica e áreas agrícolas e florestais da Cidade PUA face aos desígnios de Ordenamento (exemplo PUA, em curso) Desígnios de Ordenamento PU de Abrantes Assumir e potenciar as áreas agrícolas e florestais da Cidade Alargada Estruturar a Cidade Alargada Fomentar as funções e serviços ecossistémicos e incrementar a resiliência dos ecossistemas Integração no PU de áreas agroflorestais Compatibilização das funções produtivas e ecológicas Minimização de riscos Estabelecimento da Estrutura Ecológica Fundamental Integração na Rede Estruturante da Cidade Alargada Mecanismos executórios e apoio financeiro

60 Seminário Plano de Urbanização no quadro da nova Lei de Bases 2. Classes e Categorias de Solo Categorias de Solo e Ocupação Dispersa Equipa do PU de Abrantes Apresentação de Jorge Carvalho

61 OCUPAÇÃO DISPERSA UMA DEFINIÇÃO QUE ATITUDE COMO ORDENAR PROJETO DE INVESTIGAÇÃO CUSTOS E BENEFÍCIOS, À ESCALA LOCAL, DE UMA OCUPAÇÃO DISPERSA [ ] Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

62 Classes e categorias de solo versus Ocupação Dispersa De diagnóstico a desígnios de Ordenamento Diagnóstico Ocupação dispersa versus ocupação concentrada: - Ocupa 5 x mais solo - Infraestruturas custam 3 x mais Desígnios de Ordenamento Combater o alastramento da ocupação dispersa Ocupação dispersa ocupa grandes áreas, é realidade incontornável Assumir e ordenar a ocupação dispersa existente

63 Modelo para Ordenar a Ocupação Dispersa existente Polarizar e equipar cada unidade vivencial Identificar / cartografar a OD Enquadrar a OD em unidades vivenciais Estabilizar a rede viária Fixar o nível de serviço de cada troço viário Fixar a edificabilidade admissível em cada troço viário Divulgar os custos da opção viver em OD Fomentar e recriar os usos rurais Jorge Carvalho I Ana Blanco I Carina Pais I Frederico Moura e Sá I ordenaracidade.pt

64 Classes e categorias de solo versus Ocupação Dispersa Quadro Legal Lei de Bases mantém dicotomia urbano/rural (art.º 10º) : 2. b) «Solo urbano» o que está total ou parcialmente urbanizado ou edificado e, como tal, afeto em plano territorial à urbanização ou à edificação; 2. a) «Solo rústico»,.. aquele que não seja classificado como urbano. Mas DR 11/09 prevê as categorias: - Espaços urbanos de baixa densidade - art.º 21º 1. f) - Espaços rurais de edificação dispersa - art.º 19º 2. b)

65 Espaços Urbano/Rurais no PU de Abrantes Área do Plano Urbano consolidado/ a consolidar Industrial Urbano-Rural Agroflorestal

66 Espaços Urbano/Rurais no PU de Abrantes Área do Plano Urbano consolidado/ a consolidar Industrial Espaços urbanos de baixa densidade Espaços rurais de ocupação dispersa Agroflorestal

67 Espaços Urbano/Rurais no PU de Abrantes Regulamento SOLO URBANO 1. O solo urbano delimitado é o necessário e o suficiente para assegurar o desenvolvimento edificatório e económico da Cidade. 2. O solo urbano delimitado pelo Plano tem como objetivos: a) O fomento da regeneração urbana. b) A estruturação da Cidade, conforme c) A indispensável colmatação urbana, face. 3. O solo urbano integra espaços urbanos de baixa densidade, assumidos como categoria híbrida urbano/rural, com regulamentação própria em SOLO RURAL 1. O solo rural abrangido pelo Plano é o necessário para estabelecer uma intervenção integrada de planeamento, assegurando serviços de ecossistemas. 2. O solo rural integrado no Plano tem como objetivos: a) A proteção de valores ambientais e paisagísticos. b) A produção de externalidades positivas para... toda a Cidade c) O fomento do potencial económico próprio, articulando produção primária com atividades recreativas, pedagógicas, de hotelaria,. 3. O solo rural integra espaços de edificação dispersa, assumidos como categoria híbrida rural/urbana, com regulamentação própria em

68 Espaços Urbano/Rurais no PU de Abrantes Regulamento Secção x - Espaços Urbanos de Baixa Densidade Art.º x Âmbito, objetivos e identificação 1. Os espaços urbanos de baixa densidade são dominantemente constituídos por parcelas com edificação e possibilidade de utilização agrícola, marginadas por arruamentos infraestruturados. Art.º x - Regras aplicáveis 1. O espaço público obedece às seguintes regras: a) É constituído dominantemente por arruamentos existentes, nos quais podem ocorrer alargamentos. c) Não é permitida a abertura de novos arruamentos para além dos expressamente previstos na Planta de Zonamento. e) Os arruamentos são servidos por redes públicas de (todas, podendo adotar soluções aéreas) 2. O parcelamento obedece às seguintes regras: a) Os lotes resultantes têm frente mínima de 15m. d) Quando o prédio objeto de loteamento incluir uma parcela classificada como rural pelo PUA, tal parcela deve ficar funcionalmente ligada a um dos lotes urbanos a constituir, 4. A edificação, em prédios existentes ou a constituir por loteamento, obedece às seguintes regras: c) Área de construção 16m 2 / m de frente da parcela.

69 Espaços Urbano/Rurais no PU de Abrantes Regulamento Secção x - Espaços Rurais de Edificação Dispersa Art.º x Âmbito, objetivos e identificação 1. constituídos por prédios de uso rural pontuados por edifícios. Art.º x - Regras aplicáveis 2. Condições prévias para que possa ser autorizada edificação: a) Não implicar qualquer investimento público em infraestruturas. b) Prédio legalmente constituído antes PUA ou, caso resulte de parcelamento posterior, ter área 5000m2. 4. Serviço de infraestruturas: a) Vias existentes, não sendo permitida a abertura de novas, salvo b) Redes públicas elétrica aérea de baixa tensão, de abastecimento de água e de recolha de resíduos não orgânicos. c) Tratamento dos efluentes em ETAR compacta privada, salvo. d) Tratamento dos resíduos orgânicos através compostagem, salvo. 5. A edificação obedece às seguintes regras: c) A área de construção não pode ultrapassar a maior das seguintes: 250m 2 ; índice de 0,06m 2 de ac/m 2 de terreno.

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL

A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL A REFORMA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS TERRITORIAIS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL PRINCIPAIS NOVIDADES DO REGIME JURÍDICO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL José António Lameiras 13 de Julho de

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO Plano de Pormenor de Parte da Zona Industrial de Cacia CÂMARA MUNICIPAL DE AVEIRO junho de 2013 Índice 1. Introdução 2. Programa de Execução 2.1 Primeira fase

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

ordenamento do território

ordenamento do território O desenho urbano serve o território. Neste campo, o território tem sofrido influências sob a forma de como a sua ocupação é encarada: desde o urbanismo como esté#ca ao urbanismo como obra de engenharia,

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ

SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ SEMINÁRIO INTERNACIONAL ESPAÇO PÚBLICO ACESSIBILIDADE E CIDADANIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA A AV. DR. LOURENÇO PEIXINHO FREDERICO MOURA E SÁ 4 DE OUTUBRO DE 2011. AVEIRO EQUIPA: Câmara Municipal de Aveiro

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território

FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS. Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território FÓRUM DE INTERCÂMBIO DE EXPERIÊNCIAS SUSTENTÁVEIS 7 Novembro Santiago de Compostela Desenvolvimento de Atividades Inovadoras para a Gestão do Território 2 DESOURB Desenvolvimento Urbano Sustentável EIXOS

Leia mais

Alterações Legislativas Necessárias. Beatriz Condessa

Alterações Legislativas Necessárias. Beatriz Condessa Alterações Legislativas Necessárias Beatriz Condessa Tópicos (Des)adequação do Plano de Pormenor (tempo, objetivo, execução) (Défice da) capacidade de financiamento e gestão das operações Minimização do

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO

INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO, DE PROGRAMAÇÃO E DE GESTÃO Áreas de reabilitação urbana, Planos de pormenor de reabilitação urbana, Programas de Acção Territorial Outros instrumentos 1. Os elementos essenciais

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural 2014 2020 Seminário A PAC rumo a 2020: fazer face aos desafios da sustentabilidade João Marques DSPP 19 de Abril de 2013 1 1 Programação do Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO Projecto final Projecto final Plano de Pormenor para a Unidade de Planeamento UP1de Santo Amador - Moura PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO Janeiro de 2010 1. INTRODUÇÃO De acordo com o prescrito

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português Território?

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA Paula Morais mail@paulamorais.pt O REGIME LEGAL DA REABILITAÇÃO URBANA Alguns aspectos da sua evolução Decreto Lei n.º 307/2009, de 27 de Outubro Decreto Lei n.º

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N T R A

C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N T R A PLANO DE URBANIZAÇÃO DA SERRA DA CARREGUEIRA - PROGRAMA DE EXECUÇÃO - f e v e r e i r o d e 2 0 1 4 C Â M A R A M U N I C I P A L D E S I N T R A Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL

PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL PROGRAMA DE EXECUÇÃO E PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DE CARCAVELOS SUL Março de 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS GERAIS E COMPLEMENTARES DO

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Intervenção Urbanística - do Plano ao Projeto

Intervenção Urbanística - do Plano ao Projeto Seminário "Lei de Bases da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo" Intervenção Urbanística - do Plano ao Projeto José Antunes Ferreira Professor Associado do IST e Investigador

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda.

A Declaração recomenda prudência na gestão de todas as espécies e recursos naturais e apela a uma nova ética de conservação e salvaguarda. Programa do XI Governo Regional dos Açores Política Ambiental Senhora Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do Governo, Na Resolução que adotou a histórica

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Estratégia Nacional para a Habitação

Estratégia Nacional para a Habitação Estratégia Nacional para a Habitação 8 de maio de 2015 Estrutura do Documento O diagnóstico As oportunidades A articulação com outras políticas A visão, os pilares e os desafios As medidas e iniciativas

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014

Plano de Pormenor da Margem Direita da Foz do Rio Jamor Cálculo de Mais Valias Janeiro 2014 CÁLCULO DE MAIS VALIAS DO PLANO PORMENOR DA MARGEM DIREITA DA FOZ DO RIO JAMOR - OEIRAS Câmara Municipal de Oeiras 1 INTRODUÇÃO Considerando que o desenvolvimento das transformações de uso do solo resultantes

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda.

Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 02 Sociedade de Estudos e Projectos, Lda. 03 A Terraforma Sociedade de Estudos e Projectos foi fundada em Lisboa, em 15 de Junho de 1989, pelo Prof. Paulo V.D. Correia.

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA

ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA IGREJA E CONVENTO DE SÃO FRANCISCO PROCESSO 20/09 ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DA AVENIDA/ANTIGO CAMPO DA FEIRA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO ALTERAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DE 2014 1 ÍNDICE DOCUMENTO

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Lusoflora, 27 de fevereiro de 2015 Bolsa Nacional de Terras Potenciar a utilização do território rural A nossa Visão Potenciar

Leia mais

Propostas de Modelos de Gestão e Financiamento. José Antunes Ferreira Joana Castro e Almeida Ana Morais de Sá

Propostas de Modelos de Gestão e Financiamento. José Antunes Ferreira Joana Castro e Almeida Ana Morais de Sá Propostas de Modelos de Gestão e Financiamento José Antunes Ferreira Joana Castro e Almeida Ana Morais de Sá Constrangimentos Número de PP Tempos de realização Défice de adequabilidade do Instrumento A

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitetura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL Registo n.º Data / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação/Representantes

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

II JORNADAS DE LAGOS TERRITÓRIO, ORDENAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA FINANCIAMENTO DE OPERAÇÕES DE REABILITAÇÃO URBANA

II JORNADAS DE LAGOS TERRITÓRIO, ORDENAMENTO E REABILITAÇÃO URBANA FINANCIAMENTO DE OPERAÇÕES DE REABILITAÇÃO URBANA FINANCIAMENTO DE OPERAÇÕES DE REABILITAÇÃO URBANA Uma ORU assenta numa: Estratégia de intervenção integrada, sustentável financeiramente, socioculturalmente e ambientalmente, e nestes domínios inovadora.

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020

PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 PLANO ESTRATÉGICO de Desenvolvimento Urbano de VISEU 2020 Outubro 2015 Apresentação Síntese ENQUADRAMENTO O Município de Viseu apresentou ao PORTUGAL 2020 a sua candidatura de Plano Estratégico de Desenvolvimento

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS 1.OBJETO O presente programa tem como objeto a alienação de prédios e/ou frações municipais para reabilitação 2. OBJECTIVOS O Programa Reabilita Primeiro

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

FÓRUM CIDADE GRUPO 8

FÓRUM CIDADE GRUPO 8 FÓRUM CIDADE GRUPO 8 UMA NOVA POLÍTICA URBANA Durante os doze anos (1990/2001) que esteve à frente dos destinos de Lisboa, a coligação liderada pelo Partido Socialista demonstrou uma vitalidade e uma capacidade

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura

Ação Piloto para a Regeneração Urbana. Avenida da Liberdade, Braga. Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Ação Piloto para a Regeneração Urbana Avenida da Liberdade, Braga Concurso de Ideias Profissionais de Arquitectura Cientes da importância de promover uma intervenção capaz de revitalizar o centro histórico

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais