O reencontro do Rio. Sérgio Ferraz Magalhães, FAU-UFRJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O reencontro do Rio. Sérgio Ferraz Magalhães, FAU-UFRJ"

Transcrição

1 O reencontro do Rio Favela Bairro da Mangueira Foto de Thiago Santana Sérgio Ferraz Magalhães, FAU-UFRJ Janeiro de

2 Sinopse O estudo avalia as causas do divórcio entre o Rio de Janeiro e o seu genius loci. Aponta como causa exógena, a perda da centralidade econômica, que permitiu a desconstrução da centralidade política. Como causa endógena, aponta a perda do paraíso, pela degradação dos ambientes naturais e construídos; e a da cordialidade, pela violência urbana. Para o reencontro, reconhece a importância de políticas nacionais de desenvolvimento e de segurança pública, que sejam federativas e republicanas; mas também defende a autonomia de políticas locais de democratização da cidade, com a articulação das forças políticas fluminenses, institucionais, empresariais e da sociedade, em torno de objetivos comuns, simples, para a recuperação urbanística e ampliação da qualidade de vida da Região Metropolitana. A construção de uma nova sustentabilidade urbana, apoiada no tripé transporte-habitação-meio ambiente, poderá alcançar o reencontro do Rio de Janeiro com seu genius loci. Texto elaborado a partir do preparo de tese de doutouramento em Urbanismo, no Prourb-UFRJ, adaptado para publicação na revista do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, Rio de Janeiro, março de

3 O reencontro do Rio Sérgio Magalhães* O século XX foi a mãe e a madrasta da Cidade Maravilhosa; foi a fada madrinha e a bruxa malvada. O mundo clássico sabia que os lugares são regidos por divindades, os genius loci, que determinam as condições sobre as quais as cidades se desenvolvem. Atender ao espírito do lugar é o meio de se alcançar a harmonia entre a natureza e a cultura. No século XX, o Rio esteve ao amparo ( ) e ao desamparo ( ) de seu genius loci. o espírito da questão Ao longo dos quatrocentos e quarenta anos de sua história, o Rio teve quatro períodos a distinguir: I) os primeiros duzentos anos, onde a natureza foi hegemônica; corresponde à idealização da América como o Paraíso na Terra; II) os cento e cinqüenta anos seguintes ( ), onde a cidade se consolidou; corresponde ao tempo da riqueza do ouro e do café; III) os setenta iniciais do séc XX ( ), no qual foi a Cidade Maravilhosa; corresponde ao apogeu, que se dá ao término desse terceiro período, quando o Rio é o dínamo e a imagem dos Anos Dourados e quando, paradoxalmente, a capital é transferida para Brasília; IV) os últimos trinta, quando deixou de ser capital federal, foi Estado da Guanabara, depois sede do novo estado; corresponde a um período de grandes dificuldades. Nos três primeiros períodos, o Rio de Janeiro soube bem representar o Brasil paraíso tropical, o Brasil das riquezas, o Brasil da cordialidade. O quarto período, os trinta anos que medeiam entre 1970 e nossos dias, viu romper-se esse tripé estabilizador. 3

4 as causas do desamparo O divórcio entre a cidade e seu genius loci se deu em duas direções: uma exógena, a perda da centralidade política; e outra endógena, a perda do paraíso e da cordialidade. A causa exógena é a perda da centralidade econômica, que deu a base para a desconstrução da centralidade política. O Rio tornou-se capital colonial no século XVIII, quando passou a ser o porto através do qual o ouro das minas gerais era enviado para a Metrópole. Com o ouro e com o interesse estratégico português na região do Prata, a Guanabara passa a ser o foco da Colônia. O século seguinte, do Reino Unido e do Império, viu o ouro das minas e o açúcar do nordeste esvaírem-se e serem substituídos pela riqueza do café. A província fluminense, com o café, passou a ser economicamente a mais forte do país. A cidade do Rio de Janeiro centralizava politicamente o Brasil e era o foco de sua mais rica região. Até este momento, as centralidades econômica e política estiveram no mesmo lugar. Ao início da República, ocorrem dois fundamentais movimentos com sentidos opostos: (I) a demarcação no Planalto Central do lugar onde se ergueria a nova capital brasileira prevista na Constituição republicana de 1891, assim como em todas as anteriores, desde a Independência-; e (II) a reforma da capital, o Rio de Janeiro, segundo o modelo parisiense, dando lugar à Cidade Maravilhosa. Por que a debutante República quis transferir a capital? A partir da derrocada do café em solo fluminense, encerrou-se um ciclo de quase quatrocentos anos da economia brasileira, em que esteve referenciada ao litoral, quando os vetores do desenvolvimento tinham o sentido de dentro para fora. Com o café das terras roxas, com o gado e o beneficiamento da carne, inverte-se o sentido do vetor do desenvolvimento. O desenvolvimento tecnológico, que permitiu as ferrovias e depois as rodovias, e a necessidade de expansão da fronteira agrícola, robusteceram a idealização de interiorização. Uma capital no interior, na região central, permitiria que as forças reprimidas se expandissem e levassem o Brasil ao futuro. São Paulo, já então o principal centro de riqueza do país, estava à cabeceira do grande planalto que se derramava para o interior e passava a ser a demonstração da viabilidade do sertão. Para Caio 4

5 Prado Jr. (1965), será o primeiro passo para a concorrência (...) entre as cidades do Rio e São Paulo. No início do século XX, pela primeira vez na história do Brasil, a capital se encontra em uma região que é um vazio econômico. Para Lessa (2000), esta circunstância fez do Rio uma cidade capaz de ser a síntese da nacionalidade e de não entrar em competição com nenhuma outra do país, já que não tinha território econômico a defender. Contudo, esta foi a condição que permitiu que no alvorecer da República se procedesse à demarcação do quadrilátero onde se construiria a nova capital. Sendo assim, por que a debutante República contentou-se em reformar a capital? O espaço que medeia entre a idealização e a realidade é elástico. À época, o Rio de Janeiro era a mais importante cidade do Brasil, mais rica, mais populosa; não havia outra a ombreá-la. Encontravase em um vazio econômico, mas ainda era, ela mesma, muito forte economicamente. A viabilidade de uma nova capital republicana estava na própria cidade do Rio de Janeiro. O Rio de Pereira Passos é assim a representação de um novo Brasil, republicano, que se abre ao mundo na idealização de uma sociedade desenvolvida, afinada com a civilização. (Ao molde francês, como convém aos tempos.) Paradoxalmente, é com a República, que queria transferir a capital, que o Rio de Janeiro se torna Cidade Maravilhosa. O Centro do Rio representa o Brasil e a Cinelândia é o seu símbolo. A República café-com-leite quer a transferência. Se, de um lado, o Rio de Janeiro se internacionaliza, e se apresenta de certo modo dissociada da caipirice brasileira, representação do homem do interior, São Paulo assume o papel em contraponto. Enquanto São Paulo se fortalece no contexto da política nacional, inclusive como matriz de políticos que incluem os primeiros civis presidentes da República, o Rio de Janeiro, sem interesses regionais a preservar e defender, se apresenta como o palco dessa política. É nessas primeiras décadas, que são construídos os dois principais movimentos que vieram a situar São Paulo como reivindicante da expressão brasileira. São duas construções simultâneas: o mito bandeirista e o movimento Pau-Brasil/Semana de Arte Moderna de

6 Com a primeira construção (sim, o mito bandeirista é construído no início do século XX), é desfeita a imagem do bandeirante bárbaro, predador de índios, e, ao contrário, é ele apresentado como o empreendedor do passado onde se situam as bases quatrocentonas do empreendedor paulista do presente. Com a segunda construção ideológica, a Semana de 22, é demonstrada a aliança entre a elite empresarial e a vanguarda artística, é demonstrada a adesão paulista à modernidade, portanto, a base sobre a qual se erguerá o futuro. O Brasil não está mais para macaquear a Europa, mas para antropofagicamente refazer a civilização... Vistos desde Piratininga, estão em oposição dois modelos de desenvolvimento: o estruturado na capital federal, agregado ao governo e dele dependente, voltado para o exterior e arcaico; e o estruturado na paulicéia, autônomo, fundado na iniciativa arquisecular bandeirista, voltado para o país e moderno. Enquanto na capital, desde a Colônia, o empreendedorismo era condenado tal como se viu com Mauá, no Império-, no planalto do Tietê as iniciativas eram rompedoras das proibições; na capital, a burocracia; no planalto, a rebeldia. A capital não satisfazia aos novos promotores do desenvolvimento. Portuguesa na origem, francesa no redesenho, mesmo que maravilhosa, a capital no Rio era símbolo de um país que se pretendia ultrapassar. Concomitantemente, um dos financiadores da Semana de Arte Moderna, o fazendeiro de café e escritor paulista Paulo Prado, fazia articulações com dois dos artistas modernistas influenciadores da Semana de 22, Blaise Cendras e Fernand Léger, franceses, para a contratação de Le Corbusier o grande arquiteto modernista do século- para ser o projetista da nova capital, que se ergueria no Planalto Central, por determinação contida na Constituição republicana. Como seria de esperar, Le Corbusier se entusiasma 1, estabelece que o seu desenho obedecerá ao modelo de uma cidade para um milhão de habitantes, e se chamará Planaltina. As tratativas prosseguem, chegam a 1929, quando o arquiteto faz sua primeira viagem à América do Sul; alcançam 1930, quando finalmente se ajusta com o presidente eleito do Brasil, Júlio Prestes. A Revolução de 30 derruba Prestes antes da posse; São Paulo perde a revolução de 1932; inicia-se a Era Vargas, que faria do Rio o centro das estatais 1 Ver a correspondência de Le Corbusier, transcrita em Pereira, Margareth da Silva et.al.. Le Corbusier e o Brasil. São Paulo. Tessela-Projeto Editores, 1987, bem como o depoimento de Blaise Cendras, em Etc., Etc., Um Livro 100% Brasileiro, São Paulo, Ed. Perspectiva,

7 e o foco do nacionalismo brasileiro -e retarda a transferência da capital para 1960!... Em 1955, na campanha eleitoral para a Presidência, Juscelino Kubitschek é instado, em comício em Goiás, a fazer cumprir a Constituição, que previa a transferência da capital para o Planalto Central. A construção de Brasília passa a ser a 31 a. meta de seu Plano de Metas... E, afinal, a belacap embala a sucessora. O Plano de Metas de JK foi muito bem sucedido. Durante os cinco anos de seu mandato, o Brasil passou por uma renovação em todos os setores. A implantação da rede de rodovias federais, ligando todos os pontos do território nacional; a construção de uma nova base energética; a implantação da indústria automobilística; a estabilidade política e institucional até aqui uma raridade; o desenvolvimento das artes em geral, a música e o cinema em especial; a política externa que se propõe independente; o país estava otimista e construíra uma nova capital. A ironia histórica é justamente que os anos de ouro da alegria e do desenvolvimento, da integração nacional, do crescimento industrial, da valorização das regiões e sobretudo do interior brasileiro, tenham sido comandados desde a capital que se pretendia destituir justamente porque era percebida como um entrave a esses propósitos... O Rio de Janeiro que, no Brasil Colônia, cumprira papel central na articulação do rosário dos núcleos litorâneos, que foi o ponto nodal da relação entre as minas gerais e a Metrópole ao mesmo tempo em que serviu de esteio para o controle do sul até o Prata; que no Reino e no Império soube expressar a unidade nacional, sendo a síntese cultural brasileira no primeiro século da República; esta cidade que, amada como poucas, passou a ser vista como empecilho para a integração entre as regiões é ela mesma que, generosamente, despreocupadamente, serve como base, agora, para o grande surto de desenvolvimento dos anos dourados, cuja coroação seria a nova capital, isto é, a sua própria ruína. Vivendo sua proclamada beleza e vocação para o prazer, o Rio não admitia ter sido atingido com a desconstrução da centralidade econômica, perdida para São Paulo, nem tampouco com a desconstrução da centralidade política, para Brasília. Seria sempre a belacap. 7

8 A causa endógena do divórcio entre o Rio de Janeiro e seu genius loci foi a perda do paraíso e a perda da bem-aventurança. Ao longo da segunda metade do século XX, mas especialmente a partir dos anos setenta, houve a evidência da degradação ambiental, das águas e das terras, que atingiu a imagem de paraíso; a seguir, a crescente violência urbana, que atingiu a imagem de cordialidade. Degradação ambiental e violência atingem o coração do Rio de Janeiro. A perda do paraíso A percepção coletiva de que o ambiente saudável é um bem fundamental se tornou muito mais importante nas últimas décadas. Até então, a degradação ambiental podia ser confundida com exigências do progresso, como teria ocorrido em Londres com a Revolução Industrial. Nessa cidade, o fog era percebido como do reino da natureza e só com o grande esforço de despoluição a que a região londrina foi submetida, pode-se constatar que a origem da eterna bruma era outra. Poluição e degradação ambiental vieram a compor-se como um problema político para os estados, reunidos na ONU. Essa mudança de percepção de desejável a tolerável e a absolutamente intolerável- chegou ao Rio de Janeiro em um período em que se deterioraram muito rapidamente as águas tanto da baía de Guanabara quanto das principais praias oceânicas. As praias oceânicas tiveram apreciável melhora com a construção do emissário submarino. Já a baía de Guanabara não teve melhoras percebidas pelo público; continua interditada para o uso das praias e muito aquém das possibilidades de desfrute para o lazer. Há outros fatores percebidos coletivamente como degradação ambiental, tais como a expansão de favelas; a demolição de edifícios pequenos para dar lugar a grandes edifícios, na Zona Sul; a perda de qualidade dos transportes metropolitanos, com a derrota da ferrovia, na Zona Norte e Baixada Fluminense, que inibem novos investimentos, especialmente imobiliários, e fez com que toda a região passasse a ser vista como decadente. De efetivo, o ambiente natural e construído do Rio de Janeiro é percebido como em processo de deterioração. A noção de paraíso tropical fica atingida. 8

9 A perda da cordialidade O outro componente da causa endógena de divórcio entre cidadeespírito do lugar é a violência urbana, que atingiu a imagem da cordialidade. Capital federal em um país de escassas oportunidades de emprego para a classe média, até ao advento do surto industrial brasileiro o Rio era o lugar de melhores salários. Bons horários, proteção trabalhista, prestígio, faziam o funcionário público estar de bem com a vida. Morando na melhor cidade do país, o bom humor carioca era sua expressão maior. O malandro era um ser afável, que vivia de expedientes singelos, sem prejuízos maiores, como retratado no personagem Zé Carioca, de W. Disney. O envolvimento do carioca com a marginalidade era percebida com grande tolerância. O jogo do bicho, centenário, só quando adquiriu poder e lançou suas redes na política, na polícia e na economia, é que passou a preocupar. A grande questão de hoje é a insegurança pública. Atribuída ao tráfico de drogas, alcança dimensão que há poucos anos seria inimaginável. E pior: radicalmente em oposição à idéia de bem-aventurança que preside o Rio desde sua origem. De fato, a violência urbana tem valores absolutos muito elevados e impactam o quotidiano do carioca de modo avassalador. São números muito desproporcionais aos alcançados em países europeus e mesmo em grandes cidades norte-americanas; no entanto, são de menor valor proporcionalmente a outras cidades brasileiras, como São Paulo. Não obstante, a violência urbana atinge o Rio de Janeiro mais fortemente, comparativamente com São Paulo, mesmo que com valores relativos menores. Poluição e violência não fazem parte do espírito do Rio de Janeiro, são incompatíveis com a cidade que existe na emoção e na memória. Poluição e violência atingem a alma carioca. 9

10 o reencontro da proteção Será possível reencontrar o amparo? É verdade que a complexidade dos problemas a enfrentar exige uma ampla luta nos diversos campos que influenciam a cidade. No âmbito econômico, por exemplo, esforço máximo deve continuar a ser feito para desenvolver a indústria do petróleo, os pólos de agronegócios, a indústria naval, estes e todos os possíveis setores empregadores em especial o estímulo aos pequenos empreendimentos. Uma política nacional de desenvolvimento que seja federativa e republicana é essencial para o Rio. Não obstante, o diferencial do Rio dificilmente voltará a ser função do crescimento econômico. Igualmente essencial é uma política de combate à violência urbana, que também seja nacional, federativa e republicana. Porém, o diferencial do Rio tampouco voltará a ser definido por uma outorga externa. O diferencial do Rio precisa ser re-construído a partir daqui. (As divindades costumam ser receptivas a chamados desse tipo...) Assim, em face da gravidade do quadro, por certo são indispensáveis amplos acordos no âmbito político envolvendo as forças institucionais, empresariais e da sociedade. Mas, justamente porque o quadro é complexo, essas forças podem melhor se estruturar em torno de objetivos comuns, simples, passíveis de serem percebidos como sinalizadores de novas possibilidades. Para isso, sem ser reducionista, há um tema que pode significar uma nova sustentabilidade metropolitana: a radicalização da democratização da vida urbana. Isto é, a recuperação urbanística e ampliação da qualidade de vida, alcançando todos os cidadãos. Uma metrópole tem, urbanisticamente, três grandes problemas permanentemente colocados: transporte, habitação e meioambiente. No nosso caso, este pode ser o tripé que fará o reencontro do Rio. 10

11 O ovo de Colombo É unanimidade: só o transporte de massa isto é, sobre trilhos- tem condições de oferecer qualidade em grandes metrópoles. Ocorre que, para implantar o transporte sobre trilhos, os dispêndios são altos e os orçamentos públicos em geral são escassos... No caso do Rio de Janeiro, o sistema de metrô está em implantação desde os anos sessenta e atende apenas parte central da cidade. Não obstante, continuam em pauta planos de expansão que exigem bilhões, seja para chegar ao outro lado da baía de Guanabara, por sob o mar, seja para alcançar a Barra da Tijuca, por vários caminhos. Quaisquer dessas novas linhas exigirão recursos que só estarão disponíveis em décadas. Uma década é tempo pequeno para a história de uma cidade; mas também pode ser tempo exagerado para esperar reverter um quadro de dificuldades. No entanto, temos um patrimônio que, se bem tratado, pode significar uma verdadeira redenção urbanística para a cidade e para os municípios da Baixada Fluminense: o sistema de trens metropolitanos. As antigas linhas da Central do Brasil, Auxiliar e Leopoldina, constituem um sistema que abrange área onde moram 70% da população da RM. Com a privatização da operação, houve melhora nos serviços. Mas o potencial da área é várias vezes maior. O modelo utilizado para a melhora foi o da recuperação como sistema de trens suburbanos. Esse modelo deve revisto frente às exigências de democratização urbanística: o sistema de trens precisa ser transformado em metrô de superfície. Existem projeto e estratégia para essa transformação, o projeto RioMetropolitano. Estruturado em parceria entre as secretarias estaduais de Projetos Especiais e de Transporte, recebeu a aprovação do Banco Mundial, financiador do Plano Estadual de Transportes Pet. Levado ao debate entre órgãos representativos da sociedade civil e profissional, tais como o Clube de Engenharia, a Associação Brasileira de Empresas de Consultoria de Engenharia, a Associação de Empresas de Engenharia no Rio de Janeiro, a Federação das Indústrias, o Sindicato da Indústria da Construção, entre outros fóruns, recebeu franco estímulo. A transformação de trens em metrô é projeto para a redenção dos bairros da Zona Norte/Oeste e da Baixada Fluminense, dando 11

12 conforto aos moradores e permitindo o desenvolvimento imobiliário e dos serviços. Igualmente, a transformação dos trens em metrô é projeto estratégico para o fortalecimento do Centro do Rio e reversão do quadro de esvaziamento em que se encontra. Zona Norte - Zona Oeste Baixada Primeira etapa: linha Central do Brasil, trecho Estação Pedro II- Bangu e Pedro II-Nova Iguaçu. Intervalo de 5minutos; todas composições com ar condicionado. Tempo para implantação: 18 meses É ovo de Colombo porque utiliza o leito existente (a construção do leito é o maior investimento para novos metrôs) e, com um custo inferior a cem milhões de reais, atende a 45 bairros e três municípios, já na primeira etapa em dezoito meses! É obra de interesse não apenas do governo do Estado e dos municípios a que serve, mas também deve ser para o governo federal agora, especialmente, em que foi criado ministério para as cidades, que tem o transporte público de qualidade como um de seus objetivos. 12

13 O eixo da democratização urbana No caso brasileiro, a falta de crédito para moradia é uma razão central para o crescimento das favelas e dos loteamentos irregulares e clandestinos. É possível que estejam sendo construídos na irregularidade ¾ dos novos domicílios urbanos brasileiros. Logo, o quadro não poderia ser outro que não aquele de degradação urbanística evidente em nossas cidades. Mas, nessas décadas de grande expansão urbana, em que as famílias tiveram que construir suas casas de qualquer maneira, em situação de grande precariedade, esses investimentos foram muito elevados. Essa poupança popular na produção habitacional é um patrimônio que precisa ser preservado e melhorado. É indispensável reconhecelos administrativamente e urbanizar favelas e loteamentos. É direito de cidadania e condição para democratização da cidade. Felizmente, o Rio de Janeiro tem boa experiência na urbanização de assentamentos populares. Os programas Favela-Bairro, Morar Legal e Morar Sem Risco, desenvolvidos pela Prefeitura desde 1993, tiveram bom resultado. No âmbito da Região Metropolitana outros programas foram também desenvolvidos, como o Nova Baixada, conduzido pelo Governo do Estado, de características semelhantes ao Morar Legal. Não há, no Brasil, experiência como essa do Rio de Janeiro, seja pela abrangência, seja pelo conjunto de políticas urbanísticas e sociais de educação, saúde, esportes, atendimento à primeira infância, geração de trabalho e renda, desenvolvidas integradamente. Este caminho é instrumento poderosíssimo para a melhora da qualidade de vida de toda a Região Metropolitana. Integração urbanística e social das favelas e loteamentos populares como instrumento para a ampliação da qualidade de vida metropolitana. 13

14 A reversão dos vetores para o reencontro Há ainda outra e fundamental tarefa possível a realizar, para alevantar a qualidade de vida e atender ao espírito fundador da cidade: a despoluição das águas, em especial as da baía da Guanabara. O superior benefício que a despoluição da baía da Guanabara poderá representar para o Rio de Janeiro será o re-equilíbrio dos vetores de desenvolvimento que, hoje, estão majoritariamente direcionados para a Barra da Tijuca. Como se sabe, tendo a cidade nascido à beira da baía, no Centro histórico, sua estrutura urbana foi construída a partir desse foco. Os bairros cariocas e, depois, as cidades da Região Metropolitana, tanto de um lado quanto de outro da baía, tiveram nesse foco a sua polarização. O patrimônio cultural que aí está implantado é o mais importante conjunto arquitetônico brasileiro. Para Argan (1993), o centro da cidade é o ambiente histórico das pessoas históricas ; para ele, o que proporciona coesão à comunidade urbana já não é o interesse comum pela prosperidade econômica, mas o pensamento de uma ascendência e de uma função histórica comuns. Desconstruída a condição de capital, desconstruídas as centralidades nacionais que se encontravam representadas no Rio de Janeiro, o Centro da cidade, que detinha a maior parte dessa representação, foi atingido por essa nova realidade. A perda da centralidade financeira retirou do Centro um vetor importante de atratividade. Conquanto o vazio da ocupação eventualmente possa ser suprido por outros segmentos, a modernização do lugar fica prejudicada pela ausência de setores dinâmicos e melhor remunerados da economia. Essa é uma conseqüência grave, porque as áreas de expansão das classes de alta renda exercem grande atração por sobre os investimentos públicos. A grande atratividade da Barra da Tijuca sobre esses investimentos é uma evidência desse princípio. E, atraindo mais investimentos públicos, realimenta a idéia da Barra como o lugar do progresso metropolitano. A centralidade metropolitana na Barra da Tijuca significa a consolidação do esvaziamento do Centro da Cidade. 14

15 Por isso, a eventual consolidação da Barra da Tijuca como lugar hegemônico do desenvolvimento da Região Metropolitana, deverá necessariamente ser associada ao processo da mudança da capital do Rio para Brasília e, se ocorrer, será o seu coroamento, que se completa na desconstrução da centralidade carioca. O Centro, a Cidade para os mais antigos, terá passado de capital a subúrbio... Com a recuperação da baía e com a transformação dos trens em metrô-, provavelmente ocorrerá a densificação urbana (em volume e qualidade de serviços) nos centros do entorno da baía da Guanabara: Flamengo, Centro, Ilha do Governador, Duque de Caxias, São Gonçalo e Niterói. A despoluição da baía de Guanabara reestruturará o Rio de Janeiro metropolitano. Estarão refeitas as bases da centralidade carioca. Os vetores do desenvolvimento metropolitano se re-equilibram. Transporte de qualidade, bairros integrados e ambiente saudável. Será que saberemos fazer com que o século XXI seja o do reencontro do Rio com o seu genius loci? Sérgio Magalhães é arquiteto, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ. 15

16 Referências Bibliográficas: Argan, Giulio Carlo. Clássico anticlássico: o Renascimento de Brunelleschi a Bruegel. São Paulo. Editora Scharwcz, Bosi, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Cia. das Letras, Bojunga, Cláudio. JK, O Artista do Impossível. Rio de Janeiro. Objetiva, Bueno, Eduardo. Brasil: Uma História. São Paulo. Ed. Ática, Buarque de Holanda,. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro. Livraria José Olímpio Editora, Castells, Manuel. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. (3 vol.) São Paulo. Ed. Paz e Terra, Capistrano de Abreu, J. Capítulos de História Colonial. São Paulo. Editora da USP, Lessa, Carlos. O Rio de Todos os Brasis. Rio de Janeiro. Editora Record, Magalhães, Sérgio. Sobre a Cidade Habitação e Democracia no Rio de Janeiro. São Paulo. Ed. Pro-Livros, De capital a subúrbio a desconstrução das centralidades. Rio de Janeiro, Ensaios Prourb, s/e Mela, Alfredo. A Sociologia das Cidades. Lisboa. Editorial Estampa, Pandiá Calógeras, J. Formação Histórica do Brasil. São Paulo. Cia. Editora Nacional, Pereira, Margareth da Silva et.al.. Le Corbusier e o Brasil. São Paulo. Tessela-Projeto Editores, Prado Jr, Caio. História Econômica do Brasil. São Paulo. Brasiliense, Silva, Hélio. Nasce a República, São Paulo. Editora Três,

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil.

Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. O Outlet Premium avança pelo território nacional abrindo grandes oportunidades de negócios para você. Pensou Outlet, pensou General Shopping Brasil. Outlet

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE Inclusão de Iniciativa no Ministério da Educação Página: 1563 de 2301 AUTOR DA Otavio Leite 25100001 2030 - Educação Básica 0598 - Apoiar o educando,

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

Profissionais Qualificados

Profissionais Qualificados Profissionais Qualificados Em 1910 foram criadas as primeiras escolas profissionais públicas na cidade de São Paulo, como parte de um projeto de constituir um mercado de mão de obra qualificada. Essas

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro:

Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: Informações do Convênio N.o 001/2008 - Linha 3, Lote 2 do Metrô do Rio de Janeiro: A - SeMOB participa do Convênio em questão na condição de Concedente. O Convênio n 00112008 foi celebrado em 30/12/2008

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Discurso do Presidente. Dr Marco Antonio Mroz, Secretário de Estado Adjunto de Saneamento e Recursos Hídricos

Discurso do Presidente. Dr Marco Antonio Mroz, Secretário de Estado Adjunto de Saneamento e Recursos Hídricos Discurso do Presidente Dr Marco Antonio Mroz, Secretário de Estado Adjunto de Saneamento e Recursos Hídricos Dra Dilma Pena, Presidente da Sabesp Dr Carlos Roberto dos Santos, Diretor de Engenharia e Qualidade

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

PROGRAMA URB-AL O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA. PROGRAMA URB-AL REDE 7: GESTÃO E CONTROLE DA METROPOLIZAÇÃO Título (projeto comum do tipo A) O ACESSO AO SOLO E À HABITAÇÃO SOCIAL EM CIDADES GRANDES DE REGIÕES METROPOLITANAS DA AMÉRICA LATINA E EUROPA.

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Compromisso com a Engenharia e o Brasil

Compromisso com a Engenharia e o Brasil Compromisso com a Engenharia e o Brasil Quem Somos SENGE - BA é uma entidade autônoma, sem fins lucrativos, constituída para a coordenação, defesa e representação dos engenheiros e engenheiras da Bahia

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

I Fórum Políticas Públicas do Idoso"

I Fórum Políticas Públicas do Idoso I Fórum Políticas Públicas do Idoso" O idoso no mundo Em 2050, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 30% da população mundial será de idosos; 2 bilhões dos habitantes do planeta terão mais de

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Promover maior integração

Promover maior integração Novos horizontes Reestruturação do Modelo de Gestão do SESI leva em conta metas traçadas pelo Mapa Estratégico Promover maior integração entre os departamentos regionais, as unidades de atuação e os produtos

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014

Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Balanço do Minha Casa, Minha Vida Perspectivas para 2014 Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades 29ª. Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção Novembro 2013

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro

O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro O Policiamento Comunitário como Mecanismo de Promoção da Cidadania no Rio de Janeiro Aluno: Gabriel Ferreira de Carvalho gabriel_fc.90@hotmail.com Orientador: Dr. Augusto César Pinheiro da Silva augustoc@puc-rio.br

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1. CONCEITOS COMPLEMENTARES DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, presidida por Gro Harlem Brundtland Nosso Futuro Comum (1987)

Leia mais

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN na solenidade de posse do Conselho Consultivo e do presidente executivo da AEERJ Dia 28 de julho de 2014 Centro de Convenções da Firjan Minhas Senhoras e Meus Senhores, Gostaria

Leia mais

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA

EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR HORISTA 1) Sociologia II A Escola de Ciências Sociais / CPDOC da FGV-RJ informa a abertura de processo seletivo para a contratação de um professor horista para a disciplina

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo Helena Rizzatti Fonseca helena.fonseca@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Palavras-chave: urbanização, periferização,

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO A EVOLUÇÃO HISTÓRICA E O SÉCULO XX 1- A MAIORIDADE DAS CIDADES LIMITES DE EXPANSÃO 2- A OPÇÃO URBANA EM TODOS OS NÍVEIS 3- A CIDADE

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Movimento Movimento Nacional de Proteção à de Proteção à Vida Vida MMA / PNEA MMA / IBAMA /Est. RJ / Prefeituras RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Agosto/2000 a Agosto/2001 APRESENTAÇÃO O Projeto de Educação

Leia mais

Visão Estratégica de Longo Prazo.

Visão Estratégica de Longo Prazo. Visão Estratégica de Longo Prazo. João Pessoa PB. Outubro de 2013 O MERCADO COMUM DO NORDESTE Adm. José Queiroz de Oliveira ESPECIALISTA PREVÊ SECAS MAIS INTENSAS E LONGAS NO NORDESTE. SE O HOMEM NORDESTINO

Leia mais

Comunicação Institucional Visão de Futuro

Comunicação Institucional Visão de Futuro Comunicação Institucional Visão de Futuro Organograma Presidente Comunicação Institucional Assistente Imagem Corporativa e Marcas Comitê Estratégico Imprensa Planejamento e Gestão Atendimento e Articulação

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social

2016 Edital Fundo Fale Sem Medo. Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social 2016 Edital Fundo Fale Sem Medo Instituto Avon ELAS Fundo de Investimento Social Dezembro, 2015 Fundo Fale Sem Medo Resultado da parceria entre o Instituto Avon e o ELAS Fundo de Investimento Social, o

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Q+50 RELATÓRIO FINAL 151113

Q+50 RELATÓRIO FINAL 151113 Q+50 RELATÓRIO FINAL 151113 consolidação das contribuições e propostas O Instituto de Arquitetos do Brasil IAB Entidade de representação de arquitetos e urbanistas brasileiros, com noventa e dois anos

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009

CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 CIDADE DO RIO DE JANEIRO WORKSHOP 8 BIENAL 2009 Equipe: Arq. Nelson Andrade (coordenador) Arq. Luis Fernando Menezes Salgado Arq. Marconi Marinho Arq. Mariana Rial Arq. Paula Amadei Arq. Rodrigo Serafino

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais