MANAUS: UMA ANÁLISE ECOSSISTÊMICA ATRAVÉS DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANAUS: UMA ANÁLISE ECOSSISTÊMICA ATRAVÉS DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E DE SAÚDE"

Transcrição

1 MANAUS: UMA ANÁLISE ECOSSISTÊMICA ATRAVÉS DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL E DE SAÚDE Autores: Leandro L. Giatti 1 Carlos Machado de Freitas 2 Sylvain JM Desmoulière 3 Marcilio S. Medeiros 3 Mírcia B. Costa e Silva 4 Antonio Levino da S. Neto 3 Texto elaborado enquanto síntese preliminar para subsídio ao Seminário da pesquisa: Abordagem ecossistêmica para o desenvolvimento de indicadores e cenários de sustentabilidade ambiental e de saúde na cidade de Manaus / AM, realizada com financiamento das Vice-Presidências de Pesquisa e de Serviços de Referência e Meio Ambiente da Fundação Oswaldo Cruz Edital 01/2007 Cidades Saudáveis: Saúde, Ambiente e Desenvolvimento. Instituições dos autores: 1 Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo FSP/USP; 2 Centro de Estudos de Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana / Escola Nacional de Saúde Pública CESTEH/ENSP 3 Instituto Leônidas e Maria Deane / Fundação Oswaldo Cruz ILMD/Fiocruz 4 Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas FVS/AM Manaus, junho de

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONCEPÇÃO TEÓRICA E METODOLOGIA PARA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES E TENDÊNCIAS DA SITUAÇÃO SOCIOAMBIENTAL E POTENCIAIS EFEITOS SOBRE A SAÚDE HUMANA EM MANAUS A Complexidade nos sistemas socioambientais e de saúde e a proposta de simplificação por meio do pluralismo metodológico APLICAÇÃO E ANÁLISE DA MATRIZ FPSEEA PARA MANAUS Forças motrizes socieconômicas e pressões ambientais Situação e exposição Efeitos Anos Potenciais de Vida Perdidos da população de Manaus Outras doenças e indicadores relevantes na dinâmica de saúde e ambiente em Manaus CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 1. INTRODUÇÃO A urbanização se consagra como fenômeno e tendência mundial, especialmente nas últimas décadas, com a industrialização e a concentração de atividades econômicas nos centros urbanos dos países em desenvolvimento, onde o processo ocorre rapidamente, associado a relevantes mudanças demográficas e sob intensas desigualdades. A cidade de Manaus, capital do estado do Amazonas, pode ser vista sob peculiaridades bastante relevantes que incidem sobre o processo saúde e doença das populações humanas, como sendo uma grande cidade polo na região Pan-Amazônica (BECKER e col., 2008), apresentando intenso crescimento econômico e demográfico, com ocorrência de profundas e rápidas mudanças ambientais, mantendo diálogo com sua inserção nos sistemas naturais de floresta tropical, e com elevada motricidade de mudanças a partir da década de 1970 por um intenso processo de fluidez do território nacional (SANTOS, 2009) e rápida industrialização promovida inicialmente pela Zona Franca de Manaus (GEO MANAUS, 2002). Como fatores portadores de futuro para esta capital, têm-se: as condições e tendências dos processos de desenvolvimento reinantes na Amazônia Legal, com intensos impactos ambientais, desigualdades, e prejuízos à qualidade de vida dos habitantes (FREITAS & GIATTI, 2010); a continuidade de políticas de incentivos fiscais de apoio à industrialização e ao crescimento econômico inerente (PEREIRA, 2005); o desenvolvimento de infraestrutura Sul- Americana que transforma a Amazônia de periferia para área central na porção continental (THÉRY, 2005); e, em um horizonte bastante próximo, a escolha desta capital como uma das sedes da Copa do Mundo de Futebol de Neste texto, tendo por base uma abordagem ecossistêmica, procuramos compreender como o desenvolvimento urbano de Manaus afeta os serviços dos ecossistemas e as condições de bem estar e saúde através do desenvolvimento de um conjunto de indicadores de sustentabilidade ambiental e de saúde. Esta compreensão tem como objetivo subsidiar propostas de ações que contribuam para tomadas de decisões na gestão urbana e ambiental de Manaus que favoreçam a promoção da saúde. 2. CONCEPÇÃO TEÓRICA E METODOLOGIA PARA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES E TENDÊNCIAS DA SITUAÇÃO SOCIOAMBIENTAL E POTENCIAIS EFEITOS SOBRE A SAÚDE HUMANA EM MANAUS Em 2001, as Nações Unidas lançaram o Millennium Ecosystem Assessment (MEA, 2005), um programa de quatro anos concebido para responder às necessidades de informações científicas sobre a relação entre mudanças nos ecossistemas e bem-estar humano para os tomadores de decisões políticas. Seus resultados foram divulgados em março de 2005 e apontam para a seguinte situação: 3

4 1. Extensas e rápidas mudanças nos ecossistemas para atendimento de crescentes demandas dos humanos; 2. Uso insustentável e degradação de aproximadamente 60% dos recursos naturais estuados, em nível global; 3. Evidências de mudanças não lineares nos ecossistemas, capazes de incidir em graus elevados de alterações sobre bem-estar e saúde de populações humanas; 4. Maior severidade dos efeitos da degradação dos serviços dos ecossistemas sobre as populações mais pobres, em processos capazes de exacerbar as iniquidades e conflitos sociais. Assim, se nos últimos 50 anos a busca crescente de atendimento a demandas e oferta de facilidades e conforto vem contribuindo para a melhoria global de indicadores tradicionais de saúde, como por exemplo, o aumento na esperança de vida ao nascer ou redução da mortalidade infantil, a degradação dos serviços dos ecossistemas e suas consequências não apenas se mostram insustentáveis, como contribuem para aumentar as iniquidades entre distintos grupos sociais, constituindo cenários complexos no que diz respeito aos determinantes sociais e ambientais e a interferência dos mesmos na saúde e no bem estar das populações. Enquanto proposta de estudos integrados necessários para compreender as mudanças holísticas nos ecossistemas, as abordagens ecossistêmicas pressupõem: (1) reunião de informações diversas, que possibilitem demonstrar as interfaces entre bens e serviços dos vários ecossistemas que devem ser equilibradas com as metas ambientais, políticas, sociais e econômicas; (2) formulação de políticas públicas amplas e instituições mais efetivas para implementar as mesmas; (3) participação do público na gestão dos ecossistemas, particularmente as comunidades locais (WRI, 2000). Nesse sentido, adotamos a Abordagem Ecossistêmica em Saúde AES (FREITAS e col., 2009), como subsídio para a compreensão das condições atuais e tendências históricas de mudanças nos ecossistemas e seus serviços na cidade de Manaus, bem como as consequências para o bem-estar e saúde das populações, e a busca de respostas integradas com diversos outros setores e atores, locais, regionais e mesmo nacionais. A AES tem como base três aspectos fundamentais: a teoria dos sistemas complexos, a hierarquia entre diferentes níveis de organização socioambientais (dos político-administrativos, como bairros, distritos, municípios, estados e países, assim como os ecológicos, como ecossistemas, biomas e biosfera) e a dinâmica destes diferentes níveis de organização frente às diferentes escalas (espaciais e temporais), além de outros aspectos que devem ser utilizados para seu estudo e compreensão. Assim, essa abordagem enfoca contextos socioambientais complexos, que envolvem diferentes níveis de organização socioambientais que são por definição abertos, relativamente auto-organizáveis e adaptativos. 4

5 Para arcar com o desafio de um enfoque holístico e não setorial, a AES tem como base de investigação o pluralismo metodológico, capaz de reunir, tratar e analisar dados e informações diversas; envolver a participação do público, particularmente as comunidades locais; observações de campo que permitam o olhar e auscultar da realidade local. Desse modo, possibilitando constituir narrativas de tendências e possíveis futuros ou cenários plausíveis na interface entre os processos que moldam simultaneamente as situações socioambientais, as condições de vida e a situação de saúde das populações. Deve resultar na proposição de estratégias de monitoramento, gestão e políticas públicas que, tendo por base os princípios e processos de aprendizagem social, envolvam a colaboração entre especialistas e atores sociais locais (WALTNER-TOEWS, 2001 e 2004; KAY e col., 1999). Como orientação essencial, adotamos que a principal meta dos processos de desenvolvimento econômico e urbano é o bem-estar e a melhoria das condições de vida e situação de saúde das populações, que devem ser pautados por princípios de sustentabilidade ambiental e equidade social como norteadores de análise e busca de soluções. Assumimos que a sustentabilidade deve ser fundamentada pelo princípio ético de equidade em relação às gerações presentes e futuras, tanto em relação aos determinantes das condições de vida e situação de saúde (emprego, renda, desigualdades e condições de vida), como aos ambientais (manutenção dos serviços dos ecossistemas que servem de suporte à vida). Ao ter este horizonte, consideramos que quanto maiores às iniquidades sociais, mais as populações ou grupos populacionais da cidade de Manaus se tornam vulneráveis em termos sociais e ambientais. Estes grupos populacionais acabam vivenciando de modo mais intenso e ampliado os efeitos negativos ocasionados pelas inúmeras atividades socioeconômicas, legais e ilegais, que degradam os serviços dos ecossistemas e com isto comprometem, de modos direto e/ou indireto, os sistemas de suporte à vida e bem-estar, afetando suas condições de vida e saúde (FREITAS e PORTO, 2006). Nesta concepção de sustentabilidade, a situação de saúde não pode ser tratada como dissociada das condições de vida e bem-estar e das mudanças socioambientais e seus impactos nos ecossistemas. Estas mudanças e impactos condicionam contextos e situações socioambientais que resultam de diversos determinantes sociais e econômicos que se expressam como forças motrizes e pressões. Conformam uma complexa cadeia de efeitos diretos e indiretos, mediados e modulados, que se combinam e se sobrepõem simultaneamente, em diferentes níveis de organização socioambientais e escalas e temporais, bem como envolvem múltiplos determinantes sociais e ambientais (HALES et al., 2004). Com isto, as mudanças e impactos em situações socioambientais, podem envolver desde efeitos mediados que envolvem escala temporal de semanas/meses e espacial local/regional, como as mudanças ambientais que alteram a distribuição e comportamento dos vetores e hospedeiros, resultando em epidemias como malária e dengue, ou até mesmo eventos como secas e enchentes que irão exacerbar infecções originárias da água para consumo humano, sendo que as conseqüências para os humanos podem ocorrer em intervalos 5

6 de dias, meses ou até mesmos ao longo de anos. Além destes efeitos, não podemos também deixar de considerar uma perspectiva de médio e longo prazo para a sustentabilidade. Os efeitos modulados referem-se aos provenientes de amplas mudanças socioambientais que afetam a saúde humana por meio desde situações críticas, como a fome e escassez de alimentos, os conflitos e as violências, até àquelas que adquirem uma certa normalidade, como as doenças crônicas e degenerativas (câncer, diabetes, cardiovasculres, entre outras) sendo suas origens sutis e/ou indiretas, possuindo escala temporal de anos ou décadas e espacial que pode variar do regional ao nacional. Por fim, há as falhas e/ou rupturas nos sistemas socioambientais que podem resultar em propriedades emergentes, como grandes mudanças ambientais globais, entre elas o clima, exigindo longo prazo para as adaptações sociais e no curto prazo atingindo milhões ou bilhões de pessoas em escala global. Os efeitos sobre a saúde podem variar desde pandemias aos associados aos desastres naturais. A questão é que para cada um destes efeitos que afetam os diferentes níveis de organização socioambiental, os de maior escala espacial e temporal não deixam de simultaneamente envolver e afetar os de menor escala, contendo-os simultaneamente. Dois estudos relativamente recentes demonstram esta complexidade dos determinantes sociais e ambientais e sua cadeia de efeitos. O primeiro realizado por PRÜSS- ÜSTÜN e CORVALÁN (2006) nos revela que os fatores de ordem ambiental contribuem fortemente para os quadros globais de morbimortalidade, estimando que 24% da carga total de doenças e 23% de todos os óbitos podem ser fortemente atribuíveis a fatores ambientes. Este mesmo estudo ressalta também como esta carga ambiental de doenças se expressa de modo desigual e iníquo em várias porções do planeta. Nos países em desenvolvimento, por exemplo, prevalecem importantes doenças de elevada carga ambiental, como as diarreicas, nas quais os fatores ambientais respondem por até 94% da causalidade. No segundo estudo, estes mesmos autores assinalam que o desenvolvimento econômico não resulta em uma redução linear da carga ambiental de doenças, uma vez que países com PIB per capita similar ao do Brasil podem ter uma variação na ordem de 2 vezes e meia à mais em termos de impactos à saúde ambiental (PRÜSS-ÜSTÜN e col., 2008). Uma vez que mudanças ambientais podem resultar em propriedades emergentes e de grande magnitude sobre os humanos (HALES et al., 2004), determinados grupos populacionais podem sofrer exposições muito mais severas quando submetidas a sobreposição de distintos padrões de riscos ambientais. Smith e Ezzati (2005) classificam estes riscos em três grupos, de diferentes categorias espaciais: I. O primeiro, no âmbito do domicílio, vinculado ao processo de desenvolvimento precário e iníquo em que se encontra ainda um déficit no saneamento ambiental básico, precárias moradias e associação com subnutrição; 6

7 II. O segundo, na comunidade, vinculado ao processo de desenvolvimento desregulado associado à urbanização e industrialização, exposições ambientais, questões de saúde do trabalhador, bem como expansão das fronteiras agrícolas, cujos produtos e subprodutos tóxicos e poluentes afetando as comunidades e os trabalhadores; III. O terceiro em escala global, ainda emergente, resulta do macro fenômeno da globalização desigual e da crise da insustentabilidade ambiental global, vivamente expresso na intensa urbanização, degradação dos ecossistemas e mudanças do clima. Segundo Franco Netto e col. (2009), em países como o Brasil, ocorrem combinações e sobreposições desses padrões de riscos ambientais, em distribuições espaciais que acompanham as iniquidades sociais de distintos grupos populacionais (ver Figura 1). Figura 1 - Inter-relação entre os três grupos de mudanças ambientais e seus potenciais impactos que podem afetar grupos populacionais vulneráveis. Grupo populacionais vulneráveis às mudanças ambientais dos grupos I e II Grupo II - Mudanças ambientais acopladas ao desenvolvimento industrial, dos serviços urbanos e fronteiras agrícolas Grupo populacionais vulneráveis às mudanças ambientais dos grupos II e III Grupo populacionais vulneráveis às mudanças ambientais dos grupos I, II e III Grupo I - Mudanças ambientais acopladas à pobreza e as precárias condições de saneamento ambiental Grupo III - Mudanças ambientais acopladas as mudanças ambientais globais Grupo populacionais vulneráveis às mudanças ambientais dos grupos I e III Fonte: Franco Netto et al. (2009, p. 59) 2.1. A Complexidade nos sistemas socioambientais e de saúde e a proposta de simplificação por meio do pluralismo metodológico Partindo da premissa de que as manifestações de bem-estar, saúde ou doença nas populações ocorrem em sistemas socioambientais complexos, temos que compreendê-los enquanto sistemas abertos, envolvendo diferentes níveis de organização socioambiental e com 7

8 capacidade de auto-organização em torno de atratores, dinâmicos e adaptativos (KAY e col., 1999; WALTNER-TOEWS, 2001 e 2004; LEBEL, 2003). Nesse sentido, denominam-se atratores as situações, eventos, matéria ou energia que inseridos em um sistema podem se constituir de estímulos positivos ou negativos, cuja dinâmica por eles condicionada impulsiona o processo de auto-organização em função de processos circulares de retroalimentação (feedbacks). É essa dinâmica que permite adaptações contínuas para a manutenção da estabilidade da situação socioambiental corrente. Porém, como os atratores que tornam os sistemas propensos à determinados tipos de organização hegemônica são múltiplos e nem sempre seguem um padrão de complementaridade e cooperação, mas, ocasionalmente, de competição e contradição, estes podem incidir na emergência de novos estados e situações, fragmentações, surpresas e mesmo catástrofes que são também possíveis (KAY e col., 1999). Entre os objetivos e desafios da AES encontra-se determinar elos entre a saúde das populações humanas e os eventos ou fenômenos que organizam os sistemas socioambientais (KAY e col., 1999). Os agrupamentos destes sistemas ocorrem em múltiplos níveis de organização socioambiental e escalas temporais, que tendem a se organizar em circuitos de retroalimentação. Também, estes sistemas apresentam estruturas hierárquicas livres em que relações de reciprocidade podem ocorrer dentro de um mesmo nível ou entre distintos níveis de organização socioambiental. Esses circuitos envolvem forças motrizes e pressões socioeconômicas que se conectam tanto com a estabilidade, como com as mudanças na situação socioambiental, assim como o quadro de bem-estar, condições de vida e situação saúde das populações humanas (WALTNER-TOEWS, 2001 e 2004). A análise da complexidade inerente aos sistemas socioambientais tem como objetivo identificar os atratores e pontos críticos de instabilidade ou vulnerabilidade que podem resultar na emergência espontânea de novos padrões e estruturas de relações, bem como de novas formas de organização (social e ambiental). Esta abordagem requer tratar o sistema socioambiental dialeticamente, sendo chave o conceito de contradição e permitindo integrar o aparentemente paradoxal conceito de destruição criativa na estrutura geral. Isto significa que a análise deste sistema socioambiental complexo implica que ao mesmo tempo em que este sistema pode ser descrito e analisado a partir de uma complexidade ordinária, esta mesma não é suficiente (KAY e col, 1999; FUNTOWICZ e RAVETZ, 1994). Dessa forma, podemos considerar que, se de um lado o sistema socioambiental, enquanto amálgama entre ações humanas e ecossistemas pré-existentes, pode apresentar características mecanicistas e funcionais típicas de uma complexidade ordinária, por outro lado, esse sistema também pode apresentar características típicas de sistemas complexos emergentes. Nestes, mais do que estabilidade dinâmica dos seus componentes ou subsistemas orientados para uma teleologia funcional, temos uma oscilação frequente entre a intencional meta de hegemonia de determinados projetos e atratores para o sistema socioambiental e a fragmentação resultante do conflito entre e com os outros projetos e 8

9 atratores existentes. Este processo de oscilação resultante do conflito entre hegemonia (que busca suprimir e não resolver as contradições) e fragmentação (que não só potencializa as contradições, como potencializa a coexistência de forças antagônicas), pode conduzir a circuitos de retroalimentação com diferentes desfechos, como: 1) contradições complementares em que ocorre um equilíbrio dinâmico entre as forças antagônicas; 2) contradições destrutivas em que ocorre o colapso de componentes ou subsistemas, ou mesmo do próprio sistema; 3) tensões criativas, nas quais as resoluções para os conflitos entre hegemonia e fragmentação são concluídas por meio de transformações qualitativas no sistema (KAY e col, 1999; FUNTOWICZ e RAVETZ, 1994). Desse modo, compreendemos que não basta identificar perturbações lineares na estabilidade dinâmica (como surtos de doenças ou crescimento das taxas de morbimortalidade de determinados agravos) e tratá-las com intervenções pontuais. Necessita-se investigar e agir sobre sinais que apontam para novas formas de organização em torno de novos atratores e propriedades emergentes que podem resultar em alterações radicais ou rupturas nos serviços dos ecossistemas e efeitos severos sobre a saúde, bem-estar e condições de vida, exigindo longo prazo para recuperação ou adaptação (WALTNER-TOEWS, 2001 e 2004; KAY e col., 1999; HALES e col., 2004). Como parte fundamental de uma AES, este texto trata de definir a situação/problema (articulando uma agenda sobre problemas que devem ser compreendidos e resolvidos) e a partir daí, desenvolve uma narrativa sobre o sistema socioambiental, condições de vida e situação de saúde. Também se propõe a identificar e analisar os atratores e mudanças-chave, tendências e padrões, presentes e passadas, percebidas e identificadas pelos pesquisadores, utilizando-se primordialmente de dados e indicadores amplamente produzidos e publicados por distintas fontes, tais como IBGE, DATASUS, Secretarias do Estado do Amazonas, Secretarias do Município de Manaus, Superintendência da Zona Franca de Manaus SUFRAMA, dentre outros. Do ponto de vista operacional, para o estudo da situação/problema aplicamos nesta análise o modelo Forças Motrizes-Pressões-Situação-Exposição-Efeitos-Ações FPSEEA, proposto pela Organização Mundial da Saúde (CORVALÁN e col., 2000). Sua principal vantagem sobre os outros modelos de indicadores é considerar de modo mais destacado as exposições ambientais dos humanos nas diferentes situações ambientais, com seus consequentes efeitos sobre a situação saúde (Ver Figura 2). Ao mesmo tempo este modelo permite vislumbrar que os efeitos sobre as situações de saúde das populações resultam de um amplo processo histórico e socioambiental, de modo que é impossível compreende-la dissociada dos seus determinantes sociais e ambientais envolvendo forças motrizes, pressões e situações ambientais, até as exposições e os efeitos, exigindo ações em todos os níveis, da atenção à saúde, até os aspectos relacionados ao modelo de desenvolvimento econômico. As forças motrizes (como crescimento populacional e econômico, urbanização, reprodução de desigualdades) correspondem à camada de informações sobre os aspectos que 9

10 de modo amplo e em uma escala macro influenciam os vários processos ambientais, estes por sua vez resultam em uma segunda camada de informações, que tratam das pressões sobre o meio ambiente (os ecossistemas e seus serviços). As pressões são geradas por todos os setores de atividades econômicas e infraestrutura transporte, energia, habitação, agricultura, indústria, turismo, etc. que se encontram distribuídos e se relacionam a diversos modos de ocupação do espaço e que se conectam com os diferentes estágios da cadeia produtiva. Forças motrizes e pressões conformam atratores que organizam o sistema socioambiental, assim como as condições de vida e de saúde. Resultam, desse modo, na terceira camada de informações, referida a situação ambiental e que concentra os dados, indicadores e informações que apontam para as alterações e degradação dos ecossistemas e seus serviços. É na situação ambiental transformada e/ou degradada que se realizam as exposições ambientais. Estas, por sua vez, se relacionam aos diversos modos em que as populações são expostas - nos ambientes que vivem, trabalham e circulam - aos potenciais efeitos sobre as condições de vida, bem-estar e saúde. Figura 2 Matriz de Indicadores no Modelo Forças Motrizes, Pressões, Estado, Exposição, Efeitos e Ações (FPSEEA) Fonte: adaptado de Corvalán e col., Das exposições ambientais resultam os efeitos sobre a saúde, manifestados na forma de agravos e registrados em sistemas de informações enquanto morbidade e mortalidade. Nesta análise em cadeia, a compreensão dos efeitos ocorre por resultado de um amplo leque 10

11 de fatores, distribuídos em diferentes camadas. Isto significa que as ações e respostas tenham que ser formuladas de modo a atingir simultaneamente as múltiplas camadas da cadeia desenvolvimento <-> meio ambiente <-> população. Algumas ações e respostas podem ser de curto prazo e remediadoras, restritas as políticas de atenção à saúde e serviços de saúde. Outras de médio prazo e preventivas, atuando sobre a redução/eliminação das exposições e melhoria da qualidade ambiental (redução dos níveis de poluição no solo, águas e ar; melhoria das vias de transporte e do transporte púlbico, etc.) ou de longo prazo e precaucionárias, envolvendo transformações sobre as pressões e forças motrizes que afetam as cidades, estados, países ou regiões. Embora o modelo FPSEEA ajude a organizar os dados, indicadores e informações em diferentes camadas, deve se evitar o emprego do mesmo de modo mecânico e linear. O resultado seria contrário ao proposto, obscurecendo o complexo processo de desenvolvimento econômico e urbano, e as consequentes mudanças na situação ambiental e na relação entre exposições e efeitos sobre a situação de saúde, limitando a compreensão das condições e tendências. Por outro lado, dentro dos modelos indicadores utilizados pelo setor saúde, este é o que de modo mais amplo possibilita levantar um conjunto diversificado de dados (saúde, meio ambiente, economia, sociedade, política, etc.) sobre municípios e cidades. Permite tratálos numa perspectiva (eco)sistêmica (não linear) e como integrando um sistema complexo, em que cada uma de suas camadas interage com as outras, ao mesmo tempo em que nos aproxima do debate sobre os determinantes socioambientais da saúde (SOBRAL e FREITAS, 2009). 3. APLICAÇÃO E ANÁLISE DA MATRIZ FPSEEA PARA MANAUS 3.1. Forças motrizes socieconômicas e pressões ambientais O Estado do Amazonas em termos espaciais é a maior unidade da federação com área de Km 2, dividido em 62 municípios, componente da região Norte do país e da macroregião Amazônia Legal delimitada pelos estados onde ocorre o bioma Amazônia. A respeito dos remanescentes de vegetação nativa, o estado do Amazonas ainda apresenta uma das melhores condições de conservação, onde apenas 2,3% de sua cobertura original de floresta foi desmatada até o ano de Sua capital, o município de Manaus, possui área Km 2 (0,73% da área do estado) e um desmatamento total acumulado até 2009 de 1.226,8 Km 2, equivalente a 10,6% da área municipal (INPE/PRODES, 2010). Segundo o trabalho de Miranda e col (2005), a área efetivamente urbanizada no município de Manaus em 2000 corresponderia à apenas 229 Km2, representando 1,9% do mesmo. Por outro lado, Oliveira e Costa (2007) afirmam que a área urbanizada de Manaus corresponde a 4% da área do município. Ainda com relação a extensão territorial, Manaus é a segunda maior entre as capitais. Perde apenas para Porto Velho. A extensão territorial dos municípios é fundamental para entender as redes e os fluxos de influências (se é que existem), da cidade e do urbano (RODRIGUES, 2009). 11

12 Manaus tem seus limites com os seguintes municípios amazonenses: ao Norte, com Presidente Figueiredo; a Leste com Rio Preto da Eva e Itacoatiara; ao Sul com Careiro da Várzea e Iranduba; e a Oeste com Novo Airão. Esta capital localiza-se aos 03 o de latitude Sul e 60 o de longitude Oeste, assentada sobre um baixo planalto que se desenvolve na barranca da margem esquerda do rio Negro, nas imediações da confluência do rio Solimões onde se forma o Amazonas e também nas proximidades da foz do rio Tarumã com o Rio Negro (GEO MANAUS, 2002). Historicamente Manaus teve uma importância em vários períodos por sua localização estratégica que permite acesso a uma extensa rede hidroviária. Esta localização contribuiu para que Manaus se tornasse um importante núcleo urbano de apoio a qualquer atividade econômica na região e constituiu as bases para a formação de uma cidade mundial situada no coração da floresta e distante Km do oceano Atlântico. Nos ciclos extrativistas foi um importante interposto para exportação, como também a conexão com países e continentes, permitindo um dinâmico e variado comércio. Para Becker e Stenner (2008), Manaus reproduziu um modelo de urbanização contra hegemônico, característico da Amazônia, em que as cidades foram implantadas ao longo de rios antes de qualquer atividade agrícola organizada, delineando por si o povoamento e a produção em seu entorno. Oliveira e Schor (2008) ressaltam a importância portuária da localização privilegiada de Manaus em termos de circulação de mercadorias para o hinterland e da região para o resto do mundo, concentrando principalmente o fluxo para a Amazônia Ocidental, tanto no período da borracha como na atualidade com a Zona Franca de Manaus, centralizadora de atividades econômicas e promotora de rápida ampliação da malha urbana com consequente surgimento de contradições extremas. No atual processo de desenvolvimento, o crescimento e a importância da industrialização promovida pela Zona Franca de Manaus reforçam o papel desta cidade enquanto uma liderança na macrorregião. Como observa Becker e Stenner (2008), este processo, por sua vez, vem gerando externalidades dinamizando outros serviços e comércios essenciais, interferindo amplamente na economia, de modo que a própria condição urbana dinamiza Manaus e a Zona Franca em seu conjunto. Esta explosão industrial contemporânea de Manaus tem transformado a cidade e sua situação na região como um todo. Nesta fase econômica, diferentemente dos modelos extrativo-mercantis anteriores, a industrialização é promovida pelo Estado e se relaciona estritamente com o urbano, e não mais com a economia tradicional da floresta, predominante em todos os ciclos posteriores. Como observa Santos (2009), a chegada do processo de industrialização em Manaus também é determinada por um processo técnico-científico que possibilita a fluidez do espaço, ampliando o poder de ocupação territorial promovido pelo Estado, com base na grande mobilidade de fatores de produção, trabalho, produtos, mercadorias e capital. 12

13 Mas apesar da importância indiscutível de Manaus em toda a extensa região amazônica, sua rede urbana compreende apenas 1,7% da população nacional em 72 municípios, apresentando intensidade de relacionamento baixo com outras cidades, e comparativamente, bastante inferior a de cidades como Juiz de Fora (MG), Ribeirão Preto (SP) e Montes Claros (MG). E mesmo que Manaus esteja conectada a ampla região por uma rede de hidrográfica, esta capital é bastante prejudicada por ainda possuir uma precária conexão com os eixos rodoviários, que constituem o principal modal de fluxos e conexões na Amazônia Legal. Assim pode-se dizer que o coração da Amazônia está longe das principais veias e artérias que dinamizam os fluxos na região (SATHLER e col., 2009: p.26). Encontra-se em andamento, desde 2000, um grandioso plano multilateral e multisetorial denominado Iniciativa de Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana IIRSA, que almeja aumentar a fluidez do território da América do Sul por meio de eixos de integração e desenvolvimento. Esta iniciativa certamente incide em significativo aporte à já privilegiada posição estratégica de Manaus. Todavia, a IIRSA não fora concebida de modo a promover uma integração social em sua área de abrangência e que, não contempla em sua orientação um planejamento quanto a impactos ambientais e sociais. Além disso, negligencia questões urbanas inerentes ao seu desenvolvimento, considerando sua importância logística e possíveis reflexos no crescimento e impactos nas mesmas (VITTE, 2009). Sob esse último aspecto, muito significa considerar as possíveis consequências para uma cidade como Manaus, levando em conta a predominância de uma urbanização marcada pela reprodução da pobreza (SANTOS, 2009; OLIVEIRA e SCHOR, 2008). Enquanto inserção da macrorregião, Théry (2005) afirma que a IIRSA coloca a Amazônia em uma posição privilegiada do continente, em termos de infraestrutura e fluxos, e não mais a periferia dos países que a compõem. Manaus acumula cerca de metade da população do estado e aproximadamente 80% de seu PIB (FREITAS e GIATTI, 2010), o crescimento populacional desta capital pode ser visto no Gráfico 1, em que é nítida e intensa progressão a partir da década de 1970, consagrandose como uma das mais populosas cidades brasileiras e a maior dentre as cidades da região Norte do País, com 99,5% de sua população atualmente concentrada na área urbana. E, se esta capital em ciclos econômicos passados já concentrava intensas desigualdades sociais, na atualidade seu modelo de rápido crescimento econômico e demográfico vem propiciar contradições extremas, pois os incentivos que propiciaram o fenomenal crescimento industrial sob a orientação da economia globalizada, não foram acompanhados de similar movimento no que diz respeito a infraestrutura e equipamentos urbanos de um modo geral, além de que, novamente as desigualdades se instauram com notável concentração de pobreza urbana na cidade (OLIVEIRA e SCHOR, 2008). Para Santos (2009), essa expansão capitalista devorante de recursos públicos, com plena orientação para investimentos econômicos em detrimento de sociais pode ser classificada como uma urbanização corporativa. 13

14 Gráfico 1 - População residente em Manaus de 1872 a Fontes: Recenseamento do Brazil Rio de Janeiro: Directoria Geral de Estatística, [187?] ; Censo demográfico Rio de Janeiro: IBGE, ; Contagem da população Rio de Janeiro: IBGE, 1997; e estimativas populacionais IBGE. É marcante o fato de que crescimento populacional associado à urbanização na Amazônia Legal constituem situação relevante nas relações de saúde e ambiente, sobretudo em se considerando o precário quadro sanitário da região. Particularmente no estado do Amazonas, observa-se que a população cresceu 61,1 % entre 1991 e 2007 enquanto que no país o acréscimo no mesmo período foi de apenas 28,9% (FREITAS e GIATTI, 2009). Enquanto evolução da rápida e marcante concentração populacional em cidades nas últimas décadas, para o Brasil a taxa de urbanização saltou de 36,1% em 1950 para 81,2% em 2000, neste mesmo período a taxa de urbanização do estado do Amazonas cresceu de 26,8% para 74,8% (IBGE, 2000). O fato de a mancha urbana representar muito pouco da área total do estado faz com que a densidade demográfica das áreas urbanizadas amazonenses, calculada para o ano de 2000, seja de habitantes/km 2, um valor bem próximo do nacional, que é de habitantes/km 2. Todavia a densidade demográfica em áreas urbanas no Amazonas parece não ser tão elevada se a compararmos, por exemplo, com a do Pará, que é de habitantes/km 2, ou de São Paulo que é de habitantes/km2 (MIRANDA e col. 2005). De qualquer forma, observa-se rápido crescimento horizontal da mancha urbana de Manaus, como é possível observar na Figura 3. Os municípios da região Amazônica, de um modo geral tem apresentado grande variação populacional inclusive por migrações e assim, Manaus se constitui com uma das maiores variações em termos de crescimento populacional para municípios brasileiros entre 2000 e 2007 (THÉRY, 2008). 14

15 Figura 3 - Evolução da mancha urbana de Manaus em imagens de satélite 1973 a Obs: Imagem Landsat 1 MSS do 07/07/1973, composição colorida RGB bandas 6,7,5; 1991 Imagem Landsat 5 TM do 08/08/2001, composição colorida RGB bandas 3,4,2; 2008 Imagem CBERS2 CCD do 01/07/2008, composição colorida RGB bandas 3,4,2. Fonte: INPE/DGI, Segundo Sathler e col. (2009) há grandes discrepâncias dentre municípios amazônicos em termos de serviços e infraestrutura com relação ao tamanho demográfico, municípios amazônicos a serem considerados médios pela dimensão de suas populações não podem ser assim classificados, pois a complexidade conceitual dessa categoria se constitui quando os municípios possuem oferta de funções compatíveis, em nível intermediário em se comparando com as metrópoles ou capitais, no caso, ressaltando-se Manaus e Belém por oferecerem melhores condições de vida. Desse modo, a título de exemplo, na Amazônia há municípios com populações entre e habitantes onde prevalece pobreza e desemprego, com habitantes desprovidos de recursos materiais e educacionais. Na Amazônia, a integração econômico-espacial provida pela globalização não foi suficiente para reduzir significativamente as distâncias entre as pequenas cidades e os demais níveis hierárquicos das redes urbanas (op. cit., p. 22). Enquanto força atrativa para Manaus, também se considera importante assinalar que o IDH de 2007 (0,74) desta capital é o melhor do estado do Amazonas (IPEADATA, 2010). Dimensionando a economia de Manaus, seu PIB é bastante expressivo no cenário nacional representando em ,3% de participação relativa, ocupando posição de sétima cidade mais rica do país. A rapidez de seu crescimento é marcante, com acréscimo de 128,3% entre os anos de 2002 e 2009, totalizando neste ano aproximadamente de R$ 40 bilhões (SEPLAN, 2009; e AMAZONAS, 2010). Em 2005 o PIB de Manaus foi 2,4 vezes o PIB de Belém e 7,4 vezes o de Porto Velho, segunda e terceira maiores economias da macrorregião Amazônia Legal, respectivamente (IBGE, 2007). A composição do PIB de Manaus demonstra crescimento em todos os seus componentes entre 2002 e 2009 (Gráfico 2), sendo que as atividades industrial e serviços 15

16 representavam 99,8% do valor adicionado e 80,2% do total do PIB de A atividade agropecuária, apesar de também apresentar expressivo crescimento no período de 2002 a 2007, possui pouca expressão no montante, respondendo por apenas 0,2% do valor adicionado e 0,16% do PIB total de Gráfico 2 Evolução do Produto Interno Bruto de Manaus , em R$ bilhões Fonte: SEPLAN, O PIB per capita de Manaus também vem crescendo de modo expressivo (Gráfico 3). Entre 2002 e 2009, enquanto o PIB da capital do Amazonas cresceu 128,2%, seu PIB per capita se elevou em 98,6%, atingindo R$ ,00 em A concentração da produção de bens e serviços na capital também pode ser nitidamente observada nesse indicador, uma vez que o PIB per capita do estado do Amazonas é de R$ ,00 em 2009 (AMAZONAS, 2010). Gráfico 3 Evolução do PIB per capita de Manaus em R$ 1.000, de 2002 a 2009 Fonte: IBGE, 2007 PIB municípios e AMAZONAS, 2010 site e-siga 16

17 Mas apesar do crescimento da economia de um modo geral em Manaus, o percentual de pobres 1 aumentou de 23,6% em 1991 para 35,2% em 2000, esse indicador também em 2000 é de: 30,0% para Belém/PA; 53,0% para o Amazonas; 45,8% em média para os estados da Amazônia Legal; 18,9% para Cuiabá melhor desempenho na Amazônia Legal; e 33,0% para o Brasil (IPEADATA, 2010). A renda domiciliar per capita mensal de Manaus, mesmo sendo a maior dentre os municípios amazonenses, apresentou queda de R$ 276,90 em 1991 para R$ 262,40 em , para efeito comparativo, o valor deste indicador em 2000 é de: R$ 313,93 para Belém/PA; R$ 173,92 para o Amazonas; R$ 196,88 de média para os estados da Amazônia Legal; e R$ 297,23 para o país (IPEADATA, 2010). Esses indicadores econômicos levam a reconhecer que o desenvolvimento econômico em Manaus não vem sendo acompanhado de um processo aumento da renda e redução da pobreza, o que pode ser também observado pela razão entre a renda dos 10% mais ricos e 40% mais pobres, que evoluiu de 18,8% em 1991 para 30,8% em 2000 (IPEADATA, 2010). Considerando a heterogeneidade dentre indicadores na Amazônia Legal, Freitas e Giatti (2009) assinalam, por exemplo, que entre Mato Grosso e Amazonas, ambos têm tido rápido crescimento econômico, e que Mato Grosso realmente apresentou melhor desempenho em alguns componentes dos Objetivos do Milênio propostos pela Organização das Nações Unidas, porém, era o estado com os mais expressivos índices de desmatamento na macrorregião, enquanto que o Amazonas mantinha excelentes indicadores de conservação do bioma Amazônia, todavia, ostentava desempenho aquém em alguns indicadores sociais. Na motricidade do processo econômico, o Polo Industrial de Manaus (PIM), cujo admirável crescimento pode ser verificado no Gráfico 4, contava em 2008 com 550 fábricas, gerando empregos diretos e cerca de 400 mil indiretos, tendo como principais produtos exportáveis: terminais portáteis de telefonia celular, concentrados para elaboração de bebidas, motocicletas com motores de 50 e 150 cilindradas, aparelhos de televisão e aparelhos de barbear não-elétricos (SUFRAMA, 2010). Por outro lado, é importante ressaltar a suscetibilidade conjuntural do faturamento do PIM para eventos externos, como a crise do Governo Collor e a crise cambial, verificáveis em súbitas quedas de faturamento respectivamente em 1991 e Além disso, apesar do crescimento acelerado nos últimos anos, este faturamento que ultrapassou 25 bilhões de dólares em 2007, teve um crescimento de 10,5% em 2008, porém, como reflexos da crise econômica mundial, desencadeada nos Estados Unidos no segundo semestre de 2008, sofreu a redução de seu montante de aproximadamente 7% entre 2008 e 2009 (AMAZONAS, 2010). 1 Pessoas com renda domiciliar per capita mensal inferior a R$ 75,70, valor com referência no ano de Unidade de valor em R$, com valor de referência ano de

18 Gráfico 4 - Evolução do faturamento do PIM, total e subsetores de 1988 a 2007 em bilhões de dólares. Fonte: SUFRAMA, 2008 Em sua dinâmica comercial o PIM apresenta pequena parcela de exportações (predominantemente paro Mercosul), permitindo constatar que o maior volume de vendas de sua produção se dirige ao mercado nacional. Além disso, observa-se que o PIM exporta significativamente menos do que realiza em volume de importações, configurando a dependência de insumos tecnológicos provenientes de outros países (sobretudo de países asiáticos). Com relação ao volume total de aquisição de insumos também é possível inferir que boa parte destes provém também de território nacional (SUFRAMA, 2008). Enquanto modelo de intensa transição na economia da capital: A ZFM contorna a rede de trocas tradicional entre patrão e empregados do sistema de aviamento, substituindo-a por uma dependência em investimento externo por firmas estrangeiras e multinacionais... (BROWDER e GODFREY, 2006 p. 160). Na análise de Pereira (2005), a Zona Franca é um modelo que mantém pouca relação com as potencialidades da região, mas defende interesses exógenos, levando em conta a aquisição de mão-de-obra barata e os significativos favores fiscais e governamentais. Sendo a economia de Manaus fortemente dependente da dinâmica oferecida pela Zona Franca de Manaus (ZFM), uma alternativa frequentemente apontada para diversificação econômica é o Turismo, o qual, apesar de ainda não constituir um segmento de grande representatividade, vem crescendo significativamente nos últimos anos (AMAZONAS,). Para Becker e Stenner (2008), Manaus apresenta-se como proeminente cidade polo para o desenvolvimento de uma indústria biotecnologia. Em adição, os autores citam distintos aspectos conjunturais atuais que favorecem que esta capital associe seu desenvolvimento às características do bioma Amazônia, em que ressaltamos: seu destaque regional enquanto polo 18

19 de ciência, tecnologia e inovação, característica associada à dinâmica instituída pela ZFM; a implementação de estrutura de transportes multimodais que vem a fortalecer sua importância logística; o surgimento de inúmeras empresas médias para o aproveitamento da biodiversidade, como na transformação de óleos essenciais para fitoterápicos ou produtos dermatológicos; e a possibilidade de, enquanto cidade mundial, ter um papel importante na mercantilização de serviços ambientais, como no caso do mercado de carbono. As forças motrizes responsáveis pelo rápido crescimento econômico e populacional de Manaus vêm induzindo reflexos em distintos outros indicadores relacionados à sustentabilidade ambiental e de saúde. Nesse sentido, assinalamos as pressões que resultam do aumento do consumo de energia elétrica, da frota de veículos e para a ocupação do espaço físico, em que se configura um processo de espacialização das desigualdades socioambientais. No tocante ao consumo de energia elétrica ocorre, entre 1999 e 2008, o crescimento do valor bruto fornecido pela Manaus Energia, como também o fornecimento per capita, que também se apresenta crescente, apesar do crescimento populacional, mostrando uma relação de elevação de padrão de consumo 3. Assinala-se que no período de 1999 a 2008 o número de consumidores de energia de Manaus subiu 35,2%, partindo de para ligações (AMAZONAS, 2010). Adiciona-se a essa análise o fato da matriz energética da capital ser quase exclusivamente termoelétrica. A evolução da frota de veículos em Manaus também é notável, e no período em que houve dados disponíveis (de 1995 a 2008) a frota cresceu 178,5% 4. Em se calculando a relação da frota de veículos pela população na capital do Amazonas, esse coeficiente evolui de 0,16 para 0,26 veículos por habitantes entre 1996 e 2008, crescendo, portanto, 62,5% em 12 anos e atingindo a marca de um veículo para cada quatro habitantes. Apesar dessa relação de veículos per capita e do rápido crescimento da frota, o percentual de pessoas que viviam em domicílios com carro disponível para locomoção em Manaus, foi de 21,5% - censo de 2000 (IPEADATA, 2010), mostrando também grande desigualdade no acesso ao recurso automóvel dentre a população de um modo geral. A espacialização das desigualdades socioambientais enquanto materialização das forças motrizes e pressões socioeconômicas pode ser observada na Figura 4, que traz a distribuição espacial de categorias de renda com a delimitação dos cursos hídricos de Manaus, demonstrando que, apesar da pujança econômica, ocorre um padrão espacial peculiar de pressões por ocupação de duas classes de ambientes de extrema relevância e criticidade em termos de saúde pública, que são: os igarapés com sua relação com o precário saneamento e riscos associados à inundações; e a periferia distante, onde a cidade cresce rapidamente e desprovida de infraestrutura, suscetível a um quadro sanitário agravado pela prevalência de condições favoráveis à disseminação de doenças cujos vetores e/ou agentes infecciosos 3 Informação cedida diretamente pela Manaus Energia em referência à Informação cedida diretamente pelo DETRAN do Estado do Amazonas, em referência ao ano de

20 possuem ciclo silvestre. Esse modelo de segregação espacial dos mais pobres ocorre historicamente em Manaus (OLIVEIRA e SHOR, 2008). Figura 4 Renda por pessoa residente em Manaus (em salário mínimo) média por setor censitário, 2000, com detalhamento dos igarapés que cortam o meio urbano. Fonte: IBGE, censo Situação e exposição A situação ambiental em Manaus será tratada considerando, além do seu rápido crescimento urbano sobre precárias condições sanitárias, também sua peculiaridade em termos de ser uma das poucas cidades do mundo com mais de 1,5 milhão de habitantes em clima equatorial. Consideramos esta capital como um ecossistema urbano complexo, cuja dinâmica acarreta efeitos sobre a saúde, que sejam diretos, mediados ou modulados, do curto ao longo prazo, resultando de múltiplas interações que envolvem complexas redes de atratores que se expressam em eventos e situações. Dessa forma, há de se avaliar a atual vulnerabilidade dos grupos populacionais (e provavelmente também futuro se algo não for feito agora) e a resiliência capacidade de adaptação das coletividades humanas (OPAS, 2005). Os atratores que incidem sob o ecossistema urbano sobrepõem-se ao ecossistema natural, não sendo possível distinguir o natural do antrópico, organizando diferentes padrões de 20

21 situações e exposições ambientais, com seus respectivos impactos nos serviços dos ecossistemas e riscos à saúde humana. A pressão por uso do solo se faz intensa conduzindo a ocupação para periferias distantes, como também e historicamente, aliás, dirige-se para as áreas de influência dos igarapés e do sistema hídrico de um modo geral. A ocupação de áreas distantes ocorreu por projetos estaduais ou municipais de construção de residenciais populares (Nova cidade, Cidade Nova, e outros), criando vácuos centrais e ilhas de populações isoladas dos centros. As dificuldades de ordenamento e planejamento urbano mediante a velocidade do crescimento populacional materializam uma cidade espraiada e com inúmeros vazios, que destrói rapidamente sua cobertura vegetal natural, tornando difícil atender a população com serviços essenciais, também reproduzindo sérios problemas viários. Em se tratando de esgotamento sanitário, o percentual de domicílios com instalação sanitária ligada à rede geral de esgotos (e/ou águas pluviais) era de 32,5% em 2000, apontando um sério déficit nesse sentido (IPEADATA, 2010). Porém a disponibilidade de redes de esgoto na cidade é bastante restrita em termos espaciais (Figura 5). De acordo com dados de 2008 da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, Manaus conta com economias abastecidas por água de rede pública, enquanto que são apenas (7,1%) as esgotadas por rede coletora de esgotos sanitários, enquanto que (IBGE, 2010). Figura 5 Redes de coleta de esgotos domésticos na cidade de Manaus, Fonte: ARSAM - Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Estado do Amazonas, 2008 disponível url: acesso em 23/03/

22 Sob dados censitários, o percentual de domicílios atendidos por abastecimento de água encanada proveniente de rede geral apresenta crescimento desde 1970 até 1991 (atingindo 79%) e ligeira queda no ano de 2000 (74%), totalizando neste ano o número de domicílios (IPEADATA, 2010). A queda no final deste período permite considerar a dificuldade de se prover serviços básicos mediante ao rápido crescimento populacional. Um plano de ação da companhia Águas do Amazonas concessionária de saneamento no município mostra que a cada ano cerca de habitantes passam a demandar serviços públicos em Manaus, e que o sistema de abastecimento de água da cidade, composto por adutoras que fornecem água tratada captada no rio Negro, além de soluções alternativas com distribuição de água proveniente de poços profundos no meio urbano em localidades distantes do sistema de adução, mantinha em 2007 aproximadamente 600 mil pessoas com abastecimento precário e 250 mil pessoas sem abastecimento público de água (ÁGUAS DO AMAZONAS, 2007), ou seja, mais da metade da população de Manaus em 2007 não contava com abastecimento público regular de água potável. As áreas de Manaus com maiores dificuldades para serem atendidas pelo sistema de abastecimento são apresentadas na Figura 6, composta por dados do censo de 2000, antes da concessão para a companhia Águas da Amazonas, em período em que o abastecimento de água era realizado pela COSAMA Companhia de Saneamento do Amazonas. No entanto, o plano de ação acima citado produzido pela Águas do Amazonas em 2007, permanece reconhecendo as dificuldades de abastecimento que se concentram nas zonas Norte e Leste da cidade, predominantemente. Vale salientar, que as zonas Norte e Leste da cidade de Manaus comportam atualmente quase metade dos domicílios: 44,2% (Oliveira e Costa, 2007). Em análise de dados do censo de 2000 é possível verificar que ainda é fortemente prevalente o abastecimento de domicílios por água de poços ou nascentes em Manaus, mesmo em áreas atendidas por rede pública de abastecimento (IBGE, 2000). Temos nesta capital o percentual de pessoas que vivia em domicílios atendidos por coleta de resíduos sólidos era de 78% em 1991 e evoluiu para 91% em 2000 (IPEADATA, 2010). Considerando a boa cobertura por coleta, observa-se a tendência de universalização do serviço, tendo também em vista que em 2007, de acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento SNIS, a taxa de cobertura da coleta de resíduos sólidos foi informada pelo gestor municipal como de 100% para o município de Manaus (Ministério das Cidades, 2009). 22

23 Figura 6 Setores censitários por percentual de domicílios abastecidos com água da rede geral em Manaus, Fonte: IBGE, censo A coleta de resíduos sólidos urbanos em Manaus em 2007 foi de t/dia, com uma produção per capita de 1,20 Kg/hab/dia (ABRELPE, 2007). Em 2009 registra-se a coleta de t/dia nesta capital com uma produção per capita de 1,25 Kg/hab/dia. Para o Brasil, projeta-se uma produção per capita de resíduos sólidos urbanos da ordem de 1,25 Kg/hab/dia nesse mesmo ano, todavia, em algumas capitais encontram-se produções per capita acima ou abaixo desse valor, tendo relação com padrões de consumo de suas populações e diversos outros fatores. A exemplo destas variações temos: Belém com 1,10 Kg/hab/dia; Rio Branco com 0,85 Kg/hab/dia; Porto Velho com 0,79 Kg/hab/dia; São Paulo com 1,34 Kg/hab/dia; e Rio de Janeiro com 1,62 Kg/hab/dia. Sobre esses comparativos, observamos que a produção de resíduos per capita em Manaus se destaca por ser a maior grandeza na região da Amazônia Legal, ao passo que seu crescimento indica tendência de se aproximar do per capita de outras capitais brasileiras com elevados valores (ABRELPE, 2009). Os resíduos sólidos urbanos coletados em Manaus são encaminhados para um Aterro de Resíduos Sólidos Urbanos controlado iniciado em 1986, situado na zona Norte da cidade, no Km 19 da rodovia AM-010. Este, recebe ~ toneladas por ano ( em 2002, em 2007) na forma de resíduos domiciliares e públicos, resíduos de serviços de saúde, entulho e resíduos de podas e 23

24 outros (Ministério das Cidades, 2004; 2009).A coleta seletiva (0,1% do total em 2002, 0,2% em 2007) apesar de duplicar permanece uma cifra muito baixa (Ministério das Cidades, 2004, 2009). Em 2011 a Prefeitura formalizou uma parceria público privada com o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM) para um diagnóstico da coleta seletiva de Manaus (PREFEITURA DE MANAUS, 2011). Desde 2011 o aterro é gerido pela Secretaria Municipal de Limpeza Pública (SEMULSP) e foram realizados investimentos com vistas à utilização adequada e o seu funcionamento está dentro das normas técnicas previstas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas (PREFEITURA DE MANAUS, 2011). Os custos com limpeza urbana em Manaus somaram R$ ,00 em 2007 e representaram 9,4% do orçamento municipal daquele ano, como outros exemplos deste percentual de gastos temos: Rio Branco com 2,2%; São Paulo com 4,1%; Rio de Janeiro com 7,9%; e uma projeção de 4,5% enquanto média para os municípios brasileiros com 90% de nível de confiança e 10% de margem de erro (ABRELPE, 2007). A partir destes dados, podemos inferir que, em comparação com o Brasil e com outras capitais brasileiras, é elevado o percentual do orçamento empregado em limpeza urbana da capital do Amazonas. Entre 1971 e 1986, um depósito de lixo que não contava com critérios técnicos de proteção ambiental existia em Manaus na área hoje ocupada pelo bairro periférico de Novo Israel, na zona Norte da cidade. Um estudo de análise de qualidade da água de poços de lençóis superficiais e profundos nessa localidade e nas suas adjacências (ROCHA e col., 2006) mostrou que a água captada não era apropriada para consumo humano devido a altos teores de contaminantes químicos, especialmente metais pesados. Apesar de o problema ambiental ser constatado, ainda entre 2007 e 2008 a população local continuava exposta aos contaminantes em razão do uso de água de poços para abastecimento doméstico, sendo verificados sérios equívocos quanto à percepção do problema ambiental e riscos à saúde dentre a população local (GIATTI e col., 2010). Considera-se, porém, que a comprovação da relação causa e efeito para exposições ambientais que possam desencadear manifestações crônicas a humanos demanda estudos específicos, em pesquisas frequentemente custosas e demoradas (CÂMARA e col., 2003). Para Ravetz (2004), os efeitos da exposição de humanos a poluentes ambientais se manifestam, geralmente, em longo prazo, sendo mascarados por outras causas. Soma-se a isso o fato de que a probabilidade de sinergia entre elementos nocivos e a potencialização de riscos é geralmente desconhecida, havendo grande dificuldade para comprovações por meio de uma ciência baseada em testes laboratoriais, que não incorpora outros fatores relevantes, como interesses corporativos, industriais, regulatórios ou profissionais que se posicionam contra o reconhecimento dos efeitos. No caso em estudo, até mesmo a necessidade de espaços para moradia em um mercado imobiliário profundamente desigual contribui para a ocupação da área contaminada e, consequentemente, para a exposição humana a situações ambientais que apresentam riscos para a saúde. 24

25 Com relação aos recursos hídricos em Manaus, sua área urbana abrange quatro bacias hidrográficas tributárias do rio Negro. Dentro da cidade situam-se integralmente duas bacias, dos igarapés São Raimundo e Educandos, e partes das bacias do igarapé Tarumã-Açu e do rio Puraquequara (Figura 7). A complexa rede hidrográfica da cidade, composta por inúmeros tributários dos cursos principais acima citados, apresenta uma série de problemas, como apontados pelo informe GEO Manaus (2002; p.70): Águas Poluídas em quase todos os igarapés que cortam a área urbana, como os de São Raimundo, Mindú, Bindá, Franceses, Bolívia, Matrinxã, Tarumanzinho, Quarenta, Educandos, Mestre Chico, Manaus, Bittencourt e Franco. Alagamento de áreas ocupadas por chuvas intensas como as que ocorrem nos bairros do Japiim, Petrópolis, Compensa, Aleixo, Parque 10 e Santa Etelvina. Riscos de Desabamentos estão presentes em inúmeros bairros, como no Centro, Aparecida, Educandos, Petrópolis, Santa Luzia, Betânia, Aleixo, Parque 10, Santa Etelvina, Novo Israel, Colônia Terra Nova, N.S. Fátima, Cidade Nova, Canaranas, Multirão Amazonino Mendes, Mauazinho, São Lucas, João Paulo II, São José III, Coroado (I, II e III), Compensa, São Jorge, São Raimundo, Bairro da Paz, Redenção e, também, na CEASA e orla do rio Negro. Inundações por Cheias Fluviais ocorrem nas partes mais baixas da área urbana, principalmente nos trechos localizados às margens dos cursos d água, atingindo os bairros de Educandos, Glória, São Raimundo, Bariri, São Jorge, Morro da Liberdade, São Geraldo, Crespo, Raiz, Betânia, Vila da Prata, Santa Luzia, São Lázaro, Colônia Oliveira Machado, Matinha, Aparecida, Compensa, Pico das Águas, Mauazinho, Cachoeirinha, Centro, Presidente Vargas, Igarapé do Quarenta, Igarapé Mestre Chico, Igarapé de Manaus, Igarapé Bittencourt, Jardim dos Barés, Igarapé Veneza, Beira do Rio Negro. O igarapé Tarumã-Açu que corta a cidade pela sua zona Oeste e deságua no rio Negro nas proximidades da Ponta Negra, constitui um importante local de lazer e para atividades de recreação, inclusive de contato primário com a água, e vem sofrendo processo de contaminação tanto por esgotos domésticos, como pelo fato de ter em sua bacia de drenagem a localização do aterro controlado da rodovia AM-010 (SANTOS e col., 2006). Um estudo realizado na bacia do Tarumã-Açu (SANTANA e col., 2007), por coleta e análise de água e sedimentos em igarapés tributários, no próprio Tarumã-Açu e dentro do referido aterro, identificou a presença de metais pesados em níveis muito acima dos permitidos pela resolução 357/2005 CONAMA, concluindo que o aterro das imediações é o principal responsável por este impacto ambiental. Nota-se que, apesar das grandes vazões do rio Negro e de seu poder de diluição, essas contaminações ocorrem à montante da mais volumosa captação de água da companhia Águas do Amazonas, na ponta do Ismael/Compensa, utilizada para abastecimento público da capital. Ainda com relação ao passivo ambiental da disposição inadequada de 25

26 resíduos sólidos impactando os recursos hídricos, medições de concentração de metais pesados na rede hidrográfica a leste do aterro de Manaus entre 2005 e 2006 mostraram heterogeneidade e variações sazonais, porém assinalando que metais como Al, Cd, Fe e Pb foram verificados em níveis superiores aos determinados pela resolução CONAMA 357, de 2005 (OLIVEIRA & SANTANA, 2010). Analisando a inserção de Manaus nos sistemas naturais, especificamente quanto ao sistema hídrico, temos a inserção da cidade entre dois grandes rios e inúmeros igarapés, fez com que as áreas de influência destes historicamente se constituíssem como espaços de exclusão e ocupação irregular, constituindo-se como se fossem periferias pobres de Manaus. Ressalta-se ainda que a cidade cresce de costas para os rios, aterra seus igarapés ou deixaos como veias abertas a drenar esgotos (OLIVEIRA e SCHOR, 2008; p.59). As características naturais do relevo entrecortado por igarapés, trouxeram, mediante a necessidade de expansão da cidade desde o ciclo da borracha iniciado no final do século XIX, um constante debate em torno do modelo a se adotar para crescimento e conformação do desenho urbano. Porém, vem sendo reproduzido historicamente um modelo que agride intensamente os recursos hídricos e suas áreas de influência, como por aterramentos que desde o passado vem a ocorrer sob uma lógica de supressão de áreas sujeitas a ares corrompidos (VALLE e OLIVEIRA, 2003). Uma intervenção atual de grandes proporções nos igarapés tem sido o Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (PROSAMIM) realizado com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Esse programa deve ser mencionado como ação de resgate do espaço dos igarapés no meio urbano, embora bastante oprimidos pelo traçado que a cidade constituiu. Todavia, um grande esforço ainda deve ser empreendido para se tratar das causas da poluição dos igarapés por esgotos, pois só então poder-se-á considerar as áreas beneficiadas como ambientes favoráveis à saúde. Os igarapés, chavascais e nascentes por sua importância sistêmica e sua contribuição no provimento de serviços de ecossistemas e suporte à vida (MEA, 2005), são fundamentais no ciclo da água, drenagem, manutenção da biota, interação com sistemas terrestres, influência no micro clima, interação com rios e bacia hidrográfica, etc. Sob a necessidade de se manejar essas áreas por sua capacidade enquanto sistemas de suporte à vida, sua gestão deve ser realizada em torno de suas trocas e fluxos entre sistema antrópico e natural. Assim, assinalamos que a preservação e a não ocupação irregular destes sistemas hídricos possui grande relevância para a drenagem urbana e para prevenção de enchentes, inundações e desastres associados; importância para minimização do efeito de calor urbano, podendo interferir positivamente mediante a constituição de ilhas de calor; possibilidade de oferecer áreas verdes para usufruto dos habitantes, revertendo em ambientes favoráveis à saúde e favorecendo práticas saudáveis promoção da saúde; possibilidade de fortalecimento da identidade singular da cidade, com suas características de interação com os sistemas naturais. 26

27 Figura 7 Hidrografia da cidade de Manaus Fonte: GEO Manaus (2002) Quanto à cobertura vegetal no espaço urbano de Manaus, um estudo realizado a partir de sensoriamento remoto, entre 1986 e 2004 (NOGUEIRA e col., 2007), mostra como a partir do franco crescimento urbano de Manaus decorre um processo de desmatamento, que, de modo predatório, ocupa as bordas e os espaços intra-urbanos. Durante ocupação, a área urbana da capital perdeu 65% de sua cobertura vegetal, sendo que cerca de 20% da cobertura foi suprimida em apenas 18 anos, período referente ao estudo. Especificamente nas zonas Norte e Leste, porções mais novas da expansão urbana e principais vetores de crescimento nos últimos anos, a ocupação ocorreu predominantemente sobre a mata circundante da mancha urbana. Por outro lado, a grande extensão do município e a ocupação de apenas uma pequena fração de sua área pela mancha urbana (que varia de 4% à 1,9%, de acordo com a fonte), permite a preservação de extensas áreas com cobertura vegetal nativa, além de que, uma enorme porção do município encontra-se protegida por unidades de conservação municipais, estaduais e federal. Porém, é no ambiente urbano profundamente modificado que as consequências da depleção do verde vêm a interferir no bem estar humano de grande parte da população. 27

28 Com relação à arborização urbana, há carência de dados ou indicadores para Manaus, mas a cidade vem apresentando um certo padrão de arborização em quintais, que pode ser verificado em uma ocupação planejada e consolidada como a do bairro de Cidade Nova, na zona Norte de Manaus. Por outro lado, ocupações mais recentes e também planejadas, como em Nova Cidade, carecem substancialmente de arborização, muitas vezes constituindo ambientes bastante inóspitos como em conjuntos residenciais populares nesse mesmo bairro, que não contam com áreas verdes e se constituem de casas que oferecem pouco conforto térmico, além de que, muitas vezes, encontram-se nas franjas da cidade em áreas de profundos e recentes impactos nos sistemas naturais, em circunstâncias que favorecem a incidência de doenças como a malária (CONFALONIERI, 2005; PATZ e col., 2004; GONÇALVES e col.,2004). É curioso notar, que em ocupações não planejadas, apesar do traçado irregular pelo qual se estabelecem, essas muitas vezes apresentam certo padrão de urbanização, sobretudo de quintais (SEMMA, 2008). Voltando à questão do rápido crescimento urbano de Manaus com a insuficiência de planejamento e ordenamento urbano, sobretudo entre as décadas de 1980 e 1990, assinalamse alguns aspectos que interferem na qualidade de vida da população por meio da severa e precária urbanização: inadequação dos instrumentos de planejamento e controle; insuficiência e desarticulação da malha viária; descaracterização ou substituição paulatina de edificações de interesse histórico e cultural: intensificação da atividade imobiliária em terrenos desocupados; e deficiência da infraestrutura urbana, principalmente dos sistemas de esgotos sanitários, e dos serviços e equipamentos sociais básicos (GEO MANAUS, 2002). No contexto da moradia, a análise dessa questão produz dialeticamente a fragmentação e articulação da cidade, em que se aproximam e se afastam contradições entre ricos e pobres (OLIVEIRA e COSTA, 2007; SPÓSITO,1994). Oliveira e Costa (2007) consideram que os conjuntos habitacionais e as ocupações espontâneas constituíram os mais recentes (três últimas décadas) vetores da expansão da malha urbana da cidade de Manaus. Nas décadas de 1980 e 1990 foram construídos na Zona Norte os conjuntos habitacionais Cidade Nova e Nova Cidade, respectivamente. Ambos totalizaram novas unidades habitacionais, inaugurando a nova fase na construção de unidades populares em Manaus. Enquanto que no outro vetor da expansão da malha urbana da cidade de Manaus, denominado de ocupações espontâneas, diferentemente, o Estado não se fez tão presente. São exemplos de ocupações espontâneas, os bairros de Alvorada e Redenção na Zona Centro-Oeste, ocupados por trabalhadores da construção civil que ergueram o Conjunto Ajuricaba na década de Na zona Norte os bairros de Novo Israel, Monte das Oliveiras, Colônia, Terra Nova, Santa Etelvina e Colônia Santo Antônio foram ocupações nas imediações dos conjuntos habitacionais Cidade Nova e Nova Cidade na década de Nos últimos anos essa expansão tem seguido o sentido da rodovia federal que liga Manaus ao município Presidente Figueiredo, adentrado a zona rural da capital do estado. Na zona Leste as ocupações espontâneas deram origem aos bairros de Mauazinho, Zumbi dos Palmares e 28

29 Coroado, sendo este último considerado o último bairro ao leste da cidade nos anos Na zona Oeste as ocupações espontâneas deram origem aos bairros Compensa, Vila da Prata, Lírio do Vale, Santo Agostinho e Tarumã. Quanto a ocupação, conclui-se que a cidade de Manaus caracteriza-se por um processo de exclusão sócio espacial de periferização ora orientada os conjuntos habitacionais ora espontânea as ocupações desordenadas e não planejada do tecido urbano (OLIVEIRA e COSTA, 2007). Esse processo desencadeou um crescimento vertiginoso de bairros nas zonas Norte e Leste da cidade entre 1991 e 2000 (FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO, 2006). Enquanto tentativa de qualificar e quantificar aspectos de habitação, o conceito de déficit habitacional básico, segundo a Fundação João Pinheiro (2007), corresponde ao somatório das habitações que registraram ou foram caracterizados no último censo demográfico como coabitação familiar, domicílios improvisados e domicílios rústicos. Assim, o déficit habitacional básico do Manaus é estimado em unidades habitacionais, correspondente a 40% do déficit do estado do Amazonas 5. O valor proporcional em relação ao total de domicílios permanentes, somente é inferior ao registrado na Região Norte, no Amazonas, no Pará e em Belém. Contudo é superior a média brasileira. O componente que mais pesa negativamente para esse indicador é o de coabitação familiar, representando 87,9% do total do déficit. As unidades habitacionais coabitadas por outras famílias são uma categoria constituída por duas variáveis: famílias conviventes e número de cômodos cedidos ou alugados. No caso, o peso maior para Manaus é da variável famílias conviventes: 63% (FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO, 2005). Tomando a questão da urbanização pelo seu processo de modernização, temos a considerar a relevância do crescimento da frota de veículos enquanto fontes emissoras de poluentes atmosféricos, os quais provavelmente somam suas emissões com as de usinas termoelétricas em operação e queimadas realizadas em áreas periféricas à Manaus. Assim, destacamos a possibilidade de que esteja ocorrendo um aumento da exposição a poluentes atmosféricos dentre a população de Manaus. Todavia, uma vez que não há uma rede de monitoramento de qualidade do ar nesta capital, nos é permitido apenas reproduzir algumas informações obtidas no GEO-Manaus (2002), que aponta as emissões veiculares e de termoelétricas como os grandes responsáveis pela poluição local. Com referência a existência de duas usinas termoelétricas que utilizam óleo combustível e diesel, estas situam-se nos bairros de Aparecida (área central) e Mauazinho (área do distrito industrial). Ambas sofreram denúncias por parte da população de seu entorno em 1994 quanto a poluição, sobretudo por material particulado, sendo alvo de termo de compromisso e posterior monitoramento, e atingindo padrões adequados de emissão, segundo o documento. 5 Os municípios amazonenses Coari, Humaitá, Itacoatiara, Manacapuru, Manaus, Maués, Parintins, Tabatinga e Tefé 29

30 Uma pesquisa realizada em 2001 (KUHN e col. 2010) por meio de sobrevoo e amostragem de ar atmosférico em uma extensão de 100 Km a partir de Manaus e na direção de seus ventos predominantes apontou a influência da cidade e de suas duas termoelétricas em uma pluma de dispersão de alguns poluentes atmosféricos. De fato, a inexistência de monitoramento de qualidade do ar parece ser um elemento de grande peso enquanto impedimento de uma análise mais ampla sobre condições ambientais e de saúde. Por outro lado, alguns avanços recentes na transição da matriz energética da cidade de Manaus precisam ainda ser devidamente avaliados enquanto suas contribuições positivas, como no caso da substituição de produção de energia a partir de óleo combustível para a produção a partir de gás natural, em operação em algumas plantas já em funcionamento. De qualquer maneira, a poluição atmosférica vem sendo sistematicamente apontada por sua importância sistêmica, principalmente em ambientes urbanos, por propiciar sinergia com demais fatores de exposição, potencializando riscos de ocorrência de doenças respiratórios ou cardiovasculares, por exemplo (KJELLSTROM e col., 2007). Salientamos ser um grande desafio descrever condições e tendências em termos das situações ambientais e exposições a que se submete a população de Manaus, de um lado temos que lidar com a pouca tradição na produção de indicadores ambientais, de outro lado, temos que pesquisar as mais distintas fontes e documentos no que diz respeito da descrição destes aspectos para uma cidade, que em nível municipal segue uma lógica de produção de informações dentro de suas próprias peculiaridades, sobretudo para temas relativamente novos. 3.3 Efeitos Nesta seção do estudo trataremos majoritariamente da evolução recente de agravos à saúde que possuam em sua cadeia causal grande relevância de fatores ambientais (PRÜSS- ÜSTÜN, CORVALÁN, 2006), com dados captados principalmente no site do DATASUS, do Ministério da Saúde. Consideramos como um importante subsídio à análise realizar algumas considerações preliminares sobre a estrutura etária da população de Manaus, buscando a partir daí, bases para discussões quanto a situação desta população em um processo de transição demográfica e epidemiológica (OMRAN, 1971; OLSHANSKY e col., 1986), avançando para a argumentação da situação de transição dos riscos ambientais quanto aos efeitos a saúde dos habitantes de Manaus, mediante as mudanças que vem ocorrendo em termos do desenvolvimento humano e econômico que se procede (SMITH & EZATTI, 2005). Uma medida relevante para análise da transição demográfica (envelhecimento da população) brasileira é o índice de envelhecimento, representado pelo número de pessoas com 60 ou mais anos de idade para cada 100 habitantes com menos de 15 anos (RIPSA, 2008). Entre 1991 e 2008 este índice evoluiu no país de 21,0 para 37,9. Em Manaus no mesmo período a evolução do índice de envelhecimento foi de 10,8 para 17,4 (DATASUS, 2011). 30

31 Alguns outros indicadores nesse sentido são de taxa de fecundidade e de expectativa de vida ao nascer, não estando à disposição desagregação dos mesmos para Manaus, comparamos entre nível estadual e nacional. Para o Brasil, a taxa de fecundidade total entre 1991 e 2007 caiu de 2,73 para 1,90 (queda de 0,83), no estado do Amazonas no mesmo período foi de 4,07 para 2,36 filhos por mulher (queda de 1,71) (DATASUS, 2011). A expectativa de vida ao nascer em 2008 foi de 73 anos para o Brasil, enquanto para o Amazonas 71,8. A redução da mortalidade infantil em Manaus (Gráfico 5) já assinala um desempenho melhor que o nacional, também demonstrando a tendência de atendimento deste Objetivo de Desenvolvimento do Milênio, cuja meta para Manaus em 2015 é de 16,2 óbitos de crianças menores de cinco anos para cada mil nascidos vivos (PNUD, 2011). De um modo geral, temos ainda na capital do Amazonas uma população bastante jovem, mas que assim experimenta um processo tardio de envelhecimento, sobretudo em se comparando com a realidade do país (Figura 8). A comparação das pirâmides de Manaus dentre dados dos censos de 2000 e 2010 mostra um inicio de estreitamento na base em 2010, a faixa etária dos 14 anos sendo agora a mais numerosa, todavia outras faixas etárias jovens também se destacam por sua grandeza em Manaus, o que permite inferir haver uma grande e constante migração de jovens para esta capital. Gráfico 5 - Evolução da taxa de mortalidade infantil em menores de 5 anos para cada mil nascidos vivos em Manaus, entre 1995 e Fonte: PNUD, 2011 dados do DATASUS. 31

32 Figura 8 - Pirâmides etárias de Manaus, 2000 e 2010 e do Brasil, Manaus Brasil Fonte: IBGE, censo 2000 e Para Olshansky & Ault (1986) juntamente com a transição demográfica, é decorrente também a substituição dos índices de morbi/mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias para doenças crônico-degenerativas no perfil epidemiológico das populações. Em síntese, acreditava-se que este processo decorre do desenvolvimento econômico por meio da oferta melhores condições sanitárias, do desenvolvimento e acesso a tecnologias médicas e de estilos de vida saudáveis adotados pela população. Essas transições vêm se reproduzindo em todos os países, mas com certas singularidades, sobretudo nos países em desenvolvimento. No Brasil, por exemplo, temos a persistência na importância de algumas doenças infecciosas associadas à pobreza e a precárias condições sanitárias (FRENK e col. 1989; SCHRAMM e col., 2004), temos simultaneamente o crescimento das doenças associadas ao processo de urbanização e industrialização, bem como expansão das fronteiras agrícolas, cujos produtos e subprodutos tóxicos e poluentes resultam em múltiplas consequências à saúde das comunidades e dos trabalhadores (BARRETO e CARMO, 2007). 32

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas Saúde, Ambiente e Sustentabilidade ORIGEM DA VIDA NO PLANETA (4,5 bilhões a 600 milhões de anos atrás) DOS HOMINÍDEOS AOS HUMANOS (4,4 milhões à 100 mil anos atrás) FIM DA ERA GLACIAL E DOMESTICAÇÃO DA

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Geografia Leituras e Interação

Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação às Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015 2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop Sinop, 08 de Maio de 2015 AGENDA 9h Boas vindas / Apresentação 9h15 - Exibição da Maquete Eletrônica

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG

Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG Tema Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Painel: Heloisa Soares de Moura Costa, UFMG 4a. Conferência Regional de Mudanças Globais São Paulo, 07 de abril de 2011 Vulnerabilidade das Áreas Urbanas Heloisa

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Geografia Professor Marcelo saraiva Principais Temas: Noções básicas de cartografia Natureza e meio ambiente no Brasil As atividades econômicas e a organização do espaço Formação Territorial e Divisão

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015

RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 RISCOS EMERGENTES NO SETOR DE SEGUROS NO CONTEXTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO PÓS-2015 Rio+20 (2012): O Futuro que Queremos Cúpula das Nações Unidas (setembro de 2015): Agenda de Desenvolvimento Pós-2015

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Universidade Federal de Alagoas UFAL Unidade Acadêmica Centro de Tecnologia CTEC INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Prof. Eduardo L. C. de Amorim 1 Índice ou indicador Para que isso? Tornar concreto

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 01 (FUVEST 2013) - Entre as características que distinguem a água do mar das águas dos rios continentais, destaca-se a alta concentração

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS

SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS BRASIL - BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA SISTEMA DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA A GESTÃO DE RIOS URBANOS Erika do Carmo Cerqueira

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos:

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: oportunidade para uma metrópole sustentável? III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: Sergio Myssior Arquiteto e Urbanista, diretor da MYR projetos sustentáveis, Conselheiro CAU/MG,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise 2013. Trata-se de um espaço que tem como desafio

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Memorando de oportunidades de negócios: Saneamento básico no amazonas

Memorando de oportunidades de negócios: Saneamento básico no amazonas Memorando de oportunidades de negócios: Saneamento básico no amazonas Thierry ACANTHE 30/03/2014 Memorando de oportunidades de negócios No âmbito do saneamento básico no amazonas O dia 19 de março 2014

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

Lista de Geografia IV- Bimestre

Lista de Geografia IV- Bimestre Professor (a): Esther Maria Noleto Disciplina Geografia Aluno (a): Série: 6º ANO Data: / / 2014 1) A respeito das águas subterrâneas, é correto afirmar que: (0,5) a) Os aquíferos cársticos apresentam elevado

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA

SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA SANEAMENTO BÁSICO RURAL: A INICIATIVA DO PROJETO ÁGUA LIMPA ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o projeto de saneamento rural Água

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil FÓRUM REGIONAL FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO Egon Krakhecke Local: Manaus Data: 09/05/2014 Desenvolvimento Sustentável - Conceito É o Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico.

No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. 11 GEOGRAFIA No mapa, destaca-se uma área onde se concentram cidades que representam, atualmente, grande potencial turístico. a) Cite o nome de três destas cidades e identifique o estado brasileiro onde

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Sustentabilidade dos Biocombustíveis

Sustentabilidade dos Biocombustíveis Sustentabilidade dos Biocombustíveis VII Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Porto Alegre Maio de 2010 Paulo Cunha (1) Fernando Pierre (1) Diogo Zaverucha (1) Felipe Cunha (2) (1) Petrobras Biocombustível;

Leia mais