RESUMO EXECUTIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO EXECUTIVO 2010 2020"

Transcrição

1 RESUMO EXECUTIVO PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL PTDRS TERRITÓRIO DA ZONA DA MATA NORTE - PB Paraíba

2 2

3 EQUIPE TÉCNICA COORDENAÇÃO GERAL PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Luís Inácio Lula da Silva MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Guilherme Cassel SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL Humberto Oliveira DELEGADO FEDERAL DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NA PARAÍBA Ranyfábio Cavalcante Macêdo COOPERATIVA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - VÍNCULUS Severino Ramo do Nascimento Carleuza Andrade da Silva Carlos Humberto Osório Castro Nalfra Maria Sátiro Queiroz Batista Antônio Junio da Silva CONSULTORIA TÉCNICA ESTADUAL Oneide Nery da Câmara REVISÃO TÉCNICA ESTADUAL Carlos Gonçalo de Oliveira Simone Ana Olimpio ASSESSOR TERRITORIAL Luciana Souza CONSULTOR Maria de Fátima Elias Teixeira COLABORAÇÃO Sandra Magda Araújo de Almeida Xavier INSTITUTO DE ASSESSORIA À CIDADANIA E AO DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL IDS Valter de Carvalho GEOPROCESSAMENTO Vívian Julyanna de Meireles Monteiro 3

4 4

5 Sumário APRESENTAÇÃO 7 I. Caracterização Geral Aspectos Físicos, Geográficos e Ambientais Aspectos Demográficos e Indicadores Socioeconômicos 17 II. Enfoque Dimensional Dimensão Sociocultural Educacional Dimensão Ambiental Dimensão Socioeconômica Dimensão Político Institucional 52 III. Visão de Futuro 59 IV. Eixos de Desenvolvimento 61 V. Projetos Estratégicos 69 VI. Gestão 71 VII. Referências Bibliográficas 73 5

6 6

7 Apresentação O Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável da Zona da Mata Norte-PB (PTDRS) foi construído no período de 2004 a 2006, com a participação das representações das instituições do poder público e das entidades da sociedade civil no Colegiado e configura-se um instrumento para a implementação da política de desenvolvimento territorial do Ministério do Desenvolvimento Agrário, por ser um documento que reúne informações sobre a realidade do Território que possibilitará a articulação de políticas públicas, como também investimentos particulares que irão favorecer o processo de desenvolvimento. Por ocasião do desmembramento do Território da Zona da Mata, sendo criados os Territórios da Zona da Mata Norte e Zona da Mata Sul, houve a necessidade de se proceder uma análise e, consequentemente, o desmembramento, também do documento o que aconteceu em Esse processo envolveu a coordenação territorial que participou de várias reuniões de trabalho para a análise do documento e contou com o apoio da consultora Ana Marcela Gomes de Morais. Depois de concluído o trabalho observou-se que seria preciso atualizar os dados e organizar o documento para a impressão e lançamento, então firmou-se o compromisso de que a Plenária do Colegiado ficaria responsável por esse processo. Para a qualificação do PTDRS foi contratada a consultora Maria de Fátima Elias Teixeira que, por sua vez, convidou a professora universitária Sandra Magda Araújo de Almeida Xavier para contribuir com o processo e, após várias reuniões e oficinas e muitas pesquisas a livros e documentos, tem-se como resultado um documento que contém dados históricos, culturais, geográficos, ambientais, econômicos e sociais exemplificados por gráficos, mapas e tabelas, bem como o auto-diagnóstico contendo a análise do ambiente interno e externo, com o enfoque nas potencialidades e entraves e oportunidades e ameaças, e a planificação contendo a indicação de eixos primordiais para o fortalecimento do processo de crescimento, além dos programas, projetos e ações propostas pelo Colegiado de Desenvolvimento Territorial para viabilizar o desenvolvimento do Território. 7

8 8

9 9

10 I. Caracterização Geral 1.1 ASPECTOS FÍSICOS E GEOGRÁFICOS O Território da Zona da Mata Norte PB, abrange uma área de 3.647,30 Km², correspondendo a 7,0% do território estadual. Está localizado na porção leste do Estado, limitando-se ao Norte com o Estado do Rio Grande do Norte, ao Sul com o Território da Zona da Sul Paraibana, a Leste com o Oceano Atlântico e a Oeste com a Mesorregião do Agreste Paraibano. O Território da Zona da Mata Norte está inserido na Mesorregião da Mata Paraibana. Seus principais centros urbanos são os municípios de Cabedelo e Santa Rita, localizados na região Metropolitana de João Pessoa e os municípios de Mamanguape e Rio Tinto localizados na Microrregião do Litoral Norte. Quadro 1: Localização dos municípios. Zona da Mata Norte PB. Município Área (km 2 ) Distância Capital (km) Microrregião Baía da Traição 94,9 77,0 Litoral Norte Cabedelo 31,4 20,3 João Pessoa Capim 100,3 72,0 Litoral Norte Cuité de Mamanguape 109,8 81,4 Litoral Norte Curral de Cima 85,0 76,0 Litoral Norte Cruz do Espírito Santo 190,1 23,0 Sapé Itapororoca 144,0 62,0 Litoral Norte Jacaraú 257,1 84,0 Litoral Norte Lucena 92,4 42,0 João Pessoa Mamanguape 337,7 48,0 Litoral Norte Marcação 95,1 62,0 Litoral Norte Mari 155,0 50,7 Sapé Mataraca 174,1 92,7 Litoral Norte Pedro Régis 73,3 91,0 Litoral Norte Riachão do Poço 64,2 65,4 Sapé Rio Tinto 506,5 53,0 Litoral Norte Santa Rita 765,6 11,0 João Pessoa Sapé 330,6 55,4 Sapé Sobrado 43,5 61,4 Sapé Fonte: IDEME Anuário Estatístico da Paraíba

11 Hidrografia O Território Zona da Mata Norte - PB, ocupa uma extensa área distribuída pelas bacias hidrográficas do rio Mamanguape e do baixo rio Paraíba, totalizando 2.673,4 km². Essas bacias hidrográficas abrangem ainda no seu conjunto, áreas dos rios Camaratuba, Miriri e outros rios menores, abrigando dois ecossistemas naturais da Zona da Mata: Planícies Litorâneas e Florestas. Tabela 1 Localização dos municípios segundo as Bacias Hidrográficas. Zona da Mata Norte - PB Bacias Hidrográficas Municípios Área (km²) Sub-bacia do Baixo Rio Paraíba Cabedelo 31,4 Cruz do Espírito Santo 190,1 Mari 157,5 Riachão do Poço 64,2 Santa Rita 765,6 Sapé 330,6 Sobrado 43,5 Subtotal 1.582,9 Capim 100,3 Itapororoca 146,0 Bacia do Rio Mamanguape 337,7 Mamanguape Rio Tinto 506,5 Sub-total 1.090,5 Total Área de Bacias 2.673,4 Fonte: SUDEMA e AESA-PB Características Climáticas e Vegetação o Clima O Território Zona da Mata Norte, por sua posição privilegiada, apresenta condições climáticas favoráveis às explorações agropecuárias. Segundo a classificação climática de Koppen, seu tipo climático é AS quente e úmido com chuvas de outono/inverno que ocorrem desde o Litoral até a grande porção do Agreste. Foto 1: Clima 11

12 12

13 As precipitações médias anuais situam-se na faixa de a mm/ano, de a mm/ano e, por fim, outra de a mm/ano, decrescendo para o interior, cujo período chuvoso inicia-se em fevereiro e prolonga-se até agosto. O período de estiagem vai de 5 a 6 meses, a temperatura média anual está entre 22 C e 26 C e a umidade relativa do ar média é de 80%. o Vegetação No Território Zona da Mata Norte-PB pode-se constatar a presença dos seguintes tipos de vegetação: PIONEIRA, CAMPOS E MATAS DE RESTINGA, MANGUEZAIS, MATA ÚMIDA E CERRADO. A PIONEIRA corresponde a uma faixa contígua aos limites das preamares. É constituída de uma vegetação predominantemente herbácea, adaptada às condições de elevada salinidade. A CAMPOS e MATAS DE RESTINGA ocorre em seguida à PIONEIRA. O solo é arenoso e profundo. A VEGETAÇÃO DOS CAMPOS é do tipo arbustivo, de densidade variável. Em áreas mais abertas, aparecem algumas espécies típicas do cerrado. A MATA DE RESTINGA é subcaducifólia,com árvores de porte médio. O cajueiro é uma das espécies que mais caracterizam a vegetação desse tipo. No trecho da BR 230 que liga João Pessoa à Cabedelo encontra-se uma das raras matas de restinga existentes na Paraíba. OS MANGUEZAIS estão localizados nos estuários e expandem-se para o interior da planície até onde se façam presentes as influências marinhas pelo fluxo e refluxo das marés. Constituem-se numa Formação Florestal Perenifólia,com espécies altamente adaptadas ao tipo de ambiente flúvio-marinho, de salinidade elevada e solos estáveis, pantanosos com alto teor de matéria orgânica em decomposição. A MATA ÚMIDA compreende a Mata Atlântica e Mata do Brejo. A Mata Atlântica corresponde às florestas costeiras brasileiras ou matas de encosta. Encontram-se amplamente descaracterizadas em função da multi secular utilização, como fonte, a princípio, de essências nobres, e posteriormente como estoque de madeira inferior para os mais variados fins. Até hoje se agrava a sua destruição pela ocupação, em grande escala, da cultura da cana-de-açúcar em seu habitat natural. 13

14 bases baixa e perfis bem diferenciados, profundos ou muito profundos moderadamente drenados, friáveis, extremamente intemperizados, com predomínio de sesquióxidos de argilas do grupo (notadamente caulinita na fração coloidal), desenvolvidos a partir de sedimentos argilo-arenosos do grupo Barreiras, sobre platôs costeiros da faixa úmida. Quanto ao uso agrícola estes solos podem ser explorados com fruticultura de modo geral, (o abacaxi e o coco se destacam em área plantada) e culturas alimentares como inhame e mandioca. A principal limitação ao uso agrícola destes solos decorre da baixa fertilidade natural, necessitando, portanto de correção de acidez e adubação para utilização agrícola intensa. Foto 2: Vegetação Solos Os principais solos encontrados no Território da Zona da Mata Norte-PB,são:ALISSOLOS, NEOSSOLOS FLÚVICOS, NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS e LATOSSOLOS. ALISSOLOS E LATOSSOLOS - são solos ácidos com baixa camada textural, argila de atividade baixa, ácidos com saturação de Os NEOSSOLOS FLÚVICOS - são solos profundos de baixa fertilidade natural, bem drenados, podendo apresentar saturação de bases (v%) que pode variar de baixa e alta situando-se em terrenos da Baixada Litorânea. Podem ser intensamente cultivados desde que se façam práticas de calagem e adubação. 14

15 Quanto aos NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS são solos de textura predominantemente arenosa, drenagem excessiva e baixíssima fertilidade. Para seu aproveitamento agrícola, necessita de práticas de adubação, principalmente a incorporação de matéria orgânica para melhorar sua estruturação e a retenção de umidade. A área de abrangência do Território Zona da Mata Norte PB, dispõe de importantes recursos minerais, como: ilmenita ou titânio, rutilo, zircônio, mármore, calcário, caulin, fosfato, diatomita, argila e turfa. A existência dos minerais ilmenita e titânio, rutilo e zircômio ocorre apenas no município de Mataraca. Nele, o grupo Millenium Inorganic Chemicalis do Brasil S/A vem explorando esses minerais, atendendo às exigências das normas ambientais. É importante destacar que os minerais rutilo e ilmenita são portadores de titânio, mineral com ampla utilização tecnológica destinado principalmente às indústrias de fabricação de plástico, borracha, tintas, tecidos, couro, cosméticos e papéis, entre outros. Outro importante produto encontrado e explorado no Território é uma fonte de água mineral no município de Santa Rita. Foto 3: Vegetação Foto 4: Solo 15

16 16

17 1.2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS População A população do Território Zona da Mata Norte, segundo Contagem da População realizada pelo IBGE no ano de 2007, observa-se um contigente populacional no Território composto por habitantes. Dentre estes, destacam-se uma maior representatividade de habitantes na faixa etária dos 5 aos 19 anos, conforme o Gráfico 1. Gráfico 1: População por anos de vida. Zona da Mata Norte PB. A população territorial com 60 anos ou mais está representada em Este número identifica uma baixa expectativa de vida, e a necessidade de se pensar ações que contemplem melhor a qualidade de vida deste segmento. Com relação à densidade demográfica, configurando uma área de 5.530,6 km,² o Território Zona da Mata Norte apresentou no ano de 2000 uma densidade demográfica de 222 habitantes/km², considerada muito elevada em comparação a do Estado, que, no mesmo período, era de 61 habitantes/km². Essa densidade altíssima está associada em parte, ao fato dos municípios de João Pessoa e os de seu entorno, Bayeux, Conde, Cabedelo, Lucena e Santa Rita, responderem juntos por 70,9% da população do Território Zona da Mata Norte- PB. Fonte: IBGE (2007) Dentre as especificidades populacionais do Território, identifica-se ainda agricultores familiares cadastrados em sindicatos de trabalhadores rurais e um total de pescadores e aquicultores cadastrados no Ministério da Pesca e Aquicultura-MPA e na Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba - SUDEMA. 17

18 Segundo informações do Censo Demográfico 2000, verificou-se que, do total de 737 mil pessoas que se autodeclararam indígenas no Brasil, pelo menos 14,6 mil viviam na Paraíba, cuja etnia classificase como Potiguaras, sendo 49,8% homens e 50,2% mulheres. Segundo dados da Fundação Nacional de Saúde - FUNASA (2009), o número de indígenas no Território é de (Tabela 5) o que corresponde a cerca de 3% do total de habitantes do Território Zona da Mata Norte do Estado, distribuídos em 30 aldeias nos municípios de Baia da Traição, Marcação e Rio Tinto. Gráfico 2: Especificidades Populacionais. Zona da Mata Norte Indicadores Socioeconômicos o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) O conceito do Desenvolvimento Humano surgiu em 1990, quando o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) sugeriu substituir a visão tradicional de desenvolvimento, que o identifica ao crescimento da renda e da produtividade de um país, por um enfoque mais amplo e abrangente. Para medir o IDH são analisados basicamente três componentes: a longevidade média da população, o nível educacional e o acesso a recursos econômicos (PIB per capita). Isso também se repete quando se fala do PIB, onde 70 dos municípios brasileiros, ou seja 1,3% do total detém sozinhos 50% (metade) do PIB do País, distorções essas que só podem ser resolvidas com políticas públicas sérias e includentes. Fonte: SIT (2009) No Território Zona da Mata Norte-PB, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) 2000, como em quase todo o Nordeste é baixo. O menor IDH é o do município de Capim, com 0,518, e o maior é o de Cabedelo, com 0,76, seguido dos mapas que ilustram o 18

19 Indice de Desenvolvimento Humano e o Indice de Gini que mede o grau de desigualdade existente na distribuição de indivíduos segundo a renda domiciliar per capita. Gráfico 3: Índice de Desenvolvimento Humano - IDH Em termos de PIB Per Capita total, indicador que mede a produção gerada durante o ano e dividida pela população total do município, em 2007 foi de R$ Gráfico 4: Produto Interno Bruto PIB, 2007 Fonte: IBGE, 2007 Fonte: PNUD, 2000 Gráfico 5: Produto Interno Bruto Per Capita o Produto Interno Bruto No que diz respeito ao Produto Interno Bruto PIB do Território da Zona da Mata Norte, no ano de 2007, este indicador econômico alcançou o nível de R$ bilhões e Novecentos e Sessenta e Três Milhões de Reais que em termos percentuais correspondeu a 4,01% do PIB Estadual. Fonte: IBGE,

20 20

21 21

22 II.Enfoque Dimensional A situação enfrentada pela população do Território Zona da Mata Norte- PB, na Dimensão Sociocultural Educacional, Ambiental, Socioeconômica e Político-Institucional não difere daquela vivenciada em grande parte do País. Há grandes limitações nos serviços ofertados à população. É notório que na última década, as políticas públicas vêm sendo desenvolvidas com o objetivo de amenizar os problemas enfrentados pelas populações mais carentes especialmente o dramático desafio de combater à pobreza, a fome e a miséria. No entanto, observa-se a necessidade de medidas decisivas em educação, como por exemplo, reduzir os gargalos localizados de infraestrutura de saúde pública na forma de vulnerabilidade social, educação, geração de emprego renda, além dos precários serviços de segurança pública, notadamente na zona rural e bases periféricas das cidades. Vale ressaltar a necessidade da valorização do potencial ecológico, preservação das fontes de água e saneamento ambiental. Reduzida oferta de serviços de assistência técnica aos pequenos produtores. No que se refere à estrutura de comercialização desfavorável aos produtores no plantio, com escassez de recursos, aquisição de insumos, numa luta para obtenção do melhor preço. Dificuldade de acesso ao crédito por parte dos produtores de menor poder aquisitivo. Finalmente, a omissão das instituições do Colegiado trava o processo de desenvolvimento sustentável do Território. 22

23 2.1DIMENSÃO SOCIOCULTURAL EDUCACIONAL Situação da Educação o Ensino Fundamental Os níveis educacionais do País ainda constituem um desafio social, político e econômico. Os indicadores revelam sempre o retrato da desigualdade. Dentre o quadro nacional, segundo o Prof. Dimas (2010, p.1), nosso Estado destaca-se negativamente e ainda vê-se diante de grandes batalhas, entre elas: vencer o analfabetismo, manter o aluno na escola (idealmente na Escola de Tempo Integral), desenvolver o ensino profissionalizante, abraçar a Educação de Jovens e Adultos e, sobretudo, melhorar a qualidade do ensino. Estes dados quando analisados em conjunto com o número de escolas e de docentes remete à fragilidade educacional, sobretudo para garantia de serviços educacionais que visem a inserção no mercado de trabalho e a geração de renda, o que indica, como conseqüência, que os jovens busquem por qualificação em outras cidades ou centros urbanos. Gráfico 6: Número de matrículas por modalidades de ensino. Zona da Mata Norte PB. Segundo informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), no Território da Zona da Mata Norte-PB, o maior índice de matriculas se dá no Ensino Fundamental, apenas 4 municípios oferecem serviços de creche e nenhum município apresenta matriculas no ensino profissionalizante. Fonte: INEP (2009) 23

24 Gráfico 7: Numero de docentes e escolas por modalidades de ensino. Zona da Mata Norte PB Foto 5: Educação Fonte: MEC/INEP - Censo Educacional 2008 Analfabetismo No Nordeste, mais de 40% da população de 50 anos e mais é analfabeta de acordo com o IBGE O Mapa da Taxa de Analfabetismo de Adultos, demonstra o analfabetismo de adultos no Território da Zona da Mata Norte -PB apontando para as maiores taxas de alfabetização nos municípios maiores e mais próximos à capital. Programa Brasil Alfabetizado O MEC realiza, desde 2003, o Programa Brasil Alfabetizado, voltado para a alfabetização de jovens, adultos e idosos. Esse Programa é desenvolvido em todo o território nacional, com o atendimento prioritário a municípios, que apresentam taxa de analfabetismo igual ou superior a 25%. Desse total, 90% localizamse na região Nordeste. Esses municípios recebem apoio técnico desse Programa, visando garantir a continuidade dos estudos aos alfabetizados. 24

25 25

26 Situação da Saúde No Território Zona da Mata Norte-PB, há registros de 209 estabelecimentos de saúde, sendo 170 públicos e 39 privados. No Território existe uma média de 02 médicos e de 1,4 leitos hospitalares para cada mil habitantes, onde se pode avaliar o baixo índice de atendimento no que se refere à saúde no Território. Gráfico 8: Número de Estabelecimentos de Saúde Fonte: DATASUS (2002 e 2005) Tabela 2 Número de Estabelecimentos de Saúde por Município Município Número de Estabelecimentos de Saúde Público Privado Total Baía da Traição Cabedelo Capim Cruz do Espírito Santo Cuité de Mamanguape Curral de Cima Itapororoca Jacaraú Lucena Mamanguape Marcação Mari Mataraca Pedro Régis Riachão do Poço Rio Tinto Santa Rita Sapé Sobrado Total Território Fonte: DATASUS (2002 e 2005) 26

27 As doenças mais freqüentes registradas no Território são a esquistossomose, leishmaniose e dengue. Estas afetam todos os municípios, segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde. As doenças de notificação compulsória aí observadas totalizaram casos, sendo 73,98% de esquistossomose, 7,54% de tuberculose, 6,57% de dengue e 4,49% de hanseníase. Nas terras indígenas de Baía da Traição e Marcação a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) vem desenvolvendo ações com o objetivo de melhorar a saúde da população indígena. Segundo informações desse órgão, atuam nos PSF s equipes multidisciplinares compostas por: fonoaudiólogos, dentistas, ortopedistas, nutricionaistas, médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, psicólogos, agentes indígenas de saúde e de saneamento. Mortalidade A mortalidade infantil nas áreas indígenas alcançou o número de 35 mortes por 1000 nascidos vivos no ano de 2002 caiu para 29,4 em 2003; 15,4 em 2004 e finalmente para 9,7 no ano de Esses números revelam que as ações de saúde desenvolvidas nesses municípios vêm atingindo os objetivos almejados. É importante destacar ainda que está em construção sete postos de saúde, sendo quatro nas aldeias de Galego, Tracoeira, Silva e Vila Miguel em Baía da Traição e três nas aldeias de Jacaré de César, Grupiuna e Brejinho no município de Marcação. Também nesse Município funcionará um pólo-base na aldeia Caieira que atenderá onze aldeias onde residem aproximadamente pessoas, segundo informações fornecidas pela FUNASA no Boletim Informativo da Coordenação Regional da Paraíba. A implantação, de uma forma geral, do Programa de Saúde da Família (PSF) nos municípios foi uma das alternativas encontradas no sentido de oferecer às camadas mais humildes da população um melhor acesso aos serviços de saúde. Embora a análise dos dados tenha sido feita com base nas principais doenças também foram detectadas outras doenças de menor expressão, como a sífilis congênita e a hepatite vírus A. 27

28 Outra informação deste setor se refere ao número de internações pagas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No ano de 2005 foram realizadas internações no Território. Desse total, 23,44% corresponderam às internações com as doenças do aparelho respiratório, 19,37% às infecciosas e parasitárias e 13,62% às do aparelho circulatório. Cultura Assim como na economia e nos recursos naturais, há uma grande variedade de formas de cultura no Território da Zona da Mata Norte -PB. Pode-se destacar: movimentos teatrais, folguedos, danças populares, músicas populares e eruditas e festas populares, além do artesanato. Por sua vez, as festas religiosas, não só mostram o lado cultural como também o profano da cultura local, onde a religiosidade do povo e as festas de música, vaquejadas e danças se confundem. É o caso das festas de padroeiras e das festas juninas, que estão fortemente identificadas entre si. É válido ressaltar que nas comunidades pesqueiras predomina a ciranda e o coco de roda. Já em Cabedelo, a tradicional nau catarineta. Foto 6: Odontologia O mais importante local de expressão dos valores culturais e de lazer do Território são as feiras livres, uma vez que é nesse evento que a sociedade local pode conhecer melhor a sua identidade cultural. Nas feiras livres podemos encontrar formas variadas da cultura e de lazer 28

29 locais, como comidas típicas, artesanato, literatura de cordel e música (forró, violeiros e emboladores de coco). A presença do Povo Potiguara fortalece a cultura do Território devido a inúmeras expressões artísticas existentes na etnia. Sua cultura material abriga fortes signos de identidade cultural indígena, com tradições seculares ainda vivas. O Toré é um ritual dançado em momentos de festejo, de tristeza ou de revolta, onde se dança em forma de roda, batendo com um pé só, ao som da gaita, do bombo e do maracá; as letras das músicas misturam temas da natureza e dos costumes étnicos, algumas já utilizando o tupi, reconstruindo a língua dos antigos; com homens, mulheres e crianças usando em sua indumentária saias de fibra de embira, cocares diversos, adornos corporais (colares, brincos, pulseiras, braceletes, tornozeleiras, prendedores de cabelo e anéis) de sementes, ossos, entrecasca de coco, além de pintura corporal feita com jenipapo e urucum estampando grafismos tupi. Foto: Danças Tradicionais Indígenas Tribo Potiguara Foto: Artesanato Tradicional Indígena - Tribo Potiguara 29

30 30

31 2.2 DIMENSÃO AMBIENTAL Características Geoambientais No Território da Zona da Mata Norte existe a maior concentração de indígenas do Estado. Identifica-se 30 aldeias distribuídas em 3 municípios onde destaca-se a demarcação de 3 terras indígenas, totalizando uma área de ha, ver Quadro 2. Quadro 2: Terras indígenas. Território da Zona da Mata Norte - PB Terras Indígenas Área (ha) Localização Jacaré de São Domingos Marcação Potiguara Monte-Mor Rio Tinto Potiguara Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto TOTAL Fonte: FUNAI/PB Terra Indígena Potiguara é constituída de habitantes, dos quais residem no município de Baía da Traição, distribuídas pelas povoações, Acajutibiró, Cumaru, Forte, Galego, Santa Rita, Laranjeiras, Silva, Bento, Tracoeira, Vila São Francisco e na cidade da Baia da Traição. No município de Rio Tinto, nas povoações Caieira, Lagoa Grande, Camurupim, Tramataia e Jacaré, habitam índios, no município de Marcação. O município de Marcação possui 11 aldeias indígenas: Brejinho, Tramataia, Jacaré de Cezar, Jacaré de São Domingos, Estiva Velha, Caieira, Lagoa Grande, Ybykûara (antiga Aldeia Brasília), Boa Esperança, Carneira, Camurupim, Grupiuna e Três Rios. Principais Biomas Segundo o IBGE (2004), Bioma é conceituado como um conjunto de vida (vegetal e animal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, o que resulta em uma diversidade biológica própria. 31

32 Quadro 3: Biomas por municípios. Zona da Mata Norte PB. Municípios Biomas Pedro Régis Caatinga Cabedelo Cuité de Mamanguape Curral de Cima Itapororoca Jacaraú Caatinga e Mata Atlântica Mamanguape Mari Riachão do Poço Sapé Sobrado Baía da Traição Capim Cruz do Espírito Santo Lucena Mata Atlântica Marcação Mataraca Rio Tinto Santa Rita Fonte:IBGE Conforme quadro acima, 52,6% dos municípios do território fazem parte dos biomas identificados como Caatinga e Mata Atlântica. A Mata Atlântica está presente em 53% do território nacional. Este bioma apresenta uma variedade de formações, engloba um diversificado conjunto de ecossistemas florestais com estrutura e composições florísticas bastante diferenciadas, acompanhando as características climáticas da região onde ocorre. A Caatinga, por sua vez, é um bioma que se concentra na região Nordeste do Brasil. Ocupando cerca de 12% do território nacional. Nas regiões de caatinga, o clima é quente com prolongadas estações secas e o regime de chuvas influencia na vida de animais e vegetais. Áreas prioritárias para a conservação No território da Mata Paraibana está concentrado o maior número de unidades de conservação do Estado, conforme abaixo discriminadas. 32

33 Reserva Ecológica Estadual Mata do Rio Vermelho: Com uma área de hectares, está localizada no município de Rio Tinto. Caracteriza-se pela ocorrência de uma formação florestal típica de Mata Atlântica. Pela exuberância de sua vegetação e ocorrência de uma queda d água em seu interior, esta área apresenta uma beleza cênica e natural privilegiada. Estação ecológica Mata do Pau Brasil: De grande importância para o Estado da Paraíba, essa estação possui uma área de 82 hectares, abundante em seu interior de espécies de árvores do tipo pau-brasil (Cesalpinia Echimata), símbolo do Brasil e, por força da Lei Federal nº 6.607, de 7 de dezembro de 1978, declarada árvore nacional. Toda essa riqueza está situada no município de Mamanguape. Parque Estadual Marinho Areia Vermelha: Localiza-se no município de Cabedelo, consiste de uma área formada por um banco de areia que aflora durante os períodos de maré baixa. É um local que abriga uma grande quantidade de recifes de corais, constituindose assim nos únicos ecossistemas recifais do Atlântico Sul. O Parque Estadual Marinho Areia Vermelha possui uma área de 231 hectares e abriga uma grande biodiversidade marinha. Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (APA Barra do Mamanguape): Com paisagens de relevante valor ecológico, como os manguezais, a Mata Atlântica, superficiais dunares de médio porte, lagoas e recifes de corais, essa área está localizada nos municípios de Rio Tinto, Mamanguape, Lucena, Marcação e Baia da Traição compreendendo uma área de hectares. Nela funciona um importante centro de pesquisa e manejo do peixe-boi marinho (Trichechus manotus), espécie considerada em extinção. Essa área, objeto do Decreto Federal 924, de 10 de setembro de 1993, possui importantes ecossistemas costeiros, tais como: manguezais, cordões de dunas, arrecifes, falésias e Mata Atlântica. A administração dessa área está sob a responsabilidade do IBAMA. 33

34 Rerserva biológica do Guaribas (Rebio Guaribas): Também localizada nos municípios de Mamanguape e Rio Tinto e parte também em Sapé, apresenta paisagens de relevante valor ecológico, como a Mata Atlântica, numa área de hectares, e funciona como uma das poucas áreas de preservação do macaco da espécie Guariba no Brasil. Reserva Indígena Jacaré de São Domingos: Localizada nos municípios de Marcação e Rio Tinto, apresenta também paisagens de relevante valor ecológico. Foto 7: Base da Barra de Mamanguape Reserva Indígena Potiguara: Com uma área de hectares, nos municípios de Rio Tinto, Marcação e Baia da Traição possui paisagens de relevante valor ecológico, como a Mata Atlântica, e abriga populações nativas remanescentes dos índios Potiguaras. Sob a jurisdição municipal, existem as seguintes Unidades de Conservação: Parque Ecológico Municipal da Barra do Rio Camaratuba: Localizado no município de Mataraca, é uma área de importante valor ecológico e possui reservas da Mata Atlântica, sendo uma área protegida por lei. 34 Foto 8: Peixe- Boi -Marinho

35 35

36 Parque Municipal de Cabedelo: Com uma área de 50 hectares, está localizado no município de Cabedelo e vem demonstrando paisagens de grande valor ecológico no ecossistema associado à Mata Atlântica denominado de Cerrado. Na área do Território Zona da Mata Norte registram-se problemas relativos ao assoreamento de alguns rios, como o Camaratuba e de provável contaminação dos solos causada em parte pelo uso de agrotóxicos. As atividades desenvolvidas pela indústria sucroalcooleira da região vêm sendo responsabilizadas por esses problemas. superficiais (Rio Mamanguape) fortemente comprometidos pelo lançamento de efluentes de esgotos domésticos e/ou industriais e agroindustriais e pela contaminação decorrente do uso indiscriminado de defensivos agrícolas e corretivos químicos usados na plantação de cana-de-açúcar e c) comprometimento da atividade pesqueira explorada nos estuários dos rios. Características antrópicas Os impactos ambientais sobre os dois ecossistemas naturais (Caatinga e Mata Atlântica) têm provocado alterações de porte, em particular sobre os recursos de solo e água, a flora e a fauna. Os principais problemas ambientais destacados para a região, são: a) ameaça de extinção de várias espécies que têm seu habitat no Território Zona da Mata Norte. Na maioria dos casos, resultante da devastação da cobertura vegetal natural; b) recursos hídricos Foto 9: Espécie em extinção Euphractus Sexcinctus Os recursos hídricos subterrâneos também têm sofrido reflexos do uso irracional devido à sua contaminação. Além disso, a perfuração 36

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB)

Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Embrapa elabora estudo sobre gestão ambiental de estabelecimentos rurais na APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) Geraldo Stachetti Rodrigues Maria Cristina Tordin Jaguariúna, junho 2005. A equipe de pesquisadores

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL

DESENVOLVIMENTO RURAL Território de Identidade Bacia do Rio Grande Perfil Sintético SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Rui Costa Governador do Estado da Bahia João Leão Vice-Governador do Estado da Bahia Jerônimo Rodrigues

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 2 o Bimestre geografia Escola: Nome: Data: / / Turma: Leia o trecho da letra da música abaixo e, em seguida, responda às questões. [...] Eu já cantei no Pará Toquei sanfona em Belém

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo

Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo SANEAMENTO RURAL Desafio para universalizar saúde e melhorar a vida no campo FOTO: Edmar Chaperman/Funasa O campo brasileiro é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, que incidem diretamente

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos

Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Serra da Mantiqueira: Turismo e Fruticultura Discente: Marcelo Caetano de Oliveira Orientador: José Darlan Ramos Objetivo Apresentar uma síntese sobre a Serra da Mantiqueira, desafios e potencialidades

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR 111.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR Recobrindo expressiva parcela do Litoral Norte (40,1%), a cana-de-açúcar é o padrão de uso do solo predominante nos municípios de Araçoiaba, Itaquitinga, Goiana, Igarassu e Itapissuma,

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis

Diálogo com a Comunidade. Um balanço das ações sustentáveis Diálogo com a Comunidade Um balanço das ações sustentáveis Veracel Celulose É uma empresa 100% baiana, presente em dez municípios do Extremo Sul do estado: Eunápolis, Porto Seguro, Santa Cruz Cabrália,

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Zona Da Mata Sul - PB

Zona Da Mata Sul - PB Zona Da Mata Sul - PB O Território da Cidadania Zona Da Mata Sul - PB está localizado na região Nordeste e é composto por 13 municípios: Alhandra, Bayeux, Caaporã, Caldas Brandão, Conde, Itabaiana, João

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL MANUAL DE CONSULTAS A BASE DE DADOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL MANUAL DE CONSULTAS A BASE DE DADOS GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL MANUAL DE CONSULTAS A BASE DE DADOS Belo Horizonte Dezembro 2012 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - IBGE... 5 2.1 - ENCONTRA-SE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br 2013/2014 2013/2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

Sumário Executivo Rio Longá

Sumário Executivo Rio Longá Sumário Executivo Rio Longá 2 SUMÁRIO EXECUTIVO Bacia Hidrográfica do Rio Longá recorte de atuação nas nascentes do Rio dos Matos e Rio Correntes, afluentes do Rio Longá. Mapa da bacia e do recorte espacial

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

As unidades de conservação do bioma Caatinga

As unidades de conservação do bioma Caatinga As unidades de conservação do bioma Caatinga The Nature Conservancy do Brasil Associação Caatinga 295 André Pessoa INTRODUÇÃO Parque Nacional da Serra da Capivara, PI A Caatinga, região semi-árida única

Leia mais

10 ANOS. Conte até 10 e saiba por quê.

10 ANOS. Conte até 10 e saiba por quê. 10 ANOS O Programa de Aquisição de Alimentos completou dez anos. Instituído pela Lei nº 10.696, de 2 de julho de 2003, o PAA tem se consolidado como um instrumento de estímulo à organização produtiva e

Leia mais