III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS Grupo de Trabalho: CIDADANIA SEXUAL, DIVERSIDADE E DIREITOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS Grupo de Trabalho: CIDADANIA SEXUAL, DIVERSIDADE E DIREITOS"

Transcrição

1 III SEMINÁRIO INTERNACIONAL VIOLÊNCIA E CONFLITOS SOCIAIS: ILEGALISMOS E LUGARES MORAIS Grupo de Trabalho: CIDADANIA SEXUAL, DIVERSIDADE E DIREITOS HUMANOS: INTERSECÇÕES ENTRE DIFERENÇA, PODER E VIOLÊNCIA. Titulo do Trabalho: DELEGACIAS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO A MULHER: OS PROBLEMAS E DESAFIOS NO COMBATE A VIOLÊNCIA Autoras: Mary Alves Mendes (UFPI) / Poliana de Sousa Silva (UFPI)

2 2 Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher: os problemas e desafios no combate a violência 1 Introdução MENDES, Mary Alves 2 SILVA, Poliana de Sousa 3 A trajetória feminina na sociedade é marcada por lutas pela igualdade de direitos. Apesar dos avanços e conquistas obtidas ao longo desse processo, ainda não se pode atestar uma igualdade de gênero, seja no âmbito da esfera pública ou privada. Um dos graves indicativos dessas desigualdades é a violência doméstica e familiar contra as mulheres. Estudos na área de gênero mostram estados alarmantes dessa discriminação que acontece todo dia em todo lugar, em todas as classes sociais, raças e etnias, seja na sua forma física, psicológica, sexual ou patrimonial. Trata-se de uma questão complexa, devido o caráter plural e multifacetado que apresenta (DINIZ & PONDAAG 2006; SAFFIOTI, 2004; STREY, 2001). Os mecanismos institucionais são peças fundamentais no combate e enfrentamento dessa problemática, a exemplo das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher DEAMs, pois além de ser o contato inicial dessas mulheres com o Estado, buscando solução para o problema, o atendimento é uma ferramenta essencial no acolhimento, encorajamento e proteção das vítimas (VELAQUEZ, 2006). Nesse sentido, é primordial que o atendimento prestado seja adequado, não só em termos das condições físico-estruturais, mas em relação à qualificação dos profissionais, sobretudo, no que se refere ao conhecimento de gênero que, em geral, é construindo socialmente de forma desigual e discriminatória, fincando suas bases 1 Trabalho apresentado no III Seminário Internacional violência e conflitos sociais: ilegalismos e lugares morais, ocorrido de 6 a 9 de dezembro de 2011, em Fortaleza CE. Esse texto é uma versão modificada do trabalho apresentado no XXVIII Congresso Internacional da Associação Latino- Americana de Sociologia, realizado na UFPE, de 06 a 10 de setembro de Esse trabalho é resultado da pesquisa Violência de Gênero em Teresina: analisando o atendimento nas Delegacias Especializadas, realizada sob a coordenação de Mary Alves Mendes. 2 Doutora em Sociologia, Professora do Departamento de Ciências Sociais, da UFPI e coordenadora da pesquisa. 3 Concludente do Curso de Bacharelado em Ciências Sociais, da UFPI. Bolsista de Iniciação Cientifica PIBIC/UFPI.

3 3 através dos processos de socialização, que vão desde a infância e se estendem ao longo da vida (BOURDIEU, 2002; MENDES, 2008; MENDES & SILVA, 2010). Se a construção social de gênero é importante no estabelecimento e constituição das práticas de violência doméstica, não se pode desconhecê-la nas políticas públicas de gênero como aplicação de medidas socioeducativas aos agressores, vítimas, filhos e nem muito menos na formação/capacitação dos profissionais que trabalham com essa questão. Sendo assim, a capacitação profissional, no que se refere às questões de gênero se torna fundamental para um bom atendimento, não só porque permite compreender os interstícios que envolvem as práticas violentas no contexto familiar, mas porque possibilita orientar e conduzir esses sujeitos ( vítimas e agressores ) na reflexão de suas práticas e tomada de decisão. Como orienta a lei Maria da Penha e a Norma Técnica de Padronização das DEAMs, a punição judicial sem o devido acompanhamento socioeducativo e ressocializador, pode vir a banalizar e impedir um eficaz combate e enfrentamento do problema. Mas será que medidas socioeducativas estão, de fato, acontecendo como parte do atendimento das Delegacias Especializadas no País? Os sujeitos que se encontram na situação de vítimas e de agressores, assim como suas famílias são encaminhados aos órgãos especializados para um trabalho sócioeducativo e ressocializador? Os profissionais estão aptos, capacitados, de fato, para o atendimento? Eles próprios recebem atendimento psicossocial para efetivar melhor o seu trabalho? Delegacias Especializadas, como mecanismos institucionais de combate e enfrentamento a violência contra a mulher. As Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher DEAM foram criadas nos anos 80, atendendo, em parte, às reivindicações do movimento feminista brasileiro que denunciava a violência e homicídios conjugais de homens contra mulheres, repercutindo e mobilizando para a criação de Centros, Comissões, Conselhos e Delegacias Especializadas. Em 1985 foi criada a primeira Delegacia Feminina no Brasil, na cidade de São Paulo (MACHADO, 2002). Com a criação da Lei Maria da Penha, as DEAMS assumiram um papel, ainda, mais importante no combate e enfrentamento desse tipo de violência,

4 4 devendo não só prestar assistência às mulheres em situação de violência, como promover medidas integradas de prevenção. Essas instituições passam a ter papel decisivo no enfrentamento à violência contra a mulher, não só pela abertura e acesso das mulheres a essa rede de serviços, principal meio de prevenção e repressão, mas também por fazer parte da política nacional contra a violência de gênero no país. Com isso, as DEAMs ganham atenção especial, no que diz respeito às Políticas Públicas de Gênero, considerando que a partir dessas iniciativas articularam-se ações e investimentos de Ministérios e Secretarias Especiais do Governo Federal que destinou recursos para ampliação das instalações das DEAMs, qualificação dos profissionais, reaparelhamento e aquisição de veículos, armamento e equipamentos. Fazem parte da Política Nacional de Prevenção, Enfrentamento e Erradicação da Violência contra as mulheres e se pauta nos eixos de prevenção, assistência e repressão devendo funcionar de forma integrada junto a rede de atendimento composta de hospitais, juizados especiais, casas abrigo, centros de referência, defensoria pública (SPM, 2007; SENASP, 2006). De acordo com a Norma Técnica de Padronização de Atendimento dessas Delegacias Especializadas, advindas da modernização da polícia civil e da Lei Maria da Penha, destaca-se o papel pedagógico e especializado dos seus profissionais, onde as ações de prevenção, registro de ocorrências, investigação e repressão de atos e condutas criminosas baseadas no gênero, devem ser feitas de forma acolhedora, com escuta ativa por equipes de agentes policiais profissionalmente qualificados em violência de gênero. Uma escuta ativa implica atenção, observação e isenção de preconceitos por parte dos profissionais. Significa, também, considerar as mulheres como sujeitos de direitos, a fim de proporcionar o rompimento do seu silêncio e isolamento. Esse atendimento deve ser conduzido por policiais capacitados em violência de gênero. Tal capacitação, que pode ser feita por meio de cursos à distância ou presencial, deve ser estendida a todos os profissionais da segurança pública que, de algum modo, atendem às mulheres em situação de violência. Apesar da maior participação das DEAMS no combate à violência de gênero e dos avanços no rompimento do silêncio das vítimas, há grandes dificuldades no trabalho realizado por essas instituições, quando comparada a sua articulação com outros serviços de proteção e encaminhamento, na falta de sensibilização dos

5 5 profissionais, preconceitos, dificuldades de informar com clareza, concentração dos serviços nas capitais (PASINATO & SANTOS, 2008). Como parte de uma ação política de combate a violência de gênero, um aspecto relevante no atendimento das Delegacias Especializadas diz respeito à qualificação dos profissionais na área de gênero, pois eles não estão imunes a preconceitos e discriminações, considerando que foram socializados e fazem parte de uma cultura machista havendo, portanto, a possibilidade de terem internalizado tais valores e práticas ou sofrido suas influências, o que pode ter reflexos e interferir no atendimento. A isenção de preconceitos, julgamentos e o diálogo entre profissionais e sujeitos atendidos, principalmente as vítimas, são importantes porque podem definir o prosseguimento ou a interrupção do processo de denúncia. Nas DEAMs, objeto de investigação desse estudo 4, se pôde observar, em geral, atendimentos profissionais mecânicos e poucos humanizados, dificuldade de escuta ativa, de sensibilidade e compreensão junto aos sujeitos atendidos, como mostra o exemplo de uma funcionária que ao registrar o Boletim de Ocorrência inicia o atendimento de forma fria e impaciente, solicitando à mulher seu RG, nome, estado civil, sem cumprimentá-la e nem olhar diretamente para a sua face, dessa forma: Me dê seu RG. Diga o nome da senhora? Estado civil? Diga aí o que lhe trouxe aqui? (Observação: 22/06, DEAM ZC). Nesse outro exemplo a vítima diz ao funcionário: Estou muito nervosa, porque meu marido é militar e estou expondo ele para seus colegas. O funcionário, que parece não se comover, indaga: Fale o que lhe trouxe aqui?. A vítima indaga: Tenho mesmo que falar tudo?. E o funcionário responde: Aqui a gente não obriga à senhora a falar nada, mas sabe que ao vir aqui vai se expor, senão como podemos representá-la? (Observação: 23/06, DEAM ZC). 4 Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher Zona Centro e Zona Norte, em Teresina- Pi. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada através de observações sistemáticas do atendimento profissional durante o período de agosto de 2009 a julho de No estado do Piauí, a primeira Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher foi criada em 1989, na cidade de Teresina. Atualmente existem oito Delegacias Especializadas, localizadas nas cidades de Parnaíba, Piripiri, São Raimundo Nonato, Floriano, Campo Maior e na capital, onde há três delegacias. Além das DEAMs, o Estado conta com Conselhos de Defesa dos Direitos da Mulher (de âmbito estadual, - localizado em Teresina; de âmbito municipal, localizados nas cidades de Floriano e São Raimundo Nonato; duas casas abrigo (localizadas respectivamente em Teresina e São Raimundo Nonato); Serviço de Referência para Atendimento às vítimas em casos de violência sexual, localizados em hospitais e maternidades da capital e de alguns municípios (SENASP, 2006; SSP-PI, 2011).

6 6 A forma impaciente e mecânica como o funcionário conduz o depoimento, faz como que a senhora, que já entrou na sala bastante nervosa, fique ainda mais tensa. Após ser avisada sobre a necessidade de falar tudo, começou a chorar. O funcionário retira-se da sala, chama a filha que a aguardava na recepção para consolá-la retornando vinte minutos depois, quando a referida mulher já se encontrava mais calma. Acredita-se que a reação de estresse que carregava essa mulher, devido às agressões sofridas, se agravou pelo acolhimento profissional não adequado, expresso na forma técnica e fria de interpelar. A forma de diálogo e acolhimento não adequado dos profissionais tem sérias implicações. Uma crítica, um suspiro ou mesmo um gesto de desdém em relação ao que está sendo relatado, podem ser interpretados como desinteresse e censura ao que está sendo dito, podendo ter como reação o silêncio ou a parcialidade do relato ou depoimento. A sensibilidade, atenção, postura, tom de voz e respeito, são alguns fatores que devem estar presentes nos procedimentos dos profissionais (STREY, WERBA & NORA, 2004; ARAÚJO, MARTINS & SANTOS, 2004; MACHADO, 2002; VELAZQUEZ, 2006). A falta de sensibilidade e desconhecimento de gênero pode fazer com que os profissionais tragam para seu ambiente de trabalho valores e atitudes machistas e preconceituosas prejudicando o atendimento, ao causar constrangimentos, desistências e confusões pela forma de abordagem, como se pode ver nesse exemplo abaixo: Eu só queria que ele me devolvesse meu filho, mas essa funcionária que está fazendo o B.O, disse que aqui só resolve se for para prender ele, eu não quero que ele seja preso, só que me deixe em paz e devolva minhas filhas, que estão sendo maltratadas por ele (Observação: 17/06, DEAM ZN). Outra demonstração de atitude profissional não adequada, diz respeito à situação em que o funcionário ao encerrar o depoimento faz comentários com o colega de trabalho, em tom de brincadeira, demonstrando machismo e reprovações à mulher, ao dizer: Sabe o que é isso, é muito chifre, como é que um homem não dá uns tabefes numa mulher dessa (Observação: 23/06, DEAM ZC). As mulheres ao decidirem fazer a denúncia, devem ter liberdade para expressar seus reais sentimentos e vivências sem serem questionadas, julgadas e acusadas pela situação que lhes trouxe novamente a DEAM, pois tais procedimentos trazem sérias implicações ao processo de enfrentamento e combate

7 7 da violência, obstacularizando a fala desses sujeitos e o prosseguimento da denúncia (ARAÚJO, MARTINS & SANTOS, 2004; MACHADO, 2002; STREY, WERBA & NORA, 2004). Essas inadequações profissionais parecem não ocorrer só em relação às mulheres que se encontram na situação de vítimas, mas também em relação aos homens que se encontram na situação de agressores. Alguns comentários de homens que se encontravam esperando o atendimento mostraam haver certa censura por parte de alguns profissionais no tratamento a eles dispensados, como se pode ver abaixo: Nessa delegacia da mulher, eles não dão informação, se a gente quiser saber de algo tem que ligar e eles ainda tratam mal, principalmente se for homem. Um dia eu liguei para saber sobre minha audiência e eles me trataram muito mal (Observação: DIA DEAM ZN). Quando ouvimos falar em delegacia da mulher já ficamos com medo, porque aqui nós somos os errados e só isso. Nem todos os homens são errados, nós acabamos pegando fama de coisas que alguns moleques fazem com suas esposas. Hoje, cada vez mais, nós estamos perdendo a razão perante a justiça (Observação: Dia DEAM ZC). Observou-se também numa das audiências de conciliação com um casal, que a funcionária pouco dava chances de escutar o rapaz sobre sua versão na história, advertindo-o, constantemente, pelo fato dele estar na delegacia na condição de agressor. Após a vítima fazer seu relato, a profissional pergunta ao rapaz o que ele tem a dizer, mas fala de forma dura e a todo o momento o interrompe e diz: O que o senhor fez não é justificável. A partir do momento que o senhor agiu agredindo sua esposa, já perdeu toda a razão. Ao que o rapaz responde: Doutora, mas ela me traiu várias vezes e a gente tava brigando muito. Eu não sei o que aconteceu. Eu tava embriagado e reconheço que o que fiz não é certo, só quero separar e seguir minha vida. Fiquei muito chateado com a traição e bebi para me refugiar. Doutora, minha mulher não gostava de regue, mas conheceu uma vizinha e começou ultimamente fazer coisa errada, ia para festa sem mim, com essa mulher, saia com outros homens (choro). Eu não agüentava mais, por isso comecei a beber e quando bebia me lembrava dela me traindo, ai ficava com raiva. Quando eu chegava do trabalho, os vizinhos ficavam comentando e isso, também, me deixou com raiva (Observação: Dia DEAM ZC). O tratamento imparcial e respeitoso deve ser empregado profissionalmente a homens e mulheres. Em relação especificamente aos agressores é necessário

8 8 pensar que simplesmente tratá-los como vilões, com direito a punição e afastamento da família, sem medidas socioeducativas e ressocializadoras que possam fazê-los refletir sobre suas práticas não encerra o ciclo da violência no contexto familiar (MUSZKAT, 2006; PASINATO & SANTOS, 2008; SNSP, 2006; VELAZQUEZ, 2006). Quanto ao atendimento, no que se refere às condições estruturais, também se observou problemas que consolidam um atendimento não adequado, apesar desse aspecto de melhoria infra-estrutural fazer parte dos planos de modernização da policia civil e da Norma Técnica de Padronização do Atendimento. As delegacias observadas não proporcionam um ambiente facilitador e nem acolhedor, seja pelo difícil acesso físico e geográfico ao local, ou pela falta de instalações adequadas para acesso de pessoas com necessidades especiais. Observou-se que o atendimento, em geral, é demorado e não muito organizado para a demanda atendida, sobretudo, nos primeiros dias da semana. Não há uma distribuição de senhas por ordem de chegada, prioridade (gestantes, idosos ou mulheres com crianças de colo) ou assunto específico a tratar (denúncia, depoimento, assistência social, audiência, apoio psicossocial), o que causa, algumas vezes, transtornos e insatisfações aos que procuram seus serviços. Não há privacidade reservada às vítimas enquanto esperam o atendimento, visto que só existe uma sala de recepção, onde ficam juntos no mesmo recinto vítimas e agressores. Algumas vezes se pôde perceber discussões entre casais e coações de alguns agressores e seus parentes às vítimas. Os prédios aonde funcionam as delegacias especializadas não parecem ser locais próprios e construídos, especificamente, para abrigá-las, mas adaptados para o funcionamento. A sala de recepção e demais dependências não são confortáveis, há faltas freqüentes de material de consumo e de expediente para realização dos trabalhos e atendimento ao público. Apesar de haver uma sala reservada para crianças, em uma das delegacias (ZC), é pouco utilizada e não há um profissional específico para dar-lhes assistência, enquanto as mães são atendidas. A sala de recepção não tem som ambiente que traga certa tranqüilidade e relaxamento a quem espera atendimento. O som vem de um televisor que está, quase sempre, sintonizado em programas policiais ou de cunho dramáticos, o que pode deixar o clima ainda mais tenso. Em suma, nas delegacias estudadas, observou-se que as condições físicoestruturais são precárias, com espaços físicos impróprios para proporcionar um

9 9 atendimento de qualidade, falta segurança e privacidade aos sujeitos que esperam atendimento, principalmente às vítimas; há longas esperas no atendimento, principalmente, na área de depoimentos e audiências; grande número de não comparecimento dos homens à delegacia para depor, devido à desistência das mulheres em levar a frente o processo de denúncia; o quadro de funcionários é reduzido em alguns setores; há fragilidades profissionais, no que se refere à formação e/ou capacitação na área de gênero; há carência de material de expediente para realização do trabalho, insatisfação profissional em relação às atividades desempenhadas, desvalorização do trabalho no meio policial, sobrecarga de funções e baixos salários; inexistência de atendimento continuado nos casos já atendidos. Considerações Finais A transversalidade da problemática que envolve a violência de gênero requer que se ampliem freqüentemente os debates e análises sobre a questão. No combate e enfrentamento à violência contra a mulher, no Brasil, há uma rede atendimento na qual estão inclusas as Delegacias Especializadas da Mulher, através dos serviços que prestam aos sujeitos em situação de violência. Saber se esses serviços são adequados, é fundamental ao combate da violência de gênero. A boa qualidade dos serviços implica, de fato, na diminuição das ocorrências e recorrências das práticas violentas. Espera-se, portanto, dessas instituições boas condições estruturais e qualificação profissional como elementos primordiais ao bom atendimento dos seus profissionais isenção de preconceitos e discriminações de gênero, uma vez que devem ser capacitados na área de gênero. Ressalta-se, porém, que a capacitação, em si, não indica necessariamente um bom atendimento. Existem outros fatores que acabam influenciando na concepção de gênero que esses profissionais trazem consigo e que, muitas vezes, entra em conflito com a própria natureza do trabalho que exercem, além de ter reflexos sobre ele. É preciso, então, considerar que nem mesmo os profissionais que trabalham nas Delegacias Especializadas estão isentos de preconceitos, é um árduo e longo processo de desconstrução a que devem, também, estar submetidos freqüentemente, daí a importância da capacitação continuada na área de gênero.

10 10 As universidades, por sua vez, através dos seus especialistas, poderiam prestar esses serviços. Acredita-se que as políticas públicas voltadas para gênero, como o combate a violência, devem considerar a complexidade e a amplitude da sua operacionalização, de forma que ofereçam serviços mais eficazes. Nesse sentido, instituições como as delegacias especializadas, na figura dos seus profissionais, devem evitar posições unilaterais que dividam as relações vividas pelos atores inseridos no contexto de violência em certos e errados, devem ir, além disso, saber os reais significados que sustentam as bases dessas práticas e trabalhar na sua desconstrução. É preciso ir além da simples dicotomia e punição para adentrar as ações socioeducativas, tão bem postas na lei, mas frágeis na prática. O homem é parte de um sistema de interações sociais e somente retirado do âmbito familiar ou punido por suas atitudes violentas, sem que lhe seja proporcionado refletir sobre suas atitudes, resulta em exclusão das relações sociais sem efetivamente erradicar a violência. Na prática, os serviços prestados pelas DEAMs deixam a desejar, no que se refere ao cumprimento das normas técnicas de padronização exigidas. A partir das observações feitas constatou-se que o atendimento, de modo geral, não é adequado, tanto no que diz respeito às condições estruturais, como à qualificação profissional e precisa melhorar, visando melhor eficácia e, conseqüentemente, menor número de desistências dos sujeitos envolvidos nos casos de violência. Propõe-se a implementação de medidas que venham melhorar as condições físico-estruturais e logísticas das DEAMs, em discussão, a fim de tornar o ambiente mais acessível, acolhedor e confortável, assim como favorecer a privacidade das vítimas e agressores, através de recintos separados de espera; acompanhamentos profissionais continuados dos casos atendidos, visando reduzir o numero de desistências a recorrência de práticas violentas e mortes das vítimas; melhor organização do atendimento através do uso de recursos tecnológicos e de informática como a utilização de senhas digitais, para agilizar e minimizar o tempo de espera; aplicação ou encaminhamento de medidas socioeducativas e ressocializadoras junto aos agressores, vítimas e família; capacitação continuada aos profissionais na área de gênero, a fim de desconstruir estereótipos e

11 11 preconceitos de gênero; programa de apoio psicossocial freqüente aos profissionais; valorização, melhores condições de trabalho e de salário. As discussões e análises, aqui empreendidas, não trataram de desqualificar os serviços das Delegacias Especializadas investigadas, nem apoiar práticas de violência ou defender agressores, mas de entender a violência de gênero como uma questão bem mais complexa e ampla do que dispor de mecanismos institucionais, atribuir culpas e punir, é preciso entender as entrelinhas e meandros dos pontos nevrálgicos que perpassam essa problemática para poder abordá-los com eficácia. Nesse sentido, são igualmente importantes no contexto de análise da violência doméstica as instituições e seus profissionais, as vítimas, agressores e suas famílias. As escutas ativas e as medidas socioeducativas devem contemplar igualmente o atendimento aos homens que se encontram na situação de agressores, as mulheres que se encontram na situação de vítimas e também seus familiares. O atendimento adequado é uma ferramenta eficaz no processo de combate, porém não tão fácil de ser instituído e processado. Referências ARAÚJO, Maria de Fátima, MARTINS, Edna Julia Scombatti, SANTOS, Ana Lucia. Violência de Gênero e violência contra a mulher. In: ARAUJO, Maria de Fátima, BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 6ª Ed- Bertrand Brasil, BRASIL Lei nº , de 7 de agosto de Presidência Da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF, agosto de DINIZ, Gláucia Ribeiro Starling; PONDAAG, Miriam Cássia Mendonça. A face oculta da violência contra a mulher: o silêncio como estratégia de sobrevivência. In: MACHADO Lia Zanotta. Atender vítimas, criminalizar violência. Dilemas das delegacias da mulher. Brasília, MENDES, Mary Alves. O pensamento de Bourdieu na compreensão de gênero. Serviço social e contemporaneidade. Revista do Departamento de Serviço Social ano VI, n.6, Teresina: EDUFPI, MENDES, Mary Alves & SILVA, Poliana de Sousa. Gênero, Educação e Violência: a influência do processo de socialização e qualificação profissional nas DEAMS. VI Encontro de Pesquisa em Educação, na Universidade Federal do Piauí- UFPI, dezembro de MINISTERIO DA JUSTIÇA. NORMA TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO DAS DELEGACIAIS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO ÀS MULHERES DEAMS, Brasilia, MUSZKAT, Suzana. Violência e masculinidade: uma contribuição psicanalítica aos estudos das relações de gênero. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós- Graduação em Psicologia Instituto de Psicologia da USP. São Paulo, PASINATO, Wânia, SANTOS, MacDawell. Mapeamento das delegacias da mulher no Brasil. Núcleo de estudos de gênero, PAGU, Unicamp, 2008.

12 SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Perseu Abramo, SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES. Enfrentamento à violência contra a mulher. Balanço de ações de , Brasília, SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA. Norma Técnica de Padronização: Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher- DEAMS. Brasília, SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO PIAUÍ. DEAMs no Piauí. Disponível em: ssp-pi.gov.br. Teresina- PI. Acesso em 26 de fevereiro de STREY, Marlene Neves; WERBA, Graziela C.; NORA, Thais Cardoso. Outra vez essa mulher? Processo de atendimento a mulheres em situação de violência nas delegacias da mulher do RS. In: STREY, Marlene Neves; AZAMBUJA, Mariana P. Ruwer de; JAEGER, Fernanda Pires (orgs.). Violência, Gênero e Políticas Públicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, VELÁZQUEZ, Susana. Segunda parte: Sobre El equipo de trabajo escuchar, comprender, ayudar In: Violência de gênero: escuchar, comprender, ayudar. Capitulo. 1ª edição Buenos Aires: Paidós,

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social

Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Secretaria Municipal de Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Proposta para Implementação de Serviço de Responsabilização e Educação de Agressores Grupo Paz em Casa

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília

25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres. Carta de Brasília Anexo VI 25 de novembro - Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres Carta de Brasília Na véspera do Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres nós, trabalhadoras dos

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO Veículo: Site Institucional do Ministério Público do Pará http://www.mppa.mp.br/index.php?action=menu.interna&id=4963&class=n Principal SANTARÉM: Rede itinerante de serviços de combate à violência doméstica

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva.

PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva. PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva. TERESA CRISTINA CABRAL SANTANA RODRIGUES DOS SANTOS Juíza de Direito da 2ª Vara Criminal de Santo André Projeto

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP

PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP PODER JUDICIÁRIO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DIALOGANDO PARA A PAZ 1. INTRODUÇÃO A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno multicausal

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu

A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu A ESCOLA DE HOMENS Trabalho realizado com autores de Violência Doméstica, no Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Nova Iguaçu Por: Ana Keli Lourenço da Rocha Tomé Sob a supervisão do

Leia mais

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos

Implantação de Rede de Identificação e Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos Programa úmero de Ações 12 0153 Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Objetivo Indicador(es) Promover a ampla defesa jurídico-social de crianças e adolescentes Taxa de Municípios com

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina:

O artigo 8º da referida lei, contemplando exatamente a dimensão do sofrimento e dos danos que a violência doméstica e familiar provoca, determina: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO VARA CENTRAL DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER SP Projeto: DE MÃOS DADAS COM A REDE Introdução A violência doméstica e familiar contra a mulher é um fenômeno

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

Projeto de Lei n.º 36/2013-L

Projeto de Lei n.º 36/2013-L Projeto de Lei n.º 36/2013-L AUTORIZA A CRIAÇÃO DE UMA CASA DE PASSAGEM PARA MULHERES NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE BARRA BONITA. Art. 1º Fica o Executivo autorizado a criar no âmbito

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009

Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Depoimento Sem Dano Depoimento Sem Dano Porto Alegre, AGOSTO de 2009 Texto DR. Breno Beutler Júnior DR. José Antônio Daltoé Cezar Expediente projeto gráfico e Ilustrações Paulo Guilherme Marques Taylor

Leia mais

Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP. 19 de agosto de 2015 SP CSA

Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP. 19 de agosto de 2015 SP CSA Relatório de reunião do Reunião do Comitê de Mulheres da ISP 19 de agosto de 2015 SP CSA 1. Abertura e apresentação do programa do dia Jocélio Drummond Secretário regional da ISP abriu a reunião, dando

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

Universidade Metodista de São Paulo

Universidade Metodista de São Paulo Universidade Metodista de São Paulo Ciências Sociais Pólo Brasília Mulher e Sociedade Ane Cruz Mulher e Sociedade A sociedade primitiva Estudos já comprovaram que nem sempre a organização da humanidade

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro.

As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. 1 As Medidas Protetivas na Lei de Violência Doméstica do Paraguai e o caso brasileiro. Francisco de Salles Almeida Mafra Filho. 1 Sumário: Introdução. Artigo 1º. Alcance e bens protegidos. Art. 2º. Medidas

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania

Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania 1) Curso de Educação para Agressores - ONG Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde. Visa a reconstrução comportamental da conduta dos homens, em atendimento

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações

capítulo 3 Estatuto do Idoso, direitos e violações capítulo Estatuto do Idoso, direitos e violações _IDOSOS NO BRASIL > vivências, desafios e expectativas na ª idade. Estatuto do Idoso, direitos e violações A maioria da população brasileira na ª idade

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres

Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Secretaria Nacional de Enfrentamento a Violencia contra as Mulheres Setembro de 2012 Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR Diretrizes para Enfrentamento ao Protocolo de Palermo Tráfico de Mulheres

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG

CMDCA PROJETOS COOPERAÇÃO CAPELINHA/MG PROJETOS COOPERAÇÃO A trajetória da infância e adolescência em Capelinha, ao longo dos anos, teve inúmeras variações, reflexos das diferentes óticas, desde uma perspectiva correcional e repressiva, visando

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS Ana Paula de S. Oliveira - Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia Universidade Federal do Amazonas. E-mail:

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal.

A Promotora de Justiça discutiu os avanços que a alteração legislativa representa para a causa da mulher e os seus reflexos no Ordenamento Penal. VI Conferência Internacional de Direitos Humanos foi organizada pela OAB/PA e ocorreu no período de 27 a 29 de abril, no período da manhã no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, em Belém.. Neste ano,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1

COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 COMPREENDENDO A POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER: UMA REFLEXÃO ACADÊMICA 1 BISOGNIN, Patrícia 2 ; SIQUEIRA, Alessandro 2 ; BÖELTER, Débora Cardoso 2 ; FONSECA, Mariana 2 ; PRUNZEL

Leia mais

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF

Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS. Central Judicial do Idoso TJDFT. MPDFT. DEFENSORIA PÚBLICA DF COORDENADORIA-GERAL DO SISTEMA DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Nome do Centro Judiciário /CJI Período 1 º de janeiro a 30 de junho/2013 Estrutura de Pessoal Servidores efetivos do TJDFT * Em tramitação pela SUGIP:

Leia mais